P. 1
Módulo V - Economia

Módulo V - Economia

|Views: 104|Likes:
Published by António Sobrinho

More info:

Published by: António Sobrinho on Mar 15, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/22/2013

pdf

text

original

Módulo 5

ESTADO

ELEMENTOS QUE COMPÕEM O ESTADO:
O POVO;
O TERRITÓRIO;

OS ÓRGÃOS DE SOBERANIA

FUNÇÕES DO

 LEGISLATIVA, OU SEJA, O ELABORAR DAS LEIS QUE REGULAM A VIDA
COLECTIVA.

 EXECUTIVA, QUE DERIVA DA NECESSIDADE DE CUMPRIR E FAZER CUMPRIR
AS LEIS. EM PORTUGAL, É O GOVERNO QUE EXERCE ESTA FUNÇÃO

 JUDICIAL, CABENDO AO ESTADO A INTERVENÇÃO EM MATÉRIA DE
RESOLUÇÃO DE CONFLITOS. SÃO OS TRIBUNAIS QUE EXERCEM ESTA FUNÇÃO, DE UMA FORMA INDEPENDENTE

ÓRGÃOS DE SOBERANIA

 PRESIDENTE DA REPÚBLICA;  ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA;

 GOVERNO;
 TRIBUNAIS

.

 ESFERAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO:  Política  Social  Económica .

REGULAMENTANDO A ACTIVIDADE ECONÓMICA OU ASSEGURANDO O CRESCIMENTO ECONÓMICO E ESTIMULANDO OU PARTICIPANDO COM A INICIATIVA PRIVADA NO CRESCIMENTO E NO DESENVOLVIMENTO DO PAÍS E DAS REGIÕES .ESFERAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO:  ECONÓMICA: O ESTADO PODE INTERVIR NA ECONOMIA COM VISTA À SUA ESTABILIZAÇÃO E GARANTIR O BOM FUNCIONAMENTO.

procuradoria-geral da república. o estado põe em marcha um conjunto de medidas de natureza social. Com vista a garantir o bem-estar de toda a população. procuradoria da justiça. em especial dos mais carenciados. como a defesa. são exemplos de órgãos criados pelo estado português a fim de garantir a aplicação das leis e o cumprimento das medidas tomadas. e a justiça. a segurança.  SOCIAL: .ESFERAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO:  POLÍTICA: Garantir a satisfação dos interesses gerais da comunidade. Tribunais.

SECTOR PÚBLICO ADMINISTRATIVO (SPA) SECTOR PÚBLICO SECTOR PÚBLICO SECTOR EMPRESARIAL DO ESTADO (SEE) .

ADMINISTRAÇÃO CENTRAL EMPRESAS PÚBLICAS SPA ADMINISTRAÇÃO LOCAL SEE SECTOR PÚBLICO EMPRESAS MISTAS SEGURANÇA SOCIAL EMPRESAS INTERVENCIONADAS .

 EQUIDADE. .  ESTABILIDADE. EFICIÊNCIA.

ISTO É. SERVIÇO. CAPITAL OU MOEDA) AO MELHOR PREÇO. PARA QUE O SEU FUNCIONAMENTO PERMITA AO EFICIÊNCIA CONSUMIDOR ADQUIRIR O BEM (BEM MATERIAL. COM O MÍNIMO DE DESPERDÍCIOS .O ESTADO DEVE VELAR PARA QUE O MERCADO SEJA EFICIENTE.

.

DESPERDÍCIOS INEFICIÊNCIAS OU FALHAS DE MERCADO: CONCORRÊNCIA IMPERFEITA EXTERNALIDADES BENS PÚBLICOS .

LIMITANDO ASSIM O PODER DO MONOPÓLIO OU EVITANDO A SUA FORMAÇÃO CONCORRÊNCI A IMPERFEITA . OLIGOPÓLIOS E CONCORRÊNCIA MONOPOLISTICA EM QUE OS MECANISMOS DA AUTOREGULAÇÃO NÃO SÃO RESPEITADOS. ASSIM O ESTADO DEVE INTERVIR PARA REPOR A CONCORRÊNCIA OU EVITAR A CONCENTRAÇÃO. PROMULGANDO LEIS ANTI-MONOPÓLIO.UMA DAS FALHAS DE MERCADO QUE LEVA O ESTADO A INTERVIR NA ECONOMIA É A VERIFICAÇÃO DA EXISTÊNCIA DE SITUAÇÕES DE CONCORRÊNCIA IMPERFEITA DOMINADOS POR MONOPÓLIOS.

