You are on page 1of 10

Biologia  e  Geologia

11º  Ano

 

Página  1  de  10

Tópicos  abordados:
-­‐ Génese

-­‐ Rochas  sedimentares
-­‐ Sedimentogénese:
-­‐ Meteorização  e  erosão  (Csica  e  química); -­‐ Transporte; -­‐ Sedimentação; -­‐ Cimentação; -­‐ Compactação.

-­‐ Diagénese:

-­‐ Classificação  das  rochas  sedimentares
-­‐ DetríMcas  (herdado)
-­‐ Compactadas; -­‐ Não  Compactadas.

-­‐ Quimiogénicas  (neo-­‐formação) -­‐ Biogénicas  (neo-­‐formação) -­‐ Calcários  biogénicos; -­‐ Carvão; -­‐ Petróleo.
-­‐ Calcários  de  precipitação; -­‐ Evaporitos.

 

 

-­‐ Rochas  MagmáMcas
-­‐ Tipos  magmas

-­‐  Os  fósseis  e  a  reconsMtuição  do  passado.
-­‐ RiolíMcas; -­‐ AndesíMcas; -­‐ BasálMcas.

-­‐ Consolidação  do  magma

-­‐ Diversidade  de  rochas  magmáMcas
-­‐ Composição; -­‐ Textura: -­‐ Cor; -­‐ Famílias;
-­‐ FaneríMca  ou  granular; -­‐ AfaníMca  ou  agranular.

-­‐ Isomorfismo  e  polimorfismo; -­‐ Diferenciação  magmáMca; -­‐ Série  de  Bowen;

-­‐ Deformação  das  rochas

-­‐ Condicionantes  das  deformações; -­‐ Dobras; -­‐ Falhas.
Página  2  de  10

 

Rochas  sedimentares
  Ainda  te  lembras  como  é  que  ocorre  a  génese  das  rochas  sedimentares?  Ocorre  em   duas   fases  principais,  a  sedimentogénese  e  a  diagénese.   Observa  o  esquema  síntese  sobre  a  formação  de  rochas  sedimentares.

  A   compactação   resulta   do   peso   das  camadas  superiores,   que  faz   com   que   os   espaços   (poros)  existentes  nas  rochas  vão  diminuindo,  resultando  numa  rocha  compactada.   Por   outro   lado,   a   cimentação   é  um   processo  através  do   qual  um   “cimento”   natural  se   liberta  das  rochas  (ou  resulta  da  diluição   de  alguns  materiais  com   a  água,   chamando-­‐se   assim   matriz),  mantendo  as  rochas  consolidas.
  Página  3  de  10

Classificação  das  rochas  sedimentares

    Existem  vários  métodos  para  classificar   as  rochas  sedimentares.  O   critério  mais  uMlizado  faz   uma  divisão  de  acordo  com  a  sua  formação,  que  as  divide  em: -­‐ Detrí6cas  -­‐  quando  são  formadas  por  detritos  de  outras  rochas  pré-­‐existentes; -­‐ Químiogénicas  -­‐  quando  a  sua  formação  resulta  de  um  processo  químico; -­‐ Biogénicas  -­‐  quando  a  sua  formação  é  resultado  de  um  processo  biológico  (ex.:  conchas).   Dentro   das  rochas   detrí6cas   fazemos  ainda   a   disMnção   entre   dois  Mpos   de   rochas,   as   consolidadas  (como   por   exemplo,   os  arenitos  ou  conglomerados)  e   as  não   consolidadas  (como   por  exemplo,  as  areias  ou  argilas).   Consolidadas: -­‐ Conglomerados  -­‐  formados  por  sedimentos  de  várias  dimensões; -­‐ Arenito  -­‐  formado  pela  união  de  areias; -­‐ Silitos  -­‐  formado  pela  união  de  sedimentos  de  silte; -­‐ Argilitos  -­‐  formado  por  grãos  de  argila.   A   lista   acima   referida   está   organizada  de   acordo   com   o   tamanho   dos  sedimentos  que   consMtuem  cada  uma  das  rochas  (Mpos).   Não  consolidadas: -­‐ Balastros; -­‐ Areias; -­‐ Argilas; -­‐ Siltes.

