You are on page 1of 4
© LUGAR DO MORTO Depois de ter comido tantas mulheres dizia que nada me Surpreenderia, Mas até eu, com tanta experiéncia, de vez em quando ficavaembasbacado, Das situacdes mais bizarras que me aconteceram hé uma que guardo na memoria por ser to extravagante. Esta historia passou-se com uma portuguesa, © que vem contrariar a teoria de que as estrangeiras 6 que si0 umas grandes malucas. Quando comecei a ficar fatnoso recebia muitas mensagens no telemével, mas houive uma que me deixou curioso. Uma quarentona queria saber se eu era como toda a gente dizia Se, de facto, era um garanhao e se gostava assim tanto de mulheres. Aquela abordagem deixou-me desconfiado mas, 20 mesmo tempo, com curiosidade. Afinal de contas, tratava-se de um convite para ter sexo completamente caido do céu, Quer dizer, fruto do meu trabalho, mas jé considerava aquilo juros. Cheguei a pensar que as mensagens que recebia no telemével eram 2 gozar ou que tinham sido mandadas por algum marido ciumento, Mesmo assim, porque nao sou homem de me cortar a nada, continuei a corresponder-me com a Cristina (esse era o nome dela) por sms. | (.cltime macho man portuguts | Z6x6 Camarinha De mensagem em mensagem passimos aos telefonemas. Quando falamos a primeira vez pude certificar-me que se tra- tava realmente de uma mulher. Tinha uma voz sensual e um tipo de conversa que me andava a deixar maluco. Queria con- firmar coisas sobre mim. A minha fama de macho, mais do que merecida, estava a trazer-me mais uma vez dividendos. Estava curioso por ver como era a Cristina. Aquilo para mim era novo, Nunca tinha tido uma abordagem to frontal. Sem- pre que falavamos ela mostrava-se muito curiosa, Pedia para que lhe confirmasse algumas das histérias que tinha ouvido sobre mim, com varias mulheres, ¢ que lhe contasse mais algumas que no fossem do conhecimento piiblico. Eu ace- dia sempre até porque sabia que, com aquele tipo de conversa, a deixaria cada vez mais excitada, Faltaria pouco para a comer. Elaconhecia bem algumas-das minhas peripécias e, pelo que me contava, fazia colecsao das revistas onde eu aparecia. Nao demorou muito até uma certa noite marcarmos um encontro. Fui buscé-la a uma zona do Algarve que nao conhecia bem. Quando cheguei & porta de casa dela j4 estava 2 minha espera. Nao era a mulher mais bonita do mundo mas, sem diivida alguma, ndo era nada de se deitar fora. Para além de um corpo jeitoso tinha conseguido deixar-me excitado com o teor sexual das conversas que tinhamos tido ao telemével. Mal entrou no carro espetou-me um beijo daqueles & cinema logo para abrir 0 apetite e para eu nao ter dfavidas em relacao as intengdes dela. Foi de tirar a respiracio. Fiquei muito exci- tado e com uma tinica ideia no pensamento: teriho de te sal- tar 4 cuecal Nesta fase do livro j& perceberam que quando o Zézé mete uma coisa dessas nia cabeca dificilmente desiste, Embrulh4mo-nos os dois e quase que o faziamos ali, a porta de casa dela. Propus que subissemos mas como vivia com uma tia nao ia adiantar nada, Em casa nao ia haver sexo de certeza. © altima macho man portuguts | Zézé Carsarinha ‘A nao ser que a tia fosse boa e despachave-a também. Foi quando me sugeriu que arrancéssemos porque conhecia um local perfeito para nos comermos. Neri hesitei. Liguei a minha porscheta e fiz-mevrestradass=————=—— Foi-me dando as indicagbes por uns caminhos esquisitos eeu, entre uns amassos ¢ uns beijos:ao-mesmo tempo que conduzia, fui guiando. Numa estrada secundaria pediu-me que entrasse com o carro. num. portid. Fu, como ia louco, completamente de cabeca perdida, nem hesitei... A guiar com uma mio e com a outra a apalpé-la todal Ela, por seu lado, no se fazia de rogada e j4 me acariciava o pénis. Foi a pri- meira vez que tive unt GPS a dar-me indicacdes na estrada a0 mesmo tempo que me fazia festas na verga. Mandou- “me encostar 0 carro. Disse-me para sairmos. Para fazer sexo, como eu tenho um carro de dois lugares, no havia espaco no interior. Mal bateu com a porta do carro atirei-a para cima do capé. Estévamos loucos de tesao! Sofregamente rasgémos a roupa urn do outro. Nao havia tempo a perder e querfamos estar nus 0 mais rapido possivel. ; Sem mais delongas, virei de traseira e comecei a espetar- -the por tris. Hla gemia como uma doida. Por instantes olbei ‘a nossa volta e reparei que estévarnos num local repleto de velas. ~ Onde é que nds estamos? = Cala-te! ~ Que sitio estranho é este? — Nao fales... come-me, come-me! ‘Até me deu um arrepio quando reparei que estavamos em pleno cemitério. £ que @ brincar, a brincar uma pessoa no deve ir para ali fazer inveja aos que j4 no podem provar daquilo. Num gesto brusco a Cristina pediu-me para parar- mos. Agarrou-me por uma mo e pediu-me para ir para mais 9.