NEGATIVAS: LANÇAMENTOS DE GASES TÓXICOS DAS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS E DAS ACTIVIDADES INDUSTRIAIS PARA A ATMOSFERA. … POSITIVAS:  INVENÇÕES E DESCOBERTAS REALIZADAS PELOS CIENTISTAS MELHORAM CADA VEZ MAIS A VIDA DE TODOS. IMÓVEIS ANTIGOS RESTAURADOS. JARDINS PÚBLICOS ARRANJADOS … . OLFACTIVA… CAUSAM CUSTOS SOCIAIS. POLUIÇÃO SONORA.EXTERNALIDADES  IMPACTO QUE A ACÇÃO DE UM AGENTE ECONÓMICO TEM SOBRE O BEM-ESTAR DE OUTROS QUE NÃO PARTICIPARAM NESSA ACÇÃO. LEVANDO AO EFEITO ESTUFA RESPONSÁVEL PELO AQUECIMENTO DO GLOBO.

FARÓIS.Exemplos: SERVIÇOS DE SAÚDE E DE EDUCAÇÃO . SEGURANÇA ESGOTOS. VACINAÇÃO OBRIGATÓRIA. BEM PÚBLICO … . ILUMINAÇÃO PÚBLICA. DEFESA NACIONAL.

OS BENS COM ESTAS CARACTERÍSTICAS NÃO SÃO ATRACTIVOS PARA A INICIATIVA PRIVADA. NÃO EXCLUSIVIDADE: NÃO SE PODE IMPEDIR O ACESSO DE QUALQUER PESSOA A ESSE BEM. HAVENDO ASSIM UMA FALHA NO MERCADO RELATIVAMENTE À SUA OFERTA .BENS PÚBLICOS OS BENS PÚBLICOS APRESENTAM AS SEGUINTES CARACTERÍSTICAS:  NÃO RIVALIDADE : SE ALGUÉM USUFRUIR DO BEM NÃO PODE IMPEDIR OUTRO DE USUFRUIR DELE TAMBÉM.

Esta desigualdade existência entre as de provoca um classes a de fosso EQUIDADE rendimentos mais elevados e as classes de rendimentos mais baixos.A repartição no mercado gera económicas desigualdades que se transformam também em desigualdades sociais. .

orientado por princípios de justiça social. o estado. efetuando assim uma REDISTRIBUIÇÃO DOS RENDIMENTOS EQUIDADE . Para evitar este tipo de situações. deverá garantir mais equidade entre os cidadãos.

.

AUMENTO DE PREÇOS. CARACTERIZADAS POR FORTE DESEMPREGO. .AS ECONOMIAS REGULADAS PELA LIVRE INICIATIVA E PELO MERCADO VERIFICAM. ENCERRAMENTO DE EMPRESAS E QUEBRAS DE PRODUÇÃO. A OCORRÊNCIA DE SITUAÇÕES DE INSTABILIDADE. ASSIM O ESTADO DEVE INTERVIR NA ECONOMIA DE FORMA A PREVENIR SITUAÇÕES DE INSTABILIDADE OU A MINIMIZAR OS SEUS EFEITOS SOBRE A VIDA ECONÓMICA E SOCIAL. COM ALGUMA FREQUÊNCIA. ISTO É GARANTIR A ESTABILIDADE.

 DINAMIZADOR  REGULADOR  PLANIFICADOR  FISCALIZADOR .

O ESTADO UTILIZA ALGUNS INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO NA VIDA ECONÓMICA E SOCIAL. GARANTIR UMA MAIOR EQUIDADE ECONÓMICA E SOCIAL E PROMOVER A ESTABILIDADE  PARA ALCANÇAR ESTES OBJECTIVOS.A INTERVENÇÃO DO ESTADO VISA ASSEGURAR A EFICIÊNCIA DA ECONOMIA. NOMEADAMENTE: INTERVENÇÃO DIRECTA PLANEAMENTO POLÍTICAS ECONÓMICAS E SOCIAIS .