  A   consolidação   de   uma   rocha   não   consolidada   origina,   muitas   vezes,   uma   rocha   consolidada.   Dentro  das  rochas  quimiogénicas,   existem  dois  Mpos  principais  de  rochas,   os  calcários  de   precipitação  e  os  evaporitos.   Os   primeiros   resultam   da   reacção   de   síntese   do   carbonato   de   cálcio   (contrária   à   do   processo  de  meteorização  química,  a  carbonatação),  em  que  se  forma  carbonato  de  cálcio  (CaCO3)   a  parMr  de  H2CO3  (ácido  carbónico)  e  de  calcite  (Ca+).  Esta  reacção   ocorre  muito  nas  grutas  e  nos   ambientes  do  Mpo  modelado   Cársico,   devido  à  presença  de  CO2   que  reage  com  a  água  formando   H2CO3.   Por  outro  lado  os  evaporitos,  que  resultam  da  precipitação  química  durante  o  processo  de   evaporação  da  água.  Durante  a  evaporação,  o  volume  de  água  diminui,  pelo  que   a  concentração   de   certas  substâncias   aumenta.   Quando   estas   substâncias  passam   o   seu   ponto   de  saturação,   precipitam,   algumas   substâncias   formando   evaporitos,   como   o   gesso   (sulfato   de   cálcio   di-­‐ hidratado)  e  o  sal-­‐gema  (halite,  cloreto  de  sódio).   Dentro  das  rochas  biogénicas  existem  ainda  três  Mpos  principais  de  rochas,   os  calcários  de   bioformação,  o  carvão  e  o  petróleo.   Os  calcários  de  bioformação   resultam  da  reacção  de  síntese  do  carbonato  de  cálcio   (ver   acima),  aplicada  aos  seres  vivos,  como  por   exemplo,   no  processo   de  formação  de  conchas  (ex.:   rudistas).   O  carvão   é  resultado  da  degradação  de  biorganismos  através  de  processos  anaeróbios.   É   essencial  um  processo   denominado  de  subsidência  (comum  ao   petróleo;  dá-­‐se  um  afundamento   do  material),  de  forma  a  que  os  microrganismos  aeróbios  não  possam  iniciar  a  decomposição.  A  
  Página  4  de  10

turfa  é  um   Mpo  de  carvão  mais  pobre  em  carbono,   devido   ao  baixo   afundamento  (subsidência)   que  ocorre  nestas  zonas,  maioritariamente  pantanosas.  Os  estados  do  carbono  começam  na  turfa,   que  depois  se  transforma  em  lignite,  passando   por  betumioso  e  acabando  na  antracite,  sendo  a   turfa  o  que  tem  a  menor  quanMdade  de  carbono  fixo,  e  a  antracite  a  maior.   O   petróleo   resulta   maioritariamente   da   decomposição   da   parte   lipídica   da   matéria   orgânica.   A  origem  do  material  é  marinha  (ao  contrário  do  carvão).  Encontra-­‐se  maioritariamente   nas  armadilhas  de   petróleo,   situações  em  que  o  petróleo  tenta  subir  até  à  superCcie,  mas  devido   à  presença   de  uma   rocha  mais  impermeável  não  consegue.  A  rocha  onde  se  origina  é  a  mãe,  e   onde  se  encontra  é  a  armazém.   A  rocha  impermeável  que  serve  de  barreira  impermeável  designa-­‐ se  por  rocha  cobertura.   Observa  o  esquema  sobre  os  Mpos  de  rochas  sedimentares.

