Fundamentos de Telecomunica¸ c˜oes

Teoria Eletromagn´etica e Aplica¸ c˜oes
Antonio Cezar de Castro Lima
Universidade Federal da Bahia - UFBA
c _ Copyright 2002 por Antonio Cezar de Castro Lima
ii
Conte´ udo
Nota¸ c˜ao de Vari´aveis e Constantes xi
Pref´acio xv
1 Ondas Eletromagn´eticas 1
1.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Equa¸ c˜oes de Maxwell . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.3 Equa¸ c˜ao de Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.4 Solu¸ c˜ao da Equa¸ c˜ao de Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.5 Caracter´ısticas de uma Onda Eletromagn´etica . . . . . . . . . . . . . 7
1.6 Polariza¸ c˜ao de Ondas Eletromagn´eticas . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.7 Equa¸ c˜ao de Helmholtz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.8 Ondas Transversais Eletromagn´eticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.9 Impedˆ ancia e Admitˆ ancia Intr´ınsecas do Meio . . . . . . . . . . . . . 17
1.10 Densidade de Potˆencia e Densidade Volum´etrica de Energia . . . . . . 18
1.11 Velocidade de Fase, de Grupo e Relativa . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2 Ondas TEM num Meio Qualquer 25
2.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.2 Meios Diel´etricos e Condutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3 Equa¸ c˜ao de Helmholtz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
2.4 Impedˆ ancia Intr´ınseca e Velocidade de Fase . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.5 Meios Diel´etricos com Perdas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.6 Propaga¸ c˜ao em Meios Diel´etricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.7 Propaga¸ c˜ao em Meios Condutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.8 Profundidade de Penetra¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.9 Velocidade de Fase e Impedˆ ancia num Condutor . . . . . . . . . . . . 33
iii
CONTE
´
UDO iv
3 Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 37
3.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.2 Incidˆencia Normal entre Dois Meios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.2.1 Transi¸ c˜ao entre Diel´etricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.2.2 Transi¸ c˜ao Diel´etrico-Condutor . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.2.3 Transi¸ c˜ao Condutor-Diel´etrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.2.4 Coeficiente de Onda Estacion´ aria . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.3 Incidˆencia Normal com Propaga¸ c˜ao em N Meios . . . . . . . . . . . . 44
3.3.1 Propaga¸ c˜ao em Trˆes Meios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.3.2 Propaga¸ c˜ao em N Meios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.4 Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.4.1 Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Perpendicular . . . . . 51
3.4.2 Reflex˜ ao Total,
ˆ
Angulo Cr´ıtico e Onda de Superf´ıcie . . . . . . 54
3.4.3 Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Paralelo . . . . . . . . 56
3.4.4 Transmiss˜ ao Total e
ˆ
Angulo de Brewster . . . . . . . . . . . . 57
3.4.5 Ondas Elipticamente Polarizadas . . . . . . . . . . . . . . . . 58
4 Linhas de Transmiss˜ao 63
4.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.2 Equa¸ c˜ao de uma Linha de Transmiss˜ ao . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.2.1 Abordagem Eletromagn´etica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
4.2.2 Abordagem de Circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
4.3 Solu¸ c˜ao da Equa¸ c˜ao de uma L.T. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.4 Impedˆ ancia Caracter´ıstica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.4.1 Coaxial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
4.4.2 Par de Fios Paralelos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
4.4.3 Microfita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
4.5 Perdas numa L.T. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.6 Linhas com Termina¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.6.1 Impedˆ ancia Equivalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
4.6.2 Toco em Aberto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
4.6.3 Toco em Curto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
4.7 Coeficientes de Reflex˜ao para Z
g
Complexo . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.8 Coeficiente de Onda Estacion´ aria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.8.1 Coeficientes de Reflex˜ ao e Transmiss˜ ao . . . . . . . . . . . . . 78
4.8.2 Coeficiente de Onda de Tens˜ ao Estacion´ aria . . . . . . . . . . 78
4.9 T´ecnicas de Casamento de Impedˆ ancia . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
4.10 Carta de Smith . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
4.11 Casamento com Toco e Trecho de Linha . . . . . . . . . . . . . . . . 82
v CONTE
´
UDO
4.11.1 Trecho de linha e toco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.11.2 Toco e trecho de linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
4.12 Casamento com Dois Tocos e Trechos de Linha . . . . . . . . . . . . 86
4.13 Casamento com Trˆes Tocos e Trechos de Linha . . . . . . . . . . . . . 87
4.14 Casamento com Transformador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
5 Parˆametros de Espalhamento 91
5.1 Dispositivos de Duas Portas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.2 Parˆ ametros de Espalhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
5.3 Caracteriza¸ c˜ao de Transistores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
5.4 Amplificador de um Est´ agio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
6 Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 103
6.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
6.2 Potenciais Vetores de Hertz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
6.3 Modos de Propaga¸ c˜ao num Guia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
6.4 Campos num Guia de Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
6.4.1 Modo Transversal El´etrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
6.4.2 Modo Transversal Magn´etico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
6.5 Caracter´ısticas de Ondas Guiadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
6.5.1 Constante de Propaga¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
6.5.2 Comprimento de Onda Guiada e de Corte . . . . . . . . . . . 112
6.5.3 Freq¨ uˆencia de Corte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.5.4 Velocidade de Fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.5.5 Velocidade de Grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.5.6 Impedˆ ancias Modais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.6 Guia Retangular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
6.6.1 Modo H (TE) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
6.6.2 Modo E (TM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
6.7 Guia Cil´ındrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
6.7.1 Modo H (TE) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
6.7.2 Modo E (TM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
6.8 Atenua¸ c˜ao em Guias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
6.8.1 Atenua¸ c˜ao abaixo da Freq¨ uˆencia de Corte . . . . . . . . . . . 126
6.8.2 Atenua¸ c˜ao acima da Freq¨ uˆencia de Corte . . . . . . . . . . . . 127
6.8.3 Atenua¸ c˜ao num Guia Retangular . . . . . . . . . . . . . . . . 129
6.8.4 Atenua¸ c˜ao num Guia Cil´ındrico . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
6.9 Cavidade Ressonante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
6.9.1 Cavidade com Paredes Retangulares . . . . . . . . . . . . . . 132
CONTE
´
UDO vi
6.9.2 Cavidade Cil´ındrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
6.9.3 Fator de Qualidade para Cavidades C´ ubicas . . . . . . . . . . 136
6.9.4 Fator de Qualidade para Cavidades Cil´ındricas . . . . . . . . . 138
7 Processo de Radia¸ c˜ao 141
7.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
7.2 Dipolo Infinitesimal ou Hertziano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
7.3 Regi˜ oes de Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
7.3.1 Campo Pr´ oximo Reativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
7.3.2 Campo Pr´ oximo Irradiante (Regi˜ ao de Fresnel) . . . . . . . . 147
7.3.3 Campo Distante (Regi˜ ao de Fraunhofer) . . . . . . . . . . . . 148
7.4 Radiador ou Antena Isotr´ opica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
8 Caracter´ısticas de uma Antena 151
8.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
8.2 Tipos de Antenas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
8.3 Dipolo de Comprimento Finito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
8.4 Principais Parˆ ametros de uma Antena . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
8.5 Intensidade de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
8.6 Diagrama de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
8.7 Potˆencia Radiada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
8.8 Ganho Diretivo e Diretividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
8.9 Ganho de uma Antena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
8.10 Rela¸ c˜ao Frente-Costas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
8.11 Feixe de Meia-Potˆencia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
8.12 Impedˆ ancia de Entrada e Potˆencia Radiada . . . . . . . . . . . . . . 166
8.13 Eficiˆencia de uma Antena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
8.14
´
Area El´etrica e Comprimento El´etrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
8.15 Largura de Banda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
8.16 Polariza¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
8.17 Temperatura de Ru´ıdo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
9 Antenas Lineares 177
9.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
9.2 Caracter´ısticas de um Dipolo de Comprimento Finito . . . . . . . . . 177
9.2.1 Campos Distantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
9.2.2 Intensidade de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
9.2.3 Diagrama de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
9.2.4 Potˆencia Radiada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
vii CONTE
´
UDO
9.2.5 Diretividade e Ganho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
9.2.6 Impedˆ ancia de Entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
9.3 Impedˆ ancia M´ utua entre Elementos Lineares . . . . . . . . . . . . . . 183
9.3.1 Campos Pr´ oximos para um Dipolo Finito . . . . . . . . . . . . 184
9.3.2 Impedˆ ancia para Elementos Paralelos . . . . . . . . . . . . . . 185
9.3.3 Impedˆ ancia para Elementos Colineares . . . . . . . . . . . . . 187
9.4 Plano Terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
9.4.1 Dipolo na Vertical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
9.4.2 Dipolo na Horizontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
9.5 Dipolo Dobrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
9.6 Dipolo Cil´ındrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
10 Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 197
10.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
10.2 Princ´ıpio de Huygens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
10.3 Fonte de Huygens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
10.4 Difra¸ c˜ao de Fraunhofer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
10.5 Difra¸ c˜ao de Fresnel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
10.6 Elips´ oide e Zonas de Fresnel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
11 Enlaces de R´adio 213
11.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
11.2 F´ ormulas de Friis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
11.3 F´ ormula de Radar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
11.4 Enlace Terrestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
11.4.1 Obst´ aculos do Tipo Gume de Faca . . . . . . . . . . . . . . . 216
11.4.2 Obst´ aculos Arredondados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
11.5 Enlace via Sat´elite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
11.5.1 Perdas no Espa¸ co-Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
11.5.2 Figura de M´erito do Sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
11.6 Reflex˜ oes Ionosf´ericas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
11.7 Reflex˜ oes no Solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
12 Casamento de Impedˆancia de Antenas 231
12.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
12.2 Circuitos de Casamento com Tocos e Trechos de Linhas . . . . . . . . 232
12.3 Casamento do Tipo T . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
12.4 Dipolo Dobrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
12.5 Casamento do Tipo Gama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
CONTE
´
UDO viii
12.6 Casamento do Tipo
ˆ
Omega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
12.7 Transformadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
12.8 Baluns . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
12.8.1 Balun do Tipo Bazuca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
12.8.2 Balun do Tipo Trombone . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
12.9 Baluns com N´ ucleos de Ferrite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
13 Arranjos de Antenas 247
13.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
13.2 Distribui¸ c˜ao Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
13.2.1 Arranjo de Dois Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
13.2.2 Arranjo de N Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
13.2.3 Arranjo com um N´ umero Par de Elementos . . . . . . . . . . 252
13.2.4 Arranjo com um N´ umero
´
Impar de Elementos . . . . . . . . . 253
13.2.5 Intensidade de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
13.2.6 Diretividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
13.3 Distribui¸ c˜ao Planar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
13.4 Arranjos Lineares de Dipolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
13.4.1 Caracter´ısticas de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
13.4.2 Impedˆ ancia de Entrada e Corrente nos Dipolos . . . . . . . . . 258
13.5 Arranjos Planares de Dipolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
13.5.1 Caracter´ısticas de Radia¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
13.5.2 Impedˆ ancia de Entrada e Corrente nos Dipolos . . . . . . . . . 262
14 Antenas Direcionais 263
14.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
14.2 Antena Yagi-Uda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
14.2.1 Yagi de Dois Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
14.2.2 Yagi de Trˆes Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
14.2.3 Yagi de N Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
14.3 Antena Log-Peri´ odica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
14.3.1 Projeto de uma Log-peri´ odica . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276
14.4 Antena Helicoidal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
14.4.1 Modo Normal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
14.4.2 Modo Axial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283
15 Antenas com Refletores 287
15.1 Introdu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287
15.2 Antena com Placas Refletoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287
ix CONTE
´
UDO
15.2.1 Refletor Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 288
15.2.2 Refletor de Canto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
15.3 Antena Parab´ olica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
15.3.1 Refletor Parab´ olico de Revolu¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . 296
15.3.2 Ilumina¸ c˜ao do Refletor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296
15.3.3 Campos Radiados por um Parabol´ oide . . . . . . . . . . . . . 298
15.3.4 Diretividade e Largura de Feixe de Meia-Potˆencia . . . . . . . 300
Exerc´ıcios Propostos 305
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 1 a 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 4 a 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 7 a 11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 12 a 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
Respostas dos Exerc´ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328
Bibliografia 335
CONTE
´
UDO x
Nota¸ c˜ao de Vari´aveis e Constantes
Segue abaixo a lista que identifica todas as vari´ aves e constantes utilizadas neste
livro. Note que vetores e versores s˜ ao representados em negrito e escalares em fonte
normal. Algumas letras podem representar diferentes vari´ aveis e constantes. Neste
caso, o significado ´e enfatizado no texto.
A - Potencial Vetor
A - Perdas, ´area
a
p
- Versor espacial na dire¸ c˜ao p
a - Raio, largura de um guia de onda retangular, amplitude de onda
B ou B - Densidade de fluxo Magn´etico
B - Susceptˆancia, banda, largura de banda
b - Raio, altura de um guia retangular, amplitude de onda
C - Capacitˆ ancia, constante de Euler, circunferˆencia
c - Velocidade da luz no v´ acuo
D ou D - Densidade de fluxo El´etrico
D
o
- Diretividade
D
g
- Ganho diretivo
d - Diˆametro, espa¸ camento, distˆ ancia
E ou E - Campo el´etrico
c - Energia
e - Eficiˆencia
F - Potencial Vetor
F - Figura de ru´ıdo, vetor potencial
F
A
- Fator de arranjo
f - Freq¨ uˆencia de uma onda
G - Condutˆ ancia ou Ganho
H ou H - Campo magn´etico
h - Altura
I - Corrente el´etrica
J ou J - Densidade de corrente el´etrica
xi
NOTAC¸
˜
AO DE VARI
´
AVEIS E CONSTANTES xii
j -

−1
k e k - Vetor de onda e n´ umero de onda
L - Indutˆancia
l - Comprimento
M ou M - Densidade de corrente magn´etica
m - Massa
n -
´
Indice de refra¸c˜ao
P - Potˆencia, per´ımetro
p - Velocidade relativa, ra´ızes da fun¸ c˜ao de Bessel
Q - Fator de Qualidade
R - Resistˆencia el´etrica, espa¸camento
R
fc
- Rela¸ c˜ao frente-costas
r - Raio ou distˆ ancia
S - Superf´ıcie, parˆ ametros de espalhamento
s - passo de uma h´elice
T - Per´ıodo de uma onda, temparatura
t - Tempo
U
e
- Densidade volum´etrica de energia el´etrica
U
m
- Densidade volum´etrica de energia magn´etica
U - Intensidade de radia¸ c˜ao
U
o
- Intensidade de Radia¸ c˜ao de uma antena isotr´ opica
V - Volume, tens˜ao
v ou υ - Velocidade de propaga¸ c˜ao
υ
f
e υ
g
- Velocidade de fase e velocidade de grupo
W e W - Vetor de Poynting e densidade de potˆencia
w - Largura
X - Reatˆ ancia
Y - Admitˆancia
Z - Impedˆancia
Z
o
- Impedˆancia caracter´ıstica
α - Fator de atenua¸ c˜ao, ˆ angulo
α
pol
- Perdas de polariza¸ c˜ao
β - Constante de fase, fase
γ - Constante de propaga¸ c˜ao
∆φ - Defasagem ou comprimento el´etrico
δ - Defasagem entre duas ondas
δ
p
- Profundidade de penetra¸ c˜ao
,
r
e
o
- Permissividade (ou constante diel´etrica) absoluta, relativa e no v´ acuo
ε - Emissividade
xiii NOTAC¸
˜
AO DE VARI
´
AVEIS E CONSTANTES
η - Impedˆancia intr´ınseca de um meio
η
o
- Impedˆancia intr´ınseca do v´ acuo
θ - ˆangulo, em geral, medido em rela¸ c˜ao o eixo z
Λ - Fluxo magn´etico
λ - Comprimento de onda
µ, µ
r
e µ
o
- Permabilidade magn´etica absoluta, relativa e no v´ acuo
Π - Potencial vetor de Hertz
ρ - Coeficiente de reflex˜ao, densidade volum´etrica de carga el´etrica
σ - Condutividade, desvio padr˜ ao, espa¸ camento relativo em antenas log-peri´ odicas
τ - Coeficiente de transmiss˜ao, periodicidade em antenas log-peri´ odicas
ϕ - ˆangulo, em geral, medido em rela¸ c˜ao o eixo x
φ - Fase de um fasor
ψ - Fase de um fasor
Ω -
ˆ
Angulo s´ olido
ω - Freq¨ uˆencia angular de uma onda
NOTAC¸
˜
AO DE VARI
´
AVEIS E CONSTANTES xiv
Pref´acio
Este livro ´e resultado de oito anos de ensino na ´ area de telecomunica¸ c˜oes, em n´ıvel
de gradua¸ c˜ao e p´ os-gradua¸ c˜ao, no Departamento de Engenharia El´etrica (DEE)
da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Nos ´ ultimos anos, o n´ umero de livros
dedicado ao ensino de engenharia el´etrica, publicado em portuguˆes pelas grande
editoras, diminuiu substancialmente, restando ao nossos alunos a compra de t´ıtulos
importados de custo elevado. A id´eia de publicar um livro texto, na ´ area de tele-
comunica¸ c˜oes, tem como objetivo preencher esta lacuna e propiciar aos alunos de
engenharia el´etrica de nossa universidade a oportunidade de ter um material focado
ao conte´ udo das disciplinas oferecidas pelo DEE.
O livro est´ a organizado em quinze cap´ıtulos onde s˜ ao apresentados teoria e ex-
emplos envolvendo ondas eletromagn´eticas em dispositivos e sistemas de telecomu-
nica¸ c˜oes.O ´ ultimo cap´ıtulo cont´em um conjunto de exerc´ıcios propostos, agrupados
de acordo com cap´ıtulos correlatos. As respostas destes exerc´ıcios se encontram
no final deste ´ ultimo cap´ıtulo. Alguns exemplos e exerc´ıcios podem ser testados
utilizando-se um conjunto de subrotinas num´ericas desenvolvidas para o ambiente
MATLAB, denominado RF Wave Toolbox. Este pacote de rotinas pode ser obtido
a partir do endere¸ co www.mathworks.com/matlabcentral/fileexchange ou enviando
um e-mail para acdcl@ufba.br. Com estes programas ´e poss´ıvel, por exemplo, fazer
an´ alise e s´ıntese de sistemas de casamento de impedˆ ancia, ou ainda, projetar antenas
e arranjos de antenas.
Os alunos de gradua¸ c˜ao que est˜ ao cursando a disciplina Telecomunica¸ c˜ao III
(ENG348) devem come¸ car a leitura deste livro a partir do primeiro cap´ıtulo. O curso
de Telecomunica¸ c˜oes III da UFBA pode ser dividido em trˆes m´odulos, come¸ cando
com o estudo das equa¸ c˜oes de Maxwell, a an´ alise de ondas eletromagn´eticas que se
propagam no espa¸ co-livre e em diferentes meios. Estes t´opicos est˜ ao distribu´ıdos nos
Cap´ıtulos 1, 2 e 3. O segundo m´ odulo envolve o estudo de ondas confinadas, como
por exemplo, linhas de transmiss˜ ao, guias de ondas e cavidades ressonantes, al´em
de t´ecnicas de casamento de impedˆ ancia e aplica¸ c˜oes. Neste caso, o aluno dever´ a
consultar os Cap´ıtulos 4, 5 e 6. No ´ ultimo m´ odulo s˜ ao abordados os conceitos de
radia¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas, caracter´ısticas b´ asicas de antenas e enlace de
xv
PREF
´
ACIO xvi
r´ adio. Neste caso, o aluno dever´ a ler os Cap´ıtulos 7, 8, 10 e 11.
Para os alunos cursando a disciplina Propaga¸ c˜ao e Antenas (ENG378), a leitura
deste livro deve ser iniciada a partir do Cap´ıtulo 7. Enquanto alunos, do Curso de
Especializa¸c˜ao em Engenharia de Telecomunica¸ c˜oes, que est˜ao cursando a disciplina
Sistemas Irradiantes dever˜ao focar aten¸ c˜ao nos Cap´ıtulos 4-6, 7-9 e 11-15.
Finalmente, gostaria de aproveitar esta oportunidade para agradecer publica-
mente a todos que participaram e contribu´ıram para a conclus˜ ao deste projeto.
Particularmente, aos meus alunos da UFBA que durante todos estes anos me aju-
daram a revisar texto, equa¸ c˜oes e figuras, e a minha esposa, Ana, pela revis˜ ao
gramatical e ortogr´ afica das primeiras vers˜ oes deste livro.
A. C de C. Lima
Hamilton, Canad´ a
28 de Mar¸ co de 2002
Cap´ıtulo 1
Ondas Eletromagn´eticas
1.1 Introdu¸ c˜ao
O fenˆomeno de propaga¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas ´e representado matema-
ticamente por um par de equa¸ c˜oes diferenciais obtidas a partir das equa¸ c˜oes de
Maxwell. Neste cap´ıtulo s˜ ao estudadas ondas eletromagn´eticas propagando-se num
meio diel´etrico isotr´ opico sem perdas, ficando o processo de gera¸ c˜ao ou radia¸ c˜ao
de ondas para cap´ıtulos posteriores. Na Se¸ c˜ao 1.2 s˜ ao mostradas as equa¸ c˜oes de
Maxwell na sua forma integral e diferencial. A dedu¸ c˜ao do par de equa¸ c˜oes diferen-
ciais que descrevem o fenˆomeno de propaga¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas ´e exposto
na Se¸ c˜ao 1.3. Enquanto que, as solu¸ c˜oes destas equa¸ c˜oes diferenciais s˜ao obtidas na
Se¸c˜ao 1.4. Logo em seguida s˜ ao apresentadas as principais caract´eristicas de uma
onda eletromagn´etica, como amplitude e fase dos campos, velocidade de propaga¸ c˜ao,
freq¨ uˆencia, comprimento de onda, etc., assim como os tipos de polariza¸ c˜ao: el´ıptica,
circular e linear. As equa¸ c˜oes diferenciais que descrevem o comportamento ondu-
lat´ orio dos campos el´etrico e magn´etico, quando estes variam harmonicamente no
tempo, s˜ao deduzidas na Se¸ c˜ao 1.7. As equa¸ c˜oes resultantes desta dedu¸ c˜ao s˜ ao de-
nominadas de equa¸ c˜oes de Helmholtz, cujas solu¸c˜oes s˜ao fun¸ c˜oes que descrevem as
varia¸ c˜oes dos campos eletromagn´eticos no espa¸ co.
´
E demonstrado na se¸ c˜ao seguinte
que os campos el´etrico e magn´etico de uma onda eletromagn´etica s˜ao ortogonais ou
transversais ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. A defini¸ c˜ao de impedˆ ancia intr´ınsica de um
meio diel´etrico ´e apresentada na Se¸ c˜ao 1.9. Finalmente, nas ´ ultimas duas se¸ c˜oes, s˜ao
encontradas as express˜ oes que fornecem a densidade de potˆencia associada a uma
frente de onda eletromagn´etica, a densidade volum´etrica de energia, velocidade de
grupo e ´ındice de refra¸ c˜ao de meios diel´etricos.
1
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 2
1.2 Equa¸ c˜oes de Maxwell
As equa¸ c˜oes de Maxwell podem ser escritas na forma integral:
__
S
D ds =
___
V
ρ dV (1.1)
__
S
B ds = 0 (1.2)
_
C
H dl =
__
S
_
J +
∂D
∂t
_
ds (1.3)
e
_
C
E dl = −
__
S
∂B
∂t
ds (1.4)
Sendo D = Ea densidade de fluxo el´etrico, B =µHa densidade de fluxo magn´etico,
H o campo magn´etico, E o campo el´etrico e J a densidade de corrente el´etrica.
Aplicando-se o Teorema da Divergˆencia,
__
S
F ds =
___
V
(∇ F) dV (1.5)
em (1.1) e (1.2) e o Teorema de Stokes,
_
C
F dl =
__
S
(∇ F) ds (1.6)
em (1.3) e (1.4), obt´em-se as equa¸c˜oes de Maxwell na forma diferencial, ou seja,
∇ E =
ρ

(1.7)
∇ H = 0 (1.8)
∇ H = σE +
∂E
∂t
(1.9)
e
3 1.3. Equa¸ c˜ao de Onda
∇ E = −µ
∂H
∂t
(1.10)
sendo a densidade de corrente J = σE.
´
E importante salientar que estas equa¸ c˜oes
fornecem informa¸ c˜oes sobre os campos el´etrico e magn´etico para qualquer ponto do
espa¸ co e instante de tempo.
As equa¸ c˜oes de Maxwell, na forma diferencial, podem ser simplificadas para
pontos do espa¸ co onde n˜ ao existem cargas e/ou correntes el´etricas. Estas regi˜ oes
ser˜ao denominadas a partir de agora de espa¸ co-livre e as equa¸ c˜oes de Maxwell,
associadas a elas, s˜ ao:
∇ E = 0 (1.11)
∇ H = 0 (1.12)
∇ H =
∂E
∂t
(1.13)
e
∇ E = −µ
∂H
∂t
(1.14)
Lembrando-se que µ = µ
r
µ
o
e =
r

o
, sendo µ
r
a permeabilidade relativa do meio
e
r
permissividade relativa.
1.3 Equa¸ c˜ao de Onda
´
E poss´ıvel demonstrar matematicamente que campo el´etrico variante no tempo gera
campo magn´etico variante no tempo, ou vice-versa. Isto pode ser facilmente en-
tendido a partir de uma r´ apida an´ alise das equa¸ c˜oes (1.13) e (1.14). Observe na
lei de Amp`ere (1.13) que, se o campo el´etrico varia no tempo, ent˜ ao existir´ a um
campo magn´etico tamb´em variante no tempo, ortogonal ao primeiro. Isto ocorre
porque o rotacional de H ´e proporcional a varia¸ c˜ao de E. Algo semelhante ´e obitdo
da lei de Faraday (1.14), ou seja, o rotacional de E ´e proporcional a varia¸ c˜ao de
H. Uma outra conclus˜ ao ainda mais relevante, obtida por Maxwell, a partir das leis
de Amp`ere e Faraday, ´e o car´ ater ondulat´ orio dos campos eletromagn´eticos. Este
car´ ater ondulat´ orio pode ser confirmado a partir da equa¸ c˜ao diferencial resultante
da demonstra¸ c˜ao a seguir.
Aplicando-se o operador rotacional em ambos os lados da equa¸ c˜ao (1.13), tem-se
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 4
∇ ∇ H = ∇
∂E
∂t
=
∂(∇ E)
∂t
(1.15)
substituindo (1.14) em (1.15), obt´em-se
∇ ∇ H = −µ

2
H
∂t
2
(1.16)
Como
∇ ∇ H = ∇(∇ H) −∇
2
H (1.17)
e ∇ H = 0, ent˜ ao,

2
H−µ

2
H
∂t
2
= 0 (1.18)
Partindo-se da equa¸ c˜ao (1.14) e utilizando um procedimento semelhante ao ex-
posto acima, pode-se obter a equa¸ c˜ao diferencial

2
E−µ

2
E
∂t
2
= 0 (1.19)
As equa¸ c˜oes diferenciais (1.18) e (1.19), envolvendo os campos el´etrico e magn´etico,
representam de forma matem´ atica um onda eletromagn´etica propagando-se no espa¸ co-
livre. Uma equa¸ c˜ao semelhante foi obtida pelo matem´ atico francˆes D’Alembert, em
1747, quando este tentava descrever o movimento ondulat´ orio em uma corda esti-
cada. A equa¸ c˜ao obtida por ele era algo parecido com

2
y
∂x
2

1
v
2

2
y
∂t
2
= 0 (1.20)
onde y ´e a posi¸ c˜ao de um ponto qualquer da corda na dire¸ c˜ao transversal ` a mesma
e v a velocidade de propaga¸ c˜ao da onda mecˆ anica que surge nesta corda.
Uma compara¸ c˜ao entre as equa¸ c˜oes (1.18) ou (1.19) e (1.20) mostra que a ve-
locidade de propaga¸ c˜ao da onda eletromagn´etica ´e dada por
v =
1

µ
(1.21)
Para o caso de ondas eletromagn´eticas que se propagam no ar ou no v´ acuo,
tem-se
c =
1

µ
o

o
(1.22)
sendo c a velocidade da luz no v´ acuo, cujo valor ´e aproximadamente 3 10
8
m/s.
5 1.4. Solu¸ c˜ao da Equa¸ c˜ao de Onda
1.4 Solu¸ c˜ao da Equa¸ c˜ao de Onda
Para tornar o processo de obten¸ c˜ao da solu¸ c˜ao da equa¸ c˜ao de onda mais claro e
did´ atico, ´e interessante tomar-se um exemplo pr´ atico. Considere um dipolo, antena
linear constitu´ıda por duas hastes met´ alicas, orientado na dire¸ c˜ao a
z
e alimentado
por um gerador de sinais de RF (R´ adio Freq¨ uˆencia). A tens˜ ao alternada desenvolvida
nos terminais do dipolo cria uma corrente de condu¸ c˜ao nas hastes que varia no
tempo. Sabe-se, pela lei de Amp`ere, que esta corrente alternada produz campo
magn´etico no espa¸ co em volta da antena, neste exemplo, orientado na dire¸ c˜ao a
ϕ
.
Este campo varia de acordo com a mesma fun¸ c˜ao de varia¸ c˜ao da corrente (figura e
detalhamento te´ orico podem ser vistos no Cap´ıtulo 7). Al´em disso, foi visto na se¸ c˜ao
anterior que campo magn´etico variante no tempo produz campo el´etrico variante no
tempo, neste caso, com orienta¸ c˜ao na dire¸ c˜ao a
z
. Para um ponto de observa¸ c˜ao muito
distante da antena dipolo, as frentes de onda podem ser consideradas praticamente
planas e os campos podem ser representados neste caso pelas equa¸ c˜oes

2
E
∂r
2

1
c
2

2
E
∂t
2
= 0 (1.23)
e

2
H
∂r
2

1
c
2

2
H
∂t
2
= 0 (1.24)
onde c ´e a velocidade da onda eletromagn´etica que se propaga na dire¸ c˜ao a
r
, com
campo el´etrico da forma
E = E
z
(r, t) a
z
(1.25)
e o campo magn´etico
H = H
ϕ
(r, t) a
ϕ
(1.26)
A solu¸ c˜ao da equa¸ c˜ao (1.23) ou (1.24) pode ser obtida utilizando-se o m´etodo da
separa¸ c˜ao de vari´ aveis. Tomando-se por exemplo a equa¸ c˜ao (1.23) e considerando
que
E
z
(r, t) = f(t) g(r) (1.27)
Pode-se obter, atrav´es da substitui¸ c˜ao de (1.27) em (1.23), o seguinte resultado
f(t)

2
g(r)
∂r
2
=
g(r)
c
2

2
f(t)
∂t
2
(1.28)
ou, dividindo-se toda a equa¸ c˜ao por E
z
(r, t),
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 6
1
g(r)

2
g(r)
∂r
2
=
1
c
2
f(t)

2
f(t)
∂t
2
(1.29)
Observe que o lado direito da equa¸ c˜ao (1.29) s´ o ser´ a igual ao lado esquerdo
quando ambos forem iguais a uma constante. Portanto, pode-se escrever duas
equa¸ c˜oes a partir de (1.29), ou seja,
1
g(r)
d
2
g(r)
dr
2
=−k
2
(1.30)
e
1
c
2
f(t)
d
2
f(t)
dt
2
=−k
2
(1.31)
onde o termo constante −k
2
foi escolhido dessa forma por conveniˆencia.
As solu¸ c˜oes das equa¸ c˜oes diferenciais ordin´arias de segunda ordem (1.30) e (1.31)
s˜ao combina¸ c˜oes lineares de duas fun¸c˜oes ortonormais que, neste caso, s˜ ao respecti-
vamente escritas como
g(r) = C
1
e
jkr
+ C
2
e
−jkr
(1.32)
e
f(t) = C
3
e
jω t
+ C
4
e
−jω t
(1.33)
sendo
ω = k c (1.34)
Ser´a mostrado mais adiante que, para ondas propagando-se no sentido r
+
, o que
neste caso equivale a onda sendo radiada pela antena, C
1
´e igual a zero e
g(r) = C
2
e
−jkr
(1.35)
J´ a a varia¸ c˜ao temporal pode ser escrita como,
f(t) = C
3
e
jω t
(1.36)
Sendo assim, a fun¸ c˜ao que descreve a varia¸ c˜ao do campo el´etrico de uma onda plana
´e da forma
E
z
(r, t) = E
o
e
j(ω t−kr)
(1.37)
neste caso, a amplitude E
o
´e considerada constante.
7 1.5. Caracter´ısticas de uma Onda Eletromagn´etica
De maneira semelhante, pode-se obter a seguinte express˜ ao para o campo magn´etico:
H
ϕ
(r, t) = H
o
e
j(ω t−kr)
(1.38)
sendo H
o
constante.
Os resultados apresentados em (1.37) e (1.38) representam os campos de uma
onda plana ideal. Na pr´ atica, as amplitudes E
o
e H
o
diminuem com a distˆ ancia,
como ser´ a visto, em um estudo mais rigoroso, no Cap´ıtulo 7.
Para se confirmar que (1.37) e (1.38) s˜ ao solu¸ c˜oes das equa¸ c˜oes de onda, basta
apenas substitu´ı-las respectivamente em (1.23) e (1.24). Estas solu¸ c˜oes s˜ao es-
pec´ıficas para este caso. Solu¸ c˜oes mais complexas podem ser obtidas a partir de
uma combina¸ c˜ao linear de fun¸ c˜oes do tipo e
jn(ω t±kr)
, isto ´e,
E
z
(r, t) =
N

n=0
C
n
e
jn(ω t±kr)
(1.39)
e
H
ϕ
(r, t) =
N

n=0
D
n
e
jn(ω t±kr)
(1.40)
onde C
n
e D
n
s˜ao constantes complexas.
1.5 Caracter´ısticas de uma Onda Eletromagn´etica
Analisando-se as caracter´ısticas de uma onda plana, cujo campo el´etrico ´e represen-
tado matematicamente pelo fasor-vetor
E(z, t) = E
o
e

a
y
= E
o
e
j(ω t−kz)
a
y
(1.41)
ou, tomando-se apenas a parte real,
E(z, t) = E
o
cos φa
y
= E
o
cos(ω t −kz) a
y
(1.42)
Pode-se verificar que, para um plano z fixo, o campo el´etrico varia harmonicamente
no tempo. Da mesma forma tem-se para um instante de tempo t uma varia¸ c˜ao
espacial do campo tamb´em harmˆ onica. A varia¸ c˜ao espacial, neste caso, ocorre ao
longo de z. O valor m´ aximo do campo, E
o
, ´e chamado de amplitude, enquanto o
argumento da fun¸ c˜ao cossenoidal ´e chamado de fase da onda, ou seja, φ = ω t −kz.
A velocidade de propaga¸ c˜ao da onda plana ´e igual ` a velocidade de um observador
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 8
que acompanha o deslocamento de uma frente de onda cuja fase ´e, por exemplo, φ
o
,
isto ´e,

o
dt
= ω −k
dz
dt
= 0 (1.43)
ou
v
f
=
dz
dt
=
ω
k
(1.44)
ou na forma vetorial,
v
f
=
ω
k
a
z
(1.45)
Lembrando-se que v
f
, tamb´em denominada velocidade de fase da onda, depende
das caracter´ısticas el´etricas e magn´eticas do meio, como mostra a equa¸ c˜ao (1.21).
A propaga¸ c˜ao da onda, neste caso, se d´ a no sentido z
+
, como mostrado na Figura
1.1a. Para ondas propagando-se no sentido contr´ ario, tem-se
E
y
(z)
z
λ
v
f
(a)
E
y
(t)
t
Τ
(b)
Figura 1.1: Varia¸ c˜ao da intensidade do campo el´etrico no: (a) espa¸ co; (b) tempo.

o
dt
= ω + k
dz
dt
= 0 (1.46)
ou
v
f
= −
ω
k
a
z
(1.47)
9 1.5. Caracter´ısticas de uma Onda Eletromagn´etica
A distˆancia entre duas frentes de onda de mesma fase, para um dado instante
de tempo, ´e denominada de comprimento de onda, representado pela letra grega λ
(vide Figura 1.1a). Neste caso, a varia¸ c˜ao ∆φ entre as duas frentes ´e igual a 2π, ou
seja,
∆φ = k ∆z = k λ = 2π (1.48)
e como conseq¨ uˆencia, a raz˜ ao entre ∆φ e ∆z ´e dada por
k =
∆φ
∆z
=

λ
(1.49)
comumente chamada de n´ umero de onda.
A varia¸ c˜ao de fase de 2π que ocorre num intervalo de tempo ∆t = T, para um
dado plano z, ´e denominado de per´ıodo da onda (vide Figura 1.1b). Portanto,
∆φ = ω ∆t = ωT = 2π (1.50)
e como conseq¨ uˆencia, a raz˜ ao entre ∆φ e ∆t ´e dada por
ω =
∆φ
∆t
=

T
(1.51)
denominada de freq¨ uˆencia angular da onda.
Substituindo as equa¸ c˜oes (1.49) e (1.51) em (1.44), obt´em-se
v
f
= λf (1.52)
onde f =
1
T
´e chamada de freq¨ uˆencia da onda.
Exemplo 1.1 Duas antenas do tipo dipolo est˜ao espa¸cadas perpendicularmente em
rela¸ c˜ao ao eixo z, como mostrado na Figura 1.2. Cada antena radia ondas eletro-
magn´eticas de mesma intensidade e fase. Qual deve ser o espa¸ camento m´ınimo para
que o campo, no ponto P, seja m´ aximo?
Solu¸ c˜ao: O campo el´etrico no plano z = z
o
´e obtido a partir de
E(z
o
, t) = E
o
cos φ
1
+ E
o
cos φ
2
sendo, φ
1
= ω t − kz
o
e φ
2
= ω t − k(z
o
− d) = φ
1
+ kd. Pode-se facilmente
verificar que as ondas se superp˜ oem quando φ
2
= φ
1
ou, de uma forma geral, quando
φ
2
= φ
1
+ 2nπ. Portanto, a diferen¸ ca de fase ´e ent˜ao
∆φ = kd = 2nπ
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 10
e
d =
2nπ
k
= nλ
o valor m´ınimo de d, diferente de zero, ´e λ.
z
0
1
2
P
d
z
o
(z) E
Figura 1.2: Arranjo de antenas dipolos separadas por uma distˆ ancia d.
1.6 Polariza¸ c˜ao de Ondas Eletromagn´eticas
Uma onda est´ a polarizada linearmente quando o campo el´etrico n˜ ao muda de dire¸ c˜ao
no espa¸ co. No caso de uma onda plana propagando-se na dire¸ c˜ao z
+
, com o vetor
campo el´etrico apontando sempre na dire¸ c˜ao y,
E = E
o
sen(ωt −kz) a
y
(1.53)
a polariza¸ c˜ao ´e dita linear na dire¸ c˜ao y. O vetor campo el´etrico poderia apontar
em qualquer outra dire¸ c˜ao no plano xy, para uma onda propagando-se na dire¸ c˜ao
z, e ainda assim ser linearmente polarizada, desde que este n˜ ao mude de dire¸ c˜ao ao
longo do sentido de propaga¸ c˜ao.
O caso mais geral em termos de polariza¸ c˜ao ocorre quando o vetor campo el´etrico
muda de dire¸ c˜ao ao longo da dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. Nesta condi¸ c˜ao, a onda est´ a
11 1.6. Polariza¸ c˜ao de Ondas Eletromagn´eticas
polarizada elipticamente ou circularmente, como ser´ a visto mais adiante. Sendo
assim, pode-se classificar as ondas eletromagn´eticas de acordo com a dire¸ c˜ao do
campo el´etrico ou polariza¸ c˜ao. Os tipos de polariza¸ c˜ao poss´ıveis s˜ao mostrados na
Figura 1.3, ou seja: el´ıpticas (caso gen´erico), circular e linear (casos particulares).
Uma onda elipticamente polarizada pode ser obtida a partir de duas ondas lin-
earmente polarizadas, cujos campos el´etricos s˜ao ortogonais entre si. Por exemplo,
E
x
= E
1
sen(ωt −kz) (1.54)
e
E
y
= E
2
sen(ωt −kz + δ) (1.55)
sendo δ a defasagem entre as duas componentes de campo. O campo resultante na
forma vetorial ´e dado por
E = E
1
sen(ωt −kz) a
x
+E
2
sen(ωt −kz + δ)a
y
(1.56)
Para o plano z = 0, tem-se
E
x
= E
1
sen ωt (1.57)
e
E
y
= E
2
sen(ωt + δ) (1.58)
ou
E
y
= E
2
(sen ωt cos δ + sen δ cos ωt) (1.59)
onde
sen ωt =
E
x
E
1
(1.60)
e
cos ωt =
¸
1 −
_
E
x
E
1
_
2
(1.61)
logo
E
y
E
2
=
E
x
E
1
cos δ +
¸
1 −
_
E
x
E
1
_
2
sen δ (1.62)
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 12
ou
_
E
y
E
2

E
x
E
1
cos δ
_
2
1
sen
2
δ
= 1 −
_
E
x
E
1
_
2
(1.63)
ou ainda
_
E
y
E
2
_
2
−2
E
y
E
x
E
2
E
1
cos δ +
_
E
x
E
1
_
2
cos
2
δ +
_
E
x
E
1
_
2
sen
2
δ = sen
2
δ (1.64)
Portanto,
_
E
y
E
2
_
2
−2
E
y
E
x
E
2
E
1
cosδ +
_
E
x
E
1
_
2
= sen
2
δ (1.65)
Considerando-se
1
E
2
1
sen
2
δ
= a (1.66)
2 cosδ
E
2
E
1
sen
2
δ
= b (1.67)
e
1
E
2
2
sen
2
δ
= c (1.68)
obt´em-se a equa¸ c˜ao de uma elipse, ou seja,
aE
2
x
−2bE
y
E
x
+ cE
2
y
= 1 (1.69)
A equa¸ c˜ao (1.69) representa a varia¸ c˜ao do vetor campo el´etrico no plano z = 0,
como mostrado na Figura 1.3a. Quando δ = ±90

e E
1
= E
2
a equa¸ c˜ao (1.65) se
reduz `a equa¸ c˜ao de uma circunferˆencia, isto ´e,
E
2
x
+ E
2
y
= E
2
1
(1.70)
neste caso, a varia¸ c˜ao do campo el´etrico no plano z = 0 ´e circular, como mostrado
na Figura 1.3b. O sinal de δ determina o sentido de giro do campo. Por exemplo,
se δ = −90

ent˜ao,
E
x
= E
1
sen ωt (1.71)
e
13 1.6. Polariza¸ c˜ao de Ondas Eletromagn´eticas
z z z
y
x
x
x
y
y
E
E
E
E
2
E
1
(a) (b) (c)
Figura 1.3: Polariza¸ c˜ao: (a) el´ıptica para direita; (b) circular para direita; (c) linear.
E
y
= E
1
sen(ωt −
π
2
) = −E
1
cos ωt (1.72)
Portanto para t = 0, E
x
= 0 e E
y
= −E
1
, enquanto para t =
T
4
, E
x
= E
1
e
E
y
= 0. O resultado ´e mostrado na Figura 1.4a e a polariza¸ c˜ao ´e denominada
circular para direita. Quando δ = +90

, obt´em-se uma onda polarizada no sentido
contr´ ario, como visto na Figura 1.4b. Uma maneira simples de se associar o sentido
da polariza¸ c˜ao com o resultado gr´ afico exposto pode ser obtida utilizando as m˜ aos.
Com a m˜ ao semifechada e polegar apontando na dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao obt´em-se o
sentido da polariza¸ c˜ao. Por exemplo, quando os dedos da m˜ ao direita apontam no
sentido de giro do campo, a polariza¸ c˜ao ´e para direita.
Para δ = 0

ou δ = 180

a equa¸ c˜ao (1.65) se reduz a
_
E
y
E
2
_
2
±2
E
y
E
x
E
2
E
1
+
_
E
x
E
1
_
2
= 0 (1.73)
ou
_
E
y
E
2
±
E
x
E
1
_
2
= 0 (1.74)
ou ainda
E
y
E
2
= ∓
E
x
E
1
(1.75)
Reescrevendo a equa¸c˜ao (1.75), obt´em-se a equa¸c˜ao de uma reta, ou seja,
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 14
(a) (b)
z
x
y
E
z
x
y
E
Figura 1.4: Polariza¸ c˜ao circular para: (a) direita; (b) esquerda.
E
y
= ∓
E
2
E
1
E
x
(1.76)
neste caso, a varia¸ c˜ao do campo el´etrico no plano z = 0 ´e linear, como mostrado na
Figura 1.3c.
Exemplo 1.2 Determine a polariza¸ c˜ ao de uma onda eletromagn´etica cuja varia¸ c˜ao
do campo el´etrico ´e representada por
E(z, t) = 2 sen(ω t −kz) a
x
−cos(ω t −kz) a
y
Solu¸ c˜ao: Pela equa¸ c˜ao acima, pode-se verificar que a onda se propaga no sentido
z
+
, uma vez que os sinais, nos argumentos das fun¸ c˜oes seno e cosseno, s˜ao negativos.
Observa-se tamb´em que as componentes de campo tˆem amplitudes diferentes e est˜ao
em quadratura (defasagem de 90

), cos(ω t −kz) = sen(ω t −kz +π/2) . Portanto,
pode-se concluir que a onda est´ a elipticamente polarizada, pois a raz˜ ao entre as
amplitudes ´e diferente de 1 e a defasagem δ = −90

. Entretanto, fica faltando saber
se o sentido ´e para direita ou para esquerda. No plano z = 0, quando t = 0, E
x
= 0
e E
y
= −1, enquanto para t =
T
4
, E
x
= 2 e E
y
= 0, logo o sentido ´e para direita,
como mostrado na Figura 1.3a.
1.7 Equa¸ c˜ao de Helmholtz
Considerando-se que a varia¸ c˜ao da onda eletromagn´etica no dom´ınio do tempo ´e
harmˆ onica, isto ´e, e
jω t
, e que o campo el´etrico pode ser escrito como o produto de
15 1.7. Equa¸ c˜ao de Helmholtz
uma fun¸ c˜ao que depende somente do espa¸ co com outra que depende s´ o do tempo,
ou seja, E(r, t) = E(r) e
jω t
, ent˜ao a equa¸ c˜ao de onda (1.19) pode ser escrita como
e
jω t

2
E(r)+
ω
2
v
2
E(r) e
jω t
= 0 (1.77)
ou

2
E(r) +k
2
E(r) = 0 (1.78)
uma vez que

2
E
∂t
2
= −ω
2
E(r) e
jω t
(1.79)
A equa¸ c˜ao diferencial (1.78) ´e chamada de equa¸ c˜ao de onda reduzida ou equa¸ c˜ao
de Helmholtz. A solu¸ c˜ao de (1.78) fornece a varia¸ c˜ao espacial do vetor campo el´etrico
da onda. De forma semelhante pode-se obter a equa¸ c˜ao de Helmholtz para o campo
magn´etico,

2
H(r) +k
2
H(r) = 0 (1.80)
A solu¸ c˜ao da equa¸ c˜ao de Helmholtz para uma onda eletromagn´etica propagan-
do-se num diel´etrico isotr´ opico sem perdas pode ser obtida utilizando-se o m´etodo
da separa¸ c˜ao de vari´ aveis. Na forma vetorial, a solu¸ c˜ao de (1.78) ´e do tipo
E(r) = E
o
(r) e
−j k· r
(1.81)
Enquanto a solu¸ c˜ao para (1.80) ´e
H(r) = H
o
(r) e
−j k· r
(1.82)
sendo E
o
e H
o
os vetores amplitude, r o vetor posi¸ c˜ao e k o vetor de onda que aponta
no sentido de propaga¸ c˜ao. Em coordenadas retangulares, estes vetores podem ser
escritos como se segue:
E
o
(r) = E
xo
(r) a
x
+E
yo
(r) a
y
+E
zo
(r) a
z
(1.83)
H
o
(r) = H
xo
(r) a
x
+H
yo
(r) a
y
+H
zo
(r) a
z
(1.84)
r = xa
x
+y a
y
+z a
z
(1.85)
e
k = k
x
a
x
+k
y
a
y
+k
z
a
z
(1.86)
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 16
Por exemplo, se uma onda plana se propaga na sentido z

com campo el´etrico
orientado na dire¸ c˜ao y, ent˜ao a express˜ ao do campo el´etrico em fun¸ c˜ao da posi¸ c˜ao
no espa¸ co ser´ a dada por
E(r) = (E
yo
a
y
) e
−j (−k
z
a
z
)· (xa
x
+y a
y
+z a
z
)
= E
yo
e
j k
z
z
a
y
(1.87)
1.8 Ondas Transversais Eletromagn´eticas
A solu¸ c˜ao da equa¸ c˜ao de Helmholtz para ondas propagando-se num espa¸ co aberto
´e dada, no caso do campo el´etrico, por (1.81). Sabe-se que, para pontos livres de
cargas el´etricas,
∇ E = 0 (1.88)
logo,
∇ E
o
(r) e
−j k· r
= 0 (1.89)
Utilizando-se a identidade vetorial
∇ Fφ ≡ F ∇φ (1.90)
sendo F uma fun¸ c˜ao vetorial e φ uma fun¸ c˜ao escalar, tem-se
E
o
(r) ∇e
−j k· r
= −jEk =0 (1.91)
ou simplesmente
Ek = 0 (1.92)
Portanto, o produto escalar entre o vetor campo el´etrico e o vetor n´ umero de onda,
que aponta na dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao da onda, ´e zero. Este resultado indica que o
campo el´etrico ´e ortogonal, ou transversal, ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao.
De maneira semelhante, substituindo (1.82) em (1.12), pode-se obter
Hk = 0 (1.93)
indicando que o campo magn´etico tamb´em ´e transversal ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao.
Por este motivo as ondas eletromagn´eticas, sejam elas planas, cil´ındricas ou esf´ericas,
com os campos el´etrico e magn´etico ortogonais ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, s˜ ao chamadas
de ondas Transversais EletroMagn´eticas (TEM).
17 1.9. Impedˆ ancia e Admitˆ ancia Intr´ınsecas do Meio
1.9 Impedˆancia e Admitˆancia Intr´ınsecas do Meio
Para ondas TEM, propagando-se num meio diel´etrico isotr´ opico homogˆeneo sem
perdas, as varia¸ c˜oes dos campos no espa¸ co s˜ao representadas matematicamente pelas
equa¸ c˜oes (1.81) e (1.82). Sabe-se tamb´em que, para varia¸ c˜ao harmˆ onica no tempo,
∇ H =
∂E
∂t
= jω E (1.94)
e
∇ E = −µ
∂H
∂t
= −jωµH (1.95)
Substituindo (1.81) em (1.95), tem-se
∇ E
o
(r) e
−jk·r
= −jωµH (1.96)
ou
H =
j
ωµ
∇ E
o
(r) e
−jk·r
(1.97)
De maneira semelhante, substituindo (1.82) em (1.94), pode-se obter
E =
−j
ω
∇ H
o
(r) e
−jk·r
(1.98)
Utilizando-se a identidade vetorial
∇ Fφ ≡ −F ∇φ (1.99)
pode-se reescrever as equa¸c˜oes (1.97) e (1.98) como
H =
−j
ωµ
E
o
(r) ∇e
−jk·r
=
1
ωµ
k E (1.100)
e
E =
j
ω
H
o
(r) ∇e
−jk·r
=
−1
ω
k H (1.101)
Considerando-se que n ´e um versor na dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, tˆem-se
H = Y n E (1.102)
e
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 18
E = −Z n H (1.103)
onde
Z = η =
k
ω
=
_
µ

(1.104)
´e a impedˆ ancia intr´ınseca do diel´etrico e
Y =
1
η
=
k
ωµ
=
_

µ
(1.105)
a admitˆ ancia.
1.10 Densidade de Potˆencia e Densidade Volum´e-
trica de Energia
Sabe-se que onde existe campo el´etrico h´ a tamb´em energia e que a densidade volum´etrica
de energia el´etrica m´ axima ´e dada por
U
e
max
=
1
2
E
2
o
(1.106)
sendo E
o
o valor de pico do campo el´etrico. Enquanto seu valor m´edio ´e dado por
U
e
=
1
2
E
2
ef
=
1
4
E
2
o
(1.107)
onde E
ef
=
E
o

2
´e o campo el´etrico eficaz para campos que variam harmonicamente
no tempo.
Da mesma forma, pode-se afirmar que onde existe campo magn´etico h´ a energia
magn´etica e a densidade volum´etrica de energia m´ axima ´e dada por
U
m
max
=
1
2
µH
2
o
(1.108)
enquanto a densidade volum´etrica m´edia ´e fornecida por
U
m
=
1
2
µH
2
ef
=
1
4
µH
2
o
(1.109)
sendo H
ef
=
H
o

2
o campo magn´etico eficaz e H
o
campo magn´etico de pico. A energia
armazenada num dado volume ´e fornecida pela express˜ ao
19 1.10. Densidade de Potˆencia e Densidade Volum´etrica de Energia
c =
___
V
U dV (1.110)
Portanto, a energia el´etrica e magn´etica armazenada num volume V s˜ao forneci-
das respectivamente por
c
e
=
___
V
U
e
dv =

4
___
V
E E

dV (1.111)
e
c
m
=
___
V
U
m
dv =
µ
4
___
V
H H

dV (1.112)
onde o asterisco indica complexo conjugado.
Imagine agora uma onda eletromagn´etica plana propagando-se na dire¸ c˜ao z. A
densidade volum´etica de energia m´edia total associada ` a onda ´e dada por
U
t
= U
e
+ U
m
=
1
4
E
2
o
+
1
4
µH
2
o
(1.113)
escrevendo a equa¸ c˜ao (1.102) na forma escalar, tem-se
H
o
= Y E
o
(1.114)
Substituindo (1.114) em (1.113), obt´em-se
U
t
= 2U
e
= 2U
m
=
1
2
E
2
o
=
1
2
µH
2
o
(1.115)
A densidade de potˆencia m´edia num plano z qualquer ´e igual ao produto da
densidade volum´etrica de energia total da onda pela velocidade de propaga¸ c˜ao da
energia, isto ´e,
W
m
= U
t
v (1.116)
num diel´etrico perfeito a energia associada ` a onda ´e transportada a uma velocidade
igual a velocidade de fase desta onda. Portanto,
W
m
=
1
2
E
2
o
v
f
=
E
2
o

(1.117)
ou ainda
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 20
W
m
=
1
2
µH
2
o
v
f
=
ηH
2
o
2
(1.118)
´
E importante salientar que existem meios onde o transporte de energia associada
`a onda eletromagn´etica n˜ ao ocorre ` a velocidade de fase.
Geralmente, a densidade de potˆencia ´e representada na forma vetorial, ou seja,
W
m
=
1
2
E H

(1.119)
sendo W
m
denominado de vetor de Poynting m´edio. Para um meio qualquer, onde
a impedˆ ancia intr´ınseca pode ser complexa, o vetor de Poynting ´e dado por
W
m
=
1
2
Re¦ E H

¦ (1.120)
A potˆencia m´edia associada a uma ´ area S de uma determinada frente de onda ´e
fornecida por
P
m
=
__
S
W
m
ds (1.121)
Exemplo 1.3 Um copo d’´ agua, com 10cm de diˆ ametro e 15cm de profundidade, ´e
colocado para esquentar dentro de um forno de microondas. O campo el´etrico ger-
ado pelo forno tem valor m´ aximo igual a 1kV/m e varia com uma freq¨ uˆencia de
1GHz. Supondo-se que a onda eletromagn´etica ´e plana e incide normalmente sobre
a superf´ıcie da ´ agua, qual deve ser a energia absorvida por este l´ıquido? Qual a
potˆencia m´edia que chega ` a superf´ıcie d’´ agua? Considere que o campo eletrico na
´agua diminui para 20% do seu valor m´ aximo no ar. Nesta freq¨ uˆencia a permissivi-
dade relativa da ´ agua ´e igual 81.
Solu¸ c˜ao: A energia pode ser calculada a partir da integra¸ c˜ao da densidade volum´etrica
de energia total, equa¸ c˜ao (1.115). Neste caso, torna-se necess´ ario encontrar o valor
do campo el´etrico m´ aximo dentro d ’´ agua, este valor ´e 5 vezes menor (20%) que no
ar, isto ´e, 200V/m. Sendo assim,
U
t
=
1
2

r

o
E
2
o
=
1
2
81 8, 85 10
−12
(200)
2
= 1, 43 10
−5
J/m
3
A energia ´e ent˜ao obtida a partir de
c =
___
V
U
t
dV = U
t
V = 1, 4310
−5
π(510
−2
)
2
1, 510
−1
= 1, 6810
−8
J
21 1.11. Velocidade de Fase, de Grupo e Relativa
Finalmente, a potˆencia m´edia que chega ` a superficie da ´ agua ´e dada por
P
m
=
__
S
W
m
ds =
E
2
o

o
S
Como a impedˆ ancia intr´ınseca do ar ´e η
o
= 120πΩ, ent˜ao
P
m
=
(1 10
3
)
2
240π
π (5 10
−2
)
2
= 10, 4W
1.11 Velocidade de Fase, de Grupo e Relativa
Foi visto que, para meios diel´etricos perfeitos, a velocidade de fase de uma onda
eletromagn´etica ´e dada por
v
f
=
1

µε
(1.122)
e no espa¸ co-livre, por
c =
1

µ
o
ε
o
(1.123)
A velocidade relativa ´e definida como a raz˜ ao entre a velocidade de fase da onda
no meio diel´etrico pela velocidade da onda no v´ acuo, ou seja,
p =
v
f
c
=
1

µ
r
ε
r
(1.124)
Observe que, quanto maior for a permissividade e/ou permeabilidade do meio, menor
ser´a a velocidade relativa da onda. Para meios n˜ ao-magn´eticos, tem-se
p =
1

ε
r
(1.125)
uma vez que a permeabilidade relativa ´e igual ` a unidade.
Muitos materiais diel´etricos s˜ao classificados de acordo com uma grandeza chamada
´ındice de refra¸ c˜ao, que ´e definido como sendo o inverso da velocidade relativa da onda
no meio, isto ´e,
n =
1
p
=

ε
r
(1.126)
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 22
A velocidade de grupo est´ a associada a um grupo de ondas eletromgn´eticas de
freq¨ uˆencias distintas. Cada onda se propaga com velocidade de fase dada por (1.122)
e velocidade de grupo
v
g
=


(1.127)
Para materiais diel´etricos β = k.
A equa¸ c˜ao (1.127) pode ser obtida como segue. Considere, por exemplo, duas
ondas eletromagn´eticas de freq¨ uˆencias distintas cujas express˜oes dos campos el´etricos
s˜ao dadas por
E
1
(z, t) = E
o
e
j(ω
1
t−k
1
z)
a
y
(1.128)
e
E
2
(z, t) = E
o
e
j(ω
2
t−k
2
z)
a
y
(1.129)
Onde o campo el´etrico resultante ´e
E
t
= E
o
_
e
j(ω
1
t−k
1
z)
+ e
j(ω
2
t−k
2
z)
¸
a
y
(1.130)
Supondo que
ω
1
= ω
o
−∆ω (1.131)
e
ω
2
= ω
o
+ ∆ω (1.132)
sendo
ω
o
=
ω
1
+ ω
2
2
(1.133)
e
∆ω =
ω
2
−ω
1
2
(1.134)
pode-se reescrever a equa¸ c˜ao (1.130) como
E
t
= E
o
e
j(ω
o
t−k
o
z)
_
e
−j(∆ω t−∆k z)
+ e
j(∆ω t−∆k z)
¸
a
y
(1.135)
ou
23 1.11. Velocidade de Fase, de Grupo e Relativa
E
t
= 2E
o
e
j(ω
o
t−k
o
z)
cos(∆ω t −∆k z)a
y
(1.136)
Considerando-se apenas a parte real, tem-se
E
t
= 2 cos(ω
o
t −k
o
z) cos(∆ω t −∆k z)a
y
(1.137)
O que lembra um sinal modulado em amplitude com portadora suprimida [33][21],
onde a freq¨ uˆencia da portadora ´e ω
o
e do sinal modulador ∆ω. A Figura 1.5 mostra
a onda resultante indicando a velocidade de grupo e de fase.
E
y
(z)
z
v
g v
f
Figura 1.5: Onda resultante da superposi¸ c˜ao de duas ondas de freq¨ uˆencias distintas.
As velocidades de fase e grupo est˜ ao indicadas.
A velocidade do grupo de um conjunto de onda est´ a associada ` a envolt´ oria da
onda resultante e ´e definida como sendo a velocidade de deslocamento de um dado
ponto fixo desta envolt´ oria, ou seja,
v
g
=
∆ω
∆k
(1.138)
ou
v
g
= lim
∆ω →0
∆ω
∆k
=

dk
(1.139)
A equa¸ c˜ao (1.139) fornece a velocidade do grupo de ondas na freq¨ uˆencia ω
o
que
´e a m´edia das freq¨ uˆencias de cada onda que comp˜ oe o grupo. Observe que, se a
permissividade do meio n˜ ao varia com a freq¨ uˆencia, ent˜ao
CAP´ıTULO 1. Ondas Eletromagn´eticas 24
v
g
= v
f
(1.140)
pois, substituindo ω = v
f
k em (1.139), tem-se
v
g
=

dk
= v
f
+ k
dv
f
dk
(1.141)
Se a permissividade n˜ ao varia com a freq¨ uˆencia, v
f
tamb´em n˜ao varia com a freq¨ uˆencia
e nem com o n´ umero de onda, tornando o segundo termo da equa¸ c˜ao (1.141) nulo.
Cap´ıtulo 2
Ondas TEM num Meio Qualquer
2.1 Introdu¸ c˜ao
O estudo de ondas eletromagn´eticas realizado no cap´ıtulo anterior se deteve, em
grande parte tempo, na an´ alise de ondas propagando-se no ar ou v´ acuo. Neste
cap´ıtulo ser˜ ao abordados t´ opicos referentes `as ondas transversais eletromagn´eticas
propagando-se num meio qualquer. Na Se¸ c˜ao 2.2 ´e apresentada uma classifica¸ c˜ao dos
meios de acordo com as suas caracter´ısticas el´etricas, enquanto que nas duas se¸c˜oes
seguintes ´e feita uma generaliza¸ c˜ao da equa¸ c˜ao de Helmholtz, impedˆ ancia intr´ınseca e
velocidade de fase. No restante do cap´ıtulo s˜ ao analisados o fenˆ omeno de propaga¸ c˜ao
dos campos eletromagn´eticos em meios diel´etricos quaisquer e condutores.
2.2 Meios Diel´etricos e Condutores
Os meios podem ser classificados de acordo com suas caracter´ısticas el´etricas e
magn´eticas, como permissividade, permeabilidade e condutividade. Eles podem
ser diel´etricos perfeitos, diel´etricos com perdas, quase condutores, condutores ou
condutores perfeitos. A classifica¸c˜ao tamb´em depende da freq¨ uˆencia da onda eletro-
magn´etica que se propaga no meio. Um meio pode ser diel´etrico para uma determi-
nada faixa de freq¨ uˆencia e condutor para outra.
Sabe-se pela lei de Amp`ere que, para campos variando harmonicamente no
tempo,
∇ H =σE + jω E (2.1)
onde o primeiro termo do lado direito da equa¸ c˜ao representa a densidade de corrente
de condu¸ c˜ao do meio e, o segundo, a densidade de corrente de deslocamento. Se
25
CAP´ıTULO 2. Ondas TEM num Meio Qualquer 26
σ = 0, ent˜ ao, o meio ´e dito perfeitamente diel´etrico, podendo ser considerado sem
perdas quando e µ s˜ao n´ umeros reais, ou com perdas quando e/ou µ assume
valores complexos. Por outro lado, se σ ¸ ω, ent˜ao, o meio ´e dito condutor, pois
a corrente de condu¸ c˜ao ´e predominante em rela¸ c˜ao ` a corrente de deslocamento. Em
termos pr´ aticos, pode-se classificar os meios como: condutores,
σ
ω
> 100; quase-
condutores,
1
100
<
σ
ω
< 100; diel´etricos,
σ
ω
<
1
100
. Observe que esta classifica¸ c˜ao
depende diretamente da freq¨ uˆencia da onda.
Meios diel´etricos podem tamb´em ser considerados isotr´ opicos ou anisotr´ opicos.
Os meios isotr´ opicos s˜ ao aqueles onde a permissividade n˜ ao muda com a dire¸ c˜ao.
Neste caso, as componentes de densidade de fluxo el´etrico est˜ ao relacionadas com o
campo el´etrico atrav´es de
D =
_
_
D
x
D
y
D
z
_
_
=
_
_

x
0 0
0
y
0
0 0
z
_
_
_
_
E
x
E
y
E
z
_
_
(2.2)
sendo
x
=
y
=
z
. Enquanto os meios anisotr´ opicos s˜ ao classificados como:
uniaxial, onde as permissividades s˜ ao idˆenticas em duas dire¸c˜oes e biaxial, onde

x
,=
y
,=
z
.
Se um grupo de ondas com freq¨ uˆencias distintas se propagam num meio qualquer,
onde cada onda se desloca com velocidade de fase diferente das outras, ent˜ ao este
meio ´e dito dispersivo. Por outro lado, se cada onda possui a mesma velocidade
de fase das outras, o meio ´e dito n˜ ao-dispersivo. Sendo assim, pode-se tamb´em
classificar os meios de acordo com a dispers˜ ao das ondas eletromagn´eticas que se
propagam neles.
Como foi visto no cap´ıtulo anterior, a velocidade de um grupo de ondas ´e dado
por
v
g
= v
f
+ k
dv
f
dk
(2.3)
ou
v
g
= v
f
−λ
dv
f

(2.4)
uma vez que k = 2π/λ. Se a velocidade de fase v
f
n˜ao varia com o comprimento de
onda λ (ou freq¨ uˆencia), ent˜ao, por (2.4), a velocidade de grupo ´e igual a velocidade
de fase e o meio ´e dito n˜ ao-dispersivo. Entretanto, se a velocidade de fase de cada
onda do grupo aumenta com o comprimento de onda, ent˜ ao
dv
f

> 0, v
g
< v
f
e o
meio ´e dito normalmente dispersivo. Por fim, se
dv
f

< 0, ent˜ ao v
g
> v
f
e o meio ´e
considerado dispersivo anˆ omalo.
27 2.3. Equa¸ c˜ao de Helmholtz
Exemplo 2.1 Uma onda eletromagn´etica se propaga num meio com velocidade de
fase dada por
v
f
=
C
λ
onde C ´e uma constante qualquer. Que tipo de meio ´e esse?
Solu¸ c˜ao: A partir da equa¸ c˜ao (2.4), pode-se verificar que a velocidade de grupo
v
g
= v
f
−λ
dv
f

= v
f
+
C
λ
= 2v
f
ou seja, a velocidade de grupo ´e duas vezes maior que a de fase, portanto, o meio
´e dispersivo anˆ omalo. Na realidade, o meio ´e condutor, como ser´ a visto na ´ ultima
se¸c˜ao deste cap´ıtulo.
2.3 Equa¸ c˜ao de Helmholtz
Considere agora uma onda propagando-se num meio com condutividade σ, permis-
sividade e permeabilidade µ. Se os campos variam harmonicamente no tempo,
ent˜ao
∇ H = (σ + jω) E (2.5)
e
∇ E = −jωµH (2.6)
Portanto, as equa¸ c˜oes de Helmholtz para os campos el´etrico e magn´etico, obtidas a
partir das equa¸ c˜oes (2.5) e (2.6), s˜ ao dadas por

2
E−γ
2
E = 0 (2.7)
e

2
H −γ
2
H = 0 (2.8)
onde
γ
2
= jωµσ −ω
2
µ (2.9)
ou
CAP´ıTULO 2. Ondas TEM num Meio Qualquer 28
γ =
_
jωµσ −k
2
(2.10)
sendo γ denominada de constante de propaga¸ c˜ao. As solu¸ c˜oes das equa¸ c˜oes de
Helmholtz (2.7) e (2.8) s˜ ao, respectivamente,
E(r) = E
o
(r) e
−γ n· r
(2.11)
e
H(r) = H
o
(r) e
−γ n· r
(2.12)
onde n ´e o versor que indica o sentido de propaga¸ c˜ao da onda. De uma forma geral,
a constante de propaga¸ c˜ao ´e um n´ umero complexo representado por γ = α + jβ,
sendo α = Re
_
_
jωµσ −k
2
_
e β = Im
_
_
jωµσ −k
2
_
. Portanto, para uma onda
plana propagando-se no sentido z
+
, as solu¸ c˜oes (2.11) e (2.12) podem ser reescritas,
respectivamente, como
E(z) = E
o
e
−αz
e
−jβ z
(2.13)
e
H(z) = H
o
e
−αz
e
−jβ z
(2.14)
onde α ´e chamado de fator de amortecimento ou atenua¸ c˜ao da onda eletromagn´etica,
enquanto β ´e denominado constante de fase. Pode-se concluir das equa¸ c˜oes (2.13) e
(2.14) que, se a constante de propaga¸ c˜ao ´e um n´ umero complexo, ent˜ ao, a onda sofre
uma atenua¸ c˜ao ao longo da dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. O ´ unico meio onde n˜ ao ocorre
atenua¸ c˜ao das ondas eletromagn´eticas ´e o diel´etrico perfeito sem perdas. Neste caso,
σ = 0, γ = jβ = jk e o fator de atenua¸ c˜ao α = 0.
2.4 Impedˆancia Intr´ınseca e Velocidade de Fase
Para ondas TEM, propagando-se num meio qualquer, a varia¸ c˜ao do campo el´etrico
no espa¸ co ´e representada por (2.11). Portanto, pela lei de Faraday,
H =
j
ωµ
∇ E
o
(r) e
−γ n· r
(2.15)
Utilizando-se um procedimento semelhante ` aquele apresentado na Se¸ c˜ao 1.9, tˆem-se
H =
−jγ
ωµ
n E (2.16)
29 2.5. Meios Diel´etricos com Perdas
e
H = Y n E (2.17)
onde
η =
1
Y
=
jωµ
γ
(2.18)
´e a impedˆ ancia intr´ınseca do meio. Se for utilizada a lei de Amp`ere, obt´em-se
η =
γ
σ + jω
(2.19)
As express˜oes (2.18) e (2.19), apesar de distintas, fornecem os mesmos valores.
A velocidade de fase de um meio qualquer ´e obtida a partir de
v
f
=
ω
β
=
ω
Im
_
_
jωµσ −k
2
_ (2.20)
Exemplo 2.2 Mostre que, para um meio diel´etrico sem perdas, as impedˆ ancias
fornecidas pelas equa¸ c˜oes (2.18) e (2.19) s˜ ao equivalentes.
Solu¸ c˜ao: Se o meio ´e diel´etrico sem perdas ent˜ ao σ = 0 e γ = jβ. Sendo assim,
η =
ωµ
β
= v
f
µ =
µ

µ
=
_
µ

Por outro lado, pode-se obter a partir de (2.19)
η =
β
ω
=
1
v
f

=

µ

=
_
µ

2.5 Meios Diel´etricos com Perdas
Os meios diel´etricos com perdas possuem permissividade complexa, isto ´e, =


j

. Neste caso, ´e muito comum representar as caracter´ısticas el´etricas do material
atrav´es de duas grandezas: permissividade relativa
r
e tangente de perdas tgδ. A
tangente de perdas ´e definida como sendo a raz˜ ao entre o m´ odulo da densidade de
corrente de condu¸ c˜ao e o m´ odulo da densidade de corrente de deslocamento. De
uma forma geral, para um meio qualquer com perdas, tem-se
CAP´ıTULO 2. Ondas TEM num Meio Qualquer 30
∇ H = J
c
+J
d
(2.21)
sendo
J
c
= σE (2.22)
e
J
d
= jω (

−j

) E (2.23)
Portanto, (2.21) pode ser reescrita como sendo
∇ H = (σ

+ jω

)E (2.24)
onde σ

= σ + ω

´e chamada de condutividade equivalente do material. Desta
forma, a tangente de perda ´e representada como segue:
tgδ =
[J

c
[
[J
d
[
=
σ

ω

(2.25)
No caso de materiais diel´etricos com perdas, a condutividade ´e geralmente de-
sprez´ıvel e a tangente de perdas pode ser expressa como
tgδ =

(2.26)
2.6 Propaga¸ c˜ao em Meios Diel´etricos
Quando uma onda eletromagn´etica se propaga num meio diel´etrico com perdas, os
campos el´etrico e magn´etico obedecem respectivamente as equa¸c˜oes (2.13) e (2.14),
onde o fator de atenua¸ c˜ao, nesta situa¸ c˜ao, ´e dado por
α = Re
_

_
µ(

−j

)
_
(2.27)
ou
α = Re
_
ω
_
µ

(jtgδ −1)
_
(2.28)
e a constante de fase por
β = Im
_
ω
_
µ

(jtgδ −1)
_
(2.29)
31 2.7. Propaga¸ c˜ao em Meios Condutores
Se o valor da tangente de perdas for muito pequeno, a atenua¸ c˜ao no meio pode ser
desprezada. Neste caso, a onda eletromagn´etica se propaga com varia¸ c˜ao de fase
proporcional ao n´ umero de onda (β = k).
Exemplo 2.3 Uma onda eletromagn´etica de 10GHz, e 1kV/m de campo el´etrico
m´aximo, propaga-se num meio diel´etrico com permissividade relativa aproximada-
mente igual a 4 e permeabildade igual a do v´ acuo. Qual deve ser a distˆ ancia percor-
rida pela onda para que sua amplitude tenha 90% do seu valor inicial? Qual deve
ser a densidade volum´etrica de potˆencia m´edia dissipada pelo diel´etrico em forma
de calor? Considere que o diel´etrico tem tangente de perdas igual a 0,002.
Solu¸ c˜ao: A atenua¸ c˜ao sofrida pela onda ´e obtida a partir da equa¸ c˜ao (2.28), ou
seja,
α = Re
_
ω
_
µ (j0, 002 −1)
_
= 0, 42 Np/m
Observe que, neste caso, =

− jtgδ

·

, pois tgδ ¸ 1. Como a amplitude do
campo el´etrico cai de acordo com E(d) = E
o
e
−αd
, ent˜ao,
E(d)
E
o
= 0, 9 = e
−αz
=⇒d = −
1
α
ln(0, 9) = 0, 25 m
A densidade volum´etrica de potˆencia m´edia, dissipada pelo diel´etrico em forma de
calor, ´e fornecida por
p
m
= J
ef
E
ef
= σ

E
2
ef
=
1
2
σ

E
2
o
Como a condutividade equivalente σ

= ω

tgδ · ω tgδ, ent˜ ao
p
m
= π 10
10
4 8, 85 10
−12
0, 002 10
6
= 2224 W/m
3
Observe que a condutividade σ foi desprezada por se tratar de um material diel´etrico.
2.7 Propaga¸ c˜ao em Meios Condutores
Uma onda eletromagn´etica propagando-se num meio condutor tem sua amplitude
reduzida ` a medida que esta avan¸ ca dentro deste meio (vide Figura 2.1). A constante
de propaga¸ c˜ao, neste caso, ´e obtida de
γ ·
_
jωµσ = (1 + j)
_
ωµσ
2
(2.30)
CAP´ıTULO 2. Ondas TEM num Meio Qualquer 32
E(z)
z
0
Figura 2.1: Propaga¸ c˜ao num meio condutor, sendo z = 0 o plano de interface ar-
condutor.
uma vez que a condutividade ´e alta, ou melhor, σ ¸ ω, tendo como conseq¨ uˆencia
ωµσ ¸ k
2
. O fator de atenua¸ c˜ao associado ` a diminui¸ c˜ao de amplitude da onda ´e,
portanto, dado por
α =
_
ωµσ
2
(2.31)
e a constante de fase β tem o mesmo valor de α. Sendo assim, pode-se representar
a varia¸ c˜ao do campo el´etrico de uma onda que se propaga no sentido z
+
como
E(z) = E
o
e
−αz
e
−jβ z
= E
o
e
− z/δ
p
e
−j z/δ
p
(2.32)
onde δ
p
= 1/α = 1/β ´e chamado de profundidade de penetra¸ c˜ao.
2.8 Profundidade de Penetra¸ c˜ao
Imagine uma onda eletromagn´etica penetrando num meio condutor com amplitude
de campo el´etrico igual a 1V/m. Considere tamb´em que esta onda est´ a se propa-
gando no sentido z
+
e que o plano z = 0 ´e o plano de interface entre o ar e o
33 2.9. Velocidade de Fase e Impedˆ ancia num Condutor
Tabela 2.1: Profundidade de penetra¸ c˜ao do cobre para algumas freq¨ uˆencias.
f 60 Hz 6 kHz 6 MHz 6 GHz
δ
p
8,5 mm 0,85 mm 27µm 0,85µm
condutor. Qual deve ser a distˆ ancia do plano de interface at´e o plano onde a ampli-
tude de campo ´e igual a 36,8% do valor pr´ oximo a interface? A resposta ´e δ
p
, pois
em z = 0 tem-se uma amplitude E(0) = E
o
, e em z = δ tem-se
E(δ) = E
o
e
− 1
= 0, 368 E
o
(2.33)
Esta distˆ ancia ´e chamada de profundidade de penetra¸ c˜ao a 36,8% da amplitude de
campo ou, simplesmente, profundidade de penetra¸ c˜ao. Observe que δ
p
´e inversa-
mente proporcional ` a condutividade e a freq¨ uˆencia da onda, uma vez que
δ
p
=
_
2
ωµσ
=
1

πµσf
(2.34)
Portanto, quanto maior a condutividade e/ou freq¨ uˆencia, menor ´e a penetra¸ c˜ao da
onda no meio condutor. No caso do cobre, a profundidade de penetra¸ c˜ao ´e dada por
δ
p
=
6, 6 10
−2

f
(2.35)
A Tabela 2.1 mostra a varia¸ c˜ao da profundidade de penetra¸ c˜ao com a freq¨ uˆencia
para ondas propagando-se no cobre.
2.9 Velocidade de Fase e Impedˆancia num Con-
dutor
Para ondas TEM, propagando-se num meio condutor, a velocidade de fase ´e dada
por
v
f
=
ω
β
= ω δ
p
(2.36)
ou
v
f
=
_

µσ
=
_
4π v
f
µσλ
(2.37)
CAP´ıTULO 2. Ondas TEM num Meio Qualquer 34
ou ainda
v
f
=
C
λ
(2.38)
onde
C =

µσ
(2.39)
Portanto, o meio condutor ´e um meio dispersivo anˆ omalo, pois
dv
f

o
= −
C
λ
2
= −
v
f
λ
< 0 (2.40)
A velocidade de grupo ´e ent˜ao dada por
v
g
= v
f
+ λ
v
f
λ
= 2v
f
(2.41)
O comprimento de onda no condutor ´e obtido de
λ
c
=

β
= 2πδ
p
(2.42)
e, finalmente, a impedˆ ancia ´e fornecida por
η
c
=
jωµ
γ
·
jωµ

jωµσ
=
_
jωµ
σ
(2.43)
ou
η
c
= (1 +j)
_
ωµ

=
_
ωµ
σ
∠45

(2.44)
Exemplo 2.4 Responda as perguntas do exemplo anterior considerando que a mesma
onda se propaga num meio condutor com condutividade igual a 10
7
S/m e permeabil-
idade igual a do v´acuo.
Solu¸ c˜ao: A atenua¸ c˜ao sofrida pela onda, neste caso, ´e α = 1/δ
p
, ou seja,
α =
_
πµσf = 2π 10
5
Np/m
Sendo assim,
E(d)
E
o
= 0, 9 = e
−αz
=⇒d = −
1
α
ln(0, 9) = 1, 68 10
−7
m
35 2.9. Velocidade de Fase e Impedˆ ancia num Condutor
A potˆencia m´edia dissipada por unidade de volume no condutor ´e fornecida por
p
m
=
1
2
σ E
2
o
ou
p
m
= 5 10
6
10
6
= 5 10
12
W/m
3
o que parece ser um valor absurdamente grande. Acontece que a amplitude do campo
el´etrico dentro do condutor, considerado neste exemplo, ´e muito grande. Como ser´ a
visto no pr´ oximo cap´ıtulo, a amplitude do campo el´etrico que consegue penetrar
no condutor ´e muito pequena, pois a maior parte da energia da onda incidente ´e
refletida na superf´ıcie dos materiais condutores.
CAP´ıTULO 2. Ondas TEM num Meio Qualquer 36
Cap´ıtulo 3
Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes
3.1 Introdu¸ c˜ao
Neste cap´ıtulo ser˜ ao analisados alguns casos de ondas eletromagn´eticas planas, com
diferentes polariza¸ c˜oes, propagando-se em meios diferentes. Inicialmente, o estudo
se concentrar´ a nos casos onde a incidˆencia de ondas se faz perpendicular ` as interfaces
entre os meios. O estudo de incidˆencia obl´ıqua ´e feito nas ´ ultimas se¸c˜oes. Parˆ ametros
como coeficiente de reflex˜ ao, transmiss˜ ao e onda estacion´ aria ser˜ ao introduzidos para
facilitar a determina¸ c˜ao de amplitude e fase das ondas refletidas e transmitidas,
numa transi¸ c˜ao entre meios diferentes. Fenˆ omenos como reflex˜ ao total, transmiss˜ ao
total e forma¸ c˜ao de ondas de superf´ıcies ser˜ao abordados ao longo do cap´ıtulo.
3.2 Incidˆencia Normal entre Dois Meios
A Figura 3.1 mostra um espa¸ co constitu´ıdo de dois meios diferentes, separados pelo
plano z = 0. Uma onda plana linearmente polarizada, cuja fonte se encontra no
meio 1, incide normalmente sobre a interface de separa¸ c˜ao dos meios. Nesta figura
encontram-se representados os vetores dos campos eletromagn´eticos das ondas inci-
dente, refletida e transmitida. Observa-se que o vetor campo el´etrico est´ a alinhado
na dire¸ c˜ao x e o magn´etico na dire¸ c˜ao y. As ondas incidente e transmitida se
propagam no sentido z
+
, enquanto a refletida faz o sentido inverso, isto ´e, z

. Sabe-
se que, na interface entre os meios, os campos eletromagn´eticos tangenciais tˆem que
satisfazer as condi¸ c˜oes de fronteira:
E
tan 1
= E
tan 2
(3.1)
e
37
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 38
E
i
z
Meio 1
0
x
y
H
i
n
1
Meio 2
E
r
H
r n
2
E
t
H
t
n
3
Figura 3.1: Onda plana incidindo normalmente sobre uma interface.
a
z
H
tan 1
−a
z
H
tan 2
= J (3.2)
Se n˜ao houver corrente de condu¸ c˜ao na interface, ent˜ ao, a densidade de corrente J
´e nula e
H
tan 1
= H
tan 2
(3.3)
No caso da incidˆencia normal, todos os campos s˜ ao tangenciais, sendo que na fron-
teira z = 0, tˆem-se
E
i
+E
r
= E
t
(3.4)
e
H
i
+H
r
= H
t
(3.5)
3.2.1 Transi¸ c˜ao entre Diel´etricos
Nos meios diel´etricos, considerados meios n˜ao-magn´eticos, a permeabilidade pode
ser considerada como µ
o
. Portanto, as impedˆ ancias intr´ınsecas nos meios 1 e 2 s˜ ao
fornecidas, respectivamente, por
39 3.2. Incidˆencia Normal entre Dois Meios
η
1
=
η
o

r1
=
120π

r1
(3.6)
e
η
2
=
η
o

r2
=
120π

r2
(3.7)
Os campos incidentes s˜ ao fornecidos por
E
i
(z) = E
i
a
x
= E
oi
e
−jβ
1
z
a
x
(3.8)
e
H
i
(z) =
1
η
1
a
z
E
i
(z) =
E
i
η
1
a
y
(3.9)
os refletidos por
E
r
(z) = E
r
a
x
= E
or
e

1
z
a
x
(3.10)
e
H
r
(z) = −
1
η
1
a
z
E
r
(z) = −
E
r
η
1
a
y
(3.11)
Enquanto os transmitidos s˜ ao obtidos a partir de
E
t
(z) = E
t
a
x
= E
ot
e
−jβ
2
z
a
x
(3.12)
e
H
t
(z) =
1
η
2
a
z
E
r
(z) =
E
r
η
2
a
y
(3.13)
Sendo assim, para a interface z = 0, tem-se
E
i
+ E
r
= E
t
(3.14)
utilizando-se (3.4) e
1
η
1
a
z
E
i
(z) −
1
η
1
a
z
E
r
(z) =
1
η
2
a
z
E
r
(z) (3.15)
ou
E
i
η
1

E
r
η
1
=
E
t
η
2
(3.16)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 40
a partir de (3.5). Somando-se (3.14) e (3.16) obt´em-se
2E
i
=
_
1 +
η
1
η
2
_
E
t
(3.17)
ou
E
t
= τ
21
E
i
(3.18)
sendo
τ
21
=
E
t
E
i
=

2
η
2
+ η
1
(3.19)
o coeficiente de transmiss˜ ao do meio 1 para o meio 2 no plano z = 0. Pode-se
mostrar que, para onda incidindo na interface a partir do meio 2,
τ
12
=

1
η
2
+ η
1
(3.20)
O coeficiente de reflex˜ao, que ´e definido como a raz˜ ao entre o campo refletido e
o campo incidente, pode ser obtido dividindo-se (3.14) por E
i
, isto ´e,
1 +
E
r
E
i
=
E
t
E
i
(3.21)
ou
1 + ρ
21
= τ
21
(3.22)
Portanto,
ρ
21
= τ
21
−1 =
η
2
−η
1
η
2
+ η
1
(3.23)
O coeficiente de reflex˜ao “visto” do meio 2 em dire¸ c˜ao ao meio 1 ´e
ρ
12
= τ
12
−1 =
η
1
−η
2
η
2
+ η
1
(3.24)
3.2.2 Transi¸ c˜ao Diel´etrico-Condutor
Considerando-se que o meio 2 ´e um condutor perfeito, ent˜ ao a impedˆ ancia intr´ınseca
deste meio ´e zero, o coeficiente de transmiss˜ ao ´e nulo e o de reflex˜ ao igual a -1.
Entretanto, se o condutor n˜ ao for perfeito, a impedˆ ancia ´e dada por (2.44), isto ´e,
41 3.2. Incidˆencia Normal entre Dois Meios
η
2
= (1 + j)
_
ωµ

(3.25)
enquanto os campos s˜ ao expressos como
E
t
=

2
η
2
+ η
1
E
i
· 0 (3.26)
e
H
t
=

1
η
2
+ η
1
H
i
· 2H
i
(3.27)
uma vez que os valores t´ıpicos de impedˆancia para um condutor s˜ ao pr´ oximos de
zero.
3.2.3 Transi¸ c˜ao Condutor-Diel´etrico
Considerando-se agora que o meio 1 ´e condutor, tˆem-se
E
t
=

2
η
2
+ η
1
E
i
· 2E
i
(3.28)
e
H
t
=

1
η
2
+ η
1
H
i
· 0 (3.29)
pois η
1
´e aproximadamente igual a zero.
Exemplo 3.1 Determine a percentagem de campo el´etrico refletido na interface ar-
´agua e ar-cobre para uma onda de 10GHz.
Solu¸ c˜ao: Para o caso da interface entre diel´etricos, ar-´ agua, tem-se
ρ =
E
r
E
i
=
η −η
o
η + η
o
(3.30)
onde η ´e a impedˆ ancia intr´ınseca da ´ agua. Como
η =
_
µ
o

r

o
=
η
o

r
=
377

81
· 42Ω (3.31)
ent˜ao
ρ =
42 −377
42 + 377
· −0, 8 (3.32)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 42
ou seja, a amplitude do campo el´etrico refletido equivale a 80% do valor incidente.
Note que a onda sofre uma invers˜ ao de fase de 180

.
Para o caso da interface diel´etrico-condutor, a impedˆ ancia do condutor ´e fornecida
por
η = (1 + j)
_
πfµ
σ
= (1 + j) 7, 6 10
−4
Ω · 0 (3.33)
e o coeficiente de reflex˜ao por
ρ =
(1 + j) 7, 6 10
−4
−377
(1 + j) 7, 6 10
−4
+ 377
· −0.99999597 (3.34)
Como se pode observar, a amplitude da onda refletida ´e praticamente 100% do valor
incidente.
3.2.4 Coeficiente de Onda Estacion´aria
Voltando ao caso de uma onda plana incidindo sobre a interface diel´etrico-condutor,
sendo o condutor perfeito, tem-se como campo total no meio diel´etrico
E = E
i
+ E
r
(3.35)
ou, para campos variando harmonicamente no tempo,
E = E
o
sen (ωt −βz) + ρE
o
sen (ωt + βz) (3.36)
Como ρ = −1, ent˜ ao
E = −2E
o
cos ωt sen βz (3.37)
Observa-se em (3.37) que n˜ ao existe propaga¸ c˜ao, portanto, a onda se encontra parada
no espa¸ co, variando sua amplitude no tempo e espa¸ co de acordo com sen ωt e sen βz,
respectivamente. Este tipo de onda ´e denominada de onda estacion´ aria.
Se o meio 2 for um condutor qualquer, ou um outro diel´etrico, ent˜ ao, o coeficiente
de reflex˜ao ´e diferente de -1. Sendo assim, o campo total pode ser escrito como
E = E
io
sen (ωt −βz) + E
ro
sen (ωt + βz) (3.38)
ou
E = (E
io
+ E
ro
) sen ωt cos βz + (E
io
−E
ro
) cos ωt sen βz (3.39)
onde E
ro
= ρE
io
.
43 3.2. Incidˆencia Normal entre Dois Meios
Definindo-se
E
o
cos φ = (E
io
+ E
ro
) cos βz (3.40)
e
E
o
sen φ = (E
io
−E
ro
) sen βz (3.41)
tem-se
E = E
o
sen (ωt + φ) (3.42)
sendo
E
o
=
_
(E
io
+ E
ro
)
2
cos
2
βz + (E
io
−E
ro
)
2
sen
2
βz (3.43)
e
φ = arctg
_
E
io
−E
ro
E
io
+ E
ro
tg βz
_
(3.44)
O campo el´etrico da onda, representada por (3.42), tem amplitude m´ axima dada
por
E
max
= [E
io
[ +[E
ro
[ (3.45)
e m´ınima por
E
min
= [E
io
[ −[E
ro
[ (3.46)
O coeficiente de onda estacion´ aria ´e definido como sendo
COE =
E
max
E
min
=
[E
io
[ +[E
ro
[
[E
io
[ −[E
ro
[
=
1 +[ρ[
1 −[ρ[
(3.47)
O termo SWR (Standing Wave Ratio) ´e muito empregado na pr´ atica para designar
o coeficiente de onda estacion´ aria. Como o m´ odulo do coeficiente de reflex˜ ao varia
de 0 a 1, ent˜ ao, 1 COE < ∞.
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 44
3.3 Incidˆencia Normal com Propaga¸ c˜ao em N Meios
3.3.1 Propaga¸ c˜ao em Trˆes Meios
O esquema mostrado na Figura 3.2 apresenta trˆes meios de impedˆancias intr´ınsecas
diferentes. Considerando-se que todos s˜ao meios diel´etricos sem perdas, tˆem-se para
o meio n = 1, 2 e 3,
E
+
1
z
Meio 1
0
x
y
H
+
1
n
1
Meio 2
E
-
1
H
-
1 n
2
E
+
2
H
+
2
n
1
Meio 3
E
-
2
H
-
2
n
2
E
+
3
H
+
3
n
1
d
Figura 3.2: Espalhamento em trˆes meios distintos.
E
+
n
(z) = a
n
e
−jβ
n
z
a
x
(3.48)
e
H
+
n
(z) =
1
η
n
a
z
E
+
n
(z) =
a
n
η
n
e
−jβ
n
z
a
y
(3.49)
como campos propagando-se na dire¸ c˜ao z
+
e, para o meio n = 1 e 2,
E

n
(z) = b
n
e

n
z
a
x
(3.50)
e
H

n
(z) = −
1
η
n
a
z
E

n
(z) = −
b
n
η
n
e

n
z
a
y
(3.51)
45 3.3. Incidˆencia Normal com Propaga¸ c˜ao em N Meios
como campos propagando-se na dire¸ c˜ao z

, sendo
β
n
=

rn
λ
o
(3.52)
e
η
n
=
120π

rn
(3.53)
Mais uma vez, utilizando-se das rela¸c˜oes de fronteira, obt´em-se:
• para a interface z = 0,
a
1
+ b
1
= a
2
+ b
2
(3.54)
e
a
1
−b
1
=
η
1
η
2
( a
2
−b
2
) (3.55)
• para z = d,
a
2
e
−jβ
2
d
+ b
2
e

2
d
= a
3
e
−jβ
3
d
(3.56)
e
a
2
e
−jβ
2
d
−b
2
e

2
d
=
η
2
η
3
a
3
e
−jβ
3
d
(3.57)
O coeficiente de reflex˜ao na interface do meio 1 com o meio 2 ´e dado por
ρ
1
(0) =
b
1
a
1
=
η
eq
−η
1
η
eq
+ η
1
(3.58)
onde η
eq
´e a impedˆ ancia intr´ınseca equivalente do meio 2 e 3 “vista” na interface
z = 0, no sentido z
+
. Enquanto o coeficiente de reflex˜ ao na interface do meio 2 com
o meio 3 ´e
ρ
2
(d) =
b
2
e

2
d
a
2
e
−jβ
2
d
=
b
2
a
2
e
2jβ
2
d
= ρ
2
(0) e
2jβ
2
d
(3.59)
Dividindo-se (3.54) por (3.55), tem-se
1 + ρ
1
(0)
1 −ρ
1
(0)
=
η
2
η
1
1 + ρ
2
(0)
1 −ρ
2
(0)
(3.60)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 46
e
1 + ρ
2
(d)
1 −ρ
2
(d)
=
η
3
η
2
(3.61)
dividindo-se (3.56) por (3.57). Portanto, pode-se escrever a partir (3.61)
ρ
2
(d) =
η
3
−η
2
η
3
+ η
2
(3.62)
Substituindo (3.58) e (3.59) em (3.60), obt´em-se
η
eq
η
1
=
η
2
η
1
1 + ρ
2
(d) e
−2jβ
2
d
1 −ρ
2
(d) e
−2jβ
2
d
(3.63)
ou
η
eq
= η
2
e

2
d
+
η
3
−η
2
η
3

2
e
−jβ
2
d
e

2
d

η
3
−η
2
η
3

2
e
−jβ
2
d
= η
2
η
3
_
e

2
d
+ e
−jβ
2
d
_
+ η
2
_
e

2
d
−e
−jβ
2
d
_
η
2
(e

2
d
+ e
−jβ
2
d
) + η
3
(e

2
d
−e
−jβ
2
d
)
(3.64)
ou ainda
η
eq
= η
2
η
3
+ jη
2
tg (β
2
d)
η
2
+ jη
3
tg (β
2
d)
(3.65)
O coeficiente de onda estacion´ aria no meio 1 ´e dado por
COE
1
=
1 +[ρ
1
[
1 −[ρ
1
[
(3.66)
e, no meio 2, por
COE
2
=
1 +[ρ
2
[
1 −[ρ
2
[
(3.67)
O campo refletido na primeira interface, num plano qualquer z ≤ 0 , ´e fornecido
a partir de
E

1
(z) = b
1
e

1
z
= ρ
1
(0) a
1
e

1
z
(3.68)
Enquanto o campo transmitido para o meio 2 ´e dado por
E
+
2
(z) = a
2
e
−jβ
2
z
=
τ
1
(0)
τ
2
(0)
a
1
e
−jβ
2
z
(3.69)
e o refletido
47 3.3. Incidˆencia Normal com Propaga¸ c˜ao em N Meios
E

2
(z) = b
2
e

2
z
=
τ
1
(0)
τ
2
(0)
ρ
2
(0) a
1
e

2
z
(3.70)
Finalmente, o campo transmitido para o meio 3 ´e obtido de
E
+
3
(z) = a
3
e
−jβ
3
z
=
τ
1
(0)
τ
2
(0)
τ
2
(d) a
1
e
−j(β
2
−β
3
)d
e
−jβ
3
z
(3.71)
Sendo os coeficientes de transmiss˜ao, τ
1
(z) e τ
2
(z), dados respectivamente por
τ
1
(z) = 1 +ρ
1
(z) (3.72)
e
τ
2
(z) = 1 +ρ
2
(z) (3.73)
Exemplo 3.2 Uma onda plana de 10GHz incide normalmente sobre uma folha de
pl´astico de 1cm de espessura. Qual o coeficiente de onda estacion´ aria na regi˜ ao
anterior ` a placa? Para que valores de espessura este coeficiente ´e unit´ario? A
permissividade relativa da placa ´e 4.
Solu¸ c˜ao: Sabe-se que o COE nesta regi˜ ao depende do m´ odulo do coeficiente de
reflex˜ao na interface ar-diel´etrico, que por sua vez depende da impedˆ ancia equiva-
lente “vista” nesta interface, em dire¸ c˜ao ao conjunto pl´ astico-ar. Portanto, deve-se
calcular a impedˆ ancia equivalente utilizando-se a equa¸ c˜ao (3.65), ou seja,
η
eq
= η
η
o
+ jη tg (βd)
η + jη
o
tg (βd)
(3.74)
onde a impedˆ ancia intr´ınseca do pl´ astico e o argumento da tangente s˜ ao, respecti-
vamente, fornecidos por
η =
η
o

r
=
377
2
= 188, 5 Ω (3.75)
e
βd =

λ
d =

r
λ
o
d =

3
(3.76)
Sendo assim , o valor da impedˆ ancia equivalente ´e ent˜ao η
eq
= 116 + j75 Ω e o
coeficiente de reflex˜ao
ρ =
η
eq
−η
o
η
eq
+ η
o
=
116 + j75 −377
116 +j75 + 377
· 0, 545 ∠ −155

(3.77)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 48
Logo,
COE =
1 +[ρ[
1 −[ρ[
=
1 + 0, 545
1 −0, 545
= 3, 4 (3.78)
Observe que o COE ´e unit´ario quando o coeficiente de reflex˜ ao ´e nulo. Neste caso,
a impedˆ ancia equivalente do conjunto pl´ astico-ar tem que ser igual a impedˆ ancia do
meio anterior ` a placa. Como este meio ´e o ar, ent˜ ao, η
eq
= η
o
.
´
E ´obvio que a identi-
dade existe se o argumento da tangente na express˜ ao da impedˆ ancia equivalente for
nulo. Entretanto, isso significa dizer que a espessura d da folha, neste caso, ´e nula.
A solu¸ c˜ao geral para o problema ´e obtida quando se faz o argumento da tangente
igual a nπ, isto ´e,
βd =

r
λ
o
d = nπ =⇒d = n
λ
o
2

r
=
3
4
ncm (3.79)
onde n ´e um n´ umero inteiro positivo.
3.3.2 Propaga¸ c˜ao em N Meios
A Figura 3.3 apresenta N meios de impedˆ ancias intr´ınsecas diferentes. Considerando-
se que todos s˜ ao meios diel´etricos sem perdas, tˆem-se para o meio n = 1, 2 N,
E
+
1
z
Meio 1
0
x
y
H
+
1
n
1
Meio 2 Meio N
E
+
N
H
+
N n
1
d
1
E
-
1
H
-
1 n
2
E
+
2
H
+
2
n
1
E
-
2
H
-
2
n
2
d
N-2
Figura 3.3: Espalhamento em N meios.
49 3.3. Incidˆencia Normal com Propaga¸ c˜ao em N Meios
E
+
n
(z) = a
n
e
−jβ
n
z
a
x
(3.80)
e
H
+
n
(z) =
1
η
n
a
z
E
+
n
(z) =
a
n
η
n
e
−jβ
n
z
a
y
(3.81)
como campos propagando-se na dire¸ c˜ao z
+
e, para o meio n = 1, 2 N −1,
E

n
(z) = b
n
e

n
z
a
x
(3.82)
e
H

n
(z) = −
1
η
n
a
z
E

n
(z) = −
b
n
η
n
e

n
z
a
y
(3.83)
como campos propagando-se na dire¸ c˜ao z

. O coeficiente de reflex˜ ao na interface
entre os meios N e N −1 ´e dado por
ρ
N−1
(z
N−1
) =
b
N−1
e

N−1
z
N−1
a
N−1
e
−jβ
N−1
z
N−1
=
η
N
−η
N−1
η
N
+ η
N−1
(3.84)
sendo
z
N−1
=
N−1

i=1
d
i
(3.85)
Para m-´esima interface (m = 1, 2 N −2), tem-se
ρ
m
(z
m
) =
b
m
e

m
z
m
a
m
e
−jβ
m
z
m
=
η
eq
m
−η
m
η
eq
m
+ η
m
(3.86)
onde
z
m
=
m

i=1
d
i
(3.87)
e
η
eq
m
= η
m+1
η
eq
m+1
+ jη
m+1
tg (β
m+1
d
m
)
η
m+1
+ jη
eq
m+1
tg (β
m+1
d
m
)
(3.88)
sendo
η
eq
N−1
= η
N
(3.89)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 50
O campo refletido na primeira interface ´e dado por (3.68) e, o transmitido, por
(3.69), onde os coeficientes s˜ ao obtidos utilizando-se (3.86). Os demais campos s˜ ao
calculados a partir de
E
+
n+1
(z) = a
n+1
e
−jβ
n+1
z
=
τ
n
(d
n−1
)
τ
n+1
(d
n−1
)
a
n
e
−j(β
n
−β
n+1
)d
n−1
e
−jβ
n+1
z
(3.90)
ou
E
+
n+1
(z) = a
1
e
−jβ
n+1
z
n

i=1
_
τ
n
(d
n−1
)
τ
n+1
(d
n−1
)
e
−j(β
n
−β
n+1
)d
n−1
_
(3.91)
e
E

n+1
(z) = a
1
ρ
n+1
(d
n−1
) e

n+1
z
n

i=1
_
τ
n
(d
n−1
)
τ
n+1
(d
n−1
)
e
−j(β
n
−β
n+1
)d
n−1
_
(3.92)
sendo n = 1, 2 N −2, d
o
= 0 e ρ
N
(d
N−2
) = 0.
Exemplo 3.3 Determine, para uma onda de 10GHz, o coeficiente de reflex˜ ao na
primeira interface do conjunto ar-vidro-pl´ astico-ar. Considere o mesmo pl´ astico da
quest˜ao anterior e um vidro de meio cent´ımetro de espessura com permissividade
relativa igual a 9.
Solu¸ c˜ao: Como no problema anterior, o coeficiente de reflex˜ ao depende da impedˆ ancia
equivalente “vista” na primeira interface, em dire¸ c˜ao ao resto do conjunto. Esta
impedˆancia pode ser obtida de forma recursiva, ou seja, primeiro se calcula a
impedˆancia equivalente na segunda interface, “vista” na dire¸ c˜ao pl´ astico-ar, para
depois se obter a impedˆ ancia na primeira interface. Portanto,
η
eq2
= η
p
η
o
+ jη
p
tg (β
p
d
p
)
η
p
+ jη
o
tg (β
p
d
p
)
(3.93)
e
η
eq1
= η
v
η
eq2
+ jη
v
tg (β
v
d
v
)
η
v
+ jη
eq2
tg (β
v
d
v
)
(3.94)
onde os ´ındices p e v est˜ao relacionados, respectivamente, com o pl´ astico e o vidro. A
impedˆancia intr´ınseca do pl´ astico, calculada no exemplo anterior, ´e 188,5Ω, enquanto
a do vidro ´e dada por
η
v
=
η
o

r
=
377
3
= 125, 7 Ω (3.95)
51 3.4. Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
O argumento da tangente, no caso do vidro, ´e
β
v
d
v
=

λ
d
v
=

r
λ
o
d
v
= π (3.96)
Sendo assim, a impedˆ ancia equivalente na segunda interface ´e η
eq2
= 116 + j75 Ω,
como calculado no exemplo anterior, e na primeira interface, η
eq1
= η
eq2
, pois a
tangente de π ´e zero. Portanto, o coeficiente de reflex˜ ao desejado ´e
ρ =
η
eq1
−η
o
η
eq1
+ η
o
=
116 + j75 −377
116 + j75 + 377
· 0, 545 ∠ −155

(3.97)
Observe que o vidro n˜ ao exerceu nenhuma influˆencia sobre o resultado final, pois,
neste caso, sua espessura equivale a λ/2. Pode-se demostrar que, para espessuras
iguais a m´ ultiplos de λ/2, a impedˆ ancia da primeira interface ser´ a sempre igual a
da segunda. Este resultado ser´ a estudado com mais detalhes no pr´ oximo cap´ıtulo.
3.4 Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
3.4.1 Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Perpendicular
Uma onda eletromagn´etica linearmente polarizada, com vetor campo el´etrico per-
pendicular ao plano de incidˆencia, incide obliquamente formando um ˆ angulo θ
i
, com
a normal da interface entre dois meios diel´etricos sem perdas. A Figura 3.4 apresenta,
al´em do campo incidente, os campos refletidos e transmitidos. Considerando-se que
o plano de incidˆencia seja o plano y = 0 e a interface se encontra no plano z = 0,
tˆem-se:
E
i
(r) = E
o
e
−jβ
1
n
1
· r
a
y
(3.98)
e
H
i
(r) =
1
η
1
n
1
E
i
(r) =
E
o
η
1
e
−jβ
1
n
1
· r
(−cos θ
i
a
x
−sen θ
i
a
z
) (3.99)
como os campos incidentes,
E
r
(r) = ρ

E
o
e
−jβ
1
n
2
· r
a
y
(3.100)
e
H
r
(r) =
1
η
1
n
2
E
r
(r) = ρ

E
o
η
1
e
−jβ
1
n
2
· r
(cos θ
r
a
x
−sen θ
r
a
z
) (3.101)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 52
Meio 2 Meio 1
E
i
z
θ
0
x
y
H
i
n
1
r
E
r
H
r
n
2
i
r
θ
θ
t
E
t
H
t
n
3
Figura 3.4: Incidˆencia Obl´ıqua - Caso perpendicular.
como os campos refletidos, e
E
t
(r) = τ

E
o
e
−jβ
2
n
3
· r
a
y
(3.102)
e
H
t
(r) =
1
η
2
n
3
E
t
(r) = τ

E
o
η
2
e
−jβ
2
n
3
· r
(−cos θ
t
a
x
−sen θ
t
a
z
) (3.103)
como os campos transmitidos. Os versores n
1
, n
2
e n
3
indicam a dire¸ c˜ao de
propaga¸ c˜ao das ondas, e
−β
1
n
1
r = −β
1
z cos θ
i
+ β
1
xsen θ
i
(3.104)
−β
1
n
2
r =β
1
z cos θ
r
+ β
1
xsen θ
r
(3.105)
e
−β
2
n
3
r = −β
2
z cos θ
t
+ β
2
xsen θ
t
(3.106)
53 3.4. Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
fornecem as fases destas ondas.
Das condi¸ c˜oes de fronteiras (3.4) e (3.5) obt´em-se, respectivamente,
e

1
xsen θ
i
+ ρ

e

1
xsen θ
r
= τ

e

2
xsen θ
t
(3.107)
e
−cos θ
i
e

1
xsen θ
i
+ ρ

cos θ
r
e

1
xsen θ
r
= −
η
1
η
2
τ

cos θ
t
e

2
xsen θ
t
(3.108)
Para que exista continuidade na fronteira z = 0, os campos devem ter a mesma
varia¸ c˜ao de fase, isto ´e,
e

1
xsen θ
i
= e

1
xsen θ
r
= e

2
xsen θ
t
(3.109)
ou
β
1
sen θ
i
= β
1
sen θ
r
= β
2
sen θ
t
(3.110)
donde se conclui que
θ
i
= θ
r
(3.111)
A equa¸ c˜ao (3.111) ´e conhecida como lei de Snell para reflex˜ ao. Voltando-se a aten¸ c˜ao
mais uma vez para equa¸ c˜ao (3.110), tem-se
β
1
sen θ
i
= β
2
sen θ
t
(3.112)
ou, para meios diel´etricos,
sen θ
i
=
_

2

1
sen θ
t
(3.113)
A express˜ao (3.113) ´e conhecida como lei de Snell para refra¸ c˜ao.
Considerando-se (3.110), a equa¸ c˜ao (3.107) pode ser reescrita como
1 + ρ

= τ

(3.114)
e a (3.108) como
−cos θ
i
+ ρ

cos θ
r
= −
η
1
η
2
τ

cos θ
t
(3.115)
Substituindo (3.114) em (3.115), tem-se
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 54
ρ

=
η
2
cos θ
i
−η
1
cos θ
t
η
2
cos θ
i
+ η
1
cos θ
t
(3.116)
ou, para meios n˜ ao magn´eticos sem perdas,
ρ

=
cos θ
i

_

2

1
−sen
2
θ
i
cos θ
i
+
_

2

1
−sen
2
θ
i
(3.117)
3.4.2 Reflex˜ao Total,
ˆ
Angulo Cr´ıtico e Onda de Superf´ıcie
Observa-se em (3.117) que o coeficiente de reflex˜ ao ´e sempre um n´ umero real desde
que a permissividade do meio 1 seja menor que a do meio 2, isto ´e,
2
>
1
. Caso
contr´ ario, existir˜ ao certos ˆ angulos de incidˆencia que levar˜ ao o coeficiente de reflex˜ ao
a um valor complexo com m´ odulo igual a um. A onda ser´ a totalmente refletida
quando estes ˆ angulos forem iguais ou superiores a um certo ˆ angulo cr´ıtico θ
c
, dado
por
θ
c
= arcsen
_

2

1
(3.118)
Pode-se verificar que, para o ˆ angulo cr´ıtico ρ

= 1 e o coeficiente de transmiss˜ ao
τ

= 2. Como foi dito, nenhuma onda se propaga no meio 2, j´ a que a reflex˜ ao ´e
total. Entretanto, este valor para o coeficiente de transmiss˜ ao pode ser explicado
como segue: se θ
i
≥ θ
c
, ent˜ao
cos θ
t
= ±j
_
sen
2
θ
t
−1 = ±j
_

1

2
sen
2
θ
i
−1 (3.119)
Tomando-se
cos θ
t
= −j
_

1

2
sen
2
θ
i
−1 (3.120)
o campo transmitido fica sendo expresso atrav´es de
E
t
= τ

E
o
e
−jβ
2
z cos θ
t
e

2
xsen θ
t
= τ

E
o
e
−α z
e

2
xsen θ
t
(3.121)
onde
α = β
2
_

1

2
sen
2
θ
i
−1 (3.122)
55 3.4. Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
o que corresponde a uma onda propagando-se no sentido x

e com campo el´etrico
decaindo exponencialmente na dire¸ c˜ao z, dentro do meio 2. Esta onda ´e chamada
de onda de superf´ıcie.
´
E importante ressaltar que a reflex˜ ao total e, consequentemente, a forma¸ c˜ao de
onda de superf´ıcie, pode tamb´em ocorrer no caso paralelo que ser´ a visto a seguir,
contanto que o meio 1 seja mais refringente que o meio 2.
Exemplo 3.4 Uma antena posicionada no fundo de um tanque de ´ agua doce radia
uma onda eletromagn´etica de 300MHz, 200V/m de amplitude e polariza¸ c˜ao linear
perpendicular ao plano de incidˆencia. A onda atinge a superf´ıcie d’´ agua com um
ˆangulo de 30

em rela¸ c˜ao ` a normal desta superf´ıcie. Qual deve ser a intensidade
do campo el´etrico no ar a um metro de altura? A onda continua propagando-se pelo
ar? Para simplificar o problema, considere que a onda, quando chega na interface
´agua-ar, ´e praticamente plana. Despreze as reflex˜ oes nas paredes do tanque.
Solu¸ c˜ao: O primeiro passo ´e verificar se existe reflex˜ao total, pois a ´ agua ´e mais
refringente que o ar. Portanto, deve-se determinar qual o valor do ˆ angulo cr´ıtico
que, nesta situa¸ c˜ao, ´e
θ
c
= arcsen
_
1
81
= arcsen
1
9
= 6, 4

(3.123)
Como o ˆ angulo de incidˆencia ´e maior que o ˆ angulo cr´ıtico, ent˜ ao, a onda ´e total-
mente refletida para dentro do tanque. Entretanto, existir´ a campo el´etrico no ar
devido ` a onda de superf´ıcie. Para se obter a intensidade deste campo ´e necess´ario se
determinar a amplitude do campo transmitido pr´ oxima ` a interface ´ agua-ar. Sabe-se
que a amplitude da onda de superf´ıcie ´e dada por
E
t
= [τ

[ E
o
e
−α z
(3.124)
onde, neste problema, E
o
= 200V/m, z corresponde ` a altura em rela¸ c˜ao ao n´ıvel da
´agua no tanque e
τ

= 1 + ρ

=
2 cos θ
i
cos θ
i
+
_

2

1
−sen
2
θ
i
=
2 cos 30
cos 30 +

81 −sen
2
30
· 1, 74 ∠ −30

(3.125)
O valor da atenua¸ c˜ao, α, ´e obtido de
α =

λ
o
_

1

2
sen
2
θ
i
−1 = 2π

81sen
2
30 −1 = 27, 6 Np/m (3.126)
Sendo assim, a intensidade de campo a um metro da superf´ıcie da ´ agua ´e ent˜ao
E
t
= 1, 74 200 e
−27,6
= 3, 59 10
−10
V/m (3.127)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 56
3.4.3 Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Paralelo
Uma onda eletromagn´etica linearmente polarizada, com vetor campo el´etrico par-
alelo ao plano de incidˆencia, incide obliquamente formando um ˆ angulo θ
i
com a
normal da interface entre dois meios diel´etricos sem perdas. A Figura 3.5 apresenta
os campos espalhados, que s˜ ao expressos por
E
i
z
θ
0
x
y
H
i
n
1
r
E
r
H
r
n
2
i
r
θ
θ
t
E
t
H
t
n
3
Meio 2 Meio 1
Figura 3.5: Incidˆencia Obl´ıqua - Caso paralelo.
E
i
(r) = E
o
e
−jβ
1
n
1
· r
(cos θ
i
a
x
+ sen θ
i
a
z
) (3.128)
e
H
i
(r) =
1
η
1
n
1
E
i
(r) =
E
o
η
1
e
−jβ
1
n
1
· r
a
y
(3.129)
como os campos incidentes,
E
r
(r) = ρ

E
o
e
−jβ
1
n
2
· r
(cos θ
r
a
x
−sen θ
r
a
z
) (3.130)
e
H
r
(r) =
1
η
1
n
2
E
r
(r) = −ρ

E
o
η
1
e
−jβ
1
n
2
· r
a
y
(3.131)
57 3.4. Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
como os campos refletidos, e
E
t
(r) = τ

E
o
e
−jβ
2
n
3
· r
(cos θ
t
a
x
+ sen θ
t
a
z
) (3.132)
e
H
t
(r) =
1
η
2
n
3
E
t
(r) = τ

E
o
η
2
e
−jβ
2
n
3
· r
a
y
(3.133)
como os campos transmitidos.
Mais uma vez, na interface entre os meios, tˆem-se
cos θ
i
e

1
xsen θ
i
+ ρ

cos θ
r
e

1
xsen θ
r
= τ

cos θ
t
e

2
xsen θ
t
(3.134)
e
e

1
xsen θ
i
−ρ

e

1
xsen θ
r
= τ

η
1
η
2
e

2
xsen θ
t
(3.135)
Como as fases devem ser idˆenticas na interface, ent˜ ao
1 + ρ

= τ

cos θ
t
cos θ
i
(3.136)
e
1 −ρ

= τ

η
1
η
2
(3.137)
Donde se pode obter
ρ

=
η
2
cos θ
t
−η
1
cos θ
i
η
2
cos θ
t
+ η
1
cos θ
i
(3.138)
ou, para meios n˜ ao magn´eticos sem perdas,
ρ

=

2

1
cos θ
i
+
_

2

1
−sen
2
θ
i

2

1
cos θ
i
+
_

2

1
−sen
2
θ
i
(3.139)
3.4.4 Transmiss˜ao Total e
ˆ
Angulo de Brewster
´
E poss´ıvel se obter, neste tipo de incidˆencia, transmiss˜ ao total da onda incidente
para o meio 2. Isto ocorre para um certo ˆ angulo θ
B
, que faz o coeficiente ρ

= 0.
Este ˆangulo ´e denominado ˆ angulo de Brewster e seu valor ´e obtido a partir de
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 58

2

1
cos θ
B
+
_

2

1
−sen
2
θ
B
= 0 (3.140)
ou
sen
2
θ
B
=

2

2
+
1
(3.141)
Portanto,
θ
B
= arcsen
_

2

2
+
1
(3.142)
ou
θ
B
= arctg
_

2

1
(3.143)
3.4.5 Ondas Elipticamente Polarizadas
A Figura 3.6 apresenta uma onda plana elipticamente polarizada incidindo com um
certo ˆ angulo θ
i
. Est˜ao representados na figura apenas os campos el´etricos das ondas
incidente e espalhadas pela superf´ıcie de interface entre os meios.
Pode-se verificar na Figura 3.6 que a onda elipticamente polarizada ´e composta
de uma componente de campo el´etrico perpendicular, E
y
, e outra paralela, E
θ
, ao
plano de inicidˆencia. O m´ odulo do vetor campo el´etrico incidente ´e dado por
E
i
= E
iy
a
y
+ E

a
θ
(3.144)
sendo
E
iy
= E

e
−jβ
1
n
1
· r
(3.145)
e
E

= E

e

i
e
−jβ
1
n
1
· r
(3.146)
A defasagem entre as componentes ´e representada por δ
i
, enquanto as amplitudes
podem ser relacionadas atrav´es de
α
i
= arctg
_
E

E

_
(3.147)
Considerando que os coeficientes de reflex˜ ao para as componentes perpendicular
e paralela s˜ ao dados, respectivamente, por
59 3.4. Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
Meio 2 Meio 1
E
iy
z
θ
0
x
y
E
i
n
1
r
E
ry
E
r
n
2
i
r
θ
θ
t
E
ty
E
t
n
3
θ
θ
θ
Figura 3.6: Onda plana elipticamente polarizada incidindo obliquamente na interface
entre dois meios.
ρ

= [ρ

[ e


(3.148)
e
ρ

= [ρ

[ e

(3.149)
pode-se, ent˜ao, escrever o campo el´etrico refletido como
E
r
= E
ry
a
y
+ E

a
θ
(3.150)
onde
E
ry
= [ρ

[ e


E

e
−jβ
1
n
2
· r
(3.151)
e
E

= −[ρ

[ e

E

e

i
e
−jβ
1
n
2
· r
(3.152)
O sinal negativo que aparece em (3.152) est´ a associado ao sentido do campo el´etrico
em rela¸ c˜ao ao versor a
θ
. A defasagem entre as componentes do campo refletido pode
ent˜ao ser expressa por
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 60
δ
r
= δ
i
+ π + φ

−φ

(3.153)
e a rela¸ c˜ao entre as amplitudes, por
α
r
= arctg
_

[


[
E

E

_
= arctg
_

[


[
tg α
i
_
(3.154)
Finalmente, para os campos transmitidos, tˆem-se
τ

= [τ

[ e


(3.155)
e
τ

= [τ

[ e

(3.156)
onde o campo el´etrico transmitido ´e dado por
E
t
= E
ty
a
y
+ E

a
θ
(3.157)
sendo
E
ty
= [τ

[ e


E

e
−jβ
2
n
3
· r
(3.158)
e
E

= [τ

[ e

E

e

i
e
−jβ
2
n
3
· r
(3.159)
Portanto, a defasagem entre as componentes do campo transmitido ´e
δ
t
= δ
i
+ ψ

−ψ

(3.160)
e
α
t
= arctg
_

[


[
E

E

_
= arctg
_

[


[
tg α
i
_
(3.161)
Exemplo 3.5 Uma onda eletromagn´etica incide na superf´ıcie d’´ agua formando um
ˆangulo de 83,66

com sua normal. Qual a polariza¸ c˜ao da onda refletida? O campo
el´etrico ´e fornecido por
E
i
(r, t) = 2 sen (ω t −β
1
n
1
r)a
y
+ cos(ω t −β
1
n
1
r) a
θ
61 3.4. Incidˆencia Obl´ıqua entre Dois Meios
Solu¸ c˜ao: Pode-se observar que a raz˜ ao entre as amplitudes das componentes do
campo incidente ´e E

/E

= 1/2 e que a defasagem ´e δ
i
= 90

. A rela¸ c˜ao entre
amplitudes da onda refletida ´e dada por
α
r
= arctg
_

[


[
E

E

_
= arctg
_
0, 5

[


[
_
= 0 (3.162)
pois
ρ

=
−81 cos 83, 66

+
_
81 −sen
2
83, 66

81 cos 83, 66

+
_
81 −sen
2
83, 66

· 0 (3.163)
e
ρ

=
cos 83, 66


_
81 −sen
2
83, 66

cos 83, 66

+
_
81 −sen
2
83, 66

· 0, 98 ∠180

(3.164)
Como α
r
= 0, ent˜ ao, s´ o existe uma componente de campo refletido, isto significa
dizer que a onda refletida est´ a linearmente polarizada. Note que ρ

= 0, logo,
a componente paralela do campo incidente ´e totalmente transmitida para ´ agua e
θ
i
= 83, 66

, neste problema, ´e o ˆ angulo de Brewster.
Exemplo 3.6 A Figura 3.7 mostra um enlace de r´ adio que atravessa um lago. As
antenas do enlace s˜ ao helicoidais e est˜ ao polarizadas circularmente para a esquerda.
Observe que parte do sinal ´e refletido pelo lago e atinge a antena receptora. Se a
onda refletida tiver a mesma polariza¸ c˜ao da onda direta, haver´ a interferˆencia na
recep¸ c˜ao do sinal devido `a defasagem das ondas, uma vez que as distˆ ancias percor-
ridas s˜ ao diferentes. A pergunta ent˜ ao ´e: qual a polariza¸ c˜ ao da onda refletida no
lago? Considere o ˆ angulo de incidˆencia na ´ agua igual a 45

.
Solu¸ c˜ao: A raz˜ ao entre as amplitudes do campo incidente, neste caso, ´e 1, pois a
onda tem polariza¸ c˜ao circular. Os coeficientes de reflex˜ao s˜ ao fornecidos por
ρ