A MÉDIO PRAZO E A CURTO PRAZO. PLANEAMENTO . A LONGO PRAZO. ELABORA-SE ASSIM UM CONJUNTO DE PLANOS QUE ABARCAM OS DIFERENTES PERÍODOS DE TEMPO E QUE SE ARTICULAM ENTRE SI. O ESTADO FIXA UM CONJUNTO DE OBJECTIVOS ECONÓMICO-SOCIAIS QUE SE PRETENDE ALCANÇAR EM DIFERENTES PERÍODOS DE TEMPO.ATRAVÉS DO PLANEAMENTO. JÁ QUE A REALIZAÇÃO DE ALGUNS EMPREENDIMENTOS LEVADOS A CABO SE PODEM ESTENDER POR PERÍODOS DE TEMPO DIFERENTES.

 É UM INSTRUMENTO INDISPENSÁVEL AO DESENVOLVIMENTO ARTICULADO DE TODA A ECONOMIA TEMOS DOIS TIPOS DE PLANOS: .PLANO INDICATIVO → SECTOR PRIVADO – DE MERA ORIENTAÇÃO .PLANO IMPERATIVO → SECTOR PÚBLICO – CUMPRIMENTO OBRIGATÓRIO .O PLANO DA ECONOMIA NACIONAL TEM COMO FUNÇÃO PREVER E ORGANIZAR A ECONOMIA DO PAÍS.

 É ELABORADO PELO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. TEM UM PERÍODO DE VIGÊNCIA DE UM ANO (ANO CIVIL) DE 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO.ORÇAMENTO DO ESTADO É O DOCUMENTO QUE O GOVERNO ELABORA ANUALMENTE E ONDE SE FAZ A PREVISÃO DAS RECEITAS E DAS DESPESAS A EFECTUAR PELO ESTADO NO ANO SEGUINTE.  APROVADO PELO GOVERNO. .  POSTERIORMENTE APRESENTADO À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA PARA DISCUSSÃO E APROVAÇÃO FINAL.

 DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS FINANCEIRAS. .  DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS SOCIAIS. GESTÃO MAIS EFICIENTE E RACIONAL DOS DINHEIROS PÚBLICOS.  DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS ECONÓMICAS.

FUNÇÕES DO ORÇAMENT O: . LIMITAÇÃO DAS DESPESAS – NÃO PODEM SER REALIZADAS DESPESAS NÃO PREVISTAS NO ORÇAMENTO NEM EM MONTANTE SUPERIOR AO PREVISTO.ADAPTAÇÃO DAS RECEITAS ÀS DESPESAS – NÃO DEVEM SER PREVISTAS DESPESAS SUPERIORES ÀS RECEITAS PREVISIVELMENTE ARRECADADAS E ESTAS DEVEM SER APENAS AS NECESSÁRIAS PARA FAZER FACE ÀS DESPESAS PREVISTAS. EXPOSIÇÃO DO PLANO FINANCEIRO DO ESTADO – AO TORNAR TRANSPARENTES AS DESPESAS A REALIZAR E AS FONTES DE RECEITA. A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PERMITE AOS CIDADÃOS AJUIZAR DAS POLÍTICAS QUE AQUELA PRETENDE EMPREENDER.

NÃO CONSIGNAÇÃO  AS RECEITAS DEVEM SER INDISCRIMINADAMENTE AFECTADAS ÀS DESPESAS.UNICIDADE  AS RECEITAS E AS DESPESAS DEVEM INSCREVER-SE NUM ÚNICO DOCUMENTO.  AS DESPESAS TODAS REGRAS DE ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO: . ESPECIFICAÇÃO  NÃO BASTA A INSCRIÇÃO DAS RECEITAS E DAS DESPESAS NA TOTALIDADE. UNIVERSALIDADE RECEITAS E AS DEVEM SER ORÇAMENTADAS.