 

Página  5  de  10

Os  fósseis  e  a  reconsMtuição  do  passado
  Os  fósseis  são  muito   importantes   para   o   passado,   principalmente  dois  Mpos  de  fósseis,   ligados  a  alguns  princípios  geológicos: -­‐ Fósseis   de   Idade   -­‐   permitem-­‐nos,   através   do   princípio   da   idenMdade   paleontológica,   saber  qual  a  altura  de  formação  do  estrato;   fósseis  de  seres  vivos/veshgios  (somato  ou   icnofósseis)   que   viveram   num   período   de   tempo   muito   curto   com   uma   expansão   geográfica  muito  grande; -­‐ Fósseis   de   Ambiente/Fácies   -­‐   fósseis   que  apenas   viviam   em   determinados/específicos   ambientes  e  que  nos  permitem  determinar   em  que  fácies  (ambiente)   se  formou  a  rocha   (ex.:  conMnental,  marinho,  lagunar,  lacustre...).   Existem   vários  processos  de  conservação  que  impedem  a  degradação  do  ser   vivo/marca,   entre   eles  a  conservação   em  si  (no  qual  está  englobado  a  mumificação),  a  moldagem  (que  pode   ser  interna  ou  externa;   impressão  para  as  plantas  e  superCcies  planas),   a  mineralização   (no  qual   os  carbonos  são  subsMtuídos  por   sílica;  são  silidificados)  e  ainda  os  icnofósseis  (que  representam   as  marcas  dos  fósseis.

Rochas  MagmáMcas
  As  rochas  magmáMcas,   tal  como  o  nome  indica,  têm  origem  em  magma,  que  é  um  material   no  estado  líquido  que  se  encontra  no  interior  da  Terra  a  altas  temperaturas.  Quando  este  material   consolida,  origina  as  rochas  magmáMcas.   Existem  três  Mpos  de  magma: -­‐ Riolí6co  -­‐  que  denominávamos  ácido,  devido  à  sua  alta  percentagem   de  sílica  e  silicatos;   origina  o  riólito  (à  superCcie)  e  o  granito  (em  profundidade); -­‐ Andesí6co   -­‐   que   denominávamos   misto,   devido   ao   facto   de   possuir   alguma   sílica   dissolvida  (cerca  de  50%);  forma  andesitos  (à  superCcie)  e  dioritos  (em  profundidade); -­‐ Basál6co   -­‐   que   denominávamos   básico,   devido   à   sua   baixa   composição   em   sílica   e   silicatos;  origina  basalto  (á  superCcie)  e  gabro  (em  profundidade).

  As   rochas   originárias   de   magma   riolíMco   encontram-­‐se   principalmente   nos   limites   convergntes,   enquanto   que  as  originárias  de  magma  basálMco  encontram-­‐se  principalmente  nos   limites  divergentes  e  intraplacas  (ex.:   pontos   quentes,  devido  à  grande  profundidade   de  onde  o   magma  é  oriundo).   No   entanto   a   consolidação   do   magma   é   um   processo   muito   mais   complexo   do   que   aparenta,   pelo   que  um   magma  riolíMco  pode  originar   basaltos!   Como?   Através  de  um   processo   denominado  diferenciação   magmá6ca.   Mas  antes  de  falarmos   sobre  este  processo  temos  que   fazer  uma  pequena  introdução  aos  cristais.   Um   cristal   é   um   pouco   diferente   de   um   mineral,   na   medida   em   que   este   não   é   necessariamente  natural  (pode  ser  construído  pelo  homem),  e  que,  num  cristal,  as  parhculas  estão   organizadas   de   acordo   com   uma   rede   cristalina.   Damos   o   nome   de   malha   elementar   ao   paralelepípedo  que  serve  de  base   para  a  rede  cristalina   em   si,   e  que  se  repete  ao  longo  desta.   Quando   não   conseguimos   definir   esta   malha   elementar   (porque   as   parhculas   estão   desorganizadas),   estamos   perante   uma  estrutura  vítrea   ou   amorfa.   Existem  duas  propriedades   que  são  muito  importantes  para  os  cristais,  que  são  o  isomorfismo  e  o  polimorfismo.  Um  cristal  é   isomorfo   de   outro   se,   apesar   de   terem   estruturas   químicas   diferentes,   possuem   a   mesma  
  Página  6  de  10

