P. 1
GRÃOS boletim CONAB marco 2012

GRÃOS boletim CONAB marco 2012

|Views: 99|Likes:
Published by adaomarin
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento realizou, por meio da
Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, no período de 23 a 29 de fevereiro de
2012, o sexto levantamento da safra 2011/12, sendo pesquisados todos os estados da
região Centro-Sul, oeste da Bahia, sul do Maranhão, sul do Piauí, Rondônia e Tocantins.
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento realizou, por meio da
Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, no período de 23 a 29 de fevereiro de
2012, o sexto levantamento da safra 2011/12, sendo pesquisados todos os estados da
região Centro-Sul, oeste da Bahia, sul do Maranhão, sul do Piauí, Rondônia e Tocantins.

More info:

Published by: adaomarin on Mar 14, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/14/2012

pdf

text

original

Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1

Safra 2011/2012
Sexto Levantamento
Março/2012
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2
Safra 2011/2012
Sexto Levantamento
Março/2012
Ministrio da A!ric"lt"ra# $ec"%ria e A&astecimento
'ompanhia (acional de A&astecimento – 'ona&
)iretoria de $ol*tica A!r*cola e +nformaç,es – )+$A+
S"perintend-ncia de +nformaç,es do A!rone!.cio – S/+(0
1espons%veis 2cnicos
S+L3+4 +S4$4 $4124
A+124( 'AMA1G4 $A'56'4 )A S+L3A
'A1L4S 14B6124 B6S2722+
Ger-ncia de Levantamento e Avaliação de Safra – G6ASA
6L6)4( $616+1A )6 4L+36+1A
84S7 'A3AL'A(26 )6 (6G16+14S
8/A169 BA2+S2A )6 4L+36+1A
MA1+A B6A21+9 A1A:84 )6 ALM6+)A
14B6124 AL36S )6 A()1A)6
'ola&oradores
)8ALMA 061(A()6S )6 A;/+(4 – Al!odão
84<4 0+G/6+16)4 1/AS – 0ei=ão
(+L3A 'LA14 '4S2A – So=a
254M6 L/+9 016+16 G/25 – Milho
$A/L4 M41'6L+ – Arro>
$A/L4 MAG(4 1AB6L4 – 2ri!o
S"perintend-ncias 1e!ionais?
Ama>onas# Bahia# 'ear%# 6sp*rito Santo# Goi%s# Maranhão# Mato Grosso# Mato
Grosso do S"l# Minas Gerais# $ar%# $ara*&a# $aran%# $ernam&"co# $ia"*# 1io de
8aneiro# 1io Grande do (orte# 1io Grande do S"l# 1ond@nia# Santa 'atarina# São
$a"lo e 2ocantinsA
$ro=eto 3is"al Gr%fico
25ABS L416(9+(+
'atalo!ação na p"&licação? 6;/+$6 )A B+BL+426'A )A '4(AB
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 C
SUMÁRIO
1A +(214)/D<4AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAE
2A '4()+DF6S 'L+MG2+'AS HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAE
CA 6S2+MA2+3A )A G16A $LA(2A)A AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAI
JA 6S2+MA2+3A )A $14)/D<4 AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAK
EA A(GL+S6 )AS '/L2/1ASAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAL
ALG4)<4AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAL
AM6()4+M HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 11
A1149 HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 1C
06+8<4 1M SA01A HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 1I
06+8<4 2M SA01A HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 1K
06+8<4 CM SA01A HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 1L
G+1ASS4L HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 20
MAM4(A HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 21
M+L54 HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 22
S48A HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 2I
S41G4 HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 2L
'/L2/1AS )6 +(361(4 HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA C0
BALA(D4 )6 40612A 6 )6MA()AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA C2
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 J
1. INTRODUÇÃO
4 Ministrio da A!ric"lt"ra# $ec"%ria e A&astecimento reali>o"# por meio da
'ompanhia (acional de A&astecimento N 'ona&# no per*odo de 2C a 2L de fevereiro de
2012# o sexto levantamento da safra 2011/12# sendo pesO"isados todos os estados da
re!ião 'entroNS"l# oeste da Bahia# s"l do Maranhão# s"l do $ia"*# 1ond@nia e 2ocantinsA
$ara a reali>ação deste levantamento foram contatados nos principais m"nic*pios
prod"tores do $a*s# instit"iç,es direta o" indiretamente li!adas P prod"ção a!r*cola#
destacandoNse os prod"tores r"rais# os profissionais de 'ooperativas# Secretarias de
A!ric"lt"ra e .r!ãos de Assist-ncia 2cnica e 6xtensão 1"ral Qoficiais e privadosR e
A!entes 0inanceirosA
A!radecemos a indispens%vel participação e cola&oração dos profissionais do
+nstit"to Brasileiro de Geo!rafia e 6stat*stica e dos .r!ãos acima citados# &em como aos
cola&oradores desta 'ompanhia# O"e# direta o" indiretamente# participaram do presente
tra&alhoA
6m atenção Ps demandas dos "s"%rios de informação de safra# os levantamentos
t-m sido reali>ados em estreita cola&oração com o +nstit"to Brasileiro de Geo!rafia e
6stat*stica N +BG6# .r!ão do Ministrio do $lane=amento# 4rçamento e Gestão#
consolidando o processo de harmoni>ação das estimativas oficiais de safra para as
principais lavo"ras &rasileirasA
(esse processo# as d"as instit"iç,es t-m somado se"s rec"rsos e esforços#
visando asse!"rar as mais ac"radas e fidedi!nas informaç,es de acompanhamento de
safra ao alcance do estado &rasileiro# coordenando pro!ressivamente mtodos# fontes#
per*odo de ap"ração# datas e hor%rios de div"l!açãoA $ara tanto# conto"Nse com a
inestim%vel e permanente contri&"ição dos .r!ãos pS&licos federais# estad"ais e
m"nicipais# e demais instit"iç,es !eradoras de informaç,es a!r*colasA
2. CONDIÇÕES CLIMÁTICAS
(o m-s de fevereiro as ch"vas não ocorreram a tempo de red">ir as perdas do
milho e da so=a no oeste do $aran%# no noroeste do 1io Grande do S"l# no oeste de Santa
'atarina e no s"doeste do Mato Grosso do S"l# ocasionadas pelas estia!ens dos meses
anterioresA (essas re!i,es# alm das precipitaç,es s. terem ocorrido com intensidade a
partir da se!"nda O"in>ena de fevereiro# as ch"vas ac"m"ladas ficaram a&aixo da mdia
hist.rica# o O"e tam&m che!o" a atrasar o plantio do milho safrinha e do fei=ão se!"nda
safra no $aran%# por falta de "midade no soloA (o entanto# as condiç,es estiveram
favor%veis P colheita das c"lt"ras de verão em todos esses estados# alm do plantio da
se!"nda safra nas %reas onde a "midade do solo encontravaNse em n*vel s"ficienteA
(o Mato Grosso e no s"l de Goi%s foi o excesso de ch"vas O"e ca"so" mais
pro&lemasA (a maioria das %reas prod"toras# as precipitaç,es acima da mdia em
de>em&ro e =aneiro &eneficiaram o crescimento da so=a# mas tam&m favoreceram a
proliferação da ferr"!em e atrapalharam o in*cio da colheitaA 6m fevereiro# essa sit"ação
manteveNse no centroNs"l do Mato Grosso e no s"doeste de Goi%s# mas como as ch"vas
foram mais esparsas não ho"ve pre="*>o si!nificativo P colheitaA 8% no centroNleste do
Mato Grosso e em parte do s"deste de Goi%s# as precipitaç,es ocorreram a&aixo da
mdia e =% sinali>am pre="*>os ao desenvolvimento da safrinha# em f"nção da &aixa
"midade no soloA
(o S"deste# apesar das precipitaç,es terem ocorrido a&aixo da mdia em
praticamente toda a re!ião# as ch"vas foram s"ficientes para as fases finais do
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 E
desenvolvimento do milho e da so=a no (oroeste e no 2riTn!"lo MineiroA (as o"tras
re!i,es prod"toras# principalmente no centroNoeste de São $a"lo N O"e =% vinha sofrendo
com estia!ens desde o m-s anterior – a falta de ch"vas a!ravo" a sit"ação das lavo"rasA
8% no s"doeste de São $a"lo# as ch"vas ocorreram acima da mdia e t-m &eneficiado o
desenvolvimento do fei=ão se!"nda safraA
(o (orte/(ordeste apesar de irre!"lares# as ch"vas t-m favorecido as lavo"ras de
so=a e al!odão na re!ião do Matopi&a Qs"l do Maranhão# leste do 2ocantins# s"doeste do
$ia"* e oeste da BahiaRA (as demais re!i,es O"e estão no in*cio da safra# a falta de
ch"vas atraso" a implantação das lavo"rasA At o final do m-s# apenas o s"doeste e
s"deste do $ar%# o oeste do 2ocantins# norte e o s"l do 'ear%# parte do oeste do 1io
Grande do (orte# o sertão da $ara*&a e parte do sertão de $ernam&"co apresentavam
"midade no solo s"ficiente para o plantio e o desenvolvimento do milho e do fei=ãoA
(o pr.ximo trimestre as ch"vas deverão ocorrer dentro da mdia hist.rica no
'entroN4este e no S"deste# o O"e si!nifica "ma dimin"ição !radativa nos *ndices de
precipitação# O"e ser% mais intensa em a&ril no S"deste e em maio no 'entroN4esteA (o
S"l# a previsão indica maior pro&a&ilidade das ch"vas ocorrerem a&aixo da mdia na
metade oeste da re!ião# o O"e poder% pre="dicar o desenvolvimento do milho safrinha# o
plantio e o desenvolvimento das c"lt"ras de invernoA (o (ordeste# as ch"vas deverão
ocorrer a&aixo da mdia no leste do Maranhão# no centroNnorte e no norte do $ia"*# em
todo o 'ear%# no oeste do 1io Grande do (orte# no sertão da $ara*&a e de $ernam&"co#
o O"e poder% pre="dicar si!nificativamente a safra dessas re!i,esA
3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA (51,68 mi!"#$ %# !#&'()#$*
6ste levantamento# o sexto da safra 2011/12# contempla informaç,es =% definidas
para as %reas c"ltivadas com as c"lt"ras de verão de primeira safra# c"lt"ras de inverno
na re!ião 'entroNS"l# c"lt"ras de se!"nda safra na re!ião 'entroNS"l# e as c"lt"ras da
re!ião (orte/(ordeste# com exceção das %reas de cerrado# o plantio em fase inicial#
portanto# as %reas ainda não estão definidasA
A estimativa da %rea a ser c"ltivada com as principais c"lt"ras de C#IU maior O"e
a c"ltivada na safra 2010/11# passando de JL#VL milh,es para E1#IV milh,es de hectares#
representando "m a"mento de 1#KL milhão hectares QO"adro 1RA
)entre as principais c"lt"ras de verão# as de al!odão# milho primeira e se!"nda
safras e so=a# apresentam crescimento# com destaO"e para o milho se!"nda safras# com
acrscimo de 1J#1U o" VCC#C mil hectares# se!"ido da so=a# com !anho de C#CU QKL1#2
mil hectaresRA As c"lt"ras de arro> e fei=ão apresentam red"ção na %reaA 4 fei=ão em
f"nção das dific"ldades na comerciali>ação e aos preços deprimidos# e o arro> pela falta
de %!"a nos reservat.rios# a"mento no c"sto de prod"ção e preços po"co atrativosA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 I
+. ESTIMATIVA DE PRODUÇÃO (15,,81 mi!"#$ %# '-.#(%($*
A prod"ção estimada de 1EK#V1 milh,es de toneladas# C#1U inferior P o&tida na
safra 2010/11# O"ando atin!i" 1I2#VJ milh,es de toneladas QO"adro 2RA 6sse res"ltado
representa "ma red"ção de E#02 milh,es de toneladasA A maior red"ção o&servada na
so=a QI#EV milh,es de toneladasR# e no arro> Q2#CE milh,es de toneladasRA $ara o milho
se!"nda safra a previsão indica crescimento de 20#1U# eO"ivalente a J#C2 milh,es de
toneladasA
6ste res"ltado se deve# principalmente# Ps condiç,es clim%ticas não favor%veis no
per*odo entre 1E de novem&ro/11 e 1E de =aneiro/12# O"e afetaram principalmente as
lavo"ras de milho e de so=a# so&ret"do nos estados da re!ião S"l# parte da S"deste e no
S"doeste de Mato Grosso do S"lA A !ravidade clim%tica afeto" principalmente as lavo"ras
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 K
1/011 P#)&#.'1( A2$-1'(
((*
3#402/12
(2*
M()02/12
(&*
(&0(* (&5(*
AL6ODÃO 1.+//,3 1.+/6,6 1.+/2,7 /,2 2,6
AMENDOIM TOTAL 8+,, 7,,1 76,5 13,7 11,8
AMENDOIM 18 SA3RA 66,/ ,6,+ ,6,3 15,6 1/,3
AMENDOIM 28 SA3RA 18,, 2/,, 2/,2 8,/ 1,5
ARRO9 2.82/,3 2.562,, 2.515,1 (1/,8* (3/5,2*
3EI:ÃO TOTAL +.//5,+ 3.8/2,2 3.8/6,8 (5,/* (178,6*
3EI:ÃO 18 SA3RA 1.+17,7 1.2,/,/ 1.2,2,/ (1/,+* (1+,,7*
3EI:ÃO 28 SA3RA 1.823,8 1.,,/,5 1.,,3,1 (2,8* (5/,,*
3EI:ÃO 38 SA3RA ,61,, ,61,, ,61,, 5 5
6IRASSOL 66,+ 68,, 6,,7 2,3 1,5
MAMONA 217,3 211,/ 1+8,1 (32,5* (,1,2*
MIL;O TOTAL 13.8/6,1 15.322,2 15.366,2 11,3 1.56/,1
MIL;O 18 SA3RA ,.716,3 8.631,1 8.6+3,+ 7,2 ,2,,1
MIL;O 28 SA3RA 5.887,8 6.671,1 6.,22,8 1+,1 833,/
SO:A 2+.181,/ 2+.,6+,+ 2+.7,2,2 3,3 ,71,2
SOR6O 81,,+ ,8+,6 8/8,3 (1,1* (7,1*
SU<TOTAL +,.+//,7 +7./17,5 +7.18+,/ 3,8 1.,83,1
AVEIA 153,8 153,/ 153,/ (/,5* (/,8*
CANOLA +6,3 +2,+ +2,+ (8,+* (3,7*
CENTEIO 2,+ 2,3 2,3 (+,2* (/,1*
CEVADA 8,,7 88,+ 88,+ /,6 /,5
TRI6O 2.1+7,8 2.166,2 2.166,2 /,8 16,+
TRITICALE +6,7 +6,/ +6,/ (1,7* (/,7*
SU<TOTAL 2.+8,,1 2.+78,3 2.+78,3 /,5 11,2
<RASIL +7.888,/ 51.51,,8 51.682,3 3,6 1.,7+,3
3ONTE= CONA< 5 L#4(.'(m#.'-= M()>-02/12.