AQUISIÇÃO DE CAPITAL FIXO .CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS. . AS DESPESAS DIVIDEM-SE EM : DESPESAS CORRENTES CORRESPONDEM AOS ENCARGOS PERMANENTES DO ESTADO NO DESEMPENHO DAS SUAS FUNÇÕES NUM DETERMINADO ANO.PENSÕES DE REFORMA . MAS CUJOS EFEITOS SE PREVÊ QUE POSSAM PROLONGAR-SE EM ANOS SEGUINTES. . .DESPESAS PÚBLICAS DE ACORDO COM O CRITÉRIO ECONÓMICO. EXºS: . PONTES OU BARRAGENS.  EFECTUAM-SE AO LONGO DE 1 ANO E TERMINAM NESSE ANO EXºS: .AQUISIÇÃO DE BENS NÃO DURADOUROS DESPESAS DE CAPITAL  CORRESPONDEM AOS ENCARGOS ASSUMIDOS PELO ESTADO NUM DETERMINADO ANO.PAGAMENTO DOS VENCIMENTOS DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS.REEMBOLSOS DE EMPRÉSTIMOS.

 RECEITAS PATRIMONIAIS OU VOLUNTÁRIAS. RECEITAS PÚBLICAS  RECEITAS TRIBUTÁRIAS OU COACTIVAS – PROVENIENTES DOS IMPOSTOS. VENDA DE MADEIRA DAS SUAS ÁREAS FLORESTAIS.). DAS TAXAS E DAS MULTAS. VENDA DE UMA PROPRIEDADE.ETC.RENDIMENTOS PROVINDOS DO PATRIMÓNIO DO ESTADO (POR EXEMPLO.  RECEITAS CREDITÍCIAS – PROVENIENTES DA CONTRACÇÃO DE EMPRÉSTIMOS REALIZADOS QUER JUNTO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NACIONAIS OU ESTRANGEIRAS QUER JUNTO DAS FAMÍLIAS (CERTIFICADOS DE AFORRO) .

PATRIMONIAIS OU VOLUNTÁRIAS TAXAS DIRECTOS RECEITAS PÚBLICAS COACTIVAS RECEITAS PÚBLICAS IMPOSTOS INDIRECTOS CREDITÍCIAS CONTRIBUIÇÕES A SEGURANÇA SOCIAL .

PECUNIÁRIA → É UMA PRESTAÇÃO EM DINHEIRO. RECEITAS TRIBUTÁRIAS IMPOSTO É UMA PRESTAÇÃO: COACTIVA → TODOS OS CIDADÃOS QUE SE ENCONTRAM NAS CONDIÇÕES PREVISTAS NA LEI ESTÃO OU COACTIVAS - SUJEITAS AO SEU PAGAMENTO. .UNILATERAL → NÃO SE RECEBE NADA EM TROCA. PECUNIÁRIAS E UNILATERAIS EXIGIDAS PELO ESTADO COM CARÁCTER DE SANÇÃO – AS MULTAS. .  IMPOSTOS – SÃO PRESTAÇÕES PECUNIÁRIAS PAGAS COERCIVAMENTE AO ESTADO PELAS FAMÍLIAS E PELAS EMPRESAS DE FORMA UNILATERAL E SEM CONTRAPARTIDA IMEDIATA.SEM CARÁCTER DE SANÇÃO → POR ISSO SE DISTINGUE DE OUTRAS PRESTAÇÕES COACTIVAS. . TAXAS – SÃO PAGAMENTOS EFECTUADOS PELAS FAMÍLIAS E PELAS EMPRESAS EM TROCA DA UTILIZAÇÃO DE UM SERVIÇO.ESTABELECIDA POR LEI → SÓ HÁ LUGAR AO PAGAMENTO DE UM IMPOSTO SE UMA LEI PREVIAMENTE O DETERMINAR. . .

 IMPOSTOS DIRECTOS INCIDEM DIRECTAMENTE SOBRE O RENDIMENTO OU SOBRE O PATRIMÓNIO EXºS: IRS IRC IMPOSTO SOBRE O PATRIMÓNIO IMPOSTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO RENDIMENTO DAS  IMPOSTOS INDIRECTOS INCIDEM FAMÍLIAS E DAS EMPRESAS (CONSUMO) EXºS: IVA ISP (IMPOSTO SOBRE PRODUTOS PETROLÍFEROS) IMPOSTO SOBRE O CONSUMO DE TABACO IMPOSTO SOBRE BEBIDAS ALCOÓLICAS IA (IMPOSTO SOBRE AUTOMÓVEIS) .