estrutura  interna  (organização).   Um  cristal  é  polimorfo   de  outro  se,   apesar   de  terem  estruturas   químicas  iguais,  resultarem  em   estruturas  internas  diferentes.  Um  exemplo  de  cristais  isomorfos   são  as  plagioclases,   mais  precisamente  a  anorMte  e  a  albite,  que  variam  apenas  a  percentagem  de   sódio  e  de  cálcio.  Um  exemplo  de  cristais  polimorfos  são  a  calcite  e  a  aragonite  (ambas  compostas   por  cálcio,  mas  com  estruturas  cristalinas  diferentes).   Os  cristais   vão   ser   muito  importantes  durante  a  consolidação  do  magma.   Bowen  foi  um   cienMsta  do  início  do  século  XX  que  descobriu  a  importância  da  diferenciação  magmáMca,  ou  seja,   das  transformações  que  o  magma  sofre  até  estar  completamente  solidificado.  Bowen  desenvolveu   a  série  que  foi  dada  em  seu  nome:  série  de  Bowen  (figura  1),  resultado  de  uma  experiência,   e  que   nos  diz   a   sequência   com   que   os   minerais   se  formam   com   a  variação   da   temperatura   (com   a   solidificação  a  temperatura  vai  diminuir).  Formou   assim  uma  escala  que  dividiu  em  dois  ramos:  o   conLnuo   (para   as   plagioclases,   visto   que   a   sua   transformação   era   conhnua;   isomorfos)   e   o   desconLnuo  (para  o  resto   dos  minerais,   os  ferromagnesianos,  visto  que  a  sua  composição  não  se   alterava  de  uma  forma  conhnua;  polimorfos).

Figura  1  -­‐  Série  de  Bowen   Já  sabemos  que  os  minerais  solidificam  a  diferentes  temperaturas  (de  acordo  com  o   seu   ponto  de  fusão)   e  que  esta   variação  tem  um  ramo   desconhnuo  e  outro  conhnuo,   denominada   cristalização   fraccionada.  Mas  será  esta  a  única  forma  de  diferenciação  magmáMca?  Não,  existem   mais,  como  a  diferenciação  graví6ca  (na  qual  as  partes  mais  densas  acumulam-­‐se  mais  abaixo  na   câmara  magmáMca),   a  mistura  de   magmas  (se  exisMrem  câmaras  magmáMcas  perto,   pode  haver   mistura  de  magmas)  ou  ainda  a  assimilação   (ocorre  uma  fusão  das  rochas  encaixantes  que  passam   agora   a  ser   parte   integrante  do  magma).   Estas  caracterísMcas  todas   vão   ser   muito  importantes   para  o  Mpo  de  magma  que  se  vai  originar  em  determinado  local.

Diversidade  de  rochas  magmáMcas
  Página  7  de  10

  Existe   uma   grande   diversidade   de   rochas   magmáMcas,   que   disMnguimos   por   três   caracterísMcas  fundamentais:  textura,  cor  e  modo  (composição  mineralógica).   A  textura  pode  ser  de  dois  Mpos:   fanerí6ca  (ou  granular)   e  afaní6ca  (ou  agranular).   Uma   rocha  tem   textura   faneríMca  quando   apresenta   cristais   visíveis  e  relaMvamente   desenvolvidos,   caso  contrário  e  afaníMca.   A  cor  pode  ser  de  quatro  Mpos,  de  acordo   com  os  minerais  que  a  cons6tuem:   leucocrata   (maioritariamente  Mpo  félsicos  (ver   modo)),   mesocrata   (50%  félsicos,  50%  máficos),  melanocrata   (maioritariamente  Mpo  máfico)  ou  ainda  ultramáfico  (apenas  minerais  máficos).   O  modo  depende  da  sua  composição  mineralógica,   mas  pode  ser  de  dois  Mpos  principais:   félsico   (se  os  minerais  são   predominantemente  sílicas  e   feldspatos;   cor   clara)  ou  máfico   (se  os   minerais  são  predominantemente  ferro  e  magnésio;  cor  escura).   Observa  o  esquema  para  compreenderes  melhor  as  caracterísMcas  das  rochas  magmáMcas.