(Em 1/// !(*
PRODUTOS
SA3RA VARIAÇÃO
11012
?1(%)- 1
<RASIL
ESTIMATIVA DE ÁREA PLANTADA
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
de milho e so=a no 1io Grande do S"l e no $aran%# "ma ve> O"e se encontram
predominantemente nas fases cr*ticas de floração e fr"tificaçãoA

Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 V
1/011 P#)&#.'1( A2$-1'(
((*
3#402/12
(2*
M()02/12
(&*
(&0(* (&5(*
AL6ODÃO 5 CAROÇO
(1*
3.228,6 3.277,2 3.27,,8 2,1 67,2
AL6ODÃO 5 PLUMA 1.757,8 2.//2,/ 2.//1,1 2,1 +1,3
AMENDOIM TOTAL 226,5 257,1 255,7 13,/ 27,+
AMENDOIM 18 SA3RA 177,2 228,/ 225,1 13,/ 25,7
AMENDOIM 28 SA3RA 2,,3 31,1 3/,8 12,8 3,5
ARRO9 13.613,1 11.1,/,8 11.26,,, (1,,2* (2.3+5,+*
3EI:ÃO TOTAL 3.,6,,5 3.+//,6 3.5,2,8 (5,2* (17+,,*
3EI:ÃO 18 SA3RA 1.68/,3 1.32+,7 1.37,,7 (16,8* (282,+*
3EI:ÃO 28 SA3RA 1.378,1 1.285,3 1.38+,5 (1,/* (13,6*
3EI:ÃO 38 SA3RA 687,1 ,7/,+ ,7/,+ 1+,, 1/1,3
6IRASSOL 83,1 88,1 7+,6 13,8 11,5
MAMONA 1+1,1 1+6,1 1/5,/ (25,6* (36,1*
MIL;O TOTAL 5,.+/,,/ 6/.831,/ 61.,/3,/ ,,5 +.276,/
MIL;O 18 SA3RA 35.725,7 35./++,8 35.878,8 (/,1* (2,,1*
MIL;O 28 SA3RA 21.+81,1 25.,86,2 25.8/+,2 2/,1 +.323,1
SO:A ,5.32+,3 67.228,8 68.,+8,5 (8,,* (6.5,5,8*
SOR6O 2.31+,/ 2./2,,1 2.1+7,, (,,1* (16+,3*
SU<TOTAL 156.1/5,2 15/.+5/,8 151.175,/ (3,1* (+.71/,2*
AVEIA 3,7,/ 353,5 353,5 (6,,* (25,5*
CANOLA 67,, 52,/ 52,/ (25,+* (1,,,*
CENTEIO 3,2 3,5 3,5 7,+ /,3
CEVADA 283,7 3/5,1 3/5,1 ,,5 21,2
TRI6O 5.881,6 5.,88,6 5.,88,6 (1,6* (73,/*
TRITICALE 11+,7 11+,2 11+,2 (/,6* (/,,*
SU<TOTAL 6.,32,3 6.616,7 6.616,7 (1,,* (115,+*
<RASIL
(2*
162.83,,5 15,./6,,, 15,.811,7 (3,1* (5./25,6*
3ONTE= CONA< 5 L#4(.'(m#.'-= M()>-02/12.
(1*
P)-%1>@- %# &()->- %# (A-%@-.
(2*
EB&1i ( C)-%1>@- %# (A-%@- #m C1m(.
(Em 1/// '*
PRODUTOS
SA3RA VARIAÇÃO
11012
?1(%)- 2
<RASIL
ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DE 6RÃOS
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
5. ANÁLISE DAS CULTURAS
AL6ODÃO
6ste levantamento indica O"e serão c"ltivados 1AJ02#L mil hectares com al!odão
no $a*sA 4 nSmero 0#2U s"perior aos 1AJ00#C mil hectares c"ltivados na safra 2010/11A
A demanda m"ndial reprimida provoco" acent"ada retração dos preços do al!odão em
pl"ma no per*odo em O"e antecede o plantio# aliado ao alto c"sto de prod"ção da lavo"ra
foram os principais fatores O"e infl"enciaram os cotonic"ltores nacionais na decisão
so&re o tamanho da %rea a c"ltivar na at"al safraA
4 estado do Mato Grosso# l*der no processo prod"tivo nacional# rec"o" em 0#2U
a %rea plantada# em comparação P safra 2010/11# todavia# a prod"ção da pl"ma poder%
crescer J#JU# dada Ps &oas perspectivas de prod"tividadeA A estimativa at"al poder%
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 L
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 1.,1,,6 1.,6+,+ 2,, 2.,/5 2.68/ (/,7* +.6+5,3 +.,2,,8 1,8
11 CC#2 CC#2 N CALL1 CALL1 N 1C2#E 1C2#E N
14 CLL#V J11#K C#0 2AJV1 2AJEV Q0#LR LL1#V 1A011#V 2#0
A' IE#L IV#K J#2 1AKJE 1AV0C C#C 11E#0 12C#L K#K
AM 2C#2 2C#2 N 2A0KC 2A0VI 0#I JV#1 JV#J 0#I
A$ V#L V#L N L10 LJJ C#K V#1 V#J C#K
$A JK2#K JKC#I 0#2 2ACCV 2A2EL QC#JR 1A10E#1 1A0IL#K QC#2R
24 K1C#L KJE#1 J#J CA1JJ CA1C1 Q0#JR 2A2JJ#K 2ACCC#1 C#L
NORDESTE 8.,5/,7 8.75/,2 2,3 1.828 1.8++ /,7 15.77,,, 16.5/2,3 3,2
MA 1AEVC#E 1AKC2#V L#J 2A0VL 2A0CK Q2#ER CAC0V#E CAEC0#2 I#K
$+ 1A1JI#2 1A1LK#2 J#J 1ALKJ 1ALKE 0#1 2A2I2#C 2ACIE#0 J#E
'6 1AJCJ#1 1AJ2E#L Q0#IR LCI KLJ Q1E#2R 1ACJ2#K 1A1C2#I Q1E#IR
1( 1EK#1 1EK#1 N IVI I10 Q11#1R 10K#V LE#L Q11#0R
$B C2L#L CC1#1 0#J JCL E02 1J#J 1JJ#V 1II#1 1J#K
$6 ICJ#2 ICJ#E N EVK EEC QE#VR CK2#C CE1#0 QE#KR
AL 122#I 122#I N V22 K2I Q11#KR 100#V VL#0 Q11#KR
S6 2IV#J 2IV#J N CAKL2 CAECE QI#VR 1A01K#K LJV#K QI#VR
BA CA0KJ#L CA0V0#I 0#2 2ACVK 2AEJ0 I#J KACJ0#V KAV2C#V I#I
CENTRO5OESTE 16.878,1 18.1+3,3 ,,+ 3.357 3.+53 2,8 56.,57,1 62.65/,, 1/,+
M2 LAICV#V 10AEVJ#E L#V CA211 CACE1 J#J C0ALJL#1 CEAJIV#C 1J#I
MS 2ALIE#J CA0LK#J J#E CA0KK CA0KE Q0#1R LA12J#L LAE2C#1 J#J
G4 JA1KC#J JACC1#2 C#V CAVIJ CAL2V 1#K 1IA12I#0 1KA012#V E#E
)0 120#E 1C0#2 V#0 JAIJ0 JALIE K#0 EEL#1 IJI#E 1E#I
SUDESTE +.,78,/ +.887,3 1,7 3.688 3.8,/ +,7 1,.67+,8 18.722,/ 6,7
MG 2AVIV#1 2AL0C#I 1#2 CAK1C JA00L V#0 10AIE0#J 11AIJ1#J L#C
6S EJ#I E1#2 QI#2R 1AV1K 1AVKK C#C LL#2 LI#1 QC#1R
18 1C#2 12#1 QV#CR 2A11J 2A0LL Q0#KR 2K#L 2E#J QL#0R
S$ 1AVI2#1 1AL22#J C#2 CAK1E CAK2J 0#2 IAL1K#C KA1EL#1 C#E
SUL 1,.,23,+ 1,.735,1 1,2 3.822 3./6, (17,8* 6,.,+/,6 55.//7,1 (18,8*
$1 VALC2#K VALKK#2 0#E CAIC2 CA0EI Q1E#LR C2AJJJ#I 2KAJCJ#K Q1E#JR
S' 1ACEJ#0 1ACJE#L Q0#IR JAKV0 JA2LL Q10#1R IAJK2#0 EAKVI#1 Q10#IR
1S KAJCI#K KAI12#0 2#J CAVKI 2AVI2 Q2I#2R 2VAV2J#0 21AKVV#C Q2J#JR
NORTE0NORDESTE 1/.+68,5 1/.,1+,6 2,+ 1.7,2 1.781 /,5 2/.6+3,/ 21.23/,1 2,8
CENTRO5SUL 37.+17,5 +/.76,,, 3,7 3.6/, 3.33+ (,,6* 1+2.17+,5 136.581,8 (3,7*
<RASIL +7.888,/ 51.682,3 3,6 3.26+ 3./53 (6,5* 162.83,,5 15,.811,7 (3,1*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
QWR $rod"tos selecionados? 'aroço de al!odão# amendoim Q1M e 2M safrasR# arro># aveia# centeio# cevada# fei=ão Q1M# 2M e CM safrasR# !irassol# mamona# milho 1M e 2M safras# so=a# sor!o# tri!o
e triticaleA
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* MFDIA (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 3
<RASIL
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO DE 6RÃOS 5 PRODUTOS SELECIONADOS(H*
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
sofrer variaç,es# dependendo do clima d"rante a =anela indicada para a semead"ra do
al!odão se!"nda safra# O"e ocorre ap.s a colheita da so=a precoce A 4 estado da Bahia#
se!"ndo no ranXin! na prod"ção nacional# aparece na pesO"isa com incremento de %rea
QC#0UR# saindo de J0E#C mil hectares c"ltivados na safra passada# para J1K#E mil
hectares na safra at"alA
4 !anho tecnol.!ico dever% cola&orar na melhoria da prod"tividade o" no m*nimo
manter os mesmos n*veis o&tidos na safra anterior# ressalvado as infl"-ncias clim%ticasA
4 res"ltado aparece no a"mento mdio nacional para a pr.xima safra# cerca de 1#KU
passando de CAK0E para CAKKK X!/ha por hectare de al!odão em caroço QO"adro JRA
;"anto P prod"ção do al!odão em pl"ma# a pesO"isa at"al aponta para "m
crescimento de 2#1U em relação P safra anterior# passando de 1ALEL#V para 2A001#1 mil
toneladas QO"adro ERA 4 6stado de Mato Grosso dever% colher cerca de LKE#1 mil toneladas#
o O"e eO"ivale a JV#KJU da prod"ção nacional at"almente estimadaA (a seO"-ncia# v-m os
estados da Bahia com ICL#L e de Goi%s com 1CL#K mil toneladas# correspondendo em termos
percent"ais a C1#LKU e K#0U# respectivamente da prod"ção &rasileiraA
As precipitaç,es pl"viomtricas re!istradas nas principais re!i,es prod"toras de
al!odão &eneficio" o in*cio da semead"ra# principalmente para o al!odão primeira safra#
c"=o plantio est% praticamente finali>ado e os &ons re!imes de ch"vas verificados at o
momento favorecem a fase at"al de desenvolvimento ve!etativo da c"lt"raA
4 plantio do al!odão em São $a"lo# $aran% e s"l de Mato Grosso do S"l#
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 10
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 5,5 8,+ 52,, 3.+8/ 3.5// /,6 17,1 27,+ 53,7
24 E#E V#J E2#0 CAJV0 CAE00 0#I 1L#1 2L#J EC#L
NORDESTE +5/,5 +68,2 3,7 3.877 3.813 (2,2* 1.,56,5 1.,85,2 1,6
MA 1V#1 1V#I 2#L CALC0 CAKV0 QC#VR K1#1 K0#C Q1#1R
$+ 1K#V 22#1 2J#1 CAKV0 CAIC0 QJ#0R IK#C V0#2 1L#2
'6 C#1 2#K J#J 1A010 KJ0 Q2I#KR C#1 2#0 QCE#ER
1( C#V C#V N EIK E20 QV#CR 2#2 2#0 QL#1R
$B 1#0 1#V VJ#0 VIL KI0 Q12#ER 0#L 1#J EE#I
$6 0#V 1#1 CV#0 K20 K00 Q2#VR 0#I 0#V CC#C
AL 0#I 0#I N C20 C00 QI#CR 0#2 0#2 N
BA J0E#C J1K#E C#0 CALKE CAL00 Q1#LR 1AI11#1 1AI2V#C 1#1
CENTRO5OESTE 873,5 8,+,2 (2,2* 3.6/+ 3.,57 +,3 3.22/,6 3.285,, 2,/
M2 K2C#E K22#C Q0#2R CAEJ0 CAK00 J#E 2AEI1#2 2AIK2#E J#C
MS I1#0 I2#0 1#K CAKE0 CALJE E#2 22V#V 2JJ#I I#L
G4 10V#C VL#L Q1K#0R CALI0 JA100 C#E J2V#L CIV#I Q1J#1R
)0 0#K N Q100#0R 2AJCE N Q100#0R 1#K N Q100#0R
SUDESTE +7,, 5/,7 2,+ 3.8/3 3.615 (+,7* 187,1 175,8 3,5
MG C1#I C1#C Q1#0R CAIIC CAKC0 1#V 11E#V 11I#K 0#V
S$ 1V#1 1L#I V#C JA0JV JA0CE Q0#CR KC#C KL#1 K#L
SUL 1,1 1,2 7,1 2.836 2.3/, (18,,* 3,1 2,8 (7,,*
$1 1#1 1#2 L#V 2AVCI 2AC0K Q1V#KR C#1 2#V QL#KR
NORTE0NORDESTE +56,/ +,6,6 +,5 3.87+ 3.8/, (2,2* 1.,,5,6 1.81+,6 2,2
CENTRO5SUL 7++,3 726,3 (1,7* 3.61+ 3.,62 +,1 3.+12,8 3.+8+,3 2,1
<RASIL 1.+//,3 1.+/2,7 /,2 3.,/5 3.,,, 1,7 5.188,+ 5.278,7 2,1
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- +
AL6ODÃO EM CAROÇO
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
ocorre" na se!"nda O"in>ena de o"t"&ro/11A (as demais re!i,es prod"toras a
semead"ra ocorre" na se!"nda O"in>ena de novem&ro# como o caso de Goi%s e da
re!ião de Barreiras/BAA 8% o al!odão irri!ado c"ltivado no oeste da Bahia a semead"ra
ocorre" em =aneiro/12 A
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 11
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 5,5 8,+ 52,, 1.35, 1.365 /,6 ,,5 11,5 53,3
24 E#E V#J E2#0 1ACEK 1ACIE 0#I K#E 11#E EC#C
NORDESTE +5/,5 +68,2 3,7 1.531 1.+78 (2,2* 687,7 ,/1,3 1,,
MA 1V#1 1V#I 2#L 1AECC 1AJKJ QC#VR 2K#K 2K#J Q1#1R
$+ 1K#V 22#1 2J#1 1AJLC 1AJCJ QJ#0R 2I#I C1#K 1L#2
'6 C#1 2#K Q1C#0R CEJ 2EL Q2I#VR 1#1 0#K QCI#JR
1( C#V C#V N 1LV 1V2 QV#1R 0#V 0#K Q12#ER
$B 1#0 1#V VJ#0 C0J 2II Q12#ER 0#C 0#E II#K
$6 0#V 1#1 CV#0 2E2 2JE Q2#VR 0#2 0#C E0#0
AL 0#I 0#I N 112 10E QI#CR 0#1 0#1 N
BA J0E#C J1K#E C#0 1AEI2 1AECC Q1#LR ICC#1 ICL#L 1#1
CENTRO5OESTE 873,5 8,+,2 (2,2* 1.327 1.385 +,2 1.18,,2 1.21/,6 2,/
M2 K2C#E K22#C Q0#2R 1A2L2 1ACE1 J#I LCJ#V LKE#E J#J
MS I1#0 I2#0 1#K 1AJIC 1AECL E#2 VL#2 LE#J K#0
G4 10V#C VL#L Q1K#0R 1AE01 1AEEJ C#E 1I2#E 1CL#K Q1J#0R
)0 0#K N Q100#0R LJE N Q100#0R 0#K N Q100#0R
SUDESTE +7,, 5/,7 2,+ 1.+88 1.5/5 1,1 ,+,/ ,6,6 3,5
MG C1#I C1#C Q1#0R 1AJCI 1AJI2 1#V JE#J JE#V 0#L
S$ 1V#1 1L#I V#C 1AEKL 1AEKJ Q0#CR 2V#I C0#V K#K
SUL 1,1 1,2 7,1 1./,8 8,, (18,6* 1,2 1,1 (8,3*
$1 1#1 1#2 L#V 1A0KV VKK Q1V#IR 1#2 1#1 QV#CR
NORTE0NORDESTE +56,/ +,6,6 +,5 1.527 1.+75 (2,2* 67,,+ ,12,8 2,2
CENTRO5SUL 7++,3 726,3 (1,7* 1.33, 1.371 +,/ 1.262,+ 1.288,3 2,1
<RASIL 1.+//,3 1.+/2,7 /,2 1.+// 1.+26 1,7 1.757,8 2.//1,1 2,1
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 5
AL6ODÃO EM PLUMA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 5,5 8,+ 52,, 2.123 2.135 /,6 11,6 1,,7 5+,3
24 E#E V#J E2#0 2A12C 2A1CE 0#I 11#I 1K#L EJ#C
NORDESTE +5/,5 +68,2 3,7 2.36, 2.315 (2,2* 1./66,6 1./83,7 1,6
MA 1V#1 1V#I 2#L 2ACLK 2AC0I QC#VR JC#J J2#L Q1#2R
$+ 1K#V 22#1 2J#1 2A2VK 2A1LI QJ#0R J0#K JV#E 1L#2
'6 C#1 2#K Q1C#0R IEK JV1 Q2I#VR 2#0 1#C QCE#0R
1( C#V C#V N CIL CCV QV#JR 1#J 1#C QK#1R
$B 1#0 1#V VJ#0 EIE JLJ Q12#IR 0#I 0#L E0#0
$6 0#V 1#1 CV#0 JIV JEE Q2#VR 0#J 0#E 2E#0
AL 0#I 0#I N 20V 1LE QI#CR 0#1 0#1 N
BA J0E#C J1K#E C#0 2AJ1C 2ACIK Q1#LR LKV#0 LVV#J 1#1