R>D  SUPERÁVITE  O ESTADO CONTRIBUI PARA A POUPANÇA NACIONAL E PARA A REDUÇÃO DA DESPESA GLOBAL DA ECONOMIA EQUILÍBRIO ORÇAMENTAL  QUANDO AS DESPESAS CORRENTES SÃO COBERTAS COM AS RECEITAS CORRENTES  R=D R<D  DÉFICITE  O ESTADO ESTÁ A CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA DESPESA GLOBAL DA ECONOMIA .

UM SALDO ORÇAMENTAL NEGATIVO. OU SEJA. REGRA GERAL. À CONTRACÇÃO DE EMPRÉSTIMOS QUER INTERNAMENTE QUER EXTERNAMENTE. O ESTADO RECORRE.QUANDO O ORÇAMENTO APRESENTA UM DÉFICE. CONSTITUINDOSE ASSIM A DÍVIDA PÚBLICA SALDO ORÇAMENTAL .

EXTERNA – SE OS FINANCIADORES NÃO SÃO RESIDENTES NO PAÍS .DÍVIDA PÚBLICA A DÍVIDA PÚBLICA PODE SER: INTERNA – SE OS FINANCIADORES SÃO RESIDENTES NO PAÍS.

DÍVIDA PÚBLICA INTERNA POUPANÇAS/EMPRÉSTIMOS AGENTES ECONÓMICOS RESIDENTES ESTADO JUROS DA DÍVIDA PÚBLICA + REEMBOLSOS DE EMPRÉSTIMOS .

SE OS CREDORES NÃO PERTENCEREM À ZONA EURO.DÍVIDA PÚBLICA EXTERNA  O ENCARGO PARA A ECONOMIA NACIONAL É ASSINALÁVEL. POIS OS JUROS A PAGAR E AS AMORTIZAÇÕES DE CAPITAL CONSTITUEM SAÍDA DE DIVISAS DO PAÍS EMPRÉSTIMOS AGENTES ECONÓMICOS NÃO RESIDENTES ESTADO JUROS DA DÍVIDA PÚBLICA/DIVISAS+ REEMBOLSOS DE EMPRÉSTIMOS/DIVISAS .

PLANO Articulação das diferentes políticas ORÇAMENTO Previsão das receitas e das despesas para concretizar as políticas CONTA Registo da forma como foi executado o orçamento TRIBUNAL DE CONTAS Controlo e fiscalização Da execução orçamental .

POLÍTICAS ECONÓMICAS E SOCIAIS  UMA POLÍTICA ECONÓMICA VISA SEMPRE MODIFICAR UM CERTO ESTADO ECONÓMICO-SOCIAL ESTAS POLÍTICAS PRETENDEM: GARANTIR UMA MELHOR AFECTAÇÃO DOS RECURSOS DISPONÍVEIS. REGULAMENTAR A ACTIVIDADE ECONÓMICA. DE FORMA A EVITAR OU MINIMIZAR OS EFEITOS DA OCORRÊNCIA DE DESEQUILÍBRIOS. . DE FORMA A MELHORAR O NÍVEL E A QUALIDADE DE VIDA DE TODOS OS CIDADÃOS. DE FORMA A REDUZIR AS DESIGUALDADES ECONÓMICAS E SOCIAIS E GARANTIR A JUSTIÇA E A EQUIDADE SOCIAL. COMO O CASO DO DESEMPREGO OU DA INFLAÇÃO. INTERVIR NA REPARTIÇÃO DO RENDIMENTO.

 POLÍTICA DE SAÚDE.  POLÍTICA DE PREÇOS. SÃO EXEMPLOS DE POLÍTICAS CONSIDERADAS ESSENCIALMENTE ECONÓMICAS:  POLÍTICA FISCAL.  POLÍTICA MONETÁRIA.  POLÍTICA DE REDISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO. POLÍTICAS ECONÓMICAS E SOCIAIS .  SÃO EXEMPLOS DE POLÍTICAS CONSIDERADAS ESSENCIALMENTE SOCIAIS:  POLÍTICA DE EDUCAÇÃO.  POLÍTICA ORÇAMENTAL.

