L

A
T
E
X de A a B
uma introdu¸ c˜ao n˜ao t˜ ao completa.
Gabriel Dias Pais
Leandro Augusto Ferreira
Instituto de Ciˆencias Matem´aticas e de Computa¸ c˜ao
Universidade de S˜ ao Paulo
O projeto: O principal objetivo deste material ´e apresentar informa¸ c˜ oes e exem-
plos ´ uteis sobre tipografia em L
A
T
E
X para auxiliar usu´ arios iniciantes e inter-
medi´ arios. Esse material foi criado para um mini curso ministrado no XI SIM
2008 - XI Simp´ osio da Matem´ atica para a Gradua¸ c˜ ao no ICMC-USP.
S˜ ao Carlos - Agosto/2008
Sum´ario
1 Introdu¸ c˜ao 4
1.1 O que significa T
E
X ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.2 O que significa L
A
T
E
X ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.3 Um pouco de hist´ oria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.3.1 Os fatos na ordem cronol´ ogica . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.3.2 Tendˆencias atuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.4 Instalando o L
A
T
E
X . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.4.1 Distribui¸ c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.4.2 Instru¸ c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.5 A arte de saber encontrar ajuda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2 Criando um texto 11
2.1 Estrutura b´ asica de um texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.1.1 Tipos de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.1.2 Usando Pacotes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.2 Formata¸ c˜ao do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.2.1 Tipos de letras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.2.2 Tamanho da letra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.2.3 Cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.3 Se¸ c˜oes, cap´ıtulos, par´ agrafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.3.1 Se¸ c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.3.2 Cap´ıtulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.3.3 Abstract . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.3.4 Par´ agrafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.3.5 Partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.4 Espa¸ cos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.4.1 Espa¸ cos em branco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.4.2 Nova linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.4.3 Nova p´ agina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.5 Ambientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.5.1 Alinhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.5.2 Verbatim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.5.3 Listas: itemize, enumerate e description . . . . . . . . . . 19
2.6 Corpos flutuantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
2.6.1 Figuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
2.6.2 Mini-pages . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.6.3 Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2
SUM
´
ARIO 3
2.7 Finalizando um texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.7.1 Sum´ario. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.7.2 Configurando o Sum´ario . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.7.3
´
Indice remissivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.7.4 Referˆencias bibliogr´aficas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
3 Ambiente Matem´atico 32
3.1 Principais Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.1.1 Produzindo um Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.1.2 Letras gregas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
3.2 Expoentes e
´
Indices . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3.3 Fra¸ c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3.4 Ra´ızes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3.5 Somat´ orios, produt´ orios, uni˜ oes e intersec¸ c˜oes . . . . . . . . . . 34
3.5.1 displaystyle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
3.6 Limites, derivadas e integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
3.6.1 Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
3.6.2 Derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.6.3 Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.7 Coeficientes binomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.8 Pontos, espa¸ cos e texto no modo matem´ atico . . . . . . . . . . . 37
3.9 S´ımbolos matem´ aticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.10 Mudan¸ ca dos Tipos de Letras no Modo Matem´atico . . . . . . . 39
3.11 Fun¸ c˜oes Matem´aticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.12 Ambiente Equation . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.13 Parˆenteses, colchetes e chaves em f´ormulas . . . . . . . . . . . . . 40
3.14 Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.15 Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.16 Diagramas X
Y
-pic . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.16.1 O comando xymatrix . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.16.2
´
Indices nas setas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.16.3 Estilos das setas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Cap´ıtulo 1
Introdu¸c˜ao
A primeira pergunta que algu´em se far´a, ao se deparar com o L
A
T
E
X, ´e sobre a
vantagem de se us´ a-lo, ao inv´es de ferramentas WYSIWYG
1
como o OpenOffice
Writer e o Microsoft Word, e muitas pessoas comparam o L
A
T
E
X com esses
programas. Na verdade, o L
A
T
E
X e as ferramentas WYSIWYG possuem objetivos
e base de usu´arios completamente distintos, n˜ ao sendo prudente afirmar qual
modelo seja superior. S˜ ao apenas diferentes.
´
E necess´ario, entretanto, mostrar
as vantagens e desvantagens de se utilizar um e outro para que as pessoas saibam
qual modelo as conv´em.
Vantagens
• A principal vantagem, e de onde as outras tiram sua validade, ´e o algoritmo
avan¸ cado do TeX, que permite criar documentos de aparˆencia verdadeira-
mente profissional.
• O L
A
T
E
X encoraja as pessoas a concentrar suas aten¸ c˜oes no conte´ udo e na
distribui¸ c˜ao l´ogica das id´eias, e n˜ ao na aparˆencia, resultando em textos
bem estruturados.

´
E poss´ıvel utilizar o L
A
T
E
X sem efetivamente aprender muitos comandos,
especialmente com a utiliza¸ c˜ao conjunta de ferramentas WYSIWYG como
o LyX.
• A edi¸ c˜ao de f´ormulas matem´ aticas ´e robusta e sua apresenta¸ c˜ao, visual-
mente agrad´ avel.
• Estruturas tipogr´ aficas complexas como bibliografia, tabela de conte´ udo
e cita¸ c˜oes est˜ ao abstraidas, podendo ser geradas facilmente e de forma
consistente ao longo do documento.
• Ambos T
E
X e L
A
T
E
X s˜ ao programas livres, permitindo que existam vers˜ oes
para praticamente todo sistema operacional dispon´ıvel.
• Utiliza¸ c˜ao modesta dos recursos do sistema.
´
E poss´ıvel editar e imprimir
mesmo em um computador remoto, atrav´es de uma sess˜ao SSH ou telnet.
1
Do inglˆes: “What You See Is What You Get” que significa “O que vocˆe vˆe ´e o que vocˆe
tem”
4
CAP
´
ITULO 1. INTRODUC¸
˜
AO 5
O processador tamb´em n˜ ao precisa trabalhar todo o tempo para criar a
formata¸ c˜ao do documento, pois a diagrama¸ c˜ao s´ o ´e feita uma vez, ap´ os o
t´ermino da edi¸ c˜ao.
Desvantagens
• A principal desvantagem ´e que, embora a utiliza¸ c˜ao de estilos prontos de
documento seja f´acil, a cria¸ c˜ ao de novos modelos leva muito tempo, sendo
que nem sempre ´e poss´ıvel encontrar modelos de documento que estejam
em conformidade com o requerido por muitas institui¸ c˜oes.
• A aprendizagem ´e mais dif´ıcil que em programas WYSIWYG, pois embora
a estrutura l´ogica do documento seja intuitiva, os comandos do LaTeX,
obviamente, n˜ ao o s˜ ao.
Esclarecidas essas primeiras d´ uvidas, vamos descobrir o que significa afinal
T
E
X e L
A
T
E
X.
1.1 O que significa T
E
X ?
T
E
X (Tau ´epsilon chi pronunciada como “latequi” ) ´e um sistema de tipografia
criado por Donald Knuth.
´
E popular no meio acadˆemico, principalmente entre
os f´ısicos, matem´ aticos e cientistas da computa¸ c˜ao, devido a sua capacidade de
produzir f´ormulas e s´ımbolos matem´ aticos de uma forma elegante.
1.2 O que significa L
A
T
E
X ?
L
A
T
E
X ´e um conjunto de macros para o processador de textos T
E
X, utilizado
amplamente para a produ¸ c˜ao de textos matem´ aticos e cient´ıficos por causa de
sua alta qualidade tipogr´ afica. Entretanto, tamb´em ´e utilizado para produ¸ c˜ao
de cartas pessoais, artigos e livros sobre assuntos muito diversos.
Como um conjunto de macros para o T
E
X, o sistema L
A
T
E
X fornece ao usu´ario
um conjunto de comandos de alto n´ıvel, sendo, dessa forma, mais f´acil a sua
utiliza¸ c˜ao por pessoas nos primeiros est´ agios de utiliza¸ c˜ao desse sistema. Possui
abstra¸ c˜oes para lidar com bibliografias, cita¸ c˜oes, formatos de p´ aginas, referˆencia
cruzada e tudo mais que n˜ ao seja relacionado ao conte´ udo do documento em si.
O L
A
T
E
Xfoi desenvolvido na d´ecada de 80, por Leslie Lamport, estando, atual-
mente, na vers˜ ao denominada (L
A
T
E
X2).
1.3 Um pouco de hist´oria
Uma pequena biografia dos matem´ aticos e criadores das ferramentas que
revolucionaram a tipografia e humilharam as descobertas de Gutemberg
2
.
2
Johannes Gutemberg foi um inventor alem˜ao que se tornou famoso pela sua contribui¸c˜ao
para a tecnologia da impress˜ao e tipografia. Inventou uma liga para os tipos de metal, tintas
`a base de ´oleo, al´em de uma prensa gr´afica inspirada nas prensas utilizadas para espremer as
uvas no fabrico do vinho.
CAP
´
ITULO 1. INTRODUC¸
˜
AO 6
Donald Knuth - Donald Ervin Knuth (Milwaukee, 10 de Janeiro de 1938)
´e um cientista computacional de renome e professor em´erito da Universidade
de Stanford. Formado em matem´ atica ´e o autor do livro The Art of Computer
Programming, uma das principais referˆencias da ciˆencia da computa¸ c˜ ao. Ele
praticamente criou o campo an´ alise de algoritmos e fez muitas das principais
contribui¸ c˜oes a v´arios ramos da teoria da computa¸ c˜ao. Ele tamb´em criou o
sistema de tipogr´ afico T
E
X, o sistema de cria¸ c˜ao de fontes METAFONT, al´em
de ser pioneiro do conceito de programa¸ c˜ao liter´ aria.
Leslie Lamport - Leslie Lamport (nascido em 1941) ´e um cientista computa-
cional norte-americano Lamport formou-se em Matem´atica pelo Massachusetts
Institute of Technology em 1960, com mestrado e doutorado em Matem´atica
pela Brandeis University, conclu´ıdos respectivamente em 1963 e 1972. O tema
de sua tese de doutorado foram singularidades em equa¸ c˜oes diferenciais parciais
anal´ıticas. Ap´os a gradua¸ c˜ao, ele come¸ cou sua carreira como cientista compu-
tacional no Massachusetts Computer Associates, SRI International, Digital, e
Compaq. Em 2001, ele se juntou `a Microsoft Research em Mountain View, na
California. Suas pesquisas contribu´ıram com a funda¸ c˜ao da teoria de sistemas
distribu´ıdos. Fora da ciˆencia computacional, o Dr. Lamport ´e melhor conhecido
como sendo o desenvolvedor inicial do sistema de prepara¸ c˜ ao de documentos, o
L
A
T
E
X.
Como tudo come¸ cou ... No ano de 1977, Donald Knuth estava discutindo e
experimentando a editora¸ c˜ao de um livro pelo computador. Neste mesmo ano, a
editora encarregada do segundo volume do seu livro The Art of Computer Pro-
gramming, enviou um preprint do livro. Decepcionado pela sua baixa qualidade,
Kunuth decidiu concretizar sua id´eia: Implementar um sistema computacional
eficiente para editora¸ c˜ao, hoje conhecido como sistema “TeX”. Como n˜ ao exis-
tia uma fonte adequada para documentos t´ecnicos e cient´ıficos, ele decidiu fazer
design das fontes e implementar um sistema de fontes eficiente para ser usado
no T
E
X. Esta fonte ´e conhecido como fonte “Computer Modern” e o sistema de
fontes ´e conhecido como METAFONT. O sistema T
E
X ficou pronto em 1982 e o
sistema de metafont em 1984. A fonte Computer Modern foi conclu´ıda um ano
depois, em 1985. O macro (configura¸ c˜ao) que Kunuth usou para editar o seu
livro foi distribu´ıdo junto com T
E
X e recebeu o nome de “plain T
E
X”. O sis-
tema T
E
X ´e formado pelo conjunto de programas para processar o documento de
forma autom´ atica e eficiente, mas precisava do conhecimento de editora¸ c˜ao para
produzir documentos de qualidade. Com o intuito de permitir diagrama¸ c˜ao dos
documentos cient´ıficos de qualidade profissional sem que necessite do conheci-
mento espec´ıfico da editora¸ c˜ao, foi iniciado um projeto para desenvolver macros
(configura¸ c˜oes) novos para T
E
X. O grupo foi coordenado pelo matem´ atico Leslie
Lamport do DEC ( Digital Equipment Corporation), especialista em computa¸ c˜ao
(LTA - l´ogica temporal de a¸ c˜oes, usado na modelagem dos para sistemas concor-
rentes e reativos). O projeto foi conclu´ıdo em 1985 e recebeu o nome de “LaTeX”.
O projeto L
A
T
E
X2 liderado por Frank Mittelbach foi respons´ avel pela melhoria do
L
A
T
E
X desenvolvido por Lamport, corrigindo e incrementando a macro. O grupo
de L
A
T
E
X3 lan¸ ca-o em 1994.
CAP
´
ITULO 1. INTRODUC¸
˜
AO 7
1.3.1 Os fatos na ordem cronol´ogica
1977: Motivado pela m´ a qualidade editorial do seu livro ”A Arte de Programa¸ c˜ao
do Computador”, volume 2, Kunuth resolve implementar o sistema T
E
X.
1978: Primeiro prot´ otipo do T
E
X.
1978: Iniciou o projeto de MetaFont (formato de fonte do T
E
X).
1979: Iniciou o projeto Euler para desenvolver fontes matem´ aticos (Kunuth
fazia parte deste grupo).
1980: Primeiro prot´ otipo da fonte “Computer Modern”.
1980: Foi fundado o TUG (grupo de usu´ario de T
E
X).
1981: Primeira vers˜ ao do sistema Web (sistema de processamento de documen-
tos usado pelo T
E
X). Ap´os alguma melhoria, receber´ a a denomina¸ c˜ao de
Web83.
1982: Primeira vers˜ ao do T
E
X (vers˜ ao 0).
1982: Kunuth come¸ ca a escrever o livro “The TeX Book”.
1983: T
E
X vers˜ ao 1.
1984: “The TeX Book” (Donald Kunuth) foi publicado.
1984: Primeira vers˜ ao do MetaFont (vers˜ ao 0).
1984: Kunuth come¸ ca a escrever o livro “MetaFont Book”.
1985: A fonte “Computer Modern” conclu´ıda.
1985: Lamport finaliza o L
A
T
E
X (vers˜ ao 2.09).
1986: T
E
X vers˜ ao 2.
1986: “The Metafont Book” (Donald Kunuth) foi publicado.
1989: Agora T
E
X suporta caracteres de 8 bits.
1990: T
E
X vers˜ ao 3.
1994: L
A
T
E
X2 e foi lan¸ cado pelo grupo de “LaTeX3” (coordenado pelo Frank
Mittelbach).
1994: O livro “A Document Preparation System” (Laslie Lamport) sobre L
A
T
E
X
2.09 foi publicado.
1994: O livro “The LaTeX Companion” (M. Goosses, F. Mittelbach e A. Sa-
marin) sobre LaTeX2e foi publicado.
2000: “Young Ryu” lan¸ ca o conjunto de fontes Post Script com qualidade pro-
fissional baseado em Times, denominado de txfonts. Agora poder´ a usar
a fonte Times para produzir documentos com qualidade tipogr´ afica com-
paravel ao do Computer Modern, sem necessidade de recorrer ` as fontes
comerciais.
CAP
´
ITULO 1. INTRODUC¸
˜
AO 8
1.3.2 Tendˆencias atuais
Atualmente, o L
A
T
E
X conta com recursos para gerar o arquivo do formato PDF
tais como DVIPDFM, PDFTeX e PDFLaTeX e existem diversos convertores para
gerar arquivos de outros formatos tais como HTML e RTF (Rich Text Format
aceito em MS Word e compat´ıveis). Al´em disso, tamb´em existem conversores
para outros formatos L
A
T
E
X. Veja o site http://www.tug.org/utilities/texconv/
para detalhes. Existem outras macros tal como ConTeXt (macro de prop´osito
geral tal como plain T
E
X) e classes de L
A
T
E
Xtais como KOMA-script que ´e dis-
tribu´ıdo com diversos sistema T
E
X. Tamb´em existe o desenvolvimento de outros
sistemas de diagrama¸ c˜ao de documentos profissionais tais como NTS (New Type-
set system) e Jade (para processar documentos escritos em DSSSL (Document
Style Semantics and Specification Language) do SGML/XML tal como Doc-
Book (SGML ´e abreviatura do Standard Generalized Markup Language. XML
´e subconjunto de SGML. HTML tamb´em segue o padr˜ao SGML/XML). Em
termos de facilitar a digita¸ c˜ao do documento L
A
T
E
X, existem diversos editores
espec´ıficos que ajudam na elabora¸ c˜ao de documentos, oferecendo integra¸ c˜ao com
os acess´ orios, localiza¸ c˜ao de erros, inser¸ c˜ao de s´ımbolos ou comandos, integra¸ c˜ao
com visualizador de DVI, etc. Quem n˜ ao tem conhecimento do L
A
T
E
X ou que n˜ ao
goste de ficar editando o c´odigo fonte, poder´ a contar com o editor do tipo WY-
SIWYG que processa o documento usando L
A
T
E
X. Exemplo destes editores s˜ ao
LyX (free - Linux e Win) e Scientific Word/Work Place (comercial - Windows).
Note que o TeXEmacs (free - linux) e alguns outros editores cient´ıficos tamb´em
poder˜ ao exportar c´odigo em L
A
T
E
X. Usando editores WYSIWYG como estes,
poder´ a elaborar os documentos como no editor do Office e gerar o documento de
alta qualidade tipogr´ afica divido ao uso do L
A
T
E
X.
Assim, “n˜ ao sei usar o LaTeX” j´a n˜ ao ´e desculpa para deixar de produzir
documentos com alta qualidade tipogr´ afica. Observe que o conhecimento do
L
A
T
E
X nestes editores WYSIWYG melhora o desempenho devido ao fato de eles