=
−81 cos 45

+

81 −sen
2
45

81 cos 45

+

81 −sen
2
45

· 0, 73 ∠180

(3.165)
e
ρ

=
cos 45
◦◦


81 −sen
2
45

cos 45

+

81 −sen
2
45

· 0, 85 ∠180

(3.166)
Portanto,
α
r
= arctg
_

[


[
E

E

_
= arctg
_
0, 73
0, 85
_
· 41

(3.167)
CAP´ıTULO 3. Propaga¸ c˜ao em Meios Diferentes 62
ou seja, as amplitudes das componentes do campo refletido n˜ ao s˜ ao mais iguais. Por
outro lado, a defasagem entre as componentes da onda refletida ´e
δ
r
= δ
i
+ π + 180

−180

= δ
i
+ 180

(3.168)
isto ´e, se δ
i
= 90

, ent˜ao δ
r
= −90

, ou vice-versa. O sentido da onda incidente ser´ a
sempre oposto ao da refletida. A polariza¸ c˜ao da onda refletida que chega ` a antena
receptora ´e el´ıptica para a direita. Portanto, o sinal desta onda ser´ a atenuado pela
antena receptora, pois esta foi projetada para receber ondas circularmente polarizada
para a esquerda.
Lago
Antena
Receptora
Antena
Transmissora
Figura 3.7: Enlace de r´ adio com reflex˜ ao do sinal sobre um lago.
Cap´ıtulo 4
Linhas de Transmiss˜ao
4.1 Introdu¸ c˜ao
At´e o cap´ıtulo anterior foram estudados fenˆ omenos referentes `as ondas eletroma-
gn´eticas propagando-se em meios abertos. Neste cap´ıtulo ´e feita uma an´ alise do
comportamento de ondas eletromagn´eticas guiadas por linhas de transmiss˜ ao, assim
como as caracter´ısticas destas linhas e as t´ecnicas de casamento de impedˆ ancia
aplicadas para a m´ axima transferˆencia de energia eletromagn´etica.
Uma Linha de Transmiss˜ ao (L.T.) ´e um dispositivo empregado para guiar uma
onda eletromagn´etica de um ponto a outro do espa¸ co. Na pr´ atica, uma L.T. pode
ser utilizada, por exemplo, para ligar um transceptor a uma antena, um conjunto de
computadores em rede, uma difusora de sinais de TV aos seus assinantes ou, ent˜ ao,
conectar os diversos componentes e circuitos de um sistema de alta freq¨ uˆencia. Ex-
istem diversas geometrias de linha de transmiss˜ ao em aplica¸ c˜oes de alta frequˆencia.
As mais comuns s˜ ao: coaxial, par de fios, par de fios tran¸ cados, fita, microfita, etc..
A Figura 4.1 mostra algumas destas estruturas. Al´em disso, as linhas de transmiss˜ ao
podem ser classificadas como uniforme e n˜ao uniforme, com perdas e sem perdas.
As linhas uniformes mantˆem a geometria da se¸ c˜ao transversal e as caracter´ısticas
el´etricas e magn´eticas ao longo do seu comprimento. Enquanto as linhas sem perdas
s˜ao aquelas onde as ondas eletromagn´eticas n˜ ao sofrem qualquer tipo de atenua¸ c˜ao
ao longo da dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao.
4.2 Equa¸ c˜ao de uma Linha de Transmiss˜ao
Nesta se¸c˜ao s˜ ao apresentadas duas abordagens que descrevem o comportamento das
ondas de tens˜ao e corrente, que est˜ ao associadas ` as ondas eletromagn´eticas guiadas
63
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 64
condutores dielétrico
d
2
a
w l
h
dielétrico
condutores
(a)
(b)
(c)
2
a
Figura 4.1: Alguns tipos de linha de transmiss˜ ao: (a) coaxial; (b) fita de fios par-
alelos; (c) microfita.
por linhas de transmiss˜ ao uniformes.
4.2.1 Abordagem Eletromagn´etica
Considerando um sistema constitu´ıdo de uma linha coaxial que liga um gerador
a uma impedˆ ancia de carga, como mostrado na Figura 4.2, pode-se obter as ex-
press˜oes dos campos eletromagn´eticos da onda no material diel´etrico entre condu-
tores utilizando-se as equa¸ c˜oes de Maxwell, ou ent˜ ao, as equa¸ c˜oes de onda. Sendo
assim, o campo el´etrico no diel´etrico do cabo coaxial obedece a equa¸ c˜ao

2
E −
1
v
2
f

2
E
∂t
2
= 0 (4.1)
enquanto o campo magn´etico ´e obtido a partir de

2
H−
1
v
2
f

2
H
∂t
2
= 0 (4.2)
As ondas s˜ ao do tipo TEM (no caso dos condutores serem perfeitos), propagando-se
no sentido z
+
ou z

com velocidade de fase
65 4.2. Equa¸ c˜ao de uma Linha de Transmiss˜ ao
Z
g
l
Z
L
Figura 4.2: Gerador de RF acoplado a uma impedˆ ancia de carga atrav´es de uma
L.T. coaxial.
v
f
=
1

µ
(4.3)
Se o gerador fornece uma tens˜ ao que varia harmonicamente no tempo, isto ´e,
V
g
(t) = V
o
e
jωt
(4.4)
ent˜ ao, os campos seguem o mesmo tipo de varia¸ c˜ao temporal, ou seja,
E(r, z, t) = E(r, z) e
jωt
e
H(r, z, t) = H(r, z) e
jωt
(4.5)
sendo E(r, z) e H(r, z) dados pelas equa¸ c˜oes de Helmholtz

2
E(r, z)
∂ z
2
−γ
2
E(r, z) = 0 (4.6)
e

2
H(r, z)
∂ z
2
−γ
2
H(r, z) = 0 (4.7)
onde γ ´e a constante de propaga¸ c˜ao.
Sabe-se pela teoria eletromagn´etica que a tens˜ ao entre os condutores de um cabo
coaxial, medidos num plano z qualquer, est´ a relacionada com o campo el´etrico no
diel´etrico deste atrav´es de
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 66
V (z) = −
b
_
a
E(r, z)dr =
b
_
a
E(r, z) dr (4.8)
Enquanto a magnitude das correntes nos condutores pode ser obtida a partir de
I(z) =
_
C
H(r, z)dl =

_
0
H(r, z) r dϕ = 2πrH(r, z) (4.9)
Integrando-se a equa¸ c˜ao (4.6) em rela¸ c˜ao a r, de a a b, obt´em-se
d
2
V (z)
d z
2
−γ
2
V (z) = 0 (4.10)
Assim como, multiplicando-se (4.7) por 2πr, tem-se
d
2
I(z)
d z
2
−γ
2
I(z) = 0 (4.11)
Apesar das equa¸ c˜oes acima, denominadas de Equa¸ c˜oes de uma Linha de Trans-
miss˜ao, terem sido deduzidas para uma linha coaxial, elas s˜ ao v´ alidas para qualquer
tipo de linha de transmiss˜ ao.
4.2.2 Abordagem de Circuitos
Sabe-se que um cabo coaxial, assim como qualquer linha de transmiss˜ ao, apresenta
uma certa capacitˆ ancia e indutˆ ancia dependendo de sua geometria e caracter´ısticas
el´etricas e magn´eticas dos materiais que os comp˜ oe. A capacitˆ ancia medida entre
os condutores de uma L.T. depende: do comprimento, dos raios de seus condutores
e da permissividade do material diel´etrico. Enquanto a indutˆ ancia depende, al´em
das dimens˜oes da L.T., da permeabilidade. O circuito equivalente de uma linha
uniforme sem perdas ´e mostrado na Figura 4.3a, enquanto a Figura 4.3b apresenta
o circuito equivalente de uma L.T. com perdas. A tens˜ ao num trecho infinitesimal
de um dos condutores, de uma L.T. com perdas, ´e dada por
dV = ZI dz (4.12)
ou
dV
dz
= ZI (4.13)
67 4.2. Equa¸ c˜ao de uma Linha de Transmiss˜ ao
(a)
(b)
L
C
L
C
L
C
L
C G
R L
C G
R
Figura 4.3: Circuito equivalente de uma L.T.: (a) sem perdas; (b) com perdas.
J´a a corrente que atravessa numa fatia de espessura infinitesimal de diel´etrico ´e
fornecida por
dI = Y V dz (4.14)
ou
dI
dz
= Y V (4.15)
onde
Z = R + jωL (4.16)
´e a impedˆ ancia por comprimento de linha e
Y = G + jωC (4.17)
a admitˆ ancia, sendo L, C, R e G, respectivamente, a indutˆ ancia, capacitˆ ancia,
resistˆencia do condutor e condutˆ ancia do diel´etrico por unidade de comprimento.
Derivando-se (4.13) e (4.15) em rela¸ c˜ao a z tˆem-se, respectivamente,
d
2
V
dz
2
=
dZ
dz
I + Z
dI
dz
(4.18)
e
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 68
d
2
I
dz
2
=
dY
dz
V + Y
dV
dz
(4.19)
Para linhas uniformes, Z e Y n˜ao variam com z, logo
d
2
V
dz
2
= Z
dI
dz
(4.20)
ou
d
2
V
dz
2
= Z Y V (4.21)
e
d
2
I
dz
2
= Y
dV
dz
(4.22)
ou
d
2
I
dz
2
= ZY I (4.23)
Reescrevendo-se (4.21) e (4.23), tˆem-se
d
2
V
d z
2
−ZY V = 0 (4.24)
e
d
2
I
d z
2
−ZY I = 0 (4.25)
Uma compara¸ c˜ao entre as equa¸ c˜oes (4.10) e (4.24), assim como (4.11) e (4.25),
mostra que a constante de propaga¸ c˜ao numa L.T. pode ser obtida a partir de
γ = α + jβ =

ZY (4.26)
A velocidade de fase, neste caso, ´e obtida de
v
f
=
ω
Im[γ]
(4.27)
Para uma linha sem perdas tˆem-se
γ = jβ = jω

LC (4.28)
e
69 4.3. Solu¸ c˜ao da Equa¸ c˜ao de uma L.T.
v
f
=
ω
β
=
1

LC
(4.29)
4.3 Solu¸ c˜ao da Equa¸ c˜ao de uma L.T.
A solu¸ c˜ao das equa¸ c˜oes (4.10) e (4.24) ´e da forma
V (z) = V
1
e
γ z
+ V
2
e
−γ z
(4.30)
enquanto para (4.11) e (4.25), tˆem-se
I(z) = I
1
e
γ z
+ I
2
e
−γ z
(4.31)
ou
I(z) =
1
Z
dV
dz
=
γ
Z
_
V
1
e
γ z
−V
2
e
−γ z
¸
(4.32)
ou ainda
I(z) =
_
Y
Z
_
V
1
e
γ z
−V
2
e
−γ z
¸
(4.33)
As solu¸ c˜oes s˜ao combina¸ c˜oes lineares de um par de fun¸ c˜oes ortogonais, uma vez que
as equa¸ c˜oes diferenciais s˜ao lineares ordin´ arias de segunda ordem. Fisicamente, as
solu¸ c˜oes (4.30) e (4.31) representam, respectivamente, ondas de corrente e tens˜ ao
propagando-se no sentido z

(primeiros termos das equa¸ c˜oes) e z
+
(segundos termos),
sendo as constantes V
1
, V
2
, I
1
e I
2
fasores associados ` as ondas.
As solu¸ c˜oes completas, incluindo a varia¸ c˜ao temporal harmˆ onica, s˜ ao
V (z, t) = V

+ V
+
= V
1
e
αz
e
jωt+β z
+ V
2
e
−αz
e
jωt−β z
(4.34)
e
I(z, t) = I

+ I
+
= I
1
e
αz
e
jωt+β z
+ I
2
e
−αz
e
jωt−β z
(4.35)
4.4 Impedˆancia Caracter´ıstica
A impedˆancia caracter´ıstica de uma linha de transmiss˜ ao ´e a raz˜ ao entre a tens˜ ao e
a corrente obtida num determinado plano z, isto ´e,
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 70
Z
o
=
V

I

= −
V
+
I
+
=
_
Z
Y
=
¸
R + jωL
G + jωC
(4.36)
Para linhas uniformes, a impedˆ ancia caracter´ıstica n˜ ao varia ao longo do seu compri-
mento. Se houver perdas, a impedˆ ancia ´e complexa, com valor fornecido por (4.36).
Para perdas desprez´ıveis, tem-se R = G · 0, o que leva a
Z
o
·
_
L
C
(4.37)
Neste caso, a impedˆ ancia ´e real, sendo a indutˆ ancia por unidade de comprimento
determinada pela express˜ ao [19]
L =
Λ
I l
=
µ
l
__
S
H ds
_
C
H dl
(4.38)
e a capacitˆ ancia por unidade de comprimento
C =
Q
V l
= −

l
__
S
E ds
_
b
a
E dl
(4.39)
sendo Λ o fluxo magn´etico produzido pelo indutor e Q a carga el´etrica no capacitor.
4.4.1 Coaxial
A impedˆancia caracter´ıstica de um cabo coaxial sem perdas, como aquele mostrado
na Figura 4.1a, ´e obtida a partir da equa¸ c˜ao (4.37), utilizando-se a express˜ ao
da indutˆ ancia obtida de (4.38) e a da capacitˆ ancia atrav´es de (4.39). Portanto,
resolvendo-se (4.38), obt´em-se
L =
µ
o

ln
_
b
a
_
(4.40)
e de (4.39)
C =

ln
_
b
a
_ (4.41)
Substituindo (4.40) e (4.41) em (4.37), tem-se
Z
o
=
1

_
µ
o

ln
_
b
a
_
=
η
o

r
ln
_
b
a
_
(4.42)
71 4.4. Impedˆ ancia Caracter´ıstica
ou
Z
o
=
60

r
ln
_
b
a
_
(4.43)
Exemplo 4.1 Qual deve ser a raz˜ ao entre o condutor interno e externo para que
uma linha coaxial tenha impedˆ ancia de 75Ω? Considere como diel´etrico um pl´ astico
de permissividade relativa igual a 4.
Solu¸ c˜ao: Pela equa¸ c˜ao (4.43), pode-se obter facilmente esta rela¸ c˜ao, ou seja,
ln
_
b
a
_
=
75

4
60
= 2, 5 =⇒
b
a
= e
2,5
= 12, 2
Portanto, se o condutor interno tiver, por exemplo, 1mm de raio, o externo dever´ a
ter 12,2mm.
4.4.2 Par de Fios Paralelos
No caso de dois fios paralelos separados por uma fita diel´etrica espa¸ cadora (vide
Figura 4.1b), tˆem-se
L =
µ
o
π
ln
_
d −a
a
_
(4.44)
e
C =
π
ln
_
d−a
a
_ (4.45)
Substituindo (4.44) e (4.45) em (4.37), tem-se
Z
o
=
120

r
ln
_
d −a
a
_
(4.46)
Se d ¸a, ent˜ao
Z
o
·
120

r
ln
_
d
a
_
(4.47)
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 72
4.4.3 Microfita
A determina¸ c˜ao da express˜ ao de impedˆ ancia caracter´ıstica para microfitas, como
aquela mostrada na Figura 4.1c, n˜ ao ´e feita de forma totalmente anal´ıtica, devido
a geometria da mesma. V´ arios trabalhos sobre o assunto podem ser encontrados
na literatura cient´ıfica [24][12]. Um destes trabalhos ´e o de Hammerstadt (1975)
[15] que fornece express˜ oes para a an´ alise e s´ıntese de linhas de microfitas. Os
valores obtidos destas express˜ oes apresentam erros inferiores a 1% quando
r
16
e 0, 05 w/h 20, sendo w a largura da fita e h a espessura do substrato.
Para a an´ alise de fitas com w/h < 1, utiliza-se
Z
o
=
60

ef
ln
_
8h
w
+
w
4h
_
(4.48)
Como parte da onda se propaga no diel´etrico e parte se propaga no ar, ent˜ ao, torna-
se necess´ario se obter uma permissividade relativa efetiva, representada na equa¸ c˜ao
(4.48) por
ef
. Para este caso, a permissividade efetiva ´e dada por

ef
=

r
+ 1
2
+

r
−1
2
_
_
1 +
12h
w
_
−1/2
+ 0, 04
_
1 −
w
h
_
2
_
(4.49)
Para a an´ alise de fitas com w/h 1, utiliza-se
Z
o
=
120π

ef
_
w
h
+ 1, 393 + 0, 667 ln
_
1, 444 +
w
h
__
−1
(4.50)
com

ef
=

r
+ 1
2
+

r
−1
2
_
1 +
12h
w
_
−1/2
(4.51)
No caso de s´ıntese, tem-se, para Z
o
> 44 −2
r
,
w
h
=
8
e
A
−2 e
−A
(4.52)
e para Z
o
< 44 −2
r
,
w
h
=
2
π
_
B −1 −ln(2B −1) +

r
−1
2
r
_
ln(B −1) + 0, 293 −
0, 517

r
__
(4.53)
sendo
73 4.5. Perdas numa L.T.
A =
Z
o
60
_

r
+ 1
2
+

r
−1

r
+ 1
_
0, 226 +
0, 121

r
_
(4.54)
e
B =
60π
2
Z
o

r
(4.55)
Exemplo 4.2 Calcule a largura de uma microfita para que ela tenha uma impedˆ ancia
caracter´ıstica de 50 Ω. A linha ser´ a impressa numa placa de circuito impresso de
dupla face com espessura de 2mm e permissividade relativa 3.
Solu¸ c˜ao: Como se quer projetar uma linha de microfita, deve-se ent˜ ao verificar
qual ´e a equa¸ c˜ao mais apropriada para a s´ıntese, (4.52) ou (4.53). Neste caso, como
Z
o
> 44−2
r
= 38Ω, deve-se utilizar a primeira equa¸ c˜ao. Sendo assim, calculando-se
A =
50
60
_
3 + 1
2
+
3 −1
3 + 1
_
0, 226 +
0, 121
3
_
· 1, 312
e substituindo este valor na equa¸ c˜ao (4.52), obt´em-se
w
h
=
8
e
1,312
−2 e
−1,312
· 2, 52
A largura da fita ´e ent˜ao w = 2, 52 h = 5, 04mm.
4.5 Perdas numa L.T.
Na pr´ atica, as perdas, obtidas a partir do fator de atenua¸ c˜ao α = Re[γ], s˜ao peque-
nas. A atenua¸ c˜ao de uma L.T. ´e fun¸c˜ao da freq¨ uˆencia e das caracter´ısticas el´etricas e
magn´eticas dos materiais que a constitui. Em geral, os valores do fator de atenua¸ c˜ao
s˜ao fornecidos em dB/m, utilizando-se a rela¸ c˜ao
α
dB
= −20 log e
−α
= 8, 686 α (4.56)
A Tabela 4.1 apresenta alguns valores t´ıpicos de fator de atenua¸ c˜ao para cabos
coaxiais comerciais em trˆes freq¨ uˆencias distintas.
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 74
Tabela 4.1: Impedˆ ancia e atenua¸ c˜ao para alguns cabos comerciais. Valores obtidos
do cat´ alogo da Times Microwaves Systems.
Cabo Z
o
α
dB
(100MHz) α
dB
(400MHz) α
dB
(1GHz)
Coxial (Ω) dB/m dB/m dB/m
RG-6 75 0,089 0,184 0,308
RG-11 75 0,072 0,151 0,253
RG-59 75 0,108 0,226 0,374
RG-58 50 0,151 0,308 0,502
RG-213 50 0,066 0,141 0,24
Exemplo 4.3 Um cabo coaxial ´e utilizado para ligar uma antena parab´ olica de
impedˆancia igual a 75Ω ao receptor de mesma impedˆ ancia. A distˆ ancia entre eles
´e de 10m e a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao 1GHz. Qual a melhor op¸ c˜ao de cabo? Qual a
atenua¸c˜ao total no cabo?
Solu¸ c˜ao: Para manter o sistema casado, a melhor op¸ c˜ao ´e utilizar cabos de impedˆ ancia
caracter´ıstica de mesmo valor dos dispositivos, como ser´ a estudado nas pr´ oximas
se¸c˜oes deste cap´ıtulo. Al´em disso, pela Tabela 4.1, o cabo com menor atenua¸ c˜ao,
e impedˆancia igual a 75Ω, ´e o RG-11. A atenua¸ c˜ao total introduzida pelos 10m de
cabo ´e fornecida por
A
cb
= α
dB
l = 0, 253 10 = 2, 53 dB
4.6 Linhas com Termina¸ c˜ao
A Figura 4.4 mostra uma linha de transmiss˜ ao com impedˆ ancia caracter´ıstica Z
o
,
terminada por uma impedˆ ancia de carga Z
L
. A equa¸ c˜ao de uma L.T. fornece como
solu¸ c˜ao geral um par de ondas de tens˜ ao ou corrente, propagando-se ao longo da linha
em sentidos contr´arios. Identificando-se a onda que se propaga no sentido gerador-
carga como onda incidente V

(ou I

) e no sentido inverso como onda refletida
V
+
(ou I
+
), pode-se escrever para o plano z = 0,
V (0) = V

+ V
+
= V
1
+ V
2
(4.57)
onde V
1
e V
2
s˜ao fasores que est˜ ao relacionados um com o outro atrav´es do coeficiente
de reflex˜ao de tens˜ ao
ρ
v
(0) = [ρ
v
(0)[ e

v
=
V
2
V
1
(4.58)
75 4.6. Linhas com Termina¸ c˜ao
l
Z
L
Z
g
z 0
V
-
, I
-
V
+
, I
+
Z
o
Figura 4.4: Linha de transmiss˜ ao terminada por uma impedˆ ancia de carga.
portanto,
V (0) = V
1
[1 + ρ
v
(0)] (4.59)
Para um plano z qualquer tem
V (z) = V
1
[1 + ρ
v
(z)] (4.60)
sendo
ρ
v
(z) =
V
+
V

= [ρ
v
(0)[ e

v
−2γ z
(4.61)
Da mesma forma pode-se obter
I(z) = I
1
[1 + ρ
i
(z)] (4.62)
sendo
ρ
i
(z) =
I
+
I

= [ρ
i
(0)[ e

i
−2γ z
= −
V
+
V

= −ρ
v
(z) (4.63)
A impedˆancia de carga est´ a relacionada com as ondas de tens˜ ao e corrente como
segue:
Z
L
=
V (0)
I(0)
=
V
1
[1 + ρ
v
(0)]
I
1
[1 + ρ
i
(0)]
= Z
o
1 + ρ
v
(0)
1 −ρ
v
(0)
(4.64)
logo,
ρ
v
(0) = [ρ
v
(0)[ e

v
=
Z
L
−Z
o
Z
L
+ Z
o
(4.65)
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 76
4.6.1 Impedˆancia Equivalente
A impedˆancia, “vista” em dire¸ c˜ao ` a carga, num plano z qualquer da linha de trans-
miss˜ao, ´e fornecida por
Z
eq
(z) =
V (z)
I(z)
= Z
o
1 + ρ
v
(z)
1 −ρ
v
(z)
(4.66)
onde
ρ
v
(z) = ρ
v
(0) e
−2γ z
(4.67)
Portanto, substituindo (4.67) em (4.66) e levando-se em considera¸ c˜ao (4.65), tem-se
Z
eq
(z) = Z
o
1 +
Z
L
−Z
o
Z
L
+Z
o
e
−2γ z
1 −
Z
L
−Z
o
Z
L
+Z
o
e
−2γ z
= Z
o
Z
L
+ Z
o
tgh γ z
Z
o
+ Z
L
tgh γ z
(4.68)
Esta ´e a impedˆ ancia equivalente ` a impedˆ ancia de carga mais o trecho de linha com
comprimneto z. Se n˜ao existem perdas na linha, ent˜ ao α = 0, tgh γ z = j tg β z e
Z
eq
(z) = Z
o
Z
L
+ jZ
o
tg β z
Z
o
+ jZ
L
tg β z
(4.69)
4.6.2 Toco em Aberto
A impedˆancia “vista” nos terminais de um trecho (ou toco) de linha com termina¸ c˜ao
em aberto ´e obtida pela equa¸ c˜ao (4.68) fazendo-se Z
L
→∞, ou seja,
Z
TA
=
Z
o
tgh γ z
= Z
o
cotgh γ z (4.70)
Para o caso sem perdas tem-se
Z
TA
=
Z
o
j tg β z
= −j Z
o
cotg β z (4.71)
4.6.3 Toco em Curto
A impedˆancia “vista” nos terminais de um trecho (ou toco) de linha com termina¸ c˜ao
em curto ´e obtida pela equa¸ c˜ao (4.68) fazendo-se Z
L
= 0, ou seja,
Z
TC
= Z
o
tgh γ z (4.72)
Para o caso sem perdas tem-se
77 4.7. Coeficientes de Reflex˜ ao para Z
g
Complexo
Z
TC
= j Z
o
tg β z (4.73)
4.7 Coeficientes de Reflex˜ao para Z
g
Complexo
Na se¸ c˜ao anterior, tanto a impedˆ ancia do gerador quanto a impedˆ ancia caracter´ıstica
da linha foram consideradas reais. Entretanto, em alguns problemas de casamento
ou otimiza¸ c˜ao de circuitos, estas impedˆ ancias podem assumir valores complexos.
Nesta condi¸ c˜ao, as equa¸ c˜oes que fornecem os coeficientes de reflex˜ao s˜ ao definidas
em sua forma mais geral, como ser´ a visto a seguir.
Z
g
Z
*
g
V
g
V
+
I
+
(a)
Z
g
Z
L
V
g
I
+
(b)
V
+
+V
-
I
-
Figura 4.5: Gerador com impedˆ ancia complexa ligado a uma impedˆ ancia: (a) Z

g
;
(b) Z
L
qualquer.
Considere uma impedˆancia de carga ligada diretamente aos terminais de um
gerador de impedˆ ancia complexa, como mostrado na Figura 4.5. Na condi¸ c˜ao de
casamento, situa¸ c˜ao onde ocorre a m´ axima transferˆencia de energia, Z
L
= Z

g
(o
asterisco denota complexo conjugado). Logo, n˜ ao existe ondas refletidas e
I = I
+
=
V
g
Z
L
+ Z
g
=
V
g
Z

g
+ Z
g
(4.74)
enquanto
V = V
+
= Z
L
I
+
=
Z

g
V
g
Z

g
+ Z
g
(4.75)
como apresentado na Figura 4.5a. Entrentanto, quando Z
L
,= Z

g
, estas ondas
refletidas est˜ao presentes no circuito (vide Figura 4.5b) e o coeficiente de reflex˜ ao
de tens˜ ao, neste caso, ´e dado por
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 78
ρ
v
=
V

V
+
=
V
V
+
−1 =
Z
L
V
g
Z
L
+ Z
g
Z

g
+ Z
g
Z

g
V
g
−1 =
Z
g
_
Z
L
−Z

g
_
Z

g
(Z
L
+ Z
g
)
(4.76)
e o de corrente
ρ
i
=
I

I
+
=
I
I
+
−1 =
V
g
Z
L
+ Z
g
Z

g
+ Z
g
V
g
−1 =
Z

g
−Z
L
Z
L
+ Z
g
(4.77)
ou
ρ
i
= −
Z

g
Z
g
ρ
v
(4.78)
Note que, para Z
g
real, a equa¸ c˜ao (4.78) ´e idˆentica ` a (4.63).
4.8 Coeficiente de Onda Estacion´aria
4.8.1 Coeficientes de Reflex˜ao e Transmiss˜ao
Como foi visto anteriormente, os coeficientes de reflex˜ ao dependem do plano onde
se mede as correntes e tens˜oes da linha. Os coeficientes de reflex˜ ao de tens˜ ao e cor-
rente, num plano z qualquer, s˜ ao dados respectivamente por (4.67) e (4.63). Assim
como, no caso de ondas TEM planas incidindo normalmente sobre uma interface, os
coeficientes de transmiss˜ao no plano z = 0 s˜ ao fornecidos por
τ
v
(0) = 1 +ρ
v
(0) =
2Z
L
Z
L
+ Z
o
(4.79)
e
τ
i
(0) = 1 +ρ
i
(0) =
2Z
o
Z
L
+ Z
o
(4.80)
4.8.2 Coeficiente de Onda de Tens˜ao Estacion´aria
O coeficiente de onda de tens˜ ao estacion´ aria, conhecido como VSWR (Voltage Stand-
ing Wave Ratio), ´e a raz˜ ao entre a tens˜ ao m´ axima e a m´ınima medidas ao longo da
linha transmiss˜ ao, isto ´e,
VSWR =
V
max
V
min
=
[V
1
[ +[V
2
[
[V
1
[ −[V
2
[
=
1 +[ρ
v
[
1 −[ρ
v
[
(4.81)
79 4.9. T´ecnicas de Casamento de Impedˆ ancia
Desta forma, medindo-se o VSWR da linha, pode-se obter o m´ odulo do coeficiente
de reflex˜ao de tens˜ ao atrav´es de

v
[ =
VSWR −1
VSWR + 1
(4.82)
Como o m´ odulo do coeficiente de reflex˜ ao varia entre 0 e 1, o VSWR tem valor
m´ınimo igual a 1 e m´ aximo ∞.
Exemplo 4.4 Suponha agora, para o exemplo anterior, que vocˆe s´o tem dispon´ıvel
cabos de 50 Ω. Qual deve ser o VSWR nos terminais do receptor? Considere a
permissividade relativa do cabo igual a 4.
Solu¸ c˜ao: Considere a Figura 4.4 como referˆencia, sendo Z
L
a impedˆ ancia da antena
e Z
g
a impedˆ ancia do receptor. Para se obter o VSWR nos terminais do receptor, ´e
necess´ario determinar a impedˆ ancia equivalente do conjunto cabo-antena. Portanto,
desprezando-se as perdas, esta impedˆancia pode ser calculada a partir de (4.69), ou
seja,
Z
eq
(10m) = 50
75 + j50 tg (10 β )
50 + j75 tg (10 β)
= 38, 7 −j14Ω
pois β = 2π

r

o
= 4π/0, 3 · 42 rd/m. O coeficiente de reflex˜ ao nos terminais do
receptor ´e dado por
ρ
v
(10m) =
Z
eq
(10m) −Z
g
Z
eq
(10m) + Z
g
=
38, 7 −j14 −75
38, 7 −j14 + 75
= 0, 34 ∠ −152

e o VSWR
VSWR =
1 + 0, 33
1 −0, 33
· 2
Na pr´ atica, valores acima de 1,5 s˜ ao considerados altos.
4.9 T´ecnicas de Casamento de Impedˆancia
Foi visto nas se¸ c˜oes anteriores que o coeficiente de reflex˜ ao numa L.T. depende de sua
impedˆancia caracter´ıstica e da impedˆ ancia da carga. S´ o n˜ ao existir´ a onda refletida na
linha quando Z
L
= Z
o
, caso contr´ ario, o coeficiente de reflex˜ ao ser´ a diferente de zero.
Acontece que nem sempre se tem cabos ou linhas com impedˆancia caracter´ıstica
igual ` a impedˆ ancia de carga, como foi visto no Exemplo 4.3. Imagine que o sistema
representado na Figura 4.4 fosse o circuito equivalente de um transmissor de TV,
com impedˆ ancia de sa´ıda de 50Ω, ligado a uma antena dipolo de meio comprimento
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 80
de onda atrav´es de uma linha cuja impedˆ ancia Z
o
= 50Ω. Neste situa¸ c˜ao, certamente
existir´ a onda refletida, uma vez que a impedˆ ancia de um dipolo de λ/2 ´e complexa
e igual a 73 +j42Ω.
Nesta se¸c˜ao ser˜ ao abordadas algumas t´ecnicas que utilizam tocos em aberto ou
em curto posicionados em paralelo em determinados pontos (planos) da linha de
transmiss˜ ao. A introdu¸ c˜ao destes tocos possibilitam a redu¸ c˜ao ou elimina¸ c˜ao por
completo das ondas refletidas, devido a descasamentos de impedˆ ancia entre linha-
carga e/ou gerador-linha.
4.10 Carta de Smith
Na s´ıntese de circuitos de casamento de impedˆ ancia, muitas opera¸ c˜oes envolvendo
n´ umeros complexos tˆem que ser efetuadas, uma vez que as impedˆ ancias dos tocos
e trechos de linhas s˜ao em geral complexas. Antes do advento dos computadores
e calculadoras cient´ıficas, estes c´alculos demandavam um certo tempo. Para min-
imizar este tempo de c´alculo, Philip H. Smith introduziu, em 1939, um ´ abaco de
impedˆancias e admitˆ ancias que ficou conhecido posteriormente como Carta de Smith.
Atualmente todas as t´ecnicas de casamento podem ser programadas em computa-
dores ou calculadoras program´ aveis. Entretanto, a Carta de Smith tem a vantagem
de mostrar de uma forma gr´ afica as impedˆ ancias e o processo de casamento, sendo
at´e hoje utilizada para fins did´ aticos e em equipamentos de medi¸ c˜ao.
A Figura 4.12 mostra uma vers˜ ao da Carta de Smith com indica¸ c˜ao de impedˆ ancias
e admitˆ ancias em portuguˆes. A Carta pode ser empregada para representar impedˆ ancias
ou admitˆ ancias normalizadas. Em geral, se utiliza a impedˆ ancia (ou admitˆ ancia)
caracter´ıstica da linha de transmiss˜ ao como referˆencia para normaliza¸ c˜ao. Sendo
assim, o centro da carta representa uma impedˆ ancia (ou admitˆ ancia) normalizada
igual a 1 e todos os pontos da circunferˆencia, que passa pelo centro da Carta, rep-
resentam impedˆ ancias (ou admitˆ ancia) normalizadas cuja parte real ´e igual a um.
As circunferˆencias de diˆametros menores representam impedˆ ancias (ou admitˆ ancia)
com parte real maior que 1 e, as de diˆ ametros maiores, as impedˆ ancias com parte real
menor que 1. As impedˆ ancias (ou admitˆ ancia) sobre o eixo horizontal que passa pelo
centro da Carta tˆem valores puramente reais e podem variar de 0 (ponto extremo ` a
esquerda) a ∞ (ponto extremo ` a direita). Os pontos sobre as curvas, que na real-
idade s˜ao partes de circunferˆencias cujos centros est˜ao fora da Carta, representam
as impedˆ ancias (ou admitˆ ancia) com mesma parte imagin´ aria. Os valores normal-
izados das reatˆ ancias (susceptˆancias) para cada curva est˜ ao identificados pr´ oximos
`a borda da Carta. As curvas do semic´ırculo superior representam reatˆ ancias induti-
vas (susceptˆ ancias capacitivas), enquanto as do semic´ırculo inferior representam as
81 4.10. Carta de Smith
reatˆ ancias capacitivas (susceptˆancias indutivas). Na borda da Carta est˜ ao represen-
tados os valores puramente imagin´ arios.
1 0,4 0,2 0,6 0,8 0 1,4
0,2
0,4
0,6
0,8
1
1,4
-0,2
-0,4
-0,6
-0,8
-1
-1,4
8
P1
P3
P2
VSWR=1.81
A
B
C
73,3
o
Figura 4.6: Circunferˆencia de VSWR = 1, 81 e impedˆ ancias normalizadas no plano:
z = 0 (P1), z = λ/8 (P2) e z = λ/4 (P3).
Tomando-se como exemplo o sistema mostrado na Figura 4.4, com os valores de
Z
o
= 50Ω e Z
L
= 50+j 30Ω, pode-se representar a impedˆ ancia de carga normalizada
por
z
L
=
Z
L
Z
o
= 1, 0 + j 0, 6 (4.83)
indicada na Carta como ponto P1. Esta ´e tamb´em a representa¸c˜ao da impedˆ ancia
equivalente da linha, “vista” em dire¸ c˜ao ` a carga, no plano z = 0. Para outros
planos sobre a linha, pode-se verificar que os valores obtidos a partir de (4.69)
correspondem aos pontos de uma circunferˆencia cujo centro coincide com o centro
da Carta. Esta circunferˆencia ´e denominada de circunferˆencia de VSWR constante.
`
A propor¸ c˜ao que o plano de medi¸ c˜ao se afasta da carga, indo em dire¸ c˜ao ao gerador,
os pontos correspondentes ` as impedˆ ancias medidas se afastam do ponto P1, no
sentido hor´ ario. Assim, um ponto de impedˆ ancia, medido no plano z = λ/8, ´e
um ponto sobre a circunferˆencia, com raio medido do centro da Carta at´e o ponto
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 82
P2, que est´ a deslocado 90

no sentido hor´ ario do ponto P1. No plano z = λ/4,
o deslocamento ´e de 180

(meia volta na Carta) e em z = λ/2 tem-se uma volta
inteira sobre a circunferˆencia (vide Figura 4.6). Se o deslocamento fosse no sentido
contr´ ario, isto ´e, anti-hor´ ario, o plano de medi¸ c˜ao estaria sendo deslocado ao longo
da linha no sentido gerador-carga. Estes sentidos est˜ ao indicados na borda da Carta
(Figura 4.12).
Uma outra grandeza que se pode medir diretamente na Carta ´e o coeficiente de
onda estacion´ aria. Ele ´e o resultado da interse¸ c˜ao entre a circunferˆencia de VSWR
constante e o eixo das impedˆ ancias (ou admitˆ ancia) puramente reais, medido entre
1 e ∞ (vide Figura 4.6). Para se obter o coeficiente de reflex˜ ao no plano z = 0, por
exemplo, tra¸ ca-se uma reta partindo-se do centro da Carta e passando pelo ponto
P1 at´e atingir a borda. Denominando-se o trecho da reta que vai at´e o ponto P1 de
AB e o trecho do centro ` a borda de AC, pode-se obter o m´ odulo do coeficiente de
reflex˜ao fazendo

v
(0)[ =
AB
AC
= 0, 287 (4.84)
enquanto o ˆ angulo ´e obtido diretamente da leitura na escala de ˆ angulos localizada
na borda da Carta (veja escala na Figura 4.12), neste caso, φ
v
= 73, 3

. Algumas
Cartas, como aquela da Figura 4.12, apresentam uma escala linear para obten¸ c˜ao
do m´ odulo do coeficiente de reflex˜ ao, eliminando assim o c´ alculo em (4.84).
4.11 Casamento com Toco e Trecho de Linha
Os circuitos de casamento com um toco e trecho de linha podem ser de dois tipos:
toco e trecho, como mostrado na Figura 4.7a; trecho e toco, como mostrado na
Figura 4.7b. A escolha do circuito mais adequado depende da impedˆ ancia de carga
e da impedˆ ancia caracter´ıstica da linha. A seguir s˜ ao apresentados dois exemplos,
um para cada tipo de esquema toco-linha.
4.11.1 Trecho de linha e toco
Suponha que se quer casar um transmissor de impedˆ ancia de sa´ıda igual a 50Ω
com uma carga Z
L
= 50 + j 30Ω, atrav´es de uma linha e toco com impedˆ ancia
caracter´ıstica Z
o
= 50Ω . A tarefa ent˜ ao ´e determinar os comprimentos do toco e do
trecho de linha, sendo que o primeiro passo consiste em normalizar a impedˆ ancia de
carga pela impedˆ ancia caracter´ıstica da linha de transmiss˜ ao. Este valor ´e fornecido
por (4.83).
83 4.11. Casamento com Toco e Trecho de Linha
l
Z
L
Z
g
Z
o
l
t
l
Z
L
Z
g
Z
o
l t
(a)
(b)
Figura 4.7: Casamento com um toco e trecho de linha: (a) toco em curto pr´ oximo
`a carga; (b) toco em aberto pr´ oximo ao gerador.
Como o casamento ser´ a feito atrav´es de um toco em paralelo posicionado num
dado ponto da linha, ´e interessante se trabalhar com admitˆ ancias normalizadas.
Portanto, o pr´ oximo passo ´e a convers˜ ao da impedˆ ancia normalizada z
L
para ad-
mitˆ ancia normalizada y
L
. Isso pode ser feito atrav´es da pr´ opria Carta de Smith
(vide Figura 4.8), partindo-se do ponto P1, caminhando-se sobre a circunferˆencia de
VSWR constante at´e o ponto P2 , o que equivale a meia volta na Carta (l = λ/4).
Por quˆe? A justificativa matem´ atica vem de (4.69) considerando-se o comprimento
z = λ/4, isto ´e,
Z
eq
(λ/4) =
Z
2
o
Z
L
(4.85)
ou
z
eq
=
1
z
L
= y
L
(4.86)
Uma vez obtido y
L
= 0, 735 − j 0, 441 (ponto P3), ´e necess´ario caminhar na cir-
cunferˆencia de VSWR constante, no sentido hor´ ario (carga-gerador), para se obter
a parte real de y
L
igual a 1. Neste caso, por coincidˆencia, o valor de admitˆ ancia
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 84
normalizada ´e aquele fornecido por (4.83), ou seja, y
3
= z
L
= 1 + j 0, 6 (ponto P1).
O comprimento do trecho de linha percorrido ´e de λ/4. Sendo assim, para casar
o circuito, resta apenas introduzir um toco em aberto ou em curto neste ponto da
linha, de forma a eliminar a susceptˆ ancia normalizada de valor igual a 0,6.
y
4
= y
3
+ y
T
= 1 (4.87)
onde y
T
= −j 0, 6. O toco que oferece esta susceptˆ ancia com o menor comprimento
deve ter uma das suas termina¸ c˜oes em curto. O comprimento normalizado deste
toco ´e indicado na Carta da Figura 4.8.
1 0,4 0,2 0,6 0,8 0 1,4
0,2
0,4
0,6
0,8
1
1,4
-0,2
-0,4
-0,6
-0,8
-1
-1,4
8
P1
P2
l
T
= 0,164 λ
Figura 4.8: Casamento utilizando-se um trecho de linha e toco. O ponto P1 repre-
senta z
L
e y
3
, enquanto P2 indica y
L
.
4.11.2 Toco e trecho de linha
Considerando-se agora a mesma carga acoplada, atrav´es de uma linha de 50Ω, a um
gerador de 125Ω, tem-se como impedˆ ancia equivalente normalizada, necess´ aria para
casar o sistema, z
eq
= 2, 5. Conseq¨ uentemente, a admitˆ ancia normalizada que se
deve obter nos terminais do gerador ´e igual a 0,4. Observe na Carta (Figura 4.9) que
85 4.11. Casamento com Toco e Trecho de Linha
a circunferˆencia de VSWR = 1,81 n˜ ao tem ponto de interse¸ c˜ao com a circunferˆencia
de 0,4, sendo assim, n˜ ao ´e possivel casar o sistema com o circuito trecho-toco (Figura
4.7b).
´
E necess´ario primeiro aumentar o VSWR na linha atrav´es da introdu¸ c˜ao de
um toco no plano z = 0 e, em seguida, determinar o trecho de linha necess´ ario para
casar o circuito. Neste caso, o VSWR tem que ser maior ou igual a 2,5. Tra¸ cando-se,
por exemplo, uma circunferˆencia de VSWR = 2,5, observa-se que a interse¸ c˜ao ocorre
no ponto 0,4 da Carta. Para atingir este valor de coeficiente de onda estacion´ aria de
linha ´e necess´ario a introdu¸ c˜ao de um toco cuja susceptˆ ancia normalizada tem valor
igual a −0, 325. Dessa forma, a admitˆ ancia da carga fica com valor normalizado
igual a 0, 735 − j 0, 766 (ponto P3). O menor comprimento de toco ´e obtido com
um toco em curto, pois a susceptˆ ancia ´e negativa. O valor l
T
= 0, 2λ ´e indicado
na Carta da Figura 4.9. Finalmente, para se obter o casamento, parte-se do ponto
P3 e caminha-se na circunferˆencia de VSWR = 2,5 no sentido hor´ ario at´e atingir o
ponto P4. Isso equivale a um trecho de linha l = 0, 132λ.
1 0,4 0,2 0,6 0,8 0 1,4
0,2
0,4
0,6
0,8
1
1,4
-0,2
-0,6
-0,8
-1
-1,4
8
P1
P4
P2
P3
-0,4
l=0,132λ
l
T
=0,2λ
VSWR=1.81
VSWR=2.5
Figura 4.9: Casamento utilizando-se um toco l
T
e um trecho de linha l. Os pontos
P1, P2, P3 e P4 representam respectivamente z
L
= 1 +j 0, 6, y
L
= 0, 735 −j 0, 441,
y
3
= 0, 735 −j 0, 766 e y
4
= 0, 4.
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 86
4.12 Casamento com Dois Tocos e Trechos de Linha
O casamento de impedˆ ancia de um sistema composto de linhas de transmiss˜ ao pode
tamb´em ser feito fixando o comprimento de um ou mais trechos de linha e variando-
se o comprimento de dois tocos posicionados em pontos distintos da L.T.. A Figura
4.10a mostra um circuito de casamento deste tipo.
Z
g
l
1
Z
L
Z
o
l
2
Z
o
Z
g
l
1
Z
L
Z
o
l t 2
l
2
Z
o
l t 3
(a)
(b)
A B
Figura 4.10: Circuito de casamento com: (a) dois tocos; (b) trˆes tocos.
Tomando-se mais uma vez como exemplo uma carga com Z
L
= 50+j 30Ω, ligada
a um gerador 50Ω, atrav´es de uma L.T. de Z
o
= 50Ω, e considerando que o compri-
mento el´etrico total do sistema de casamento tem que ser igual a 135

, pergunta-se:
qual deve ser os comprimentos dos tocos e trechos de linha para casar o sistema?
O primeiro passo ´e normalizar a impedˆ ancia de carga em fun¸ c˜ao da impedˆ ancia
caracter´ıstica e, em seguida, encontrar a admitˆ ancia normalizada, completando-se
meia volta na Carta de Smith a partir do ponto referente a z
L
(Figura 4.11). Como
´e exigido um comprimento el´etrico θ = 3π/4, ent˜ao o comprimento total da linha
tem que ser
l = l
1
+ l
2
=
θ

λ =

8
(4.88)
87 4.13. Casamento com Trˆes Tocos e Trechos de Linha
Escolhendo-se, por exemplo, l
1
= λ/8 e l
2
= λ/4, tem-se no plano z = l
2
(plano B
na Figura 4.10a) a admitˆ ancia normalizada igual ` a impedˆ ancia z
L
(Ponto P1), uma
vez que se caminhou λ/4 na linha de transmiss˜ ao em dire¸ c˜ao ao gerador. O obje-
tivo ´e chegar aos terminais do gerador (plano A na Figura 4.10a) com impedˆ ancia
equivalente igual ` a impedˆ ancia de sa´ıda deste, no caso 50Ω (z
g
= 1). Observe que a
admitˆ ancia normalizada no plano A, antes da introdu¸ c˜ao do toco 1, tem que ter parte
real igual a 1, uma vez que o toco 1 s´ o eliminar´ a a parte imagin´ aria desta admitˆ ancia.
Isso equivale a dizer que a admitˆ ancia no plano A, antes da introdu¸ c˜ao do toco 1,
pode ser qualquer ponto sobre a circunferˆencia que passa pelo ponto de admitˆ ancia
normalizada igual a 1. Esta condi¸ c˜ao pode ser levada para o plano B, bastando para
isso girar a circunferˆencia de 90

no sentido anti-hor´ ario, como mostrado na Figura
4.11. O giro, neste caso, ´e de 90

no sentido anti-hor´ ario porque se caminhou sobre
um trecho de linha de λ/8 em dire¸ c˜ao ` a carga. Atrav´es do toco 2, pode-se deslocar
a admitˆ ancia normalizada do ponto P1 para o ponto P3 ou P4, alterando-se apenas
a parte imagin´ aria desta admitˆ ancia. Tomando-se como exemplo o deslocamento
para o ponto P3, verifica-se que o valor da susceptˆ ancia normalizada necess´ aria ´e de
+1,4. Sendo assim, ´e interessante se utilizar um toco em aberto com comprimento
l
t2
= 0, 152λ. A admitˆ ancia equivalente normalizada no plano A, sem a introdu¸ c˜ao
do toco 1, ´e obtida girando-se 1/4 de volta (90

) no sentido hor´ ario, isto equivale ao
ponto P5. Finalmente, o casamento ´e alcan¸ cado introduzindo-se o toco 1 em aberto
com comprimento l
t1
= 0, 176λ, cuja a susceptˆ ancia normalizada ´e +2.
Observe que, se fosse escolhido o ponto P4, n˜ ao haveria necessidade de um se-
gundo toco no plano A, pois o sistema j´ a estaria casado apenas com o trecho de
linha l
2
e toco 2.
4.13 Casamento com Trˆes Tocos e Trechos de Linha
Se no exemplo anterior a impedˆ ancia normalizada da carga tivesse parte real maior
que 2, o ponto marcado na Carta estaria dentro da circunferˆencia de parte real igual
a 2. Isto significa dizer que a introdu¸ c˜ao de um toco no plano B nunca levaria
a admitˆ ancia ` a circunferˆencia de casamento (a 90

) indicada na Carta. Portanto,
torna-se necess´ario a introdu¸ c˜ao de um terceiro toco no plano z = 0, como mostrado
na Figura 4.10b, de forma a alterar a admitˆ ancia da carga. Tente, por exemplo,
determinar os comprimentos dos tocos para uma impedˆ ancia de carga Z
L
= 150 +
j 50Ω. Considere os mesmos comprimentos de linha l
1
= λ/8 e l
2
= λ/4 e impedˆ ancia
caracter´ıstica Z
o
= 50Ω.
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 88
1 0,4 0,2 0,6 0,8 0 1,4
0,2
-0,2
-0,4
-0,6
-0,8
-1
-1,4
8
P1
P2
l
T2
=0,152 λ
P3
P4
P5
1,4
1
0,8
0,4
0,6
l
T1
=0,176 λ
possíveis valores de admitância
no plano B antes da introdução
do toco 2
possíveis valores de admitância
no plano A antes da introdução
do toco 1
Figura 4.11: Casamento com dois tocos e trechos de linha l
1
= λ/8 e l
2
= λ/4, onde
P1, P2, P3, P4 e P5 s˜ ao respectivamente z
L
= y
1
= 1 + j0, 6, y
2
= 0, 73 − j 0, 44,
y
3
= 1 +j2, y
4
= 1 e y
5
= 1 −j2.
4.14 Casamento com Transformador
Nas se¸c˜oes anteriores foram abordadas t´ecnicas de casamento de impedˆ ancia onde o
casamento entre um gerador e uma impedˆ ancia de carga ´e alcan¸ cado ajustando-se
os comprimentos de tocos e trechos de linha. Em alguns casos, o casamento pode ser
obtido fixando o comprimento do trecho e variando-se a impedˆ ancia caracter´ıstica.
Um exemplo muito comum deste tipo de t´ecnica ´e o transformador de λ/4. Esse
transformador ´e na realidade um trecho de linha de comprimento l = λ/4 onde a
impedˆancia equivalente no plano z = l ´e dada por (4.85). Sendo assim, a impedˆ ancia
caracter´ıstica ´e obtida de
Z
o
=
_
Z
L
Z
eq
(4.89)
Note que os valores da impedˆ ancia do gerador e da carga tˆem que ser reais para que
a impedˆ ancia caracter´ıstica tamb´em seja.
Exemplo 4.5 Utilize a placa de circuito impresso do Exemplo 4.2 para confeccionar
uma linha de microfita que atue como um transformador de λ/4. O transformador
89 4.14. Casamento com Transformador
deve ser usado para casar a impedˆ ancia de uma antena de 300 Ω com a equivalente
de 50 Ω do conjunto cabo-receptor que opera em 200MHz.
Solu¸ c˜ao: A impedˆancia da linha deve ser, neste caso,
Z
o
=

300 50 = 122, 5 Ω
e sua largura,
w ·
_
8
e
A
−2 e
−3A
_
h = 0, 39 2 mm = 0, 785 mm
pois
A =
50
122, 5
_
3 + 1
2
+
3 −1
3 + 1
_
0, 23 +
0, 11
3
_
· 3, 02
O comprimento da linha de microfita ´e dado por
l =
λ
o
4

ef
=
1, 5
4

2, 43
= 241mm
sendo
ef
obtido pela equa¸ c˜ao (4.49), ou seja,

ef
= 2 + (1 + 12 0, 39)
−1/2
+ 0, 04 (1 −0, 39)
2
· 2, 43
CAP´ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜ ao 90
0 . 1
0.1
0
.1
0 . 2
0.2
0
.2
0
. 3
0
.3
0
.3
0
. 4
0
.4
0
.4
0
. 5
0
.5
0
.5
0
. 6
0
.6
0
.6
0
. 7
0
.7
0
.7
0
. 8
0
.8
0
.8
0
. 9
0
.9
0
.9
1
.0
1
.0
1
.0
1
.2
1
. 2
1
.2
1
.4
1
. 4
1
.4
1
.6
1
. 6
1
.6
1
.8
1
. 8
1
.8
2
.0
2
. 0
2
.0
3
.0
3
. 0
3
.0
4.0
4 . 0
4
.0
5.0
5 . 0
5
.0
10
1 0
1
0
20
2 0
2
0
50
5 0
5
0
0.2
0 . 2
0 . 2
0.2
0.4
0 . 4
0 . 4
0.4
0.6
0 . 6
0
. 6
0
.6
0
.8
0
. 8
0
. 8
0
.8
1
.0
1
. 0
1
. 0
1
.0
2
0
-
2
0
3
0
-
3
0
4
0
- 4
0
5
0
- 5
0
60
- 6 0
70
- 7 0
80
- 8 0
90
- 9 0
100
- 1 0 0
110
- 1 1 0
120
- 1 2 0
1
3
0
- 1
3
0
1
4
0
- 1
4
0
1
5
0
-
1
5
0
1
6
0
-
1
6
0
1
7
0
-
1
7
0
1
8
0
9
0
-
9
0
8
5
-
8
5
8
0
-
8
0
7
5
-
7
5
7
0
-
7
0
6
5
-
6
5
6
0
-
6
0
5
5
-
5
5
5
0
- 5
0
4
5
- 4
5
4
0
- 4
0
3
5
- 3
5
30
- 3 0
25
- 2 5
20
- 2 0
15
- 1 5
10
- 1 0
0
. 0
4
0
.0
4
0
. 0
5
0
.0
5
0
. 0
6
0
.0
6
0
. 0
7
0
.0
7
0
. 0
8
0
.0
8
0 . 0 9
0.09
0 . 1
0.1
0 . 1 1
0.11
0 . 1 2
0.12
0 . 1 3
0.13
0 . 1 4
0.14
0 . 1 5
0.15
0 . 1 6
0.16
0
. 1
7
0
.1
7
0
. 1
8
0
.1
8
0
. 1
9
0
.1
9
0
. 2
0
.2
0
. 2
1
0
.2
1
0
. 2
2
0
.2
2
0
. 2
3
0
.2
3
0
. 2
4
0
.2
4
0
.2
5
0
.2
5
0
.2
6
0
. 2
6
0
.2
7
0
. 2
7
0
.2
8
0
. 2
8
0
.2
9
0
. 2
9
0
.3
0
. 3
0
.3
1
0
. 3
1
0
.3
2
0
. 3
2
0
.3
3
0
. 3
3
0.34
0 . 3 4
0.35
0 . 3 5
0.36
0 . 3 6
0.37
0 . 3 7
0.38
0 . 3 8
0.39
0 . 3 9
0.4
0 . 4
0.41
0 . 4 1
0
.4
2
0
. 4
2
0
.4
3
0
. 4
3
0
.4
4
0
. 4
4
0
.4
5
0
. 4
5
0
.4
6
0
. 4
6
0
.4
7
0
. 4
7
0
.4
8
0
. 4
8
0
.4
9
0
. 4
9
0
.0
0
.0
A
N
G
U
L
O
D
O
C
O
E
F
I
C
I
E
N
T
E
D
E
T
R
A
N
S
M
I
S
S
A
O
E
M
G
R
A
U
S
A
N
G
U
L
O
D
O
C
O
E
F
I
C
I
E
N
T
E
D
E
R
E
F
L
E
X
A
O
E
M
G
R
A
U
S

>
C
O
M
P
. D
E
O
N
D
A
E
M
D
I
R
E
C
A
O
A
O
G
E
R
A
D
O
R

>
<

C
O
M
P
. D
E
O
N
D
A
E
M
D
I
R
E
C
A
O
A
C
A
R
G
A
<

R
E
A
T
A
N
C
I
A
I
N
D
U
T
I
V
A
(
+
jX
/
Z
o
), O
U
S
U
S
C
E
P
T
A
N
C
IA
C
A
P
A
C
IT
IV
A
(+
jB
/ Y
o)
R
E A
T
A
N
C
I A
C
A
P
A
C
I T
I V
A
( - j X
/
Z
o
) , O
U
S
U
S
C
E
P
T
A
N
C
I
A
I
N
D
U
T
I
V
A
(
-
j B
/
Y
o
)
RESISTENCIA (R/ Zo) OU CONDUTANCIA (G/ Yo)
PARAMETROS MEDIDOS RADIALMENTE
EM DIRECAO A CARGA —> <— EM DIRECAO AO GERADOR
1.1 1.2 1.4 1.6 1.8 2 2.5 3 4 5 10 20 40 100
S
W
R
1
1 2 3 4 5 6 8 10 15 20 30 40
d
B
S
1
1 2 3 4 5 7 10 15 A
T
E
N
. [d
B
]
1.1 1.2 1.3 1.4 1.6 1.8 2 3 4 5 10 20
C
O
E
F
. P
E
R
D
A
S
S
.W
.
1
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12 14 20 30
P
E
R
D
A
S
R
T
N
. [d
B
]
0.01 0.05 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1
C
O
E
F
. R
F
L
., P
0
0.1 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.5 2 3 4 5 6 10 15 P
E
R
D
A
S
D
E
R
F
L
. [d
B
]
0
1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 2 2.5 3 4 5 10
P
IC
O
S
.W
. (C
O
N
S
T
. P
)
0
0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1
C
O
E
F
. R
F
L
., E
o
r
I 0 0.99 0.95 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 0.4 0.3 0.2 0.1 0 C
O
E
F
. T
R
A
N
S
M
., P
1
CENTRO
1 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 2 C
O
E
F
. T
R
A
N
S
M
., E
o
r
I
0.0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9
ORIGEM
Figura 4.12: Carta de Smith.
Cap´ıtulo 5
Parˆametros de Espalhamento
5.1 Dispositivos de Duas Portas
A Figura 5.1 mostra um dispositivo de duas portas, ou quadripolo, sendo identifi-
cadas as tens˜ oes aplicadas e as correntes que entram nas portas 1 e 2.
Estes dispositivos, assim como aqueles constitu´ıdos por N portas, podem ser
caracterizados a partir das matrizes relacionadas abaixo:
Z =
_
Z
11
Z
12
Z
21
Z
22
_
, matriz impedˆ ancia, (5.1)
Y =
_
Y
11
Y
12
Y
21
Y
22
_
, matriz admitˆ ancia, (5.2)
I
1
I
2
V
2
V
1
1 2
Figura 5.1: Dispositivo de duas portas ou quadripolo.
91
CAP´ıTULO 5. Parˆ ametros de Espalhamento 92
H =
_
h
11
h
12
h
21
h
22
_
, matriz h´ıbrida, (5.3)
T =
_
A B
C D
_
, matriz transmiss˜ ao, (5.4)
As matrizes acima est˜ao respectivamente associadas aos sistemas de equa¸ c˜oes:
V
1
= Z
11
I
1
+ Z
12
I
2
(5.5)
V
2
= Z
21
I
1
+ Z
22
I
2
(5.6)
I
1
= Y
11
V
1
+ Y
12
V
2
(5.7)
I
2
= Y
21
V
1
+ Y
22
V
2
(5.8)
V
1
= h
11
I
1
+ h
12
V
2
(5.9)
I
2
= h
21
I
1
+ h
22
V
2
(5.10)
e
V
1
= AV
2
+ BI
2
(5.11)
I
1
= C V
2
+ DI
2
(5.12)
A caracteriza¸ c˜ao de uma linha de transmiss˜ ao, como aquela mostrada na Figura
5.2, utilizando-se a matriz de impedˆ ancia, ´e obtida fazendo-se
Z
11
=
V
1
I
1
[
I
2
=0
= −j Z
o
cotg ∆φ (5.13)
Z
12
=
V
1
I
2
[
I
1
=0
= −j
Z
o
sen ∆φ
(5.14)
Z
21
=
V
2
I
1
[
I
2
=0
= −j
Z
o
sen ∆φ
(5.15)
Z
22
=
V
2
I
2
[
I
1
=0
= −j Z
o
cotg ∆φ (5.16)
93 5.2. Parˆ ametros de Espalhamento
Z
I
1
I
2
V
2
V
1
I
1
I
2
V
2
V
1 Z
o
∆φ = βl
(a)
(b)
Figura 5.2: (a) Quadripolo caracterizado pela matriz Z; (b) Linha de transmiss˜ ao.
5.2 Parˆametros de Espalhamento
Para se caracterizar dispositivos de duas ou mais portas, projetados para traba-
lharem em altas freq¨ uˆencias, ´e utilizada a matriz de espalhamento. Esta matriz
relaciona as ondas que incidem e refletem nas portas desses dispositivos. A Figura
5.3 mostra um dispositvo de duas portas com a representa¸ c˜ao das ondas incidentes
e refletidas. A matriz de espalhamento,
S =
_
S
11
S
12
S
21
S
22
_
(5.17)
est´a relacionada com o sistema abaixo:
b
1
= S
11
a
1
+ S
12
a
2
(5.18)
CAP´ıTULO 5. Parˆ ametros de Espalhamento 94
S
a
1
a
2
b
1
b
2
Figura 5.3: Quadripolo caracterizado por uma matriz S.
b
2
= S
21
a
1
+ S
22
a
2
(5.19)
sendo a
i
e b
i
as ra´ızes quadradas das ondas de potˆencia incidentes e refletidas,
respectivamente. Portanto,
a
1
=
V
+
1

Z
o
(5.20)
a
2
=
V
2

Z
o
(5.21)
b
1
=
V

1

Z
o
(5.22)
e
b
2
=
V
+
2

Z
o
(5.23)
onde Z
o
´e a impedˆ ancia caracter´ıstica das linhas de transmiss˜ ao conectadas ` as portas.
Logo, podemos tamb´em escrever
V
1
= S
11
V
+
1
+ S
12
V
2
(5.24)
e
V
+
2
= S
21
V
+
1
+ S
22
V
2
(5.25)
95 5.2. Parˆ ametros de Espalhamento
O parˆ ametro de espalhamento de uma determinada porta ´e obtido quando as
outras portas se encontram casadas. Nesta condi¸ c˜ao, para um sistema de duas
portas, tˆem-se:
S
11
=
V
1
V
+
1
[
V
2
=0
(5.26)
S
12
=
V
1
V
2
[
V
+
1
=0
(5.27)
S
21
=
V
+
2
V
+
1
[
V
2
=0
(5.28)
S
22
=
V
+
2
V
2
[
V
+
1
=0
(5.29)
Exemplo 5.1 Determine os parˆ ametros de espalhamento para 10 metros de cabo
coaxial de 75Ω operando na freq¨ uˆencia de 1GHz. A permissividade relativa do cabo
´e igual a 4 e o fator de atenua¸ c˜ao 0,5dB/m.
Solu¸ c˜ao: Como foi dito anteriormente, a medi¸ c˜ao do parˆ ametro de espalhamento
numa das portas de um dispositivo ´e obtida quando as demais portas se encontram
casadas. No caso de uma linha de transmiss˜ ao, os parˆ ametros S
11
e S
22
correspondem
aos coeficientes de reflex˜ao medidos nos terminais da linha, quando a mesma ´e
terminada com uma impedˆ ancia de mesmo valor de sua impedˆ ancia caracter´ıstica.
Portanto,
S
11
= S
22
=
75 −50
75 + 50
= 0, 2 ∠0

Note que 50Ω ´e a impedˆ ancia dos equipamentos utilizados no processo de medi¸ c˜ao.
Em geral, os parˆ ametros de espalhamento s˜ ao medidos com equipamentos que pos-
suem esta impedˆ ancia.
Os parˆ ametros S
12
e S
21
est˜ao relacionados com as perdas e defasagem intro-
duzidas pela linha de transmiss˜ ao, isto ´e,
S
21
= S
12
=
V (l)
V (0)
=
τV
o
e
−γl
V
o
= τe
−αl
e
−jβl
Como
α = α
dB
/8, 686 = 0, 5/8, 686 = 0, 0576 Np/m ⇒(1 −0, 2) e
−10α
= 0, 45
CAP´ıTULO 5. Parˆ ametros de Espalhamento 96
e
β =

r
λ
o
=

0, 3
= 42 rd/m ⇒φ = −βl = −420 · 55, 8

ent˜ao
S
21
= S
12
= 0, 45 ∠55, 8

Note que S
11
= S
22
e S
21
= S
12
, pois uma linha de transmiss˜ ao ´e um dispositivo
sim´etrico.
5.3 Caracteriza¸ c˜ao de Transistores
V´arios dispositivos para aplica¸ c˜ao em alta freq¨ uˆencia s˜ ao caracterizados em fun¸ c˜ao
dos parˆ ametros S, principalmente dispositivos ativos, como transistores. A deter-
mina¸ c˜ao dos parˆ ametros de espalhamento de um dispositivo de duas portas ´e obtida
a partir de medi¸ c˜oes feitas num equipamento denominado Analisador de Redes de
Duas Portas (Network Analizer).
Para se projetar, por exemplo, um amplificador de alta freq¨ uˆencia ´e necess´ario se
ter em m˜ ao as caracter´ısticas do transistor a ser empregado no circuito. Um exemplo
t´ıpico de caracter´ısticas fornecidas pelos fabricantes ´e apresentado nas Tabelas 5.1
e 5.2. O parˆ ametro K est´a relacionado com a estabilidade do transistor e pode ser
obtido a partir de [8][36]
K =
1 +[∆[
2
−[S
11
[
2
−[S
22
[
2
2 [S
12
S
21
[
(5.30)
sendo
∆ = S
11
S
22
−S
12
S
21
(5.31)
Tabela 5.1: Caracter´ısticas b´ asicas do transistor de efeito de campo NE32984D da
NEC. Os valores foram obtidos para V
ds
= 2V e I
d
= 10mA.
f K G
ms
G
a
F
m
R
n
ρ
o
GHz - dB dB dB - -
2 0,13 22,0 20,0 0,29 0,30 0,85 ∠ −20

4 0,31 19,4 18,3 0,30 0,28 0,75 ∠ −41

6 0,58 18,2 16,5 0,31 0,20 0,68 ∠ −63

8 0,69 17,4 15,0 0,34 0,13 0,61 ∠ −86

10 0,86 16,8 13,6 0,37 0,09 0,56 ∠ −111

97 5.3. Caracteriza¸ c˜ao de Transistores
Tabela 5.2: Parˆ ametro de espalhamento do transistor de efeito de campo NE32984D
da NEC. Os valores foram obtidos para V
ds
= 2V e I
d
= 10mA.
f S
11
S
12
S
21
S
22
GHz - - - -
2 0,984 ∠ −26, 4

0,029 ∠66, 4

4,583 ∠146, 9

0,549 ∠ −32, 0

4 0,919 ∠ −52, 8

0,050 ∠47, 9

4,332 ∠114, 3

0,481 ∠ −64, 5

6 0,816 ∠ −75, 5

0,060 ∠31, 2

3,923 ∠84, 4

0,418 ∠ −99, 8

8 0,759 ∠ −95, 9

0,066 ∠21, 7

3,659 ∠57, 1

0,382 ∠ −132, 6

10 0,689 ∠ −116, 2

0,071 ∠16, 0

3,375 ∠30, 1

0,368 ∠ −163, 0

O dispositivo ´e absolutamente est´ avel quando K > 1. Neste caso, o ganho
m´ aximo dispon´ıvel ´e obtido, para o sistema amplificador casado, a partir de
G
ma
=
[S
21
[
[S
12
[
(K −

K
2
−1) (5.32)
O ganho m´ aximo est´ avel ocorre quando K = 1, isto ´e,
G
ms
=
[S
21
[
[S
12
[
(5.33)
Uma an´ alise de estabilidade deve ser feita quando K < 1. Os coeficientes de reflex˜ ao
em dire¸c˜ao a fonte (ρ
s
) e em dire¸c˜ao a carga (ρ
L
) devem ser calculados de forma a
manter o transistor num ponto de opera¸ c˜ao est´ avel.
Os parˆ ametros F
m
e R
n
s˜ao, respectivamente, a figura e a resistˆencia de ru´ıdo
do transistor. A figura de ru´ıdo de um sistema amplificador de um est´ agio ´e obtida
a partir de [33][21]
F = F
m
+ 4R
n

s
−ρ
o
[
2
[1 + ρ
o
[
2
_
1 −[ρ
s
[
2
_ (5.34)
sendo ρ
o
o coeficiente de reflex˜ao ´ otimo “visto” em dire¸ c˜ao a fonte.
Finalmente, o parˆ ametro G
a
se refere ao ganho dispon´ıvel para a figura de ru´ıdo
m´ınima.
Exemplo 5.2 Determine o fator de estabilidade e os ganhos m´ aximo dispon´ıvel e
est´ avel para o transistor ATF21186 da HP. O transistor, quando polarizado com
V
ds
= 2V e I
ds
= 10mA a 8GHz, possui as seguintes caracter´ısticas: F
m
= 0, 97
dB, R
n
= 0, 873, ρ
o
= 0, 86 ∠ − 88

, S
11
= 0, 801 ∠77

, S
21
= 0, 842 ∠ − 51

,
CAP´ıTULO 5. Parˆ ametros de Espalhamento 98
S
12
= 0, 157 ∠ − 47

e S
22
= 0, 595 ∠78

. Qual deve ser a figura de ru´ıdo de um
amplificador com ρ
s
= 0?
Solu¸ c˜ao: Para se determinar o fator de estabilidade ´e necess´ario calcular primeiro
o m´ odulo do determinante da matriz de espalhamento, ou seja,
[∆[ = [S
11
S
22
−S
12
S
21
[ = 0, 531
Logo,
K =
1 + 0, 523
2
−0, 801
2
−0, 595
2
2 0, 132
= 1, 08
e o ganho m´ aximo dispon´ıvel,
G
ma
=
0, 842
0, 157
(1, 08 −
_
1, 08
2
−1) = 3, 595 (5,6 dB)
enquanto que o ganho est´ avel ´e fornecido por
G
ms
=
0, 842
0, 157
= 5, 363 (7,3 dB)
Finalmente, a figura de ru´ıdo de um amplificador com ρ
s
= 0 ´e dada por
F = 1, 25 + 4 0, 873
0, 86
2
1, 342
2
= 2, 684 (4,3 dB)
5.4 Amplificador de um Est´agio
Um amplificador de um est´ agio ´e mostrado na Figura 5.4 e Figura 5.5. Esta repre-
senta¸c˜ao n˜ ao apresenta os componentes referentes ao circuito de polariza¸ c˜ao do tran-
sistor. O projeto do amplificador, para um transistor incondicionalmente est´ avel,
se resume no casamento ou otimiza¸ c˜ao de impedˆ ancia do transistor com a carga
e fonte. Esta otimiza¸ c˜ao ´e obtida atrav´es dos circuitos de casamento de sa´ıda e
entrada, como apresentado na Figura 5.5. Contudo, na pr´ atica, o projeto de um
amplificador exige, em geral, um compromisso entre estabilidade, baixo ru´ıdo e max-
imiza¸c˜ao de ganho. Neste caso, o projeto demanda um pouco mais de trabalho e
conhecimento detalhado da teoria de circuitos de alta freq¨ uˆencia.
O ganho de potˆencia dispon´ıvel de um amplificador ´e dado por
G
p
=
P
L
P
in
(5.35)
99 5.4. Amplificador de um Est´ agio
V
1
+
Z
s
Z
L
V
1
-
V
2
-
V
2
+
ρ
in
ρ
out
Figura 5.4: Amplificador utilizando um transistor de efeito de campo (FET).
V
1
+
V
1
-
V
2
-
V
2
+
ρ
s
ρ
L
Z
s
Z
L
FET
Circuito
de
Casamento
de
Entrada
Circuito
de
Casamento
de
Saída
Figura 5.5: Amplificador de um est´ agio.
CAP´ıTULO 5. Parˆ ametros de Espalhamento 100
sendo P
L
a potˆencia dispon´ıvel para a carga e P
in
a potˆencia na entrada do transistor.
Por sua vez, a potˆencia entregue ` a carga (circuito de sa´ıda e Z
L
) pode ser obtida de
P
L
=
1
2
Re ¦V
L
I

L
¦ =
¸
¸
V
+
2
¸
¸
2
2Z
o
_
1 −[ρ
L
[
2
_
(5.36)
pois a tens˜ ao nos terminais de sa´ıda do transistor ´e dada por
V
L
= V
+
2
+ V

2
= V
+
2
(1 + ρ
L
) (5.37)
e a corrente por
I
L
=
V
+
2
−V

2
Z
o
=
V
+
2
Z
o
(1 −ρ
L
) (5.38)
A potˆencia na entrada do transistor ´e obtida de forma semelhante e seu valor ´e
fornecido por
P
in
=
¸
¸
V
+
1
¸
¸
2
2Z
o
_
1 −[ρ
in
[
2
_
(5.39)
Portanto,
G
p
=
¸
¸
V
+
2
¸
¸
2
_
1 −[ρ
L
[
2
_
¸
¸
V
+
1
¸
¸
2
_
1 −[ρ
in
[
2
_
= [τ
21
[
2
_
1 −[ρ
L
[
2
_
_
1 −[ρ
in
[
2
_ (5.40)
O coeficiente de reflex˜ao na entrada do transistor pode ser obtido a partir das
equa¸ c˜oes (5.24) e (5.25), isto ´e,
ρ
in
=
V

1
V
+
1
= S
11
+
S
12
S
21
ρ
L
1 −S
22
ρ
L
(5.41)
e o coeficiente de transmiss˜ao por
τ
21
=
V
+
2
V
+
1
=
S
21
1 −S
22
ρ
L
(5.42)
Sendo assim, o ganho de potˆencia, fornecido pela equa¸ c˜ao (5.40), pode ser reescrito
como
G
p
=
[S
21
[
2
_
1 −[ρ
L
[
2
_
[1 −S
22
ρ
L
[
2
−[S
11
−ρ
L
∆[
2
(5.43)
onde
101 5.4. Amplificador de um Est´ agio
ρ
L
=
Z
L
−Z
o
Z
L
+ Z
o
(5.44)
Exemplo 5.3 Utilize o transistor do Exemplo 5.2 para projetar o pr´e-amplificador
de um LNA (Low Noise Amplifier/Amplificador de Baixo Ru´ıdo) na freq¨ uˆencia de
8GHz e impedˆ ancias de entrada e sa´ıda iguais a 50Ω. Qual o ganho m´ aximo de
potˆencia deste est´agio amplificador?
Solu¸ c˜ao: Como se sabe, pr´e-amplificadores tˆem que ter a menor figura de ru´ıdo
poss´ıvel, tal que a figura de ru´ıdo total [33][21],
F = F
1
+
F
2
−1
G
1
+
F
3
−1
G
1
G
2
+ . . .
seja m´ınima. F
1
´e a figura de ru´ıdo do primeiro est´ agio ou pr´e-amplificador e G
i
o
ganho do i-´esimo est´agio.
Na freq¨ uˆencia desejada, a figura de ru´ıdo m´ınima ´e atingida quando ρ
s
= ρ
o
=
0, 86 ∠ − 88

, de forma que, na equa¸ c˜ao (5.34), F = F
m
= 0, 97dB. A impedˆ ancia
equivalente nos terminais de entrada do FET, “vista” em dire¸ c˜ao ao gerador, ´e
obtida utilizando-se
ρ
s
=
Z
s
−Z
o
Z
s
+ Z
o
ou seja,
Z
s
= Z
o
1 + ρ
s
1 −ρ
s
= 50 (0, 155 −j1, 023) = 7, 75 −j51, 17 Ω
A admitˆ ancia, neste caso, ´e ent˜ao Y
s
= G
s
+ jB
s
= 0, 003 + j0, 02 S. Sendo assim,
pode-se obter a parte real atrav´es de um transformador de λ/4 com impedˆ ancia
caracter´ıstica dada por
Z
o1
=
_
Z
s
Z
g
=
_
1
0, 003
50 · 125 Ω
e a imagin´ aria a partir de um toco com
Y
t1
= jB
s
= j Y
o2
tg β l
t1
ou seja, Z
o2
= 1/Y
o2
= 50Ω, para l
t1
= λ/8.
O ganho m´ aximo ´e obtido quando ρ
L
= ρ

out
. Nesta condi¸ c˜ao, a impedˆ ancia de
sa´ıda do transistor est´ a casada com a impedˆ ancia de carga atrav´es do circuito de
sa´ıda. Seu valor ´e fornecido por
Z
out
= Z
o
1 + ρ
out
1 −ρ
out
= 11, 43 +j38, 82 Ω
CAP´ıTULO 5. Parˆ ametros de Espalhamento 102
onde ρ
out
´e obtido, de maneira semelhante ` a (5.41), atrav´es de
ρ
out
=
V
+
2
V

2
= S
22
+
S
12
S
21
ρ
s
1 −S
11
ρ
s
= −0, 163 +j0, 735
Sendo assim, o circuito de sa´ıda tem que casar Z
out
= 11, 43 + j38, 82 Ω com Z
L
=
50Ω. Mais uma vez, utilizando-se as t´ecnicas de casamento apresentadas no Cap´ıtulo
4, com o aux´ılio da Carta de Smith, tˆem-se l
2
= 0, 335λ e l
t2
= 0, 066λ. O ganho
m´ aximo de potˆencia ´e ent˜ao
G
p
=
[S
21
[
2
_
1 −[ρ

out
[
2
_
[1 −S
22
ρ

out
[
2
−[S
11
−ρ

out
∆[
2
= 3, 549 (5,5 dB) (5.45)
O circuito pr´e-amplificador ´e mostrado na Figura 5.6.
Z
s
FET
Z
L
linha 1 linha 2
toco 1 toco 2
Figura 5.6: Pr´e-amplificador com ganho de potˆencia igual a 5,5dB e figura de ru´ıdo
igual a 0,97dB. As linha s˜ ao do tipo microfita
Cap´ıtulo 6
Guias de Onda e Cavidades
Ressonantes
6.1 Introdu¸ c˜ao
Assim como as linhas de transmiss˜ ao, os guias de onda s˜ ao dispositivos utilizados
para o transporte de energia e informa¸ c˜ao de um ponto a outro no espa¸ co. Os guias
s˜ao estruturas met´ alicas cil´ındricas ocas que, na pr´ atica, tˆem se¸c˜ao transversal re-
tangular, circular ou el´ıptica, como mostra a Figura 6.1. A vantagem dos guias est´ a
no fato das perdas ao longo de seu comprimento serem menores que aquelas ofereci-
das por linhas de transmiss˜ ao, uma vez que eles n˜ ao s˜ ao preenchidos por diel´etricos.
Por outro lado, os guias de onda s´ o podem ser empregados em freq¨ uˆencias altas
(a partir da faixa de microondas), pois as suas dimens˜ oes dependem da freq¨ uˆencia
m´ınima de propaga¸ c˜ao das ondas no interior destes.
Diferentemente do que foi visto no estudo de linhas de transmiss˜ ao, a an´ alise de
propaga¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas em guias de ondas s´ o pode ser feita atrav´es
da teoria eletromagn´etica, partindo-se das equa¸ c˜oes de onda envolvendo os cam-
pos el´etrico e magn´etico. N˜ ao ´e possivel fazer uma an´ alise em termos de circuitos
el´etricos, pois n˜ ao se sabe como est´ a distribu´ıda a corrente no ´ unico condutor externo
que comp˜ oe o guia.
Para auxiliar a determina¸ c˜ao dos campos eletromagn´eticos que se propagam num
guia, s˜ ao apresentados na Se¸ c˜ao 6.2 os potenciais vetores de Hertz [7]. Por´em, vale
a pena salientar que ´e poss´ıvel se obter estes campos diretamente das equa¸c˜oes de
Maxwell.
103
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 104
(c)
(b)
(a)
2a
a
l
b
a
b
l l
Figura 6.1: Tipos de guias: (a) cil´ındrico circular; (b) retangular; (c) el´ıptico.
6.2 Potenciais Vetores de Hertz
Assim como os potenciais de retardo A e F [2], os potenciais vetores de Hertz
el´etrico Π
e
e magn´etico Π
h
s˜ao grandezas matem´ aticas que auxiliam na resolu¸ c˜ao
das equa¸ c˜oes de onda [7]. Sabe-se da an´ alise vetorial que campos vetoriais obedecem
a seguinte condi¸ c˜ao
∇ ∇F ≡ 0 (6.1)
assim como uma fun¸ c˜ao potencial φ qualquer satisfaz
∇∇φ = 0 (6.2)
Num espa¸co livre de cargas el´etricas, os campos el´etrico e magn´etico satisfazem as
equa¸ c˜oes de Maxwell
∇ E = 0 (6.3)
e
∇ H = 0 (6.4)
Portanto, pode-se escrever os vetores campo el´etrico e campo magn´etico em fun¸ c˜ao
de potenciais que obde¸ cam a identidade (6.1), isto ´e,
105 6.2. Potenciais Vetores de Hertz
E = −jωµ∇Π
h
(6.5)
e
H = jω ∇Π
e
(6.6)
Substituindo-se (6.5) na equa¸ c˜ao de Maxwell
∇H = jω E (6.7)
tem-se
∇H = k
2
∇Π
h
(6.8)
Logo,
H = k
2
Π
h
(6.9)
ou de uma forma geral
H = k
2
Π
h
+∇φ
h
(6.10)
Substituindo-se (6.5) e (6.10) na equa¸ c˜ao de Maxwell
∇E = −jωµH (6.11)
tem-se
∇∇Π
h
= k
2
Π
h
+∇φ
h
(6.12)
ou
∇(∇ Π
h
) −∇
2
Π
h
= k
2
Π
h
+∇φ
h
(6.13)
Impondo-se a condi¸c˜ao de Lorentz
φ
h
= ∇ Π
h
(6.14)
obt´em-se

2
Π
h
+ k
2
Π
h
= 0 (6.15)
A solu¸ c˜ao da equa¸ c˜ao diferencial (6.15) fornece a express˜ ao do potencial vetor de
Hertz magn´etico que, por sua vez, possibilita a determina¸ c˜ao de E atrav´es de (6.5)
e H a partir de
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 106
H = k
2
Π
h
+∇(∇ Π
h
) = ∇∇Π
h
(6.16)
De forma semelhante, pode-se obter a equa¸ c˜ao diferencial que fornece a express˜ ao
do potencial vetor de Hertz Π
e
a partir da substitui¸ c˜ao de (6.6) em (6.11), ou seja,
∇E = k
2
∇Π
e
(6.17)
ou, de uma forma geral,
E = k
2
Π
e
+∇φ
e
(6.18)
Substituindo-se (6.6) e (6.18) em (6.7), tem-se
∇∇Π
e
= k
2
Π
e
+∇φ
e
(6.19)
ou
∇(∇ Π
e
) −∇
2
Π
e
= k
2
Π
e
+∇φ
e
(6.20)
Impondo-se a condi¸c˜ao de Lorentz
φ
e
= ∇ Π
e
(6.21)
obt´em-se

2
Π
e
+ k
2
Π
e
= 0 (6.22)
A partir da solu¸ c˜ao de (6.22) pode-se determinar a express˜ ao do campo magn´etico
atrav´es de (6.6) e a do el´etrico a partir de
E = k
2
Π
e
+∇(∇ Π
e
) = ∇∇Π
e
(6.23)
6.3 Modos de Propaga¸ c˜ao num Guia
Foi visto nos cap´ıtulos anteriores que uma onda propagando-se no espa¸ co-livre tem
campo el´etrico e magn´etico transversais ou ortogonais ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, isto
´e, a onda ´e dita TEM (transversal el´etrica e magn´etica). Numa linha de trans-
miss˜ao constitu´ıda de condutores perfeitos, a propaga¸ c˜ao ´e tamb´em do tipo TEM.
Entretanto, nos guias de onda, o modo de propaga¸ c˜ao TEM n˜ ao ´e suportado, ou
melhor, n˜ ao tem condi¸ c˜oes de existir isoladamente. A onda que se propaga num
guia pode ser considerada como uma combina¸ c˜ao linear de frentes de ondas TEM
107 6.3. Modos de Propaga¸ c˜ao num Guia
frente
de onda
TEM
2
frente
de onda
TEM
1
E
1
E
2
H
1
H
2
k
1
k
2
TEM
1
TEM
2
+ =
TE
k
E
H
sonda
caminho
da fente de
onda 2
caminho
da fente de
onda 1
Figura 6.2: Ondas Transversal El´etrica (TE), resultado da combina¸ c˜ao de duas
frentes de onda TEM.
que sofrem m´ ultiplas reflex˜oes ao longo das paredes deste. O resultado desta com-
bina¸ c˜ao de frentes TEM s˜ao ondas que possuem componentes de campo na dire¸ c˜ao de
propaga¸ c˜ao, como mostrado nas Figuras 6.2 e 6.3. Quando todas as componentes
do campo el´etrico s˜ ao transversais ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, diz-se que a onda se
propaga no modo TE (transversal el´etrico). Enquanto aquelas com componentes de
campo magn´etico transversal s˜ ao denominadas de onda TM (transversal magn´etico).
O modo de propaga¸ c˜ao num guia de onda depende do tipo de excita¸ c˜ao, ou
melhor, de como a onda ´e injetada neste. A excita¸ c˜ao de guias pode ser feita
atrav´es de sondas ou acoplamento eletromagn´etico. A Figura 6.4 mostra um guia
retangular sendo excitado por um cabo coaxial terminado numa sonda. Observa-se
nas Figuras 6.4a e 6.4b que a sonda ´e reta e est´ a colocada numa das paredes laterais
do guia. Nesta posi¸ c˜ao, a sonda radia ondas eletromagn´eticas que se propagam no
modo TE. O vetor campo el´etrico tem a mesma dire¸ c˜ao da sonda reta, enquanto
o campo magn´etico pr´ oximo circula a mesma. J´ a as Figuras 6.4c e 6.4d mostram
uma excita¸ c˜ao que favorece a propaga¸ c˜ao do modo TM, pois o campo magn´etico
circulante est´ a totalmente transversal ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao.
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 108
frente
de onda
TEM
2
frente
de onda
TEM
1
E
1
E
2
H
1
H
2
k
1
k
2
TEM
1
TEM
2
+ =
TM
k
E
H
caminho
da fente de
onda 2
caminho
da fente de
onda 1
sonda
Figura 6.3: Ondas Transversal El´etrica (TM), resultado da combina¸ c˜ao de duas
frentes de onda TEM.
6.4 Campos num Guia de Onda
Para se obter as express˜ oes dos campos el´etrico e magn´etico dentro de um guia de
onda ´e necess´ario se utilizar as equa¸ c˜oes de Maxwell, que levam, inevitavelmente, ` a
resolu¸ c˜ao das equa¸ c˜oes de onda. Se a varia¸ c˜ao dos campos no tempo ´e harmˆ onica,
ent˜ao, resolve-se apenas as equa¸ c˜oes de Helmholtz para se obter as express˜ oes dos
campos em qualquer ponto do espa¸ co interno do guia. Como foi dito anteriormente,
estas express˜oes podem ser obtidas atrav´es dos potenciais vetores de Hertz.
6.4.1 Modo Transversal El´etrico
Sabe-se que, no modo de propaga¸ c˜ao TE, uma das componentes do campo magn´etico
est´a alinhada com a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. Portanto, pode-se associar essa compo-
nente com o potencial vetor de Hertz do tipo magn´etico. No caso de um guia cujo
comprimento coincide com a dire¸ c˜ao z, o potencial vetor magn´etico ´e escrito como
Π
h
= Π
h
a
z
(6.24)
109 6.4. Campos num Guia de Onda
a l
b
Linha Coaxial
Sonda
(a) (b)
a l
b
Sonda
(c) (d)
H
t
Figura 6.4: Guia retangular com excita¸ c˜ao para operar no: modo TE, (a) corte
transversal e (b) corte longitudinal; modo TM, (c) corte transversal e (d) corte
longitudinal.
Portanto, os campos el´etrico e magn´etico no interior do guia podem ser obtidos
respectivamente de (6.5) e (6.16). Observe que as express˜ oes obtidas de (6.5) s˜ ao
ortogonais ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, confirmando que o modo de propaga¸ c˜ao ´e do
tipo TE. J´ a a equa¸ c˜ao (6.16) fornece as componentes transversais e na dire¸ c˜ao de
propaga¸ c˜ao. Entretanto, ´e necess´ario primeiro determinar a express˜ ao do potencial
vetor Π
h
a partir de (6.15). Considerando que a propaga¸ c˜ao da onda se d´ a no
sentido z
+
, a solu¸ c˜ao de (6.15) tem que ser do tipo
Π
h
= Π
h
a
z
= ψ
h
(x, y) e
−γ z
a
z
(6.25)
sendo ψ
h
(x, y) uma fun¸ c˜ao que representa a varia¸ c˜ao transversal do potencial vetor
e γ = α + jβ a constante de propaga¸ c˜ao da onda no guia. Lembrando-se que o
Laplaciano em coordenadas retangulares ´e

2
Π
h
=

2
Π
h
∂x
2
+

2
Π
h
∂y
2
+

2
Π
h
∂z
2
(6.26)
e como Π
h
´e dado por (6.25), ent˜ ao,

2
Π
h
=

2
Π
h
∂x
2
+

2
Π
h
∂y
2
+ γ
2
Π
h
= ∇
2
t
Π
h
+ γ
2
Π
h
= 0 (6.27)
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 110
Dessa maneira, a equa¸ c˜ao (6.15) pode ser reescrita como

2
t
Π
h
+ k
2
c
Π
h
= 0 (6.28)
ou simplesmente

2
t
ψ
h
+ k
2
c
ψ
h
= 0 (6.29)
onde
k
2
c
= γ
2
+ k
2
(6.30)
Apesar da dedu¸ c˜ao da equa¸ c˜ao (6.29) ter sido feita utilizando coordenadas retangu-
lares, este resultado pode ser aplicado em qualquer sistema de coordenadas.
Como foi dito anteriormente, o campo el´etrico pode ser obtido de (6.5), isto ´e,
E = −jωµ∇Π
h
= −jωµ
_
∂Π
h
∂y
a
x

∂Π
h
∂x
a
y
_
(6.31)
ou
E = jωµa
z

t
Π
h
= jωµe
−γ z
a
z

t
ψ
h
(6.32)
Enquanto o campo magn´etico ´e dado por
H = k
2
Π
h
+∇(∇ Π
h
) = k
2
ψ
h
e
−γ z
a
z
−γ∇
_
ψ
h
e
−γ z
_
(6.33)
ou
H = k
2
c
ψ
h
e
−γ z
a
z
−γ e
−γ z

t
ψ
h
(6.34)
Sendo assim, as componentes dos campos para modo TE s˜ ao obtidas de:
E
t
= jωµe
−γ z
a
z

t
ψ
h
(6.35)
H
t
= −γ e
−γ z

t
ψ
h
(6.36)
e
H
z
= k
2
c
ψ
h
e
−γ z
a
z
(6.37)
onde a express˜ ao de ψ
h
(x, y) vai depender da geometria da se¸ c˜ao transversal do guia.
111 6.4. Campos num Guia de Onda
6.4.2 Modo Transversal Magn´etico
De maneira semelhante, pode-se obter os campos eletromagn´eticos para o modo de
propaga¸ c˜ao TM. Sendo que, neste caso, uma das componentes do campo el´etrico est´ a
alinhada com a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. Portanto, pode-se associar essa componente
com o potencial vetor de Hertz do tipo el´etrico
Π
e
= Π
e
a
z
(6.38)
considerando-se que o guia tem comprimento ao longo de z. Desta forma, os campos
el´etrico e magn´etico no interior do guia podem ser obtidos respectivamente de (6.23)
e (6.6). A express˜ ao do potencial vetor Π
e
´e fornecida por (6.22), que tem como
solu¸ c˜ao, para uma onda propagando-se no sentido z
+
,
Π
e
= Π
e
a
z
= ψ
e
(x, y) e
−γ z
a
z
(6.39)
Dessa maneira, a equa¸ c˜ao (6.22) pode ser reescrita como

2
t
Π
e
+ k
2
c
Π
e
= 0 (6.40)
ou

2
t
ψ
e
+ k
2
c
ψ
e
= 0 (6.41)
onde k
2
c
continua sendo dado por (6.30). Portanto, o campo magn´etico obtido de
(6.6) ´e
H = jω ∇Π
e
= jω
_
∂Π
e
∂y
a
x

∂Π
e
∂x
a
y
_
(6.42)
ou
H = −jω a
z

t
Π
e
= −jω e
−γ z
a
z

t
ψ
e
(6.43)
enquanto o campo el´etrico ´e dado por
E = k
2
Π
e
+∇(∇ Π
e
) = k
2
c
ψ
e
e
−γ z
a
z
−γ e
−γ z

t
ψ
e
(6.44)
Sendo assim, as componentes dos campos para modo TM s˜ ao fornecidas por:
H
t
= −jω e
−γ z
a
z

t
ψ
e
(6.45)
E
t
= −γ e
−γ z

t
ψ
e
(6.46)
e
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 112
E
z
= k
2
c
ψ
e
e
−γ z
a
z
(6.47)
onde a express˜ao de ψ
e
(x, y) vai depender da geometria da se¸ c˜ao transversal do guia.
6.5 Caracter´ısticas de Ondas Guiadas
Com exce¸c˜ao das impedˆ ancias modais, todas as express˜ oes apresentadas a seguir s˜ ao
v´ alidas para os modos TE e TM.
6.5.1 Constante de Propaga¸ c˜ao
Nota-se nas equa¸ c˜oes (6.29) e (6.41) que a propaga¸ c˜ao da onda num guia qualquer
depende do parˆ ametro k
c
, denominado n´ umero de onda de corte. Portanto, pode-se
obter da equa¸ c˜ao (6.30)
γ =
_
k
2
c
−k
2
(6.48)
Se o n´ umero de onda k for igual a k
c
, γ ´e zero e, conseq¨ uentemente, n˜ao existe
propaga¸ c˜ao de onda no guia. Para um guia sem perda onde k < k
c
, γ ´e real (igual a
α), a onda n˜ ao se propaga e a intensidade dos campos diminui exponencialmente ao
longo do comprimento. Quando neste mesmo guia k > k
c
, tem-se γ = jβ e a onda
propaga-se com constante de fase
β =
_
k
2
−k
2
c
(6.49)
6.5.2 Comprimento de Onda Guiada e de Corte
O comprimento de onda de corte est´ a relacionado com o n´ umero de onda de corte
k
c
atrav´es de
λ
c
=

k
c
(6.50)
Para que haja propaga¸ c˜ao de onda no guia, o comprimento desta onda tem que ser
menor que o comprimento fornecido pela equa¸ c˜ao (6.50), pois k > k
c
implica em
λ < λ
c
.
O comprimento da onda guiada ´e fornecido por
λ
g
=

β
=
λ
_
1 −
_
λ
λ
c
_
2
(6.51)
113 6.5. Caracter´ısticas de Ondas Guiadas
6.5.3 Freq¨ uˆencia de Corte
´
E simplesmente a raz˜ ao entre a velocidade da luz no meio diel´etrico que constitui o
interior do guia e o comprimento de onda de corte. Isto ´e,
f
c
=
c
λ
c

r
(6.52)
6.5.4 Velocidade de Fase
A velocidade de fase da onda guiada ´e obtida de
v
f
=
ω
β
= λ
g
f =
c
¸

r
_
1 −
_
λ
λ
c
_
2
_
(6.53)
6.5.5 Velocidade de Grupo
Sabe-se que a velocidade de grupo ´e definida como
v
g
=
∂ω
∂β
=
_
∂β
∂ω
_
−1
(6.54)
logo, para uma onda propagando-se num guia, tem-se
v
g
=
c

r
¸
1 −
_
λ
λ
c
_
2
(6.55)
Observa-se que, para λ
c
¸ λ, a velocidade de grupo ´e igual a de fase que, por sua
vez, ´e igual a velocidade de uma onda TEM num meio n˜ ao dispersivo.
6.5.6 Impedˆancias Modais
As impedˆancias modais s˜ ao definidas como a raz˜ ao entre o m´ odulo do vetor campo
el´etrico e o m´ odulo do vetor campo magn´etico, ambos transversais ` a dire¸ c˜ao de
propaga¸ c˜ao. Para o caso TE, estes campos s˜ ao fornecidos respectivamente por (6.35)
e (6.36), de forma que
Z
TE
=
E
x
H
y
= −
E
y
H
x
=
jωµ
γ
(6.56)
Quando n˜ ao existem perdas, γ = jβ e
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 114
Z
TE
=
ωµ
β
=

β
(6.57)
ou
Z
TE
=
η
_
1 −
_
λ
λ
c
_
2
(6.58)
J´ a para o caso TM, a impedˆ ancia ´e obtida da raz˜ ao dos campos fornecidos por (6.46)
e (6.45), isto ´e
Z
TM
=
E
x
H
y
= −
E
y
H
x
=
γ

(6.59)
ou para o caso sem perdas
Z
TM
= η
¸
1 −
_
λ
λ
c
_
2
(6.60)
Pode-se verificar que as impedˆancias modais variam de acordo com a freq¨ uˆencia
de excita¸ c˜ao e a freq¨ uˆencia de corte.
6.6 Guia Retangular
At´e agora, foram deduzidas express˜ oes para guias com se¸ c˜ao transversal qualquer.
Quando a geometria da se¸ c˜ao transversal do guia ´e definida, pode-se ent˜ao resolver as
equa¸ c˜oes diferenciais (6.29) e (6.41) e, assim, determinar as express˜ oes dos campos,
comprimento de onda de corte e outros parˆ ametros.
Os guias de se¸ c˜ao retangular s˜ ao muito utilizados na pr´ atica. Na nota¸ c˜ao adotada
neste livro, a maior dimens˜ ao transversal tem comprimento a e est´a alinhada ao longo
da dire¸ c˜ao x, enquanto a menor dimens˜ ao, b, coincide com o eixo y. A Figura 6.4b
mostra a geometria deste tipo de guia.
6.6.1 Modo H (TE)
Para se obter os campos eletromagn´eticos que se propagam, no modo TE, dentro de
um guia retangular, resolve-se a equa¸ c˜ao diferencial (6.29), cuja solu¸ c˜ao fornece o
comportamento dos campos no plano transversal ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. A solu¸ c˜ao
depende das condi¸c˜oes de contorno que, neste caso, est˜ao associadas ` as componentes
tangenciais do campo el´etrico nas paredes do guia. Sabe-se que estas componentes
115 6.6. Guia Retangular
tangenciais do campo el´etrico na interface diel´etrico-condutor s˜ ao sempre iguais a
zero, portanto, de (6.35) conclui-se que
∂ψ
h
∂x
= 0 (6.61)
nas paredes localizadas em x = 0 e x = a. Da mesma forma que
∂ψ
h
∂y
= 0 (6.62)
em y = 0 e y = b.
Utilizando-se o m´etodo da separa¸ c˜ao das vari´ aveis, onde se considera
ψ
h
(x, y) = f(x) g(y) (6.63)
obt´em-se de (6.29) duas equa¸ c˜oes diferenciais ordin´arias:
d
2
f(x)
dx
2
+ k
2
x
f(x) = 0 (6.64)
e
d
2
g(y)
dy
2
+ k
2
y
g(y) = 0 (6.65)
sendo
k
2
c
= k
2
x
+ k
2
y
(6.66)
A equa¸ c˜ao (6.64) tem solu¸ c˜ao do tipo
f(x) = C
1
e
jk
x
x
+ C
2
e
−jk
x
x
(6.67)
ou
f(x) = Asen k
x
x + Bcos k
x
x (6.68)
enquanto (6.65) fornece
g(y) = C sen k
y
y + Dcos k
y
y (6.69)
Sendo assim,
ψ
h
(x, y) = (Asen k
x
x + Bcos k
x
x) (C sen k
y
y + Dcos k
y
y) (6.70)
Aplicando-se as condi¸ c˜oes de contorno (6.61) em (6.70), tem-se
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 116
[Ak
x
cos k
x
x −Bk
x
sen k
x
x]
x=0x=a
= 0 (6.71)
Observe que, para x = 0, a A = 0 e, para x = a,
Bk
x
sen k
x
a = 0 (6.72)
portanto,
k
x
a = mπ (6.73)
ou
k
x
=

a
(6.74)
De maneira semelhante, aplicando-se as condi¸ c˜oes de contorno (6.62) em (6.70),
obt´em-se C = 0 e
k
y
=

b
(6.75)
onde n e m s˜ao inteiros positivos. Substituindo (6.74) e (6.75) em (6.66), tem-se
k
c
=
_
_

a
_
2
+
_

b
_
2
(6.76)
Portanto, o comprimento de onda de corte para o modo TE ´e dado por
λ
c
=

k
c
=
2ab
_
(mb)
2
+ (na)
2
(6.77)
A equa¸ c˜ao (6.77) fornece os comprimentos de onda de corte poss´ıveis para guias
de onda retangulares. Sendo que o comprimento de onda de corte mais longo ´e
obtido para m = 1 e n = 0, ou seja, λ
c
= 2a, o que leva `a freq¨ uˆencia de corte mais
baixa num dado guia de dimens˜ oes a b. Quando a freq¨ uˆencia da onda injetada
no guia tem valores pr´ oximos (e acima) desta freq¨ uˆencia de corte, diz-se que o guia
est´a operando no modo dominante ou, neste caso, TE
10
.
´
E l´ogico que outros modos
do tipo TE podem ser excitados, isto vai depender da freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao e da
forma de excita¸ c˜ao (posicionamento da(s) sonda(s)). Modos acima do dominante
s˜ao denominados modos superiores, ou TE
mn
, sendo m e n diferentes de um e zero,
respectivamente.
As equa¸ c˜oes dos campos dentro do guia s˜ ao obtidas substituindo
117 6.6. Guia Retangular
ψ
h
(x, y) = BDcos k
x
xcos k
y
y =
H
o
k
2
c
cos
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
(6.78)
em (6.35), (6.36) e (6.37). Observe que, para a componente de campo magn´etico
em (6.37) ser expressa em A/m, ´e necess´ario que BD seja igual a H
o
/k
2
c
, onde H
o
´e
a intensidade m´ axima de campo magn´etico. Portanto,
E
x
= −jωµe
−γ z
∂ψ
h
∂y
=
nπγ
bk
2
c
E
o
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
e
−γ z
(6.79)
E
y
= jωµe
−γ z
∂ψ
h
∂x
= −
mπγ
ak
2
c
E
o
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
e
−γ z
(6.80)
H
x
= −γ e
−γ z
∂ψ
h
∂x
=
E
y
Z
TE
(6.81)
H
y
= −γ e
−γ z
∂ψ
h
∂y
= −
E
x
Z
TE
(6.82)
e
H
z
= H
o
cos
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
e
−γ z
(6.83)
N˜ao havendo perdas, tˆem-se
E
x
=
jnπβ
bk
2
c
E
o
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
e
−jβ z
(6.84)
E
y
= −
jmπβ
ak
2
c
E
o
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
e
−jβ z
(6.85)
H
x
= −
E
y
Z
TE
(6.86)
H
y
=
E
x
Z
TE
(6.87)
e
H
z
= H
o
cos
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
e
−jβ z
(6.88)
sendo
E
o
=
ωµ
β
H
o
(6.89)
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 118
6.6.2 Modo E (TM)
Para se obter os campos eletromagn´eticos que se propagam, nos modos TM
mn
,
dentro de um guia retangular, resolve-se a equa¸ c˜ao diferencial (6.41), cuja solu¸ c˜ao
fornece o comportamento dos campos no plano transversal ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao.
Como foi visto para o modo TE
mn
, a solu¸ c˜ao depende das condi¸ c˜oes de contorno
que, neste caso, est˜ao associadas ` a componente tangencial do campo el´etrico nas
paredes do guia. Portanto, de (6.47) conclui-se que
ψ
e
[
x=0, x=a
= 0 (6.90)
e
ψ
e
[
y=0, y=a
= 0 (6.91)
Utilizando-se mais uma vez o m´etodo da separa¸ c˜ao das vari´ aveis em (6.41) e
aplicando-se as condi¸ c˜oes de contorno, obt´em-se a solu¸c˜ao do tipo
ψe(x, y) =
E
o
k
2
c
sen k
x
xsen k
y
y (6.92)
onde k
x
e k
y
s˜ao fornecidos por (6.74) e (6.75) respectivamente. O comprimento
de onda de corte continua sendo dado por (6.76). Enquanto as componentes dos
campos s˜ ao obtidas de:
H
x
= jω e
−γ z
∂ψ
e
∂y
=
nπγ
bk
2
c
H
o
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
e
−γ z
(6.93)
H
y
= −jω e
−γ z
∂ψ
e
∂x
= −
mπγ
ak
2
c
H
o
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
e
−γ z
(6.94)
E
x
= −γ e
−γ z
∂ψ
e
∂x
= Z
TM
H
y
(6.95)
E
y
= −γ e
−γ z
∂ψ
e
∂y
= −Z
TM
H
x
(6.96)
e
E
z
= E
o
sen
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
e
−γ z
(6.97)
N˜ao havendo perdas, tˆem-se
H
x
=
jnπβ
bk
2
c
H
o
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
e
−jβ z
(6.98)
119 6.6. Guia Retangular
H
y
= −
jmπβ
ak
2
c
H
o
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
e
−jβ z
(6.99)
E
x
= Z
TM
H
y
(6.100)
E
y
= −Z
TM
H
x
(6.101)
e
E
z
= E
o
sen
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
e
−jβ z
(6.102)
sendo
E
o
=
β
ω
H
o
(6.103)
Observe nas equa¸ c˜oes acima que os modos TM
m0
e TM
0n
n˜ao existem, pois basta m
ou n ser igual a zero para que todas as componentes dos campos sejam nulas. Sendo
assim, o menor modo TM poss´ıvel de se propagar num guia de se¸ c˜ao transversal
retangular ´e o modo TM
11
.
Exemplo 6.1 Determine as dimens˜oes de um guia retangular oco para transmitir
um conjunto de canais com freq¨ uˆencia central igual a 7,75GHz e banda total igual
a 500MHz. Qual o comprimento de onda guiado para a freq¨ uˆencia central? O guia
deve trabalhar no modo dominante.
Solu¸ c˜ao: Para o modo dominante, TE
10
, tem-se
f
c
=
c
λ
c
=
c
2a
A freq¨ uˆencia de corte, neste caso, deve ser 7,5 GHz para possibilitar a transmiss˜ ao
dos canais compreendidos na faixa de 500MHz. Portanto, a largura do guia ´e ent˜ao
a =
c
2f
c
=
3 10
8
1, 5 10
10
= 0, 02 m
Neste caso, a altura do guia pode assumir qualquer valor que n˜ ao seja muito pequeno.
Em geral utiliza-se b = a/2. O comprimento de onda guiado, para a freq¨ uˆencia
central, ´e
λ
g
=
λ
o
_
1 −
_
λ
o
2a
_
2
=
0, 0387
_
1 −
_
0,0387
0,04
_
2
· 0, 154 m
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 120
Linha Coaxial
(a) (b)
(c) (d)
Sonda
Sonda
a l
λ
1
/2
λ
1
/4
λ
2
/4 λ
2
/4
b
b
Figura 6.5: Guias retangulares com a = 20mm e b = 10mm.
Exemplo 6.2 Determine as freq¨ uˆencias de corte dos guias apresentados na Figura
6.5. Por que a distˆ ancia entre as sondas e a parede transversal ´e igual a λ/4?
Solu¸ c˜ao: As Figuras 6.5a e 6.5b mostram um guia operando no modo TE, pois
o campo el´etrico gerado, que tem a mesma dire¸ c˜ao das sondas, ´e perpendicular `a
dire¸c˜ao de propaga¸ c˜ao. A partir da posi¸ c˜ao e diferen¸ ca de fase entres as sondas no
plano transversal (Figura 6.5a), pode-se determinar que modo TE
mn
o guia est´ a
operando. Observe que, neste caso, a diferen¸ ca de fase introduzida pelo trecho de
cabo entre as sondas ´e de 180

(l = λ/2). Portanto, quando a tens˜ ao ´e m´axima
numa sonda, na outra ela ´e m´ınima. Sabe-se que as ondas geradas pelas sondas s˜ ao
refletidas pelas paredes laterais do guia, produzindo, em determinadas freq¨ uˆencias,
padr˜ oes estacion´ arios na dire¸ c˜ao transversal. A posi¸ c˜ao e a diferen¸ ca de fase das
sondas na Figura 6.5a indicam que o menor modo poss´ıvel de propaga¸ c˜ao ocorre
quando o padr˜ ao estacion´ ario ´e igual a um comprimento de onda. Sendo assim,
λ
c
= a = 20mm e
f
c
=
c
λ
c
=
c
a
= 15 GHz
121 6.7. Guia Cil´ındrico
produzindo-se o modo de opera¸ c˜ao TE
20
. J´ a o guia apresentado nas figuras 6.5c e
6.5d opera no modo TE
10
, pois a sonda est´ a posicionada a uma distˆ ancia a/2 das
paredes laterais do guia, gerando um padr˜ ao igual a meio comprimento de onda.
Logo, λ
c
= 2a = 40mm e
f
c
=
c
λ
c
=
c
2a
= 7, 5 GHz
As sondas s˜ao posicionadas a λ
g
/4 da parede transversal para evitar interferˆencia
destrutiva. Sabe-se que a reflex˜ ao da onda na parede condutora produz uma de-
fasagem de π e que a defasagem da onda para ir at´e a parede e voltar ´e igual a
∆φ = βl =

λ
g
_
λ
g
4
+
λ
g
4
_
= π
Portanto, a defasagem total ´e 2π, n˜ ao havendo interferˆencia destrutiva.
6.7 Guia Cil´ındrico
A Figura 6.1a mostra um guia cil´ındrico de raio a e comprimento l. Como foi visto
no caso retangular, para se obter as caracter´ısticas das ondas eletromagn´eticas nos
dois modos de propaga¸ c˜ao, torna-se necess´ ario a resolu¸ c˜ao das equa¸ c˜oes diferenciais
(6.29) e (6.41). Neste caso, por se tratar de uma geometria cil´ındrica circular, tem-se
como uma das equa¸ c˜oes diferenciais ordin´arias, resultado do m´etodo da separa¸ c˜ao
de vari´ aveis, a equa¸ c˜ao de Bessel.
As equa¸ c˜oes (6.29) e (6.41) podem ser escritas, em coordenadas cil´ındricas, como

2
ψ
∂r
2
+
1
r
∂ψ
∂r
+
1
r
2

2
ψ
∂ϕ
2
+ k
2
c
ψ = 0 (6.104)
onde ψ(r, ϕ) pode ser ψ
e
(r, ϕ) ou ψ
h
(r, ϕ). Considerando-se que
ψ(r, ϕ) = f(r) g(ϕ) (6.105)
obt´em-se
d
2
f
dr
2
+
1
r
df
dr
+
_
k
2
c

ν
2
r
2
_
f = 0 (6.106)
e

2
g
∂ϕ
2
+ ν
2
g = 0 (6.107)
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 122
A equa¸ c˜ao (6.106) ´e chamada de equa¸ c˜ao diferencial de Bessel e sua solu¸ c˜ao ´e
da forma
f(r) = AJ
v
(k
c
r) + BN
v
(k
c
r) (6.108)
onde J
v
(x) ´e conhecida como fun¸ c˜ao de Bessel do primeiro tipo e N
v
(x) fun¸ c˜ao de
Bessel do segundo tipo ou fun¸ c˜ao de Neuman. Enquanto a (6.107) tem como solu¸ c˜ao
g(ϕ) = C sen νϕ + Dcos νϕ (6.109)
Como a fun¸ c˜ao de Neuman tende a infinito quando r → 0, ent˜ ao, para que haja
uma solu¸ c˜ao que represente o fenˆ omeno f´ısico, B tem que ser igual a zero. Para que
algum padr˜ ao estacion´ ario exista na dire¸ c˜ao ϕ, ´e necess´ario que ν seja inteiro, pois
a varia¸ c˜ao do campo tem que ser peri´ odica com per´ıodo igual a m´ ultiplos de 2π.
Sendo assim, tem-se
ψ(r, ϕ) = J
m
(k
c
r) [C
1
sen mϕ + C
2
cos mϕ] (6.110)
ou simplesmente,
ψ(r, ϕ) = A J
m
(k
c
r) cos mϕ (6.111)
onde m ´e um n´ umero inteiro positivo. A determina¸ c˜ao das constantes C
1
e C
2
dependem das condi¸c˜oes de contorno que, por sua vez, est˜ ao relacionadas com o
campo tangencial el´etrico na superf´ıcie interna do condutor cil´ındrico.
6.7.1 Modo H (TE)
Para o caso TE
mn
, a condi¸ c˜ao de contorno, obtida fazendo (6.35) igual a zero, ´e
dada por
∂ψ
h
∂r
¸
¸
¸
¸
r=a
= 0 (6.112)
ou
∂J
m
(k
c
r)
∂r
¸
¸
¸
¸
r=a
= 0 (6.113)
o que corresponde ` as ra´ızes da derivada da fun¸ c˜ao de Bessel de ordem m (vide Figura
6.6), denominada aqui de p

mn
, sendo n a en´esima raiz. Portanto, o n´ umero de onda
de corte pode ser determinado utilizando-se
123 6.7. Guia Cil´ındrico
0 2 4 6 8 10
-0.6
-0.4
-0.2
0
0.2
0.4
0.6
J'
1
(x)
J'
2
(x)
J'
0
(x)
p'
11
p'
12
p'
13
Figura 6.6: Gr´ aficos das fun¸ c˜oes derivadas de Bessel J

m
(x), onde s˜ ao indicadas as
ra´ızes p

11
= 1, 84, p

12
= 5, 33 e p

13
= 8, 55.
k
c
=
p

mn
a
(6.114)
donde se pode obter o comprimento de onda de corte e outros parˆ ametros atrav´es
das equa¸ c˜oes (6.48) a (6.60).
Os campos, fornecidos por (6.37), (6.35) e (6.36), tˆem as seguintes express˜oes:
H
z
= H
o
J
m
(k
c
r) cos mϕ e
−γ z
(6.115)
E
r
= −jωµe
−γ z
1
r
∂ψ
h
∂ϕ
= E
o

k
2
c
r
J
m
(k
c
r) sen mϕ e
−γ z
(6.116)
E
ϕ
= jωµe
−γ z
∂ψ
h
∂r
= E
o
γ
k
c
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ e
−γ z
(6.117)
H
r
= −γ e
−γ z
∂ψ
h
∂r
= −
E
ϕ
Z
TE
(6.118)
H
ϕ
= −γ e
−γ z
1
r
∂ψ
h
∂ϕ
=
E
r
Z
TE
(6.119)
e, no caso sem perdas,
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 124
H
z
= H
o
J
m
(k
c
r) cos mϕ e
−jβ z
(6.120)
E
r
= E
o
jmβ
k
2
c
r
J
m
(k
c
r) sen mϕ e
−jβ z
(6.121)
E
ϕ
= E
o

k
c
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ e
−jβ z
(6.122)
H
r
= −
E
ϕ
Z
TE
(6.123)
H
ϕ
=
E
r
Z
TE
(6.124)
6.7.2 Modo E (TM)
Para o caso TM
mn
, a condi¸ c˜ao de contorno, obtida fazendo (6.47) igual a zero, ´e
dada por
ψ
e
[
r=a
= 0 (6.125)
ou
J
m
(k
c
r)[
r=a
= 0 (6.126)
o que corresponde ` as raizes da fun¸ c˜ao de Bessel de ordem m (vide Figura 6.7),
denominada aqui de p
mn
, sendo n a en´esima raiz. Portanto, o n´ umero de onda de
corte pode ser determinado utilizando-se
k
c
=
p
mn
a
(6.127)
donde, mais uma vez, se pode obter o comprimento de onda de corte e outros
parˆ ametros atrav´es das equa¸c˜oes (6.48) a (6.60). A Tabela (6.1) cont´em as ra´ızes
das fun¸ c˜oes de Bessel e derivadas para alguns modos de propaga¸ c˜ao.
Os campos, fornecidos por (6.47), (6.45) e (6.46), tˆem as seguintes express˜oes:
E
z
= E
o
J
m
(k
c
r) cos mϕ e
−γ z
(6.128)
H
r
= jω e
−γ z
1
r
∂ψ
e
∂ϕ
= −H
o

k
2
c
r
J
m
(k
c
r) sen mϕ e
−γ z
(6.129)
125 6.7. Guia Cil´ındrico
J
1
(x)
J
2
(x)
J
0
(x)
p
01
p
02
p
03
0 2 4 6 8 10
-0.5
0
0.5
1
Figura 6.7: Gr´ aficos das fun¸ c˜oes de Bessel J
m
(x), onde s˜ ao indicadas as ra´ızes
p
01
= 2, 4, p
02
= 5, 52 e p
03
= 8, 64.
H
ϕ
= −jω e
−γ z
∂ψ
e
∂r
= −H
o
γ
k
c
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ e
−γ z
(6.130)
E
r
= −γ e
−γ z
∂ψ
e
∂r
= −Z
TM
H
ϕ
(6.131)
E
ϕ
= −γ e
−γ z
1
r
∂ψ
e
∂ϕ
= Z
TM
H
r
(6.132)
e, no caso sem perdas,
E
z
= E
o
J
m
(k
c
r) cos mϕ e
−jβ z
(6.133)
H
r
= −H
o
jmβ
k
2
c
r
J
m
(k
c
r) sen mϕ e
−jβ z
(6.134)
H
ϕ
= −H
o

k
c
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ e
−jβ z
(6.135)
E
r
= −Z
TM
H
ϕ
(6.136)
E
ϕ
= Z
TM
H
r
(6.137)
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 126
Tabela 6.1: Ra´ızes das fun¸c˜ooes de Bessel para diferentes modos de propaga¸ c˜ao.
Modo mn 01 02 03 11 12 13 21 22 23
TE p

3,832 7,016 10,173 1,841 5,332 8,537 3,054 6,706 9,969
TM p 2,405 5,52 8,654 3,832 7,016 10,173 5,136 8,417 11,62
Exemplo 6.3 Um guia cil´ındrico oco ´e excitado atrav´es de uma sonda reta posi-
cionada no centro da parede transversal. Determine o raio deste guia para a freq¨ uˆencia
de corte de 5GHz.
Solu¸ c˜ao: O modo de opera¸ c˜ao, neste caso, ´e do tipo TM, uma vez que as com-
ponentes de campo magn´etico s˜ao transversais ` a dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao (campo
magn´etico circulando em torno da sonda). O campo el´etrico ´e m´aximo no centro
do guia, onde est´ a posicionada a sonda, portanto, a fun¸ c˜ao de Bessel adequada ao
problema ´e J
0
(k
c
a). Escolhendo-se o modo de propaga¸ c˜ao mais baixo, tem-se
a =
p
mn
k
c
=
p
01
c
2πf
c
=
2, 4 3 10
8
2π 5 10
9
· 0, 023 m
onde o modo de opere¸ c˜ao ´e o TM
01
.
6.8 Atenua¸ c˜ao em Guias
A atenua¸ c˜ao nos guias de onda est´ a associada com as perdas nas paredes condutoras
do guia e no diel´etrico que preenche o espa¸ co interno deste. Sabe-se que as ondas se
propagam dentro de um guia de acordo com e
±γ z
, quando este se encontra alinhado
com o eixo z. A intensidade dos campos, neste caso, decai exponencialmente ao
longo do comprimento, ou seja, para uma onda propagando-se no sentido z
+
, o
campo el´etrico diminui conforme a equa¸ c˜ao
E(z) = E
o
e
−αz
(6.138)
lembrando-se que α ´e o fator de atenua¸ c˜ao e E
o
´e a intensidade inicial do campo no
plano z = 0.
6.8.1 Atenua¸ c˜ao abaixo da Freq¨ uˆencia de Corte
Para as freq¨ uˆencias abaixo da freq¨ uˆencia de corte n˜ ao existe propaga¸ c˜ao de onda
e sim campos evanescentes. A redu¸ c˜ao de intensidade dos campos ao longo do
comprimento pode ser medida atrav´es de um fator de atenua¸ c˜ao dado por
127 6.8. Atenua¸ c˜ao em Guias
α =
_
k
2
c
−k
2
(6.139)
ou
α =

λ
¸
_
λ
λ
c
_
2
−1 (6.140)
lembrando-se que k
c
> k. No caso de λ ¸λ
c
, tem-se
α ≈

λ
c
(6.141)
Em geral, o fator de atenua¸ c˜ao ´e expresso em dB/m, ou seja,
α
dB
= 20 log e
α
· 8, 686α (6.142)
Exemplo 6.4 Determine a atenua¸ c˜ao do guia cil´ındrico do Exemplo 6.3 considerando
que a freq¨ uˆencia de excita¸c˜ao ´e 4,95GHz.
Solu¸ c˜ao: A atenua¸ c˜ao pode ser obtida diretamente da equa¸ c˜ao (6.140), ou seja,
α =

λ
o
¸
_
λ
o
λ
c
_
2
−1 =
2πf
c
¸
_
f
c
f
_
2
−1 · 14, 77
uma vez que f
c
/f = 5/4, 95 = 1, 0101. O valor da atenua¸ c˜ao em decib´eis ´e
α
dB
= 8, 686 14, 77 · 128, 29 dB
6.8.2 Atenua¸ c˜ao acima da Freq¨ uˆencia de Corte
As perdas no diel´etrico que preenche o interior do guia, para freq¨ uˆencias acima da
freq¨ uˆencia de corte, est˜ ao relacionadas com o fator de atenua¸ c˜ao
α
d
= Re¦γ¦ (6.143)
Sabe-se que a permissividade de um diel´etrico que oferece perdas ´e complexa, por-
tanto,
α
d
= Re
_
k
2
c
−ω
2
µ(

−j

) (6.144)
Se a tangente de perdas
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 128
tg δ =