EXºS: .POLÍTICA FISCAL.POLÍTICA DE TRANSPORTES. EXºS: . .POLÍTICA DE PREÇOS… POLÍTICAS CONJUNTURAIS E ESTRUTURAIS  POLÍTICAS ESTRUTURAIS  SÃO POLÍTICAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO. COMO POR EXEMPLO PROMOVER O CRESCIMENTO ECONÓMICO.POLÍTICA ORÇAMENTAL.POLÍTICA AMBIENTAL… . . . POLÍTICAS CONJUNTURAIS SÃO POLÍTICAS DE CURTO PRAZO. .POLÍTICA INDUSTRIAL. DESTINADAS A CORRIGIR DESEQUILÍBRIOS QUE SE VÃO GERANDO NA ECONOMIA. .POLÍTICA AGRÍCOLA. COMO O DESEMPREGO OU A INFLAÇÃO. DESTINADAS A ALTERAR AS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA ECONOMIA.POLÍTICA MONETÁRIA. .

POR OUTRO LADO. POLÍTICAS ESTRUTURAIS PODEM CONTRIBUIR PARA O SUCESSO DE POLÍTICAS CONJUNTURAIS: OS RECURSOS OBTIDOS ATRAVÉS DAS PRIVATIZAÇÕES (POLÍTICA ESTRUTURAL) PERMITEM FAZER FACE A DESPESAS ORÇAMENTAIS EXTRAORDINÁRIAS DESTINADAS A COMBATER UMA RECESSÃO (POLÍTICA CONJUNTURAL) POLÍTICAS CONJUNTURAIS E ESTRUTURAIS .NÃO EXISTE OPOSIÇÃO. ANTES COMPLEMENTARIDADE ENTRE OS DOIS TIPOS DE POLÍTICAS. POR EXEMPLO: NOS PAÍSES DA UE. A DECISÃO DE ADERIR À MOEDA ÚNICA ( POLÍTICA ESTRUTURAL). COMANDOU A ADOPÇÃO DE POLÍTICAS ORÇAMENTAIS DESTINADAS A REDUZIR OS DÉFICES E OS ENDIVIDAMENTOS PÚBLICOS (POLÍTICAS CONJUNTURAIS).

POLÍTICAS ECONÓMICAS E SOCIAIS ALGUMAS QUESTÕES .

.OS OBJECTIVOS ASSOCIADOS À POLÍTICA MONETÁRIA SÃO: INDICA OS O CRESCIMENTO DA ECONOMIA E DO EMPREGO.PRINCIPAIS OBJECTIVOS QUE GERALMENTE O CONTROLO DO NÍVEL GERAL DOS PREÇOS ( INFLAÇÃO) SÃO VISADOS COM A POLÍTICA O EQUILÍBRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS… MONETÁRIA.

OS INSTRUMENTOS USADOS PELA POLÍTICA MONETÁRIA SÃO: MENCIONA OS A TAXA DE JURO. INSTRUMENTOS USADOS A TAXA DE REDESCONTO. AS OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO (OPEN MARKET). PLAFONDS DE CRÉDITO. PELA POLÍTICA A TAXA DE RESERVA DE CAIXA. . MONETÁRIA.

QUER UTILIZADA PARA JUNTO DOS PARTICULARES QUER JUNTO DAS EMPRESAS. ESTÁ BANCO CENTRAL SUBIR A TAXA DE JURO DAS OPERAÇÕESNÍVEL GERAL DOS MERCADO. A PROMOVER A POUPANÇA E A RETIRAR LIQUIDEZ DO PREÇOS. A TAXA DE JURO DAS OPERAÇÕES ACTIVAS BAIXAR. ESTÁ A INCENTIVAR A LIQUIDEZ DO MERCADO. SE PELO CONTRÁRIO. . ASSIM.A TAXA DE JURO DE OPERAÇÕES ACTIVAS E PASSIVAS QUE O BANCO EXPLICA COMO A TAXA CENTRAL PAGA E COBRA AOS BANCOS COMERCIAIS CONDICIONA AS DE JURO PODE SER RESPECTIVAS TAXAS PRATICADAS PELOS BANCOS COMERCIAIS. SE O CONTROLAR O PASSIVAS.