aceitarem a seq¨ uˆencia de digita¸ c˜ao dos comandos de L
A
T
E
X e tamb´em por permitir
inser¸ c˜ao de comandos do L
A
T
E
X diretamente no documento.
1.4 Instalando o L
A
T
E
X
A seguir um resumo b´ asico de instala¸ c˜ao.
1.4.1 Distribui¸c˜oes
Os documentos escritos para o L
A
T
E
X est˜ ao em texto simples, sem formata¸ c˜ao
alguma. Nesse sentido, ´e poss´ıvel escrever documentos para o L
A
T
E
X em qualquer
editor de texto, mesmo nos mais simples graficamente, como o VI ou o Bloco de
notas. N˜ao obstante essa facilidade de edi¸ c˜ao de arquivos L
A
T
E
X, recomenda-se
a utiliza¸ c˜ao de programas espec´ıficos, muitos deles sendo software livre, como
o Kile. Al´em disso, o L
A
T
E
X funciona em diversas plataformas, existindo dis-
tribui¸ c˜oes para muitos sistemas operacionais, a exemplo de MiKTeX, para Win-
dows; MacTeX, para Mac OS X; e T
E
X Live (multi plataforma, incluindo Linux).
CAP
´
ITULO 1. INTRODUC¸
˜
AO 9
1.4.2 Instru¸c˜oes
Independente da escolha do editor ´e necess´ario instalar algumas ferramentas.
De maneira simplificada, o editor converter´ a o seu “c´odigo” L
A
T
E
X em um arquivo
compactado com o layout de texto editado.
As instru¸ c˜oes a seguir s˜ ao para instalar o ambiente L
A
T
E
X para Windows e
devem ser feitas antes de baixar o estilo. Baixar e instalar os pacotes abaixo, na
ordem citada:
a) Ghostscript: Necess´ario para opera¸ c˜oes em arquivos tipo PostScript. Exe-
cute a instala¸ c˜ao deste software seguindo as op¸ c˜oes padr˜oes. Baixar o
programa a partir de:
ftp://mirror.cs.wisc.edu/pub/mirrors/ghost/AFPL/gs814/gs814w32.exe
e execute sua instala¸ c˜ao. Seguir as op¸ c˜oes padr˜ao do software.
b) GSView: Permite a visualiza¸ c˜ao de arquivos no formato PostScript PDF
no Windows. Baixar a partir de:
ftp://mirror.cs.wisc.edu/pub/mirrors/ghost/ghostgum/gsv47w32.exe.
Na janela Select Language, escolher English. Nas outras janelas, seguir a
sele¸ c˜ao do software, sem alterar as op¸ c˜oes padr˜oes.
c) MiKTeX: O MiKTEX
´
E a alma do ambiente L
A
T
E
X, respons´ avel por compi-
lar os arquivos de entrada em *.tex do L
A
T
E
X e gerar as sa´ıdas no formato
DVI, PS ou PDF. Instale a vers˜ ao 2.6 baixando do endere¸ co:
http://sourceforge.net/project/platformdownload.php?group_id=10783
Estando o MikTEX instalado, aproveitar tamb´em para configurar o idioma
portuguˆes. No menu Iniciar do Windows na pasta MiKTEX 2.6 selecionar
Settings. Ao abrir a janela, selecionar a aba Languages e marcar a l´ıngua
portuguesa. Marcar tamb´em outros idiomas, se necess´arios. A hifeniza¸ c˜ao
ser´ a automaticamente ativada.
d) Editor Gr´afico: Agora vocˆe pode instalar o Editor L
A
T
E
X de sua preferˆencia.
Sugest˜oes: WinEdit, TeXnicCenter. A instala¸ c˜ao desses editores ´e usual-
mente simples, quase um “Next, next to finish”. Siga as instru¸ c˜oes do
instalador.
TeXnicCenter http://www.toolscenter.org/
WinEdit http://www.winedt.com/
Tudo instalado, execute o editor que vocˆe escolheu e siga as instru¸ c˜oes para
configura¸ c˜ao de pacotes, conforme as op¸ c˜oes padr˜oes de configura¸ c˜ao.
1.5 A arte de saber encontrar ajuda
Todo profissional deve desenvolver algumas habilidades b´ asicas para bem
encaminhar-se. Uma delas, que considero importante, ´e saber como e onde pro-
curar ajuda. Ningu´em ´e capaz de memorizar tudo que aprende. Sempre chega
o momento em que ´e necess´ario se lembrar daquele comando ou ent˜ao descobrir
CAP
´
ITULO 1. INTRODUC¸
˜
AO 10
como criar macros pr´ oprias para facilitar o texto especificamente que vocˆe est´ a
escrevendo.
´
E grande a chance de que sua d´ uvida, independente do que seja, j´a tenha sido
questionada e respondida por outras pessoas. O maior problema, dado o volume
de informa¸ c˜oes publicadas na internet, ´e encontrar esta resposta rapidamente.
Don’t Panic! Abaixo vocˆe encontrar´ a alguns links com informa¸ c˜oes ´ uteis a
qualquer hora.
Blogs
- O que eu vou aprendendo em L
A
T
E
X, [5] http://aprendolatex.wordpress.com/
- T
E
X user groups around the world, [4] http://tug.org/usergroups.html
Apostilas
- CTAN - Comprehensive Tex Archive Network, [3] The Not So Short Introduc-
tion to L
A
T
E
X2 uma das apostilas mais difundidas pelo mundo
http://www.ctan.org/tex-archive/info/lshort/english/lshort.pdf
- Universiade Federal de Minas Gerais, material do professor Reginaldo de Jesus
Santos [6]
www.mat.ufmg.br/~regi/topicos/intlat.html
- Universidade da Federal da Para´ıba, material do professor Lenimar Nunes de
Andrade [1]
http://lief.if.ufrgs.br/pub/latex/breve.pdf
- Universidade Estadual de Londrina, material do professor Silvano Cesar da
Costa [2]
http://www2.uel.br/pessoal/silvano/Apostila.pdf
Cap´ıtulo 2
Criando um texto
Depois de um grande cap´ıtulo de lero-lero. Agora chegou a hora de colocar
as m˜ aos na massa redigindo seu primeiro texto em L
A
T
E
X.
2.1 Estrutura b´asica de um texto.
Um texto escrito em L
A
T
E
X possui uma estrutura b´ asica, que ´e formada por
um preˆ ambulo e um corpo. O preˆ ambulo possui v´arios comandos, mas obriga-
toriamente devemos utilizar o comando \documentclass, cuja a sintaxe ´e
\documentclass[op¸ c~oes]{classe}
onde op¸ c˜ oes ´e um parˆ ametro opcional, que pode conter informa¸ c˜oes sobre o
tamanho e tipo de fontes, tipo de papel, etc, e o parˆ ametro classe ´e obrigat´ orio
e define o estilo do texto digitado (artigo, tese, livro, etc). Logo abaixo deste
comando, podemos utilizar comandos globais, que atuam em todo o texto.
O corpo come¸ ca sempre com o comando \begin{document} e termina com o
comando \end{document}. Entre esses dois comandos, fica o texto propriamente
dito, junto a comandos locais, que possuem apenas valor local. Segue abaixo um
esquema da estrutura de um texto escrito L
A
T
E
X.
\documentclass[op¸ c~oes]{classe}
Comandos globais
\begin{document}
Comandos locais
\end{document}
2.1.1 Tipos de texto
Como j´a dissemos o comando \documentclass possui o parˆ ametro classe que
´e obrigat´ orio, e que define o estilo do texto. Os estilos mais comuns s˜ ao article
(artigo), report (tese), letter (carta), book (livro) e slides (apresenta¸ c˜oes).
11
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 12
2.1.2 Usando Pacotes
Para o uso de alguns recursos no L
A
T
E
X ´e necess´ario a utiliza¸ c˜ao de pacotes.
Por exemplo, na inser¸ c˜ao de imagens, no uso de tabelas e na utiliza¸ c˜ao de
´ındices precisamos incluir os pacotes no preˆ ambulo do texto.
Use o comando \usepackage{pacote} no preˆ ambulo, de preferˆencia logo
abaixo do comando \documentclass[op¸ c~oes]{classe}. Segue abaixo os prin-
cipais pacotes.
Inser¸ c˜ ao de imagens branco
\usepackage{graphicx}
\usepackage{wrapfig}
Tabelas branco
\usepackage{bigstrut}
Verbatim branco
\usepackage{Verbatim}
Bibliografia branco
\usepackage{setspace}
Endenta¸ c˜ao branco
\usepackage{indentfirst}
´
Indice remissivo branco
\usepackage{makeidx}
2.2 Formata¸ c˜ao do texto
2.2.1 Tipos de letras
V´arios tipos de letras s˜ ao utilizadas em L
A
T
E
X, podemos alter´ a-los com os
comandos que aparecem nas duas primeiras colunas da tabela abaixo, que pro-
duzem os tipos listados na ´ ultima coluna:
{\rm texto} {\textrm texto} texto
{\bf texto} {\textbf texto} texto
{\sl texto} {\textsl texto} texto
{\sf texto} {\textsf texto} texto
{\it texto} {\textit texto} texto
{\tt texto} {\texttt texto} texto
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 13
Exemplo 2.2.1 Vejamos agora uma li¸ c˜ ao sobre formata¸c˜ ao de textos. Tente
produzir o c´ odigo abaixo:
Palavras podem ser escritas em v´ arios formatos.
(\rm Palavras} {\bf podem} {\sl ser} {\sf escritas}
{\it em} {\sc v´arios} {\tt formatos.})
2.2.2 Tamanho da letra
Assim como o tipo de letra, tamb´em podemos alterar o tamanho da letra.
Veja abaixo os comandos e seus respectivos resultados:
{\tiny Texto} Texto
{\scriptsize Texto} Texto
{\footnotesize Texto} Texto
{\small Texto} Texto
{\normalsize Texto} Texto
{\large Texto} Texto
{\Large Texto} Texto
{\LARGE Texto} Texto
{\huge Texto} Texto
{\Huge Texto} Texto
2.2.3 Cores
Algumas vezes queremos escrever textos coloridos em L
A
T
E
X, bom, para isso
vocˆe precisar´a incluir os pacotes
• \usepackage[dvips]{color}
• \usepackage{color}
no preˆ ambulo e usar o comando \color{cor}.
Vocˆe pode usar as cores abaixo:
black preto
red vermelho
green verde
blue azul
cyan azul claro
yellow amarelo
magenta rosa
Todo texto que estiver depois do comando color mudar´a de cor, para voltar
a cor original use o comando novamente com a cor original do texto. Veja um
exemplo abaixo:
Leia o texto abaixo:
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 14
Azul vermelho preto amarelo rosa verde azul claro.
O c´odigo segue abaixo:
\color{red}Azul \color{yellow}vermelho \color{green}preto
\color{blue}amarelo \color{cyan}rosa \color{magenta}verde
\color{black}azul claro.
2.3 Se¸ c˜oes, cap´ıtulos, par´agrafos
2.3.1 Se¸c˜oes
Um texto pode ser subdividido em se¸ c˜oes, subse¸ c˜oes e subsubse¸ c˜oes. Fazemos
isso com os comandos \section{...}, \subsection{...} e
\subsubsection{...}, respectivamente.
Veja abaixo um exemplo:
\section{Textos em $\LaTeX$}
Texto 1
\subsection{Ambiente matem´atico}
Texto 2
\subsubsection{Letras gregas}
Texto 3
\section{Textos em Microsoft Word}
Texto 4
\subsection{Equation}
Texto5
\subsection{Tabelas}
Texto 6
Produz:
1 Textos em L
A
T
E
X
Texto 1
1.1 Ambiente matem´atico
Texto 2
Letras gregas
Texto 3
2 Textos em Microsoft Word
Texto 4
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 15
2.1 Equation
Texto 5
2.2 Tabelas
Texto 6
Como vimos o L
A
T
E
X enumera as se¸ c˜oes e subse¸ c˜oes deixando o seu texto mais
organizado. Veremos adiante que podemos dividir um texto de outras formas.
2.3.2 Cap´ıtulos
Nas classes book e report podemos utilizar o comando \chapter{...},
para criar cap´ıtulos. Segue abaixo um exemplo:
\chapter{Criando textos}
Podemos criar textos interessantes.
\section{Textos em $\LaTeX$}
Texto 1
\subsection{Ambiente matem´atico}
Texto 2
Produz:
Cap´ıtulo 1
Criando textos
Podemos criar textos interessantes.
1.1 Textos em L
A
T
E
X
Texto 1
1.1.1 Ambiente matem´atico
Texto 2
2.3.3 Abstract
Geralmente em teses vocˆe encontra um texto chamado Abstract, que ´e um
resumo da mesma. Ent˜ao na classe article utilize o comando
\begin{abstract}...\end{abstract}. Segue abaixo um exemplo:
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 16
\begin{abstract} H. J. Munkholm obtained a generalization
for topological manifolds of the famous Borsuk-Ulam type theorem
proved by Conner and Floyd. The purpose of this paper is to prove a
version of Conner and Floyd’s theorem for generalized manifolds.
\end{abstract}
E produz:
Abstract. H. J. Munkholm obtained a generalization for topological ma-
nifolds of the famous Borsuk-Ulam type theorem proved by Conner and Floyd.
The purpose of this paper is to prove a version of Conner and Floyd’s theorem
for generalized manifolds.
2.3.4 Par´agrafos
Caso vocˆe queira criar um par´ agrafo o L
A
T
E
X possui o comando
\paragraph{...}. Segue abaixo o Exemplo:
\paragraph{$\LaTeX$ no meio cient´ıfico\\}
O L
A
T
E
X ´e uma forte ferramenta no meio cient´ıfico ...
E produz:
L
A
T
E
X no meio cient´ıfico
O L
A
T
E
X ´e uma forte ferramenta no meio cient´ıfico ...
2.3.5 Partes
Podemos criar partes em nossos textos com o comando \part{...}. Segue
abaixo o exemplo:
\part{Primeiro contato}
O in´ıcio do uso do L
A
T
E
X
\part{Nem tudo s~ao flores}
Chegamos na parte dif´ıcil do curso.
Estude mais agora
E produz:
Parte I
Primeiro contato
O in´ıcio do uso do L
A
T
E
X
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 17
Parte II
Nem tudo s˜ao flores
Chegamos na parte dif´ıcil do curso. Es-
tude mais agora.
2.4 Espa¸ cos
2.4.1 Espa¸cos em branco
Espa¸ cos em branco consecutivos s˜ ao considerados como se fossem um ´ unico
espa¸ co.
Exemplo 2.4.1 O c´ odigo abaixo:
Texto sem espa¸ cos entre as palavras.
Produz:
Texto sem espa¸ cos entre as palavras.
A maneira de acrescentar espa¸ cos em branco ´e colocando no texto uma ou
v´arias barras invertidas, separadas entre si por espa¸ cos. Como no c´odigo abaixo:
O c´odigo abaixo:
Texto \ \ \ \ com \ \ \ \ \ espa¸ cos \ \ \ \ \ entre \ \ as \ \ \
palavras.
produz:
Texto com espa¸ cos entre as palavras.
2.4.2 Nova linha
O final de linha pode ser sinalizado com duas barras invertidas consecutivas,
ou seja \\ , ou com um comando \newline. Vocˆe pode ”quebrar” uma linha com
o comando \linebreak, e que difere dos comandos anteriores porque justifica a
linha quebrada.
Veja o exemplo abaixo:
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 18
Vejamos o exemplo deste texto que \newline quebra uma linha.
Vejamos o exemplo deste texto que \linebreak quebra uma linha e a justifica.
Que produz:
Vejamos o exemplo deste texto que
quebra uma linha.
Vejamos o exemplo deste texto que
quebra uma linha e a justifica.
2.4.3 Nova p´agina
Para quebrar uma p´ agina utilize o comando \pagebreak. Veja o exemplo
abaixo:
Vamos quebrar a p´ agina, agora \pagebreak \\ Viu? A p´ agina foi quebrada.
Que produz:
Vamos quebrar a p´ agina, agora Viu? A p´ agina foi quebrada.
2.5 Ambientes
A estrutura de um texto em linguagem T
E
X ´e baseada em pequenos am-
bientes, estes ambientes tem parˆ ametros de ajuste e fun¸ c˜oes bem definidas. A
seguir ´e apresentado alguns dos principais ambientes divididos em categorias:
alinhamento de texto (center, flushright, flushleft); listas (itemize, enumerate,
description); e por fim o verbatim.
Em geral os ambientes s˜ ao iniciados e terminados da seguinte maneira:
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 19
\begin{ambiente}[especifica¸c~ao]
Aqui vocˆe coloca o texto que recebera a formata¸ c˜ao do ambiente.
\end{ambiente}[par^ametros]
2.5.1 Alinhamento
Os principais tipo de alinhamentos s˜ ao: centralizado, a direita e a esquerda.
Observe que ´e necess´ario terminar um ambiente iniciado.
\begin{flushleft}
Este texto est´ a a esquerda.
\end{flushleft}
\begin{center}
Este texto est´ a centralizado.
\end{center}
\begin{flushright}
Este texto est´ a direita.
\end{flushright}
O resultado dessa formata¸ c˜ao ´e mostrado a seguir:
Este texto est´ a a esquerda.
Este texto est´ a centralizado.
Este texto est´ a a direita.
Observe que alguns ambientes n˜ ao requerem parˆ ametros. Caso vocˆe omita
parˆ ametros em ambientes que necessitem dos mesmos, o compilador L
A
T
E
X usar´a
a configura¸ c˜ao padr˜ao.
2.5.2 Verbatim
O ambiente verbatim ´e um ambiente especial. Todos os ambientes que tra-
balhamos at´e agora determinavam uma certa formata¸ c˜ao ao texto, ao contr´ ario
do que temos visto esse novo ambiente produz um texto sem qualquer tipo de
formata¸ c˜ao. O resultado impresso ser´ a exatamente o texto escrito dentro do
ambiente, seja s´ımbolos ou texto. O ambiente ´e criado com o seguinte comando:
Para a confec¸ c˜ao dessa apostila esse ambiente foi amplamente utilizado. Cada
exemplo de comando ou sintaxe T
E
X encontrado nessa apostila ´e escrito dentro
de um ambiente verbatim. Para textos pequenos (uma linha por exemplo) existe
uma abrevia¸ c˜ao.
Segue dois exemplos.
2.5.3 Listas: itemize, enumerate e description
Os ambientes itemize, enumerate e description, formatam os trˆes tipos b´ asicos
de listas: itens, enumeradas e descritivas. A formata¸ c˜ao difere apenas no carac-
t´er que inicia um novo item da lista, a lista do tipo itemize ´e a lista mais simples
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 20
\begin{verbatim} ... seu texto ... \end{verbatim}
\verb|... seu texto ...|
e tem um caracter padr˜ao, a enumerada usa a numera¸ c˜ao ar´ abica e a lista des-
critiva pode ser formatada com qualquer texto ou s´ımbolo.
\item Um item qualquer de uma lista de item
\item Um item semelhante para uma lista enumerada
\item[0.] Um item descritivo com um s´ımbolo num´erico
Observe que assim como os demais tipos de ambientes ´e poss´ıvel sobrepor
v´arios tipos de listas e criar listas listas, isto ´e, criar listas dentro de listas
independente do tipo.
\textbf{Desculpas por n~ao ter terminado a tarefa de matem´ atica}
\begin{itemize}
\item Hoje ´e dia do professor.
\item Acidentalmente eu dividi por zero e ent~ao meu caderno pegou fogo.
\item Eu coloquei meu trabalho dentro da garrafa de Klein.
\item O cachorro comeu meu caderno.
\end{itemize}
Desculpas por n˜ao ter terminado a tarefa de matem´atica
• Hoje ´e dia do professor.
• Acidentalmente eu dividi por zero e ent˜ao meu caderno pegou fogo.
• Eu coloquei meu trabalho dentro da garrafa de Klein.
• Um cachorro comeu meu caderno.
\textbf{Os Dez Mandamentos da Matem´atica}
\begin{enumerate}
\item Come¸ car´as contagens pelo zero.
\item Derivar´ as e Igualar´ as a zero.
\item Amar´ as ao C´alculo como a ti mesmo.
\item N~ao esquecer´as a constante de integra¸ c~ao.
\item N~ao levantar´as falso teorema.
\item Honrar´as ´epsilon e delta.
\item N~ao dividir´ as por zero.
\item Usar´ as letras gregas dif´ıceis como vari´ avel.
\item N~ao esquecer´as o jacobiano.
\item N~ao perder´as a piada.
\end{enumerate}
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 21
\verb|$x = \sqrt{3} + \pi \ y=a^b$| x =

