You are on page 1of 3

MÁQUINAS MARAVILHOSAS

06-04-2008

+ Marcelo Gleiser

Máquinas maravilhosas

MARCELO GLEISER,
é professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover
(EUA) e autor do livro "A Harmonia do Mundo"

São essas as nossas pirâmides e catedrais, monumentos à
nossa curiosidade

Imagino que em todas as eras as pessoas se maravilhem com as
invenções de seus cientistas e engenheiros. Penso na sensação
que Arquimedes causou na Grécia antiga, ao conseguir repelir o
exército romano com suas catapultas enquanto, segundo a lenda,
suas lentes mirabolantes queimavam os navios invasores. Ou como
Galileu enfeitiçou o Senado de Veneza com seu telescópio e Anton
von Leeuwenhoek revelou mundos invisíveis com seu microscópio.

Nossa era não é diferente. Penso imediatamente em três máquinas,
ou melhor, instrumentos, que juntos vêm ampliando nosso
conhecimento do mundo em três fronteiras: o muito grande, o muito
pequeno e o biológico.

No muito grande, o leitor deve já ter adivinhado, é impossível não
mencionar o Telescópio Espacial Hubble, considerado por alguns o
instrumento científico mais importante de todos os tempos. Não sei
se concordo com a adjetivação exagerada, mas não há dúvida de
que as imagens que o Hubble nos trouxe do espaço ajudaram em
muito a transformar nossa concepção do cosmo. Planetas extra-
solares e berçários de estrelas, detalhes de mundos distantes,
como as luas de Júpiter e Saturno, a espetacular colisão entre o
cometa Shoemaker-Levy 9 e Júpiter, galáxias das mais variadas
formas, a expansão do Universo medida com grande precisão,
supernovas explodindo, enfim, um cosmo dinâmico, de uma beleza
inigualável, que nos remete às nossas origens.
Na esfera da biologia, o Projeto Genoma, que revelou o genoma
humano e o de muitas outras espécies, só foi possível devido ao
desenvolvimento de máquinas de seqüenciamento automático de
DNA, que combinam química e lasers para acelerar a leitura das
séries das quatro bases químicas A, G, C e T (adenina, guanina,
citosina e timina) que compõem os genes.

No caso dos humanos, são 30 mil genes, cerca de 3 bilhões de
pares de bases, cuja leitura e ordenação seriam impossíveis
manualmente.

Dessa informação, será possível identificar o componente genético
de várias doenças, possibilitando novos tipos de tratamento e o
estudo de como pessoas com certos genes reagirão a remédios
diferentes -o mesmo medicamento pode não surtir efeito
semelhante em pessoas com diferenças genéticas específicas.

É importante lembrar que a predisposição genética não age
sozinha, já que fatores exógenos também contribuem para o
surgimento de muitas doenças. No entanto, saber que existe uma
predisposição genética pode ser extremamente útil na prevenção de
vários males.

Eu mesmo fui testado outro dia para câncer no pâncreas, o mal que
causou a morte de meu pai. (Felizmente, por enquanto tudo bem!)
Outro uso é na comparação do genoma entre espécies diferentes.
Por exemplo, diferimos em cerca de 1% dos chimpanzés, com foco
nas áreas reprodutiva e imunológica.

Finalmente, a maravilhosa máquina do muito pequeno: o Grande
Colisor de Hádrons (LHC, do inglês Large Hadron Collider) -a maior
máquina já construída, um túnel subterrâneo de 27 km de
circunferência acoplado a detectores do tamanho de prédios de
cinco andares e a mais de 30 mil computadores. O LHC deve entrar
em funcionamento no final deste ano, ajudando os físicos a
responderem a uma das questões mais fundamentais da ciência: a
origem da massa.

De quebra, essa máquina poderá nos dar pistas sobre a existência
de dimensões extra do espaço e mesmo produzir miniburacos
negros. São essas as nossas pirâmides e catedrais, monumentos à
nossa curiosidade e à incrível inventividade humana.
MARCELO GLEISER é professor de física teórica no Dartmouth
College, em Hanover (EUA) e autor do livro "A Harmonia do Mundo"

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/fe0604200805.htm