¸1 −
_
λ
λ
c
_
2
(6.145)
ent˜ao, pode-se demonstrar que
α
d

π tg δ
λ
_
1 −
_
λ
λ
c
_
2
(6.146)
Para um guia oco tem-se

· 0 e α
d
= 0.
A potˆencia transmitida ao longo do comprimento do guia ´e proporcional ao
quadrado do campo el´etrico, portanto,
P(z) = P
o
e
−2αz
(6.147)
sendo P
o
a potˆencia inicial. O fator de atenua¸ c˜ao devido a perdas nas paredes
condutoras pode ser obtido a partir de
dP
dz
= −2αP (6.148)
ou seja,
α = −
1
2 P
dP
dz
(6.149)
A equa¸ c˜ao (6.149) indica que o fator de atenua¸ c˜ao ´e a raz˜ ao entre a taxa de redu¸ c˜ao
da potˆencia −
dP
dz
e duas vezes a potˆencia transmitida 2 P. A potˆencia m´edia trans-
mitida ´e obtida da integra¸ c˜ao do vetor de Poynting na dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao,
P =
__
S
W
z
ds (6.150)
ou
P =
Re¦Z
mn
¦
2
__
S
[H
t
[
2
ds (6.151)
onde S ´e a ´ area da se¸ c˜ao transversal do guia, H
t
´e o campo magn´etico transversal e
Z
mn
a impedˆ ancia modal, fornecida por (6.58) no caso TE ou por (6.60) no caso TM.
Enquanto que a potˆencia perdida nas paredes do guia est´ a associada ` a componente
de onda que incide normalmente no condutor, ou seja,
129 6.8. Atenua¸ c˜ao em Guias

dP
dz
=
_
C
W
t
dl (6.152)
ou

dP
dz
=
Re¦η
c
¦
2
_
C
_
[H
z
[
2
+[H

t
[
2
_
dl (6.153)
onde H

t
representa as componentes transversais que s˜ ao paralelas ` as paredes do
guia, C o per´ımetro da se¸ c˜ao transversal e η
c
a impedˆ ancia intr´ınseca do material
condutor. O fator de atenua¸ c˜ao devido ` as paredes condutoras do guia ´e portanto
dado por
α
c
=
Re¦η
c
¦
_
C
_
[H
z
[
2
+[H

t
[
2
¸
dl
2 Re¦Z
mn
¦
__
S
[H
t
[
2
ds
(6.154)
A atenua¸ c˜ao total no guia ´e obtida atrav´es do produto entre o comprimento e o
fator de atenua¸ c˜ao total, isto ´e,
A
dB
= 8, 69(α
d
+ α
c
) l (6.155)
Quando o guia ´e oco, tem-se
A
dB
= 8, 69α
c
l (6.156)
6.8.3 Atenua¸ c˜ao num Guia Retangular
Substituindo-se as equa¸ c˜oes dos campos eletromagn´eticos de um guia retangular na
equa¸ c˜ao (6.154), demonstra-se que [29], para os modos TE,
α
c
=
R
c
bZ
d
__
δ
n
+ δ
m
b
a
_
λ
2
λ
2
c
+
_
1 −
λ
2
λ
2
c
_
δ
n
m
2
b
2
+ δ
m
n
2
ab
m
2
b
2
+ n
2
a
2
_
(6.157)
e, para os modos TM,
α
c
=
2R
c
bZ
d
m
2
b
3
+ n
2
a
3
m
2
b
2
a + n
2
a
3
(6.158)
sendo Z
d
fornecida por (6.58), no caso TE, e por (6.60), no caso TM. A resistˆencia
das paredes condutoras ´e obtida de
R
c
=
_
ωµ
o

(6.159)
O parˆ ametro δ
m
´e igual a 1 para m = 0 e igual a 2 quando m ,= 0. Idem para δ
n
.
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 130
6.8.4 Atenua¸ c˜ao num Guia Cil´ındrico
Substituindo-se as equa¸ c˜oes dos campos eletromagn´eticos de um guia cil´ındrico na
equa¸ c˜ao (6.154), pode-se demonstrar que [27], para os modos TE,
α
c
=
R
c
a Z
d
_
_
λ
λ
c
_
2
+
m
2
(p

mn
)
2
−m
2
_
(6.160)
e, para os modos TM,
α
c
=
R
c
a Z
d
(6.161)
Exemplo 6.5 Continuando com o guia cil´ındrico do Exemplo 6.3, determine a
atenua¸c˜ao para uma freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao 10% acima da freq¨ uˆencia de corte. Con-
sidere 10m de um guia feito de lat˜ao, cuja condutividade relativa ao cobre ´e 28%.
Solu¸ c˜ao: Como o modo de opera¸ c˜ao ´e o TM
01
, ent˜ao, deve-se utilizar a equa¸ c˜ao
(6.161) para se determinar o fator de atenua¸ c˜ao devido ` as paredes condutoras. Sendo
o guia oco, a atenua¸ c˜ao total ´e ent˜ao dada por
A = 8, 686α
c
l =
8, 686lR
c
a η
_
1 −
_
λ
λ
c
_
2
_
−1/2
=
0, 553R
c
a
onde a = 0, 023m e
R
c
=
_
ωµ

=
¸
π 4, 95 10
9
4π 10
−7
0, 28 5, 8 10
7
· 0, 035Ω
Portanto,
A =
0, 553 0, 035
0, 023
· 0, 842 dB
6.9 Cavidade Ressonante
Cavidades ressonantes s˜ ao dispositivos que armazenam energia na forma de cam-
pos eletromagn´eticos. Elas s˜ ao compartimentos met´ alicos fechados, comumente de
forma c´ ubica ou cil´ındrica, onde a energia eletromagn´etica ´e armazenada ou retirada
atrav´es de sondas ou fendas devidamente posicionadas em suas paredes. A Figura
6.8 mostra dois exemplos de cavidade ressonante e seu circuito equivalente. Uma
cavidade ressonante se comporta como um circuito tanque, sendo assim, pode ser
131 6.9. Cavidade Ressonante
(b)
y
z
x
a
(a)
y
x
z
(c)
L C
d
b
a
d
Figura 6.8: Tipos de cavidades: (a) de paredes retangular; (b) cil´ındrica. (c) circuito
equivalente.
utilizada como filtro ou em circuitos osciladores. A diferen¸ ca entre as cavidades e os
circuitos ressonantes de alta freq¨ uˆencia, que utilizam componentes como capacitores
e indutores, est´ a na capacidade de trabalhar com potˆencias relativamente altas.
As principais caracter´ısticas de uma cavidade ressonante s˜ ao a freq¨ uˆencia de
ressonˆancia e o fator de qualidade. A primeira ´e fornecida por
f
r
=
c
λ
r

r
(6.162)
sendo
λ
r
=

k
r
(6.163)
onde k
r
´e denominado n´ umero de onda de ressonˆ ancia, cuja a express˜ ao depende da
geometria da cavidade e do modo de excita¸ c˜ao. Enquanto que o fator de qualidade
´e definido como sendo o produto da energia m´ axima armazenada pela freq¨ uˆencia
angular de ressonˆ ancia, dividido pela potˆencia dissipada, ou seja,
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 132
Q =
ω
r
c
max
P
d
(6.164)
sendo c
max
a energia m´ axima, obtida de (1.111) ou (1.112), e P
d
a potˆencia dissipada,
dada por
P
d
=
Re ¦η
c
¦
2
__
S
[H
t
[
2
ds (6.165)
Portanto, pode-se escrever o fator de qualidade como
Q =

r
___
V
U
max
dv
Re ¦η
c
¦
__
S
[H
t
[
2
ds
(6.166)
lembrando-se que H
t
representa as componentes de campo magn´etico tangenciais ` a
superf´ıcie interna das paredes condutoras, S ´e a ´ area interna total, V o volume da
cavidade e U
max
´e a densidade volum´etrica m´ axima de energia. O fator de qualidade
´e tamb´em relacionado com a largura da faixa de passagem (ou rejei¸ c˜ao) atrav´es de
Q =
f
r
∆f
(6.167)
onde ∆f ´e a faixa de freq¨ uˆencias cuja atenua¸ c˜ao ´e menor ou igual a 3dB.
6.9.1 Cavidade com Paredes Retangulares
Uma cavidade ressonante constitu´ıda de paredes retangulares pode ser consider-
ada, para efeito de an´ alise, como um guia de onda de se¸ c˜ao transversal retangular
encerrado por uma parede condutora (vide Figura 6.8a). Um padr˜ ao estacion´ ario
se estabelece ao longo da dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, se a distˆ ancia entre as paredes
transversais for igual a m´ ultiplos de meio comprimento de onda de excita¸ c˜ao, ou
seja,
d = l
λ
2
(6.168)
onde, neste caso, l ´e um n´ umero inteiro positivo. Portanto, a fun¸ c˜ao que descreve
a varia¸ c˜ao dos campos na dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, para um guia sem perdas, n˜ ao ´e
mais do tipo e
−jβ z
ou e
jβ z
, mas a superposi¸ c˜ao das duas. Por exemplo, o campo
el´etrico transversal pode ser escrito como
E
t
= E
t1
(x, y) e
jβ z
+ E
t2
(x, y) e
−jβ z
(6.169)
133 6.9. Cavidade Ressonante
O coeficiente de reflex˜ao no plano z = 0 ´e
ρ(0) =
E
t2
E
t1
= −1 (6.170)
logo
E
t
= 2jE
t1
(x, y) sen βz (6.171)
ou, para z = d,
ρ(d) =
E
t1
E
t2
e
2 jβ z
= −1 (6.172)
e
E
t
= −2jE
t2
(x, y) sen βz (6.173)
Sabe-se que este campo ´e nulo nas paredes transversais, logo, se
E
t
[
z=d
= 0 (6.174)
ent˜ao
sen βd = 0 (6.175)
donde se conclui que
k
z
= β =

d
(6.176)
Assim, o n´ umero de onda de ressonˆ ancia pode ser calculado a partir de
k
r
=
¸
k
2
c
+
_

d
_
2
=
¸
_

a
_
2
+
_

b
_
2
+
_

d
_
2
(6.177)
conseq¨ uentemente, tem-se
f
r
=
c
2

r
¸
_
m
a
_
2
+
_
n
b
_
2
+
_
l
d
_
2
(6.178)
Como foi visto, o modo de ressonˆ ancia de uma cavidade depende das dimens˜ oes
a, b e d da mesma, al´em dos inteiros positivos m, n e l, que representam os m´ ultiplos
de λ/2 poss´ıveis de existir em cada uma das dimens˜oes. Nos guias, os modos foram
denominados TE
mn
ou TM
mn
. No caso das cavidades, esta denomina¸ c˜ao s´ o faz
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 134
sentido se uma das dire¸ c˜oes for definida como dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. Por exem-
plo, para uma cavidade oca onde a sonda de excita¸ c˜ao ´e introduzida exatamente
no centro da parede de ´ area ad, pode-se obter o modo de ressonˆ ancia TE
110
se a
dire¸c˜ao z for considerada como dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao. Entretanto, se a dire¸ c˜ao y for
definida como dire¸ c˜ao de propaga¸ c˜ao, o modo de ressonˆ ancia ´e ent˜ao TM
011
. Sendo
assim, estabelecendo-se z como referˆencia de propaga¸ c˜ao, os campos do modo de
ressonˆancia TE
lmn
s˜ao fornecidos por:
E
x
= 2
E
o
k
2
c

b

d
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
sen
_

d
z
_
(6.179)
E
y
= −2
E
o
k
2
c

a

d
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
sen
_

d
z
_
(6.180)
H
x
= 2j
H
o
k
2
c

a

d
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
cos
_

d
z
_
(6.181)
H
y
= 2j
H
o
k
2
c

b

d
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
cos
_

d
z
_
(6.182)
H
z
= −2jH
o
cos
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
sen
_

d
z
_
(6.183)
e
E
z
= 0 (6.184)
sendo
E
o
=
ωµ
β
H
o
(6.185)
Enquanto que, para o modo TM
lmn
, tˆem-se
H
x
= 2j
H
o
k
2
c

b

d
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
cos
_

d
z
_
(6.186)
H
y
= −2j
H
o
k
2
c

a

d
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
cos
_

d
z
_
(6.187)
E
x
= −2
E
o
k
2
c

a

d
cos
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
sen
_

d
z
_
(6.188)
E
y
= −2
E
o
k
2
c

b

d
sen
_

a
x
_
cos
_

b
y
_
sen
_

d
z
_
(6.189)
135 6.9. Cavidade Ressonante
E
z
= 2E
o
sen
_

a
x
_
sen
_

b
y
_
cos
_

d
z
_
(6.190)
e
H
z
= 0 (6.191)
sendo
H
o
=
ω
β
E
o
(6.192)
Observe que as componentes de campo el´etrico est˜ ao defasadas de 90

em rela¸ c˜ao ` as
componentes de campo magn´etico, isto significa que, quando um campo ´e m´aximo,
o outro ´e nulo. Portanto, existem instantes em que a energia ´e puramente el´etrica e
instantes em que a energia ´e puramente magn´etica. Comportamento semelhante a
de um circuito tanque LC, onde ora a energia est´ a armazenada na forma de campo
el´etrico no capacitor e ora na forma de campo magn´etico no indutor.
6.9.2 Cavidade Cil´ındrica
Para cavidade cil´ındrica, do tipo mostrado na Figura 6.8b, onde o comprimento d
est´a alinhado na dire¸ c˜ao z, tem-se
k
r
=
¸
k
2
c
+
_

d
_
2
=
¸
_
p
mn
a
_
2
+
_

d
_
2
(6.193)
para modos TM
lmn
, e
k
r
=
¸
_
p

mn
a
_
2
+
_

d
_
2
(6.194)
para os modos TE
lmn
. Portanto, a freq¨ uˆencia de ressonˆ ancia ´e dada por
f
r
=
c
2

r
¸
_
p
mn
πa
_
2
+
_
l
d
_
2
(6.195)
para os modos TM
lmn
, e
f
r
=
c
2

r
¸
_
p

mn
πa
_
2
+
_
l
d
_
2
(6.196)
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 136
para os modos TE
lmn
. Utiliza-se o mesmo procedimento aplicado ` as cavidades com
paredes retangulares para obter os campos eletromagn´eticos. Suas express˜ oes para
o modo TE
lmn
s˜ao:
H
z
= −2jH
o
J
m
(k
c
r) cos mϕ sen
_

d
z
_
(6.197)
E
r
= 2
mE
o
k
2
c
r

d
J
m
(k
c
r) sen mϕ sen
_

d
z
_
(6.198)
E
ϕ
= 2
E
o
k
c

d
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ sen
_

d
z
_
(6.199)
H
r
= −2j
H
o
k
c

d
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ cos
_

d
z
_
(6.200)
H
ϕ
= 2j
mH
o
k
2
c
r

d
J
m
(k
c
r) sen mϕ cos
_

d
z
_
(6.201)
e para o modo TM
lmn
E
z
= 2E
o
J
m
(k
c
r) cos mϕ cos
_

d
z
_
(6.202)
H
r
= −2j
mH
o
k
2
c
r

d
J
m
(k
c
r) sen mϕ cos
_

d
z
_
(6.203)
H
ϕ
= −2j
H
o
k
c

d
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ cos
_

d
z
_
(6.204)
E
r
= 2
E
o
k
c

d
∂J
m
(k
c
r)
∂r
cos mϕ sen
_

d
z
_
(6.205)
E
ϕ
= −2
mE
o
k
2
c
r

d
J
m
(k
c
r) sen mϕ sen
_

d
z
_
(6.206)
6.9.3 Fator de Qualidade para Cavidades C´ ubicas
O fator de qualidade para uma cavidade de paredes retangulares, operando no modo
TE
lmn
, ´e obtido substituindo as express˜ oes dos campos na equa¸ c˜ao (6.166). A
densidade volum´etrica m´ axima de energia, que ora ´e magn´etica ora ´e el´etrica, pode
ser obtida de
137 6.9. Cavidade Ressonante
U
max
=
1
2
E
2
=
1
2
µH
2
(6.207)
No modo TE
lm0
, tˆem-se
E
x
= E
z
= 0 (6.208)
e
E
y
= −2E
o
la
md
sen
_

a
x
_
sen
_

d
z
_
(6.209)
logo
U
max
=
1
2
E
2
y
= 2 E
2
o
_
la
md
_
2
sen
2
_

a
x
_
sen
2
_

d
z
_
(6.210)
Sendo assim, a energia m´ axima armazenada na cavidade ´e obtida de
c
max
= 2 E
2
o
_
la
md
_
2
a
_
0
b
_
0
d
_
0
sen
2
_

a
x
_
sen
2
_

d
z
_
dxdy dz (6.211)
ou
c
max
= E
2
o
_
la
md
_
2
abd
2
=
abd
2
_
ωµH
o
a

_
2
(6.212)
ou ainda
c
max
=
µH
2
o
abd
2
_
_
l a
md
_
2
+ 1
_
(6.213)
A potˆencia dissipada nas paredes condutoras ´e dada por
P
d
=
Re ¦η
c
¦
2
__
S
[H
t
[
2
= P
x
+ P
y
+ P
z
(6.214)
sendo
P
x
= Re ¦η
c
¦
b
_
0
d
_
0
[H
y
[
2
dydz = 2 Re ¦η
c
¦ H
2
o
bd (6.215)
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 138
P
y
= Re ¦η
c
¦
a
_
0
d
_
0
[H
z
[
2
dxdz = Re ¦η
c
¦ H
2
o
ad
_
_
l a
md
_
2
+ 1
_
(6.216)
P
z
= Re ¦η
c
¦
a
_
0
b
_
0
[H
x
[
2
dxdy = 2 Re ¦η
c
¦ H
2
o
ab
_
l a
md
_
2
(6.217)
Portanto, o fator de qualidade ´e fornecido por
Q =
ω
r
c
max
P
d
=
V
δ
p
_
l a
md
_
2
+ 1
2bd + ad
_
_
l a
md
_
2
+ 1
_
+ 2ab
_
l a
md
_
2
(6.218)
onde V ´e o volume da cavidade e δ
p
a profundidade de penetra¸ c˜ao no condutor.
Finalmente, para uma cavidade c´ ubica operando no modo TE
110
, tem-se
Q =
2V
δ
p
S
(6.219)
sendo S a ´ area total da superf´ıcie interna das paredes condutoras.
Exemplo 6.6 Projete uma cavidade c´ ubica, feita de cobre, para operar a 10GHz no
modo TE
110
com uma banda de 1MHz.
Solu¸ c˜ao: Considerando que a aresta da cavidade ´e fornecida pela vari´ avel a, pode-se
reescrever a equa¸c˜ao (6.219) como
Q =
2a
3

p
a
2
=
a

p
Portanto,
a =

p
Q
=

p
∆f
f
·
0, 198∆f
f
3/2
= 0, 198 m
6.9.4 Fator de Qualidade para Cavidades Cil´ındricas
Pode-se mostrar que o fator de qualidade para cavidades cil´ındricas, operando no
modo TE
lmn
, ´e fornecido por [8] [4]
139 6.9. Cavidade Ressonante
Q =
λ
r
_
1 −
_
m
p

mn
_
2
_
_
(p

mn
)
2
+
_
lπa
d
_
2
_
3/2
2πδ
p
_
(p

mn
)
2
+
_
2a
d
_ _
lπa
d
_
2
+
_
1 −
2a
d
_
_
mlπa
p

mn
d
_
2
_ (6.220)
e para o modo TM
lmn
Q =
λ
r
_
(p
mn
)
2
+
_
lπa
d
_
2
2πδ
p
_
1 +
2a
d
_ (6.221)
quando l > 0 e
Q =
λ
r
p
mn
2πδ
p
_
1 +
a
d
_ (6.222)
quando l = 0.
CAP´ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 140
Cap´ıtulo 7
Processo de Radia¸ c˜ao
7.1 Introdu¸ c˜ao
As ondas eletromagn´eticas s˜ao geradas atrav´es de circuitos ou dispositivos eletro-
eletrˆ onicos e se propagam em meios confinados como: linhas de transmiss˜ ao, guias
de onda ou fibras ´ opticas. Elas tamb´em est˜ao presentes no espa¸co-livre e podem ser
introduzidas neste ambiente atrav´es de dispositivos chamados de radiadores ou ante-
nas. A antena ´e um dispositivo el´etrico passivo cuja fun¸ c˜ao ´e maximizar a convers˜ ao
de energia el´etrica em energia eletromagn´etica. Em outras palavras, quando bem
projetada, a antena permite que a transi¸ c˜ao de uma onda eletromagn´etica confinada
para uma onda eletromagn´etica num espa¸ co aberto seja efetuada de modo eficiente.
Este fenˆomeno de transi¸ c˜ao ´e chamado de radia¸ c˜ao ou irradia¸ c˜ao.
O processo de radia¸ c˜ao pode ser explicado utilizando-se as equa¸ c˜oes de Maxwell
e o potencial vetor A. A Figura 7.1 mostra um fio onde circula uma corrente el´etrica
que varia harmonicamente no tempo, isto ´e,
I(t

) = I
o
e
jω t

(7.1)
sendo I
o
o valor m´ aximo da corrente distribu´ıda no fio. A densidade de corrente
el´etrica J, al´em de poder variar entre pontos diferentes do fio condutor, varia tamb´em
de acordo com o tempo, como mostrado na equa¸ c˜ao abaixo:
J(r

, t

) = J(r

)
I
o
πa
2
e
jω t

(7.2)
sendo
r

= x

a
x
+ y

a
y
+ z

a
z
(7.3)
141
CAP´ıTULO 7. Processo de Radia¸ c˜ao 142
x
z
y
dV
0
R = r - r'
P
r
r'
J
Figura 7.1: Condutor conduzindo corrente el´etrica.
e a o raio da se¸ c˜ao transversal do fio condutor. O potencial vetor A ´e obtido a partir
de
A(r, t) =
µ
o

___
V
J(r

, t

)
[ r −r

[
dV =
µ
o

___
V
J(r

, t

)
R
dV (7.4)
e o campo magn´etico em volta do fio a partir de
H(r, t) =
1
µ
o
∇ A(r, t) (7.5)
Pelas equa¸ c˜oes de Maxwell, sabe-se que, campo magn´etico H(r, t) variando no tempo
gera campo el´etrico E(r, t) variando no tempo, e que ambos se propagam no espa¸ co
numa dire¸ c˜ao ortogonal ao plano que cont´em os dois vetores E e H. Neste caso, a
143 7.1. Introdu¸ c˜ao
dire¸c˜ao ´e dada pelo versor a
r
. O campo el´etrico pode ser obtido diretamente da lei
de Amp`ere na forma diferencial, isto ´e,
∇ H(r, t) = jω
o
E(r, t) (7.6)
ou
E(r, t) =
1

o
∇ H(r, t) (7.7)
Os campos radiados pelo fio tamb´em obedecem as equa¸ c˜oes abaixo, provenientes
das equa¸ c˜oes de Maxwell e denominadas equa¸ c˜oes de uma onda eletromagn´etica,

2
E+k
2
o
E = 0 (7.8)
e

2
H+k
2
o
H = 0 (7.9)
sendo
k
o
=
ω
v
f
=
ω
c
= ω

µ
o

o
(7.10)
o n´ umero de onda, ω a frequˆencia angular, µ
o
a permeabilidade do v´ acuo,
o
a
permissividade no v´ acuo e v
f
a velocidade de propaga¸ c˜ao da onda que, neste caso, ´e
igual ` a velocidade da luz no v´ acuo. Observa-se que as equa¸ c˜oes (7.5) e (7.7) fornecem
os valores dos campos obtidos no instante t produzidos pela densidade de corrente
no tempo t

, onde t est´a atrasado em rela¸ c˜ao a t

de acordo com
t

= t −
R
v
f
(7.11)
pois a onda leva um certo tempo para se propagar at´e o ponto P. Portanto, a
equa¸ c˜ao (7.4) pode ser reescrita como
A(r, t) =
µ
o

___
V
J(r

, t) e
−jkR
R
dV (7.12)
pois, substituindo-se (7.11) em (7.2), tem-se
J(r

, t

) = J(r

)
I
o
πa
2
e
jω t

= J(r

)
I
o
πa
2
e
jω (t−
R
v
f
)
= J(r

, t) e
−jkR
(7.13)
CAP´ıTULO 7. Processo de Radia¸ c˜ao 144
7.2 Dipolo Infinitesimal ou Hertziano
Um dipolo, de uma forma geral, ´e uma antena ou radiador constitu´ıdo de duas
hastes met´alicas distribu´ıdas num mesmo eixo e separadas por uma distˆ ancia muito
pequena, como mostra a Figura 7.2. O dipolo ´e dito infinitesimal quando o seu
comprimento ´e menor ou igual a λ/50. A alimenta¸ c˜ao ´e feita atrav´es das pontas
mais pr´ oximas, ou seja, no centro do par de hastes. A densidade de corrente neste
tipo de dipolo n˜ ao varia para diferentes pontos do condutor, logo, sua express˜ ao ´e
fun¸ c˜ao apenas do tempo, ou seja,
x
z
y
A, H e E
r
J
θ
ϕ
J l/2
l/2
2a
Figura 7.2: Dipolo de Comprimento l.
J(t) = J
o
e
jω t
a
z
=
I
o
πa
2
e
jω t
a
z
(7.14)
145 7.2. Dipolo Infinitesimal ou Hertziano
Se o dipolo tiver comprimento total igual a l, ent˜ao
A(r, t) =
µ
o
I
o
e
jω t

2
a
2
l
2
_
−l
2

_
0
r
o
_
0
e
−jkR
R
r

d r

dϕdz a
z
(7.15)
Considerando-se l ¸R, tem-se
A(r, t) =
µ
o
I
o
e
jω t

2
a
2
e
−jkR
R
l
2
_
−l
2

_
0
r
o
_
0
r

d r

dϕdz a
z
(7.16)
ou
A(r, t) = A
z
(r, t) a
z
=
µ
o
I
o
l
4πr
e
j(ω t −k r)
a
z
(7.17)
uma vez que l ´e pequeno, ent˜ao, r · R.
O campo magn´etico radiado pela antena ´e obtido da equa¸ c˜ao (7.5), isto ´e,
H(r, t) =
1
µ
o
r
2
sen θ
det
_
_
a
r
r a
θ
r sen θ a
ϕ

∂r

∂θ

∂ϕ
A
r
rA
θ
r sen θ A
ϕ
_
_
(7.18)
pois a representa¸ c˜ao dos campos radiados ´e geralmente feita em coordenadas esf´ericas.
Portanto, para resolver a equa¸ c˜ao acima, ´e necess´ario converter a representa¸ c˜ao do
potencial vetor A de coordenadas cil´ındricas para esf´ericas. Estes sistemas est˜ao
relacionados de acordo com a express˜ ao a seguir:
_
_
A
r
A
θ
A
ϕ
_
_
=
_
_
sen θ 0 cos θ
cos θ 0 −sen θ
0 1 0
_
_
_
_
A
ρ
A
ϕ
A
z
_
_
(7.19)
Sendo assim, tˆem-se
A
r
= A
z
cos θ (7.20)
A
θ
= −A
z
sen θ (7.21)
e
A
ϕ
= 0 (7.22)
CAP´ıTULO 7. Processo de Radia¸ c˜ao 146
uma vez que, em coordenadas cil´ındricas, s´ o A
z
´e diferente de zero.
Desta forma, pode-se obter as express˜ oes do campo magn´etico utilizando-se
(7.18), ou seja,
H
r
= H
θ
= 0 (7.23)
e
H
ϕ
=
jkI
o
l sen θ
4πr
_
1 +
1
jkr
_
e
j(ω t −k r)
(7.24)
J´ a as express˜ oes referentes `as componentes de campo el´etrico s˜ ao obtidas a partir
da equa¸ c˜ao (7.7),
E
r
=
ηI
o
l cos θ
2πr
2
_
1 +
1
jkr
_
e
j(ω t −k r)
(7.25)
E
θ
=
jηkI
o
l sen θ
4πr
_
1 +
1
jkr

1
(kr)
2
_
e
j(ω t −k r)
(7.26)
e
E
ϕ
= 0 (7.27)
sendo η = 120π Ω, impedˆancia intr´ınseca do v´ acuo.
7.3 Regi˜ oes de Campo
7.3.1 Campo Pr´ oximo Reativo
Pode-se observar nas equa¸ c˜oes dos campos eletromagn´eticos que estes s˜ao grandezas
complexas. Nas proximidades de uma antena, as partes imagin´ arias dos campos s˜ ao
predominantes. Nesta regi˜ ao, chamada de regi˜ ao de campos pr´ oximos reativos, a
energia transferida pela antena para o espa¸ co fica armazenada na forma de campos
evanescentes, que n˜ao se propagam e decaem exponencialmente com a distˆ ancia.
Para esta regi˜ ao, onde ´e r ¸ λ e kr ¸ 1, os campos pr´ oximos radiados por um
dipolo hertziano s˜ ao fornecidos por:
E
ϕ
= H
r
= H
θ
= 0 (7.28)
H
ϕ
·
I
o
l sen θ
4πr
2
e
j(ω t −k r)
(7.29)
147 7.3. Regi˜ oes de Campo
E
r
· −
jηI
o
l cos θ
2πkr
3
e
j(ω t −k r)
(7.30)
e
E
θ
· −
jηI
o
l sen θ
4πk r
3
e
j(ω t −k r)
(7.31)
A densidade de potˆencia m´edia nesta regi˜ ao ´e igual a zero, uma vez que os campos
el´etrico e magn´etico est˜ ao em quadratura (defasado de 90

). Assim, utilizando-se as
equa¸ c˜oes (7.29) e (7.31), pode-se concluir que
W
m
=
1
2
Re ¦E H

¦ = 0 (7.32)
n˜ao havendo propaga¸ c˜ao de onda.
Na pr´ atica, a regi˜ ao de campo pr´ oximo ´e delimitada pelo raio [2]
R
cp
= 0, 62
_
D
3
λ
(7.33)
onde D ´e a maior dimens˜ ao da antena.
7.3.2 Campo Pr´ oximo Irradiante (Regi˜ao de Fresnel)
Nesta regi˜ ao j´ a come¸ ca a existir campos que se propagam no espa¸ co, isto ´e, ondas
eletromagn´eticas. As equa¸ c˜oes dos campos produzidos por um dipolo hertziano
podem ser aproximadas como segue:
E
ϕ
= H
r
= H
θ
= 0 (7.34)
H
ϕ
·
jkI
o
l sen θ
4πr
e
j(ω t −k r)
(7.35)
E
r
·
ηI
o
l cos θ
2πr
2
e
j(ω t −k r)
(7.36)
e
E
θ
·
jηkI
o
l sen θ
4πr
e
j(ω t −k r)
(7.37)
pois, neste caso, kr > 1.
Na pr´ atica, a regi˜ ao de campo pr´ oximo irradiante ´e delimitada pelos raios R
cp
e
R
cd
, isto ´e,
CAP´ıTULO 7. Processo de Radia¸ c˜ao 148
R
cp
< r < R
cd
(7.38)
sendo [2]
R
cd
=
2D
2
λ
(7.39)
7.3.3 Campo Distante (Regi˜ao de Fraunhofer)
Nesta regi˜ ao, onde r > R
cd
, os campos s˜ ao predominantemente irradiantes e a
densidade de potˆencia m´edia ´e obtida a partir dos campos E
θ
e H
ϕ
, isto ´e,
W
m
=
1
2
Re ¦E H

¦ =
1
2
Re
_
E
θ
H

ϕ
_
a
r
=
1
2
[E
θ
[
2
η
a
r
(7.40)
Os campos para um dipolo infinitesimal s˜ ao
E
ϕ
= H
r
= H
θ
= E
r
= 0 (7.41)
H
ϕ
·
jkI
o
l sen θ
4πr
e
j(ω t −k r)
(7.42)
e
E
θ
= ηH
ϕ
(7.43)
A Figura 7.3 mostra as regi˜ oes de campos.
Exemplo 7.1 Qual deve ser a m´ınima distˆancia para se medir o campo distante
radiado por um dipolo de meio comprimento de onda operando em 30MHz?
Solu¸ c˜ao: A medida tem que ser feita na regi˜ ao de Fraunhofer, logo, a distˆ ancia
m´ınima ´e dada por
R
cd
=
2D
2
λ
=
λ
2
= 5 m
pois a maior dimens˜ ao, D, ´e nesse caso o comprimento do dipolo l = λ/2 = 5 m.
149 7.3. Regi˜ oes de Campo
Próximos Reativos
R
cp
R
cd
Região de Fresnel
Região de Fraunhofer
Região de Campos
Figura 7.3: Regi˜ oes de campos radiados por uma antena.
CAP´ıTULO 7. Processo de Radia¸ c˜ao 150
7.4 Radiador ou Antena Isotr´ opica
Uma antena isotr´ opica ´e aquela que irradia campos eletromagn´eticos de mesma
intensidade, independentemente da dire¸c˜ao. Neste caso, a densidade de potˆencia
m´edia de uma frente de onda originada em uma fonte isotr´ opica ´e dada por
W
o
=
P
rad
4πr
2
a
r
(7.44)
N˜ao existe, na pr´ atica, radiador totalmente isotr´ opico. Este ´e utilizado apenas como
referˆencia para outras antenas.
Exemplo 7.2 Qual deve ser a intensidade de campo el´etrico a uma distˆ ancia de
1km de uma antena isotr´ opica que irradia 1W? Considere que n˜ ao existem obst´ aculos
e nem m´ ultiplas reflex˜ oes entre o ponto de medi¸ c˜ao e a antena.
Solu¸ c˜ao: Sabe-se que a densidade de potˆencia de uma onda propagando-se no ar ´e
W =
E
2
o

logo, substituindo a equa¸ c˜ao acima em (7.44),
E
o
=
1
r
_
60P
rad
· 0, 0077 V/m
Cap´ıtulo 8
Caracter´ısticas de uma Antena
8.1 Introdu¸ c˜ao
Para exemplificar os principais parˆ ametros de uma antena ´e interessante tomar como
referˆencia o dipolo de meio comprimento de onda. Este tipo de radiador ´e comumente
empregado na faixa de HF, VHF e UHF. Em geral, para se aumentar o ganho e a
diretividade, utilizam-se outros elementos em conjunto com o elemento radiador,
formando um arranjo de antenas. Os campos radiados por um dipolo de meio
comprimento de onda ser˜ ao obtidos na Se¸ c˜ao 8.3, utilizando-se um procedimento
semelhante ` aquele empregado ao dipolo hertziano. Algumas antenas, com suas
principais caracter´ısticas, s˜ao mostradas na se¸ c˜ao a seguir, para que se tenha id´eia
n˜ao s´ o da variedade de antenas que se pode encontrar no mercado, mas tamb´em das
caracter´ısticas mais importantes fornecidas pelos seus fabricantes.
8.2 Tipos de Antenas
As antenas lineares, fabricadas a partir de fios ou hastes m´etalicas, s˜ ao as mais
comuns de serem encontradas no mercado. O exemplo mais simples deste tipo
de antena ´e o dipolo. Os dipolos podem ser classificados de acordo com o seu
comprimento, sendo que os de aplica¸ c˜ao pr´ atica tˆem comprimentos acima de λ/10.
O mais conhecido deles ´e o dipolo de meio comprimento de onda.
Dipolos podem ser agrupados para maximizar certas caracter´ısticas de uma an-
tena. Dipolos alinhados lado a lado, sobre um ´ unico eixo, formam um conjunto
chamado arranjo colinear. Dipolos alinhados sobre um mesmo plano, paralelos uns
aos outros, podem ser denominados de antena log-peri´ odica (Figura 8.1) ou yagi
151
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 152
Figura 8.1: Log-Peri´ odica com as seguintes caracter´ısticas: banda (MHz) 2-30;
ganho 9-12(dBi); rela¸ c˜ao frente-costas 10(dB); impedˆ ancia 50 Ω; polariza¸ c˜ao hori-
zontal; VSWR (m´edio) 2.5:1; potˆencia m´edia 1kW.
(Figura 8.2), dependendo dos comprimentos dos mesmos e de como estes s˜ ao ali-
mentados.
Para aplica¸ c˜oes em que se deseja uma rela¸ c˜ao frente-costas e/ou ganho mais
elevado que aqueles oferecidos pelos arranjos lineares, uma op¸ c˜ao ´e o emprego de
refletores dos tipos plano, “de canto” ou parab´ olico. Em frente a estes refletores s˜ao
colocados antenas ou arranjo de antenas, como mostrado na Figura 8.3. Contudo,
a maioria dos refletores parab´ olicos utiliza antenas do tipo abertura, as comumente
chamadas cornetas (Figura 8.4). Outros tipos de antenas de alto ganho, muito
utilizadas em r´ adio-enlaces, s˜ao aquelas denominadas helicoidais. Uma antena he-
licoidal ´e composta de um refletor plano circular e uma h´elice feita de fio ou tubo
male´ avel, como mostrado na Figura 8.5.
Atualmente vˆem se tornando popular as antenas denominadas planas. Estas an-
tenas s˜ao de maior interesse em aplica¸ c˜oes em que o volume do dipositivo irradiador
tem que ser m´ınimo. As antenas planas podem ser utilizadas, por exemplo, nas fuse-
lagens de avi˜ oes, foguetes e m´ısseis sem interferir nas caracter´ısticas aerodinˆ amicas
destes ve´ıculos. Antenas planas, ou arranjo de antenas planas, s˜ ao impressas em
substratos diel´etricos, como mostrado na Figura 8.6.
153 8.3. Dipolo de Comprimento Finito
Figura 8.2: Antena yagi com as seguintes caracter´ısticas: banda (MHz) 174-216;
Ganho (dBi) 8,9; polariza¸ c˜ao Hor. ou Ver.; VSWR 1,3; impedˆ ancia 50 Ω.
8.3 Dipolo de Comprimento Finito
As equa¸ c˜oes dos campos de um dipolo de comprimento finito l, e raio a muito
pequeno (a ¸ l), podem ser obtidas considerando-se uma distribui¸ c˜ao de corrente
que varia no espa¸ co de acordo com
I(x, y, z) =
_
_
_
I
o
sen
_
k
_
l
2
−z

p/ 0 z
l
2
I
o
sen
_
k
_
l
2
+ z

p/ −
l
2
z 0
_
_
_
(8.1)
onde k =

λ
. O dipolo est´ a estendido ao longo do eixo z, como mostrado na Figura
7.2.
´
E importante salientar que a corrente tamb´em varia no tempo de acordo com
e
j ω t
. Observa-se, em (8.1), que esta corrente ´e nula nas extremidades do dipolo.
Para a regi˜ ao de campos distantes, pode-se calcular E e H considerando-se que
o dipolo finito ´e constitu´ıdo de v´ arios dipolos infinitesimais de comprimento dz, que
est˜ao a uma distˆ ancia R do ponto em que se quer calcular os campos. Sendo assim,
os campos distantes produzidos por cada dipolo infinitesimal (vide (7.42) e (7.43)),
s˜ao fornecidos por
dE
θ
=
jη kI(x, y, z) e
−jkR
sen θ
4πR
dz (8.2)
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 154
Figura 8.3: Refletor parab´ olico com as seguintes caracter´ısticas: banda 300-520
(MHz); ganho 20 dBi; VSWR 1,5; potˆencia de radia¸ c˜ao 100W.
dH
ϕ
=
dE
θ
η
(8.3)
Como se deseja encontrar as express˜ oes para pontos muito distantes da antena,
ent˜ao, as respectivas aproxima¸ c˜oes em fase e amplitude podem ser feitas
R · r + z cos θ (8.4)
e
R · r (8.5)
Sendo assim,
dE
θ
=
jη kI(x, y, z) e
−jk( r+z cos θ)
sen θ
4πr
dz (8.6)
A contribui¸ c˜ao de todos os dipolos infinitesimais que formam o dipolo finito fornece
o campo el´etrico radiado. Sua express˜ ao ´e obtida integrando-se (8.6), ou seja,
E
θ
=
l
2
_
−l
2
dE
θ
=
jη k e
−jkr
sen θ
4πr
l
2
_
−l
2
I(x, y, z)e
−jk z cos θ
dz (8.7)
155 8.3. Dipolo de Comprimento Finito
Figura 8.4: Refletor parab´ olico com antena do tipo corneta.
Figura 8.5: Antena helicoidal.
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 156
Figura 8.6: Antena plana impressa utilizada num PDA (Personal Digital Assistant).
ou
E
θ
=
jηI
o
k e
−jkr
sen θ
4πr
0
_
−l
2
sen
_
k
_
l
2
+ z

e
−jk z cos θ
dz
+
jηI
o
k e
−jkr
sen θ
4πr
l
2
_
0
sen
_
k
_
l
2
−z

e
−jk z cos θ
dz
(8.8)
Resolvendo-se as integrais em (8.8), tem-se
E
θ
=
jηI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
(8.9)
e conseq¨ uentemente
H
ϕ
=
E
θ
η
=
jI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
(8.10)
Exemplo 8.1 Determine a express˜ ao do campo el´etrico para um dipolo de meio
comprimento de onda. Qual a dire¸ c˜ao de campo m´ aximo?
157 8.4. Principais Parˆ ametros de uma Antena
Solu¸ c˜ao: A express˜ao do campo el´etrico ´e obtida substituindo o comprimento l por
λ/2 na equa¸ c˜ao (8.9), ou seja,
E
θ
=
jηI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
π
2
cos θ
_
sen θ
_
O campo el´etrico ´e m´aximo quando
sen θ
m
= cos
_
π
2
cos θ
m
_
Pode-se verifcar que os valores de θ
m
que satisfazem a igualdade s˜ ao 90

e −90

.
8.4 Principais Parˆametros de uma Antena
Como foi visto nos exemplos citados na Se¸ c˜ao 8.2, os fabricantes de antenas fornecem
as suas principais caracter´ısticas, como ganho, impedˆ ancia de entrada, rela¸ c˜ao frente-
costas, etc. Nas se¸c˜oes seguintes ser˜ao apresentadas estas grandezas e outras mais
que s˜ao utilizadas na caracteriza¸ c˜ao de uma infinidade de antenas. Ser´ a utilizada,
para exemplificar cada grandeza, a antena dipolo de meio comprimento de onda.
8.5 Intensidade de Radia¸ c˜ao
A intensidade de radia¸ c˜ao em uma determinada dire¸ c˜ao ´e definida como sendo a
potˆencia radiada pela antena por unidade de ˆ angulo s´ olido. Em termos matem´ aticos,
tem-se
U(θ, ϕ) =
P
rad

= r
2
W
rad
(θ, ϕ) (8.11)
onde Ω ´e o ˆ angulo s´ olido dado em esferorradiano e W
rad
a densidade de potˆencia
radiada pela antena. O ˆ angulo s´ olido multiplicado por r
2
fornece a ´area de parte
de uma superf´ıcie esf´erica. A ´area total ´e obtida quando Ω = 4π . Portanto, de
uma forma geral, A = Ωr
2
, seguindo uma regra semelhante ` aquela que fornece o
comprimento de arco de uma circunferˆencia, C = αr.
Para campos distantes, tem-se
U(θ, ϕ) ·
r
2

_
[E
θ
(r, θ, ϕ)[
2
+[E
ϕ
(r, θ, ϕ)[
2
¸
(8.12)
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 158
No caso de um dipolo com orienta¸ c˜ao ao longo do eixo z, tem-se apenas a componente
E
θ
do campo el´etrico, portanto, a express˜ ao da intensidade de radia¸ c˜ao associada a
este tipo de antena ´e dada por
U(θ, ϕ) =
ηI
2
o

2
¸
¸
¸
¸
¸
cos
_
k l
2
cos θ
_
−cos
_
k l
2
_
sen θ
¸
¸
¸
¸
¸
2
(8.13)
8.6 Diagrama de Radia¸ c˜ao
Na pr´ atica, ´e interessante se visualizar a distribui¸ c˜ao da intensidade de potˆencia
em diferentes dire¸c˜oes em volta da antena. Esta visualiza¸ c˜ao ´e feita atrav´es de
diagramas tomados em diferentes planos no espa¸ co. Em geral, s˜ ao tra¸ cados os
gr´ aficos da intensidade de radia¸ c˜ao em dois planos distintos: o plano E, que cont´em
o vetor campo el´etrico e o plano H, que cont´em o campo magn´etico. Tomando-se
como exemplo uma antena dipolo de meio comprimento de onda, alinhada ao longo
do eixo z, tem-se como plano E qualquer plano que contenha o dipolo (ex. plano
x = 0 ou y = 0). Enquanto que, o plano H ´e qualquer plano perpendicular ao dipolo
(ex. plano z = 0). As Figuras 8.7 e 8.8 mostram os diagramas de radia¸ c˜ao de um
dipolo de
λ
2
. Os diagramas foram tra¸ cados utilizando-se as express˜ oes que fornecem
a intensidade de radia¸ c˜ao normalizada, em fun¸ c˜ao de θ,
U
dB
(θ) = 10 log
_
U(θ, ϕ = cte.)
U
max
_
(8.14)
e em ϕ
U
dB
(ϕ) = 10 log
_
U(θ = cte., ϕ)
U
max
_
(8.15)
Como o campo el´etrico num dipolo n˜ ao depende de ϕ, o resultado ´e um diagrama
igual a uma circunferˆencia, mostrando que esta antena ´e isotr´ opica no plano H. Os
diagramas de radia¸ c˜ao tamb´em podem ser tra¸ cados em rela¸ c˜ao ao campo el´etrico
normalizado. As Figuras 8.9 e 8.10 mostram os diagramas de uma antena yagi de 3
elementos. Neste caso, os diagramas foram obtidos a partir de
E
n
(θ) =
¸
U(θ, ϕ = cte.)
U
max
(8.16)
e
159 8.7. Potˆencia Radiada
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 8.7: Diagrama de radia¸ c˜ao de um dipolo de meio comprimento de onda (plano
E).
E
n
(ϕ) =
¸
U(θ = cte., ϕ)
U
max
(8.17)
Observa-se que, no diagrama referente ao plano E, existe um l´ obulo a 0

e outro
a 180

. O maior ´e denominado l´ obulo principal, enquanto que o menor ´e chamado
de l´obulo secund´ ario. Em aplica¸ c˜oes de r´adio-enlace, ´e sempre desejado uma max-
imiza¸c˜ao do l´ obulo principal e uma minimiza¸ c˜ao ou elimina¸ c˜ao total dos l´ obulos
secund´arios.
8.7 Potˆencia Radiada
A potˆencia radiada por uma antena ´e aquela emitida para o espa¸ co em forma de
onda eletromagn´etica. A potˆencia m´edia pode ser obtida a partir da densidade de
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 160
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 8.8: Diagrama de radia¸ c˜ao de um dipolo de meio comprimento de onda (plano
H).
potˆencia m´edia ou do m´ odulo do vetor de Poynting, isto ´e,
P
rad
=
_
S
W ds =

_
0
π
_
0
W(θ, ϕ) r
2
sen θ dθ dϕ (8.18)
onde, para regi˜ ao de campos distantes,
W(θ, ϕ) =
1

_
[E
θ
(r, θ, ϕ)[
2
+[E
ϕ
(r, θ, ϕ)[
2
¸
(8.19)
A potˆencia radiada pode ser tamb´em obtida a partir da intensidade de radia¸ c˜ao, eq.
(8.11),
P
rad
=

_
0
π
_
0
U(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ =

_
0
U(Ω) dΩ (8.20)
161 8.7. Potˆencia Radiada
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 8.9: Diagrama de radia¸ c˜ao de uma antena yagi (plano E).
No caso de um radiador isotr´ opico, a intensidade de radia¸ c˜ao ´e constante e a
potˆencia radiada fica sendo
P
rad
=

_
0
U
o
dΩ = U
o

_
0
dΩ = 4πU
o
(8.21)
onde U
o
´e constante. Ao passo que, para um dipolo de comprimento l,
P
rad
=
ηI
2
o

π
_
0
_
cos
_
k l
2
cos θ
_
−cos
_
k l
2

sen θ
2
dθ (8.22)
Resolvendo-se a integral acima, tem-se
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 162
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 8.10: Diagrama de radia¸ c˜ao de uma antena yagi (plano H).
P
rad
=
η I
2
o

¦C + ln(kl) −Ci(kl) +
1
2
sen(kl)[Si(2kl) −2 Si(kl)]
+
1
2
cos(kl)[C + ln
_
kl
2
_
+ Ci(2kl) −2 Ci(kl)]¦
(8.23)
sendo C = 0, 5772 (constante de Euler). As fun¸ c˜oes Ci e Si, denominadas respec-
tivamente como fun¸ c˜ao cosseno integral e fun¸ c˜ao seno integral, s˜ ao obtidas a partir
de
Ci(x) =
x
_
−∞
cos u
u
du = C + ln(u) +
x
_
0
cos u −1
u
du (8.24)
e
163 8.8. Ganho Diretivo e Diretividade
Si(x) =
x
_
0
sen u
u
du (8.25)
8.8 Ganho Diretivo e Diretividade
Ganho diretivo de uma antena ´e definido como a raz˜ ao entre a intensidade de ra-
dia¸ c˜ao da antena e a intensidade de radia¸ c˜ao de uma antena isotr´ opica, isto ´e
D
g
(θ, ϕ) =
U(θ, ϕ)
U
o
(8.26)
Como a intensidade de radia¸ c˜ao de uma antena isotr´ opica est´ a relacionada com a
potˆencia radiada atrav´es da equa¸ c˜ao (8.21), ent˜ ao,
D
g
(θ, ϕ) =
4πU(θ, ϕ)
P
rad
(8.27)
Se a antena n˜ ao for isotr´ opica, existem valores de θ e ϕ, isto ´e, certas dire¸c˜oes no
espa¸ co, que levam o ganho diretivo ao seu valor m´ aximo. O ganho diretivo, na
dire¸c˜ao em que a intensidade radia¸ c˜ao torna-se m´ axima, ´e denominado diretividade
e sua express˜ao ´e fornecida por
D
o
=
U
max
U
o
=
4πU
max
P
rad
(8.28)
Fica claro na equa¸ c˜ao (8.28) que a diretividade de uma antena isotr´ opica ´e igual a
um. A diretividade para um dipolo infinitesimal ´e obtida sabendo-se que
U(θ, ϕ) =
η
2
_
k l I
o

_
2
sen
2
θ = U
max
sen
2
θ (8.29)
e, segundo (8.20),
P
rad
= U
max

_
0
π
_
0
sen
3
θ dθ dϕ (8.30)
Portanto,
D
o
=


_
0
π
_
0
sen
3
θ dθ dϕ
=

8π/3
=
3
2
(8.31)
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 164
J´a a diretividade de um dipolo de meio comprimento de onda ´e
D
o
=


_
0
π
_
0
cos
2
(
π
2
cos θ
)
sen θ
dθ dϕ
· 1, 643 (8.32)
onde foi utilizada a intensidade de radia¸ c˜ao (8.13) fazendo l =
λ
2
.
8.9 Ganho de uma Antena
Uma antena ´e um dispositivo passivo, sendo assim, n˜ ao existe introdu¸ c˜ao de energia
no sistema onde ela est´ a inserida. A potˆencia radiada por uma antena, P
rad
, ´e igual
a potˆencia de entrada que chega nos seus terminais, P
in
, menos a potˆencia perdida
na mesma. Sendo assim, se existem perdas neste dispositvo, n˜ ao existe ganho de
potˆencia, mas sim atenua¸ c˜ao. O ganho de uma antena ´e obtido em rela¸ c˜ao a um
radiador isotr´ opico, ou seja, uma antena que radia isotropicamente tem ganho igual
a zero dB, enquanto que uma antena com maior diretividade tem ganho maior que
zero. A defini¸ c˜ao de ganho ´e dada por
G(θ, ϕ) =
4πU(θ, ϕ)
P
in
(8.33)
em que P
in
´e a potˆencia nos terminais da antena. Como a potˆencia radiada ´e
P
rad
= e
t
P
in
(8.34)
ent˜ao
G(θ, ϕ) = e
t
4πU(θ, ϕ)
P
rad
= e
t
D
g
(θ, ϕ) (8.35)
sendo e
t
chamada de eficiˆencia da antena. O ganho m´ aximo da antena ´e obtido
quando o ganho diretivo ´e igual ` a diretividade, isto ´e,
G
o
= e
t
4πU
max
P
rad
= e
t
D
o
(8.36)
Em geral, o ganho m´ aximo de uma antena ´e fornecido em dBi (ganho em rela¸ c˜ao a
uma antena isotr´ opica),
G
o
(dBi) = 10 log G
o
(8.37)
Considerando-se que as perdas de um dipolo de meio comprimento de onda s˜ ao
desprez´ıveis, pode-se determinar o ganho desta antena como segue:
165 8.10. Rela¸ c˜ao Frente-Costas
G
o
= 10 log(D
o
) = 10 log(1, 643) · 2, 156 dBi (8.38)
Alguns fabricantes fornecem os ganhos de suas antenas em rela¸ c˜ao ao dipolo, neste
caso, pode-se obter o valor em dBi a partir de
G
o
(dBi) = G
o
(dBd) + 2, 156 (8.39)
sendo G
o
(dBd) o ganho da antena em rela¸ c˜ao a um dipolo de meio comprimento de
onda.
8.10 Rela¸ c˜ao Frente-Costas
Este parˆ ametro ´e uma medida utilizada para avaliar o quanto de potˆencia ´e perdida
na dire¸ c˜ao oposta ` a dire¸ c˜ao de m´ axima radia¸ c˜ao. A rela¸ c˜ao frente-costas de uma
antena pode ser obtida a partir de
R
fc
(dB) = G(θ
f
, ϕ
f
) −G(θ
c
, ϕ
c
) = G
f
−G
c
(8.40)
onde θ
c
= θ
f
+180

, ϕ
c
= ϕ
f
+180

e G
f
= G
o
´e o ganho m´ aximo, obtido geralmente
onde se considera a frente da antena. G
c
´e o ganho medido na dire¸ c˜ao oposta, ou
nas “costas” da antena. Todos os ganhos devem ser fornecidos em decib´eis.
8.11 Feixe de Meia-Potˆencia
O feixe de meia-potˆencia pode ser obtido a partir da express˜ ao de intensidade de ra-
dia¸ c˜ao ou diretamente dos diagramas de radia¸ c˜ao. Seu valor ´e fornecido em radianos
ou em graus, sendo que a medi¸ c˜ao ´e feita entre as dire¸ c˜oes onde U, e conseq¨ uente-
mente a potˆencia radiada, cai para a metade do seu valor m´ aximo. Nos diagramas de
radia¸ c˜ao, estas dire¸ c˜oes correspondem aos pontos de -3dB. Tomando-se como exem-
plo o dipolo de meio comprimento de onda, pode-se obter o feixe de meia-potˆencia
identificando-se os pontos de -3dB no diagrama mostrado na Figura 8.7. Neste caso,
tem-se meia-potˆencia em torno de 52

, -52

, 128

e -128

. Portanto, existem dois
feixes de meia-potˆencia de 76

de largura, um a 90

e outro a -90

.
Para antenas que possuem l´ obulos secund´arios desprez´ıveis, pode-se obter a di-
retividade das mesmas a partir das larguras dos feixes de meia-potˆencia nos planos
E e H, isto ´e,
D
o
·

Θ
E
Θ
H
(8.41)
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 166
I
g
V
g
Z
g
Z
a
Figura 8.11: Circuito equivalente de uma antena ligada diretamente a um gerador.
sendo Θ
E
e Θ
H
, respectivamente, as larguras dos feixes de meia-potˆencia nos planos
E e H. Estes valores devem ser fornecidos em radianos.
8.12 Impedˆancia de Entrada e Potˆencia Radiada
O circuito equivalente a uma antena, no modo de transmiss˜ ao, ligada diretamente
a um gerador de RF, ´e mostrado na Figura 8.11. A impedˆ ancia do gerador ´e rep-
resentada por Z
g
= R
g
+ jX
g
e a impedˆ ancia “vista” nos terminais de entrada da
antena por Z
a
= R
a
+ jX
a
. A resistˆencia R
a
consiste de uma parcela associada ` a
radia¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas, denominada aqui como R
r
, e uma outra parcela
associada ` as perdas na antena, R
L
. Portanto, R
a
= R
r
+ R
L
.
Se a tens˜ao no gerador ´e V
g
= V
max
e
jωt
, ent˜ ao, a potˆencia m´edia produzida pelo
mesmo ´e dada por
P
g
=
1
2
Re
_
V
g
I

g
_
=
1
2
V
max
I
max
cos φ (8.42)
onde φ ´e a diferen¸ca de fase entre a tens˜ ao e a corrente, e cos φ o fator de potˆencia.
Como a corrente m´ axima no circuito ´e dada por
I
max
=
¸
¸
¸
¸
V
max
Z
g
+ Z
a
¸
¸
¸
¸
=
V
max
_
(R
g
+ R
r
+ R
L
)
2
+ (X
g
+ X
a
)
2
(8.43)
ent˜ao, a potˆencia perdida na antena pode ser obtida de
P
L
=
1
2
R
L
I
2
max
=
V
2
max
2
R
L
(R
g
+ R
r
+ R
L
)
2
+ (X
g
+ X
a
)
2
(8.44)
e a potˆencia radiada por
167 8.13. Eficiˆencia de uma Antena
P
rad
=
1
2
R
r
I
2
max
=
V
2
max
2
R
r
(R
g
+ R
r
+ R
L
)
2
+ (X
g
+ X
a
)
2
(8.45)
Para se obter a m´ axima energia entregue ` a antena, o circuito tem que estar
casado, isto ´e, Z
g
= Z

a
. Nesta condi¸ c˜ao, R
g
= R
r
+ R
L
, X
g
= −X
a
e as potˆencias
P
g
, P
L
e P
rad
s˜ao fornecidas respectivamente por
P
g
=
V
2
max
4
1
R
r
+ R
L
(8.46)
P
L
=
V
2
max
8
R
L
(R
r
+ R
L
)
2
(8.47)
e
P
rad
=
V
2
max
8
R
r
(R
r
+ R
L
)
2
(8.48)
Observa-se que, na condi¸ c˜ao de casamento, apenas a metade da potˆencia produzida
pelo gerador ´e fornecida ` a antena e que, na melhor das hip´ oteses (P
L
= 0), a potˆencia
radiada ´e igual a metade da potˆencia suprida.
8.13 Eficiˆencia de uma Antena
Uma antena tem 100% de eficiˆencia quando n˜ ao existem perdas ˆ ohmicas na sua es-
trutura e descasamento do sistema radiante linha-antena. Caso contr´ ario, as perdas
podem ser contabilizadas a partir dos seguintes parˆ ametros de eficiˆencia:
e
r
= 1 −[ρ[
2
(8.49)
e
e
L
=
R
r
R
r
+ R
L
(8.50)
sendo e
r
denominado eficiˆencia de casamento, e
L
a eficiˆencia associada ` as perdas na
pr´ opria antena e ρ o coeficiente de reflex˜ao nos terminais da antena. A resistˆencia
R
r
´e chamada de resistˆencia de radia¸ c˜ao e varia de acordo com o tipo de antena.
Enquanto R
L
, no caso de antenas lineares, ´e fornecida por
R
L
=
l
P
_
πfµ
o
σ
(8.51)
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 168
sendo l o comprimento da haste ou fio condutor e P o per´ımetro da se¸ c˜ao transver-
sal do condutor. Esta express˜ ao pode ser obtida a partir dos campos el´etrico e
magn´eticos dentro da haste condutora e de
E = η
c
H (8.52)
sendo η
c
a impedˆ ancia intr´ınsica do condutor, dada por (2.44). Se a haste for
cil´ındrica com raio a e comprimento l, tem-se, pela lei de Amp`ere, H = I/(2πa).
Por outro lado, sabe-se que E = V l. Portanto, pode-se escrever
V
l
=
I
2πa
(1 + j)
_
ωµ
o

(8.53)
ou
Z
L
=
V
I
=
l
2πa
(1 + j)
_
ωµ
o

(8.54)
onde
R
L
= Re¦Z
L
¦ =
l
2πa
_
ωµ
o

=
l
P
_
πfµ
o
σ
(8.55)
A eficiˆencia total da antena ´e obtida de
e
t
= e
r
e
L
(8.56)
onde 0 e
t
1.
Exemplo 8.2 Calcule a eficiˆencia total de uma antena dipolo de meio comprimento
de onda operando em 300MHz. A antena, feita de tubos de alum´ınio com 1cm de
diˆ ametro, est´ a casada com o sistema de transmiss˜ ao.
Solu¸ c˜ao: Se o sistema irradiante est´ a casado, ent˜ ao ρ = 0 e e
t
= e
L
. Sendo assim,
´e necess´ario determinar apenas os valores de R
r
e R
L
. A resistˆencia associada ` as
perdas ´e obtida de (8.51), isto ´e,
R
L
=
l
P
_
πfµ
o
σ
=
5
π 10
−2
¸
π 3 10
8
4π 10
−7
3, 4 10
7
· 0, 094 Ω
O valor da resistˆencia de radia¸ c˜ao, como ser´ a visto no pr´ oximo cap´ıtulo, ´e fornecido
por
169 8.14.
´
Area El´etrica e Comprimento El´etrico
R
r
=
2 P
rad
I
2
o
· 73, 13 Ω
sendo a potˆencia de radia¸ c˜ao obtida de (8.23). Por fim, a eficiˆencia do dipolo em
considera¸c˜ao ´e
e
t
= e
L
=
73, 13
73, 13 + 0, 094
· 99, 87 %
8.14
´
Area El´etrica e Comprimento El´etrico
Para se calcular a potˆencia nos terminais de uma antena que opera no modo de
recep¸c˜ao, ´e necess´ario multiplicar a ´ area da antena pelo m´ odulo do vetor de Poynting
incidente, isto ´e,
P
rx
= W
i
A
e
(8.57)
Se a antena estiver ligada a um sistema cuja impedˆ ancia Z
s
= R
s
+ jX
s
, ent˜ao, a
´area A
e
pode ser obtida de
A
e
=
P
rx
W
i
=
V
2
max
2W
i
R
s
(R
s
+ R
r
+ R
L
)
2
+ (X
s
+ X
a
)
2
(8.58)
onde V
max
´e a tens˜ao m´ axima gerada pela antena e A
e
´e a ´ area el´etrica ou abertura
efetiva. Na condi¸ c˜ao de casamento, Z
s
= Z

a
, obt´em-se
A
e
=
V
2
max
8W
i
R
a
=
V
2
max
8W
i
1
R
r
+ R
L
(8.59)
Se as perdas forem nulas, a ´ area el´etrica ´e m´axima,
A
em
=
V
2
max
8W
i
R
r
(8.60)
Por exemplo, a ´ area efetiva m´ axima de um dipolo infinitesimal de comprimento
el´etrico l
e
´e dada por
A
em
=
E
2
o
l
2
e
8W
i
R
r
=
ηl
2
e
4R
r
(8.61)
pois V
max
= E
o
l
e
e W
i
=
E
2
o

. A resistˆencia de radia¸ c˜ao pode ser determinada a
partir das equa¸ c˜oes (8.28), (8.29) e (8.45), ou seja,
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 170
R
r
=
2 P
rad
I
2
o
=
8πU
max
I
2
o
D
o
=
η k
2
l
2
e
4πD
o
(8.62)
Substituindo-se (8.62) em (8.61), tem-se
A
em
=
πD
o
k
2
=
λ
2

D
o
(8.63)
Apesar da express˜ ao acima ter sido obtida para um dipolo infinitesimal, ela ´e
v´ alida para qualquer tipo de antena. Portanto, pode-se concluir que a ´ area el´etrica
m´ axima ´e inversamente proporcional ao quadrado da freq¨ uˆencia e diretamente pro-
porcional ` a diretividade da antena.
A ´area el´etrica ´e obtida tamb´em a partir do ganho m´ aximo da antena, isto ´e,
A
e
=
λ
2

G
o
(8.64)
Neste caso, a ´ area n˜ ao ´e m´axima, a menos que a eficiˆencia seja 100% (G
o
= D
o
).
Outro parˆ ametro importante ´e o comprimento el´etrico. Este ´e muito empregado
na an´ alise de antenas do tipo dipolo, em casos onde se necessita obter a tens˜ ao nos
seus terminais. A express˜ao do comprimento el´etrico ´e obtida a partir da equa¸ c˜oes
(8.64) e (8.61). De (8.61) obt´em-se a ´area el´etrica em fun¸ c˜ao da resistˆencia da
antena, ou seja,
A
e
=
ηl
2
e
4R
a
(8.65)
Substituindo (8.65) em (8.64), tem-se
ηl
2
e
4R
a
=
λ
2

G
o
(8.66)
e, conseq¨ uentemente,
l
e
=
λ
π
_
R
a
G
o
120
(8.67)
Exemplo 8.3 Considere um enlace de r´ adio constitu´ıdo de dois dipolos idˆenticos
`aquele do Exemplo 8.2 . Qual deve ser o comprimento el´etrico da antena receptora?
Solu¸ c˜ao: Como foi visto, o comprimento el´etrico ´e fornecido pela equa¸ c˜ao (8.67)
onde, neste caso, R
a
= R
r
+ R
L
· 73, 22 Ω e G
o
= e
t
D
o
= 0, 9987 1, 64 · 1, 639.
Portanto,
l
e
=
1
π
_
73, 22 1, 639
120
= 0, 318 m
171 8.15. Largura de Banda
8.15 Largura de Banda
A banda de uma antena ´e a faixa de freq¨ uˆencia onde as principais caracter´ısticas da
mesma n˜ ao se alteram. Na pr´ atica, alguma varia¸ c˜ao ´e tolerada, como por exemplo
no que se refere a impedˆ ancia de entrada. A conseq¨ uˆencia direta da varia¸ c˜ao de
impedˆancia ´e o surgimento de ondas refletidas na linha de alimenta¸ c˜ao, o que leva ao
aumento do coeficiente de onda estacion´ aria nos terminais de sa´ıda do transmissor.
Em algumas aplica¸ c˜oes, a largura de banda de uma antena pode ser medida a partir
das freq¨ uˆencias onde o VSWR tem valor igual a 1,5. Para bandas estreitas, a largura
´e dada em percentagem, ou seja,
B =
∆f
f
100 % (8.68)
sendo ∆f = f
s
− f
i
, f =
f
s
+f
i
2
, f
s
a freq¨ uˆencia superior da banda e f
i
a freq¨ uˆencia
inferior. Enquanto, para bandas largas, utiliza-se a nota¸ c˜ao x:y, como por exemplo
5:1, que indica que a freq¨ uˆencia superior ´e 5 vezes maior que a inferior.
A Figura 8.12 mostra a varia¸ c˜ao da impedˆ ancia com a freq¨ uˆencia para um dipolo
de meio comprimento de onda. A faixa de varia¸ c˜ao ´e de 10%, a impedˆ ancia de re-
ferˆencia ´e 75Ω, a circunferˆencia tra¸ cada a partir do centro da carta de Smith equivale
a um VSWR de 1,5 e o ponto marcado ´e referente a impedˆancia na freq¨ uˆencia f =
c
λ
,
isto ´e, 73+j42. Neste caso, todas as impedˆ ancias internas ` a circunferˆencia fornecem
um VSWR menor que 1,5 e a faixa de freq¨ uˆencia que leva a estas impedˆ ancias cor-
responde a banda da antena, supondo-se que n˜ ao existam grandes mudan¸ cas nas
outras caracter´ısticas da antena.
8.16 Polariza¸ c˜ao
A polariza¸ c˜ao de uma onda eletromagn´etica est´ a associada com a dire¸ c˜ao do campo
el´etrico da mesma. Por exemplo, uma onda est´ a polarizada linearmente na vertical
quando a dire¸ c˜ao do campo el´etrico ´e vertical em rela¸ c˜ao ` a Terra. As ondas eletro-
magn´eticas podem ser classificadas de acordo com a polariza¸ c˜ao em trˆes grupos
distintos: ondas linearmente polarizadas, circularmente polarizadas e elipticamente
polarizadas.
Considerando-se que uma onda plana se propaga no sentido z
+
e tem campo
el´etrico da forma
E = E
x
a
x
+ E
y
a
y
(8.69)
em que
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 172
Z
in
=73+j42
VSWR= 1,5
Figura 8.12: Varia¸ c˜ao da impedˆ ancia de entrada com a freq¨ uˆencia para um dipolo
de meio comprimento de onda.
E
x
= E
1
sen(ωt −kz) (8.70)
e
E
y
= E
2
sen(ωt −kz + δ) (8.71)
pode-se dizer que a onda est´a polarizada linearmente quando a defasagem entre as
componentes tem valor δ = 0 ou π. Se o eixo x est´a paralelo ` a Terra e o y na verti-
cal, ent˜ ao, tem-se polariza¸ c˜ao linear horizontal quando E
2
= 0 e polariza¸ c˜ao linear
vertical para E
1
= 0. Se E
1
,= 0 e E
2
,= 0, para mesma condi¸ c˜ao de defasagem, ent˜ ao
a polariza¸ c˜ao ´e dita linear a X

onde X = arctg(E
2
/E
1
). A onda est´ a circularmente
polarizada quando δ = ±π/2 e E
1
= E
2
. No exemplo dado, a onda tem polariza¸ c˜ao
circular para a esquerda se δ = π/2, e para a direita se δ = −π/2. Finalmente, a
onda tem polariza¸ c˜ao el´ıptica quando nenhuma das condi¸ c˜oes acima ´e satisfeita.
A polariza¸ c˜ao de uma antena ´e definida de acordo com a polariza¸ c˜ao da onda ra-
diada por esta, se a mesma est´ a sendo usada no modo de transmiss˜ ao. Por exemplo,
se uma antena radia onda circularmente polarizada para a direita, ela ´e uma antena
173 8.17. Temperatura de Ru´ıdo
de polariza¸ c˜ao circular para a direita. Pode-se tamb´em verificar a polariza¸ c˜ao de
uma antena a partir da potˆencia de recep¸c˜ao nos terminais da mesma quando esta
opera no modo de recep¸ c˜ao. A polariza¸ c˜ao da antena vai ser igual ` a polariza¸ c˜ao da
onda incidente que produzir o maior n´ıvel de potˆencia nos seus terminais.
Se a antena n˜ ao estiver exatamente na mesma polariza¸ c˜ao da onda incidente,
o aproveitamento da potˆencia n˜ ao ´e maximizado. Esta perda, devida ao n˜ ao al-
inhamento correto entre a antena e o campo el´etrico da onda incidente, pode ser
quantificada a partir de
α
pol
= [a
o
a

a
[
2
(8.72)
ou em decib´eis
α
pol
(dB) = −10 log α
pol
= −20 log [a
o
a

a
[ (8.73)
onde a
o
´e o versor que fornece a dire¸ c˜ao do campo el´etrico da onda incidente, e a

a
o complexo conjugado do versor associado ` a dire¸ c˜ao do campo el´etrico induzido na
antena.
8.17 Temperatura de Ru´ıdo
Sabe-se que, todo corpo a uma temperatura acima de zero absoluto radia energia.
Esta energia est´ a associada a uma temperatura equivalente dada por
T
e
= ε(θ, ϕ)T (8.74)
onde ε ´e denominada emissividade do corpo e T a temperatura das mol´eculas (em
K) que constituem o mesmo. A temperatura equivalente de ru´ıdo de uma antena
depende da dire¸ c˜ao para onde ela est´ a sendo apontada e seu valor pode ser obtido
a partir de
T
a
=

_
0
π
_
0
T
e
(θ, ϕ)G(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ

_
0
π
_
0
G(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ
(8.75)
sendo G(θ, ϕ) o ganho da antena.
A potˆencia dispon´ıvel de ru´ıdo nos terminais da antena ´e dada por
P
a
= kT
a
B (8.76)
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 174
T
s
=T
c
+T
r
T
c
T
a
T
o
T
e
l
Figura 8.13: Sistema de recep¸ c˜ao constitu´ıdo de antena, linha de transmiss˜ ao e
receptor.
sendo k = 1, 38 10
−23
J/K a constante de Boltzman e B a largura de banda. O
ru´ıdo nos terminais da antena pode tamb´em ser quantificado a partir de um fator
denominado Figura de Ru´ıdo. A figura de ru´ıdo est´ a relacionada com a temperatura
de ru´ıdo atrav´es da equa¸ c˜ao
F =
T
a
T
+ 1 (8.77)
onde T
a
´e a temperatura equivalente de ru´ıdo nos terminais da antena e T ´e a
temperatura ambiente padr˜ ao, 290K.
Para um sistema de recep¸ c˜ao constitu´ıdo de antena, linha de transmiss˜ ao e re-
ceptor, como mostrado na Figura 8.13, a potˆencia de ru´ıdo do sistema ´e dada por
P
s
= kT
s
B (8.78)
T
s
= T
c
+ T
r
(8.79)
sendo
T
c
= T
a
e
−2αl
+ T
o
(1 −e
−2αl
) (8.80)
α a atenua¸ c˜ao no cabo, l o seu comprimento e T
o
sua temperatura.
Exemplo 8.4 Um sistema de recep¸ c˜ao via sat´elite, que opera em 1GHz, utiliza uma
antena parab´ olica com temperatura de ru´ıdo igual a 40K. O receptor est´ a ligado ` a
antena atrav´es de um cabo coaxial de 20m. Qual deve ser a figura de ru´ıdo do
sistema? Caracter´ısticas do sistema: cabo RG6, faixa de opera¸ c˜ ao 50MHz e figura
de ru´ıdo do receptor 1dB.
175 8.17. Temperatura de Ru´ıdo
Solu¸ c˜ao: O cabo coaxial RG6 possui, em 1GHz, um fator de atenua¸ c˜ao de 0,31dB/m,
logo α = α
dB
/8, 686 = 0, 0357 e
T
c
= 40 e
−1,43
+ 295 (1 −e
−1,43
) · 234 K
onde a temperatura do cabo foi considerada igual a 22

C (295K). Como a temper-
atura equivalente de ru´ıdo do receptor ´e dada por
T
r
= T (F −1) = 290(10
1/10
−1) · 75 K
ent˜ao, a figura de ru´ıdo do sistema ´e
F =
T
c
+ T
r
T
+ 1 =
234 + 75
290
+ 1 · 2, 07 (3,16dB)
Este valor poderia ser menor se fosse utilizado um cabo coaxial de menor atenua¸ c˜ao
como, por exemplo, RG213.
CAP´ıTULO 8. Caracter´ısticas de uma Antena 176
Cap´ıtulo 9
Antenas Lineares
9.1 Introdu¸ c˜ao
As antenas lineares, como foi dito anteriormente, s˜ ao constitu´ıdas na sua maioria de
fios ou hastes met´ alicas que podem ser agrupados para formar, dentre outras estru-
turas, dipolos ou conjunto de dipolos. Neste cap´ıtulo ser˜ ao mostradas as principais
caracter´ısticas de antenas lineares do tipo dipolo, monopolo com plano terra e dipo-
los dobrados. As caracter´ısticas de conjunto de dipolos, como Yagi e Log-Peri´ odica,
ser˜ao analisadas com mais detalhes nos cap´ıtulos que se seguem. Entretanto, o es-
tudo da varia¸ c˜ao da impedˆ ancia de um dipolo, quando este se encontra pr´ oximo de
um outro elemento linear, ser´ a visto na pen´ ultima se¸ c˜ao deste cap´ıtulo. Dipolos com
se¸c˜ao transversal cujo diˆ ametro ´e relativamente grande, quando comparado com o
comprimento de onda, ser˜ ao abordados na ´ ultima se¸ c˜ao.
9.2 Caracter´ısticas de um Dipolo de Comprimento
Finito
Os dipolos finos s˜ ao as estruturas lineares mais simples de serem analisadas. Al-
gumas das suas caracter´ısticas j´ a foram vistas no cap´ıtulo anterior e outras ainda
n˜ao foram detalhadas. Nesta se¸ c˜ao ´e apresentada uma s´ıntese dos parˆ ametros que j´ a
foram vistos, assim como a an´ alise daqueles que n˜ ao foram detalhados anteriormente.
9.2.1 Campos Distantes
As express˜oes dos campos distantes de um dipolo fino de comprimento finito s˜ ao
apresentadas mais uma vez a seguir. O campo el´etrico ´e dado por
177
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 178
E
θ
=
jηI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
(9.1)
e o magn´etico por
H
ϕ
=
E
θ
η
=
jI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
(9.2)
observando-se que os campos n˜ ao tˆem dependˆencia em r e ϕ.
9.2.2 Intensidade de Radia¸ c˜ao
A intensidade de radia¸ c˜ao de um dipolo ´e dada por
U(θ, ϕ) = Af(θ, ϕ) (9.3)
sendo
A =
η [I
o
[
2

2
(9.4)
e
f(θ, ϕ) =
¸
¸
¸
¸
¸
cos
_
k l
2
cos θ
_
−cos
_
k l
2
_
sen θ
¸
¸
¸
¸
¸
2
9.2.3 Diagrama de Radia¸ c˜ao
A Figura 9.1 mostra os diagramas de radia¸ c˜ao no plano E para dipolos com com-
primento menor ou igual a λ. Observa-se que a largura de feixe de meia-potˆencia
diminui com o aumento do comprimento do dipolo. Enquanto que a Figura 9.2
apresenta os diagramas para dipolos com comprimento igual ou maior que λ. Neste
caso, verifica-se que o n´ umero de l´ obulos aumenta com o comprimento.
9.2.4 Potˆencia Radiada
A potˆencia radiada por um dipolo pode ser obtida a partir de
P
rad
=
η [I
o
[
2

K
r
(9.5)
sendo
179 9.2. Caracter´ısticas de um Dipolo de Comprimento Finito
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 9.1: Diagrama, no plano E, da intensidade de campo el´etrico para dipolos
com comprimento: λ/8 (curva pontilhada), λ/2 (curva s´ olida) e λ (curva tracejada).
K
r
= 0, 5772 + ln(kl) −Ci(kl) +
1
2
sen(kl)[Si(2kl) −2 Si(kl)]
+
1
2
cos(kl)[C + ln
_
kl
2
_
+ Ci(2kl) −2 Ci(kl)]
(9.6)
lembrando-se que C = 0, 5772, Ci e Si s˜ ao as integrais fornecidas pelas equa¸ c˜oes
(8.24) e (8.25).
9.2.5 Diretividade e Ganho
A diretividade de um dipolo pode ser calculada utilizando-se a equa¸ c˜ao (8.28) ou
ent˜ao atrav´es de
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 180
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 9.2: Diagrama, no plano E, da intensidade de campo el´etrico para dipolos
com comprimento: 1.5λ (curva pontilhada), λ (curva s´ olida) e 2λ (curva tracejada).
D
o
=
4π f(θ, ϕ) [
max

_
0
π
_
0
f(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ
(9.7)
ou a partir de
D
o
=
4πU
max
P
rad
=
2 f(θ, ϕ) [
max
K
r
(9.8)
sendo que o ganho ´e fornecido por
181 9.2. Caracter´ısticas de um Dipolo de Comprimento Finito
G
o
=
2 e
t
f(θ, ϕ) [
max
K
r
(9.9)
onde e
t
´e a eficiˆencia da antena, obtida de (8.56).
9.2.6 Impedˆancia de Entrada
A impedˆancia de um dipolo fino depende da freq¨ uˆencia de excita¸ c˜ao e do com-
primento do mesmo. Seu valor ´e dado por Z
a
(f, l) = R
a
(f, l) + jX
a
(f, l) onde
R
a
= R
r
+ R
L
´e a resistˆencia total de entrada e X
a
a reatˆ ancia. Como foi visto
no Cap´ıtulo 8, a resistˆencia R
r
se refere `a radia¸ c˜ao e R
L
`as perdas nas hastes ou
fios. R
L
´e fornecida por (8.51), enquanto R
r
pode ser obtida a partir da potˆencia
radiada, ou seja,
R
r
=
2 P
rad
I
2
o
=
η

K
r
(9.10)
´
E bom lembrar que I
o
se refere `a distribui¸ c˜ao de corrente no dipolo e n˜ ao ` a corrente
de alimenta¸ c˜ao do mesmo. Portanto, a potˆencia associada ` a parte resistiva da antena
´e dada por
P
res
=
1
2
R
in
I
2
max
(9.11)
onde I
max
´e o valor m´ aximo da corrente de entrada da antena. No caso onde n˜ ao
existem perdas, tˆem-se P
res
= P
rad
e
R
in
= R
r
I
2
o
I
2
max
(9.12)
Para um dipolo de meio comprimento, a corrente distribu´ıda ao longo de seu
comprimento tem valor m´ aximo no ponto de alimenta¸ c˜ao, portanto, a amplitude da
corrente de entrada I
max
= I
o
. Sendo assim, R
in
= R
r
. Entretanto, para outros
comprimentos, o m´ aximo pode n˜ ao ocorrer no ponto de alimenta¸ c˜ao, como ´e o caso
do dipolo de um comprimento de onda. De uma forma geral, a amplitude da corrente
de entrada no dipolo pode ser obtida de
I
max
= I
o
sen
_
kl
2
_
(9.13)
e a resistˆencia de entrada por
R
in
=
R
r
sen
2
_
kl
2
_ (9.14)
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 182
A reatˆ ancia de entrada de um dipolo segue a mesma regra, isto ´e,
X
in
=
X
a
sen
2
_
kl
2
_ (9.15)
onde o valor da reatˆ ancia X
a
´e obtido utilizando-se o m´etodo da for¸ ca eletromotriz
induzida [2]. A express˜ao da reatˆ ancia ´e
X
a
=
η

K
x
(9.16)
sendo
K
x
= 2 Si(kl) + cos(kl)[2 Si(kl) −Si(2kl)]
− sen(kl)[2 Ci(kl) −Ci(2kl) −Ci
_
2ka
2
l
_
]
(9.17)
Portanto, a impedˆ ancia de entrada para um dipolo finito, desprezando-se as perdas
nos condutores, ´e
Z
in
= R
in
+ jX
in
(9.18)
Exemplo 9.1 Determine a impedˆ ancia de entrada de um dipolo de meio compri-
mento projetado para operar em 100MHz. Qual o valor desta impedˆ ancia para o
dobro desta freq¨ uˆencia? O dipolo ´e feito de tubos de alum´ınio de 1cm de diˆ ametro.
Solu¸ c˜ao: A impedˆancia para um dipolo de λ/2 ´e fornecida por
Z
in
=
R
r
+ jX
a
sen
2
_
kl
2
_ = R
r
+ j X
a
=
η

(2 K
r
+ j K
x
)
pois kl/2 = π/2. Utilizando-se as equa¸ c˜oes (9.6) e (9.17), para um raio a = 0, 005 m,
obt´em-se, respectivamente, os valores de K
r
= 1, 2188 e K
x
= 1, 4182. Portanto,
Z
in
= 30 (2K
r
+ j K
x
) · 73, 13 +j 42, 54 Ω
Quando a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao passa de 100 para 200MHz, o comprimento
da onda que excita o dipolo passa de 1,5m para 75cm. Sendo assim, nesta nova
freq¨ uˆencia, o dipolo projetado para ter λ/2 em 100MHz tem agora comprimento
l = λ. Substituindo este valor nas equa¸ c˜oes (9.14) e (9.15) obt´em-se Z
in
→∞, pois
kl/2 = π.
183 9.3. Impedˆ ancia M´ utua entre Elementos Lineares
l
d
(a)
I
1
I
2
V
2
V
1
(b)
Figura 9.3: (a) Arranjo de dois dipolos; (b) quadripolo equivalente.
9.3 Impedˆancia M´ utua entre Elementos Lineares
Considere o arranjo de dipolos mostrado na Figura 9.3a. Este arranjo pode ser
considerado como um dispositivo de duas portas (Figura 9.3b) onde as impedˆ ancias
nos terminais das portas s˜ ao obtidas resolvendo-se o sistema de equa¸ c˜oes a seguir:
V
1
= Z
11
I
1
+ Z
12
I
2
(9.19)
e
V
2
= Z
21
I
1
+ Z
22
I
2
(9.20)
A impedˆancia “vista” nos terminais da porta 1, equivalente a impedˆ ancia de
entrada do dipolo 1, ´e dada por
Z
1
=
V
1
I
1
= Z
11
+ Z
12
I
2
I
1
(9.21)
e na porta 2, terminais do dipolo 2,
Z
2
=
V
2
I
2
= Z
22
+ Z
21
I
1
I
2
(9.22)
onde Z
11
e Z
22
s˜ao as impedˆ ancias pr´ oprias obtidas diretamente de (9.18).
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 184
9.3.1 Campos Pr´ oximos para um Dipolo Finito
Para se calcular as impedˆ ancias pr´ oprias e m´ utuas do arranjo de dipolos, mostrado
na Figura 9.3a, ´e necess´ario se saber as express˜ oes dos campos pr´ oximos radiados por
estes, uma vez que as distˆancias consideradas s˜ ao relativamente curtas. Sendo assim,
utilizando-se o procedimento apresentado no Cap´ıtulo 7, que envolve as express˜ oes
(7.4), (7.5) e (7.7), e levando-se em considera¸ c˜ao que a distribui¸ c˜ao de corrente ´e
expressa por (8.1), tˆem-se
H
ϕ
=
jI
o
4πρ
_
e
−jkR
1
+ e
−jkR
2
−2 cos
_
kl
2
_
e
−jkr
_
(9.23)
e
E =
1
jωε
o
∇H (9.24)
ou
E
ρ
=
j
ωε
o
∂H
ϕ
∂z
=
jηI
o
4πρ
__
z −
l
2
_
e
−jkR
1
R
1
+
_
z +
l
2
_
e
−jkR
2
R
2
−2 z cos
_
kl
2
_
e
−jkr
r
_
(9.25)
e
E
z
=
1
jωρε
o

∂ρ
(ρH
ϕ
) = −
jI
o
4πρ
_
e
−jkR
1
R
1
+
e
−jkR
2
R
2
−2 cos
_
kl
2
_
e
−jkr
r
_
(9.26)
Devido ` a proximidade dos dipolos adotou-se o sistema de coordenadas cil´ındricas,
uma vez que as frentes de ondas s˜ao praticamente cil´ındricas. As vari´ aveis ρ, r, R
1
e R
2
s˜ao dadas por
ρ =
_
x
2
+ y
2
(9.27)
r =
_
ρ
2
+ z
2
(9.28)
R
1
=
¸
ρ
2
+
_
z −
l
2
_
2
(9.29)
e
R
2
=
¸
ρ
2
+
_
z +
l
2
_
2
(9.30)
185 9.3. Impedˆ ancia M´ utua entre Elementos Lineares
9.3.2 Impedˆancia para Elementos Paralelos
Para se obter as impedˆ ancias nos terminais de dois dipolos posicionados lado a
lado, como mostrado na Figura 9.4a, ´e necess´ario se obter primeiro as impedˆ ancias
m´ utuas Z
12
e Z
21
. Tomando-se como exemplo o c´ alculo de Z
21
e considerando-se
que a tens˜ ao induzida pela onda gerada pelo dipolo 1, nos terminais do dipolo 2, ´e
dada por
l
2
d
(a)
l
1
l
2
(b)
l
1
h
Figura 9.4: (a) Elementos paralelos; (b) elementos colineares.
V
2
= −
1
I
2
l
2
2
_
−l
2
2
E
z1
(z) I
2
(z) dz (9.31)
ent˜ao, tem-se
Z
21
=
V
2
I
1
(9.32)
onde I
2
(z) ´e dado pela equa¸ c˜ao (8.1) e E
z1
(z) por (9.26). Sendo assim, substituindo-
se (9.31), (8.1) e (9.26) em (9.32), obt´em-se
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 186
Z
21
=
jηI
o1
I
o2
4πI
1
I
2
l
2
2
_
−l
2
2
sen
_
k
_
l
2
2
−[ z[
__

_
e
−jkR
1
R
1
+
e
−jkR
2
R
2
−2 cos
_
kl
1
2
_
e
−jkr
r
_
dz (9.33)
Como
I
1
= I
o1
sen
_
kl
1
2
_
(9.34)
e
I
2
= I
o2
sen
_
kl
2
2
_
(9.35)
ent˜ao
Z
21
=
j30
sen
_
kl
1
2
_
sen
_
kl
2
2
_
l
2
2
_
−l
2
2
sen
_
k
_
l
2
2
−[ z[
__

_
e
−jkR
1
R
1
+
e
−jkR
2
R
2
−2 cos
_
kl
1
2
_
e
−jkr
r
_
dz (9.36)
De maneira semelhante pode se obter
Z
12
=
j30
sen
_
kl
1
2
_
sen
_
kl
2
2
_
l
1
2
_
−l
1
2
sen
_
k
_
l
1
2
−[ z[
__

_
e
−jkR
1
R
1
+
e
−jkR
2
R
2
−2 cos
_
kl
2
2
_
e
−jkr
r
_
dz (9.37)
As impedˆancias dos dipolos s˜ ao obtidas resolvendo-se o sistema de equa¸ c˜oes (9.19)
e (9.20) para determinar I
1
e I
2
. Para tanto ´e necess´ario saber os valores das tens˜ oes
V
1
e V
2
.
No caso de dois dipolos de comprimentos iguais, tem-se
187 9.3. Impedˆ ancia M´ utua entre Elementos Lineares
Z
12
= Z
21
= R
21
+ jX
21
(9.38)
onde
R
21
=
30
sen
2
_
kl
2
_
_
2 Ci(kd) −Ci(k

d
2
+ l
2
+ kl) −Ci(k

d
2
+ l
2
−kl)
_
(9.39)
e
X
21
=
30
sen
2
_
kl
2
_
_
2 Si(kd) −Si(k

d
2
+ l
2
+ kl) −Si(k

d
2
+ l
2
−kl)
_
(9.40)
Neste caso, Z
11
= Z
22
e I
1
= I
2
, portanto,
Z
1
= Z
2
= Z
11
+ Z
12
= Z
22
+ Z
21
(9.41)
Exemplo 9.2 Dois dipolos idˆenticos ` aquele do exemplo anterior, operando na mesma
freq¨ uˆencia de 100MHz, est˜ ao posicionados paralelamente a uma distˆ ancia de 1m.
Determine a impedˆ ancia nos terminas dos mesmos.
Solu¸ c˜ao: Devido ` a simetria do problema, as impedˆ ancias de entrada dos dipolos s˜ ao
iguais. Seus valores s˜ ao fornecidos pela equa¸ c˜ao (9.41). As impedˆ ancias pr´ oprias s˜ ao
obtidas de (9.18), ou seja, Z
11
= Z
22
· 73, 13 + j 42, 54. Enquanto as impedˆ ancias
m´ utuas s˜ ao dadas por (9.36) e (9.37). Sendo assim,
Z
1
= Z
2
= 73, 13 + j 42, 54 + 21, 4 −j36, 76 = 94, 53 +j5, 78 Ω
9.3.3 Impedˆancia para Elementos Colineares
Para dois dipolos dispostos lado a lado sobre um mesmo eixo, como mostrado na
Figura 9.4b, tem-se r = z em (9.36) e (9.37), isto ´e,
Z
21
=
j60
sen
_
kl
1
2
_
sen
_
kl
2
2
_
l
2
2
+h
_
h−
l
2
2
sen
_
k
_
l
2
2
−[ z −h[
__

_
e
j
kl
1
2
2z −l
1
+
e
−j
kl
1
2
2z + l
1

cos
_
kl
1
2
_
z
_
e
−jkz
dz (9.42)
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 188
e
Z
12
=
j60
sen
_
kl
1
2
_
sen
_
kl
2
2
_
l
1
2
+h
_
h−
l
1
2
sen
_
k
_
l
1
2
−[ z −h[
__

_
e
j
kl
2
2
2z −l
2
+
e
−j
kl
2
2
2z + l
2

cos
_
kl
2
2
_
z
_
e
−jkz
dz (9.43)
Se os comprimentos s˜ ao idˆenticos, ent˜ao,
R
21
=
15
sen
2
_
kl
2
_ [Asen (kh) −Bcos(kh)] (9.44)
e
X
21
=
15
sen
2
_
kl
2
_ [C sen (kh) −Acos(kh)] (9.45)
onde
A = 2 Si(2kh) −Si [2k(h −l)] −Si [2k(h + l)] (9.46)
B = −2 Ci(2kh) + Ci [2k(h −l)] + Ci [2k(h + l)] −ln
_
(h
2
−l
2
)
h
2
_
(9.47)
e
C = 2 Ci(2kh) −Ci [2k(h −l)] −Ci [2k(h + l)] −ln
_
(h
2
−l
2
)
h
2
_
(9.48)
9.4 Plano Terra
Se um dipolo estiver a uma certa distˆ ancia de uma superf´ıcie plana condutora,
parte dos campos radiados por ele ´e refletido nesta superf´ıcie. Portanto, o campo
resultante em frente ao refletor ´e combina¸ c˜ao linear dos campos radiados diretamente
do dipolo e dos campos refletidos na superf´ıcie condutora. Estes campos podem ser
obtidos aplicando-se a teoria das imagens, onde um dipolo, a uma distˆ ancia h em
frente a um plano condutor, ´e equivalente a dois dipolos afastados a uma distˆ ancia
2h. A Figura 9.5a mostra um exemplo desta situa¸ c˜ao e a Figura 9.5b o equivalente
utilizando a teoria das imagens.
189 9.4. Plano Terra
(a) (b)
h
E
r
+E
d
E
r
+E
d
2h
r
1
r
2
Figura 9.5: (a) Dipolo em frente a uma superf´ıcie condutora; (b) arranjo equivalente.
9.4.1 Dipolo na Vertical
Se o dipolo apresentado na Figura 9.5a for um dipolo infinitesimal de comprimento
l, alinhado no eixo z e a uma distˆ ancia h da origem, ent˜ ao, o campo el´etrico a uma
distˆ ancia r da origem ´e dado por
E = E
d
+E
r
(9.49)
sendo
E
d
=
jηkI
o
l
4πr
1
sen θ
1
e
−jk r
1
a
θ
(9.50)
e
E
r
= ρ

jηkI
o
l
4πr
2
sen θ
2
e
−jk r
2
a
θ
(9.51)
onde ρ

´e o coeficiente de reflex˜ao para uma onda de incidˆencia obl´ıqua (com polar-
iza¸ c˜ao TM ou paralela). Este coeficiente de reflex˜ ao ´e obtido a partir de
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 190
ρ

=
η
1
cos θ
t
−η
0
cos θ
i
η
1
cos θ
t
+ η
0
cos θ
i
(9.52)
sendo θ
i
o ˆ angulo de incidˆencia e θ
t
o ˆ angulo de refra¸ c˜ao obtido da lei de Snell.
As impedˆancias η
0
e η
1
s˜ao, respectivamente, a impedˆ ancia intr´ınseca do ar e a
impedˆancia intr´ınseca do plano condutor.
A equa¸ c˜ao (9.49) pode ser escrita de uma forma simplificada no caso de r ¸ l,
pois, neste caso, tˆem-se θ
1
· θ
2
,
k r
1
· k (r −hcos θ) (9.53)
k r
2
· k (r + hcos θ) (9.54)
e, em termos de amplitude,
r
1
· r
2
· r (9.55)
Portanto,
E =
jηkI
o
l e
−jk r
4πr
sen θ
_
e
jkhcos θ
+ ρ

e
−jkhcos θ
¸
(9.56)
´
E logico que a equa¸ c˜ao (9.56) s´ o ´e valida para pontos onde z > 0. Quando o campo
el´etrico se encontra normal ao plano condutor a uma certa altura deste, tˆem-se
θ
i
· 90

e ρ

· 1 (vide Fig. 9.6 para o caso do solo). Portanto, obt´em-se
E =
jηkI
o
l e
−jk r
2πr
sen θ cos (khcos θ) (9.57)
Observa-se em (9.56) e (9.57) que
E = E
el
F
A
(9.58)
sendo E
el
o campo radiado pelo dipolo sem a presen¸ ca do plano condutor, ou seja,
E
el
=
jηkI
o
l e
−jk r
4πr
sen θ (9.59)
O fator F
A
, denominado fator de arranjo, pode ser identificado como
F
A
= e
jkhcos θ
+ ρ

e
−jkhcos θ
(9.60)
ou
191 9.4. Plano Terra
F
A
= 2 cos (khcos θ) (9.61)
para o caso de um plano condutor perfeito. Portanto, se por exemplo, se quiser
obter o campo devido a um dipolo finito pr´ oximo a um refletor condutor perfeito, ´e
s´o substituir a express˜ ao do campo do dipolo em (9.58). O que resulta em
E =
jηI
o
e
−jkr
πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
cos (khcos θ) (9.62)
9.4.2 Dipolo na Horizontal
Supondo agora que o dipolo esteja paralelo ` a superf´ıcie plana condutora, alinhado
com o eixo x, por exemplo. Neste caso, o campo el´etrico continua sendo dado por
(9.49). Entretanto, as componentes direta e refletida s˜ ao fornecidas por
E
d
=
jηkI
o
l
4πr
1
sen ξ
1
e
−jk r
1
a
ξ
(9.63)
e
E
r
= ρ

jηkI
o
l
4πr
2
sen ξ
2
e
−jk r
2
a
ξ
(9.64)
sendo cos ξ = sen θ cos ϕ = a
x
a
r
e a
ξ
o versor na dire¸ c˜ao do angulo ξ. O coeficiente
de reflex˜ao, para ondas com polariza¸ c˜ao TE (ou perpendicular), ´e dado por
ρ

=
η
1
cos θ
i
−η
0
cos θ
t
η
1
cos θ
i
+ η
0
cos θ
t
(9.65)
Portanto,
E =
jηkI
o
l e
−jk r
4πr
sen ξ
_
e
jkhcos θ
+ ρ

e
−jkhcos θ
¸
(9.66)
ou
E =
jηkI
o
l e
−jk r
4πr
_
1 −sen
2
θ cos
2
ϕ
_
e
jkhcos θ
+ ρ

e
−jkhcos θ
¸
(9.67)
ou ainda, de uma forma geral,
E = E
el
F
A
(9.68)
sendo, neste caso,
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 192
F
A
= e
jkhcos θ
+ ρ

e
−jkhcos θ
(9.69)
e
F
A
= 2j sen (khcos θ) (9.70)
no caso de η
1
= 0.
A Fig. 9.6 mostra o comportamento dos coeficientes de reflex˜ ao na interface entre
a Terra e o ar. Neste caso, para a frequˆencia de 20MHz, a permissividade relativa
da Terra fica em torno de 25 − j19, 2 [34]. Pode-se observar que, para ˆ angulos de
incidˆencia pr´ oximos de 90

, os coeficientes de reflex˜ao s˜ ao ρ

· −1 e ρ

· 1.
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90
0.1
0.2
0.3
0.4
0.5
0.6
0.7
0.8
0.9
1
Ângulo de incidência θ
i
(°)
M
ó
d
u
lo

d
o

c
o
e
f
ic
ie
n
t
e

d
e

r
e
f
le
x
ã
o

0 10 20 30 40 50 60 70 80 90
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
Ângulo de incidência θ
i
(°)

Â
n
g
u
lo

d
e

in
c
id
ê
n
c
ia

θ
i
(
°
)
(a) (b)
Figura 9.6: (a) M´ odulos de ρ

(linha s´ olida) e ρ

(linha tracejada); (b) Fases de ρ

(linha s´ olida) e ρ

(linha tracejada).
Exemplo 9.3 Suponha que o dipolo do Exemplo 9.1 se encontra horizontalmente
no topo de uma torre de 10m de altura. Qual a intensidade do campo el´etrico
normalizado que chega ao solo a uma distˆ ancia de 10m da torre? Considere a
impedˆancia do solo pr´ oxima de zero e o plano de incidˆencia igual ao plano E.
Solu¸ c˜ao: Se a impedˆ ancia do solo ´e praticamente zero, ent˜ ao ρ

· −1 e, a partir
das equa¸ c˜oes (9.1) e (9.68), obt´em-se
E(θ) = E
el
F
A
=
ηI
o
e
−j(kr+π)
πr
cos
_
π
2
cos
_
θ +
π
2

sen
_
θ +
π
2
_ sen (khcos θ)
193 9.5. Dipolo Dobrado
Neste caso, uma defasagem de π/2 ´e adicionada ` a express˜ ao do dipolo, pois o mesmo
se encontra perpendicular ao eixo z. Para um ponto no solo a 10 metros da torre,
θ = 45

, tem-se
E
n
(π/4) =
E
el
F
A
E
max
·
cos
_
π

2
4
_

2/2
sen
_
10π

2/3
_
· 0, 5
ou seja, metade do valor m´ aximo. Note que esse resultado s´ o ´e v´ alido para um ponto
pertencente ao plano que cont´em o dipolo (plano E).
9.5 Dipolo Dobrado
Sabe-se que a impedˆancia de um dipolo finito de meio comprimento ´e igual a
73+j42,5Ω para a freq¨ uˆencia de ressonˆ ancia. Os transceptores e as linhas de trans-
miss˜ao comerciais tˆem impedˆ ancias com valores de 50Ω, 75Ω e 300Ω. Pode-se veri-
ficar que o coeficiente de onda estacion´ aria numa linha de 300Ω ligada a uma antena
dipolo de λ/2, operando na freq¨ uˆencia de ressonˆ ancia, ´e alto (VSWR > 4). O
VSWR pode ser reduzido utilizando-se um circuito de casamento ou modificando-se
a geometria do dipolo. A Figura 9.7 mostra um dipolo denominado dipolo dobrado.
Sua principal caracter´ıstica ´e o valor da impedˆ ancia de entrada dada por
d
l
Figura 9.7: Dipolo Dobrado de comprimento l e espa¸camento d.
Z
in
· 4Z
ds
(9.71)
sendo Z
ds
a impedˆ ancia de um dipolo simples, fornecido por (9.18). A equa¸ c˜ao
(9.71) pode ser obtida considerando-se que o dipolo duplo equivale a dois dipolos
simples muito pr´ oximos um do outro (d ¸λ). Fazendo-se ent˜ ao esta considera¸ c˜ao,
obt´em-se a impedˆancia de entrada a partir de (9.19), ou seja,
V
1
= Z
11
I
1
+ Z
12
I
2
(9.72)
Se a tens˜ao nos terminais do dipolo dobrado for igual a V , ent˜ ao, a tens˜ ao equivalente
nos terminais dos dois dipolos simples ´e V/2. As correntes nos dipolos s˜ ao iguais e
de mesmo sentido, portanto,
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 194
V
2
= I
1
(Z
11
+ Z
12
) (9.73)
Devida ` a proximidade, Z
11
· Z
12
e, conseq¨ uentemente,
Z
1
=
V
I
1
· 4Z
11
(9.74)
onde Z
11
´e a impedˆ ancia pr´ opria do dipolo simples.
Para um dipolo dobrado de N elementos muito pr´ oximos uns dos outros, tem-se
V
1
=
V
N
=
N

i=1
Z
1n
I
n
(9.75)
Como os elementos est˜ ao muito pr´ oximos, ent˜ ao, I
n
· I
1
e Z
1n
· Z
11
. Conseq¨ uen-
temente,
Z
1
· N
2
Z
11
(9.76)
Exemplo 9.4 Projete um dipolo dobrado para operar em 300MHz com VSWR menor
que 1,5. O dipolo est´a ligado a um transmissor de 300Ω atrav´es de uma linha de
mesma impedˆancia.
Solu¸ c˜ao: Montando-se um dipolo dobrado com l = λ/2 e com o espa¸ camento d o
menor poss´ıvel, tem-se
Z
dd
· 4Z
ds
= 4 73, 13 + j 42, 54 · 293 + j170 Ω
O coeficiente de reflex˜ao nos terminais da antena ´e
ρ =
Z
dd
−Z
o
Z
dd
+ Z
o
=
293 +j170 −300
293 + j170 + 300
· 0, 276 ∠76, 5

e o coeficiente de onda estacion´ aria,
VSWR =
1 +[ρ[
1 −[ρ[
=
1 + 0, 276
1 −0, 276
· 1, 76
Infelizmente este valor est´a acima da especifica¸ c˜ao do projeto. Entretanto, se o
comprimento for reduzido para 0, 466λ, o valor da impedˆ ancia do dipolo simples
´e praticamente real e igual 60Ω. Sendo assim, os novos valores do coeficiente de
reflex˜ao e VSWR s˜ao, respectivamente,
ρ =
240 −300
240 + 300
· 0, 111∠180

195 9.6. Dipolo Cil´ındrico
e
VSWR =
1 + 0, 111
1 −0, 111
· 1, 25
Os valores de impedˆ ancia do dipolo simples foram obtidos para tubos com diˆ ametro
igual a 1cm. Na freq¨ uˆencia de 300MHz, o comprimento l = 0, 466λ ´e aproximada-
mente 47cm.
9.6 Dipolo Cil´ındrico
Todas as antenas lineares analisadas nas se¸ c˜oes anteriores foram consideradas muito
finas, isto ´e, a rela¸ c˜ao diˆ ametro-comprimento muito pequena (d 0, 05λ). Nestas
condi¸ c˜oes, a densidade de corrente na antena pode ser considerada aproximada-
mente como uma fun¸ c˜ao senoidal. No caso de dipolos, com diˆ ametro d > 0, 05λ, ´e
importante utilizar uma densidade de corrente que seja mais pr´ oxima poss´ıvel da
realidade. A distribui¸ c˜ao de corrente num dipolo espesso ´e dado por [14]
I(z) =
jV
60
sen
_
k
_
l
2
+[ z[

+
A
B
cos
_
kl
2
_
+
A
1
(
l
2
)
B
(9.77)
sendo V a tens˜ ao nos terminais da antena,
B = 2 ln
_
l
a
_
(9.78)
e
A = A
1
(z) sen
_
kl
2
_
−A
1
(
l
2
) sen (k [ z[) + B
1
(
l
2
) + B
1
(z) cos
_
kl
2
_
(9.79)
onde
A
1
(z) = −A
0
(z) ln
_
1 −
_
2z
l
_
2
_
+ A
0
(z)δ −
l
1
2
_
−l
1
2
A
0
(τ) e
−jkr
−A
0
(z)
r
dτ (9.80)
A
1
(
l
2
) = −
l
1
2
_
−l
1
2
A
0
(τ) e
−jkr
1
r
1
dτ (9.81)
CAP´ıTULO 9. Antenas Lineares 196
B
1
(z) = −B
0
(z) ln
_
1 −
_
2z
l
_
2
_
+ B
0
(z)δ −
l
1
2
_
−l
1
2
B
0
(τ) e
−jkr
−B
0
(z)
r
dτ (9.82)
B
1
(
l
2
) = −
l
1
2
_
−l
1
2
B
0
(τ) e
−jkr
1
r
1
dτ (9.83)
A
0
(z) = cos (k z) −cos
_
kl
2
_
(9.84)
B
0
(z) = sen (k [ z[) −sen
_
kl
2
_
(9.85)
r =
_
a
2
+ (z −τ)
2
(9.86)
r
1
=
¸
a
2
+
_
l
2
−τ
_
2
(9.87)
e
δ = ln
_
_
_
1
4
_
_
¸
1 +
_
a
l/2 −z
_
2
+ 1
_
_
_
_
¸
1 +
_
a
l/2 + z
_
2
+ 1
_
_
_
_
_
(9.88)
A obten¸ c˜ao dos parˆ ametros do dipolo espesso ´e feita substituindo a distribui¸ c˜ao
senoidal (8.1) por (9.77).
Cap´ıtulo 10
Difra¸ c˜ao de Ondas TEM
10.1 Introdu¸ c˜ao
Neste cap´ıtulo ser˜ ao abordados os conceitos necess´ arios ao estudo de atenua¸ c˜ao
de ondas eletromagn´eticas devido a presen¸ ca de obst´ aculos em enlaces de r´ adio.
Estes conceitos dizem respeito `a difra¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas, sendo toda a
an´ alise desenvolvida em cima do Princ´ıpio de Huygens. O estudo de difra¸ c˜ao ser´ a
apresentado em trˆes partes. A primeira an´ alise ser´ a feita numa regi˜ ao longe do
obst´ aculo que provoca a difra¸ c˜ao das ondas, regi˜ ao esta denominada de Fraunhofer.
Em seguida, ser´ a analisado o comportamento das ondas para regi˜ oes pr´ oximas ao
obst´ aculo, chamada de regi˜ ao de campos pr´ oximos ou Fresnel. Na ´ ultima se¸ c˜ao ser´ a
introduzido o conceito de elips´ oide de Fresnel e suas zonas.
10.2 Princ´ıpio de Huygens
O princ´ıpio de Huygens estabelece que uma frente de onda pode ser definida como
uma composi¸ c˜ao de infinitas fontes puntiformes de ondas esf´ericas. Sendo assim, os
campos num dado ponto de uma frente de onda qualquer, posterior ou anterior a
esta, podem ser obtidos a partir das contribui¸ c˜oes dos campos radiados por todas
as fontes puntiformes. A Figura 10.1 mostra este fenˆ omeno para frentes de ondas
planas.
10.3 Fonte de Huygens
Supondo-se que o campo el´etrico de uma onda plana, propagando-se na dire¸ c˜ao z,
est´a orientado na dire¸ c˜ao x e o campo magn´etico se encontra alinhado com a dire¸ c˜ao
197
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 198
r
3
1
r
2
r
1
r
N
2
3
N
Fonte de
Huygens
Frente
de onda
secundária
Frente
de onda
primária
Figura 10.1: Frentes de ondas com destaque para as fontes de Huygens.
y, ´e poss´ıvel ent˜ao se determinar os campos radiados por um elemento de ´ area
infinitesimal ds = dxdy da frente de onda plana (Fonte de Huygens), considerando-
se esta frente como um plano de correntes el´etricas e magn´eticas (Figura 10.2). Estas
correntes est˜ ao associadas, respectivamente, com a densidade de corrente el´etrica
J = n H
p
(10.1)
e a densidade de corrente magn´etica
M = −n E
p
(10.2)
sendo H
p
e E
p
, respectivamente, os campos magn´etico e el´etrico da frente de onda
prim´ aria, enquanto que o versor n se encontra alinhado com o sentido de propaga¸ c˜ao.
Sendo assim, as densidades de correntes, para o caso em quest˜ ao, podem ser escritas
como
J
x
= −H
y
= −
E
x
η
(10.3)
e
199 10.3. Fonte de Huygens
dy
z
0
θ
r
ϕ
dx
x
y
ds
J
x
M
y
Figura 10.2: Frente de onda representada por correntes el´etricas e magn´eticas.
M
y
= −E
x
(10.4)
Foi visto no Cap´ıtulo 7 que o Potencial Vetor A, devido a uma fonte de corrente
el´etrica variante no tempo, ´e dado por (7.12), isto ´e,
A =
µ

___
V
Je
−jkr
r
dV (10.5)
Para a densidade de corrente el´etrica associada ` a fonte de Huygens, encontra-se
dA
x
=
µ
4πr
J
x
e
−jkr
ds (10.6)
O campo magn´etico de uma frente de onda secund´ aria pode ser obtido atrav´es de
H
s
=
1
µ
∇ A (10.7)
e o el´etrico a partir de
∇ E
s
= jωµH
s
(10.8)
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 200
ou
E
s
= −jωA (10.9)
O elemento infinitesimal de campo el´etrico produzido pela fonte de Huygens ´e ent˜ao
dado por
dE
s
= −jω dA
x
(10.10)
que tamb´em pode ser reescrito em coordenadas esf´ericas como
dE
θ
= −jω cos ϕcos θ dA
x
=
jk E
x
4πr
cos ϕcos θ e
−jkr
ds (10.11)
e
dE
ϕ
= jω sen ϕ dA
x
= −
jk E
x
4πr
sen ϕ e
−jkr
ds (10.12)
J´a os elementos infinitesimais dos campos magn´eticos s˜ao fornecidos por
dH
ϕ
=
dE
θ
η
(10.13)
e
dH
θ
= −
dE
ϕ
η
(10.14)
De forma semelhante, tem-se para fontes de correntes magn´eticas
F =


___
V
Me
−jkr
r
dV (10.15)
sendo que, para o elemento de ´ area ds, encontra-se
dF
y
=

4πr
M
y
e
−jkr
ds (10.16)
O campo el´etrico de uma frente de onda secund´ aria pode ent˜ ao ser obtido atrav´es
de
E
s
= −
1

∇ F (10.17)
e o magn´etico a partir de
∇ H
s
= jωE
s
(10.18)
201 10.3. Fonte de Huygens
ou
H
s
= −jωF (10.19)
No caso em quest˜ ao, tem-se
dH
s
= −jω dF
y
(10.20)
que tamb´em pode ser reescrito em coordenadas esf´ericas como
dH
θ
= −jω sen ϕcos θ dF
y
(10.21)
e
dH
ϕ
= −jω cosϕ dF
y
(10.22)
J´a as componentes de campos el´etricos s˜ao fornecidas por
dE
θ
= η dH
ϕ
=
jkE
x
4πr
cosϕ e
−jkr
ds (10.23)
e
dE
ϕ
= −η dH
θ
= −
jkE
x
4πr
sen ϕcos θ e
−jkr
ds (10.24)
Portanto, as componentes do campo el´etrico infinitesimal, produzidas pela fonte de
Huygens, s˜ ao resultados das somas de (10.11) com (10.23) e de (10.12) com (10.24),
ou seja,
dE
θ
=
jk E
x
4πr
(cos ϕcos θ + cos ϕ) e
−jkr
ds (10.25)
e
dE
ϕ
= −
jk E
x
4πr
(sen ϕcos θ + sen ϕ) e
−jkr
ds (10.26)
Enquanto que as componentes do campo magn´etico infinitesimal s˜ ao obtidas de
dH
ϕ
=
dE
θ
η
(10.27)
e
dH
θ
= −
dE
ϕ
η
(10.28)
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 202
10.4 Difra¸ c˜ao de Fraunhofer
Problemas de difra¸ c˜ao com conseq¨ uˆencias na regi˜ ao de Fraunhofer, tamb´em con-
hecida como regi˜ ao de campos distantes, s˜ ao encontrados em v´ arias aplica¸ c˜oes de
engenharia de telecomunica¸ c˜oes. Pode-se ilustrar a importˆ ancia destes problemas em
estudos de antenas do tipo cornetas ou refletores parab´ olicos, como aqueles tratados
no Cap´ıtulo 15.
Um problema cl´ assico de difra¸ c˜ao de Fraunhofer ´e a determina¸ c˜ao dos campos
distantes produzidos por uma onda plana, propagando-se no sentido z
+
, que atrav-
essa uma parede absorvedora plana infinita de espessura desprez´ıvel, atrav´es de
uma fenda ou abertura retangular. A frente de onda na fenda pode ser considerada
como um conjunto ou arranjo planar de fontes de Huygens, de ´ area ∆s = ∆x∆y,
distribu´ıdas uniformemente nas dire¸c˜oes y e x, como mostrado na Figura 10.3. O
campo el´etrico produzido por este arranjo, como ser´ a visto no Cap´ıtulo 13, ´e o re-
sultado do produto entre o campo el´etrico radiado pelo elemento e os campo el´etrico
radiado pelo conjunto de antenas isotr´ opicas (fator de arranjo), ou seja,
b
a
ϕ
θ
r
dx
dy
ds
x
y
z
1 2 3 N
2
M
Figura 10.3:
´
Area a b de uma frente de onda, representada por um arranjo de
fontes de Huygens.
203 10.4. Difra¸ c˜ao de Fraunhofer
E = E
el
F
A
(10.29)
sendo E
el
, na dire¸ c˜ao θ, dado por
∆E
θ
=
jk E
x
4πr
(cos ϕcos θ + cos ϕ) e
−jkr
∆s (10.30)
e na dire¸ c˜ao ϕ
∆E
ϕ
= −
jk E
x
4πr
(sen ϕcos θ + sen ϕ) e
−jkr
∆s (10.31)
enquanto, para ∆x e ∆y muito pequenos,
F
A
=
_
sen
_

x
2
_
φ
x
2
_
_
_
sen
_

y
2
_
φ
y
2
_
_
(10.32)
onde
φ
x
= k ∆xsen θ cos ϕ (10.33)
e
φ
y
= k ∆y sen θ senϕ (10.34)
Fazendo-se M e N tenderem ao infinito, tˆem-se ∆x e ∆y tendendo a zero, o que
produz os resultados
a = lim
M→∞
M∆x (10.35)
e
b = lim
N→∞
N∆y (10.36)
Portanto, as componentes do campo el´etrico radiado podem ser escritas como
E
θ
=
jk E
x
ab e
−jkr
4πr
(1 + cos θ) cos ϕ
_
sen
_
φ
x
2
_
φ
x
2
_
_
_
sen
_
φ
y
2
_
φ
y
2
_
_
(10.37)
e
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 204
E
ϕ
= −
jk E
x
ab e
−jkr
4πr
(1 + cos θ) sen ϕ
_
sen
_
φ
x
2
_
φ
x
2
_
_
_
sen
_
φ
y
2
_
φ
y
2
_
_
(10.38)
onde
φ
x
= k a sen θ cos ϕ (10.39)
e
φ
y
= k b sen θ senϕ (10.40)
As equa¸ c˜oes (10.37) e (10.38) ser˜ ao empregadas no Cap´ıtulo 15, na detemina¸ c˜ao
dos campos distantes radiados por um refletor parab´ olico com abertura retangular.
Elas podem ser interpretadas como uma esp´ecie de transformada de Fourier espacial
bidimensional.
Exemplo 10.1 Determine a express˜ ao do campo el´etrico distante normalizado, no
plano zx (ϕ = 0), para uma onda eletromagn´etica 10GHz que atinge um anteparo
ap´ os passar por uma fenda com as seguintes dimens˜ oes: a = 10cm e b = 5cm.
Solu¸ c˜ao: Quando ϕ = 0, a componente E
ϕ
torna-se nula e
E
θ
(θ) =
jk E
x
ab e
−jkr
4πr
(1 + cos θ)
_
sen
_
φ
x
2
_
φ
x
2
_
logo, seu valor normalizado ´e dado por
E
n
(θ) =
1 + cos θ
2
_
sen
_
φ
x
2
_
φ
x
2
_
sendo φ
x
= k a sen θ. As representa¸c˜oes gr´ aficas das intensidades dos campos na
fenda e no anteparo s˜ ao mostradas na Figura 10.4. Observe a semelhan¸ ca entre este
resultado e aquele encontrado nos problemas de an´ alise espectral envolvendo uma
fun¸ c˜ao porta e sua transformada de Fourier.
10.5 Difra¸ c˜ao de Fresnel
A teoria de difra¸ c˜ao de Fresnel diz respeito aos campos eletromagn´eticos na regi˜ ao de
campos intermedi´arios, tamb´em conhecida como regi˜ ao de Fresnel. Entende-se como
regi˜ ao intermedi´ aria aquela entre a regi˜ ao de campo distante e a regi˜ ao de campo
205 10.5. Difra¸ c˜ao de Fresnel
θ
E
n
( ) θ
x
E
x
-a/2 a/2
(a) (b)
Figura 10.4: Intensidade de campo na fenda (a) e no anteparo (b).
pr´ oximo, onde a diferen¸ ca de amplitude das fontes de Huygens pode ser desprezada
mantendo-se a diferen¸ca de fase.
O problema de difra¸ c˜ao envolvendo uma onda plana incidindo num semiplano
absorvedor, como mostra a Figura 10.5, pode ser resolvido aplicando-se a teoria
de difra¸ c˜ao de Fresnel. Os campos num ponto dentro da regi˜ ao de sombra, ap´ os
o semiplano absorvedor, podem ser obtidos somando–se todas as contribui¸ c˜oes de
campo das infinitas fontes de Huygens no semiplano superior a este. Cada fonte
radia um campo el´etrico dado por
dE =
E
o
r
e
−jkr
dy (10.41)
sendo E
o
o campo na onda plana. O campo resultante num ponto P, localizado a
uma distˆ ancia d da placa absorvedora, ´e obtido integrando-se (10.41), ou seja,
E =

_
h
E
o
r
e
−jkr
dy (10.42)
Considerando-se que ∆r ¸d, pode-se escrever, no que diz respeito a amplitude,
r · d (10.43)
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 206
y
0
Obstáculo
Absorvedor
Frentes
de
Onda
r
r ∆
d
E k
z
y
h
Figura 10.5: Incidˆencia normal de uma onda plana sobre um semiplano absorvedor.
e, com rela¸ c˜ao a fase,
r = d + ∆r · d +
y
2
2d
(10.44)
Sendo assim,
E =
E
o
d
e
−jkd

_
h
e
−j
ky
2
2d
dy =
E
o
αd
e
−jkd

_
αh
e
−j
πu
2
2
du (10.45)
onde u = αy e α =
_
2
λd
. A integral da equa¸ c˜ao (10.45) n˜ ao tem solu¸ c˜ao anal´ıtica,
mas pode ser reescrita em fun¸ c˜ao das integrais de Fresnel, isto ´e,
E =
E
o
αd
e
−jkd
_
_

_
0
e
−j
πu
2
2
du −
αh
_
0
e
−j
πu
2
2
du
_
_
(10.46)
ou
E =
E
o
αd
e
−jkd
_
1
2
(1 −j) −
_
C
_
αh
_
π
2
_
−jS
_
αh
_
π
2
___
(10.47)
sendo
207 10.5. Difra¸ c˜ao de Fresnel
C(x) =
_
2
π
x
_
0
cos u
2
du (10.48)
a fun¸ c˜ao cosseno integral de Fresnel, e
S(x) =
_
2
π
x
_
0
sen u
2
du (10.49)
a fun¸ c˜ao seno integral de Fresnel. Ambas tˆem seus valores tabelados. A seguir
s˜ao apresentadas algumas propriedades destas fun¸ c˜oes: C(0) = S(0) = 0; C(∞) =
S(∞) = 1/2, C(−x) = −C(x) e S(−x) = −S(x).
Exemplo 10.2 Uma onda plana incide normalmente sobre uma das faces de um
muro de 5m de altura. Considerando-se que esta onda oscila com uma freq¨ uˆencia
de 300MHz, determine o valor do campo el´etrico normalizado na regi˜ ao de sombra,
num ponto do solo, a uma distˆ ancia de 2 metros do muro.
Solu¸ c˜ao: A intensidade do campo el´etrico normalizado pode ser obtido a partir da
equa¸ c˜ao (10.47), ou seja,
E
n
(h/r
f
) =
[E[
[E
max
[
· 0, 6
¸
_
1
2
−C
_
αh
_
π
2
__
2
+
_
1
2
−S
_
αh
_
π
2
__
2
Como, neste caso,
α =
_
2
λd
= 1
ent˜ao
E
n
(h) · 0, 6
_
[0, 5 −C(1, 25 h)]
2
+ [0, 5 −S(1, 25 h)]
2
O valor de h, neste caso, ´e igual ` a altura do muro. Portanto,
E
n
(5) · 0, 6
_
[0, 5 −C(6, 25 )]
2
+ [0, 5 −S(6, 25 )]
2
· 0, 04
A Figura 10.6 mostra a varia¸ c˜ao E
n
com a altura h.
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 208
0 1 2 3 4 5
0
0.1
0.2
0.3
0.4
h (m)
C
a
m
p
o

n
o
r
m
a
l
i
z
a
d
o

E
n
(
h
)