3 + π y = a
b
.
\begin{verbatin}
$x = \sqrt{3} + \pi \ y=a^b$
\end{verbatin}
x =

3 + π y = a
b
.
Os Dez Mandamentos da Matem´atica
0. Come¸ car´ as a contagem pelo zero.
1. Derivar´ as e Igualar´as a zero.
2. Amar´as ao C´ alculo como a ti mesmo.
3. N˜ao esquecer´ as a constante de integra¸ c˜ao.
4. N˜ao levantar´ as falso teorema.
5. Honrar´ as ´epsilon e delta.
6. N˜ao dividir´ as por zero.
7. Usar´as letras gregas dif´ıceis como vari´ avel.
8. N˜ao esquecer´ as o jacobiano.
9. N˜ao perder´as a piada.
\textbf{Defini¸ c~oes usadas em uma aula de matem´atica}
\begin{description}
\item[Claramente:] Eu n~ao estou com paci^ encia de escrever passo por passo.
\item[Trivial:] Se eu tiver que provar isso voc^e deve estar na sala errada.
\item [Sem perda de generalidade:] Certamente eu n~ao sei
todos os casos ent~ao fa¸ co o primeiro e deixo como exerc´ ıcio os restantes.
\item[Verifique:] Essa ´e a parte enfadonha da prova. Fa¸ ca
como exerc´ıcio.
\item[Uma dica:] Provavelmente o jeito mais complicado de provar.
\item[Uma prova simples:] Menos de um ter¸co da folha mas
requer dois anos extra de estudo apenas para compreender a sintaxe.
\item [Uma prova elegante:] N~ao requer conhecimento pr´ evio
algum e tem menos de dez linhas.
\item[Pelo teorema anterior:] Eu n~ao me lembro como chegamos
aqui (verfique!). N~ao estou certo do que temos feito at´ e
agora, mas se o come¸ co estiver correto o resultado segue.
\item [Prova em duas linhas:] Eu vou deixar tudo como conclus~ ao.
\item[Finalmente:] Apenas mais dez passos provando se e
somente se pela contrapositiva e chegaremos ao resultado final.
\item[Prova omitida:] Acreditem, ´e verdade.
\end{description}
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 22
Defini¸ c˜ oes freq¨ uentemente usadas em uma aula de matem´atica
Claramente: Eu n˜ ao estou com paciˆencia de escrever passo a passo.
Trivial: Se eu tiver que provar isso vocˆe deve estar na sala errada.
Sem perda de generalidade: Certamente eu n˜ ao sei todos os casos ent˜ao fa¸ co
o primeiro e deixo como exerc´ıcio os restantes.
Verifique: Essa ´e a parte enfadonha da prova. Fa¸ ca como exerc´ıcio.
Uma dica: Provavelmente o jeito mais complicado de provar.
Uma prova simples: Menos de um ter¸ co da folha mas requer dois anos extra
de estudo apenas para compreender a sintaxe.
Uma prova elegante: N˜ao requer conhecimento pr´evio algum e tem menos de
dez linhas.
Pelo teorema anterior: Eu n˜ ao me lembro como chegamos aqui (verifique !)
N˜ao estou certo do que temos feito at´e agora, mas se o come¸ co estiver
correto o resultado segue.
Prova em duas linhas: Eu vou deixar tudo como conclus˜ao.
Finalmente: Apenas mais dez passos provando “se e somente se” pela contra
positiva e chegaremos ao resultado final.
Prova omitida: Acreditem, ´e verdade.
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 23
2.6 Corpos flutuantes
Corpos flutuantes s˜ ao figuras ou tabelas, posicionadas de maneira a otimizar
a ocupa¸ c˜ao das p´ aginas. Estes elementos n˜ ao podem conter quebras de p´ agina,
e s˜ ao inseridos pelo L
A
T
E
X em uma fila de coloca¸ c˜ao. De acordo com alguns
parˆ ametros especificados pelo usu´ario, os corpos flutuantes s˜ ao posicionados no
documento. Para evitar que os corpos flutuantes tornem-se uma grande fonte
de frustra¸ c˜ao (o L
A
T
E
X nunca os posiciona onde vocˆe deseja), ´e importante en-
tender um pouco do mecanismo interno de posicionamento de floats. Os corpos
flutuantes s˜ ao ambientes, e podem ser iniciados, por exemplo, da seguinte forma:
\begin{figure}[especifica¸ c~ ao] ou
\begin{table}[especifica¸c~ao ]
Onde o especifica¸ c˜ ao ´e um parˆ ametro que o usu´ario define. Na Tabela 2.1
s˜ ao mostrados esses parˆ ametros:
Parˆ ametro Permiss˜ao para posicionar o corpo flutuante . . .
h no lugar onde ocorreu no texto.
Funciona para pequenas tabelas ou figuras.
t no topo de uma p´ agina.
b na parte inferior de uma p´ agina.
p em uma p´ agina especial contendo somente corpos flutuantes.
! sem considerar alguns parˆ ametros que poderiam
impedir esse corpo de ser posicionado .
Tabela 2.1: Parˆ ametros de Posicionamento.
O L
A
T
E
X posiciona todos floats que encontra de acordo com o parˆ ametro
de posicionamento fornecido. Se um corpo flutuante n˜ ao puder ser colocado
na p´ agina atual, ele ´e inserido em uma fila de figuras ou de tabelas. Quando
uma nova p´ agina ´e iniciada, o primeiro float ´e tratado como se tivesse ocorrido
neste ponto do texto: o L
A
T
E
X tenta outra vez posicion´ a-lo de acordo com seu
parˆ ametro (exceto ’h’, que n˜ ao ´e mais poss´ıvel). Qualquer novo float que ocorra ´e
colocado em sua respectiva fila. O A ordem de ocorrˆencia dos corpos flutuantes ´e
mantida estritamente, por isso uma figura que n˜ ao pode ser posicionada “atrasa”
a coloca¸ c˜ao de todas as figuras seguintes.
Mesmo sendo poss´ıvel dar ao L
A
T
E
X uma ´ unica possibilidade de posiciona-
mento, isso causa problemas. Se o float n˜ ao pode ser posicionado no lugar
especificado, ele fica preso, bloqueando todos os corpos flutuantes seguintes. Em
particular, nunca deve-se usar a op¸ c˜ao [h], que nas ´ ultimas vers˜ oes do L
A
T
E
X
´e substitu´ıda automaticamente por [ht]. Sob algumas circunstˆancias, pode-se
usar o comando \clearpage, que ordena que todas as figuras e tabelas nas filas
sejam posicionadas, e inicia uma nova p´ agina.
Dentro dos ambientes table e figure, podemos usar os seguinte comando para
colocar um t´ıtulo:
\caption{texto}
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 24
Ainda, ´e poss´ıvel criar listas dos corpos flutuantes, assim como um sum´ario
da seguinte maneira:
\listoftables \listoffigures
2.6.1 Figuras
Existem diversos pacotes para a linguagem L
A
T
E
X que facilitam o trabalho de
inserir figuras de diversos tipos e format´a-las corretamente em seu texto. Aqui,
trabalharemos com o ambiente figure para isso. Vamos trabalhar com formatos
de figuras eps e pdf (Encapsulated PostScript - EPS; Portable Document Format
- PDF), para isso ser´ a necess´ario ter instalado o pacote graphicx no preˆ ambulo
do documento. Neste caso, tamb´em pode usado um parˆ ametro opcional com o
nome do driver a ser usado na convers˜ ao de DVI para PS ou PDF.
\usepackage{graphicx}
\usepackage[dvips]{graphicx}
\usepackage[pdftex]{graphicx}
A sintaxe do comando \includegraphicx ´e dada por
\includegraphics[op¸ c~oes]{nome do arquivo.exten¸c~ao}
As op¸ c˜oes s˜ ao: height (altura), width (largura), scale (escala), angle (ˆangulo).
O uso desse comando n˜ ao se restringe ao ambiente figure no entanto uma forma
eficiente de usar o \includegraphics ´e us´ a-lo em um ambiente figure. Assim,
ele pode ser referenciado mais facilmente, pode ser legendado ou “flutuar” para
um local conveniente no texto.
\begin{figure}[posicionamento]
. . . (comandos relacionados com a figura). . .
\caption{Legenda da figura}
\label{marca}
\end{figure}
Parˆ ametro Permiss˜ao para posicionar o corpo flutuante . . .
h here (aqui)
t top (topo de uma p´ agina)
b bottom (ao fundo de uma p´ agina)
p page (em uma p´ agina s´ o com objetos flutuantes)
! esse comando pode ser usado junto com os acima
para priorizar inserir o texto onde ele aparecer
Tabela 2.2: Alguns parˆ ametros de posicionamento.
At´e agora temos visto comando b´ asicos para inser¸ c˜ao de figuras em texto,
veremos agora como inserir texto ao redor de figuras e para isso precisaremos do
pacote wrapfig.
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 25
Figura 2.1: Um exemplo de figura com legenda e v´arias figuras com escala: 0.7,
0.5, 0.3.
\begin{figure}[ht]
\centering
\includegraphics[scale=0.7]{meridianos.eps}
\includegraphics[scale=0.5]{meridianos.eps}
\includegraphics[scale=0.3]{meridianos.eps}
\caption{Um exemplo de figura com legenda e v´arias figuras
com escala: $0.7$, $0.5$, $0.3$.}
\end{figure}
\begin{wrapfig}[nLinhas]{posicionamento}{largura}
. . . comandos. . .
\end{wrapfig}
Parˆ ametro Permiss˜ao para posicionar o corpo flutuante . . .
nLinhas Parˆ ametro opcional que define o n´ umero de linhas do texto.
r right (a direita)
l left (a esquerda)
i inside (dentro da p´ agina)
o outside (fora da p´ agina)
largura largura da figura
Tabela 2.3: Alguns parˆ ametros do ambiente wrapfig.
Figura 2.2: Figura ao lado de texto
(wrapfigure)
Defini¸ c˜ao: Meridiano (ou meridiano ge-
ogr´ afico) ´e a linha imagin´ aria que re-
sulta de um corte efetuado num modelo
geom´etrico da Terra por um plano que
cont´em o seu centro. Quando esse mo-
delo ´e uma esfera, o meridiano ´e uma semi-
circunferˆencia (180 graus); quando ´e um
elips´ oide de revolu¸ c˜ao, ´e uma semi-elipse.
Em ambos os casos, o meridiano cont´em
os p´ olos e ´e perpendicular a todos os pa-
ralelos, e ao equador.
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 26
2.6.2 Mini-pages
Para colocar duas ou mais figuras lado a lado, deve-se usar um ´ unico ambiente
figure e colocar nele as figuras dentro de ambientes mini-page. Cada mini-page
pode ter suas pr´ oprias legendas, r´ otulos, etc. A soma das larguras de todas as
mini-pages n˜ ao deve ultrapassar o tamanho da linha atual (\linewidth).
% Duas figuras lado a lado
\begin{figure}[!htb]
\begin{minipage}[b]{0.45\linewidth}
includegraphics[width=\linewidth]{patu.eps}
\caption{Figura da esquerda} \label{fig:patu}
\end{minipage} \hfill
\begin{minipage}[b]{0.45\linewidth}
\includegraphics[width=\linewidth]{catole.eps}
\caption{Figura da direita} \label{fig:catole}
\end{minipage}
\end{figure}
Figura 2.3: Figura da esquerda Figura 2.4: Figura da direita
Observe que em todos os casos, as figuras tinham o formato .eps ou .pdf. Para
converter imagens de outros formatos para esses formatos utilize o prompt de
comando do sistema operacional linux com o comando:
convert arq.jpeg arq.eps ou convert arq.jpeg arq.pdf
2.6.3 Tabelas
Para formatar textos em tabelas iremos utilizar o ambiente tabular, muito
parecido com o ambiente array que ser´ a abordado adiante esse ambiente comp˜ oe
o texto em colunas e linhas. Assim como outros ambientes anteriormente estu-
dados existem parˆ ametros espec´ıficos que determinam qual o alinhamento das
colunas bem como quando come¸ ca e termina uma linha ou coluna. Para termi-
nar uma linha usa-se \\ e para separar as colunas &. A seguir os parˆ ametros de
alinhamento e n´ umero de colunas da tabela.
Para inserir bordas verticais na tabela adiciona-se | entre os parˆ ametros
de alinhamento das colunas e \hline para bordas horizontais. A seguir a for-
mata¸ c˜ao da Tabela (2.4).
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 27
Parˆ ametro Tipo de alinhamento
r right (a direita)
l left (a esquerda)
c center (centralizado)
Tabela 2.4: Alguns parˆ ametros do ambiente tabular para tabelas.
\begin{tabular}{ll}
Par^ametro & Tipo de alinhamento \\
\hline
$r$ & right (a direita) \\
$l$ & left (a esquerda) \\
$c$ & center (centralizado) \\
\hline
\end{tabular}
Outra op¸ c˜ao para a constru¸ c˜ao de tabelas ´e dada pelo ambiente \begin{table},
sendo que a tabela, neste caso, “flutua” no texto e o L
A
T
E
X escolhe a melhor lo-
caliza¸ c˜ao para inseri-la. Esse outro ambiente possui legenda e parˆ ametro de
posicionamento semelhante a uma figura. Segue um exemplo.
\begin{table}[!htb]
\centering
\begin{tabular}{l|r|c|r}
\hline
Esquerda & Direita & Centrado & Direita \\ \hline \hline
Um & Dois & Tr^ es & Quatro \\
i & ii & iii & iv \\
\hline
\end{tabular}
\caption{Usando o ambiente \emph{table}}
\label{tab:Tabe}
\end{table}
Esquerda Direita Centrado Direita
Um Dois Trˆes Quatro
1 2 3 4
i ii iii iv
Tabela 2.5: Usando o ambiente table
Tabelas mais sofisticadas mesclando linhas colunas ou parte delas podem ser
feitas com os comandos \cline ou \multicolumn.
\multicolumn{num_colunas}{alinhamento}{texto}
\cline{coluna m a coluna n}
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 28
\begin{table}[!htb]
\centering
\begin{tabular}{c|l|l|c|c}
\hline
N´ıvel & Ano & Curso & Inscritos & Selecionados \\
\hline
Mestrado & 2000 & Estat´ıstica & 15 & 10 \\
\cline{3-5} & & Gen´etica & 20 & 10 \\
\cline{2-5} & 2001 & Estat´ıstica & 18 & 10 \\
\cline{3-5} & & Gen´etica & 15 & 10 \\
\hline
\end{tabular} \caption{Sele¸c~ao de p´os-graduandos}
\end{table}
N´ıvel Ano Curso Inscritos Selecionados
Mestrado 2000 Estat´ıstica 15 10
Gen´etica 20 10
2001 Estat´ıstica 18 10
Gen´etica 15 10
Tabela 2.6: Sele¸ c˜ao de p´ os-graduandos
\begin{table}[!htb]
\centering
\begin{tabular}{|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|}
\hline
Atividades & \multicolumn{12}{|c|}{Meses} \\
\cline{2-13} & 1 & 2 & 3 & 4 & 5 & 6 & 7 & 8 & 9 & 10 & 11 & 12 \\
\hline 1 & & & X & X & & & & & X & X & X & \\
\hline 2 & & & X & X & X & X & X & X & X & X & X & \\
\hline 3 & & & X & X & & & & & & & & \\
\hline
\end{tabular} \caption{\emph{Cronograma de Atividades 2008}}
\end{table}
Atividades Meses
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
1 X X X X X
2 X X X X X X X X X
3 X X
Tabela 2.7: Cronograma de Atividades 2008
2.7 Finalizando um texto.
2.7.1 Sum´ario.
Sum´arios e listas de figuras e tabelas s˜ ao criados de forma muito semelhante
no L
A
T
E
X. A maior parte do trabalho ´e feita pelo L
A
T
E
X, que se encarrega de
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 29
coletar as entradas e gerar o sum´ario/lista incluindo os n´ umeros de p´ agina corre-
tos. Por´em, para isso ´e necess´ario rodar o L
A
T
E
X duas ou at´e trˆes vezes para que
uma modifica¸ c˜ao no sum´ario seja inclu´ıda e apare¸ ca com o n´ umero de p´ agina
correto.
Os comandos abaixo s˜ ao auto-explicativos. ´e tudo o que ´e necess´ario para
incluir um sum´ario ou uma lista de figuras ou tabelas.
\tableofcontents \listoffigures \listoftables
`
As vezes ´e necess´ario adicionar algo no sum´ario que o L
A
T
E
X n˜ ao coloca por
padr˜ao. Em geral, isso acontece com cap´ıtulos ou se¸ c˜oes geradas com \chapter*
ou \section*, que n˜ ao s˜ ao inclu´ıdos no sum´ario por padr˜ao. Para fazer isso,
adicione esse comando ap´ os definir a se¸ c˜ao:
\addcontentsline{toc}{n´ıvel}{texto}
Onde n´ıvel ´e o n´ıvel da entrada, e ´e chapter, section, subsection, conforme
apropriado. texto ´e o texto que vai aparecer.
´e poss´ıvel tamb´em usar o mesmo comando usando lof ou lot ao inv´es de toc
no primeiro argumento para incluir entradas na lista de figuras ou de tabelas,
respectivamente. n´ıvel dever´ a ser ent˜ao figure ou table respectivamente.
O comando acima gera, no arquivo que ´e posteriormente processado para
gerar o ´ındice, uma entrada usando o comando cujo funcionamento ´e descrito
mais adiante. Se vocˆe quiser incluir qualquer outro texto ou comando, use:
\addtocontents{toc}{texto}
2.7.2 Configurando o Sum´ario
O sum´ario ou lista ´e gerado lendo-se um arquivo com a extens˜ao .toc (para
sum´ario), .lof (para lista de figuras) ou .lot (para lista de tabelas), que pode
conter quaisquer comandos L
A
T
E
X v´alidos. Mas em geral ele consistir´a de uma
s´erie de linhas contendo o comando \contentsline:
\contentsline{n´ıvel}{texto}{p´agina}
Os argumentos s˜ ao o n´ıvel da entrada (section, subsection, figure, etc. esse
n´ıvel determina o comando que ser´ a chamado em seguida), o texto a ser impresso
e o n´ umero da p´ agina a ser impressa.
O que o comando \contentsline faz ´e chamar um comando com o nome
\l@n´ ıvel, com dois argumentos: o texto e o n´ umero da p´ agina. Esses comandos,
um para cada tipo, ´e que s˜ ao respons´ aveis por formatar uma linha com uma
entrada no sum´ario. Assim, caso se deseje mudar a maneira como as linhas das
se¸ c˜oes s˜ ao mostradas, deve-se alterar o comando \l@section.
O argumento texto de posteriormente passado para \l@n´ ıvel) em geral tem
a forma
\numberline{n´umero}t´ ıtulo
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 30
Para mostrar o n´ umero da se¸ c˜ao seguido do texto.
Um comando ´ util na defini¸ c˜ao dos comandos \l@n´ ıvel ´e
\@dottedtocline, que gera uma linha pontilhada com o n´ umero, texto e n´ umero
da p´ agina:
\@dottedtocline{n´ ıvel}{identa¸c~ao}{largura}{texto}{p´ agina}
Os argumentos s˜ ao: n´ıvel ´e o n´ıvel num´erico da se¸ c˜ao, quanto maior,
mais aninhada ela est´ a. identa¸ c˜ao ´e o espa¸ co deixado desde a margem es-
querda. largura ´e a largura do box que cont´em o n´ umero da se¸ c˜ao, caso o
comando \numberline seja usado. Os dois ´ ultimos argumentos s˜ ao os mesmos
de \l@n´ ıvel, o que facilita a defini¸ c˜ao dos comandos.
Eis alguns exemplos:
\renewcommand{\l@section}{\@dottedtocline{1}{1.5em}{2.3em}}
\renewcommand{\l@subsection}{\@dottedtocline{2}{2.8em}{3.2em}}
2.7.3
´
Indice remissivo.
O ´ındice remissivo ´e aquele ´ındice que fica no final do trabalho e remete aos
t´opicos desenvolvidos no trabalho na ordem em que eles aparecem. Um ´ındice
remissivo ´e constru´ıdo usando-se o pacote makeidx, use o seguinte comando no
preˆ ambulo do seu trabalho.
Comando Lugar onde deve ser adicionado
\usepackage{makeidx} No preˆ ambulo.
\makeidx Tamb´em no preˆ ambulo.
\printindex No local onde ser´ a impresso o ´ındice.
\index{entrada} Para cada palavra que vocˆe quiser colocar
´e preciso mape´a-la no texto dessa maneira.
Tabela 2.8: Como adicionar um ´ındice remissivo.
A cria¸ c˜ao do ´ındice remissivo segue alguns passos e cria alguns arquivos no
diret´ orio do arquivo. Entenda porque ´e necess´ario compilar seu c´odigo algumas
vezes para que o ´ındice aparece no lugar desejado.
Quando o pacote makeid ´e usado e o L
A
T
E
X ´e executado, ele cria um arquivo
de extens˜ao .idx. Ao ser criado o arquivo de extens˜ao .idx, deve-se recompilar
o c´odigo para que seja criado, a partir do arquivo .idx, um arquivo de extens˜ao
.ind. Uma vez criado o arquivo .ind, basta executar o L
A
T
E
X novamente para ter
o ´ındice remissivo criado no lugar escolhido.
2.7.4 Referˆencias bibliogr´aficas.
Aqui apresentaremos uma maneira muito eficiente e inteligente de criar a lista
de referˆencia de obras. Para tanto criaremos uma base de dados com as obras
em um arquivo separado e somente as obras citadas e referenciadas no texto s˜ ao
inseridas no final do trabalho quando o comando de cria¸ c˜ao ´e executado.
CAP
´
ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO 31
Criando a base de referˆencias no arquivo bibliografia.bib
As bibliografias em L
A
T
E
X s˜ ao formatadas automaticamente, sendo apenas
necess´ario introduzir os dados corretamente.
A verdade ´e que esses dados podem ser introduzidos de maneiras distintas,
uma das melhores maneiras de o fazer ´e criando uma base de dados com todos
os dados bibliogr´aficos que vamos utilizar. Pode parecer a forma mais dif´ıcil de
o fazer mas a verdade ´e que podemos criar uma base de dados que serve para
v´arios documentos e portanto poupamos trabalho para o futuro.
´e poss´ıvel utilizar o editor de L
A
T
E
X para criar a nossa base de dados. Para
isso fazemos o seguinte:
• Criamos um novo documento e gravamo-lo com o nome que quisermos mas
com a extens˜ao .bib. Exemplo: bibliografia.bib.
• Depois introduzimos os itens de bibliografia que queremos.
• Depois de escolhermos que tipo de documento queremos referir, comple-
tamos os espa¸ cos com as informa¸ c˜ao que tivermos. Se n˜ ao quisermos pre-
encher alguma dessa informa¸ c˜ao, apagamos toda a linha onde ela deveria
constar.
• Depois de feita a inser¸ c˜ao dos dados bibliogr´aficos gravamos o ficheiro .bib
e mantemo-lo aberto enquanto trabalhamos no documento .tex para que a
cita¸ c˜ao seja mais r´ apida.
´e poss´ıvel editar o arquivo .bib em alguns editores L
A
T
E
X como o WinEdit.
Inserindo referˆencias do arquivo bibliografia.bib
Depois de concebida a base de dados com todos os dados bibliogr´aficos dos
livros que queremos referir, vamos com certeza querer cit´a-los no documento.
Para isso temos que seguir alguns procedimentos.
Devemos em primeiro lugar definir o estilo de bibliografia, ou seja, a for-
mata¸ c˜ao. Isso faz-se com a linha:
\bibliographystyle{estilo}
Os estilos dispon´ıveis s˜ ao imensos e podem encontrar alguns exemplos em
http://www.cs.stir.ac.uk/ kjt/software/latex/showbst.html.
Depois, no local devido, devem inserir a bibliografia. Supondo que a base de
dados se chama bibliografia.bib, introduzimos:
\bibliography{bibliografia}
A cita¸ c˜ao das obras em si faz-se usando o comando \cite{nome}, onde nome
ser´ a a identifica¸ c˜ao dada na base de dados `a obra em quest˜ ao.
Cap´ıtulo 3
Ambiente Matem´atico
Estamos num ambiente matem´ atico quando usamos cifr˜oes $...$, $$ ... $$
ou \begin{equation}...\end{equation}, neste ambiente as letras assumem
o formato it´alico. Toda f´ormula deve ser digitada no modo matem´ atico, ve-
remos nos t´opicos a seguir como podemos criar nossas f´ormulas e express˜ oes
matem´ aticas.
3.1 Principais Elementos
Vejamos nesta se¸ c˜ao os alguns dos principais elementos de um ambiente ma-
tem´ atico.
3.1.1 Produzindo um Texto
Como j´a foi dito, para produzir um texto matem´ atico, podemos utilizar trˆes
m´etodos.
Cifr˜oes Simples
Cifr˜ao simples ´e o m´etodo mais utilizado para fazer um texto matem´ atico,
o usamos quando queremos inserir um objeto matem´ atico dentro de um texto
comum.
Temos agora um texto comum com o polin^omio $x^{2} - x + 1$.
E logo abaixo o texto formatado:
Temos agora um texto comum com o polinˆ omio x
2
−x + 1.
Cifr˜oes Duplos
Cifr˜ao duplo ´e usado quando queremos inserir um objeto matem´ atico em
destaque fora de um texto comum. Mais a diante veremos que estes cifr˜oes
mudam alguns comandos.
Temos agora um texto comum com o polin^omio $$x^{2} - x + 1$$.
32
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 33
E logo abaixo o texto formatado:
Temos agora um texto comum com polinˆ omio
x
2
−x + 1.
Ambiente Equation
O Ambiente equation produz o mesmo que os cifr˜oes duplos, numerando a
equa¸ c˜ao ou f´ormula.
Temos agora um texto comum com o polin^omio
\begin{equation}
x^{2} - x + 1
\end{equation}
E logo abaixo o texto formatado:
Temos agora um texto comum com o polinˆ omio
x
2
−x + 1 (3.1)
3.1.2 Letras gregas
Letras gregas s˜ ao produzidas,em geral, colocando uma barra invertida antes
do nome da respectiva letra, mas algumas delas s˜ ao produzidas com um formato
um pouco diferente. Se quisermos produzir uma letra min´ uscula, ent˜ao devemos
escrevˆe-la com letras min´ usculas. Se quisermos que a letra seja mai´ uscula, de-
vemos escrever apenas a primeira letra mai´ uscula e as demais min´ usculas. N˜ao
podemos produzir todas as letras gregas em mai´ usculo, por isso segue abaixo
uma tabela exemplificando e mostrando as poss´ıveis letras gregas que podem ser
produzidas.
\alpha α \xi ξ
\beta β \o ø
\gamma γ \pi π
\delta δ \varpi ̟
\epsilon ǫ \rho ρ
\varepsilon ε \varrho ̺
\zeta ζ \sigma σ
\eta η \varsigma ς
\theta θ \tau τ
\vartheta ϑ \tau τ
\iota ι \upsilon υ
\kappa κ \phi φ
\lambda λ \varphi ϕ
\mu µ \chi χ
\nu ν \omega ω
Min´ usculas
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 34
\Gamma Γ \Lambda Λ
\Sigma Σ \Psi Ψ
\Delta ∆ \Xi Ξ
\Upsilon Υ \Omega Ω
\Theta Θ \Pi Π
\Phi Φ
Mai´ usculas
3.2 Expoentes e
´
Indices
Muitas vezes utilizamos vari´ aveis com expoentes ou ´ındices, por exemplo o
polinˆ omio P(x) = x
2
ou a vari´ avel x
2
. Vejamos agora o c´odigo para escrevermos
este tipo de texto.
$X^{k}$ X
k
$X_{k}$ X
k
3.3 Fra¸c˜oes
Fra¸ c˜oes s˜ ao facilmente constru´ıdas com o comando:
$\frac{numerador}{denominador}$
3.4 Ra´ızes
Ra´ızes quadradas s˜ ao constru´ıdas com comando:
$\sqrt{radicando}$
Se quisermos construir uma raiz n-´esima utilizamos o comando:
$\sqrt[n]{radicando}$
3.5 Somat´orios, produt´orios, uni˜oes e intersec¸ c˜oes
Mostraremos como fazer somat´ orios, produt´ orios, uni˜ oes e intersec¸ c˜oes jun-
tos, pois suas sintaxes s˜ ao muito parecidas. Vejamos abaixo os comandos
$\sum_{limite inferior}^{limite superior}$
$\prod_{limite inferior}^{limite superior}$
$\bigcup_{limite inferior}^{limite superior}$
$\bigcap_{limite inferior}^{limite superior}$
Exemplo 3.5.1 Vejamos agora um exemplo mostrando a aplica¸ c˜ ao dos coman-
dos.
$\sum_{n=0}^{\infty}$
$\prod_{n=1}^{5}$
$\bigcup_{n=0}^{100}$
$\bigcap_{n=0}^{\infty}$
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 35
O c´ odigo acima produz:


n=0

5
n=1

100
n=0


n=0
Se usarmos dois cifr˜oes aumentaremos o tamanho dos s´ımbolos, mas os deixare-
mos destacados numa linha.
Exemplo 3.5.2 Texto comum com um somat´ orio $$\sum_{i=0}^{\infty}a_{i}$$
O c´ odigo acima produz:
Texto comum com um somat´ orio

i=0
a
i
O mesmo efeito acontece se usarmos o ambiente equation, no entanto, pode-
mos escrever de outra forma, preservando o tamanho do s´ımbolo e o deixando
na mesma linha de um texto comum.
3.5.1 displaystyle
Como dissemos o comando display altera o tamanho do s´ımbolo, bem como,
a posi¸ c˜ao dos indices sem deix´a-lo sozinho numa linha. Faremos um exemplo,
mostrando como isso acontece.
Exemplo 3.5.3 Um somat´ orio

n=1
, um produt´ orio
5

n=1
, uma uni˜ ao
100
_
n=0
e uma
intersec¸ c˜ ao

n=0
.
3.6 Limites, derivadas e integrais
N˜ao se assuste! N˜ao faremos aqui um curso de c´alculo, apenas mostraremos
como escrever os objetos mais importantes de um curso de c´alculo.
3.6.1 Limites
De modo geral, os comandos no ambiente matem´ atico n˜ ao s˜ ao muito dife-
rentes, vejamos abaixo o comando para escrever um limite e observemos que
n˜ ao ´e muito diferente dos outros que j´a estudamos.De um modo geral, temos o
c´odigo:
$\lim_{vari´avel\to valor}fun¸ c~ao$
$\lim_{x \to a}f(x)=f(a)$
$\displaystyle \lim_{x \to a}f(x)=f(a)$
lim
x→a
f(x) = f(a)
lim
x→a
f(x) = f(a)
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 36
3.6.2 Derivadas
Veremos agora os comandos para podermos escrever derivadas. ´e bom lem-
brar que a utilizando o expoente ^{’} podemos escrever as derivadas de uma
fun¸ c˜ao de uma vari´ avel, mas estamos interessados em outras nota¸ c˜oes.
$\frac{dy}{dx}
$\frac{\partial f}{\partial x}(a, b)$
$f^{’}(x)+f^{’’}(x)+f^{’’’}(x)$
dy
dx
∂f
∂x
(a, b)
f