UMA VEZ QUE SÃO POLÍTICA DE AS CLASSES COM RENDIMENTOS INFERIORES AS QUE MAIS SOFREM AS RENDIMENTOS.ESTAS DUAS POLÍTICAS IMPLICAM-SE MUTUAMENTE POIS OS PREÇOS GERALMENTE. FORMA INTEGRADA. POR ISSO ELAS DEVEM SER DELINEADAS DE PORQUÊ. A DOS BENS PRENDEM-SE COM O PODER DE COMPRA DOS POLÍTICA DE PREÇOS CONSUMIDORES E O AUMENTO DOS PREÇOS INFLUENCIA APARECE ASSOCIADA À NEGATIVAMENTE A REPARTIÇÃO DOS RENDIMENTOS. . EXPLICA SUAS CONSEQUÊNCIAS.

ALTERA O RENDIMENTO DISPONÍVEL DAS FAMÍLIAS. RECORRE À POLÍTICA FISCAL APLICANDO UMA TAXA POLÍTICA DE PROGRESSIVA NO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO E ISENTANDO DO REDISTRIBUIÇÃO DE PAGAMENTO DE IMPOSTOS OS QUE AUFEREM MENOS RENDIMENTOS.DE UM MODO GERAL. RENDIMENTOS. PARA OPERAR A SUA POLÍTICA DE EXPLICA COMO É QUE O RENDIMENTOS. COBRANDO MAIS A QUEM GANHA MAIS. . O ESTADO SOCORRE-SE DE VÁRIAS OUTRAS POLÍTICAS. REDISTRIBUI A PERCENTAGEM DOS RENDIMENTOS COBRADOS ATRAVÉS DE UM SISTEMA DE TRANSFERÊNCIAS SOCIAIS (PRESTAÇÕES SOCIAIS E FORNECIMENTO DE SERVIÇOS). DEPOIS. ESTADO REALIZA A SUA ASSIM.

TENDE A PROVOCAR A SUBIDA DOS PREÇOS UMA VEZ QUE OS DESEMPREGADOS. NA MEDIDA EM QUE OS DESEMPREGADOS. BAIXAM OS SEUS RENDIMENTOS E AS EMPRESAS POUCO ESCRUPULOSAS E NA ÂNSIA DE REDUZIREM OS SEUS ENCARGOS SOCIAIS ALICIAMNOS A TRABALHAR EM SITUAÇÃO ILEGAL.O DESEMPREGO CONSTITUI UM ENCARGO PARA A SOCIEDADE. APESAR DE SUBSIDIADOS. TORNAM OS BENS MAIS ESCASSOS AUMENTANDO O SEU VALOR DE TROCA. NÃO CONTRIBUINDO PARA A PRODUÇÃO E CONTINUANDO A CONSUMIR. O DESEMPREGO É CONSIDERADO DOS PROBLEMAS MAIS GRAVES DA SOCIEDADE ACTUAL. E PROPORCIONANDO O SURGIMENTO DO MERCADO NEGRO DE TRABALHO. ENUNCIA OS PRINCIPAIS EFEITOS ECONÓMICOSOCIAIS DO DESEMPREGO. .

.FOMENTO DE OBRAS PÚBLICAS.A FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA: .INCENTIVO ÀS EMPRESAS: CONCESSÃO DE SUBSÍDIOS. . ISENÇÕES FISCAIS. BONIFICAÇÕES BANCÁRIAS.A DIMINUIÇÃO DA IDADE DE REFORMA -… INDICA OS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE COMBATE AO DESEMPREGO.O AUMENTO DA ESCOLARIDADE E A SUA ADAPTAÇÃO ÀS NECESSIDADES REAIS DA ECONOMIA.OS INSTRUMENTOS DAS POLÍTICAS DE COMBATE AO DESEMPREGO SÃO DE DIVERSA ORDEM: . . . ETC.

DE APOIAR A CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO. .FOMENTAR A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS JOVENS.O ESTADO PORTUGÊS PROMOVE POLÍTICAS ACTIVAS DE EMPREGABILIDADE ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E ACTIVAÇÃO PARA DESEMPREGADOS E DE INCLUSÃO SOCIAL. -… PARALELAMENTE. . . NOMEADAMENTER ATRAVÉS DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS. TÊM VINDO A SER IMPLEMENTADAS: MEDIDAS DE PROMOÇÃO DE APRENDIZAGENS AO LONGO DA VIDA COM VISTA A COMBATER O DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO E O DESEMPREGO TECNOLÓGICO E MEDIDAS DE COMBATE À DESIGUALDADE DE OPORTUNIDADES DE QUE AS MULHERES SÃO VÍTIMAS QUANTO AO ACESSO AO EMPREGO E COMPATIBILIZAÇÃO COM A VIDA DO LAR. DESCREVE AS LINHAS GERAIS DE COMBATE AO DESEMPREGO DESENVOLVIDA PELO ESTADO PORTUGUÊS.FOMENTAR A FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA DESEMPREGADOS. AS MEDIDAS DE PREVENÇÃO E ACTIVAÇÃO PARA DESEMPREGADOS ´VÃO NO SENTIDO DE : .

ACTUANDO DIRECTAMENTE NA CORRECÇÃO DOS DESIQUILÍBRIOS MENCIONA AS FORMAS EXISTENTES. . DE FORMA A INDUZI-LO A TOMAR A INICIATIVA DE REDUZIR OS SEUS NÍVEIS DE POLUIÇÃO. HOJE. OS ESTADOS INTERVÊM DE DUASCOM O AMBIENTE ASSUME.A PREOCUPAÇÃO AO NÍVEL DO AMBIENTE. PROCESSOS DE PRODUÇÃO E A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS PODE INTERVIR AO NÍVEL NATURAIS. RELEVÂNCIA CONSTITUCIONAL. NOMEADAMENTE REGULANDO E CONTROLANDO PELAS QUAIS O ESTADO PRODUTOS. EXERCENDO PERSUASÃO SOBRE O AGENTE POLUIDOR. DO AMBIENTE. FORMAS: EM QUASE TODAS AS SOCIEDADES.

COMO POR EXEMPLO: . MENCIONANDO EXEMPLOS.PROIBIÇÃO (TOTAL/PARCIAL) DE CERTAS ACTIVIDADES POLUENTES . . . ATRAVÉS DA CONCESSÃO DE LICENÇAS. COMO FILTROS.IMPOSIÇÃO DE LIMITES PARA A EMISSÃO DE POLUENTES.CRIAÇÃO DE MERCADOS.EXIGÊNCIA DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ANTI-POLUENTES.SUBSÍDIOS.CONTROLO DO USO DE RECURSOS NATURAIS POR INTERMÉDIO DE FIXAÇÃO DE QUOTAS  DE INSTRUMENTOS ECONÓMICOS.TAXAS E TARIFAS. PERMITE AOS AGENTES ECONÓMICOS COMPRAR E VENDER DIREITOS (QUOTAS DE POLUIÇÃO). . . COMO: . INDICA OS INSTRUMENTOS DE QUE O ESTADO PODE LANÇAR MÃO PARA DESENVOLVER A SUA POLÍTICA AMBIENTAL. UMA VEZ QUE.O ESTADO PODE LANÇAR MÃO DOS SEGUINTES INSTRUMENTOS:  DO SEU PODER LEGISLATIVO QUE USA PARA EMITIR NORMAS QUE PROÍBEM E IMPÕEM COMPORTAMENTOS. . COMO O DIÓXIDO DE CARBONO. PARA INCENTIVAR OS AGENTES POLUIDORES A REDUZIREM OS NÍVEIS DE POLUIÇÃO E ADOPTAREM COMPORTAMENTOS ANTI-POLUENTES. . QUE CONSISTE NA CRIAÇÃO ARTIFICIAL DE UM MERCADO PARA A POLUIÇÃO.

FORÇOSAMENTE DE LONGO PRAZO. SENDO POR ISSO. AS POLÍTICAS CONJUNTURAIS PRETENDEM CORRIGIR OS DESVIOS OCORRIDOS À LINHA ANTERIORMENTE TRAÇADA E SÃO DE CURTO PRAZO.ENQUANTO AS POLÍTICAS ESTRUTURAIS VISAM MODIFICAR AS ESTRUTURAS EM QUE ASSENTA O FUNCIONAMENTO DA ECONOMIA. .

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->