P. 1
002 Estetica Contemp

002 Estetica Contemp

|Views: 64|Likes:
Published by Marco Costa

More info:

Published by: Marco Costa on Apr 09, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/10/2013

pdf

text

original

estética

::
crise e problemas da estética contemporânea

IPB :: ESE :: DAV :: MARCO COSTA

.estética :: crise e problemas da estética contemporânea A autonomização das práticas artísticas relativamente a quaisquer normas apriorísticas e a demolição sistemática de todas as categorias tradicionais. não teria qualquer sentido. não pode deixar de reflectir-se no modo de conceber a estética filosófica. partindo de noções pré-concebidas do que é a arte ou o belo (como se estes termos designassem “essências universais e imutáveis). a ausência de qualquer estilo e a pulverização das modas. As práticas individuais da arte contemporânea. XX. nos inícios do séc. a multiplicação caótica dos seus ensaios. sucedem-se a um ritmo vertiginoso. Um discurso teórico que pretendesse ditar a priori as regras do gosto.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea Marcel Duchamp:: Fonte :: 1917 .

da sucessão de estilos e critérios formativos. a característica da estética contemporânea é feita de atitudes pessoais.estética :: crise e problemas da estética contemporânea Umberto Eco. normativa. por isso mesmo. . segundo a sua análise. um filósofo italiano contemporâneo que tem desenvolvido uma importante investigação no domínio da semiótica da arte. rejeita-se a fundamentação de uma actividade humana em presumíveis estruturas imutáveis do ser e do espírito. na contemporaneidade. das múltiplas inclinações do gosto e dos comportamentos pessoais. de contingências de gosto. No entanto. defende que as estéticas tradicionais eram de estrutura apriorística e. Tenta encontrar uma fenomenologia concreta e compreensiva das várias atitudes possíveis. Ou seja.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea Francis Bacon :: Seated Woman :: 1961 .

propõe que a estética abandone a intenção de dominar ou dirigir a arte. da distinção entre obra de arte e objecto estético. filósofo francês contemporâneo que é um dos principais representantes da escola fenomenológica da estética. flexibilizando-se e reformulando.estética :: crise e problemas da estética contemporânea Mikel Dufrenne. no contacto com as obras. a natureza trinária da experiência estética: a presença. as categorias tradicionais. a representação e o sentimento. . A estética deve partir da prática artística e desenvolver-se como reflexão sobre esta sem a pretensão de elaborar um discurso sistemático. Dufrenne tenta definir os contornos metodológicos do seu pensamento partindo da circunscrição da experiência estética à experiência do espectador. tornando-se antes sua cúmplice e subvertendo-se a si mesma como teoria.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea Joseph Kosuth :: Four colors four words :: 1966 .

por meio da arte. aparece como instância que possibilita uma outra forma de experiência. Segundo Adorno. Ela representa o retorno ao belo natural. Assim. ao reino da liberdade e daquilo que não foi submetido ao estado de dominação. uma não vinculada à racionalidade instrumental. é possível uma crítica emancipatória. A obra de arte prolonga-se numa reflexão que lhe é inacta.estética :: crise e problemas da estética contemporânea Theodor Adorno adopta uma posição semelhante. . mas sim seu belo natural. ou seja. considerando que as obras de arte são essencialmente reflexivas e não instrumentos de prazer. a mímeses. Adorno dirá que. Nessa perspectiva. o que a arte imita não é a natureza.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea George Segal :: Film Poster :: 1967 .

.estética :: crise e problemas da estética contemporânea Apesar da diversidade de perspectivas que caracteriza a reflexão estética contemporânea. Ou seja. podem ser evidenciadas algumas características gerais que a legitimam na diferença concebida pelos seus fundadores no séc. XVIII. Uma das consequências desta orientação é o abandono generalizado da noção de “beleza” como categoria estética fundamental. substituindo-a pela noção mais geral de “qualidade estética” ou “valor estético”. A reflexão sobre arte em detrimento do belo natural é um das tendências mais comuns. dá-se a primazia aos problemas postos pela apreciação das obras de arte. A partir do período romântico verifica-se um interesse crescente pelos fenómenos artísticos.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea Nan Goldin:: One Month After Being Battered :: 1984 .

Mesmo as correntes que renunciam à noção de “experiência estética” e salientam a sua natureza afectiva. .estética :: crise e problemas da estética contemporânea Outra característica da estética contemporânea é a preocupação de objectividade. centrando a análise sobre o estético. está na origem das teorias que consideram a arte como uma linguagem e dai o surgimento das questões sobre a natureza e o modo de significação e o problema da interpretação das obras de arte. A ideia de que a arte tem um conteúdo cognitivo e não meramente afectivo. distinguem-na de um sentimento puramente subjectivo e sublinham o seu carácter intencional.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea Christo e Jean Claude:: Wrapped Reichstag :: 1995 .

os símbolos. Todos estes factores estão ligados no seu todo interior.estética :: crise e problemas da estética contemporânea É preciso considerar que o homem é constituído pela comunhão entre a razão. . as complexidades. a sensibilidade. a percepção. que compõe a estrutura humana. os muitos imaginários culturais e sociais.

estética :: crise e problemas da estética contemporânea Damien Hirst :: This little piggy went to market. this little piggy stayed at home :: 1996 .

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->