(x) + f
′′
(x) + f
′′′
(x)
3.6.3 Integrais
O comandos para integrais s˜ ao muito parecidos com os de somat´ orio, ent˜ao
esta parte ser´ a praticamente um ”review” t´opico 3.5. Segue abaixo o comando
geral para construir integrais.
$\int_{limite inferior}^{limite superior}$
$\int_{a}^{b}$ f(x)= F(a)-F(b)$
$\displaystyle \int_{a}^{b} f(x)= F(a)-F(b)$
$\displaystyle \int_{a}^{\infty} f(x)=
\displaystyle \lim_{b \to \infty} \displaystyle \int_{a}^{b}$
$\displaystyle \oint_C u(x, y) dx + v(x, y)dy$
$\displaystyle \int \! \! \! \int_\Omega f(u)g(v) du dv$
_
b
a
f(x) = F(a) −F(b)
_
b
a
f(x) = F(a) −F(b)
_

a
f(x) = lim
b→∞
_
b
a
f(x)
_
C
u(x, y)dx + v(x, y)dy
__

f(u)g(v)dudv
Como vimos acima, quando usamos integrais m´ ultiplas, devemos utilizar \! para
diminuir os espa¸ cos entre as integrais.
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 37
3.7 Coeficientes binomiais
Vejamos agora como produzir coeficientes binomiais, como
_
n
k
_
. Segue abaixo
o comando geral:
{n \choose k}
O exemplo abaixo mostra como podemos utilizar este comando
$${n+1\choose k}={n\choose k}+{n\choose k-1}$$
e produz
_
n + 1
k
_
=
_
n
k
_
+
_
n
k −1
_
3.8 Pontos, espa¸cos e texto no modo matem´atico
Geralmente em textos matem´ aticos utilizamos pontos, veremos como criar
alguns deles. Segue abaixo os comandos:
$\cdot$
$\ldots$ . . .
$\cdots$
$\vdots$
.
.
.
$\ddots$
.
.
.
Vejamos agora como criar espa¸ cos verticais e horizontais num texto. Te-
mos basicamente dois comandos, \vspace e \hspace, segue abaixo a sintaxe
geral:
$\vspace{espa¸co}$ $\hspace{espa¸co}$
Por exemplo \vspace{1cm} gera um espa¸ co vertical de 1 cm, enquanto
hspace{0.5cm} gera um espa¸ co horizontal de 0.5 cm.
Quando come¸ camos um par´ agrafo, n˜ ao conseguimos utilizar os comando
acima, ent˜ao podemos for¸ car um espa¸ camento incluindo * depois dos coman-
dos. Por exemplo: \hspace*{3cm}
Podemos escrever textos em ambientes matem´ aticos, para isso use o comando
\mbox{texto}.
Veja o exemplo abaixo:
$$
x_{1}=\frac{-b-\sqrt{b^{2}-4ac}}{2a} \quad\mbox{e}\quad
x_{2}=\frac{-b+\sqrt{b^{2}-4ac}}{2a}.
$$
x
1
=
−b −

b
2
−4ac
2a
e x
2
=
−b +

b
2
−4ac
2a
.
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 38
3.9 S´ımbolos matem´aticos
Exibiremos agora algumas tabelas com os principais s´ımbolos matem´ aticos.
o leitor n˜ ao precisa se preocupar em memorizar estes s´ımbolos, pois os editores
de L
A
T
E
X os cont´em.
S´ımbolos de Opera¸ c˜ oes Bin´arias
$\pm$ ± $\cap$ ∩ $\diamond$ ⋄ $\oplus$ ⊕
$\mp$ ∓ $\cup$ ∪ $\bigtriangleup$ △ $\ominus$ ⊖
$\times$ $\uplus$ ⊎ $\bigtriangledown$ ▽ $\otimes$ ⊗
$\div$ ÷ $\sqcap$ ⊓ $\triangleleft$ ⊳ $\oslash$ ⊘
$\ast$ ∗ $\sqcup$ ⊔ $\triangleright$ ⊲ $\odot$ ⊙
$\star$ ⋆ $\vee$ ∨ $\lhd$ ⊳ $\bigcirc$ _
$\circ$ ◦ $\wedge$ ∧ $\rhd$ ⊲ $\dagger$ †
$\bullet$ • $\setminus$ ¸ $\unlhd$ $\ddagger$ ‡
$\cdot$ $\wr$ ≀ $\unrhd$ $\amalg$ ∐
S´ımbolos de Rela¸ c˜ oes
$\leq$ ≤ $\geq$ ≥ $\equiv$ ≡ $\models$ [=
$\prec$ ≺ $\succ$ ≻ $\sim$ ∼ $\perp$ ⊥
$\preceq$ _ $\succeq$ _ $\simeq$ ≃ $\mid$ [
$\ll$ ≪ $\gg$ ≫ $\asymp$ ≍ $\parallel$ |
$\subset$ ⊂ $\supset$ ⊃ $\approx$ ≈ $\bowtie$ ⊲⊳
$\subseteq$ ⊆ $\supseteq$ ⊇ $\cong$

= $\Join$ ⋊⋉
$\sqsubset$ ⊏ $\sqsupset$ ⊐ $\neq$ ,= $\smile$ ⌣
$\sqsubseteq$ ⊑ $\sqsupseteq$ ⊒ $\doteq$
.
= $\frown$ ⌢
$\in$ ∈ $\ni$ ∋ $\propto$ ∝ = =
$\vdash$ ⊢ $\dashv$ ⊣ < < > >
Flechas
$\leftarrow$ ← $\longleftarrow$ ←− $\uparrow$ ↑
$\Leftarrow$ ⇐ $\Longleftarrow$ ⇐= $\Uparrow$ ⇑
$\rightarrow$ → $\longrightarrow$ −→ $\downarrow$ ↓
$\Rightarrow$ ⇒ $\Longrightarrow$ =⇒ $\Downarrow$ ⇓
$\leftrightarrow$ ↔ $\longleftrightarrow$ ←→ $\updownarrow$ ¡
$\Leftrightarrow$ ⇔ $\Longleftrightarrow$ ⇐⇒ $\Updownarrow$ ¸
$\mapsto$ → $\longmapsto$ −→ $\nearrow$ ր
$\hookleftarrow$ ←֓ $\hookrightarrow$ ֒→ $\searrow$ ց
$\leftharpoonup$ ↼ $\rightharpoonup$ ⇀ $\swarrow$ ւ
$\leftharpoondown$ ↽ $\rightharpoondown$ ⇁ $\nwarrow$ տ
$\rightleftharpoons$ ⇋ $\leadsto$
Miscelˆanea de S´ımbolos
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 39
$\ldots$ . . . $\cdots$ $\vdots$
.
.
. $\ddots$
.
.
.
$\aleph$ ℵ $\prime$ ′ $\forall$ ∀ $\infty$ ∞
$\hbar$ $\emptyset$ ∅ $\exists$ ∃ $\Box$
$\imath$ ı $\nabla$ ∇ $\neg$ $\Diamond$ ♦
$\jmath$  $\surd$

$\flat$ ♭ $\triangle$ △
$\ell$ ℓ $\top$ ⊤ $\natural$ ♮ $\clubsuit$ ♣
$\wp$ ℘ $\bot$ ⊥ $\sharp$ ♯ $\diamondsuit$ ♦
$\Re$ ℜ $\|$ | $\backslash$ ¸ $\heartsuit$ ♥
$\Im$ ℑ $\angle$ ∠ $\partial$ ∂ $\spadesuit$ ♠
$\mho$ ℧ . . + + - -
3.10 Mudan¸ca dos Tipos de Letras no Modo Ma-
tem´atico
Diversos tipos de letras mai´ usculas podem ser usados no modo matem´ atico.
Os mais usados podem ser usados tipos caligr´ aficos ou tipos para denotar con-
juntos num´ericos. Importante notar que alguns tipos requerem a instala¸ c˜ao de
pacotes tais como amssymb.
\cal{A} A
\mathcal{B} B
\mathbb{N} N
3.11 Fun¸c˜oes Matem´aticas
O L
A
T
E
X possui v´arios tipos de fun¸ c˜oes pr´e-definidas como log, exp, cos. Se
o nome da fun¸ c˜ao n˜ ao estiver pr´e-definido, pode-se defini-lo facilmente com o
comando \textrm{nome dafun¸c~ao}. A seguir alguns exemplos de fun¸ c˜oes do
L
A
T
E
X.
\log log \exp exp
\cos cos \arccos arccos
\sin sin \arcsin arcsin
\tan sin \arctan arctan
\cot cot \textrm{arccot} arccot
\sec sec \textrm{arcsec} arcsec
\csc csc \textrm{arccsc} arccsc
\cosh cosh \textrm{arccosh} arccosh
\sinh sinh \textrm{arcsinh} arcsinh
\tanh tanh \textrm{arctanh} arctanh
\max max \min min
\lg lg \ln ln
\sup sup \inf inf
\dim dim \det det
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 40
3.12 Ambiente Equation
Em um texto matem´ atico ´e comum criar equa¸ c˜oes e f´ormulas, por vezes
tamb´em ´e necess´ario citar, comentar ou referenciar estas f´ormulas e equa¸ c˜oes
anteriormente definidas. Em L
A
T
E
X o ambiente equation ´e uma estrutura para
definir essas equa¸ c˜oes e f´ormulas. A numera¸ c˜ao ´e autom´ atica e a equa¸ c˜ao pode
ser facilmente referenciada no texto com o mesmo comando de referˆencias an-
teriormente estudado. Para fazer essas referˆencias utiliza-se o comando label
assim como em figuras ou tabelas. O Equation ´e muito mais do que um simples
Displaymath.
\begin{equation}
a
2
+ b
2
= c
2
\end{equation} \label{eq:pitagoras}
a
2
+ b
2
= c
2
(3.2)
O ambiente eqnarray pode ser usado para numerar f´ormulas longas, que se
“espalha” por mais de uma linha. Sua sintaxe ´e parecida com a do ambiente
array. Cada final de linha recebe uma numera¸ c˜ao, exceto aquelas assinaladas
com um comando \nonumber.
\begin{eqnarray}
x & = & a +b+c+d+\nonumber \\
& & e + f + g + h + i \\
& > & y + z + 1
\end{eqnarray}
x = a + b + c + d +
e + f + g + h + i (3.3)
> y + z + 1 (3.4)
3.13 Parˆenteses, colchetes e chaves em f´ormulas
Alguns delimitadores podem ser usados em v´arios tamanhos, ajustando-se
automaticamente ao tamanho da f´ormula. Os delimitadores mais usados s˜ ao os
parˆenteses os colchetes e as chaves.
\left( . . . \right)
\left[ . . . \right]
\left{ . . . \right}
Outra maneira de utilizar esses delimitadores ´e dada abaixo. No entanto o
tamanho dos delimitadores ´e controlado manualmente.
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 41
\big( . . . \big)
\bigg( . . . \bigg)
\Big( . . . \Big)
3.14 Vetores
Os vetores podem ser constru´ıdos com o comando \vec seguido da letra ou
com um comando do tipo \overrightarrow{}, para gerar uma flecha maior so-
bre a express˜ ao vetorial. Para colocar apenas uma barra superior sobre uma letra
ou uma express˜ ao use o comando \bar seguido da letra ou
\overline{express~ ao}.
\vec{v} v
\vec{w} w
\overrightarrow{2a+b-c}
−−−−−−−→
2a + b −c
\bar z = a - bi ¯ z = a −bi
\overline{z+2w} z + 2w
3.15 Matrizes
As matrizes s˜ ao escritas em L
A
T
E
X dentro do ambiente array. A matriz ´e
uma tabela de dados na qual podemos inserir s´ımbolos matem´ aticos sem nos
preocupar em usar o s´ımbolo $ ´ unico fato que o difere do ambiente tabular
anteriormente estudado.
Para cada coluna da matriz podemos definir o alinhamento dos dados com
uma letra: c para centralizar, l para alinhar a esquerda e r para alinhar a direita.
Para separar as colunas usamos o s´ımbolo & e para finalizar uma linha usamos
o s´ımbolo \\. De maneira an´ aloga ao ambiente tabular. Dentro desse ambiente
n˜ ao ´e permitido “pular linha” e assim como no restante do c´ odigo L
A
T
E
X valem
as regras de espa¸ co horizontal. Uma matriz ´e escrita da seguinte maneira:
\left( \begin{array}{ccc}
1 & 0 & 0 \\
0 & 1 & 0 \\
0 & 0 & 1 \\
\end{array}\right)
_
_
1 0 0
0 1 0
0 0 1
_
_
\left| \begin{array}{cc}
\displaystyle\frac{\partial u}{\partial x} &
\displaystyle\frac{\partial u}{\partial y}\\
\displaystyle\frac{\partial v}{\partial x} &
\displaystyle\frac{\partial v}{\partial y}\\
\end{array} \right|
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
∂u
∂x
∂u
∂y
∂v
∂x
∂v
∂y
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
A generaliza¸ c˜ao desses conceitos vem com a pr´ atica, observe que n˜ ao existe
uma ´ unica maneira de formatar textos no entanto existe uma forma melhor para
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 42
cada ocasi˜ ao. Por isso n˜ ao se assuste com o tamanho ou a complexidade dos
c´odigos.
Esse ambiente matricial tamb´em ´e usado para definir fun¸ c˜ oes por partes.
|x| = \left\{ \begin{array}{ll}
+1 & \mbox{ se } x \geq 0; \\
-1 & \mbox{ se } x < 0.
\end{array} \right.
[x[ =
_
+1 se x ≥ 0;
−1 se x < 0.
3.16 Diagramas X
Y
-pic
Para a constru¸ c˜ao de diagramas e grafos usaremos o pacote de comandos
X
Y
-pic. Faremos aqui uma introdu¸ c˜ao ao uso deste recurso. Para us´ a-lo, devemos
colocar no preˆ ambulo do documento o comando
\usepackage[all]{xy}.
3.16.1 O comando xymatrix
O ´ unico comando do X
Y
-pic que vamos explorar ´e o \xymatrix. Sua sintaxe
´e parecida com a do \array do L
A
T
E
X:
\xymatrix{
a
11
& a
12
& . . . & a
1n
\\
a
21
& a
22
& . . . & a
2n
\\
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
a
m1
& a
m2
& . . . & a
mn
}
As entradas do \xymatrix podem ser vazias ou seguidas de . No caso da
constru¸ c˜ao de diagramas, as s˜ ao molduras ou setas nos mais diversos estilos,
dire¸ c˜oes e sentidos. Uma seta ´e constru´ıda com um comando \ar, cuja sintaxe
em sua forma mais simples ´e: \ar[dire¸c~ao] onde a dire¸ c˜ao ´e definida pelas
letras d (para baixo), u (para cima), l (para a esquerda), r (para a direita) ou
por combina¸ c˜oes. Vejamos abaixo exemplos de combina¸ c˜oes destas dire¸ c˜oes:
lu
u ru
l

¸_?
?
?
?
?
?
?
?
¸O >
~
~
~
~
~
~
~
~
¸o /









@
@
@
@
@
@
@
@
r
ld d du
Vejamos agora um exemplo:
\xymatrix{
A \ar[r] & B \ar[r] & C \\
D \ar[rd] & E \ar[ru] & G \ar[u]\\
H & I \ar[l] & J }
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 43
Que produz:
A
/
B
/
C
D

A
A
A
A
A
A
A
A
E
>
~
~
~
~
~
~
~
G
¸O
H I
¸o
J
Podem partir v´arias setas de um mesmo elemento ou flechas com dois sen-
tidos, ou seja, que partem de A para B e B para A. A ´ unica restri¸ c˜ao ao uso
das setas, ´e que elas devem apontar para uma entrada que realmente exista na
matriz. Vejamos mais um exemplo do uso de flechas:
\xymatrix{
A \ar[r]\ar[d] & B \\
C \ar[u] & D \ar[u] }
A
/

@
@
@
@
@
@
@
B
C
¸O
D
¸O
3.16.2
´
Indices nas setas
Na Se¸ c˜ao 3.2 Expoentes e ´ındices, aprendemos como escrever ´ındices,
a nomenclatura ´e a mesma, utilizamos ^{} para ´ındices superiores e _{} para
´ındices inferiores, junto ao comando \ar. Vejamos um exemplo abaixo:
\xymatrix{
A \ar[r]^{f} & B \\
C \ar[u]^{g} \ar[u]_{ru} & }
A
f
/
B
C
g
¸O
h
>
~
~
~
~
~
~
~
Exemplo 3.16.1 Os conceitos de “´ındice superior” e “´ındice inferior” depen-
dem dos sentidos das setas. Neste exemplo, todos os “s” s˜ ao ´ındices superiores,
enquanto que os “i” s˜ ao inferiores.
\xymatrix{
& D \\
A \ar[r]^{s}_{i} & B \ar[d]^{s}_{i}\ar[u]^{s}_{i}
& C \ar[l]^{s}_{i} \\
& E }
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 44
D
A
s
i
/
B
s i

s i
¸O
C
s
i
¸o
E
Ainda podemos utilizar, no lugar de “ ^” e “ _” o parˆ ametro “ |”, ent˜ ao o
´ındice ´e produzido dentro da seta. Por exemplo, \ar[r]|f mostra um f sobre
uma seta como em
U
f
/
V
.
Quando as entradas no comando \xymatrix s˜ ao muito extensas o ´ındice n˜ ao
fica centralizado, para isso utilize o parˆ ametro “-” ap´ os “^” ou “ _”.
Vejamos agora exemplos de aplica¸ c˜ oes dos parˆ ametros acima.
A \times B \times C \ar[r]|f & D
A B C
f
/
D
A \times B \times C \ar[r]|-f & D
A B C
f
/
D
A \times B \times C \ar[r]^{f \circ g} & D
A B C
f◦g
/
D
A \times B \times C \ar[r]^-{f \circ g} & D
A B C
f◦g
/
D
3.16.3 Estilos das setas
Podemos mudar o estilo de uma seta com o uso do comando
@variante{cauda haste cabe¸ ca}, que ´e adicionado ao comando \ar. Veja-
mos abaixo os parˆ ametros que podem ser utilizados.
• variante ´e opcional e pode ser um dos caracteres _ , ^, 2 ou 3.
• cauda ou cabe¸ ca podem ser um dos caracteres ><ox+/()[]— ou espa¸ co em
branco.
• haste pode ser um dos caracteres ~.:-=
Veja a tabela abaixo com alguns exemplos:
CAP
´
ITULO 3. AMBIENTE MATEM
´
ATICO 45
estilo A \ar estilo [r] B estilo A \ar estilo [r] B
@{->}
A
/
B
@{-->}
A
/ _ _ _
B
@{=>}
A
3
B
@{==>}
A
3 _ _ _
_ _ _
B
@{.>}
A
/
B
@{:>}
A
3
B
@{~>}
A
/ /o /o /o
B
@{~~>}
A
/ /o /o
B
@{-}
A
/
B
@{^{(}-o}
A



B
@{.o}
A

B
@{||.)}
A

_
?
B
@{=}
A B
@{|-x}
A
?