Figura 10.6: Varia¸ c˜ao da intensidade do campo el´etrico normalizado com a altura h
(α = 1).
10.6 Elips´ oide e Zonas de Fresnel
Atrav´es de um exemplo envolvendo uma onda plana propagando-se de um ponto A
a um ponto B no espa¸ co-livre e conceitos simples de geometria, pode-se determinar
como as fontes de Huygens, de uma determinada frente de onda, influenciam na com-
posi¸ c˜ao dos campos eletromagn´eticos num dado ponto do espa¸ co. Algumas destas
fontes da frente de onda contribuem positivamente para a forma¸ c˜ao dos campos em
B, enquanto outras, pertecentes ` a mesma frente, contribuem negativamente. Estas
fontes podem ser agrupadas em regi˜ oes ou zonas comumente chamadas de zonas de
Fresnel. A Figura 10.7 mostra a geometria deste problema, onde uma frente de onda
localizada no plano z = 0 ´e tomada como exemplo. A diferen¸ ca de fase entre os
caminhos ACB e AOB ´e dada por
∆φ = β [(R
n
+ R

n
) −(d
1
+ d
2
)] (10.50)
Esta diferen¸ ca de fase ser´ a de 180

quando ∆φ = nπ e n = 1, 3, 5, .... Neste caso,
R
n
+ R

n
= d
1
+ d
2
+ n
λ
2
(10.51)
Quando n = 2, 4, 6, ..., a diferen¸ ca de fase ´e nula.
209 10.6. Elips´ oide e Zonas de Fresnel
y
d
1
d
2
O
r
n
A B
Frente
de
Onda
Linha de
Visada
R'
n
R
n
z
C
Figura 10.7: Frente de onda plana propagando-se do ponto A at´e B.
A Figura 10.8 mostra a contribui¸ c˜ao de cada ponto da frente de onda na com-
posi¸ c˜ao do campo resultante em B. O decaimento da amplitude se deve ao aumento
da distˆ ancia entre a fonte C e o ponto B `a propor¸ c˜ao em que a fonte se encontra
mais distante do centro de referˆencia O.
Observa-se que a soma das contribui¸ c˜oes das fontes de Huygens dentro de um
c´ırculo de raio r
1
´e positiva (mesma fase do campo produzido pela fonte de Huygens
no ponto O). Exatamente nos pontos da circunferˆencia de raio r
1
, a defasagem
´e de π. Entre as circunferˆencias de raio r
1
e r
2
, que levam a defasagens de π a
2π, a soma das contribui¸ c˜oes ´e negativa (em antifase com o campo produzido pela
fonte de Huygens no ponto O). Dessa forma, pode-se definir regi˜ oes onde os pontos
(ou fontes) contribuem de forma construtiva para a forma¸ c˜ao dos campos em B, e
regi˜ oes cujos pontos contribuem de forma destrutiva. Estas regi˜ oes, denominadas de
zonas de Fresnel, s˜ao delimitadas por circunferˆencias, sendo que a primeira zona tem
a forma de um c´ırculo e as demais formam an´eis concˆentricos (veja Figura 10.9a).
Os raios das circunferˆencias, tamb´em denominados de raios de Fresnel, s˜ ao obtidos
fazendo-se
R
n
=
_
d
2
1
+ r
2
n
· d
1
+
r
2
n
2d
1
(10.52)
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 210
r
1
r
4
r
3
r
2
λ/2 λ
3λ/2 2λ
+ + - -
1
a
Zona 2
a
Zona 3
a
Zona 4
a
Zona
Figura 10.8: Varia¸ c˜ao do campo el´etrico com a distˆ ancia entre a fonte C e o ponto
B. Delimita¸ c˜ao das zonas de Fresnel.
e
R

n
=
_
d
2
2
+ r
2
n
· d
2
+
r
2
n
2d
2
(10.53)
que substitu´ıdas em (10.51) levam a
r
2
n
d
1
+
r
2
n
d
2
= nλ (10.54)
ou
r
n
=
_
nλd
1
d
2
d
(10.55)
sendo d = d
1
+ d
2
. Para a primeira zona, a de maior contribui¸ c˜ao para a forma¸ c˜ao
do campo em B, o raio de Fresnel ´e fornecido por
r
1
=
_
λd
1
d
2
d
(10.56)
ou
211 10.6. Elips´ oide e Zonas de Fresnel
r
1
= 547
¸
d
1
d
2
f d
(10.57)
sendo f expresso em MHz, r
1
em metros, d
1
, d
2
e d em km. Pode-se verificar em
(10.56) que, para uma dada freq¨ uˆencia, o raio ´e m´aximo quando d
1
= d
2
e m´ınimo
nos planos que passam em A e B. O resultado s˜ ao os elips´ oides mostrados na
Figura 10.9b. Ser´ a visto no pr´ oximo cap´ıtulo que obstru¸ c˜oes no elips´ oide referente
`a primeira zona de Fresnel levam ` a atenua¸ c˜ao do sinal que chega em B.
CAP´ıTULO 10. Difra¸ c˜ao de Ondas TEM 212
(a)
1
a
Zona
3
a
Zona
2
a
Zona
r
1
r
2
r
3
+
-
+
d
1
d
2
r
1
A B
Elipsóide
da 1
a
Zona
Linha de
Visada
(b)
Figura 10.9: (a) Corte transversal dos elips´ oides de Fresnel indicando-se a 1
a
2
a
e
3
a
zonas; (b) Elips´ oides de Fresnel.
Cap´ıtulo 11
Enlaces de R´adio
11.1 Introdu¸ c˜ao
Uma das aplica¸ c˜oes de ondas eletromagn´eticas na ´ area de telecomunica¸ c˜oes diz re-
speito a enlaces de r´ adio. Sejam estes terrestres ou via sat´elites, o engenheiro de
telecomunica¸c˜oes tem que ser capaz de determinar os sistemas irradiantes, a potˆencia
e a freq¨ uˆencia de funcionamento dos transceptores para tornar um r´ adio-enlace op-
eracional. Neste cap´ıtulo s˜ ao apresentados os conhecimentos b´ asicos necess´arios aos
projetos destes enlaces.
11.2 F´ ormulas de Friis
Um sistema de transmiss˜ ao que radia uma potˆencia P
rad
, atrav´es de uma antena de
ganho m´ aximo G
tx
e eficiˆencia e
tx
, forma, juntamente com um sistema de recep¸ c˜ao
a uma distˆ ancia d, um enlace de r´adio que opera numa freq¨ uˆencia f. Tal enlace ´e
mostrado na Figura 11.1, sendo que a antena receptora tem ganho m´ aximo G
rx
e
eficiˆencia e
rx
. Os sistemas irradiantes n˜ ao oferecem perdas e est˜ao respectivamente
casados com o receptor e transmissor. As antenas est˜ ao alinhadas na dire¸ c˜ao de
m´ aximo ganho.
A potˆencia nos terminais do receptor pode ser calculada partindo-se da densidade
de potˆencia que chega na antena receptora, isto ´e,
W
max
=
U
max
d
2
=
P
rad
G
tx
4π d
2
e
tx
(11.1)
ou
213
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 214
Torre
Estação
Transmissora
Estação
Receptora
Antena
TX
Antena
RX
d
Figura 11.1: Enlace de r´ adio.
W
max
=
P
tx
4π d
2
G
tx
(11.2)
onde P
tx
´e a potˆencia de sa´ıda do transmissor que, neste exemplo, ´e igual a potˆencia
de entrada da antena, uma vez que o sistema est´ a casado e os cabos n˜ ao oferecem
perdas. A antena recolhe uma potˆencia da onda incidente igual a
P
rx
= W
max
A
e
=
P
tx
4π d
2
G
tx
λ
2

G
rx
(11.3)
ou
P
rx
= P
tx
G
tx
G
rx
_
λ
4π d
_
2
(11.4)
Como no exemplo o sistema de recep¸ c˜ao tamb´em est´a casado e os cabos n˜ ao oferecem
perdas, ent˜ ao, P
rx
´e a potˆencia que chega nos terminais do receptor. A equa¸ c˜ao
(11.4) ´e conhecida como F´ ormula de Friis e pode ser reescrita de forma a expressar
as potˆencias em dBm ou dBµ, ou seja,
P
rx
= P
tx
+ G
tx
+ G
rx
−A
el
(11.5)
215 11.3. F´ ormula de Radar
onde
A
el
= 20 log
_
4π d
λ
_
(11.6)
sendo G
tx
e G
rx
fornecidos em dBi, e A
el
, conhecida como atenua¸ c˜ao no espa¸ co-livre,
em dB.
Nos casos pr´ aticos, todos tipos de perdas s˜ ao levados em considera¸ c˜ao, sejam
estas oriundas de cabos, conectores, polariza¸ c˜ao, espa¸ co-livre, obst´ aculos, etc. Sendo
assim, considerando-se todas as perdas poss´ıveis no enlace, tem-se
P
rx
= P
tx
+ G
tx
+ G
rx
−A
el
−A
cb
−A
cc
−A
pol
−A
obs
(11.7)
onde A
cb
, A
cc
, A
pol
e A
obs
s˜ao respectivamente a atenua¸ c˜ao nos cabos, conectores,
polariza¸ c˜ao e obst´ aculos.
11.3 F´ ormula de Radar
Considere agora um sistema transceptor que emite pulsos eletromagn´eticos. Esses
pulsos s˜ao refletidos quando incide em objetos em volta da esta¸ c˜ao transmissora. A
potˆencia dos pulsos recebidos depende, dentre outras vari´ aveis, da se¸ c˜ao transversal
desses objetos. Esta se¸c˜ao transversal est´ a associada a uma ´ area de eco e o sistema
descrito ´e conhecido como radar. Se a potˆencia do transmissor ´e P
tx
e o ganho da
antena transmissora ´e G
tx
, ent˜ao, a densidade de potˆencia m´ axima que atinge o alvo
´e
W
tx
=
P
tx
4π d
2
1
G
tx
(11.8)
sendo d
1
a distˆ ancia entre a antena transmissora e o alvo.
A potˆencia espalhada por este alvo ´e
P
c
= W
tx
A
eco
(11.9)
onde A
eco
´e a ´ area de eco. A densidade de potˆencia que chega ` a antena receptora ´e
dada por
W
rx
=
P
c
4π d
2
2
(11.10)
e a potˆencia recebida
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 216
P
rx
= W
rx
A
e
=
P
c
A
e
4π d
2
2
(11.11)
sendo d
2
a distˆ ancia entre o alvo e a antena receptora. Como a ´ area efetiva da antena
receptora ´e
A
e
=
λ
2

G
rx
(11.12)
ent˜ao,
P
rx
=
P
tx
A
eco

_
λ
4πd
1
d
2
_
2
G
rx
G
tx
(11.13)
Geralmente esses sistemas empregam duplexadores que permitem a utiliza¸ c˜ao de
uma ´ unica antena para transmitir e receber sinais de RF. Neste caso, tem-se
P
rx
=
P
tx
A
eco

_
λG
4πd
2
_
2
(11.14)
sendo G o ganho da antena e d a distˆ ancia at´e o alvo.
11.4 Enlace Terrestre
Os enlaces de r´ adio terrestres est˜ ao sujeitos a perdas devido ao relevo e ` a pr´ opria cur-
vatura da Terra. Portanto, se faz necess´ ario uma an´ alise e modelagem do problema
para que as perdas por obstru¸ c˜ao sejam calculadas de forma mais exata poss´ıvel. O
modelo mais simples ´e o chamado obst´ aculo gume de faca. Neste modelo, o obst´ aculo
´e tratado como uma superf´ıcie plana que obstrui a primeira zona do elips´ oide de
Fresnel. Outras t´ecnicas mais exatas s˜ ao utilizadas na modelagem de obst´ aculos,
como por exemplo a aproxima¸ c˜ao de um morro, montanha ou edif´ıcio num obst´ aculo
arredondado.
11.4.1 Obst´aculos do Tipo Gume de Faca
A Figura 11.2 mostra um enlace onde o obst´ aculo ´e considerado como do tipo gume
de faca. O obst´ aculo ´e plano de espessura desprez´ıvel.
Se a antena transmissora de diretividade D
o
radia uma potˆencia P
rad
, ent˜ ao, a
intensidade de campo a uma distˆ ancia R
1
, num dado ponto do semiplano acima do
obst´ aculo, ´e fornecida por
217 11.4. Enlace Terrestre
R
1
R
2
y
d
1
d
2
0
h
TX
RX
Obstáculo
Linha de
Visada
Figura 11.2: Enlace de r´ adio com a presen¸ ca de um obst´ aculo do tipo gume de faca.
dE
obs
=
dV
o
R
1
e
−jβR
1
=
E
o
R
1
e
−jβR
1
dy (11.15)
onde
V
o
=
_
60 P
rad
D
o
(11.16)
e β = 2π/λ. Pelo Princ´ıpio de Huygens, cada ponto deste semiplano contribui para
a composi¸ c˜ao do campo el´etrico na antena receptora. Portanto, a intensidade de
campo nesta antena, devido a um ´ unico ponto do semiplano acima do obst´ aculo, ´e
obtida a partir de
dE =
R
1
R
1
+ R
2
e
−jβR
2
dE
obs
=
E
o
R
1
+ R
2
e
−jβ(R
1
+R
2
)
dy (11.17)
O campo total na antena receptora ´e ent˜ao
E =

_
−h
E
o
R
1
+ R
2
e
−jβ(R
1
+R
2
)
dy (11.18)
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 218
Considerando-se apenas a contribui¸ c˜ao dos pontos, no plano do obst´ aculo, pr´ oximo
`a linha de visada, tˆem-se
R
1
· d
1
+
y
2
2d
1
(11.19)
e
R
2
· d
2
+
y
2
2d
2
(11.20)
no que se diz respeito ` a fase. Enquanto, para an´ alise de amplitude,
R
1
· d
1
(11.21)
e
R
2
· d
2
(11.22)
Substituindo os valores das express˜ oes que fornecem R
1
e R
2
na equa¸ c˜ao (11.18),
tem-se
E =
E
o
d
e
−jβ d

_
−h
e
−jβ y
2
(
1
2d
1
+
1
2d
2
)
dy (11.23)
ou
E =
E
o
d
e
−jβ d
F
obs
(11.24)
sendo d = d
1
+ d
2
,
F
obs
=
r
f

2

_
−u
o
e
−j
πu
2
2
du =
r
f

2
_
1
2
(1 −j) −
_
C
_
h

π
r
f
_
−jS
_
h

π
r
f
___
(11.25)
u =

2
r
f
y, u
o
=

2
r
f
h e r
f
o raio da primeira zona de Fresnel [30][31] dado por
r
f
=
_
λd
1
d
2
d
(11.26)
As fun¸c˜oes C(x) e S(x) s˜ao fornecidas pelas equa¸ c˜oes (10.48) e (10.49).
219 11.4. Enlace Terrestre
Exemplo 11.1 Um enlace de r´ adio ´e obstru´ıdo por um obst´aculo do tipo gume de
faca. Determine a percentagem de obstru¸ c˜ao do elips´oide de Fresnel, sabendo-se que
a atenua¸ c˜ao devido ao obst´aculo ´e igual a 10dB.
Solu¸ c˜ao: A intensidade do campo el´etrico normalizado, que chega ` a antena re-
ceptora, ´e obtido a partir de (11.24) e (11.25). Em primeiro lugar, determina-se a
express˜ao da intensidade de campo no receptor, isto ´e,
[E[ =
E
o
d
[ F
obs
[ =
r
f

2
¸
_
1
2
−C
_
h

π
r
f
__
2
+
_
1
2
−S
_
h

π
r
f
__
2
Dividindo-se a equa¸ c˜ao acima pelo seu valor m´ aximo, tem-se
E
n
(h/r
f
) =
[E[
[E
max
[
· 0, 6
¸
_
1
2
−C
_
h

π
r
f
__
2
+
_
1
2
−S
_
h

π
r
f
__
2
A atenua¸ c˜ao, em decib´eis, ´e ent˜ao fornecida por
A
obs
= −20 log E
n
(h/r
f
)
Tra¸ cando-se uma curva de A
obs
em fun¸c˜ao de h/r
f
, como mostrado na Figura 11.3,
nota-se que a atenua¸ c˜ao de 10dB ocorre para h/r
f
= 0, 213. Portanto, 61% da se¸ c˜ao
transversal do elips´ oide de Fresnel se encontra obstru´ıdo.
11.4.2 Obst´aculos Arredondados
O c´ alculo das perdas por obstru¸ c˜ao, utilizando-se a abordagem do tipo gume de
faca, pode levar a valores n˜ ao muito precisos na maioria dos problemas pr´ aticos
envolvendo relevo. A aproxima¸ c˜ao de morros e montanhas por um modelo que
considera os obst´ aculos arredondados produz valores mais precisos. O primeiro passo
para o c´ alculo das perdas por obstru¸ c˜ao, utilizando-se obst´ aculos arrendondados, ´e
a aproxima¸ c˜ao do morro por um parabol´ oide onde o cume do obst´ aculo equivale ao
v´ertice deste s´olido. Em seguida, determina-se o raio de curvatura m´edio R
c
atrav´es
das cotas y
i
, medidas a partir do topo do morro e os diˆ ametros x
i
, medidos em cada
plano y
i
. Sendo assim, pode-se obter
R
c
=
1
N
N

i=1
x
2
i
8y
i
(11.27)
Os valores da atenua¸ c˜ao em decib´eis podem ser obtidos diretamente das curvas
apresentadas na Figura 11.4. Para determinar a curva que se adequa ao tipo de
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 220
−1 0 1 2 3 4 5
0
5
10
15
20
25
30
35
A
t
e
n
u
a
ç
ã
o

e
m

d
B
h/r
f
Figura 11.3: Atenua¸ c˜ao devido a um obst´ aculo gume de faca.
obst´ aculo, utiliza-se um parˆ ametro α que ´e diretamente proporcional ao raio de
curvatura do obst´ aculo e inversamente proporcional ao raio da primeira zona de
Fresnel, ou seja,
α =
3

λ
2
R
c
r
f
(11.28)
Exemplo 11.2 Determine o ganho das antenas para um r´ adio-enlace operar em
300MHz com um n´ıvel de recep¸ c˜ ao igual a −40 dBm. Caracter´ısticas do enlace:
comprimento 10km, terreno plano, torres de 50m, 120m de cabos RG58, sistemas
casados e potˆencia do transmissor 10W. Despreze as perdas de polariza¸ c˜ao, perdas
nos conectores e considere que as antenas est˜ ao localizadas no topo das torres. Um
morro, de 80m de altura e R
c
= 216m, se encontra a 1km da esta¸ c˜ao receptora.
Solu¸ c˜ao: Come¸ cando-se com o c´ alculo do raio da primeira zona de Fresnel, tem-se
r
f
=
_
9 10
3
10
3
10
4
= 30 m
221 11.4. Enlace Terrestre
−0.6 0 1 2 3 4 5
0
10
20
30
40
50
60
h/r
f
A
t
e
n
u
a
ç
ã
o

e
m

d
B
α = 0 (gume de faca)
α = 0.1
α = 0.2
α = 0.3
α = 0.4
α = 0.5
α = 1.5
Figura 11.4: Curvas associadas ao parˆ ametro α. No eixo das ordenadas, as perdas
em dB. No eixo das abcissas, a rela¸ c˜ao entre obstru¸ c˜ao (ou folga) e o raio de Fresnel,
h/r
f
.
Para se obter a atenua¸ c˜ao devido ao morro, deve-se determinar α e h. Portanto,
α =
3

216
30
= 0, 2
e h = h
m
− h
T
= 80 − 50 = 30m, onde h
m
e h
T
s˜ao as alturas do morro e tor-
res, respectivamente. A atenua¸c˜ao devido ao morro ´e obtida a partir das curvas
apresentadas na Figura 11.4. Para h/r
f
= 1, tem-se A
obs
· 20 dB (α = 0, 2).
O ganho das antenas pode ser obtido reescrevendo-se a equa¸ c˜ao (11.7) como
2G = G
tx
+ G
rx
= A
el
+ A
cb
+ A
obs
+ P
rx
−P
tx
sendo
A
el
= 20 log
_
4π 10
4
_
= 102 dB
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 222
A
cb
= α
dB
l · 0, 3 120 = 3, 6 dB e P
tx
= 10 log(10
4
) = 40 dBm (dB em rela¸ c˜ao a
1mW). Logo,
G (102 + 3, 6 + 20 −40 −40)/2 = 22, 8 dB
11.5 Enlace via Sat´elite
A rela¸ c˜ao sinal-ru´ıdo em decib´eis, nos terminais de um receptor num enlace entre
sat´elites e esta¸c˜oes rastreadoras, pode ser obtida de [3]
S
N
= ERP −A
el
+
G
T
s
−P
N
(11.29)
sendo:
• ERP a potˆencia efetiva radiada;
• A
el
perdas no espa¸ co-livre;
• G/T
s
figura de m´erito do sistema;
• P
N
potˆencia de ru´ıdo.
11.5.1 Perdas no Espa¸ co-Livre
Como foi visto anteriormente, estas perdas podem ser calculadas a partir da equa¸ c˜ao
(11.6). No caso de enlace envolvendo sat´elite, a equa¸ c˜ao (11.6) ´e modificada para
que se possa entrar diretamente com as coordenadas e altura do sat´elite, isto ´e,
A
el
= 20 log
_
4π d

λ
_
(11.30)
onde
d

=
_
R
2
+ (R + h)
2
−2R(R + h) cos ϕcos ∆ (11.31)
sendo R o raio da Terra (6.378km), h a altura do sat´elite na linha do Equador
(35.823km se geostacion´ ario), ϕ a latitude da esta¸ c˜ao rastreadora e ∆ a diferen¸ ca
entre as longitudes do sat´elite e a esta¸ c˜ao terrestre. A Figura 11.5 mostra a geometria
que deu origem ` a equa¸ c˜ao (11.31).
Al´em das perdas por dispers˜ ao da onda no espa¸ co-livre, existem tamb´em perdas
na camada atmosf´erica. Estas perdas dependem da freq¨ uˆencia, espessura da camada,
concentra¸ c˜ao de nuvens, etc. Na pr´ atica, estas perdas podem ser assumidas, para
os dias com tempo bom, como algo em torno de 0,5dB.
223 11.5. Enlace via Sat´elite
N S
R
R
h
ϕ
d'
Figura 11.5: Sat´elite a uma altura h sobre a linha do equador. A esta¸ c˜ao rastreadora
est´a localizada a uma latitude ϕ ao norte do Equador.
11.5.2 Figura de M´erito do Sistema
´
E definida como sendo a raz˜ ao entre o ganho da antena de recep¸ c˜ao e a temperatura
de ru´ıdo do sistema. Esta figura de m´erito ´e expressa em dB/K atrav´es da equa¸ c˜ao
G
T
s
= G
a
−10 log T
s
(11.32)
onde G
a
´e o ganho da antena e
T
s
= T
a
+
T
LNB
G
f
+
T
rc
G
LNB
+ G
f
(11.33)
sendo T
a
, T
LNB
e T
rc
, respectivamente, a temperatura equivalente de ru´ıdo da antena
(refletor + alimentador), alimentador e conjunto cabo-receptor. G
LNB
´e o ganho do
bloco de baixo ru´ıdo (LNA e demodulador) e G
f
o ganho do alimentador.
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 224
11.6 Reflex˜ oes Ionosf´ericas
Enlaces muito longos, onde a curvatura da Terra oferece alt´ıssimas perdas por ob-
stru¸ c˜ao, s´ o s˜ ao realiz´ aveis atrav´es do uso de esta¸c˜oes repetidoras terrestres ou via
sat´elites. Em algumas faixas de freq¨ uˆencias ´e poss´ıvel se projetar enlaces de longa
distˆ ancia utilizando-se reflex˜ oes na camada ionosf´erica.
As camadas mais altas da atmosfera s˜ ao constitu´ıdas de mol´eculas ionizadas. A
forma¸ c˜ao de ´ıons se deve `a radia¸ c˜ao proveniente do espa¸ co, particularmente aquelas
oriundas do Sol. Estas camadas tˆem a propriedade de refletir ondas eletromagn´eticas
abaixo de certas freq¨ uˆencias. As mais importantes s˜ ao identificadas pelas letras D,
E, F
1
e F
2
, como mostra a Figura 11.6.
h'
TX
RX
d
F
2
F
1
E
D
Terra
θ
ι
Figura 11.6: Camadas ionosf´ericas e r´adio-enlace via reflex˜ ao ionosf´erica.
A camada D se encontra a uma altura de 50-100km, enquanto que a E est´ a a
aproximadamente 100km. J´ a as camadas do tipo F ficam em torno de 300km. As
espessuras das camadas variam ao longo de um dia, sendo que estas s˜ ao mais espessas
durante o dia e mais finas ` a noite, quando aumenta o n´ umero de recombina¸ c˜ao de
´ıons.
As ondas eletromagn´eticas podem retornar ` a Terra dependendo da freq¨ uˆencia de
opera¸ c˜ao e do ˆ angulo de incidˆencia na camada ionosf´erica. Gra¸ cas a este fenˆ omeno,
conhecido como reflex˜ ao total, ´e poss´ıvel se projetar enlaces a grandes distˆ ancias
sem a necessidade de linha de visada.
Pode-se estabelecer uma rela¸c˜ao entre a freq¨ uˆencia da onda eletromagn´etica e o
n´ umero de ´ıons na camada ionosf´erica que permite o surgimento do fenˆ omeno de
225 11.6. Reflex˜ oes Ionosf´ericas
reflex˜ao total. Essa freq¨ uˆencia cr´ıtica ´e dada por
f
c
· 9

N (11.34)
onde N ´e o n´ umero de el´etrons livres e/ou ´ıons por metro c´ ubico de camada
ionosf´erica.
Considerando-se que uma onda eletromagn´etica de freq¨ uˆencia angular ω produz
uma varia¸ c˜ao de campo el´etrico, numa camada ionosf´erica, dada por
E = E
o
sen ωt (11.35)
tem-se como for¸ ca exercida em cada eletron
F = −eE = −eE
o
sen ωt (11.36)
donde se chega a
m
e
d
2
x
dt
2
= −eE
o
senωt (11.37)
ou
m
e
dx
dt
=
eE
o
ω
cosωt (11.38)
sendo m
e
a massa dos el´etrons, e a carga el´etrica e x o deslocamento dos mesmos.
A densidade de corrente de condu¸ c˜ao na camada pode ser escrita como
J
c
= ρ v
d
= −N e
dx
dt
(11.39)
onde ρ ´e a densidade volum´etrica de cargas el´etricas e v
d
a velocidade de arrasto
destas. J´ a a densidade de corrente de deslocamento ´e obtida de
J
d
=
o
dE
dt
(11.40)
ou
J
d
= ω
o
E
o
cosωt (11.41)
Portanto, a densidade total de corrente fica
J = J
c
+ J
d
= ωE
o
cosωt
_

o

Ne
2
m
e
ω
2
_
(11.42)
que pode ser simplificada como
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 226
J = ω
ef
E
o
cosωt (11.43)
sendo a permissividade efetiva

ef
=
o

Ne
2
m
e
ω
2
(11.44)
Foi visto no Cap´ıtulo 1 que o ´ındice de refra¸ c˜ao de um meio ´e o inverso da
velocidade relativa da onda neste meio, o que leva ` a express˜ ao
n =

µ
r

r
(11.45)
e para meios n˜ ao-magn´eticos
n =

r
=
_

o
(11.46)
Sendo assim, o ´ındice de refra¸ c˜ao da camada ionosf´erica pode ser obtido substi-
tuindo (11.44) em (11.46), ou seja,
n =
¸
1 −
Ne
2
m
e

o
ω
2
(11.47)
ou
n ·
¸
1 −
81N
f
2
(11.48)
uma vez que e = 1, 6 10
−19
C, m
e
= 9, 1 10
−31
kg e
o
= 8, 85 10
−12
F/m.
Substituindo (11.34) em (11.48), tem-se
n ·
¸
1 −
_
f
c
f
_
2
(11.49)
Para uma onda eletromagn´etica incidindo com um ˆ angulo θ
i
em rela¸ c˜ao ` a normal
da camada ionosf´erica, tem-se pela lei de Snell,
senθ
i
= nsenθ
t
(11.50)
sendo que, na reflex˜ao total, o ˆ angulo θ
t
relacionado com a onda refratada ´e igual a
90

. Portanto,
n = senθ
i
(11.51)
227 11.6. Reflex˜ oes Ionosf´ericas
ou
1 −
_
f
c
f
_
2
= 1 −cos
2
θ
i
(11.52)
o que leva a
f
c
= f cos θ
i
(11.53)
A partir da equa¸ c˜ao (11.53) ou de
f = f
c
sec θ
i
(11.54)
determina-se a freq¨ uˆencia da onda que pode ser refletida na ionosfera. Esta freq¨ uˆencia
tamb´em pode ser obtida em fun¸ c˜ao da altura virtual h
v
da camada, do raio R da
Terra e da distˆ ancia d entre as esta¸ c˜oes transmissora e receptora, ou seja,
f = f
c
_
2R (R + h
v
)
_
1 −cos
d
2R
_
+ h
2
v
h
v
+ R
_
1 −cos
d
2R
_ (11.55)
ou, para distˆ ancias menores ou iguais a 200km,
f =
f
c
h
v
¸
h
2
v
+
_
d
2
_
2
(11.56)
Exemplo 11.3 Suponha que a freq¨ uˆencia cr´ıtica da camada E, para um determi-
nado dia de um certo ano, ´e igual a 50MHz. Qual deve ser a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao
e o ˆ angulo em rela¸ c˜ ao ao solo para as antenas direcionais de um dado enlace de
r´ adio? Considere que o r´ adio-enlace tem 200km de comprimento.
Solu¸ c˜ao: Como a distˆ ancia do enlace ´e igual a 200km, ent˜ ao,
f =
50
100
¸
100
2
+
_
200
2
_
2
= 70, 7 MHz
enquanto o ˆ angulo ´e obtido a partir de
ϕ = arctg
_
2h
v
d
_
= 45

CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 228
11.7 Reflex˜ oes no Solo
A determina¸ c˜ao das alturas das antenas em um enlace de r´ adio n˜ ao ´e somente rele-
vante no c´ alculo das perdas por obstru¸ c˜ao. Alturas escolhidas aleatoriamente podem
levar ` a atenua¸ c˜ao do sinal que chega ` a antena receptora. Isto ocorre devido a inter-
ferˆencias destrutivas entre as ondas que chegam diretamente da antena transmissora
e aquelas que s˜ ao refletidas pela superf´ıcie da Terra. Um exemplo simples deste tipo
de problema ´e apresentado a seguir.
A Figura 11.7 mostra um enlace de r´ adio de comprimento d onde as antenas s˜ ao
posicionadas nas alturas h
1
e h
2
. A distˆ ancia ´e relativamente curta, de tal forma
que a curvatura da Terra ´e desprezada. Entretanto, esta distˆ ancia ´e considerada,
neste exemplo, muito maior que as alturas das torres. O coeficiente de reflex˜ ao no
solo ´e supostamente pr´ oximos de -1, o que ´e verdadeiro para incidˆencias em ˆangulos
rasos na faixa de 30-3000MHz e polariza¸ c˜ao horizontal (vide ρ

na Fig. 9.6 ). O
caminho direto entre as antenas ´e dado por
d
TX
RX
h
1
h
2
r
r
2
r
1
Figura 11.7: Reflex˜ oes na superf´ıcie da Terra.
r =
_
d
2
+ (h
1
−h
2
)
2
· d +
(h
1
−h
2
)
2
2d
(11.57)
enquanto que o caminho atrav´es da reflex˜ ao ´e
r
1
+ r
2
=
_
d
2
+ (h
1
+ h
2
)
2
· d +
(h
1
+ h
2
)
2
2d
(11.58)
A diferen¸ca entre os caminhos ´e obtida subtraindo (11.58) de (11.57), isto ´e,
229 11.7. Reflex˜ oes no Solo
r
1
+ r
2
−r ·
2h
1
h
2
d
(11.59)
O atraso da onda refletida em rela¸ c˜ao ` a direta, devido a diferen¸ ca de caminhos
e a reflex˜ ao na Terra, introduz uma defasagem nos campos que chegam ` a antena
receptora. Esta defasagem ´e dada por
∆φ = ∆φ

+ π =
4πh
1
h
2
λd
+ π (11.60)
Considerando-se que as amplitudes das ondas refletida e direta s˜ ao praticamente
iguais a E
o
, pode-se ent˜ao escrever a magnitude do campo total na antena receptora
como
[E
rx
[ =
¸
¸
E
o
+ E
o
e
j∆φ
¸
¸
= 2E
o
¸
¸
¸
¸
sen
_
∆φ
2

¸
¸
¸
(11.61)
ou
[E
rx
[ = 2E
o
¸
¸
¸
¸
sen
_
2πh
1
h
2
λd

¸
¸
¸
(11.62)
onde se pode notar que a depender da freq¨ uˆencia, da distˆ ancia e das alturas das
antenas, o campo pode assumir valores entre 0 e 2E
o
.
Exemplo 11.4 Pede-se para posicionar as antenas de um enlace de r´ adio, que opera
em 300MHz e tem 100m de comprimento, o mais alto poss´ıvel nas respectivas torres
de 20m de altura. O r´ adio-enlace se encontra num terreno plano sem obst´ aculos.
Solu¸ c˜ao: Posicionando-se a antena transmissora no topo da torre, obt´em-se
E
n
(h) =
[E
rx
[
2E
o
= [sen (1, 26 h)[
A Figura 11.8 mostra a varia¸ c˜ao da intensidade do campo normalizado com a altura
da antena na torre receptora. Nota-se que a melhor posi¸ c˜ao para atender ao projeto
´e h = 18, 7 m, pois esta ´e a altura m´ axima com m´ axima intensidade de campo.
CAP´ıTULO 11. Enlaces de R´ adio 230
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
Altura h em m
I
n
t
e
n
s
i
d
a
d
e

d
o

c
a
m
p
o

n
o
r
m
a
l
i
z
a
d
o

E
n
(
h
)
Figura 11.8: Varia¸ c˜ao da intensidade de campo normalizado com a altura.
Cap´ıtulo 12
Casamento de Impedˆancia de
Antenas
12.1 Introdu¸ c˜ao
A impedˆancia de entrada de uma antena, em muitos casos, tem valor diferente da
impedˆancia de sa´ıda do sistema a que ela est´ a conectada.
´
E poss´ıvel se obter a
impedˆancia de entrada de uma antena bem pr´ oxima ` a impedˆ ancia do sistema de
transmiss˜ ao (ou recep¸ c˜ao) modificando-se apenas a geometria desta. Foi visto no
Cap´ıtulo 9 que o comprimento e a distˆ ancia entre elementos de antenas lineares
influenciam diretamente no valor de suas impedˆ ancias. Entretanto, nem sempre ´e
poss´ıvel se obter, ao mesmo tempo, certas caracter´ısticas de radia¸ c˜ao e impedˆ ancia
de entrada que estejam pr´ oximas de valores comumente utilizados para linhas de
transmiss˜ ao e transceptores comerciais. Neste caso, torna-se necess´ ario a utiliza¸ c˜ao
de circuitos de casamentos ou dispositivos que maximizem a transferˆencia de energia
entre as linhas de transmiss˜ ao e as antenas. Muitas vezes, a perda de energia ocorre
devido ao desbalanceamento de correntes no cabo de alimenta¸ c˜ao, que ´e uma con-
seq¨ uˆencia do mau acoplamento entre a antena e a linha de transmiss˜ ao. A Figura
12.1 mostra uma linha desbalanceada ligada a uma antena dipolo. Pode-se verificar
que parte da corrente que flui pela blindagem (condutor externo) retorna para a
Terra atrav´es da superf´ıcie externa da mesma. Estas correntes, I
2
e I
3
, est˜ao sep-
aradas fisicamente atrav´es do efeito pelicular. Como as correntes nos condutores
interno e externo n˜ ao tˆem as mesmas amplitudes, diz-se, ent˜ao, que a linha est´ a des-
balanceada. Um exemplo de linha balanceada, onde I
2
= I
1
, ´e mostrado na Figura
12.2.
231
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 232
I
1
Z
g
I
2
I
3
I
2
-I
3
I
1
Figura 12.1: Cabo coaxial ligado a uma antena dipolo.
12.2 Circuitos de Casamento com Tocos e Trechos
de Linhas
Circuitos de casamento de impedˆ ancia constitu´ıdos de tocos e linhas j´ a foram abor-
dados anteriormente. Os mais comuns s˜ ao dos tipos: trecho de linha com toco em
paralelo, trecho de linha com dois ou trˆes tocos em paralelo e transformador de λ/4.
12.3 Casamento do Tipo T
O arranjo de casamento mostrado na Figura 12.3 ´e chamado de acoplamento T.
O modelo desenvolvido por Uda e Mushiake, para determinar a impedˆ ancia nos
terminais da antena, ´e mostrado na Figura 12.4. Este modelo considera que a
antena se comporta como uma linha desbalanceada, funcionando simultaneamente
em dois modos: um modo assim´etrico (linhas de transmiss˜ ao) adicionado a um modo
sim´etrico (antenas). As linhas de transmiss˜ ao tˆem um curto nas suas extremidades
formando assim dois tocos em curto de comprimento l
2
/2. A impedˆ ancia na entrada
do toco, impedˆ ancia do modo assim´etrico, ´e dada por
Z
t
=
(1 + n)V
2I
t
= jZ
o
tg
_
k
l
2
2
_
(12.1)
sendo
233 12.3. Casamento do Tipo T
I
1
Z
g
I
2
I
1
I
2
Figura 12.2: Par de fios paralelos ligados a um dipolo.
Z
o
= 60 ln
_
d
2
a
1
a
2
_
(12.2)
d o espa¸ camento entre os dipolos, a
1
o raio do dipolo em curto, a
2
o raio do dipolo
de entrada e n o fator que indica quanto de tens˜ ao e corrente se tem em cada dipolo.
O valor de n ´e obtido de
n =
cosh
−1
_
ν
2
−µ
2
+1

_
cosh
−1
_
ν
2

2
−1
2µν
_ (12.3)
Enquanto que a impedˆ ancia do modo sim´etrico ´e obtida a partir de
Z
a
=
V
(1 + n)I
a
(12.4)
sendo que Z
a
´e tamb´em fornecida pela express˜ ao (9.18) de um dipolo simples com
comprimento l
1
e raio equivalente dado por
a
e
= ln a
1
+
1
(1 + µ)
2

2
ln µ + 2µln ν) (12.5)
onde
µ =
a
2
a
1
(12.6)
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 234
l
2
l
1
d
2a
2
2a
1
Figura 12.3: Arranjo de casamento do tipo T.
e
ν =
d
a
1
(12.7)
Como a corrente na entrada ´e dada por
I
in
= I
t
+ I
a
=
(1 + n)V
2Z
t
+
V
(1 + n)Z
a
=
[(1 + n)
2
Z
a
+ 2Z
t
] V
2(1 + n)Z
t
Z
a
(12.8)
e a tens˜ ao por
V
in
= V + nV = (1 + n)V (12.9)
ent˜ ao
Z
in
= R
in
+ jX
in
=
V
in
I
in
=
2(1 + n)
2
Z
t
Z
a
(1 + n)
2
Z
a
+ 2Z
t
(12.10)
O circuito equivalente para a express˜ ao (12.10) ´e mostrado na Figura 12.5.
A impedˆancia de entrada Z
in
´e geralmente complexa e, como o comprimento l
2
´e
muito pequeno (0, 03λ a 0, 06λ), sua parte reativa ´e indutiva. Sendo assim, para se
obter na ressonˆ ancia um valor puramente resistivo, torna-se necess´ ario a utiliza¸ c˜ao
de dois capacitores nos terminais de entrada, como mostrado na Figura 12.6. O
valor de cada capacitor ´e dado por
C = 2C
in
=
1
π f X
in
(12.11)
235 12.4. Dipolo Dobrado
=
(a)
V
in
+ -
nV
V
I
t
I
t
+ -
+ -
(b)
+
V
V
I
a
nI
a
+ -
+ -
(c)
Figura 12.4: (a) Arranjo T; (b) modo assim´etrico (linha de transmiss˜ ao); (c) modo
sim´etrico (antenas).
12.4 Dipolo Dobrado
O dipolo dobrado ´e um caso especial do casamento do tipo T. O valor da impedˆ ancia
de entrada j´ a foi obtido no cap´ıtulo anterior utilizando-se o conceito de acoplamento
entre dipolos. Entretanto, ´e importante salientar que a express˜ ao obtida (9.74) s´ o
´e v´alida quando o comprimento do dipolo dobrado ´e igual a
λ
2
. Uma express˜ ao
mais precisa pode ser obtida a partir do modelo apresentado na se¸ c˜ao anterior. A
impedˆancia do dipolo dobrado ´e ent˜ao obtida de (12.10). Se os diˆ ametros forem
idˆenticos, ent˜ao, n = 1 e
Z
in
=
4Z
t
Z
a
2Z
a
+ Z
t
(12.12)
Para o caso espec´ıfico do comprimento ser igual a
λ
2
, tem-se Z
t
→∞ e
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 236
(1+ n):1
Z
a
2Z
t
Figura 12.5: Circuito equivalente para o arranjo T.
(1+ n):1
Z
a
2Z
t
C
C
Figura 12.6: Circuito equivalente do arranjo T com acoplamento atrav´es de capaci-
tores.
Z
in
= 4Z
a
(12.13)
Exemplo 12.1 Projete o circuito de casamento para um dipolo de λ/2 que deve
operar em 30MHz. O dipolo ser´ a ligado a um transmissor de 300Ω atrav´es de uma
linha de mesma impedˆancia.
Solu¸ c˜ao: Como foi visto no Cap´ıtulo 9, a impedˆ ancia de um dipolo de meio com-
primento de onda, para hastes finas, ´e algo em torno de 73 + j42 Ω. Portanto,
utilizando-se um dipolo dobrado, tem-se
Z
in
= 4Z
a
= 292 +j168 Ω
A parte reativa pode ser eliminada utilizando-se capacitores cujos valores s˜ ao
C =
1
π f X
in
=
1
π 3 10
7
168
· 63 pF
237 12.5. Casamento do Tipo Gama
O coeficiente de reflex˜ao, neste caso, ´e
ρ =
292 −300
292 + 300
· −0, 014
e o coeficiente de onda estacion´ aria
VSWR =
1 + 0, 014
1 −0, 014
· 1, 03
12.5 Casamento do Tipo Gama
O arranjo de casamento T e dipolos dobrados s˜ ao acoplados aos transceptores atrav´es
de linhas de transmiss˜ao balanceadas. No caso de conex˜ oes com linhas desbal-
anceadas, como cabos coaxiais, utiliza-se outro tipo de arranjo de casamento. A
Figura 12.7 mostra um arranjo do tipo Gama para linhas coaxiais. No arranjo Gama
tem-se apenas um toco no modo assim´etrico, portanto, a corrente neste modo ´e dada
por
l
2
/2
l
1
d
2a
2
2a
1
C
Figura 12.7: Arranjo de casamento do tipo Gama.
I
t
=
(1 + n)V
Z
t
(12.14)
J´a a corrente no modo sim´etrico ´e fornecida por
I
a
=
2V
(1 + n)Z
a
(12.15)
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 238
uma vez que a impedˆ ancia do dipolo equivalente ´e a metade do valor obtido em
(12.4). Sendo assim, a impedˆ ancia de entrada fica
Z
in
= R
in
+ jX
in
=
(1 + n)
2
Z
t
Z
a
(1 + n)
2
Z
a
+ 2Z
t
(12.16)
Se um capacitor C for utilizado para eliminar a parte reativa, tem-se
Z
in
=
1
jωC
+
(1 + n)
2
Z
t
Z
a
(1 + n)
2
Z
a
+ 2Z
t
(12.17)
onde
C =
1
2π f X
in
(12.18)
O circuito equivalente ´e mostrado na Figura 12.8.
(1+ n):1
C
Z
a
/ 2 Z
t
Figura 12.8: Circuito equivalente de um arranjo Gama.
Exemplo 12.2 Projete o sistema de casamento para o dipolo do exemplo anterior
considerando que o mesmo ser´ a ligado a um transmissor de 50 Ω atrav´es de um cabo
coaxial de mesma impedˆ ancia.
Solu¸ c˜ao: Utilizando-se tubos de alum´ınio de mesmo diˆ ametro, tem-se
Z
in
=
2Z
t
Z
a
2Z
a
+ Z
t
onde a parte real ´e igual a
R
in
=
2X
2
t
R
a
4R
2
a
+ (2X
a
+ X
t
)
2
e a imagin´ aria
239 12.5. Casamento do Tipo Gama
X
in
=
2X
t
[X
a
X
t
+ 2(X
2
a
+ R
2
a
)]
4R
2
a
+ (2X
a
+ X
t
)
2
sendo X
t
= Z
o
tg (2πl
n
), Z
o
= 120 ln(d/a), l
n
= 0, 5 l
2
/λ e a = a
1
= a
2
. A Figura
12.9 mostra a varia¸ c˜ao da resistˆencia de entrada R
in
com o comprimento normal-
izado l
n
. Nota-se que, para l
n
= 0, 072, o valor de R
in
´e igual a 50Ω. Portanto,
considerando-se l
2
/2 = 0, 072λ = 72cm, a = 0, 5cm e d = 10cm, tem-se
0 0.05 0.1 0.15 0.2 0.25
0
25
50
75
100
125
150
Comprimento normalizado l
n
R
e
s
i
s
t
ê
n
c
i
a

d
e

e
n
t
r
a
d
a

R
i
n
Figura 12.9: Resistˆencia R
in
em fun¸c˜ao do comprimento normalizado l
n
. A curva
foi obtida para a = 0, 5 cm, d = 10 cm e Z
a
= 73, 13 + j 42, 54 Ω.
Z
in
·
2 j174, 7 (73, 1 + j42, 5)
2 (73, 1 + j42, 5) + j174, 7
· 50, 2 + j85, 5 Ω
onde a parte reativa pode ser eliminada utilizando-se um capacitor de
C =
1
2π f X
in
=
1
2π 3 10
7
85, 5
· 62 pF
Os valores para montagem do sistema s˜ ao: l
1
= 5m, l
2
/2 = 72cm, a = 0, 5cm,
d = 10cm e C = 62 pF.
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 240
12.6 Casamento do Tipo
ˆ
Omega
A diferen¸ca b´ asica entre o arranjo do tipo
ˆ
Omega e o tipo Gama est´ a na introdu¸ c˜ao
de um segundo capacitor, como mostrado na Figura 12.10. Com este capacitor ´e
poss´ıvel se reduzir o comprimento do haste de casamento l
2
/2, no caso do valor
fornecido pelo casamento Gama ser muito longo.
C
1
C
2
Figura 12.10: Arranjo de casamento do tipo
ˆ
Omega.
12.7 Transformadores
Sabe-se, da teoria de circuitos, que um transformador pode ser utilizado, n˜ ao s´ o como
elevador ou redutor de tens˜ ao e corrente, mas tamb´em como casador de impedˆ ancia.
Considerando-se um transformador, como mostrado na Figura 12.11, com N
1
espiras
no enrolamento prim´ ario e N
2
no enrolamento secund´ ario, tem-se [19]
V
2
V
1
=
N
2
N
1
(12.19)
e, para as correntes,
I
2
I
1
=
N
1
N
2
(12.20)
Portanto, pode-se obter a rela¸ c˜ao de impedˆ ancias como segue:
Z
2
Z
1
=
V
2
V
1
I
1
I
2
=
_
N
2
N
1
_
2
(12.21)
A impedˆancia “vista” nos terminais do enrolamento prim´ ario do transformador,
quando uma impedˆ ancia Z
L
´e ligada ao secund´ ario, ´e dada por
241 12.7. Transformadores
V
1
N
1
N
2
V
2
N
1
:N
2
I
1
Z
L
Z
in
V
1
V
2
I
2
(a)
(b)
Figura 12.11: (a) Transformador com n´ ucleo toroidal; (b) esquema de um transfor-
mador ligado a uma carga de impedˆ ancia Z
L
.
Z
in
= Z
L
_
N
1
N
2
_
2
(12.22)
Os transformadores aplicados em altas freq¨ uˆencias s˜ao constitu´ıdos por n´ ucleos
de ferrite, material que mant´em suas caracter´ısticas de impedˆ ancia para faixas largas
de freq¨ uˆencias.
Exemplo 12.3 Projete um transformador para casar a impedˆ ancia de 300Ω de uma
antena com a impedˆancia de 75Ω de um recepetor de TV.
Solu¸ c˜ao: O projeto se resume em encontrar os n´ umeros de espiras do prim´ ario e
secund´ario do transformador. Neste caso, tem-se
N
2
N
1
=
_
Z
L
Z
in
=
_
300
75
= 2
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 242
Portanto, se N
1
= 10 espiras, ent˜ ao, N
2
tem que ser igual a 20 espiras. Note
que, neste exemplo, n˜ ao existe balanceamento de correntes. Para se conseguir o
balanceamento de correntes, utiliza-se um dispositivo um pouco mais complexo,
denominado balun com n´ ucleo de ferrite.
12.8 Baluns
O balun, nome que vem do inglˆes BALance to UNbalance, ´e um arranjo ou dispositivo
que tem como principal objetivo acoplar uma linha balanceada a uma linha desbal-
anceada. Isto ´e poss´ıvel eliminando-se a corrente que flui pela superf´ıcie externa
do condutor externo de uma linha desbalanceada. Na Figura 12.1, esta corrente ´e
denominada de I
3
. O circuito equivalente do sistema antena-linha, mostrado nesta
figura, ´e apresentado na Figura 12.12, onde Z
3
´e a impedˆ ancia que se op˜ oe ` a pas-
sagem da corrente I
3
. Se Z
3
→ ∞, ent˜ ao, I
3
→ 0 e o sistema fica balanceado com
I
2
= I
1
. A seguir s˜ao mostrados dois exemplos de como isto pode ser obtido.
Z
a
/ 2
Z
a
/ 2
Z
g
Z
o
Z
3
I
3
I
1
I
2
I
1
I
2
- I
3
Figura 12.12: Circuito equivalente do sistema mostrado na Figura 12.1.
243 12.8. Baluns
12.8.1 Balun do Tipo Bazuca
O balun do tipo Bazuca ´e obtido colocando-se uma luva condutora de comprimento
igual a λ/4 envolvendo o cabo coaxial, como mostrado na Figura 12.13. A extrem-
idade da luva distante da conex˜ ao antena-linha ´e ligada eletricamente ao condutor
externo do cabo coaxial. Isto faz com que o conjunto luva-condutor-externo opere
como um toco coaxial em curto. Como o comprimento deste toco ´e igual a um quarto
do comprimento de onda de ressonˆ ancia, a impedˆ ancia Z
3
“vista” nos terminais do
toco ´e muito grande e, conseq¨ uentemente, a corrente I
3
de retorno ´e praticamente
zero.
Z
g
λ/4
Figura 12.13: Balun do tipo Bazuca.
12.8.2 Balun do Tipo Trombone
O balun do tipo Trombone, apresentado na Figura 12.14, al´em de possibilitar o
balanceamento entre linhas, oferece tamb´em uma transforma¸ c˜ao de impedˆ ancia de
4:1. Por exemplo, uma linha paralela de 300Ω pode ser ligada a um cabo coaxial de
75Ω sem problemas de casamento de impedˆ ancia. O circuito equivalente do balun
Trombone ´e mostrado na Figura 12.15. Observa-se que a corrente I
1
est´a relacionada
com I
2
atrav´es de
I
1
= −I
2
e
j∆φ
(12.23)
onde ∆φ ´e o comprimento el´etrico da linha coaxial em “U”. Seu valor ´e obtido a
partir de
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 244
Z
g
l/2
Figura 12.14: Balun do tipo Trombone.
∆φ =

λ
l (12.24)
sendo λ =
c
f

ε
r
e l o comprimento f´ısico desta linha. Se o comprimento da linha
em “U” for igual a λ/2, tem-se I
1
= I
2
, levando o sistema ao balanceamento. Al´em
disso, a impedˆ ancia “vista” no ponto A em dire¸c˜ao a linha em “U” ´e igual a Z
a
/2
que, em paralelo com Z
a
/2, fornece uma impedˆ ancia de entrada de Z
a
/4. Para o
circuito estar casado ´e necess´ario que a impedˆ ancia caracter´ıstica Z
o
da linha seja
igual a Z
a
/4.
Exemplo 12.4 Apresente dois projetos, utilizando-se os baluns estudados, para
casar a impedˆ ancia e balancear as correntes do sistema irradiante do exemplo ante-
rior. Considere a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ ao igual a 300MHz e cabos com
r
= 1.
Solu¸ c˜ao: O problema pode ser resolvido utilizando-se um balun do tipo bazuca,
com l = λ/4 = 25cm, entre o transformador e os terminais da antena ou, ent˜ ao, um
balun do tipo trombone, de l = λ/2 = 50cm, excluindo-se o transformador.
12.9 Baluns com N´ ucleos de Ferrite
Os baluns apresentados na se¸ c˜ao anterior foram constitu´ıdos a partir de linhas de
transmiss˜ ao. Uma outra fam´ılia de baluns, muito difundida comercialmente, ´e aquela
245 12.9. Baluns com N´ ucleos de Ferrite
Z
o
I
2
I
1
Z
g
Z
a
/ 2
Z
o
Z
a
/ 2
V
1
V
2
l
A
Linha em U
I
1
Figura 12.15: Circuito equivalente do sistema mostrado na Figura 12.13.
que utiliza n´ ucleos de ferrite. Os baluns com n´ ucleos de ferrite podem ser utilizados
para balanceamento e/ou para casamento de impedˆ ancia. O balun mostrado na
Figura 12.16a ´e utilizado apenas para balanceamento das correntes, enquanto o da
Figura 12.16b faz o balanceamento e a transforma¸ c˜ao de impedˆ ancia.
CAP´ıTULO 12. Casamento de Impedˆ ancia de Antenas 246
(a)
(b)
Figura 12.16: (a) Balun com um n´ ucleo de ferrite; (b) balun com dois n´ ucleos de
ferrite.
Cap´ıtulo 13
Arranjos de Antenas
13.1 Introdu¸ c˜ao
Nos cap´ıtulos anteriores foram analisadas estruturas simples, constitu´ıdas de ape-
nas um elemento radiador. Verificou-se que certas caracter´ısticas de radia¸ c˜ao, como
ganho, diretividade e largura de feixe de meia-potˆencia, nem sempre s˜ao adequadas
para aplica¸ c˜oes pr´ aticas. Se for tomado como exemplo a antena do tipo dipolo,
pode-se concluir que estes radiadores fornecem baixo ganho e baixa diretividade,
al´em do feixe de meia-potˆencia ser muito largo e a rela¸ c˜ao frente-costas igual a 0dB.
Em aplica¸ c˜oes envolvendo r´ adio-enlace, por exemplo, a utiliza¸ c˜ao de antenas simples
fica muito a desejar, uma vez que a radia¸ c˜ao de ondas eletromagn´eticas n˜ ao ocorre
preferencialmente em uma ´ unica dire¸c˜ao. J´ a aplica¸ c˜oes de radiodifus˜ao, como trans-
miss˜ao de sinais de emissoras de TV e r´ adios FM, exigem caracter´ısticas de radia¸ c˜ao
que, em geral, devem ser uniformes. Um dipolo, por exemplo, se utilizado na hori-
zontal, n˜ ao tem diagrama de radia¸ c˜ao uniforme, devido aos dois nulos sim´etricos no
plano E. Tanto as caracter´ısticas de radia¸ c˜ao necess´arias para radiodifus˜ ao como as
de r´adio-enlace podem ser obtidas utilizando-se um grupo ou conjunto de antenas.
Antenas do tipo yagi, log-peri´ odica e colineares s˜ ao exemplos de conjuntos de an-
tenas, no caso, elementos lineares do tipo dipolo, que oferecem alta diretividade e
alto ganho. Antenas como a log-peri´ odica oferecem, al´em de uma boa diretividade,
largura de banda larga, sendo muito utilizada na recep¸ c˜ao de canais de TV.
Nas pr´ oximas se¸ c˜oes ser˜ao analisados conjuntos ou arranjos de antenas onde os
elementos est˜ao distribu´ıdos de uma maneira uniforme, ao longo de um eixo ou
superf´ıcie plana, formando respectivamente as distribui¸ c˜oes do tipo linear e pla-
nar. As caracter´ısticas de radia¸ c˜ao podem ser obtidas e/ou controladas a partir
da alimenta¸ c˜ao de cada elemento, do espa¸ camento entre eles e do tipo de elemento
utilizado.
247
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 248
E=E
1
+E
2
d
r
1
r
2
z
θ
1
r
θ
2
0
d
r
1
r
2
z
θ
1
r
θ
2
0
θ
(a) (b)
Figura 13.1: Arranjo de dois dipolos: (a) campo pr´ oximo; (b) campo distante.
13.2 Distribui¸ c˜ao Linear
Este tipo de distribui¸ c˜ao ´e muito utilizada na pr´ atica para compor antenas mais
complexas, como as dos tipos mencionados na se¸ c˜ao anterior. A an´ alise ´e feita para
elementos isotr´ opicos, uma vez que as caracter´ısticas de radia¸ c˜ao de outros arranjos,
constitu´ıdos de elementos n˜ ao-isotr´ opicos, podem ser obtidas atrav´es do produto da
express˜ao do campo radiado pelo elemento com a express˜ ao do campo do arranjo
isotr´ opico. Isto j´ a foi visto na Se¸ c˜ao 9.4.1 e ser´ a, mais uma vez, mostrado na se¸ c˜ao
seguinte para dois elementos dipolo infinitesimal.
13.2.1 Arranjo de Dois Elementos
Um arranjo constitu´ıdo de dois elementos dipolos infinitesimais, alinhados no eixo
z e espa¸cados uniformemente, ´e mostrado na Figura 13.1. Se os elementos tˆem
correntes de excita¸ c˜ao dadas por
I
e1
= I
o1
e

1
(13.1)
249 13.2. Distribui¸ c˜ao Linear
e
I
e2
= I
o2
e

2
(13.2)
ent˜ao, seus campos ser˜ ao fornecidos por
E
1
=
jη kI
o1
l e
−j(k r
1
−β
1
)
4πr
1
sen θ
1
(13.3)
e
E
2
=
jη kI
o2
l e
−j(k r
2
−β
2
)
4πr
2
sen θ
2
(13.4)
sendo I
o1
e I
o2
as amplitudes das correntes de excita¸c˜ao, enquanto β
1
e β
2
s˜ao as
fases destas correntes. Sabe-se que, para campos distantes, r ´e muito maior que d,
portanto, no que diz respeito a fase, tem-se θ
1
· θ
2
· θ,
k r
1
· k (r −
d
2
cos θ) (13.5)
k r
2
· k (r +
d
2
cos θ) (13.6)
e, em termos de amplitude,
r
1
· r
2
· r (13.7)
O campo produzido pelo arranjo ´e igual a superposi¸ c˜ao dos campos gerados pelos
dipolos, ou seja,
E = E
1
+ E
2
(13.8)
ou
E =
jη k l e
−jk r
4πr
sen θ
_
I
o1
e
j
(
k
d
2
cos θ +β
1)
+ I
o2
e
−j
(
k
d
2
cos θ −β
2)
_
(13.9)
Se o elemento 1 for tomado como referˆencia, tem-se
E =
jη k I
o1
l e
−jk r
4πr
sen θ
_
e
j
(
k
d
2
cos θ +β
1)
+
I
o2
I
o1
e
−j
(
k
d
2
cos θ −β
2)
_
(13.10)
A express˜ao (13.10) pode ser sintetizada como
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 250
E = E
el
F
A
(13.11)
sendo
E
el
=
jη k I
o1
l e
−jk r
4πr
sen θ (13.12)
e
F
A
=
_
e
j
(
k
d
2
cos θ +β
1)
+
I
o2
I
o1
e
−j
(
k
d
2
cos θ −β
2)
_
(13.13)
O fator de arranjo F
A
fornece a express˜ ao do campo el´etrico de um arranjo com-
posto de antenas isotr´ opicas. No exemplo visto aqui, os radiadores isotr´ opicos s˜ ao
excitados por correntes de amplitudes iguais a I
o1
e I
o2
e fases β
1
e β
2
.
Para excita¸ c˜ao, onde I
o1
= I
o2
e β
1
−β
2
= β, obt´em-se
F
A
=
_
e
j
(
k
d
2
cos θ +
β
2
)
+ e
−j
(
k
d
2
cos θ +
β
2
)
_
= 2 cos
_
1
2
(k d cos θ + β)
_
(13.14)
Observe que este resultado ´e semelhante `aquele expresso em (9.61).
13.2.2 Arranjo de N Elementos
Se for considerado agora um arranjo linear de radiadores isotr´ opicos, como mostrado
na Figura 13.3, onde as correntes de excita¸ c˜ao s˜ ao dadas por
I
ei
= α
i
I
o
e

i
(13.15)
tem-se, como fator de arranjo para campos distantes,
F
A
=
N

i=1
_
α
i
e
j(k d
i
cos θ +β
i
)
¸
(13.16)
sendo I
o
a amplitude da corrente do elemento de referˆencia, α
i
=
|I
i
|
I
o
e β
i
a defasagem
de alimenta¸ c˜ao em rela¸ c˜ao ` a origem. Se, por exemplo, o primeiro elemento for
tomado como referˆencia, ent˜ao, α
1
= 1. Para espa¸ camento e amplitudes uniformes,
com diferen¸ca de fase igual a β entre elementos adjacentes, tem-se
F
A
=
N

i=1
_
e
j (i−1)(k d cos θ +β)
¸
(13.17)
251 13.2. Distribui¸ c˜ao Linear
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
Figura 13.2: Diagrama de radia¸ c˜ao (plano E) para um arranjo de dois dipolos de
λ/2 com d = λ/10 e β = π/2.
A equa¸ c˜ao (13.17) pode ser reescrita como
F
A
= e
j
N −1
2
φ
_
sen
_
N
2
φ
_
sen
_
1
2
φ
_
_
(13.18)
sendo
φ = k d cos θ + β (13.19)
Se o arranjo estiver simetricamente distribu´ıdo em rela¸ c˜ao ` a origem, ent˜ ao,
F
A
=
sen
_
N
2
φ
_
sen
_
1
2
φ
_ (13.20)
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 252
d
2
r
3
z
0
θ
r
2
r
1
r
N
d
N
Figura 13.3: Arranjo com N radiadores isotr´ opicos.
e seu valor normalizado ´e dado por
F
A
n
=
1
N
sen
_
N
2
φ
_
sen
_
1
2
φ
_ (13.21)
Para φ muito pequeno, tem-se
F
A
n
=
sen
_
N
2
φ
_
N
2
φ
(13.22)
13.2.3 Arranjo com um N´ umero Par de Elementos
Se o espa¸ camento d entre os elementos for uniforme, a diferen¸ca de fase β entre
os elementos adjacentes for constante e as correntes tiverem amplitudes diferentes,
ent˜ao, o fator de arranjo, para um n´ umero par 2M de elementos distribu´ıdos simet-
ricamente em rela¸ c˜ao ` a origem, ´e dado por
F
A
=
M

i=1
α
i
_
e
j
2i−1
2
(k d cos θ +β)
+ e
−j
2i−1
2
(k d cos θ +β)
_
(13.23)
253 13.2. Distribui¸ c˜ao Linear
ou
F
A
= 2
M

i=1
α
i
cos
_
2i −1
2
k d cos θ + β
_
(13.24)
13.2.4 Arranjo com um N´ umero
´
Impar de Elementos
Para 2M + 1 elementos, distribu´ıdos simetricamente em rela¸ c˜ao ` a origem, tem-se
F
A
= 2α
1
+
M+1

i=2
α
i
_
e
j (i−1)(k d cos θ +β)
+ e
−j (i−1)(k d cos θ +β)
¸
(13.25)
ou
F
A
= 2
M+1

i=1
α
i
cos [(i −1) ( k d cos θ + β)] (13.26)
onde o elemento na origem tem amplitude de corrente igual a 2α
1
.
13.2.5 Intensidade de Radia¸ c˜ao
A intensidade de radia¸ c˜ao de um arranjo constitu´ıdo de elementos isotr´ opicos ´e
obtida a partir do fator de arranjo, isto ´e,
U(θ) = F
2
A
(13.27)
enquanto a intensidade de radia¸ c˜ao normalizada ´e obtida de
U
n
(θ) = F
2
A
n
(13.28)
Se o arranjo for constitu´ıdo de elementos cujos campos el´etricos radiados s˜ ao forneci-
dos por E
el
(θ, ϕ), ent˜ao, a intensidade de radia¸ c˜ao do conjunto ser´ a dada por
U(θ) =
r
2

E
2
el
F
2
A
(13.29)
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 254
13.2.6 Diretividade
Assim como nas antenas simples de um elemento, a diretividade de um arranjo
pode ser obtida da equa¸ c˜ao (8.29) ou (9.7), utilizando-se a equa¸ c˜ao (13.29). Para
um arranjo uniforme de antenas isotr´ opicas, com defasagem de alimenta¸ c˜ao β = 0
e espa¸camento d ¸ λ, a intensidade de radia¸ c˜ao normalizada ´e dada por (13.28) e
a diretividade por
D
o
=
U
max
U
o
=
1
U
o
(13.30)
uma vez que o valor m´ aximo de (13.28) ´e 1. Lembrando-se que a intensidade de
radia¸ c˜ao U
o
de uma antena isotr´ opica ´e dada por
U
o
=
P
rad

=
1
2
π
_
0
U
n
(θ) sen θ dθ (13.31)
ou, no caso de fator de arranjo ser dado por (13.22),
U
o
=
1
2
π
_
0
F
2
A
n
sen θ dθ ·
π
Nkd
(13.32)
ent˜ao
D
o
=
Nkd
π
= 2N
d
λ
(13.33)
13.3 Distribui¸ c˜ao Planar
Se os elementos forem distribu´ıdos sobre uma superf´ıcie plana, como mostrado na
Figura 13.4, tem-se um arranjo do tipo planar. Este arranjo pode ser considerado
como um conjunto linear de arranjos lineares.
´
E s´o supor, por exemplo, que o ar-
ranjo mostrado na Figura 13.4 ´e formado por elementos que s˜ ao arranjos lineares,
distribu´ıdos ao longo de x e espa¸cados na dire¸ c˜ao y. O conjunto planar de ante-
nas possui mais vari´ aveis que permitem um maior controle das caracter´ısticas de
radia¸ c˜ao do mesmo. Al´em disso, este tipo de distribui¸ c˜ao oferece um diagrama de
radia¸ c˜ao mais sim´etrico (para arranjos uniformes) com l´ obulos secund´arios de menor
intensidade.
Considerando-se que a corrente no elemento posicionado na m-´esima linha e
n-´esima coluna do arranjo ´e dado por
I
mn
= α
mn
I
o
e
j(β
m

n
)
(13.34)
255 13.3. Distribui¸ c˜ao Planar
d
N
d
M
ϕ
θ
r
dx
dy
ds
x
y
z
1 2 3 N
2
M
Figura 13.4: Arranjo planar de elementos isotr´ opicos.
sendo I
o
a amplitude de referˆencia, α
mn
=
|I
mn
|
I
o
, β
m
e β
n
as defasagens em rela¸ c˜ao ` a
origem, tem-se como fator de arranjo, para o primeiro conjunto linear da estrutura
mostrada na Figura 13.4,
(F
A
)
n=1
=
M

m=1
_
α
mn
e
j(k d
m
sen θ cos ϕ +β
m
)
¸
(13.35)
Enquanto o fator de arranjo de toda a estrutura plana ´e obtido de
F
A
=
N

n=1
_
(F
A
)
n
e
j(k d
n
sen θ senϕ +β
n
)
¸
(13.36)
ou
F
A
=
N

n=1
M

m=1
_
α
mn
e
j(k d
m
sen θ cos ϕ +β
m
)
e
j(k d
n
sen θ senϕ +β
n
)
¸
(13.37)
ou ainda
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 256
F
A
=
N

n=1
M

m=1
_
α
mn
e

x
e

y
¸
(13.38)
sendo
φ
x
= k
x
d
m
+ β
m
= k d
m
sen θ cos ϕ + β
m
(13.39)
e
φ
y
= k
y
d
n
+ β
n
= k d
n
sen θ senϕ + β
n
(13.40)
Para uma distribui¸ c˜ao uniforme tem-se como fator de arranjo a seguinte ex-
press˜ao:
F
A
=
N

n=1
M

m=1
_
e
j(m−1)(k d
x
sen θ cos ϕ +β
x
)
e
j(n−1)(k d
y
sen θ senϕ +β
y
)
¸
(13.41)
Se ela for sim´etrica em rela¸ c˜ao ` a origem, ent˜ ao, o fator de arranjo normalizado fica
F
A
=
_
sen
_

x
2
_
M sen
_
φ
x
2
_
_
_
_
sen
_

y
2
_
N sen
_
φ
y
2
_
_
_
(13.42)
sendo, neste caso,
φ
x
= k d
x
sen θ cos ϕ + β
x
(13.43)
e
φ
y
= k d
y
sen θ senϕ + β
y
(13.44)
onde d
x
e d
y
s˜ao os espa¸ camentos entre os elementos adjacentes enquanto que β
x
e
β
y
s˜ao as defasagens de alimenta¸ c˜ao entre os elementos.
13.4 Arranjos Lineares de Dipolos
13.4.1 Caracter´ısticas de Radia¸ c˜ao
Utilizando-se as express˜ oes vistas na Se¸ c˜ao 13.2, pode-se obter as caracter´ısticas de
radia¸ c˜ao de arranjos lineares constitu´ıdos de dipolos. O campo total radiado pelo
arranjo, com os elementos distribu´ıdos no eixo z, ´e dado por
257 13.4. Arranjos Lineares de Dipolos
E = E
el
[F
A
[ (13.45)
sendo
E
el
=
jηI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos (θ + θ
o
)
¸
−cos
_
kl
2
_
sen (θ + θ
o
)
_
(13.46)
onde θ
o
= 0 para dipolos colineares e θ
o
= π/2 para dipolos paralelos. F
A
´e fornecido
por (13.16), sendo o m´ odulo de F
A
em (13.45) utilizado para arranjos simetricamente
distibu´ıdos em rela¸ c˜ao ` a origem. A intensidade de radia¸ c˜ao normalizada no plano E
´e dada, ent˜ ao, por
U
en
=
U
e
(θ)
max ¦U
e
(θ)¦
(13.47)
sendo
U
e
(θ) =
η [I
o
[
2

2
_
cos
_
k l
2
cos (θ + θ
o
)
¸
−cos
_
k l
2

2
sen
2
(θ + θ
o
)
[F
A
[
2
(13.48)
enquanto que, no plano H, a intensidade normalizada pode ser obtida de
U
hn
=
U
h
(ϕ)
max ¦U
h
(ϕ)¦
(13.49)
sendo
U
h
(ϕ) = [F
A
[
2
(13.50)
A diretividade do arranjo ´e obtida a partir de (13.30), substituindo (13.47) em
(13.31).
Se os dipolos tiverem comprimentos idˆenticos e a alimenta¸ c˜ao for feita de forma
que as correntes sejam iguais, ent˜ ao, a intensidade de radia¸ c˜ao no plano E ´e dada
por
U
e
(θ) =
η [I
o
[
2

2
_
cos
_
k l
2
cos (θ + θ
o
)
¸
−cos
_
k l
2

2
sen
2
(θ + θ
o
)
sen
2
_
N
2
φ
_
sen
2
_
1
2
φ
_ (13.51)
e no plano H
U
h
(ϕ) =
_
sen
_
N
2
φ

_
sen
_
1
2
φ

_
_
2
(13.52)
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 258
onde φ e φ

s˜ao fornecidos por (13.19), sendo que no caso da express˜ ao de φ

substitui-
se θ por ϕ .
Exemplo 13.1 Projete uma antena direcional constitu´ıda de dois dipolos de meio
comprimento de onda.
Solu¸ c˜ao: Considerando-se dois dipolos de λ/2 paralelos ao eixo z, obt´em-se, a partir
das equa¸ c˜oes (13.51) e (13.52), a express˜ ao da intensidade de radia¸ c˜ao no plano E
U
e
(θ) =
η [I
o
[
2

2
_
cos
2
_
π
2
cos θ
_
sen
2
θ
__
sen
2
(k d cos θ + β)
sen
2
_
1
2
k d cos θ + β
_
_
e no plano H
U
h
(ϕ) =
_
sen (k d cos ϕ + β)
sen
_
1
2
k d cos ϕ + β
_
_
2
Uma an´ alise baseada na varia¸ c˜ao de d e β revela que a m´ axima diretividade
com um menor n´ umero de l´ obulos secund´arios pode ser obtida quando d = λ/10 e
β = π/2. O diagrama de radia¸ c˜ao no plano E, para estes valores, ´e mostrado na
Figura 13.2. Neste exemplo, a diretividade do arranjo ´e igual a 5,7dBi (3,6dB acima
do valor de um dipolo) e a rela¸ c˜ao frente-costas igual a 4,4dB (no dipolo ´e zero).
13.4.2 Impedˆancia de Entrada e Corrente nos Dipolos
A proximidade dos dipolos no arranjo leva ` a indu¸ c˜ao de correntes entre os elementos.
O resultado disso ´e a altera¸ c˜ao da impedˆ ancia de entrada de cada elemento. No
Cap´ıtulo 9 foram estudados os efeitos do acoplamento entre dois dipolos pr´ oximos,
posicionados lado a lado paralelamente ou colinearmente. As impedˆ ancias de entrada
destes dipolos foram obtidas a partir das impedˆ ancias pr´ opria e m´ utua. No caso dos
arranjos, tˆem-se dois ou mais dipolos pr´ oximos, portanto, para se obter as correntes e
impedˆancias de entrada em cada dipolo, ´e necess´ario calcular, al´em das impedˆancias
pr´ oprias, as impedˆ ancias m´ utuas de cada elemento em rela¸ c˜ao aos outros. Uma vez
calculadas estas impedˆancias, obt´em-se as correntes em cada elemento, resolvendo-se
o sistema representado pela equa¸ c˜ao matricial que se segue:
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
V
1
V
2
V
3
.
.
.
V
N
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
=
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
Z
11
Z
12
Z
13
Z
1N
Z
21
Z
22
Z
23
Z
2N
Z
31
Z
32
Z
33
Z
3N
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Z
N1
Z
N2
Z
N3
Z
NN
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
I
1
I
2
I
3
.
.
.
I
N
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
(13.53)
259 13.4. Arranjos Lineares de Dipolos
ou
V
in
= ZI
in
(13.54)
lembrando que Z
ii
´e obtida de (9.18) enquanto Z
ij
´e fornecida por (9.36) ou (9.37)
no caso paralelo e (9.42) e (9.43) no caso colinear. Portanto, sabendo-se as tens˜ oes
de alimenta¸ c˜ao, obt´em-se as correntes de entrada de cada elemento atrav´es de
I
in
= Z
−1
V
in
(13.55)
As correntes nos dipolos (13.15) s˜ ao fornecidas por
I
e
(i) =
I
in
(i)
sen
_
kl
i
2
_ (13.56)
onde l
i
´e o comprimento do i-´esimo dipolo.
A impedˆancia de entrada do i-´esimo dipolo pode ser calculada de
Z
i
=
V
in
(i)
I
in
(i)
(13.57)
ou de
Z
i
= Z
i1
I
1
I
i
+ Z
i2
I
2
I
i
+ + Z
ii
+ + Z
iN
I
N
I
i
(13.58)
Exemplo 13.2 Encontre a impedˆ ancia de entrada dos dipolos do exemplo anterior.
Solu¸ c˜ao: As impedˆancias podem ser obtidas a partir da equa¸ c˜ao (13.58), ou seja,
Z
1
= Z
11
+ Z
12
I
2
I
1
e
Z
2
= Z
22
+ Z
21
I
1
I
2
sendo as correntes fornecidas por (13.56), as impedˆ ancias pr´ oprias por (9.18) e
as m´ utuas por (9.36) e (9.37). Os valores das impedˆ ancias, calculadas por estas
equa¸ c˜oes, s˜ao: Z
11
= Z
22
· 73 + j 42, 5 Ω e Z
21
= Z
12
· 67 + j 7, 5 Ω. As correntes
s˜ao obtidas a partir da resolu¸ c˜ao do sistema
_
V
1
V
2
_
=
_
Z
11
Z
12
Z
21
Z
22
_ _
I
1
I
2
_
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 260
ou
_
I
1
I
2
_
=
_
73 + j 42, 5 67 + j 7, 5
67 + j 7, 5 73 + j 42, 5
_
−1
_
1
e
jπ/2
_
cuja solu¸c˜ao ´e: I
1
= −0, 007 − j 0, 014A e I
2
= 0, 016 + j 0, 018A. Substituindo os
valores de correntes e impedˆ ancias nas equa¸ c˜oes que fornecem as impedˆ ancias de
entradas, tˆem-se
Z
1
= 73 + j 42, 5 + 67 +j 7, 5
0, 016 + j 0, 018
−0, 007 −j 0, 014
· −28, 8 + j 55, 7 Ω
e
Z
2
= 67 + j 7, 5 + 73 +j 42, 5
−0, 007 −j 0, 014
0, 016 + j 0, 018
· 27, 2 + j 31, 2 Ω
13.5 Arranjos Planares de Dipolos
13.5.1 Caracter´ısticas de Radia¸ c˜ao
Para um arranjo planar de dipolos, o diagrama de radia¸ c˜ao depende da dire¸ c˜ao
de alinhamento dos elementos. Se os elementos estiverem alinhados em rela¸ c˜ao ` a
dire¸c˜ao z, ent˜ao, a express˜ ao do campo el´etrico total ´e dada por
E =
jη e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
N

n=1
M

m=1
_
I
mn
e

x
e

y
¸
(13.59)
sendo φ
x
e φ
y
dados, respectivamente, por (13.39) e (13.40). A intensidade de
radia¸ c˜ao normalizada ´e obtida de
U
n
=
U(θ, ϕ)
max ¦U(θ, ϕ)¦
(13.60)
e
U(θ, ϕ) =
η

2
_
cos
_
k l
2
cos θ
_
−cos
_
k l
2

2
sen
2
θ
_
N

n=1
M

m=1
_
I
mn
e

x
e

y
¸
_
2
(13.61)
O diagrama de radia¸ c˜ao no plano E pode variar de acordo com o ˆ angulo ϕ.
A diretividade do arranjo ´e obtida de
261 13.5. Arranjos Planares de Dipolos
D
o
=
4π U(θ
m
, ϕ
m
)

_
0
π
_
0
U(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ
(13.62)
onde θ
m
e ϕ
m
indicam a dire¸ c˜ao do l´ obulo principal.
Exemplo 13.3 Trace o diagrama de radia¸ c˜ao, em ambos os planos, E e H, para
um arranjo constitu´ıdo de quatro dipolos de meio comprimento de onda alinhados
com a dire¸ c˜ao z. O espa¸ camento entre os elementos ´e de λ/2 e as diferen¸ cas de
fases s˜ ao: β
x
= −π/2 e β
y
= 0.
Solu¸ c˜ao: A express˜ao da intensidade de radia¸ c˜ao, para o plano E, ´e fornecida por
(13.61). Ap´ os alguma manipula¸ c˜ao matem´ atica, tem-se
U
e
(θ) =
η [I
o
[
2

2
cos
_
k l
2
cos θ
_
sen
2
θ
[F
A
[
2
Para o plano H, tem-se
U
h
(ϕ) = [F
A
[
2
=
1
16
_
senφ
x
sen
_
φ
x
2
_
_
2
_
_
senφ
y
sen
_
φ
y
2
_
_
_
2
onde φ
x
= π sen θ cos ϕ −π/2 e φ
y
= π sen θ senϕ. A Figura 13.5 mostra os diagramas
de radia¸ c˜ao, para o plano E (ϕ = 0

) e plano H, tra¸ cados utilizando-se as equa¸ c˜oes
acima.
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
Plano E
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
Plano H
Figura 13.5: Diagramas de radia¸ c˜ao para um arranjo planar de 4 dipolos de λ/2.
CAP´ıTULO 13. Arranjos de Antenas 262
13.5.2 Impedˆancia de Entrada e Corrente nos Dipolos
As impedˆancias e correntes s˜ao determinadas utilizando-se um procedimento semel-
hante ` aquele adotado na Se¸ c˜ao 13.4.2, isto ´e, as correntes s˜ao obtidas resolvendo o
sistema (13.53). Mais uma vez, o c´ alculo das correntes e impedˆ ancias vai depen-
der da orienta¸ c˜ao dos dipolos. Quando os elementos est˜ ao orientados na dire¸ c˜ao z,
utilizam-se (9.18), (9.36) e (9.37) para se obter as impedˆ ancias pr´ oprias e m´ utuas.
Cap´ıtulo 14
Antenas Direcionais
14.1 Introdu¸ c˜ao
Antenas Direcionais s˜ ao utilizadas em r´ adio-enlace, uma vez que elas possuem car-
acter´ısticas de radia¸ c˜ao que levam ` a concentra¸ c˜ao de potˆencia radiada numa deter-
minada dire¸ c˜ao do espa¸ co. Estas caracter´ısticas s˜ao: alta diretividade ou ganho,
feixe de meia-potˆencia estreito e alta rela¸ c˜ao frente-costas. Para se obter estas pro-
priedades, as antenas direcionais s˜ao constitu´ıdas de refletores ou v´ arios elementos,
como dipolos e “loops”. As antenas com refletores ser˜ ao analisadas mais adiante,
sendo o foco neste cap´ıtulo voltado para aquelas compostas por elementos. Foram
selecionadas para an´ alise trˆes tipos de antenas muito utilizadas comercialmente. S˜ ao
elas: yagi-uda, log-peri´ odica e helicoidal.
14.2 Antena Yagi-Uda
As antenas do tipo yagi-uda, comumente denominadas de yagi, foram primeiramente
descritas e analisadas num artigo do professor japonˆes S. Uda, em mar¸ co de 1926
[35]. Entretanto, estas antenas s´ o se tornaram mundialmente conhecidas depois da
publica¸ c˜ao, em 1928, de um artigo em inglˆes assinado por H. Yagi [38], colega do
professor Uda.
A antena yagi mais comum ´e aquela constitu´ıda de dipolos espa¸ cados paralela-
mente sobre um determinado eixo, como mostrado na Figura 14.1. Na yagi apenas
um elemento ´e excitado sendo os outros chamados de elementos parasitas. Os el-
ementos em frente ao radiador ou excitador, na dire¸ c˜ao do l´ obulo principal, s˜ ao
denominados de elementos diretores. Enquanto que os elementos atr´ as do radiador,
no sentido oposto ` a dire¸ c˜ao de campo m´ aximo, s˜ ao chamados de refletores. Na sua
263
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 264
configura¸ c˜ao mais simples, a yagi tem um refletor e um elemento radiador. Num
projeto otimizado, um n´ umero grande de elementos leva a um maior ganho da an-
tena, isto ´e, uma antena de trˆes elementos pode fornecer um ganho m´ aximo maior
que uma composta de apenas dois.
Elementos
Diretores
Elementos
Refletores
Elemento
Radiador
Figura 14.1: Antena yagi de 6 elementos.
14.2.1 Yagi de Dois Elementos
A Figura 14.2 mostra uma antena yagi de dois elementos, com comprimento l
1
e
l
2
, espa¸cados a uma distˆ ancia d um do outro. O elemento 1 (radiador), excitado
por uma tens˜ ao V qualquer, gera uma distribui¸ c˜ao de corrente que produz campos
eletromagn´eticos radiados em forma de onda. Apesar de n˜ ao haver excita¸ c˜ao direta
no elemento 2 (parasita), existe uma distribui¸ c˜ao de corrente induzida pelo campo
oriundo do elemento radiador. Esta por sua vez produz tamb´em campos eletro-
magn´eticos que, superpostos com os campos do elemento 1, formam o campo total
radiado pelo arranjo. As caracter´ısticas de radia¸ c˜ao e a impedˆ ancia de entrada da
antena dependem dos comprimentos e espa¸ camento entre os elementos.
A impedˆancia de entrada ´e obtida aplicando-se a teoria apresentada no cap´ıtulo
anterior, Se¸ c˜ao 13.4. Neste caso, por se tratar de apenas dois elementos, tˆem-se
Z
11
I
1
+ Z
12
I
2
= V (14.1)
265 14.2. Antena Yagi-Uda
d
z
r 0
θ
l
2
l
1
1
2
Figura 14.2: Antena yagi de 2 elementos alinhada ao longo do eixo z.
e
Z
21
I
1
+ Z
22
I
2
= 0 (14.2)
donde se conclui que a corrente induzida no elemento 2 ´e
I
2
= −I
1
Z
21
Z
22
(14.3)
A impedˆancia de entrada ´e expressa ent˜ ao por
Z
in
= Z
11

Z
21
Z
22
Z
12
(14.4)
A express˜ao do campo el´etrico distante radiado pelo conjunto ´e obtida de
E(θ) = E
1
(θ) + E
2
(θ) (14.5)
sendo
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 266
Tabela 14.1: Ganhos e impedˆ ancias em rela¸ c˜ao ao comprimento do elemento 2
(d = 0, 1λ e a = 0, 0001λ).
l
2
/λ G(dBi) Z
in
(Ω) Z
22
(Ω)
0,5 6,7 21 + j59 73 + j42
0,505 6,3 27 + j63 75 + j57
0,515 5,5 37 + j66 80 + j85
0,485 6,7 12 + j31 67 + j
0,48 7,3 16 + j20 65 −j13
0,475 6,7 25 + j11 63 −j26
E
1
(θ) =
j60I
1
r sen
_
kl
1
2
_
_
cos
_
kl
1
2
sen θ
_
−cos
_
kl
1
2
_
cos θ
_
e
−jk(r−
d
2
cos θ)
(14.6)
e
E
2
(θ) =
j60I
2
r sen
_
kl
2
2
_
_
cos
_
kl
2
2
sen θ
_
−cos
_
kl
2
2
_
cos θ
_
e
−jk(r+
d
2
cos θ)
(14.7)
Para uma yagi com elemento radiador de comprimento igual a λ/2, a express˜ ao
(14.5) fica
E(θ) =
j60I
1
e
−jkr
r cos θ
_
cos
_
π
2
sen θ
_
e
jk
d
2
cos θ

Z
21
Z
22
cos
(
kl
2
2
sen θ
)
−cos
(
kl
2
2
)
sen
(
kl
2
2
)
e
−jk
d
2
cos θ
_
(14.8)
A Tabela 14.1 mostra o comportamento do ganho de uma yagi de 2 elementos em
rela¸ c˜ao ao comprimento do elemento 2, sendo o espa¸ camento d = 0, 1λ, l
1
= 0, 5λ
e o raio a = 0, 0001λ. O ganho da antena pode ser elevado reduzindo-se, neste
caso, o tamanho do elemento parasita para 0, 48λ. Nota-se que, para os dois ´ ultimos
comprimentos da Tabela 14.1, as impedˆ ancias pr´ oprias do elemento 2 tˆem parte
reativa capacitiva. O diagrama de radia¸ c˜ao mostrado na Figura 14.3 deixa claro
que, neste caso, este elemento atua como um elemento diretor, uma vez que o l´ obulo
principal est´a no sentido z

. Para comprimentos ligeiramente superiores a λ/2, o
elemento parasita tem reatˆ ancia indutiva e atua como refletor, como apresentado na
Figura 14.4.
267 14.2. Antena Yagi-Uda
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
Plano E
Figura 14.3: Diagrama de radia¸ c˜ao para uma yagi de 2 elementos (l
2
= 0, 48λ,
d = 0, 1λ e raio a = 0, 0001λ).
Na Tabela 14.2, observa-se o comportamento do ganho em fun¸ c˜ao do espa¸ camento.
Neste caso, l
1
= 0, 5λ, l
2
= 0, 48λ e o raio a = 0, 0001λ. O que se nota ´e uma queda
do ganho com o aumento do espa¸ camento.
14.2.2 Yagi de Trˆes Elementos
Esta configura¸ c˜ao de yagi ´e muito utilizada na faixa de HF. O elemento mais longo ´e o
refletor e o mais curto o diretor. O sistema ´e equivalente ` a configura¸ c˜ao ´ optica de um
espelho (refletor), fonte de luz e lente (diretor). O diagrama de radia¸ c˜ao apresentado
na Figura 14.5, referente a um projeto de yagi com trˆes elementos, mostra que a
largura do feixe de meia-potˆencia ´e menor que aquelas obtidas com antenas de dois
elementos, o que resulta num ganho um pouco mais elevado. A rela¸ c˜ao frente-costas
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 268
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
Plano E
Figura 14.4: Diagrama de radia¸ c˜ao para uma yagi de 2 elementos (l
2
= 0, 505λ,
d = 0, 1λ e raio a = 0, 0001λ).
tamb´em ´e aumentada, uma vez que a radia¸ c˜ao de fundo (θ =180

) ´e menor que as
obtidas no caso anterior. Experimentos mostram que se pode obter ganhos mais
elevados, da ordem de 9 dBi, utilizando-se espa¸ camentos de 0, 16λ a 0, 25λ entre
os elementos refletor e excitado e de 0, 16λ a 0, 19λ entre os elementos excitado e
diretor.
A express˜ao do campo el´etrico utilizada para tra¸ car o diagrama da Figura 6.5
´e o resultado da superposi¸ c˜ao dos campos produzidos pelos elementos parasitas e o
excitado, isto ´e,
E(θ) = E
r
(θ) + E
e
(θ) + E
d
(θ) (14.9)
onde E
r
(θ), E
e
(θ) e E
d
(θ) s˜ ao respectivamente os campos oriundos dos elementos
refletor, excitado e diretor. Para o arranjo alinhado na dire¸ c˜ao z, como mostrado
na Figura 14.6, com o elemento excitado de comprimento l
e
posicionado na origem,
269 14.2. Antena Yagi-Uda
Tabela 14.2: Ganhos e impedˆ ancias em rela¸ c˜ao ao espa¸ camento (l
2
= 0, 48λ e a =
0, 0001λ).
d G(dBi) Z
in
(Ω)
0,1 7,3 16 +j20
0,15 6,1 23 +j46
0,2 6,2 38 +j63
0,25 6,3 56 +j71
o elemento diretor de comprimento l
d
a uma distˆ ancia d
d
da origem e o elemento
refletor de comprimento l
r
a uma distˆ ancia d
r
da origem, tˆem-se
E
r
(θ) =
j60I
r
r sen
_
kl
r
2
_
_
cos
_
kl
r
2
sen θ
_
−cos
_
kl
r
2
_
cos θ
_
e
−jk(r+d
r
cos θ)
(14.10)
E
e
(θ) =
j60I
e
r sen
_
kl
e
2
_
_
cos
_
kl
e
2
sen θ
_
−cos
_
kl
e
2
_
cos θ
_
e
−jkr
(14.11)
e
E
d
(θ) =
j60I
d
r sen
_
kl
d
2
_
_
cos
_
kl
d
2
sen θ
_
−cos
_
kl
d
2
_
cos θ
_
e
−jk(r−d
d
cos θ)
(14.12)
Portanto, a equa¸ c˜ao (14.9) pode ser reescrita como
E(θ) =
j60I
e
e
−jkr
r cos θ
_
I
r
I
e
cos
(
kl
r
2
sen θ
)
−cos
(
kl
r
2
)
sen
(
kl
r
2
)
e
−jkd
r
cos θ
+cos
_
π
2
sen θ
_
+
I
d
I
e
cos
_
kl
d
2
sen θ
_
−cos
_
kl
d
2
_
sen
_
kl
d
2
_
e
jkd
d
cos θ
_
(14.13)
As raz˜oes entre as correntes,
I
r
I
e
e
I
d
I
e
, s˜ao obtidas a partir da solu¸ c˜ao do sistema
abaixo,
_
_
Z
11
Z
12
Z
13
Z
21
Z
22
Z
23
Z
31
Z
32
Z
33
_
_
_
_
I
1
I
2
I
3
_
_
=
_
_
0
V
0
_
_
(14.14)
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 270
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
Plano E
Figura 14.5: Diagrama de radia¸ c˜ao de uma antena yagi de 3 elementos cujo refletor
tem 0, 505λ de comprimento, o diretor 0, 48λ, os espa¸ camentos 0, 1λ e o raio 0, 0001λ.
O ganho m´ aximo ´e de 7,7dBi e a rela¸ c˜ao frente-costas igual a 16dB.
ou
ZI = V (14.15)
isto ´e,
I = Z
−1
V (14.16)
sendo I
1
= I
r
, I
2
= I
e
e I
3
= I
d
. A impedˆ ancia da antena de trˆes elementos ´e dada
por
Z
in
= Z
21
I
d
I
e
+ Z
22
+
I
r
I
e
Z
23
(14.17)
ou
271 14.2. Antena Yagi-Uda
d
r
z
r
0
l
r
l
d
1
3
d
d
2
l
e
Figura 14.6: Antena yagi de trˆes elementos.
Z
in
=
V
I
e
(14.18)
14.2.3 Yagi de N Elementos
Experimentos e simula¸ c˜oes mostram que o aumento do n´ umero de elementos refle-
tores n˜ ao melhoram muito a diretividade da antena yagi. Entretanto, o acr´escimo
de elementos diretores na antena leva a um incremento no ganho m´ aximo de aproxi-
madamente 1dB por elemento. A Tabela 14.3 apresenta algumas configura¸ c˜oes com
seus respectivos ganhos. Nestes exemplos, o espa¸ camento entre o refletor e o ele-
mento excitado ´e igual a 0, 15λ. Valores t´ıpicos variam entre 0, 15λ e 0, 25λ. Os
espa¸ camentos entre os elementos diretores, para estas configura¸ c˜oes, s˜ao de 0, 3λ. O
mesmo valor ´e utilizado entre o elemento excitado e o primeiro elemento diretor. Os
comprimentos dos elementos refletor, excitado e diretor s˜ ao respectivamente 0, 482λ,
0, 45λ e 0, 428λ. Todos os elementos tˆem raio igual a 0, 0043λ.
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 272
Tabela 14.3: N´ umero total de elementos ganho em dBi.
N
o
de Elementos G(dBi)
3 9,4
6 12,4
9 14
Existem algumas tentativas de se estabelecer um procedimento sistem´ atico para
o projeto de antenas yagi de N elementos que conduza ` a maximiza¸ c˜ao do ganho. Um
procedimento muito adotado ´e come¸car o projeto pelo ajuste do comprimento do
refletor ligeiramente acima do comprimento do elemento excitado. Em seguida,
determina-se o espa¸camento entre o elemento refletor e o excitado na faixa de
freq¨ uˆencia comentada anteriormente. Os elementos diretores s˜ ao ajustados com val-
ores abaixo do comprimento do elemento excitado, sendo finalmente os espa¸ camentos
estabelecidos dentro da faixa t´ıpica de 0, 13λ a 0, 42λ. Atualmente, com a facilidade
de recursos computacionais e t´ecnicas num´ericas modernas, ´e poss´ıvel maximizar
parˆ ametros, como ganho e rela¸ c˜ao frente-costas, em projetos de antenas do tipo
yagi num espa¸ co de tempo relativamente curto. T´ecnicas como algoritmos gen´eticos
podem ser empregadas no processo de otimiza¸ c˜ao do projeto [18].
Mais uma vez, o campo total radiado pela antena ´e obtido pelo somat´ orio dos
campos radiados pelos elementos parasitas e o excitado, ou seja,
E(θ) =
N

i=1
E
i
(θ) (14.19)
ou
E(θ) =
N

i=1
_
j60I
i
r sen
_
kl
i
2
_
_
cos
_
kl
i
2
sen θ
_
−cos
_
kl
i
2
_
cos θ
_
e
−jk(r−d
i
cos θ)
_
(14.20)
onde as correntes s˜ ao obtidas a partir de
I = Z
−1
V (14.21)
sendo
I =
_
I
1
I
2
I
i
I
N
¸
t
(14.22)
V =
_
0 V 0 0 0
¸
t
(14.23)
273 14.3. Antena Log-Peri´ odica
e
Z =
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
Z
11
Z
12
Z
13
Z
1N
Z
21
Z
22
Z
23
Z
1N
Z
31
Z
32
Z
33
Z
1N
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Z
N1
Z
N2
Z
N3
Z
NN
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
(14.24)
Considerando-se que o elemento 2 ´e excitado, a impedˆ ancia de entrada pode ser
fornecida por
Z
in
= Z
21
I
1
I
2
+ Z
22
+ +
I
i
I
2
Z
2i
+ +
I
N
I
2
Z
2i
(14.25)
ou simplesmente
Z
in
=
V
I
2
(14.26)
A Figura 14.7 apresenta o diagrama de radia¸ c˜ao da antena yagi de 9 elementos
citada como exemplo na Tabela 14.3.
Exemplo 14.1 Projete uma yagi de 3 elementos para operar na frequˆencia de 300MHz.
Seu ganho deve ser maior que 7dBi e sua impedˆ ancia igual a 75Ω.
Solu¸ c˜ao: A yagi da Figura 14.5 pode ser utilizada para atender a especifica¸ c˜ao de
ganho do projeto. As dimens˜ oes da antena, neste caso, s˜ ao: l
r
= 50, 5cm, l
e
= 50cm
e l
d
= 48cm, uma vez que λ = 1m. Se forem utilizados tubos de aluminio de 1cm de
diˆ ametro (a = 0, 005λ), tem-se um ganho de aproximadamente 8,4dBi, um pouco
maior que aquele obtido para a = 0, 0001λ. A impedˆancia de entrada do elemento
irradiador, considerando-se esta geometria, ´e 1 + j34Ω. O valor de 75Ω pode ser
alcan¸ cado atrav´es da aplica¸ c˜ao de uma das t´ecnicas de casamento apresentadas no
Cap´ıtulo 4. A solu¸ c˜ao mais simples ´e obtida utilizando-se um toco em curto com
comprimento l
tc
= 0, 017λ = 1, 7cm, posicionado na linha de transmiss˜ ao a 41,6cm
dos terminais da antena. Note que neste caso n˜ ao foi feito o balanceamento das
correntes.
14.3 Antena Log-Peri´ odica
Antenas do tipo Logar´ıtmica-peri´ odica, ou apenas Log-peri´ odica, foram apresen-
tadas ` a comunidade cient´ıfica pela primeira vez por R. H. Duhamel e D. E. Isbell
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 274
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Plano E
Figura 14.7: Antena yagi de 9 elementos com ganho de 14dBi e rela¸ c˜ao frente-costas
de 30dB.
[17] num artigo publicado em 1957 [11]. Com este tipo de periodicidade logar´ıtmica
´e poss´ıvel se manter o ganho da antena praticamente constante para uma faixa
ampla de freq¨ uˆencias. As antenas do tipo log-peri´ odica mais comuns no mercado s˜ ao
aquelas constitu´ıdas de dipolos coplanares posicionados lado a lado paralelamente,
como mostrado na Figura 14.8.
`
A primeira vista, uma log-peri´ odica se assemelha
muito com uma yagi. Entretanto, uma an´ alise cuidadosa revela diferen¸ cas n˜ao s´ o nas
geometrias como tamb´em em algumas de suas caracter´ısticas. Os ganhos m´ aximos
obtidos com antenas log-peri´ odicas tˆem valores pr´ oximos aos obtidos com antenas do
tipo yagi, por´em a diferen¸ca, como j´ a foi comentado, est´ a na manuten¸ c˜ao do ganho
para uma faixa larga de freq¨ uˆencias. Com rela¸ c˜ao ` a geometria, pode-se comentar
que as dimens˜oes das antenas log-peri´ odicas seguem uma regra espec´ıfica baseada
na seguinte equa¸ c˜ao:
1
τ
=
R
n+1
R
n
=
l
n+1
l
n
=
s
n+1
s
n
=
d
n+1
d
n
(14.27)
275 14.3. Antena Log-Peri´ odica
d
n+1
l
n+1

z
R
n
R
n+1
s
n+1
Figura 14.8: Antena Log-peri´ odica de 5 elementos.
onde τ ´e um parˆ ametro de escalonamento das dimens˜ oes da antena. Ele est´ a asso-
ciado ` a diretividade ou ganho da antena e ao espa¸ camento relativo
σ =
R
n+1
−R
n
2l
n+1
(14.28)
Todos os elementos da log-peri´ odica s˜ ao alimentados, enquanto na yagi apenas
um ´e excitado. A alimenta¸ c˜ao pode ser feita com linhas balanceadas, como mostrado
na Figura 14.9. A alimenta¸ c˜ao com linhas cruzadas, Figura 14.9b, fornece uma
defasagem adicional de 180

entre elementos adjacentes. Nesta condi¸ c˜ao, o l´ obulo
principal ocorre na dire¸ c˜ao do menor dipolo do conjunto. Em alguns projetos, a linha
que alimenta os dipolos ´e terminada, na extremidade onde se encontra o elemento
mais longo, por um toco de λ
max
/8. Isto faz com que haja uma redu¸ c˜ao nos l´ obulos
secund´arios, na dire¸ c˜ao oposta ao l´ obulo principal, causando um aumento na rela¸ c˜ao
frente-costas da antena.
O princ´ıpio de funcionamento de uma log-per´ıodica pode ser explicado da seguinte
maneira: para certas freq¨ uˆencias, dentro da faixa de opera¸ c˜ao da antena, apenas um
dos dipolos ressoa e radia praticamente toda a potˆencia fornecida ao arranjo. Por
exemplo, na freq¨ uˆencia mais alta ressoa o dipolo mais curto, enquanto na freq¨ uˆencia
mais baixa ressoa o elemento mais longo. Nestas situa¸ c˜oes, os outros dipolos mais
longos atuam como elementos refletores e os mais curtos como elementos diretores.
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 276
Isso faz com que este tipo de antena mantenha a diretividade para diferentes valores
de freq¨ uˆencia dentro da banda projetada.
(a)
(b)
Figura 14.9: (a) alimenta¸ c˜ao com dois fios retos; (b) alimenta¸ c˜ao com fios tran¸ cados.
14.3.1 Projeto de uma Log-peri´ odica
Para se projetar uma antena log-peri´ odica, segue-se, at´e hoje, o procedimento apre-
sentado por R. L. Carrel na sua tese de doutorado em 1961 [6]. Este procedimento se
baseia nas especifica¸c˜oes que se quer da antena. Em geral, estas especifica¸c˜oes s˜ao:
diretividade (ou ganho), largura da banda de passagem e impedˆ ancia de entrada da
antena. Com as especifica¸c˜oes em m˜ao, obt´em-se os seguintes parˆametros:
1. periodicidade τ e espa¸camento relativo σ;
2. ˆ angulo de abertura do arranjo, α;
3. comprimento total do arranjo, l
t
;
4. n´ umero de elementos, N;
5. comprimento dos elementos, l
n
;
6. espa¸ camento entre elementos, R
n+1
−R
n
;
7. largura da linha de alimenta¸ c˜ao, s.
Corre¸ c˜oes para este procedimento foram sugeridas, ao longo dos anos, por out-
ros autores [9][10][25], tornando os projetos das log-peri´ odicas mais pr´ oximos dos
resultados obtidos experimentalmente.
277 14.3. Antena Log-Peri´ odica
Tabela 14.4: Valores do ganho da antena em dBi para diferentes τ e σ
τ ¸ σ 0,06 0,08 0,1 0,12 0,14 0,16 0,18 0,2 0,22
0,8 7 7,2 7,5 8 8,3 8 7,5 7 5,5
0,82 7,2 7,4 7,7 8,2 8,4 8,3 7,9 7,3 6,1
0,84 7,3 7,6 7,9 8,3 8,6 8,6 8,2 7,6 6,5
0,86 7,6 7,8 8,2 8,4 8,8 8,9 8,6 8 7,3
0,88 7,9 8,1 8,4 8,7 9 9,2 9,1 8,5 7,8
0,9 8,3 8,6 8,8 9 9,3 9,6 9,5 9 8,5
0,92 8,7 8,9 9,1 9,4 9,6 10 10 9,7 9,2
0,94 9,1 9,3 9,5 9,8 10,2 10,7 10,9 10,5 10,1
0,96 9,5 9,7 10 10,4 11 11,5 11,7 11,5 10,9
0,98 10 10,4 10,6 11,1 11,6 12,3 13,2 12,5 11,5
Espa¸camento Relativo e Periodicidade
O espa¸ camento relativo e o fator de periodicidade s˜ ao obtidos a partir da Tabela
14.4 de acordo com o ganho desejado [1]. Valores de τ pequenos levam ` a antenas
mais compactas. O espa¸ camento relativo ´ otimo, aquele que oferece o maior ganho
para um dado valor de periodicidade, ´e obtido atrav´es de
σ
opt
= 0, 258τ −0, 066 (14.29)
ˆ
Angulo de abertura do Arranjo
O ˆ angulo α, em graus, ´e determinado utilizando-se a express˜ ao
α =
180
π
arctg
_
1 −τ

_
(14.30)
Comprimento Total do Arranjo
O comprimento total do arranjo est´ a relacionado com o ˆ angulo de abertura e as
freq¨ uˆencias m´axima e m´ınima, isto ´e,
l
t
=
75
_
1 −
1
B
s
_
f
min
tg α
(14.31)
sendo f
min
em MHz e
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 278
B
s
=
f
max
f
min
_
1, 1 + 7, 7
(1 −τ)
2
tg α
_
(14.32)
N´ umero de Elementos
O n´ umero de elementos ´e obtido de
N = 1 −
ln B
s
ln τ
(14.33)
arredondando-se para o inteiro mais pr´ oximo.
Comprimento dos Elementos
O maior comprimento ´e calculado considerando-se a menor freq¨ uˆencia da banda de
interesse, ou seja,
l
N
= l
max
=
λ
max
2
=
150
f
min
(14.34)
lembrando-se que f
min
´e fornecido em MHz. Os outros comprimentos s˜ ao determi-
nados utilizando-se
l
n−1
= τl
n
(14.35)
come¸cando-se com l
N
at´e se obter l
1
.
Espa¸camento entre Elementos
Utilizando-se o espa¸ camento relativo σ e a express˜ ao (14.28), determina-se os espa¸ camentos
entre os elementos
R
n
−R
n−1
= 2σl
n
(14.36)
come¸cando-se com l
n
= l
N
e
R
n
= R
N
=
l
N
2 tg α
(14.37)
279 14.3. Antena Log-Peri´ odica
Largura da Linha de Alimenta¸ c˜ao
O espa¸ camento entre os fios ou tubos, que alimentam os elementos da antena, ´e
obtido calculando-se primeiro a impedˆ ancia caracter´ıstica da linha de alimenta¸ c˜ao.
Seu valor aproximado ´e fornecido pela express˜ ao [1]
Z
o
· R
in
_
_
R
in

Z
a
+
¸
_
R
in

Z
a
_
2
+ 1
_
_
(14.38)
sendo Z
a
, denominada impedˆ ancia caracter´ıstica m´edia dos elementos, dada por
Z
a
= 120 ln
_
l
n
d
n
_
−2, 55 (14.39)
e σ

por
σ

=
σ

τ
(14.40)
R
in
´e a resistˆencia nos terminais de alimenta¸ c˜ao da antena e d
n
o diˆ ametro do n-´esimo
elemento.
Utilizando-se a express˜ ao de impedˆ ancia de uma linha de fios paralelos, vista no
Cap´ıtulo 4,
Z
o
·
120

r
ln
_
2s
d
_
(14.41)
tem-se
s ·
d
2
exp
_
Z
o
120
_
(14.42)
onde d ´e o diˆ ametro dos condutores da linha que alimenta os dipolos.
Exemplo 14.2 Projete uma antena log-peri´ odica para operar na faixa de freq¨ uˆencia
dos canais de TV de 7 a 13 (174-216MHz). Seu ganho deve ser superior ou igual a
10dBi e sua impedˆancia de entrada 300Ω.
Solu¸ c˜ao: O menor valor de τ obtido na Tabela 14.4 para o ganho desejado ´e 0,92.
O espa¸ camento ´ otimo, obtido de 14.29, ´e igual a 0,17. Sendo assim,
α =
180
π
arctg
_
1 −0, 92
4 0, 17
_
· 6, 7

CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 280
B
s
=
216
174
_
1, 1 + 7, 7
(1 −0, 92)
2
tg 6, 7

_
· 1, 886
e
N = 1 −
ln 1, 886
ln 0, 92
· 9 elementos
O comprimento total do arranjo ´e aproximadamente
l
t
=
75
_
1 −
1
1,886
_
174 tg 6, 7

· 1, 72 m
e o do maior dipolo
l
9
=
150
174
· 86, 2 cm
Utilizando-se (14.35), obt´em-se o comprimento dos elementos restantes e atrav´es de
R
n−1
= R
n
−2σl
n
considerando
R
9
=
l
9
2 tg α
=
86, 2
2 tg 6, 7

· 3, 66 m
as distˆancias do v´ertice aos elementos (vide Figura 14.8). Os resultados s˜ ao apre-
sentados a seguir:
n 1 2 3 4 5 6 7 8 9
l
n
(cm) 44,2 48,1 52,3 56,8 61,8 67,1 73 79,3 86,2
R
n
(m) 1,88 2,04 2,22 2,41 2,62 2,85 3,1 3,37 3,66
Os diˆ ametros dos elementos tˆem que variar de acordo com (14.27), entretanto,
na pr´ atica, n˜ ao se encontram tubos condutores de qualquer bitola. Considerando-se,
para o c´ alculo da impedˆ ancia da linha de alimenta¸ c˜ao, um tubo de diˆ ametro igual
a 1cm, referente ao elemento central (n´ umero 5), tem-se
Z
a
= 120 ln (61, 8) −2, 55 · 492, 3Ω e σ

=
0, 17

0, 92
· 0, 177
281 14.4. Antena Helicoidal
Logo,
Z
o
· 300
_
_
300
698
+
¸
_
300
698
_
2
+ 1
_
_
· 455, 5 Ω
e os espa¸ camento da linha, para fios de 2mm de diˆ ametro,
s ·
0, 2
2
exp
_
455, 5
120
_
· 4, 5 cm
14.4 Antena Helicoidal
As antenas helicoidais s˜ ao constitu´ıdas, na sua forma mais popular, por uma espi-
ral (ou h´elice) condutora e um disco refletor, como mostrado na Figura 14.10. A
alimenta¸ c˜ao ´e feita em geral atrav´es de cabos coaxiais, onde o condutor interno ´e
conectado ` a espiral e a malha externa ao refletor. Helicoidais podem radiar ondas
eletromagn´eticas em muitos modos de propaga¸ c˜ao, sendo que os mais relevantes s˜ ao:
o modo normal (ou transversal), onde a intensidade m´ axima de radia¸ c˜ao ocorre no
plano normal ao eixo da espiral (vide Figura 14.11a); o modo axial (ou longitu-
dinal), onde a intensidade de radia¸ c˜ao m´ axima ocorre na dire¸ c˜ao do eixo espiral,
como mostrado na Figura 14.11b. Os modos de propaga¸ c˜ao est˜ ao relacionados com
as dimens˜oes da antena. Para uma antena radiar no modo normal, o comprimento
total da espiral, l
t
= Nl
s
, tem que ser muito menor que o comprimento de onda na
freq¨ uˆencia de ressonˆancia, ou seja, l
t
¸λ. Enquanto que no modo axial, o diˆ ametro
d e o passo s da h´elice tˆem valores t´ıpicos iguais ` as fra¸ c˜oes do comprimento de onda,
isto ´e, λ/4, λ/8, etc. O primeiro modo ´e utilizado em aplica¸ c˜oes de radiodifus˜ ao,
particularmente na faixa de UHF, enquanto o segundo ´e empregado em r´ adio-enlace
devido ` as suas caracter´ısticas direcionais.
14.4.1 Modo Normal
Uma antena helicoidal de comprimento muito pequeno pode ser considerada, numa
primeira aproxima¸ c˜ao, como um arranjo de dipolos curtos intercalados por um ar-
ranjo de antenas do tipo la¸ co (loop), tamb´em conhecida como antena de quadro
(vide Figura 14.12). O campo el´etrico distante radiado por um dipolo curto de
comprimento s ´e
E
θ
=
jηkI
o
s sen θ
4πr
e
−j k r
(14.43)
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 282
s
l
s
l
s
l
h
d
s
2a
C = d π
α
Figura 14.10: Antena Helicoidal.
Enquanto que o campo radiado por uma antena de la¸ co muito pequena, do tipo anel
com diˆ ametro igual a d, ´e [2]
E
ϕ
=
ηk
2
I
o
d
2
sen θ
16 r
e
−j k r
(14.44)
Observe que, neste caso, o campo el´etrico radiado pela antena helicoidal tem com-
ponentes em quadratura de fase. Portanto, se a raz˜ ao axial,
AR =
[E
θ
[
[E
ϕ
[
=
4s
πkd
2
=
2λs
C
2
(14.45)
for igual a um, ent˜ ao, os campos radiados tˆem polariza¸ c˜ao circular. Esta condi¸ c˜ao
´e obtida quando
C =

2λs (14.46)
A antena operar´ a com polariza¸ c˜ao linear quando AR = 0 ou AR = ∞. A
primeira condi¸ c˜ao ´e obtida fazendo o passo da h´elice igual a zero, de forma que a
antena helicoidal torne-se uma antena de la¸ co do tipo anel. J´ a a segunda condi¸ c˜ao
´e fornecida por (14.45) quando d = 0, o que leva a antena a se comportar como um
dipolo de comprimento l
h
. A Figura 14.10 mostra que os passos e o diˆ ametro da
espiral est˜ ao relacionados atrav´es da equa¸ c˜ao
tg α =
s
πd
=
s
C
(14.47)
Para α = 0, a espiral torna-se um anel de diˆ ametro D e a onda radiada pela antena,
na regi˜ ao de campos distantes, possui apenas a componente de campo el´etrico na
dire¸c˜ao ϕ. Se a antena estiver alinhada com o eixo vertical, sua polariza¸ c˜ao, neste
caso, ser´ a linear horizontal.
`
A propor¸ c˜ao que α vai aumentando, o campo distante
283 14.4. Antena Helicoidal
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
(a) (b)
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 14.11: Diagrama de radia¸ c˜ao de uma antena helicoidal operando no modo:
(a) normal e (b) axial.
tem as duas componentes em quadratura e amplitudes diferentes, o que resulta em
uma onda elipticamente polarizada. Quando a circunferˆencia C ´e dada por (14.46),
α = arctg
_
C

_
(14.48)
os m´ odulos das componentes de campo s˜ ao iguais e a onda radiada fica circularmente
polarizada. Finalmente, para o caso de α = 90

, a espiral converge para um fio reto
vertical de comprimento l
h
e o campo el´etrico distante tem apenas a componente em
θ, o que significa que a antena opera com polariza¸ c˜ao linear vertical. Em todos os
casos, os diagramas de radia¸ c˜ao s˜ ao semelhantes ao apresentado na Figura 14.11a.
14.4.2 Modo Axial
´
E neste modo que a antena helicoidal se comporta como uma antena direcional. Os
passos da h´elice s˜ao suficientemente longos para construir padr˜ oes de interferˆencia
de campo semelhantes ` aqueles produzidos pelas yagis, com a diferen¸ ca que as ondas
radiadas, neste caso, tˆem polariza¸ c˜ao el´ıptica ou circular.
O campo el´etrico da helicoidal pode ser obtido considerando-a como um arranjo
de N espiras espa¸cadas por uma distˆ ancia s. Seu valor normalizado, na regi˜ ao de
campos distantes, ´e fornecido por [20]
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 284
d
s
Figura 14.12: Modelo equivalente de uma antena helicoidal.
E · cos θ
_
sen
_
π
2N
_
sen
_

2
_
sen
_
φ
2
_
_
(14.49)
sendo
φ = ks cos θ + β = k
_
s cos θ −
l
s
p
_
(14.50)
A express˜ao entre colchetes em (14.49) ´e o fator de arranjo normalizado para N
antenas isotr´ opicas alinhadas ao longo do eixo z. Neste caso, a normaliza¸ c˜ao do
campo el´etrico produzido pelo arranjo ´e feita utilizando-se o termo sen
_
π
2N
_
. A
vari´ avel β, em (14.50), fornece a defasagem entre dois pontos da espiral separados
pelo comprimento l
s
. Esta defasagem est´ a associada ` a onda de corrente que se
propaga ao longo da espiral com velocidade relativa p.
Para se obter o l´ obulo principal no sentido z
+
(θ = 0

) ´e necess´ario que
φ(θ = 0

) = k
_
s −
l
s
p
_
= −2πm (14.51)
Donde se deduz que
p =
l
s

s/λ + m
(14.52)
sendo m um n´ umero inteiro n˜ ao-negativo. L´ obulos com feixes de meia-potˆencia mais
estreitos podem ser obtidos quando
285 14.4. Antena Helicoidal
φ(θ = 0

) = k
_
s −
l
s
p
_
= −2πm−
π
N
(14.53)
o que leva a uma velocidade relativa
p =
l
s

s/λ +
2mN+1
2N
(14.54)
A condi¸ c˜ao imposta em (14.53) foi proposta pela primeira vez por Woodyard e
Hensen [16]. Ela corresponde a uma das condi¸ c˜oes para se obter superdiretividade
num arranjo de antenas.
O cosseno que multiplica o fator de arranjo normalizado, em (14.49), representa
uma aproxima¸ c˜ao da distribui¸ c˜ao de campo el´etrico de cada espira. Atrav´es de
uma an´ alise mais detalhada, pode-se mostrar que as componentes de campo el´etrico
produzido por cada espira [23], na regi˜ ao de campos distantes, s˜ ao dadas por
E
θ
=
ηkI
o
a
4r
e
−j (k r+ϕ)
_
2 cos θ
J
1
(ka sen θ)
ka sen θ

s
πa
sen θ J
1
(ka sen θ)
_
(14.55)
e
E
ϕ
= −
jηkI
o
a
2r
e
−j (k r+ϕ)
∂J
1
(ka sen θ)
∂r
(14.56)
onde a ´e igual ao raio da se¸ c˜ao transversal da espira.
´
E importante dizer que, para
valores grandes de N, o fator de arranjo torna-se predominante, fazendo com que
(14.49) seja uma boa aproxima¸ c˜ao do campo el´etrico radiado. Pode-se verificar
em (14.55) e (14.56) que a polariza¸ c˜ao da helicoidal na dire¸ c˜ao de ganho m´ aximo
(θ = 0

) ´e circular, uma vez que [E
θ
[ / [E
ϕ
[ = 1 nesta dire¸ c˜ao.
Express˜oes emp´ıricas [20], baseadas em medi¸ c˜oes para antenas com N > 3,
3/4 < C/λ < 4/3, e 12

< α < 14

, s˜ao utilizadas para se obter: a impedˆ ancia de
entrada,
Z
in
· 140
C
λ
(14.57)
a diretividade em rela¸ c˜ao a uma antena isotr´ opica,
D
o
· 15N
C
2
s
λ
3
(14.58)
a raz˜ ao axial (no caso de superdiretividade),
CAP´ıTULO 14. Antenas Direcionais 286
AR =
2N + 1
2N
(14.59)
e o feixe de meia-potˆencia em graus,
θ
MP
·
52λ
3/2
C

Ns
(14.60)
Neste caso, a polariza¸ c˜ao ´e praticamente circular na dire¸ c˜ao do l´ obulo principal.
O refletor ou plano-terra, utilizado em conjunto com a espiral condutora, tem que
ter diˆ ametro maior ou igual a
λ
2
, enquanto o fio desta espiral deve ter diˆ ametro,
preferencialmente, entre 0,006λ e 0,05λ [28].
Exemplo 14.3 Projete uma antena helicoidal para operar em 900MHz, com dire-
tividade igual ou superior a 20dBi, polariza¸ c˜ ao circular e impedˆ ancia de 75Ω.
Solu¸ c˜ao: Considerando-se C/λ = 1, 205 em (14.57), tem-se
Z
in
· 140 1, 205 · 168, 7 Ω
Este ´e o melhor valor de impedˆ ancia que se pode obter dentro da faixa de valores C/λ
poss´ıveis de se aplicar em (14.57), pois utilizando-se, por exemplo, um transformador
com rela¸ c˜ao de espiras igual a 2:3, obt´em-se a impedˆancia desejada de 75Ω.
O valor da circunferˆencia da espiral ´e C = 1, 205λ · 0, 4m, uma vez que o
comprimento de onda ´e igual a meio metro, enquanto que o passo da espiral, obtido
atrav´es de (14.47), tem valor
s = C tg α · 9, 2 cm
onde α foi considerado igual a 13

. O diˆ ametro da espiral ´e ent˜ao d = C/π = 60/π ·
12, 7cm, enquanto que o n´ umero de voltas na espiral pode ser obtido de (14.58), ou
seja,
N
λ
3
D
o
15C
2
s
=
0, 037 10
15 0, 16 0, 092
· 17
Finalmente, o diˆ ametro da placa refletora deve ser, no m´ınimo, igual a 25cm e o fio
que comp˜ oe a espiral 3mm.
Cap´ıtulo 15
Antenas com Refletores
15.1 Introdu¸ c˜ao
No cap´ıtulo anterior foram analisadas antenas direcionais constitu´ıdas de elementos
dispostos linearmente no espa¸ co. A partir destes arranjos foi poss´ıvel se obter carac-
ter´ısticas de radia¸ c˜ao apropriadas para aplica¸ c˜ao em r´ adio-enlace, isto ´e, alto ganho e
alta rela¸ c˜ao frente-costas. Uma outra maneira de se obter estas caracter´ısticas pode
ser alcan¸ cada atrav´es da utiliza¸ c˜ao de refletores. Pode-se, por exemplo, aumentar
a rela¸ c˜ao frente-costas de um dipolo de meio comprimento de onda colocando-se
uma placa met´ alica plana a uma certa distˆ ancia deste.
´
E logico que esta distˆ ancia
influenciar´a na distribui¸ c˜ao de campo em volta do conjunto dipolo-placa e, con-
seq¨ uentemente, no valor da diretividade e do ganho m´ aximo da antena. Portanto,
para se obter um projeto otimizado, ´e necess´ario se verificar o comportamento do
conjunto em fun¸ c˜ao do espa¸ camento entre o refletor e o elemento radiador. Al´em
de refletores planos, ser˜ ao analisados, nas pr´ oximas se¸ c˜oes, refletores constitu´ıdos de
duas placas met´ alicas para certos ˆ angulos de abertura entre zero e 180