CENTRO5OESTE 873,5 8,+,2 (2,2* 2.2,6 2.3,+ +,3 2./33,+ 2./,5,1 2,1
M2 K2C#E K22#C Q0#2R 2A2JV 2ACE0 J#E 1AI2I#J 1AILK#0 J#C
MS I1#0 I2#0 1#K 2A2VV 2AJ0I E#2 1CL#I 1JL#2 I#L
G4 10V#C VL#L Q1K#0R 2AJEL 2AEJI C#E 2II#J 22V#L Q1J#1R
)0 0#K N Q100#0R 1AJL0 N Q100#0R 1#0 N Q100#0R
SUDESTE +7,, 5/,7 2,+ 2.315 2.3+2 1,2 115,1 117,2 3,6
MG C1#I C1#C Q1#0R 2A22K 2A2IV 1#V K0#J K0#L 0#K
S$ 1V#1 1L#I V#C 2AJIL 2AJI1 Q0#CR JJ#K JV#C V#1
SUL 1,1 1,2 7,1 1.,58 1.+3/ (18,,* 1,7 1,, (1/,5*
$1 1#1 1#2 L#V 1AKEV 1AJC0 Q1V#KR 1#L 1#K Q10#ER
NORTE0NORDESTE +56,/ +,6,6 +,5 2.36+ 2.312 (2,2* 1./,8,2 1.1/1,8 2,2
CENTRO5SUL 7++,3 726,3 (1,7* 2.2,, 2.3,1 +,1 2.15/,+ 2.176,/ 2,1
<RASIL 1.+//,3 1.+/2,7 /,2 2.3/6 2.351 2,/ 3.228,6 3.27,,8 2,1
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 6
CAROÇO DE AL6ODÃO
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
AMENDOIM
Si'1(>@- A#)( – 4 amendoim c"ltivado de forma mais si!nificativa# em de>
estadosA 4 maior prod"tor São $a"lo com V0U da prod"ção nacional# se!"ido por
Bahia C#IU e Mato Grosso 2#VUA
6m São $a"lo a c"lt"ra do amendoim "tili>ada na renovação da canaNdeN
açScar# O"e por ser "ma le!"minosa incorpora nitro!-nio ao solo favorecendo a
reimplantação da canaNdeNaçScarA (a Bahia o destino da prod"ção principalmente para
"so nas i!"arias tradicionais das festas ="ninasA
Á)#( &1'i4(%( – A %rea c"ltivada com amendoim na safra 2011/12 deve ficar em
LI#E mil hectares com IL#I mil hectares# c"ltivadas em São $a"loA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade mdia da prod"ção nacional de amendoim de
ficar em torna de 1AE2C X!/haA A melhor mdia dever% ficar com São $a"lo CA01I X!/ha
em seO"-ncia 2ocantins CA000 X!/ha e Mato Grosso 2AJE0A (a Bahia a prod"tividade
mdia fica em torno de 1A000 X!/ha# menor O"e o"tros estados devido ao tipo de c"ltivo#
po"co "so de ins"mos e de tecnolo!iaA
P)-%1>@- – A prod"ção nacional de amendoim esperada para esta safra deve
alcançar C0#V mil toneladas# 12#VU s"perior ao colhido na safra anteriorA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 12
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
SUDESTE 58,3 67,3 18,7 3.137 3./,3 (2,1* 183,/ 213,/ 16,+
MG C#0 2#I Q1C#CR 2AK00 CAC0V 22#E V#1 V#I I#2
S$ EE#C II#K 20#K CA1IC CA0IJ QC#1R 1KJ#L 20J#J 1I#L
SUL ,,, ,,/ (7,1* 2.1/5 1.,2/ (18,3* 16,2 12,1 (25,3*
$1 C#V C#C Q1J#CR 2AEE1 1AIVJ QCJ#0R L#K E#I QJ2#CR
1S C#L C#K QE#1R 1AIK1 1AKE2 J#V I#E I#E N
CENTRO5SUL 66,/ ,6,3 15,6 3./17 2.7+7 (2,3* 177,2 225,1 13,/
<RASIL 66,/ ,6,3 15,6 3./17 2.7+7 (2,3* 177,2 225,1 13,/
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- ,
AMENDOIM 18 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 1,, 1,2 (27,+* 2.87, 3./// 3,6 +,7 3,6 (26,5*
24 1#K 1#2 Q2V#VR 2AVLK CA000 C#I J#L C#I Q2I#ER
NORDESTE 12,/ 13,2 1/,/ 7/8 1./78 2/,7 1/,7 1+,5 33,/
'6 2#0 1#L QJ#JR 1A2KK 1AJE1 1C#I 2#I 2#V K#K
$B 0#I 1#0 II#0 C00 EV0 LC#C 0#2 0#I 200#0
S6 1#I 1#I 1#I 1A200 1A200 N 1#L 1#L N
BA K#V V#K 11#E V00 1A0I1 C2#I I#2 L#2 JV#J
CENTRO5OESTE 3,/ 2,7 (3,3* 2.5// 2.+5/ (2,/* ,,5 ,,1 (5,3*
M2 C#0 2#L QC#ER 2AE00 2AJE0 Q2#0R K#E K#1 QE#CR
SUDESTE 2,/ 2,7 +5,/ 1.773 1.723 (3,5* +,/ 5,6 +/,/
S$ 2#0 2#L JE#0 1ALLC 1AL2C QC#ER J#0 E#I J0#0
NORTE0NORDESTE 13,, 1+,+ 5,1 1.155 1.256 8,, 15,8 18,1 1+,6
CENTRO5SUL 5,/ 5,8 16,/ 2.27, 2.18, (+,8* 11,5 12,, 1/,+
<RASIL 18,, 2/,2 8,/ 1.+6/ 1.523 +,3 2,,3 3/,8 12,8
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 8
AMENDOIM 28 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
ARRO9
Si'1(>@- A#)( – A lavo"ra de arro> da safra 2011/12 no 1io Grande do S"l
começo" a ser semeada no m-s de setem&ro# lo!o ap.s o solo ter atin!ido a
temperat"ra m*nima para provocar a !erminação das sementesA A lavo"ra semeada nesta
poca começo" a ser colhida em fevereiro# antecipando assim# o in*cio da safra 2011/12A
A red"ção da %rea semeada foi confirmada e as ca"sas são? a dific"ldade de
comerciali>ação# preços po"co atrativos# a"mento no c"sto de prod"ção e falta de %!"a
nos reservat.rios Qcorpos dY%!"a# aç"des e &arra!ensR# no momento da semead"raA (a
fronteira 4este do 1io Grande do S"l# onde se concentra a prod"ção do arro> irri!ado do
estado# a red"ção fico" ao redor de 10U se comparada P c"ltivada na safra anteriorA (a
re!ião central do estado Qdepressão centralR# a red"ção fico" pr.xima dos 2EU# nas
o"tras re!i,es ho"ve red"ção# em&ora em percent"al menor# e a exceção foi a re!ião s"l
do estado# onde a %rea c"ltivada foi semelhante a safra anteriorA As c"lt"ras O"e
s"&stit"*ram o arro> foram? a so=a# o milho e o paste=o &ovinoA Al!"ns prod"tores
aproveitaram o momento para limpar as %reas infestadas com arro> vermelho resistente
ao her&icida onlZ Qimazetapir R# "sado como her&icida nas semead"ra das variedades 'L
QClearfieldRA
4 pacote de ins"mos foi menor devido ao a"mento dos preços dos prod"tos no
mercado# principalmente os nitro!enadosA
(os demais estados prod"tores# a semead"ra teve in*cio no m-s de o"t"&ro e se
estende" at novem&roA 6m Santa 'atarina# se!"ndo maior prod"tor do arro> irri!ado# a
variação da %rea foi peO"ena# pois as %reas c"ltivadas são praticamente todas
sistemati>adas# "sam sementes prN!erminadas e dificilmente servem para o c"ltivo de
o"tros prod"tosA (este estado ocorre" atraso na semead"ra# o O"e dimin"i a
possi&ilidade dos prod"tores colherem o arro> prod">ido na soO"eira Q&rotação ap.s a
colheitaRA (o $aran% a dimin"ição de %rea do c"ltivo irri!ado m*nima# mas# na %rea de
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1C
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 1,, 1,2 (27,+* 2.87, 3./// 3,6 +,7 3,6 (26,5*
24 1#K 1#2 Q2L#JR 2AVLK CA000 C#I J#L C#I Q2I#ER
NORDESTE 12,/ 13,2 1/,/ 7/8 1./78 2/,7 1/,7 1+,5 33,/
'6 2#0 1#L QE#0R 1A2KK 1AJE1 1C#I 2#I 2#V K#K
$B 0#I 1#0 II#K C00 EV0 LC#C 0#2 0#I 200#0
S6 1#I 1#I N 1A200 1A200 N 1#L 1#L N
BA K#V V#K 11#E V00 1A0I1 C2#I I#2 L#2 JV#J
CENTRO5OESTE 3,/ 2,7 (3,3* 2.5// 2.+5/ (2,/* ,,5 ,,1 (5,3*
M2 C#0 2#L QC#CR 2AE00 2AJE0 Q2#0R K#E K#1 QE#CR
SUDESTE 6/,3 ,2,2 17,, 3.1/1 3./2, (2,+* 18,,/ 218,6 16,7
MG C#0 2#I Q1C#CR 2AK00 CAC0V 22#E V#1 V#I I#2
S$ EK#C IL#I 21#E CA122 CA01I QC#JR 1KV#L 210#0 1K#J
SUL ,,, ,,/ (7,1* 2.1/5 1.,2/ (18,3* 16,2 12,1 (25,3*
$1 C#V C#C Q1C#2R 2AEE1 1AIVJ QCJ#0R L#K E#I QJ2#CR
1S C#L C#K QE#1R 1AIK1 1AKE2 J#V I#E I#E N
NORTE0NORDESTE 13,, 1+,+ 5,1 1.155 1.256 8,, 15,8 18,1 1+,6
CENTRO5SUL ,1,/ 82,1 15,6 2.768 2.875 (2,5* 21/,, 23,,8 12,7
<RASIL 8+,, 76,5 13,7 2.6,+ 2.651 (/,7* 226,5 255,7 13,/
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 7
AMENDOIM TOTAL (18 # 28 SA3RA*
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
seO"eiro a O"eda acent"adaA
4 arro> de seO"eiro c"=a a %rea em n*vel de Brasil eO"ivale ao irri!ado# começo" a
ser semeado no final de o"t"&ro na re!ião 'entroN4este e nas re!i,es (orte e (ordeste a
partir de fevereiroA 4 c"ltivo do seO"eiro est% dimin"indo safra a safra# mas# a O"eda não
aparece na prod"ção &rasileira# porO"e o arro> irri!ado vem n"m constante crescimento
de prod"tividade# com lançamento de novas variedades altamente prod"tiva e a
disseminação do c"ltivo dos h*&ridos O"e alcançam prod"tividades acima da mdia das
variedades com"nsA
(o momento deste levantamento Q2J a 20/02/12R# a lavo"ra de arro> apresenta
variaç,es O"e vão desde o desempenho satisfat.rio# at a sit"ação cr*tica pela falta de
%!"a para irri!açãoA As lavo"ras O"e menos sofreram com a falta de %!"a estão sit"adas
em Santa 'atarina# na fronteira 4este QAle!rete e /r"!"aianaR# litoral S"l e litoral (orte e
re!ião metropolitana de $orto Ale!reA (os m"nic*pios da re!ião de $elotas a salini>ação
da %!"a da la!oa est% alta# e as lavo"ras O"e "sam a %!"a deste manancial para a
irri!ação# poderão sofrer conseO"-ncias no final do ciclo da c"lt"raA
4 estado mais atin!ido pela estia!em o 1io Grande do S"lA 4s prod"tores O"e
"tili>am para irri!ação a %!"a de peO"enos aç"des# riachos o" c.rre!os e rios com
peO"ena va>ão# enfrentam srios pro&lemasA (a re!ião central do estado Q 1estin!a Seca
e 'achoeira do S"lR# e na re!ião da 'ampanha Q1e!ional de 1os%rio do S"lR# existem
lavo"ras? sem irri!ação# s"& irri!adas e com defici-ncia na irri!açãoA )evido a esta
sit"ação# a prod"tividade das lavo"ras atin!idas tende a ser menor# mas# a O"antificação
est% dific"ltada# pois o evento dimin"i" somente nesta semanaA
Á)#( &1'i4(%( – A %rea c"ltivada com arro> na safra 2011/12 deve ficar em
2AE1E#1 mil hectares# 10#VU menor O"e a %rea da safra anteriorA A maior variação est%
relacionada ao arro> da re!ião 'entroNS"l Q1C#1UR e em menor *ndice a re!ião (orte
QV#2UR e a (ordeste QI#JURA
Si$'#m( %# &1'i4- – 4 c"ltivo do arro> irri!ado adota os sistemas? $lantio )ireto#
'"ltivo M*nimo e $lantio $rNGerminadoA (o 1io Grande do S"l o c"ltivo m*nimo atin!e
IV#CU# o $lantio 'onvencional 22#1U e o prN!erminado L#IU do total c"ltivado no
estadoA 6m Santa 'atarina predomina o sistema de c"ltivo em patamares sistemati>ados#
onde são "sadas &asicamente sementes prN!erminadasA 8% o arro> de seO"eiro "tili>a o
sistema de plantio direto para as %reas c"ltivadas repetidamente# e o plantio convencional
para as %reas de a&ert"ra recenteA (as re!i,es (orte e (ordeste# o predom*nio do
plantio convencional tradicionalA
P)-%1'i4i%(%# – $elos fatores de prod"ção do momento# O"e infl"enciam na
prod"tividade# poss*vel estimar a prod"tividade em torno de JAJV1 X!/ha para o arro>
&rasileiroA A metodolo!ia "tili>ada pela 'ona& para estimar a prod"tividade# prev- o "so
da mdia o&tida nas cinco Sltimas safras# descartandoNse os res"ltados at*picosA 4 &om
senso tam&m "ma ferramenta levada em conta O"ando os fatores O"e interferiram na
prod"tividade podem ser d"rado"ros# como por exemplo# o empre!o de tecnolo!ia e o
aprimoramento do c"ltivo pelos prod"toresA (esta safra# a semead"ra do arro> irri!ado no
1io Grande do S"l "ltrapasso" o per*odo ideal para a semead"ra e pode dimin"ir a
prod"tividade das %reas semeadas mais tardeA $esO"isas reali>adas pelo +1GA – +nstit"to
1io!randense do Arro># comprovam O"e a prod"tividade cai P medida O"e o per*odo de
semead"ra avança no tempoA A prod"tividade do arro> de seO"eiro tem mantido a
constTncia de CA000 X!/haA 4 clima infl"encio" a O"antidade de !rãos inteiros e as
lavo"ras colhidas at o momento apresentam rendimento inferior ao esperado e menor
O"e na safra anteriorA /ma preoc"pação a mais para os prod"tores devido P nova ta&ela
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1J
de classificação em vi!orA
P)-%1>@- – $ela %rea c"ltivada e a sit"ação at"al da lavo"ra de arro># a prod"ção
nacional de arro> pode ficar ao redor de 11A2IK#K mil toneladasA 4s mananciais de
irri!ação do 1io Grande do S"l ficaram a&aixo da capacidade de irri!ação # e permanece
