You are on page 1of 8

Tolerância

Na indústria mecânica, certas medidas de peças são acompanhadas de algarismos adicionais, precedidos dos sinais + (mais) ou – (menos) ou ambos.

Essas medidas aparecem em desenhos e ordens de serviço. Sua finalidade é fixar uma tolerância de fabricação ou uma tolerância de usinagem. Embora as máquinas de fabricação sejam altamente precisas, mesmo assim a tolerância existe. É que, na prática, há fatores que impedem a obtenção de uma medida matematicamente exata. Alguns desses fatores são:    Desgaste das ferramentas e dos órgãos componentes das máquinas operatrizes; Imperfeição dos materiais ou ferramentas Imperfeição de métodos e instrumentos de medição e verificação.

As peças não são mais montadas em conjunto, como se fazia no passado. Por isso, peças isoladas são produzidas dentro de um sistema de tolerância que permite montá-las em outro local, sem a necessidade de retoques. Esse sistema de tolerância foi criado em 1982 pela ISSO (International System Organization), e é reconhecido no Brasil como Sistema de Tolerâncias e ajustes.

Entretanto. Dimensão máxima (Dmáx) é o valor máximo permitido na dimensão da peça.02mm Dmáx = 12. temos as seguintes definições: Cota nominal ou dimensão nominal (D) é o valor que no desenho. Na figura anterior temos: Dmáx = 12 + 0. as máquinas não são colocadas em linha. Neste caso. vem arredondado para um número inteiro. o operador executa uma ou várias operações no produto. sem necessidade de retoques. as máquinas estão montadas na ordem racional de usinagem ou montagem. É o que se chama de intercambialidade. Na produção em cadeia. É em relação à cota nominal que se estabelece a tolerância admissível. Dessa forma. em milímetros. Produto em linha ou em cadeia: utilizada quando existe uma grande quantidade de peças.02mm . O operador executa. Tolerância De acordo com a norma NBR 6173. é possível substituir diretamente.Ele prevê tolerâncias de fabricação para peças brutas e peças usinadas. apenas uma operação. as peças que estão danificadas. A cota nominal é 12 mm. A produção de peças no sistema ISSO pode ser executada de duas maneiras: Produção em série: utilizada em usinagem e montagens de pequenas quantidades de peças. assim.

temos: As = 12.02 – 12 mm As = 0.01 mm Para ser aceita. Ainda de acordo com os dados do exemplo da figura anterior. a diferença entre as dimensões máxima e mínima. temos: T = 12.98 mm Dimensão efetiva é aquela que o operador obtém após o acabamento da peça.04 mm O afastamento pode ser tanto superior como inferior.11.98 mm T = 0.02 mm Dmin = 11. Portanto tolerância (T) é variação permitida na peça. Afastamento superior (As) é a diferença entre as dimensões máxima e nominal.02 mm Afastamento inferior (Ai) consiste na diferença entre as dimensões mínima e nominal. . a dimensão efetiva da peça deve estar dentro da tolerância. temos: Dmin = 12-0. Tomando como base os dados do exemplo da figura anterior. ou seja.02 . Por exemplo: De = 12. Na figura anterior.Dimensão mínima (Dmin) é o valor mínimo permitido na dimensão da peça.

98 – 12 mm Ai = -0.Repetindo os dados do mesmo exemplo. temos: Ai = 11. de acordo com a fórmula: Exemplos: .02 mm A dimensão ideal ou cota ideal é obtida pela média entre as dimensões máxima e mínima.

. disposta de modo a serem lida pela base ou pelo lado direito do desenho e com caracteres de altura menor que os da cota. acima e levemente destacadas da linha de cota. No desenho as folgas jamais são representadas.COTAÇÃO As tolerâncias devem ser escritas imediatamente após a cota nominal.

Se as tolerâncias são indicadas mediante valores numéricos os elementos da cota devem ser escritos na seguinte ordem: cota nominal valores dos desvios.Se as tolerâncias são indicadas por símbolos ISO os elementos da cota devem ser escritos na seguinte ordem: cota nominal -símbolo ISO -valores dos desvios. levando em consideração que se deve escrever o desvio superior acima e o desvio inferior abaixo. seja para os furos como para os eixos. também o valor dos desvios. Os desvios devem ser escritos um sobre o outro. além do símbolo ISO da tolerância. Nos desenhos de fabricação é conveniente indicar. entre parênteses. . se necessário.

levando-se em consideração que se deve escrever o desvio superior acima e o desvio inferior abaixo. tanto para furos como para eixos. Se os desvios são indicados com unidade de medida diferente da adotada para a cota nominal. em regra. Os desvios são. Se os desvios da tolerância estão dispostos simetricamente em relação à cota nominal. .Os desvios devem ser escritos um sobre o outro. deve ser escrita em seguida aos valores dos desvios a unidade supra e indicar a unidade de medida também após a dimensão nominal. escreve-se uma só vez o valor absoluto dos dois desvios precedidos pelo sinal ±. indicados na mesma unidade de medida da cota nominal.