. Na ´ ultima
se¸c˜ao ser˜ ao estudados refletores parab´ olicos.
15.2 Antena com Placas Refletoras
Antenas compostas por elementos radiadores e refletores de placas met´ alicas s´ olidas
ou vazadas s˜ ao muito utilizadas em r´ adio-enlace na faixa de UHF. A Figura 15.1
mostra dois exemplos de refletores vazados com as aberturas das placas iguais a
90

e 180

. Neste caso, o elemento alimentador ´e um dipolo de meio comprimento
de onda. Refletores com abertura de 90

s˜ao os mais f´ aceis de serem encontrados
na pr´ atica, uma vez que se consegue valores relativamente altos de diretividade e a
287
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 288
abertura ´e ampla o suficiente para comportar os elementos radiadores. Na Figura
15.2 ´e mostrado os diagramas de radia¸ c˜ao medidos para a antena com refletor de
canto da Figura 15.1a. Os ganhos m´ aximos t´ıpicos obtidos por refletores de 180

,
90

e 45

s˜ao, respectivamente, 6dBi, 12,5dBi e 14,5dBi [28]. Enquanto a rela¸ c˜ao
frente-costas nunca ´e menor que 20dB, se as placas refletoras tiverem as dimens˜ oes
h 0, 6λ e w 2d. O valor do espa¸ camento s deve ser no m´ aximo λ/10.
d
h
w
s
w
h
d
(a) (b)
Figura 15.1: Antena com refletor de canto de 90

(a) e refletor plano (b) .
15.2.1 Refletor Plano
Considerando-se uma fonte isotr´ opica pr´ oxima de um plano refletor condutor, como
apresentado na Figura 15.3a, pode-se obter os campos radiados utilizando-se a teoria
das imagens. Para este caso, o conjunto alimentador-refletor ´e equivalente a duas
fontes isotr´ opicas em antifase (Figura 15.3b). Como j´ a foi visto no Cap´ıtulo 9, o
campo total ´e a superposi¸ c˜ao dos campos devido a fonte radiadora e virtual, isto ´e,
E = E
r
+E
v
(15.1)
Se o plano refletor ´e o plano z = 0 e a distˆ ancia da fonte radiadora isotr´ opica ao
refletor ´e d, ent˜ ao, o campo distante ´e dado por
289 15.2. Antena com Placas Refletoras
(b)
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
(a)
90
60
30
0
-30
-60
-90
-120
-150
180
150
120
Figura 15.2: Diagramas de radia¸ c˜ao para a antena mostrada na Figura 15.1a. (a)
plano H e (b) plano E.
E =
I
o

30R
r
r
e
−jkr
_
e
−jkd cos θ
−e
jkd cos θ
_
=
2I
o

30R
r
e
−j(kr+π/2)
r
sen (kd cos θ)
(15.2)
A intensidade de radia¸ c˜ao normalizada ´e, por sua vez, fornecida por
U
n
= sen
2
(kd cos θ) (15.3)
e a diretividade
D
o
=
2
π
_
0
sen
2
(kd cos θ) sen θ dθ
(15.4)
Para uma antena cujo elemento alimentador ´e um dipolo ou uma outra estrutura
qualquer, o campo radiado ´e dado por
E = E
el
F
A
(15.5)
sendo E
el
o campo el´etrico do elemento alimentador e
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 290
y
x
Alimentador
y
x
Placa
Refletora
Alimentador Imagem
(a) (b)
Figura 15.3: (a) Antena com refletor plano; (b) arranjo equivalente.
F
A
= sen (kd cos θ) (15.6)
15.2.2 Refletor de Canto
Aplicando-se mais uma vez a teoria das imagens, pode-se verificar que um refletor
de canto com abertura de 90

´e equivalente a quatro fontes radiadoras, sendo trˆes
virtuais e uma real, produzidas pela reflex˜ ao dos campos nas placas, como mostrado
na Figura 15.4a. Se o ˆ angulo de abertura for 45

, ent˜ ao, sete imagens ser˜ ao formada
e o campo ´e obtido considerando-se oito fontes radiadoras, como mostrado na Figura
15.4b. Para qualquer ˆ angulo, entre 0

e 180

, fornecido por
α =
180

n
(15.7)
com n inteiro maior ou igual a um, pode se obter
N = 2n −1 =
360
α
−1 (15.8)
sendo N o n´ umero de imagens formadas.
Tomando-se como exemplo uma antena com refletor de canto de abertura α =
90

, tem-se como estrutura equivalente um arranjo com quatro fontes radiadoras.
O campo distante radiado ´e a superposi¸ c˜ao dos campos radiados por cada fonte, ou
seja,
291 15.2. Antena com Placas Refletoras
y
x
α = 9 0
1
2
3
4
y
x
α = 4 5
1
2
5
7
3
4
6 8
(a) (b)
d
Figura 15.4: (a) Refletor de canto com 90

de abertura. Refletor com 45

de aber-
tura.
E =
4

i=1
E
i
=
4

i=1
_
(−1)
i−1
f(θ, ϕ)
e
−jkr
i
r
i
_
(15.9)
onde f(θ, ϕ) corresponde a varia¸ c˜ao do campo el´etrico devido ao alimentador. Se
este alimentador ´e colocado a uma distˆ ancia d do v´ertice do refletor, como mostrado
na Figura 15.4a, ent˜ ao,
E = f(θ, ϕ)
e
−jkr
r
4

i=1
_
(−1)
i−1
e

i
_
(15.10)
onde
φ
1
= kd cos ψ
1
= kd sen θ cos ϕ (15.11)
φ
2
= kd cos ψ
2
= kd sen θ sen ϕ (15.12)
φ
3
= kd cos ψ
3
= −kd sen θ cos ϕ (15.13)
e
φ
4
= kd cos ψ
4
= −kd sen θ sen ϕ (15.14)
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 292
Portanto, o campo total pode ser reescrito como
E = 2 f(θ, ϕ)
e
−jkr
r
[cos(kd sen θ cos ϕ) −cos(kd sen θ sen ϕ)] (15.15)
ou
E = E
el
F
A
(15.16)
sendo
E
el
= f(θ, ϕ)
e
−jkr
r
(15.17)
e
F
A
= 2 [cos(kd sen θ cos ϕ) −cos(kd sen θ sen ϕ)] (15.18)
onde ϕ varia, neste caso, de -45

a 45

. Para o plano z = 0 tem-se
F
A
= 2 [cos(kd cos ϕ) −cos(kd sen ϕ)] (15.19)
A partir de (15.19) pode-se demonstrar que, para valores de d menores ou iguais
a 2λ/3, o diagrama no plano azimutal possui apenas o l´ obulo principal. A inten-
sidade do campo el´etrico radiado pela antena, constitu´ıda do refletor e uma fonte
isotr´ opica, varia periodicamente com o espa¸ camento. A Figura 15.5 mostra esta
varia¸ c˜ao de campo, enquanto a Figura 15.6 apresenta a varia¸ c˜ao do ganho com o
espa¸ camento para a antena da Figura 15.1a. Observa-se nesta figura que, quanto
menor a distˆ ancia do v´ertice ao elemento alimentador, maior ´e o ganho. Entretanto,
pode-se demonstrar que valores muito pequenos de d reduz drasticamente o valor da
resistˆencia de radia¸ c˜ao da antena alimentadora, tornando-a da ordem da resistˆencia
associada ` as perdas. Experimentos e simula¸ c˜oes indicam que este fenˆomeno ´e pre-
dominante para d < λ/3 [2].
As express˜oes do fator de arranjo para refletores de 60

, 45

e 30

s˜ao mostradas
respectivamente a seguir:
F
A
= 4sen
_
φ
x
2
_
_
cos
_
φ
x
2
_
−cos
_
φ
y

3
2
__
(15.20)
F
A
= 2
_
cos φ
x
+ cos φ
y
−2 cos
_
φ
x

2
_
cos
_
φ
y

2
__
(15.21)
e
293 15.2. Antena com Placas Refletoras
0 0.5 1 1.5 2
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
d/λ
C
a
m
p
o

n
o
r
m
a
l
i
z
a
d
o
Figura 15.5: Varia¸ c˜ao da intensidade do campo el´etrico normalizado [F
A
[ com o
espa¸ camento d/λ, considerando ϕ = 0

.
F
A
= 2
_
¸
¸
_
cos φ
x
+ 2 cos
_
φ
x
2
_
cos
_
φ
y

3
2
_
−cos φ
y
−2 cos
_
φ
x

3
2
_
cos
_
φ
y
2
_
_
¸
¸
_
(15.22)
Exemplo 15.1 Projete um refletor de canto de 90

, com um dipolo de meio com-
primento de onda como alimentador, para operar em 300MHz. Determine a dire-
tividade da antena.
Solu¸ c˜ao: De acordo com as referˆencias [28][2], na pr´ atica, a distˆ ancia ´ otima do
alimentador ao v´ertice do refletor de canto de 90

´e λ/3. Como no exemplo o
comprimento de onda ´e igual a 1m, ent˜ ao, d = 33cm. Para se reduzir os l´ obulos
secund´arios, devido ao fenˆ omeno de difra¸ c˜ao pr´ oximo ` as bordas, o refletor tem que
ter v´ertice e largura iguais a pelo menos 60cm (0,6λ) e 66cm (2d), respectivamente.
Nesta freq¨ uˆencia o dipolo tem 50cm de comprimento.
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 294
0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7
10.5
11
11.5
12
12.5
13
d/λ
G
a
n
h
o

(
d
B
)
Figura 15.6: Varia¸ c˜ao do ganho com o espa¸ camento d/λ. As perdas na antena foram
desprezadas.
A diretividade ´e obtida utilizando-se as equa¸ c˜oes apresentadas no Cap´ıtulo 8, ou
seja,
D
o
=
4πU
max
P
rad
=
4πU
max
π/4
_
−π/4
π/2
_
0
U(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ
=

π/4
_
−π/4
π/2
_
0
U
n
(θ, ϕ) sen θ dθ dϕ
sendo, neste caso, para campos distantes,
U(θ, ϕ) =
r
2

[E
θ
(θ, ϕ)[
2
=
r
2

[E
el
(θ, ϕ)[
2
[F
A
[
2
ou
U(θ, ϕ) =
ηI
2
o

2
¸
¸
¸
¸
¸
cos
_
π
2
cos θ
_
sen θ
¸
¸
¸
¸
¸
2
[cos(kd sen θ cos ϕ) −cos(kd sen θ sen ϕ)[
2
Substituindo os valores de U
max
e U(θ, ϕ) na express˜ ao de diretividade, obt´em-se,
ap´ os a integra¸ c˜ao, D
o
· 17 (12,3 dBi). Confirme esse valor na Figura 15.6.
295 15.3. Antena Parab´ olica
Figura 15.7: Antena parab´ olica com alimentador no foco do parabol´ oide.
15.3 Antena Parab´ olica
As antenas parab´ olicas s˜ ao antenas de alto ganho e, por este motivo, s˜ ao empregadas
em enlaces longos como aqueles utilizados para comunica¸ c˜oes via sat´elites ou em
sondas interplanet´ arias (vide Figura 15.7). Sua estrutura cl´ assica ´e aquela formada
por um refletor parabol´ oide onde uma antena do tipo corneta ´e posicionada no
foco. Existem outras configura¸ c˜oes com diferentes tipos de refletores e posi¸c˜oes
do alimentador. As mais conhecidas s˜ ao: a montagem do tipo Cassegrain, onde
um refletor secund´ ario ´e posicionado no foco de forma que o alimentador possa ser
colocado no centro do refletor prim´ ario; montagem do tipo alimentador deslocado,
offset (vide Figura 15.8), onde apenas parte de um parabol´ oide ´e utilizado como
refletor. A montagem do tipo Cassegrain ´e mais cara, por´em o sistema alimentador
fica atr´ as do refletor prim´ ario, o que reduz a incidˆencia de raios solares sobre a
antena alimentadora e, conseq¨ uentemente, melhora a rela¸ c˜ao sinal-ru´ıdo do sistema
como um todo. As antenas parab´ olicas com alimentador deslocado s˜ ao geralmente
usadas em freq¨ uˆencias elevadas, como por exemplo, para radiodifus˜ ao de sinal de TV
por assinatura (banda Ku), visto que as dimens˜ oes f´ısicas reduzidas proporcionam
maior estabilidade mecˆ anica do bra¸ co alimentador quando a antena sofre a a¸ c˜ao dos
ventos. Neste tipo de estrutura o alimentador praticamente n˜ ao bloqueia as ondas
eletromagn´eticas incidentes ou refletidas no refletor, aumentando assim a eficiˆencia
da antena.
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 296
Figura 15.8: Antena parab´ olica cujo refletor ´e parte da superf´ıcie de um parabol´ oide.
Neste caso o alimentador est´ a deslocado (offset) em rela¸ c˜ao ao centro da superf´ıcie
refletora.
15.3.1 Refletor Parab´ olico de Revolu¸ c˜ao
Antenas parab´ olicas constitu´ıdas de refletores parab´ olicos de revolu¸ c˜ao, ou sim-
plesmente parabol´ oide, s˜ao as mais f´ aceis de serem encontradas no mercado. Um
parabol´ oide ´e obtido a partir da revolu¸ c˜ao ou giro de uma curva parab´ olica em torno
de seu eixo. O raio da par´ abola ´e fornecido pela express˜ ao
R =
2d
f
1 + cos θ

(15.23)
onde d
f
´e a distˆ ancia focal ou distˆ ancia entre o foco e o v´ertice da par´ abola (vide
Figura 15.9).
15.3.2 Ilumina¸ c˜ao do Refletor
Se uma fonte isotr´ opica for colocada no foco do parabol´ oide, ent˜ ao, parte da radia¸ c˜ao
emanada desta fonte ser´ a refletida no refletor parab´ olico, interferindo com a outra
parte que n˜ ao sofreu reflex˜ ao. A depender da distˆ ancia focal, a superposi¸ c˜ao da
onda refletida com a onda direta pode resultar em campo nulo, ou praticamente
nulo, pr´ oximo do eixo de revolu¸ c˜ao. Contudo, se
d
f
= n
λ
4
(15.24)
para n inteiro ´ımpar, a interferˆencia n˜ ao ´e destrutiva, refor¸ cando o campo na regi˜ ao
pr´ oxima ao eixo de revolu¸ c˜ao. Este tipo de interferˆencia pode ser minimizado com a
utiliza¸ c˜ao de alimentadores direcionais, como por exemplo, antenas do tipo corneta.
Neste caso, os campos emanados do foco ir˜ ao em dire¸ c˜ao ao refletor. A depender
do diagrama de radia¸ c˜ao do elemento alimentador e da abertura do refletor, pode-se
297 15.3. Antena Parab´ olica
d
f
2
a
Vértice
z 0
foco
R
θ
ο
r
Figura 15.9: Curva parab´ olica ou par´ abola.
ter uma ilumina¸ c˜ao uniforme ou n˜ ao-uniforme. Obt´em-se uma ilumina¸ c˜ao uniforme
quanto menor for a abertura do refletor. Isto implica em ˆ angulos θ
o
pequenos, que
s˜ao obtidos mantendo-se o diˆ ametro do parabol´ oide fixo e aumentando-se a distˆ ancia
focal. A varia¸ c˜ao do campo el´etrico refletido no parabol´ oide, em fun¸ c˜ao do ˆ angulo
θ

, pode ser obtida a partir da potˆencia refletida no parabol´ oide para uma por¸ c˜ao
anular de raio r e espessura dr, ou seja,
P
r
= 2πr W
r
dr (15.25)
A potˆencia P
r
´e igual ` a potˆencia P
i
, oriunda de uma fonte isotr´ opica, que incide
nesta por¸ c˜ao do parabol´ oide, isto ´e,
P
r
= P
i
= 2πU
i
sen θ

(15.26)
Portanto, a intensidade de radia¸ c˜ao U
i
pode ser escrita em fun¸ c˜ao da densidade de
potˆencia W
r
igualando-se (15.25) com (15.26), ou seja.
U
i
=
r
sen θ

dr

W
r
(15.27)
Como
r = Rsen θ

=
2 d
f
sen θ

1 + cos θ

(15.28)
ent˜ao
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 298
U
i
=
_
2d
f
1 + cos θ

_
2
W
r
(15.29)
A densidade de potˆencia pr´ oxima ao v´ertice ´e obtida fazendo θ

= 0

, isto ´e,
W
o
=
U
i
d
2
f
(15.30)
O campo el´etrico no refletor a uma distˆ ancia r do v´ertice, normalizado em rela¸ c˜ao
ao campo no v´ertice, ´e dado por
E
n
=
E
E
o
=
1 + cos θ

2
(15.31)
A equa¸ c˜ao (15.26) mostra que, quanto menor o ˆ angulo de abertura, maior a uni-
formidade de ilumina¸ c˜ao.
15.3.3 Campos Radiados por um Parabol´ oide
Os campos radiados por um refletor parab´ olico iluminado uniformemente s˜ ao iguais
aos campos radiados por uma abertura circular sobre uma placa absorvedora infinita,
onde se faz incidir uma onda plana de campo E
o
. Estes campos radiados s˜ ao obtidos
a partir dos campos na abertura da placa utilizando-se o princ´ıpio de Huygens. Pode-
se provar que as express˜ oes dos campos distantes s˜ ao fornecidas pela transformada
de Fourier da distribui¸ c˜ao dos campos na abertura.
Para parabol´ oides do tipo cil´ındrico, os campos distantes podem ser obtidos a
partir do campo el´etrico de uma abertura retangular (vide Se¸ c˜ao 10.4). Considerando-
se que este campo, orientado na dire¸ c˜ao x, ´e uniforme e a ´ area da abertura ´e A = ab,
tˆem-se como express˜oes para as componentes do campo el´etrico distante no plano E
(ϕ = 90

)
E
ϕ
= −
jkabE
o
e
−jkr
4πr
(1 + cos θ)
_
sen
_
kb
2
sen θ
_
kb
2
sen θ
_
(15.32)
e
E
r
= E
θ
= 0 (15.33)
Enquanto, para o plano H (ϕ = 0

),
E
θ
=
jkabE
o
e
−jkr
4πr
(1 + cos θ)
_
sen
_
ka
2
sen θ
_
ka
2
sen θ
_
(15.34)
299 15.3. Antena Parab´ olica
e
E
r
= E
ϕ
= 0 (15.35)
No caso de parabol´ oides do tipo circular, com a mesma orienta¸ c˜ao de campo na
abertura, e ´ area igual a πa
2
, tˆem-se no plano E (ϕ = 90

)
E
ϕ
= −
jka
2
E
o
e
−jkr
2r
(1 + cos θ)
_
J
1
(kasen θ)
kasen θ
_
(15.36)
e
E
r
= E
θ
= 0 (15.37)
Enquanto, para o plano H (ϕ = 0

),
E
θ
=
jka
2
E
o
e
−jkr
2r
(1 + cos θ)
_
J
1
(kasen θ)
kasen θ
_
(15.38)
e
E
r
= E
ϕ
= 0 (15.39)
A fun¸c˜ao de Bessel de ordem 1 ´e conseq¨ uˆencia da simetria cil´ındrica circular do
problema.
Exemplo 15.2 Trace o diagrama de radia¸ c˜ao, no plano E, para as antenas parab´ olicas
de diˆametros iguais a 60cm e 135cm, operando em 10GHz. Qual a antena de maior
ganho?
Solu¸ c˜ao: Substituindo os valores de k = 2π/0, 03 = 209, 4 rd/m e a = 0, 3m na
equa¸ c˜ao de intensidade de radia¸ c˜ao
U
e
(θ) =
r
2

[E
ϕ
[
2
=
k
2
a
4
E
o

(1 + cos θ)
2
¸
¸
¸
¸
J
1
(kasen θ)
kasen θ
¸
¸
¸
¸
2
ou na equa¸ c˜ao de intensidade de radia¸ c˜ao normalizada
U
n
(θ) =
U
e
(θ)
max¦U
e
(θ)¦
= (1 + cos θ)
2
¸
¸
¸
¸
J
1
(kasen θ)
kasen θ
¸
¸
¸
¸
2
obt´em-se o resultado mostrado na Figura 15.10a para o refletor de 60cm. De maneira
semelhante, utilizando-se k = 209, 4 rd/m e a = 0, 675m, obt´em-se o resultado
apresentado na Figura 15.10b referente ao refletor de 135cm. Pela largura do feixe
de meia-potˆencia das antenas, observa-se que a antena de maior diˆ ametro tem maior
diretividade e, conseq¨ uentemente, maior ganho.
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 300
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
(a)
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
(b)
Figura 15.10: Diagrama de radia¸ c˜ao (em dB) para uma antena parab´ olica de: (a)
60cm e (b) 135cm.
15.3.4 Diretividade e Largura de Feixe de Meia-Potˆencia
A diretividade para uma antena parab´ olica iluminada uniformemente ´e obtida dire-
tamente da express˜ ao que relaciona diretividade e ´ area efetiva m´ axima, ou seja,
D
o
= 4π
A
em
λ
2
(15.40)
Considerando-se a ´ area efetiva m´ axima como a ´ area f´ısica da se¸ c˜ao transversal do
parabol´ oide, tem-se
D
o
= 4π
πa
2
λ
2
=
_
2πa
λ
_
2
=
_
C
λ
_
2
(15.41)
onde C ´e o per´ımetro do parabol´ oide. Na pr´ atica, a antena n˜ ao ´e iluminada de uma
forma totalmente uniforme, devido ` a posi¸ c˜ao, geometria e diagrama de radia¸ c˜ao
da antena alimentadora. Portanto, torna-se necess´ ario se definir uma eficiˆencia de
ilumina¸ c˜ao, ou de abertura, [2]
e
ap
= cotg
2
_
θ
o
2
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
θ
o
_
0
_
G
f

) tg
_
θ

2
_

¸
¸
¸
¸
¸
¸
2
(15.42)
onde G
f

) ´e o ganho da antena alimentadora,
θ
o
= arctg
¸
¸
¸
¸
¸
4d
f
a
4d
2
f
−a
2
¸
¸
¸
¸
¸
(15.43)
301 15.3. Antena Parab´ olica
Tabela 15.1: Express˜ oes da eficiˆencia de abertura para diferentes valores de n.
n e
ap
2 24
_
sen
2 θ
o
2
+ ln
_
cos
θ
o
2

2
cotg
2 θ
o
2
4 40
_
sen
4 θ
o
2
+ ln
_
cos
θ
o
2

2
cotg
2 θ
o
2
6 14
_
2 ln
_
cos
θ
o
2
_
+
1
3
(1 −cos θ
o
)
3
+
1
2
sen
2
θ
o
¸
2
cotg
2 θ
o
2
8 18
_
1
4
(1 −cos
4
θ
o
)
3
−2 ln
_
cos
θ
o
2
_

1
3
(1 −cos θ
o
)
3

1
2
sen
2
θ
o
_
2
cotg
2 θ
o
2
e
d
f
=
a
2
cotg
θ
o
2
(15.44)
No trabalho publicado por Silver, em 1949 [32], ´e mostrado que o diagrama de
radia¸ c˜ao da maioria das antenas alimentadoras de refletores parab´ olicos pode ser
representado pela fun¸ c˜ao
G
f

) =
_
G
(n)
o
cos
n
θ

, para 0 θ

π/2
0, para π/2 θ

π
(15.45)
sendo n um inteiro positivo. As express˜ oes para a eficiˆencia de abertura, considerando-
se diferentes valores de n, s˜ao apresentadas na Tabela 15.1.
A eficiˆencia de abertura pode tamb´em ser definida como o produto de v´ arias
eficiˆencias, isto ´e,
e
ap
= e
s
e
a
e
f
e
x
e
b
e
r
(15.46)
sendo:
• e
s
a eficiˆencia associada ` a fra¸ c˜ao de potˆencia coletada pelo refletor parab´ olico;
• e
a
a eficiˆencia associada com a uniformidade da distribui¸ c˜ao de amplitude no
refletor (ilumina¸ c˜ao);
• e
f
a eficiˆencia relacionada com a uniformidade da distribui¸ c˜ao de fase no re-
fletor (ilumina¸ c˜ao);
• e
x
a eficiˆencia relacionada com a polariza¸ c˜ao no plano de abertura;
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 302
• e
b
a eficiˆencia relativa ao bloqueio da abertura;
• e
r
a eficiˆencia relativa ` as irregularidades na superf´ıcie refletora.
O ganho da antena parab´ olica ´e ent˜ao obtido multiplicando-se a eficiˆencia da
abertura pela diretividade, ou seja,
G = e
ap
D
o
= e
ap
_
C
λ
_
2
(15.47)
A influˆencia de irregularidades na superf´ıcie do refletor, mostrada na Figura 15.11,
pode ser mensurada explicitando-se e
r
em (15.47), ou seja,
0 0.02 0.04 0.06 0.08 0.1 0.12 0.14 0.16 0.18 0.2
0
0.1
0.2
0.3
0.4
0.5
0.6
0.7
0.8
0.9
1
σ/λ
e
r
(
σ
/
λ
)
Figura 15.11: Varia¸ c˜ao da eficiˆencia e
r
com o desvio padr˜ ao normalizado.
G = e
ap
_
C
λ
_
2
exp
_

_
4πσ
λ
_
2
_
(15.48)
onde a eficiˆencia de abertura ´e, neste caso, e
ap
= e
s
e
a
e
f
e
x
e
b
e σ ´e o desvio padr˜ ao em
rela¸ c˜ao ` a superf´ıcie parab´ olica ideal [22]. Para um certo desvio padr˜ ao σ, pode-se
303 15.3. Antena Parab´ olica
determinar o comprimento de onda ´ otimo, λ
opt
= 4πσ, que maximiza o ganho dado
pela equa¸ c˜ao (15.48). Quando a express˜ ao de λ
opt
´e substitu´ıda em (15.48), tem-se
G
max
·
e
ap
43, 5
_
d
σ
_
2
(15.49)
ou em decib´eis
G
max
· 20q −16, 4 + 10 log e
ap
(15.50)
sendo d = 2a o diˆ ametro do refletor parab´ olico e q = log(d/σ) o fator de rugosidade.
Lembre-se que o ganho para um refletor perfeito ´e maior que o valor fornecido por
(15.49).
Exemplo 15.3 Projete um refletor parab´ olico para operar em 5GHz com ganho
de 40dBi. Qual deve ser o desvio padr˜ ao m´ aximo em rela¸ c˜ao ` a superf´ıcie de um
parabol´ oide ideal? Qual deve ser o ganho se o desvio for nulo? Considere todas as
outras eficiˆencias iguais a 1.
Solu¸ c˜ao: Como o comprimento de onda ´e igual a 6cm, ent˜ ao, o desvio padr˜ ao n˜ ao
deve ser maior que
σ =
λ
opt

·
0, 06

· 4, 8 mm
Para este valor de σ e um ganho de 40dBi, o diˆ ametro do refletor ´e
d = 6, 6 σ
¸
G
max
ε

ap
· 3, 17 m
Se o refletor parab´ olico ´e perfeito (σ = 0), ent˜ ao, da equa¸ c˜ao (15.48), obt´em-se
G = e
ap
_
πd
λ
_
2
· 2, 76 10
4
(44,4 dBi)
A Tabela 15.2 mostra o ganho e a diretividade de algumas antenas comerciais
em fun¸c˜ao da freq¨ uˆencia e do seu diˆ ametro.
CAP´ıTULO 15. Antenas com Refletores 304
Tabela 15.2: Ganho, diretividade e eficiˆencia em fun¸c˜ao do diˆ ametro e freq¨ uˆencia.
d (m) G(dBi) D
o
(dBi) e
ap
(%) f (GHz)
1,22 25,4 28,1 53,1 2
1,83 29,0 31,7 54,1 2
2,44 31,5 34,2 54,1 2
1,22 41,4 44,2 52,4 12, 7
1,83 44,9 47,7 52,2 12, 7
2,44 47,4 50,2 52,2 12, 7
O l´ obulo principal ´e limitado pelos nulos localizados em
θ
n
= ±arcsen
_
3, 83λ
C
_
(15.51)
Este resultado ´e obtido quando a fun¸ c˜ao de Bessel, de ordem 1, ´e nula em (15.36).
Isto ocorre quando o argumento da fun¸ c˜ao ´e igual ` a suas ra´ızes, sendo que a primeira
tem valor 3,83.
Pode-se mostrar que o feixe de meia-potˆencia tem largura em torno de
θ
HP
=
58λ
a
(15.52)
sendo o resultado dado diretamente em graus.
Exemplo 15.4 Determine o diˆametro de um refletor parab´ olico para se obter um
ganho de 40dBi em 10GHz. Use a Tabela 15.2 como referˆencia.
Solu¸ c˜ao: Observe que os ganhos das antenas na Tabela 15.2 tˆem valores aprox-
imadamente iguais a metade (-3dB) das suas respectivas diretividades. Portanto,
neste caso, a eficiˆencia de abertura m´edia ´e algo em torno de 53%, incluindo-se a
influˆencia da rugosidade na superf´ıcie do refletor. Como foi visto anteriormente, o
ganho de uma antena parab´ olica pode ser obtido de
G = e
ap
_
C
λ
_
2
· 0, 53
_
C
λ
_
2
Logo, para λ = 3cm, tem-se
d ·
λ
π
_
1, 89G =
0, 03
π
_
1, 89 10000 · 1, 31 m
O diagrama de radia¸ c˜ao desta antena ´e semelhante `aquele mostrado na Figura
15.10b.
Exerc´ıcios Propostos
Os exerc´ıcios propostos est˜ ao divididos em quatro se¸ c˜oes. Cada se¸ c˜ao envolve as-
suntos referentes a trˆes ou mais cap´ıtulos deste livro texto. A primeira se¸ c˜ao cont´em
exerc´ıcios dos cap´ıtulos 1, 2 e 3, enquanto a segunda se refere aos cap´ıtulos 4, 5 e
6. Nestas duas se¸c˜oes est˜ao todos os exerc´ıcios referentes `a propaga¸ c˜ao de ondas no
espa¸ co-livre e ondas confinadas em linhas de transmiss˜ ao, guias de onda e cavidades
ressonantes. Na terceira se¸ c˜ao s˜ ao propostos exerc´ıcios que abordam a teoria vista
nos cap´ıtulos de 7 a 11, ou seja, exerc´ıcios de difra¸ c˜ao, antenas e enlace de r´ adio.
Na pen´ ultima se¸ c˜ao s˜ ao apresentados os exerc´ıcios de arranjos de antena, casamento
de impedˆ ancia envolvendo antenas e antenas direcionais, referentes ` as teorias vistas
nos cap´ıtulos de 12 a 15. As respostas dos exerc´ıcios propostos se encontram na
´ ultimas se¸c˜ao.
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 1 a 3
1.1 - Uma onda plana de 3GHz incide normalmente sobre uma parede composta por
duas camadas, uma diel´etrica (ε
r
= 4) e outra perfeitamente condutora. Determine
a espessura m´ınima da camada diel´etrica para que se tenha uma parede:
a) el´etrica (ρ = −1);
b) magn´etica (ρ = 1).
1.2 - Um sat´elite geoestacion´ ario, que se encontra a uma altura de 36000 km, radia
isotropicamente uma onda eletromagn´etica de 15GHz, polarizada elipticamente para
a direita (α = 45
o
e δ = −70
o
). O transmissor a bordo tem uma potˆencia de 100W.
Encontre a potˆencia nos terminais da antena receptora, cuja ´ area efetiva ´e 1m
2
,
considerando que a mesma est´ a polarizada:
a) linearmente na vertical em rela¸ c˜ao ` a Terra;
305
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 306
b) com a mesma polariza¸ c˜ao da antena transmissora.
1.3 - Pede-se para projetar um enlace de r´ adio utilizando reflex˜ ao numa camada
ionosf´erica que se encontra a 100km de altura e tem permissividade efetiva relativa
igual a 4. O sistema de transmiss˜ ao, que opera em 10MHz, ´e constitu´ıdo por um
transmissor de 100W e uma antena isotr´ opica com polariza¸ c˜ao circular para a direita.
O receptor se encontra a uma distˆ ancia de 200km do transmissor e est´ a ligado a uma
antena linear horizontal, perpendicular ao plano de incidˆencia, com ´ area efetiva igual
a 1m
2
. Determine:
a) a polariza¸ c˜ao da onda que chega na antena receptora;
b) a potˆencia nos terminais da antena.
1.4 - Duas fibras ´ opticas com miolos de sil´ıcio, cujo ´ındice de refra¸c˜ao ´e 1,6, est˜ ao
revestidas com uma camada comum de vidro feito de silicato de boro (n = 1, 535).
Qual deve ser a distˆ ancia m´ınima entre as fibras para n˜ ao haver acoplamento entre
as mesmas? O acoplamento ´e desprezado se a atenua¸ c˜ao do campo el´etrico for maior
que 60dB. O feixe luminoso tem comprimento de onda, no espa¸ co-livre, igual a 0,85
µm e incide na interface sil´ıcio-vidro com um ˆ angulo de 85

.
1.5 - Uma onda plana de 10MHz, com polariza¸ c˜ao linear vertical, incide normalmente
sobre um dipolo posicionado perpendicularmente em rela¸ c˜ao ao solo. Supondo que
o dipolo ´e feito de tubos de alum´ınio (σ = 3, 4 10
7
S/m), qual deve ser:
a) a intensidade e a fase do campo el´etrico, dentro do condutor, pr´ oximo ` a superf´ıcie
externa do tubo;
b) a densidade de corrente na superf´ıcie do condutor;
c) o raio interno do tubo para que a densidade de corrente interna seja 1% do valor
da superf´ıcie.
Considere a intensidade do campo el´etrico da onda incidente igual a 1V/m e o raio
externo dos tubos de alum´ınio igual a 5mm.
1.6 - Um cabo coaxial de 1 metro de comprimento, raio interno 1mm e externo 5mm,
´e terminado por uma impedˆ ancia de carga em uma de suas extremidades e ligado a
um gerador na outra. Supondo que a tens˜ ao no gerador ´e dada por V = V
o
e
jω t
e
que a corrente desenvolvida no coaxial ´e I = I
o
e
jω t
, determine para a onda dentro
do coaxial:
307 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 1 a 3
a) a potˆencia m´edia;
b) o comprimento de onda;
c) a energia total.
Considere V
o
= 1V, I
o
= 20mA e ω = 2π 10
7
rd/s. N˜ ao existe onda refletida no
sistema e o diel´etrico do cabo ´e perfeito com µ
r
= 1.
1.7 - Pede-se para projetar um enlace de r´ adio utilizando reflex˜ ao numa camada
ionosf´erica que se encontra a 100km de altura com condutividade dada aproximada-
mente por:
σ = σ
o
_
1 −
25
f
2
sendo f fornecido em MHz e σ
o
= 5000S/m. O sistema de transmiss˜ ao, que opera
em 10MHz, ´e constitu´ıdo por um transmissor de 100W e uma antena isotr´ opica com
polariza¸ c˜ao circular para a esquerda. O receptor se encontra a uma distˆ ancia de
200km do transmissor e est´ a ligado a uma antena linear horizontal, perpendicular
ao plano de incidˆencia, com ´ area efetiva igual a 1m
2
. Determine:
a) a polariza¸ c˜ao da onda que chega na antena receptora;
b) a potˆencia nos terminais da antena.
1.8 - Determine para uma onda de 20MHz, dentro da camada ionosf´erica da quest˜ ao
anterior, a:
a) profundidade de penetra¸ c˜ao;
b) impedˆ ancia intr´ınseca;
c) velocidade de fase e de grupo.
O meio ´e dispersivo? Caso seja dispersivo, ele ´e normal ou anˆ omalo?
1.9 - Uma onda plana de 10MHz , com polariza¸ c˜ao linear, incide normalmente sobre
uma folha diel´etrica de espessura d = λ/8 e impedˆ ancia intr´ınseca igual a metade
da impedˆ ancia do ar. Qual deve ser:
a) a intensidade do campo el´etrico que atravessa a folha;
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 308
b) a densidade volum´etrica de energia m´ axima no ar antes da folha.
Considere o campo el´etrico m´ aximo da onda incidente igual a 1V/m.
1.10 - Suponha agora que a mesma onda da quest˜ ao anterior incide normalmente so-
bre uma parede constitu´ıda de um material cujas caracter´ısticas el´etricas e magn´eticas
s˜ao: σ = 10
−2
S/m, µ = µ
o
e
r
= 4. Determine:
a) a profundidade de penetra¸ c˜ao;
b) o fasor campo magn´etico logo ap´ os a interface de incidˆencia;
c) o coeficiente de onda estacion´ aria no ar.
Considere como plano de referˆencia, z = 0, a interface de incidˆencia.
1.11 - Uma onda plana de 1GHz, polarizada circularmente para esquerda (δ = 90

)
e com campo el´etrico m´ aximo igual a 1V/m, incide sobre uma interface diel´etrico-
ar com um ˆ angulo de 45

em rela¸ c˜ao a normal desta. O diel´etrico perfeito tem
permissividade relativa igual a 4. Pede-se para determinar:
a) a polariza¸ c˜ao da onda refletida;
b) o campo el´etrico m´ aximo no ar, a 1mm de distˆ ancia da interface.
1.12 - Uma onda plana, circularmente polarizada no ar, incide com um ˆ angulo de
60

sobre um diel´etrico de permissividade relativa
r
. A express˜ao do campo el´etrico
incidente ´e:
E = E

cos ωt a
y
+ E

sen ωt a
x

sendo E

= 1V/m. Qual deve ser a permissividade relativa do diel´etrico para que
a onda refletida tenha polariza¸ c˜ao linear? Determine a potˆencia, devido a onda
refletida, nos terminais de um dipolo de mesma polariza¸ c˜ao linear. Considere a ´ area
efetiva do dipolo igual a 0,1 m
2
.
1.13 - Uma onda plana de 1GHz, com polariza¸ c˜ao circular para direita (δ = −90

)
e campo el´etrico m´ aximo de 1V/m, incide normalmente sobre uma parede embor-
rachada. A borracha tem espessura d = λ/4 e permissividade relativa igual a 9.
Considerando-se que a parede ´e muito espessa e tem impedˆancia intr´ınseca igual a
42Ω, determine:
309 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 1 a 3
a) a intensidade do campo el´etrico na parede;
b) o coeficiente de onda estacion´ aria no ar;
c) a densidade volum´etrica m´edia de energia no ar;
d) a polariza¸ c˜ao da onda refletida na interface borracha-parede.
1.14 - Uma onda plana linear de 60Hz atravessa uma chapa de cobre de 8,5 mm
e tem amplitude de campo el´etrico igual a 1V/m imediatamente ap´ os a interface
ar-cobre. Qual deve ser a:
a) velocidade de fase da onda no cobre;
b) densidade de potˆencia no meio da chapa;
c) defasagem entre o campo el´etrico e magn´etico no condutor;
d) intensidade do campo el´etrico a um metro ap´ os a chapa.
Considere como plano de referˆencia, z = 0, a interface de incidˆencia.
1.15 - Qual deve ser o ˆ angulo de incidˆencia de uma onda circularmente polarizada
para esquerda (δ = 90

), que incide sobre a interface ar-´ agua, para se obter uma
onda refletida com polariza¸ c˜ao linear? Considere o ´ındice de refra¸ c˜ao da ´ agua igual
a 9, o campo el´etrico efetivo da onda igual a 0,707V/m e a freq¨ uˆencia de 100MHz.
1.16 - Uma onda plana de 10GHz, propagando-se no ar, incide normalmente sob um
meio diel´etrico cuja permissividade relativa ´e 4 −j3. Qual deve ser:
a) o coeficiente de onda estacion´ aria no ar;
b) a potˆencia m´edia, oriunda da onda refletida, que atravessa uma ´ area plana de
1m
2
paralela ` a interface ar-diel´etrico;
c) a densidade de potˆencia m´edia dentro do diel´etrico, a 1mm da interface;
d) o comprimento de onda no diel´etrico;
e) a polariza¸ c˜ao da onda no diel´etrico.
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 310
O campo el´etrico da onda incidente ´e dado por:
E =
e
jω t

2
_
e
−jk
o
z
a
x
+ e
−j(k
o
z+π/2)
a
y
¸
(V/m)
1.17 - Considere agora que a onda do item anterior incide sobre uma folha diel´etrica
de permissividade relativa igual a 4 e espessura de 7,5mm. Determine neste caso:
a) o COE no diel´etrico;
b) a densidade volum´etrica de energia m´ axima ap´ os a folha.
1.18 - Uma onda plana de 10MHz , com polariza¸ c˜ao linear a 45

, incide numa antena
dipolo com polariza¸ c˜ao linear horizontal e ´ area efetiva igual a 0,25m
2
. Determine
a potˆencia recolhida pela antena sabendo-se que o campo el´etrico eficaz da onda
incidente ´e 1V/m e o plano que cont´em o dipolo ´e paralelo ` as frentes de onda.
1.19 - Uma onda plana de 1GHz, polarizada circularmente para direita (δ = −90

)
e com campo el´etrico m´ aximo igual a 1V/m, incide normalmente sobre uma folha
diel´etrica com permissividade relativa igual a 4 e espessura d. Pede-se para deter-
minar:
a) a espessura m´ınima da folha, em cent´ımetros, para que n˜ ao haja onda refletida;
b) o m´ odulo e a fase do coeficiente de reflex˜ ao num plano de referˆencia posicionado
em d/2.
1.20 - Uma onda plana de 1GHz, com campo m´ aximo igual a 1V/m e polar-
iza¸ c˜ao circular para direita, incide normalmente sobre uma chapa composta por
uma camada diel´etrica (
r
= 4) e uma camada condutora de 10cm (σ = 10
10
S/m,
µ
o
= 4π 10
−7
H/m). Determine:
a) a espessura m´ınima do diel´etrico para que o coeficiente de reflex˜ ao na interface
ar-diel´etrico tenha m´ odulo unit´ ario e fase nula.
b) a atenua¸ c˜ao da onda no condutor, em dB, a uma distˆ ancia de 1µm da interface
diel´etrico-condutor.
311 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 4 a 6
1.21 - Uma onda plana de 100MHz, gerada numa fonte localizada dentro d’´ agua,
incide com ˆ angulo de 60

em rela¸ c˜ao ` a normal da interface ´ agua-ar. Calcule a
intensidade do campo magn´etico no ar a uma distˆ ancia de 100m da interface ´ agua-
ar, considerando que o campo incidente m´ aximo de 1V/m ´e tangencial ` a interface e
que o ´ındice de refra¸ c˜ao da ´ agua nesta freq¨ uˆencia tem valor igual a 9.
1.22 - Duas ondas eletromagn´eticas de freq¨ uˆencias distintas (1GHz e 2GHz), cujas
fontes est˜ao localizadas no ar, penetram num material que tem as seguintes carac-
ter´ısticas el´etricas e magn´eticas: σ = 0, µ
r
= 1 − j e
r
= 9. Determine que onda
chega primeiro a um plano localizado a 10cm de distˆ ancia da interface. Qual das
ondas tem maior amplitude a esta distˆ ancia?
1.23 - Determine a espessura m´ınima e o valor da permissividade relativa de uma
folha diel´etrica para que o COE no ar seja unit´ ario. A folha reveste uma parede
infinita de impedˆ ancia intr´ınseca igual ` a metade da impedˆ ancia do ar e a onda gerada
no ar tem freq¨ uˆencia igual a 100MHz.
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 4 a 6
2.1- Dois dipolos dobrados de 300Ω, um na vertical e outro na horizontal, formam
uma antena transmissora com polariza¸ c˜ao el´ıptica (δ = 75

). Determine o sistema
de alimenta¸ c˜ao entre as antenas e o transmissor de 50Ω, considerando que a linha de
transmiss˜ ao tem impedˆ ancia caracter´ıstica igual a 50Ω (com
r
= 4), a freq¨ uˆencia
de opera¸ c˜ao ´e 300MHz e a distˆ ancia da antena ao transmissor ´e de 10m.
2.2 - Uma linha de transmiss˜ ao de microfita com largura w e comprimento l ´e
utilizada para conectar uma carga de 50Ω a um gerador de mesma impedˆ ancia.
Considerando-se que a linha de microfita tem impedˆ ancia caracter´ıstica diferente
de 50Ω, substrato diel´etrico com permissividade relativa igual a 2 e espessura de
1,5mm, determine para a condi¸ c˜ao de casamento:
a) o comprimento m´ınimo em fun¸ c˜ao de λ;
b) a freq¨ uˆencia do gerador, supondo que este comprimento ´e igual a 10mm;
c) os valores de w e l em mm para esta freq¨ uˆencia, supondo uma carga igual a 75Ω;
d) o coeficiente de reflex˜ ao, em dire¸ c˜ao ` a impedˆ ancia de carga de 75Ω, a l/2 do
gerador;
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 312
e) o VSWR da linha terminada por 75Ω.
Simplifique seu projeto utilizando
eff

r
e
Z
o
=
377

r
[(w/h) + 2]
2.3 - Uma linha de transmiss˜ ao com impedˆ ancia caracter´ıstica de 100Ω ´e terminada
por uma impedˆ ancia de 50 + j 75 Ω. Determine:
a) o m´ odulo do coeficiente de reflex˜ ao ρ
v
;
b) o VSWR;
c) a impedˆ ancia a 0, 4λ da carga;
d) o comprimento mais curto da linha para que se tenha uma impedˆ ancia puramente
resistiva;
e) o valor da resistˆencia para este comprimento.
2.4 - Um guia de onda retangular oco tem uma se¸ c˜ao transversal de 45 90 mm.
Encontre a freq¨ uˆencia de corte para o modo:
a) dominante;
b) TE
11
, quando o guia ´e preenchido com um material diel´etrico de
r
= 4.
2.5 - Projete o sistema de casamento de impedˆ ancia para conectar uma antena
dipolo de λ/2, cuja impedˆancia de entrada ´e igual a 73 + j42Ω, a um transmissor
com impedˆ ancia de sa´ıda igual a 50Ω. Leve em considera¸ c˜ao que a distˆ ancia entre
a antena e o transmissor ´e de 10m, a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao 27MHz e que os cabos
dispon´ıveis para o projeto s˜ ao de 75Ω com
r
= 1.
2.6 - Um circuito tanque ´e implementado utilizando dois tocos paralelos em aberto,
posicionados numa linha de transmiss˜ ao a 3/4 de distˆ ancia do gerador. Considerando-
se que a linha de transmiss˜ ao, gerador e carga tˆem impedˆ ancias iguais a 50Ω, en-
quanto que os tocos s˜ ao de 75Ω, pede-se para determinar:
a) os comprimentos dos tocos e linha para que o circuito funcione como um filtro
rejeita-faixa em 10 e 20GHz;
313 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 4 a 6
b) as larguras e os comprimentos das microfitas para um substrato diel´etrico de
2mm e
r
= 4;
c) a freq¨ uˆencia mais pr´ oxima de 10GHz para que n˜ ao haja onda refletida.
Considere no seu projeto as express˜ oes fornecidas em 2.2.
2.7 - Uma cabo coaxial de um quarto de comprimento de onda guiado ´e utilizado
para conectar um gerador de 50Ω a uma carga de 300Ω. O VSWR medido nos
terminais do gerador ´e igual a 1,5. Encontre:
a) a impedˆ ancia caracter´ıstica da linha;
b) o coeficiente de reflex˜ ao, em dire¸ c˜ao ` a carga, na metade do comprimento da
linha;
c) a freq¨ uˆencia do gerador sabendo-se que o comprimento da linha ´e 50cm e a raz˜ ao
entre os raios dos condutores ´e 10.
2.8 - Use um sintonizador com dois tocos para casar impedˆ ancia de sa´ıda de um
transmissor de TV de 213MHz (Canal 13) com a impedˆ ancia equivalente de um
conjunto de antenas. Considere as impedˆ ancias do conjunto de antenas, transmissor
e linha iguais a 73+j42 Ω, 50Ω e 50Ω, respectivamente. Determine os comprimentos
dos cabos, supondo que os mesmos tˆem
r
= 1 e a distˆ ancia entre o transmissor e
as antenas ´e de 30m.
2.9 - Um sistema, constitu´ıdo de uma cavidade acoplada eletromagneticamente a
uma das paredes de um guia retangular, ´e utilizado como filtro rejeita-faixa. O
guia tem se¸ c˜ao transversal igual a 1cm1cm, opera no modo dominante e tem
comprimento igual a 1m, enquanto que a cavidade ´e c´ ubica e tem aresta igual a
1cm. O acoplamento ´e feito atrav´es de uma sonda que se encontra exatamente no
centro de uma das paredes da cavidade. Considerando-se que o guia e a cavidade
s˜ao feitos de cobre e a sonda que excita o guia tem a mesma polariza¸ c˜ao daquela
que excita a cavidade, determine:
a) a freq¨ uˆencia de ressonˆ ancia e o fator de qualidade da cavidade;
b) a impedˆ ancia “vista” pelos campos transversais do guia quando este opera a
uma freq¨ uˆecia igual a 1,5 vezes o valor da freq¨ uˆencia de corte;
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 314
c) a atenua¸ c˜ao em dB ao longo do guia para a mesma freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao;
2.10 - Uma linha de transmiss˜ ao coaxial fendida ´e utilizada para ligar uma antena de
100Ω a um gerador de mesma impedˆ ancia. Medi¸c˜oes ao longo desta linha indicam
uma tens˜ ao m´ axima de 4V e uma m´ınima de 2V. Sabe-se que o cabo coaxial utilizado
tem uma rela¸ c˜ao entre os diˆ ametros dos condutores igual a 10 e o gerador de RF
opera a 100MHz. Considerando-se que o sistema est´ a casado, calcule os seguintes
parˆ ametros da linha:
a) a impedˆ ancia caracter´ıstica;
b) o comprimento m´ınimo em metros;
c) o coeficiente de reflex˜ao na metade do comprimento.
2.11 - Pede-se para projetar um circuito amplificador utilizando-se um FET cuja
impedˆancia de sa´ıda ´e 10Ω e a de entrada 100Ω. As seguintes restri¸ c˜oes s˜ao feitas: a
defasagem introduzida pelo circuito de entrada tem que ser igual a 135

e o circuito
de sa´ıda tem que ser um transformador de 1/4 de onda. Determine, para um sub-
strato diel´etrico de 1mm de espessura e permissividade relativa igual a 4, as larguras
e os comprimentos das fitas. Considere as impedˆ ancias da carga e gerador iguais a
50Ω e a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao 1GHz.
2.12 - Um gerador de impedˆ ancia Z
g
´e ligado a uma impedˆ ancia de carga Z
L
atrav´es
de dois transformadores de λ/4. A impedˆ ancia da carga ´e quatro vezes maior que
a do gerador, enquanto que a impedˆ ancia equivalente “vista” em dire¸ c˜ao a carga,
entre os dois transformadores, ´e igual a 100Ω. Calcule:
a) o VSWR no transformador pr´ oximo ao gerador;
b) o coeficiente de reflex˜ ao no meio do transformador que est´ a ligado ` a Z
L
.
2.13 - Uma impedˆ ancia de carga de 100Ω est´ a ligada a um gerador com impedˆ ancia
de sa´ıda igual a 50Ω atrav´es de uma linha de transmiss˜ ao de comprimento l e
impedˆancia caracter´ıstica igual a 50Ω. O sistema est´ a descasado e o coeficiente
de reflex˜ao medido nos terminais do gerador em dire¸ c˜ao ` a carga ´e igual a −1/3.
Determine:
a) o comprimento da linha;
315 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 4 a 6
b) a posi¸ c˜ao e o comprimento de um toco em curto para casar o circuito.
2.14 - Um transmissor operando em 10MHz, com impedˆ ancia de sa´ıda igual a 50Ω, ´e
ligado a uma antena de admitˆ ancia igual a 0, 02+j 0, 01S atrav´es de um cabo coaxial
de 50Ω e 10m de comprimento. Considerando-se que a raz˜ ao entre os diˆ ametros dos
condutores do cabo ´e igual a 12,1825, determine a distˆ ancia at´e os terminais da
antena e o comprimento mais curto de um toco para casar o sistema (valores em
metros).
2.15 - Um sistema irradiante constitu´ıdo de duas antenas de 50Ω, interligadas por
uma linha r´ıgida de comprimento igual a λ, ´e conectado a um transmissor atrav´es
de um circuito sintonizador e um trecho de linha de comprimento l. Todas as linhas
tˆem impedˆancia caracter´ıstica igual a 50Ω, o transmissor tem impedˆ ancia de sa´ıda
igual a das linhas e o circuito sintonizador ´e constitu´ıdo de: um trecho de linha λ/4,
toco em curto, trecho de linha λ/8 e toco em curto. Determine:
a) a impedˆ ancia equivalente do sistema de antenas;
b) os comprimentos dos tocos para casar o sistema;
c) o comprimento l;
d) o VSWR no trecho de λ/4.
2.16 - Um filtro rejeita-faixa ´e projetado utilizando-se uma cavidade ressonante
acoplada a um guia de onda retangular, operando no modo TE
01
, atrav´es de uma
sonda colocada no meio da parede mais estreita deste. A cavidade ´e c´ ubica e tem
aresta igual a 10mm enquanto o guia tem se¸ c˜ao transversal igual a 20mm 10mm.
Considerando-se que tanto a cavidade como o guia s˜ ao feitos de cobre, calcule:
a) a freq¨ uˆencia de corte do guia;
b) a freq¨ uˆencia central da banda de rejei¸ c˜ao;
c) a largura da banda de rejei¸ c˜ao;
d) a banda de passagem entre a freq¨ uˆencia de ressonˆ ancia da cavidade e a freq¨ uˆencia
de corte do guia.
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 316
2.17 - Deseja-se conectar um computador a um hub de 8 portas. Qual deve ser o
comprimento m´ aximo de cabo necess´ ario para o bom funcionamento do enlace? O
campo nas portas do hub ´e de 10mV/m e suas impedˆ ancias s˜ ao iguais 50Ω. O cabo e
a entrada do computador tamb´em tˆem os mesmos valores de impedˆancia. O campo
m´ınimo necess´ario para a identifica¸ c˜ao dos dados pelos computadores ´e de 0,1µV/m
e o fator de atenua¸ c˜ao do cabo ´e de 1dB/m.
2.18 - Dois cablemodems de impedˆ ancias diferentes, 50Ω e 150Ω, necessitam ser
interligados. Tem-se em estoque 100m de cabo coaxial com impedˆ ancia caracter´ıstica
de 75Ω. As ondas se propagam neste cabo com velocidade relativa igual a 50% .
Projete o circuito de casamento (esquema com os comprimentos das linhas e tocos
em metros), sabendo-se que a distˆ ancia entre os modems ´e de 50m e a freq¨ uˆencia de
opera¸ c˜ao ´e 10MHz.
2.19 - Um sistema irradiante de 50Ω deve ser interligado a um transmissor de 75Ω e
10W atrav´es de um cabo coaxial de mesma impedˆ ancia. Pede-se para casar o circuito
inserindo-se um trecho de microfita. Qual deve ser o comprimento e a largura da
fita em mm se o transmissor opera em 1GHz? Onde se deve posicionar a microfita?
O substrato dispon´ıvel tem espessura de 3mm e permissividade relativa igual a 2.
Considere a permissividade efetiva da microfita igual a permissividade relativa do
substrato.
2.20 - Um guia de cobre, como mostrado na Figura E-1, ´e encerrado por uma parede
m´ ovel. Qual deve ser a distˆ ancia entre as paredes transversais para que o guia fun-
cione como uma cavidade operando no modo TE
110
? Determine tamb´em a freq¨ uˆencia
de ressonˆ ancia e o fator de qualidade desta cavidade.
2.21 - Um sinal de 20GHz ´e injetado num guia cil´ındrico de cobre com raio igual a
10mm. Considerando-se que a posi¸ c˜ao da sonda de excita¸ c˜ao favorece ` a propaga¸ c˜ao
dos modos TM
11
, determine o fator de atenua¸ c˜ao ao longo do guia em dB/m.
2.22 - Duas antenas, espa¸ cadas a um metro uma da outra, devem ser ligadas a um
transmissor que est´ a situado a 20m de distˆ ancia. Considerando-se que as liga¸ c˜oes,
antena-antena e antenas-transmissor, s´ o podem ser feitas com cabos coaxiais, deter-
mine o circuito de casamento indicando os comprimentos em metros ou cent´ımetros.
Dados do sistema irradiante: cabo coaxial de 50Ω e velocidade relativa igual a 50%;
impedˆancia de entrada das antenas e transmissor, 50Ω; freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao,
300MHz.
2.23 - Uma linha r´ıgida (
r
· 1) de 75Ω e 12m de comprimento ´e utilizada para ligar
uma antena de 150 +j 75 Ω a um transmissor de 50Ω. Determine o:
317 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 4 a 6
a) VSWR nos terminais do transmissor para uma freq¨ uˆencia de 100MHz;
b) coeficiente de reflex˜ao na linha, a 3m dos terminais da antena, para uma
freq¨ uˆencia de 300MHz.
d
d
1
Figura E-1: Vista longitudinal de um guia retangular oco com parede m´ ovel e se¸c˜ao
transversal igual a 30mm30mm. A distˆ ancia d
1
´e igual a 15mm.
2.24 - Uma impedˆ ancia de carga de 75Ω est´ a ligada a um gerador com impedˆ ancia
de sa´ıda igual a 50Ω atrav´es de uma linha de transmiss˜ ao de comprimento l e
impedˆancia caracter´ıstica igual a 50Ω. O sistema est´ a descasado e o coeficiente
de reflex˜ao medido nos terminais do gerador, em dire¸ c˜ao a carga, ´e igual a 0, 2 ∠90

.
Determine:
a) o comprimento m´ınimo poss´ıvel da linha;
b) a posi¸ c˜ao e o comprimento de um toco em curto para casar o circuito.
2.25 - Determine o raio e o comprimento de uma cavidade cil´ındrica oca com paredes
de cobre para operar em 10GHz no modo TM
001
e ter largura de banda de 1MHz.
2.26 - Um sinal de 25GHz ´e injetado num guia retangular oco de cobre com dimens˜ oes
20mm10mm. Fa¸ ca um desenho da se¸ c˜ao transversal do guia mostrando as posi¸ c˜oes
das sondas para que haja propaga¸ c˜ao do modo TE
21
. Indique no seu desenho as
distˆ ancias das sondas ` as paredes laterais do guia. Qual a impedˆ ancia modal neste
modo de propaga¸ c˜ao?
2.27 - Pede-se para ligar uma TV com entrada de 300Ω a uma antena de 75Ω. Vocˆe
s´o disp˜ oe de 20m de uma linha paralela de 300Ω (par de fios com diˆ ametros iguais
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 318
a 1mm e separa¸ c˜ao igual a 10mm). A antena deve ser instalada no telhado a 10m
de distˆancia do televisor. Primeiro vocˆe conecta a antena ` a TV utilizando apenas
um trecho de linha de 10m e verifica que o VSWR, nos terminais do televisor, n˜ ao
´e unit´ario para uma freq¨ uˆencia de 100MHz. Qual ´e o valor do VSWR? Depois vocˆe
coloca um toco em aberto a uma certa distˆ ancia da antena e observa que o VSWR
diminui para 1 nesta freq¨ uˆencia. Qual deve ser esta distˆ ancia (em metros)? Qual o
comprimento do toco (em metros)?
2.28 - Observando-se a se¸ c˜ao transversal do guia de cobre da Figura E-1, verifica-
se que a sonda se encontra exatamente no meio entre as duas paredes laterais.
Determine:
a) a freq¨ uˆencia de corte no modo dominante;
b) a impedˆ ancia modal neste modo para uma freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao 10% acima
do valor de corte;
2.29 - Com base na excita¸ c˜ao e dimens˜ oes do guia de cobre mostrado na Figura E-2,
determine:
a) a freq¨ uˆencia de corte no modo de opera¸ c˜ao em quest˜ ao;
b) a atenua¸ c˜ao no guia a uma freq¨ uˆencia 10% acima da freq¨ uˆencia de corte do
modo dominante.
20mm 1000mm
1
0
m
m
V
1
V
2
Figura E-2: Guia oco com excita¸ c˜ao coaxial. V
1
= V
2
= 1∠0

V.
2.30 - Pede-se para projetar uma cavidade ressonante cil´ındrica de cobre para operar
como filtro passa-faixa com banda igual a 0,07% da sua freq¨ uˆencia central de 10 GHz.
319 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 7 a 11
2.31 - Um filtro passa-faixa ´e implementado utilizando-se um sistema guia-cavidade-
guia operando no modo TM
11
. A se¸c˜ao transversal do guia ´e de 4cm 3cm (largura
altura) e a cavidade ressonante, projetada para operar em 6,5 GHz, tem largura
de 4cm e comprimento de 2cm. Considerando-se que o guia e a cavidade s˜ ao feitos
de cobre, determine:
a) o modo de opera¸ c˜ao e a altura da cavidade;
b) o fator de qualidade da cavidade;
c) a freq¨ uˆencia de corte do guia para o modo em quest˜ ao;
d) a banda de passagem do filtro.
O acoplamento entre os guias e a cavidade ´e feito atrav´es da introdu¸ c˜ao de sondas
nas paredes que os separam.
2.32 - Determine, para um guia cil´ındrico de cobre de 1m de comprimento e 3cm de
raio, operando no modo dominante:
a) a freq¨ uˆencia de corte;
b) o comprimento de onda guiado a uma freq¨ uˆencia 10% acima da freq¨ uˆencia de
corte;.
c) a atenua¸ c˜ao em dB para uma freq¨ uˆencia 1% abaixo da freq¨ uˆencia de corte.
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 7 a 11
3.1 - Uma antena dipolo de 25cm de comprimento ´e constitu´ıda de duas hastes de
alum´ınio de 1cm de diˆ ametro. Determine, para uma freq¨ uˆencia de 100MHz:
a) a intensidade de radia¸ c˜ao na dire¸ c˜ao do comprimento;
b) a largura do feixe de meia-potˆencia;
c) a resistˆencia associada ` as perdas;
d) o ganho em dBi.
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 320
3.2 - Uma esta¸ c˜ao r´ adio-base experimental de 10W, operando em 875MHz, utiliza
um dipolo de meia onda com polariza¸ c˜ao vertical. O dipolo, cuja diretividade ´e 1,64
e impedˆancia de entrada Z
a
= 73 + j42 Ω, se encontra a 30m de altura. A conex˜ ao
entre o transmissor de 75Ω e a antena ´e feita atrav´es de um cabo coaxial de mesma
impedˆancia com perdas de 0,05dB/m. Calcule:
a) a potˆencia radiada pela antena;
b) a intensidade de radia¸ c˜ao m´ axima;
c) a densidade de potˆencia que chega ao solo a uma distˆ ancia de 40m da torre.
Despreze as perdas no condutor da antena e considere a distribui¸ c˜ao de campo
distante:
E(θ) =
V e
−jβr
cos(
π
2
cos θ)
r sin θ
3.3 - Qual o comprimento el´etrico de um dipolo de λ/2 operando em 100MHz (Za =
73 +j 42, 5 Ω)? E a intensidade de radia¸ c˜ao normalizada a 38

da dire¸ c˜ao de ganho
m´ aximo?
3.4 - Calcule a potˆencia que chega numa antena parab´ olica de 3m
2
de ´area efetiva,
para um sistema de transmiss˜ ao de 1W localizado a 20km de distˆ ancia. A antena
do sistema transmissor tem ganho igual a 2000 e as perdas nos cabos e conectores
podem ser desprezadas.
3.5 - Uma antena linear ´e ligada a um gerador com freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao igual
a 300MHz e tens˜ ao de pico igual a 1V. O campo el´etrico para a regi˜ ao de campos
distantes ´e dado por:
E(θ, ϕ) =
e
−jβr

sin θ
r
Considerando que o sistema est´ a casado e a resistˆencia de radia¸ c˜ao da antena ´e 5Ω,
determine:
a) o ganho da antena a 90

na dire¸ c˜ao de ganho m´ aximo;
b) a ´ area efetiva m´ axima da antena;
c) a eficiˆencia da antena;
d) a largura do feixe de meia-potˆencia;
321 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 7 a 11
e) a potˆencia fornecida pelo gerador.
3.6 - Um enlace de 300MHz, entre duas cidades localizadas ao n´ıvel do mar, ´e
obstru´ıdo por um morro de 50m de altura e raio de curvatura m´edio igual a 11,4km.
Supondo-se que a potˆencia de transmiss˜ ao ´e 1W, a altura das torres ´e de 35m, a
distˆ ancia entre as cidades ´e 10km e que o morro se encontra a 1km de uma delas,
calcule:
a) o ganho das antenas para se obter uma potˆencia de recep¸c˜ao de -52dBm;
b) a altura m´ınima das torres para n˜ ao haver perdas por obst´ aculos;
c) a potˆencia m´ınima do transmissor para a altura das torres e antenas calculadas;
d) a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao que leva ao bloqueio da 1
a
zona de Fresnel (torres de
35m).
Despreze as perdas nos cabos, conectores e antenas.
3.7 - Uma antena yagi projetada para 300MHz ´e constitu´ıda por 3 dipolos de meio
comprimento de onda separados por uma distˆ ancia de λ/2. A antena, que ser´ a usada
num enlace de r´adio de 1km, ´e submetida a medi¸ c˜oes dos diagramas de radia¸ c˜ao.
Qual deve ser a distˆ ancia m´ınima entre o centro da antena e o medidor de campo
durante as medi¸ c˜oes?
3.8- Qual deve ser a potˆencia m´ınima do transmissor para que um enlace de mi-
croondas opere sem problemas? Considere os seguintes dados:
• freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao 7GHz;
• comprimento do enlace 15km;
• potˆencia m´ınima de recep¸c˜ao -30dBm;
• ganho da antena transmissora 20dBi
• ´area efetiva m´ axima de 1m
2
e eficiˆencia de 80% para a antena receptora;
• perdas nos guias e conectores 10dB.
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 322
3.9 - Um enlace de r´ adio de 7200MHz, entre dois pontos de uma cidade totalmente
plana, apresenta problemas de recep¸ c˜ao ap´ os a constru¸ c˜ao de um edif´ıcio de 20m de
altura. Para resolver o problema, optou-se pela altera¸ c˜ao da freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao.
a) qual deve ser a freq¨ uˆencia m´ınima do enlace para que n˜ ao haja perda por ob-
stru¸ c˜ao?
b) calcule o n´ıvel de potˆencia (em dBm) na entrada do receptor para essa nova
freq¨ uˆencia.
Dados importantes sobre o enlace: comprimento igual a 10km; bloqueio da linha
de visada a 6km da esta¸ c˜ao receptora; torres de 24m; cabos de 30m com perdas de
0,1dB/m; conectores com perdas desprez´ıveis; potˆencia do transmissor 10W; antena
transmissora de 10dBi e receptora com ´ area efetiva m´ axima de 5,46cm
2
e eficiˆencia
de 90% (quando excitada na nova freq¨ uˆencia).
3.10 - Um enlace de r´ adio de 300MHz ´e projetado para interligar duas cidades sep-
aradas por uma distˆ ancia de 10km. O sistema de transmiss˜ ao ´e constitu´ıdo de:
100m de cabo de 50Ω com perdas de 0,01db/m; conectores com perdas desprez´ıveis;
potˆencia do transmissor igual a 10W e impedˆ ancia de sa´ıda igual a 50Ω; uma an-
tena transmissora de 75Ω com perdas no condutor-diel´etrico nulas e intensidade de
radia¸ c˜ao m´ axima igual a 64W. Enquanto que o sistema de recep¸ c˜ao est´ a completa-
mente casado e ´e formado por: uma antena receptora sem perdas com ´ area efetiva
m´ axima de 0,8m
2
; 50m de cabo do mesmo tipo usado no sistema transmissor; conec-
tores com perdas desprez´ıveis. Pede-se para determinar:
a) o ganho da antena transmissora em dBi;
b) a ´ area efetiva m´ axima desta antena em m
2
;
c) a potˆencia radiada em W;
d) a densidade de potˆencia que chega na antena receptora;
e) a potˆencia em dBm na entrada do receptor.
3.11 - Um dipolo fino finito cuja express˜ ao do campo el´etrico distante ´e dada por
E
θ
=
jηI
o
e
−jkr
2πr
_
cos
_
kl
2
cos θ
_
−cos
_
kl
2
_
sen θ
_
323 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 7 a 11
´e escolhido para fazer parte do sistema irradiante de uma r´ adio comunit´ aria. O
sistema ´e de radiodifus˜ ao e tem que atender igualmente a todos em volta da esta¸ c˜ao.
Qual deve ser o tipo de polariza¸ c˜ao a ser adotada? Supondo que o dipolo utilizado
´e de meio comprimento, calcule:
a) a intensidade de radia¸ c˜ao normalizada (pelo valor m´ aximo) na dire¸ c˜ao θ = 60

;
b) a largura do feixe de meia-potˆencia.
3.12 - Um sistema de radar de 2GHz utiliza uma ´ unica antena para emitir e receber
pulsos eletromagn´eticos. A antena tem uma eficiˆencia de 90%, largura de banda
de 0,1%, diretividade igual a 100 e temperatura de ru´ıdo nos seus terminais igual
a temperatura ambiente de 27

. Supondo-se que o sistema est´ a casado e que a
potˆencia de transmiss˜ ao ´e de 100W, determine nos terminais da antena, para um
alvo com ´ area de eco igual a 1m
2
e distˆancia de 300m, a:
a) potˆencia de recep¸c˜ao em dBm;
b) rela¸ c˜ao sinal-ru´ıdo em dB;
c) a figura de ru´ıdo.
3.13 - Um enlace de 100MHz, entre duas cidades localizadas ao n´ıvel do mar, ´e ob-
stru´ıdo por um morro de 20m de altura, introduzindo uma perda de 20dB. Supondo-
se que a potˆencia de transmiss˜ ao ´e 1W, a altura das torres ´e de 20m, a distˆ ancia
entre as cidades ´e 10km e que o morro se encontra na metade do enlace, calcule:
a) a ´ area efetiva m´ axima da antena receptora para se obter uma potˆencia de re-
cep¸c˜ao de -50dBm;
b) a altura m´ınima das torres para n˜ ao haver perdas por obst´ aculos.
Despreze a curvatura da Terra, as perdas nas antenas, cabos e conectores. Os
sistemas irradiantes das esta¸ c˜oes s˜ao idˆenticos.
3.14 - Qual deve ser a perda de polariza¸ c˜ao (em dB) num enlace que utiliza uma
antena circularmente polarizada para a esquerda na transmiss˜ ao e um dipolo na
recep¸c˜ao? As antenas est˜ ao alinhadas na dire¸ c˜ao de m´ aximo ganho.
3.15 - Uma antena dipolo polarizada horizontalmente ´e utilizada para recep¸ c˜ao de
sinais, emitidos em 150MHz, por uma fonte isotr´ opica a 1km de distˆ ancia. A fonte
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 324
irradia uma potˆencia de 10W e a distribui¸ c˜ao de campo distante do dipolo ´e dada
por
E(θ) =
e
−jβr
r

sen θ
Determine para o dipolo:
a) a potˆencia nos seus terminais se a fonte estiver polarizada verticalmente;
b) a diretividade e dire¸ c˜ao de ganho m´ aximo;
c) a ´ area efetiva m´ axima.
3.16 - Calcule a potˆencia que chega numa antena receptora, de 1m
2
de ´area efetiva,
quando um transmissor de 40dBm ´e posicionado a 10km de distˆ ancia. A antena do
sistema transmissor tem ganho igual a 7,84dBd. O sistema irradiante transmissor
est´a casado e oferece perdas de 3dB (cabo e conectores).
3.17 - Uma construtora quer construir um edif´ıcio exatamente a meio caminho do
enlace do exerc´ıcio 3.16. Considerando-se que este enlace se encontra numa regi˜ ao
plana e que a linha de visada est´ a a 50m do solo, determine, para uma freq¨ uˆencia
de opera¸ c˜ao de 10GHz, a altura m´ axima do edif´ıcio para que n˜ ao haja perdas por
obstru¸ c˜ao.
3.18 - Uma antena yagi de 3 elementos, constitu´ıda de trˆes dipolos de λ/2 espa¸ cados
de λ/10, produz os diagramas de radia¸ c˜ao mostrados na Figura E-3. Determine
para a freq¨ uˆencia de 100MHz:
a) as larguras dos feixes de meia-potˆencia;
b) o ganho diretivo (em dBi) a 30

da dire¸ c˜ao de ganho m´ aximo, no plano E;
c) a distˆ ancia m´ınima para se medir campos distantes.
3.19 - Uma esta¸ c˜ao transmissora, operando em 1GHz, irradia uma potˆencia de 10W.
Considerando-se que a antena desta esta¸ c˜ao ´e um dipolo vertical de λ/2 que est´ a a
100m de altura, calcule:
a) a potˆencia nos terminais de uma antena idˆentica ` a transmissora que se encontra
pr´ oxima ao solo, a 100m da torre;
325 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 7 a 11
Figura E-3: Diagrama de radia¸ c˜ao do campo el´etrico normalizado: (a) plano E; (b)
plano H.
b) a ´ area el´etrica m´ axima da antena receptora;
c) a intensidade do campo el´etrico, na dire¸ c˜ao de meia-potˆencia, a 10m da antena
transmissora.
Despreze as perdas no condutor da antena e considere a distribui¸ c˜ao de campo
distante igual a
E(θ) =
j60I
o
e
−jβr
cos(
π
2
cos θ)
r sin θ
3.20 - Um r´ adio-enlace de 20km ´e constitu´ıdo de um transmissor de 30dBm e uma
antena transmissora com ganho igual a 10dBd. A antena receptora tem 0,5m
2
de ´area el´etrica m´ axima e figura de ru´ıdo igual a 2. Supondo-se que os sistemas
irradiantes est˜ ao casados e n˜ ao oferecem perdas, encontre:
a) a rela¸ c˜ao sinal-ru´ıdo (em dB) nos terminais da antena para uma banda de
10MHz;
b) a altura m´ axima de um obst´ aculo, a meia distˆ ancia, que n˜ ao altere o n´ıvel de
recep¸c˜ao. Para este caso, considere o ganho da antena receptora igual a 10dbi
e a altura das torres igual a 100m.
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 326
3.21 - Qual deve ser a perda de polariza¸ c˜ao (em dB) num enlace que utiliza uma
antena circularmente polarizada para a esquerda na transmiss˜ ao e uma antena po-
larizada elipticamente para a esquerda (δ = 45

) na recep¸ c˜ao? As antenas est˜ ao
alinhas na dire¸ c˜ao de m´ aximo ganho.
3.22 - Uma antena receptora com polariza¸ c˜ao linear horizontal ´e utilizada num enlace
de 300MHz e 100m de distˆ ancia. Esta antena tem comprimento el´etrico igual a
79,6cm, tens˜ ao m´ axima nos seus terminais igual a 1,95mV e resistˆencia de 75Ω.
Considerando-se que a antena receptora est´ a alinhada na dire¸ c˜ao de ganho m´ aximo
com uma antena transmissora isotr´ opica de mesma polariza¸ c˜ao, determine:
a) a potˆencia radiada pela antena isotr´ opica em dBm;
b) os ganhos das antenas em dBi.
3.23 - Um r´ adio-enlace de 3GHz e 300m de comprimento utiliza sistemas irradiantes
idˆenticos com torres de 50m. As antenas tˆem eficiˆencias em torno de 90%, largura de
banda de 0,1% e diretividade igual a 100. Considerando-se que existe um obst´ aculo
do tipo gume de faca de 48m de altura a 100m da esta¸ c˜ao transmissora, determine,
nos terminais do receptor:
a) a potˆencia de recep¸c˜ao em dBm;
b) a rela¸ c˜ao sinal-ru´ıdo em dB, sabendo-se que a figura de ru´ıdo do receptor ´e 2,1.
Despreze as perdas nos cabos e conectores. Os sistemas est˜ao casados e o transmissor
tem potˆencia de 1W.
3.24 - Um radar ´e utilizado para determinar a velocidade dos carros que trafegam
numa via p´ ublica. A velocidade ´e medida quando os carros (´ area de eco m´edia
igual a 1m
2
) est˜ ao a 100m da antena do radar. Determine a rela¸ c˜ao sinal-ru´ıdo de
recep¸c˜ao nos terminais da antena levando em considera¸ c˜ao que o radar opera em
3GHz com uma potˆencia de transmiss˜ ao igual a 10dBm. A antena tem ganho de
20dBi, figura de ru´ıdo igual a 3dB e banda de 0,1%.
3.25 - Num enlace de r´ adio de 300MHz e 1km de comprimento, qual deve ser a
altura m´ axima de um obst´ aculo a 200m da torre receptora para que o mesmo n˜ ao
introduza perdas por obstru¸ c˜ao? Considere a altura de cada torre igual a 80m.
327 Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 12 a 15
Exerc´ıcios dos Cap´ıtulos 12 a 15
4.1 - Escolha a t´ecnica de casamento mais adequada (vide Cap´ıtulo 12) para casar
uma yagi de 3 elementos, de impedˆ ancia igual a 43 −j 20 Ω, com um transmissor de
50Ω. O sistema opera em 100MHz e a linha que liga o transmissor ` a antena ´e um
cabo coaxial de 50Ω. Quais as medidas do arranjo de casamento?
4.2 - Suponha agora que a linha e transmissor, utilizados no exemplo anterior, tˆem
impedˆancia igual a 300Ω. Qual deve ser a t´ecnica mais adequada para este caso,
considerando-se que a linha de transmiss˜ ao ´e constitu´ıda de dois fios paralelos?
Calcule as medidas do novo arranjo de casamento.
4.3 - Determine a t´ecnica de casamento mais simples para casar uma log-peri´ odica
de 450Ω com uma linha, do tipo fios paralelos, de impedˆ ancia igual a 300Ω. Calcule
os valores do projeto para uma freq¨ uˆencia de 400MHz.
4.4 - Qual deve ser o comprimento de um balun bazuca para balancear as correntes
de um cabo coaxial de 50Ω ligado a um dipolo de 50cm e mesma impedˆ ancia? O
dipolo opera em 300MHz.
4.5 - Case e fa¸ca o balanceamento das correntes de uma linha de 75Ω (
r
= 2, 2)
com um dipolo de λ/2 e impedˆ ancia igual a 73 + j 42, 5 Ω. Utilize no projeto um
arranjo do tipo T e balun trombone, para a freq¨ uˆencia de opera¸ c˜ao de 300MHz.
4.6 - Repita o exemplo anterior para um arranjo gama.
4.7 - Projete uma yagi de 3 elementos com ganho m´ınimo de 4dBd e rela¸ c˜ao frente-
costas superior a 15dB.
4.8 - Qual a impedˆ ancia na entrada de cada dipolo de λ/2 num sistema colinear de
dois elementos? O espa¸camento entre os elementos ´e de 3λ/2, a tens˜ ao ´e igual a 1V
e as diferen¸cas de fases de alimenta¸ c˜ao s˜ ao iguais a π/2.
4.9 - Qual a impedˆ ancia da antena yagi do exemplo 4.7?
4.10 - Projete uma antena log-peri´ odica para operar na faixa de freq¨ uˆencia dos
canais de TV de 2 a 6 (54-88MHz). Seu ganho deve ser superior ou igual a 8dBi e
sua impedˆ ancia de entrada 75Ω.
´
E poss´ıvel se obter esta impedˆ ancia sem sistema
de casamento?
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 328
4.11 - Agora projete uma antena log-peri´ odica para faixa de FM comercial (88-
108MHz). Seu ganho deve ser superior ou igual a 9dBi e sua impedˆ ancia de entrada
igual a 300Ω.
4.12 - Determine as dimens˜ oes de uma antena helicoidal para operar em 450MHz
com diretividade igual ou superior a 9dBi, polariza¸ c˜ao circular e impedˆ ancia de 75Ω.
4.13 - Projete um refletor de canto de 90

, com um dipolo de meio comprimento de
onda como alimentador, para operar em 600MHz. O ganho tem que ser exatamente
11dBi.
4.14 - Calcule as dimens˜ oes de um conjunto dipolo de λ/2 e refletor de placa plana
para se obter um ganho de 5dBi em 300MHz. Qual a impedˆ ancia de entrada da
antena?
4.15 - Projete um refletor parab´ olico para operar em 10GHz com ganho de 45dBi.
O ganho do alimentador ´e dado por
G
f

) = G
(2)
o
cos
2
θ
4.16 - Qual o ganho m´ aximo para a antena do exerc´ıcio anterior se o desvio padr˜ ao
da superf´ıcie parab´ olica for 5mm?
4.17 - Considerando-se mais uma vez a antena do exerc´ıcio 4.15 e a rugosidade do
exerc´ıcio 4.16, determine a freq¨ uˆencia que leva ao ganho m´ aximo. Qual o valor deste
ganho em dBi?
4.18 - Determine o diˆ ametro de um refletor parab´ olico para se obter um ganho de
32dBi em 4GHz. A eficiˆencia de abertura ´e de 75% e o fator de rugosidade ´e igual
a 3.
Respostas dos Exerc´ıcios
As respostas dos exerc´ıcios propostos s˜ ao apresentadas abaixo:
1.1 - a) 25mm; b) 12,5mm
1.2 - a) 0; b) 6,14 10
−15
W
1.3 - a) el´ıptica para a esquerda (α = 24, 3

e δ
r
= δ
i
+ 180

); b) 10,2µW
1.4 - d
min
= 5, 04µm
1.5 - a) 8µV/m e 45

; b) 275∠45

A/m
2
; c) 4,87mm
1.6 - a) 10mW; b) 15,5m; c) 6,44 10
−11
J
329 Respostas dos Exerc´ıcios
1.7 - a) circular para a direita; b) 50µW
1.8 - a) 1,6mm; b) 0, 13 + j0, 13 Ω; c) 2, 03 10
5
m/s e 4, 07 10
5
m/s. O meio ´e
dispersivo anˆ omalo
1.9 - a) 0,88V/m; b) 1,91 10
−11
J/m
3
1.10 - a) 1,78m; b) 0,0045 ∠ −7

; c) 5,6
1.11 - a) el´ıptica com α = 45

e δ
r
= 14, 5

; b) 2,06V/m
1.12 -
r
= 3; P = 66, 3µW
1.13 - a) 1/3 V/m; b) 1; c) 4,43 10
−12
J/m
3
; d) circular para a esquerda
1.14 - a) 3,2m/s; b) 4,6 10
4
W/m
2
; c) 45

; d) 0,74V/m
1.15 - 86,7

1.16 - a) 2,41; b) 2,3 10
−4
W; c) 8,2 10
−4
W/m
2
; d) 7,1cm; e) circular para a
direita
1.17 - a) 2; b) 1,3 10
−3
W/m
2
1.18 - 3,32 10
−4
W
1.19 - a) 7,5cm; b) 1/3 ∠0

1.20 - a) 3,75cm; b) 54,6dB
1.21 - Zero
1.22 - a) ambas chegam no mesmo instante; b) a de 1GHz
1.23 - 53cm e 2
2.1 - Um sistema simples pode ser obtido interligando-se os terminais das antenas
atrav´es de um trecho de linha de 10,4cm. Os terminais de uma das antenas s˜ ao
ent˜ao ligados ao transmissor com uma linha de pelo menos 10m de comprimento,
desde que um toco em aberto de 8,8cm esteja posicionado, nesta linha, a 5,1cm dos
terminais da antena.
2.2 - a) λ/2; b) 10,6GHz; c) l = 7, 1mm e w = 3, 5mm; d) −90

; e) 1,22
2.3 - a) 0,54; b) 3,3; c) 30, 3 + j8, 7 Ω
2.4 - a) 1,67GHz; b) 1,86GHz
2.5 - O comprimento do cabo pode ser 10m, desde que um toco em curto de 1,98m
(ou em aberto 4,76m) seja posicionado a 3,45m dos terminais da antena.
2.6 - a) λ/4 nas respectivas freq¨ uˆencias; b) w
l
= 3, 54mm, w
t
= 1, 03mm, l
t10
=
3, 75mm , l
t20
= 1, 88mm e l qualquer; c) 8GHz
2.7 - a) 100Ω; b) 0,2 ∠ −90

; c) 133MHz
2.8 - l
1
= 35, 2cm, l
2
= 17, 6cm, l
t1
= 21, 1cm e l
t2
= 43, 6cm
2.9 - a) 21,21GHz e 7.356; b) 506Ω; c) 0,23dB/m
2.10 - a) 50Ω; b) 0,181m; c) 1/3 ∠180

2.11 - O transformador de λ/4 tem comprimento igual a 37,5mm e largura igual
a 6,43mm. O circuito de casamento de entrada, com defasagem de 135

, pode ser
obtido utilizando-se um sintonizador com: dois tocos em curto de 56,3mm (3λ/8)
separados por um trecho de linha de 18,8mm (λ/8); um trecho de linha de 37,5mm
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 330
(λ/4) ligando os tocos ` a entrada do FET. A largura das linhas de entrada ´e w =
6, 43mm (Z
o
= 50Ω).
2.12 - a) 1,41; b) 0,172 ∠ −90

2.13 - a) λ/4; b) l
t
= 0, 152λ a uma distˆ ancia de 0, 152λ da carga
2.14 - toco em curto sobre a carga com comprimento igual a 1,76m (0, 176λ)
2.15 - a) 25Ω; b) l
t1
= 0, 271λ e l
t2
= 0, 149λ; c) qualquer; d) 2
2.16 - a) 15GHz; b) 21,2GHz; c) 2,9MHz; d) 6,2GHz
2.17 - 100m
2.18 - V´ arias respostas poss´ıveis, dentre elas: l
t
= 2, 295m (0, 153λ), l = 2, 94m
(0, 196λ ) e l
tot
= 55, 44m
2.19 - l = 53mm e w = 7mm
2.20 - d = 30mm, f
r
= 7, 1GHz e Q = 12.741
2.21 - 0,21dB/m
2.22 - Pode-se utilizar um cabo de 20m com um toco em curto de 17,4cm (0, 348λ)
a 4,9cm (0, 098λ) das antenas.
2.23 - a) 3,82; b) 0,585 ∠16

2.24 - a) 0,375λ ; b) toco em curto de 0, 188λ a 0, 141λ da antena
2.25 - a = 11, 5mm e d = 15, 5mm
2.26 - O esquema ´e mostrado na figura abaixo. A diferen¸ ca de fase entre as sondas,
na parede mais larga, tem que ser 180

. Z
TE
= 712, 5Ω
10mm
5mm
5mm
2.27 - VSWR = 4, d = 1, 067m e l
t
= 0, 234m (toco em curto)
2.28 - a) 5GHz; b) 905Ω
2.29 - a) 16,8GHz; b) 0,061dB
2.30 - Cavidade operando no modo TM
001
com a = 11, 5mm e d = 52, 8mm
2.31 - a) TE
110
(ou TM
011
) b = 2, 83cm; b) 10.737; c) 6,25GHz; d) 605,4kHz
2.32 - a) 2,93GHz (TE
11
); b) λ
g
= 22, 3cm; c) 74,8dB
3.1 - a) 0; b) 90

; c) 0,027Ω; d) 1,69dBi
3.2 - a) 6,55W; b) 0,86W; c) 1,8510
−4
W/m
2
3.3 - a) 0,95m; b) 0,52
3.4 - 24µW (13,8dBm)
331 Respostas dos Exerc´ıcios
3.5 - a) 0; b) 0,1m
2
; c) 72,4% d) 120

e) 36,2mW
3.6 - a) 16,4dBi; b) 68m; c) 52mW (17,2dBm); d) 1.2GHz
3.7 - 2m
3.8 - 353,4W (55,5dBm)
3.9 - a) 16,2GHz; b) -80dBm
3.10 - a) 20dBi; b) 8,4m
2
; c) 7,63W; d) 2,84 10
−7
W/m
2
; e) -33,4dBm
3.11 - Vertical; a) 2/3; b) 78

3.12 - a) 1,13 10
−9
W; b) 51,4dB c) 2 (3dB)
3.13 - a) 30m
2
; b) 72m
3.14 - 3db
3.15 - a) zero; b) 1,27 (1dBi) e 90

; c) 0,4m
2
3.16 - 4 10
−8
W
3.17 - 44,8m
3.18 - a) 60

(plano E) e 106

(plano H); b) 5,1dBi; c) 1,5m
3.19 - a) 2,4 10
−7
W (-36,2dBm); b) 4,6 10
−3
m
2
; c) 2,3V/m
3.20 - a) 46,1; b) 62,2m
3.21 - 0,69
3.22 - a) zero; b) zero e 10
3.23 - a) -22,4dBm; b) 116,4dB
3.24 - 26dB
3.25 - 72,4m
4.1 - A t´ecnica mais adequada ´e o arranjo do tipo gama. Seguindo o esquema
mostrado na Figura 12.7, tˆem-se: l
2
/2 = 11, 7cm, 2a
2
= 1cm, d = 5cm e C =
30, 5pF.
4.2 - Neste caso, deve-se utilizar um arranjo do tipo T juntamente com um transfor-
mador com rela¸ c˜ao de espira 2:1. A impedˆ ancia fornecida pelo o arranjo T ´e 75Ω,
se l
2
= 19, 8cm, 2a
2
= 1cm, d = 5cm e C = 31, 7pF (vide Figura 12.3).
4.3 - Um transformador de 4:5 (VSWR = 1, 04).
4.4 - 25cm
4.5 - Neste caso, a melhor op¸ c˜ao ´e um arranjo do tipo T, equivalente a um dipolo
dobrado (l
2
= l
1
= 50cm). O comprimento do balun trombone ´e l = λ/2 = 33, 7cm.
4.6 - Seguindo o esquema mostrado na Figura 12.7, tˆem-se: l
2
/2 = 12, 8cm, 2a
2
=
1cm, d = 5cm e C = 5, 6pF.
4.7 - V´ arias solu¸ c˜oes, dentre elas: d
1
= d
2
= 0, 1λ, l
r
= 0, 51λ, l
e
= 0, 47λ, l
d
= 0, 45λ
e a = 0, 0001λ. Neste caso, tˆem-se G = 6, 5dBi e R
fc
= 16, 5dB.
4.8 - O dipolo com tens˜ ao de 1V tem impedˆ ancia de 88 +j 37Ω e outro 63 +j 42Ω.
4.9 - 41 −j 39Ω
4.10 - Para τ = 0, 88 e σ
opt
= 0, 16, tˆem-se: comprimento total de 4,69m e
EXERC
´
ICIOS PROPOSTOS 332
n 1 2 3 4 5 6 7 8 9
l
n
(cm) 1 1,14 1,29 1,47 1,67 1,89 2,15 2,44 2,77
R
n
(m) 2,65 3,01 3,42 3,89 4,42 5,03 5,71 6,49 7,37
Para se obter 300Ω ´e necess´ario um espa¸ camento entre os fios da linha de 2mm,
considerando-se fios com diˆametros iguais a 35mm.
4.11 – Para τ = 0, 8 e σ
opt
= 0, 14, tˆem-se: comprimento total de 1,38m e
n 1 2 3 4 5
l
n
(cm) 69,8 87,3 109,1 136,4 170,5
R
n
(m) 0,97 1,21 1,51 1,89 2,37
Para se obter 75Ω ´e necess´ario um espa¸ camento entre os fios da linha de 2mm,
considerando-se fios com diˆametros iguais a 2mm. Portanto, ´e mais pr´ atico utilizar
fios de 2mm com espa¸ camento de 45mm e casar os 300Ω resultantes com um balun
trombone.
4.12 - A antena deve ter 13 espiras com diˆ ametro igual a 11,4cm e passo igual a
9,7cm. O refletor tem que ter diˆ ametro m´ınimo igual a 34cm.
4.13 - A distˆ ancia do dipolo ao v´ertice do refletor ´e 32,5cm (d = 0, 65λ), a largura
das placas 65cm (2d) e o comprimento do v´ertice 30cm (0,6λ).
4.14 - A distˆ ancia do dipolo ` a placa deve ser 42cm (0,42λ), o comprimento do dipolo
´e 50cm, a placa tem altura m´ınima de 60cm e largura m´ınima de 82cm. Com estas
especifica¸c˜oes a impedˆ ancia de entrada ´e 71, 2 + j 79, 2Ω.
4.15 - O ganho pode ser obtido para uma antena parab´ olica com 2m de diˆ ametro e
1m de distˆ ancia focal.
4.16 - 26dBi
4.17 - 4,78GHz e 34,4dBi
4.18 - 36,7dBi
Bibliografia
[1] ARRL. ARRL Antenna Handbook, 19th ed. The American Radio Relay
League, Newington, USA, 2000.
[2] Balanis, C. A. Antenna Theory: Analysis and Design, 2nd ed. John Wiley
& Sons, New York, 1997.
[3] Baylin, F., Gale, B., and McCormac, J. Ku-Band Satellite TV : Theory,
Installation and Repair, 4th ed. Baylin/Gale Productions, Colorado, 1991.
[4] Benson, F. A., and Benson, T. M. Fields, Waves and Transmission Lines,
1st ed. Chapman & Hall, London, 1991.
[5] Cahill, L. W. Approximate formulae for microstrip transmission lines. Pro-
ceedings of Australian IREE, 3 (October 1974), 317–321.
[6] Carrel, R. L. Analysis and Design of Log-Periodic Dipoles Antenna. PhD
thesis, University of Illinois, Michigan, 1961.
[7] Collin, R. E. Field Theory of Guided Waves, 2nd ed. John Wiley & Sons,
New York, 1991.
[8] Collin, R. E. Foundation for Microwave Engineering, 2nd ed. McGraw-Hill,
New York, 1992.
[9] de Vito, G., and Stracca, G. B. Comments on the design of log-period
dipole antennas. IEEE Transaction on Antennas and Propagation 21 (1973),
303–308.
[10] de Vito, G., and Stracca, G. B. Further comments on the design of log-
period dipole antennas. IEEE Transaction on Antennas and Propagation 22
(1974), 714–718.
[11] duHamel, R. H., and Isbell, D. E. Broad logarithmically periodic antenna
structures. Antenna Lab 19, University of Illinois, U.S.A., February 1957.
333
BIBLIOGRAFIA 334
[12] Edwards, T. Foundations for Microstrip Circuit Design, 2nd ed. John Wiley
& Sons, New York, 1991.
[13] Esteves, L. C. Antenas: Teoria B´ asica e Aplica¸ c˜oes, 1a ed. McGraw-Hill,
S˜ao Paulo, 1981.
[14] Fernandes, A. S. C. Antenas de Onda Estacionrias - Mtodos e Modelos de
Anlise, 1a ed. Fundao Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1990.
[15] Hammerstad, E. O., and Bekkadal, F. A microstrip handbook. Elab
report stf44 a74169, University of Trondheim, Norway, February 1975.
[16] hansen, W. W., and Woodyard, J. R. A new principle in directional
antenna design. Proceedings of IRE 26, 3 (March 1938), 333–345.
[17] Isbell, D. E. Log periodic dipole arrays. IRE Transaction on antennas and
propagation, 8 (May 1960), 260–267.
[18] Jones, E. A., and joines, W. T. Genetic design of linear antenna array.
IEEE Antennas and Propagation Magazine 42, 3 (June 2000), 92–100.
[19] Kraus, J. D. Electromagnetics, 4th ed. McGraw-Hill, New York, 1979.
[20] Kraus, J. D. Antennas, 2nd ed. McGraw-Hill, New York, 1988.
[21] Lathi, B. P. Modern Digital and Analog Communications Systems, 3rd ed.
Oxford University Press, New York, 1998.
[22] Love, A. W. Reflector Antennas. IEEE Press, New York, 1978.
[23] Maclean, T. S. M. Principle of Antennas: Wire and Aperture, 1st ed.
Cambridge University Press, Cambridge, 1986.
[24] Owens, R. P. Accurate analytical determination of quasi-static microtrip line
parameters. Radio and Electronic Engineering 46, 7 (July 1976), 360–364.
[25] Peixeiro, C. Design of log-period dipole antennas. IEE Proceedings H 135, 2
(April 1988), 98–101.
[26] Pozar, D. M. Microwave Engineering, 2st ed. John Wiley & Sons, New York,
1998.
[27] Ramo, S., Whinnery, J. R., and Duzer, T. V. Fields and Waves in
Communication Electronics, 2nd ed. John Wiley & Sons, New York, 1984.
335 BIBLIOGRAFIA
[28] Rudge, A. W., Milne, K., Olver, A. D., and Knight, P. The Handbook
of Antenna Design, 2nd ed. Peter Peregrinus Ltd., London, 1986.
[29] Seshadri, S. R. Fundamentals of Transmission Lines and Electromagnetic
Fields, 1st ed. Addison-Wesley, Massachusetts, 1971.
[30] Silva, G. V. F. Telecomunicacoes: Sistemas Radiovisibilidade, 1a ed. Livros
T´ecnicos e Cient´ıficos, S˜ao Paulo, 1977.
[31] Silva, R. C. Eletromagnetismo Aplicado, 1a ed. Edufba, S˜ ao Paulo, 1998.
[32] Silver, S. Microwave Antena Theory and Design (MIT Radiation Lab. Series,
vol 12). McGraw Hill, New York, 1949.
[33] Stremler, F. G. Introduction to Communication Systems, 3rd ed. Addison-
Wesley, Massachusetts, 1990.
[34] Terman, F. E. Radio Engineering, 3rd ed. McGraw Hill, New York, 1954.
[35] Uda, S. Wireless beam of short electric waves. J. IEE (Japan) (March 1926),
273–282.
[36] Vandelin, G. D., Pavio, A. M., and Rohde, U. L. Microwave Circuit
Design Using Linear and Nonlinear Techniques, 1st ed. John Wiley & Sons,
New York, 1990.
[37] Wheller, H. A. Transmission-line properties of parallel wide strips by con-
formal mapping aproximation. IEEE Transaction on Microwave Theory and
Techniques 12 (May 1964), 280–289.
[38] Yagi, H. Beam transmission of ultra short waves. Proceedings of IEEE 72, 5
(May 1984), 634–645.

c Copyright 2002 por Antonio Cezar de Castro Lima

ii

Conte´do u
Nota¸˜o de Vari´veis e Constantes ca a Pref´cio a 1 Ondas Eletromagn´ticas e 1.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 1.2 Equa¸˜es de Maxwell . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 1.3 Equa¸˜o de Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 1.4 Solu¸˜o da Equa¸˜o de Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . ca ca 1.5 Caracter´ ısticas de uma Onda Eletromagn´tica . . . . . . . . e 1.6 Polariza¸˜o de Ondas Eletromagn´ticas . . . . . . . . . . . . ca e 1.7 Equa¸˜o de Helmholtz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 1.8 Ondas Transversais Eletromagn´ticas . . . . . . . . . . . . . e 1.9 Impedˆncia e Admitˆncia Intr´ a a ınsecas do Meio . . . . . . . . 1.10 Densidade de Potˆncia e Densidade Volum´trica de Energia . e e 1.11 Velocidade de Fase, de Grupo e Relativa . . . . . . . . . . . 2 Ondas TEM num Meio Qualquer 2.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 2.2 Meios Diel´tricos e Condutores . . . . . . . . . e 2.3 Equa¸˜o de Helmholtz . . . . . . . . . . . . . . ca 2.4 Impedˆncia Intr´ a ınseca e Velocidade de Fase . . . 2.5 Meios Diel´tricos com Perdas . . . . . . . . . . e 2.6 Propaga¸˜o em Meios Diel´tricos . . . . . . . . ca e 2.7 Propaga¸˜o em Meios Condutores . . . . . . . . ca 2.8 Profundidade de Penetra¸˜o . . . . . . . . . . . ca 2.9 Velocidade de Fase e Impedˆncia num Condutor a iii xi xv 1 1 2 3 5 7 10 14 16 17 18 21 25 25 25 27 28 29 30 31 32 33

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

´ CONTEUDO

iv

3 Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 3.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 3.2 Incidˆncia Normal entre Dois Meios . . . . . . . . . . . . . . e 3.2.1 Transi¸˜o entre Diel´tricos . . . . . . . . . . . . . . . ca e 3.2.2 Transi¸˜o Diel´trico-Condutor . . . . . . . . . . . . . ca e 3.2.3 Transi¸˜o Condutor-Diel´trico . . . . . . . . . . . . . ca e 3.2.4 Coeficiente de Onda Estacion´ria . . . . . . . . . . . a 3.3 Incidˆncia Normal com Propaga¸˜o em N Meios . . . . . . . e ca 3.3.1 Propaga¸˜o em Trˆs Meios . . . . . . . . . . . . . . . ca e 3.3.2 Propaga¸˜o em N Meios . . . . . . . . . . . . . . . . ca 3.4 Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios . . . . . . . . . . . . . . 3.4.1 Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Perpendicular ˆ 3.4.2 Reflex˜o Total, Angulo Cr´ a ıtico e Onda de Superf´ . ıcie 3.4.3 Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Paralelo . . . ˆ 3.4.4 Transmiss˜o Total e Angulo de Brewster . . . . . . . a 3.4.5 Ondas Elipticamente Polarizadas . . . . . . . . . . . 4 Linhas de Transmiss˜o a 4.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 4.2 Equa¸˜o de uma Linha de Transmiss˜o . . . . . . . ca a 4.2.1 Abordagem Eletromagn´tica . . . . . . . . . e 4.2.2 Abordagem de Circuitos . . . . . . . . . . . 4.3 Solu¸˜o da Equa¸˜o de uma L.T. . . . . . . . . . . ca ca 4.4 Impedˆncia Caracter´ a ıstica . . . . . . . . . . . . . . 4.4.1 Coaxial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.4.2 Par de Fios Paralelos . . . . . . . . . . . . . 4.4.3 Microfita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.5 Perdas numa L.T. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.6 Linhas com Termina¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . ca 4.6.1 Impedˆncia Equivalente . . . . . . . . . . . a 4.6.2 Toco em Aberto . . . . . . . . . . . . . . . . 4.6.3 Toco em Curto . . . . . . . . . . . . . . . . 4.7 Coeficientes de Reflex˜o para Zg Complexo . . . . . a 4.8 Coeficiente de Onda Estacion´ria . . . . . . . . . . a 4.8.1 Coeficientes de Reflex˜o e Transmiss˜o . . . a a 4.8.2 Coeficiente de Onda de Tens˜o Estacion´ria a a 4.9 T´cnicas de Casamento de Impedˆncia . . . . . . . e a 4.10 Carta de Smith . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.11 Casamento com Toco e Trecho de Linha . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . .

37 37 37 38 40 41 42 44 44 48 51 51 54 56 57 58 63 63 63 64 66 69 69 70 71 72 73 74 76 76 76 77 78 78 78 79 80 82

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

v

´ CONTEUDO

4.11.1 Trecho de linha e toco . . . . . . . . . . 4.11.2 Toco e trecho de linha . . . . . . . . . . 4.12 Casamento com Dois Tocos e Trechos de Linha 4.13 Casamento com Trˆs Tocos e Trechos de Linha . e 4.14 Casamento com Transformador . . . . . . . . . 5 Parˆmetros de Espalhamento a 5.1 Dispositivos de Duas Portas . 5.2 Parˆmetros de Espalhamento a 5.3 Caracteriza¸˜o de Transistores ca 5.4 Amplificador de um Est´gio . a

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

82 84 86 87 88 91 91 93 96 98

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

. . . .

6 Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 6.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 6.2 Potenciais Vetores de Hertz . . . . . . . . . . . . 6.3 Modos de Propaga¸˜o num Guia . . . . . . . . . . ca 6.4 Campos num Guia de Onda . . . . . . . . . . . . 6.4.1 Modo Transversal El´trico . . . . . . . . . e 6.4.2 Modo Transversal Magn´tico . . . . . . . . e 6.5 Caracter´ ısticas de Ondas Guiadas . . . . . . . . . 6.5.1 Constante de Propaga¸˜o . . . . . . . . . ca 6.5.2 Comprimento de Onda Guiada e de Corte 6.5.3 Freq¨ˆncia de Corte . . . . . . . . . . . . ue 6.5.4 Velocidade de Fase . . . . . . . . . . . . . 6.5.5 Velocidade de Grupo . . . . . . . . . . . . 6.5.6 Impedˆncias Modais . . . . . . . . . . . . a 6.6 Guia Retangular . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.6.1 Modo H (TE) . . . . . . . . . . . . . . . . 6.6.2 Modo E (TM) . . . . . . . . . . . . . . . . 6.7 Guia Cil´ ındrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.7.1 Modo H (TE) . . . . . . . . . . . . . . . . 6.7.2 Modo E (TM) . . . . . . . . . . . . . . . . 6.8 Atenua¸˜o em Guias . . . . . . . . . . . . . . . . ca 6.8.1 Atenua¸˜o abaixo da Freq¨ˆncia de Corte ca ue 6.8.2 Atenua¸˜o acima da Freq¨ˆncia de Corte . ca ue 6.8.3 Atenua¸˜o num Guia Retangular . . . . . ca 6.8.4 Atenua¸˜o num Guia Cil´ ca ındrico . . . . . . 6.9 Cavidade Ressonante . . . . . . . . . . . . . . . . 6.9.1 Cavidade com Paredes Retangulares . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

103 . 103 . 104 . 106 . 108 . 108 . 111 . 112 . 112 . 112 . 113 . 113 . 113 . 113 . 114 . 114 . 118 . 121 . 122 . 124 . 126 . 126 . 127 . 129 . 130 . 130 . 132

´ CONTEUDO

vi

6.9.2 6.9.3 6.9.4

Cavidade Cil´ ındrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Fator de Qualidade para Cavidades C´bicas . . . . . . . . . . 136 u Fator de Qualidade para Cavidades Cil´ ındricas . . . . . . . . . 138 141 . 141 . 144 . 146 . 146 . 147 . 148 . 150 151 . 151 . 151 . 153 . 157 . 157 . 158 . 159 . 163 . 164 . 165 . 165 . 166 . 167 . 169 . 171 . 171 . 173 177 . 177 . 177 . 177 . 178 . 178 . 178

7 Processo de Radia¸˜o ca 7.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 7.2 Dipolo Infinitesimal ou Hertziano . . . . . . . . . . . . 7.3 Regi˜es de Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o 7.3.1 Campo Pr´ximo Reativo . . . . . . . . . . . . . o 7.3.2 Campo Pr´ximo Irradiante (Regi˜o de Fresnel) o a 7.3.3 Campo Distante (Regi˜o de Fraunhofer) . . . . a 7.4 Radiador ou Antena Isotr´pica . . . . . . . . . . . . . o 8 Caracter´ ısticas de uma Antena 8.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 8.2 Tipos de Antenas . . . . . . . . . . . . . . . 8.3 Dipolo de Comprimento Finito . . . . . . . . 8.4 Principais Parˆmetros de uma Antena . . . a 8.5 Intensidade de Radia¸˜o . . . . . . . . . . . ca 8.6 Diagrama de Radia¸˜o . . . . . . . . . . . . ca 8.7 Potˆncia Radiada . . . . . . . . . . . . . . . e 8.8 Ganho Diretivo e Diretividade . . . . . . . . 8.9 Ganho de uma Antena . . . . . . . . . . . . 8.10 Rela¸˜o Frente-Costas . . . . . . . . . . . . ca 8.11 Feixe de Meia-Potˆncia . . . . . . . . . . . . e 8.12 Impedˆncia de Entrada e Potˆncia Radiada a e 8.13 Eficiˆncia de uma Antena . . . . . . . . . . e ´ 8.14 Area El´trica e Comprimento El´trico . . . . e e 8.15 Largura de Banda . . . . . . . . . . . . . . . 8.16 Polariza¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 8.17 Temperatura de Ru´ ıdo . . . . . . . . . . . . 9 Antenas Lineares 9.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . ca 9.2 Caracter´ ısticas de um Dipolo de 9.2.1 Campos Distantes . . . . 9.2.2 Intensidade de Radia¸˜o ca 9.2.3 Diagrama de Radia¸˜o . ca 9.2.4 Potˆncia Radiada . . . . e

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . Comprimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . Finito . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

vii

´ CONTEUDO

9.3

9.4

9.5 9.6

9.2.5 Diretividade e Ganho . . . . . . . . . . . . 9.2.6 Impedˆncia de Entrada . . . . . . . . . . . a Impedˆncia M´tua entre Elementos Lineares . . . a u 9.3.1 Campos Pr´ximos para um Dipolo Finito . o 9.3.2 Impedˆncia para Elementos Paralelos . . . a 9.3.3 Impedˆncia para Elementos Colineares . . a Plano Terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9.4.1 Dipolo na Vertical . . . . . . . . . . . . . 9.4.2 Dipolo na Horizontal . . . . . . . . . . . . Dipolo Dobrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dipolo Cil´ ındrico . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

179 181 183 184 185 187 188 189 191 193 195

10 Difra¸˜o de Ondas TEM ca 10.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . ca 10.2 Princ´ ıpio de Huygens . . . . 10.3 Fonte de Huygens . . . . . . 10.4 Difra¸˜o de Fraunhofer . . . ca 10.5 Difra¸˜o de Fresnel . . . . . ca 10.6 Elips´ide e Zonas de Fresnel o

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

197 . 197 . 197 . 197 . 202 . 204 . 208 213 . 213 . 213 . 215 . 216 . 216 . 219 . 222 . 222 . 223 . 224 . 228 231 231 232 232 235 237

11 Enlaces de R´dio a 11.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 11.2 F´rmulas de Friis . . . . . . . . . . . . . . o 11.3 F´rmula de Radar . . . . . . . . . . . . . o 11.4 Enlace Terrestre . . . . . . . . . . . . . . . 11.4.1 Obst´culos do Tipo Gume de Faca a 11.4.2 Obst´culos Arredondados . . . . . a 11.5 Enlace via Sat´lite . . . . . . . . . . . . . e 11.5.1 Perdas no Espa¸o-Livre . . . . . . . c 11.5.2 Figura de M´rito do Sistema . . . . e 11.6 Reflex˜es Ionosf´ricas . . . . . . . . . . . . o e 11.7 Reflex˜es no Solo . . . . . . . . . . . . . . o 12 Casamento de Impedˆncia de a 12.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . ca 12.2 Circuitos de Casamento com 12.3 Casamento do Tipo T . . . 12.4 Dipolo Dobrado . . . . . . . 12.5 Casamento do Tipo Gama .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . .

Antenas . . . . . . . . . . . Tocos e Trechos de . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . Linhas . . . . . . . . . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

. . . . .

5 Intensidade de Radia¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2.7 Transformadores . . . . . . . . 271 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Yagi de Dois Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12. .2. . . . . .6 Casamento do Tipo Omega .8. .1 Projeto de uma Log-peri´dica o 14. . . . . . . . . . . . . . ca 13. . . . . . . . . . . .8 Baluns . . . . . . . . .5 Arranjos Planares de Dipolos . . . . . . .´ CONTEUDO viii ˆ 12. . . .4 Antena Helicoidal . . . . . . . .3 Yagi de N Elementos . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 . . .1 Modo Normal . . . . . . . . . . . . . . .1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . 13. . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . .3 Antena Log-Peri´dica . . . . . . . .2 Antena com Placas Refletoras . 263 . . . . . .3. ca 13. . 281 . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Distribui¸˜o Planar . . . . . .4 Arranjos Lineares de Dipolos . . . . . . 14. . . . . . . . . .2. . . 12. . . . . . . . . . . 14. a 14 Antenas Direcionais 14. .2 Impedˆncia de Entrada e Corrente nos Dipolos . . 267 . . . . . 12. . . . . . . . . . . 12. . . . . . . . . . . . . 13. . .5. . . ca 13. . . . . . . . . . . . . . . 13. . . . . . . . .2 Antena Yagi-Uda . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Arranjo de Dois Elementos . . . . . . . . . . .2 Modo Axial . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . 276 . . . . . . . . 283 15 Antenas com Refletores 287 15. . . . . . . . . . . . . 13. . . . . . . . . . . u 13. . . . . . . . . . . . . . . ca 13. . . . . .2 Balun do Tipo Trombone 12. . . . . . .2. . . . . . .8. . 263 . .5. . . . . . a 13. e 14. . . . . . . . .1 Caracter´ ısticas de Radia¸˜o . . . . . . . . . . .4. . . . . 263 . . . .2. . . 240 240 242 243 243 244 247 247 248 248 250 252 253 253 254 254 256 256 258 260 260 262 13 Arranjos de Antenas 13. . . . . . . . . ca 13. . . . . . . . . . . . 13. . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Arranjo com um N´mero ´ u Impar de Elementos .6 Diretividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . u . . . . . . .2. . . . . . . . .9 Baluns com N´cleos de Ferrite . . 14.2 Distribui¸˜o Linear . 273 . . . . . . . . . . . . . . 287 . . ca 14. . . . .1 Introdu¸˜o . 13.4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Yagi de Trˆs Elementos . . . . .2 Arranjo de N Elementos . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . .1 Balun do Tipo Bazuca .1 Introdu¸˜o . . . . . .4. . . . . 287 ca 15. . . . . . . o 14. . . . . . . .3 Arranjo com um N´mero Par de Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Caracter´ ısticas de Radia¸˜o . . . . . . . .2 Impedˆncia de Entrada e Corrente nos Dipolos . . . . . . . . . ca 13. . . . . . . . . . . . . . . 264 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. .1 Refletor Plano . .3. .3 Campos Radiados por um Parabol´ide . . . . ca 15. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bibliografia . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Refletor Parab´lico de Revolu¸˜o . . . . . .3 Antena Parab´lica . .3.2 Refletor de Canto . . . . . 288 290 295 296 296 298 300 305 305 311 319 327 328 335 . . . 15.4 Diretividade e Largura de Feixe de Meia-Potˆncia e Exerc´ ıcios Propostos Exerc´ ıcios dos Cap´ ıtulos 1 a 3 . . . . .ix ´ CONTEUDO 15. . . . . . . . . . . . . . .3. .2. . . . . . . . . o 15. . . . . . . . o 15. . . . . . . . . . . 15.3. . . . o ca 15. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Ilumina¸˜o do Refletor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios dos Cap´ ıtulos 4 a 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios dos Cap´ ıtulos 7 a 11 Exerc´ ıcios dos Cap´ ıtulos 12 a 15 Respostas dos Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . .

´ CONTEUDO x .

amplitude de onda C . largura de um guia de onda retangular.Densidade de fluxo El´trico e Do .Diretividade Dg .Campo magn´tico e h .Densidade de corrente el´trica e xi . vetor potencial FA . o significado ´ enfatizado no texto.Campo el´trico e E . largura de banda a b .Eficiˆncia e F .Energia e .Potencial Vetor A . Neste a caso.Velocidade da luz no v´cuo a D ou D .Raio.Nota¸˜o de Vari´veis e Constantes ca a Segue abaixo a lista que identifica todas as vari´ves e constantes utilizadas neste a livro. altura de um guia retangular. Algumas letras podem representar diferentes vari´veis e constantes. distˆncia a c a E ou E .Capacitˆncia.Ganho diretivo d .Densidade de fluxo Magn´tico e B .Altura I .Diˆmetro. espa¸amento. banda.Raio. amplitude de onda B ou B .Fator de arranjo f .Potencial Vetor F .Condutˆncia ou Ganho a H ou H .Versor espacial na dire¸˜o p a .Corrente el´trica e J ou J .Susceptˆncia. constante de Euler. ´rea a ca ap .Freq¨ˆncia de uma onda ue G .Perdas. Note que vetores e versores s˜o representados em negrito e escalares em fonte a normal.Figura de ru´ ıdo. e A . circunferˆncia a e c .

Largura X .Reatˆncia a Y .Densidade de corrente magn´tica e m .−1 k e k .Vetor de onda e n´mero de onda u L .Emissividade . tens˜o a v ou υ .Velocidade de fase e velocidade de grupo W e W . relativa e no v´cuo e a ε .Impedˆncia a Zo .Velocidade relativa.passo de uma h´lice e T . temparatura t .Admitˆncia a Z .Permissividade (ou constante diel´trica) absoluta.Raio ou distˆncia a S .Constante de fase. fase γ .Densidade volum´trica de energia magn´tica e e U .Per´ ıodo de uma onda.Potˆncia.Rela¸˜o frente-costas ca r .Tempo Ue .Superf´ ıcie. per´ e ımetro p .Defasagem entre duas ondas δp .Volume.Constante de propaga¸˜o ca ∆φ .´ NOTACAO DE VARIAVEIS E CONSTANTES ¸˜ xii √ j . ra´ da fun¸˜o de Bessel ızes ca Q .Defasagem ou comprimento el´trico e δ .Perdas de polariza¸˜o β .Comprimento M ou M .Fator de atenua¸˜o. parˆmetros de espalhamento a s .Impedˆncia caracter´ a ıstica α .Intensidade de Radia¸˜o de uma antena isotr´pica V .Indutˆncia a l . angulo ca ˆ ca αpol .Profundidade de penetra¸˜o ca . r e o .Densidade volum´trica de energia el´trica e e Um .Vetor de Poynting e densidade de potˆncia e w .Velocidade de propaga¸˜o ca υf e υg . espa¸amento e e c Rf c .Massa n-´ Indice de refra¸˜o ca P .Intensidade de radia¸˜o ca ca o Uo .Fator de Qualidade R .Resistˆncia el´trica.

Coeficiente de reflex˜o. periodicidade em antenas log-peri´dicas a o ϕ . espa¸amento relativo em antenas log-peri´dicas a c o τ .Comprimento de onda e a µ.xiii ´ NOTACAO DE VARIAVEIS E CONSTANTES ¸˜ η .Condutividade.Permabilidade magn´tica absoluta. desvio padr˜o. em geral.ˆngulo. relativa e no v´cuo Π . medido em rela¸˜o o eixo x a ca φ . em geral.Potencial vetor de Hertz ρ .Impedˆncia intr´ θ .Fase de um fasor ψ .ˆngulo.Impedˆncia intr´ a ınseca de um meio a ınseca do v´cuo a ηo . µr e µo .Angulo s´lido o ω . medido em rela¸˜o o eixo z a ca Λ . densidade volum´trica de carga el´trica a e e σ .Coeficiente de transmiss˜o.Freq¨ˆncia angular de uma onda ue .Fluxo magn´tico e λ .Fase de um fasor ˆ Ω .

´ NOTACAO DE VARIAVEIS E CONSTANTES ¸˜ xiv .

guias de ondas e cavidades ressonantes. o aluno dever´ e a co a consultar os Cap´ ıtulos 4. Neste caso. As respostas destes exerc´ ıcios se encontram no final deste ultimo cap´ ´ ıtulo. denominado RF Wave Toolbox. ou ainda. al´m a e de t´cnicas de casamento de impedˆncia e aplica¸˜es. Com estes programas ´ poss´ e ıvel. come¸ando co e o c com o estudo das equa¸˜es de Maxwell. como o por exemplo. projetar antenas a e arranjos de antenas. fazer an´lise e s´ a ıntese de sistemas de casamento de impedˆncia.mathworks. O segundo m´dulo envolve o estudo de ondas confinadas.Pref´cio a Este livro ´ resultado de oito anos de ensino na area de telecomunica¸˜es. por exemplo. 2 e 3.O ultimo cap´ co ´ ıtulo cont´m um conjunto de exerc´ e ıcios propostos. em n´ e ´ co ıvel de gradua¸˜o e p´s-gradua¸˜o. agrupados de acordo com cap´ ıtulos correlatos. diminuiu substancialmente. No ultimo m´dulo s˜o abordados os conceitos de ´ o a radia¸˜o de ondas eletromagn´ticas. na area de telee ´ comunica¸˜es.com/matlabcentral/fileexchange ou enviando c um e-mail para acdcl@ufba. A id´ia de publicar um livro texto. a an´lise de ondas eletromagn´ticas que se co a e propagam no espa¸o-livre e em diferentes meios. caracter´ ca e ısticas b´sicas de antenas e enlace de a xv . o n´mero de livros ´ u dedicado ao ensino de engenharia el´trica. Este pacote de rotinas pode ser obtido a partir do endere¸o www. no Departamento de Engenharia El´trica (DEE) ca o ca e da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Alguns exemplos e exerc´ ıcios podem ser testados utilizando-se um conjunto de subrotinas num´ricas desenvolvidas para o ambiente e MATLAB. restando ao nossos alunos a compra de t´ ıtulos importados de custo elevado. Estes t´picos est˜o distribu´ c o a ıdos nos Cap´ ıtulos 1. tem como objetivo preencher esta lacuna e propiciar aos alunos de co engenharia el´trica de nossa universidade a oportunidade de ter um material focado e ao conte´do das disciplinas oferecidas pelo DEE.br. Os alunos de gradua¸˜o que est˜o cursando a disciplina Telecomunica¸˜o III ca a ca (ENG348) devem come¸ar a leitura deste livro a partir do primeiro cap´ c ıtulo. O curso de Telecomunica¸˜es III da UFBA pode ser dividido em trˆs m´dulos. u O livro est´ organizado em quinze cap´ a ıtulos onde s˜o apresentados teoria e exa emplos envolvendo ondas eletromagn´ticas em dispositivos e sistemas de telecomue nica¸˜es. publicado em portuguˆs pelas grande e e editoras. 5 e 6. linhas de transmiss˜o. Nos ultimos anos.

a Particularmente. Ana. pela revis˜o co a gramatical e ortogr´fica das primeiras vers˜es deste livro. do Curso de Especializa¸˜o em Engenharia de Telecomunica¸˜es. o aluno dever´ ler os Cap´ a a ıtulos 7. Para os alunos cursando a disciplina Propaga¸˜o e Antenas (ENG378). Finalmente. equa¸˜es e figuras.´ PREFACIO xvi r´dio. 7-9 e 11-15. a o A. aos meus alunos da UFBA que durante todos estes anos me ajudaram a revisar texto. C de C. que est˜o cursando a disciplina ca co a Sistemas Irradiantes dever˜o focar aten¸˜o nos Cap´ a ca ıtulos 4-6. a leitura ca deste livro deve ser iniciada a partir do Cap´ ıtulo 7. Lima Hamilton. 8. gostaria de aproveitar esta oportunidade para agradecer publicamente a todos que participaram e contribu´ ıram para a conclus˜o deste projeto. Enquanto alunos. Canad´ a 28 de Mar¸o de 2002 c . 10 e 11. e a minha esposa. Neste caso.