a previsão de ch"vas a&aixo da mdia para os pr.ximos meses A $ara as re!i,es (orte e
(ordeste O"e começo" a semead"ra a partir do m-s de fevereiro# o fator limitante o
clima e as informaç,es dispon*veis no momento não permitem avaliar com se!"rança o
comportamento deste fator no per*odo de desenvolvimento da c"lt"raA
E$'IAi- %( &1'1)( – (a re!ião S"l a semead"ra foi concl"*da no in*cio de
de>em&ro# e as %reas semeadas no in*cio de o"t"&ro começam a ser colhidas em
fevereiro e as demais estão no final do ciclo# predominando a mat"raçãoA (a re!ião
'entroN4este# onde a semead"ra depende do per*odo ch"voso# os tra&alhos tiveram
in*cio a partir do m-s de o"t"&ro e no momento as lavo"ras estão no per*odo de
fr"tificação e mat"raçãoA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1E
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 358,, 327,2 (8,2* 2.85+ 2.821 (1,2* 1./23,6 728,8 (7,3*
11 20#0 20#0 N EACEJ EACEJ N 10K#1 10K#1 N
14 K1#1 E1#1 Q2V#1R 2AELE 2ACKC QV#IR 1VJ#E 121#C QCJ#CR
A' 1I#0 1I#V E#0 1AEJI 1AEJK 0#1 2J#K 2I#0 E#C
AM J#J J#J N 2A000 2A0I1 C#1 V#V L#1 C#J
A$ C#I C#I N 1A0LJ 1A11E 1#L C#L J#0 2#I
$A 102#V 102#V N 2A0C1 1ALVJ Q2#CR 20V#V 20J#0 Q2#CR
24 1J0#V 1C0#E QK#CR CAJE0 CAE0J 1#I JVE#V JEK#C QE#LR
NORDESTE 683,+ 637,7 (6,+* 1.,72 1.82+ 1,8 1.22+,8 1.16,,3 (+,,*
MA JIL#K JJJ#C QE#JR 1AEIJ 1AI0V 2#V KCJ#I K1J#J Q2#KR
$+ 1JI#J 1CK#E QI#1R 1AVJE 1ALEK I#1 2K0#1 2IL#1 Q0#JR
'6 C2#2 2E#1 Q21#LR 2ALJK 2AKL2 QE#CR LJ#L K0#1 Q2I#1R
1( 1#1 1#1 N CA0JC CAJ00 11#K C#C C#K 12#1
$B 2#L 2#L N KEJ VI0 1J#1 2#2 2#E 1C#I
$6 2#I 2#I N EAIVK EACE0 QE#LR 1J#V 1C#L QI#1R
AL C#0 C#0 N IA0JI EAI00 QK#JR 1V#1 1I#V QK#2R
S6 V#K V#K N IAE00 EAKV0 Q11#1R EI#I E0#C Q11#1R
BA 1I#V 1J#K Q12#KR 1AV00 1AV00 N C0#2 2I#E Q12#CR
CENTRO5OESTE 356,/ 25/,7 (27,5* 3.132 3./5+ (2,5* 1.115,1 ,66,2 (31,3*
M2 2EI#0 1IL#0 QCJ#0R CA10L CA0K0 Q1#CR KLE#L E1V#V QCJ#VR
MS 2L#0 1V#0 QCK#LR EACVE EAL00 L#I 1EI#2 10I#2 QC2#0R
G4 K1#0 IC#L Q10#0R 2A2LI 2A20L QC#VR 1IC#0 1J1#2 Q1C#JR
SUDESTE 6/,, 56,2 (,,+* 2.611 2.,67 6,1 158,5 155,6 (1,8*
MG J0#V CJ#V Q1J#KR 2A0J2 2A0LV 2#K VC#C KC#0 Q12#JR
6S 1#2 0#L Q21#VR 2AKJK 2AEIL QI#ER C#C 2#C QC0#CR
18 1#L 1#E Q21#0R CAIVJ CAI20 Q1#KR K#0 E#J Q22#LR
S$ 1I#V 1L#0 1C#0 CAVIC CALJ1 2#0 IJ#L KJ#L 1E#J
SUL 1.361,5 1.238,7 (7,/* ,.+12 6.657 (1/,2* 1/./71,1 8.2+7,8 (18,2*
$1 CL#E CE#V QL#CR JAV22 JAJ21 QV#CR 1L0#E 1EV#C Q1I#LR
S' 1E0#J 1E0#1 Q0#2R IAI2E IAL0E J#2 LLI#J 1A0CI#J J#0
1S 1A1K1#I 1A0EC#0 Q10#1R KAI00 IAK00 Q11#VR VAL0J#2 KA0EE#1 Q20#VR
NORTE0NORDESTE 1./+2,1 767,1 (,,/* 2.158 2.163 /,2 2.2+8,+ 2./76,1 (6,8*
CENTRO5SUL 1.,,8,2 1.5+6,/ (13,1* 6.371 5.732 (,,2* 11.36+,, 7.1,1,6 (17,3*
<RASIL 2.82/,3 2.515,1 (1/,8* +.82, +.+8/ (,,2* 13.613,1 11.26,,, (1,,2*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 1/
ARRO9
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
(o (orte e (ordeste# como o per*odo de semead"ra começo" em fevereiro# lo!o
ap.s o in*cio das ch"vas# a c"lt"ra est% na fase inicial do ciclo prod"tivoA (os estados da
$ara*&a# $ernam&"co e 1io Grande do (orte# as ch"vas ainda não ocorreram em n*vel
O"e permita a semead"ra do arro> de seO"eiroA
?1(i%(%# %- C)-%1'- – As variedades O"e prod">em arro> lon!o fino são de
.tima O"alidade e atendem as exi!-ncias do mercado# incl"sive em relação Ps
variedades de seO"eiroA (esta safra# o prod"to colhido at o momento no 1io Grande do
S"l apresenta O"alidade inferior PO"ela da safra passada# principalmente# em relação ao
!rão inteiroA As variedades de alta prod"ção QB1 +1GA J2J e $"it%R# t-m alto potencial
prod"tivo# mas# o desempenho na ind"striali>ação fraco pela apresentação de defeitos
no !rão com &arri!a &ranca e !essoA 4 comportamento do clima ser% importante para a
O"alidade do prod"to# O"e ser% colhido na pr.xima safraA Grandes variaç,es de
temperat"ra d"rante as vinte e O"atro horas do dia provocam danos no !rão# dimin"indo
a O"antidade de inteirosA
3EI:ÃO
Si'1(>@- A#)( – A estimativa da %rea c"ltivada com fei=ão nesta safra sinali>a
dimin"ição de %rea na maioria dos estados prod"toresA As lavo"ras esta&elecidas tiveram
&om desenvolvimento inicial em todos os estados O"e c"ltivam o fei=ão primeira safraA A
lavo"ra semeada mais cedo teve colheita pr.xima do normalA )o meio do ciclo prod"tivo
em diante# começaram os pro&lemas clim%ticos adversos e si!nificativos e os estados
mais pre="dicados foram? $aran%# 1io Grande do S"l e Santa 'atarinaA (o $aran%# na
primeira safra# sem re!istro importante de perda de prod"tividade na re!ião (orte E a
10U diferente da re!ião S"l e 'entroN(orte O"e sofre" com a estia!em e noites frias
re!istrando perdas de 2E a C0U na prod"tividadeA A perda na prod"ção acontece" pela
red"ção de %rea c"ltivada devido ao desest*m"lo ca"sado pelo preço &aixo no momento
do plantioA
(o !eral# a c"lt"ra do fei=ão vem enfrentando altos e &aixos nos Sltimos anosA A
insta&ilidade dos preços# a &aixa liO"ide># os &aixos estoO"es do prod"to e os pro&lemas
clim%ticos# fi>eram os prod"tores mi!rar parte da lavo"ra para o"tros c"ltivosA (o c"ltivo
de fei=ão primeira safra# parte da lavo"ra perde" %rea para o milho e a so=aA
A lavo"ra de se!"nda safra começo" a ser semeada a partir do m-s de de>em&ro
no $aran%# 1io Grande do S"l e Santa 'atarina e nos demais estados# a partir do m-s de
=aneiroA (o $aran% para a se!"nda safra# levando em consideração os preço praticados
no mercado de fei=ão de 1[ 120#00 a 1[1V0#00 a saca o prod"tor a"mento" %reaA 6m
minas Gerais a previsão da %rea semeada ser s"perior a safra anterior pela motivação
dos &ons preços do mercadoA 6m São $a"lo# Mato Grosso# Mato !rosso do S"l e no 1io
Grande do S"l# a expectativa de dimin"ição de %rea devido aos fatores clim%ticosA
3EI:ÃO PRIMEIRA SA3RA
Á)#( &1'i4(%( N A %rea c"ltivada com fei=ão primeira safra dever% ficar em torno de
1A2K2 mil hectares# 10#JU menor O"e a safra passadaA 'om exceção de São $a"lo e
Goi%s# todos os demais estados prod"tores apresentaram red"ção de %reaA A O"eda
maior foi constatada no $aran%# se!"ndo maior prod"tor# O"e semeo" LE mil hectares a
menos O"e na safra anteriorA 6m Santa 'atarina a dimin"ição de %rea che!o" a 1I mil ha#
em Minas Gerais 1C mil e na Bahia 11 mil hectaresA 6sta red"ção se deve# so&ret"do# ao
desempenho na comerciali>ação com preços pa!os ao prod"tor a&aixo do esperado e a
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1I
concorr-ncia com o"tras c"lt"ras como so=a e milho# O"e no momento da semead"ra
apresentavam melhor desempenho comercial e de prod"çãoA (as re!i,es (orte e
(ordeste a semead"ra do fei=ão primeira safra começa ap.s o in*cio do per*odo ch"voso
Q=aneiro/fevereiroRA
Si$'#m( %# &1'i4- – A maior parte da lavo"ra de fei=ão c"ltivada no sistema
convencional# apenas as !randes %reas "tili>am maO"in%rio moderno e semead"ra diretaA
(a re!ião 'entroN4este com"m a "tili>ação do c"ltivo so&re piv@ Qirri!adoR# desde O"e
os preços praticados no mercado se=am s"ficientes para co&rir os !astos com a irri!açãoA
E$'IAi- %( &1'1)( – A c"lt"ra do fei=ão primeira safra est% na fase final de colheita
na re!ião 'entroNS"lA (a re!ião (ordeste# a Bahia est% começando a semead"raA 4s
demais estados não t-m fei=ão primeira safraA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade mdia do fei=ão primeira safra dever% ficar em
1A0LL X!/haA As melhores mdias o&tidas são? São $a"lo 1ALEI# $aran% 1AJ1K# Santa
'atarina 1AEL2# 1io Grande do S"l 1A1I0 e Minas Gerais 1A1LL X!/haA
P)-%1>@- N A prod"ção nacional de fei=ão primeira safra# deve alcançar 1ACLK#L mil
toneladas# 1I#VU menor O"e a colhida na safra anterior# o" se=a# 2V2#J mil toneladas a
menosA A maior O"eda acontece" no Mato Grosso do S"l# $aran% e 1io Grande do S"lA
3EI:ÃO SE6UNDA SA3RA
Si'1(>@- 6#)( – A se!"nda safra de fei=ão apresenta "m comportamento diferente
do O"e acontece" na primeira safraA 'om a menor oferta de prod"to no mercado devido a
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1K
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE +,2 +,5 ,,1 1./53 ,8/ (25,7* +,+ 3,5 (2/,5*
24 J#2 J#E I#K 1A0EC KV0 Q2E#LR J#J C#E Q20#ER
NORDESTE 538,8 516,+ (+,2* 55/ +,, (13,3* 276,3 2+6,6 (16,8*
MA EI#I JL#L Q11#LR EL0 J1C QC0#0R CC#J 20#I QCV#CR
$+ 22L#K 22J#L Q2#1R CJ2 CI0 E#C KV#I V1#0 C#1
BA 2E2#E 2J1#I QJ#CR KC0 I00 Q1K#VR 1VJ#C 1JE#0 Q21#CR
CENTRO5OESTE 88,7 86,7 (2,2* 2.116 2.285 8,/ 188,2 178,6 5,5
M2 1V#1 1J#C Q21#2R 1AIE0 2A1KV C2#0 2L#L C1#1 J#0
MS 2#C 1#2 QJL#ER 1AIE0 1ALIE 1L#1 C#V 2#J QCI#VR
G4 EE#2 EL#J K#I 2A0VC 2A2KJ L#2 11E#0 1CE#1 1K#E
)0 1C#C 12#0 QL#VR 2ALK0 2AE00 Q1E#VR CL#E C0#0 Q2J#1R
SUDESTE 272,7 27/,3 (/,7* 1.+51 1.+58 /,5 +25,2 +23,2 (/,5*
MG 1L2#1 1KV#L QI#LR 1A1IK 1A1LL 2#K 22J#2 21J#E QJ#CR
6S K#0 I#K QC#LR KEE V1L V#E E#C E#E C#V
18 1#I 1#I N LKL LEJ Q2#IR 1#I 1#E QI#CR
S$ L2#2 10C#1 11#V 2A10E 1ALEI QK#1R 1LJ#1 201#K C#L
SUL +75,1 3,3,7 (2+,5* 1.5+8 1.+/, (7,1* ,66,2 526,/ (31,3*
$1 CJJ#1 2JV#L Q2K#KR 1AEIE 1AJ1K QL#ER ECV#E CE2#K QCJ#ER
S' V1#E IE#E Q1L#IR 1AIC0 1AEL2 Q2#CR 1C2#V 10J#C Q21#ER
1S IL#E EL#E Q1J#JR 1ACIE 1A1I0 Q1E#0R LJ#L IL#0 Q2K#CR
NORTE0NORDESTE 5+3,/ 52/,7 (+,1* 55+ +8/ (13,+* 3//,, 25/,1 (16,8*
CENTRO5SUL 8,6,7 ,51,1 (1+,3* 1.5,3 1.528 (2,7* 1.3,7,6 1.1+,,8 (16,8*
<RASIL 1.+17,7 1.2,2,/ (1/,+* 1.183 1./77 (,,1* 1.68/,3 1.37,,7 (16,8*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 11
3EI:ÃO 18 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
dimin"ição da %rea c"ltivada na primeira safra e a O"eda da prod"ção no $aran% e no 1io
Grande do S"l em f"nção da estia!em prolon!ada# fe> com O"e os preços do prod"to
s"&isse para patamares &astante altosA 4 prod"tor por s"a ve> se senti" incentivado a
a"mentar o c"ltivo# O"e menor O"e o da safra anterior# mas# m"ito acima da intenção de
plantio manifestada no in*cio da semead"ra da se!"nda safraA
Á)#( &1'i4(%( – A previsão da %rea c"ltivada com fei=ão se!"nda safra de
1AKKC#1 mil hectares# com red"ção de 2#VU em relação a safra anteriorA Al!"ma variação
f"t"ra da %rea c"ltiva ficar% por conta das %rea das re!i,es (orte e (ordeste O"e
semeiam mais tarde# no inicio do per*odo ch"vosoA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade em n*vel nacional do fei=ão se!"nda safra deve
o&ter a mdia por hectare de KV1 X!/haA 5% "ma variação m"ito !rande de "ma re!ião
para o"tra# por conseO"-ncia do comportamento do clima# da tecnolo!ia aplicada e do
tipo de solo em O"e c"ltivadoA (a re!ião 'entroN4este atin!e at 2A000 X!/ha# nas
re!ião S"l fica pr.ximo de 1E00 X!/ha# na re!ião (orte oscila perto dos K00 X!/ha e a
re!ião (ordeste tem a menor mdia# ao redor de E00 X!/haA

Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1V