B
@{|->>}
A

/ /
B
@{|.+}
A

_
B
@{(=)}
A


_
?
B
@{|->|}
A

/
B
@{^{(}->}
A


/
B
@{{*}-{*}}
A
• •
B
@2{~>}
A
3 /o /o
/o /o
B
@3{<->}
A
_¸t _4
B
@3{-}
A B
@3{.>}
A
_4
B
@_{->}
A
/
B
@^{->}
A

B
@_{<->}
A
¸ /
B
@^{<->}
A
o
B
@/_/
A 5 B
@/^/
A
)
B
Referˆencias Bibliogr´aficas
[1] Andrade, L. Uma breve introdu¸c˜ ao ao L
A
T
E
X. 2000.
[2] Costa, S. Curso de introdu¸c˜ ao ao L
A
T
E
X. 2002.
[3] Network, C. C. T. A. The Not So Short Introduction to L
A
T
E
X. 2003.
[4] Network, C. C. T. A. T
E
X user groups around the world. 2008.
[5] Neves, A. O que eu vou aprendendo em L
A
T
E
X. 2008.
[6] Santos, R. Introdu¸c˜ ao ao L
A
T
E
X. 2003.
46

Sum´rio a
1 Introdu¸˜o ca 1.1 O que significa TEX ? . . . . . . . . . A 1.2 O que significa L TEX ? . . . . . . . . . 1.3 Um pouco de hist´ria . . . . . . . . . o 1.3.1 Os fatos na ordem cronol´gica o 1.3.2 Tendˆncias atuais . . . . . . . . e A 1.4 Instalando o L TEX . . . . . . . . . . . 1.4.1 Distribui¸˜es . . . . . . . . . . co 1.4.2 Instru¸˜es . . . . . . . . . . . . co 1.5 A arte de saber encontrar ajuda . . . . 2 Criando um texto 2.1 Estrutura b´sica de um texto. . . a 2.1.1 Tipos de texto . . . . . . 2.1.2 Usando Pacotes . . . . . . 2.2 Formata¸˜o do texto . . . . . . . ca 2.2.1 Tipos de letras . . . . . . 2.2.2 Tamanho da letra . . . . 2.2.3 Cores . . . . . . . . . . . 2.3 Se¸˜es, cap´ co ıtulos, par´grafos . . . a 2.3.1 Se¸˜es . . . . . . . . . . . co 2.3.2 Cap´ ıtulos . . . . . . . . . 2.3.3 Abstract . . . . . . . . . . 2.3.4 Par´grafos . . . . . . . . . a 2.3.5 Partes . . . . . . . . . . . 2.4 Espa¸os . . . . . . . . . . . . . . c 2.4.1 Espa¸os em branco . . . . c 2.4.2 Nova linha . . . . . . . . 2.4.3 Nova p´gina . . . . . . . . a 2.5 Ambientes . . . . . . . . . . . . . 2.5.1 Alinhamento . . . . . . . 2.5.2 Verbatim . . . . . . . . . 2.5.3 Listas: itemize, enumerate 2.6 Corpos flutuantes . . . . . . . . . 2.6.1 Figuras . . . . . . . . . . 2.6.2 Mini-pages . . . . . . . . 2.6.3 Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e . . . . 4 5 5 5 7 8 8 8 9 9 11 11 11 12 12 12 13 13 14 14 15 15 16 16 17 17 17 18 18 19 19 19 23 24 26 26

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . description . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

2

´ SUMARIO 2.7 Finalizando um texto. . . . . . . 2.7.1 Sum´rio. . . . . . . . . . a 2.7.2 Configurando o Sum´rio . a ´ 2.7.3 Indice remissivo. . . . . . 2.7.4 Referˆncias bibliogr´ficas. e a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

3 28 28 29 30 30 32 32 32 33 34 34 34 34 35 35 35 36 36 37 37 38 39 39 40 40 41 41 42 42 43 44

3 Ambiente Matem´tico a 3.1 Principais Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.1.1 Produzindo um Texto . . . . . . . . . . . . . 3.1.2 Letras gregas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2 Expoentes e ´ Indices . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3 Fra¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 3.4 Ra´ ızes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.5 Somat´rios, produt´rios, uni˜es e intersec¸˜es . . . o o o co 3.5.1 displaystyle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.6 Limites, derivadas e integrais . . . . . . . . . . . . . 3.6.1 Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.6.2 Derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.6.3 Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.7 Coeficientes binomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.8 Pontos, espa¸os e texto no modo matem´tico . . . . c a 3.9 S´ ımbolos matem´ticos . . . . . . . . . . . . . . . . . a 3.10 Mudan¸a dos Tipos de Letras no Modo Matem´tico c a 3.11 Fun¸˜es Matem´ticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . co a 3.12 Ambiente Equation . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.13 Parˆnteses, colchetes e chaves em f´rmulas . . . . . . e o 3.14 Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.15 Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.16 Diagramas X -pic . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Y 3.16.1 O comando xymatrix . . . . . . . . . . . . . . 3.16.2 ´ Indices nas setas . . . . . . . . . . . . . . . . 3.16.3 Estilos das setas . . . . . . . . . . . . . . . .

Cap´ ıtulo 1

Introdu¸˜o ca
A A primeira pergunta que algu´m se far´, ao se deparar com o L TEX, ´ sobre a e a e 1 como o OpenOffice vantagem de se us´-lo, ao inv´s de ferramentas WYSIWYG a e A Writer e o Microsoft Word, e muitas pessoas comparam o L TEX com esses A programas. Na verdade, o L TEX e as ferramentas WYSIWYG possuem objetivos e base de usu´rios completamente distintos, n˜o sendo prudente afirmar qual a a ´ modelo seja superior. S˜o apenas diferentes. E necess´rio, entretanto, mostrar a a as vantagens e desvantagens de se utilizar um e outro para que as pessoas saibam qual modelo as conv´m. e

Vantagens • A principal vantagem, e de onde as outras tiram sua validade, ´ o algoritmo e avan¸ado do TeX, que permite criar documentos de aparˆncia verdadeirac e mente profissional.
A • O L TEX encoraja as pessoas a concentrar suas aten¸˜es no conte´ do e na co u distribui¸˜o l´gica das id´ias, e n˜o na aparˆncia, resultando em textos ca o e a e bem estruturados.

´ A • E poss´ ıvel utilizar o L TEX sem efetivamente aprender muitos comandos, especialmente com a utiliza¸ao conjunta de ferramentas WYSIWYG como c˜ o LyX. • A edi¸˜o de f´rmulas matem´ticas ´ robusta e sua apresenta¸˜o, visualca o a e ca mente agrad´vel. a • Estruturas tipogr´ficas complexas como bibliografia, tabela de conte´do a u e cita¸˜es est˜o abstraidas, podendo ser geradas facilmente e de forma co a consistente ao longo do documento.
A • Ambos TEX e L TEX s˜o programas livres, permitindo que existam vers˜es a o para praticamente todo sistema operacional dispon´ ıvel.

´ • Utiliza¸˜o modesta dos recursos do sistema. E poss´ editar e imprimir ca ıvel mesmo em um computador remoto, atrav´s de uma sess˜o SSH ou telnet. e a
1 Do inglˆs: “What You See Is What You Get” que significa “O que vocˆ vˆ ´ o que vocˆ e e ee e tem”

4

INTRODUCAO ¸˜ 5 O processador tamb´m n˜o precisa trabalhar todo o tempo para criar a e a formata¸˜o do documento. Inventou uma liga para os tipos de metal. E e os f´ ısicos. matem´ticos e cientistas da computa¸˜o. os comandos do LaTeX. na vers˜o denominada (L TEX2). Possui ca a ca abstra¸˜es para lidar com bibliografias. n˜o o s˜o. a cria¸ao de novos modelos leva muito tempo. vamos descobrir o que significa afinal u A X. 2 . a 1. co • A aprendizagem ´ mais dif´ que em programas WYSIWYG. pois embora e ıcil a estrutura l´gica do documento seja intuitiva. embora a utiliza¸˜o de estilos prontos de e ca documento seja f´cil.CAP´ ITULO 1. dessa forma. e ca Desvantagens • A principal desvantagem ´ que.3 Um pouco de hist´ria o Uma pequena biografia dos matem´ticos e criadores das ferramentas que a revolucionaram a tipografia e humilharam as descobertas de Gutemberg 2 . TEX e L TE 1. mais f´cil a sua a utiliza¸˜o por pessoas nos primeiros est´gios de utiliza¸˜o desse sistema.2 A O que significa L TEX ? A L TEX ´ um conjunto de macros para o processador de textos TEX. Entretanto. a a Esclarecidas essas primeiras d´vidas. cita¸˜es. ap´s o ca ca o e o t´rmino da edi¸˜o. a u A O L TEXfoi desenvolvido na d´cada de 80. tintas a ` base de ´leo. sendo a c˜ que nem sempre ´ poss´ encontrar modelos de documento que estejam e ıvel em conformidade com o requerido por muitas institui¸˜es. referˆncia co co a e cruzada e tudo mais que n˜o seja relacionado ao conte´do do documento em si. pois a diagrama¸˜o s´ ´ feita uma vez. Johannes Gutemberg foi um inventor alem˜o que se tornou famoso pela sua contribui¸˜o a ca para a tecnologia da impress˜o e tipografia.1 O que significa TEX ? TEX (Tau ´psilon chi pronunciada como “latequi” ) ´ um sistema de tipografia e e ´ popular no meio acadˆmico. utilizado e amplamente para a produ¸˜o de textos matem´ticos e cient´ ca a ıficos por causa de sua alta qualidade tipogr´fica. al´m de uma prensa gr´fica inspirada nas prensas utilizadas para espremer as a o e a uvas no fabrico do vinho. A Como um conjunto de macros para o TEX. por Leslie Lamport. a 1. principalmente entre criado por Donald Knuth. o sistema L TEX fornece ao usu´rio a um conjunto de comandos de alto n´ ıvel. o obviamente. tamb´m ´ utilizado para produ¸˜o a e e ca de cartas pessoais. sendo. devido a sua capacidade de a ca produzir f´rmulas e s´ o ımbolos matem´ticos de uma forma elegante. atuale A mente. formatos de p´ginas. artigos e livros sobre assuntos muito diversos. estando.

Ap´s a gradua¸˜o.CAP´ ITULO 1. o Dr. Com o intuito de permitir diagrama¸˜o dos ca documentos cient´ ıficos de qualidade profissional sem que necessite do conhecimento espec´ ıfico da editora¸˜o. na a California. O sisıdo tema TEX ´ formado pelo conjunto de programas para processar o documento de e forma autom´tica e eficiente. O projeto foi conclu´ em 1985 e recebeu o nome de “LaTeX”. a ca editora encarregada do segundo volume do seu livro The Art of Computer Programming. Decepcionado pela sua baixa qualidade. Em 2001. No ano de 1977. SRI International. O grupo foi coordenado pelo matem´tico Leslie co a Lamport do DEC ( Digital Equipment Corporation). corrigindo e incrementando a macro. Digital. ele come¸ou sua carreira como cientista compuo ca c tacional no Massachusetts Computer Associates. ıdo A O projeto L TEX2 liderado por Frank Mittelbach foi respons´vel pela melhoria do a A X desenvolvido por Lamport. Ele tamb´m criou o co a ca e sistema de tipogr´fico TEX. Kunuth decidiu concretizar sua id´ia: Implementar um sistema computacional e eficiente para editora¸˜o. o sistema de cria¸˜o de fontes METAFONT.l´gica temporal de a¸˜es. enviou um preprint do livro. c . uma das principais referˆncias da ciˆncia da computa¸ao. ele se juntou ` Microsoft Research em Mountain View. mas precisava do conhecimento de editora¸˜o para a ca produzir documentos de qualidade. Lamport ´ melhor conhecido e e como sendo o desenvolvedor inicial do sistema de prepara¸ao de documentos. O macro (configura¸˜o) que Kunuth usou para editar o seu ca livro foi distribu´ junto com TEX e recebeu o nome de “plain TEX”. O sistema TEX ficou pronto em 1982 e o e sistema de metafont em 1984. com mestrado e doutorado em Matem´tica a pela Brandeis University.. Fora da ciˆncia computacional. ca a Leslie Lamport . especialista em computa¸˜o ca (LTA . hoje conhecido como sistema “TeX”. e Compaq.Donald Ervin Knuth (Milwaukee. Como tudo come¸ou .. O tema de sua tese de doutorado foram singularidades em equa¸˜es diferenciais parciais co anal´ ıticas.Leslie Lamport (nascido em 1941) ´ um cientista computae cional norte-americano Lamport formou-se em Matem´tica pelo Massachusetts a Institute of Technology em 1960. conclu´ ıdos respectivamente em 1963 e 1972. foi iniciado um projeto para desenvolver macros ca (configura¸˜es) novos para TEX. Formado em matem´tica ´ o autor do livro The Art of Computer a e Programming. 10 de Janeiro de 1938) ´ um cientista computacional de renome e professor em´rito da Universidade e e de Stanford. Esta fonte ´ conhecido como fonte “Computer Modern” e o sistema de e fontes ´ conhecido como METAFONT. ele decidiu fazer design das fontes e implementar um sistema de fontes eficiente para ser usado no TEX. O grupo L TE A de L TEX3 lan¸a-o em 1994. Ele e e c˜ praticamente criou o campo an´lise de algoritmos e fez muitas das principais a contribui¸˜es a v´rios ramos da teoria da computa¸˜o. A fonte Computer Modern foi conclu´ um ano ıda depois. usado na modelagem dos para sistemas concoro co rentes e reativos). Como n˜o exisca a tia uma fonte adequada para documentos t´cnicos e cient´ e ıficos. Neste mesmo ano. al´m a ca e de ser pioneiro do conceito de programa¸˜o liter´ria. Donald Knuth estava discutindo e c experimentando a editora¸˜o de um livro pelo computador. INTRODUCAO ¸˜ 6 Donald Knuth . em 1985. Suas pesquisas contribu´ ıram com a funda¸˜o da teoria de sistemas ca distribu´ ıdos. o c˜ A L TEX.

o 1978: Iniciou o projeto de MetaFont (formato de fonte do TEX). 1980: Primeiro prot´tipo da fonte “Computer Modern”. F. 1978: Primeiro prot´tipo do TEX. a 1981: Primeira vers˜o do sistema Web (sistema de processamento de documena tos usado pelo TEX). 1990: TEX vers˜o 3. a 1984: “The TeX Book” (Donald Kunuth) foi publicado. A 1985: Lamport finaliza o L TEX (vers˜o 2. Ap´s alguma melhoria. receber´ a denomina¸˜o de o a ca Web83. sem necessidade de recorrer as fontes ` comerciais. 1984: Primeira vers˜o do MetaFont (vers˜o 0). Mittelbach e A. 1989: Agora TEX suporta caracteres de 8 bits.09 foi publicado. a 1986: “The Metafont Book” (Donald Kunuth) foi publicado.3. c 1985: A fonte “Computer Modern” conclu´ ıda. Goosses. Kunuth resolve implementar o sistema TEX. 1994: O livro “The LaTeX Companion” (M. 2000: “Young Ryu” lan¸a o conjunto de fontes Post Script com qualidade proc fissional baseado em Times. Agora poder´ usar a a fonte Times para produzir documentos com qualidade tipogr´fica coma paravel ao do Computer Modern. c 1983: TEX vers˜o 1.CAP´ ITULO 1. denominado de txfonts. . 1979: Iniciou o projeto Euler para desenvolver fontes matem´ticos (Kunuth a fazia parte deste grupo). INTRODUCAO ¸˜ 7 1.1 Os fatos na ordem cronol´gica o 1977: Motivado pela m´ qualidade editorial do seu livro ”A Arte de Programa¸˜o a ca do Computador”. a a 1984: Kunuth come¸a a escrever o livro “MetaFont Book”. Samarin) sobre LaTeX2e foi publicado. a a 1982: Kunuth come¸a a escrever o livro “The TeX Book”. a A 1994: L TEX2 e foi lan¸ado pelo grupo de “LaTeX3” (coordenado pelo Frank c Mittelbach). A 1994: O livro “A Document Preparation System” (Laslie Lamport) sobre L TEX 2. a 1986: TEX vers˜o 2.09). volume 2. o 1980: Foi fundado o TUG (grupo de usu´rio de TEX). 1982: Primeira vers˜o do TEX (vers˜o 0).

o L TE e tribui¸˜es para muitos sistemas operacionais. Observe que o conhecimento do a A X nestes editores WYSIWYG melhora o desempenho devido ao fato de eles L TE A aceitarem a seq¨ˆncia de digita¸˜o dos comandos de L TEX e tamb´m por permitir ue ca e A inser¸˜o de comandos do L TEX diretamente no documento.4 A Instalando o L TEX A seguir um resumo b´sico de instala¸˜o.org/utilities/texconv/ para detalhes. a Assim. ´ poss´ escrever documentos para o L TEX em qualquer e ıvel editor de texto. recomenda-se a ca a utiliza¸˜o de programas espec´ ca ıficos. a exemplo de MiKTeX.3. o L TEX conta com recursos para gerar o arquivo do formato PDF tais como DVIPDFM.Windows). como A X funciona em diversas plataformas. Nesse sentido. a ca 1. Usando editores WYSIWYG como estes.Linux e Win) e Scientific Word/Work Place (comercial . Exemplo destes editores s˜o a LyX (free . poder´ contar com o editor do tipo WYo a A SIWYG que processa o documento usando L TEX. poder˜o exportar c´digo em L TE a o poder´ elaborar os documentos como no editor do Office e gerar o documento de a A alta qualidade tipogr´fica divido ao uso do L TEX. para Mac OS X. como o VI ou o Bloco de A notas. Quem n˜o tem conhecimento do L TE a a goste de ficar editando o c´digo fonte. INTRODUCAO ¸˜ 8 1. incluindo Linux). Tamb´m existe o desenvolvimento de outros ıdo e sistemas de diagrama¸˜o de documentos profissionais tais como NTS (New Typeca set system) e Jade (para processar documentos escritos em DSSSL (Document Style Semantics and Specification Language) do SGML/XML tal como DocBook (SGML ´ abreviatura do Standard Generalized Markup Language. HTML tamb´m segue o padr˜o SGML/XML). muitos deles sendo software livre. sem formata¸˜o a ca A alguma. Note que o TeXEmacs (free . tamb´m existem conversores e e A para outros formatos L TEX. MacTeX. inser¸˜o de s´ o ca ca ımbolos ou comandos. mesmo nos mais simples graficamente. Em e e a A X. N˜o obstante essa facilidade de edi¸˜o de arquivos L TEX. e TEX Live (multi plataforma.CAP´ ITULO 1. localiza¸˜o de erros. oferecendo integra¸˜o com ca ca os acess´rios.linux) e alguns outros editores cient´ ıficos tamb´m e A X. para Winco dows. . ca 1. XML e ´ subconjunto de SGML. PDFTeX e PDFLaTeX e existem diversos convertores para gerar arquivos de outros formatos tais como HTML e RTF (Rich Text Format aceito em MS Word e compat´ ıveis). existem diversos editores termos de facilitar a digita¸˜o do documento L TE ca espec´ ıficos que ajudam na elabora¸˜o de documentos. Al´m disso. Veja o site http://www.4. etc. Al´m disso.2 Tendˆncias atuais e A Atualmente. existindo diso Kile.1 Distribui¸˜es co A Os documentos escritos para o L TEX est˜o em texto simples.tug. “n˜o sei usar o LaTeX” j´ n˜o ´ desculpa para deixar de produzir a a a e documentos com alta qualidade tipogr´fica. integra¸˜o ca A X ou que n˜o com visualizador de DVI. Existem outras macros tal como ConTeXt (macro de prop´sito o A geral tal como plain TEX) e classes de L TEXtais como KOMA-script que ´ dise tribu´ com diversos sistema TEX.

Baixar a partir de: ftp://mirror. Exea co cute a instala¸˜o deste software seguindo as op¸˜es padr˜es. PS ou PDF.cs. respons´vel por compia A lar os arquivos de entrada em *.net/project/platformdownload. e a A De maneira simplificada.CAP´ ITULO 1. Nas outras janelas. aproveitar tamb´m para configurar o idioma e portuguˆs. a A d) Editor Gr´fico: Agora vocˆ pode instalar o Editor L TEX de sua preferˆncia. quase um “Next. Marcar tamb´m outros idiomas.edu/pub/mirrors/ghost/AFPL/gs814/gs814w32. Baixar e instalar os pacotes abaixo. ca co a b) GSView: Permite a visualiza¸˜o de arquivos no formato PostScript PDF ca no Windows.6 baixando do endere¸o: a c http://sourceforge.cs.winedt.tex do L TEX e gerar as sa´ ıdas no formato DVI. Instale a vers˜o 2. a e e Sugest˜es: WinEdit. Ao abrir a janela.wisc. na ordem citada: a) Ghostscript: Necess´rio para opera¸˜es em arquivos tipo PostScript. que considero importante. se necess´rios. ´ saber como e onde proe curar ajuda. o editor converter´ o seu “c´digo” L TEX em um arquivo a o compactado com o layout de texto editado. Baixar o ca co o programa a partir de: ftp://mirror. Na janela Select Language.toolscenter.org/ WinEdit http://www.php?group_id=10783 Estando o MikTEX instalado. Sempre chega e e o momento em que ´ necess´rio se lembrar daquele comando ou ent˜o descobrir e a a . Seguir as op¸˜es padr˜o do software. INTRODUCAO ¸˜ 9 1. conforme as op¸˜es padr˜es de configura¸˜o.2 Instru¸˜es co Independente da escolha do editor ´ necess´rio instalar algumas ferramentas. Ningu´m ´ capaz de memorizar tudo que aprende. TeXnicCenter http://www. execute o editor que vocˆ escolheu e siga as instru¸˜es para e co configura¸˜o de pacotes. seguir a sele¸˜o do software. A As instru¸˜es a seguir s˜o para instalar o ambiente L TEX para Windows e co a devem ser feitas antes de baixar o estilo. Uma delas.exe e execute sua instala¸˜o.4. sem alterar as op¸˜es padr˜es.edu/pub/mirrors/ghost/ghostgum/gsv47w32. escolher English. A hifeniza¸˜o e a ca ser´ automaticamente ativada. No menu Iniciar do Windows na pasta MiKTEX 2. Siga as instru¸˜es do co instalador. TeXnicCenter.com/ Tudo instalado. A instala¸˜o desses editores ´ usualo ca e mente simples.5 A arte de saber encontrar ajuda Todo profissional deve desenvolver algumas habilidades b´sicas para bem a encaminhar-se. selecionar a aba Languages e marcar a l´ ıngua portuguesa. ca co o ´ A c) MiKTeX: O MiKTEX E a alma do ambiente L TEX. ca co o ca 1.wisc. next to finish”.6 selecionar e Settings.exe.