9. E demonstrado na se¸˜o seguinte co e c ´ ca que os campos el´trico e magn´tico de uma onda eletromagn´tica s˜o ortogonais ou e e e a transversais a dire¸˜o de propaga¸˜o. como amplitude e fase dos campos. Neste cap´ ıtulo s˜o estudadas ondas eletromagn´ticas propagando-se num a e meio diel´trico isotr´pico sem perdas. As equa¸˜es resultantes desta dedu¸˜o s˜o dea ca co ca a nominadas de equa¸˜es de Helmholtz.4. ca e 1 .1 Introdu¸˜o ca O fenˆmeno de propaga¸˜o de ondas eletromagn´ticas ´ representado matemao ca e e ticamente por um par de equa¸˜es diferenciais obtidas a partir das equa¸˜es de co co Maxwell. nas ultimas duas se¸˜es. e ca freq¨ˆncia..2 s˜o mostradas as equa¸˜es de ca a co Maxwell na sua forma integral e diferencial. A dedu¸˜o do par de equa¸˜es diferenca co ciais que descrevem o fenˆmeno de propaga¸˜o de ondas eletromagn´ticas ´ exposto o ca e e na Se¸˜o 1. circular e linear. etc.7.Cap´ ıtulo 1 Ondas Eletromagn´ticas e 1. Finalmente. comprimento de onda.3. s˜o e e ca ´ co a encontradas as express˜es que fornecem a densidade de potˆncia associada a uma o e frente de onda eletromagn´tica. assim como os tipos de polariza¸˜o: el´ ue ca ıptica. velocidade de propaga¸˜o. ficando o processo de gera¸˜o ou radia¸˜o e o ca ca de ondas para cap´ ıtulos posteriores. Enquanto que. Logo em seguida s˜o apresentadas as principais caract´risticas de uma ca a e onda eletromagn´tica. a densidade volum´trica de energia. A defini¸˜o de impedˆncia intr´ ` ca ca ca a ınsica de um meio diel´trico ´ apresentada na Se¸˜o 1. velocidade de e e grupo e ´ ındice de refra¸˜o de meios diel´tricos. s˜o deduzidas na Se¸˜o 1. Na Se¸˜o 1. quando estes variam harmonicamente no o e e tempo. as solu¸˜es destas equa¸˜es diferenciais s˜o obtidas na ca co co a Se¸˜o 1. cujas solu¸˜es s˜o fun¸˜es que descrevem as co co a co varia¸˜es dos campos eletromagn´ticos no espa¸o. As equa¸˜es diferenciais que descrevem o comportamento onduco lat´rio dos campos el´trico e magn´tico.

9) . ou seja.1) B · ds = 0 S (1.4). e F · ds = S V (∇ · F) dV (1. e co ∇·E= ρ (1.6) em (1.4) Sendo D = E a densidade de fluxo el´trico.CAP´ ıTULO 1. F · dl = C S (∇ × F) · ds (1.8) ∂E ∂t ∇·H= 0 ∇ × H = σE + e (1.2) e o Teorema de Stokes.7) (1. e e e Aplicando-se o Teorema da Divergˆncia.3) e E · dl = − C S ∂B · ds ∂t (1.2 Equa¸˜es de Maxwell co As equa¸˜es de Maxwell podem ser escritas na forma integral: co D · ds = S V ρ dV (1.1) e (1. e e H o campo magn´tico.3) e (1. B = µ H a densidade de fluxo magn´tico.5) em (1. E o campo el´trico e J a densidade de corrente el´trica. Ondas Eletromagn´ticas e 2 1.2) H · dl = C S J+ ∂D ∂t · ds (1. obt´m-se as equa¸˜es de Maxwell na forma diferencial.

3

1.3. Equa¸˜o de Onda ca

∇ × E = −µ

∂H ∂t

(1.10)

´ sendo a densidade de corrente J = σE. E importante salientar que estas equa¸˜es co fornecem informa¸˜es sobre os campos el´trico e magn´tico para qualquer ponto do co e e espa¸o e instante de tempo. c As equa¸˜es de Maxwell, na forma diferencial, podem ser simplificadas para co pontos do espa¸o onde n˜o existem cargas e/ou correntes el´tricas. Estas regi˜es c a e o ser˜o denominadas a partir de agora de espa¸o-livre e as equa¸˜es de Maxwell, a c co associadas a elas, s˜o: a ∇·E= 0 ∇·H= 0 ∇× H= e ∇ × E = −µ Lembrando-se que µ = µr µo e e r permissividade relativa. =
r

(1.11) (1.12) (1.13)

∂E ∂t

∂H (1.14) ∂t o , sendo µr a permeabilidade relativa do meio

1.3

Equa¸˜o de Onda ca

´ E poss´ demonstrar matematicamente que campo el´trico variante no tempo gera ıvel e campo magn´tico variante no tempo, ou vice-versa. Isto pode ser facilmente ene tendido a partir de uma r´pida an´lise das equa¸˜es (1.13) e (1.14). Observe na a a co lei de Amp`re (1.13) que, se o campo el´trico varia no tempo, ent˜o existir´ um e e a a campo magn´tico tamb´m variante no tempo, ortogonal ao primeiro. Isto ocorre e e porque o rotacional de H ´ proporcional a varia¸˜o de E. Algo semelhante ´ obitdo e ca e da lei de Faraday (1.14), ou seja, o rotacional de E ´ proporcional a varia¸˜o de e ca H. Uma outra conclus˜o ainda mais relevante, obtida por Maxwell, a partir das leis a de Amp`re e Faraday, ´ o car´ter ondulat´rio dos campos eletromagn´ticos. Este e e a o e car´ter ondulat´rio pode ser confirmado a partir da equa¸˜o diferencial resultante a o ca da demonstra¸˜o a seguir. ca Aplicando-se o operador rotacional em ambos os lados da equa¸˜o (1.13), tem-se ca

CAP´ ıTULO 1. Ondas Eletromagn´ticas e

4

∇× ∇× H= ∇× substituindo (1.14) em (1.15), obt´m-se e

∂E = ∂t

∂(∇ × E) ∂t ∂ 2H ∂t2

(1.15)

∇ × ∇ × H = −µ Como

(1.16)

∇ × ∇ × H = ∇(∇ · H) − ∇2 H e ∇ · H = 0, ent˜o, a

(1.17)

∂2H =0 (1.18) ∂t2 Partindo-se da equa¸˜o (1.14) e utilizando um procedimento semelhante ao exca posto acima, pode-se obter a equa¸˜o diferencial ca ∇2 H−µ ∂2E =0 (1.19) ∂t2 As equa¸˜es diferenciais (1.18) e (1.19), envolvendo os campos el´trico e magn´tico, co e e representam de forma matem´tica um onda eletromagn´tica propagando-se no espa¸oa e c livre. Uma equa¸˜o semelhante foi obtida pelo matem´tico francˆs D’Alembert, em ca a e 1747, quando este tentava descrever o movimento ondulat´rio em uma corda estio cada. A equa¸˜o obtida por ele era algo parecido com ca ∇2 E−µ ∂2y 1 ∂2y − =0 (1.20) ∂x2 v 2 ∂t2 onde y ´ a posi¸˜o de um ponto qualquer da corda na dire¸˜o transversal a mesma e ca ca ` e v a velocidade de propaga¸˜o da onda mecˆnica que surge nesta corda. ca a Uma compara¸˜o entre as equa¸˜es (1.18) ou (1.19) e (1.20) mostra que a veca co locidade de propaga¸˜o da onda eletromagn´tica ´ dada por ca e e 1 (1.21) v=√ µ Para o caso de ondas eletromagn´ticas que se propagam no ar ou no v´cuo, e a tem-se c= √ 1 µo (1.22)
o

sendo c a velocidade da luz no v´cuo, cujo valor ´ aproximadamente 3 × 108 m/s. a e

5

1.4. Solu¸˜o da Equa¸˜o de Onda ca ca

1.4

Solu¸˜o da Equa¸˜o de Onda ca ca

Para tornar o processo de obten¸˜o da solu¸˜o da equa¸˜o de onda mais claro e ca ca ca did´tico, ´ interessante tomar-se um exemplo pr´tico. Considere um dipolo, antena a e a linear constitu´ por duas hastes met´licas, orientado na dire¸˜o az e alimentado ıda a ca por um gerador de sinais de RF (R´dio Freq¨ˆncia). A tens˜o alternada desenvolvida a ue a nos terminais do dipolo cria uma corrente de condu¸˜o nas hastes que varia no ca tempo. Sabe-se, pela lei de Amp`re, que esta corrente alternada produz campo e magn´tico no espa¸o em volta da antena, neste exemplo, orientado na dire¸˜o aϕ . e c ca Este campo varia de acordo com a mesma fun¸˜o de varia¸˜o da corrente (figura e ca ca detalhamento te´rico podem ser vistos no Cap´ o ıtulo 7). Al´m disso, foi visto na se¸˜o e ca anterior que campo magn´tico variante no tempo produz campo el´trico variante no e e ca tempo, neste caso, com orienta¸˜o na dire¸˜o az . Para um ponto de observa¸˜o muito ca ca distante da antena dipolo, as frentes de onda podem ser consideradas praticamente planas e os campos podem ser representados neste caso pelas equa¸˜es co ∂2E 1 ∂2E − =0 ∂r2 c2 ∂t2 e ∂ 2H 1 ∂ 2H − =0 (1.24) ∂r2 c2 ∂t2 onde c ´ a velocidade da onda eletromagn´tica que se propaga na dire¸˜o ar , com e e ca campo el´trico da forma e E = Ez (r, t) az e o campo magn´tico e H = Hϕ (r, t) aϕ (1.26) (1.25) (1.23)

A solu¸˜o da equa¸˜o (1.23) ou (1.24) pode ser obtida utilizando-se o m´todo da ca ca e separa¸˜o de vari´veis. Tomando-se por exemplo a equa¸˜o (1.23) e considerando ca a ca que Ez (r, t) = f (t) g(r) ∂ 2 g(r) g(r) ∂ 2 f (t) = 2 ∂r2 c ∂t2 ou, dividindo-se toda a equa¸˜o por Ez (r, t), ca f (t) (1.27)

Pode-se obter, atrav´s da substitui¸˜o de (1.27) em (1.23), o seguinte resultado e ca (1.28)

CAP´ ıTULO 1. Ondas Eletromagn´ticas e

6

1 ∂ 2 f (t) 1 ∂ 2 g(r) = 2 g(r) ∂r2 c f (t) ∂t2

(1.29)

Observe que o lado direito da equa¸˜o (1.29) s´ ser´ igual ao lado esquerdo ca o a quando ambos forem iguais a uma constante. Portanto, pode-se escrever duas equa¸˜es a partir de (1.29), ou seja, co 1 d2 g(r) = − k2 2 g(r) dr e 1 d2 f (t) = − k2 c2 f (t) dt2 (1.31) (1.30)

onde o termo constante −k 2 foi escolhido dessa forma por conveniˆncia. e As solu¸˜es das equa¸˜es diferenciais ordin´rias de segunda ordem (1.30) e (1.31) co co a s˜o combina¸˜es lineares de duas fun¸˜es ortonormais que, neste caso, s˜o respectia co co a vamente escritas como g(r) = C1 e jkr + C2 e−jkr e sendo ω = kc (1.34) f (t) = C3 e jω t + C4 e−jω t (1.32) (1.33)

Ser´ mostrado mais adiante que, para ondas propagando-se no sentido r+ , o que a e neste caso equivale a onda sendo radiada pela antena, C1 ´ igual a zero e g(r) = C2 e−jkr J´ a varia¸˜o temporal pode ser escrita como, a ca f (t) = C3 e jω t (1.36) (1.35)

Sendo assim, a fun¸˜o que descreve a varia¸˜o do campo el´trico de uma onda plana ca ca e ´ da forma e Ez (r, t) = Eo e j(ω t−kr) e neste caso, a amplitude Eo ´ considerada constante. (1.37)

7

1.5. Caracter´ ısticas de uma Onda Eletromagn´tica e

De maneira semelhante, pode-se obter a seguinte express˜o para o campo magn´tico: a e Hϕ (r, t) = Ho e j(ω t−kr) (1.38)

sendo Ho constante. Os resultados apresentados em (1.37) e (1.38) representam os campos de uma onda plana ideal. Na pr´tica, as amplitudes Eo e Ho diminuem com a distˆncia, a a como ser´ visto, em um estudo mais rigoroso, no Cap´ a ıtulo 7. Para se confirmar que (1.37) e (1.38) s˜o solu¸˜es das equa¸˜es de onda, basta a co co apenas substitu´ ı-las respectivamente em (1.23) e (1.24). Estas solu¸˜es s˜o esco a pec´ ıficas para este caso. Solu¸˜es mais complexas podem ser obtidas a partir de co e uma combina¸˜o linear de fun¸˜es do tipo e jn(ω t±kr) , isto ´, ca co
N

Ez (r, t) =
n=0

Cn e jn(ω t±kr)

(1.39)

e
N

Hϕ (r, t) =
n=0

Dn e jn(ω t±kr)

(1.40)

onde Cn e Dn s˜o constantes complexas. a

1.5

Caracter´ ısticas de uma Onda Eletromagn´tica e

Analisando-se as caracter´ ısticas de uma onda plana, cujo campo el´trico ´ represene e tado matematicamente pelo fasor-vetor E(z, t) = Eo e jφ ay = Eo e j(ω t−kz) ay ou, tomando-se apenas a parte real, E(z, t) = Eo cos φ ay = Eo cos(ω t − kz) ay (1.42) (1.41)

Pode-se verificar que, para um plano z fixo, o campo el´trico varia harmonicamente e no tempo. Da mesma forma tem-se para um instante de tempo t uma varia¸˜o ca espacial do campo tamb´m harmˆnica. A varia¸˜o espacial, neste caso, ocorre ao e o ca e longo de z. O valor m´ximo do campo, Eo , ´ chamado de amplitude, enquanto o a argumento da fun¸˜o cossenoidal ´ chamado de fase da onda, ou seja, φ = ω t − kz. ca e A velocidade de propaga¸˜o da onda plana ´ igual a velocidade de um observador ca e `

CAP´ ıTULO 1. Ondas Eletromagn´ticas e

8

que acompanha o deslocamento de uma frente de onda cuja fase ´, por exemplo, φo , e isto ´, e dz dφo =ω−k =0 dt dt ou vf = ou na forma vetorial, ω (1.45) az k Lembrando-se que vf , tamb´m denominada velocidade de fase da onda, depende e das caracter´ ısticas el´tricas e magn´ticas do meio, como mostra a equa¸˜o (1.21). e e ca + A propaga¸˜o da onda, neste caso, se d´ no sentido z , como mostrado na Figura ca a 1.1a. Para ondas propagando-se no sentido contr´rio, tem-se a vf =
E y(z) vf E y (t)

(1.43)

ω dz = dt k

(1.44)

z

t

λ

Τ

(a)

(b)

Figura 1.1: Varia¸˜o da intensidade do campo el´trico no: (a) espa¸o; (b) tempo. ca e c dz dφo =ω+k =0 dt dt ou vf = − ω az k (1.47)

(1.46)

9

1.5. Caracter´ ısticas de uma Onda Eletromagn´tica e

A distˆncia entre duas frentes de onda de mesma fase, para um dado instante a de tempo, ´ denominada de comprimento de onda, representado pela letra grega λ e (vide Figura 1.1a). Neste caso, a varia¸˜o ∆φ entre as duas frentes ´ igual a 2π, ou ca e seja, ∆φ = k ∆z = k λ = 2π e como conseq¨ˆncia, a raz˜o entre ∆φ e ∆z ´ dada por ue a e ∆φ 2π = (1.49) ∆z λ comumente chamada de n´mero de onda. u A varia¸˜o de fase de 2π que ocorre num intervalo de tempo ∆t = T, para um ca dado plano z, ´ denominado de per´ e ıodo da onda (vide Figura 1.1b). Portanto, k= ∆φ = ω ∆t = ωT = 2π e como conseq¨ˆncia, a raz˜o entre ∆φ e ∆t ´ dada por ue a e ∆φ 2π = ∆t T denominada de freq¨ˆncia angular da onda. ue Substituindo as equa¸˜es (1.49) e (1.51) em (1.44), obt´m-se co e ω= vf = λ f onde f =
1 T

(1.48)

(1.50)

(1.51)

(1.52)

´ chamada de freq¨ˆncia da onda. e ue

Exemplo 1.1 Duas antenas do tipo dipolo est˜o espa¸adas perpendicularmente em a c rela¸˜o ao eixo z, como mostrado na Figura 1.2. Cada antena radia ondas eletroca magn´ticas de mesma intensidade e fase. Qual deve ser o espa¸amento m´nimo para e c ı que o campo, no ponto P , seja m´ximo? a Solu¸˜o: O campo el´trico no plano z = zo ´ obtido a partir de ca e e E(zo , t) = Eo cos φ1 + Eo cos φ2 sendo, φ1 = ω t − kzo e φ2 = ω t − k(zo − d) = φ1 + kd. Pode-se facilmente verificar que as ondas se superp˜em quando φ2 = φ1 ou, de uma forma geral, quando o c e a φ2 = φ1 + 2nπ. Portanto, a diferen¸a de fase ´ ent˜o ∆φ = kd = 2nπ

com o vetor c ca campo el´trico apontando sempre na dire¸˜o y. a 1. diferente de zero. O vetor campo el´trico poderia apontar ca e ca e em qualquer outra dire¸˜o no plano xy. No caso de uma onda plana propagando-se na dire¸˜o z .CAP´ ıTULO 1. ´ λ. a onda est´ ca ca ca ca a . e z P 2 zo d 0 1 E (z) Figura 1. ca O caso mais geral em termos de polariza¸˜o ocorre quando o vetor campo el´trico ca e muda de dire¸˜o ao longo da dire¸˜o de propaga¸˜o.53) a polariza¸˜o ´ dita linear na dire¸˜o y. e ainda assim ser linearmente polarizada.6 Polariza¸˜o de Ondas Eletromagn´ticas ca e Uma onda est´ polarizada linearmente quando o campo el´trico n˜o muda de dire¸˜o a e a ca + no espa¸o. Ondas Eletromagn´ticas e 10 e d= 2nπ = nλ k o valor m´ ınimo de d. desde que este n˜o mude de dire¸˜o ao a ca longo do sentido de propaga¸˜o. para uma onda propagando-se na dire¸˜o ca ca z.2: Arranjo de antenas dipolos separadas por uma distˆncia d. e ca E = Eo sen(ωt − kz) ay (1. Nesta condi¸˜o.

56) (1. Por exemplo.3. como ser´ visto mais adiante. O campo resultante na forma vetorial ´ dado por e E = E1 sen(ωt − kz) ax +E2 sen(ωt − kz + δ)ay Para o plano z = 0. Sendo a assim. ou seja: el´ ıpticas (caso gen´rico). cujos campos el´tricos s˜o ortogonais entre si. circular e linear (casos particulares).62) . Polariza¸˜o de Ondas Eletromagn´ticas ca e polarizada elipticamente ou circularmente.61) sen δ (1.55) (1. pode-se classificar as ondas eletromagn´ticas de acordo com a dire¸˜o do e ca campo el´trico ou polariza¸˜o.6. Os tipos de polariza¸˜o poss´ e ca ca ıveis s˜o mostrados na a Figura 1.57) (1. tem-se Ex = E1 sen ωt e Ey = E2 sen(ωt + δ) ou Ey = E2 (sen ωt cos δ + sen δ cos ωt) onde sen ωt = e cos ωt = logo Ey Ex = cos δ + E2 E1 1− Ex E1 2 (1. e a Ex = E1 sen(ωt − kz) e Ey = E2 sen(ωt − kz + δ) (1.60) 1− Ex E1 (1. e Uma onda elipticamente polarizada pode ser obtida a partir de duas ondas linearmente polarizadas.11 1.58) (1.54) sendo δ a defasagem entre as duas componentes de campo.59) Ex E1 2 (1.

Por exemplo.65) se ca reduz ` equa¸˜o de uma circunferˆncia. O sinal de δ determina o sentido de giro do campo. Ex = E1 sen ωt e (1. Ondas Eletromagn´ticas e 12 ou Ey Ex − cos δ E2 E1 ou ainda Ey E2 Portanto.64) Ey Ex −2 cosδ + E2 E1 Ex E1 2 = sen2 δ (1. ca ca e ◦ como mostrado na Figura 1.63) Ey Ex −2 cos δ + E2 E1 Ex E1 2 cos δ + 2 Ex E1 2 sen2 δ = sen2 δ (1.67) (1.CAP´ ıTULO 1. e ca 2 2 aEx − 2bEy Ex + cEy = 1 (1. ou seja. a varia¸˜o do campo el´trico no plano z = 0 ´ circular. Ey E2 Considerando-se 1 2 E1 sen2 δ 2 2 2 1 =1− sen2 δ Ex E1 2 (1.3a. a se δ = − 90◦ ent˜o.65) =a (1.66) (1.71) . a ca e e 2 2 2 Ex + Ey = E1 (1. como mostrado ca e e na Figura 1. Quando δ = ± 90 e E1 = E2 a equa¸˜o (1.69) A equa¸˜o (1. isto ´.3b.69) representa a varia¸˜o do vetor campo el´trico no plano z = 0.68) 2 cosδ =b E2 E1 sen2 δ e 2 E2 1 =c sen2 δ obt´m-se a equa¸˜o de uma elipse.70) neste caso.

Uma maneira simples de se associar o sentido a da polariza¸˜o com o resultado gr´fico exposto pode ser obtida utilizando as m˜os. (c) linear. ou seja.13 1.74) .4b. enquanto para t = T . a polariza¸˜o ´ para direita.6. Por exemplo. Polariza¸˜o de Ondas Eletromagn´ticas ca e y y E E z x z E1 E2 x y E z x (a) (b) (c) Figura 1. ca e ca (1.75) 2 2 ±2 Ey Ex + E2 E1 Ex E1 2 =0 (1.65) se reduz a Ey E2 ou Ey Ex ± E2 E1 ou ainda Ex Ey =∓ E2 E1 Reescrevendo a equa¸˜o (1.72) Portanto para t = 0. Quando δ = + 90◦ . O resultado ´ mostrado na Figura 1. obt´m-se uma onda polarizada no sentido e contr´rio. ca e ca Para δ = 0◦ ou δ = 180◦ a equa¸˜o (1. Ex = E1 e 4 e ca e Ey = 0.73) =0 (1. ca a a Com a m˜o semifechada e polegar apontando na dire¸˜o de propaga¸˜o obt´m-se o a ca ca e sentido da polariza¸˜o. obt´m-se a equa¸˜o de uma reta.4a e a polariza¸˜o ´ denominada circular para direita. Ex = 0 e Ey = −E1 . (b) circular para direita.3: Polariza¸˜o: (a) el´ ca ıptica para direita. como visto na Figura 1. quando os dedos da m˜o direita apontam no ca a sentido de giro do campo. Ey = E1 sen(ωt − π ) = −E1 cos ωt 2 (1.75).

1. Entretanto. a varia¸˜o do campo el´trico no plano z = 0 ´ linear. como mostrado na ca e e Figura 1. isto ´. (b) esquerda. 4 como mostrado na Figura 1. ca E2 Ex (1. Ondas Eletromagn´ticas e 14 y y E E z x z x (a) (b) Figura 1. Ex = 0 e e e Ey = −1. enquanto para t = T . s˜o negativos. pois a raz˜o entre as a a amplitudes ´ diferente de 1 e a defasagem δ = −90◦ .2 Determine a polariza¸ao de uma onda eletromagn´tica cuja varia¸˜o c˜ e ca do campo el´trico ´ representada por e e E(z.76) E1 neste caso. t) = 2 sen(ω t − kz) ax − cos(ω t − kz) ay Solu¸˜o: Pela equa¸˜o acima.7 Equa¸˜o de Helmholtz ca Considerando-se que a varia¸˜o da onda eletromagn´tica no dom´ ca e ınio do tempo ´ e jω t e harmˆnica. e . e que o campo el´trico pode ser escrito como o produto de o e . Ex = 2 e Ey = 0. nos argumentos das fun¸˜es seno e cosseno.4: Polariza¸˜o circular para: (a) direita. Ey = ∓ Exemplo 1. Portanto. pode-se concluir que a onda est´ elipticamente polarizada.CAP´ ıTULO 1. cos(ω t − kz) = sen(ω t − kz + π/2) . logo o sentido ´ para direita. Observa-se tamb´m que as componentes de campo tˆm amplitudes diferentes e est˜o e e a ◦ em quadratura (defasagem de 90 ). quando t = 0. No plano z = 0.3a.3c. uma vez que os sinais. pode-se verificar que a onda se propaga no sentido ca ca + co a z . fica faltando saber e se o sentido ´ para direita ou para esquerda.

De forma semelhante pode-se obter a equa¸˜o de Helmholtz para o campo ca magn´tico.7.78) ´ do tipo ca a ca e E(r) = Eo (r) e−j k· r Enquanto a solu¸˜o para (1. a solu¸˜o de (1.83) (1. Equa¸˜o de Helmholtz ca uma fun¸˜o que depende somente do espa¸o com outra que depende s´ do tempo.84) (1. Na forma vetorial.78) ω2 E(r) e jω t = 0 v2 (1.81) ca sendo Eo e Ho os vetores amplitude.19) pode ser escrita como e jω t ∇2 E(r)+ ou ∇2 E(r) + k 2 E(r) = 0 uma vez que ∂2E = −ω 2 E(r) e jω t (1. ent˜o a equa¸˜o de onda (1.79) ∂t2 A equa¸˜o diferencial (1. t) = E(r) e . A solu¸˜o de (1.86) (1.78) fornece a varia¸˜o espacial do vetor campo el´trico ca ca e da onda. estes vetores podem ser ca escritos como se segue: Eo (r) = Exo (r) ax +Eyo (r) ay +Ezo (r) az Ho (r) = Hxo (r) ax +Hyo (r) ay +Hzo (r) az r = x ax +y ay +z az e k = kx ax +ky ay +kz az (1.78) ´ chamada de equa¸˜o de onda reduzida ou equa¸˜o ca e ca ca de Helmholtz.85) .15 1.82) (1.80) (1. r o vetor posi¸˜o e k o vetor de onda que aponta no sentido de propaga¸˜o. Em coordenadas retangulares. e ∇2 H(r) + k 2 H(r) = 0 (1.80) ´ ca e H(r) = Ho (r) e−j k· r (1.77) A solu¸˜o da equa¸˜o de Helmholtz para uma onda eletromagn´tica propaganca ca e do-se num diel´trico isotr´pico sem perdas pode ser obtida utilizando-se o m´todo e o e da separa¸˜o de vari´veis. ca c o jω t a ca ou seja. E(r.

89) (1.8 Ondas Transversais Eletromagn´ticas e A solu¸˜o da equa¸˜o de Helmholtz para ondas propagando-se num espa¸o aberto ca ca c ´ dada.82) em (1. pode-se obter H ·k = 0 (1. ent˜o a express˜o do campo el´trico em fun¸˜o da posi¸˜o ca a a e ca ca no espa¸o ser´ dada por c a E(r) = (Eyo ay ) e−j (−kz az )· (x ax +y ay +z az ) = Eyo e j kz z ay (1. ´ zero. e com os campos el´trico e magn´tico ortogonais a dire¸˜o de propaga¸˜o. tem-se ca ca Eo (r) ·∇e−j k· r = −jE ·k = 0 ou simplesmente E ·k = 0 (1. e . para pontos livres de e e cargas el´tricas. substituindo (1. e e e ` ca ca Por este motivo as ondas eletromagn´ticas. Ondas Eletromagn´ticas e 16 Por exemplo. a dire¸˜o de propaga¸˜o. e u que aponta na dire¸˜o de propaga¸˜o da onda. e ∇·E= 0 logo.92) (1. ∇ · Eo (r) e−j k· r = 0 Utilizando-se a identidade vetorial ∇ · Fφ ≡ F · ∇φ sendo F uma fun¸˜o vetorial e φ uma fun¸˜o escalar.88) Portanto. Este resultado indica que o ca ca e campo el´trico ´ ortogonal. e e ` ca ca De maneira semelhante.90) (1. o produto escalar entre o vetor campo el´trico e o vetor n´mero de onda.87) 1.CAP´ ıTULO 1.12). no caso do campo el´trico.81).91) (1.93) indicando que o campo magn´tico tamb´m ´ transversal a dire¸˜o de propaga¸˜o. sejam elas planas. cil´ e ındricas ou esf´ricas. s˜o chamadas e e ` ca ca a de ondas Transversais EletroMagn´ticas (TEM). se uma onda plana se propaga na sentido z − com campo el´trico e orientado na dire¸˜o y. por (1. Sabe-se que. ou transversal.

94) De maneira semelhante. tˆm-se e ca ca e E= H=Y n× E e (1.99) (1. tem-se ∇ × Eo (r) e−jk·r = −jωµ H ou H= j ∇ × Eo (r) e−jk·r ωµ (1.95). para varia¸˜o harmˆnica no tempo.101) −j 1 Eo (r) × ∇e−jk·r = k× E ωµ ωµ (1.82) em (1.98) (1. co e ca o ∇× H= e ∇× E= −µ Substituindo (1.9 Impedˆncia e Admitˆncia Intr´ a a ınsecas do Meio Para ondas TEM.94).97) e (1.9.102) .97) (1.96) ∂H = −jωµ H ∂t (1. as varia¸˜es dos campos no espa¸o s˜o representadas matematicamente pelas co c a equa¸˜es (1.95) ∂E = jω E ∂t (1.81) em (1. Impedˆncia e Admitˆncia Intr´ a a ınsecas do Meio 1.98) como co H= e −1 j Ho (r) × ∇e−jk·r = k× H ω ω Considerando-se que n ´ um versor na dire¸˜o de propaga¸˜o. pode-se obter −j ∇ × Ho (r) e−jk·r ω Utilizando-se a identidade vetorial E= ∇ × Fφ ≡ − F × ∇φ pode-se reescrever as equa¸˜es (1. Sabe-se tamb´m que. substituindo (1.82). propagando-se num meio diel´trico isotr´pico homogˆneo sem e o e perdas.81) e (1.17 1.100) (1.

A energia 2 armazenada num dado volume ´ fornecida pela express˜o e a .109) H e e sendo Hef = √o o campo magn´tico eficaz e Ho campo magn´tico de pico.10 Densidade de Potˆncia e Densidade Volum´e e trica de Energia Sabe-se que onde existe campo el´trico h´ tamb´m energia e que a densidade volum´trica e a e e de energia el´trica m´xima ´ dada por e a e 1 2 (1.104) µ (1.CAP´ ıTULO 1. a k 1 = = η ωµ k = ω µ (1.108) (1. Da mesma forma. Ondas Eletromagn´ticas e 18 E = −Z n × H onde Z=η= ´ a impedˆncia intr´ e a ınseca do diel´trico e e Y = a admitˆncia.106) Eo 2 sendo Eo o valor de pico do campo el´trico.103) (1.107) E onde Eef = √o ´ o campo el´trico eficaz para campos que variam harmonicamente e e 2 no tempo.105) 1. Enquanto seu valor m´dio ´ dado por e e e Uemax = Ue = 1 1 2 2 Eef = Eo 2 4 (1. pode-se afirmar que onde existe campo magn´tico h´ energia e a magn´tica e a densidade volum´trica de energia m´xima ´ dada por e e a e 1 2 µ Ho 2 enquanto a densidade volum´trica m´dia ´ fornecida por e e e Ummax = Um = 1 1 2 2 µ Hef = µ Ho 2 4 (1.

102) na forma escalar.10.117) .113).111) e Em = V Um dv = µ 4 V H · H∗ dV (1.112) onde o asterisco indica complexo conjugado. tem-se ca Ut = Ue + Um = H o = Y Eo Substituindo (1. e Ut = 2Ue = 2Um = Wm = Ut v (1. A e ca densidade volum´tica de energia m´dia total associada a onda ´ dada por e e ` e 1 1 2 2 Eo + µ H o 4 4 escrevendo a equa¸˜o (1. a energia el´trica e magn´tica armazenada num volume V s˜o fornecie e a das respectivamente por Ee = V Ue dv = 4 V E · E∗ dV (1.115) Eo = µ H o 2 2 A densidade de potˆncia m´dia num plano z qualquer ´ igual ao produto da e e e densidade volum´trica de energia total da onda pela velocidade de propaga¸˜o da e ca energia.110) Portanto. Imagine agora uma onda eletromagn´tica plana propagando-se na dire¸˜o z. isto ´. Portanto.19 1. Densidade de Potˆncia e Densidade Volum´trica de Energia e e E= V U dV (1. obt´m-se e 1 1 2 2 (1.114) em (1.116) (1.113) (1. Wm = ou ainda 1 E2 2 Eo v f = o 2 2η (1.114) num diel´trico perfeito a energia associada a onda ´ transportada a uma velocidade e ` e igual a velocidade de fase desta onda.

a densidade de potˆncia ´ representada na forma vetorial. 5×10−1 = 1.120) 2 A potˆncia m´dia associada a uma area S de uma determinada frente de onda ´ e e ´ e fornecida por Wm = Pm = S Wm · ds (1.3 Um copo d’´gua. 200V/m.119) E × H∗ 2 e sendo Wm denominado de vetor de Poynting m´dio. torna-se necess´rio encontrar o valor ca a do campo el´trico m´ximo dentro d ’´gua. onde a impedˆncia intr´ a ınseca pode ser complexa. equa¸˜o (1. com 10cm de diˆmetro e 15cm de profundidade. e e Wm = 1 (1. Para um meio qualquer. o vetor de Poynting ´ dado por e Wm = 1 Re{ E × H∗ } (1. 43×10−5 ×π ×(5×10−2 )2 ×1. este valor ´ 5 vezes menor (20%) que no e a a e ar. Nesta freq¨ˆncia a permissivia ue dade relativa da agua ´ igual 81. Ondas Eletromagn´ticas e 20 2 1 ηHo 2 µ H o vf = (1.CAP´ ıTULO 1. ´ e Solu¸˜o: A energia pode ser calculada a partir da integra¸˜o da densidade volum´trica ca ca e de energia total. Supondo-se que a onda eletromagn´tica ´ plana e incide normalmente sobre e e a superf´cie da agua. isto ´. ´ a a e colocado para esquentar dentro de um forno de microondas.118) 2 2 ´ E importante salientar que existem meios onde o transporte de energia associada a ` onda eletromagn´tica n˜o ocorre a velocidade de fase. 85 × 10−12 × (200)2 = 1. 43 × 10−5 J/m3 2 A energia ´ ent˜o obtida a partir de e a E= V Ut dV = Ut V = 1. ou seja. Neste caso. Sendo assim. O campo el´trico gere ado pelo forno tem valor m´ximo igual a 1kV/m e varia com uma freq¨ˆncia de a ue 1GHz.121) Exemplo 1. qual deve ser a energia absorvida por este l´quido? Qual a ı ´ ı potˆncia m´dia que chega a superf´cie d’´gua? Considere que o campo eletrico na e e ` ı a a ´gua diminui para 20% do seu valor m´ximo no ar. 68×10−8 J . e a ` Geralmente.115). e Ut = 1 2 2 r o Eo = 1 × 81 × 8.

124) Observe que. Para meios n˜o-magn´ticos. que ´ definido como sendo o inverso da velocidade relativa da onda ca e no meio.122) A velocidade relativa ´ definida como a raz˜o entre a velocidade de fase da onda e a no meio diel´trico pela velocidade da onda no v´cuo. e ` Muitos materiais diel´tricos s˜o classificados de acordo com uma grandeza chamada e a ´ ındice de refra¸˜o. por c c= √ 1 µo εo (1. Velocidade de Fase. e a p= 1 vf =√ c µr εr (1.125) uma vez que a permeabilidade relativa ´ igual a unidade. e n= 1 √ = εr p (1. 4W 240π 1. a velocidade de fase de uma onda e eletromagn´tica ´ dada por e e 1 vf = √ µε e no espa¸o-livre.123) (1. tem-se a a e 1 p= √ εr (1. a potˆncia m´dia que chega a superficie da agua ´ dada por e e ` ´ e Pm = S Wm · ds = 2 Eo S 2ηo a Como a impedˆncia intr´ a ınseca do ar ´ ηo = 120πΩ. para meios diel´tricos perfeitos.126) . ou seja. ent˜o e Pm = (1 × 103 )2 π × (5 × 10−2 )2 = 10. quanto maior for a permissividade e/ou permeabilidade do meio.11 Velocidade de Fase. de Grupo e Relativa Finalmente.21 1. menor ser´ a velocidade relativa da onda. isto ´. de Grupo e Relativa Foi visto que.11.

CAP´ ıTULO 1. t) = Eo e j(ω1 t−k1 z) ay e E2 (z.127) Para materiais diel´tricos β = k. t) = Eo e j(ω2 t−k2 z) ay Onde o campo el´trico resultante ´ e e Et = Eo e j(ω1 t−k1 z) + e j(ω2 t−k2 z) ay Supondo que ω1 = ωo − ∆ω e ω2 = ωo + ∆ω sendo ωo = e ω2 − ω1 2 pode-se reescrever a equa¸˜o (1.133) (1.134) ω1 + ω2 2 (1.130) (1. e A equa¸˜o (1.129) (1. duas ca ondas eletromagn´ticas de freq¨ˆncias distintas cujas express˜es dos campos el´tricos e ue o e s˜o dadas por a E1 (z.128) (1.132) (1.135) .122) ue e velocidade de grupo vg = dω dβ (1. por exemplo. Considere. Ondas Eletromagn´ticas e 22 A velocidade de grupo est´ associada a um grupo de ondas eletromgn´ticas de a e freq¨ˆncias distintas.127) pode ser obtida como segue. Cada onda se propaga com velocidade de fase dada por (1.130) como ca ∆ω = Et = Eo e j(ωo t−ko z) e−j(∆ω t−∆k z) + e j(∆ω t−∆k z) ay ou (1.131) (1.

ent˜o a ue a .23 1. o vg = ou vg = lim ∆ω ∆k (1. Velocidade de Fase. ca ue As velocidades de fase e grupo est˜o indicadas.138) dω ∆ω = (1.5: Onda resultante da superposi¸˜o de duas ondas de freq¨ˆncias distintas. ou seja.136) (1. de Grupo e Relativa Et = 2Eo e j(ωo t−ko z) cos(∆ω t − ∆k z)ay Considerando-se apenas a parte real.5 mostra ue e a onda resultante indicando a velocidade de grupo e de fase. a A velocidade do grupo de um conjunto de onda est´ associada a envolt´ria da a ` o onda resultante e ´ definida como sendo a velocidade de deslocamento de um dado e ponto fixo desta envolt´ria.11.139) fornece a velocidade do grupo de ondas na freq¨ˆncia ωo que ca ue ´ a m´dia das freq¨ˆncias de cada onda que comp˜e o grupo. Observe que. A Figura 1. onde a freq¨ˆncia da portadora ´ ωo e do sinal modulador ∆ω. E y(z) vf vg z Figura 1. se a e e ue o permissividade do meio n˜o varia com a freq¨ˆncia.137) O que lembra um sinal modulado em amplitude com portadora suprimida [33][21].139) ∆ω → 0 ∆k dk A equa¸˜o (1. tem-se Et = 2 cos(ωo t − ko z) cos(∆ω t − ∆k z)ay (1.

141) dk dk Se a permissividade n˜o varia com a freq¨ˆncia.CAP´ ıTULO 1.141) nulo. vf tamb´m n˜o varia com a freq¨ˆncia a ue e a ue e nem com o n´mero de onda. u ca vg = . tornando o segundo termo da equa¸˜o (1. substituindo ω = vf k em (1. Ondas Eletromagn´ticas e 24 vg = vf pois.139). tem-se (1.140) dω dvf = vf + k (1.

Neste a a cap´ ıtulo ser˜o abordados t´picos referentes `s ondas transversais eletromagn´ticas a o a e propagando-se num meio qualquer. para campos variando harmonicamente no e tempo. ∇ × H = σE + jω E (2.2 ´ apresentada uma classifica¸˜o dos ca e ca meios de acordo com as suas caracter´ ısticas el´tricas.2 Meios Diel´tricos e Condutores e Os meios podem ser classificados de acordo com suas caracter´ ısticas el´tricas e e magn´ticas. permeabilidade e condutividade. e e 2. No restante do cap´ ıtulo s˜o analisados o fenˆmeno de propaga¸˜o a o ca dos campos eletromagn´ticos em meios diel´tricos quaisquer e condutores. em grande parte tempo. quase condutores. condutores ou e e condutores perfeitos. diel´tricos com perdas.1 Introdu¸˜o ca O estudo de ondas eletromagn´ticas realizado no cap´ e ıtulo anterior se deteve. ue Sabe-se pela lei de Amp`re que. como permissividade. Na Se¸˜o 2. Um meio pode ser diel´trico para uma determie e nada faixa de freq¨ˆncia e condutor para outra. Eles podem e ser diel´tricos perfeitos. Se ca 25 . impedˆncia intr´ e ca ca a ınseca e velocidade de fase.Cap´ ıtulo 2 Ondas TEM num Meio Qualquer 2. o segundo. na an´lise de ondas propagando-se no ar ou v´cuo. enquanto que nas duas se¸˜es e co seguintes ´ feita uma generaliza¸˜o da equa¸˜o de Helmholtz.1) onde o primeiro termo do lado direito da equa¸˜o representa a densidade de corrente ca de condu¸˜o do meio e. A classifica¸˜o tamb´m depende da freq¨ˆncia da onda eletroca e ue magn´tica que se propaga no meio. a densidade de corrente de deslocamento.

o meio ´ dito n˜o-dispersivo. ue onde cada onda se desloca com velocidade de fase diferente das outras. ent˜o. onde as permissividades s˜o idˆnticas em duas dire¸˜es e biaxial. a velocidade de um grupo de ondas ´ dado e por vg = vf + k ou dvf (2.3) . Entretanto. vg < vf e o a dvf meio ´ dito normalmente dispersivo. a velocidade de grupo ´ igual a velocidade ue a e de fase e o meio ´ dito n˜o-dispersivo. onde a e co x = y = z. Se a velocidade de fase vf n˜o varia com o comprimento de onda λ (ou freq¨ˆncia). pois a e a corrente de condu¸˜o ´ predominante em rela¸˜o a corrente de deslocamento. Por fim.2) D =  Dy  =  0 y 0 Dz Ez 0 0 z sendo x = y = z . ent˜o. ue Meios diel´tricos podem tamb´m ser considerados isotr´picos ou anisotr´picos.CAP´ ıTULO 2. o a a ca Neste caso.4) dλ a uma vez que k = 2π/λ. 100 < ω < 100. se σ ω . ou com perdas quando e/ou µ assume a u valores complexos. Enquanto os meios anisotr´picos s˜o classificados como: o a uniaxial. Como foi visto no cap´ ıtulo anterior. Sendo assim. Ondas TEM num Meio Qualquer 26 σ = 0. ω < 100 . ent˜o este a meio ´ dito dispersivo. Se um grupo de ondas com freq¨ˆncias distintas se propagam num meio qualquer. quasea 1 σ σ 1 e ca condutores. podendo ser considerado sem a e e perdas quando e µ s˜o n´meros reais. ent˜o dλ > 0. ent˜o vg > vf e o meio ´ e a e considerado dispersivo anˆmalo. Observe que esta classifica¸˜o depende diretamente da freq¨ˆncia da onda. o meio ´ dito perfeitamente diel´trico. o meio ´ dito condutor.4). ω > 100. e e o o Os meios isotr´picos s˜o aqueles onde a permissividade n˜o muda com a dire¸˜o. diel´tricos. se a velocidade de fase de cada e a dvf onda do grupo aumenta com o comprimento de onda. se dλ < 0. as componentes de densidade de fluxo el´trico est˜o relacionadas com o e a campo el´trico atrav´s de e e      0 Ex Dx x 0   Ey  (2. Por outro lado. ent˜o. pode-se classificar os meios como: condutores. Em ca e ca ` σ termos pr´ticos. o vg = vf − λ dvf dk (2. pode-se tamb´m e a e classificar os meios de acordo com a dispers˜o das ondas eletromagn´ticas que se a e propagam neles. se cada onda possui a mesma velocidade e de fase das outras. por (2. Por outro lado.

Equa¸˜o de Helmholtz ca Exemplo 2. obtidas a co e e partir das equa¸˜es (2.9) (2.3. ent˜o a ∇ × H = (σ + jω ) E e ∇ × E = − jωµ H (2. a velocidade de grupo ´ duas vezes maior que a de fase.6) (2. como ser´ visto na ultima e o e a ´ se¸˜o deste cap´ ca ıtulo. pode-se verificar que a velocidade de grupo ca ca vg = vf − λ dvf C = vf + = 2vf dλ λ ou seja.4). Que tipo de meio ´ esse? e e Solu¸˜o: A partir da equa¸˜o (2.1 Uma onda eletromagn´tica se propaga num meio com velocidade de e fase dada por C vf = λ onde C ´ uma constante qualquer. Se os campos variam harmonicamente no tempo. as equa¸˜es de Helmholtz para os campos el´trico e magn´tico.3 Equa¸˜o de Helmholtz ca Considere agora uma onda propagando-se num meio com condutividade σ.27 2. portanto.6). o meio ´ condutor. Na realidade.8) (2.5) e (2. permissividade e permeabilidade µ. s˜o dadas por co a ∇2 E − γ 2 E = 0 e ∇2 H − γ 2 H = 0 onde γ 2 = jωµσ − ω 2 µ ou (2. o meio e ´ dispersivo anˆmalo.5) Portanto.7) . 2.

12) (2. co respectivamente.15) ∇ × Eo (r) e− γ n · r ωµ Utilizando-se um procedimento semelhante aquele apresentado na Se¸˜o 1. propagando-se num meio qualquer. as solu¸˜es (2. De uma forma geral.11). pela lei de Faraday. respectivamente.11) e (2. Pode-se concluir das equa¸˜es (2. Neste caso.9.16) .14) que. tˆm-se ` ca e H= H= −jγ n× E ωµ (2.10) sendo γ denominada de constante de propaga¸˜o.12) podem ser reescritas.4 Impedˆncia Intr´ a ınseca e Velocidade de Fase Para ondas TEM. As solu¸˜es das equa¸˜es de ca co co Helmholtz (2.8) s˜o. Portanto. ca 2. para uma onda plana propagando-se no sentido z + . e ca a constante de propaga¸˜o ´ um n´mero complexo representado por γ = α + jβ.13) onde α ´ chamado de fator de amortecimento ou atenua¸˜o da onda eletromagn´tica. a E(r) = Eo (r) e− γ n · r e H(r) = Ho (r) e− γ n · r (2. a varia¸˜o do campo el´trico ca e no espa¸o ´ representada por (2.7) e (2. ca e u 2 e β = Im sendo α = Re jωµσ − k jωµσ − k 2 . ent˜o. c e j (2. Ondas TEM num Meio Qualquer 28 γ= jωµσ − k 2 (2. O unico meio onde n˜o ocorre ca ca ca ´ a atenua¸˜o das ondas eletromagn´ticas ´ o diel´trico perfeito sem perdas.CAP´ ıTULO 2. γ = jβ = jk e o fator de atenua¸˜o α = 0.14) (2.13) e e co (2. ca e e e σ = 0. Portanto. e ca e enquanto β ´ denominado constante de fase. se a constante de propaga¸˜o ´ um n´mero complexo. como E(z) = Eo e− α z e− jβ z e H(z) = Ho e− α z e− jβ z (2. a onda sofre ca e u a uma atenua¸˜o ao longo da dire¸˜o de propaga¸˜o.11) onde n ´ o versor que indica o sentido de propaga¸˜o da onda.

isto ´. pode-se obter a partir de (2. para um meio diel´trico sem perdas.5 Meios Diel´tricos com Perdas e Os meios diel´tricos com perdas possuem permissividade complexa.2 Mostre que.5. tem-se .29 2.18) e (2.19).18) e (2. obt´m-se e e η= (2. ´ muito comum representar as caracter´ atrav´s de duas grandezas: permissividade relativa r e tangente de perdas tgδ.18) (2. A e tangente de perdas ´ definida como sendo a raz˜o entre o m´dulo da densidade de e a o corrente de condu¸˜o e o m´dulo da densidade de corrente de deslocamento. co a Solu¸˜o: Se o meio ´ diel´trico sem perdas ent˜o σ = 0 e γ = jβ. fornecem os mesmos valores.20) Exemplo 2.17) ´ a impedˆncia intr´ e a ınseca do meio. para um meio qualquer com perdas. Se for utilizada a lei de Amp`re.19) s˜o equivalentes. Meios Diel´tricos com Perdas e e H=Y n× E onde η= jωµ 1 = Y γ γ σ + jω (2. Neste caso. apesar de distintas.19) As express˜es (2. o A velocidade de fase de um meio qualquer ´ obtida a partir de e vf = ω = β Im ω jωµσ − k 2 (2. De ca o uma forma geral. ca e e a η= µ ωµ = vf µ = √ = β µ µ Por outro lado. as impedˆncias e a fornecidas pelas equa¸˜es (2. = − e e e ısticas el´tricas do material e j .19) β 1 η= = = ω vf √ µ = µ 2. Sendo assim.

(2.23) (2.25) No caso de materiais diel´tricos com perdas.26) 2.28) µ( − j ) (2.21) (2.14). Ondas TEM num Meio Qualquer 30 ∇ × H = Jc +Jd sendo Jc = σE e Jd = jω ( − j ) E Portanto.27) .22) (2.13) e (2. ´ dado por ca ca e α = Re jω ou α = Re ω e a constante de fase por β = Im ω µ (jtgδ − 1) (2. nesta situa¸˜o. a condutividade ´ geralmente dee e sprez´ e a tangente de perdas pode ser expressa como ıvel tgδ = (2. e e co onde o fator de atenua¸˜o.21) pode ser reescrita como sendo ∇ × H = (σ + jω )E (2. a tangente de perda ´ representada como segue: e tgδ = σ |Jc | = |Jd | ω (2.29) µ (jtgδ − 1) (2.CAP´ ıTULO 2.6 Propaga¸˜o em Meios Diel´tricos ca e Quando uma onda eletromagn´tica se propaga num meio diel´trico com perdas. os e e campos el´trico e magn´tico obedecem respectivamente as equa¸˜es (2.24) onde σ = σ + ω ´ chamada de condutividade equivalente do material. Desta e forma.

u Exemplo 2. ent˜o a pm = π × 1010 × 4 × 8. pois tgδ 1. a campo el´trico cai de acordo com E(d) = Eo e e 1 E(d) = 0. Neste caso. Qual deve ser a distˆncia percora a rida pela onda para que sua amplitude tenha 90% do seu valor inicial? Qual deve ser a densidade volum´trica de potˆncia m´dia dissipada pelo diel´trico em forma e e e e de calor? Considere que o diel´trico tem tangente de perdas igual a 0.7. A constante ` c de propaga¸˜o. 9 = e−α z =⇒ d = − ln(0.7 Propaga¸˜o em Meios Condutores ca Uma onda eletromagn´tica propagando-se num meio condutor tem sua amplitude e reduzida a medida que esta avan¸a dentro deste meio (vide Figura 2. e 1kV/m de campo el´trico e e m´ximo. 002 × 106 = 2224 W/m3 Observe que a condutividade σ foi desprezada por se tratar de um material diel´trico.002.3 Uma onda eletromagn´tica de 10GHz. Como a amplitude do −α d . neste caso. ´ fornecida por e 1 2 2 pm = Jef Eef = σ Eef = σ Eo 2 Como a condutividade equivalente σ = ω tgδ ω tgδ. 85 × 10−12 × 0. propaga-se num meio diel´trico com permissividade relativa aproximadaa e mente igual a 4 e permeabildade igual a do v´cuo. = − jtgδ . dissipada pelo diel´trico em forma de e e e e calor. α = Re ω µ (j0. e Solu¸˜o: A atenua¸˜o sofrida pela onda ´ obtida a partir da equa¸˜o (2. Propaga¸˜o em Meios Condutores ca Se o valor da tangente de perdas for muito pequeno.28). ´ obtida de ca e γ jωµσ = (1 + j) ωµσ 2 (2. ent˜o. ou ca ca e ca seja. a onda eletromagn´tica se propaga com varia¸˜o de fase e ca proporcional ao n´mero de onda (β = k). 25 m Eo α A densidade volum´trica de potˆncia m´dia. 9) = 0.1). a atenua¸˜o no meio pode ser ca desprezada.31 2. neste caso. 42 Np/m Observe que. 002 − 1) = 0. e 2.30) .

CAP´ ıTULO 2. pode-se representar a varia¸˜o do campo el´trico de uma onda que se propaga no sentido z + como ca e E(z) = Eo e− α z e− jβ z = Eo e− z/δp e− j z/δp onde δp = 1/α = 1/β ´ chamado de profundidade de penetra¸˜o.8 Profundidade de Penetra¸˜o ca Imagine uma onda eletromagn´tica penetrando num meio condutor com amplitude e de campo el´trico igual a 1V/m.31) e a constante de fase β tem o mesmo valor de α. Sendo assim.1: Propaga¸˜o num meio condutor. sendo z = 0 o plano de interface arca condutor. O fator de atenua¸˜o associado a diminui¸˜o de amplitude da onda ´. ou melhor. σ e ω .32) 2. tendo como conseq¨ˆncia ue 2 ca ` ca e ωµσ k . e ca (2. Considere tamb´m que esta onda est´ se propae e a + e gando no sentido z e que o plano z = 0 ´ o plano de interface entre o ar e o . Ondas TEM num Meio Qualquer 32 E(z) 0 z Figura 2. dado por α= ωµσ 2 (2. uma vez que a condutividade ´ alta. portanto.

34) Portanto.85 mm 27µm 0.8% da amplitude de a e ca campo ou.1 mostra a varia¸˜o da profundidade de penetra¸˜o com a freq¨ˆncia ca ca ue para ondas propagando-se no cobre. uma vez que ` ue δp = 2 1 =√ ωµσ πµσf (2.5 mm 0. simplesmente.36) . profundidade de penetra¸˜o. a velocidade de fase ´ dada e por vf = ou vf = 2ω = µσ 4π vf µσλ (2. Qual deve ser a distˆncia do plano de interface at´ o plano onde a amplia e tude de campo ´ igual a 36. Velocidade de Fase e Impedˆncia num Condutor a Tabela 2.9 Velocidade de Fase e Impedˆncia num Cona dutor Para ondas TEM. 6 × 10−2 √ f (2. e em z = δ tem-se E(δ) = Eo e− 1 = 0. pois e o e em z = 0 tem-se uma amplitude E(0) = Eo . 2. 368 Eo (2. a profundidade de penetra¸˜o ´ dada por ca e δp = 6.9.8% do valor pr´ximo a interface? A resposta ´ δp .1: Profundidade de penetra¸˜o do cobre para algumas freq¨ˆncias. quanto maior a condutividade e/ou freq¨ˆncia.37) ω = ω δp β (2. menor ´ a penetra¸˜o da ue e ca onda no meio condutor. propagando-se num meio condutor.33) Esta distˆncia ´ chamada de profundidade de penetra¸˜o a 36. Observe que δp ´ inversaca e mente proporcional a condutividade e a freq¨ˆncia da onda.35) A Tabela 2. ca ue f 60 Hz 6 kHz 6 MHz 6 GHz δp 8.33 2. No caso do cobre.85µm condutor.

9) = 1.4 Responda as perguntas do exemplo anterior considerando que a mesma onda se propaga num meio condutor com condutividade igual a 107 S/m e permeabilidade igual a do v´cuo.40) (2. 9 = e−α z =⇒ d = − ln(0.CAP´ ıTULO 2. neste caso.41) (2.44) jωµ γ jωµ √ = jωµσ jωµ σ (2. a impedˆncia ´ fornecida por a e λc = ηc = ou ηc = (1 + j) ωµ = 2σ ωµ ∠45◦ σ (2. o meio condutor ´ um meio dispersivo anˆmalo. a Solu¸˜o: A atenua¸˜o sofrida pela onda. Ondas TEM num Meio Qualquer 34 ou ainda vf = onde 4π µσ Portanto. finalmente.38) (2. pois e o C= dvf C vf =− 2 =− <0 dλo λ λ A velocidade de grupo ´ ent˜o dada por e a vf = 2vf λ O comprimento de onda no condutor ´ obtido de e vg = vf + λ 2π = 2πδp β e. ´ α = 1/δp . E(d) 1 = 0.42) (2.43) Exemplo 2. ou seja. 68 × 10−7 m Eo α πµσf = 2π × 105 Np/m . ca ca e α= Sendo assim.39) C λ (2.

Acontece que a amplitude do campo el´trico dentro do condutor.9. considerado neste exemplo. ıcie . pois a maior parte da energia da onda incidente ´ e e refletida na superf´ dos materiais condutores. Velocidade de Fase e Impedˆncia num Condutor a A potˆncia m´dia dissipada por unidade de volume no condutor ´ fornecida por e e e 1 2 pm = σ Eo 2 ou pm = 5 × 106 × 106 = 5 × 1012 W/m3 o que parece ser um valor absurdamente grande.35 2. a amplitude do campo el´trico que consegue penetrar e no condutor ´ muito pequena. Como ser´ e e a visto no pr´ximo cap´ o ıtulo. ´ muito grande.

Ondas TEM num Meio Qualquer 36 .CAP´ ıTULO 2.

com a e diferentes polariza¸˜es. refletida e transmitida.1) . incide normalmente sobre a interface de separa¸˜o dos meios. propagando-se em meios diferentes. cuja fonte se encontra no meio 1. ca numa transi¸˜o entre meios diferentes. enquanto a refletida faz o sentido inverso. Parˆmetros e ´ co a como coeficiente de reflex˜o. 3. Inicialmente. As ondas incidente e transmitida se ca e ca e propagam no sentido z + . na interface entre os meios. Fenˆmenos como reflex˜o total. transmiss˜o ca o a a total e forma¸˜o de ondas de superf´ ca ıcies ser˜o abordados ao longo do cap´ a ıtulo. z − .Cap´ ıtulo 3 Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 3.2 Incidˆncia Normal entre Dois Meios e A Figura 3. Uma onda plana linearmente polarizada. separados pelo c ıdo plano z = 0. o estudo co se concentrar´ nos casos onde a incidˆncia de ondas se faz perpendicular as interfaces a e ` entre os meios. O estudo de incidˆncia obl´ e ıqua ´ feito nas ultimas se¸˜es. os campos eletromagn´ticos tangenciais tˆm que e e satisfazer as condi¸˜es de fronteira: co Etan 1 = Etan 2 e 37 (3. Nesta figura ca encontram-se representados os vetores dos campos eletromagn´ticos das ondas incie dente.1 Introdu¸˜o ca Neste cap´ ıtulo ser˜o analisados alguns casos de ondas eletromagn´ticas planas. Observa-se que o vetor campo el´trico est´ alinhado e a na dire¸˜o x e o magn´tico na dire¸˜o y. Sabese que.1 mostra um espa¸o constitu´ de dois meios diferentes. isto ´. transmiss˜o e onda estacion´ria ser˜o introduzidos para a a a a facilitar a determina¸˜o de amplitude e fase das ondas refletidas e transmitidas.

2. as impedˆncias intr´ a ınsecas nos meios 1 e 2 s˜o a fornecidas. a densidade de corrente J a ca a ´ nula e e Htan 1 = Htan 2 (3.2) Se n˜o houver corrente de condu¸˜o na interface.5) (3. respectivamente. a permeabilidade pode e a e ser considerada como µo . todos os campos s˜o tangenciais.1: Onda plana incidindo normalmente sobre uma interface.CAP´ ıTULO 3. tˆm-se e Ei + Er = Et e Hi + Hr = Ht (3.4) 3. ent˜o. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 38 Meio 1 E x E Meio 2 i t H i n 1 H t n 3 0 y z E r n2 H r Figura 3.1 Transi¸˜o entre Diel´tricos ca e Nos meios diel´tricos. considerados meios n˜o-magn´ticos. Portanto.3) No caso da incidˆncia normal. az × Htan 1 − az × Htan 2 = J (3. por . sendo que na frone a teira z = 0.

tem-se Ht (z) = Ei + Er = Et utilizando-se (3.9) (3. para a interface z = 0.7) Os campos incidentes s˜o fornecidos por a Ei (z) = Ei ax = Eoi e−jβ 1 z ax e Hi (z) = os refletidos por Er (z) = Er ax = Eor e jβ1 z ax e 1 Er az × Er (z) = − ay η1 η1 Enquanto os transmitidos s˜o obtidos a partir de a Hr (z) = − Et (z) = Et ax = Eot e−jβ 2 z ax e 1 Er az × Er (z) = ay η2 η2 Sendo assim.14) .13) (3.39 3.15) (3.10) 1 Ei az × Ei (z) = ay η1 η1 (3. Incidˆncia Normal entre Dois Meios e ηo 120π η1 = √ = √ r1 r1 (3.2.6) e ηo 120π η2 = √ = √ r2 r2 (3.4) e 1 1 1 az × Ei (z) − az × Er (z) = az × Er (z) η1 η1 η2 ou Ei Er Et − = η1 η1 η2 (3.16) (3.11) (3.8) (3.12) (3.

se o condutor n˜o for perfeito.21) O coeficiente de reflex˜o “visto” do meio 2 em dire¸˜o ao meio 1 ´ a ca e ρ12 = τ12 − 1 = (3. a a e e .24) 3. isto ´.CAP´ ıTULO 3.22) Et Er = Ei Ei (3.17) o coeficiente de transmiss˜o do meio 1 para o meio 2 no plano z = 0.44).20) O coeficiente de reflex˜o. 1+ ou 1 + ρ21 = τ21 Portanto.14) e (3.16) obt´m-se e 2Ei = ou Et = τ21 Ei sendo τ21 = Et 2η2 = Ei η2 + η1 (3. e a e a Entretanto. a impedˆncia ´ dada por (2.19) (3. que ´ definido como a raz˜o entre o campo refletido e a e a e o campo incidente. isto ´.5). Pode-se a mostrar que.14) por Ei .2. para onda incidindo na interface a partir do meio 2. ent˜o a impedˆncia intr´ e a a ınseca deste meio ´ zero. Somando-se (3.2 Transi¸˜o Diel´trico-Condutor ca e Considerando-se que o meio 2 ´ um condutor perfeito. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 40 a partir de (3.23) (3. τ12 = 2η1 η2 + η1 (3.18) 1+ η1 η2 Et (3. pode ser obtido dividindo-se (3. o coeficiente de transmiss˜o ´ nulo e o de reflex˜o igual a -1. ρ21 = τ21 − 1 = η2 − η1 η2 + η1 η1 − η2 η2 + η1 (3.

29) 2Ei (3. Como ´ η= ent˜o a ρ= µo r o ηo 377 =√ =√ 81 r −0.3 Transi¸˜o Condutor-Diel´trico ca e 2η2 Ei η2 + η1 Considerando-se agora que o meio 1 ´ condutor. tem-se ca e a ρ= η − ηo Er = Ei η + ηo (3. Solu¸˜o: Para o caso da interface entre diel´tricos.25) 0 (3.41 3.27) η2 + η1 uma vez que os valores t´ ıpicos de impedˆncia para um condutor s˜o pr´ximos de a a o zero. tˆm-se e e Et = e 2η1 Hi η2 + η1 e pois η1 ´ aproximadamente igual a zero.26) 2η1 Hi 2Hi (3. ar-´gua.28) Exemplo 3. Ht = 3.32) . Ht = 0 (3.2.2.30) onde η ´ a impedˆncia intr´ e a ınseca da agua. 8 42Ω (3.1 Determine a percentagem de campo el´trico refletido na interface are a ´gua e ar-cobre para uma onda de 10GHz.31) 42 − 377 42 + 377 (3. Incidˆncia Normal entre Dois Meios e η2 = (1 + j) enquanto os campos s˜o expressos como a Et = e 2η2 Ei η2 + η1 ωµ 2σ (3.

o campo total pode ser escrito como a e E = Eio sen (ωt − βz) + Ero sen (ωt + βz) ou E = (Eio + Ero ) sen ωt cos βz + (Eio − Ero ) cos ωt sen βz onde Ero = ρEio . Este tipo de onda ´ denominada de onda estacion´ria.38) . Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 42 ou seja.33) = (1 + j) × 7. a amplitude do campo el´trico refletido equivale a 80% do valor incidente. a Para o caso da interface diel´trico-condutor. 6 × 10−4 + 377 −0. Sendo assim. a impedˆncia do condutor ´ fornecida e a e por πf µ η = (1 + j) (3. c c respectivamente. ent˜o a E = −2Eo cos ωt sen βz (3. tem-se como campo total no meio diel´trico e E = Ei + Er ou. e a Se o meio 2 for um condutor qualquer. e sendo o condutor perfeito.CAP´ ıTULO 3.37) que n˜o existe propaga¸˜o. (3.99999597 (3.2. E = Eo sen (ωt − βz) + ρEo sen (ωt + βz) Como ρ = −1. 6 × 10−4 − 377 (1 + j) × 7. 6 × 10−4 Ω 0 σ e o coeficiente de reflex˜o por a ρ= (1 + j) × 7. para campos variando harmonicamente no tempo. portanto.39) (3. e Note que a onda sofre uma invers˜o de fase de 180◦ .37) (3. o coeficiente e a de reflex˜o ´ diferente de -1.36) (3. a amplitude da onda refletida ´ praticamente 100% do valor e incidente. a onda se encontra parada a ca no espa¸o.34) Como se pode observar. 3. ent˜o.35) Observa-se em (3.4 Coeficiente de Onda Estacion´ria a Voltando ao caso de uma onda plana incidindo sobre a interface diel´trico-condutor. ou um outro diel´trico. variando sua amplitude no tempo e espa¸o de acordo com sen ωt e sen βz.

40) O campo el´trico da onda.45) O termo SWR (Standing Wave Ratio) ´ muito empregado na pr´tica para designar e a o coeficiente de onda estacion´ria.42). Incidˆncia Normal entre Dois Meios e Definindo-se Eo cos φ = (Eio + Ero ) cos βz e Eo sen φ = (Eio − Ero ) sen βz tem-se E = Eo sen (ωt + φ) sendo Eo = e φ = arctg Eio − Ero tg βz Eio + Ero (3.46) (3. representada por (3.44) (Eio + Ero )2 cos2 βz + (Eio − Ero )2 sen2 βz (3.43 3.2. Como o m´dulo do coeficiente de reflex˜o varia a o a de 0 a 1.41) (3.47) (3.43) (3. ent˜o. tem amplitude m´xima dada e a por Emax = |Eio | + |Ero | e m´ ınima por Emin = |Eio | − |Ero | O coeficiente de onda estacion´ria ´ definido como sendo a e COE = Emax |Eio | + |Ero | 1 + |ρ| = = Emin |Eio | − |Ero | 1 − |ρ| (3.42) (3. a . 1 COE < ∞.

2: Espalhamento em trˆs meios distintos.48) como campos propagando-se na dire¸˜o z + e. para o meio n = 1 e 2.51) (3.2 apresenta trˆs meios de impedˆncias intr´ e a ınsecas diferentes. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 44 3.3.3 3. e E+ (z) = an e−jβn z ax n e H+ (z) = n 1 an −jβn z az × E+ (z) = e ay n ηn ηn (3.CAP´ ıTULO 3. Considerando-se que todos s˜o meios diel´tricos sem perdas.49) (3. ca E− (z) = bn e jβn z ax n e H− (z) = − n 1 bn jβn z az × E− (z) = − e ay n ηn ηn (3.50) . 2 e 3.1 Incidˆncia Normal com Propaga¸˜o em N Meios e ca Propaga¸˜o em Trˆs Meios ca e O esquema mostrado na Figura 3. Meio 1 E +1 H +1 x Meio 2 E +2 n H +2 n Meio 3 E +3 H +3 n 1 1 1 0 y E -2 n H -2 d z E -1 n H -1 2 2 Figura 3. tˆm-se para a e e o meio n = 1.

54) (3.55) (3. sendo ca √ 2π rn βn = λo e 120π ηn = √ rn (3.55).54) por (3. obt´m-se: co e • para a interface z = 0. a1 + b1 = a2 + b2 e a1 − b 1 = • para z = d.45 3. utilizando-se das rela¸˜es de fronteira.52) (3. Incidˆncia Normal com Propaga¸˜o em N Meios e ca como campos propagando-se na dire¸˜o z − . tem-se ρ2 (d) = 1 + ρ1 (0) η2 1 + ρ2 (0) = 1 − ρ1 (0) η1 1 − ρ2 (0) (3.3. Enquanto o coeficiente de reflex˜o na interface do meio 2 com o meio 3 ´ e b2 e jβ2 d b2 2jβ2 d = e = ρ2 (0) e2jβ2 d −jβ2 d a2 e a2 Dividindo-se (3.56) η1 ( a2 − b 2 ) η2 (3.60) . a2 e−jβ2 d + b2 e jβ2 d = a3 e−jβ3 d e η2 a3 e−jβ3 d η3 O coeficiente de reflex˜o na interface do meio 1 com o meio 2 ´ dado por a e a2 e−jβ2 d − b2 e jβ2 d = ρ1 (0) = b1 ηeq − η1 = a1 ηeq + η1 (3.53) Mais uma vez. no sentido z + .59) (3.58) e a ınseca equivalente do meio 2 e 3 “vista” na interface onde ηeq ´ a impedˆncia intr´ a z = 0.57) (3.

no meio 2. num plano qualquer z ≤ 0 . Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 46 e 1 + ρ2 (d) η3 = 1 − ρ2 (d) η2 dividindo-se (3.61) Substituindo (3.67) (3. ´ fornecido e a partir de − E1 (z) = b1 e jβ1 z = ρ1 (0) a1 e jβ1 z (3.68) Enquanto o campo transmitido para o meio 2 ´ dado por e + E2 (z) = a2 e−jβ2 z = τ1 (0) a1 e−jβ2 z τ2 (0) (3.65) O coeficiente de onda estacion´ria no meio 1 ´ dado por a e COE1 = e.62) (3. obt´m-se e ηeq η2 1 + ρ2 (d) e−2jβ2 d = η1 η1 1 − ρ2 (d) e−2jβ2 d ou ejβ2 d + ejβ2 d − η3 −η2 −jβ2 d e η3 +η2 η3 −η2 −jβ2 d e η3 +η2 (3. por COE2 = (3.56) por (3. pode-se escrever a partir (3. Portanto.CAP´ ıTULO 3.66) O campo refletido na primeira interface.59) em (3.64) ηeq = η2 η3 + jη2 tg (β2 d) η2 + jη3 tg (β2 d) 1 + |ρ1 | 1 − |ρ1 | 1 + |ρ2 | 1 − |ρ2 | (3.58) e (3.69) e o refletido .61) ρ2 (d) = η3 − η2 η3 + η2 (3.63) ηeq = η2 ou ainda = η2 η3 ejβ2 d + e−jβ2 d + η2 ejβ2 d − e−jβ2 d η2 (ejβ2 d + e−jβ2 d ) + η3 (ejβ2 d − e−jβ2 d ) (3.57).60).

2 Uma onda plana de 10GHz incide normalmente sobre uma folha de pl´stico de 1cm de espessura. em dire¸˜o ao conjunto pl´stico-ar.76) d= βd = λ λo 3 Sendo assim .74) onde a impedˆncia intr´ a ınseca do pl´stico e o argumento da tangente s˜o. dados respectivamente por a τ1 (z) = 1 + ρ1 (z) e τ2 (z) = 1 + ρ2 (z) (3.47 3.70) Finalmente. 5 Ω (3. τ1 (z) e τ2 (z). ou seja.72) Exemplo 3.73) (3.77) . e Solu¸˜o: Sabe-se que o COE nesta regi˜o depende do m´dulo do coeficiente de ca a o reflex˜o na interface ar-diel´trico.75) 2 r e √ 2π r 4π 2π d= (3. o valor da impedˆncia equivalente ´ ent˜o ηeq = 116 + j75 Ω e o a e a coeficiente de reflex˜o a ρ= 116 + j75 − 377 ηeq − ηo = ηeq + ηo 116 + j75 + 377 0. Qual o coeficiente de onda estacion´ria na regi˜o a a a anterior a placa? Para que valores de espessura este coeficiente ´ unit´rio? A ` e a permissividade relativa da placa ´ 4. 545 ∠ − 155◦ (3. a ca ηeq = η ηo + jη tg (βd) η + jηo tg (βd) (3. respectia a vamente. que por sua vez depende da impedˆncia equivaa e a lente “vista” nesta interface. Incidˆncia Normal com Propaga¸˜o em N Meios e ca − E2 (z) = b2 e jβ2 z = τ1 (0) ρ2 (0) a1 e jβ2 z τ2 (0) (3. fornecidos por ηo 377 η=√ = = 188. o campo transmitido para o meio 3 ´ obtido de e + E3 (z) = a3 e−jβ3 z = τ1 (0) τ2 (d) a1 e−j(β2 −β3 )d e−jβ3 z τ2 (0) (3.71) Sendo os coeficientes de transmiss˜o. deve-se ca a calcular a impedˆncia equivalente utilizando-se a equa¸˜o (3. Portanto.65).3.

a e e Meio 1 E +1 H +1 x Meio 2 E +2 n H +2 y 0 Meio N E +N H +N 1 n 1 n 1 d1 E -2 dN-2 z E -1 n H -1 n 2 2 H -2 Figura 3. . COE = 1 + |ρ| 1 + 0. tˆm-se para o meio n = 1. e u 3.CAP´ ıTULO 3. Entretanto. isso significa dizer que a espessura d da folha. 545 (3.3 apresenta N meios de impedˆncias intr´ a ınsecas diferentes. 4 1 − |ρ| 1 − 0. isto ´. ηeq = ηo .3. 545 = = 3. 2 · · · N .2 Propaga¸˜o em N Meios ca A Figura 3. e √ 2π r λo 3 d = nπ =⇒ d = n √ = n cm (3. ent˜o. ´ nula.79) βd = λo 2 r 4 onde n ´ um n´mero inteiro positivo. E ´bvio que a identi` e a dade existe se o argumento da tangente na express˜o da impedˆncia equivalente for a a nulo. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca 48 Logo.3: Espalhamento em N meios. e A solu¸˜o geral para o problema ´ obtida quando se faz o argumento da tangente ca e igual a nπ. Como este meio ´ o ar. Considerandose que todos s˜o meios diel´tricos sem perdas. neste caso.78) Observe que o COE ´ unit´rio quando o coeficiente de reflex˜o ´ nulo. e a a e a impedˆncia equivalente do conjunto pl´stico-ar tem que ser igual a impedˆncia do a a a ´o meio anterior a placa. Neste caso.

80) (3.3.86) zm = i=1 di (3.82) como campos propagando-se na dire¸˜o z − .83) (3.87) e eq ηm = ηm+1 eq ηm+1 + jηm+1 tg (βm+1 dm ) eq ηm+1 + jηm+1 tg (βm+1 dm ) (3.85) Para m-´sima interface (m = 1.88) sendo eq ηN −1 = ηN (3. para o meio n = 1.89) .84) zN −1 = i=1 di (3.49 3. 2 · · · N − 2). Incidˆncia Normal com Propaga¸˜o em N Meios e ca E+ (z) = an e−jβn z ax n e H+ (z) = n 1 an −jβn z az × E+ (z) = e ay n ηn ηn (3. O coeficiente de reflex˜o na interface ca a entre os meios N e N − 1 ´ dado por e ρN −1 (zN −1 ) = sendo N −1 bN −1 e jβN −1 zN −1 ηN − ηN −1 = −jβN −1 zN −1 aN −1 e ηN + ηN −1 (3. ca E− (z) = bn e jβn z ax n e H− (z) = − n 1 bn jβn z az × E− (z) = − e ay n ηn ηn (3. 2 · · · N − 1. tem-se e ρm (zm ) = onde m bm e jβm zm η eq − ηm = m eq am e−jβm zm ηm + ηm (3.81) como campos propagando-se na dire¸˜o z + e.

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

50

O campo refletido na primeira interface ´ dado por (3.68) e, o transmitido, por e (3.69), onde os coeficientes s˜o obtidos utilizando-se (3.86). Os demais campos s˜o a a calculados a partir de
+ En+1 (z) = an+1 e−jβn+1 z =

τn (dn−1 ) an e−j(βn −βn+1 )dn−1 e−jβn+1 z τn+1 (dn−1 )
n

(3.90)

ou
+ En+1 (z)

= a1 e

−jβn+1 z i=1

τn (dn−1 ) −j(βn −βn+1 )dn−1 e τn+1 (dn−1 )

(3.91)

e
n − En+1 (z) = a1 ρn+1 (dn−1 ) e jβn+1 z i=1

τn (dn−1 ) −j(βn −βn+1 )dn−1 e τn+1 (dn−1 )

(3.92)

sendo n = 1, 2 · · · N − 2, do = 0 e ρN (dN −2 ) = 0. Exemplo 3.3 Determine, para uma onda de 10GHz, o coeficiente de reflex˜o na a primeira interface do conjunto ar-vidro-pl´stico-ar. Considere o mesmo pl´stico da a a quest˜o anterior e um vidro de meio cent´metro de espessura com permissividade a ı relativa igual a 9. Solu¸˜o: Como no problema anterior, o coeficiente de reflex˜o depende da impedˆncia ca a a equivalente “vista” na primeira interface, em dire¸˜o ao resto do conjunto. Esta ca impedˆncia pode ser obtida de forma recursiva, ou seja, primeiro se calcula a a impedˆncia equivalente na segunda interface, “vista” na dire¸˜o pl´stico-ar, para a ca a depois se obter a impedˆncia na primeira interface. Portanto, a ηeq2 = ηp e ηeq1 = ηv ηo + jηp tg (βp dp ) ηp + jηo tg (βp dp ) (3.93)

ηeq2 + jηv tg (βv dv ) ηv + jηeq2 tg (βv dv )

(3.94)

onde os ´ ındices p e v est˜o relacionados, respectivamente, com o pl´stico e o vidro. A a a impedˆncia intr´ a ınseca do pl´stico, calculada no exemplo anterior, ´ 188,5Ω, enquanto a e a do vidro ´ dada por e ηo 377 = 125, 7 Ω (3.95) ηv = √ = 3 r

51

3.4. Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios

O argumento da tangente, no caso do vidro, ´ e √ 2π 2π βv dv = dv = λ λo

r

dv = π

(3.96)

Sendo assim, a impedˆncia equivalente na segunda interface ´ ηeq2 = 116 + j75 Ω, a e como calculado no exemplo anterior, e na primeira interface, ηeq1 = ηeq2 , pois a tangente de π ´ zero. Portanto, o coeficiente de reflex˜o desejado ´ e a e ρ= ηeq1 − ηo 116 + j75 − 377 = ηeq1 + ηo 116 + j75 + 377 0, 545 ∠ − 155◦ (3.97)

Observe que o vidro n˜o exerceu nenhuma influˆncia sobre o resultado final, pois, a e neste caso, sua espessura equivale a λ/2. Pode-se demostrar que, para espessuras iguais a m´ltiplos de λ/2, a impedˆncia da primeira interface ser´ sempre igual a u a a da segunda. Este resultado ser´ estudado com mais detalhes no pr´ximo cap´ a o ıtulo.

3.4
3.4.1

Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios
Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Perpendicular

Uma onda eletromagn´tica linearmente polarizada, com vetor campo el´trico pere e pendicular ao plano de incidˆncia, incide obliquamente formando um angulo θi , com e ˆ a normal da interface entre dois meios diel´tricos sem perdas. A Figura 3.4 apresenta, e al´m do campo incidente, os campos refletidos e transmitidos. Considerando-se que e o plano de incidˆncia seja o plano y = 0 e a interface se encontra no plano z = 0, e tˆm-se: e Ei (r) = Eo e−jβ1 n1 · r ay e 1 Eo −jβ1 n1 · r n1 × Ei (r) = e (− cos θi ax − sen θi az ) η1 η1 como os campos incidentes, Hi (r) = Er (r) = ρ⊥ Eo e−jβ1 n2 · r ay e Eo −jβ1 n2 · r 1 n2 × Er (r) = ρ⊥ e (cos θr ax − sen θr az ) η1 η1 (3.99) (3.98)

(3.100)

Hr (r) =

(3.101)

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

52

Meio 1 Ei Hi
θi

x

Meio 2

n

1

r y
0 θr θt

z

H

r

Ht E n
2 r

Et n

3

Figura 3.4: Incidˆncia Obl´ e ıqua - Caso perpendicular. como os campos refletidos, e Et (r) = τ⊥ Eo e−jβ2 n3 · r ay e 1 Eo −jβ2 n3 · r n3 × Et (r) = τ⊥ e (− cos θt ax − sen θt az ) η2 η2 (3.102)

Ht (r) =

(3.103)

como os campos transmitidos. propaga¸˜o das ondas, e ca

ca Os versores n1 , n2 e n3 indicam a dire¸˜o de

−β1 n1 · r = −β1 z cos θi + β1 x sen θi −β1 n2 · r = β1 z cos θr + β1 x sen θr e −β2 n3 · r = −β2 z cos θt + β2 x sen θt

(3.104) (3.105)

(3.106)

53

3.4. Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios

fornecem as fases destas ondas. Das condi¸˜es de fronteiras (3.4) e (3.5) obt´m-se, respectivamente, co e e jβ1 x sen θi + ρ⊥ e jβ1 x sen θr = τ⊥ e jβ2 x sen θt e − cos θi e jβ1 x sen θi + ρ⊥ cos θr e jβ1 x sen θr = − η1 τ⊥ cos θt e jβ2 x sen θt η2 (3.107)

(3.108)

Para que exista continuidade na fronteira z = 0, os campos devem ter a mesma varia¸˜o de fase, isto ´, ca e e jβ1 x sen θi = e jβ1 x sen θr = e jβ2 x sen θt ou β1 sen θi = β1 sen θr = β2 sen θt donde se conclui que θi = θ r (3.111) (3.110) (3.109)

A equa¸˜o (3.111) ´ conhecida como lei de Snell para reflex˜o. Voltando-se a aten¸˜o ca e a ca mais uma vez para equa¸˜o (3.110), tem-se ca β1 sen θi = β2 sen θt ou, para meios diel´tricos, e sen θi =
2 1

(3.112)

sen θt

(3.113)

A express˜o (3.113) ´ conhecida como lei de Snell para refra¸˜o. a e ca Considerando-se (3.110), a equa¸˜o (3.107) pode ser reescrita como ca 1 + ρ⊥ = τ ⊥ e a (3.108) como − cos θi + ρ⊥ cos θr = − Substituindo (3.114) em (3.115), tem-se η1 τ⊥ cos θt η2 (3.115) (3.114)

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

54

ρ⊥ =

η2 cos θi − η1 cos θt η2 cos θi + η1 cos θt

(3.116)

ou, para meios n˜o magn´ticos sem perdas, a e cos θi − ρ⊥ = cos θi +
2 1 2 1

− sen2 θi − sen2 θi (3.117)

3.4.2

ˆ Reflex˜o Total, Angulo Cr´ a ıtico e Onda de Superf´ ıcie

Observa-se em (3.117) que o coeficiente de reflex˜o ´ sempre um n´mero real desde a e u que a permissividade do meio 1 seja menor que a do meio 2, isto ´, 2 > 1 . Caso e contr´rio, existir˜o certos angulos de incidˆncia que levar˜o o coeficiente de reflex˜o a a ˆ e a a a um valor complexo com m´dulo igual a um. A onda ser´ totalmente refletida o a quando estes angulos forem iguais ou superiores a um certo angulo cr´ ˆ ˆ ıtico θc , dado por θc = arcsen
2 1

(3.118)

a Pode-se verificar que, para o angulo cr´ ˆ ıtico ρ⊥ = 1 e o coeficiente de transmiss˜o a a e τ⊥ = 2. Como foi dito, nenhuma onda se propaga no meio 2, j´ que a reflex˜o ´ total. Entretanto, este valor para o coeficiente de transmiss˜o pode ser explicado a a como segue: se θi ≥ θc , ent˜o cos θt = ± j Tomando-se cos θt = − j
1 2

sen2 θt − 1 = ± j

1 2

sen2 θi − 1

(3.119)

sen2 θi − 1

(3.120)

o campo transmitido fica sendo expresso atrav´s de e Et = τ⊥ Eo e−jβ2 z cos θt e jβ2 x sen θt = τ⊥ Eo e−α z e jβ2 x sen θt onde α = β2
1 2

(3.121)

sen2 θi − 1

(3.122)

55

3.4. Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios

o que corresponde a uma onda propagando-se no sentido x− e com campo el´trico e decaindo exponencialmente na dire¸˜o z, dentro do meio 2. Esta onda ´ chamada ca e de onda de superf´ ıcie. ´ E importante ressaltar que a reflex˜o total e, consequentemente, a forma¸˜o de a ca onda de superf´ ıcie, pode tamb´m ocorrer no caso paralelo que ser´ visto a seguir, e a contanto que o meio 1 seja mais refringente que o meio 2. Exemplo 3.4 Uma antena posicionada no fundo de um tanque de agua doce radia ´ uma onda eletromagn´tica de 300MHz, 200V/m de amplitude e polariza¸˜o linear e ca perpendicular ao plano de incidˆncia. A onda atinge a superf´cie d’´gua com um e ı a ca ` ı a ˆngulo de 30 ◦ em rela¸˜o a normal desta superf´cie. Qual deve ser a intensidade do campo el´trico no ar a um metro de altura? A onda continua propagando-se pelo e ar? Para simplificar o problema, considere que a onda, quando chega na interface a ´gua-ar, ´ praticamente plana. Despreze as reflex˜es nas paredes do tanque. e o Solu¸˜o: O primeiro passo ´ verificar se existe reflex˜o total, pois a agua ´ mais ca e a ´ e refringente que o ar. Portanto, deve-se determinar qual o valor do angulo cr´ ˆ ıtico que, nesta situa¸˜o, ´ ca e 1 1 (3.123) = arcsen = 6, 4◦ 81 9 Como o angulo de incidˆncia ´ maior que o angulo cr´ ˆ e e ˆ ıtico, ent˜o, a onda ´ totala e mente refletida para dentro do tanque. Entretanto, existir´ campo el´trico no ar a e devido a onda de superf´ ` ıcie. Para se obter a intensidade deste campo ´ necess´rio se e a determinar a amplitude do campo transmitido pr´xima a interface agua-ar. Sabe-se o ` ´ que a amplitude da onda de superf´ ´ dada por ıcie e θc = arcsen Et = |τ⊥ | Eo e−α z (3.124)

` ca ıvel onde, neste problema, Eo = 200V/m, z corresponde a altura em rela¸˜o ao n´ da a ´gua no tanque e 2 cos θi 2 cos 30 √ = τ⊥ = 1 + ρ⊥ = 1, 74 ∠ − 30◦ 2 30 2 cos 30 + 81 − sen cos θi + − sen2 θi 1 (3.125) O valor da atenua¸˜o, α, ´ obtido de ca e α= 2π λo
1 2

√ sen2 θi − 1 = 2π 81sen2 30 − 1 = 27, 6 Np/m

(3.126)

Sendo assim, a intensidade de campo a um metro da superf´ da agua ´ ent˜o ıcie ´ e a Et = 1, 74 × 200 × e−27,6 = 3, 59 × 10−10 V/m (3.127)

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

56

3.4.3

Ondas Linearmente Polarizadas - Caso Paralelo

Uma onda eletromagn´tica linearmente polarizada, com vetor campo el´trico pare e alelo ao plano de incidˆncia, incide obliquamente formando um angulo θi com a e ˆ normal da interface entre dois meios diel´tricos sem perdas. A Figura 3.5 apresenta e os campos espalhados, que s˜o expressos por a
Meio 1 E x
i

Meio 2

Hi
θi

n

1

r y
0 θr θt

z

E

r

Ht H n
2 r

Et n
3

Figura 3.5: Incidˆncia Obl´ e ıqua - Caso paralelo. Ei (r) = Eo e−jβ1 n1 · r (cos θi ax + sen θi az ) e Hi (r) = como os campos incidentes, Er (r) = ρ Eo e−jβ1 n2 · r (cos θr ax − sen θr az ) e Hr (r) = Eo −jβ1 n2 · r 1 n2 × Er (r) = −ρ e ay η1 η1 (3.131) (3.130) 1 Eo −jβ1 n1 · r n1 × Ei (r) = e ay η1 η1 (3.129)

(3.128)

Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios como os campos refletidos. Isto ocorre para um certo angulo θB .139) cos θi + − sen2 θi 3.137) cos θt cos θi (3. ent˜o e a 1+ρ = τ e 1−ρ =τ Donde se pode obter ρ = η2 cos θt − η1 cos θi η2 cos θt + η1 cos θi (3.138) η1 η2 (3. transmiss˜o total da onda incidente ıvel e a para o meio 2. que faz o coeficiente ρ = 0.57 3. e Et (r) = τ Eo e−jβ2 n3 · r (cos θt ax + sen θt az ) e Ht (r) = Eo −jβ2 n3 · r 1 n3 × Et (r) = τ e ay η2 η2 (3. tˆm-se e cos θi e jβ1 x sen θi + ρ cos θr e jβ1 x sen θr = τ cos θt e jβ2 x sen θt e e jβ1 x sen θi − ρ e jβ1 x sen θr = τ η1 jβ2 x sen θt e η2 (3.132) como os campos transmitidos. ˆ Este ˆngulo ´ denominado angulo de Brewster e seu valor ´ obtido a partir de a e ˆ e .4.136) ou.4 ˆ Transmiss˜o Total e Angulo de Brewster a ´ E poss´ se obter. neste tipo de incidˆncia. Mais uma vez.135) (3.4. a e − ρ = 2 1 2 1 cos θi + 2 1 2 1 − sen2 θi (3.133) (3.134) Como as fases devem ser idˆnticas na interface. na interface entre os meios. para meios n˜o magn´ticos sem perdas.

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

58

− ou

2 1

cos θB +

2 1

− sen2 θB = 0

(3.140)

sen2 θB = Portanto, θB = arcsen ou

2 2+ 1

(3.141)

2 2

+

1

(3.142)

θB = arctg

2 1

(3.143)

3.4.5

Ondas Elipticamente Polarizadas

A Figura 3.6 apresenta uma onda plana elipticamente polarizada incidindo com um a e certo angulo θi . Est˜o representados na figura apenas os campos el´tricos das ondas ˆ incidente e espalhadas pela superf´ de interface entre os meios. ıcie Pode-se verificar na Figura 3.6 que a onda elipticamente polarizada ´ composta e de uma componente de campo el´trico perpendicular, Ey , e outra paralela, Eθ , ao e plano de inicidˆncia. O m´dulo do vetor campo el´trico incidente ´ dado por e o e e Ei = Eiy ay + Eiθ aθ sendo Eiy = E⊥ e−jβ1 n1 · r e Eiθ = E e jδi e−jβ1 n1 · r (3.146) (3.145) (3.144)

A defasagem entre as componentes ´ representada por δi , enquanto as amplitudes e podem ser relacionadas atrav´s de e αi = arctg E E⊥ (3.147)

Considerando que os coeficientes de reflex˜o para as componentes perpendicular a e paralela s˜o dados, respectivamente, por a

59

3.4. Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios

Meio 1 Ei E
iy

x
θ
1

Meio 2

n
θi

r y
0 θr θt

z E
tθ 3

Er

θ

E n
2

E
ry

ty

n

Figura 3.6: Onda plana elipticamente polarizada incidindo obliquamente na interface entre dois meios.

ρ⊥ = |ρ⊥ | e jφ⊥ e ρ = |ρ | e jφ pode-se, ent˜o, escrever o campo el´trico refletido como a e Er = Ery ay + Erθ aθ onde Ery = |ρ⊥ | e jφ⊥ E⊥ e−jβ1 n2 · r e Erθ = − |ρ | e jφ E e jδi e−jβ1 n2 · r

(3.148)

(3.149)

(3.150)

(3.151)

(3.152)

O sinal negativo que aparece em (3.152) est´ associado ao sentido do campo el´trico a e em rela¸˜o ao versor aθ . A defasagem entre as componentes do campo refletido pode ca ent˜o ser expressa por a

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

60

δr = δi + π + φ − φ⊥ e a rela¸˜o entre as amplitudes, por ca αr = arctg |ρ | E |ρ⊥ | E⊥ = arctg |ρ | tg αi |ρ⊥ |

(3.153)

(3.154)

Finalmente, para os campos transmitidos, tˆm-se e τ⊥ = |τ⊥ | e jψ⊥ e τ = |τ | e jψ onde o campo el´trico transmitido ´ dado por e e Et = Ety ay + Etθ aθ sendo Ety = |τ⊥ | e jψ⊥ E⊥ e−jβ2 n3 · r e Etθ = |τ | e jψ E e jδi e−jβ2 n3 · r Portanto, a defasagem entre as componentes do campo transmitido ´ e δt = δi + ψ − ψ⊥ e αt = arctg |τ | E |τ⊥ | E⊥ = arctg |τ | tg αi |τ⊥ | (3.161) (3.160) (3.159) (3.158) (3.157) (3.156) (3.155)

Exemplo 3.5 Uma onda eletromagn´tica incide na superf´ d’´gua formando um e ıcie a ◦ a ˆngulo de 83,66 com sua normal. Qual a polariza¸˜o da onda refletida? O campo ca el´trico ´ fornecido por e e Ei (r, t) = 2 sen (ω t − β1 n1 · r)ay + cos(ω t − β1 n1 · r) aθ

61

3.4. Incidˆncia Obl´ e ıqua entre Dois Meios

Solu¸˜o: Pode-se observar que a raz˜o entre as amplitudes das componentes do ca a e ca campo incidente ´ E /E⊥ = 1/2 e que a defasagem ´ δi = 90◦ . A rela¸˜o entre e amplitudes da onda refletida ´ dada por e αr = arctg pois ρ = e ρ⊥ = −81 cos 83, 66◦ + 81 cos 83, 66◦ + 81 − sen2 83, 66◦ 81 − sen2 83, 66◦ 0 (3.163) |ρ | E |ρ⊥ | E⊥ = arctg 0, 5 |ρ | |ρ⊥ | =0 (3.162)

cos 83, 66◦ − cos 83, 66◦ +

81 − sen2 83, 66◦ 81 − sen2 83, 66◦

0, 98 ∠180◦

(3.164)

Como αr = 0, ent˜o, s´ existe uma componente de campo refletido, isto significa a o dizer que a onda refletida est´ linearmente polarizada. Note que ρ = 0, logo, a a componente paralela do campo incidente ´ totalmente transmitida para agua e e ´ ◦ e ˆ θi = 83, 66 , neste problema, ´ o angulo de Brewster. Exemplo 3.6 A Figura 3.7 mostra um enlace de r´dio que atravessa um lago. As a antenas do enlace s˜o helicoidais e est˜o polarizadas circularmente para a esquerda. a a Observe que parte do sinal ´ refletido pelo lago e atinge a antena receptora. Se a e onda refletida tiver a mesma polariza¸˜o da onda direta, haver´ interferˆncia na ca a e recep¸˜o do sinal devido ` defasagem das ondas, uma vez que as distˆncias percorca a a ridas s˜o diferentes. A pergunta ent˜o ´: qual a polariza¸ao da onda refletida no a a e c˜ lago? Considere o angulo de incidˆncia na agua igual a 45◦ . ˆ e ´ Solu¸˜o: A raz˜o entre as amplitudes do campo incidente, neste caso, ´ 1, pois a ca a e onda tem polariza¸˜o circular. Os coeficientes de reflex˜o s˜o fornecidos por ca a a √ −81 cos 45◦ + 81 − sen2 45◦ √ ρ = 0, 73 ∠180◦ (3.165) 81 cos 45◦ + 81 − sen2 45◦ e √ cos 45◦◦ − 81 − sen2 45◦ √ ρ⊥ = cos 45◦ + 81 − sen2 45◦ αr = arctg |ρ | E |ρ⊥ | E⊥ = arctg 0, 85 ∠180◦

(3.166)

Portanto, 0, 73 0, 85 41◦ (3.167)

CAP´ ıTULO 3. Propaga¸˜o em Meios Diferentes ca

62

ou seja, as amplitudes das componentes do campo refletido n˜o s˜o mais iguais. Por a a outro lado, a defasagem entre as componentes da onda refletida ´ e δr = δi + π + 180◦ − 180◦ = δi + 180◦ (3.168)

a a isto ´, se δi = 90◦ , ent˜o δr = −90◦ , ou vice-versa. O sentido da onda incidente ser´ e sempre oposto ao da refletida. A polariza¸˜o da onda refletida que chega a antena ca ` receptora ´ el´ e ıptica para a direita. Portanto, o sinal desta onda ser´ atenuado pela a antena receptora, pois esta foi projetada para receber ondas circularmente polarizada para a esquerda.
Antena Transmissora Antena Receptora

Lago

Figura 3.7: Enlace de r´dio com reflex˜o do sinal sobre um lago. a a

Cap´ ıtulo 4 Linhas de Transmiss˜o a
4.1 Introdu¸˜o ca

At´ o cap´ e ıtulo anterior foram estudados fenˆmenos referentes `s ondas eletromao a gn´ticas propagando-se em meios abertos. Neste cap´ e ıtulo ´ feita uma an´lise do e a comportamento de ondas eletromagn´ticas guiadas por linhas de transmiss˜o, assim e a como as caracter´ ısticas destas linhas e as t´cnicas de casamento de impedˆncia e a aplicadas para a m´xima transferˆncia de energia eletromagn´tica. a e e Uma Linha de Transmiss˜o (L.T.) ´ um dispositivo empregado para guiar uma a e onda eletromagn´tica de um ponto a outro do espa¸o. Na pr´tica, uma L.T. pode e c a ser utilizada, por exemplo, para ligar um transceptor a uma antena, um conjunto de computadores em rede, uma difusora de sinais de TV aos seus assinantes ou, ent˜o, a conectar os diversos componentes e circuitos de um sistema de alta freq¨ˆncia. Exue istem diversas geometrias de linha de transmiss˜o em aplica¸˜es de alta frequˆncia. a co e As mais comuns s˜o: coaxial, par de fios, par de fios tran¸ados, fita, microfita, etc.. a c A Figura 4.1 mostra algumas destas estruturas. Al´m disso, as linhas de transmiss˜o e a podem ser classificadas como uniforme e n˜o uniforme, com perdas e sem perdas. a As linhas uniformes mantˆm a geometria da se¸˜o transversal e as caracter´ e ca ısticas el´tricas e magn´ticas ao longo do seu comprimento. Enquanto as linhas sem perdas e e s˜o aquelas onde as ondas eletromagn´ticas n˜o sofrem qualquer tipo de atenua¸˜o a e a ca ao longo da dire¸˜o de propaga¸˜o. ca ca

4.2

Equa¸˜o de uma Linha de Transmiss˜o ca a

Nesta se¸˜o s˜o apresentadas duas abordagens que descrevem o comportamento das ca a ondas de tens˜o e corrente, que est˜o associadas as ondas eletromagn´ticas guiadas a a ` e 63

CAP´ ıTULO 4. Linhas de Transmiss˜o a

64

(a)
condutores dielétrico

d

2a

2a

(b)

l
condutores

w

(c)

h

dielétrico

Figura 4.1: Alguns tipos de linha de transmiss˜o: (a) coaxial; (b) fita de fios para alelos; (c) microfita. por linhas de transmiss˜o uniformes. a

4.2.1

Abordagem Eletromagn´tica e

Considerando um sistema constitu´ de uma linha coaxial que liga um gerador ıdo a uma impedˆncia de carga, como mostrado na Figura 4.2, pode-se obter as exa press˜es dos campos eletromagn´ticos da onda no material diel´trico entre conduo e e tores utilizando-se as equa¸˜es de Maxwell, ou ent˜o, as equa¸˜es de onda. Sendo co a co assim, o campo el´trico no diel´trico do cabo coaxial obedece a equa¸˜o e e ca ∇2 E − 1 ∂2E =0 2 vf ∂t2 1 ∂2H =0 2 vf ∂t2 (4.1)

enquanto o campo magn´tico ´ obtido a partir de e e ∇2 H − (4.2)

As ondas s˜o do tipo TEM (no caso dos condutores serem perfeitos), propagando-se a no sentido z + ou z − com velocidade de fase

medidos num plano z qualquer.2. coaxial. z) e H(r.7) ∂ z2 onde γ ´ a constante de propaga¸˜o. est´ relacionada com o campo el´trico no a e diel´trico deste atrav´s de e e .4) (4. t) = E(r. z) e jωt sendo E(r.65 4. z) dados pelas equa¸˜es de Helmholtz co ∂ 2 E(r.6) (4. z. 1 vf = √ µ Se o gerador fornece uma tens˜o que varia harmonicamente no tempo. os campos seguem o mesmo tipo de varia¸˜o temporal. z) − γ 2 E(r.3) ∂ 2 H(r.2: Gerador de RF acoplado a uma impedˆncia de carga atrav´s de uma a e L. e ca Sabe-se pela teoria eletromagn´tica que a tens˜o entre os condutores de um cabo e a coaxial. z) = 0 2 ∂z e (4.5) (4. a ca E(r. t) = H(r. a e Vg (t) = Vo e jωt ent˜o. isto ´. z) = 0 (4. z. z) − γ 2 H(r.T. Equa¸˜o de uma Linha de Transmiss˜o ca a l Zg ZL Figura 4. z) e jωt e H(r. ou seja.

da permeabilidade. obt´m-se ca ca e d2 V (z) − γ 2 V (z) = 0 d z2 Assim como. z) r dϕ = 2πrH(r.CAP´ ıTULO 4.10) Apesar das equa¸˜es acima. A tens˜o num trecho infinitesimal a de um dos condutores. Enquanto a indutˆncia depende.T.. O circuito equivalente de uma linha o uniforme sem perdas ´ mostrado na Figura 4. com perdas. z)·dr = a E(r. dos raios de seus condutores e da permissividade do material diel´trico.9) Integrando-se a equa¸˜o (4. z) dr (4. apresenta a uma certa capacitˆncia e indutˆncia dependendo de sua geometria e caracter´ a a ısticas el´tricas e magn´ticas dos materiais que os comp˜e. A capacitˆncia medida entre e e o a os condutores de uma L. enquanto a Figura 4.6) em rela¸˜o a r. z)·dl = 0 H(r. a 4. denominadas de Equa¸˜es de uma Linha de Transco co miss˜o.8) Enquanto a magnitude das correntes nos condutores pode ser obtida a partir de 2π I(z) = C H(r. ´ dada por e dV = ZI dz ou dV = ZI dz (4. tem-se d2 I(z) − γ 2 I(z) = 0 2 dz (4.7) por 2πr. de uma L. terem sido deduzidas para uma linha coaxial. Linhas de Transmiss˜o a 66 b b V (z) = − a E(r. multiplicando-se (4.T. al´m e a e das dimens˜es da L.3a.T.13) (4.T. assim como qualquer linha de transmiss˜o.12) .11) (4. z) (4. com perdas.3b apresenta e o circuito equivalente de uma L.2. de a a b. elas s˜o v´lidas para qualquer a a a tipo de linha de transmiss˜o. depende: do comprimento.2 Abordagem de Circuitos Sabe-se que um cabo coaxial.

15) (4. J´ a corrente que atravessa numa fatia de espessura infinitesimal de diel´trico ´ a e e fornecida por dI = Y V dz (4. C.: (a) sem perdas.15) em rela¸˜o a z tˆm-se.17) (4. sendo L.16) onde a admitˆncia. e a e Derivando-se (4. Equa¸˜o de uma Linha de Transmiss˜o ca a L L L C C C (a) L R L R C G C G (b) Figura 4. respectivamente.18) .3: Circuito equivalente de uma L.67 4.T.13) e (4. R e G. (b) com perdas. ca e d2 V dZ dI = I +Z 2 dz dz dz e (4. a a a resistˆncia do condutor e condutˆncia do diel´trico por unidade de comprimento. capacitˆncia. a indutˆncia.2.14) ou dI =YV dz Z = R + jωL ´ a impedˆncia por comprimento de linha e e a Y = G + jωC (4. respectivamente.

24).24) d2 I − ZY I = 0 (4.20) (4.19) (4. assim como (4.21) e (4. logo a d2 V dI =Z 2 dz dz ou d2 V =ZYV dz 2 e d2 I dV =Y 2 dz dz ou d2 I = ZY I dz 2 Reescrevendo-se (4. Linhas de Transmiss˜o a 68 dY dV d2 I = V +Y 2 dz dz dz Para linhas uniformes.11) e (4. pode ser obtida a partir de ca γ = α + jβ = A velocidade de fase. tˆm-se e d2 V − ZY V = 0 d z2 e (4.10) e (4.28) ω Im[γ] (4. ca co mostra que a constante de propaga¸˜o numa L.27) √ ZY (4. Z e Y n˜o variam com z.26) .T.21) (4. neste caso. ´ obtida de e vf = Para uma linha sem perdas tˆm-se e √ γ = jβ = jω LC e (4.CAP´ ıTULO 4.23) (4.23).25).22) (4.25) d z2 Uma compara¸˜o entre as equa¸˜es (4.

incluindo a varia¸˜o temporal harmˆnica.33) 1 dV γ = V1 eγ z − V2 e−γ z Z dz Z (4. Fisicamente. I1 e I2 fasores associados as ondas. t) = I − + I + = I1 eα z e jωt+β z + I2 e−α z e jωt−β z (4. e . Solu¸˜o da Equa¸˜o de uma L.69 4. isto ´.31) As solu¸˜es s˜o combina¸˜es lineares de um par de fun¸˜es ortogonais. As solu¸˜es completas. uma vez que co a co co as equa¸˜es diferenciais s˜o lineares ordin´rias de segunda ordem. s˜o co ca o a V (z.T.34) 4. ca ca vf = ω 1 =√ β LC (4.3. t) = V − + V + = V1 eα z e jωt+β z + V2 e−α z e jωt−β z e I(z.32) (4. tˆm-se e I(z) = I1 eγ z + I2 e−γ z ou I(z) = ou ainda I(z) = Y V1 eγ z − V2 e−γ z Z (4. ca ca V (z) = V1 eγ z + V2 e−γ z A solu¸˜o das equa¸˜es (4.24) ´ da forma ca co e (4. as co a a solu¸˜es (4. ondas de corrente e tens˜o co a co propagando-se no sentido z − (primeiros termos das equa¸˜es) e z + (segundos termos).4 Impedˆncia Caracter´ a ıstica A impedˆncia caracter´ a ıstica de uma linha de transmiss˜o ´ a raz˜o entre a tens˜o e a e a a a corrente obtida num determinado plano z.35) (4.25).T.11) e (4.30) enquanto para (4. V2 .10) e (4.3 Solu¸˜o da Equa¸˜o de uma L.29) 4.30) e (4.31) representam. respectivamente. ` sendo as constantes V1 .

4.38) e a da capacitˆncia atrav´s de (4.42) .39) sendo Λ o fluxo magn´tico produzido pelo indutor e Q a carga el´trica no capacitor. Portanto.37) C Neste caso.41) µo ln 2π b a (4. ´ obtida a partir da equa¸˜o (4. a impedˆncia caracter´ a ıstica n˜o varia ao longo do seu compria mento. sendo a indutˆncia por unidade de comprimento a e a determinada pela express˜o [19] a Zo L= Λ µ = Il l H · ds H · dl C S (4.CAP´ ıTULO 4. obt´m-se e L= e de (4.1 Coaxial A impedˆncia caracter´ a ıstica de um cabo coaxial sem perdas.38) e a capacitˆncia por unidade de comprimento a C= Q =− Vl l S b E a E · ds · dl (4. tem-se Zo = 1 2π µo ln b a = ηo √ 2π ln r b a (4. a impedˆncia ´ complexa.38).41) em (4. tem-se R = G 0.37). utilizando-se a express˜o e ca a da indutˆncia obtida de (4.36). e e 4.1a.40) Substituindo (4.40) e (4. como aquele mostrado na Figura 4. o que leva a L (4. Se houver perdas. Linhas de Transmiss˜o a 70 Zo = V− V+ =− + = I− I Z = Y R + jωL G + jωC (4.39) C= 2π b ln a (4.36) Para linhas uniformes. com valor fornecido por (4.39). a e Para perdas desprez´ ıveis. a a e resolvendo-se (4.37). a impedˆncia ´ real.

44) (4.4.46) Se d a.43) Exemplo 4. ca ca ca ln b a √ 75 4 b = = 2.45) Substituindo (4. por exemplo. o externo dever´ a ter 12. Solu¸˜o: Pela equa¸˜o (4. 4. pode-se obter facilmente esta rela¸˜o.43). Impedˆncia Caracter´ a ıstica ou 60 Zo = √ ln r b a (4.44) e (4.4. tˆm-se e L= e C= π ln d−a a µo ln π d−a a (4.1b). ent˜o a Zo 120 √ ln r d a (4. 1mm de raio.2mm. se o condutor interno tiver.5 = 12.37).71 4. 2 60 a Portanto.47) .2 Par de Fios Paralelos No caso de dois fios paralelos separados por uma fita diel´trica espa¸adora (vide e c Figura 4. ou seja. 5 =⇒ = e2.45) em (4.1 Qual deve ser a raz˜o entre o condutor interno e externo para que a uma linha coaxial tenha impedˆncia de 75Ω? Considere como diel´trico um pl´stico a e a de permissividade relativa igual a 4. tem-se 120 Zo = √ ln r d−a a (4.

representada na equa¸˜o a ca e (4. como aquela mostrada na Figura 4. 444 + h h (4.53) .48) Como parte da onda se propaga no diel´trico e parte se propaga no ar.51) No caso de s´ ıntese. 04 1 − w h 2 (4.3 Microfita A determina¸˜o da express˜o de impedˆncia caracter´ ca a a ıstica para microfitas.52) B − 1 − ln(2B − 1) + r (4. sendo w a largura da fita e h a espessura do substrato. w 2 = h π sendo −1 0. Linhas de Transmiss˜o a 72 4. Para este caso. Para a an´lise de fitas com w/h < 1. a permissividade efetiva ´ dada por = r ef +1 + 2 r −1 2 1+ 12h w −1/2 + 0. n˜o ´ feita de forma totalmente anal´ a e ıtica. utiliza-se a 60 ln Zo = √ ef w 8h + w 4h (4.4. para Zo > 44 − 2 r . 393 + 0.48) por ef . 517 ln(B − 1) + 0.CAP´ ıTULO 4. utiliza-se −1 w w + 1. devido a geometria da mesma. ent˜o.1c. Um destes trabalhos ´ o de Hammerstadt (1975) e [15] que fornece express˜es para a an´lise e s´ o a ıntese de linhas de microfitas. w 8 = A h e − 2 e−A e para Zo < 44 − 2 r . tornae a se necess´rio se obter uma permissividade relativa efetiva. 667 ln 1. 293 − 2r r (4. Os valores obtidos destas express˜es apresentam erros inferiores a 1% quando r 16 o e 0. 05 w/h 20.50) com = r ef +1 + 2 r −1 2 12h 1+ w −1/2 (4. tem-se. V´rios trabalhos sobre o assunto podem ser encontrados a na literatura cient´ ıfica [24][12].49) Para a an´lise de fitas com w/h a 120π Zo = √ ef 1.

56) A Tabela 4. A atenua¸˜o de uma L. Na pr´tica. 121 r (4. utilizando-se a rela¸˜o a ca αdB = −20 log e−α = 8. 04mm. deve-se ent˜o verificar ca a qual ´ a equa¸˜o mais apropriada para a s´ e ca ıntese. 686 α (4.T. e ue .5 Perdas numa L. deve-se utilizar a primeira equa¸˜o.73 4.2 Calcule a largura de uma microfita para que ela tenha uma impedˆncia a caracter´stica de 50 Ω.312 h e − 2 e−1. Neste caso. 226 + 0. (4. as perdas. como ca Zo > 44−2 r = 38Ω. A linha ser´ impressa numa placa de circuito impresso de ı a dupla face com espessura de 2mm e permissividade relativa 3. 52 h = 5. 52 4. 121 3 1. obt´m-se ca e w 8 = 1. 312 e substituindo este valor na equa¸˜o (4. A= e Zo 60 r +1 + 2 r −1 r +1 60π 2 √ Zo r 0. Solu¸˜o: Como se quer projetar uma linha de microfita. Sendo assim.5. 226 + 0.312 A largura da fita ´ ent˜o w = 2. obtidas a partir do fator de atenua¸˜o α = Re[γ].52).52) ou (4. s˜o pequea ca a nas.T. Em geral. ´ fun¸˜o da freq¨ˆncia e das caracter´ ca e ca ue ısticas el´tricas e e magn´ticas dos materiais que a constitui. calculando-se A= 50 60 3+1 3−1 + 2 3+1 0.53). Perdas numa L.55) Exemplo 4. os valores do fator de atenua¸˜o e ca s˜o fornecidos em dB/m. e a 2.1 apresenta alguns valores t´ ıpicos de fator de atenua¸˜o para cabos ca coaxiais comerciais em trˆs freq¨ˆncias distintas.T.54) B= (4.

226 0.374 RG-58 50 0. pela Tabela 4.108 0. a Cabo Zo αdB (100MHz) αdB (400MHz) αdB (1GHz) Coxial (Ω) dB/m dB/m dB/m RG-6 75 0. A distˆncia entre eles a a a ´ de 10m e a freq¨ˆncia de opera¸˜o 1GHz. a melhor op¸˜o ´ utilizar cabos de impedˆncia ca ca e a caracter´ ıstica de mesmo valor dos dispositivos.57) a a e onde V1 e V2 s˜o fasores que est˜o relacionados um com o outro atrav´s do coeficiente de reflex˜o de tens˜o a a ρv (0) = |ρv (0)| ejφv = V2 V1 (4.6 Linhas com Termina¸˜o ca A Figura 4.089 0. propagando-se ao longo da linha ca a em sentidos contr´rios.T.141 0.308 RG-11 75 0.58) .066 0.24 Exemplo 4. e ca e impedˆncia igual a 75Ω. pode-se escrever para o plano z = 0. A equa¸˜o de uma L. fornece como a solu¸˜o geral um par de ondas de tens˜o ou corrente.151 0. ´ o RG-11.CAP´ ıTULO 4.253 RG-59 75 0.151 0.1. Identificando-se a onda que se propaga no sentido geradora carga como onda incidente V − (ou I − ) e no sentido inverso como onda refletida V + (ou I + ). ca terminada por uma impedˆncia de carga ZL .502 RG-213 50 0. 253 × 10 = 2.1: Impedˆncia e atenua¸˜o para alguns cabos comerciais. Al´m disso.4 mostra uma linha de transmiss˜o com impedˆncia caracter´ a a ıstica Zo . o cabo com menor atenua¸˜o.308 0. V (0) = V − + V + = V1 + V2 (4. 53 dB 4. Linhas de Transmiss˜o a 74 Tabela 4. Valores obtidos a ca do cat´logo da Times Microwaves Systems.3 Um cabo coaxial ´ utilizado para ligar uma antena parab´lica de e o impedˆncia igual a 75Ω ao receptor de mesma impedˆncia.184 0. Qual a melhor op¸˜o de cabo? Qual a e ue ca ca atenua¸˜o total no cabo? ca Solu¸˜o: Para manter o sistema casado. A atenua¸˜o total introduzida pelos 10m de a e ca cabo ´ fornecida por e Acb = αdB l = 0. como ser´ estudado nas pr´ximas a o se¸˜es deste cap´ co ıtulo.072 0.

59) . I V+ . I + Zo ZL z 0 Figura 4. ρv (0) = |ρv (0)| ejφv = ZL − Zo ZL + Z o (4. V (0) = V1 [1 + ρv (0)] Para um plano z qualquer tem V (z) = V1 [1 + ρv (z)] sendo ρv (z) = Da mesma forma pode-se obter I(z) = I1 [1 + ρi (z)] sendo I+ V+ jφi −2γ z ρi (z) = − = |ρi (0)| e = − − = −ρv (z) (4.75 4. Linhas com Termina¸˜o ca l Zg V.60) (4.61) (4.6.65) (4.62) V+ = |ρv (0)| e jφv −2γ z V− (4.63) I V A impedˆncia de carga est´ relacionada com as ondas de tens˜o e corrente como a a a segue: V1 [1 + ρv (0)] 1 + ρv (0) V (0) ZL = = = Zo (4. a a portanto.4: Linha de transmiss˜o terminada por uma impedˆncia de carga.64) I(0) I1 [1 + ρi (0)] 1 − ρv (0) logo..

ou seja.6.72) . ´ fornecida por a e Zeq (z) = onde ρv (z) = ρv (0) e− 2γ z (4.2 Toco em Aberto A impedˆncia “vista” nos terminais de um trecho (ou toco) de linha com termina¸˜o a ca em aberto ´ obtida pela equa¸˜o (4. num plano z qualquer da linha de transa ca ` miss˜o.70) 4.3 Toco em Curto A impedˆncia “vista” nos terminais de um trecho (ou toco) de linha com termina¸˜o a ca em curto ´ obtida pela equa¸˜o (4.69) 4.68) fazendo-se ZL → ∞.66) e levando-se em considera¸˜o (4.6. substituindo (4.67) V (z) 1 + ρv (z) = Zo I(z) 1 − ρv (z) (4. e ca ZT A = Para o caso sem perdas tem-se ZT A = Zo = −j Zo cotg β z j tg β z (4. ent˜o α = 0.71) Zo = Zo cotgh γ z tgh γ z (4. Se n˜o existem perdas na linha. ou seja.6.1 Impedˆncia Equivalente a A impedˆncia. “vista” em dire¸˜o a carga.CAP´ ıTULO 4.65).66) Portanto. Linhas de Transmiss˜o a 76 4.68) Esta ´ a impedˆncia equivalente a impedˆncia de carga mais o trecho de linha com e a ` a comprimneto z. tgh γ z = j tg β z e a a Zeq (z) = Zo ZL + jZo tg β z Zo + jZL tg β z (4.68) fazendo-se ZL = 0. tem-se ca Zeq (z) = Zo 1+ 1− ZL −Zo ZL +Zo ZL −Zo ZL +Zo e− 2γ z e− 2γ z = Zo ZL + Zo tgh γ z Zo + ZL tgh γ z (4. e ca ZT C = Zo tgh γ z Para o caso sem perdas tem-se (4.67) em (4.

´ dado por a e . n˜o existe ondas refletidas e a I = I+ = enquanto V =V + ∗ Zg Vg = ZL I = ∗ Zg + Zg + Vg Vg = ∗ ZL + Z g Zg + Zg (4.5. Entretanto.77 4.73) 4. em alguns problemas de casamento ou otimiza¸˜o de circuitos. Entrentanto. a Zg I+ Zg I+ IVg V+ Z*g Vg V + +V ZL (a) (b) ∗ Figura 4. Considere uma impedˆncia de carga ligada diretamente aos terminais de um a gerador de impedˆncia complexa. a a (b) ZL qualquer. tanto a impedˆncia do gerador quanto a impedˆncia caracter´ ca a a ıstica da linha foram consideradas reais. estas impedˆncias podem assumir valores complexos. ZL = Zg (o ca a e asterisco denota complexo conjugado).74) (4.7 Coeficientes de Reflex˜o para Zg Complexo a Na se¸˜o anterior.5: Gerador com impedˆncia complexa ligado a uma impedˆncia: (a) Zg . Coeficientes de Reflex˜o para Zg Complexo a ZT C = j Zo tg β z (4. estas ondas refletidas est˜o presentes no circuito (vide Figura 4.5a. neste caso. Na condi¸˜o de a ca ∗ casamento. situa¸˜o onde ocorre a m´xima transferˆncia de energia. quando ZL = Zg .75) ∗ como apresentado na Figura 4. como ser´ visto a seguir.5b) e o coeficiente de reflex˜o a a de tens˜o. Logo. ca a Nesta condi¸˜o. como mostrado na Figura 4. as equa¸˜es que fornecem os coeficientes de reflex˜o s˜o definidas ca co a a em sua forma mais geral.7.

2 Coeficiente de Onda de Tens˜o Estacion´ria a a O coeficiente de onda de tens˜o estacion´ria.79) 4. num plano z qualquer. Os coeficientes de reflex˜o de tens˜o e coro a a rente.80) 2ZL ZL + Z o (4. 4. isto ´.67) e (4. os coeficientes de transmiss˜o no plano z = 0 s˜o fornecidos por a a τv (0) = 1 + ρv (0) = e τi (0) = 1 + ρi (0) = 2Zo ZL + Z o (4.63).1 Coeficiente de Onda Estacion´ria a Coeficientes de Reflex˜o e Transmiss˜o a a Como foi visto anteriormente.77) ou ρi = − ∗ Zg ρv Zg (4. conhecido como VSWR (Voltage Standa a ing Wave Ratio).81) .CAP´ ıTULO 4.78) ca e e ` Note que.8. ´ a raz˜o entre a tens˜o m´xima e a m´ e a a a ınima medidas ao longo da linha transmiss˜o.8 4. Linhas de Transmiss˜o a 78 ∗ ∗ Zg ZL − Zg V− V ZL Vg Zg + Zg ρv = + = + − 1 = −1= ∗ ∗ V V ZL + Zg Zg Vg Zg (ZL + Zg ) (4. Assim a como. s˜o dados respectivamente por (4.63).76) e o de corrente ∗ ∗ Zg − Z L Zg + Zg I− I Vg ρi = + = + − 1 = −1= I I ZL + Z g Vg ZL + Z g (4.8.78) ´ idˆntica a (4. no caso de ondas TEM planas incidindo normalmente sobre uma interface. para Zg real. a equa¸˜o (4. os coeficientes de reflex˜o dependem do plano onde a se mede as correntes e tens˜es da linha. a e VSWR = 1 + |ρv | |V1 | + |V2 | Vmax = = Vmin |V1 | − |V2 | 1 − |ρv | (4.

