You are on page 1of 26

³Quando o homem constrói grandes estruturas ele usa sólidos densos como aço, concreto e vidro.

Porém, quando a natureza faz o mesmo, ela geralmente usa materiais celulares como madeira, ossos e corais. Os materiais celulares permitem a otimização simultânea da rigidez, resistência e massa de uma dada aplicação.´ Ashby

.

espumas .y materiais cerâmicos y alta porosidade (densidade < 0.3) y arranjos de células ocas Estes arranjos podem ser: y Bidimensionais ± colméias y Tridimensionais .

y Colméias y Espumas .

.

.

y Elevada fragilidade y Elevada área superficial y Alta resistência mecânica e química y Alta refratariedade y Baixa densidade y Baixa massa y Baixa condutividade térmica .

existem apenas células estão presentes y parcialmente abertas ou arestas das células fechadas ‡ Podem ser ainda parcialmente abertas ou fechadas (a permeabilidade varia de acordo com a maior ou menor interconectividade entre seus poros) .faces das y Abertas .y Fechadas .

Aplicações y filtros para altas temperaturas y isolantes térmicos y suportes para catalisadores y materiais biocerâmicos y compósitos de matriz cerâmica (CMC) .

Métodos de processamento y Incorporação de aditivos de sacrifício y Réplica (mm) y Gelcasting de espumas cerâmicas ( m) y Incorporação de espuma aquosa y Geração de bolhas y Compactação isostática a quente (HIP) sem cápsula y Densificação parcial por sinterização controlada .

gerando poros y Porosidade proporcional ao material gerador y Usual : aditivos orgânicos pirolizados y Sinterização .y Preparação de massa ou suspensão cerâmica y Incorporação de aditivos de sacrifício y Extração do material de sacrifício.

.Os poros presentes nestas estruturas foram formados pela queima do carboximetilcelulose (CMC).

y Escolha de espuma precursora y Preparação de suspensão cerâmica y Impregnação da suspensão na esponja y Remoção do excesso e secagem y Pré-queima com pirólise do material precursor y Sinterização da estrutura cerâmica y Microestrutura semelhante à da esponja precursora .

.

.

transformando-a em espuma y Polimerização in situ dos monômeros orgânicos y Reticulado tridimensional estabiliza a espuma cerâmica y Radicais livres formados durante a polimerização reagem com oxigênio.y Produção de suspensão cerâmica y Adição de monômeros orgânicos e de agente espumante com posterior aeração da suspensão. limitando o processo em sua presença y Secagem e tratamento térmico após a gelificação do material y Monômeros utilizados no processo são tóxicos e eventualmente cancerígenos y Produz espuma com poros abertos e interconectados .

.

.

y Aperfeiçoamento do gelcasting. em que o controle do diâmetro dos poros é dificultado pelo método de geração de espuma in situ y A espuma é produzida separadamente e adicionada à suspensão y Consolidação da suspensão devido a alteração no valor da força iônica e do pH y Secagem e sinterização y Não há necessidade de controle de atmosfera y Processamento sem aditivos tóxicos .

Consolidação da cerâmica DISPERSANTE Citrato de amônio di-basico AGENTE CONSOLIDADOR diacetato de alumínio hidratado .

.Imagens por MEV das superfícies de fratura da cerâmica porosa obtida pelo método de incorporação de espuma.

Fe e Co Em meio básico normalmente é utilizado Al Secagem e sinterização do esqueleto cerâmico . como Mg. Cr.y Produção de suspensão cerâmica com os constituintes desejados y Tratamento da suspensão de modo a evolver um gás. Ca. Mn. tornando o material esponjoso Podem ser misturadas argilas a diversos propelentes como carbeto e hidróxido de cálcio. criando y y y y bolhas. sulfato de alumínio e peróxido de hidrogênio Em meio ácido podem ser utilizados metais que evolvem hidrogênio.

.

100%. unrestricted 87% degrees of expansion 80% degrees of expansion .

25. Dhara. Fund. Kamboj. (2008) Tese Doutorado Eng./Dez. Rodrigues. Sebastian (2003) USP. Elita F. J. (1999) J. 18. Inst. Maykon. Geociências. Carvalho. European Ceramic Society. (2000) Ceramics International. Lima. M. Marcelo. Jorand. Tassi. 19.. Mater. (2007) Cerâmica Industrial.X. Guilherme. Fantozzib and A. e Sensores Krieger. 1339/1350 Peng. Tec.. Adriano M. da Silva. Cargnin. R. Pandolfelli (2003) Cerâmica. Reginaldo.. Mineralogia Aplicada L. Agenor..G. A. U. S. Márcio José. C. Sci. Riella. Henrique. P. J. 12. Binner. Modesto. Negroa (1998) J. 1/2. 6. 49. P. Pradhan. 12. Evans. Montanaro..O* Y. Julio.. Meneghel.b G. 6.. Hirschmann. Espaciais / Ciência Tec. M. E. J.. Indian Academy of Sciences F. H. Ortega. Humberto G. Fan. Pinto.. Bhargava. 887/895 Sepulveda. Paiva. European Ceramic Society. Z.. Ana Claudia O. G. De Noni Jr. 26. 2059/2066 y y y y y . A.. Mat. Claudio (2007) Cerâmica Industrial. Jan.R. K. V. Nov. Nov. P (2002) Bull./Abr. Guilherme. Pagnan. 1/5 Formanski.y y y y Bernardin. S.