 

Nota:  a  escala  da  cor  depende  da  quan=dade  de  minerais  félsicos  e   máficos.  Se  esta  for   semelhante  será  igual   a  1  (visto  ser  a  razão  entre  as  quan=dades  de  minerais  félsicos  e  máficos).   Página  8  de  10

  A   parMr  destas  caracterísMcas  podemos  então  formar   famílias  de  acordo  com  um  grupo  de   rochas  com  semelhantes  caracterísMcas.  Formamos  então  três  famílias  principais: -­‐ Família   do   granito   -­‐   faneríMca  (ou  afaníMca,  dependendo  da  profundidade);   leucocrata;   félsico; -­‐ Família   do   diorito   -­‐  faneríMca  (ou   afaníMca,   dependendo  da  profundidade);   mesocrata;   félsico/máfico; -­‐ Família  do   gabro   -­‐  faneríMca  (ou  afaníMca,  dependendo  da  profundidade);   melanocrata;   máfico;

Deformação  nas  rochas
  Existem   vários  factores  que  induzem   deformações  nas  rochas,  mas  o  principal  é  a  pressão,   ou   mais  precisamente,  a  tensão,  ou  seja,  a  força  exercida  por  unidade  de  área.  Esta  pressão   não   pode   ser   do   Mpo   litostáMca   (resultante   do   peso   das   camadas   superiores),   mas   sim   do   Mpo   distensivo,   compressivo   ou   de   cisalhamento.   De   acordo   com   o   Mpo   de   tensão   e   com   as   caracterísMcas   da   rocha,   o   resultado   será   diferente.   Para   compreendermos   melhor   o   comportamento  das  rochas  sob  tensão,   necessitamos  de  compreender  primeiro  os  vários  estados   face  às  tensões.   Existem  três  estados:  elás6co  (quando  o  material  se  deforma,  mas  ainda  pode  regressar   ao   estado  original),   plás6co   (quando  o  material  se  deforma  e  não  regressa   ao  estado  original)   ou   ruptura   (quando  ocorre  a  ruptura  dos   materiais).   As  rochas   têm  mais  tendência  para  terem  um   comportamento  mais  frágil  (sob  tensões  pequenas  quebram-­‐se;  em  oposição  a  duc6l),  no  entanto   este  comportamento  não  depende  apenas  da  pressão,  mas  também  da  temperatura,   presença  de   água,  e  do  6po  de  material.   Podemos  ter  dois  Mpos  de  deformações:  as  dobras  ou  as  falhas.

  As  dobras  resultam  exclusivamente   de   pressões   convergentes   e   manifestam-­‐ se  através  de  uma  alteração  da  rocha  sem   ruptura.   Observa   a   figura   2   para   compreenderes  a  estrutura  de  uma  dobra.   Quando  uma  dobra  tem  a  abertura  virada   para   baixo   dizemos   tratar-­‐se   de   uma   an6forma,  caso  contrário   de  sinforma.  Se   adicionando  a  este  facto,  os  estratos  ainda   esMverem   segundo   o   princípio   da   sobreposição   (por   exemplo,   numa   anMforma  o  núcleo  é  mais   anMgo),  damos   o   n o m e   d e   a n 6 c l i n a l   e   s i n c l i n a l   respecMvamente.   As  dobras  são  caracterizadas,  numa   carta  geológica,  pela  direcção  (intersecção   de   um   plano   horizontal,   com   o   eixo   da   dobra  e  com  o  eixo   N-­‐S)  e  pela  inclinação   (ângulo   que   a  linha  de  maior   declive   dos   flancos  realiza  com  um  plano  horizontal).   As  falhas  tanto   podem   resultar   de   pressões  compressivas,   como  distensivas,  
 

Figura  2  -­‐  Dobra

Página  9  de  10

como   de   cisalhamento   e   manifestam-­‐se   através  da  ruptura  da  superCcie.   Observa   a  figura  3  para  compreenderes  a  estrutura   de   uma   falha.   Uma   falha   diz-­‐se   inversa   quando   o   tecto   (bloco   situado   acima  do   plano  da  falha)  sobe  em  relação  ao  muro   (bloco   abaixo   do   plano   da   falha),   caso   contrário  (se  o   tecto   desce  em  relação   ao   muro)   designa-­‐se   por   normal.   Se   o   movimento  é  horizontal  (o  muro  e  o  tecto   mantêm-­‐se  no  mesmo   plano   horizontal),   trata-­‐se  de  uma  falha  de  cisalhamento.  

Figura  2  -­‐  Falha

 

Página  10  de  10