33 2 1 − 0. Imagine que o sistema ` a representado na Figura 4.69).79 4. pode-se obter o m´dulo do coeficiente o de reflex˜o de tens˜o atrav´s de a a e VSWR − 1 (4. 33 Na pr´tica.82) VSWR + 1 Como o m´dulo do coeficiente de reflex˜o varia entre 0 e 1.T. Solu¸˜o: Considere a Figura 4. 7 − j14 + 75 VSWR = 1 + 0.4 fosse o circuito equivalente de um transmissor de TV. O coeficiente de reflex˜o nos terminais do receptor ´ dado por e ρv (10m) = e o VSWR Zeq (10m) − Zg 38. sendo ZL a impedˆncia da antena ca e a e Zg a impedˆncia do receptor. depende de sua co a impedˆncia caracter´ a ıstica e da impedˆncia da carga. T´cnicas de Casamento de Impedˆncia e a Desta forma.4 como referˆncia. Portanto.9. o VSWR tem valor o a m´ ınimo igual a 1 e m´ximo ∞. a a desprezando-se as perdas. o coeficiente de reflex˜o ser´ diferente de zero. que vocˆ s´ tem dispon´ e o ıvel cabos de 50 Ω.4 Suponha agora. a |ρv | = Exemplo 4. ou a seja. 75 + j50 tg (10 β ) = 38. 34 ∠ − 152◦ Zeq (10m) + Zg 38.9 T´cnicas de Casamento de Impedˆncia e a Foi visto nas se¸˜es anteriores que o coeficiente de reflex˜o numa L. a a 4. 3 42 rd/m. ´ a e necess´rio determinar a impedˆncia equivalente do conjunto cabo-antena. para o exemplo anterior. valores acima de 1. Acontece que nem sempre se tem cabos ou linhas com impedˆncia caracter´ a ıstica igual a impedˆncia de carga.5 s˜o considerados altos. com impedˆncia de sa´ de 50Ω. Qual deve ser o VSWR nos terminais do receptor? Considere a permissividade relativa do cabo igual a 4. como foi visto no Exemplo 4. esta impedˆncia pode ser calculada a partir de (4. Para se obter o VSWR nos terminais do receptor. S´ n˜o existir´ onda refletida na a o a a a a a linha quando ZL = Zo . 7 − j14Ω Zeq (10m) = 50 50 + j75 tg (10 β) √ a pois β = 2π r /λo = 4π/0. medindo-se o VSWR da linha. caso contr´rio. ligado a uma antena dipolo de meio comprimento a ıda . 7 − j14 − 75 = = 0.3.

que passa pelo centro da Carta. e a ca A Figura 4. A Carta pode ser empregada para representar impedˆncias a e a ou admitˆncias normalizadas. um abaco de a ´ impedˆncias e admitˆncias que ficou conhecido posteriormente como Carta de Smith. 4. Philip H. a a e As circunferˆncias de diˆmetros menores representam impedˆncias (ou admitˆncia) e a a a com parte real maior que 1 e. As impedˆncias (ou admitˆncia) sobre o eixo horizontal que passa pelo a a centro da Carta tˆm valores puramente reais e podem variar de 0 (ponto extremo a e ` esquerda) a ∞ (ponto extremo a direita). uma vez que as impedˆncias dos tocos u e a e trechos de linhas s˜o em geral complexas. a a Atualmente todas as t´cnicas de casamento podem ser programadas em computae dores ou calculadoras program´veis. Entretanto. repe resentam impedˆncias (ou admitˆncia) normalizadas cuja parte real ´ igual a um. Nesta se¸˜o ser˜o abordadas algumas t´cnicas que utilizam tocos em aberto ou ca a e em curto posicionados em paralelo em determinados pontos (planos) da linha de transmiss˜o. Linhas de Transmiss˜o a 80 de onda atrav´s de uma linha cuja impedˆncia Zo = 50Ω. estes c´lculos demandavam um certo tempo.CAP´ ıTULO 4. representam a e a as impedˆncias (ou admitˆncia) com mesma parte imagin´ria. o centro da carta representa uma impedˆncia (ou admitˆncia) normalizada a a igual a 1 e todos os pontos da circunferˆncia. Em geral. se utiliza a impedˆncia (ou admitˆncia) a a a caracter´ ıstica da linha de transmiss˜o como referˆncia para normaliza¸˜o. sendo a a at´ hoje utilizada para fins did´ticos e em equipamentos de medi¸˜o. em 1939. Os valores normala a a izados das reatˆncias (susceptˆncias) para cada curva est˜o identificados pr´ximos a a a o a ` borda da Carta.10 Carta de Smith Na s´ ıntese de circuitos de casamento de impedˆncia. certamente e a ca existir´ onda refletida. As curvas do semic´ ırculo superior representam reatˆncias indutia vas (susceptˆncias capacitivas). enquanto as do semic´ a ırculo inferior representam as . Antes do advento dos computadores a e calculadoras cient´ ıficas. Smith introduziu. as de diˆmetros maiores. Neste situa¸˜o. as impedˆncias com parte real a a menor que 1. a Carta de Smith tem a vantagem a de mostrar de uma forma gr´fica as impedˆncias e o processo de casamento.12 mostra uma vers˜o da Carta de Smith com indica¸˜o de impedˆncias a ca a e admitˆncias em portuguˆs. Para mina imizar este tempo de c´lculo. muitas opera¸˜es envolvendo a co n´meros complexos tˆm que ser efetuadas. uma vez que a impedˆncia de um dipolo de λ/2 ´ complexa a a e e igual a 73 + j42Ω. devido a descasamentos de impedˆncia entre linhaa carga e/ou gerador-linha. Sendo a e ca assim. A introdu¸˜o destes tocos possibilitam a redu¸˜o ou elimina¸˜o por a ca ca ca completo das ondas refletidas. que na real` idade s˜o partes de circunferˆncias cujos centros est˜o fora da Carta. Os pontos sobre as curvas.

a 0. e e e ` A propor¸˜o que o plano de medi¸˜o se afasta da carga. Carta de Smith reatˆncias capacitivas (susceptˆncias indutivas).6: Circunferˆncia de VSWR = 1. no plano z = 0.69) correspondem aos pontos de uma circunferˆncia cujo centro coincide com o centro e da Carta.6 0.8 -1 -1. Esta circunferˆncia ´ denominada de circunferˆncia de VSWR constante. com os valores de a Zo = 50Ω e ZL = 50+j 30Ω. com raio medido do centro da Carta at´ o ponto e e zL = 8 .4 P2 P3 -0. z = λ/8 (P2) e z = λ/4 (P3). Tomando-se como exemplo o sistema mostrado na Figura 4. ´ a a e um ponto sobre a circunferˆncia. Para outros ca ` planos sobre a linha. “vista” em dire¸˜o a carga. Na borda da Carta est˜o represena a a tados os valores puramente imagin´rios. pode-se verificar que os valores obtidos a partir de (4.10.3 o 1 C 1.4 0. 81 e impedˆncias normalizadas no plano: e a z = 0 (P1).83) Zo indicada na Carta como ponto P1.4 Figura 4.2 -0. 0 + j 0.8 0.8 A 1 1.4.2 0. 6 (4.2 B P1 VSWR=1. indo em dire¸˜o ao gerador. Assim. medido no plano z = λ/8.4 -0.6 -0. pode-se representar a impedˆncia de carga normalizada por ZL = 1. Esta ´ tamb´m a representa¸˜o da impedˆncia e e ca a equivalente da linha. ca ca ca os pontos correspondentes as impedˆncias medidas se afastam do ponto P1.4 73. no ` a sentido hor´rio. um ponto de impedˆncia.4 0.6 0.81 0 0.81 4.

Para se obter o coeficiente de reflex˜o no plano z = 0.84) AC enquanto o angulo ´ obtido diretamente da leitura na escala de angulos localizada ˆ e ˆ na borda da Carta (veja escala na Figura 4. apresentam uma escala linear para obten¸˜o ca do m´dulo do coeficiente de reflex˜o. anti-hor´rio.7a. sendo que o primeiro passo consiste em normalizar a impedˆncia de a carga pela impedˆncia caracter´ a ıstica da linha de transmiss˜o. atrav´s de uma linha e toco com impedˆncia a e caracter´ ıstica Zo = 50Ω . a um para cada tipo de esquema toco-linha. No plano z = λ/4. . tra¸a-se uma reta partindo-se do centro da Carta e passando pelo ponto c P1 at´ atingir a borda. isto ´. Linhas de Transmiss˜o a 82 P2. Denominando-se o trecho da reta que vai at´ o ponto P1 de e e AB e o trecho do centro a borda de AC. o a a |ρv (0)| = 4. 3◦ . Estes sentidos est˜o indicados na borda da Carta a (Figura 4. a a ◦ o deslocamento ´ de 180 (meia volta na Carta) e em z = λ/2 tem-se uma volta e inteira sobre a circunferˆncia (vide Figura 4. como mostrado na Figura 4. medido entre a a 1 e ∞ (vide Figura 4. Uma outra grandeza que se pode medir diretamente na Carta ´ o coeficiente de e onda estacion´ria. por a exemplo. Ele ´ o resultado da interse¸˜o entre a circunferˆncia de VSWR a e ca e constante e o eixo das impedˆncias (ou admitˆncia) puramente reais. eliminando assim o c´lculo em (4. 4.83). A seguir s˜o apresentados dois exemplos. neste caso. trecho e toco. Este valor ´ fornecido a e por (4.1 Trecho de linha e toco Suponha que se quer casar um transmissor de impedˆncia de sa´ igual a 50Ω a ıda e a com uma carga ZL = 50 + j 30Ω. como mostrado na Figura 4.11 Casamento com Toco e Trecho de Linha Os circuitos de casamento com um toco e trecho de linha podem ser de dois tipos: toco e trecho.12. Se o deslocamento fosse no sentido e contr´rio. 287 (4.6). como aquela da Figura 4. A escolha do circuito mais adequado depende da impedˆncia de carga a e da impedˆncia caracter´ a ıstica da linha. que est´ deslocado 90◦ no sentido hor´rio do ponto P1. Algumas Cartas.7b. o plano de medi¸˜o estaria sendo deslocado ao longo a e a ca da linha no sentido gerador-carga.11.6). pode-se obter o m´dulo do coeficiente de ` o reflex˜o fazendo a AB = 0. φv = 73.12).CAP´ ıTULO 4.84). A tarefa ent˜o ´ determinar os comprimentos do toco e do trecho de linha.12).

caminhando-se sobre a circunferˆncia de e VSWR constante at´ o ponto P2 .8). Casamento com Toco e Trecho de Linha t l Zg Zo l (a) ZL l Zg t Zo l ZL (b) Figura 4. Neste caso. Isso pode ser feito atrav´s da pr´pria Carta de Smith a (vide Figura 4. o pr´ximo passo ´ a convers˜o da impedˆncia normalizada zL para ado e a a e o mitˆncia normalizada yL . por coincidˆncia.69) considerando-se o comprimento e a z = λ/4. e Zeq (λ/4) = ou zeq = 1 = yL zL (4. partindo-se do ponto P1. (b) toco em aberto pr´ximo ao gerador.83 4. o Como o casamento ser´ feito atrav´s de um toco em paralelo posicionado num a e dado ponto da linha. e Por quˆ? A justificativa matem´tica vem de (4.86) 2 Zo ZL (4. 441 (ponto P3).7: Casamento com um toco e trecho de linha: (a) toco em curto pr´ximo o a ` carga.85) e a Uma vez obtido yL = 0. para se obter e a e a a parte real de yL igual a 1. 735 − j 0. isto ´. o que equivale a meia volta na Carta (l = λ/4).11. e a Portanto. no sentido hor´rio (carga-gerador). o valor de admitˆncia . ´ interessante se trabalhar com admitˆncias normalizadas. ´ necess´rio caminhar na circunferˆncia de VSWR constante.

enquanto P2 indica yL . 6. O comprimento normalizado deste co toco ´ indicado na Carta da Figura 4. 4. zeq = 2.8 0. Sendo assim. Conseq¨entemente.6 0. O toco que oferece esta susceptˆncia com o menor comprimento a deve ter uma das suas termina¸˜es em curto.11.8 1 1. Observe na Carta (Figura 4. necess´ria para a a u a casar o sistema. Linhas de Transmiss˜o a 84 normalizada ´ aquele fornecido por (4.6 0.164 λ Figura 4.8 -1 -1.6. de forma a eliminar a susceptˆncia normalizada de valor igual a 0. a y4 = y3 + yT = 1 (4.4 l T = 0. e 0.87) onde yT = −j 0.CAP´ ıTULO 4. 6 (ponto P1).6 -0.4 -0.4.8. O ponto P1 representa zL e y3 . atrav´s de uma linha de 50Ω.83).4 -0.4 1 1. a um e gerador de 125Ω. e O comprimento do trecho de linha percorrido ´ de λ/4.4 0. ou seja. para casar e o circuito.2 P2 -0.2 0. resta apenas introduzir um toco em aberto ou em curto neste ponto da linha.4 0.8: Casamento utilizando-se um trecho de linha e toco. a admitˆncia normalizada que se deve obter nos terminais do gerador ´ igual a 0.2 P1 0 0. y3 = zL = 1 + j 0.9) que e 8 . 5. tem-se como impedˆncia equivalente normalizada.2 Toco e trecho de linha Considerando-se agora a mesma carga acoplada.

n˜o ´ possivel casar o sistema com o circuito trecho-toco (Figura a e ´ necess´rio primeiro aumentar o VSWR na linha atrav´s da introdu¸˜o de 4. Neste caso. yL = 0.4.2 0.5 VSWR=1. 766 e y4 = 0.9: Casamento utilizando-se um toco lT e um trecho de linha l.8 0. P3 e P4 representam respectivamente zL = 1 + j 0.81 n˜o tem ponto de interse¸˜o com a circunferˆncia e a ca e de 0. 441.4 0.7b). parte-se do ponto P3 e caminha-se na circunferˆncia de VSWR = 2. Para atingir este valor de coeficiente de onda estacion´ria de a linha ´ necess´rio a introdu¸˜o de um toco cuja susceptˆncia normalizada tem valor e a ca a igual a − 0.81 P4 0 0. P2. O menor comprimento de toco ´ obtido com e e um toco em curto. c por exemplo. E a e ca um toco no plano z = 0 e. . 2λ ´ indicado a e na Carta da Figura 4. determinar o trecho de linha necess´rio para a casar o circuito. 4.11.9. 0.4 l=0. y3 = 0.4 0.8 -1 Figura 4.6 0.4 1 1. 325.6 -0. o VSWR tem que ser maior ou igual a 2. em seguida. Finalmente. observa-se que a interse¸˜o ocorre e ca no ponto 0.5 no sentido hor´rio at´ atingir o e a e ponto P4. Casamento com Toco e Trecho de Linha a circunferˆncia de VSWR = 1. para se obter o casamento. pois a susceptˆncia ´ negativa. O valor lT = 0.132λ -0. Os pontos P1.8 1 1.5.5. 766 (ponto P3). 735 − j 0.6 0. 132λ. 735 − j 0. Dessa forma. 735 − j 0. Isso equivale a um trecho de linha l = 0.4 8 -1.2λ P2 -0. Tra¸ando-se. 6.4 lT =0. uma circunferˆncia de VSWR = 2.2 P1 VSWR=2.2 P3 -0.85 4. a admitˆncia da carga fica com valor normalizado a igual a 0. sendo assim.4 da Carta.

e Tomando-se mais uma vez como exemplo uma carga com ZL = 50+j 30Ω. Como ´ exigido um comprimento el´trico θ = 3π/4. ent˜o o comprimento total da linha e e a tem que ser l = l1 + l2 = θ 3λ λ= 2π 8 (4. de Zo = 50Ω. encontrar a admitˆncia normalizada.88) l t3 l t2 .10a mostra um circuito de casamento deste tipo.11). A Figura 4. ligada a um gerador 50Ω.10: Circuito de casamento com: (a) dois tocos. e considerando que o comprie mento el´trico total do sistema de casamento tem que ser igual a 135◦ . Zg A B ZL Zo l1 (a) Zo l2 Zg ZL Zo l1 (b) Zo l2 Figura 4. atrav´s de uma L.12 Casamento com Dois Tocos e Trechos de Linha O casamento de impedˆncia de um sistema composto de linhas de transmiss˜o pode a a tamb´m ser feito fixando o comprimento de um ou mais trechos de linha e variandoe se o comprimento de dois tocos posicionados em pontos distintos da L. (b) trˆs tocos.. Linhas de Transmiss˜o a 86 4.CAP´ ıTULO 4. completando-se a meia volta na Carta de Smith a partir do ponto referente a zL (Figura 4. em seguida.T. pergunta-se: e qual deve ser os comprimentos dos tocos e trechos de linha para casar o sistema? O primeiro passo ´ normalizar a impedˆncia de carga em fun¸˜o da impedˆncia e a ca a caracter´ ıstica e.T.

Atrav´s do toco 2. 152λ.87 4. O giro. Sendo assim. Observe que a ` a ıda admitˆncia normalizada no plano A. antes da introdu¸˜o do toco 1. o a a a Isso equivale a dizer que a admitˆncia no plano A. Finalmente. Considere os mesmos comprimentos de linha l1 = λ/8 e l2 = λ/4 e impedˆncia a caracter´ ıstica Zo = 50Ω. bastando para ca a isso girar a circunferˆncia de 90◦ no sentido anti-hor´rio. 4. Esta condi¸˜o pode ser levada para o plano B. ´ obtida girando-se 1/4 de volta (90◦ ) no sentido hor´rio. Tomando-se como exemplo o deslocamento a a para o ponto P3. por exemplo. pois o sistema j´ estaria casado apenas com o trecho de a linha l2 e toco 2. Portanto.10b. . ´ interessante se utilizar um toco em aberto com comprimento e a ca lt2 = 0. de forma a alterar a admitˆncia da carga. a determinar os comprimentos dos tocos para uma impedˆncia de carga ZL = 150 + a j 50Ω. l1 = λ/8 e l2 = λ/4. pode-se deslocar ca ` e a admitˆncia normalizada do ponto P1 para o ponto P3 ou P4.13. o casamento ´ alcan¸ado introduzindo-se o toco 1 em aberto e c a e com comprimento lt1 = 0.10a) com impedˆncia e a equivalente igual a impedˆncia de sa´ deste. Observe que. uma a ` a vez que se caminhou λ/4 na linha de transmiss˜o em dire¸˜o ao gerador. uma vez que o toco 1 s´ eliminar´ a parte imagin´ria desta admitˆncia. antes da introdu¸˜o do toco 1. Isto significa dizer que a introdu¸˜o de um toco no plano B nunca levaria ca a admitˆncia a circunferˆncia de casamento (a 90◦ ) indicada na Carta.10a) a admitˆncia normalizada igual a impedˆncia zL (Ponto P1). por exemplo. ´ de 90 no sentido anti-hor´rio porque se caminhou sobre e um trecho de linha de λ/8 em dire¸˜o a carga. a ` e torna-se necess´rio a introdu¸˜o de um terceiro toco no plano z = 0. Casamento com Trˆs Tocos e Trechos de Linha e Escolhendo-se. se fosse escolhido o ponto P4. n˜o haveria necessidade de um sea gundo toco no plano A. cuja a susceptˆncia normalizada ´ +2. neste caso. alterando-se apenas a a parte imagin´ria desta admitˆncia.11. 176λ. como mostrado a ca na Figura 4. a ca pode ser qualquer ponto sobre a circunferˆncia que passa pelo ponto de admitˆncia e a normalizada igual a 1.4. O objea ca tivo ´ chegar aos terminais do gerador (plano A na Figura 4. Tente.13 Casamento com Trˆs Tocos e Trechos de Linha e Se no exemplo anterior a impedˆncia normalizada da carga tivesse parte real maior a que 2. isto equivale ao e ponto P5. sem a introdu¸˜o a do toco 1. verifica-se que o valor da susceptˆncia normalizada necess´ria ´ de a a e +1. A admitˆncia equivalente normalizada no plano A. no caso 50Ω (zg = 1). como mostrado na Figura e ◦ a 4. o ponto marcado na Carta estaria dentro da circunferˆncia de parte real igual e a 2. tem que ter parte a ca real igual a 1. tem-se no plano z = l2 (plano B na Figura 4.

4 0. O transformador .CAP´ ıTULO 4.152 λ P4 0 0. P2.6 0. P3. Linhas de Transmiss˜o a 88 lT1 =0.8 -1 Figura 4.8 1 1. Esse e e transformador ´ na realidade um trecho de linha de comprimento l = λ/4 onde a e impedˆncia equivalente no plano z = l ´ dada por (4.2 0. a impedˆncia a e a caracter´ ıstica ´ obtida de e Zo = ZL Zeq (4. a y3 = 1 + j2.4 -0.11: Casamento com dois tocos e trechos de linha l1 = λ/8 e l2 = λ/4.2 l T2 =0.2 para confeccionar uma linha de microfita que atue como um transformador de λ/4.6 possíveis valores de admitância no plano B antes da introdução do toco 2 -1. 73 − j 0. 44. Em alguns casos. onde P1.5 Utilize a placa de circuito impresso do Exemplo 4.4 8 P5 -0. Um exemplo muito comum deste tipo de t´cnica ´ o transformador de λ/4. y4 = 1 e y5 = 1 − j2. e Exemplo 4. 4.14 Casamento com Transformador Nas se¸˜es anteriores foram abordadas t´cnicas de casamento de impedˆncia onde o co e a casamento entre um gerador e uma impedˆncia de carga ´ alcan¸ado ajustando-se a e c os comprimentos de tocos e trechos de linha.176 λ 0.8 1 1.85).4 P3 0.6 0. P4 e P5 s˜o respectivamente zL = y1 = 1 + j0. y2 = 0.2 -0. o casamento pode ser obtido fixando o comprimento do trecho e variando-se a impedˆncia caracter´ a ıstica. 6.89) Note que os valores da impedˆncia do gerador e da carga tˆm que ser reais para que a e a impedˆncia caracter´ a ıstica tamb´m seja.4 0.4 possíveis valores de admitância no plano A antes da introdução do toco 1 P1 P2 -0. Sendo assim.

Casamento com Transformador deve ser usado para casar a impedˆncia de uma antena de 300 Ω com a equivalente a de 50 Ω do conjunto cabo-receptor que opera em 200MHz. ca a √ Zo = 300 × 50 = 122. 39 × 2 mm = 0. Solu¸˜o: A impedˆncia da linha deve ser. 04 × (1 − 0. neste caso. 5 3+1 3−1 + 2 3+1 0. ca ef = 2 + (1 + 12 × 0. 39)2 2. 23 + 0. ou seja. 785 mm O comprimento da linha de microfita ´ dado por e 1.14.49).89 4. 11 3 3. 43 . w pois A= 50 122. 43 sendo ef obtido pela equa¸˜o (4. 39)−1/2 + 0. 5 λo = 241mm = √ l= √ 4 ef 4 2. 02 eA 8 − 2 e−3A h = 0. 5 Ω e sua largura.

-1 0.8 0. P .6 0. 0. A .35 0.12 0.4 0.4 12 0 110 0.4 1.0 15 0.22 0.8 -25 44 4 0.5 <— EM DIRECAO AO GERADOR 2 1 2 2 3 3 2.99 1.37 0.4 0.5 0.13 0.9 2 Figura 4.11 -100 0.6 1.15 0.0 0 -5 5 -4 PARAMETROS MEDIDOS RADIALMENTE R BS B] .2 9 0.2 1.1 0. 06 31 0. 8 0.5 0.4 0.14 0.1 10 20 10 15 10 0 1 0.4 0.4 2 9 1 0.8 1 1.0 0.8 2. S D ER dB N N (C E R DA ] SM SM O N FL S S ..9 6 7 0.2 1.5 0.47 —> 0.6 0.25 0.0 5. 50 20 10 -15 4. 40 4 5.1 0.4 0. C O EF .8 1.39 0.6 3 1.8 1. R L.0 8 0.39 100 0.6 0.2 20 0.6 1.7 0.4 1.13 0. I O 0.4 85 6 15 0 80 REA TA NC IA IN DU TI VA 1.26 0. 19 0.0 0.4 75 — 0.4 0.1 60 55 0.3 5 5 6 4 0.37 0.8 5 1.2 30 9 1 0.1 0.4 1 9 CA PA CI TI VA -12 0 0.7 1. T S.01 0.6 0.O U 0.3 3 0.4 0.6 0.1 0 -5 -6 5 0.12 0.23 ENTE DE REFLEXAO 0.2 -55 1.8 0. P r I SW d . RT EF RF S A CO EF.27 0.0 160 4 -90 90 0.0 0.2 -10 8 0. 44 Yo) B/ (+j VA ITI AC P CA 30 1.0 8 0.0 0.11 0.0 5 SU A CI N TA EP SC 0.0 0.W or P) B] .2 -90 0.28 1 -30 0. Linhas de Transmiss˜o a 90 0.6 A EM OND 0.25 0.2 1. .26 0.05 0.2 0.14 -80 -4 0 0.3 3 2.3 1.8 3 0.9 20 10 20 15 2 0.07 3 0.7 0.3 C PI PE C A O T EF CO RD EF EN .6 0.5 1.3 0.1 0.3 50 25 8 0.2 20 10 0.9 1.4 2 (-j X/ Zo ).28 5. O RD C PE 100 40 40 30 0 1 1 0.4 3 2 1.6 0.3 3 1.48 180 AD 170 -170 OR 0.5 0.22 0.0 7 -1 30 0.47 A TIV DU IN <— -80 4 0.36 0.7 5 4 10 4 0.CAP´ ıTULO 4. DE O 0.9 90 1.2 5 0.1 0..2 1.8 0. E o N .6 0 .3 0.4 0 13 65 0.35 50 45 0.2 0.0 1.0 1.5 0.0 0.1 0.0 4.1 0.5 19 0.3 2 8 0.1 6 -35 -70 0.8 1.3 -15 6 -75 .49 AO A CA AO DIREC GER 0.3 0.1 1. DE MP CO -160 ) /Yo (-jB -85 1.0 0.7 0.48 . [d FL . 2.6 3.1 7 -30 -60 1.2 0.2 20 0.4 0.36 0.2 2 0.0 80 1.2 1. [d .5 8 2 6 8 9 10 0.4 0.1 1 1 30 1 1 0 0 0 0 1 15 EM DIRECAO A CARGA —> 10 7 5 4 1.4 35 7 0.7 0.3 -4 0 0.12: Carta de Smith.9 CENTRO 1 1.23 0.9 1.0 0.1 0.1 0.7 1.3 0.4 4 4 3 0. E P ST.4 0.7 1. [ RA W.9 2 0.1 0.24 0.24 0. 4 5 0. 0.2 0.2 3 0.2 0.27 O COEFICI EM GR ULO D AUS ANG EFICIENTE DE TRANSMISSAO E DO CO M GR ULO AUS ANG 10 0.0 0.8 0.4 40 (+ jX /Z o) . 31 .9 1.8 1.1 20 50 -20 0.T RA 0.5 0.6 4 12 14 1.2 0.2 0.4 0.0 3.95 0.0 ORIGEM 0.2 40 0.1 1.38 0.49 NDA E M DI REC 0.4 -110 RE AT AN CI A 0.0 4. .6 0.7 70 1.15 0.0 RGA<— AO 0.0 -20 3.0 > COMP.2 0.5 1.0 10 20 50 RESISTENCIA (R/Zo) OU CONDUTANCIA (G/Yo) 0.3 1.5 0.1 0.4 1.6 -60 1.3 1.6 60 0.4 0.8 0.38 0.4 1.6 5 0.3 4 6 0.8 0.8 0. 70 14 0 0.6 1.4 06 -70 0.0 0.0 IA NC TA EP SC U S 0 0.05 U O 5 0 0.8 2.3 0..

matriz admitˆncia.Cap´ ıtulo 5 Parˆmetros de Espalhamento a 5. ou quadripolo. assim como aqueles constitu´ ıdos por N portas.1: Dispositivo de duas portas ou quadripolo.1) Y= . sendo identificadas as tens˜es aplicadas e as correntes que entram nas portas 1 e 2. matriz impedˆncia.1 Dispositivos de Duas Portas A Figura 5. 91 .1 mostra um dispositivo de duas portas. o Estes dispositivos. podem ser caracterizados a partir das matrizes relacionadas abaixo: Z= Z11 Z12 Z21 Z22 Y11 Y12 Y21 Y22 . a (5.2) I1 I2 V1 1 2 V2 Figura 5. a (5.

Parˆmetros de Espalhamento a 92 H= T= h11 h12 h21 h22 A B C D .8) (5.CAP´ ıTULO 5. matriz transmiss˜o.15) (5. ´ obtida fazendo-se a e Z11 = V1 |I =0 = −j Zo cotg ∆φ I1 2 V1 Zo |I1 =0 = −j I2 sen ∆φ V2 Zo |I2 =0 = −j I1 sen ∆φ (5.4) .6) (5.7) (5.12) (5. como aquela mostrada na Figura ca a 5.5) (5. a As matrizes acima est˜o respectivamente associadas aos sistemas de equa¸˜es: a co V1 = Z11 I1 + Z12 I2 V2 = Z21 I1 + Z22 I2 I1 = Y11 V1 + Y12 V2 I2 = Y21 V1 + Y22 V2 V1 = h11 I1 + h12 V2 I2 = h21 I1 + h22 V2 e V1 = A V2 + B I2 I1 = C V2 + D I2 (5.16) Z12 = Z21 = Z22 = V2 |I =0 = −j Zo cotg ∆φ I2 1 .11) (5. (5.9) (5. matriz h´ ıbrida.3) (5. utilizando-se a matriz de impedˆncia.14) (5.2.13) (5.10) A caracteriza¸˜o de uma linha de transmiss˜o.

A Figura 5. Parˆmetros de Espalhamento a I1 I2 V1 Z (a) I1 I2 V2 V1 Zo V2 ∆φ = β l (b) Figura 5. projetados para trabalharem em altas freq¨ˆncias. S= est´ relacionada com o sistema abaixo: a b1 = S11 a1 + S12 a2 (5.17) .3 mostra um dispositvo de duas portas com a representa¸˜o das ondas incidentes ca e refletidas. Esta matriz ue e relaciona as ondas que incidem e refletem nas portas desses dispositivos.2.2 Parˆmetros de Espalhamento a Para se caracterizar dispositivos de duas ou mais portas. a 5.93 5. ´ utilizada a matriz de espalhamento.18) S11 S12 S21 S22 (5. A matriz de espalhamento. (b) Linha de transmiss˜o.2: (a) Quadripolo caracterizado pela matriz Z.

CAP´ ıTULO 5. Parˆmetros de Espalhamento a

94

a1

a2

b1

S

b2

Figura 5.3: Quadripolo caracterizado por uma matriz S.

b2 = S21 a1 + S22 a2

(5.19)

ızes quadradas das ondas de potˆncia incidentes e refletidas, e sendo ai e bi as ra´ respectivamente. Portanto, V+ a1 = √1 Zo V a2 = √ 2 Zo V− √1 b1 = Zo e V+ √2 b2 = Zo (5.23) (5.20)

(5.21)

(5.22)

e a ıstica das linhas de transmiss˜o conectadas as portas. a ` onde Zo ´ a impedˆncia caracter´ Logo, podemos tamb´m escrever e V1 = S11 V e V2+ = S21 V
+ 1 + 1

+ S12 V2

(5.24)

+ S22 V2

(5.25)

95

5.2. Parˆmetros de Espalhamento a

O parˆmetro de espalhamento de uma determinada porta ´ obtido quando as a e outras portas se encontram casadas. Nesta condi¸˜o, para um sistema de duas ca portas, tˆm-se: e S11 = S12 = S21 V1 |V =0 V+ 2 1 V1 | + V2 V 1 =0 (5.26) (5.27)

V2+ = + |V2 =0 V1 V2+ | + V2 V 1 =0

(5.28)

S22 =

(5.29)

Exemplo 5.1 Determine os parˆmetros de espalhamento para 10 metros de cabo a coaxial de 75Ω operando na freq¨ˆncia de 1GHz. A permissividade relativa do cabo ue ´ igual a 4 e o fator de atenua¸˜o 0,5dB/m. e ca

Solu¸˜o: Como foi dito anteriormente, a medi¸˜o do parˆmetro de espalhamento ca ca a numa das portas de um dispositivo ´ obtida quando as demais portas se encontram e casadas. No caso de uma linha de transmiss˜o, os parˆmetros S11 e S22 correspondem a a aos coeficientes de reflex˜o medidos nos terminais da linha, quando a mesma ´ a e terminada com uma impedˆncia de mesmo valor de sua impedˆncia caracter´ a a ıstica. Portanto, 75 − 50 = 0, 2 ∠ 0◦ S11 = S22 = 75 + 50 Note que 50Ω ´ a impedˆncia dos equipamentos utilizados no processo de medi¸˜o. e a ca Em geral, os parˆmetros de espalhamento s˜o medidos com equipamentos que posa a suem esta impedˆncia. a a Os parˆmetros S12 e S21 est˜o relacionados com as perdas e defasagem introa duzidas pela linha de transmiss˜o, isto ´, a e S21 = S12 = Como α = αdB /8, 686 = 0, 5/8, 686 = 0, 0576 Np/m ⇒ (1 − 0, 2) e−10α = 0, 45 τ Vo e−γl V (l) = = τ e−αl e−jβl V (0) Vo

CAP´ ıTULO 5. Parˆmetros de Espalhamento a

96

e

√ 2π β= λo

r

=

4π = 42 rd/m ⇒ φ = −βl = −420 0, 3 S21 = S12 = 0, 45 ∠ 55, 8◦

55, 8◦

ent˜o a

Note que S11 = S22 e S21 = S12 , pois uma linha de transmiss˜o ´ um dispositivo a e sim´trico. e

5.3

Caracteriza¸˜o de Transistores ca

V´rios dispositivos para aplica¸˜o em alta freq¨ˆncia s˜o caracterizados em fun¸˜o a ca ue a ca dos parˆmetros S, principalmente dispositivos ativos, como transistores. A detera mina¸˜o dos parˆmetros de espalhamento de um dispositivo de duas portas ´ obtida ca a e a partir de medi¸˜es feitas num equipamento denominado Analisador de Redes de co Duas Portas (Network Analizer ). Para se projetar, por exemplo, um amplificador de alta freq¨ˆncia ´ necess´rio se ue e a ter em m˜o as caracter´ a ısticas do transistor a ser empregado no circuito. Um exemplo t´ ıpico de caracter´ ısticas fornecidas pelos fabricantes ´ apresentado nas Tabelas 5.1 e e 5.2. O parˆmetro K est´ relacionado com a estabilidade do transistor e pode ser a a obtido a partir de [8][36] K= sendo ∆ = S11 S22 − S12 S21 (5.31) 1 + |∆|2 − |S11 |2 − |S22 |2 2 |S12 S21 | (5.30)

Tabela 5.1: Caracter´ ısticas b´sicas do transistor de efeito de campo NE32984D da a NEC. Os valores foram obtidos para Vds = 2V e Id = 10mA. f K Gms Ga Fm Rn ρo GHz dB dB dB 2 0,13 22,0 20,0 0,29 0,30 0,85 ∠ − 20◦ 4 0,31 19,4 18,3 0,30 0,28 0,75 ∠ − 41◦ 6 0,58 18,2 16,5 0,31 0,20 0,68 ∠ − 63◦ 8 0,69 17,4 15,0 0,34 0,13 0,61 ∠ − 86◦ 10 0,86 16,8 13,6 0,37 0,09 0,56 ∠ − 111◦

97

5.3. Caracteriza¸˜o de Transistores ca

Tabela 5.2: Parˆmetro de espalhamento do transistor de efeito de campo NE32984D a da NEC. Os valores foram obtidos para Vds = 2V e Id = 10mA. f S11 S12 S21 S22 GHz 2 0,984 ∠ − 26, 4◦ 0,029 ∠ 66, 4◦ 4,583 ∠ 146, 9◦ 0,549 ∠ − 32, 0◦ 4 0,919 ∠ − 52, 8◦ 0,050 ∠ 47, 9◦ 4,332 ∠ 114, 3◦ 0,481 ∠ − 64, 5◦ 6 0,816 ∠ − 75, 5◦ 0,060 ∠ 31, 2◦ 3,923 ∠ 84, 4◦ 0,418 ∠ − 99, 8◦ ◦ ◦ ◦ 8 0,759 ∠ − 95, 9 0,066 ∠ 21, 7 3,659 ∠ 57, 1 0,382 ∠ − 132, 6◦ 10 0,689 ∠ − 116, 2◦ 0,071 ∠ 16, 0◦ 3,375 ∠ 30, 1◦ 0,368 ∠ − 163, 0◦

O dispositivo ´ absolutamente est´vel quando K > 1. Neste caso, o ganho e a m´ximo dispon´ ´ obtido, para o sistema amplificador casado, a partir de a ıvel e Gma = √ |S21 | (K − K 2 − 1) |S12 | |S21 | |S12 | (5.32)

O ganho m´ximo est´vel ocorre quando K = 1, isto ´, a a e Gms = (5.33)

Uma an´lise de estabilidade deve ser feita quando K < 1. Os coeficientes de reflex˜o a a ca em dire¸˜o a fonte (ρs ) e em dire¸˜o a carga (ρL ) devem ser calculados de forma a ca manter o transistor num ponto de opera¸˜o est´vel. ca a a e ıdo Os parˆmetros Fm e Rn s˜o, respectivamente, a figura e a resistˆncia de ru´ a do transistor. A figura de ru´ de um sistema amplificador de um est´gio ´ obtida ıdo a e a partir de [33][21] F = Fm + 4Rn |ρs − ρo |2 |1 + ρo |2 1 − |ρs |2 (5.34)

sendo ρo o coeficiente de reflex˜o otimo “visto” em dire¸˜o a fonte. a ´ ca ıvel ıdo Finalmente, o parˆmetro Ga se refere ao ganho dispon´ para a figura de ru´ a m´ ınima. Exemplo 5.2 Determine o fator de estabilidade e os ganhos m´ximo dispon´ e a ıvel est´vel para o transistor ATF21186 da HP. O transistor, quando polarizado com a ı Vds = 2V e Ids = 10mA a 8GHz, possui as seguintes caracter´sticas: Fm = 0, 97 ◦ ◦ dB, Rn = 0, 873, ρo = 0, 86 ∠ − 88 , S11 = 0, 801 ∠ 77 , S21 = 0, 842 ∠ − 51◦ ,

CAP´ ıTULO 5. Parˆmetros de Espalhamento a

98

S12 = 0, 157 ∠ − 47◦ e S22 = 0, 595 ∠ 78◦ . Qual deve ser a figura de ru´do de um ı amplificador com ρs = 0? Solu¸˜o: Para se determinar o fator de estabilidade ´ necess´rio calcular primeiro ca e a o m´dulo do determinante da matriz de espalhamento, ou seja, o |∆| = |S11 S22 − S12 S21 | = 0, 531 1 + 0, 5232 − 0, 8012 − 0, 5952 = 1, 08 2 × 0, 132 e o ganho m´ximo dispon´ a ıvel, K= Gma = 0, 842 (1, 08 − 0, 157 1, 082 − 1) = 3, 595 (5,6 dB) Logo,

enquanto que o ganho est´vel ´ fornecido por a e Gms = 0, 842 = 5, 363 (7,3 dB) 0, 157

e Finalmente, a figura de ru´ de um amplificador com ρs = 0 ´ dada por ıdo F = 1, 25 + 4 × 0, 873 × 0, 862 = 2, 684 (4,3 dB) 1, 3422

5.4

Amplificador de um Est´gio a

Um amplificador de um est´gio ´ mostrado na Figura 5.4 e Figura 5.5. Esta reprea e senta¸˜o n˜o apresenta os componentes referentes ao circuito de polariza¸˜o do tranca a ca sistor. O projeto do amplificador, para um transistor incondicionalmente est´vel, a se resume no casamento ou otimiza¸˜o de impedˆncia do transistor com a carga ca a e fonte. Esta otimiza¸˜o ´ obtida atrav´s dos circuitos de casamento de sa´ e ca e e ıda entrada, como apresentado na Figura 5.5. Contudo, na pr´tica, o projeto de um a amplificador exige, em geral, um compromisso entre estabilidade, baixo ru´ e maxıdo imiza¸˜o de ganho. Neste caso, o projeto demanda um pouco mais de trabalho e ca conhecimento detalhado da teoria de circuitos de alta freq¨ˆncia. ue O ganho de potˆncia dispon´ de um amplificador ´ dado por e ıvel e Gp = PL Pin (5.35)

99

5.4. Amplificador de um Est´gio a

V1+ Zs

V2-

V1-

V2+

ZL

ρ in

ρ out

Figura 5.4: Amplificador utilizando um transistor de efeito de campo (FET).

V1+ Zs
Circuito de Casamento de Entrada

FET

V2-

V1

-

V2

+

Circuito de Casamento de Saída

ZL

ρs

ρL

Figura 5.5: Amplificador de um est´gio. a

CAP´ ıTULO 5. Parˆmetros de Espalhamento a

100

sendo PL a potˆncia dispon´ para a carga e Pin a potˆncia na entrada do transistor. e ıvel e Por sua vez, a potˆncia entregue a carga (circuito de sa´ e ZL ) pode ser obtida de e ` ıda V+ 1 ∗ PL = Re {VL IL } = 2 2 2Zo
2

1 − |ρL |2

(5.36)

pois a tens˜o nos terminais de sa´ do transistor ´ dada por a ıda e VL = V2+ + V2− = V2+ (1 + ρL ) e a corrente por IL = V2+ − V2− V+ = 2 (1 − ρL ) Zo Zo (5.38) (5.37)

A potˆncia na entrada do transistor ´ obtida de forma semelhante e seu valor ´ e e e fornecido por V1+ Pin = 2Zo Portanto, Gp = V2+ V1+
2 2 2

1 − |ρin |2

(5.39)

1 − |ρL |2 1 − |ρin |2

= |τ21 |

2

1 − |ρL |2 1 − |ρin |2

(5.40)

O coeficiente de reflex˜o na entrada do transistor pode ser obtido a partir das a equa¸˜es (5.24) e (5.25), isto ´, co e V1− S12 S21 ρL ρin = + = S11 + 1 − S22 ρL V1 e o coeficiente de transmiss˜o por a τ21 = V2+ S21 + = 1 − S22 ρL V1 (5.42) (5.41)

Sendo assim, o ganho de potˆncia, fornecido pela equa¸˜o (5.40), pode ser reescrito e ca como Gp = onde |S21 |2 1 − |ρL |2 |1 − S22 ρL |2 − |S11 − ρL ∆ |2 (5.43)

ca a O ganho m´ximo ´ obtido quando ρL = ρ∗ . pr´-amplificadores tˆm que ter a menor figura de ru´ ca e e ıdo poss´ ıvel. ´ ent˜o Ys = Gs + jBs = 0. 17 Ω Zs = Z o 1 − ρs A admitˆncia..101 5.. 97dB.44) Exemplo 5. A impedˆncia equivalente nos terminais de entrada do FET. Amplificador de um Est´gio a ρL = ZL − Zo ZL + Z o (5. 75 − j51. F1 ´ a figura de ru´ do primeiro est´gio ou pr´-amplificador e Gi o e ıdo a e ganho do i-´simo est´gio. 003 125 Ω e a imagin´ria a partir de um toco com a Yt1 = jBs = j Yo2 tg β lt1 ou seja. de forma que. ıdo F = F1 + F2 − 1 F3 − 1 + + . 02 S. G1 G1 G2 seja m´ ınima. na equa¸˜o (5. a impedˆncia de a e out sa´ do transistor est´ casada com a impedˆncia de carga atrav´s do circuito de ıda a a e sa´ ıda. a figura de ru´ m´ ue ıdo ınima ´ atingida quando ρs = ρo = e ◦ ca a 0. 155 − j1. e a Na freq¨ˆncia desejada. Seu valor ´ fornecido por e Zout = Zo 1 + ρout = 11. a e a pode-se obter a parte real atrav´s de um transformador de λ/4 com impedˆncia e a caracter´ ıstica dada por Zo1 = Zs Zg = 1 × 50 0.2 para projetar o pr´-amplificador e de um LNA (Low Noise Amplifier/Amplificador de Baixo Ru´ ıdo) na freq¨ˆncia de ue 8GHz e impedˆncias de entrada e sa´da iguais a 50Ω. Zo2 = 1/Yo2 = 50Ω. Sendo assim. 003 + j0. Nesta condi¸˜o. 86 ∠ − 88 . Qual o ganho m´ximo de a ı a potˆncia deste est´gio amplificador? e a Solu¸˜o: Como se sabe. neste caso. 43 + j38.3 Utilize o transistor do Exemplo 5. 023) = 7. “vista” em dire¸˜o ao gerador. 82 Ω 1 − ρout . para lt1 = λ/8. ´ ca e obtida utilizando-se Zs − Zo ρs = Zs + Z o ou seja.4. 1 + ρs = 50 × (0. tal que a figura de ru´ total [33][21]. F = Fm = 0.34).

735 − = S22 + 1 − S11 ρs V2 Sendo assim.5 dB) (5.45) O circuito pr´-amplificador ´ mostrado na Figura 5. tˆm-se l2 = 0. 549 (5.CAP´ ıTULO 5. 163 + j0. 43 + j38. Parˆmetros de Espalhamento a 102 onde ρout ´ obtido. o circuito de sa´ tem que casar Zout = 11. As linha s˜o do tipo microfita a .97dB.5dB e figura de ru´ e e ıdo igual a 0. Mais uma vez. 066λ. 82 Ω com ZL = ıda 50Ω. O ganho ılio e m´ximo de potˆncia ´ ent˜o a e e a Gp = |S21 |2 1 − |ρ∗ |2 out |1 − S22 ρ∗ |2 − |S11 − ρ∗ ∆ |2 out out = 3. atrav´s de e ` e ρout = V2+ S12 S21 ρs = −0.6: Pr´-amplificador com ganho de potˆncia igual a 5. 335λ e lt2 = 0. e e Zs linha 1 FET linha 2 toco 1 toco 2 ZL Figura 5. com o aux´ da Carta de Smith.6. de maneira semelhante a (5. utilizando-se as t´cnicas de casamento apresentadas no Cap´ e ıtulo 4.41).

103 . s˜o apresentados na Se¸˜o 6.1 Introdu¸˜o ca Assim como as linhas de transmiss˜o. Por´m. N˜o ´ possivel fazer uma an´lise em termos de circuitos e e a e a el´tricos. vale a ca e a pena salientar que ´ poss´ se obter estes campos diretamente das equa¸˜es de e ıvel co Maxwell. a a a e Por outro lado. Os guias ca c s˜o estruturas met´licas cil´ a a ındricas ocas que.1. pois n˜o se sabe como est´ distribu´ a corrente no unico condutor externo e a a ıda ´ que comp˜e o guia. circular ou el´ ıptica. como mostra a Figura 6. uma vez que eles n˜o s˜o preenchidos por diel´tricos. na pr´tica.2 os potenciais vetores de Hertz [7]. o Para auxiliar a determina¸˜o dos campos eletromagn´ticos que se propagam num ca e guia. partindo-se das equa¸˜es de onda envolvendo os came co pos el´trico e magn´tico. A vantagem dos guias est´ a no fato das perdas ao longo de seu comprimento serem menores que aquelas oferecidas por linhas de transmiss˜o.Cap´ ıtulo 6 Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 6. pois as suas dimens˜es dependem da freq¨ˆncia o ue m´ ınima de propaga¸˜o das ondas no interior destes. os guias de onda s˜o dispositivos utilizados a a para o transporte de energia e informa¸˜o de um ponto a outro no espa¸o. a an´lise de a a propaga¸˜o de ondas eletromagn´ticas em guias de ondas s´ pode ser feita atrav´s ca e o e da teoria eletromagn´tica. ca Diferentemente do que foi visto no estudo de linhas de transmiss˜o. tˆm se¸˜o transversal rea e ca tangular. os guias de onda s´ podem ser empregados em freq¨ˆncias altas o ue (a partir da faixa de microondas).

6.3) Portanto. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 104 l l (a) 2a l b (c) a b (b) a Figura 6.2) (6. os campos el´trico e magn´tico satisfazem as c e e e equa¸˜es de Maxwell co ∇·E=0 e ∇·H=0 (6.1). Sabe-se da an´lise vetorial que campos vetoriais obedecem co a a seguinte condi¸˜o ca ∇·∇×F≡0 assim como uma fun¸˜o potencial φ qualquer satisfaz ca ∇ × ∇φ = 0 (6.1) Num espa¸o livre de cargas el´tricas. pode-se escrever os vetores campo el´trico e campo magn´tico em fun¸˜o e e ca de potenciais que obde¸am a identidade (6. os potenciais vetores de Hertz e a a ca el´trico Πe e magn´tico Πh s˜o grandezas matem´ticas que auxiliam na resolu¸˜o e das equa¸˜es de onda [7].CAP´ ıTULO 6. c e . isto ´. (b) retangular.2 Potenciais Vetores de Hertz Assim como os potenciais de retardo A e F [2].1: Tipos de guias: (a) cil´ ındrico circular.4) (6. (c) el´ ıptico.

9) (6.5) (6.6) (6. H = k 2 Πh ou de uma forma geral H = k 2 Πh + ∇φh Substituindo-se (6.13) (6.10) (6. possibilita a determina¸˜o de E atrav´s de (6.10) na equa¸˜o de Maxwell ca ∇ × E = −jωµ H tem-se ∇ × ∇ × Πh = k 2 Πh + ∇φh ou ∇ (∇ · Πh ) − ∇2 Πh = k 2 Πh + ∇φh Impondo-se a condi¸˜o de Lorentz ca φh = ∇ · Πh obt´m-se e ∇2 Πh + k 2 Πh = 0 (6.15) fornece a express˜o do potencial vetor de ca ca a Hertz magn´tico que.15) A solu¸˜o da equa¸˜o diferencial (6.7) (6.8) (6.2.5) na equa¸˜o de Maxwell ca ∇ × H = jω E tem-se ∇ × H = k 2 ∇ × Πh Logo. por sua vez.11) (6.12) (6.5) e (6.5) e ca e e H a partir de .105 6. Potenciais Vetores de Hertz E = −jωµ∇ × Πh e H = jω ∇ × Πe Substituindo-se (6.14) (6.

22) pode-se determinar a express˜o do campo magn´tico ca a e atrav´s de (6.23) 6. E = k 2 Πe + ∇φe Substituindo-se (6.21) (6.17) A partir da solu¸˜o de (6. n˜o tem condi¸˜es de existir isoladamente.16) De forma semelhante.22) (6.3 Modos de Propaga¸˜o num Guia ca Foi visto nos cap´ ıtulos anteriores que uma onda propagando-se no espa¸o-livre tem c campo el´trico e magn´tico transversais ou ortogonais a dire¸˜o de propaga¸˜o.18) em (6. isto e e ` ca ca ´.CAP´ ıTULO 6. a propaga¸˜o ´ tamb´m do tipo TEM. tem-se ∇ × ∇ × Πe = k 2 Πe + ∇φe ou ∇ (∇ · Πe ) − ∇2 Πe = k 2 Πe + ∇φe Impondo-se a condi¸˜o de Lorentz ca φe = ∇ · Πe obt´m-se e ∇2 Πe + k 2 Πe = 0 (6.7). nos guias de onda.6) e a do el´trico a partir de e e E = k 2 Πe + ∇ (∇ · Πe ) = ∇ × ∇ × Πe (6. ∇ × E = k 2 ∇ × Πe ou.6) e (6. Numa linha de transe e e e miss˜o constitu´ de condutores perfeitos.6) em (6. ou seja. de uma forma geral. ou ca a e melhor.20) (6. a ıda ca e e Entretanto. o modo de propaga¸˜o TEM n˜o ´ suportado.11).18) (6. pode-se obter a equa¸˜o diferencial que fornece a express˜o ca a ca do potencial vetor de Hertz Πe a partir da substitui¸˜o de (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 106 H = k 2 Πh + ∇ (∇ · Πh ) = ∇ × ∇ × Πh (6. a onda ´ dita TEM (transversal el´trica e magn´tica).19) (6. A onda que se propaga num a co guia pode ser considerada como uma combina¸˜o linear de frentes de ondas TEM ca .

4 mostra um guia e e retangular sendo excitado por um cabo coaxial terminado numa sonda. pois o campo magn´tico ca ca e circulante est´ totalmente transversal a dire¸˜o de propaga¸˜o. e a e O modo de propaga¸˜o num guia de onda depende do tipo de excita¸˜o. Enquanto aquelas com componentes de e campo magn´tico transversal s˜o denominadas de onda TM (transversal magn´tico). A excita¸˜o de guias pode ser feita e ca atrav´s de sondas ou acoplamento eletromagn´tico. J´ as Figuras 6. de como a onda ´ injetada neste.4c e 6. enquanto e ca o campo magn´tico pr´ximo circula a mesma. a sonda radia ondas eletromagn´ticas que se propagam no ca e modo TE.4b que a sonda ´ reta e est´ colocada numa das paredes laterais e a do guia. diz-se que a onda se e a ` ca ca propaga no modo TE (transversal el´trico). A Figura 6.107 6. ou ca ca melhor. Observa-se nas Figuras 6. que sofrem m´ltiplas reflex˜es ao longo das paredes deste. Modos de Propaga¸˜o num Guia ca E1 k1 TEM 1 H1 k2 E H k TE + E2 H2 TEM 2 = caminho da fente de onda 2 frente de onda TEM 2 sonda frente de onda TEM 1 caminho da fente de onda 1 Figura 6. Quando todas as componentes ca do campo el´trico s˜o transversais a dire¸˜o de propaga¸˜o. Nesta posi¸˜o.2: Ondas Transversal El´trica (TE).3.3.4a e 6. O resultado desta comu o bina¸˜o de frentes TEM s˜o ondas que possuem componentes de campo na dire¸˜o de ca a ca propaga¸˜o. resultado da combina¸˜o de duas e ca frentes de onda TEM.4d mostram e o a uma excita¸˜o que favorece a propaga¸˜o do modo TM. O vetor campo el´trico tem a mesma dire¸˜o da sonda reta. como mostrado nas Figuras 6.2 e 6. a ` ca ca .

4. o potencial vetor magn´tico ´ escrito como ca e e Πh = Πh az (6. resolve-se apenas as equa¸˜es de Helmholtz para se obter as express˜es dos a co o campos em qualquer ponto do espa¸o interno do guia. inevitavelmente. Como foi dito anteriormente.4 Campos num Guia de Onda Para se obter as express˜es dos campos el´trico e magn´tico dentro de um guia de o e e onda ´ necess´rio se utilizar as equa¸˜es de Maxwell.CAP´ ıTULO 6. ca co ca e o ent˜o. Portanto. 6. o e 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 108 H1 k1 TEM 1 E1 k2 H E2 E k TM + H2 = TEM 2 caminho da fente de onda 2 frente de onda TEM 2 sonda frente de onda TEM 1 caminho da fente de onda 1 Figura 6.3: Ondas Transversal El´trica (TM). c estas express˜es podem ser obtidas atrav´s dos potenciais vetores de Hertz.1 Modo Transversal El´trico e Sabe-se que. uma das componentes do campo magn´tico ca e est´ alinhada com a dire¸˜o de propaga¸˜o. a e a co ` resolu¸˜o das equa¸˜es de onda.24) . Se a varia¸˜o dos campos no tempo ´ harmˆnica. resultado da combina¸˜o de duas e ca frentes de onda TEM. pode-se associar essa compoa ca ca nente com o potencial vetor de Hertz do tipo magn´tico. no modo de propaga¸˜o TE. No caso de um guia cujo e comprimento coincide com a dire¸˜o z. que levam.

ent˜o.15) tem que ser do tipo Πh = Πh az = ψh (x.16) fornece as componentes transversais e na dire¸˜o de a ca ca propaga¸˜o.27) . os campos el´trico e magn´tico no interior do guia podem ser obtidos e e respectivamente de (6. ´ necess´rio primeiro determinar a express˜o do potencial ca e a a ca a vetor Πh a partir de (6.4.15).16). a solu¸˜o de (6. modo TM.5) e (6. J´ a equa¸˜o (6. Observe que as express˜es obtidas de (6. Lembrando-se que o ca Laplaciano em coordenadas retangulares ´ e ∇2 Πh = ∂ 2 Πh ∂ 2 Πh ∂ 2 Πh + + ∂x2 ∂y 2 ∂z 2 (6. Considerando que a propaga¸˜o da onda se d´ no + ca sentido z . ∇2 Πh = ∂ 2 Πh ∂ 2 Πh + + γ 2 Πh = ∇2 Πh + γ 2 Πh = 0 t ∂x2 ∂y 2 (6. Portanto.25). (a) corte ca transversal e (b) corte longitudinal. y) e−γ z az (6. y) uma fun¸˜o que representa a varia¸˜o transversal do potencial vetor e γ = α + jβ a constante de propaga¸˜o da onda no guia.109 6. Campos num Guia de Onda Linha Coaxial b Sonda a l (a) Ht (b) b Sonda a l (c) (d) Figura 6.25) ca ca sendo ψh (x. confirmando que o modo de propaga¸˜o ´ do ` ca ca ca e tipo TE.4: Guia retangular com excita¸˜o para operar no: modo TE. Entretanto.26) e a e como Πh ´ dado por (6. (c) corte transversal e (d) corte longitudinal.5) s˜o o a ortogonais a dire¸˜o de propaga¸˜o.

y) vai depender da geometria da se¸˜o transversal do guia.28) ou simplesmente 2 ∇2 ψh + kc ψh = 0 t (6. a equa¸˜o (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 110 Dessa maneira.34) Sendo assim. Como foi dito anteriormente.5).35) (6. isto ´.36) (6. este resultado pode ser aplicado em qualquer sistema de coordenadas. as componentes dos campos para modo TE s˜o obtidas de: a Et = jωµ e−γ z az × ∇t ψh Ht = −γ e−γ z ∇t ψh e 2 Hz = kc ψh e−γ z az (6.33) (6.32) (6.CAP´ ıTULO 6.37) ca onde a express˜o de ψh (x.31) (6.29) onde 2 kc = γ 2 + k 2 (6.29) ter sido feita utilizando coordenadas retanguca ca lares. e e E = −jωµ∇ × Πh = −jωµ ou E = jωµ az × ∇t Πh = jωµ e−γ z az × ∇t ψh Enquanto o campo magn´tico ´ dado por e e H = k 2 Πh + ∇ (∇ · Πh ) = k 2 ψh e−γ z az − γ∇ ψh e−γ z ou 2 H = kc ψh e−γ z az − γ e−γ z ∇t ψh ∂Πh ∂Πh ax − ay ∂y ∂x (6.30) Apesar da dedu¸˜o da equa¸˜o (6. o campo el´trico pode ser obtido de (6. a .15) pode ser reescrita como ca 2 ∇2 Πh + kc Πh = 0 t (6.

6) ´ e H = jω ∇ × Πe = jω ou ∂Πe ∂Πe ax − ay ∂y ∂x (6.39) (6.22).41) ou 2 ∇2 ψe + kc ψe = 0 t 2 e onde kc continua sendo dado por (6.38) considerando-se que o guia tem comprimento ao longo de z. A express˜o do potencial vetor Πe ´ fornecida por (6. as componentes dos campos para modo TM s˜o fornecidas por: a Ht = −jω e−γ z az × ∇t ψe Et = −γ e−γ z ∇t ψe e (6. y) e−γ z az Dessa maneira. que tem como a solu¸˜o.111 6. o campo magn´tico obtido de (6.42) H = −jω az × ∇t Πe = −jω e−γ z az × ∇t ψe enquanto o campo el´trico ´ dado por e e 2 E = k 2 Πe + ∇ (∇ · Πe ) = kc ψe e−γ z az − γ e−γ z ∇t ψe (6.23) e e e e (6.43) (6. para uma onda propagando-se no sentido z + .4.45) (6. Portanto.30). uma das componentes do campo el´trico est´ ca e a alinhada com a dire¸˜o de propaga¸˜o. os campos el´trico e magn´tico no interior do guia podem ser obtidos respectivamente de (6.4. a equa¸˜o (6. pode-se obter os campos eletromagn´ticos para o modo de e propaga¸˜o TM.44) Sendo assim. Portanto. Desta forma. neste caso.6).2 Modo Transversal Magn´tico e De maneira semelhante.46) .40) (6. Sendo que. Campos num Guia de Onda 6.22) pode ser reescrita como ca 2 ∇2 Πe + kc Πe = 0 t (6. pode-se associar essa componente ca ca com o potencial vetor de Hertz do tipo el´trico e Πe = Πe az (6. ca Πe = Πe az = ψe (x.

5 Caracter´ ısticas de Ondas Guiadas Com exce¸˜o das impedˆncias modais. todas as express˜es apresentadas a seguir s˜o ca a o a v´lidas para os modos TE e TM.1 Constante de Propaga¸˜o ca Nota-se nas equa¸˜es (6.41) que a propaga¸˜o da onda num guia qualquer co ca u depende do parˆmetro kc . a onda n˜o se propaga e a intensidade dos campos diminui exponencialmente ao a longo do comprimento.51) . O comprimento da onda guiada ´ fornecido por e λc = λg = 2π = β λ 1− λ λc 2 (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 112 2 Ez = kc ψe e−γ z az (6.48) e u a Se o n´mero de onda k for igual a kc . Para um guia sem perda onde k < kc . tem-se γ = jβ e a onda propaga-se com constante de fase β= 2 k 2 − kc (6.50). γ ´ zero e.CAP´ ıTULO 6. pois k > kc implica em ca λ < λc . denominado n´mero de onda de corte.49) 6.5. Quando neste mesmo guia k > kc . Portanto. pode-se a obter da equa¸˜o (6. o comprimento desta onda tem que ser ca menor que o comprimento fornecido pela equa¸˜o (6.2 Comprimento de Onda Guiada e de Corte O comprimento de onda de corte est´ relacionado com o n´mero de onda de corte a u kc atrav´s de e 2π (6.29) e (6. y) vai depender da geometria da se¸˜o transversal do guia.47) ca onde a express˜o de ψe (x. n˜o existe u e propaga¸˜o de onda no guia.50) kc Para que haja propaga¸˜o de onda no guia. a 6. conseq¨entemente.5. a 6. γ ´ real (igual a ca α).30) ca γ= 2 kc − k 2 (6.

6 Impedˆncias Modais a As impedˆncias modais s˜o definidas como a raz˜o entre o m´dulo do vetor campo a a a o el´trico e o m´dulo do vetor campo magn´tico.5 Velocidade de Grupo −1 Sabe-se que a velocidade de grupo ´ definida como e ∂ω = vg = ∂β ∂β ∂ω (6. a velocidade de grupo ´ igual a de fase que. para λc λ.113 6.5. de forma que ZT E = Ex Ey jωµ =− = Hy Hx γ (6.5. e a 6. Caracter´ ısticas de Ondas Guiadas 6.5. ambos transversais a dire¸˜o de e o e ` ca propaga¸˜o.53) 6. ´ igual a velocidade de uma onda TEM num meio n˜o dispersivo. por sua e vez.54) logo. Isto ´.5. para uma onda propagando-se num guia.55) Observa-se que.4 Velocidade de Fase ω = λg f = β r A velocidade de fase da onda guiada ´ obtida de e vf = c 1− λ λc 2 (6. tem-se c vg = √ 1− r λ λc 2 (6. γ = jβ e a . e fc = λc c √ (6.35) ca a e (6.3 Freq¨ˆncia de Corte ue ´ E simplesmente a raz˜o entre a velocidade da luz no meio diel´trico que constitui o a e interior do guia e o comprimento de onda de corte.5. estes campos s˜o fornecidos respectivamente por (6.52) r 6. Para o caso TE.56) Quando n˜o existem perdas.36).

29).46) a a e a e (6. coincide com o eixo y. resolve-se a equa¸˜o diferencial (6.6. cuja solu¸˜o fornece o ca ca comportamento dos campos no plano transversal a dire¸˜o de propaga¸˜o.57) (6. b.60) Pode-se verificar que as impedˆncias modais variam de acordo com a freq¨ˆncia a ue de excita¸˜o e a freq¨ˆncia de corte. est˜o associadas as componentes co a ` tangenciais do campo el´trico nas paredes do guia. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 114 ZT E = ou ZT E = ωµ kη = β β η 1− λ λc 2 (6.59) (6. A solu¸˜o ` ca ca ca depende das condi¸˜es de contorno que. co o comprimento de onda de corte e outros parˆmetros.29) e (6. Na nota¸˜o adotada ca a a ca neste livro.58) J´ para o caso TM. Sabe-se que estas componentes e . determinar as express˜es dos campos. a maior dimens˜o transversal tem comprimento a e est´ alinhada ao longo a a da dire¸˜o x. a Os guias de se¸˜o retangular s˜o muito utilizados na pr´tica. isto ´ e ZT M = ou para o caso sem perdas ZT M = η 1− λ λc 2 Ex Ey γ =− = Hy Hx jω (6. assim.41) e. A Figura 6. a impedˆncia ´ obtida da raz˜o dos campos fornecidos por (6.6 Guia Retangular At´ agora. dentro de e um guia retangular.1 Modo H (TE) Para se obter os campos eletromagn´ticos que se propagam. neste caso. e o ca Quando a geometria da se¸˜o transversal do guia ´ definida. 6. pode-se ent˜o resolver as ca e a equa¸˜es diferenciais (6. foram deduzidas express˜es para guias com se¸˜o transversal qualquer.45). ca ue 6.4b ca a mostra a geometria deste tipo de guia.CAP´ ıTULO 6. enquanto a menor dimens˜o. no modo TE.

68) (6. portanto.65) fornece g(y) = C sen ky y + D cos ky y Sendo assim.63) (6.64) (6.61) (6. ψh (x.29) duas equa¸˜es diferenciais ordin´rias: e co a d2 f (x) 2 + kx f (x) = 0 dx2 e d2 g(y) 2 + ky g(y) = 0 dy 2 sendo 2 2 2 kc = kx + ky (6. Da mesma forma que ∂ψh =0 ∂y em y = 0 e y = b.115 6.61) em (6.62) (6. onde se considera e ca a ψh (x. y) = f (x) g(y) obt´m-se de (6.64) tem solu¸˜o do tipo ca ca f (x) = C1 e jkx x + C2 e −jkx x ou f (x) = A sen kx x + B cos kx x enquanto (6.70) (6. tem-se co (6. de (6. y) = (A sen kx x + B cos kx x) (C sen ky y + D cos ky y) Aplicando-se as condi¸˜es de contorno (6.67) .66) A equa¸˜o (6.70).65) (6.69) (6. Utilizando-se o m´todo da separa¸˜o das vari´veis.6.35) conclui-se que ∂ψh =0 ∂x nas paredes localizadas em x = 0 e x = a. Guia Retangular tangenciais do campo el´trico na interface diel´trico-condutor s˜o sempre iguais a e e a zero.

sendo m e n diferentes de um e zero.74) e (6. a A = 0 e. ou seja. Substituindo (6. isto vai depender da freq¨ˆncia de opera¸˜o e da ue ca forma de excita¸˜o (posicionamento da(s) sonda(s)). Sendo que o comprimento de onda de corte mais longo ´ e obtido para m = 1 e n = 0. neste caso.73) (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 116 [Akx cos kx x − Bkx sen kx x]x= 0x= a = 0 Observe que.77) A equa¸˜o (6. As equa¸˜es dos campos dentro do guia s˜o obtidas substituindo co a . para x = 0. o que leva ` freq¨ˆncia de corte mais a ue baixa num dado guia de dimens˜es a × b.CAP´ ıTULO 6.70). tem-se a kc = mπ a 2 + nπ b 2 (6.77) fornece os comprimentos de onda de corte poss´ ca ıveis para guias de onda retangulares. λc = 2a.76) Portanto.75) onde n e m s˜o inteiros positivos.71) (6. aplicando-se as condi¸˜es de contorno (6.74) De maneira semelhante. TE10 . a respectivamente. kx a = mπ ou kx = mπ a (6. Bkx sen kx a = 0 portanto.75) em (6. co obt´m-se C = 0 e e ky = nπ b (6.66). Quando a freq¨ˆncia da onda injetada o ue no guia tem valores pr´ximos (e acima) desta freq¨ˆncia de corte. ou TEmn . Modos acima do dominante ca s˜o denominados modos superiores. o comprimento de onda de corte para o modo TE ´ dado por e λc = 2π = kc 2ab (mb) + (na) 2 2 (6. diz-se que o guia o ue ´ o est´ operando no modo dominante ou.72) (6. para x = a. E l´gico que outros modos a do tipo TE podem ser excitados.62) em (6.

82) mπ ∂ψh mπγ nπ = − 2 Eo sen x cos y e−γ z ∂x akc a b Hx = −γ e−γ z Hy = −γ e−γ z Ey ∂ψh = ∂x ZT E Ex ∂ψh =− ∂y ZT E e Hz = Ho cos N˜o havendo perdas.83) Ey = − e Hz = Ho cos sendo Eo = (6.85) (6.37) ser expressa em A/m.6.80) (6. tˆm-se a e Ex = nπ jnπβ mπ x sen y e−jβ z Eo cos 2 bkc a b jmπβ mπ nπ Eo sen x cos y e−jβ z 2 akc a b Hx = − Ey ZT E Ex Hy = ZT E nπ mπ x cos y e−jβ z a b ωµ Ho β (6.84) (6.86) (6.35).89) (6. para a componente de campo magn´tico e 2 e em (6. y) = BD cos kx x cos ky y = Ho mπ nπ cos x cos y 2 kc a b (6.36) e (6. ´ necess´rio que BD seja igual a Ho /kc . Guia Retangular ψh (x. a e Ex = −jωµ e−γ z Ey = jωµ e−γ z mπ ∂ψh nπγ nπ Eo cos = x sen y e−γ z 2 ∂y bkc a b (6.87) mπ nπ x cos y e−γ z a b (6.79) (6.117 6. Observe que. (6.88) .81) (6. onde Ho ´ e a a intensidade m´xima de campo magn´tico.78) em (6.37). Portanto.

CAP´ ıTULO 6. O comprimento de onda de corte continua sendo dado por (6. cuja solu¸˜o ca ca fornece o comportamento dos campos no plano transversal a dire¸˜o de propaga¸˜o. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 118 6. y) = Eo sen kx x sen ky y 2 kc (6. x=a = 0 e ψe |y=0. de (6.94) (6. a solu¸˜o depende das condi¸˜es de contorno que. est˜o associadas a componente tangencial do campo el´trico nas a ` e paredes do guia. obt´m-se a solu¸˜o do tipo co e ca ψe(x.91) (6.47) conclui-se que ψe |x=0.98) mπ nπ x sen y e−γ z a b (6.76). y=a = 0 (6. neste caso. tˆm-se a e Hx = jnπβ mπ nπ Ho sen x cos y e−jβ z 2 bkc a b (6. Portanto.6. resolve-se a equa¸˜o diferencial (6.41). nos modos TMmn . e dentro de um guia retangular.93) Hy = −jω e−γ z ∂ψe mπ mπγ nπ = − 2 Ho cos x sen y e−γ z ∂x akc a b ∂ψe = ZT M H y ∂x ∂ψe Ey = −γ e−γ z = −ZT M Hx ∂y Ex = −γ e−γ z (6.2 Modo E (TM) Para se obter os campos eletromagn´ticos que se propagam.92) a onde kx e ky s˜o fornecidos por (6.97) .74) e (6.95) (6. Enquanto as componentes dos campos s˜o obtidas de: a Hx = jω e−γ z mπ nπγ nπ ∂ψe Ho sen = x cos y e−γ z 2 ∂y bkc a b (6.41) e e ca a aplicando-se as condi¸˜es de contorno.96) e Ez = Eo sen N˜o havendo perdas.90) Utilizando-se mais uma vez o m´todo da separa¸˜o das vari´veis em (6.75) respectivamente. ` ca ca ca co Como foi visto para o modo TEmn .

Sendo assim. Solu¸˜o: Para o modo dominante. para a freq¨ˆncia ue central.1 Determine as dimens˜es de um guia retangular oco para transmitir o um conjunto de canais com freq¨ˆncia central igual a 7. pois basta m co ou n ser igual a zero para que todas as componentes dos campos sejam nulas. o menor modo TM poss´ de se propagar num guia de se¸˜o transversal ıvel ca retangular ´ o modo TM11 . 0387 = 0.0387 1 − λo 1− 2a 0.102) A freq¨ˆncia de corte. deve ser 7. O comprimento de onda guiado. TE10 . neste caso.75GHz e banda total igual ue a 500MHz. e Eo = Exemplo 6. a largura do guia ´ ent˜o e a a= c 3 × 108 = = 0.5 GHz para possibilitar a transmiss˜o ue a dos canais compreendidos na faixa de 500MHz. a Em geral utiliza-se b = a/2. 02 m 2fc 1.119 6.99) (6. ´ e λo 0.101) e Ez = Eo sen sendo β (6.6. 5 × 1010 Neste caso. Guia Retangular Hy = − jmπβ mπ nπ Ho cos x sen y e−jβ z 2 akc a b Ex = ZT M Hy Ey = −ZT M Hx (6.100) (6. 154 m λg = 2 2 0.04 . Portanto.103) Ho ω a Observe nas equa¸˜es acima que os modos TMm0 e TM0n n˜o existem. tem-se ca fc = c c = λc 2a mπ nπ x sen y e−jβ z a b (6. Qual o comprimento de onda guiado para a freq¨ˆncia central? O guia ue deve trabalhar no modo dominante. a altura do guia pode assumir qualquer valor que n˜o seja muito pequeno.

a diferen¸a de fase introduzida pelo trecho de c a e a cabo entre as sondas ´ de 180◦ (l = λ/2). na outra ela ´ m´ e ınima. produzindo. Exemplo 6. A posi¸˜o e a diferen¸a de fase das o a ca ca c sondas na Figura 6.CAP´ ıTULO 6.5a). pode-se determinar que modo TEmn o guia est´ operando. Por que a distˆncia entre as sondas e a parede transversal ´ igual a λ/4? a e Solu¸˜o: As Figuras 6.2 Determine as freq¨ˆncias de corte dos guias apresentados na Figura ue 6. ´ perpendicular ` e ca e a dire¸˜o de propaga¸˜o. ue padr˜es estacion´rios na dire¸˜o transversal.5a indicam que o menor modo poss´ de propaga¸˜o ocorre ıvel ca quando o padr˜o estacion´rio ´ igual a um comprimento de onda. em determinadas freq¨ˆncias. neste caso. Sendo assim.5: Guias retangulares com a = 20mm e b = 10mm. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 120 Linha Coaxial λ 1 /2 b λ 1 /4 Sonda a l (a) (b) λ 2 /4 b λ 2 /4 Sonda (c) (d) Figura 6.5a e 6. Portanto. A partir da posi¸˜o e diferen¸a de fase entres as sondas no ca ca ca c a plano transversal (Figura 6. a a e λc = a = 20mm e c c fc = = = 15 GHz λc a . pois ca o campo el´trico gerado.5. Sabe-se que as ondas geradas pelas sondas s˜o a refletidas pelas paredes laterais do guia. quando a tens˜o ´ m´xima e numa sonda. que tem a mesma dire¸˜o das sondas.5b mostram um guia operando no modo TE. Observe que.

como 1 ∂2ψ ∂ 2 ψ 1 ∂ψ 2 + + 2 2 + kc ψ = 0 ∂r2 r ∂r r ∂ϕ onde ψ(r.41) podem ser escritas. Neste caso. Sabe-se que a reflex˜o da onda na parede condutora produz uma dea fasagem de π e que a defasagem da onda para ir at´ a parede e voltar ´ igual a e e ∆φ = βl = 2π λg λg λg + 4 4 =π Portanto. a Logo. J´ o guia apresentado nas figuras 6.106) (6.121 6. pois a sonda est´ posicionada a uma distˆncia a/2 das paredes laterais do guia.1a mostra um guia cil´ ındrico de raio a e comprimento l. Considerando-se que ψ(r. a defasagem total ´ 2π. λc = 2a = 40mm e fc = c c = = 7.5d opera no modo TE10 . torna-se necess´rio a resolu¸˜o das equa¸˜es diferenciais ca a ca co (6. gerando um padr˜o igual a meio comprimento de onda. resultado do m´todo da separa¸˜o co a e ca de vari´veis. Como foi visto no caso retangular. tem-se como uma das equa¸˜es diferenciais ordin´rias.7.7 Guia Cil´ ındrico A Figura 6. ϕ). 5 GHz λc 2a e As sondas s˜o posicionadas a λg /4 da parede transversal para evitar interferˆncia a destrutiva. em coordenadas cil´ co ındricas. ϕ) pode ser ψe (r. Guia Cil´ ındrico produzindo-se o modo de opera¸˜o TE20 .5c e ca a a a 6.105) (6. ϕ) = f (r) g(ϕ) obt´m-se e d2 f 1 df ν2 2 + + kc − 2 dr2 r dr r e ∂ 2g + ν 2g = 0 ∂ϕ2 (6.104) . e a e 6.29) e (6. n˜o havendo interferˆncia destrutiva. para se obter as caracter´ ısticas das ondas eletromagn´ticas nos e dois modos de propaga¸˜o. a equa¸˜o de Bessel. por se tratar de uma geometria cil´ ındrica circular. ϕ) ou ψh (r.107) f =0 (6.41). a ca As equa¸˜es (6.29) e (6.

obtida fazendo (6. B tem que ser igual a zero. ψ(r. u Sendo assim. denominada aqui de pmn . sendo n a en´sima raiz.113) o que corresponde as ra´ da derivada da fun¸˜o de Bessel de ordem m (vide Figura ` ızes ca e u 6.35) igual a zero.111) (6.106) ´ chamada de equa¸˜o diferencial de Bessel e sua solu¸˜o ´ ca e ca ca e da forma f (r) = A Jv (kc r) + BNv (kc r) (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 122 A equa¸˜o (6.110) onde m ´ um n´mero inteiro positivo. ϕ) = Jm (kc r) [C1 sen mϕ + C2 cos mϕ] ou simplesmente.7.109) Como a fun¸˜o de Neuman tende a infinito quando r → 0. ´ ca e dada por ∂ψh ∂r ou ∂Jm (kc r) ∂r =0 r=a =0 r=a (6. Portanto. est˜o relacionadas com o co a campo tangencial el´trico na superf´ interna do condutor cil´ e ıcie ındrico. ent˜o.112) (6. por sua vez. ϕ) = A Jm (kc r) cos mϕ (6. Para que algum padr˜o estacion´rio exista na dire¸˜o ϕ.6). 6. o n´mero de onda de corte pode ser determinado utilizando-se .CAP´ ıTULO 6.107) tem como solu¸˜o ca ca g(ϕ) = C sen νϕ + D cos νϕ (6. a condi¸˜o de contorno.1 Modo H (TE) Para o caso TEmn . A determina¸˜o das constantes C1 e C2 e u ca dependem das condi¸˜es de contorno que. Enquanto a (6.108) onde Jv (x) ´ conhecida como fun¸˜o de Bessel do primeiro tipo e Nv (x) fun¸˜o de e ca ca Bessel do segundo tipo ou fun¸˜o de Neuman. pois a a ca e a a varia¸˜o do campo tem que ser peri´dica com per´ ca o ıodo igual a m´ltiplos de 2π. ´ necess´rio que ν seja inteiro. tem-se ψ(r. para que haja ca a uma solu¸˜o que represente o fenˆmeno f´ ca o ısico.

48) a (6. p12 = 5. 84. 33 e p13 = 8.6 J' 1 (x) 0. . onde s˜o indicadas as a co a ra´ p11 = 1. ızes pmn (6. tˆm as seguintes express˜es: e o kc = Hz = Ho Jm (kc r) cos mϕ e−γ z Er = −jωµ e−γ z Eϕ = jωµ e−γ z 1 ∂ψh mγ = Eo 2 Jm (kc r) sen mϕ e−γ z r ∂ϕ kc r ∂ψh γ ∂Jm (kc r) = Eo cos mϕ e−γ z ∂r kc ∂r Eϕ ∂ψh =− ∂r ZT E Er 1 ∂ψh = r ∂ϕ ZT E (6.2 J' 0 (x) -0. 55.36).60). Guia Cil´ ındrico 0.2 p' 11 0 p' 12 p' 13 -0.118) (6.6 0 2 4 6 8 10 Figura 6. (6.6: Gr´ficos das fun¸˜es derivadas de Bessel Jm (x).116) (6.37).4 -0.114) a donde se pode obter o comprimento de onda de corte e outros parˆmetros atrav´s a e das equa¸˜es (6.7.117) (6. no caso sem perdas. co Os campos. fornecidos por (6.4 J' 2 (x) 0.35) e (6.115) (6.119) Hr = −γ e−γ z Hϕ = −γ e−γ z e.123 6.

128) (6. sendo n a en´sima raiz.60).47).125) o que corresponde as raizes da fun¸˜o de Bessel de ordem m (vide Figura 6.124) Er ZT E 6.123) (6.7. Portanto.CAP´ ıTULO 6. o n´mero de onda de corte pode ser determinado utilizando-se pmn (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 124 Hz = Ho Jm (kc r) cos mϕ e−jβ z Er = Eo Eϕ = Eo jmβ Jm (kc r) sen mϕ e−jβ z 2 kc r jβ ∂Jm (kc r) cos mϕ e−jβ z kc ∂r Hr = − Hϕ = Eϕ ZT E (6.127) a donde.46). ` ca e u denominada aqui de pmn . se pode obter o comprimento de onda de corte e outros parˆmetros atrav´s das equa¸˜es (6. tˆm as seguintes express˜es: e o kc = Ez = Eo Jm (kc r) cos mϕ e−γ z Hr = jω e−γ z 1 ∂ψe mγ = −Ho 2 Jm (kc r) sen mϕ e−γ z r ∂ϕ kc r (6.122) (6. a condi¸˜o de contorno.47) igual a zero. mais uma vez.45) e (6. A Tabela (6. ´ ca e dada por ψe |r=a = 0 ou Jm (kc r)|r=a = 0 (6. obtida fazendo (6.121) (6.7).120) (6.1) cont´m as ra´ a e co e ızes das fun¸˜es de Bessel e derivadas para alguns modos de propaga¸˜o.2 Modo E (TM) Para o caso TMmn . co ca Os campos.129) .48) a (6. fornecidos por (6. (6.126) (6.

52 e p03 = 8.7: Gr´ficos das fun¸˜es de Bessel Jm (x).7. Ez = Eo Jm (kc r) cos mϕ e−jβ z Hr = −Ho Hϕ = −Ho jmβ Jm (kc r) sen mϕ e−jβ z 2 kc r jβ ∂Jm (kc r) cos mϕ e−jβ z kc ∂r Er = −ZT M Hϕ Eϕ = ZT M Hr (6. Hϕ = −jω e−γ z ∂ψe γ ∂Jm (kc r) = −Ho cos mϕ e−γ z ∂r kc ∂r (6. 4.136) (6.5 J 2 (x) p 02 0 p01 p 03 -0. onde s˜o indicadas as ra´ a co a ızes p01 = 2.134) (6.130) (6.5 0 2 4 6 8 10 Figura 6. 64.135) (6.137) .132) Er = −γ e−γ z ∂ψe = −ZT M Hϕ ∂r 1 ∂ψe = ZT M H r Eϕ = −γ e−γ z r ∂ϕ e. no caso sem perdas.133) (6.131) (6. p02 = 5. Guia Cil´ ındrico 1 J 0 (x) J 1 (x) 0.125 6.

4 × 3 × 108 pmn = = kc 2πfc 2π × 5 × 109 0.841 5.405 5. 6. o campo el´trico diminui conforme a equa¸˜o e ca E(z) = Eo e−α z (6.CAP´ ıTULO 6. Determine o raio deste guia para a freq¨ˆncia ue de corte de 5GHz. onde est´ posicionada a sonda.1 Atenua¸˜o abaixo da Freq¨ˆncia de Corte ca ue Para as freq¨ˆncias abaixo da freq¨ˆncia de corte n˜o existe propaga¸˜o de onda ue ue a ca e sim campos evanescentes. O campo el´trico ´ m´ximo no centro e e e a do guia. neste caso. tem-se e a= p01 c 2.1: Ra´ das fun¸˜oes de Bessel para diferentes modos de propaga¸˜o.173 1.8.3 Um guia cil´ndrico oco ´ excitado atrav´s de uma sonda reta posiı e e cionada no centro da parede transversal. ca e 6. ızes co ca Modo mn 01 02 03 11 12 13 21 22 23 TE p 3. Escolhendo-se o modo de propaga¸˜o mais baixo.706 9.016 10. A redu¸˜o de intensidade dos campos ao longo do ca comprimento pode ser medida atrav´s de um fator de atenua¸˜o dado por e ca .832 7. Solu¸˜o: O modo de opera¸˜o. para uma onda propagando-se no sentido z + .138) lembrando-se que α ´ o fator de atenua¸˜o e Eo ´ a intensidade inicial do campo no e ca e plano z = 0. neste caso.537 3. 023 m onde o modo de opere¸˜o ´ o TM01 . decai exponencialmente ao longo do comprimento. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 126 Tabela 6. Sabe-se que as ondas se e c propagam dentro de um guia de acordo com e±γ z .654 3.832 7. portanto.173 5.417 11.332 8. ´ do tipo TM. A intensidade dos campos.8 Atenua¸˜o em Guias ca A atenua¸˜o nos guias de onda est´ associada com as perdas nas paredes condutoras ca a do guia e no diel´trico que preenche o espa¸o interno deste.969 TM p 2. a fun¸˜o de Bessel adequada ao a ca ca problema ´ J0 (kc a).52 8.62 Exemplo 6.136 8. quando este se encontra alinhado com o eixo z. ou seja.016 10.054 6. uma vez que as comca ca e ponentes de campo magn´tico s˜o transversais a dire¸˜o de propaga¸˜o (campo e a ` ca ca magn´tico circulando em torno da sonda).

ca ca ca 2π α= λo λo λc 2 2πf −1= c fc f 2 −1 14.139) λ λc 2 −1 (6.142) Exemplo 6.127 6.144) . ue c˜ e Solu¸˜o: A atenua¸˜o pode ser obtida diretamente da equa¸˜o (6. para freq¨ˆncias acima da e ue freq¨ˆncia de corte. 29 dB 6. Atenua¸˜o em Guias ca α= ou α= 2π λ 2 kc − k 2 (6.8.3 considerando ca ı que a freq¨ˆncia de excita¸ao ´ 4. tem-se 2π λc (6. 686α (6.141) Em geral.95GHz. ca e αdB = 20 log eα 8. O valor da atenua¸˜o em decib´is ´ ca e e αdB = 8. 0101. No caso de λ α≈ λc .140) lembrando-se que kc > k. αd = Re Se a tangente de perdas 2 kc − ω 2 µ( − j ) (6.2 Atenua¸˜o acima da Freq¨ˆncia de Corte ca ue As perdas no diel´trico que preenche o interior do guia. o fator de atenua¸˜o ´ expresso em dB/m.143) Sabe-se que a permissividade de um diel´trico que oferece perdas ´ complexa. 95 = 1. 77 128.8. pore e tanto. est˜o relacionadas com o fator de atenua¸˜o ue a ca αd = Re{γ} (6. ou seja.4 Determine a atenua¸˜o do guia cil´ndrico do Exemplo 6.140). ou seja. 77 uma vez que fc /f = 5/4. 686 × 14.

149) indica que o fator de atenua¸˜o ´ a raz˜o entre a taxa de redu¸˜o ca ca e a ca e e e da potˆncia − dP e duas vezes a potˆncia transmitida 2 P . Ht ´ o campo magn´tico transversal e e ´ ca e e a Zmn a impedˆncia modal. e P (z) = Po e−2α z (6.146) 0 e αd = 0. .CAP´ ıTULO 6. ou seja. Para um guia oco tem-se A potˆncia transmitida ao longo do comprimento do guia ´ proporcional ao e e quadrado do campo el´trico.145) π tg δ 1− λ λc 2 (6.148) A equa¸˜o (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 128 tg δ = ent˜o.151) onde S ´ a area da se¸˜o transversal do guia. A potˆncia m´dia transe dz mitida ´ obtida da integra¸˜o do vetor de Poynting na dire¸˜o de propaga¸˜o.60) no caso TM. pode-se demonstrar que a αd ≈ λ 1− λ λc 2 (6.150) ou P = Re{Zmn } 2 S |Ht |2 ds (6. fornecida por (6. O fator de atenua¸˜o devido a perdas nas paredes e ca condutoras pode ser obtido a partir de dP = −2α P dz ou seja.149) (6.58) no caso TE ou por (6. α=− 1 dP 2 P dz (6. portanto. Enquanto que a potˆncia perdida nas paredes do guia est´ associada a componente e a ` de onda que incide normalmente no condutor. e ca ca ca P = S Wz · ds (6.147) sendo Po a potˆncia inicial.

69αc l (6.158) bZd m2 b2 a + n2 a3 sendo Zd fornecida por (6. e por (6. no caso T M .8. demonstra-se que [29]. O fator de atenua¸˜o devido as paredes condutoras do guia ´ portanto ca ` e dado por − αc = Re{ηc } C |Hz |2 + |Ht |2 dl |Ht |2 ds S 2 Re{Zmn } (6. tem-se e AdB = 8. αc = λ2 λ2 + 1− 2 λ2 λc c δn m2 b2 + δm n2 ab m 2 b 2 + n2 a2 (6.129 6.58).155) 6. Idem para δn .154). para os modos TM.153) = dz 2 C onde Ht representa as componentes transversais que s˜o paralelas as paredes do a ` a ınseca do material guia.3 Atenua¸˜o num Guia Retangular ca Substituindo-se as equa¸˜es dos campos eletromagn´ticos de um guia retangular na co e equa¸˜o (6.8. ca e AdB = 8.154) A atenua¸˜o total no guia ´ obtida atrav´s do produto entre o comprimento e o ca e e fator de atenua¸˜o total. no caso T E.157) 2Rc m2 b3 + n2 a3 (6. a e Rc = . Atenua¸˜o em Guias ca − ou dP = dz Wt · dl C (6.159) 2σ O parˆmetro δm ´ igual a 1 para m = 0 e igual a 2 quando m = 0. C o per´ ımetro da se¸˜o transversal e ηc a impedˆncia intr´ ca condutor. 69(αd + αc ) l Quando o guia ´ oco. ca Rc b δn + δm bZd a e.152) Re{ηc } dP 2 |Hz |2 + |Ht | dl (6. isto ´. para os modos TE. A resistˆncia e das paredes condutoras ´ obtida de e αc = ωµo (6.60).156) (6.

3.CAP´ ıTULO 6. 553 × 0.160) Exemplo 6. ca Rc αc = a Zd e. a atenua¸˜o total ´ ent˜o dada por ca e a 8.154). 28 × 5. pode ser . 553Rc a 6. ent˜o. 035 0. Uma cavidade ressonante se comporta como um circuito tanque. cuja condutividade relativa ao cobre ´ 28%. 8 × 107 0. onde a energia eletromagn´tica ´ armazenada ou retirada e e atrav´s de sondas ou fendas devidamente posicionadas em suas paredes. comumente de e a a forma c´bica ou cil´ u ındrica. pode-se demonstrar que [27]. Conca ue ca ue sidere 10m de um guia feito de lat˜o.9 Cavidade Ressonante Cavidades ressonantes s˜o dispositivos que armazenam energia na forma de cama pos eletromagn´ticos. 023m e Rc = Portanto. sendo assim.161) para se determinar o fator de atenua¸˜o devido as paredes condutoras.8. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 130 6. A Figura e 6. determine a ı atenua¸˜o para uma freq¨ˆncia de opera¸˜o 10% acima da freq¨ˆncia de corte. 035Ω λ λc 2 −1/2 = 0. Elas s˜o compartimentos met´licos fechados. αc = Rc a Zd (6. deve-se utilizar a equa¸˜o ca ca e (6. 842 dB ωµ = 2σ π × 4.4 Atenua¸˜o num Guia Cil´ ca ındrico Substituindo-se as equa¸˜es dos campos eletromagn´ticos de um guia cil´ co e ındrico na equa¸˜o (6. a e a ca Solu¸˜o: Como o modo de opera¸˜o ´ o TM01 .5 Continuando com o guia cil´ndrico do Exemplo 6. Sendo ca ` o guia oco.8 mostra dois exemplos de cavidade ressonante e seu circuito equivalente. para os modos TE. 95 × 109 × 4π × 10−7 0. 686lRc 1− A = 8. para os modos TM. 686αc l = aη onde a = 0.161) λ λc 2 m2 + (pmn )2 − m2 (6. 023 0. A= 0.

ou seja. (c) circuito equivalente.8: Tipos de cavidades: (a) de paredes retangular. cuja a express˜o depende da geometria da cavidade e do modo de excita¸˜o. a e . utilizada como filtro ou em circuitos osciladores.163) λr c √ (6. que utilizam componentes como capacitores ue e indutores. Cavidade Ressonante y d b x a z z (a) d a y x L C (b) (c) Figura 6. A diferen¸a entre as cavidades e os c circuitos ressonantes de alta freq¨ˆncia. est´ na capacidade de trabalhar com potˆncias relativamente altas. a e As principais caracter´ ısticas de uma cavidade ressonante s˜o a freq¨ˆncia de a ue ressonˆncia e o fator de qualidade.9.162) r e u a a onde kr ´ denominado n´mero de onda de ressonˆncia. Enquanto que o fator de qualidade ca ´ definido como sendo o produto da energia m´xima armazenada pela freq¨ˆncia e a ue angular de ressonˆncia. dividido pela potˆncia dissipada. (b) cil´ ındrica. A primeira ´ fornecida por a e fr = sendo λr = 2π kr (6.131 6.

o campo ca mais do tipo e el´trico transversal pode ser escrito como e d=l Et = Et1 (x. n˜o ´ ca ca ca a e −jβ z jβ z ou e .CAP´ ıTULO 6. e Pd a potˆncia dissipada. a fun¸˜o que descreve e u ca a varia¸˜o dos campos na dire¸˜o de propaga¸˜o.167) onde ∆f ´ a faixa de freq¨ˆncias cuja atenua¸˜o ´ menor ou igual a 3dB. ou u ca seja. S ´ a area interna total. para efeito de an´lise. e ue ca e 6. O fator de qualidade e e a ´ tamb´m relacionado com a largura da faixa de passagem (ou rejei¸˜o) atrav´s de e e ca e Q= fr ∆f (6.164) sendo Emax a energia m´xima. mas a superposi¸˜o das duas. a e dada por Pd = Re {ηc } 2 S |Ht |2 ds (6.1 Cavidade com Paredes Retangulares Uma cavidade ressonante constitu´ de paredes retangulares pode ser considerıda ada. Por exemplo.168) 2 onde. V o volume da ıcie e ´ cavidade e Umax ´ a densidade volum´trica m´xima de energia. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 132 Q= ωr Emax Pd (6.165) Portanto.169) . Portanto. se a distˆncia entre as paredes ca ca a transversais for igual a m´ltiplos de meio comprimento de onda de excita¸˜o. como um guia de onda de se¸˜o transversal retangular a ca encerrado por uma parede condutora (vide Figura 6.8a). y) e− jβ z (6. Um padr˜o estacion´rio a a se estabelece ao longo da dire¸˜o de propaga¸˜o.112).111) ou (1. neste caso. l ´ um n´mero inteiro positivo. para um guia sem perdas. y) e jβ z + Et2 (x.166) lembrando-se que Ht representa as componentes de campo magn´tico tangenciais a e ` superf´ interna das paredes condutoras. obtida de (1. pode-se escrever o fator de qualidade como Q= 2ωr Re {ηc } V Umax dv S |Ht |2 ds (6.9. λ (6.

que representam os m´ltiplos e u de λ/2 poss´ ıveis de existir em cada uma das dimens˜es. n e l.174) (6. se e Et |z=d = 0 ent˜o a sen βd = 0 donde se conclui que lπ d Assim.175) (6.172) (6. Nos guias.133 6. o modo de ressonˆncia de uma cavidade depende das dimens˜es a o a. tem-se u c fr = √ 2 m a 2 r n + b 2 + l d 2 (6. o n´mero de onda de ressonˆncia pode ser calculado a partir de u a kz = β = kr = 2 kc Et2 = −1 Et1 (6. Cavidade Ressonante O coeficiente de reflex˜o no plano z = 0 ´ a e ρ(0) = logo Et = 2jEt1 (x.178) Como foi visto.170) (6.9. para z = d.176) + lπ d 2 = mπ a 2 nπ + b 2 + lπ d 2 (6.177) conseq¨entemente. al´m dos inteiros positivos m. logo. No caso das cavidades.171) Et1 2 jβ z e = −1 Et2 (6. y) sen βz ou. b e d da mesma. y) sen βz Sabe-se que este campo ´ nulo nas paredes transversais.173) (6. os modos foram o ca o denominados TEmn ou TMmn . esta denomina¸˜o s´ faz . ρ(d) = e Et = −2jEt2 (x.

188) (6.182) (6. o modo de ressonˆncia ´ ent˜o TM011 .186) (6. pode-se obter o modo de ressonˆncia TE110 se a ´ a dire¸˜o z for considerada como dire¸˜o de propaga¸˜o.187) (6. Sendo ca ca a e a assim.183) Ey = −2 Hx = 2j Hy = 2j mπ nπ Ho mπ lπ sen x cos y cos 2 kc a d a b mπ nπ Ho nπ lπ cos x sen y cos 2 b d kc a b mπ nπ x cos y sen a b Hz = −2jHo cos e lπ z d Ez = 0 sendo Eo = ωµ Ho β (6. os campos do modo de e ca a ressonˆncia TElmn s˜o fornecidos por: a Ex = 2 Eo nπ lπ mπ nπ cos x sen y sen 2 b d kc a b mπ nπ Eo mπ lπ sen x cos y sen 2 a kc d a b lπ z d lπ z d lπ z d lπ z d (6.179) (6.189) Ho mπ lπ mπ nπ cos x sen y cos 2 a d kc a b Eo mπ lπ mπ nπ cos x sen y sen 2 a d kc a b Ey = −2 Eo nπ lπ mπ nπ sen x cos y sen 2 b d kc a b . estabelecendo-se z como referˆncia de propaga¸˜o. para uma cavidade oca onde a sonda de excita¸˜o ´ introduzida exatamente ca e no centro da parede de area ad. Por exemco ca ca plo.CAP´ ıTULO 6. para o modo TMlmn . Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 134 sentido se uma das dire¸˜es for definida como dire¸˜o de propaga¸˜o. Entretanto.185) Enquanto que.184) (6.180) (6. tˆm-se e Hx = 2j Hy = −2j Ex = −2 Ho nπ lπ mπ nπ sen x cos y cos 2 b d kc a b lπ z d lπ z d lπ z d lπ z d (6. se a dire¸˜o y for ca ca ca ca definida como dire¸˜o de propaga¸˜o.181) (6.

existem instantes em que a energia ´ puramente el´trica e e e e instantes em que a energia ´ puramente magn´tica.9.191) (6. do tipo mostrado na Figura 6.193) + lπ d 2 (6.9. Portanto. e e 6.8b. e c fr = √ 2 pmn πa 2 r pmn πa 2 + l d 2 (6. Portanto. isto significa que. onde ora a energia est´ armazenada na forma de campo a el´trico no capacitor e ora na forma de campo magn´tico no indutor. e kr = pmn a 2 2 kc + lπ d 2 = pmn a 2 + lπ d 2 (6.195) + r l d 2 (6. Cavidade Ressonante Ez = 2Eo sen e mπ nπ x sen y cos a b lπ z d (6. Comportamento semelhante a e e de um circuito tanque LC.2 Cavidade Cil´ ındrica Para cavidade cil´ ındrica. e e a o outro ´ nulo.196) . a freq¨ˆncia de ressonˆncia ´ dada por ue a e c fr = √ 2 para os modos TMlmn .190) Hz = 0 sendo Ho = ω Eo β (6.135 6. quando um campo ´ m´ximo. onde o comprimento d est´ alinhado na dire¸˜o z. tem-se a ca kr = para modos TMlmn .192) ca ` Observe que as componentes de campo el´trico est˜o defasadas de 90◦ em rela¸˜o as e a componentes de campo magn´tico.194) para os modos TElmn .

200) (6.199) Hr = −2j Hϕ = 2j e para o modo TMlmn (6. pode e a e e e e ser obtida de .205) (6.198) Eϕ = 2 (6. que ora ´ magn´tica ora ´ el´trica.166).204) Eo lπ ∂Jm (kc r) cos mϕ sen kc d ∂r mEo lπ Jm (kc r) sen mϕ sen 2 kc r d (6.9.203) (6.202) mHo lπ Jm (kc r) sen mϕ cos 2 kc r d Ho lπ ∂Jm (kc r) cos mϕ cos kc d ∂r (6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 136 para os modos TElmn . operando no modo e o ca TElmn . A densidade volum´trica m´xima de energia.197) (6.3 Fator de Qualidade para Cavidades C´bicas u O fator de qualidade para uma cavidade de paredes retangulares. Utiliza-se o mesmo procedimento aplicado as cavidades com ` paredes retangulares para obter os campos eletromagn´ticos.206) Eϕ = −2 6. ´ obtido substituindo as express˜es dos campos na equa¸˜o (6.CAP´ ıTULO 6.201) mHo lπ Jm (kc r) sen mϕ cos 2 kc r d Ez = 2Eo Jm (kc r) cos mϕ cos Hr = −2j Hϕ = −2j Er = 2 lπ z d lπ z d lπ z d lπ z d lπ z d (6. Suas express˜es para e o a o modo TElmn s˜o: Hz = −2jHo Jm (kc r) cos mϕ sen Er = 2 mEo lπ Jm (kc r) sen mϕ sen 2 kc r d Eo lπ ∂Jm (kc r) cos mϕ sen kc d ∂r Ho lπ ∂Jm (kc r) cos mϕ cos kc d ∂r lπ z d lπ z d lπ z d lπ z d lπ z d (6.

9.213) A potˆncia dissipada nas paredes condutoras ´ dada por e e Pd = sendo b d 2 |Hy |2 dydz = 2 Re {ηc } Ho bd 0 0 Re {ηc } 2 S |Ht |2 = Px + Py + Pz (6.212) ou ainda Emax 2 µHo abd = 2 la md 2 +1 (6.208) la mπ sen x sen md a lπ z d (6.209) sen2 mπ x sen2 a lπ z d (6.215) . a energia m´xima armazenada na cavidade ´ obtida de a e 2 a b d 2 Emax = 2 Eo la md sen2 0 0 0 mπ x sen2 a lπ z dx dy dz d (6. Cavidade Ressonante Umax = No modo TElm0 .211) ou 2 Emax = Eo la md 2 abd abd = 2 2 ωµHo a mπ 2 (6.207) Ex = Ez = 0 e Ey = −2Eo logo Umax 1 2 2 Ey = 2 Eo = 2 la md 2 (6. tˆm-se e 1 1 E2 = µ H 2 2 2 (6.210) Sendo assim.137 6.214) Px = Re {ηc } (6.

217) Portanto.4 Fator de Qualidade para Cavidades Cil´ ındricas Pode-se mostrar que o fator de qualidade para cavidades cil´ ındricas. Solu¸˜o: Considerando que a aresta da cavidade ´ fornecida pela vari´vel a. para uma cavidade c´bica operando no modo TE110 . a= 3δp 3δp ∆ f = Q f 0.219) sendo S a area total da superf´ interna das paredes condutoras.6 Projete uma cavidade c´bica.219) como ca Q= Portanto. 198 m f 3/2 a 2a3 = 2 6δp a 3δp 6.CAP´ ıTULO 6.9. feita de cobre. ´ ıcie Exemplo 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 138 a d 2 |Hz |2 dxdz = Re {ηc } Ho ad Py = Re {ηc } 0 0 la md 2 +1 (6. 198∆ f = 0.218) onde V ´ o volume da cavidade e δp a profundidade de penetra¸˜o no condutor. para operar a 10GHz no u modo TE110 com uma banda de 1MHz. ´ fornecido por [8] [4] e . o fator de qualidade ´ fornecido por e ωr Emax V Q= = Pd δp 2bd + ad la 2 +1 md la 2 +1 + md 2ab la 2 md (6. operando no modo TElmn . e ca Finalmente. pode-se ca e a reescrever a equa¸˜o (6. tem-se u Q= 2V δp S (6.216) a b 2 |Hx |2 dxdy = 2 Re {ηc } Ho ab Pz = Re {ηc } 0 0 la md 2 (6.

221) Q= quando l = 0.139 6.9. λr pmn 2πδp 1 + a d (6. Cavidade Ressonante λr 1 − Q= 2 m pmn 2a d 2 (pmn )2 + lπa 2 d 3/2 lπa 2 d 2a d mlπa pmn d 2 (6.222) .220) 2πδp (pmn ) + e para o modo TMlmn λr + 1− Q= quando l > 0 e (pmn )2 + 2πδp 1 + lπa 2 d 2a d (6.

CAP´ ıTULO 6. Guias de Onda e Cavidades Ressonantes 140 .

A antena ´ um dispositivo el´trico passivo cuja fun¸˜o ´ maximizar a convers˜o e e ca e a de energia el´trica em energia eletromagn´tica. como mostrado na equa¸˜o abaixo: ca J(r . quando bem e e projetada. e I(t ) = Io e jω t (7. guias o a de onda ou fibras opticas. Em outras palavras.1 Introdu¸˜o ca As ondas eletromagn´ticas s˜o geradas atrav´s de circuitos ou dispositivos eletroe a e eletrˆnicos e se propagam em meios confinados como: linhas de transmiss˜o. e c Este fenˆmeno de transi¸˜o ´ chamado de radia¸˜o ou irradia¸˜o. a antena permite que a transi¸˜o de uma onda eletromagn´tica confinada ca e para uma onda eletromagn´tica num espa¸o aberto seja efetuada de modo eficiente. isto ´. varia tamb´m e e e de acordo com o tempo.2) . t ) = J(r ) sendo r = x ax + y ay + z az 141 (7.1 mostra um fio onde circula uma corrente el´trica e que varia harmonicamente no tempo. A Figura 7. o ca e ca ca O processo de radia¸˜o pode ser explicado utilizando-se as equa¸˜es de Maxwell ca co e o potencial vetor A.1) a ıda sendo Io o valor m´ximo da corrente distribu´ no fio. A densidade de corrente el´trica J.3) Io e jω t 2 πa (7.Cap´ ıtulo 7 Processo de Radia¸˜o ca 7. al´m de poder variar entre pontos diferentes do fio condutor. Elas tamb´m est˜o presentes no espa¸o-livre e podem ser ´ e a c introduzidas neste ambiente atrav´s de dispositivos chamados de radiadores ou antee nas.

e que ambos se propagam no espa¸o e c numa dire¸˜o ortogonal ao plano que cont´m os dois vetores E e H. sabe-se que. t) µo (7. t) variando no tempo co e gera campo el´trico E(r. t) variando no tempo. Processo de Radia¸˜o ca 142 z P R = r .CAP´ ıTULO 7. t) = µo 4π V µo J(r . e e a o raio da se¸˜o transversal do fio condutor. Neste caso.r' dV r r' 0 y J x Figura 7. t) = 1 ∇ × A(r. campo magn´tico H(r.4) e o campo magn´tico em volta do fio a partir de e H(r.5) Pelas equa¸˜es de Maxwell. t ) dV R (7. O potencial vetor A ´ obtido a partir ca e de A(r. t ) dV = |r − r| 4π V J(r . a ca e .1: Condutor conduzindo corrente el´trica.

11) pois a onda leva um certo tempo para se propagar at´ o ponto P . ´ a igual a velocidade da luz no v´cuo.10) a o n´mero de onda. t ) = J(r ) (7. t) ou E(r.1. t) jω o (7. ω a frequˆncia angular.7) fornecem ` a co os valores dos campos obtidos no instante t produzidos pela densidade de corrente a ca no tempo t .13) . substituindo-se (7. O campo el´trico pode ser obtido diretamente da lei ca e e de Amp`re na forma diferencial. a e equa¸˜o (7. t) e − jkR πa2 πa J(r . Introdu¸˜o ca dire¸˜o ´ dada pelo versor ar .9) sendo ko = ω ω √ = = ω µo vf c o (7. t) = jω o E(r. t) e − jkR dV R (7. Portanto.7) (7. tem-se R Io Io jω (t− v ) f e jω t = J(r ) 2 e = J(r .8) e 2 ∇2 H+ko H = 0 (7.12) pois.143 7.6) Os campos radiados pelo fio tamb´m obedecem as equa¸˜es abaixo. e e ∇ × H(r. t) = µo 4π V J(r . o a u e ca e permissividade no v´cuo e vf a velocidade de propaga¸˜o da onda que.2). provenientes e co das equa¸˜es de Maxwell e denominadas equa¸˜es de uma onda eletromagn´tica. Observa-se que as equa¸˜es (7.11) em (7. t) = 1 ∇ × H(r. neste caso. onde t est´ atrasado em rela¸˜o a t de acordo com t =t− R vf (7.4) pode ser reescrita como ca A(r. µo a permeabilidade do v´cuo. co co e 2 ∇2 E+ko E = 0 (7. isto ´.5) e (7.

2 Dipolo Infinitesimal ou Hertziano Um dipolo.14) .2. ca z θ A. O dipolo ´ dito infinitesimal quando o seu e comprimento ´ menor ou igual a λ/50. A densidade de corrente neste o tipo de dipolo n˜o varia para diferentes pontos do condutor. no centro do par de hastes. H e E l/2 J r y l/2 x ϕ J 2a Figura 7. A alimenta¸˜o ´ feita atrav´s das pontas e ca e e mais pr´ximas. ou seja. sua express˜o ´ a a e fun¸˜o apenas do tempo. como mostra a Figura 7. Processo de Radia¸˜o ca 144 7. de uma forma geral.2: Dipolo de Comprimento l. logo. ou seja. Io e jω t az 2 πa J(t) = Jo e jω t az = (7. ´ uma antena ou radiador constitu´ de duas e ıdo hastes met´licas distribu´ a ıdas num mesmo eixo e separadas por uma distˆncia muito a pequena.CAP´ ıTULO 7.

20) (7. para resolver a equa¸˜o acima.22) (7. t) = 4π 2 a2 Considerando-se l R. t) = 4π 2 a2 ou e − jkR l 2 2π ro R −l 2 0 0 r d r dϕ dz az (7.15) −l 2 0 0 µo Io e A(r. t) = Az (r.18) det  ∂r ∂θ ∂ϕ 2 sen θ µo r Ar rAθ r sen θ Aϕ pois a representa¸˜o dos campos radiados ´ geralmente feita em coordenadas esf´ricas. ca e e Portanto.5).19) Aϕ Az 0 1 0 Sendo assim. Dipolo Infinitesimal ou Hertziano Se o dipolo tiver comprimento total igual a l. r R. e e ca e   ar r aθ r sen θ aϕ 1 ∂ ∂ ∂  H(r. e a O campo magn´tico radiado pela antena ´ obtido da equa¸˜o (7. ent˜o a µ o Io e A(r.17) uma vez que l ´ pequeno.145 7. ´ necess´rio converter a representa¸˜o do ca e a ca potencial vetor A de coordenadas cil´ ındricas para esf´ricas. tˆm-se e Ar = Az cos θ Aθ = −Az sen θ e Aϕ = 0 (7. tem-se jω t jω t l 2 2π ro e − jkR r d r dϕ dz az R (7. Estes sistemas est˜o e a relacionados de acordo com a express˜o a seguir: a      sen θ 0 cos θ Ar Aρ  Aθ  =  cos θ 0 −sen θ   Aϕ  (7. isto ´.21) . t) = (7.16) A(r.2. t) az = µo Io l j(ω t − k r) az e 4πr (7. ent˜o.

Nas proximidades de uma antena.1 Regi˜es de Campo o Campo Pr´ximo Reativo o Pode-se observar nas equa¸˜es dos campos eletromagn´ticos que estes s˜o grandezas co e a complexas.27) ηIo l cos θ 2πr2 1+ 1 jkr e j(ω t − k r) e j(ω t − k r) (7. o e Desta forma. a (7. as partes imagin´rias dos campos s˜o a a predominantes. que n˜o se propagam e decaem exponencialmente com a distˆncia. chamada de regi˜o de campos pr´ximos reativos. em coordenadas cil´ ındricas. pode-se obter as express˜es do campo magn´tico utilizando-se o e (7. ou seja.25) (7. ca Er = Eθ = e Eϕ = 0 sendo η = 120π Ω. a a Para esta regi˜o.7).18). onde ´ r a e λ e kr 1. Nesta regi˜o. Hr = Hθ = 0 e Hϕ = jkIo l sen θ 4πr 1+ 1 jkr e j(ω t − k r) (7.29) . Processo de Radia¸˜o ca 146 uma vez que.23) J´ as express˜es referentes `s componentes de campo el´trico s˜o obtidas a partir a o a e a da equa¸˜o (7.CAP´ ıTULO 7. os campos pr´ximos radiados por um o dipolo hertziano s˜o fornecidos por: a Eϕ = H r = H θ = 0 Hϕ Io l sen θ j(ω t − k r) e 4πr2 (7. a a a o energia transferida pela antena para o espa¸o fica armazenada na forma de campos c evanescentes.3.26) jηkIo l sen θ 4πr 1+ 1 1 − jkr (kr)2 7.28) (7. impedˆncia intr´ a ınseca do v´cuo. s´ Az ´ diferente de zero.3 7.24) (7.

As equa¸˜es dos campos produzidos por um dipolo hertziano e co podem ser aproximadas como segue: Eϕ = H r = H θ = 0 Hϕ Er e Eθ jηkIo l sen θ j(ω t − k r) e 4πr (7.34) (7.29) e (7. pode-se concluir que co Eθ − Wm = 1 Re {E × H∗ } = 0 2 (7. 62 onde D ´ a maior dimens˜o da antena.37) jkIo l sen θ j(ω t − k r) e 4πr ηIo l cos θ j(ω t − k r) e 2πr2 (7. isto ´. neste caso. utilizando-se as e e a equa¸˜es (7. Assim. uma vez que os campos e e a e el´trico e magn´tico est˜o em quadratura (defasado de 90◦ ). Na pr´tica. isto ´. e a D3 λ (7.33) 7. a ca Na pr´tica.31).3.3.36) pois. ondas a a c c e eletromagn´ticas. a regi˜o de campo pr´ximo irradiante ´ delimitada pelos raios Rcp e a a o e Rcd . Regi˜es de Campo o Er e − jηIo l cos θ j(ω t − k r) e 2πkr3 (7.147 7. kr > 1.32) n˜o havendo propaga¸˜o de onda.30) jηIo l sen θ j(ω t − k r) e (7.35) (7.2 Campo Pr´ximo Irradiante (Regi˜o de Fresnel) o a Nesta regi˜o j´ come¸a a existir campos que se propagam no espa¸o. a regi˜o de campo pr´ximo ´ delimitada pelo raio [2] a a o e Rcp = 0. e .31) 4πk r3 A densidade de potˆncia m´dia nesta regi˜o ´ igual a zero.

D.3.3 mostra as regi˜es de campos.42) Eθ = ηHϕ A Figura 7.38) (7. os campos s˜o predominantemente irradiantes e a a a e densidade de potˆncia m´dia ´ obtida a partir dos campos Eθ e Hϕ . logo.41) (7. isto ´. o (7.43) Exemplo 7.CAP´ ıTULO 7.40) Hϕ e (7.39) 7.1 Qual deve ser a m´nima distˆncia para se medir o campo distante ı a radiado por um dipolo de meio comprimento de onda operando em 30MHz? Solu¸˜o: A medida tem que ser feita na regi˜o de Fraunhofer. Processo de Radia¸˜o ca 148 Rcp < r < Rcd sendo [2] Rcd = 2D2 λ (7. onde r > Rcd . ´ nesse caso o comprimento do dipolo l = λ/2 = 5 m.3 Campo Distante (Regi˜o de Fraunhofer) a Nesta regi˜o. a distˆncia ca a a m´ ınima ´ dada por e Rcd = 2D2 λ = = 5m λ 2 pois a maior dimens˜o. a e . e e e 1 1 1 |Eθ |2 ∗ ∗ ar Wm = Re {E × H } = Re Eθ Hϕ ar = 2 2 2 η Os campos para um dipolo infinitesimal s˜o a Eϕ = Hr = Hθ = Er = 0 jkIo l sen θ j(ω t − k r) e 4πr (7.

o .149 7. Regi˜es de Campo o Região de Fraunhofer Região de Fresnel Região de Campos Próximos Reativos R cp R cd Figura 7.3: Regi˜es de campos radiados por uma antena.3.

ca Eo = 1 r 60Prad 0.CAP´ ıTULO 7. u o ca Solu¸˜o: Sabe-se que a densidade de potˆncia de uma onda propagando-se no ar ´ ca e e W = 2 Eo 2η logo.2 Qual deve ser a intensidade de campo el´trico a uma distˆncia de e a 1km de uma antena isotr´pica que irradia 1W? Considere que n˜o existem obst´culos o a a e nem m´ltiplas reflex˜es entre o ponto de medi¸˜o e a antena. radiador totalmente isotr´pico. 0077 V/m .44). Processo de Radia¸˜o ca 150 7. Neste caso. e Wo = Exemplo 7.4 Radiador ou Antena Isotr´pica o Uma antena isotr´pica ´ aquela que irradia campos eletromagn´ticos de mesma o e e intensidade. a densidade de potˆncia ca e m´dia de uma frente de onda originada em uma fonte isotr´pica ´ dada por e o e Prad ar (7. independentemente da dire¸˜o. substituindo a equa¸˜o acima em (7. Este ´ utilizado apenas como a a o e referˆncia para outras antenas.44) 4πr2 N˜o existe. na pr´tica.

sobre um unico eixo. 8.1 Introdu¸˜o ca Para exemplificar os principais parˆmetros de uma antena ´ interessante tomar como a e referˆncia o dipolo de meio comprimento de onda. formam um conjunto ´ chamado arranjo colinear. Algumas antenas. Dipolos alinhados lado a lado. utilizam-se outros elementos em conjunto com o elemento radiador. Este tipo de radiador ´ comumente e e empregado na faixa de HF. Os campos radiados por um dipolo de meio comprimento de onda ser˜o obtidos na Se¸˜o 8. formando um arranjo de antenas. paralelos uns aos outros. para se aumentar o ganho e a diretividade. mas tamb´m das a o e caracter´ ısticas mais importantes fornecidas pelos seus fabricantes. Em geral. s˜o as mais e a comuns de serem encontradas no mercado.3. ca a e O mais conhecido deles ´ o dipolo de meio comprimento de onda. sendo que os de aplica¸˜o pr´tica tˆm comprimentos acima de λ/10. para que se tenha id´ia a ca e n˜o s´ da variedade de antenas que se pode encontrar no mercado. Dipolos alinhados sobre um mesmo plano. podem ser denominados de antena log-peri´dica (Figura 8. VHF e UHF.1) ou yagi o 151 .2 Tipos de Antenas As antenas lineares.Cap´ ıtulo 8 Caracter´ ısticas de uma Antena 8. fabricadas a partir de fios ou hastes m´talicas. s˜o mostradas na se¸˜o a seguir. Os dipolos podem ser classificados de acordo com o seu e comprimento. e Dipolos podem ser agrupados para maximizar certas caracter´ ısticas de uma antena. utilizando-se um procedimento a ca semelhante aquele empregado ao dipolo hertziano. O exemplo mais simples deste tipo de antena ´ o dipolo. com suas ` principais caracter´ ısticas.

4). a maioria dos refletores parab´licos utiliza antenas do tipo abertura. Para aplica¸˜es em que se deseja uma rela¸˜o frente-costas e/ou ganho mais co ca elevado que aqueles oferecidos pelos arranjos lineares. rela¸˜o frente-costas 10(dB). uma op¸˜o ´ o emprego de ca e refletores dos tipos plano. VSWR (m´dio) 2. s˜o aquelas denominadas helicoidais. muito utilizadas em r´dio-enlaces. ganho 9-12(dBi). potˆncia m´dia 1kW.CAP´ ıTULO 8. Uma antena hea a licoidal ´ composta de um refletor plano circular e uma h´lice feita de fio ou tubo e e male´vel. ou arranjo de antenas planas.3. Antenas planas.1: Log-Peri´dica com as seguintes caracter´ o ısticas: banda (MHz) 2-30. dependendo dos comprimentos dos mesmos e de como estes s˜o alia mentados. s˜o impressas em a substratos diel´tricos. e e e (Figura 8. impedˆncia 50 Ω. como mostrado na Figura 8. Estas ane tenas s˜o de maior interesse em aplica¸˜es em que o volume do dipositivo irradiador a co tem que ser m´ ınimo. As antenas planas podem ser utilizadas. como mostrado na Figura 8. como mostrado na Figura 8. “de canto” ou parab´lico. e .2). as comumente o chamadas cornetas (Figura 8. por exemplo. foguetes e m´ o ısseis sem interferir nas caracter´ ısticas aerodinˆmicas a destes ve´ ıculos. Outros tipos de antenas de alto ganho. Em frente a estes refletores s˜o o a colocados antenas ou arranjo de antenas. nas fuselagens de avi˜es.6. a Atualmente vˆm se tornando popular as antenas denominadas planas.5:1. polariza¸˜o horica a ca zontal. Contudo.5. Caracter´ ısticas de uma Antena 152 Figura 8.

impedˆncia 50 Ω. z) = (8. a a os campos distantes produzidos por cada dipolo infinitesimal (vide (7.153 8. ca a 8.2) . pode-se calcular E e H considerando-se que a o dipolo finito ´ constitu´ de v´rios dipolos infinitesimais de comprimento dz. podem ser obtidas considerando-se uma distribui¸˜o de corrente ca que varia no espa¸o de acordo com c   l l p/ 0 z 2   Io sen k 2 − z I(x..1).1)   l l Io sen k 2 + z p/ − 2 z 0 a onde k = 2π .3.2. como mostrado na Figura λ ´ importante salientar que a corrente tamb´m varia no tempo de acordo com 7. y. Ganho (dBi) 8. que esta corrente ´ nula nas extremidades do dipolo. z) e−jkR sen θ dz dEθ = 4πR (8.43)). O dipolo est´ estendido ao longo do eixo z.3 Dipolo de Comprimento Finito As equa¸˜es dos campos de um dipolo de comprimento finito l. Observa-se.2: Antena yagi com as seguintes caracter´ ısticas: banda (MHz) 174-216. ou Ver.42) e (7. Para a regi˜o de campos distantes. y. em (8.9. polariza¸˜o Hor. s˜o fornecidos por a jη kI(x. Sendo assim. E e jωt e e . Dipolo de Comprimento Finito Figura 8. e raio a muito co pequeno (a l).3. VSWR 1. que e ıdo a est˜o a uma distˆncia R do ponto em que se quer calcular os campos.