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 1+8,+ 1+,,, (/,5* 782 ,8+ (2/,2* 1+5,6 115,8 (2/,5*
11 C#0 C#0 N IIK II0 Q1#0R 2#0 2#0 N
14 JI#K JI#K N III IV0 2#1 C1#1 C1#V 2#C
A' 12#2 12#2 N EJE EJ0 Q0#LR I#I I#I N
AM J#V J#V N VLI L00 0#J J#C J#C N
A$ 1#K 1#K N KV0 KV0 N 1#C 1#C N
$A E2#0 E2#0 N K1E KK0 K#K CK#2 J0#0 K#E
24 2V#0 2K#C Q2#JR 2A2EJ 1A0L1 QE1#IR IC#1 2L#V QE2#VR
NORDESTE 1./5+,, 1./5/,5 (/,+* +/1 +23 5,5 +22,, +++,7 5,3
MA JC#C JC#C J0L E00 22#2 1K#K 21#K 22#I
$+ V#K V#K KCE K00 QJ#VR I#J I#1 QJ#KR
'6 I00#0 ELE#V Q0#KR J2J JV0 1C#2 2EJ#J 2VI#0 12#J
1( K0#2 K0#2 JV0 J00 Q1I#KR CC#K 2V#1 Q1I#IR
$B 1IV#1 1IV#1 2II C00 12#V JJ#K E0#J 12#V
$6 1IJ#J 1IJ#J J00 C20 Q20#0R IE#V E2#I Q20#1R
CENTRO5OESTE 2/5,2 1+1,2 (31,2* 1./,+ 1.352 25,7 22/,5 171,/ (13,+*
M2 1IL#L 101#I QJ0#2R LIE 1A111 1E#1 1IJ#0 112#L QC1#2R
MS 1I#E 1E#V QJ#CR 1A0E0 1AEC0 JE#K 1K#C 2J#2 CL#L
G4 1V#E 2C#E 2I#L 2A0L1 2A2IK V#J CV#K EC#C CK#K
)0 0#C 0#C 1AE00 2A0E0 CI#K 0#E 0#I 20#0
SUDESTE 17,,5 175,/ (1,3* 1.388 1.382 (/,+* 2,+,2 267,5 (1,,*
MG 1CK#1 1J0#I 2#I 1A2L1 1A2L1 N 1KK#0 1V1#E 2#E
6S 12#1 12#1 KCE LJ0 2K#L V#L 11#J 2V#1
18 2#E 2#E LIK L00 QI#LR 2#J 2#C QJ#2R
S$ JE#V CL#V Q1C#0R 1AVKI 1AVII Q0#ER VE#L KJ#C Q1C#ER
SUL 218,/ 238,, 7,5 1.53, 1.522 (1,/* 335,1 363,3 8,+
$1 1K2#I 1VL#C L#K 1AI1C 1AEI0 QC#CR 2KV#J 2LE#C I#1
S' 22#E 2K#I 22#K 1A2C0 1ACVJ 12#E 2K#K CV#2 CK#L
1S 22#L 21#V QJ#VR 1A2IV 1ACII K#K 2L#0 2L#V 2#V
NORTE0NORDESTE 1.2/3,1 1.178,2 (/,+* +,2 +68 (/,8* 568,3 56/,, (1,3*
CENTRO5SUL 62/,, 5,+,7 (,,+* 1.33, 1.+33 ,,2 827,8 823,8 (/,,*
<RASIL 1.823,8 1.,,3,1 (2,8* ,6, ,81 1,8 1.378,1 1.38+,5 (1,/*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 12
3EI:ÃO 28 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
P)-%1>@- – A prod"ção da se!"nda safra de fei=ão dever% ser de 1ACVJ#E mil
toneladasA 4 clima ser% o fator de prod"ção O"e permanecer% ativo d"rante todo o ciclo
da c"lt"ra# at"ando em todas as re!i,es do pa*sA 4s estados com maior %rea c"ltivada
são? $aran% – 1VL#C mil ha# Minas Gerais – 1J0#I mil h%# $ara*&a – 1IV#1 mil ha#
$ernam&"co – 1IJ#J mil ha e Mato Grosso – 101#I mil haA
3EI:ÃO TERCEIRA SA3RA
Á)#( &1'i4(%( J )e acordo com a metodolo!ia "sada pela 'ona&# a %rea
c"ltivada com fei=ão terceira safra ser% mantida i!"al a da safra anterior at O"e a
definição da intenção de plantio este=a firmada pelos prod"tores# o O"e deve ocorrer em
al!"ns estados prod"tores no pr.ximo levantamentos de safraA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 1L
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 11,, 11,, 5 2.25+ 2.25/ (/,2* 26,+ 26,3// (/,+*
24 11#K 11#K N 2A2EJ 2A2E0 Q0#2R 2I#J 2I#C00 Q0#JR
NORDESTE 58/,/ 58/,/ 5 +1, 61, +8,/ 2+2,1 35,,6 +,,,
'6 12#L 12#L J02 1A000 1JV#V E#2 12#L 1JV#1
$6 1EV#0 1EV#0 I0I EC0 Q12#ER LE#K VC#K Q12#ER
AL I1#V I1#V E10 E00 Q2#0R C1#E C0#L Q1#LR
S6 CI#K CI#K VJK I00 Q2L#2R C1#1 22#0 Q2L#CR
BA C10#I C10#I 2EC IK0 1IJ#V KV#I 20V#1 1IJ#V
CENTRO5OESTE 62,8 62,8 5 2.662 2.631 (1,2* 16,,2 165,2 (1,2*
M2 20#2 20#2 2A02L 2A0E0 1#0 J1#0 J1#J 1#0
MS 0#J 0#J 1AJ2E 1ACJ0 QI#0R 0#I 0#E Q1I#KR
G4 CI#2 CI#2 2ALCL 2AL00 Q1#CR 10I#J 10E#0 Q1#CR
)0 I#0 I#0 CA200 CA0E0 QJ#KR 1L#2 1V#C QJ#KR
SUDESTE 1/1,1 1/1,1 5 2.+6+ 2.336 (5,2* 2+7,1 236,2 (5,2*
MG K2#1 K2#1 2AE12 2AE12 N 1V1#1 1V1#1 N
S$ 2L#0 2L#0 2ACJJ 1AL00 Q1V#LR IV#0 EE#1 Q1L#0R
SUL 6,1 6,1 67, 8+/ 2/,5 +,3 5,1 18,6
$1 I#1 I#1 ILK VJ0 20#E J#C E#1 1V#I
NORTE0NORDESTE 571,, 571,, 5 +5+ 6+7 +3,/ 268,5 383,7 +3,/
CENTRO5SUL 1,/,/ 1,/,/ 5 2.+,3 2.372 (3,3* +2/,6 +/6,5 (3,+*
<RASIL ,61,, ,61,, 5 7/5 1./38 1+,, 687,1 ,7/,+ 1+,,
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 13
3EI:ÃO 38 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
6IRASSOL
Si'1(>@- A#)( – 4 !irassol tem se" c"ltivo espalhado por todas as re!i,es
&rasileiras# mas# a prod"ção em lar!a escala est% &aseada na re!ião 'entroNS"lA A maior
prod"ção est% no Mato Grosso JC#I mil # Goi%s V#2 mil# Mato Grosso do S"l J#L mil e 1io
Grande do S"l C#I mil hectaresA 4 S"l do pa*s =% foi o maior prod"tor de !irassol# mas#
perde" a he!emonia pela falta de incentivo a prod"ção e da !arantia da aO"isição do
prod"toA As empresas fomentadoras não c"mpriram totalmente com o O"e fico" prN
esta&elecido# e com isso perderam a credi&ilidade ="nto aos prod"tores O"e preferiram
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 20
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 16+,3 163,7 (/,2* 1./,+ 887 (1,,2* 1,6,+ 1+5,6 (1,,5*
11 C#0 C#0 N IIK II0 Q1#0R 2#0 2#0 N
14 JI#K JI#K N III IV0 2#1 C1#1 C1#V 2#C
A' 12#2 12#2 N EJE EJ0 Q0#LR I#I I#I N
AM J#V J#V N VLI L00 0#J J#C J#C N
A$ 1#K 1#K N KV0 KV0 N 1#C 1#C N
$A E2#0 E2#0 N K1E KK0 K#K CK#2 J0#0 K#E
24 JC#L JC#E Q0#LR 2A1CL 1ACK1 QCE#LR LC#L EL#I QCI#ER
NORDESTE 2.1,3,5 2.1+6,7 (1,2* ++2 +87 1/,6 761,1 1./+7,1 7,2
MA LL#L LC#2 QI#KR E12 JEC Q11#JR E1#1 J2#C Q1K#2R
$+ 2CV#J 2CC#I Q2#0R CEI CKC J#I VE#0 VK#1 2#E
'6 I12#L I0V#K Q0#KR J2J JL1 1E#L 2EL#I 2LV#L 1E#1
1( K0#2 K0#2 N JV0 J00 Q1I#KR CC#K 2V#1 Q1I#IR
$B 1IV#1 1IV#1 N 2II C00 12#V JJ#K E0#J 12#V
$6 C22#J C22#J N E01 J2C Q1E#IR 1I1#E 1CI#C Q1E#IR
AL I1#V I1#V N E10 E00 Q2#0R C1#E C0#L Q1#LR
S6 CI#K CI#K N VJK I00 Q2L#2R C1#1 22#0 Q2L#CR
BA EIC#1 EE2#2 Q1#LR JIK ICL CI#L 2I2#L CEC#1 CJ#C
CENTRO5OESTE 356,7 27/,7 (18,5* 1.613 1.7/, 18,2 5,5,8 55+,, (3,,*
M2 20V#2 1CI#1 QCJ#IR 1A12V 1ACI2 20#V 2CJ#V 1VE#J Q21#0R
MS 1L#2 1K#J QL#JR 1A1C0 1AEEI CK#K 21#K 2K#1 2J#L
G4 10L#L 11L#1 V#J 2ACII 2AJIC J#1 2I0#1 2LC#C 12#V
)0 1L#I 1V#C QI#IR CA01V 2AIKC Q11#JR EL#2 JV#L Q1K#JR
SUDESTE 571,5 586,+ (/,7* 1.6/3 1.58+ (1,2* 7+8,5 728,8 (2,1*
MG J01#C CL1#I Q2#JR 1AJE1 1AJKJ 1#I EV2#C EKK#1 Q0#LR
6S 1L#1 1V#V Q1#IR KJ2 VLK 20#V 1J#2 1I#L 1L#0
18 J#1 J#1 N LK2 L21 QE#2R J#0 C#V QE#0R
S$ 1IK#0 1K1#L 2#L 2A0VJ 1AL2I QK#IR CJV#0 CC1#0 QJ#LR
SUL ,17,2 618,, (1+,/* 1.53, 1.++6 (5,7* 1.1/5,6 87+,+ (17,1*
$1 E22#V JJJ#C Q1E#0R 1AEK1 1AJK0 QI#JR V21#2 IEC#1 Q20#ER
S' 10J#0 LC#1 Q10#ER 1AEJC 1AEC0 Q0#LR 1I0#E 1J2#E Q11#2R
1S L2#J V1#C Q12#0R 1ACJ1 1A21E QL#JR 12C#L LV#V Q20#CR
NORTE0NORDESTE 2.33,,8 2.31/,8 (1,2* +8, 51, 6,2 1.13,,5 1.17+,, 5,/
CENTRO5SUL 1.66,,6 1.+76,/ (1/,3* 1.5,, 1.57/ /,8 2.627,7 2.3,,,7 (7,6*
<RASIL +.//5,+ 3.8/6,8 (5,/* 7+1 738 (/,3* 3.,6,,5 3.5,2,8 (5,2*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 1+
3EI:ÃO TOTAL (18, 28 # 38 SA3RA*
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
a&andonar a atividade frente aos freO"entes pre="*>os ac"m"ladosA Boa parte da
prod"ção de !irassol destinada P alimentação de p%ssaros Qcaso do Mato GrossoRA
4"tro fator O"e dep,e contra o plantio do !irassol a concorr-ncia direta com so=a e
milho# O"e alm de terem melhor preço e maior liO"ide># são semeados na mesma poca
da ideal para o !irassolA
Á)#( &1'i4(%( – A %rea c"ltivada com !irassol na safra 2011/12 deve ficar em IK#L
mil hectares# com JC#I mil hectares c"ltivadas no Mato Grosso# correspondendo a IEU da
%rea nacional semeada com !irassolA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade mdia da prod"ção nacional de !irassol prevista
para esta safra deve ser de 1ACL2 X!/haA A melhor mdia dever% ser o&tida na re!ião
'entroN4este# ao redor de 1AE00 X!/haA (o S"l# em torno de 1AJ00 X!/ha# e nas re!i,es
(orte e (ordeste entre I00 e V00 X!/haA
P)-%1>@- – A prod"ção nacional de !irassol esperada para esta safra deve
alcançar LJ#I mil toneladas# 1C#VU s"perior ao colhido na safra anteriorA
MAMONA
Si'1(>@- A#)( – A mamona c"ltivada principalmente nas peO"enas propriedades
por ser "ma c"lt"ra O"e depende m"ito de mão de o&ra &raçalA 4s c"ltivos intensivos
patrocinados por empresas partic"lares não tiveram a seO"-ncia prevista e a maioria foi
a&andonadaA (as variedades de mamona dispon*vel no mercado# não existem c"ltivares
pr.prios para "tili>ar colheita mecTnica# "tili>ando m%O"inas com"ns para colher o"tras
c"lt"rasA $or o"tro lado não existe m%O"ina espec*fica para colher as variedades de
mamona c"ltivadas at"almenteA (esta safra a O"eda da %rea c"ltivada &astante
si!nificativa em todos os estados prod"toresA )entre os motivos da O"eda est% em
primeiro l"!ar a falta de "midade no solo na poca da semead"ra e tam&m d"rante o
desenvolvimento das plantas das lavo"ras implantadasA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 21
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORDESTE 2,1 2,1 5 ,,6 ,6, (1,2* 1,, 1,, 5
'6 1#L 1#L N KVV KV0 Q1#0R 1#E 1#E N
1( 0#1 0#1 N IJ2 IJ0 Q0#CR 0#1 0#1 N
BA 0#1 0#1 IK2 IE0 QC#CR 0#1 0#1 N
CENTRO5OESTE 5/,8 56,, 11,6 1.257 1.+35 1+,/ 6+,/ 81,+ 2,,2
M2 CL#L JC#I L#C 1A22V 1AJ00 1J#0 JL#0 I1#0 2J#E
MS J#I J#L I#J 1AC1K 1AE00 1C#L I#1 K#J 21#C
G4 I#C V#2 C0#V 1AJ11 1AEV2 12#1 V#L 1C#0 JI#1
SUDESTE 5,+ 5,+ 1.185 1.16, (1,5* 6,+ 6,3 (1,6*
MG E#J E#J N 1A1VE 1A1IK (1,5* I#J I#C (1,6*
SUL 8,1 3,, (5+,3* 1.36/ 1.+1, +,2 11,/ 5,2 (52,,*
$1 0#2 0#1 QE0#0R 1ACV2 1ACV0 Q0#1R 0#C 0#1 QII#KR
1S K#L C#I QEJ#JR 1ACEL 1AJ1V J#C 10#K E#1 QE2#CR
NORTE0NORDESTE 2,1 2,1 5 ,,6 ,6, (1,2* 1,, 1,, 5
CENTRO5SUL 6+,3 65,8 2,3 1.265 1.+12 11,6 81,+ 72,7 1+,1
<RASIL 66,+ 6,,7 2,3 1.25/ 1.372 11,+ 83,1 7+,6 13,8
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 15
6IRASSOL
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
Á)#( &1'i4(%( – A %rea c"ltivada com mamona na safra 2011/12 deve ficar em
1JV#1 mil hectares# com red"ção de C2#EU em relação P safra anteriorA 4 c"ltivo se
concentra na Bahia# aonde a red"ção da %rea che!o" a JL#2U#c"ltivando apenas K1#E mil
hectares ante aos 1J0#V mil hectares da safra anteriorA 4"tro estado com c"ltivo
si!nificativo e o 'ear%# com I0 mil hectares e na safra at"al prev- plantar I#JU a maisA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade mdia da prod"ção nacional de mamona prevista
para esta safra deve ser de K0V X!/haA A melhor mdia colhida na re!ião S"deste# 2A000
X!/h%# mas# as %reas são peO"enas e estão dimin"indo a cada safraA
P)-%1>@- – A prod"ção nacional de mamona esperada para esta safra deve
alcançar 10E mil toneladas# 2E#IU menor em relação P colheita anteriorA
MIL;O
Si'1(>@- A#)( – A %rea semeada com milho primeira safra teve a"mento
si!nificativo pelo est*m"lo dos &ons preços do mercado O"e permaneceram em patamar
rem"nerador em todas as re!i,es prod"torasA 4s a"mentos mais si!nificativos
aconteceram no $aran%# Goias# Mato Grosso e 1io Grande do S"lA
4 desenvolvimento da lavo"ra considerado satisfat.rio nos principais estados
prod"tores# como Minas Gerais# Goi%s# Mato Grosso# 2ocantins# parte do $aran%# São
$a"lo# Santa 'atariana e Mato Grosso do S"lA 4 clima foi favor%vel d"rante a semead"ra#
o O"e proporciono" adiantamento si!nificativo na implantação da lavo"ra# O"ando
comparado P mesma etapa da safra anteriorA
(o 1io Grande do S"l V0U da %rea semeada no primeiro per*odo O"e inicia no