[5] http://aprendolatex.ufrgs. [4] http://tug. INTRODUCAO ¸˜ 10 como criar macros pr´prias para facilitar o texto especificamente que vocˆ est´ o e a escrevendo.ctan.com/ .if.html Apostilas .ufmg.br/pub/latex/breve. ´ E grande a chance de que sua d´vida.wordpress.Universidade da Federal da Para´ ıba.uel. j´ tenha sido u a questionada e respondida por outras pessoas. ´ encontrar esta resposta rapidamente. material do professor Silvano Cesar da Costa [2] http://www2.pdf .br/~regi/topicos/intlat. Blogs A . O maior problema.CAP´ ITULO 1.org/usergroups.Universidade Estadual de Londrina.O que eu vou aprendendo em L TEX.Comprehensive Tex Archive Network. co e Don’t Panic! Abaixo vocˆ encontrar´ alguns links com informa¸˜es uteis a e a co ´ qualquer hora.TEX user groups around the world. material do professor Reginaldo de Jesus Santos [6] www. independente do que seja.br/pessoal/silvano/Apostila.CTAN .pdf . [3] The Not So Short IntroducA tion to L TEX2 uma das apostilas mais difundidas pelo mundo http://www.pdf .html .Universiade Federal de Minas Gerais. material do professor Lenimar Nunes de Andrade [1] http://lief.mat.org/tex-archive/info/lshort/english/lshort. dado o volume de informa¸˜es publicadas na internet.

podemos utilizar comandos globais.1 Tipos de texto Como j´ dissemos o comando \documentclass possui o parˆmetro classe que a a ´ obrigat´rio. a 2. e que define o estilo do texto. Segue abaixo um A esquema da estrutura de um texto escrito L TEX. etc.1. Entre esses dois comandos. cuja a sintaxe ´ e \documentclass[op¸~es]{classe} co onde op¸oes ´ um parˆmetro opcional. letter (carta). Agora chegou a hora de colocar A as m˜os na massa redigindo seu primeiro texto em L TEX. Os estilos mais comuns s˜o article e o a (artigo). \documentclass[op¸~es]{classe} co Comandos globais \begin{document} Comandos locais \end{document} 2. junto a comandos locais. tipo de papel. e o parˆmetro classe ´ obrigat´rio a e o e define o estilo do texto digitado (artigo. report (tese). que possuem apenas valor local. tese.Cap´ ıtulo 2 Criando um texto Depois de um grande cap´ ıtulo de lero-lero. book (livro) e slides (apresenta¸˜es). mas obrigaa a a toriamente devemos utilizar o comando \documentclass. O corpo come¸a sempre com o comando \begin{document} e termina com o c comando \end{document}. a A Um texto escrito em L TEX possui uma estrutura b´sica. co 11 . etc). que pode conter informa¸˜es sobre o c˜ e a co tamanho e tipo de fontes. Logo abaixo deste comando.1 Estrutura b´sica de um texto. fica o texto propriamente dito. O preˆmbulo possui v´rios comandos. que atuam em todo o texto. que ´ formada por a e um preˆmbulo e um corpo. livro.

2 Usando Pacotes A Para o uso de alguns recursos no L TEX ´ necess´rio a utiliza¸˜o de pacotes. podemos alter´-los com os a a a comandos que aparecem nas duas primeiras colunas da tabela abaixo. Inser¸ao de imagens branco c˜ \usepackage{graphicx} \usepackage{wrapfig} Tabelas branco \usepackage{bigstrut} Verbatim branco \usepackage{Verbatim} Bibliografia branco \usepackage{setspace} Endenta¸˜o branco ca \usepackage{indentfirst} ´ Indice remissivo branco \usepackage{makeidx} 2. a Use o comando \usepackage{pacote} no preˆmbulo. que produzem os tipos listados na ultima coluna: ´ {\rm {\bf {\sl {\sf {\it {\tt texto} texto} texto} texto} texto} texto} {\textrm {\textbf {\textsl {\textsf {\textit {\texttt texto} texto} texto} texto} texto} texto} texto texto texto texto texto texto . Segue abaixo os princo cipais pacotes. CRIANDO UM TEXTO 12 2.2. e a ca Por exemplo.CAP´ ITULO 2. na inser¸˜o de imagens.1 Formata¸˜o do texto ca Tipos de letras A V´rios tipos de letras s˜o utilizadas em L TEX. de preferˆncia logo a e abaixo do comando \documentclass[op¸~es]{classe}.1. no uso de tabelas e na utiliza¸˜o de ca ca ´ ındices precisamos incluir os pacotes no preˆmbulo do texto.2 2.

Veja um exemplo abaixo: Leia o texto abaixo: . (\rm Palavras} {\bf podem} {\sl ser} {\sf escritas} {\it em} {\sc v´rios} {\tt formatos. bom. para voltar a a cor original use o comando novamente com a cor original do texto.}) a 2. e Veja abaixo os comandos e seus respectivos resultados: {\tiny Texto} {\scriptsize Texto} {\footnotesize Texto} {\small Texto} {\normalsize Texto} {\large Texto} {\Large Texto} {\LARGE Texto} {\huge Texto} {\Huge Texto} Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto 2. Tente c˜ c˜ produzir o c´digo abaixo: o ´ Palavras podem ser escritas em varios formatos. tamb´m podemos alterar o tamanho da letra.2. para isso vocˆ precisar´ incluir os pacotes e a • \usepackage[dvips]{color} • \usepackage{color} no preˆmbulo e usar o comando \color{cor}.2.CAP´ ITULO 2. a Vocˆ pode usar as cores abaixo: e black red green blue cyan yellow magenta preto vermelho verde azul azul claro amarelo rosa Todo texto que estiver depois do comando color mudar´ de cor.2.1 Vejamos agora uma li¸ao sobre formata¸ao de textos. CRIANDO UM TEXTO 13 Exemplo 2.2 Tamanho da letra Assim como o tipo de letra.3 Cores A Algumas vezes queremos escrever textos coloridos em L TEX.

. subse¸˜es e subsubse¸˜es.1 Ambiente matem´tico a Texto 2 Letras gregas Texto 3 2 Textos em Microsoft Word Texto 4 .}. respectivamente.. cap´ co ıtulos.3 2.3. CRIANDO UM TEXTO Azul vermelho preto amarelo rosa verde azul claro.. Veja abaixo um exemplo: \section{Textos em $\LaTeX$} Texto 1 \subsection{Ambiente matem´tico} a Texto 2 \subsubsection{Letras gregas} Texto 3 \section{Textos em Microsoft Word} Texto 4 \subsection{Equation} Texto5 \subsection{Tabelas} Texto 6 Produz: A 1 Textos em L TEX Texto 1 1... O c´digo segue abaixo: o \color{red}Azul \color{yellow}vermelho \color{green}preto \color{blue}amarelo \color{cyan}rosa \color{magenta}verde \color{black}azul claro. 14 2. par´grafos a Se¸˜es co Um texto pode ser subdividido em se¸˜es.} e \subsubsection{. Fazemos co co co isso com os comandos \section{..CAP´ ITULO 2.}. \subsection{.1 Se¸˜es.

\section{Textos em $\LaTeX$} Texto 1 \subsection{Ambiente matem´tico} a Texto 2 Produz: Cap´ ıtulo 1 Criando textos Podemos criar textos interessantes.3.3 Abstract Geralmente em teses vocˆ encontra um texto chamado Abstract.2 Tabelas Texto 6 A Como vimos o L TEX enumera as se¸˜es e subse¸˜es deixando o seu texto mais co co organizado.3. 2.1 Equation Texto 5 2.1 Ambiente matem´tico a Texto 2 2. A 1.. para criar cap´ ıtulos. CRIANDO UM TEXTO 15 2.CAP´ ITULO 2.1 Textos em L TEX Texto 1 1. Veremos adiante que podemos dividir um texto de outras formas. Ent˜o na classe article utilize o comando a \begin{abstract}.. Segue abaixo um exemplo: ..2 Cap´ ıtulos Nas classes book e report podemos utilizar o comando \chapter{.1..\end{abstract}. Segue abaixo um exemplo: \chapter{Criando textos} Podemos criar textos interessantes.}. que ´ um e e resumo da mesma.

5 Partes Podemos criar partes em nossos textos com o comando \part{. The purpose of this paper is to prove a version of Conner and Floyd’s theorem for generalized manifolds. ıcil Estude mais agora E produz: A O in´ ıcio do uso do L TEX Primeiro contato Parte I .3.}. Segue abaixo o Exemplo: \paragraph{$\LaTeX$ no meio cient´fico\\} ı A O L TEX ´ uma forte ferramenta no meio cient´ e ıfico . \end{abstract} 16 E produz: Abstract.. 2... J.}. CRIANDO UM TEXTO \begin{abstract} H. Munkholm obtained a generalization for topological manifolds of the famous Borsuk-Ulam type theorem proved by Conner and Floyd..CAP´ ITULO 2..3. E produz: A L TEX no meio cient´ ıfico A O L TEX ´ uma forte ferramenta no meio cient´ e ıfico . Segue abaixo o exemplo: \part{Primeiro contato} A O in´ do uso do L TEX ıcio \part{Nem tudo s~o flores} a Chegamos na parte dif´ do curso.. Munkholm obtained a generalization for topological manifolds of the famous Borsuk-Ulam type theorem proved by Conner and Floyd. H. The purpose of this paper is to prove a version of Conner and Floyd’s theorem for generalized manifolds.. 2.4 Par´grafos a A Caso vocˆ queira criar um par´grafo o L TEX possui o comando e a \paragraph{.. J.

4 2. c Exemplo 2.CAP´ ITULO 2. Nem tudo s˜o flores a Parte II 2.2 Nova linha O final de linha pode ser sinalizado com duas barras invertidas consecutivas.4. Vocˆ pode ”quebrar” uma linha com e o comando \linebreak. separadas entre si por espa¸os. ou com um comando \newline.1 Espa¸os c Espa¸os em branco c Espa¸os em branco consecutivos s˜o considerados como se fossem um unico c a ´ espa¸o. produz: Texto com espa¸os c entre as palavras. e que difere dos comandos anteriores porque justifica a linha quebrada.4. ou seja \\ .1 O c´digo abaixo: o Texto Produz: Texto sem espa¸os entre as palavras. Como no c´digo abaixo: a c o O c´digo abaixo: o Texto \ \ \ \ com \ \ \ \ \ espa¸os \ \ \ \ \ entre \ \ as \ \ \ c palavras.4. 2. c A maneira de acrescentar espa¸os em branco ´ colocando no texto uma ou c e v´rias barras invertidas. Veja o exemplo abaixo: . CRIANDO UM TEXTO 17 Chegamos na parte dif´ do curso. Esıcil tude mais agora. sem espa¸os c entre as palavras.

description). Vejamos o exemplo deste texto que \linebreak quebra uma linha e a justifica. A a co seguir ´ apresentado alguns dos principais ambientes divididos em categorias: e alinhamento de texto (center. enumerate.5 Ambientes A estrutura de um texto em linguagem TEX ´ baseada em pequenos ame bientes. Em geral os ambientes s˜o iniciados e terminados da seguinte maneira: a .CAP´ ITULO 2. deste texto que 2. flushleft). flushright. estes ambientes tem parˆmetros de ajuste e fun¸˜es bem definidas. Veja o exemplo a abaixo: Vamos quebrar a p´gina. listas (itemize. agora \pagebreak \\ Viu? A p´gina foi quebrada. Vejamos o exemplo quebra uma linha e a justifica. a a Que produz: Vamos quebrar a p´gina. e por fim o verbatim. CRIANDO UM TEXTO 18 Vejamos o exemplo deste texto que \newline quebra uma linha. agora a Viu? A p´gina foi quebrada. Que produz: Vejamos o exemplo deste texto que quebra uma linha.3 Nova p´gina a Para quebrar uma p´gina utilize o comando \pagebreak.4. a 2.

ca a 2. a Este texto est´ centralizado. a \end{flushleft} \begin{center} Este texto est´ centralizado. ca Segue dois exemplos. formatam os trˆs tipos b´sicos e a de listas: itens. a Este texto est´ a direita. e a \begin{flushleft} Este texto est´ a esquerda. Caso vocˆ omita a a e A parˆmetros em ambientes que necessitem dos mesmos. enumerate e description Os ambientes itemize.5.2 Verbatim O ambiente verbatim ´ um ambiente especial. Todos os ambientes que trae balhamos at´ agora determinavam uma certa formata¸˜o ao texto. a direita e a esquerda. 2. O resultado impresso ser´ exatamente o texto escrito dentro do ca a ambiente.5. enumeradas e descritivas. a Observe que alguns ambientes n˜o requerem parˆmetros.5. Cada ca exemplo de comando ou sintaxe TEX encontrado nessa apostila ´ escrito dentro e de um ambiente verbatim. a Observe que ´ necess´rio terminar um ambiente iniciado.3 Listas: itemize. enumerate e description.1 Alinhamento Os principais tipo de alinhamentos s˜o: centralizado. a \end{center} \begin{flushright} Este texto est´ direita. a \end{flushright} O resultado dessa formata¸˜o ´ mostrado a seguir: ca e Este texto est´ a esquerda. seja s´ ımbolos ou texto. Para textos pequenos (uma linha por exemplo) existe uma abrevia¸˜o.CAP´ ITULO 2. o compilador L TEX usar´ a a a configura¸˜o padr˜o. e ca \end{ambiente}[par^metros] a 19 2. O ambiente ´ criado com o seguinte comando: e Para a confec¸˜o dessa apostila esse ambiente foi amplamente utilizado. a lista do tipo itemize ´ a lista mais simples e e . A formata¸˜o difere apenas no caracca t´r que inicia um novo item da lista. ao contr´rio e ca a do que temos visto esse novo ambiente produz um texto sem qualquer tipo de formata¸˜o. CRIANDO UM TEXTO \begin{ambiente}[especifica¸~o] ca Aqui vocˆ coloca o texto que recebera a formata¸˜o do ambiente.

e • Acidentalmente eu dividi por zero e ent˜o meu caderno pegou fogo. e \item Acidentalmente eu dividi por zero e ent~o meu caderno pegou fogo. seu texto . \textbf{Os Dez Mandamentos da Matem´tica} a \begin{enumerate} \item Come¸ar´s contagens pelo zero. CRIANDO UM TEXTO \begin{verbatim} . a enumerada usa a numera¸˜o ar´bica e a lista desa ca a critiva pode ser formatada com qualquer texto ou s´ ımbolo... \end{itemize} Desculpas por n˜o ter terminado a tarefa de matem´tica a a • Hoje ´ dia do professor...CAP´ ITULO 2. a a \item Usar´s letras gregas dif´ceis como vari´vel. \textbf{Desculpas por n~o ter terminado a tarefa de matem´tica} a a \begin{itemize} \item Hoje ´ dia do professor.] Um item descritivo com um s´mbolo num´rico ı e Observe que assim como os demais tipos de ambientes ´ poss´ e ıvel sobrepor v´rios tipos de listas e criar listas listas.. \item Um item qualquer de uma lista de item \item Um item semelhante para uma lista enumerada \item[0.. a ı a \item N~o esquecer´s o jacobiano. • Um cachorro comeu meu caderno. a a \end{enumerate} . a \item Eu coloquei meu trabalho dentro da garrafa de Klein. isto ´.. \item O cachorro comeu meu caderno. a e \item N~o dividir´s por zero. criar listas dentro de listas a e independente do tipo. c a \item Derivar´s e Igualar´s a zero. seu texto . \end{verbatim} \verb|. a • Eu coloquei meu trabalho dentro da garrafa de Klein. a a \item N~o esquecer´s a constante de integra¸~o. a a \item Amar´s ao C´lculo como a ti mesmo.. a a \item Honrar´s ´psilon e delta.| 20 e tem um caracter padr˜o. a a ca \item N~o levantar´s falso teorema. a a \item N~o perder´s a piada.

CAP´ ITULO 2. a a ca 4. \item[Uma prova simples:] Menos de um ter¸o da folha mas c requer dois anos extra de estudo apenas para compreender a sintaxe. a a 2. a a 7. mas se o come¸o estiver correto o resultado segue. Honrar´s ´psilon e delta. c a 1. a a 3. ´ verdade. a e 6. N˜o esquecer´s o jacobiano. a a \textbf{Defini¸~es usadas em uma aula de matem´tica} co a \begin{description} \item[Claramente:] Eu n~o estou com paci^ncia de escrever passo por passo. \item [Uma prova elegante:] N~o requer conhecimento pr´vio a e algum e tem menos de dez linhas. a a 5. c \item [Prova em duas linhas:] Eu vou deixar tudo como conclus~o. Os Dez Mandamentos da Matem´tica a 0. N˜o esquecer´s a constante de integra¸˜o. N˜o dividir´s por zero. a 8. CRIANDO UM TEXTO \verb|$x = \sqrt{3} + \pi \ y=a^b$| \begin{verbatin} $x = \sqrt{3} + \pi \ y=a^b$ \end{verbatin} x= √ √ 3 + π y = ab . a a 9. a e \item[Trivial:] Se eu tiver que provar isso voc^ deve estar na sala errada. 21 x= 3 + π y = ab . \item[Prova omitida:] Acreditem. ı \item[Uma dica:] Provavelmente o jeito mais complicado de provar. a c ı \item[Verifique:] Essa ´ a parte enfadonha da prova. \item[Pelo teorema anterior:] Eu n~o me lembro como chegamos a aqui (verfique!). e \end{description} . e \item [Sem perda de generalidade:] Certamente eu n~o sei a todos os casos ent~o fa¸o o primeiro e deixo como exerc´cio os restantes. N˜o levantar´s falso teorema. Come¸ar´s a contagem pelo zero. N~o estou certo do que temos feito at´ a e agora. Derivar´s e Igualar´s a zero. Amar´s ao C´lculo como a ti mesmo. Fa¸a e c como exerc´cio. a \item[Finalmente:] Apenas mais dez passos provando se e somente se pela contrapositiva e chegaremos ao resultado final. N˜o perder´s a piada. Usar´s letras gregas dif´ a ıceis como vari´vel.

Uma dica: Provavelmente o jeito mais complicado de provar. e . CRIANDO UM TEXTO Defini¸oes freq¨ entemente usadas em uma aula de matem´tica c˜ u a Claramente: Eu n˜o estou com paciˆncia de escrever passo a passo. ´ verdade. Uma prova simples: Menos de um ter¸o da folha mas requer dois anos extra c de estudo apenas para compreender a sintaxe. Pelo teorema anterior: Eu n˜o me lembro como chegamos aqui (verifique !) a N˜o estou certo do que temos feito at´ agora. a Finalmente: Apenas mais dez passos provando “se e somente se” pela contra positiva e chegaremos ao resultado final. ıcio Verifique: Essa ´ a parte enfadonha da prova. e 22 Sem perda de generalidade: Certamente eu n˜o sei todos os casos ent˜o fa¸o a a c o primeiro e deixo como exerc´ os restantes. mas se o come¸o estiver a e c correto o resultado segue. Prova omitida: Acreditem. Fa¸a como exerc´ e c ıcio. Uma prova elegante: N˜o requer conhecimento pr´vio algum e tem menos de a e dez linhas.CAP´ ITULO 2. Prova em duas linhas: Eu vou deixar tudo como conclus˜o. a e Trivial: Se eu tiver que provar isso vocˆ deve estar na sala errada.

ele fica preso. que ordena que todas as figuras e tabelas nas filas sejam posicionadas.1 c˜ e a a s˜o mostrados esses parˆmetros: a a Parˆmetro a h t b p ! Permiss˜o para posicionar o corpo flutuante . CRIANDO UM TEXTO 23 2. Se o float n˜o pode ser posicionado no lugar a especificado. O A ordem de ocorrˆncia dos corpos flutuantes ´ e e mantida estritamente. ca A Mesmo sendo poss´ ıvel dar ao L TEX uma unica possibilidade de posiciona´ mento. e inicia uma nova p´gina. a Dentro dos ambientes table e figure. o primeiro float ´ tratado como se tivesse ocorrido a e e A X tenta outra vez posicion´-lo de acordo com seu neste ponto do texto: o L TE a parˆmetro (exceto ’h’.6 Corpos flutuantes Corpos flutuantes s˜o figuras ou tabelas. posicionadas de maneira a otimizar a a ocupa¸˜o das p´ginas. e podem ser iniciados. Estes elementos n˜o podem conter quebras de p´gina. por isso uma figura que n˜o pode ser posicionada “atrasa” a a coloca¸˜o de todas as figuras seguintes. a na parte inferior de uma p´gina. os corpos flutuantes s˜o posicionados no a a a documento. da seguinte forma: a \begin{figure}[especifica¸ao] c~ \begin{table}[especifica¸~o ] ca ou Onde o especifica¸ao ´ um parˆmetro que o usu´rio define. a em uma p´gina especial contendo somente corpos flutuantes. por exemplo. isso causa problemas. que n˜o ´ mais poss´ a a e ıvel). ca a a a A e s˜o inseridos pelo L TEX em uma fila de coloca¸˜o.1: Parˆmetros de Posicionamento. . Na Tabela 2.CAP´ ITULO 2. bloqueando todos os corpos flutuantes seguintes. Qualquer novo float que ocorra ´ e colocado em sua respectiva fila. ele ´ inserido em uma fila de figuras ou de tabelas. que nas ultimas vers˜es do L TEX ca ´ o ´ substitu´ automaticamente por [ht]. Quando a e uma nova p´gina ´ iniciada. Funciona para pequenas tabelas ou figuras. . a sem considerar alguns parˆmetros que poderiam a impedir esse corpo de ser posicionado . Sob algumas circunstˆncias. a no lugar onde ocorreu no texto. ´ importante enca e e tender um pouco do mecanismo interno de posicionamento de floats. a A O L TEX posiciona todos floats que encontra de acordo com o parˆmetro a de posicionamento fornecido. pode-se e ıda a usar o comando \clearpage. Se um corpo flutuante n˜o puder ser colocado a na p´gina atual. podemos usar os seguinte comando para colocar um t´ ıtulo: \caption{texto} . Os corpos flutuantes s˜o ambientes. nunca deve-se usar a op¸˜o [h]. no topo de uma p´gina. Em A particular. Para evitar que os corpos flutuantes tornem-se uma grande fonte A de frustra¸˜o (o L TEX nunca os posiciona onde vocˆ deseja). Tabela 2. De acordo com alguns a ca parˆmetros especificados pelo usu´rio.