6). e a e dEθ = l 2 r + z cos θ (8. ganho 20 dBi.CAP´ ıTULO 8. ou seja. as respectivas aproxima¸˜es em fase e amplitude podem ser feitas a co dHϕ = R e R Sendo assim. y.4) r (8. VSWR 1. y. jη kI(x.5) Eθ = −l 2 dEθ = jη k e sen θ 4πr −jkr l 2 I(x.5. e ca dEθ (8. o ent˜o. Sua express˜o ´ obtida integrando-se (8. z) e−jk( r+z cos θ) sen θ dz (8.3) η Como se deseja encontrar as express˜es para pontos muito distantes da antena. z)e−jk z cos θ dz −l 2 (8.7) .6) 4πr A contribui¸˜o de todos os dipolos infinitesimais que formam o dipolo finito fornece ca o campo el´trico radiado. potˆncia de radia¸˜o 100W.3: Refletor parab´lico com as seguintes caracter´ o ısticas: banda 300-520 (MHz). Caracter´ ısticas de uma Antena 154 Figura 8.

5: Antena helicoidal. . Dipolo de Comprimento Finito Figura 8.3.4: Refletor parab´lico com antena do tipo corneta.155 8. o Figura 8.

8) + jηIo k e−jkr sen θ 4πr sen k 0 l 2 −z e−jk z cos θ dz Resolvendo-se as integrais em (8. tem-se jηIo e−jkr Eθ = 2πr e conseq¨entemente u Eθ jIo e−jkr = Hϕ = η 2πr cos kl 2 cos kl 2 cos θ − cos sen θ kl 2 (8.CAP´ ıTULO 8. Caracter´ ısticas de uma Antena 156 Figura 8.10) Exemplo 8.8).1 Determine a express˜o do campo el´trico para um dipolo de meio a e comprimento de onda. ou Eθ = jηIo k e−jkr sen θ 4πr 0 sen k −l 2 l 2 l 2 +z e−jk z cos θ dz (8. Qual a dire¸˜o de campo m´ximo? ca a .9) cos θ − cos sen θ kl 2 (8.6: Antena plana impressa utilizada num PDA (Personal Digital Assistant).

ϕ) r2 |Eθ (r. ou seja. ϕ)|2 2η (8.2.157 8.4. tem-se U (θ. ca jηIo e−jkr Eθ = 2πr O campo el´trico ´ m´ximo quando e e a sen θm = cos π cos θm 2 cos cos θ sen θ π 2 Pode-se verifcar que os valores de θm que satisfazem a igualdade s˜o 90◦ e −90◦ . θ. a antena dipolo de meio comprimento de onda.5 Intensidade de Radia¸˜o ca A intensidade de radia¸˜o em uma determinada dire¸˜o ´ definida como sendo a ca ca e potˆncia radiada pela antena por unidade de angulo s´lido. rela¸˜o frentea ca costas. A = Ω r2 .4 Principais Parˆmetros de uma Antena a Como foi visto nos exemplos citados na Se¸˜o 8. θ. 8. C = α r. ϕ)|2 + |Eϕ (r. e ˆ o a tem-se Prad (8. e Para campos distantes. impedˆncia de entrada. Principais Parˆmetros de uma Antena a Solu¸˜o: A express˜o do campo el´trico ´ obtida substituindo o comprimento l por ca a e e λ/2 na equa¸˜o (8. a ca a para exemplificar cada grandeza. seguindo uma regra semelhante aquela que fornece o comprimento de arco de uma circunferˆncia. A ´rea total ´ obtida quando Ω = 4π . Portanto. ϕ) = U (θ. de ıcie e a e ` uma forma geral. Nas se¸˜es seguintes ser˜o apresentadas estas grandezas e outras mais co a que s˜o utilizadas na caracteriza¸˜o de uma infinidade de antenas. Em termos matem´ticos. os fabricantes de antenas fornecem ca as suas principais caracter´ ısticas.12) .9). Ser´ utilizada. como ganho.11) = r2 Wrad (θ. ϕ) Ω onde Ω ´ o angulo s´lido dado em esferorradiano e Wrad a densidade de potˆncia e ˆ o e 2 a radiada pela antena. a 8. etc. O angulo s´lido multiplicado por r fornece a ´rea de parte ˆ o de uma superf´ esf´rica.

mostrando que esta antena ´ isotr´pica no plano H. Esta visualiza¸˜o ´ feita atrav´s de co ca e e diagramas tomados em diferentes planos no espa¸o.14) Como o campo el´trico num dipolo n˜o depende de ϕ. Os e e o diagramas de radia¸˜o tamb´m podem ser tra¸ados em rela¸˜o ao campo el´trico ca e c ca e normalizado. ϕ = cte. ca ca UdB (θ) = 10 log e em ϕ UdB (ϕ) = 10 log U (θ = cte. plano x = 0 ou y = 0). portanto. Caracter´ ısticas de uma Antena 158 No caso de um dipolo com orienta¸˜o ao longo do eixo z.8 mostram os diagramas de radia¸˜o de um ca λ c o dipolo de 2 ..10 mostram os diagramas de uma antena yagi de 3 elementos. s˜o tra¸ados os c a c gr´ficos da intensidade de radia¸˜o em dois planos distintos: o plano E. As Figuras 8. a express˜o da intensidade de radia¸˜o associada a este tipo de antena ´ dada por e ηI 2 cos U (θ. ϕ = cte. Tomando-se e e e como exemplo uma antena dipolo de meio comprimento de onda. As Figuras 8.15) U (θ.) Umax (8. o resultado ´ um diagrama e a e igual a uma circunferˆncia. ϕ) Umax (8.9 e 8. Os diagramas foram tra¸ados utilizando-se as express˜es que fornecem a intensidade de radia¸˜o normalizada.) Umax En (θ) = e (8. Enquanto que.6 Diagrama de Radia¸˜o ca Na pr´tica. os diagramas foram obtidos a partir de U (θ. plano z = 0). Neste caso. que cont´m a ca e o vetor campo el´trico e o plano H. tem-se apenas a componente ca e a ca Eθ do campo el´trico. ϕ) = o2 8π kl 2 cos θ − cos sen θ kl 2 2 (8. ´ interessante se visualizar a distribui¸˜o da intensidade de potˆncia a e ca e em diferentes dire¸˜es em volta da antena.13) 8. o plano H ´ qualquer plano perpendicular ao dipolo e (ex.7 e 8. em fun¸˜o de θ.CAP´ ıTULO 8.16) . tem-se como plano E qualquer plano que contenha o dipolo (ex. Em geral. alinhada ao longo do eixo z. que cont´m o campo magn´tico.

Em aplica¸˜es de r´dio-enlace.159 8..7: Diagrama de radia¸˜o de um dipolo de meio comprimento de onda (plano ca E). a 8. O maior ´ denominado l´bulo principal.7.17) Observa-se que. ϕ) Umax (8. Potˆncia Radiada e 0 -30 30 -60 60 -90 90 -120 120 -150 180 150 Figura 8. En (ϕ) = U (θ = cte. ´ sempre desejado uma maxo a co a e imiza¸˜o do l´bulo principal e uma minimiza¸˜o ou elimina¸˜o total dos l´bulos ca o ca ca o secund´rios.7 Potˆncia Radiada e A potˆncia radiada por uma antena ´ aquela emitida para o espa¸o em forma de e e c onda eletromagn´tica. no diagrama referente ao plano E. existe um l´bulo a 0◦ e outro o ◦ e o e a 180 . enquanto que o menor ´ chamado de l´bulo secund´rio. A potˆncia m´dia pode ser obtida a partir da densidade de e e e .

8: Diagrama de radia¸˜o de um dipolo de meio comprimento de onda (plano ca H). 2π π 4π P rad = 0 0 U (θ. ϕ) sen θ dθ dϕ = 0 U (Ω) dΩ (8. θ. ϕ) = 1 |Eθ (r. θ.18) onde. e e o e 2π π P rad = S W · ds = 0 0 W (θ. ϕ)|2 2η (8.20) . ϕ)|2 + |Eϕ (r. e e ca (8.11). eq. isto ´. potˆncia m´dia ou do m´dulo do vetor de Poynting. Caracter´ ısticas de uma Antena 160 0 -30 30 -60 60 -90 90 -120 120 -150 180 150 Figura 8. ϕ) r2 sen θ dθ dϕ (8. a W (θ.19) A potˆncia radiada pode ser tamb´m obtida a partir da intensidade de radia¸˜o. para regi˜o de campos distantes.CAP´ ıTULO 8.

21) e onde Uo ´ constante. para um dipolo de comprimento l.22) Resolvendo-se a integral acima. Potˆncia Radiada e 0 -30 30 -60 60 -90 90 -120 120 -150 180 150 Figura 8. a intensidade de radia¸˜o ´ constante e a o ca e potˆncia radiada fica sendo e 4π 4π P rad = 0 Uo dΩ = Uo 0 dΩ = 4πUo (8.9: Diagrama de radia¸˜o de uma antena yagi (plano E). ca No caso de um radiador isotr´pico. ηI 2 = o 4π π P rad cos kl 2 0 cos θ − cos sen θ kl 2 2 dθ (8.161 8. tem-se . Ao passo que.7.

s˜o obtidas a partir ca ca a de x x Ci(x) = −∞ cos u du = C + ln(u) + u 0 cos u − 1 du u (8.23) 1 2 + Ci(2kl) − 2 Ci(kl)]} sendo C = 0.24) e .10: Diagrama de radia¸˜o de uma antena yagi (plano H). denominadas respecco tivamente como fun¸˜o cosseno integral e fun¸˜o seno integral.CAP´ ıTULO 8. As fun¸˜es Ci e Si. 5772 (constante de Euler). ca P rad = + 2 η Io {C 4π + ln(kl) − Ci(kl) + 1 sen(kl)[Si(2kl) − 2 Si(kl)] 2 cos(kl)[C + ln kl 2 (8. Caracter´ ısticas de uma Antena 162 0 -30 30 -60 60 -90 90 -120 120 -150 180 150 Figura 8.

existem valores de θ e ϕ. A diretividade para um dipolo infinitesimal ´ obtida sabendo-se que e η U (θ.8.21). isto ´ ca ca o e U (θ. ϕ) (8. ϕ) = 2 e. ϕ) = 4πU (θ.30) Portanto.31) . Do = 4π 2π π 0 0 = sen3 θ dθ dϕ 4π 3 = 8π/3 2 (8.163 8. ´ denominado diretividade ca ca a e e sua express˜o ´ fornecida por a e Dg (θ.27) P rad Se a antena n˜o for isotr´pica. ent˜o.28) Fica claro na equa¸˜o (8. ϕ) = Do = Umax 4πUmax = Uo P rad (8. ϕ) (8.8 Ganho Diretivo e Diretividade Ganho diretivo de uma antena ´ definido como a raz˜o entre a intensidade de rae a dia¸˜o da antena e a intensidade de radia¸˜o de uma antena isotr´pica. que levam o ganho diretivo ao seu valor m´ximo. O ganho diretivo. segundo (8.28) que a diretividade de uma antena isotr´pica ´ igual a ca o e um. na c a dire¸˜o em que a intensidade radia¸˜o torna-se m´xima.20). certas dire¸˜es no a o e co espa¸o.25) 8. 2π π k l Io 4π 2 sen2 θ = Umax sen2 θ (8.26) Uo Como a intensidade de radia¸˜o de uma antena isotr´pica est´ relacionada com a ca o a potˆncia radiada atrav´s da equa¸˜o (8.29) P rad = Umax 0 0 sen3 θ dθ dϕ (8. e e ca a Dg (θ. Ganho Diretivo e Diretividade x Si(x) = 0 sen u du u (8. isto ´.

mas sim atenua¸˜o. e ` e G(θ. A potˆncia radiada por uma antena. n˜o existe ganho de a potˆncia. O ganho de uma antena ´ obtido em rela¸˜o a um e ca e ca radiador isotr´pico. ´ igual a e e a potˆncia de entrada que chega nos seus terminais. P rad .37) (8.13) fazendo l = λ . O ganho m´ximo da antena ´ obtido e a e quando o ganho diretivo ´ igual a diretividade. o Go = et Go (dBi) = 10 log Go (8. ϕ) (8. enquanto que uma antena com maior diretividade tem ganho maior que zero.34) em que Pin Considerando-se que as perdas de um dipolo de meio comprimento de onda s˜o a desprez´ ıveis. 643 (8. o ganho m´ximo de uma antena ´ fornecido em dBi (ganho em rela¸˜o a a e ca uma antena isotr´pica). uma antena que radia isotropicamente tem ganho igual o a zero dB. Caracter´ ısticas de uma Antena 164 J´ a diretividade de um dipolo de meio comprimento de onda ´ a e Do = 4π 2π π 0 0 cos2 ( π cos θ) 2 dθ dϕ sen θ 1. ca 2 8. Como a potˆncia radiada ´ e e e e G(θ.35) P rad sendo et chamada de eficiˆncia da antena. sendo assim.CAP´ ıTULO 8.33) Pin ´ a potˆncia nos terminais da antena.32) onde foi utilizada a intensidade de radia¸˜o (8.36) P rad Em geral. pode-se determinar o ganho desta antena como segue: . ϕ) (8. Pin . ϕ) = et 4πUmax = et Do (8. ou seja. isto ´. A defini¸˜o de ganho ´ dada por ca e 4πU (θ. ϕ) = P rad = et Pin ent˜o a 4πU (θ.9 Ganho de uma Antena Uma antena ´ um dispositivo passivo. se existem perdas neste dispositvo. Sendo assim. menos a potˆncia perdida e na mesma. ϕ) = et Dg (θ. n˜o existe introdu¸˜o de energia e a ca e no sistema onde ela est´ inserida.

8.39) sendo Go (dBd) o ganho da antena em rela¸˜o a um dipolo de meio comprimento de ca onda. Todos os ganhos devem ser fornecidos em decib´is. pode-se obter o feixe de meia-potˆncia e identificando-se os pontos de -3dB no diagrama mostrado na Figura 8. Tomando-se como exemca co plo o dipolo de meio comprimento de onda. Gc ´ o ganho medido na dire¸˜o oposta. A rela¸˜o frente-costas de uma ca ` ca a ca ca antena pode ser obtida a partir de Rf c (dB) = G(θf . 643) 2. Nos diagramas de e a radia¸˜o. ϕf ) − G(θc . pode-se obter o valor em dBi a partir de Go (dBi) = Go (dBd) + 2. -52◦ . pode-se obter a diretividade das mesmas a partir das larguras dos feixes de meia-potˆncia nos planos e E e H.40) onde θc = θf +180◦ .38) Alguns fabricantes fornecem os ganhos de suas antenas em rela¸˜o ao dipolo. existem dois e feixes de meia-potˆncia de 76◦ de largura. 128◦ e -128◦ .10. e Do 4π ΘE ΘH (8. ou nas “costas” da antena. ϕc = ϕf +180◦ e Gf = Go ´ o ganho m´ximo. isto ´. obtido geralmente e a e ca onde se considera a frente da antena.11 Feixe de Meia-Potˆncia e O feixe de meia-potˆncia pode ser obtido a partir da express˜o de intensidade de rae a dia¸˜o ou diretamente dos diagramas de radia¸˜o. neste ca caso. tem-se meia-potˆncia em torno de 52◦ . Neste caso. sendo que a medi¸˜o ´ feita entre as dire¸˜es onde U . estas dire¸˜es correspondem aos pontos de -3dB. um a 90◦ e outro a -90◦ . e 8. 156 dBi (8.10 Rela¸˜o Frente-Costas ca Este parˆmetro ´ uma medida utilizada para avaliar o quanto de potˆncia ´ perdida a e e e na dire¸˜o oposta a dire¸˜o de m´xima radia¸˜o. e conseq¨enteca e co u mente a potˆncia radiada.165 8.7. Rela¸˜o Frente-Costas ca Go = 10 log(Do ) = 10 log(1. cai para a metade do seu valor m´ximo. Portanto. ϕc ) = Gf − Gc (8. Seu valor ´ fornecido em radianos ca ca e ou em graus. e Para antenas que possuem l´bulos secund´rios desprez´ o a ıveis. 156 (8.41) .

Portanto. Caracter´ ısticas de uma Antena 166 Zg Ig Vg Za Figura 8. ´ mostrado na Figura 8. denominada aqui como Rr .CAP´ ıTULO 8. Ra = Rr + RL . RL . ligada diretamente a a um gerador de RF. A resistˆncia Ra consiste de uma parcela associada a radia¸˜o de ondas eletromagn´ticas. as larguras dos feixes de meia-potˆncia nos planos E e H. e c a e Como a corrente m´xima no circuito ´ dada por a e Pg = Imax = Vmax = Zg + Za Vmax (Rg + Rr + RL ) + (Xg + Xa ) 2 2 (8.11: Circuito equivalente de uma antena ligada diretamente a um gerador.44) .12 Impedˆncia de Entrada e Potˆncia Radiada a e O circuito equivalente a uma antena.42) Re Vg Ig = Vmax Imax cos φ 2 2 onde φ ´ a diferen¸a de fase entre a tens˜o e a corrente. A impedˆncia do gerador ´ repe a e a resentada por Zg = Rg + jXg e a impedˆncia “vista” nos terminais de entrada da e ` antena por Za = Ra + jXa .11. ent˜o. ` Se a tens˜o no gerador ´ Vg = Vmax ejωt . a potˆncia m´dia produzida pelo a e a e e mesmo ´ dada por e 1 1 ∗ (8. e sendo ΘE e ΘH . respectivamente. Estes valores devem ser fornecidos em radianos. no modo de transmiss˜o. a potˆncia perdida na antena pode ser obtida de a e RL 1 V2 2 PL = RL Imax = max 2 2 (Rg + Rr + RL )2 + (Xg + Xa )2 e a potˆncia radiada por e (8. 8.43) ent˜o. e uma outra parcela ca e associada as perdas na antena. e cos φ o fator de potˆncia.

13. e e 8. ´ fornecida por RL = l P πf µo σ (8. na condi¸˜o de casamento. Caso contr´rio. PL e Prad s˜o fornecidas respectivamente por Pg = PL = e Prad = 2 Vmax Rr 8 (Rr + RL )2 2 1 Vmax 4 Rr + RL (8.49) sendo er denominado eficiˆncia de casamento.45) Para se obter a m´xima energia entregue a antena. Eficiˆncia de uma Antena e 1 V2 Rr 2 Prad = Rr Imax = max 2 2 (Rg + Rr + RL )2 + (Xg + Xa )2 (8. no caso de antenas lineares. Nesta condi¸˜o. Zg = Za . A resistˆncia o a e e e ca Rr ´ chamada de resistˆncia de radia¸˜o e varia de acordo com o tipo de antena. apenas a metade da potˆncia produzida ca e pelo gerador ´ fornecida a antena e que. na melhor das hip´teses (PL = 0). Rg = Rr + RL .47) 2 RL Vmax 8 (Rr + RL )2 (8. a potˆncia e ` o e radiada ´ igual a metade da potˆncia suprida. eL a eficiˆncia associada as perdas na e e ` pr´pria antena e ρ o coeficiente de reflex˜o nos terminais da antena.167 8. o circuito tem que estar a ` ∗ casado.50) (8. isto ´. as perdas a podem ser contabilizadas a partir dos seguintes parˆmetros de eficiˆncia: a e er = 1 − |ρ|2 e eL = Rr Rr + RL (8.46) (8. Xg = −Xa e as potˆncias e ca e a Pg .51) .48) Observa-se que. e Enquanto RL .13 Eficiˆncia de uma Antena e Uma antena tem 100% de eficiˆncia quando n˜o existem perdas ohmicas na sua ese a ˆ trutura e descasamento do sistema radiante linha-antena.

e e RL = l P 5 πf µo = σ π × 10−2 π × 3 × 108 × 4π × 10−7 3. feita de tubos de alum´nio com 1cm de ı diˆmetro. isto ´. A antena. Se a haste for cil´ ındrica com raio a e comprimento l. ca a a ´ necess´rio determinar apenas os valores de Rr e RL . Sendo assim.51). 4 × 107 0. A resistˆncia associada as e a e ` perdas ´ obtida de (8. est´ casada com o sistema de transmiss˜o.53) A eficiˆncia total da antena ´ obtida de e e et = er eL onde 0 et 1. Caracter´ ısticas de uma Antena 168 sendo l o comprimento da haste ou fio condutor e P o per´ ımetro da se¸˜o transverca sal do condutor. e Por outro lado.54) ωµo 2σ (8. H = I/(2πa).CAP´ ıTULO 8. dada por (2. ent˜o ρ = 0 e et = eL .56) Exemplo 8. a a a Solu¸˜o: Se o sistema irradiante est´ casado.44). pela lei de Amp`re. tem-se. como ser´ visto no pr´ximo cap´ e ca a o ıtulo. Esta express˜o pode ser obtida a partir dos campos el´trico e a e magn´ticos dentro da haste condutora e de e E = ηc H (8.55) V l = (1 + j) I 2πa ωµo 2σ (8. 094 Ω O valor da resistˆncia de radia¸˜o.52) sendo ηc a impedˆncia intr´ a ınsica do condutor. Portanto. sabe-se que E = V l.2 Calcule a eficiˆncia total de uma antena dipolo de meio comprimento e de onda operando em 300MHz. pode-se escrever I V = (1 + j) l 2πa ou ZL = onde RL = Re{ZL } = l 2πa l ωµo = 2σ P πf µo σ (8. (8. ´ fornecido e por .

29) e (8. (8. co .57) Se a antena estiver ligada a um sistema cuja impedˆncia Zs = Rs + jXs . Zs = Za . obt´m-se ca Ae = 2 1 Vmax V2 = max 8Wi Ra 8Wi Rr + RL (8. a eficiˆncia do dipolo em e ca e considera¸˜o ´ ca e et = eL = 73.58) e a a e ´ e onde Vmax ´ a tens˜o m´xima gerada pela antena e Ae ´ a area el´trica ou abertura ∗ e efetiva. A resistˆncia de radia¸˜o pode ser determinada a e ca 2η partir das equa¸˜es (8.23).28). ou seja. 13 + 0. a a a a ´rea Ae pode ser obtida de Ae = Prx V2 Rs = max Wi 2Wi (Rs + Rr + RL )2 + (Xs + Xa )2 (8.61) pois Vmax = Eo le e Wi = Eo . 094 99. Na condi¸˜o de casamento. ´ necess´rio multiplicar a area da antena pelo m´dulo do vetor de Poynting ca e a ´ o incidente.14 ´ Area El´trica e Comprimento El´trico e e Para se calcular a potˆncia nos terminais de uma antena que opera no modo de e recep¸˜o. Por fim. isto ´.14. ent˜o. 13 73. e Prx = Wi Ae (8.45).60) 8Wi Rr Por exemplo.59) Se as perdas forem nulas. 13 Ω sendo a potˆncia de radia¸˜o obtida de (8. a area el´trica ´ m´xima. 87 % 8.169 ´ 8. a area efetiva m´xima de um dipolo infinitesimal de comprimento ´ a e el´trico le ´ dada por e Aem = Aem = 2 2 2 Eo le ηl2 = e 8Wi Rr 4Rr (8. Area El´trica e Comprimento El´trico e e Rr = 2 P rad Io2 73. ´ e e a 2 Vmax (8.

a menos que a eficiˆncia seja 100% (Go = Do ). A express˜o do comprimento el´trico ´ obtida a partir da equa¸˜es a e e co (8.67) π 120 Exemplo 8. Qual deve ser o comprimento el´trico da antena receptora? e le = Solu¸˜o: Como foi visto. 64 1. a e e e a e Aem = λ2 (8.66) e. ela ´ a e v´lida para qualquer tipo de antena. ou seja. isto ´. Caracter´ ısticas de uma Antena 170 2 2 Prad 8πUmax η k 2 le = 2 = 2 Io I o Do 4πDo Substituindo-se (8. 22 × 1.64). tem-se 2 ηle λ2 = Go 4Ra 4π 2 ηle 4Ra (8.62) πDo λ2 = (8.CAP´ ıTULO 8. ´ a e a e Outro parˆmetro importante ´ o comprimento el´trico. Portanto. 639. Portanto.65) (8.61) obt´m-se a ´rea el´trica em fun¸˜o da resistˆncia da e a e ca e antena. 22 Ω e Go = et Do = 0. De (8. pode-se concluir que a area el´trica a ´ e m´xima ´ inversamente proporcional ao quadrado da freq¨ˆncia e diretamente proa e ue porcional a diretividade da antena. le = 1 π 73.61). em casos onde se necessita obter a tens˜o nos a a seus terminais. conseq¨entemente.2 . tem-se Rr = (8. a area n˜o ´ m´xima.62) em (8. 639 = 0.67) ca e e ca onde.61). 318 m 120 . neste caso.64) Go 4π Neste caso.64) e (8. ` A ´rea el´trica ´ obtida tamb´m a partir do ganho m´ximo da antena.3 Considere um enlace de r´dio constitu´ de dois dipolos idˆnticos a ıdo e a `quele do Exemplo 8. Este ´ muito empregado a e e e na an´lise de antenas do tipo dipolo. u λ Ra G o (8. Ra = Rr + RL 73. Ae = Ae = Substituindo (8.65) em (8. 9987 × 1.63) Do k2 4π Apesar da express˜o acima ter sido obtida para um dipolo infinitesimal. o comprimento el´trico ´ fornecido pela equa¸˜o (8.

a impedˆncia de reca e a ferˆncia ´ 75Ω. Na pr´tica. circularmente polarizadas e elipticamente polarizadas.15 Largura de Banda A banda de uma antena ´ a faixa de freq¨ˆncia onde as principais caracter´ e ue ısticas da mesma n˜o se alteram.171 8.68) ue ue sendo ∆f = fs − fi . 8. uma onda est´ polarizada linearmente na vertical e a quando a dire¸˜o do campo el´trico ´ vertical em rela¸˜o a Terra.12 mostra a varia¸˜o da impedˆncia com a freq¨ˆncia para um dipolo ca a ue de meio comprimento de onda. a ıda Em algumas aplica¸˜es. Largura de Banda 8.16 Polariza¸˜o ca A polariza¸˜o de uma onda eletromagn´tica est´ associada com a dire¸˜o do campo ca e a ca el´trico da mesma. o que leva ao a e ca aumento do coeficiente de onda estacion´ria nos terminais de sa´ do transmissor. Enquanto.69) .15. ue e A Figura 8.5 e a faixa de freq¨ˆncia que leva a estas impedˆncias corue a responde a banda da antena. supondo-se que n˜o existam grandes mudan¸as nas a c outras caracter´ ısticas da antena. f = fs +fi . 73 + j42. A conseq¨ˆncia direta da varia¸˜o de a ue ca impedˆncia ´ o surgimento de ondas refletidas na linha de alimenta¸˜o. alguma varia¸˜o ´ tolerada. Para bandas estreitas. que indica que a freq¨ˆncia superior ´ 5 vezes maior que a inferior. todas as impedˆncias internas a circunferˆncia fornecem e a ` e um VSWR menor que 1. Por exemplo.5. ou seja. e a ue isto ´. Neste caso. para bandas largas. utiliza-se a nota¸˜o x:y. fs a freq¨ˆncia superior da banda e fi a freq¨ˆncia 2 inferior. a circunferˆncia tra¸ada a partir do centro da carta de Smith equivale e e e c c a um VSWR de 1. como por exemplo ca 5:1.5 e o ponto marcado ´ referente a impedˆncia na freq¨ˆncia f = λ . Considerando-se que uma onda plana se propaga no sentido z + e tem campo el´trico da forma e E = Ex ax + Ey ay em que (8. e B= ∆f × 100 % f (8. como por exemplo a a ca e no que se refere a impedˆncia de entrada. a largura de banda de uma antena pode ser medida a partir co das freq¨ˆncias onde o VSWR tem valor igual a 1. a largura ue ´ dada em percentagem. A faixa de varia¸˜o ´ de 10%. As ondas eletroca e e ca ` magn´ticas podem ser classificadas de acordo com a polariza¸˜o em trˆs grupos e ca e distintos: ondas linearmente polarizadas.

se a mesma est´ sendo usada no modo de transmiss˜o. Caracter´ ısticas de uma Antena 172 Z in =73+j42 VSWR= 1. Por exemplo. a onda tem polariza¸˜o circular para a esquerda se δ = π/2. e para a direita se δ = −π/2. co e A polariza¸˜o de uma antena ´ definida de acordo com a polariza¸˜o da onda raca e ca diada por esta. ent˜o. Se o eixo x est´ paralelo a Terra e o y na vertia ` cal. tem-se polariza¸˜o linear horizontal quando E2 = 0 e polariza¸˜o linear a ca ca ca a vertical para E1 = 0. ent˜o a a polariza¸˜o ´ dita linear a X ◦ onde X = arctg(E2 /E1 ).5 Figura 8. Finalmente. Ex = E1 sen(ωt − kz) e Ey = E2 sen(ωt − kz + δ) (8. A onda est´ circularmente ca e ca polarizada quando δ = ±π/2 e E1 = E2 . a onda tem polariza¸˜o el´ ca ıptica quando nenhuma das condi¸˜es acima ´ satisfeita. No exemplo dado. para mesma condi¸˜o de defasagem.70) (8. Se E1 = 0 e E2 = 0.12: Varia¸˜o da impedˆncia de entrada com a freq¨ˆncia para um dipolo ca a ue de meio comprimento de onda.CAP´ ıTULO 8. a a se uma antena radia onda circularmente polarizada para a direita. ela ´ uma antena e .71) pode-se dizer que a onda est´ polarizada linearmente quando a defasagem entre as a componentes tem valor δ = 0 ou π.

17 Temperatura de Ru´ ıdo Sabe-se que. todo corpo a uma temperatura acima de zero absoluto radia energia. A potˆncia dispon´ de ru´ nos terminais da antena ´ dada por e ıvel ıdo e Pa = kTa B (8. a ca o aproveitamento da potˆncia n˜o ´ maximizado. pode ser e quantificada a partir de αpol = |ao · a∗ |2 a ou em decib´is e αpol (dB) = −10 log αpol = −20 log |ao · a∗ | a (8. ϕ)T (8. devida ao n˜o ale a e a inhamento correto entre a antena e o campo el´trico da onda incidente.73) (8. Pode-se tamb´m verificar a polariza¸˜o de ca e ca uma antena a partir da potˆncia de recep¸˜o nos terminais da mesma quando esta e ca opera no modo de recep¸˜o. Esta energia est´ associada a uma temperatura equivalente dada por a Te = ε(θ. A polariza¸˜o da antena vai ser igual a polariza¸˜o da ca ca ` ca onda incidente que produzir o maior n´ de potˆncia nos seus terminais. ıvel e Se a antena n˜o estiver exatamente na mesma polariza¸˜o da onda incidente. A temperatura equivalente de ru´ de uma antena ıdo depende da dire¸˜o para onde ela est´ sendo apontada e seu valor pode ser obtido ca a a partir de 2π π Ta = 0 0 Te (θ. ϕ) o ganho da antena.74) onde ε ´ denominada emissividade do corpo e T a temperatura das mol´culas (em e e K) que constituem o mesmo. Esta perda.173 8.76) . ϕ) sen θ dθ dϕ 2π π (8. Temperatura de Ru´ ıdo de polariza¸˜o circular para a direita. ϕ)G(θ.75) G(θ.72) onde ao ´ o versor que fornece a dire¸˜o do campo el´trico da onda incidente. 8. ϕ) sen θ dθ dϕ 0 0 sendo G(θ. e a∗ e ca e a o complexo conjugado do versor associado a dire¸˜o do campo el´trico induzido na ` ca e antena.17.

como mostrado na Figura 8. sendo k = 1. ı (8. A figura de ru´ est´ relacionada com a temperatura ıdo a de ru´ atrav´s da equa¸˜o ıdo e ca Ta +1 (8. linha de transmiss˜o e reca ıdo a ceptor. Qual deve ser a figura de ru´do do e ı sistema? Caracter´sticas do sistema: cabo RG6. utiliza uma ca e antena parab´lica com temperatura de ru´do igual a 40K.13: Sistema de recep¸˜o constitu´ de antena. O ru´ nos terminais da antena pode tamb´m ser quantificado a partir de um fator ıdo e denominado Figura de Ru´ ıdo.78) (8. linha de transmiss˜o e ca ıdo a receptor.80) (8. l o seu comprimento e To sua temperatura.79) .CAP´ ıTULO 8. Caracter´ ısticas de uma Antena 174 T s=T c+T r Te To l Ta Tc Figura 8. ca Exemplo 8. a potˆncia de ru´ do sistema ´ dada por e ıdo e F = Ps = kTs B Ts = Tc + Tr sendo Tc = Ta e−2α l + To (1 − e−2α l ) α a atenua¸˜o no cabo.4 Um sistema de recep¸˜o via sat´lite. O receptor est´ ligado a o ı a ` antena atrav´s de um cabo coaxial de 20m. 38 × 10−23 J/K a constante de Boltzman e B a largura de banda. que opera em 1GHz. faixa de opera¸ao 50MHz e figura ı c˜ de ru´do do receptor 1dB. 290K.77) T onde Ta ´ a temperatura equivalente de ru´ nos terminais da antena e T ´ a e ıdo e temperatura ambiente padr˜o.13. a Para um sistema de recep¸˜o constitu´ de antena.

175 8. 07 (3.17. RG213. por exemplo.31dB/m. a figura de ru´ do sistema ´ a ıdo e F = 234 + 75 Tc + Tr +1= +1 T 290 2.43 ) 234 K onde a temperatura do cabo foi considerada igual a 22◦ C (295K).16dB) 75 K Este valor poderia ser menor se fosse utilizado um cabo coaxial de menor atenua¸˜o ca como. 686 = 0. . ca ca logo α = αdB /8. Temperatura de Ru´ ıdo Solu¸˜o: O cabo coaxial RG6 possui. Como a temperatura equivalente de ru´ do receptor ´ dada por ıdo e Tr = T (F − 1) = 290(101/10 − 1) ent˜o. em 1GHz.43 + 295 (1 − e−1. um fator de atenua¸˜o de 0. 0357 e Tc = 40 e−1.

CAP´ ıTULO 8. Caracter´ ısticas de uma Antena 176 .

dentre outras estrua turas. o ser˜o analisadas com mais detalhes nos cap´ a ıtulos que se seguem. As caracter´ ısticas de conjunto de dipolos. quando comparado com o ca a e comprimento de onda. Neste cap´ ıtulo ser˜o mostradas as principais a caracter´ ısticas de antenas lineares do tipo dipolo. a ´ ca 9. quando este se encontra pr´ximo de ca a o um outro elemento linear. a a 9. como Yagi e Log-Peri´dica. como foi dito anteriormente. s˜o constitu´ a ıdas na sua maioria de fios ou hastes met´licas que podem ser agrupados para formar. Ala gumas das suas caracter´ ısticas j´ foram vistas no cap´ a ıtulo anterior e outras ainda n˜o foram detalhadas. o estudo da varia¸˜o da impedˆncia de um dipolo. assim como a an´lise daqueles que n˜o foram detalhados anteriormente. Nesta se¸˜o ´ apresentada uma s´ a ca e ıntese dos parˆmetros que j´ a a foram vistos. O campo el´trico ´ dado por e e 177 .2. ser´ visto na pen´ltima se¸˜o deste cap´ a u ca ıtulo. dipolos ou conjunto de dipolos. monopolo com plano terra e dipolos dobrados.1 Campos Distantes As express˜es dos campos distantes de um dipolo fino de comprimento finito s˜o o a apresentadas mais uma vez a seguir.2 Caracter´ ısticas de um Dipolo de Comprimento Finito Os dipolos finos s˜o as estruturas lineares mais simples de serem analisadas.1 Introdu¸˜o ca As antenas lineares.Cap´ ıtulo 9 Antenas Lineares 9. Dipolos com se¸˜o transversal cujo diˆmetro ´ relativamente grande. Entretanto. ser˜o abordados na ultima se¸˜o.

Observa-se que a largura de feixe de meia-potˆncia e diminui com o aumento do comprimento do dipolo. Antenas Lineares 178 jηIo e−jkr Eθ = 2πr e o magn´tico por e cos kl 2 cos θ − cos sen θ kl 2 (9.2. ϕ) = A f (θ.3 Diagrama de Radia¸˜o ca A Figura 9.4) 2 cos θ − cos sen θ kl 2 9.1 mostra os diagramas de radia¸˜o no plano E para dipolos com comca primento menor ou igual a λ. verifica-se que o n´mero de l´bulos aumenta com o comprimento.2 apresenta os diagramas para dipolos com comprimento igual ou maior que λ. ϕ) sendo η |Io |2 A= 8π 2 e f (θ. u o 9.3) (9.2) observando-se que os campos n˜o tˆm dependˆncia em r e ϕ.5) .2. a e e 9. Enquanto que a Figura 9.2 Intensidade de Radia¸˜o ca A intensidade de radia¸˜o de um dipolo ´ dada por ca e U (θ. ϕ) = cos kl 2 (9.1) Eθ jIo e−jkr Hϕ = = η 2πr cos kl 2 cos θ − cos sen θ kl 2 (9.4 Potˆncia Radiada e η |Io |2 Kr 4π A potˆncia radiada por um dipolo pode ser obtida a partir de e P rad = sendo (9.2.CAP´ ıTULO 9. Neste caso.

Ci e Si s˜o as integrais fornecidas pelas equa¸˜es a co (8. 9.28) ou ca ent˜o atrav´s de a e . λ/2 (curva s´lida) e λ (curva tracejada).179 9. Caracter´ ısticas de um Dipolo de Comprimento Finito 0 -30 30 -60 60 -90 90 -120 120 -150 180 150 Figura 9.24) e (8.2.6) cos(kl)[C + ln kl 2 + Ci(2kl) − 2 Ci(kl)] lembrando-se que C = 0. 5772. no plano E.2.25).1: Diagrama.5 Diretividade e Ganho A diretividade de um dipolo pode ser calculada utilizando-se a equa¸˜o (8. 5772 + ln(kl) − Ci(kl) + 1 sen(kl)[Si(2kl) − 2 Si(kl)] 2 + 1 2 (9. o Kr = 0. da intensidade de campo el´trico para dipolos e com comprimento: λ/8 (curva pontilhada).

ϕ) |max 2π π (9. ϕ) |max = P rad Kr (9. o Do = 4π f (θ.5λ (curva pontilhada).7) f (θ.CAP´ ıTULO 9. no plano E. λ (curva s´lida) e 2λ (curva tracejada).8) sendo que o ganho ´ fornecido por e .2: Diagrama. da intensidade de campo el´trico para dipolos e com comprimento: 1. ϕ) sen θ dθ dϕ 0 0 ou a partir de Do = 4πUmax 2 f (θ. Antenas Lineares 180 0 -30 30 -60 60 -90 90 -120 120 -150 180 150 Figura 9.

a resistˆncia Rr se refere ` radia¸˜o e RL `s perdas nas hastes ou e e e fios. ϕ) |max Kr onde et ´ a eficiˆncia da antena.181 9.56). RL ´ fornecida por (8. o m´ximo pode n˜o ocorrer no ponto de alimenta¸˜o. a amplitude da corrente de entrada no dipolo pode ser obtida de Imax = Io sen e a resistˆncia de entrada por e Rin = Rr sen2 kl 2 (9. e e Go = (9. l) onde e Ra = Rr + RL ´ a resistˆncia total de entrada e Xa a reatˆncia. Como foi visto e e a a ca a no Cap´ ıtulo 8. a potˆncia associada a parte resistiva da antena ca e ` ´ dada por e 1 2 (9. Portanto. No caso onde n˜o e a a existem perdas. Rin = Rr . De uma forma geral.6 Impedˆncia de Entrada a A impedˆncia de um dipolo fino depende da freq¨ˆncia de excita¸˜o e do coma ue ca primento do mesmo. enquanto Rr pode ser obtida a partir da potˆncia radiada. portanto. Entretanto. l) = Ra (f. Caracter´ ısticas de um Dipolo de Comprimento Finito 2 et f (θ. Rr = 2 P rad η = Kr 2 Io 2π (9.9) 9. a amplitude da a ca corrente de entrada Imax = Io .13) .51).2. como ´ o caso a a ca e do dipolo de um comprimento de onda. ou seja. obtida de (8. tˆm-se Pres = P rad e e Io2 Rin = Rr 2 (9.2.11) Pres = Rin Imax 2 onde Imax ´ o valor m´ximo da corrente de entrada da antena. para outros comprimentos.12) Imax Para um dipolo de meio comprimento. a corrente distribu´ ao longo de seu ıda comprimento tem valor m´ximo no ponto de alimenta¸˜o.10) ´ E bom lembrar que Io se refere ` distribui¸˜o de corrente no dipolo e n˜o a corrente a ca a ` de alimenta¸˜o do mesmo. l) + jXa (f.14) kl 2 (9. Seu valor ´ dado por Za (f. Sendo assim.

pois co e kl/2 = π. Qual o valor desta impedˆncia para o a dobro desta freq¨ˆncia? O dipolo ´ feito de tubos de alum´ ue e ınio de 1cm de diˆmetro. os valores de Kr = 1.CAP´ ıTULO 9. a Solu¸˜o: A impedˆncia para um dipolo de λ/2 ´ fornecida por ca a e Zin = Rr + jXa η = Rr + j Xa = (2 Kr + j Kx ) kl 4π sen2 2 pois kl/2 = π/2. 4182. e Zin = 30 (2Kr + j Kx ) 73. a e Xin = Xa sen2 kl 2 (9.15) obt´m-se Zin → ∞. o comprimento ue ca da onda que excita o dipolo passa de 1. o dipolo projetado para ter λ/2 em 100MHz tem agora comprimento ue l = λ. nesta nova freq¨ˆncia. A express˜o da reatˆncia ´ a a e Xa = sendo Kx = 2 Si(kl) + cos(kl)[2 Si(kl) − Si(2kl)] 2ka2 l η Kx 4π (9.6) e (9. Utilizando-se as equa¸˜es (9.5m para 75cm.17). isto ´. Sendo assim. para um raio a = 0. . respectivamente. Antenas Lineares 182 A reatˆncia de entrada de um dipolo segue a mesma regra. desprezando-se as perdas a nos condutores.16) (9.1 Determine a impedˆncia de entrada de um dipolo de meio compria mento projetado para operar em 100MHz.18) Exemplo 9. 005 m. 54 Ω Quando a freq¨ˆncia de opera¸˜o passa de 100 para 200MHz.15) onde o valor da reatˆncia Xa ´ obtido utilizando-se o m´todo da for¸a eletromotriz a e e c induzida [2]. co obt´m-se.17) ] − sen(kl)[2 Ci(kl) − Ci(2kl) − Ci Portanto. Substituindo este valor nas equa¸˜es (9. 13 + j 42. 2188 e Kx = 1.14) e (9. ´ e Zin = Rin + jXin (9. a impedˆncia de entrada para um dipolo finito. Portanto.

Z2 = I1 V2 = Z22 + Z21 I2 I2 (9.22) V1 I2 = Z11 + Z12 I1 I1 (9.21) onde Z11 e Z22 s˜o as impedˆncias pr´prias obtidas diretamente de (9.3: (a) Arranjo de dois dipolos.3b) onde as impedˆncias a nos terminais das portas s˜o obtidas resolvendo-se o sistema de equa¸˜es a seguir: a co V1 = Z11 I1 + Z12 I2 e V2 = Z21 I1 + Z22 I2 (9.3a. ´ dada por e Z1 = e na porta 2. Este arranjo pode ser considerado como um dispositivo de duas portas (Figura 9.20) (9.19) A impedˆncia “vista” nos terminais da porta 1.3.183 9. equivalente a impedˆncia de a a entrada do dipolo 1. a a o . Impedˆncia M´tua entre Elementos Lineares a u I1 I2 l d V1 V2 (a) (b) Figura 9.18).3 Impedˆncia M´tua entre Elementos Lineares a u Considere o arranjo de dipolos mostrado na Figura 9. (b) quadripolo equivalente. 9. terminais do dipolo 2.

R1 a e R2 s˜o dadas por a ρ= r= x2 + y 2 ρ2 + z 2 l 2 2 (9.3. (7. ´ necess´rio se saber as express˜es dos campos pr´ximos radiados por e a o o estes. tˆm-se e Hϕ = e E= ou Eρ = e Ez = 1 ∂ jIo e−jkR1 e−jkR2 + − 2 cos (ρHϕ ) = − jωρεo ∂ρ 4πρ R1 R2 kl 2 e−jkr r (9. Sendo assim.4). mostrado a o u na Figura 9.28) R1 = e R2 = ρ2 + z − (9.3a.7). As vari´veis ρ. uma vez que as distˆncias consideradas s˜o relativamente curtas.26) jηIo j ∂Hϕ = ωεo ∂z 4πρ z− l 2 e−jkR1 l + z+ R1 2 e−jkR2 − 2 z cos R2 kl 2 e−jkr r (9.1 Campos Pr´ximos para um Dipolo Finito o Para se calcular as impedˆncias pr´prias e m´tuas do arranjo de dipolos.5) e (7. Antenas Lineares 184 9.29) ρ2 l + z+ 2 2 (9.1).24) jIo e−jkR1 + e−jkR2 − 2 cos 4πρ kl 2 e−jkr (9. e levando-se em considera¸˜o que a distribui¸˜o de corrente ´ ca ca e expressa por (8. r. uma vez que as frentes de ondas s˜o praticamente cil´ a ındricas.27) (9.25) 1 ∇×H jωεo (9. que envolve as express˜es o (7. a a utilizando-se o procedimento apresentado no Cap´ ıtulo 7.CAP´ ıTULO 9.23) Devido a proximidade dos dipolos adotou-se o sistema de coordenadas cil´ ` ındricas.30) .

´ necess´rio se obter primeiro as impedˆncias e a a a m´tuas Z12 e Z21 . l2 2 V2 = − ent˜o.1) e (9.31) Z21 = V2 I1 (9. (8.1) e Ez1 (z) por (9. Impedˆncia M´tua entre Elementos Lineares a u 9. tem-se a 1 I2 Ez1 (z) I2 (z) dz −l2 2 (9. obt´m-se e . (b) elementos colineares.32).3.31).2 Impedˆncia para Elementos Paralelos a Para se obter as impedˆncias nos terminais de dois dipolos posicionados lado a a lado. Sendo assim.32) e ca onde I2 (z) ´ dado pela equa¸˜o (8. Tomando-se como exemplo o c´lculo de Z21 e considerando-se u que a tens˜o induzida pela onda gerada pelo dipolo 1. substituindose (9.3.26) em (9. ´ a e dada por l2 l1 d l2 h l1 (a) (b) Figura 9. como mostrado na Figura 9.4: (a) Elementos paralelos. nos terminais do dipolo 2.26).4a.185 9.

36) e−jkR1 e−jkR2 + − 2 cos R1 R2 De maneira semelhante pode se obter l1 2 Z12 = sen × kl1 2 j30 sen kl2 2 sen k −l1 2 l1 − | z| 2 kl2 2 e−jkr dz r (9.19) a a co e a o e (9. tem-se . No caso de dois dipolos de comprimentos iguais.33) e−jkR1 e−jkR2 + − 2 cos R1 R2 Como I1 = Io1 sen e I2 = Io2 sen ent˜o a l2 2 kl1 2 kl2 2 (9.20) para determinar I1 e I2 .35) Z21 = sen × kl1 2 j30 sen kl2 2 sen k −l2 2 l2 − | z| 2 kl1 2 e−jkr dz r (9.CAP´ ıTULO 9.37) e−jkR1 e−jkR2 + − 2 cos R1 R2 As impedˆncias dos dipolos s˜o obtidas resolvendo-se o sistema de equa¸˜es (9. Antenas Lineares 186 Z21 = jηIo1 Io2 4πI1 I2 × l2 2 sen k −l2 2 l2 − | z| 2 kl1 2 e−jkr dz r (9. Para tanto ´ necess´rio saber os valores das tens˜es V1 e V2 .34) (9.

40) Neste caso. e l2 +h 2 Z21 = sen kl1 2 j60 sen kl2 2 sen k h− kl1 l2 2 l2 − | z − h| 2 e−jkz dz cos kl1 e −j 2 ej 2 2 + − × 2z − l1 2z + l1 z kl1 (9. 4 − j36. Z11 = Z22 e I1 = I2 .37).4b.187 9. u a Z1 = Z2 = 73.18).38) R21 = e √ √ 2 Ci(kd) − Ci(k d2 + l2 + kl) − Ci(k d2 + l2 − kl) (9. ue a a Determine a impedˆncia nos terminas dos mesmos. ou seja. tem-se r = z em (9. 53 + j5. Seus valores s˜o fornecidos pela equa¸˜o (9. As impedˆncias pr´prias s˜o a ca a o a a obtidas de (9. Z1 = Z2 = Z11 + Z12 = Z22 + Z21 (9.36) e (9. Sendo assim. est˜o posicionados paralelamente a uma distˆncia de 1m. 54 + 21.42) .37). portanto.41) Exemplo 9. operando na mesma e ` freq¨ˆncia de 100MHz.36) e (9. 54. Enquanto as impedˆncias m´tuas s˜o dadas por (9.3. 13 + j 42. a Solu¸˜o: Devido a simetria do problema.2 Dois dipolos idˆnticos aquele do exemplo anterior. Z11 = Z22 73.39) X21 = 30 sen 2 kl 2 √ √ 2 Si(kd) − Si(k d2 + l2 + kl) − Si(k d2 + l2 − kl) (9.41). 13 + j 42.3.3 Impedˆncia para Elementos Colineares a Para dois dipolos dispostos lado a lado sobre um mesmo eixo. 78 Ω 9. como mostrado na Figura 9. 76 = 94. isto ´. Impedˆncia M´tua entre Elementos Lineares a u Z12 = Z21 = R21 + jX21 onde 30 sen 2 kl 2 (9. as impedˆncias de entrada dos dipolos s˜o ca ` a a iguais.

4 Plano Terra Se um dipolo estiver a uma certa distˆncia de uma superf´ a ıcie plana condutora.48) 9. ent˜o.5a mostra um exemplo desta situa¸˜o e a Figura 9.44) [C sen (kh) − A cos(kh)] (9. onde um dipolo.46) (9. . o campo resultante em frente ao refletor ´ combina¸˜o linear dos campos radiados diretamente e ca do dipolo e dos campos refletidos na superf´ condutora.47) (9. a e a R21 = e X21 = onde 15 sen 2 kl 2 kl2 (9. Antenas Lineares 188 e l1 +h 2 Z12 = sen kl1 2 j60 sen kl2 2 sen k h− kl2 l1 2 l1 − | z − h| 2 e−jkz dz cos kl2 e−j 2 ej 2 2 + − × 2z − l2 2z + l2 z Se os comprimentos s˜o idˆnticos.CAP´ ıTULO 9. A Figura 9.43) 15 sen 2 kl 2 [A sen (kh) − B cos(kh)] (9.5b o equivalente ca utilizando a teoria das imagens. ´ equivalente a dois dipolos afastados a uma distˆncia e a 2h. Portanto. parte dos campos radiados por ele ´ refletido nesta superf´ e ıcie. Estes campos podem ser ıcie obtidos aplicando-se a teoria das imagens.45) A = 2 Si(2kh) − Si [2k(h − l)] − Si [2k(h + l)] B = −2 Ci(2kh) + Ci [2k(h − l)] + Ci [2k(h + l)] − ln e C = 2 Ci(2kh) − Ci [2k(h − l)] − Ci [2k(h + l)] − ln (h2 − l2 ) h2 (h2 − l2 ) h2 (9. a uma distˆncia h em a frente a um plano condutor.

4.49) onde ρ ´ o coeficiente de reflex˜o para uma onda de incidˆncia obl´ e a e ıqua (com polariza¸˜o TM ou paralela). Este coeficiente de reflex˜o ´ obtido a partir de ca a e .5a for um dipolo infinitesimal de comprimento l.1 Dipolo na Vertical Se o dipolo apresentado na Figura 9. (b) arranjo equivalente. Plano Terra E r+E d r1 E r+E d h 2h r2 (a) (b) Figura 9.50) (9.5: (a) Dipolo em frente a uma superf´ condutora.189 9.4. alinhado no eixo z e a uma distˆncia h da origem. ıcie 9. o campo el´trico a uma a a e distˆncia r da origem ´ dado por a e E = E d + Er sendo Ed = e Er = ρ jηkIo l sen θ2 e − jk r2 aθ 4πr2 (9.51) jηkIo l sen θ1 e − jk r1 aθ 4πr1 (9. ent˜o.

neste caso.56) e (9. c jηkIo l e − jk r sen θ 4πr O fator FA . em termos de amplitude. Quando o campo ca oe el´trico se encontra normal ao plano condutor a uma certa altura deste. obt´m-se e jηkIo l e − jk r sen θ cos (kh cos θ) 2πr Observa-se em (9.6 para o caso do solo). ˆ e ˆ ca As impedˆncias η0 e η1 s˜o. pode ser identificado como Eel = FA = e jkh cos θ + ρ e − jkh cos θ ou (9. ou seja. r1 Portanto. jηkIo l e − jk r sen θ e jkh cos θ + ρ e − jkh cos θ E= 4πr (9.49) pode ser escrita de uma forma simplificada no caso de r ca l.55) k (r − h cos θ) k (r + h cos θ) (9.56) r2 r (9. A equa¸˜o (9.52) sendo θi o angulo de incidˆncia e θt o angulo de refra¸˜o obtido da lei de Snell.57) que E= E = Eel FA (9.56) s´ ´ valida para pontos onde z > 0.57) (9.CAP´ ıTULO 9. a impedˆncia intr´ a a a ınseca do ar e a impedˆncia intr´ a ınseca do plano condutor. Portanto.54) ´ E logico que a equa¸˜o (9. e k r1 k r2 e.53) (9. tˆm-se θ1 θ2 . pois. Antenas Lineares 190 ρ = η1 cos θt − η0 cos θi η1 cos θt + η0 cos θi (9.58) sendo Eel o campo radiado pelo dipolo sem a presen¸a do plano condutor. respectivamente. denominado fator de arranjo.60) . 9. tˆm-se e e ◦ θi 90 e ρ 1 (vide Fig.59) (9.

49). Neste caso. de uma forma geral.191 9.62) 9. O coeficiente ca de reflex˜o.64) 4πr2 sendo cos ξ = sen θ cos ϕ = ax · ar e aξ o versor na dire¸˜o do angulo ξ. neste caso. se quiser obter o campo devido a um dipolo finito pr´ximo a um refletor condutor perfeito. O que resulta em o a E= jηIo e−jkr πr cos kl 2 cos θ − cos sen θ kl 2 cos (kh cos θ) (9. as componentes direta e refletida s˜o fornecidas por a Ed = e jηkIo l sen ξ2 e − jk r2 aξ (9.63) E= (9. Entretanto. Plano Terra FA = 2 cos (kh cos θ) (9. E= ou jηkIo l e − jk r 4πr 1 − sen 2 θ cos2 ϕ e jkh cos θ + ρ⊥ e − jkh cos θ jηkIo l e − jk r sen ξ e jkh cos θ + ρ⊥ e − jkh cos θ 4πr (9.68) . se por exemplo. alinhado ` ıcie com o eixo x.67) ou ainda. Portanto. E = Eel FA sendo.65) jηkIo l sen ξ1 e − jk r1 aξ 4πr1 (9.4. ´ o e s´ substituir a express˜o do campo do dipolo em (9. o campo el´trico continua sendo dado por e (9.4.58).61) para o caso de um plano condutor perfeito. para ondas com polariza¸˜o TE (ou perpendicular).2 Dipolo na Horizontal Supondo agora que o dipolo esteja paralelo a superf´ plana condutora. ´ dado por a ca e E r = ρ⊥ ρ⊥ = Portanto. por exemplo. (9.66) η1 cos θi − η0 cos θt η1 cos θi + η0 cos θt (9.

1 0 10 20 30 40 50 Ângulo de incidência θ (°) i 60 70 80 90 0 0 10 20 30 40 50 60 Ângulo de incidência θ (°) i 70 80 90 (a) (b) Figura 9.4 60 0. A Fig. os coeficientes de reflex˜o s˜o ρ⊥ −1 e ρ e o 1 180 0.5 Ângulo de incidência θi (°) 0.6: (a) M´dulos de ρ⊥ (linha s´lida) e ρ (linha tracejada).CAP´ ıTULO 9.7 120 100 80 0. a permissividade relativa e da Terra fica em torno de 25 − j19.3 Suponha que o dipolo do Exemplo 9. a partir sen (kh cos θ) . Neste caso. incidˆncia pr´ximos de 90◦ .69) (9.1) e (9. 9.8 Módulo do coeficiente de reflexão 140 0. a o e Solu¸˜o: Se a impedˆncia do solo ´ praticamente zero. Qual a intensidade do campo el´trico e normalizado que chega ao solo a uma distˆncia de 10m da torre? Considere a a impedˆncia do solo pr´xima de zero e o plano de incidˆncia igual ao plano E.9 160 0. para angulos de ˆ a a 1.6 mostra o comportamento dos coeficientes de reflex˜o na interface entre a a Terra e o ar.1 se encontra horizontalmente no topo de uma torre de 10m de altura.68).3 40 0.6 0. obt´m-se co e E(θ) = Eel FA = ηIo e−j(kr+π) cos π cos θ + 2 πr sen θ + π 2 π 2 −1 e. para a frequˆncia de 20MHz.2 20 0. 2 [34].70) no caso de η1 = 0. Antenas Lineares 192 FA = e jkh cos θ + ρ⊥ e − jkh cos θ e FA = 2j sen (kh cos θ) (9. o Exemplo 9. (b) Fases de ρ⊥ o o (linha s´lida) e ρ (linha tracejada). ent˜o ρ⊥ ca a e a das equa¸˜es (9. Pode-se observar que.

A equa¸˜o (9.5.72) Se a tens˜o nos terminais do dipolo dobrado for igual a V . Sua principal caracter´ ıstica ´ o valor da impedˆncia de entrada dada por e a l d Figura 9. fornecido por (9.71) a ca sendo Zds a impedˆncia de um dipolo simples.71) pode ser obtida considerando-se que o dipolo duplo equivale a dois dipolos simples muito pr´ximos um do outro (d o λ). Os transceptores e as linhas de transue a miss˜o comerciais tˆm impedˆncias com valores de 50Ω. uma defasagem de π/2 ´ adicionada a express˜o do dipolo. Para um ponto no solo a 10 metros da torre. ou seja. ent˜o.193 9. e 9. portanto. e a V1 = Z11 I1 + Z12 I2 (9. ´ alto (VSWR > 4). operando na freq¨ˆncia de ressonˆncia. Fazendo-se ent˜o esta considera¸˜o. θ = 45◦ . O ue a e VSWR pode ser reduzido utilizando-se um circuito de casamento ou modificando-se a geometria do dipolo. A Figura 9. a tens˜o equivalente a a a nos terminais dos dois dipolos simples ´ V /2. metade do valor m´ximo. 5 ou seja.5Ω para a freq¨ˆncia de ressonˆncia. Dipolo Dobrado Neste caso. tem-se En (π/4) = Eel FA Emax cos √ √ π 2 4 2/2 √ sen 10π 2/3 0. a ca obt´m-se a impedˆncia de entrada a partir de (9. 75Ω e 300Ω. As correntes nos dipolos s˜o iguais e e a de mesmo sentido.19). c Zin 4Zds (9.7 mostra um dipolo denominado dipolo dobrado.5 Dipolo Dobrado Sabe-se que a impedˆncia de um dipolo finito de meio comprimento ´ igual a a e 73+j42. Pode-se veria e a ficar que o coeficiente de onda estacion´ria numa linha de 300Ω ligada a uma antena a dipolo de λ/2.7: Dipolo Dobrado de comprimento l e espa¸amento d.18). pois o mesmo e ` a se encontra perpendicular ao eixo z. Note que esse resultado s´ ´ v´lido para um ponto a oe a pertencente ao plano que cont´m o dipolo (plano E). .

111∠ 180◦ . tem-se Zdd 4Zds = 4 × 73.5. a a ρ= 240 − 300 240 + 300 0. u Z1 = (9. 13 + j 42. o valor da impedˆncia do dipolo simples a ´ praticamente real e igual 60Ω.73) V 4Z11 (9. Sendo assim. Conseq¨enu Como os elementos est˜o muito pr´ximos. Z1 N 2 Z11 (9. 466λ. os novos valores do coeficiente de e reflex˜o e VSWR s˜o.76) Exemplo 9. Antenas Lineares 194 Devida a proximidade.74) I1 e a o onde Z11 ´ a impedˆncia pr´pria do dipolo simples. tem-se o V1 = V = N N Z1n In i=1 (9. conseq¨entemente. Para um dipolo dobrado de N elementos muito pr´ximos uns dos outros. 76 Infelizmente este valor est´ acima da especifica¸˜o do projeto. 54 Zdd − Zo 293 + j170 − 300 = Zdd + Zo 293 + j170 + 300 1 + |ρ| 1 + 0. a Solu¸˜o: Montando-se um dipolo dobrado com l = λ/2 e com o espa¸amento d o ca c menor poss´ ıvel. Entretanto. 276 = 1 − |ρ| 1 − 0.4 Projete um dipolo dobrado para operar em 300MHz com VSWR menor que 1. O dipolo est´ ligado a um transmissor de 300Ω atrav´s de uma linha de a e mesma impedˆncia. respectivamente. 276 293 + j170 Ω O coeficiente de reflex˜o nos terminais da antena ´ a e ρ= 0. 5◦ e o coeficiente de onda estacion´ria. 276 ∠ 76.CAP´ ıTULO 9. Z11 ` V = I1 (Z11 + Z12 ) 2 Z12 e. ent˜o. a VSWR = 1. In a o a temente. se o a ca comprimento for reduzido para 0.75) I1 e Z1n Z11 .

Nestas e ca a condi¸˜es. 25 Os valores de impedˆncia do dipolo simples foram obtidos para tubos com diˆmetro a a igual a 1cm. a rela¸˜o diˆmetro-comprimento muito pequena (d 0.195 9.6 Dipolo Cil´ ındrico Todas as antenas lineares analisadas nas se¸˜es anteriores foram consideradas muito co finas.6.79) A1 (z) = −A0 (z) ln 1 − 2z l 2 l1 2 + A0 (z)δ − −l1 2 l1 2 A0 (τ ) e−jkr − A0 (z) dτ r (9. 111 1. a densidade de corrente na antena pode ser considerada aproximadaco mente como uma fun¸˜o senoidal. Dipolo Cil´ ındrico e VSWR = 1 + 0.77) sendo V a tens˜o nos terminais da antena. 05λ). ´ ca a e importante utilizar uma densidade de corrente que seja mais pr´xima poss´ da o ıvel realidade. o comprimento l = 0. 111 1 − 0. A distribui¸˜o de corrente num dipolo espesso ´ dado por [14] ca e I(z) = jV sen k 60 cos l 2 kl 2 + | z| + + A B l A1 ( 2 ) B (9.81) .80) l A1 ( ) = − 2 −l1 2 A0 (τ ) e−jkr1 dτ r1 (9. isto ´. Na freq¨ˆncia de 300MHz. No caso de dipolos. 05λ. 466λ ´ aproximadaue e mente 47cm. com diˆmetro d > 0. 9.78) A = A1 (z) sen onde (9. a B = 2 ln e kl 2 l l − A1 ( ) sen (k | z|) + B1 ( ) + B1 (z) cos 2 2 kl 2 l a (9.

88) A obten¸˜o dos parˆmetros do dipolo espesso ´ feita substituindo a distribui¸˜o ca a e ca senoidal (8.1) por (9.85) (9.84) (9. .87)  + 1  1 + a l/2 + z a l/2 − z 2    +1  (9. Antenas Lineares 196 B1 (z) = −B0 (z) ln 1 − 2z l 2 l1 2 + B0 (z)δ − −l1 2 l1 2 B0 (τ ) e−jkr − B0 (z) dτ r (9.CAP´ ıTULO 9.86) 2 r1 = e   1  1+ δ = ln 4 2 a2 + (9.83) A0 (z) = cos (k z) − cos B0 (z) = sen (k | z|) − sen r= a2 + (z − τ )2 l −τ 2 (9.82) l B1 ( ) = − 2 −l1 2 B0 (τ ) e−jkr1 dτ r1 kl 2 kl 2 (9.77).

posterior ou anterior a esta. chamada de regi˜o de campos pr´ximos ou Fresnel.Cap´ ıtulo 10 Difra¸˜o de Ondas TEM ca 10. Na ultima se¸˜o ser´ a a o ´ ca a introduzido o conceito de elips´ide de Fresnel e suas zonas.2 Princ´ ıpio de Huygens O princ´ ıpio de Huygens estabelece que uma frente de onda pode ser definida como uma composi¸˜o de infinitas fontes puntiformes de ondas esf´ricas. propagando-se na dire¸˜o z. o 10. os ca e campos num dado ponto de uma frente de onda qualquer. a ca a Em seguida. e ca est´ orientado na dire¸˜o x e o campo magn´tico se encontra alinhado com a dire¸˜o a ca e ca 197 . podem ser obtidos a partir das contribui¸˜es dos campos radiados por todas co as fontes puntiformes.1 Introdu¸˜o ca Neste cap´ ıtulo ser˜o abordados os conceitos necess´rios ao estudo de atenua¸˜o a a ca de ondas eletromagn´ticas devido a presen¸a de obst´culos em enlaces de r´dio. A Figura 10. e c a a Estes conceitos dizem respeito ` difra¸˜o de ondas eletromagn´ticas. Sendo assim. regi˜o esta denominada de Fraunhofer. ser´ analisado o comportamento das ondas para regi˜es pr´ximas ao a o o obst´culo. sendo toda a a ca e an´lise desenvolvida em cima do Princ´ a ıpio de Huygens. O estudo de difra¸˜o ser´ ca a apresentado em trˆs partes. A primeira an´lise ser´ feita numa regi˜o longe do e a a a obst´culo que provoca a difra¸˜o das ondas.1 mostra este fenˆmeno para frentes de ondas o planas.3 Fonte de Huygens Supondo-se que o campo el´trico de uma onda plana. 10.

para o caso em quest˜o. respectivamente. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 198 N Frente de onda primária 3 2 rN r3 r2 Frente de onda secundária r1 1 Fonte de Huygens Figura 10. com a densidade de corrente el´trica a e J = n × Hp e a densidade de corrente magn´tica e M = −n × Ep (10. enquanto que o versor n se encontra alinhado com o sentido de propaga¸˜o.2) (10. os campos magn´tico e el´trico da frente de onda prim´ria.CAP´ ıTULO 10. ´ poss´ e ıvel ent˜o se determinar os campos radiados por um elemento de area a ´ infinitesimal ds = dx dy da frente de onda plana (Fonte de Huygens). Estas e e correntes est˜o associadas.3) . considerandose esta frente como um plano de correntes el´tricas e magn´ticas (Figura 10. podem ser escritas a como Jx = −Hy = − e Ex η (10.2). a ca Sendo assim.1: Frentes de ondas com destaque para as fontes de Huygens. as densidades de correntes.1) e e sendo Hp e Ep . y. respectivamente.

2: Frente de onda representada por correntes el´tricas e magn´ticas.6) Jx e − jkr ds 4πr O campo magn´tico de uma frente de onda secund´ria pode ser obtido atrav´s de e a e dAx = Hs = e o el´trico a partir de e ∇ × Es = jωµ Hs (10. ´ dado por (7. Fonte de Huygens z θ r Jx dx 0 dy ds ϕ My y x Figura 10.8) 1 ∇× A µ (10.12). e e e A= µ 4π V J e − jkr dV r (10.199 10.5) Para a densidade de corrente el´trica associada a fonte de Huygens. encontra-se e ` µ (10.3.7) . devido a uma fonte de corrente el´trica variante no tempo.4) Foi visto no Cap´ ıtulo 7 que o Potencial Vetor A. e e My = −Ex (10. isto ´.

17) dFy = My e − jkr ds .14) dEθ η (10.16) 4πr O campo el´trico de uma frente de onda secund´ria pode ent˜o ser obtido atrav´s e a a e de 1 Es = − ∇ × F e o magn´tico a partir de e ∇ × Hs = jω Es (10.18) (10.9) O elemento infinitesimal de campo el´trico produzido pela fonte de Huygens ´ ent˜o e e a dado por dEs = −jω dAx que tamb´m pode ser reescrito em coordenadas esf´ricas como e e dEθ = −jω cos ϕ cos θ dAx = e jk Ex sen ϕ e − jkr ds 4πr J´ os elementos infinitesimais dos campos magn´ticos s˜o fornecidos por a e a dEϕ = jω sen ϕ dAx = − dHϕ = e dHθ = − dEϕ η (10. encontra-se ´ (10. tem-se para fontes de correntes magn´ticas e F= M e − jkr dV r V 4π (10.15) sendo que.11) (10. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 200 ou Es = −jωA (10.CAP´ ıTULO 10.10) (10.12) jk Ex cos ϕ cos θ e − jkr ds 4πr (10. para o elemento de area ds.13) De forma semelhante.

Fonte de Huygens ou Hs = −jωF No caso em quest˜o.11) com (10.23) (10.20) (10. s˜o resultados das somas de (10.22) (10.27) jk Ex (cos ϕ cos θ + cos ϕ) e − jkr ds 4πr (10.26) 4πr Enquanto que as componentes do campo magn´tico infinitesimal s˜o obtidas de e a dEϕ = − dHϕ = e dHθ = − dEϕ η (10. dEϕ = −η dHθ = − dEθ = e jk Ex (sen ϕ cos θ + sen ϕ) e − jkr ds (10. tem-se a dHs = −jω dFy que tamb´m pode ser reescrito em coordenadas esf´ricas como e e dHθ = −jω sen ϕ cos θ dFy e dHϕ = −jω cosϕ dFy J´ as componentes de campos el´tricos s˜o fornecidas por a e a dEθ = η dHϕ = e jkEx sen ϕ cos θ e − jkr ds (10. a ou seja.21) (10.24). as componentes do campo el´trico infinitesimal.12) com (10.28) dEθ η (10.201 10. produzidas pela fonte de e Huygens.24) 4πr Portanto.19) .25) jkEx cosϕ e − jkr ds 4πr (10.3.23) e de (10.

CAP´ ıTULO 10. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 202 10. Pode-se ilustrar a importˆncia destes problemas em co a estudos de antenas do tipo cornetas ou refletores parab´licos. s˜o encontrados em v´rias aplica¸˜es de a a a co engenharia de telecomunica¸˜es. como mostrado na Figura 10. A frente de onda na fenda pode ser considerada como um conjunto ou arranjo planar de fontes de Huygens. representada por um arranjo de fontes de Huygens. O co campo el´trico produzido por este arranjo. atrav´s de e uma fenda ou abertura retangular. . ´ o ree sultado do produto entre o campo el´trico radiado pelo elemento e os campo el´trico e e radiado pelo conjunto de antenas isotr´picas (fator de arranjo). ou seja. que atravessa uma parede absorvedora plana infinita de espessura desprez´ ıvel. ´ distribu´ ıdas uniformemente nas dire¸˜es y e x. de area ∆s = ∆x ∆y. como aqueles tratados o no Cap´ ıtulo 15.4 Difra¸˜o de Fraunhofer ca Problemas de difra¸˜o com conseq¨ˆncias na regi˜o de Fraunhofer. Um problema cl´ssico de difra¸˜o de Fraunhofer ´ a determina¸˜o dos campos a ca e ca distantes produzidos por uma onda plana.3. como ser´ visto no Cap´ e a ıtulo 13.3: Area a × b de uma frente de onda. o z θ r 1 2 3 dy N y dx 2 M ϕ ds a x b ´ Figura 10. tamb´m conca ue a e hecida como regi˜o de campos distantes. propagando-se no sentido z + .

33) (10. para ∆x e ∆y muito pequenos. ∆Eϕ = −  FA = onde φx = k ∆x sen θ cos ϕ e φy = k ∆y sen θ senϕ sen M φx 2 φx 2 (10. as componentes do campo el´trico radiado podem ser escritas como e  (1 + cos θ) cos ϕ sen φx 2 φx 2 φy 2 φy 2 Eθ = e jk Ex ab e 4πr − jkr  sen   (10.36) Portanto.29) jk Ex (cos ϕ cos θ + cos ϕ) e − jkr ∆s 4πr (10. na dire¸˜o θ.30) (10. o que e produz os resultados a = lim M ∆x M →∞ (10.203 10. Difra¸˜o de Fraunhofer ca E = Eel FA sendo Eel . tˆm-se ∆x e ∆y tendendo a zero.4. dado por ca ∆Eθ = e na dire¸˜o ϕ ca jk Ex (sen ϕ cos θ + sen ϕ) e − jkr ∆s 4πr enquanto.37) .35) e b = lim N ∆y N →∞ (10.32) (10.31)  sen N φy 2 φy 2   (10.34) Fazendo-se M e N tenderem ao infinito.

Exemplo 10. o o Solu¸˜o: Quando ϕ = 0. Entende-se como a e a regi˜o intermedi´ria aquela entre a regi˜o de campo distante e a regi˜o de campo a a a a . ca 10.4. a componente Eϕ torna-se nula e ca jk Ex ab e − jkr Eθ (θ) = (1 + cos θ) 4πr logo. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 204 Eϕ = − onde jk Ex ab e 4πr − jkr  (1 + cos θ) sen ϕ sen φx 2 φx 2  sen φy 2 φy 2   (10.38) φx = k a sen θ cos ϕ e φy = k b sen θ senϕ (10. Observe a semelhan¸a entre este a c resultado e aquele encontrado nos problemas de an´lise espectral envolvendo uma a fun¸˜o porta e sua transformada de Fourier. seu valor normalizado ´ dado por e 1 + cos θ En (θ) = 2 sen φx 2 φx 2 sen φx 2 φx 2 sendo φx = k a sen θ. no a e plano zx (ϕ = 0).40) As equa¸˜es (10.38) ser˜o empregadas no Cap´ co a ıtulo 15.1 Determine a express˜o do campo el´trico distante normalizado.5 Difra¸˜o de Fresnel ca A teoria de difra¸˜o de Fresnel diz respeito aos campos eletromagn´ticos na regi˜o de ca e a campos intermedi´rios. na detemina¸˜o ca dos campos distantes radiados por um refletor parab´lico com abertura retangular.CAP´ ıTULO 10. o Elas podem ser interpretadas como uma esp´cie de transformada de Fourier espacial e bidimensional. para uma onda eletromagn´tica 10GHz que atinge um anteparo e ap´s passar por uma fenda com as seguintes dimens˜es: a = 10cm e b = 5cm. As representa¸˜es gr´ficas das intensidades dos campos na co a fenda e no anteparo s˜o mostradas na Figura 10. tamb´m conhecida como regi˜o de Fresnel.37) e (10.39) (10.

ap´s ca a o o semiplano absorvedor.205 10. onde a diferen¸a de amplitude das fontes de Huygens pode ser desprezada o c mantendo-se a diferen¸a de fase. podem ser obtidos somando–se todas as contribui¸˜es de co campo das infinitas fontes de Huygens no semiplano superior a este. Difra¸˜o de Fresnel ca E n( θ ) Ex -a/2 a/2 x θ (a) (b) Figura 10. Os campos num ponto dentro da regi˜o de sombra. pode-se escrever. localizado a uma distˆncia d da placa absorvedora. a e dE = ∞ E= h Eo −jkr dy e r (10.41) r sendo Eo o campo na onda plana.43) .4: Intensidade de campo na fenda (a) e no anteparo (b). r d (10. c O problema de difra¸˜o envolvendo uma onda plana incidindo num semiplano ca absorvedor.42) Considerando-se que ∆r d.41). ´ obtido integrando-se (10. Cada fonte radia um campo el´trico dado por e Eo −jkr e dy (10. no que diz respeito a amplitude.5. ou seja. pr´ximo.5. pode ser resolvido aplicando-se a teoria de difra¸˜o de Fresnel. O campo resultante num ponto P . como mostra a Figura 10.

47) . A integral da equa¸˜o (10. Eo −jkd e E= d ∞ 2 −j ky 2d d+ y2 2d (10. onde u = αy e α = λd .46) 1 (1 − j) − C αh 2 π 2 − jS αh π 2 (10. isto ´.5: Incidˆncia normal de uma onda plana sobre um semiplano absorvedor. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 206 y ∆r y h k 0 E r Obstáculo Absorvedor Frentes de Onda d z Figura 10. e e.CAP´ ıTULO 10. ca r = d + ∆r Sendo assim. ca e  E= ou E= sendo Eo −jkd e αd Eo −jkd  e αd ∞ αh  e 2 −j πu 2 e 0 2 −j πu 2 du − 0 du (10.45) n˜o tem solu¸˜o anal´ mas pode ser reescrita em fun¸˜o das integrais de Fresnel. com rela¸˜o a fase.44) e h Eo −jkd dy = e αd ∞ e−j αh πu2 2 du (10.45) 2 ca a ca ıtica.

ca |E| En (h/rf ) = |Emax | Como. 5 − C(1. Ambas tˆm seus valores tabelados. C(−x) = −C(x) e S(−x) = −S(x).5. 5 − S(6.49) a fun¸˜o seno integral de Fresnel. neste caso. ou seja. ´ igual a altura do muro. 6 [0.207 10. 25 h)]2 + [0.48) x S(x) = 2 π sen u2 du 0 (10. 25 )]2 0. a uma distˆncia de 2 metros do muro. 6 1 + − S αh 2 π 2 2 O valor de h. e ` En (5) 0. A seguir ca e s˜o apresentadas algumas propriedades destas fun¸˜es: C(0) = S(0) = 0. α= ent˜o a En (h) 0. neste caso. a Solu¸˜o: A intensidade do campo el´trico normalizado pode ser obtido a partir da ca e equa¸˜o (10. 25 )]2 + [0. Portanto. ca .47).2 Uma onda plana incide normalmente sobre uma das faces de um muro de 5m de altura. C(∞) = a co S(∞) = 1/2. 04 A Figura 10. 5 − C(6. 6 [0. Exemplo 10. e ca 2 π cos u2 du 0 (10. e a num ponto do solo. determine o valor do campo el´trico normalizado na regi˜o de sombra. Difra¸˜o de Fresnel ca x C(x) = a fun¸˜o cosseno integral de Fresnel. Considerando-se que esta onda oscila com uma freq¨ˆncia ue de 300MHz. 25 h)]2 2 =1 λd 1 − C αh 2 π 2 2 0.6 mostra a varia¸˜o En com a altura h. 5 − S(1.

pertecentes a mesma frente. . A diferen¸a de fase entre os e c caminhos ACB e AOB ´ dada por e ∆φ = β [(Rn + Rn ) − (d1 + d2 )] (10... enquanto outras.51) . contribuem negativamente. c e λ 2 (10.2 0..7 mostra a geometria deste problema.. influenciam na composi¸˜o dos campos eletromagn´ticos num dado ponto do espa¸o. 6. pode-se determinar c como as fontes de Huygens.50) Esta diferen¸a de fase ser´ de 180◦ quando ∆φ = nπ e n = 1.CAP´ ıTULO 10. 10.6: Varia¸˜o da intensidade do campo el´trico normalizado com a altura h ca e (α = 1).. 3. 4.4 Campo normalizado E (h) n 0. Neste caso. de uma determinada frente de onda. Algumas destas ca e c fontes da frente de onda contribuem positivamente para a forma¸˜o dos campos em ca B. 5. onde uma frente de onda localizada no plano z = 0 ´ tomada como exemplo.3 0. c a Rn + Rn = d1 + d2 + n Quando n = 2. .1 0 0 1 2 3 4 5 h (m) Figura 10.6 Elips´ide e Zonas de Fresnel o Atrav´s de um exemplo envolvendo uma onda plana propagando-se de um ponto A e a um ponto B no espa¸o-livre e conceitos simples de geometria. a diferen¸a de fase ´ nula. Estas ` fontes podem ser agrupadas em regi˜es ou zonas comumente chamadas de zonas de o Fresnel. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 208 0.. A Figura 10.

pode-se definir regi˜es onde os pontos o (ou fontes) contribuem de forma construtiva para a forma¸˜o dos campos em B. e A Figura 10. Entre as circunferˆncias de raio r1 e r2 . tamb´m denominados de raios de Fresnel. Estas regi˜es. a defasagem e ´ de π.209 10.8 mostra a contribui¸˜o de cada ponto da frente de onda na comca posi¸˜o do campo resultante em B. a soma das contribui¸˜es ´ negativa (em antifase com o campo produzido pela co e fonte de Huygens no ponto O). O decaimento da amplitude se deve ao aumento ca da distˆncia entre a fonte C e o ponto B ` propor¸˜o em que a fonte se encontra a a ca mais distante do centro de referˆncia O. e e Os raios das circunferˆncias. sendo que a primeira zona tem a e a forma de um c´ ırculo e as demais formam an´is concˆntricos (veja Figura 10.9a).6. Elips´ide e Zonas de Fresnel o y C Rn A R' n O Linha de Visada B r n Frente de Onda d1 d2 z Figura 10. denominadas de o o zonas de Fresnel. s˜o obtidos e e a fazendo-se Rn = 2 d2 + rn 1 d1 + 2 rn 2d1 (10. e ca regi˜es cujos pontos contribuem de forma destrutiva. Dessa forma.52) . e Observa-se que a soma das contribui¸˜es das fontes de Huygens dentro de um co e c´ ırculo de raio r1 ´ positiva (mesma fase do campo produzido pela fonte de Huygens no ponto O). que levam a defasagens de π a e e 2π. s˜o delimitadas por circunferˆncias. Exatamente nos pontos da circunferˆncia de raio r1 .7: Frente de onda plana propagando-se do ponto A at´ B.

ca e Rn = que substitu´ ıdas em (10. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 210 λ/2 λ 3λ/2 2λ + - + - 1 a Zona 2 a Zona 3 a Zona 4 a Zona r1 r2 r3 r4 Figura 10. a de maior contribui¸˜o para a forma¸˜o ca ca do campo em B.54) ou nλ d1 d2 (10.51) levam a 2 2 rn r n + = nλ d1 d2 2 d2 + rn 2 d2 + 2 rn 2d2 (10.CAP´ ıTULO 10. Delimita¸˜o das zonas de Fresnel.56) .53) (10. o raio de Fresnel ´ fornecido por e rn = r1 = ou λ d1 d2 d (10.8: Varia¸˜o do campo el´trico com a distˆncia entre a fonte C e o ponto ca e a B.55) d sendo d = d1 + d2 . Para a primeira zona.

r1 em metros.211 10. Ser´ visto no pr´ximo cap´ a o ıtulo que obstru¸˜es no elips´ide referente co o a ` primeira zona de Fresnel levam a atenua¸˜o do sinal que chega em B. o raio ´ m´ximo quando d1 = d2 e m´ ue e a ınimo nos planos que passam em A e B. d1 . Elips´ide e Zonas de Fresnel o r1 = 547 d1 d2 fd (10. O resultado s˜o os elips´ides mostrados na a o Figura 10.9b.57) sendo f expresso em MHz.56) que. d2 e d em km.6. ` ca . Pode-se verificar em (10. para uma dada freq¨ˆncia.

9: (a) Corte transversal dos elips´ides de Fresnel indicando-se a 1a 2a e o o 3a zonas. Difra¸˜o de Ondas TEM ca 212 + + r3 3 Zona a 2 a Zona r1 r2 1a Zona (a) 1r A B Linha de Visada Elipsóide da 1 a Zona d1 d2 (b) Figura 10.CAP´ ıTULO 10. (b) Elips´ides de Fresnel. .

Cap´ ıtulo 11 Enlaces de R´dio a 11. a A potˆncia nos terminais do receptor pode ser calculada partindo-se da densidade e de potˆncia que chega na antena receptora. sendo que a antena receptora tem ganho m´ximo Grx e a a a eficiˆncia erx . e e Wmax = ou 213 Umax Prad Gtx = 2 d 4π d2 etx (11.2 F´rmulas de Friis o Um sistema de transmiss˜o que radia uma potˆncia Prad . isto ´. a potˆncia co e e a freq¨ˆncia de funcionamento dos transceptores para tornar um r´dio-enlace opue a eracional. 11. forma.1 Introdu¸˜o ca Uma das aplica¸˜es de ondas eletromagn´ticas na area de telecomunica¸˜es diz reco e ´ co speito a enlaces de r´dio. Neste cap´ ıtulo s˜o apresentados os conhecimentos b´sicos necess´rios aos a a a projetos destes enlaces. As antenas est˜o alinhadas na dire¸˜o de a ca m´ximo ganho.1. Tal enlace ´ a a ue e mostrado na Figura 11. um enlace de r´dio que opera numa freq¨ˆncia f .1) . atrav´s de uma antena de a e e ganho m´ximo Gtx e eficiˆncia etx . Sejam estes terrestres ou via sat´lites. Os sistemas irradiantes n˜o oferecem perdas e est˜o respectivamente e casados com o receptor e transmissor. o engenheiro de a e telecomunica¸˜es tem que ser capaz de determinar os sistemas irradiantes. juntamente com um sistema de recep¸˜o a e ca a uma distˆncia d.

´ igual a potˆncia e e ıda e e de entrada da antena. a Ptx Gtx (11.1: Enlace de r´dio.3) (11. neste exemplo. A equa¸˜o a (11. ent˜o. e Prx = Ptx + Gtx + Grx − Ael (11. A antena recolhe uma potˆncia da onda incidente igual a e Wmax = Prx = Wmax Ae = ou Prx = Ptx Gtx Grx λ 4π d 2 Ptx λ2 Gtx Grx 4π d2 4π (11. Prx ´ a potˆncia que chega nos terminais do receptor. Enlaces de R´dio a 214 Antena TX d Antena RX Torre Estação Transmissora Estação Receptora Figura 11.4) ´ conhecida como F´rmula de Friis e pode ser reescrita de forma a expressar e o as potˆncias em dBm ou dBµ.CAP´ ıTULO 11. ou seja. uma vez que o sistema est´ casado e os cabos n˜o oferecem a a perdas.4) Como no exemplo o sistema de recep¸˜o tamb´m est´ casado e os cabos n˜o oferecem ca e a a e e ca perdas.5) .2) 4π d2 onde Ptx ´ a potˆncia de sa´ do transmissor que.

ent˜o. sejam a a ca estas oriundas de cabos. Esses e pulsos s˜o refletidos quando incide em objetos em volta da esta¸˜o transmissora. tem-se Prx = Ptx + Gtx + Grx − Ael − Acb − Acc − Apol − Aobs (11. a ca polariza¸˜o e obst´culos. A a ca potˆncia dos pulsos recebidos depende. conhecida como atenua¸˜o no espa¸o-livre. etc. Sendo ca c a assim. da se¸˜o transversal e a ca desses objetos.9) onde Aeco ´ a area de eco. a A potˆncia espalhada por este alvo ´ e e Pc = Wtx Aeco (11.6) sendo Gtx e Grx fornecidos em dBi.7) onde Acb . Nos casos pr´ticos.3 F´rmula de Radar o Considere agora um sistema transceptor que emite pulsos eletromagn´ticos. conectores. F´rmula de Radar o onde Ael = 20 log 4π d λ (11.10) . obst´culos. conectores. Se a potˆncia do transmissor ´ Ptx e o ganho da e e e a e a antena transmissora ´ Gtx . ca c em dB.3. polariza¸˜o. espa¸o-livre. ca a 11. Apol e Aobs s˜o respectivamente a atenua¸˜o nos cabos.8) sendo d1 a distˆncia entre a antena transmissora e o alvo.215 11. a densidade de potˆncia m´xima que atinge o alvo e ´ e Wtx = Ptx Gtx 4π d2 1 (11. A densidade de potˆncia que chega a antena receptora ´ e ´ e ` e dada por Wrx = e a potˆncia recebida e Pc 4π d2 2 (11. e Ael . dentre outras vari´veis. Acc . todos tipos de perdas s˜o levados em considera¸˜o. Esta se¸˜o transversal est´ associada a uma area de eco e o sistema ca a ´ descrito ´ conhecido como radar. considerando-se todas as perdas poss´ ıveis no enlace.

tem-se ´ Prx Ptx Aeco = 4π λG 4πd2 2 (11.13) Geralmente esses sistemas empregam duplexadores que permitem a utiliza¸˜o de ca uma unica antena para transmitir e receber sinais de RF.11) a ´ sendo d2 a distˆncia entre o alvo e a antena receptora. Enlaces de R´dio a 216 Prx = Wrx Ae = Pc Ae 4π d2 2 (11. se faz necess´rio uma an´lise e modelagem do problema a a para que as perdas por obstru¸˜o sejam calculadas de forma mais exata poss´ ca ıvel. O modelo mais simples ´ o chamado obst´culo gume de faca. e a Se a antena transmissora de diretividade Do radia uma potˆncia Prad . Portanto. montanha ou edif´ num obst´culo ca ıcio a arredondado. a intensidade de campo a uma distˆncia R1 . Outras t´cnicas mais exatas s˜o utilizadas na modelagem de obst´culos.4. Como a area efetiva da antena receptora ´ e Ae = ent˜o. o obst´culo e a a ´ tratado como uma superf´ plana que obstrui a primeira zona do elips´ide de e ıcie o Fresnel.2 mostra um enlace onde o obst´culo ´ considerado como do tipo gume a e de faca. 11. a Prx Ptx Aeco = 4π λ 4πd1 d2 2 λ2 Grx 4π (11. ent˜o.12) Grx Gtx (11.CAP´ ıTULO 11. a e 11.1 Obst´culos do Tipo Gume de Faca a A Figura 11.4 Enlace Terrestre Os enlaces de r´dio terrestres est˜o sujeitos a perdas devido ao relevo e a pr´pria cura a ` o vatura da Terra. e a a como por exemplo a aproxima¸˜o de um morro.14) sendo G o ganho da antena e d a distˆncia at´ o alvo. Neste modelo. num dado ponto do semiplano acima do a obst´culo. O obst´culo ´ plano de espessura desprez´ a e ıvel. Neste caso. ´ fornecida por a e .

Portanto.17) E= −h Eo e−jβ(R1 +R2 ) dy R1 + R2 (11.4. devido a um unico ponto do semiplano acima do obst´culo. cada ponto deste semiplano contribui para a composi¸˜o do campo el´trico na antena receptora.217 11.2: Enlace de r´dio com a presen¸a de um obst´culo do tipo gume de faca. ´ ´ a e obtida a partir de Eo R1 e−jβR2 dEobs = e−jβ(R1 +R2 ) dy R1 + R2 R1 + R2 O campo total na antena receptora ´ ent˜o e a dE = ∞ (11. a intensidade de ca e campo nesta antena.16) e β = 2π/λ.18) .15) Vo = 60 Prad Do (11. Pelo Princ´ ıpio de Huygens. a c a dEobs = onde dVo −jβR1 Eo −jβR1 e = e dy R1 R1 (11. Enlace Terrestre y R1 0 h Linha de Visada R2 TX RX Obstáculo d1 d2 Figura 11.

CAP´ ıTULO 11.26) As fun¸˜es C(x) e S(x) s˜o fornecidas pelas equa¸˜es (10.25) √ u= rf y.22) d1 (11. para an´lise de amplitude. Enquanto. ∞ ∞ e −h 1 1 −jβ y 2 ( 2d + 2d ) 1 2 dy (11. ` a R1 e R2 d2 (11.19) no que se diz respeito a fase.23) Eo −jβ d Fobs e d (11. uo = 2 rf h e rf o raio da primeira zona de Fresnel [30][31] dado por rf = λ d1 d2 d (11.20) d1 + y2 2d1 (11. pr´ximo ca a o a ` linha de visada.48) e (10.21) Substituindo os valores das express˜es que fornecem R1 e R2 na equa¸˜o (11.24) Fobs rf =√ 2 2 e −uo √ −j πu 2 2 rf du = √ 2 1 (1 − j) − C 2 √ h π rf − jS √ h π rf (11.49). Enlaces de R´dio a 218 Considerando-se apenas a contribui¸˜o dos pontos. no plano do obst´culo.18). co a co . tˆm-se e R1 e R2 y2 d2 + 2d2 (11. o ca tem-se Eo −jβ d e E= d ou E= sendo d = d1 + d2 .

determina-se a e express˜o da intensidade de campo no receptor. ´ obtido a partir de (11.4.3. Para determinar a curva que se adequa ao tipo de . medidos em cada plano yi . Em seguida.219 11. 11.24) e (11. como mostrado na Figura 11. utilizando-se obst´culos arrendondados. medidas a partir do topo do morro e os diˆmetros xi . c ca ca nota-se que a atenua¸˜o de 10dB ocorre para h/rf = 0. isto ´.2 Obst´culos Arredondados a O c´lculo das perdas por obstru¸˜o. O primeiro passo a para o c´lculo das perdas por obstru¸˜o. Determine a percentagem de obstru¸˜o do elips´ide de Fresnel. Em primeiro lugar. Sendo assim.27) Os valores da atenua¸˜o em decib´is podem ser obtidos diretamente das curvas ca e apresentadas na Figura 11. a e rf Eo | Fobs | = √ |E| = d 2 1 −C 2 √ h π rf √ h π rf 2 1 + −S 2 √ h π rf √ h π rf 2 Dividindo-se a equa¸˜o acima pelo seu valor m´ximo. A aproxima¸˜o de morros e montanhas por um modelo que ca considera os obst´culos arredondados produz valores mais precisos. determina-se o raio de curvatura m´dio Rc atrav´s e o e a das cotas yi .4. utilizando-se a abordagem do tipo gume de a ca faca. que chega a antena reca e ` ceptora. ´ a ca a e a aproxima¸˜o do morro por um parabol´ide onde o cume do obst´culo equivale ao ca o a e v´rtice deste s´lido. pode levar a valores n˜o muito precisos na maioria dos problemas pr´ticos a a envolvendo relevo.1 Um enlace de r´dio ´ obstru´do por um obst´culo do tipo gume de a e ı a faca.25). pode-se obter 1 Rc = N N i=1 x2 i 8yi (11. 61% da se¸˜o ca transversal do elips´ide de Fresnel se encontra obstru´ o ıdo. ca a e Solu¸˜o: A intensidade do campo el´trico normalizado. 6 1 −C 2 2 1 + −S 2 2 A atenua¸˜o. Portanto.4. tem-se ca a |E| En (h/rf ) = |Emax | 0. 213. sabendo-se que ca o a atenua¸˜o devido ao obst´culo ´ igual a 10dB. em decib´is. Enlace Terrestre Exemplo 11. ´ ent˜o fornecida por ca e e a Aobs = −20 log En (h/rf ) Tra¸ando-se uma curva de Aobs em fun¸˜o de h/rf .

tem-se ca c a rf = 9 × 103 × 103 = 30 m 104 . perdas e ca nos conectores e considere que as antenas est˜o localizadas no topo das torres. Enlaces de R´dio a 220 35 30 25 Atenuação em dB 20 15 10 5 0 −1 0 1 2 3 4 5 h/rf Figura 11. ca a obst´culo. Caracter´sticas do enlace: ı c˜ ı comprimento 10km.2 Determine o ganho das antenas para um r´dio-enlace operar em a 300MHz com um n´vel de recep¸ao igual a −40 dBm. ou seja. Despreze as perdas de polariza¸˜o. √ 3 λ 2 Rc (11. torres de 50m.CAP´ ıTULO 11. de 80m de altura e Rc = 216m. se encontra a 1km da esta¸˜o receptora. utiliza-se um parˆmetro α que ´ diretamente proporcional ao raio de a a e curvatura do obst´culo e inversamente proporcional ao raio da primeira zona de a Fresnel. Um a ca morro. 120m de cabos RG58.3: Atenua¸˜o devido a um obst´culo gume de faca.28) α= rf Exemplo 11. sistemas casados e potˆncia do transmissor 10W. Solu¸˜o: Come¸ando-se com o c´lculo do raio da primeira zona de Fresnel. terreno plano.

Portanto.4: Curvas associadas ao parˆmetro α. ca ca h/rf . 2). O ganho das antenas pode ser obtido reescrevendo-se a equa¸˜o (11. ca √ 3 α= 216 = 0.221 11. 2 30 e h = hm − hT = 80 − 50 = 30m.1 30 20 α = 0 (gume de faca) 10 0 −0. respectivamente. Enlace Terrestre 60 α = 1.3 α = 0.4.4.5 α = 0. No eixo das ordenadas. as perdas a em dB.5 α = 0. a rela¸˜o entre obstru¸˜o (ou folga) e o raio de Fresnel. onde hm e hT s˜o as alturas do morro e tora res. tem-se Aobs 20 dB (α = 0.2 Atenuação em dB 40 α = 0. Para se obter a atenua¸˜o devido ao morro. A atenua¸˜o devido ao morro ´ obtida a partir das curvas ca e apresentadas na Figura 11. No eixo das abcissas.7) como ca 2G = Gtx + Grx = Ael + Acb + Aobs + Prx − Ptx sendo Ael = 20 log 4π × 104 = 102 dB .4 50 α = 0.6 0 1 2 3 4 5 h/rf Figura 11. deve-se determinar α e h. Para h/rf = 1.

3 × 120 = 3. • PN potˆncia de ru´ (11. e e ıdo. Enlaces de R´dio a 222 Acb = αdB l 0.29) 11.5dB. ` ca Al´m das perdas por dispers˜o da onda no espa¸o-livre. . ϕ a latitude da esta¸˜o rastreadora e ∆ a diferen¸a a ca c entre as longitudes do sat´lite e a esta¸˜o terrestre.31) 4π d λ (11. pode ser obtida de [3] e co G S − PN = ERP − Ael + N Ts sendo: • ERP a potˆncia efetiva radiada.823km se geostacion´rio). Logo.378km). etc. como algo em torno de 0.30) sendo R o raio da Terra (6.31). 6 + 20 − 40 − 40)/2 = 22. h a altura do sat´lite na linha do Equador e (35. 6 dB e Ptx = 10 log(104 ) = 40 dBm (dB em rela¸˜o a ca 1mW). Estas perdas dependem da freq¨ˆncia.5. Na pr´tica. isto ´. espessura da camada. e c • Ael perdas no espa¸o-livre.5 mostra a geometria e ca que deu origem a equa¸˜o (11. para ca a os dias com tempo bom. a equa¸˜o (11. 8 dB 11. No caso de enlace envolvendo sat´lite. A Figura 11.6). nos terminais de um receptor num enlace entre ca ıdo e sat´lites e esta¸˜es rastreadoras. e e Ael = 20 log onde d = R2 + (R + h)2 − 2R(R + h) cos ϕ cos ∆ (11. • G/Ts figura de m´rito do sistema.CAP´ ıTULO 11. estas perdas podem ser assumidas. e ue concentra¸˜o de nuvens. estas perdas podem ser calculadas a partir da equa¸˜o ca (11. G (102 + 3.6) ´ modificada para e ca e que se possa entrar diretamente com as coordenadas e altura do sat´lite.5 Enlace via Sat´lite e A rela¸˜o sinal-ru´ em decib´is. existem tamb´m perdas e a c e na camada atmosf´rica.1 Perdas no Espa¸o-Livre c Como foi visto anteriormente.

ıdo .32) Ts = Ta + (11. Esta figura de m´rito ´ expressa em dB/K atrav´s da equa¸˜o ıdo e e e ca G = Ga − 10 log Ts Ts e onde Ga ´ o ganho da antena e TLN B Trc + Gf GLN B + Gf (11. respectivamente.5: Sat´lite a uma altura h sobre a linha do equador. a 11.5. a temperatura equivalente de ru´ da antena ıdo e (refletor + alimentador). alimentador e conjunto cabo-receptor.5.223 11.33) sendo Ta .2 Figura de M´rito do Sistema e ´ E definida como sendo a raz˜o entre o ganho da antena de recep¸˜o e a temperatura a ca de ru´ do sistema. GLN B ´ o ganho do bloco de baixo ru´ (LNA e demodulador) e Gf o ganho do alimentador. TLN B e Trc . Enlace via Sat´lite e h d' ϕ R N R S Figura 11. A esta¸˜o rastreadora e ca est´ localizada a uma latitude ϕ ao norte do Equador.

Pode-se estabelecer uma rela¸˜o entre a freq¨ˆncia da onda eletromagn´tica e o ca ue e n´mero de ´ u ıons na camada ionosf´rica que permite o surgimento do fenˆmeno de e o . como mostra a Figura 11. s´ s˜o realiz´veis atrav´s do uso de esta¸˜es repetidoras terrestres ou via ca o a a e co sat´lites. ´ poss´ a e ıvel se projetar enlaces a grandes distˆncias a sem a necessidade de linha de visada. Em algumas faixas de freq¨ˆncias ´ poss´ se projetar enlaces de longa e ue e ıvel distˆncia utilizando-se reflex˜es na camada ionosf´rica. F1 e F2 . quando aumenta o n´mero de recombina¸˜o de ` u ca ´ ıons. sendo que estas s˜o mais espessas a durante o dia e mais finas a noite. enquanto que a E est´ a a aproximadamente 100km. As a espessuras das camadas variam ao longo de um dia. Gra¸as a este fenˆmeno. onde a curvatura da Terra oferece alt´ ıssimas perdas por obstru¸˜o. Estas camadas tˆm a propriedade de refletir ondas eletromagn´ticas e e abaixo de certas freq¨ˆncias. A e forma¸˜o de ´ ca ıons se deve ` radia¸˜o proveniente do espa¸o. ue a E. a o e As camadas mais altas da atmosfera s˜o constitu´ a ıdas de mol´culas ionizadas. As mais importantes s˜o identificadas pelas letras D.6. As ondas eletromagn´ticas podem retornar a Terra dependendo da freq¨ˆncia de e ` ue opera¸˜o e do angulo de incidˆncia na camada ionosf´rica. Enlaces de R´dio a 224 11. ca ˆ e e c o conhecido como reflex˜o total. particularmente aquelas a ca c oriundas do Sol.6 Reflex˜es Ionosf´ricas o e Enlaces muito longos. e a a e A camada D se encontra a uma altura de 50-100km.6: Camadas ionosf´ricas e r´dio-enlace via reflex˜o ionosf´rica. F2 θι h' F1 E D TX d RX Terra Figura 11. J´ as camadas do tipo F ficam em torno de 300km.CAP´ ıTULO 11.

e Considerando-se que uma onda eletromagn´tica de freq¨ˆncia angular ω produz e ue uma varia¸˜o de campo el´trico. e a carga el´trica e x o deslocamento dos mesmos. a densidade total de corrente fica J = Jc + Jd = ωEo cosωt que pode ser simplificada como o− o (11.34) onde N ´ o n´mero de el´trons livres e/ou ´ e u e ıons por metro c´bico de camada u ionosf´rica. dada por ca e e E = Eo sen ωt tem-se como for¸a exercida em cada eletron c F = −eE = −eEo sen ωt donde se chega a me ou eEo dx = cosωt (11. Essa freq¨ˆncia cr´ a ue ıtica ´ dada por e fc √ 9 N (11.6.41) N e2 me ω 2 (11.225 11.36) d2 x = −eEo senωt dt2 (11.39) dt onde ρ ´ a densidade volum´trica de cargas el´tricas e vd a velocidade de arrasto e e e destas.38) dt ω sendo me a massa dos el´trons. numa camada ionosf´rica.42) .40) (11. e e A densidade de corrente de condu¸˜o na camada pode ser escrita como ca me dx (11.35) (11.37) dE dt (11. J´ a densidade de corrente de deslocamento ´ obtida de a e Jc = ρ vd = −N e Jd = ou Jd = ω o Eo cosωt Portanto. Reflex˜es Ionosf´ricas o e reflex˜o total.

tem-se n 1− fc f 2 (11. me = 9. o ´ ındice de refra¸˜o da camada ionosf´rica pode ser obtido substica e tuindo (11. 85 × 10−12 F/m.48) = 8. o angulo θt relacionado com a onda refratada ´ igual a a ˆ e ◦ 90 . n= ou n 1− 81N f2 o 1− N e2 me o ω 2 (11.48). 1 × 10−31 kg e Substituindo (11.49) Para uma onda eletromagn´tica incidindo com um angulo θi em rela¸˜o a normal e ˆ ca ` da camada ionosf´rica.43) N e2 (11.51) .45) r = o (11. o que leva a express˜o ` a = o− n= e para meios n˜o-magn´ticos a e n= √ √ µr r (11. tem-se pela lei de Snell.CAP´ ıTULO 11. 6 × 10−19 C. Portanto. n = senθi (11.47) (11. ou seja.44) ef me ω 2 Foi visto no Cap´ ıtulo 1 que o ´ ındice de refra¸˜o de um meio ´ o inverso da ca e velocidade relativa da onda neste meio. e senθi = n senθt (11.44) em (11. na reflex˜o total.50) sendo que.34) em (11.46) Sendo assim.46). Enlaces de R´dio a 226 J =ω sendo a permissividade efetiva ef Eo cosωt (11. uma vez que e = 1.

3 Suponha que a freq¨ˆncia cr´tica da camada E.56) Exemplo 11. ou seja. ca a e a 50 f= 100 1002 + 200 2 2 = 70.53) fc f 2 = 1 − cos2 θi (11. a a Solu¸˜o: Como a distˆncia do enlace ´ igual a 200km.54) (11. Qual deve ser a freq¨ˆncia de opera¸˜o e ue ca e o angulo em rela¸ao ao solo para as antenas direcionais de um dado enlace de ˆ c˜ r´dio? Considere que o r´dio-enlace tem 200km de comprimento.52) determina-se a freq¨ˆncia da onda que pode ser refletida na ionosfera.227 11. para distˆncias menores ou iguais a 200km. Reflex˜es Ionosf´ricas o e ou 1− o que leva a fc = f cos θi A partir da equa¸˜o (11. ent˜o.53) ou de ca f = fc sec θi (11.55) ou. para um determiue ı nado dia de um certo ano. do raio R da e ca Terra e da distˆncia d entre as esta¸˜es transmissora e receptora. ´ igual a 50MHz. a fc hv h2 + v d 2 2 f= (11. 7 MHz enquanto o angulo ´ obtido a partir de ˆ e ϕ = arctg 2hv d = 45◦ .6. Esta freq¨ˆncia ue ue tamb´m pode ser obtida em fun¸˜o da altura virtual hv da camada. a co d 2R (R + hv ) 1 − cos 2R + h2 v d hv + R 1 − cos 2R f = fc (11.

isto ´. Entretanto. c e e d2 )2 .7: Reflex˜es na superf´ da Terra. Um exemplo simples deste tipo a ıcie de problema ´ apresentado a seguir. 9.58) de (11.58) 2d A diferen¸a entre os caminhos ´ obtida subtraindo (11. o que ´ verdadeiro para incidˆncias em ˆngulos e o e e a rasos na faixa de 30-3000MHz e polariza¸˜o horizontal (vide ρ⊥ na Fig.6 ).CAP´ ıTULO 11.7 Reflex˜es no Solo o A determina¸˜o das alturas das antenas em um enlace de r´dio n˜o ´ somente releca a a e vante no c´lculo das perdas por obstru¸˜o. e a e neste exemplo.57) enquanto que o caminho atrav´s da reflex˜o ´ e a e (h1 + h2 )2 r1 + r 2 = + (h1 + h2 d+ (11. O coeficiente de reflex˜o no a solo ´ supostamente pr´ximos de -1. esta distˆncia ´ considerada. e A Figura 11. de tal forma que a curvatura da Terra ´ desprezada. O ca caminho direto entre as antenas ´ dado por e TX r h1 r1 r2 h2 RX d Figura 11. Enlaces de R´dio a 228 11.57).7 mostra um enlace de r´dio de comprimento d onde as antenas s˜o a a a e posicionadas nas alturas h1 e h2 . A distˆncia ´ relativamente curta. Alturas escolhidas aleatoriamente podem a ca levar a atenua¸˜o do sinal que chega a antena receptora. Isto ocorre devido a inter` ca ` ferˆncias destrutivas entre as ondas que chegam diretamente da antena transmissora e e aquelas que s˜o refletidas pela superf´ da Terra. o ıcie (h1 − h2 )2 d+ 2d r= d2 + (h1 − h2 )2 (11. muito maior que as alturas das torres.

o campo pode assumir valores entre 0 e 2Eo . introduz uma defasagem nos campos que chegam a antena a ` receptora.7. e e a a . devido a diferen¸a de caminhos ca ` c e a reflex˜o na Terra. O r´dio-enlace se encontra num terreno plano sem obst´culos.60) λd Considerando-se que as amplitudes das ondas refletida e direta s˜o praticamente a iguais a Eo . o mais alto poss´vel nas respectivas torres ı de 20m de altura. Reflex˜es no Solo o 2h1 h2 (11.59) d O atraso da onda refletida em rela¸˜o a direta.229 11.61) onde se pode notar que a depender da freq¨ˆncia.4 Pede-se para posicionar as antenas de um enlace de r´dio. pois esta ´ a altura m´xima com m´xima intensidade de campo. 26 h)| 2Eo A Figura 11. Nota-se que a melhor posi¸˜o para atender ao projeto ca ´ h = 18.62) ∆φ 2 (11. Esta defasagem ´ dada por e r1 + r2 − r 4πh1 h2 +π (11.8 mostra a varia¸˜o da intensidade do campo normalizado com a altura ca da antena na torre receptora. 7 m. que opera a em 300MHz e tem 100m de comprimento. pode-se ent˜o escrever a magnitude do campo total na antena receptora a como ∆φ = ∆φ + π = |Erx | = Eo + Eo ej∆φ = 2Eo sen ou |Erx | = 2Eo sen 2πh1 h2 λd (11. Exemplo 11. a a Solu¸˜o: Posicionando-se a antena transmissora no topo da torre. da distˆncia e das alturas das ue a antenas. obt´m-se ca e En (h) = |Erx | = |sen (1.

8 0.CAP´ ıTULO 11.4 0. ca .6 0.2 0 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 Altura h em m Figura 11. Enlaces de R´dio a 230 1 Intensidade do campo normalizado En(h) 0.8: Varia¸˜o da intensidade de campo normalizado com a altura.

ao mesmo tempo.2.1 mostra uma linha desbalanceada ligada a uma antena dipolo. que ´ uma conca e seq¨ˆncia do mau acoplamento entre a antena e a linha de transmiss˜o. E poss´ a ıda a ıvel se obter a impedˆncia de entrada de uma antena bem pr´xima a impedˆncia do sistema de a o ` a transmiss˜o (ou recep¸˜o) modificando-se apenas a geometria desta. Um exemplo de linha balanceada. est˜o sepe ıcie aradas fisicamente atrav´s do efeito pelicular. Muitas vezes. A Figura ue a 12. a perda de energia ocorre a devido ao desbalanceamento de correntes no cabo de alimenta¸˜o. Como as correntes nos condutores e interno e externo n˜o tˆm as mesmas amplitudes. Entretanto. em muitos casos.Cap´ ıtulo 12 Casamento de Impedˆncia de a Antenas 12. certas caracter´ ıvel ısticas de radia¸˜o e impedˆncia ca a de entrada que estejam pr´ximas de valores comumente utilizados para linhas de o transmiss˜o e transceptores comerciais. Pode-se verificar que parte da corrente que flui pela blindagem (condutor externo) retorna para a a Terra atrav´s da superf´ externa da mesma. ent˜o. torna-se necess´rio a utiliza¸˜o a a ca de circuitos de casamentos ou dispositivos que maximizem a transferˆncia de energia e entre as linhas de transmiss˜o e as antenas.1 Introdu¸˜o ca A impedˆncia de entrada de uma antena. diz-se. 231 . Estas correntes. Foi visto no a ca Cap´ ıtulo 9 que o comprimento e a distˆncia entre elementos de antenas lineares a influenciam diretamente no valor de suas impedˆncias. I2 e I3 . Neste caso. nem sempre ´ a e poss´ se obter. ´ mostrado na Figura 12. onde I2 = I1 . tem valor diferente da a ´ impedˆncia de sa´ do sistema a que ela est´ conectada. que a linha est´ desa e a a e balanceada.

12. funcionando simultaneamente em dois modos: um modo assim´trico (linhas de transmiss˜o) adicionado a um modo e a sim´trico (antenas). impedˆncia do modo assim´trico. para determinar a impedˆncia nos a terminais da antena. ´ dada por a e e Zt = sendo (1 + n)V l2 = jZo tg k 2It 2 (12. Este modelo considera que a e antena se comporta como uma linha desbalanceada. ´ mostrado na Figura 12.CAP´ ıTULO 12. A impedˆncia na entrada do toco.2 Circuitos de Casamento com Tocos e Trechos de Linhas Circuitos de casamento de impedˆncia constitu´ a ıdos de tocos e linhas j´ foram abora dados anteriormente.1: Cabo coaxial ligado a uma antena dipolo.4. trecho de linha com dois ou trˆs tocos em paralelo e transformador de λ/4. As linhas de transmiss˜o tˆm um curto nas suas extremidades e a e a formando assim dois tocos em curto de comprimento l2 /2. Casamento de Impedˆncia de Antenas a 232 I1 I1 I2 I 2 -I 3 I3 Zg Figura 12. e 12. Os mais comuns s˜o dos tipos: trecho de linha com toco em a paralelo. e O modelo desenvolvido por Uda e Mushiake.3 Casamento do Tipo T O arranjo de casamento mostrado na Figura 12.1) .3 ´ chamado de acoplamento T.

Casamento do Tipo T I1 Zg I1 I2 I2 Figura 12. a2 o raio do dipolo c de entrada e n o fator que indica quanto de tens˜o e corrente se tem em cada dipolo. a1 o raio do dipolo em curto. Zo = 60 ln d2 a1 a2 (12.6) 1 2 2 (µ ln µ + 2µ ln ν) (1 + µ) (12.2: Par de fios paralelos ligados a um dipolo.2) d o espa¸amento entre os dipolos. a O valor de n ´ obtido de e cosh−1 n= cosh−1 ν 2 −µ2 +1 2ν ν 2 +µ2 −1 2µν (12.5) .18) de um dipolo simples com e e a comprimento l1 e raio equivalente dado por ae = ln a1 + onde µ= a2 a1 (12.4) sendo que Za ´ tamb´m fornecida pela express˜o (9.3) Enquanto que a impedˆncia do modo sim´trico ´ obtida a partir de a e e Za = V (1 + n)Ia (12.233 12.3.

CAP´ ıTULO 12.3: Arranjo de casamento do tipo T.5.10) O circuito equivalente para a express˜o (12. 03λ a 0. 06λ). O valor de cada capacitor ´ dado por e C = 2Cin = 1 π f Xin (12.7) Iin = It + Ia = e a tens˜o por a (12. para se e obter na ressonˆncia um valor puramente resistivo. Casamento de Impedˆncia de Antenas a 234 l1 2a 1 2a 2 d l2 Figura 12. como o comprimento l2 ´ a e e muito pequeno (0. e ν= Como a corrente na entrada ´ dada por e (1 + n)V V [(1 + n)2 Za + 2Zt ] V + = 2Zt (1 + n)Za 2(1 + n)Zt Za d a1 (12. a e A impedˆncia de entrada Zin ´ geralmente complexa e.6.9) (12. como mostrado na Figura 12. Sendo assim. torna-se necess´rio a utiliza¸˜o a a ca de dois capacitores nos terminais de entrada.11) .10) ´ mostrado na Figura 12. sua parte reativa ´ indutiva.8) Vin = V + nV = (1 + n)V ent˜o a Zin = Rin + jXin = Vin 2(1 + n)2 Zt Za = Iin (1 + n)2 Za + 2Zt (12.

A ca impedˆncia do dipolo dobrado ´ ent˜o obtida de (12. n = 1 e e a Zin = 4Zt Za 2Za + Zt (12.74) s´ e a o a ´ v´lida quando o comprimento do dipolo dobrado ´ igual a λ . ent˜o. ´ importante salientar que a express˜o obtida (9.4.4: (a) Arranjo T. e 12.12) Para o caso espec´ ıfico do comprimento ser igual a λ . (b) modo assim´trico (linha de transmiss˜o). Se os diˆmetros forem a e a a idˆnticos.235 12. (c) modo e a sim´trico (antenas).4 Dipolo Dobrado O dipolo dobrado ´ um caso especial do casamento do tipo T. Entretanto. Dipolo Dobrado V in + - (a) = + nV It (b) - + V It Ia + + V - (c) + V nI a Figura 12.10). Uma express˜o e a e 2 mais precisa pode ser obtida a partir do modelo apresentado na se¸˜o anterior. tem-se Zt → ∞ e 2 . O valor da impedˆncia e a de entrada j´ foi obtido no cap´ a ıtulo anterior utilizando-se o conceito de acoplamento entre dipolos.

tem-se Zin = 4Za = 292 + j168 Ω A parte reativa pode ser eliminada utilizando-se capacitores cujos valores s˜o a C= 1 1 = π f Xin π × 3 × 107 × 168 63 pF . Zin = 4Za (12. e utilizando-se um dipolo dobrado.CAP´ ıTULO 12. a Solu¸˜o: Como foi visto no Cap´ ca ıtulo 9. Casamento de Impedˆncia de Antenas a 236 (1+ n):1 2Z t Za Figura 12. ´ algo em torno de 73 + j42 Ω.13) Exemplo 12.1 Projete o circuito de casamento para um dipolo de λ/2 que deve operar em 30MHz.5: Circuito equivalente para o arranjo T. C (1+ n):1 2Z t Za C Figura 12. O dipolo ser´ ligado a um transmissor de 300Ω atrav´s de uma a e linha de mesma impedˆncia. Portanto. a impedˆncia de um dipolo de meio coma primento de onda. para hastes finas.6: Circuito equivalente do arranjo T com acoplamento atrav´s de capacie tores.

portanto. 03 12.15) . a corrente neste modo ´ dada e e por l1 2a 1 2a 2 C d l2 /2 Figura 12. 014 1 − 0. ´ a e ρ= 292 − 300 292 + 300 − 0. A Figura 12.237 12.5 Casamento do Tipo Gama O arranjo de casamento T e dipolos dobrados s˜o acoplados aos transceptores atrav´s a e de linhas de transmiss˜o balanceadas.7: Arranjo de casamento do tipo Gama. (1 + n)V Zt J´ a corrente no modo sim´trico ´ fornecida por a e e It = Ia = 2V (1 + n)Za (12. No caso de conex˜es com linhas desbala o anceadas. 014 1. como cabos coaxiais. Casamento do Tipo Gama O coeficiente de reflex˜o.5.7 mostra um arranjo do tipo Gama para linhas coaxiais. neste caso.14) (12. 014 e o coeficiente de onda estacion´ria a VSWR = 1 + 0. utiliza-se outro tipo de arranjo de casamento. No arranjo Gama tem-se apenas um toco no modo assim´trico.

CAP´ ıTULO 12.8: Circuito equivalente de um arranjo Gama. Exemplo 12.17) C (1+ n):1 Zt Za/ 2 Figura 12.16) Se um capacitor C for utilizado para eliminar a parte reativa.4). tem-se Zin = onde 1 2π f Xin O circuito equivalente ´ mostrado na Figura 12. tem-se a Zin = onde a parte real ´ igual a e Rin = e a imagin´ria a 2Xt2 Ra 2 4Ra + (2Xa + Xt )2 2Zt Za 2Za + Zt . a impedˆncia de entrada fica a Zin = Rin + jXin = (1 + n)2 Zt Za (1 + n)2 Za + 2Zt (12. Sendo assim. e C= (12. a Solu¸˜o: Utilizando-se tubos de alum´ ca ınio de mesmo diˆmetro.18) (1 + n)2 Zt Za 1 + jωC (1 + n)2 Za + 2Zt (12. Casamento de Impedˆncia de Antenas a 238 uma vez que a impedˆncia do dipolo equivalente ´ a metade do valor obtido em a e (12.8.2 Projete o sistema de casamento para o dipolo do exemplo anterior considerando que o mesmo ser´ ligado a um transmissor de 50 Ω atrav´s de um cabo a e coaxial de mesma impedˆncia.

5. 13 + j 42. 5 l2 /λ e a = a1 = a2 . Casamento do Tipo Gama Xin = 2 2Xt [Xa Xt + 2(Xa2 + Ra )] 2 4Ra + (2Xa + Xt )2 sendo Xt = Zo tg (2πln ). tem-se 150 125 Resistência de entrada R in 100 75 50 25 0 0 0.05 0.239 12. 072. 5) + j174. Zin 2 × j174. Portanto. ln = 0. A curva e ca foi obtida para a = 0. A Figura 12. a = 0. 7 × (73. 54 Ω.25 Figura 12.15 Comprimento normalizado ln 0.9: Resistˆncia Rin em fun¸˜o do comprimento normalizado ln . d = 10 cm e Za = 73. 5cm e d = 10cm. 1 + j42. 2 + j85. 5 cm. a = 0. 7 50. para ln = 0. l2 /2 = 72cm. 1 + j42. Nota-se que. Zo = 120 ln(d/a). 5 Os valores para montagem do sistema s˜o: l1 = 5m. 072λ = 72cm. a d = 10cm e C = 62 pF. considerando-se l2 /2 = 0. . 5) 2 × (73.9 mostra a varia¸˜o da resistˆncia de entrada Rin com o comprimento normalca e e izado ln . 5 Ω onde a parte reativa pode ser eliminada utilizando-se um capacitor de 1 1 C= = 62 pF 2π f Xin 2π × 3 × 107 × 85. o valor de Rin ´ igual a 50Ω.2 0.1 0. 5cm.

11. tem-se [19] a N2 V2 = V1 N1 e.6 ˆ Casamento do Tipo Omega ˆ A diferen¸a b´sica entre o arranjo do tipo Omega e o tipo Gama est´ na introdu¸˜o c a a ca de um segundo capacitor. pode-se obter a rela¸˜o de impedˆncias como segue: ca a 2 (12. n˜o s´ como a o elevador ou redutor de tens˜o e corrente. Casamento de Impedˆncia de Antenas a 240 12.10. no caso do valor fornecido pelo casamento Gama ser muito longo. ´ dada por a .10: Arranjo de casamento do tipo Omega. da teoria de circuitos. a a e a e quando uma impedˆncia ZL ´ ligada ao secund´rio.7 Transformadores Sabe-se.19) (12. C2 C1 ˆ Figura 12. a e a Considerando-se um transformador. com N1 espiras a no enrolamento prim´rio e N2 no enrolamento secund´rio. como mostrado na Figura 12.CAP´ ıTULO 12. 12.21) Z1 V1 I2 N1 A impedˆncia “vista” nos terminais do enrolamento prim´rio do transformador. que um transformador pode ser utilizado. como mostrado na Figura 12. I2 N1 = I1 N2 Portanto.20) Z2 V2 I1 N2 = = (12. para as correntes. mas tamb´m como casador de impedˆncia. Com este capacitor ´ e poss´ ıvel se reduzir o comprimento do haste de casamento l2 /2.

a Solu¸˜o: O projeto se resume em encontrar os n´meros de espiras do prim´rio e ca u a secund´rio do transformador. (b) esquema de um transforu mador ligado a u