m-s de a!osto e termina em o"t"&roA 6sta fatia da lavo"ra sofre" severamente os efeitos
da estia!em# com perda s"perior a J0U em relação a colheita anteriorA $or ca"sa da
estia!em não foi poss*vel semear os 20U restantes O"e seriam semeados entre
de>em&ro e =aneiroA Al!"mas %reas foram semeadas em fevereiro# mas# a destinação da
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 22
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORDESTE 2/7,+ 1+1,2 (32,6* 621 655 5,5 127,, 72,5 (28,,*
$+ J#I 2#1 QEJ#JR CE0 VJK 1J2#0 1#I 1#V 12#E
'6 EI#J I0#0 I#J JIK JL1 E#1 2I#C 2L#E 12#2
1( 0#C 0#C N KEK K00 N N 0#2 N
$6 K#C K#C CVI EC2 CK#V 2#V C#L CL#C
BA 1J0#V K1#E QJL#2R K0C KLL 1C#K LL#0 EK#1 QJ2#CR
SUDESTE ,,7 5,7 5 783 2.//7 1/+,+ ,,8 11,7 52,6
MG K#2 E#J Q2E#0R VVL 2A010 12I#1 I#J 10#L K0#C
S$ 0#K 0#E Q2V#KR 1ALE0 2A000 2#I 1#J 1#0 Q2V#IR
SUL 2,/ 1,/ (5/,/* 1.,78 6// (66,6* 3,6 /,6 (83,3*
$1 2#0 1#0 QE1#2R 1AKLV I00 QII#IR C#I 0#I QVC#CR
NORTE0NORDESTE 2/7,+ 1+1,2 (32,6* 621 655 5,5 127,, 72,5 (28,,*
CENTRO5SUL 7,7 6,7 (3/,3* 1.1+8 1.8/5 5,,2 11,+ 12,5 7,6
<RASIL 217,3 1+8,1 (32,5* 6++ ,/8 7,7 1+1,1 1/5,/ (25,6*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 16
MAMONA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
prod"ção deixa de ser para !rãos e sim para sila!emA
(o levantamento foi poss*vel constatar o predom*nio do "so dos h*&ridos \B2]
Qtrans!-nicosR# e o avanço da "tili>ação dos h*&ridos 11A
(o $aran% o predom*nio total das sementes !eneticamente modificadasA
(as re!i,es (orte e (ordeste a semead"ra começo" em =aneiro de 2012# se
estendendo at ="nho# conforme o estado e o clima caracter*sticoA
A semead"ra da lavo"ra de milho da se!"nda safra começo" a partir da se!"nda
O"in>ena de =aneiro no $aran%# Mato Grosso e mais timidamente em Goi%sA
6m todos os estados com expressão na prod"ção da se!"nda safra# est% previsto
a"mento consider%vel de %rea# ficando o Mato Grosso com o maior a"mento# 2V#EU da
%rea# correspondendo a E2C#C mil hectaresA 6m seO"-ncia vem? $aran% – 10#JU# Goi%s –
L#KU e Mato Grosso do S"l – K#LUA 'om o a"mento da %rea plantada na se!"nda safra#
a semente de alta tecnolo!ia fico" escassa# e m"itos prod"tores "tili>aram h*&ridos de
&aixa tecnolo!ia para completar a semead"raA
4 a"mento si!nificativo na %rea semeada est% relacionado P con="nt"ra at"al do
milho O"e tem mercado comprador praticando preços atraentes e a O"eda da prod"ção no
S"l do pa*s# principalmente no 1io Grande do S"lA
Si$'#m( %# &1'i4- J 4 plantio direto o sistema mais "sado no c"ltivo do milho#
principalmente nas !randes %reas# e o plantio convencional "sado na a&ert"ra de novas
%reas e em o"tras O"e estavam esta&elecidas pasta!ensA 6ntre os peO"enos prod"tores#
ainda predomina o sistema convencional# em&ora# se=a crescente a adoção do plantio
diretoA (a a!ric"lt"ra empresarial predomina a "tili>ação de semente h*&rida e o n*vel
tecnol.!ico da semente depende das condiç,es na poca de semead"raA
Cim( – 4 clima est% favor%vel para o milho na maior parte da re!ião 'entroN
4este# com ch"vas em re!ime satisfat.rio para o desenvolvimento da c"lt"raA 4 Mato
Grosso do S"l enfrento" pro&lemas de estia!em at a primeira O"in>ena de de>em&ro# a
O"al foi ameni>ada com as ch"vas ocorridas no final do anoA (a re!ião S"l a estia!em
contin"a com efeitos de intensidade diferenciada de "m m"nic*pio para o"tro# mas# com
pre="*>os consolidados em praticamente todas as re!i,es do estadoA 4 estado mais
pre="dicado o 1io Grande do S"l# se!"ido por $aran% Q4este# (oroeste# S"desteR e
Santa 'atarina QoesteRA As c"lt"ras mais pre="dicadas são milho# so=a e fei=ãoA (o arro> o
pro&lema a falta de %!"a s"ficiente# para irri!açãoA
4 +(6M62 contin"a prevendo ch"vas a&aixo da mdia para o pr.ximo trimestre
para a re!ião S"l# mas# isto não si!nifica confirmação de a"s-ncia de precipitação e sim a
m% distri&"ição das ch"vasA
(o (orte/(ordeste# apesar de irre!"lares# as ch"vas t-m favorecido as lavo"ras de
so=a e al!odão na re!ião do Matopi&a Qs"l do Maranhão# leste do 2ocantins# s"doeste do
$ia"* e oeste da BahiaRA (as demais re!i,es# O"e estão no in*cio da safra# a falta de
ch"vas atraso" a implantação das lavo"rasA At o final do m-s# apenas o s"doeste e
s"deste do $ar%# o oeste do 2ocantins# norte e o s"l do 'ear%# parte do oeste do 1io
Grande do (orte# o sertão da $ara*&a e parte do sertão de $ernam&"co apresentavam
"midade no solo s"ficiente para o plantioA
Á)#( &1'i4(%( N A previsão de c"ltivo para o milho primeira safra tra> estimativa
de VAIJC#J mil hectares# L#2U maior O"e a c"ltivada na safra anterior# O"e foi de KAL1I#C
mil hectaresA (esta %rea estão incl"*das as lavo"ras das re!i,es (orte e (ordesteA
$ara o milho se!"nda safra# a previsão de O"e se=am c"ltivados IAK22#V mil
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2C
hectaresA )entre os estados prod"tores mais expressivos# o Mato Grosso lidera com
2ACEL#I mil hectares# se!"ido pelo $aran% – 1AVLK#1 Mato Grosso do S"l 1A021#I e Goi%s
com EL1#I mil hectaresA 'omo visto# a lavo"ra est% locali>ada &asicamente na re!ião
'entroN4este# e semeada lo!o ap.s a colheita da so=aA
A previsão para o total da %rea c"ltivada com milho# somando as d"as safras#
dever% ficar pr.ximo de 1E#CII milh,es de hectares# com crescimento estimado de 11#CU
em relação ao total semeado na safra anterior# O"ando foram c"ltivados 1CAVCV#K mil
hectaresA As variaç,es f"t"ras na %rea ficar% por conta da concl"são da semead"ra do
milho se!"nda safra e da semead"ra da primeira safra das re!i,es (orte e (ordesteA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade mdia prevista para a primeira safra de JA0I0
X!/ha# 10#EU menor O"e na safra 2010/11# O"ando alcanço" JAECV X!/haA $or O"estão
metodol.!ica a 'ona&# para estimar a prod"tividade "tili>a a mdia das cinco Sltimas
safras# eliminando as safras at*picasA 4 efeito da seca na re!ião 'entroNS"l# at o final de
fevereiro de 2012 estão comp"tadas nesta estimativaA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2J
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE +3,,/ ++/,2 /,, 2.57+ 2.627 1,3 1.133,6 1.15,,1 2,1
11 I#E I#E N 2A000 2A000 N 1C#0 1C#0 N
14 LC#K 101#L V#V 2A1KC 2A1E2 Q1#0R 20C#I 21L#C K#K
A' CK#K CL#K E#C 2A220 2AC01 C#I VC#K L1#C L#1
AM 1J#0 1J#0 N 2AE00 2AE00 N CE#0 CE#0 N
A$ C#I C#I N V0C VI0 K#1 2#L C#1 I#L
$A 21C#1 21C#1 N 2AEEI 2AJE0 QJ#1R EJJ#K E22#1 QJ#1R
24 IV#J I1#J Q10#2R CAIIE JAJE1 21#J 2E0#K 2KC#C L#0
NORDESTE 2.,82,8 2.7/1,, +,3 2./6, 2.//5 (3,/* 5.,52,5 5.816,8 1,1
MA JKK#I EL2#2 2J#0 1AVJ2 1AIE0 Q10#JR VKL#K LKK#1 11#1
$+ CJL#I CEK#C 2#2 2A01K 1AKI0 Q12#KR K0E#1 I2V#V Q10#VR
'6 K2C#0 K2C#0 N 1AC1C 1A000 Q2C#VR LJL#C K2C#0 Q2C#VR
1( KC#E KC#E N IK2 IE0 QC#CR JL#J JK#V QC#2R
$B 1EK#2 1EK#2 N I1K K10 1E#1 LK#0 111#I 1E#1
$6 2LV#C 2LV#C N IJ0 IE0 1#I 1L0#L 1LC#L 1#I
AL EK#2 EK#2 N VLC K20 Q1L#JR E1#1 J1#2 Q1L#JR
S6 221#J 221#J N JA1L2 CALE0 QE#VR L2V#1 VKJ#E QE#VR
BA J2E#0 J21#I Q0#VR JAJKE EA2IC 1K#I 1AL01#L 2A21V#L 1I#K
CENTRO5OESTE 53/,2 ,37,2 37,+ ,.5+, ,.,73 3,3 +.//1,2 5.,6/,, ++,/
M2 I2#1 102#J IJ#L EAVLL KAI00 2V#V CII#C KKV#2 112#J
MS JI#0 IV#2 JV#2 IAK00 IAVE0 2#2 C0V#2 JIK#2 E1#I
G4 CLJ#I E2L#I CJ#2 KAVE0 KAL00 0#I CA0LK#I JA1VC#V CE#1
)0 2K#E CL#0 J1#V VACC2 VAE00 2#0 22L#1 CC1#E JJ#K
SUDESTE 1.,5/,7 1.8,7,+ ,,3 5.5/8 5.,23 3,7 7.6++,3 1/.,55,6 11,5
MG 1A1JV#0 1A2C1#2 K#C EACLL EAKE0 I#E IA1LV#1 KA0KL#J 1J#2
6S CJ#C C1#E QV#1R 2ACV1 2AJJ0 2#E V1#K KI#L QE#LR
18 K#2 I#E QL#KR 2ACE1 2AJVK E#V 1I#L 1I#2 QJ#1R
S$ EI1#J I10#2 V#K EALIC EAVK2 Q1#ER CACJK#I CAEVC#1 K#0
SUL 2.+15,+ 2.682,7 11,1 6.3,3 +.625 (2,,+* 15.37+,3 12.+/8,6 (17,+*
$1 KIV#0 LEE#I 2J#J KAVKC IACE1 Q1L#CR IA0JI#E IA0IL#0 0#J
S' EJV#2 EKC#I J#I IAE1E EAJL1 Q1E#KR CAEK1#E CA1JL#I Q11#VR
1S 1A0LL#2 1A1EC#K E#0 EA2EE 2AKIE QJK#JR EAKKI#C CA1L0#0 QJJ#VR
NORTE0NORDESTE 3.217,8 3.3+1,7 3,8 2.137 2./8, (2,+* 6.886,1 6.7,3,7 1,3
CENTRO5SUL +.676,5 5.3/1,5 12,7 6.183 5.+56 (11,8* 27./37,8 28.72+,7 (/,+*
<RASIL ,.716,3 8.6+3,+ 7,2 +.538 +.153 (8,5* 35.725,7 35.878,8 (/,1*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 1,
MIL;O 18 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
$ara o milho se!"nda safra# a prod"tividade estimada de CAVCV X!/ha# E#2U
maior O"e a safra anterior e res"lta do "so da mesma metodolo!ia e da a!re!ação do
!anho tecnol.!ico pelo "so de novos h*&ridos e de m%O"inas modernas O"e permitem a
o&tenção de "m estande perfeito das lavo"rasA
'onsiderando as d"as safras# a prod"tividade estimada de JA01I X!/ha# com
decrscimo de C#JUA 6ste nSmero pode variar para mais o" para menos# dado ao lon!o
per*odo decorrente desde a semead"ra da primeira safra Qa!osto de 2011R# at a colheita
da se!"nda safra Q a!osto de 2012RA
P)-%1>@- – A prod"ção &rasileira de milho esperada para a safra 2011/12 dever%
ficar em I1AK0C mil toneladas# com variação de K#EU em relação P safra passada# O"ando
foram colhidas EKAJ0I mil toneladasA 6sta estimativa &aseada em "ma safra normal# e
as variaç,es para mais o" para menos# estarão relacionadas P maior o" menor infl"-ncia
dos fatores de prod"ção d"rante o transc"rso de todo o ciclo prod"tivoA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2E
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 8+,, 7,,3 1+,7 3.327 3.53+ 6,2 281,7 3+3,8 22,/
14 EI#0 IJ#I 1E#C 2AIC1 2ALLJ 1C#V 1JK#C 1LC#J C1#C
24 2V#K C2#K 1C#L JAIL1 JAI00 Q1#LR 1CJ#I 1E0#J 11#K
NORDESTE 36+,7 36+,7 5 1./27 1.+// 36,1 3,5,5 51/,7 36,1
BA CIJ#L CIJ#L 1A02L 1AJ00 CI#1 CKE#E E10#L CI#1
CENTRO5OESTE 3.32,,3 3.7,,,, 17,5 +.//2 +.257 6,+ 13.31+,+ 16.7+/,7 2,,2
M2 1AVCI#C 2ACEL#I 2V#E CALE0 JA200 I#C KA2EC#J LAL10#C CI#I
MS LJI#V 1A021#I K#L CA2L0 CAL00 1V#E CA11E#0 CALVJ#2 2K#L
G4 ECL#C EL1#I L#K EAJ00 EA100 QE#IR 2AL12#2 CA01K#2 C#I
)0 J#L J#L IAL00 EALI2 Q1C#IR CC#V 2L#2 Q1C#IR
SUDESTE 375,1 385,8 (2,+* 3.311 3.3/2 (/,3* 1.3/8,/ 1.2,3,7 (2,6*
MG EK#J EV#L 2#I EAK2I EAK2I N C2V#K CCK#C 2#I
S$ CCK#K C2I#L QC#2R 2AL00 2AVIE Q1#2R LKL#C LCI#I QJ#JR
SUL 1.,1,,8 1.87,,1 1/,+ 3.61/ 3.55/ (1,,* 6.2/1,3 6.,3+,, 8,6
$1 1AK1K#V 1AVLK#1 10#J CAI10 CAEE0 Q1#KR IA201#C IAKCJ#K V#I
NORTE0NORDESTE ++7,6 +62,2 2,8 1.+62 1.8+7 26,5 65,,+ 85+,, 3/,/
CENTRO5SUL 5.++/,2 6.26/,6 15,1 3.828 3.785 +,1 2/.823,, 2+.7+7,5 17,8
<RASIL 5.887,8 6.,22,8 1+,1 3.6+, 3.838 5,2 21.+81,1 25.8/+,2 2/,1
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 18
MIL;O 28 SA3RA
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
SO:A
4 sexto levantamento da safra 2011/12 reali>ado na se!"nda O"in>ena de feveN
reiro/12# indica a prod"ção de so=a em IV#KE milh,es de toneladas# inferior em V#KU QI#EV
milh,es de toneladasR ao vol"me de KE#C2 milh,es de toneladas prod">ido em 2010/11
QO"adro 1RA 2al res"ltado se deve excl"sivamente Ps condiç,es clim%ticas adversas# caraN
cteri>adas por estia!ens nos principais estados prod"tores da re!ião S"l do $a*sA 6m reN
lação P estimativa div"l!ada no m-s de fevereiro/12# o&servaNse "ma red"ção de 0#ILU
QJV0#C mil toneladasR ca"sada pelo prolon!amento da estia!em# so&ret"do# nos estados
do $aran% e 1io Grande do S"lA
A %rea de plantio encerrada no m-s de de>em&ro/11 totali>a 2J#LK milh,es de
hectares# correspondendo a "m acrscimo de C#CU o" KL1#2 mil hectares so&re a efetivaN
da em 2010/11 em 2J#1V milh,es de hectares# passando a ser a maior safra c"ltivada
com so=a no $aisA 'om exceção dos estados do $aran%# Santa 'atarina e Minas Gerais#
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2I
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 521,, 53,,5 3,/ 2.,13 2.,72 2,7 1.+15,5 1.5//,7 6,/
11 I#E I#E N 2A000 2A000 N 1C#0 1C#0 N
14 1JL#K 1II#E 11#2 2ACJJ 2AJKL E#K CE0#L J12#K 1K#I
A' CK#K CL#K E#C 2A220 2AC01 C#I VC#K L1#C L#1
AM 1J#0 1J#0 N 2AE00 2AE00 N CE#0 CE#0 N
A$ C#I C#I N V0C VI0 K#1 2#L C#1 I#L
$A 21C#1 21C#1 N 2AEEI 2AJE0 QJ#1R EJJ#K E22#1 QJ#1R
24 LK#1 LJ#1 QC#1R CALIV JAE0C 1C#E CVE#C J2C#K 10#0
NORDESTE 3.1+,,, 3.266,6 3,8 1.7+, 1.73, (/,5* 6.128,/ 6.32,,6 3,3
MA JKK#I EL2#2 2J#0 1AVJ2 1AIE0 Q10#JR VKL#K LKK#1 11#1
$+ CJL#I CEK#C 2#2 2A01K 1AKI0 Q12#KR K0E#1 I2V#V Q10#VR
'6 K2C#0 K2C#0 N 1AC1C 1A000 Q2C#VR LJL#C K2C#0 Q2C#VR
1( KC#E KC#E N IK2 IE0 QC#CR JL#J JK#V QC#2R
$B 1EK#2 1EK#2 N I1K K10 1E#1 LK#0 111#I 1E#1
$6 2LV#C 2LV#C Q2E#0R IJ0 IE0 1#I 1L0#L 1LC#L 1#I
AL EK#2 EK#2 N VLC K20 Q1L#JR E1#1 J1#2 Q1L#JR
S6 221#J 221#J N JA1L2 CALE0 QE#VR L2V#1 VKJ#E QE#VR
BA KVL#L KVI#E Q0#JR 2AVVC CAJK1 20#J 2A2KK#J 2AK2L#K 1L#L
CENTRO5OESTE 3.85,,5 +.,16,7 22,3 +.+87 +.813 ,,2 1,.315,6 22.,/1,, 31,1
M2 1AVLV#J 2AJI2#0 2L#K JA01J JACJ1 V#2 KAI1L#K 10AIVV#I J0#C
MS LL2#V 1A0VL#V L#V CAJJV JA0VE 1V#E CAJ2C#2 JAJE1#J C0#0
G4 LCC#L 1A121#2 20#1 IAJCE IAJ2C Q0#2R IA00L#V KA201#0 1L#V
)0 C2#J JC#L CE#E VA11E VA21K 1#2 2I2#L CI0#K CK#2
SUDESTE 2.1+6,/ 2.265,2 5,6 5.1/+ 5.311 +,1 1/.752,3 12./27,5 7,8
MG 1A20E#J 1A2L0#1 K#0 EAJ1E EAKJL I#2 IAE2I#K KAJ1I#K 1C#I
6S CJ#C C1#E QV#2R 2ACV1 2AJJ0 2#E V1#K KI#L QE#LR
18 K#2 I#E QL#KR 2ACE1 2AJVK E#V 1I#L 1I#2 QJ#1R
S$ VLL#1 LCK#1 J#2 JAV1C JAV2C 0#2 JAC2K#0 JAE1L#K J#E
SUL +.133,2 +.58/,/ 1/,8 5.225 +.18/ (2/,/* 21.575,5 17.1+3,3 (11,+*
$1 2AJVE#V 2AVE2#K 1J#V JAL2K JAJVV QV#LR 12A2JK#K 12AV0C#K J#E
S' EJV#2 EKC#I J#I IAE1E EAJL1 Q1E#KR CAEK1#E CA1JL#I Q11#VR
1S 1A0LL#2 1A1EC#K E#0 EA2EE 2AKIE QJK#JR EAKKI#C CA1L0#0 QJJ#VR
NORTE0NORDESTE 3.667,+ 3.8/+,1 3,, 2./56 2./58 /,1 ,.5+3,5 ,.828,5 3,8
CENTRO5SUL 1/.136,, 11.562,1 1+,1 +.717 +.66/ (5,3* +7.863,+ 53.8,+,5 8,/
<RASIL 13.8/6,1 15.366,2 11,3 +.158 +./16 (3,+* 5,.+/6,7 61.,/3,/ ,,5
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 17
MIL;O TOTAL (18 # 28 SA3RA*
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
O"e optaram pela ampliação do plantio de milho# aproveitaram as &oas perspectivas de
preços do cereal para reali>ar a rotação de c"lt"ras# as demais "nidades da federação
ampliaram a %rea c"ltivada com a olea!inosaA
4 maior crescimento# entretanto# o&servado no estado de Mato Grosso# onde
ho"ve "m !anho de EC1#1 mil hectares# passando de I#J0 para I#LC milh,es de hectares#
em se!"ida vem o 1io Grande do S"l com "ma %rea s"perior em 112#J mil hectares# pasN
sando de J#0V para J#20 milh,es de hectaresA (o estado do $aran% a %rea red"> em
1CE#0 mil hectares# passando de J#EI para J#JI milh,es de hectaresA
Si'1(>@- %( &1'1)( C-) )#Ai@-
R#Ai@- C#.')-5O#$'# N (os estados de Mato Grosso e Goi%s# as condiç,es cliN
m%ticas de modo !eral# favoreceram as lavo"ras# porm# ho"ve estia!ens em pontos isoN
lados# ca"sando perdas e replantiosA 6m Mato Grosso# a prod"tividade mdia estimada
em CA1V0 O"ilos por hectare# 0#CU a&aixo da o&tida na safra 2010/11# mas# em f"nção
do a"mento na %rea plantada eleva a prod"ção para 22#0J milh,es de toneladasA A colheiN
ta iniciada nos primeiros dias de =aneiro devido Ps ch"vas excessivas avanço" lentamenN
te# encerrando o m-s com cerca de 12#0U com a %rea colhidaA )"rante o m-s de fevereiN
ro# as condiç,es clim%ticas foram extremamente favor%veis aos tra&alhos de colheita# enN
cerrando o m-s# totali>ando cerca de IC#0U no 6stadoA 6m Goi%s# a prod"tividade previsN
ta em CA10C O"ilos por hectare 1#2U inferior P safra de 2010/11# e a prod"ção red"> em
0#KU# passando para V#1C milh,es de toneladasA 6m Mato Grosso do S"l# a estia!em
ocorrida nas re!i,es 'entro e S"l do 6stado ca"saram perdas# red">indo a prod"tividade
em 1C#IU# sendo esperada at"almente em 2AECV O"ilos por hectares# e a prod"ção em
10#LU# passando de E#1I para J#I1 milh,es de toneladasA
R#Ai@- S1%#$'# N As condiç,es clim%ticas foram favor%veis Ps lavo"ras de so=aA
(esta safra serão acrescentadas 1KJ#I0 mil toneladas so&re a prod"ção o&tida na safra
anterior# passando de J#I2 milh,es de toneladas prod">idas em 2010/11# para J#V0 miN
lh,esA 6m Minas Gerais# estimaNse crescimento na prod"tividade em K#JU# passando de
2AVJE O"ilos por hectare# para CA0EI O"ilos e a prod"ção de 2#L1 milh,es para C#0E miN
lh,es de toneladasA A estimativa de prod"ção para o 6stado de São $a"lo indica "m vol"N
me de 1#KJ milhão de toneladas# 2#0U acima da o&tida na safra anteriorA
R#Ai@- S1 – As condiç,es clim%ticas adversas# provocadas pelo fen@meno La
(i^a# ca"saram perdas si!nificativas Ps lavo"ras de so=aA A estia!em iniciada em novemN
&ro/11 red">i" a prod"tividade para 2A2J1 O"ilos por hectare# 1V#VU em relação P previN
são inicial e de 2V#CU so&re a o&tida em 2010/11# ano em O"e a prod"tividade atin!i" o
recorde de CA12J O"ilos por hectareA A prod"ção estimada em de>em&ro/11 em 2J#1 miN
lh,es de toneladas# cai para 20#CL milh,es de toneladas# menos 1E#CVUA 6m relação P
safra anterior# O"ando foi prod">ida a maior safra na re!ião# 2V#E milh,es de toneladas# a
red"ção de 2V#EU# o" menos V#1J milh,es de toneladasA
(o 6stado do 1io Grande do S"l# as condiç,es clim%ticas desfavor%veis# como
ch"vas escassas e temperat"ras elevadas# iniciadas a partir da primeira semana de noN
vem&ro/11# ocasionaram pre="*>os ao desenvolvimento da c"lt"ra# como? red"ção do
stand e dimin"ição do porte das plantasA A partir de 1E de =aneiro/12# as ch"vas retornaN
ram# em&ora de maneira irre!"lar# proporcionaram "ma so&revida Ps plantasA A prod"tiviN
dade estimada no in*cio da safra em 2AJ00 O"ilos por hectare# apresenta perda de 1K#LU#
estimada at"almente em 1ALK0 O"ilosA 6m relação P safra 2010/11# O"ando a prod"tividaN
de atin!i" o recorde de 2AVJE O"ilos# a perda de C0#VUA (o final do m-s de fevereiro# as
lavo"ras se encontravam nas se!"intes fases? 1EU em floração# IEU em fr"tificação#
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2K
1VU em mat"ração e 2U colhidasA
(o $aran%# a perda da prod"tividade em relação P previsão inicial de 21#0U# e a
prod"ção estimada em 10#L2 milh,es de toneladasA 6m relação P safra o&tida em 2010/11
em 1E#J2 milh,es de toneladas# a safra at"al J#E milh,es inferiorA 6ste res"ltado se
deve P estia!em ocorrida entre de>em&ro/11 e meados de =aneiro/12# per*odo em O"e
!rande parte das plantas se encontrava em floração e enchimento de !rãosA As ch"vas
ocorridas a partir de 12 de =aneiro# de modo !eral# estão favorecendo as lavo"ras# so&reN
t"do# as O"e se encontravam na fase de crescimentoA $or o"tro lado# as O"e se encontraN
vam nas fases cr*ticas# floração e !ranação# as perdas são irrevers*veisA
6m Santa 'atarina as ch"vas ocorridas nos meses de novem&ro e de>em&ro/11 e
parte de =aneiro/12 ficaram a&aixo da mdia# so&ret"do# no extremo oeste do estado# siN
t"ação O"e ca"so" desenvolvimento irre!"lar das plantas# floração irre!"lar com a&ortaN
mento de flores e fr"tificação com va!ens des"niformesA (a parte mais ao centro do estaN
do# as ch"vas mais re!"lares ameni>aram parte das perdas estimadas at"almente em
L#KU# em relação P estimativa inicialA
N( )#Ai@- N-)'#5N-)%#$'## a %rea c"ltivada cresce" L#VU# passando de 1#LE miN
lhão# para 2#1J milh,es de hectaresA )estaO"e para o crescimento de 1J#JU no $ia"*#
com JCV#V mil hectaresA 4 6stado da Bahia o maior prod"tor# com "ma %rea plantada de
1#11 milh,es de hectaresA A estia!em iniciada em final de fevereiro/12 no 6stado da Bahia
ainda não tinha ca"sado perdas nas lavo"rasA A colheita =% iniciada na re!ião# no m-s de
fevereiro teve a se!"inte distri&"ição? Maranhão 12U# $ia"* VU e Bahia JUA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2V
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 6+5,5 ,/1,2 8,6 3./63 2.785 (2,5* 1.7,,,2 2./73,2 5,7
11 C#K C#K N 2AV00 2AV00 N 10#J 10#J N
14 1C2#C 1JK#J 11#J CA21E CA02I QE#LR J2E#C JJI#0 J#L
$A 10J#V 10E#K 0#L CA000 2AVK2 QJ#CR C1J#J C0C#I QC#JR
24 J0J#K JJJ#J L#V CA0C2 CA000 Q1#1R 1A22K#1 1ACCC#2 V#I
NORDESTE 1.7+5,, 2.136,1 7,8 3.213 3./52 (5,/* 6.251,5 6.517,6 +,3
MA E1V#2 EVJ#E 12#V CA0VK CA000 Q2#VR 1AELL#K 1AKEC#E L#I
$+ CVC#I JCV#V 1J#J 2ALVC CA000 0#I 1A1JJ#C 1AC1I#J 1E#0
BA 1A0JC#L 1A112#V I#I CACI0 CA100 QK#KR CAE0K#E CAJJL#K Q1#IR
CENTRO5OESTE 1/.817,+ 11.+17,/ 5,5 3.13, 3./6/ (2,5* 33.738,7 3+.7+6,3 3,/
M2 IACLV#V IAL2L#L V#C CA1L0 CA1V0 Q0#CR 20AJ12#2 22A0CK#1 V#0
MS 1AKI0#1 1AV1E#E C#2 2ALCK 2AECV Q1C#IR EA1IL#J JAI0K#K Q10#LR
G4 2AI0E#I 2AI1V#I 0#E CA1J0 CA10C Q1#2R VA1V1#I VA12E#E Q0#KR
)0 EJ#L EE#0 0#2 CA200 CA200 N 1KE#K 1KI#0 0#2
SUDESTE 1.636,7 1.61+,7 (1,3* 2.82+ 2.7,/ 5,2 +.622,1 +.,76,, 3,8
MG 1A02J#1 LLL#I Q2#JR 2AVJE CA0EI K#J 2AL1C#I CA0EJ#V J#V
S$ I12#V I1E#C 0#J 2AKVV 2AVC1 1#E 1AK0V#E 1AKJ1#L 2#0
SUL 7.133,5 7.1/1,/ (/,+* 3.12+ 2.2+1 (28,3* 28.53+,6 2/.372,, (28,5*
$1 JAEL0#E JAJEE#E Q2#LR CACI0 2AJE0 Q2K#1R 1EAJ2J#1 10AL1I#0 Q2L#2R
S' JEV#2 JJV#C Q2#2R CA2E0 2AILE Q1K#1R 1AJVL#2 1A20V#2 Q1V#LR
1S JA0VJ#V JA1LK#2 2#V 2AVJE 1ALK0 QC0#VR 11AI21#C VA2IV#E Q2V#LR
NORTE0NORDESTE 2.571,2 2.83,,3 7,5 3.1,6 3./36 (+,+* 8.228,, 8.612,8 +,,
CENTRO5SUL 21.587,8 22.13+,7 2,5 3.1/8 2.,1, (12,6* 6,./75,6 6/.135,, (1/,+*
<RASIL 2+.181,/ 2+.7,2,2 3,3 3.115 2.,53 (11,6* ,5.32+,3 68.,+8,5 (8,,*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 2/
SO:A
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2//72/1/ # 2/1/02/11
SOR6O
Si'1(>@- A#)( J 4 c"ltivo do sor!o vem mostrando !rande insta&ilidade no
decorrer das Sltimas safrasA A c"lt"ra deixo" de ser efetiva# passando a fac"ltativa na
maioria dos estados# incl"sive com mi!ração da poca de semead"ra anteriormente
esta&elecidaA A concorr-ncia com o milho e a so=a# c"lt"ras semeadas praticamente na
mesma poca# são preferidas pelos prod"tores# devido ao melhor desempenho comercial
e melhor liO"ide>A 4s estados com maior representação na prod"ção total da c"lt"ra são?
Goi%s – LJL# mil # Minas Gerais CCC#0 mil e Mato Grosso – 2KC#J mil hectaresA (a re!ião
nordeste# a Bahia o maior prod"tor com 11I#I mil hectaresA
Á)#( &1'i4(%( – A %rea c"ltivada com sor!o na safra 2011/12 deve ficar em V0V#C
mil hectares# com concentração na re!ião 'entroN4este – JKK#2 mil hectares# ELU da
%rea nacional semeada com sor!oA
P)-%1'i4i%(%# – A prod"tividade mdia da prod"ção nacional de sor!o prevista
para esta safra deve ser de 2AII0 X!/haA A melhor mdia dever% ser o&tida do $aran%
com CAK00 X!/ha# se!"ido por Goi%s com CA1VE X!/haA
P)-%1>@- – A prod"ção nacional de sor!o esperada para esta safra deve alcançar
2A1E0 mil toneladas# K#1U inferior ao colhido na safra anteriorA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 2L
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
NORTE 2/,2 23,/ 5 1.,87 1.6+2 (8,2* 36,1 3,,8 +,,
24 20#2 2C#0 1J#1 1AKVL 1AIJ2 QV#2R CI#1 CK#V J#K
NORDESTE 126,6 136,/ 5 1.,6+ 1.8/7 2,6 223,+ 2+6,/ 1/,1
$+ E#V E#V N 2AIK2 2AC00 Q1C#LR 1E#E 1C#C N
'6 2#I 2#I N 2AE1I 2A12C Q1E#IR I#E E#E Q1E#JR
1( V#1 V#1 N 2AJEE 1AV20 Q2E#LR 1L#L 1J#K Q2I#1R
$B 0#1 0#1 N V00 V00 N 0#1 0#1 N
$6 2#V 2#V N IKE VVE C1#1 1#L 2#E C1#I
BA 10K#2 11I#I V#V 1AIKJ 1AV00 K#E 1KL#E 20L#L 1I#L
CENTRO5OESTE +7+,/ +,,,2 5 3.12/ 2.732 (6,/* 1.5+1,+ 1.377,3 (7,2*
M2 111#0 11V#K I#L 1AVCC 2AC0C 25,6 20C#E 2KC#J CJ#C
MS JV#E JV#E N 2AE00 2AE00 N 121#C 121#C N
G4 C22#I 2LV#1 QK#IR CAI00 CA1VE Q11#ER 1A1I1#J LJL#J Q1V#CR
)0 11#L 11#L N JAIJ0 JAIJ0 N EE#2 EE#2 N
SUDESTE 15,,3 1+,,8 5 2.7+/ 2.822 (+,/* +62,+ +1,,/ (7,8*
MG 12I#V 11L#V QE#ER 2AL01 2AKV0 QJ#2R CIK#V CCC#0 QL#ER
S$ C0#E 2V#0 QV#2R CA102 CA000 QC#CR LJ#I VJ#0 Q11#2R
SUL 17,3 2+,3 5 2.631 2./+/ (22,5* 5/,, +7,6 (2,2*
$1 1#I 1#I N CAKK0 CAK00 Q1#LR I#0 E#L Q1#KR
1S 1K#K 22#K 2V#C 2AE2V 1AL2C Q2C#LR JJ#K JC#K Q2#2R
NORTE0NORDESTE 1+6,8 157,/ 8,3 1.,68 1.,85 1,/ 257,5 283,8 7,+
CENTRO5SUL 6,/,6 6+7,3 (3,2* 3./6+ 2.8,+ (6,2* 2./5+,5 1.865,7 (7,2*
<RASIL 81,,+ 8/8,3 (1,1* 2.831 2.66/ (6,/* 2.31+,/ 2.1+7,, (,,1*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 21
SOR6O
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/02/11 E 2/1102/12
CULTURAS DE INVERNO
As c"lt"ras de inverno como aveia# centeio# cevada e triticale# t-m o per*odo de
semead"ra esta&elecido entre a&ril e ="lhoA $ortanto# cedo para avaliar a intenção de
plantio# o O"e deve ocorrer no levantamento do m-s de março de 2012 O"e ser% reali>ado
a campoA $ara o tri!o e a canola# as an%lises e os res"ltados div"l!ados são referentes
ao c"ltivo de 2011 e fa>endo parte da safra 2011/12A
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 C0
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
CENTRO5OESTE 8,3 ,,/ (15,,* 1.2/5 1./,1 (11,1* 1/,/ ,,5 (25,/*
MS V#C K#0 Q1E#KR 1A200 1A0KV Q10#2R 10#0 K#E Q2E#0R
SUL 1+5,5 1+6,/ /,3 2.536 2.3,/ (6,5* 367,/ 3+6,/ (6,2*
$1 JK#I JV#1 1#0 CA020 2ACJC Q22#JR 1JC#V 112#K Q21#IR
1S LK#L LK#L N 2AC00 2ACVC C#I 22E#2 2CC#C C#I
CENTRO5SUL 153,8 153,/ (/,5* 2.+6+ 2.31/ (6,3* 3,7,/ 353,5 (6,,*
<RASIL 153,8 153,/ (/,5* 2.+6+ 2.31/ (6,3* 3,7,/ 353,5 (6,,*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 22
AVEIA 2/11
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/0 11 # 2/11012
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
CENTRO5OESTE 3,3 2,3 (3/,3* 1.2+2 1./+3 (16,/* +,1 2,+ (+1,5*
MS C#C 2#C QC0#LR 1A2E0 1A0CC Q1K#JR J#1 2#J QJ1#ER
SUL +3,/ +/,1 (6,,* 1.526 1.23, (18,7* 65,6 +7,6 (2+,+*
$1 12#I 1C#E I#V 1AEK2 1A1E2 Q2I#KR 1L#V 1E#I Q21#2R
S' 0#J 0#J N 1A200 KKE QCE#JR 0#E 0#C QJ0#0R
1S C0#0 2I#2 Q12#KR 1AE10 1A2VK Q1J#VR JE#C CC#K Q2E#IR
CENTRO5SUL +6,3 +2,+ (8,+* 1.5/5 1.226 (18,5* 67,, 52,/ (25,+*
<RASIL +6,3 +2,+ (8,+* 1.5/5 1.226 (18,5* 67,, 52,/ (25,+*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
?1(%)- 23
CANOLA 2/11
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/0 11 # 2/11012
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
SUL 2,+ 2,3 (+,2* 1.333 1.522 1+,2 3,2 3,5 7,+
$1 0#E 0#K JJ#0 2A0V2 1AEEJ Q2E#JR 1#0 1#1 10#0
1S 1#L 1#I Q1E#VR 1A1V0 1AJKI 2E#1 2#2 2#J L#1
CENTRO5SUL 2,+ 2,3 (+,2* 1.333 1.522 1+,2 3,2 3,5 7,+
<RASIL 2,+ 2,3 (+,2* 1.333 1.522 1+,2 3,2 3,5 7,+
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 2+
CENTEIO 2/11
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/0 11 # 2/11012
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 C1
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
SUL 8,,7 88,+ /,6 3.23/ 3.+51 6,8 283,7 3/5,1 ,,5
$1 EC#1 E1#2 QC#ER CAIVK CAV20 C#I 1LE#V 1LE#I Q0#1R
S' C#2 C#2 2AJV1 CAC1L CC#V K#L 10#I CJ#2
1S C1#I CJ#0 K#E 2AECK 2AL0V 1J#I V0#2 LV#L 2C#C
CENTRO5SUL 8,,7 88,+ /,6 3.23/ 3.+51 6,8 283,7 3/5,1 ,,5
<RASIL 8,,7 88,+ /,6 3.23/ 3.+51 6,8 283,7 3/5,1 ,,5
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 25
CEVADA 2/11
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/0 11 # 2/11012
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
CENTRO5OESTE 55,+ +5,3 (18,2* 2.,65 2.+/6 (13,/* 153,2 1/7,/ (28,7*
MS CV#I C2#0 Q1K#1R 1AL00 1ACJ0 Q2L#ER KC#C J2#L QJ1#ER
G4 1E#V 12#2 Q22#IR JAKCC JALJL J#I KJ#V I0#J Q1L#2R
)0 1#0 1#1 11#I EA0KL EA200 2#J E#1 E#K 12#2
SUDESTE 66,8 ,/,/ +,8 2.7+3 2.867 (2,5* 176,6 2//,8 2,1
MG 22#E 2C#0 2#2 CAL0V CAL1K 0#2 VE#C L0#1 E#K
S$ JJ#C JK#0 I#1 2ACV0 2ACEE Q1#1R 111#C 110#K Q0#IR
SUL 2./2,,6 2./5/,7 1,1 2.,28 2.6,1 (2,1* 5.531,8 5.+,8,8 (1,/*
$1 1A1JI#I 1A0J2#E QL#1R 2AVL1 2ACLL Q1K#0R CAC1J#V 2AE01#0 Q2J#IR
S' VK#L KI#0 Q1C#ER 2AJ20 CA100 2V#1 2J2#2 2CE#I Q2#KR
1S KLC#1 LC2#J 1K#I 2AJL0 2ALJ1 1V#1 1ALKJ#V 2AKJ2#2 CV#L
CENTRO5SUL 2.1+7,8 2.166,2 /,8 2.,36 2.6,2 (2,3* 5.881,6 5.,88,6 (1,6*
<RASIL 2.1+7,8 2.166,2 /,8 2.,36 2.6,2 (2,3* 5.881,6 5.,88,6 (1,6*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 26
TRI6O 2/11
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/0 11 # 2/11012
S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E S(D)( 1/011 S(D)( 11012 VAR. E
((* (2* (20(* (&* (%* (%0&* (#* (D* (D0#*
SUDESTE 15,5 1+,+ (,,1* 2.+58 2.6/+ 5,7 38,1 3,,5 (1,6*
S$ 1E#E 1J#J QK#1R 2AJI0 2AI01 E#K CV#1 CK#E Q1#IR
SUL 31,+ 31,6 /,6 2.++6 2.+2, (/,8* ,6,8 ,6,, (/,1*
$1 2E#0 2E#K 2#V 2AEK2 2AJV0 QC#IR IJ#C IC#K Q0#LR
S' 1#K 1#2 Q2L#JR 2A20L 2AJJJ 10#I C#V 2#L Q2C#KR
1S J#K0 J#K 1#1 1AVI0 2A1J0 1E#1 V#K 10#1 1I#1
CENTRO5SUL +6,7 +6,/ (1,7* 2.+5/ 2.+83 1,3 11+,7 11+,2 (/,6*
<RASIL +6,7 +6,/ (1,7* 2.+5/ 2.+83 1,3 11+,7 11+,2 (/,6*
04(26? '4(AB N Levantamento? Março/2012A
RE6IÃO0U3
ÁREA (Em mi !(* PRODUTIVIDADE (Em GA0!(* PRODUÇÃO (Em mi '*
?1(%)- 2,
TRITICALE 2/11
COMPARATIVO DE ÁREA, PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO
SA3RAS 2/1/0 11 # 2/11012
<ALANÇO DE O3ERTA E DEMANDA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 C2
Em 1./// '-.#(%($
PRODUTO SA3RA
ESTO?UE
INICIAL
PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO SUPRIMENTO CONSUMO EKPORTAÇÃO
ESTO?UE
3INAL
2//60/, 355,7 1.52+,/ 76,8 1.7,6,, 77/,/ +17,+ 56,,3
2//,0/8 56,,3 1.6/2,2 33,, 2.2/3,2 775,3 532,7 6,5,/
2//80/7 6,5,/ 1.213,, 1+,5 1.7/3,2 1.//+,1 5/+,7 37+,2
2//701/ 37+,2 1.17+,1 37,2 1.62,,5 1./37,/ 512,5 ,6,/
2/1/011 ,6,/ 1.757,8 1++,2 2.18/,/ 71/,/ ,58,3 511,,
2/11012 511,, 2.//1,1 35,/ 2.5+,,8 75/,/ 88/,/ ,1,,8
2//60/, 3./,7,3 11.+2/,8 1./67,6 15.567,, 12.73/,/ 313,1 2.326,6
2//,0/8 2.326,6 12.265,3 587,7 15.181,8 12.5//,/ ,87,7 1.871,7
2//80/7 1.871,7 12.,/2,/ 7/8,/ 15.5/1,7 12.5//,/ 87+,+ 2.1/,,5
2//701/ 2.1/,,5 11.66/,7 1./++,8 1+.813,2 12.5//,/ 62,,+ 1.685,8
2/1/011 1.685,8 13.613,1 85/,/ 16.1+8,7 12.5//,/ 2./5/,/ 1.578,7
2/11012 1.578,7 11.26,,, 1.3//,/ 1+.166,6 12.+//,/ 6//,/ 1.166,6
2//60/, 1,6,2 3.337,, 76,/ 3.611,7 3.5//,/ 3/,5 81,+
2//,0/8 81,+ 3.52/,7 2/7,, 3.812,/ 3.58/,/ 2,/ 23/,/
2//80/7 23/,/ 3.5/2,, 11/,/ 3.8+2,, 3.5//,/ 25,/ 31,,,
2//701/ 31,,, 3.322,5 181,2 3.821,+ 3.+5/,/ +,5 366,7
2/1/011 366,7 3.,6,,5 2/,,1 +.3+1,5 3.6//,/ 2/,5 ,21,/
2/11012 ,21,/ 3.5,2,8 1//,/ +.373,8 3.,//,/ +,/ 687,8
2//60/, 2.815,7 51.367,7 1./75,5 55.281,3 +1.885,/ 1/.733,5 2.+62,8
2//,0/8 2.+62,8 58.652,3 8/8,/ 61.723,1 ++.2/8,2 6.+//,/ 11.31+,7
2//80/7 11.31+,7 51.//3,8 1.132,7 63.+51,6 +5.363,5 ,.,65,+ 1/.322,,
2//701/ 1/.322,, 56./18,1 +57,+ 66.8//,2 +6.72,,+ 1/.,72,6 7./8/,2
2/1/011 7./8/,2 5,.+/6,7 686,7 6,.1,+,/ +8.+11,5 7.+86,7 7.2,5,6
2/11012 7.2,5,6 61.,/3,/ 3//,/ ,1.2,8,6 +7.86+,/ 8.///,/ 13.+1+,6
2//60/, 2.+67,, 58.371,8 7,,7 6/.757,+ 33.55/,/ 23.,33,8 3.6,5,6
2//,0/8 3.6,5,6 6/./1,,, 76,3 63.,87,6 3+.,5/,/ 2+.+77,5 +.5+/,1
2//80/7 +.5+/,1 5,.161,6 77,+ 61.8/1,1 32.56+,/ 28.562,, 6,+,+
2//701/ 6,+,+ 68.688,2 11,,8 67.+8/,+ 3,.8//,/ 27./,3,2 2.6/,,2
2/1/011 2.6/,,2 ,5.32+,3 5/,/ ,,.781,5 +1.7,/,/ 32.+//,/ 3.611,5
2/11012 3.611,5 68.,+8,5 5/,/ ,2.+1/,/ 37.5//,/ 31.8//,/ 1.11/,/
2//60/, 1.,82,6 23.7+,,/ 1/1,2 25.83/,8 11./5/,/ 12.+,+,2 2.3/6,6
2//,0/8 2.3/6,6 2+.,1,,/ 11,,3 2,.1+/,7 11.8//,/ 12.28,,7 3./53,/
2//80/7 3./53,/ 23.18,,8 +3,5 26.28+,3 12.///,/ 12.253,/ 2./31,3
2//701/ 2./31,3 26.,17,/ 37,5 28.,87,8 12.3//,/ 13.668,6 2.821,2
2/1/011 2.821,2 27.278,5 31,/ 32.15/,, 13.+//,/ 1+.+//,/ +.35/,,
2/11012 +.35/,, 28.1/5,/ 5/,/ 32.5/5,, 13.7//,/ 1+.75/,/ 3.655,,
2//60/, 21+,5 5.7/7,/ ++,1 6.16,,6 3.55/,/ 2.3+2,5 2,5,1
2//,0/8 2,5,1 6.257,5 2,,+ 6.562,/ +.///,/ 2.315,8 2+6,2
2//80/7 2+6,2 5.8,2,2 15,/ 6.133,+ +.25/,/ 1.573,6 287,8
2//701/ 287,8 6.,66,5 5/,/ ,.1/6,3 +.78/,/ 1.563,8 562,5
2/1/011 562,5 ,.+17,8 5/,/ 8./32,3 5.+//,/ 2.3//,/ 332,3
2/11012 332,3 ,.11,,5 5/,/ ,.+77,8 5.6//,/ 1.53/,/ 367,8
2//60/, 2./,1,8 2.233,, ,.16+,1 11.+67,6 1/.112,/ 17,, 1.33,,7
2//,0/8 1.33,,7 +./7,,1 5.726,+ 11.361,+ 7.,17,/ ,+6,, 875,,
2//80/7 875,, 5.88+,/ 5.6,6,+ 12.+56,1 7.378,/ 351,+ 2.,/6,,
2//701/ 2.,/6,, 5./26,2 5.722,2 13.655,1 7.61+,2 1.1,/,+ 2.8,/,5
2/1/011 2.8,/,5 5.881,6 5.,,1,7 1+.52+,/ 1/.2+2,/ 2.515,7 1.,66,1
2/11012 1.,66,1 5.,88,6 5.6//,/ 13.15+,, 1/.+37,/ 1.5//,/ 1.215,,
3ONTE= CONA< 5 L#4(.'(m#.'-= M()>-02/12.
ESTO?UE DE PASSA6EM
5 AL6ODÃO, 3EI:ÃO, MIL;O E SO:A= 31 %# D#L#m2)-
5 ARRO9= 28 %# 3#4#)#i)-
5 TRI6O= 31 %# :1!-
TRI6O
MIL;O
SO:A EM
6RÃOS
3ARELO
DE SO:A
MLEO DE
SO:A
AL6ODÃO
EM PLUMA
ARRO9 EM
CASCA
3EI:ÃO
?1(%)- 28
<RASIL
<ALANÇO DE O3ERTA E DEMANDA
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 CC
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 CJ
Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2011/12 – Sexto Levantamento – Março/2012 CE

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->