width (largura). Aqui.6. co a a O uso desse comando n˜o se restringe ao ambiente figure no entanto uma forma a eficiente de usar o \includegraphics ´ us´-lo em um ambiente figure. . a here (aqui) top (topo de uma p´gina) a bottom (ao fundo de uma p´gina) a page (em uma p´gina s´ com objetos flutuantes) a o esse comando pode ser usado junto com os acima para priorizar inserir o texto onde ele aparecer Tabela 2. . CRIANDO UM TEXTO 24 Ainda. . a \usepackage{graphicx} \usepackage[dvips]{graphicx} \usepackage[pdftex]{graphicx} A sintaxe do comando \includegraphicx ´ dada por e \includegraphics[op¸~es]{nome do arquivo. Portable Document Format . \caption{Legenda da figura} \label{marca} \end{figure} Parˆmetro a h t b p ! Permiss˜o para posicionar o corpo flutuante .CAP´ ITULO 2.exten¸~o} co ca As op¸˜es s˜o: height (altura). scale (escala). Neste caso. . . angle (ˆngulo).EPS. (comandos relacionados com a figura). e a ele pode ser referenciado mais facilmente. Assim. e a ca veremos agora como inserir texto ao redor de figuras e para isso precisaremos do pacote wrapfig. assim como um sum´rio e ıvel a da seguinte maneira: \listoftables \listoffigures 2. ´ poss´ criar listas dos corpos flutuantes.1 Figuras A Existem diversos pacotes para a linguagem L TEX que facilitam o trabalho de inserir figuras de diversos tipos e format´-las corretamente em seu texto. . pode ser legendado ou “flutuar” para um local conveniente no texto. tamb´m pode usado um parˆmetro opcional com o e a nome do driver a ser usado na convers˜o de DVI para PS ou PDF. Vamos trabalhar com formatos de figuras eps e pdf (Encapsulated PostScript . . a At´ agora temos visto comando b´sicos para inser¸˜o de figuras em texto.2: Alguns parˆmetros de posicionamento.PDF). para isso ser´ necess´rio ter instalado o pacote graphicx no preˆmbulo a a a do documento. \begin{figure}[posicionamento] . a trabalharemos com o ambiente figure para isso.

o meridiano ´ uma semie e circunferˆncia (180 graus). CRIANDO UM TEXTO 25 Figura 2.CAP´ ITULO 2.3: Alguns parˆmetros do ambiente wrapfig.} \end{figure} \begin{wrapfig}[nLinhas]{posicionamento}{largura} .5]{meridianos.1: Um exemplo de figura com legenda e v´rias figuras com escala: 0. Quando esse moe delo ´ uma esfera.3.5. ´ uma semi-elipse. 0. . .7.3]{meridianos.2: Figura ao lado de texto o ca e Em ambos os casos. a 0. a Parˆmetro opcional que define o n´mero de linhas do texto.3$. e ao equador. comandos. . .eps} \includegraphics[scale=0. $0. a Defini¸˜o: Meridiano (ou meridiano geca ogr´fico) ´ a linha imagin´ria que rea e a sulta de um corte efetuado num modelo geom´trico da Terra por um plano que e cont´m o seu centro. . . $0.5$. \begin{figure}[ht] \centering \includegraphics[scale=0. . \end{wrapfig} Parˆmetro a nLinhas r l i o largura Permiss˜o para posicionar o corpo flutuante .7$. o meridiano cont´m (wrapfigure) e os p´los e ´ perpendicular a todos os pao e ralelos.eps} \caption{Um exemplo de figura com legenda e v´rias figuras a com escala: $0.eps} \includegraphics[scale=0. quando ´ um e e elips´ide de revolu¸˜o. a u right (a direita) left (a esquerda) inside (dentro da p´gina) a outside (fora da p´gina) a largura da figura Tabela 2.7]{meridianos. Figura 2.

jpeg arq.3: Figura da esquerda Figura 2.6.pdf 2. A seguir os parˆmetros de a alinhamento e n´mero de colunas da tabela. as figuras tinham o formato .eps} \caption{Figura da esquerda} \label{fig:patu} \end{minipage} \hfill \begin{minipage}[b]{0.pdf. etc.eps ou convert arq.4: Figura da direita Observe que em todos os casos. Para converter imagens de outros formatos para esses formatos utilize o prompt de comando do sistema operacional linux com o comando: convert arq.CAP´ ITULO 2.4). CRIANDO UM TEXTO 26 2. deve-se usar um unico ambiente ´ figure e colocar nele as figuras dentro de ambientes mini-page. muito parecido com o ambiente array que ser´ abordado adiante esse ambiente comp˜e a o o texto em colunas e linhas.6. a % Duas figuras lado a lado \begin{figure}[!htb] \begin{minipage}[b]{0.eps} \caption{Figura da direita} \label{fig:catole} \end{minipage} \end{figure} Figura 2.eps ou . Cada mini-page pode ter suas pr´prias legendas.2 Mini-pages Para colocar duas ou mais figuras lado a lado. Para termic nar uma linha usa-se \\ e para separar as colunas &.45\linewidth} includegraphics[width=\linewidth]{patu. A seguir a formata¸˜o da Tabela (2.3 Tabelas Para formatar textos em tabelas iremos utilizar o ambiente tabular. r´tulos. A soma das larguras de todas as o o mini-pages n˜o deve ultrapassar o tamanho da linha atual (\linewidth).jpeg arq. Assim como outros ambientes anteriormente estudados existem parˆmetros espec´ a ıficos que determinam qual o alinhamento das colunas bem como quando come¸a e termina uma linha ou coluna.45\linewidth} \includegraphics[width=\linewidth]{catole. ca . u Para inserir bordas verticais na tabela adiciona-se | entre os parˆmetros a de alinhamento das colunas e \hline para bordas horizontais.

neste caso.5: Usando o ambiente table Tabelas mais sofisticadas mesclando linhas colunas ou parte delas podem ser feitas com os comandos \cline ou \multicolumn.4: Alguns parˆmetros do ambiente tabular para tabelas. \multicolumn{num_colunas}{alinhamento}{texto} \cline{coluna m a coluna n} .CAP´ ITULO 2. Segue um exemplo. Esse outro ambiente possui legenda e parˆmetro de ca a posicionamento semelhante a uma figura. CRIANDO UM TEXTO Parˆmetro a r l c Tipo de alinhamento right (a direita) left (a esquerda) center (centralizado) 27 Tabela 2. ca ca e A sendo que a tabela. “flutua” no texto e o L TEX escolhe a melhor localiza¸˜o para inseri-la. \begin{table}[!htb] \centering \begin{tabular}{l|r|c|r} \hline Esquerda & Direita & Centrado & Direita \\ \hline \hline Um & Dois & Tr^s & Quatro \\ e i & ii & iii & iv \\ \hline \end{tabular} \caption{Usando o ambiente \emph{table}} \label{tab:Tabe} \end{table} Esquerda Um 1 i Direita Dois 2 ii Centrado Trˆs e 3 iii Direita Quatro 4 iv Tabela 2. a \begin{tabular}{ll} Par^metro & Tipo de alinhamento \\ a \hline $r$ & right (a direita) \\ $l$ & left (a esquerda) \\ $c$ & center (centralizado) \\ \hline \end{tabular} Outra op¸˜o para a constru¸˜o de tabelas ´ dada pelo ambiente \begin{table}.

6: Sele¸˜o de p´s-graduandos ca o \begin{table}[!htb] \centering \begin{tabular}{|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|c|} \hline Atividades & \multicolumn{12}{|c|}{Meses} \\ \cline{2-13} & 1 & 2 & 3 & 4 & 5 & 6 & 7 & 8 & 9 & 10 & 11 & 12 \\ \hline 1 & & & X & X & & & & & X & X & X & \\ \hline 2 & & & X & X & X & X & X & X & X & X & X & \\ \hline 3 & & & X & X & & & & & & & & \\ \hline \end{tabular} \caption{\emph{Cronograma de Atividades 2008}} \end{table} Atividades 1 1 2 3 2 3 X X X 4 X X X 5 X Meses 6 7 8 X X X 9 X X 10 X X 11 X X 12 Tabela 2.7: Cronograma de Atividades 2008 2. que se encarrega de e . Sum´rio.CAP´ ITULO 2. CRIANDO UM TEXTO \begin{table}[!htb] \centering \begin{tabular}{c|l|l|c|c} \hline N´vel & Ano & Curso & Inscritos & Selecionados \\ ı \hline Mestrado & 2000 & Estat´stica & 15 & 10 \\ ı \cline{3-5} & & Gen´tica & 20 & 10 \\ e \cline{2-5} & 2001 & Estat´stica & 18 & 10 \\ ı \cline{3-5} & & Gen´tica & 15 & 10 \\ e \hline \end{tabular} \caption{Sele¸~o de p´s-graduandos} ca o \end{table} N´ ıvel Mestrado Ano 2000 2001 Curso Estat´ ıstica Gen´tica e Estat´ ıstica Gen´tica e Inscritos 15 20 18 15 Selecionados 10 10 10 10 28 Tabela 2. a Sum´rios e listas de figuras e tabelas s˜o criados de forma muito semelhante a a A A no L TEX.7.1 Finalizando um texto.7 2. A maior parte do trabalho ´ feita pelo L TEX.

o texto a ser impresso ıvel a e o n´mero da p´gina a ser impressa.toc (para a e a sum´rio). Se vocˆ quiser incluir qualquer outro texto ou comando. no arquivo que ´ posteriormente processado para e gerar o ´ ındice. figure. ıvel a a O comando acima gera. com dois argumentos: o texto e o n´mero da p´gina. que pode a A conter quaisquer comandos L TEX v´lidos. conforme ıvel e ıvel e apropriado. Para fazer isso. e ´ chapter. subsection. caso se deseje mudar a maneira como as linhas das a se¸˜es s˜o mostradas.CAP´ ITULO 2. ı u a um para cada tipo. ´ que s˜o respons´veis por formatar uma linha com uma e a a entrada no sum´rio.2 Configurando o Sum´rio a O sum´rio ou lista ´ gerado lendo-se um arquivo com a extens˜o . para isso ´ necess´rio rodar o L TE e e a e e uma modifica¸˜o no sum´rio seja inclu´ e apare¸a com o n´mero de p´gina ca a ıda c u a correto. use: e \addtocontents{toc}{texto} 2. a a adicione esse comando ap´s definir a se¸˜o: o ca \addcontentsline{toc}{n´vel}{texto} ı Onde n´ ´ o n´ da entrada. Mas em geral ele consistir´ de uma a a s´rie de linhas contendo o comando \contentsline: e \contentsline{n´vel}{texto}{p´gina} ı a Os argumentos s˜o o n´ da entrada (section. uma entrada usando o comando cujo funcionamento ´ descrito e mais adiante. . isso acontece com cap´ a ıtulos ou se¸˜es geradas com \chapter* co ou \section*. Esses comandos. Os comandos abaixo s˜o auto-explicativos. etc. deve-se alterar o comando \l@section.7. ´ tudo o que ´ necess´rio para a e e a incluir um sum´rio ou uma lista de figuras ou tabelas. co a O argumento texto de posteriormente passado para \l@n´vel) em geral tem ı a forma \numberline{n´mero}t´tulo u ı . subsection. esse a ıvel n´ determina o comando que ser´ chamado em seguida). section. respectivamente. texto ´ o texto que vai aparecer. n´ dever´ ser ent˜o figure ou table respectivamente.lot (para lista de tabelas). a \tableofcontents \listoffigures \listoftables ` A As vezes ´ necess´rio adicionar algo no sum´rio que o L TEX n˜o coloca por e a a a padr˜o.lof (para lista de figuras) ou . Em geral. u a O que o comando \contentsline faz ´ chamar um comando com o nome e \l@n´vel. Assim. que n˜o s˜o inclu´ a a ıdos no sum´rio por padr˜o. e ´ poss´ tamb´m usar o mesmo comando usando lof ou lot ao inv´s de toc e ıvel e e no primeiro argumento para incluir entradas na lista de figuras ou de tabelas. Por´m. CRIANDO UM TEXTO 29 coletar as entradas e gerar o sum´rio/lista incluindo os n´meros de p´gina correa u a A X duas ou at´ trˆs vezes para que tos.

um arquivo de extens˜o o a A . e a No local onde ser´ impresso o ´ a ındice.idx. caso o e e u ca comando \numberline seja usado. Para tanto criaremos uma base de dados com as obras e em um arquivo separado e somente as obras citadas e referenciadas no texto s˜o a inseridas no final do trabalho quando o comando de cria¸˜o ´ executado. identa¸˜o ´ o espa¸o deixado desde a margem esa ca e c querda. Os dois ultimos argumentos s˜o os mesmos ´ a de \l@n´vel.CAP´ ITULO 2. deve-se recompilar a a o c´digo para que seja criado. CRIANDO UM TEXTO 30 Para mostrar o n´mero da se¸˜o seguido do texto. A cria¸˜o do ´ ca ındice remissivo segue alguns passos e cria alguns arquivos no diret´rio do arquivo. quanto maior. Uma vez criado o arquivo .3em}} \renewcommand{\l@subsection}{\@dottedtocline{2}{2. a Tamb´m no preˆmbulo.7. e a Aqui apresentaremos uma maneira muito eficiente e inteligente de criar a lista de referˆncia de obras. 2. Ao ser criado o arquivo de extens˜o . basta executar o L TEX novamente para ter o´ ındice remissivo criado no lugar escolhido.5em}{2. use o seguinte comando no e ıdo preˆmbulo do seu trabalho. ele cria um arquivo e e de extens˜o . Para cada palavra que vocˆ quiser colocar e ´ preciso mape´-la no texto dessa maneira.idx.7. que gera uma linha pontilhada com o n´mero.8em}{3.4 Referˆncias bibliogr´ficas. ca e .2em}} 2.ind. a Comando \usepackage{makeidx} \makeidx \printindex \index{entrada} Lugar onde deve ser adicionado No preˆmbulo. ı ca Eis alguns exemplos: \renewcommand{\l@section}{\@dottedtocline{1}{1.idx.3 ´ Indice remissivo.ind. texto e n´mero u u da p´gina: a \@dottedtocline{n´vel}{identa¸~o}{largura}{texto}{p´gina} ı ca a Os argumentos s˜o: n´ a ıvel ´ o n´ e ıvel num´rico da se¸˜o. e a Tabela 2. e ca mais aninhada ela est´. u ca Um comando util na defini¸˜o dos comandos \l@n´vel ´ ´ ca ı e \@dottedtocline. o que facilita a defini¸˜o dos comandos. A Quando o pacote makeid ´ usado e o L TEX ´ executado. Um ´ o ındice remissivo ´ constru´ usando-se o pacote makeidx.8: Como adicionar um ´ ındice remissivo. Entenda porque ´ necess´rio compilar seu c´digo algumas o e a o vezes para que o ´ ındice aparece no lugar desejado. largura ´ a largura do box que cont´m o n´mero da se¸˜o. O´ ındice remissivo ´ aquele ´ e ındice que fica no final do trabalho e remete aos t´picos desenvolvidos no trabalho na ordem em que eles aparecem. a partir do arquivo .

Devemos em primeiro lugar definir o estilo de bibliografia. Pode parecer a forma mais dif´ de a ıcil o fazer mas a verdade ´ que podemos criar uma base de dados que serve para e v´rios documentos e portanto poupamos trabalho para o futuro. vamos com certeza querer cit´-los no documento.bib. Para e ıvel isso fazemos o seguinte: • Criamos um novo documento e gravamo-lo com o nome que quisermos mas com a extens˜o .bib e 31 A As bibliografias em L TEX s˜o formatadas automaticamente. devem inserir a bibliografia. • Depois de escolhermos que tipo de documento queremos referir. onde nome ca ser´ a identifica¸˜o dada na base de dados ` obra em quest˜o.html. no local devido.stir. • Depois de feita a inser¸˜o dos dados bibliogr´ficos gravamos o ficheiro . Isso faz-se com a linha: ca \bibliographystyle{estilo} Os estilos dispon´ ıveis s˜o imensos e podem encontrar alguns exemplos em a http://www. a A ´ poss´ utilizar o editor de L TEX para criar a nossa base de dados.bib ca a e mantemo-lo aberto enquanto trabalhamos no documento . Se n˜o quisermos prec ca a encher alguma dessa informa¸˜o. ca a A ´ poss´ editar o arquivo . apagamos toda a linha onde ela deveria ca constar.uk/ kjt/software/latex/showbst.CAP´ ITULO 2. sendo apenas a necess´rio introduzir os dados corretamente.bib e Depois de concebida a base de dados com todos os dados bibliogr´ficos dos a livros que queremos referir. CRIANDO UM TEXTO Criando a base de referˆncias no arquivo bibliografia. introduzimos: \bibliography{bibliografia} A cita¸˜o das obras em si faz-se usando o comando \cite{nome}. a A verdade ´ que esses dados podem ser introduzidos de maneiras distintas. e ıvel Inserindo referˆncias do arquivo bibliografia. a Para isso temos que seguir alguns procedimentos.cs.bib. a formata¸˜o. Depois.ac. completamos os espa¸os com as informa¸˜o que tivermos.bib. ou seja. e uma das melhores maneiras de o fazer ´ criando uma base de dados com todos e os dados bibliogr´ficos que vamos utilizar.bib em alguns editores L TEX como o WinEdit. Exemplo: bibliografia. a ca a a . a • Depois introduzimos os itens de bibliografia que queremos.tex para que a cita¸˜o seja mais r´pida. Supondo que a base de dados se chama bibliografia.

o Cifr˜es Duplos o Cifr˜o duplo ´ usado quando queremos inserir um objeto matem´tico em a e a destaque fora de um texto comum.x + 1$. Toda f´rmula deve ser digitada no modo matem´tico.1 Produzindo um Texto Como j´ foi dito. Mais a diante veremos que estes cifr˜es o mudam alguns comandos.Cap´ ıtulo 3 Ambiente Matem´tico a Estamos num ambiente matem´tico quando usamos cifr˜es $. e Cifr˜es Simples o Cifr˜o simples ´ o m´todo mais utilizado para fazer um texto matem´tico. a e e a o usamos quando queremos inserir um objeto matem´tico dentro de um texto a comum. a 3.. Temos agora um texto comum com o polin^mio $x^{2} . podemos utilizar trˆs a a e m´todos. Temos agora um texto comum com o polin^mio $$x^{2} .x + 1$$.1 Principais Elementos Vejamos nesta se¸˜o os alguns dos principais elementos de um ambiente maca tem´tico. $$ a o ou \begin{equation}.$.1. a 3. vea o a remos nos t´picos a seguir como podemos criar nossas f´rmulas e express˜es o o o matem´ticas.. para produzir um texto matem´tico. $$ .... o E logo abaixo o texto formatado: Temos agora um texto comum com o polinˆmio x2 − x + 1.. o 32 .\end{equation}. neste ambiente as letras assumem o formato it´lico.

Se quisermos que a letra seja mai´scula.2 Letras gregas Letras gregas s˜o produzidas.x + 1 \end{equation} E logo abaixo o texto formatado: Temos agora um texto comum com o polinˆmio o x2 − x + 1 (3. numerando a o equa¸˜o ou f´rmula. AMBIENTE MATEMATICO E logo abaixo o texto formatado: Temos agora um texto comum com polinˆmio o x2 − x + 1. mas algumas delas s˜o produzidas com um formato a um pouco diferente. ent˜o devemos u a escrevˆ-la com letras min´sculas.1) 3. dee u u vemos escrever apenas a primeira letra mai´scula e as demais min´sculas.1. Ambiente Equation 33 O Ambiente equation produz o mesmo que os cifr˜es duplos. \alpha α \xi \beta β \o \gamma γ \pi \delta δ \varpi \epsilon ǫ \rho \varepsilon ε \varrho \zeta ζ \sigma \eta η \varsigma \theta θ \tau \vartheta ϑ \tau \iota ι \upsilon \kappa κ \phi \lambda λ \varphi \mu µ \chi \nu ν \omega Min´ sculas u ξ ø π ̟ ρ ̺ σ ς τ τ υ φ ϕ χ ω .em geral. por isso segue abaixo u uma tabela exemplificando e mostrando as poss´ ıveis letras gregas que podem ser produzidas. colocando uma barra invertida antes a do nome da respectiva letra.´ CAP´ ITULO 3. Se quisermos produzir uma letra min´scula. N˜o u u a podemos produzir todas as letras gregas em mai´sculo. ca o Temos agora um texto comum com o polin^mio o \begin{equation} x^{2} .

´ CAP´ ITULO 3. $X^{k}$ $X_{k}$ Xk Xk 3.3 Fra¸˜es co $\frac{numerador}{denominador}$ Fra¸˜es s˜o facilmente constru´ co a ıdas com o comando: 3. Vejamos agora o c´digo para escrevermos o a o este tipo de texto. produt´rios. por exemplo o polinˆmio P (x) = x2 ou a vari´vel x2 .2 Expoentes e ´ Indices Muitas vezes utilizamos vari´veis com expoentes ou ´ a ındices. uni˜es e intersec¸˜es juno o o co tos.5 Somat´rios. Vejamos abaixo os comandos a $\sum_{limite inferior}^{limite superior}$ $\prod_{limite inferior}^{limite superior}$ $\bigcup_{limite inferior}^{limite superior}$ $\bigcap_{limite inferior}^{limite superior}$ Exemplo 3. AMBIENTE MATEMATICO \Gamma Γ \Lambda \Sigma Σ \Psi \Delta ∆ \Xi \Upsilon Υ \Omega \Theta Θ \Pi \Phi Φ Mai´ sculas u Λ Ψ Ξ Ω Π 34 3. uni˜es e intersec¸˜es o o o co Mostraremos como fazer somat´rios. pois suas sintaxes s˜o muito parecidas.4 Ra´ ızes $\sqrt{radicando}$ Ra´ ızes quadradas s˜o constru´ a ıdas com comando: Se quisermos construir uma raiz n-´sima utilizamos o comando: e $\sqrt[n]{radicando}$ 3.1 Vejamos agora um exemplo mostrando a aplica¸ao dos comanc˜ dos.5. $\sum_{n=0}^{\infty}$ $\prod_{n=1}^{5}$ $\bigcup_{n=0}^{100}$ $\bigcap_{n=0}^{\infty}$ . produt´rios.

6 Limites. podemos escrever de outra forma. Exemplo 3. preservando o tamanho do s´ ımbolo e o deixando na mesma linha de um texto comum.5. derivadas e integrais N˜o se assuste! N˜o faremos aqui um curso de c´lculo.1 Limites De modo geral. Faremos um exemplo. uma uni˜o a n=1 n=0 e uma intersec¸ao c˜ . n=0 3.3 Um somat´rio o ∞ .6.5. a 3. apenas mostraremos a a a como escrever os objetos mais importantes de um curso de c´lculo.De um modo geral. 3.5. AMBIENTE MATEMATICO O c´digo acima produz: o ∞ n=0 5 n=1 100 n=0 ∞ n=0 35 Se usarmos dois cifr˜es aumentaremos o tamanho dos s´ o ımbolos. a posi¸˜o dos indices sem deix´-lo sozinho numa linha. mas os deixaremos destacados numa linha. vejamos abaixo o comando para escrever um limite e observemos que n˜o ´ muito diferente dos outros que j´ estudamos. no entanto.1 displaystyle Como dissemos o comando display altera o tamanho do s´ ımbolo. ca a mostrando como isso acontece.2 Texto comum com um somat´rio $$\sum_{i=0}^{\infty}a_{i}$$ o O c´digo acima produz: o Texto comum com um somat´rio o ∞ ai i=0 O mesmo efeito acontece se usarmos o ambiente equation. ∞ 5 100 Exemplo 3. os comandos no ambiente matem´tico n˜o s˜o muito difea a a rentes. temos o a e a c´digo: o $\lim_{vari´vel\to valor}fun¸~o$ a ca $\lim_{x \to a}f(x)=f(a)$ $\displaystyle \lim_{x \to a}f(x)=f(a)$ limx→a f (x) = f (a) lim f (x) = f (a) x→a . bem como.´ CAP´ ITULO 3. um produt´rio o n=1 .

y)dy C f (u)g(v)dudv Ω Como vimos acima. ´ bom leme brar que a utilizando o expoente ^{’} podemos escrever as derivadas de uma fun¸˜o de uma vari´vel.6.´ CAP´ ITULO 3.3 Integrais O comandos para integrais s˜o muito parecidos com os de somat´rio. mas estamos interessados em outras nota¸˜es.5. $\int_{limite inferior}^{limite superior}$ $\int_{a}^{b}$ f(x)= F(a)-F(b)$ $\displaystyle \int_{a}^{b} f(x)= F(a)-F(b)$ $\displaystyle \int_{a}^{\infty} f(x)= \displaystyle \lim_{b \to \infty} \displaystyle \int_{a}^{b}$ $\displaystyle \oint_C u(x. c . y) dx + v(x. Segue abaixo o comando a o geral para construir integrais. AMBIENTE MATEMATICO 36 3.6. y)dx + v(x. devemos utilizar \! para u diminuir os espa¸os entre as integrais. quando usamos integrais m´ltiplas.2 Derivadas Veremos agora os comandos para podermos escrever derivadas. ca a co $\frac{dy}{dx} $\frac{\partial f}{\partial x}(a. b)$ $f^{’}(x)+f^{’’}(x)+f^{’’’}(x)$ dy dx ∂f ∂x (a. b) f (x) + f (x) + f (x) ′ ′′ ′′′ 3. y)dy$ $\displaystyle \int \! \! \! \int_\Omega f(u)g(v) du dv$ b a f (x) b a = F (a) − F (b) f (x) = F (a) − F (b) ∞ b f (x) = lim a b→∞ a f (x) u(x. ent˜o a o a esta parte ser´ praticamente um ”review” t´pico 3.

Segue abaixo O exemplo abaixo mostra como podemos utilizar este comando $${n+1\choose k}={n\choose k}+{n\choose k-1}$$ e produz n+1 k = n n + k k−1 3.. para isso use o comando a \mbox{texto}. Segue abaixo os comandos: $\cdot$ $\ldots$ $\cdots$ $\vdots$ $\ddots$ · . veremos como criar a alguns deles. Vejamos agora como criar espa¸os verticais e horizontais num texto. \vspace e \hspace. . espa¸os e texto no modo matem´tico c a Geralmente em textos matem´ticos utilizamos pontos. enquanto c hspace{0. como o comando geral: {n \choose k} . segue abaixo a sintaxe geral: $\vspace{espa¸o}$ c $\hspace{espa¸o}$ c Por exemplo \vspace{1cm} gera um espa¸o vertical de 1 cm. ··· .´ CAP´ ITULO 3. n˜o conseguimos utilizar os comando c a a acima. . Por exemplo: \hspace*{3cm} Podemos escrever textos em ambientes matem´ticos. . x1 = 2a 2a . c Quando come¸amos um par´grafo.7 Coeficientes binomiais n k Vejamos agora como produzir coeficientes binomiais... $$ √ √ −b + b2 − 4ac −b − b2 − 4ac e x2 = . . Tec mos basicamente dois comandos. AMBIENTE MATEMATICO 37 3. ent˜o podemos for¸ar um espa¸amento incluindo * depois dos comana c c dos.8 Pontos. Veja o exemplo abaixo: $$ x_{1}=\frac{-b-\sqrt{b^{2}-4ac}}{2a} \quad\mbox{e}\quad x_{2}=\frac{-b+\sqrt{b^{2}-4ac}}{2a}.5 cm.5cm} gera um espa¸o horizontal de 0.

= ∝ < ⋄ △ ▽ ⊳ ⊲ ⊳ ⊲ $\oplus$ $\ominus$ $\otimes$ $\oslash$ $\odot$ $\bigcirc$ $\dagger$ $\ddagger$ $\amalg$ ⊕ ⊖ ⊗ ⊘ ⊙ † ‡ ∐ |= ⊥ | ⊲⊳ ⋊ ⋉ ⌣ ⌢ = > ↑ ⇑ ↓ ⇓ ր ց ւ տ $\leq$ $\prec$ $\preceq$ $\ll$ $\subset$ $\subseteq$ $\sqsubset$ $\sqsubseteq$ $\in$ $\vdash$ $\models$ $\perp$ $\mid$ $\parallel$ $\bowtie$ $\Join$ $\smile$ $\frown$ = > $\leftarrow$ $\Leftarrow$ $\rightarrow$ $\Rightarrow$ $\leftrightarrow$ $\Leftrightarrow$ $\mapsto$ $\hookleftarrow$ $\leftharpoonup$ $\leftharpoondown$ $\rightleftharpoons$ Flechas $\longleftarrow$ $\Longleftarrow$ $\longrightarrow$ $\Longrightarrow$ $\longleftrightarrow$ $\Longleftrightarrow$ $\longmapsto$ $\hookrightarrow$ $\rightharpoonup$ $\rightharpoondown$ $\leadsto$ ←− ⇐= −→ =⇒ ←→ ⇐⇒ −→ ֒→ ⇀ ⇁ $\uparrow$ $\Uparrow$ $\downarrow$ $\Downarrow$ $\updownarrow$ $\Updownarrow$ $\nearrow$ $\searrow$ $\swarrow$ $\nwarrow$ Miscelˆnea de S´ a ımbolos . a o leitor n˜o precisa se preocupar em memorizar estes s´ a ımbolos.´ CAP´ ITULO 3. AMBIENTE MATEMATICO 38 3.9 S´ ımbolos matem´ticos a Exibiremos agora algumas tabelas com os principais s´ ımbolos matem´ticos. e $\pm$ $\mp$ $\times$ $\div$ $\ast$ $\star$ $\circ$ $\bullet$ $\cdot$ ± ∓ × ÷ ∗ ⋆ ◦ • · S´ ımbolos de Opera¸oes Bin´rias c˜ a $\cap$ ∩ $\diamond$ $\cup$ ∪ $\bigtriangleup$ $\uplus$ ⊎ $\bigtriangledown$ $\sqcap$ ⊓ $\triangleleft$ $\sqcup$ ⊔ $\triangleright$ $\vee$ ∨ $\lhd$ $\wedge$ ∧ $\rhd$ $\setminus$ \ $\unlhd$ $\wr$ ≀ $\unrhd$ ≤ ≺ ≪ ⊂ ⊆ ⊏ ⊑ ∈ ⊢ S´ ımbolos de $\geq$ $\succ$ $\succeq$ $\gg$ $\supset$ $\supseteq$ $\sqsupset$ $\sqsupseteq$ $\ni$ $\dashv$ ← ⇐ → ⇒ ↔ ⇔ → ←֓ ↼ ↽ ⇋ Rela¸oes c˜ ≥ $\equiv$ ≻ $\sim$ $\simeq$ ≫ $\asymp$ ⊃ $\approx$ ⊇ $\cong$ ⊐ $\neq$ ⊒ $\doteq$ ∋ $\propto$ ⊣ < ≡ ∼ ≃ ≍ ≈ ∼ = = . pois os editores A de L TEX os cont´m.

\cal{A} \mathcal{B} \mathbb{N} A B N 3. exp.11 Fun¸˜es Matem´ticas co a A O L TEX possui v´rios tipos de fun¸˜es pr´-definidas como log.... ∀ ∃ ¬ ♭ ♮ ♯ \ ∂ + 39 . AMBIENTE MATEMATICO . ∞ ♦ △ ♣ ♦ ♥ ♠ - 3. u a Os mais usados podem ser usados tipos caligr´ficos ou tipos para denotar cona juntos num´ricos. cos. $\vdots$ $\forall$ $\exists$ $\neg$ $\flat$ $\natural$ $\sharp$ $\backslash$ $\partial$ + $\ddots$ $\infty$ $\Box$ $\Diamond$ $\triangle$ $\clubsuit$ $\diamondsuit$ $\heartsuit$ $\spadesuit$ - . pode-se defini-lo facilmente com o ca a e comando \textrm{nome dafun¸~o}.´ CAP´ ITULO 3. . Importante notar que alguns tipos requerem a instala¸˜o de e ca pacotes tais como amssymb.10 Mudan¸a dos Tipos de Letras no Modo Mac tem´tico a Diversos tipos de letras mai´sculas podem ser usados no modo matem´tico. ··· ′ ∅ ∇ √ ⊤ ⊥ ∠ . Se a co e o nome da fun¸˜o n˜o estiver pr´-definido. ℵ ı  ℓ ℘ ℜ ℑ ℧ $\cdots$ $\prime$ $\emptyset$ $\nabla$ $\surd$ $\top$ $\bot$ $\|$ $\angle$ . $\ldots$ $\aleph$ $\hbar$ $\imath$ $\jmath$ $\ell$ $\wp$ $\Re$ $\Im$ $\mho$ . \log \cos \sin \tan \cot \sec \csc \cosh \sinh \tanh \max \lg \sup \dim log cos sin sin cot sec csc cosh sinh tanh max lg sup dim \exp \arccos \arcsin \arctan \textrm{arccot} \textrm{arcsec} \textrm{arccsc} \textrm{arccosh} \textrm{arcsinh} \textrm{arctanh} \min \ln \inf \det exp arccos arcsin arctan arccot arcsec arccsc arccosh arcsinh arctanh min ln inf det . . A seguir alguns exemplos de fun¸˜es do ca co A L TEX.

13 Parˆnteses.12 Ambiente Equation Em um texto matem´tico ´ comum criar equa¸˜es e f´rmulas. ajustando-se a automaticamente ao tamanho da f´rmula. exceto aquelas assinaladas ca com um comando \nonumber.2) O ambiente eqnarray pode ser usado para numerar f´rmulas longas. e . No entanto o e tamanho dos delimitadores ´ controlado manualmente. \begin{eqnarray} x & = & a +b+c+d+\nonumber \\ & & e + f + g + h + i \\ & > & y + z + 1 \end{eqnarray} x = a+b+c+d+ e+f +g+h+i > y+z+1 (3. . Os delimitadores mais usados s˜o os o a parˆnteses os colchetes e as chaves. \right} Outra maneira de utilizar esses delimitadores ´ dada abaixo. \right) \left[ . . . .3) (3. colchetes e chaves em f´rmulas e o Alguns delimitadores podem ser usados em v´rios tamanhos. AMBIENTE MATEMATICO 40 3. Cada final de linha recebe uma numera¸˜o. Para fazer essas referˆncias utiliza-se o comando label e assim como em figuras ou tabelas. comentar ou referenciar estas f´rmulas e equa¸˜es e e a o co A anteriormente definidas. por vezes a e co o tamb´m ´ necess´rio citar. . Sua sintaxe ´ parecida com a do ambiente e array. \begin{equation} a2 + b2 = c2 \end{equation} \label{eq:pitagoras} a2 + b2 = c2 (3. Em L TEX o ambiente equation ´ uma estrutura para e definir essas equa¸˜es e f´rmulas.4) 3. que se o “espalha” por mais de uma linha.´ CAP´ ITULO 3. \right] \left{ . A numera¸˜o ´ autom´tica e a equa¸˜o pode co o ca e a ca ser facilmente referenciada no texto com o mesmo comando de referˆncias ane teriormente estudado. O Equation ´ muito mais do que um simples e Displaymath. e \left( . .

. Para separar as colunas usamos o s´ ımbolo & e para finalizar uma linha usamos o s´ ımbolo \\. para gerar uma flecha maior sobre a express˜o vetorial. A matriz ´ a e uma tabela de dados na qual podemos inserir s´ ımbolos matem´ticos sem nos a preocupar em usar o s´ ımbolo $ unico fato que o difere do ambiente tabular ´ anteriormente estudado.´ CAP´ ITULO 3. Para colocar apenas uma barra superior sobre uma letra a ou uma express˜o use o comando \bar seguido da letra ou a \overline{express~o}. Para cada coluna da matriz podemos definir o alinhamento dos dados com uma letra: c para centralizar. AMBIENTE MATEMATICO \big( . \bigg) \Big( . l para alinhar a esquerda e r para alinhar a direita. observe que n˜o existe ca a a uma unica maneira de formatar textos no entanto existe uma forma melhor para ´ .bi \overline{z+2w} v w −− − − − − −→ 2a + b − c z = a − bi ¯ z + 2w 3. \big) \bigg( . . . a \vec{v} \vec{w} \overrightarrow{2a+b-c} \bar z = a . Dentro desse ambiente a A n˜o ´ permitido “pular linha” e assim como no restante do c´digo L TEX valem a e o as regras de espa¸o horizontal. .15 Matrizes A As matrizes s˜o escritas em L TEX dentro do ambiente array. De maneira an´loga ao ambiente tabular. . Uma matriz ´ escrita da seguinte maneira: c e \left( \begin{array}{ccc} 1 & 0 & 0 \\ 0 & 1 & 0 \\ 0 & 0 & 1 \\ \end{array}\right)   1 0 0  0 1 0  0 0 1 \left| \begin{array}{cc} \displaystyle\frac{\partial \displaystyle\frac{\partial \displaystyle\frac{\partial \displaystyle\frac{\partial \end{array} \right| u}{\partial u}{\partial v}{\partial v}{\partial x} & y}\\ x} & y}\\ ∂u ∂x ∂v ∂x ∂u ∂y ∂v ∂y A generaliza¸˜o desses conceitos vem com a pr´tica. . \Big) 41 3.14 Vetores Os vetores podem ser constru´ ıdos com o comando \vec seguido da letra ou com um comando do tipo \overrightarrow{}.

|x| = +1 −1 se x ≥ 0. . u (para cima). No caso da constru¸˜o de diagramas. am2 & & & . amn } As entradas do \xymatrix podem ser vazias ou seguidas de .16 Diagramas X -pic Y Para a constru¸˜o de diagramas e grafos usaremos o pacote de comandos ca X -pic... 3. . r (para a direita) ou por combina¸˜es. \end{array} \right. am1 & & & a12 a22 ..´ CAP´ ITULO 3. . Por isso n˜o se assuste com o tamanho ou a complexidade dos a a c´digos. . e e c˜ |x| = \left\{ \begin{array}{ll} +1 & \mbox{ se } x \geq 0. Faremos aqui uma introdu¸˜o ao uso deste recurso. as s˜o molduras ou setas nos mais diversos estilos... devemos ca a Y colocar no preˆmbulo do documento o comando a \usepackage[all]{xy}. Sua sintaxe ´ e Y A X: ´ parecida com a do \array do L TE e \xymatrix{ a11 a21 . se x < 0. Vejamos abaixo exemplos de combina¸˜es destas dire¸˜es: co co co lu _? u ru O ~> ?? ~~ ?? ~~ ?? ? ~~~ /r •@ lo  @@@  @@  @@    d ld Vejamos agora um exemplo: \xymatrix{ A \ar[r] D \ar[rd] H du & & & B \ar[r] E \ar[ru] I \ar[l] & & & C \\ G \ar[u]\\ J} ..1 O comando xymatrix O unico comando do X -pic que vamos explorar ´ o \xymatrix. . Para us´-lo. .16. 3. \\ -1 & \mbox{ se } x < 0. .. . . . o Esse ambiente matricial tamb´m ´ usado para definir fun¸oes por partes. AMBIENTE MATEMATICO 42 cada ocasi˜o. ca a dire¸˜es e sentidos. cuja sintaxe co e ıda em sua forma mais simples ´: \ar[dire¸~o] onde a dire¸˜o ´ definida pelas e ca ca e letras d (para baixo). l (para a esquerda). Uma seta ´ constru´ com um comando \ar. & & & a1n \\ a2n \\ .

16. aprendemos como escrever ´ ındices. A unica restri¸˜o ao uso ´ ca das setas.1 Os conceitos de “´ndice superior” e “´ndice inferior” depenı ı dem dos sentidos das setas. junto ao comando \ar. Vejamos um exemplo abaixo: ı \xymatrix{ A \ar[r]^{f} C \ar[u]^{g} \ar[u]_{ru} & & B \\ } A O g C /B ~> ~ ~~ ~~ h ~ f Exemplo 3. que partem de A para B e B para A. Vejamos mais um exemplo do uso de flechas: \xymatrix{ A \ar[r]\ar[d] C \ar[u] & & B \\ D \ar[u] } A@ O C  /B O @@ @@ @@ D 3.´ CAP´ ITULO 3.16. Neste exemplo. a ı enquanto que os “i” s˜o inferiores.2 Expoentes e ´ ca ındices. a \xymatrix{ & A \ar[r]^{s}_{i} & D \\ & & E} B \ar[d]^{s}_{i}\ar[u]^{s}_{i} C \ar[l]^{s}_{i} \\ . AMBIENTE MATEMATICO Que produz: A DA Ho /B /C ~> O ~ ~~ ~~ ~ 43 E I G J AA AA AA A Podem partir v´rias setas de um mesmo elemento ou flechas com dois sena tidos. a nomenclatura ´ a mesma. todos os “s” s˜o ´ndices superiores.2 ´ Indices nas setas Na Se¸˜o 3. ´ que elas devem apontar para uma entrada que realmente exista na e matriz. utilizamos ^{} para ´ndices superiores e _{} para e ı ´ndices inferiores. ou seja.

e • cauda ou cabe¸a podem ser um dos caracteres ><ox+/()[]— ou espa¸o em c c branco. Vejac e mos abaixo os parˆmetros que podem ser utilizados. \ar[r]|f mostra um f sobre ı e uma seta como em U f / V . AMBIENTE MATEMATICO 44 D O s i A s i /Bo i s i s C E Ainda podemos utilizar. ^.3 Estilos das setas Podemos mudar o estilo de uma seta com o uso do comando @variante{cauda haste cabe¸a}. 2 ou 3. no lugar de “ ^” e “ _” o parˆmetro “ |”.16. Por exemplo. a o Vejamos agora exemplos de aplica¸oes dos parˆmetros acima. que ´ adicionado ao comando \ar. • haste pode ser um dos caracteres ~.:-= Veja a tabela abaixo com alguns exemplos: . Quando as entradas no comando \xymatrix s˜o muito extensas o ´ndice n˜o a ı a fica centralizado.´ CAP´ ITULO 3. ent˜o o a a ´ndice ´ produzido dentro da seta. para isso utilize o parˆmetro “-” ap´s “^” ou “ _”. c˜ a A \times B \times C \ar[r]|f & D A \times B \times C \ar[r]|-f & D A \times B \times C \ar[r]^{f \circ g} & D A \times B \times C \ar[r]^-{f \circ g} & D A×B×Cf A×B×C A×B×C A×B×C f ◦g f ◦g  /D f /D /D /D 3. a • variante ´ opcional e pode ser um dos caracteres _ .

o} @{=} @{|->>} @{(=)} @{^{(}->} @2{~>} @3{-} @_{->} @_{<->} @/_/ A \ar estilo [r] B /B A +3 B A /B A A /o /o /o / B /B A ◦B A B A  //B A  ?_B A  /B A A /o /o +3 B B A /B A /B Ao A 5B estilo @{-->} @{==>} @{:>} @{~~>} @{^{(}-o} @{||. AMBIENTE MATEMATICO 45 estilo @{->} @{=>} @{.´ CAP´ ITULO 3.)} @{|-x} @{|.+} @{|->|} @{{*}-{*}} @3{<->} @3{.>} @^{->} @^{<->} @/^/ A \ar estilo [r] B A _ _ _/ B A _ _ _ +3 B +3 B A /o / B A /o  ◦B A  ?_B A  ? B A   _B A  / B A • •B A jt A _ _*4 B _*4 B A /B A /B Ao ) B A .>} @{~>} @{-} @{.

A [6] Santos. O que eu vou aprendendo em L TEX. C. Introdu¸ao ao L TEX.Referˆncias Bibliogr´ficas e a A [1] Andrade. C. T. A. A. 2000. Curso de introdu¸ao ao L TEX. c˜ A [3] Network. C. c˜ 46 . Uma breve introdu¸ao ao L TEX. 2008. C. 2008. 2002. 2003. L. A. A [5] Neves. TEX user groups around the world. The Not So Short Introduction to L TEX. R. 2003. [4] Network. c˜ A [2] Costa. S. T.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful