Manual do

. Versão Imprimível .

Usuário

Apresentando o InfraCAD O InfraCAD

Contexto do Saneamento Ambiental ..................................................... 1 Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário . 1

O que é o InfraCAD? ................................................................................ 2 Versões do AutoCAD ................................................................................. 2 Configurações mínimas necessárias ........................................................ 2 Elementos Gráficos e objetos inteligentes ............................................. 2 As ferramentas ........................................................................................... 2 Barra de menus .......................................................................... 2 Pré-Lançamento.......................................................................... 3 Lançamento de Redes de Água .............................................. 3 Lançamento de Redes de Esgoto ............................................ 3 Cálculo ou Dimensionamento de Redes ................................. 4 Detalhamento ............................................................................. 4 Acionamento ............................................................................................... 4

Criar Bomba ..................................................................................................................... 9 Numerar Nós..................................................................................................................... 9 Criar Nós ........................................................................................................................ 10 Criar Trecho ................................................................................................................... 10 Tubulação no eixo de vias ............................................................................. 10 Tubulação no passeio ...................................................................................... 11 Liga dois nós ..................................................................................................... 11 Trecho entre dois pontos................................................................................. 11 Editar ............................................................................................................................... 11 Curva de Transposição ................................................................................................ 11 Rotina de utilização ......................................................................................... 11 Conectar ......................................................................................................................... 11

Lançamento de Esgoto
Numerar Nós.................................................................................................................. 13 Criar Nós ........................................................................................................................ 13 Criar Trecho ................................................................................................................... 13 Tubulação no eixo de vias ............................................................................. 13 Tubulação no passeio ...................................................................................... 14 Liga dois nós ..................................................................................................... 14 Trecho entre dois pontos................................................................................. 14 Editar ............................................................................................................................... 14 Curva de Transposição ................................................................................................ 14 Rotina de utilização ......................................................................................... 14 Conectar ......................................................................................................................... 14

Ferramentas Fixas
Ajuda ............................................................................................................ 5 Configuração .............................................................................................. 5 Atualização Automática ........................................................................... 5 Info ................................................................................................................ 5 Verificar Conexões .................................................................................... 6

Pré-Lançamento
Cotar Curvas de Nível .............................................................................. 7 Cota automática ........................................................................... 7 Cota manual .................................................................................. 7 Converter Rede Existente ......................................................................... 7 Obtém Cota do Ponto ............................................................................... 7

Cálculo Hidráulico
Cálculo de Água ........................................................................................................... 16 Relatório de Cálculo ........................................................................................ 16 Cálculo de Esgoto ......................................................................................................... 16 Relatório de Cálculo ........................................................................................ 17 Abrir Último Relatório de Cálculo.............................................................................. 17 Parâmetros de Adutoras.............................................................................................. 18

Lançamento de Água
Criar Reservatório ..................................................................................... 9

Inserir Detalhes ........................................................................................ 19 Quantitativo ............................................................................................. 19 Gerenciamento de Listagens ................................................... 19 Configuração de Modelo ......................................................... 19 Botão Inserir ................................................................................ 20 Botão Exportar ........................................................................... 20 Criar Perfil ................................................................................................ 21 Inserir Texto .............................................................................................. 21 Exportar Arquivo .................................................................................... 21

Memorial de Cálculo
Sistema de Abastecimento de Água ................................................... 22 Vazões de Dimensionamento do Sistema de Abastecimento de Água .................................................................................................... 22 Redes de Distribuição ............................................................... 22 Redes Ramificadas ..................................................................... 24 Redes Malhadas......................................................................... 26 Sistema de Adução.................................................................... 25 Adutora por Gravidade em Cconduto Forçado .................. 25 Adutora por Recalque............................................................... 25 Rede coletora de esgoto Sanitário ..................................................... 27 Vazões de Dimensionamento da rede Coletora de Esgoto Sanitário ................................................................................................... 27 Cálculo da Taxa de Contribuição Linear .............................. 27 Vazões de Projeto para Trechos de Tubulação ................... 27 Cálculo da Declividade ............................................................ 27 Cálculo de Diâmetro ................................................................. 27 Cota do Coletor ......................................................................... 28 Lâmina Líquida, Raio Hidráulico e Velocidades (Inicial e Final) ....................................................................................................... 28 Tensão Trativa e Velocidade Crítica ...................................... 28 Interceptores e Emissários ..................................................................... 29

Referências Bibliográficas........................................ 30

de maneira a flexibilizar as ações dos projetistas e facilitar as definições por parte dos tomadores de decisão. as equações básicas são as Equações da Continuidade e de Hazen Williams. 1 . abordagem esta indispensável na atualidade em face da complexidade social estabelecida. para o dimensionamento das redes de distribuição de água. o sistema pode ser o Unitário. este último fundamental para verificar se as pressões mínimas requeridas estão sendo atendidas. o arbítrio do índice de perdas de água na estação de tratamento. Em função de uma série de questões técnicas e de segurança sanitária. E esta otimização poderá atender a uma abordagem multicriterial para definição da melhor solução de saneamento. reservatórios e redes de distribuição. Já as redes podem ser ramificadas. legais. Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário O Sistema de Abastecimento de Água usualmente apresenta unidades como a captação. A captação pode ser de águas subterrâneas Para as adutoras e redes de distribuição de um sistema de abastecimento de água. Drenagem Urbana e Resíduos Sólidos. As estações de tratamento de água objetivam a potabilização da água. de maneira a outorgar ao projetista suficiente flexibilidade no trabalho com os critérios do projeto no intuito de otimizá-lo. tratamento de água. além dos conceitos de pressão estática e pressão dinâmica. em malhas ou mistas. o presente trabalho apresenta a rotina básica de equacionamento de adutoras e redes de distribuição de um sistema de abastecimento de água e de redes coletoras de esgoto. enquanto as adutoras são classificadas. inicialmente são apresentadas as equações para as estimativas das vazões de projeto para os trechos coletores. ou o Separador Absoluto. os mesmos são classificados. são sistemas cuja concretização. de jusante ou centralizados. basicamente. Não obstante. Com relação aos reservatórios. em: de montante. Em ambos os métodos. enquanto para redes malhadas tem-se o método Hardy Cross. onde são consideradas a lâmina máxima do escoamento e a declividade já definida na etapa anterior. são usualmente concebidos e projetados tãosomente sob o viés da eficiência técnica e da viabilidade econômica. são consideradas também a equação que calcula a potência dos conjuntos motobomba e a estimativa dos custos globais respectivos ao sistema de recalque. quanto à sua posição em relação à rede. tratamento e disposição final do esgoto sanitário. escoamento forçado por gravidade ou por recalque. na atualidade. de forma semelhante às redes de distribuição. O próximo passo é o cálculo do diâmetro do trecho. além do arbítrio do consumo efetivo per capita (qe) e do índice de perdas de água na rede de distribuição. é composto pela coleta. pois aspectos políticos. Esgotamento Sanitário. são apresentados dois métodos No dimensionamento da rede coletora de esgoto. Todavia. além das equações supracitadas. igualmente. Diante deste contexto. Na sequência. da hora de maior consumo (K2) e da hora de menor consumo (K3). inicialmente são apresentadas as equações para a estimativa das respectivas vazões de projeto. das tubulações. no qual escoam tanto o esgoto sanitário quanto águas pluviais. do consumo de energia e os custos financeiros. Tal roteiro é apresentado em detalhes. Para redes ramificadas consta o método da distribuição em marcha. ferramentas de projeto e dimensionamento surgem como fundamentais. condição esta a ser atendida de forma imprescindível no sentido de buscar a redução máxima dos riscos à saúde pública. Cumpre destacar que é necessário. as equações básicas utilizadas são as Equações da Continuidade e de Hazen Williams. conforme o regime de escoamento. onde o Sistema de Esgoto Sanitário é totalmente separado do Sistema de Drenagem Urbana. O equacionamento seguinte refere-se às adutoras por gravidade forçada e às adutoras por recalque. institucionais e educacionais devem ser considerados. Com tais dados de vazões. onde são estimadas a celeridade e a sobrepressão na linha de recalque. a norma brasileira recomenda o sistema separador absoluto. Dessa forma. sociais. ou seja. adutoras. Q2 e Q3.Apresentando o InfraCAD Contexto do Saneamento Ambiental Cabe inicialmente destacar que os sistemas de saneamento ambiental. para as adutoras onde o escoamento ocorre por recalque. Neste sentido. cuja tipologia consta das vazões Q1. Outro equacionamento abordado para as adutoras por recalque é aquele respectivo ao golpe de aríete. Para tais estimativas faz-se necessária a adoção dos coeficientes do dia de maior consumo (K1). Verificações Manual do Usuário InfraCAD O Sistema de Esgotamento Sanitário. Abastecimento de Água. ultrapassam tais abordagens. a saber. dentre outros critérios. configurações estas que em muito dependem do porte da comunidade a ser atendida. Apresentando O InfraCAD e/ ou superficiais. é possível definir qual a declividade de cada trecho a partir da avaliação conjunta da declividade do terreno e da declividade mínima que garanta a autolimpeza das tubulações. que incluem os custos dos próprios conjuntos motobomba. Para as adutoras cujo escoamento é forçado sob gravidade.

cujas especifidades são destacadas conforme normatização vigente. Ajuda. (4) Dimensionamento e (5) Detalhamento. Esta barra poderá permanecer flutuando ou fixa na lateral da janela de trabalho. Barra de Menus Na barra de títulos. portanto. As ferramentas O InfraCAD agrupa as ferramentas cujos recursos correspondem a uma mesma etapa de projeto. composto por cinco botões fixos. não será possível utilizar o InfraCAD. haverá um menu chamado InfraCAD. Manual do Usuário InfraCAD Apresentando O InfraCAD adicionais são apresentadas na sequência. tecnologia. no qual estarão disponíveis os seguintes recursos: Quadro Sobre: abre um quadro apresentando informações sobre a versão. InfraCAD: carrega o programa e abre a barra de ferramentas.Info. no agrupamento Geral(5) da solução. Os agrupamentos criados são os seguintes: (1) Pré-lançamento. que estarão sempre visíveis na barra de ferramentas. Além destes grupos. prof. chamado de (6)Geral. Caso o usuário não possua o AutoCAD instalado no seu computador. Elementos Gráficos e objetos inteligentes A representação dos elementos no projeto é unifilar. Configurações mínimas necessárias As configurações mínimas do computador exigidas para a instalação do InfraCAD Amanco são: AutoCAD 2000 a 2009. Resolução mínima de placa de vídeo de 1024x768 pixels. e. Daniel Costa dos Santos O que é o InfraCAD? O InfraCAD Amanco é um plugin para AutoCAD. Atualização automática. teremos algumas ferramentas fixas. necessita deste para ser utilizado. são consideradas abordagens semelhantes. ou seja. As ferramentas que pertencem a este grupo são: Configurações. direitos e autoria do software desenvolvido InfraCAD. imagens e informações técnicas contidas no catálogo de produtos fornecido serão apresentadas em local específico. Espaço mínimo em disco de 100MB. Windows Vista. depois de instalado. Sistema operacional Windows XP. Para o dimensionamento dos interceptores e emissários. instalado e funcionando. Este plugin não interfere nas demais funções do AutoCAD. O software será apresentado na forma de uma barra de ferramentas. Detalhes destes elementos. ele será instalado no AutoCAD. Verificar Conexões. 32 bits. que poderá ser colocada apenas na posição vertical no AutoCAD. Windows 2003. acessado pelo usuário através da ferramenta Info. sendo identificados por simbologia e indicações. 32 bits. (3) Lançamento de Esgoto. Apenas acrescenta ferramentas que pretendem facilitar na realização de projetos de dimensionamento de redes de distribuição de água e coleta de esgoto com base na norma brasileira. Versões do AutoCAD O InfraCAD Amanco funciona nas versões 2000 a 2009 do AutoCAD. em especial quanto à tensão trativa e à velocidade crítica. (2) Lançamento de Água. 2 .

permitindo a criação de trechos de rede e a criação e identificação dos nós nela contidos: 3 . nó. a barra de ferramentas se adaptará através da seleção de botões que mostram as ferramentas dessa etapa. Apenas um grupo de ferramentas pode ser mostrado de cada vez. Ao selecionar um segundo grupo de ferramentas. Estas ferramentas são similares às de lançamento de rede de água. reservatório) Curva de Transposição Conectar Manual do Usuário InfraCAD Apresentando O InfraCAD A cada etapa do projeto. bomba. As ferramentas disponíveis dessa etapa são: Cotar curvas de nível Obtém cota do ponto Converter rede existente Dentro desta ferramenta. São elas: Lançamento de Redes de Esgoto Nesta terceira etapa. teremos ainda quatro ferramentas para auxiliar a criação de trechos: Paralelo entre duas linhas Paralelo com distância Entre nós Ponto a ponto Editar (trecho. o primeiro será fechado automaticamente Lançamento de Redes de Água Esta segunda etapa apresenta ferramentas voltadas ao lançamento dos dados de projeto. tanto para novos sistemas quanto para ampliações. a barra de ferramentas mostrará os comandos para o lançamento dos dados de projeto de rede de esgoto. Estas ferramentas são voltadas ao tratamento de elementos gráficos com o fim de ser utilizados pelo software.Numerar Nós Criar Nós Criar Trecho Dentro desta ferramenta teremos ainda quatro ferramentas para auxiliar a criação de trechos: Paralelo entre duas linhas Paralelo com distância Entre nós Ponto a ponto Editar (trecho e nó) Curva de Transposição Conectar Criar Reservatórios Criar Bombas Numerar Nós Criar Nós Criar Trecho Pré-Lançamento O pré-lançamento é a primeira etapa de projeto e consiste basicamente em identificar curvas de nível e elementos de redes pré-existentes. Os trechos de rede de água e os nós existentes nela são lançados através das ferramentas deste grupo.

Digitando INFRACAD na linha de comando + ENTER. é necessário abrir o AutoCAD. Ao abrir um projeto feito pelo InfraCAD. Sempre que a ferramenta for acionada. aparecerá um botão aguardando a solicitação do usuário para carregar o InfraCAD Amanco e um menu na barra de títulos chamado InfraCAD. O programa pode se carregado das maneiras descritas a seguir: Clicando no ícone do InfraCAD na barra de ferramentas do AutoCAD. o software realiza o cálculo. Qualquer dúvida sobe o procedimento de cálculo. consulte o Memorial de Cálculo. que auxiliam o usuário na preparação do projeto: Selecionando o item do menu InfraCAD na barra de menus do AutoCAD. Apresentando O InfraCAD A barra de ferramentas poderá ser fechada e reaberta a qualquer momento. São ferramentas pós-cálculo. a barra apresentará ferramentas voltadas ao detalhamento do sistema. As ferramentas de cálculo identificam a rede e apresentam quadros com campos solicitando a entrada de dados. aparecerá um quadro de abertura da solução. Na área de trabalho do Acad. O usuário aqui é considerado especialista. Depois de instalado o InfraCAD. mas não o corrige. As funções oferecidas se subdividem em ferramentas de cálculo e ferramentas pós-cálculo: Cálculo de água Cálculo de esgoto Abrir último relatório de cálculo (pós-cálculo) Aplicar parâmetros de adutoras Inserir detalhes Quantitativo Criar Perfil Inserir texto Exportar arquivo Acionamento A barra de ferramentas não será carregada automaticamente. O próprio usuário deve entender como o cálculo funciona e o que ele precisa alterar para corrigir os erros apresentados no relatório. Manual do Usuário InfraCAD Detalhamento Nesta quarta etapa. 4 . Depois de fornecidos os dados.Cálculo ou Dimensionamento de Redes As ferramentas desta etapa são voltadas ao dimensionamento das redes do sistema. a rede é calculada e os resultados obtidos serão apresentados como um relatório. ou seja.

Ajuda Esta ferramenta é uma estrutura de busca por palavra-chave e através de índice de conteúdos. pronto para impressão. Peças: neste campo podemos alterar a unidade de trabalho e uma escala para apresentação das peças de conexão. Os textos inseridos com o padrão anterior continuarão os mesmos. Configuração Com esta ferramenta. Manual do usuário: detalhamento das ferramentas existentes no InfraCAD. tipo de peça. e definir um valor para diâmetro ignorado. a atualização será automática. Neste campo o usuário pode definir alguns parâmetros do texto que será inserido pela ferramenta “Inserir Texto”. Este padrão é definido através de tags. Atualização Automática Esta ferramenta acessa um sistema que solicita a autorização do usuário para conectar à internet. a nova configuração será alterada apenas para os próximos textos inseridos. conexões de rede de água e tubos. ilustrado e em HTML. O InfraCAD: Texto de apresentação com configurações mínimas e acionamento. é verificado no site da Amanco. Memorial de cálculo: texto detalhado sobre o cálculo utilizado para o dimensionamento de redes utilizado no InfraCAD. serão consideradas como parâmetro para o software definir quais os erros de pressão encontrados na rede calculada. Este recurso aplica um padrão para o nome das layers Manual do Usuário InfraCAD Info Ferramentas Fixas 5 . centímetros ou milímetros. a ferramenta não poderá ser utilizada. Pressão: podemos definir o intervalo de pressões que deve ser considerado pelas ferramentas de cálculo. DN. Atenção: se não houver conexão com a internet. Ao alterar os padrões. para assim definir em que tamanho as peças de conexão devem ser representadas. Será possível escolher o tamanho do corpo de texto. Efetuada a conexão. Caso exista. etc. E também abre uma janela com links para os materiais de apoio disponíveis: destes objetos. de acordo com material. o InfraCAD pode adicionar layers específicas para cada tipo de objeto. Manual do usuário imprimível: todo o material de apoio disponível em formato PDF. ao criar a layer. Link Site Amanco: este atalho acessa o site da Amanco com mais informações sobre o InfraCAD e os demais produtos Amanco. Layers: Ao criar objetos. é possível definir alguns padrões que se aplicam para mais de uma ferramenta do InfraCAD. Para cada tipo de informação existe um tag correspondente e. Pode-se alterar a unidade de trabalho escolhendo entre metros. As pressões mínima e máxima aqui digitadas. A definição da unidade de trabalho do projeto influencia o tamanho das peças de conexão inseridas. Estas definições permanecerão selecionadas mesmo depois de encerrar o AutoCAD. a existência de uma nova versão do InfraCAD para atualização. Padrão para textos: Texto padrão a ser inserido nas conexões de rede de esgoto. o InfraCAD solicita a informação do objeto criado para escrever o nome da layer de acordo com a ordem dos tags aqui informados.

Verificar Conexões Esta ferramenta solicita que sejam selecionados os trechos para a verificação. O comando caminha pela rede e busca trechos ou nós que não foram conectados e sinaliza-os com um círculo vermelho. 6 . indicando para o usuário que. apenas sinaliza onde a rede está aberta. As mesmas informações básicas sobre as peças também podem ser obtidas pelo comando LIST.Em um único quadro teremos todas essas informações. Para conectá-la é necessário utilizar a ferramenta “conectar”. e o método aplicado é o inverso do quadrado das distâncias. apesar de estar no local correto graficamente. os elementos da rede não estão realmente conectados. Manual do Usuário InfraCAD Ferramentas Fixas Abre uma janela a partir da seleção de um dos elementos do projeto. É realizada a interpolação para obter essa cota. fotos da peça e um botão que possibilita inserir o bloco dwg da peça. um link para o site da Amanco. Nesta janela são exibidas informações sobre a peça selecionada. do AutoCAD. Também permite acesso ao catálogo virtual de produtos Amanco. mas só serão mostradas as informações de uma peça por vez. inserção dos blocos do AutoCAD e a verificação dos parâmetros já calculados no trecho clicado. Esta ferramenta não conecta os objetos.

durante o uso da ferramenta. o software pode identificar as redes e os nós. Todas as opções dessa função estão sempre disponíveis através da linha de comando. eles serão ignorados. é possível ao usuário alterar a cor da curva cotada. E o usuário poderá mudar o incremento ou o sentido crescente ou decrescente do incremento. Estes valores são chamados de cotas de curva de nível e devem corresponder à cota do terreno no eixo Z. Através da função cor da curva cotada. E assim sucessivamente. gerar perfis. etc. Ao final do processo de cota automática. Deve digitar uma cota inicial. Esta ferramenta atribuirá cotas apenas a elementos do tipo PLINE e SPLINE. a qualquer momento. pontos altos e baixos. Cota manual Ao selecionar cada uma das curvas. A partir da seleção de um elemento de rede existente. o InfraCAD abre um quadro com um relatório. o software lê a cota no eixo Z (altura) de cada elemento encontrado nas layers selecionadas e aplica esse valor como cota da curva. As layers não selecionadas s e r ã o apagadas no momento da utilização d f ã cota manual. o InfraCAD vinculará o valor numérico da cota Z ao objeto. indicando quantos elementos foram cotados. esta função adiciona ou Converter Rede Existente Esta ferramenta permite converter os objetos em elementos do InfraCAD. Depois de clicar no botão “cota manual”.Cotar Curvas de Nível Esta ferramenta permite atribuir cotas às curvas de nível. Caso o programa encontre elementos diferentes dos especificados. para f ili da função l facilitar a visualização e a seleção das curvas de nível. escolher entre somar ou subtrair e selecionar cada curva. Ao selecionar um Manual do Usuário InfraCAD Pré-Lançamento 7 . este recurso converte os objetos um a um. é possível escolher para qual cor a ferramenta deve mudar a curva já cotada. subtrai o incremento da cota anterior e atribui o valor encontrado à curva. A ferramenta cota a primeira curva com a cota inicial e adiciona ou subtrai o incremento da cota inicial para cotar a segunda curva selecionada. Cota automática Ao cotar automaticamente através da cota Z. o usuário volta para a área do CAD para cotar manualmente as curvas. todas as layers existentes no arquivo são listadas em um quadro e é possível selecionar a(s) layer(s) das curvas de nível e adicioná-las a uma lista. Esta função estará sempre ativa com a cor 7 (cinza) e tem o objetivo de sinalizar graficamente quais curvas já têm valor de cota atribuído. Na configuração de layer. identificar áreas de maior ou menor pressão. através da função cota automática pela cota Z ou cotar manualmente curva por curva. ou converte todos os similares ao selecionado. um valor de incremento. No entanto. nenhum valor de cota será administrado a ele. Na terceira curva selecionada. em objetos de rede InfraCAD. primeiro clique no botão da ferramenta e selecione um elemento de rede que deseja converter. quantos elementos foram encontrados. Na janela dessa ferramenta é possível configurar layers e a cor da curva cotada. Para converter um objeto de rede existente. logo abaixo. esta função atribui uma cota e vai adicionando ou subtraindo um valor fixo a partir de um valor de cota inicial. ou seja. Se os elementos possuírem cota Z igual a 0. A partir desses valores.

tipo de nó. ou cota no eixo Z. não é possível defini-los todos ao mesmo tempo através da ferramenta “converter rede existente”.objeto. esta ferramenta varre o arquivo e seleciona todos os objetos com características similares ao selecionado e os converte ao objeto InfraCAD escolhido. Pré-Lançamento 8 Manual do Usuário InfraCAD Obtém Cota do Ponto Esta ferramenta obtém o valor da cota Z de um ponto. a ferramenta mostra as suas características em um quadro e. os dados de entrada dos nós terão de ser inseridos um a um. Primeiro o usuário deve escolher rede de água ou esgoto. A cota Z é a cota altimétrica. através da ferramenta “Editar”. Ao clicar na ferramenta ela solicita que o usuário clique no ponto do qual deseja a cota. . Depois de convertido. o valor da cota é dado na linha de comando. Pode-se converter apenas o objeto selecionado ou todos os similares existentes no arquivo. mostra todas as possibilidades de elementos InfraCAD nos quais ele pode ser convertido. tipo de trecho. depois trecho ou nó. A partir desta primeira identificação das características deste objeto. e o método aplicado é o inverso do quadrado das distâncias. ao lado. para realizar o cálculo hidráulico. É realizada a interpolação para obter essa cota. a partir de um clique neste ponto. diâmetro e as demais informações solicitadas para cada tipo nó. o objeto será substituído por um elemento correspondente do InfraCAD. Posteriormente. como a vazão e a cota de cada nó é diferente. Após indicar o ponto. e apresenta esse valor numérico na linha de comando para o usuário. pois.

Para isso utilize a . Os nós são numerados na sequência em que eles forem selecionados. Clique em “Criar” e clique no local onde deseja inserir o reservatório.Criar Reservatório Esta ferramenta insere um bloco de reservatório com os dados fornecidos pelo usuário no quadro auxiliar. Essa numeração é necessária para realizar o dimensionamento da rede. O segundo nó selecionado será o nó de número 2. a partir de um número inicial escolhido. Pode-se criar um trecho entre um nó da adutora e o reservatório utilizando a opção “trecho entre dois nós” para conectar automaticamente o reservatório à rede. então. Depois de inserir uma bomba é necessário conectá-la à rede. Estes dados servem para definir qual é a bomba necessária para a rede em exeução. Para criar um reservatório. Para numerar a partir de um valor diferente de 1. a opção “trecho entre dois nós” para conectar automaticamente a bomba à rede. Para iniciar em 1. Para isso utilize a ferramenta “Conectar”. Adicione valores para o cálculo da bomba através da ferramenta “Editar”. Para numerar nós. Se nenhum número inicial for escolhido. clicar no local onde se deseja colocar a bomba e conectá-la ao trecho correspondente. É necessário. preencha os dados solicitados para a bomba e clique em “Criar”. e assim por diante. Pode-se criar um trecho entre um nó da rede e a bomba utilizando 9 Manual do Usuário InfraCAD Se os dados do reservatório não forem preenchidos. o terceiro será o de número 3. o InfraCAD insere um bloco de bomba sem nenhuma informação e será necessário editá-lo mais tarde antes de realizar o cálculo de dimensionamento. clique na ferramenta e observe que na linha de comando ela solicita a seleção do primeiro nó e dá a opção “Inicial”. utilize a ferramenta “Editar”. clique na ferramenta e tecle “I” + ENTER para escolher a opção “Inicial”. Depois de inserir um reservatório é necessário conectá-lo à rede. a ferramenta utiliza o número 1 (um) automaticamente. Pode-se atribuir um número inicial a qualquer momento durante a numeração clicando Lançamento de Água Criar Bomba Esta ferramenta calcula uma bomba de acordo com os dados fornecidos pelo usuário no quadro auxiliar e insere um bloco para essa bomba. o infraCAD insere um bloco sem nenhuma informação e será necessário editá-lo mais tarde para realizar o cálculo de dimensionamento. Numerar Nós Esta ferramenta define um número para cada nó selecionado da rede. selecione o primeiro nó e continue selecionando os demais na ordem em que devem ser numerados. ferramenta “Conectar”. também utilize a ferramenta “Editar”. Para atribuir ou alterar esses valores. preencha a cota mínima e a cota do terreno solicitadas no quadro auxiliar. Para editar um reservatório. As próximas seleções de nós obedecerão à sequência numérica a partir do numero digitado. Só então digite o número a partir do qual deseja iniciar a numeração e selecione o nó. selecione o reservatório e digite os valores solicitados. Se os dados da bomba não forem preenchidos. Clique sobre o botão da ferramenta. clique no botão da ferramenta.

dentro de “Criar Trecho”. vazão e cota. Por último. Ao todo. material. Caso a um nó da rede malhada esteja conectada uma rede ramificada. mais quatro ferramentas. Ao clicar no botão da ferramenta. é necessário informar qual o seu uso. pois o cálculo é feito pelo método da distribuição em marcha que ocorre em redes ramificadas. a b r e . Para nó isolado. oblíquas ou inclinadas e é recomendável que tenham certa distância entre si. Para criar nó sobre o trecho. É depois de configurar os dados do nó e acionar o botão “criar” que o usuário define se o nó deve ficar isolado Criar Trecho Esta ferramenta cria trechos de rede e adutoras. pois o cálculo das vazões nos trechos é realizado pelo Método de Hardy-Cross. os tipos de nós possíveis são listados. As linhas selecionadas podem ser paralelas. Escolha o nó desejado e preencha os dados solicitados: vazão e cota. clique no ponto onde deseja criar o nó. tecle ENTER e selecione o trecho no ponto em que deseja inserir o nó. Apenas as curvas e o cap não podem ser inseridos no meio de trechos. veja quais nós são possíveis criar no campo “tipo”. Escolha o uso deste nó e seu material e. O InfraCAD irá cortar o trecho naquele ponto e inserir o novo nó. De acordo com as combinações de uso e material. todos os nós desta rede deverão ser criados com o valor da vazão igual a zero. clique na ferramenta e abra o quadro de nós. que irá distribuir essa vazão. Após a seleção da segunda linha. Linhas que possuem um ponto Manual do Usuário InfraCAD Lançamento de Água ou sobre um trecho. Ao clicar nessa ferramenta. tipo. a partir dessa combinação. Para criar um trecho. o valor da vazão que deve ser digitado é aquele referente à vazão de demanda da área atendida pelo nó. Preencha a caixa de texto “cota:” com o valor da cota piezométrica do nó. redução curva 90º curva 45º curva 22º 30’ tê tê de serviço colar Para criar um nó. Esta ferramenta pode ser encerrada teclando ENTER ou ESC.em “I”+ENTER e digitando o número desejado. o InfraCAD oferece. um trecho entre elas será criado. clique em “Criar”. 10 . a primeira e a segunda linha de referência são solicitadas. são os seguintes tipos de nós que podem ser criados por essa ferramenta: luva adaptador cap cruzeta Tubulação no eixo de vias Cria trecho equidistante a duas linhas paralelas. depois de clicar em “criar”. Ao criar um nó. diâmetro. Em redes malhadas. consecutivamente.s e um quadro auxiliar com alguns dados para a construção dos trechos e as seguintes ferramentas: Criar NÓS Esta ferramenta permite a criação de nós sobre um trecho ou nós isolados.

Clica no trecho que será transposto. Software insere a curva exatamente no cruzamento dos trechos. clicados na área do ACAD. esta ferramenta estende os trechos até que se encontrem e cria um nó entre elas. Software pede indicação do trecho onde será colocada a curva de transposição. Cria um bloco do elemento com o trecho de rede. e o trecho será novamente mudado visualmente para um trecho sem curva de transposição. como o quadro auxiliar deve abrir. Ao clicar na ferramenta. utilize a ferramenta “Verificar Conexões”. aparece a mensagem na linha de comando: “Selecione o objeto a ser editado:” O software identifica. com uma distância especificada. 4. Para retirar a curva de transposição. Para ligar um final de trecho ao meio de um trecho conectado através de um tê. a alteração é apenas visual. Permite também retirar uma transposição de um trecho de rede. Por meio desta ferramenta. 3. isso não garante que o trecho e o nó estejam conectados. provavelmente resultarão em trechos coincidentes a uma das linhas selecionadas. Rotina de utilização 1. Para verificar as conexões. será aberto com o formulário de dados preenchido. é necessário selecionar um final de trecho e um trecho com as duas extremidades Trecho entre dois pontos Cria trecho reto a partir de um ponto inicial e outro final. Pode-se alterar esse trecho com a ferramenta “Editar”. 2. é possível conectar trechos e nós. Curva de Transposição 11 . 5. Software pede trecho que cruza o transpasse. execute novamente esta ferramenta e clique nos dois trechos que se sobrepõem. Esta ferramenta considera as extremidades das duas linhas e a distância entre esses pontos para encontrar uma linha na posição média entre elas. é possível realizar a ligação entre trechos e nós da rede. Clicar no trecho que passa por cima. um quadro correspondente ao objeto Manual do Usuário InfraCAD Lançamento de Água em comum ou que os pontos das duas extremidades sejam muito próximos. conectar um final de trecho ao meio de um trecho conectado. De acordo com o objeto selecionado. a partir do elemento clicado. sem alterar as características do objeto. 6. Conectar Com esta ferramenta. e ligar um nó a um final de trecho. Insere uma curva em um trecho de rede. ou seja: ligar dois finais de trecho. a distância a ser aplicada e o lado da linha de referência ao qual deve ser criado o trecho. de acordo com as solicitações da linha de comando. Ou seja. Esta ferramenta não coloca a curva de transposição se os trechos não se cruzam. Primeiro a ferramenta solicita a seleção da linha de referência. com um tê. O trecho será criado com o material. Liga dois nós Cria trecho reto entre dois nós selecionados. Ao conectar dois finais de trecho. Automaticamente. Altere os dados que deseja modificar nesse quadro e clique em “Alterar” ou “Aplicar Trechos”. Construa os trechos um por cima do outro.Tubulação no passeio Cria trecho paralelo a uma linha selecionada. uso e diâmetro selecionados no quadro auxiliar. Clicar na ferramenta. o quadro da ferramenta “Criar Nó” será aberto para que o usuário defina as características do novo nó criado para conectar os dois trechos. Editar Esta ferramenta altera parâmetros de objetos já criados. indicando que esta rede sobrepõe a rede abaixo. Mesmo que o desenho esteja parecendo correto. e depois insira a curva de trasnposição.

12 Manual do Usuário InfraCAD . ela estende o trecho até o nó existente. Lançamento de Água No caso de ligar um nó existente a um final de trecho. insere um tê no ponto perpendicular ao final de trecho selecionado e abre o quadro de nós para configurar o tê ou a junção criada no meio do tubo. A ferramenta então corta o trecho conectado. Esta ferramenta realiza a conexão dos trechos e nós ao mesmo tempo em que os estende.conectadas.

Preencha a caixa de texto “cota:” com o valor da cota piezométrica do nó. o terceiro será o de número 3. Para criar um trecho. são os seguintes tipos de nós que podem ser criados pelo InfraCAD: luva adaptador cap curva 90º curva 45º 13 Manual do Usuário InfraCAD que na linha de comando ela solicita a seleção do primeiro nó e dá a opção “Inicial”. clique na ferramenta e abra o quadro de nós. a partir dessa combinação. os tipos de nós são listados. clique na ferramenta e observe partir do numero digitado. o valor da vazão a ser colocado no quadro de nós deve ser igual a zero. Escolha o uso deste nó e seu material e. Pode-se atribuir um número inicial a qualquer momento durante a numeração clicando em “I”+ENTER e digitando o número desejado. veja quais nós são possíveis de criar no campo “tipo”. depois de clicar em “criar”. Para criar nó sobre um trecho. e assim por diante. a partir de um número inicial escolhido. tecle ENTER e selecione o trecho no ponto em que deseja inserir o nó. clique em “Criar”. Para numerar a partir de um valor diferente de 1. portanto. Os nós são numerados na sequência em que eles forem sendo selecionados. Ao todo. Apenas as curvas e o cap não podem ser inseridos no meio de trechos. dentro de “Criar Trecho”. O segundo nó selecionado será o nó de número 2. mais quatro ferramentas. As próximas seleções de nós obedecerão à sequência numérica a Criar Trecho Esta ferramenta cria trechos de coletores de esgoto. clique no ponto onde deseja criar o nó. O cálculo da rede de esgoto é realizado com base nos parâmetros de entrada inseridos na janela de cálculo. Criar Nós Esta ferramenta permite a criação de nós sobre um trecho ou nós isolados. o InfraCAD oferece. Para nó isolado. é necessário informar qual o uso deste nó e o material. Ao criar um nó. a ferramenta utiliza o número 1 (um) automaticamente. Por último. Para numerar nós. Se nenhum número inicial for escolhido. Esta ferramenta pode ser encerrada teclando ENTER ou ESC. De acordo com as possibilidades de uso e material. Para criar um nó. abre-se um quadro auxiliar com alguns dados para a construção dos trechos e as seguintes ferramentas: curva 22º 30’ tê junção curva 11º 15’ redução excêntrica sela Tubulação no eixo de vias Cria trecho equidistante a duas .Numerar Nós Esta ferramenta define um número para cada nó selecionado da rede. O InfraCAD irá cortar o trecho naquele ponto e inserir o novo nó. Lançamento de Esgoto Escolha o nó desejado e preencha os dados solicitados: vazão e cota. Só então digite o número a partir do qual deseja iniciar a numeração e selecione o nó. Para iniciar em 1. selecione o primeiro nó e continue selecionando os demais na ordem em que desejam ser numerados. clique na ferramenta e tecle “I” + ENTER para escolher a opção “Inicial”. Essa numeração é necessária para realizar o dimensionamento da rede. Ao clicar no botão da ferramenta. É depois de configurar os dados do nó e acionar o botão “criar” que o usuário define se o nó deve ficar isolado ou sobre um trecho.

Ao clicar na ferramenta. de acordo com as solicitações da linha de comando. é possível realizar a ligação entre trechos e nós da rede. utilize a ferramenta “Verificar Conexões”. a partir do elemento clicado. consecutivamente. Permite também retirar uma transposição de um trecho de rede. Clicar na ferramenta 2. com a distância especificada. Pode-se alterar esse trecho com a ferramenta “Editar”. Ao clicar nessa ferramenta. é possível conectar trechos e nós. Ou seja. e ligar um nó a um final de trecho. Software insere a curva exatamente no cruzamento dos trechos. para encontrar uma linha na posição média entre elas. altere os dados desse quadro e clique em “Alterar Trechos” ou “Aplicar”. Para editar. um quadro referente será aberto com o formulário para entrada de dados preenchido. Primeiro a ferramenta solicita a seleção da linha de referência. ou seja: ligar dois finais de trecho. a alteração é apenas visual. Editar Esta ferramenta altera parâmetros de objetos já criados. aparece a mensagem na linha de comando: ”Selecione o objeto a ser editado:” O software identifica. uso e diâmetro selecionados no quadro auxiliar. Automaticamente. execute novamente esta ferramenta e clique nos dois trechos que se sobrepõem. Rotina de utilização O trecho será criado com o material. De acordo com o objeto selecionado. Esta ferramenta considera as extremidades das duas linhas. ou que os pontos das duas extremidades sejam muito próximos provavelmente resultarão em trechos coincidentes a uma das linhas selecionadas. Após a seleção da segunda linha um trecho entre elas será criado. Clicar no trecho 4. esta ferramenta estende os trechos até que se encontrem e cria um nó entre elas. Ao conectar dois finais de trecho. a primeira e a segunda linha de referência são solicitadas. e a distância entre esses pontos. Lançamento de Esgoto linhas paralelas. Manual do Usuário InfraCAD As linhas selecionadas podem ser paralelas. Mesmo que o desenho esteja parecendo correto. Para verificar as conexões. Software pede trecho sobre o qual transpõe 5. Liga dois nós Cria trecho reto entre dois nós selecionados. oblíquas ou inclinadas e é recomendável que tenham certa distância entre si. Clicar no trecho de baixo 6. Por meio desta ferramenta. 1. isso não garante que o trecho e o nó estejam conectados. o quadro da ferramenta Curva de Transposição Insere uma curva em um trecho de rede. com um tê.Tubulação no passeio Cria trecho paralelo a uma linha selecionada. como o quadro auxiliar deve abrir. indicando que esta rede sobrepõe a rede abaixo. conectar um final de trecho ao meio de um trecho conectado. a distância a ser aplicada e o lado da linha de referência ao qual deve ser criado o trecho. Para retirar a curva de transposição. e o trecho será novamente mudado visualmente para um trecho sem curva de transposição. Cria um bloco do elemento com o trecho de rede sem alterar as características do objeto. Conectar Com esta ferramenta. Trecho entre dois pontos Cria trecho reto a partir de um ponto inicial e outro final clicados na área do ACAD. Software pede indicação do trecho que transpõe 14 . Linhas que possuem um ponto em comum. 3.

insere um tê no ponto perpendicular ao final de trecho selecionado e abre o quadro de nós para configurar o tê ou a junção criada no meio do tubo. Esta ferramenta realiza a conexão dos trechos e nós ao mesmo tempo em que os estende.“Criar Nó” será aberto para que o usuário defina as características do novo nó criado para conectar os dois trechos. é necessário selecionar um final de trecho e um trecho com as duas extremidades conectadas. A ferramenta então corta o trecho conectado. Manual do Usuário InfraCAD Lançamento de Esgoto 15 . Para ligar um final de trecho ao meio de um trecho conectado através de um tê. No caso de ligar um nó existente a um final de trecho. ela estende o trecho até o nó existente.

cálculo e geração do relatório para análise do cálculo.dia) Relatório de Cálculo O relatório é um resultado do cálculo e ele mostra cada trecho calculado e os problemas encontrados. Quando o cálculo do dimensionamento da rede de distribuição de água estiver completo. apresentado em uma janela que possui algumas funções para auxiliar na identificação dos erros e na visualização dos trechos calculados.para mostrar apenas os trechos que o usuário deseja visualizar. presente no memorial de cálculo. Cálculo de Esgoto Esta ferramenta consiste resumidamente na entrada de dados. clicar no botão “calcular”. identificando assim a rede a ser calculada. Para isso. Ele é Manual do Usuário InfraCAD Exportar memória de cálculo – salva este relatório em Excel ou xml para futura consulta ou para impressão. Ela apenas indica onde está o erro para que o usuário possa corrigi-lo.Cálculo de Água Esta ferramenta consiste resumidamente na identificação do reservatório e da rede. O memorial de cálculo ficará salvo em arquivo externo ao arquivo. Os dados de entrada que o usuário precisa fornecer para realizar o dimensionamento de uma rede coletora de esgoto são: População inicial (hab) População final (hab) Na janela do relatório de cálculo serão disponibilizadas as seguintes funções: Consumo efetivo de água inicial (l/hab.dia) Consumo efetivo de água final (l/hab. Ao selecionar o reservatório. O resultado da pressão no trecho é apontado de acordo com os parâmetros selecionados na ferramenta “configurações” e os parâmetros para indicar problemas com a velocidade encontrada se baseiam na “tabela 1: relação entre diâmetros e velocidade-limite para a vazão de montante”. Para realizar o cálculo. o relatório apresenta o diagnóstico daquele trecho de rede. Botão Zoom em cada linha de trecho – Cálculo Hidráulico para localizar no arquivo do ACAD este trecho na rede. esta ferramenta abre um quadro onde há um botão “Selecione” para que o usuário vá para a área do ACAD e selecione um reservatório. cálculo e geração do relatório para análise do cálculo. apontando problemas de pressão alta ou baixa e de velocidade. Nesta janela aparece toda a rede calculada. de acordo com os erros encontrados. Na coluna “status”. Quando a rede lançada for do tipo ramificada. Após a identificação da rede. 16 . Filtros de resultado . uma janela com o relatório de cálculo será aberta. identificação da rede. Esta ferramenta permite que o usuário selecione o reservatório da rede e identifica automaticamente toda a rede a ser calculada. aparecem no mesmo quadro os dados do reservatório. A ferramenta de cálculo não corrigirá os problemas da rede. na coluna “vazão” aparecerá o valor da vazão fictícia referente a cada trecho. o usuário p r e c i s a indicar qual é a rede a ser calculada. o InfraCAD caminha sobre as tubulações até um cap ou final de rede. detalhando cada trecho em uma linha da tabela. Para calcular uma rede de distribuição de água.

o relatório apresenta o diagnóstico daquele trecho de rede. o InfraCAD identifica automaticamente toda a rede a ser calculada. O objetivo desta ferramenta é possibilitar ao usuário a correção de algum erro encontrado e depois continuar lendo o último relatório gerado. Botão Zoom em cada linha para localizar no arquivo do ACAD este trecho na rede. Ele é apresentado em uma janela que possui algumas funções para auxiliar na identificação dos erros e na visualização dos trechos calculados. uma janela com o relatório de cálculo será aberta.m) Comprimento médio do tubo inicial (m/ha) Comprimento médio de tubo final (m/ha) Profundidade mínima de coletores (m) Para identificar a rede a ser calculada. O InfraCAD caminha sobre as tubulações até um cap ou final de rede. é necessário então clicar no botão “calcular”. Exportar memória de cálculo . Na coluna “status”. há um botão “Seleção do Emissário” para que o usuário vá para a área do ACAD e selecione o emissário.para mostrar apenas os trechos que o usuário deseja visualizar. detalhando um trecho por linha da tabela. na mesma janela de relatório de cálculo.salva este relatório em Excel ou xml para futura consulta ou para impressão. No quadro de entrada de dados.Coeficiente de retorno Coeficiente de dia de maior consumo (k1) Coeficiente de hora de maior consumo(k2) Taxa de infiltração: (l/s. esta ferramenta permite que o usuário selecione o emissário da rede e. de acordo com os erros encontrados. Na janela do relatório de cálculo são disponibilizadas as seguintes funções: Cálculo Hidráulico 17 Manual do Usuário InfraCAD Abrir Último Relatório de Cálculo Esta ferramenta abre o último relatório de cálculo gerado. Nesta janela aparece toda a rede calculada. Depois de identificada a rede. identificando assim a rede a ser calculada. Mesmo depois de fechar o arquivo e o AutoCAD. A ferramenta de cálculo não corrigirá os problemas da rede. Se um novo cálculo for realizado. Para realizar o cálculo. Quando o cálculo do dimensionamento da rede coletora de esgoto estiver completo. . O memorial de cálculo ficará salvo em arquivo externo ao arquivo. este relatório será substituído pelo novo relatório gerado. Relatório de Cálculo O relatório é um resultado de cálculo e mostra cada trecho calculado e os problemas encontrados. o Filtros de resultado . aparece no mesmo quadro o número do emissário. apontando problemas de Tensão Trativa e de Seção Líquida. Ela apenas indica onde está o erro para que o usuário possa corrigi-lo. O relatório aberto através dessa ferramenta é diferente do memorial de cálculo exportado através da janela de Relatório de Cálculo. a partir dele.

Esse parâmetro coloca o valor da vazão de saída do reservatório na adutora. A partir de uma única seleção. m e s m o quando ela é composta por mais de um trecho. ela seleciona toda a extensão da adutora.último relatório de cálculo gerado estará disponível nesta ferramenta. identificando a extensão da adutora. Cálculo Hidráulico 18 Manual do Usuário InfraCAD . É necessário atribuir esse valor á adutora para realizar o cálculo. Parâmetros de Adutoras Esta ferramenta aplica parâmetros ao trecho todo.

que será utilizado como titulo principal da tabela ao inseri-la no projeto. Dá acesso ao quadro secundário que permite a criação. o usuário deve clicar Configuração de modelo: Diversos modelos de tabelas de quantitativos prontos para aplicação. Botão Inserir: Comando para inserir a tabela da listagem salva. o quadro será limpo. cria uma lista organizando e contabilizando os objetos que foram inseridos no projeto. A seguir a explicação de cada uma dessas funções: Gerenciamento de listagens: Opções para criar uma nova listagem. dentro da pasta de sistema do InfraCAD: C:/arquivos de programa/Amanco/InfraCAD. Para isto. Aparecem nesta lista os trechos e as conexões. excluir. o programa pergunta ao usuário se deseja salvar a lista atual antes de abrir a nova lista da relação. Todas as listagens já salvas serão exibidas em uma caixa chamada “Seleções Salvas”. basta adicionar arquivos aos existentes nesta pasta. qual o formato do arquivo exportado e tipos de Quantitativo Esta ferramenta quantifica elementos e materiais. Desta forma. alterar o modelo de tabela não altera o conteúdo da lista. para excluir uma lista já salva. A função de criação de um quantitativo e as configurações desta tabela estão nesta mesma ferramenta. contados por metragem de tubos e quantidade de conexões e acessórios. bastando selecionar a mesma e clicar na opção “Abrir”. Gerenciamento de Listagens Todo quantitativo é um grupo de peças selecionadas no projeto relacionado às suas quantidades e características. Se já houver uma lista com o mesmo nome. São os blocos de detalhe técnico pré-concebidos e inseridos neste momento no projeto como desenhos ilustrativos. de tabelas através dessa ferramenta. Caso a lista excluída seja a lista atualmente aberta. ou seja. editar e dar nome a uma listagem. Se a lista atual não tiver sido salva. como se nenhuma lista tivesse sido selecionada. o usuário deve selecionar a lista e clicar em “Excluir”. Uma nova lista pode ser aberta. Quadro de visualização da tabela que será inserida. Botão Exportar: O comando permite a escolha de quais listagens serão exportadas. o usuário deve definir um nome para ela e clicar em “Salvar”. contendo objetos adicionados. Para criar uma nova listagem. pode-se escolher quais os dados devem aparecer na tabela de quantitativos e ainda salvar vários modelos Manual do Usuário InfraCAD Detalhamento 19 . a partir de uma seleção. sem vínculo com o cálculo. As demais configurações de modelo de tabela são independentes a esta listagem. exclusão e edição de modelos. Para salvar uma lista. permitindo que o usuário visualize uma prévia das peças que foram selecionadas e as características visíveis conforme o modelo de tabela escolhido. Esta lista precisa de um nome para ser salva. Os blocos de detalhe ficam na pasta Blocos. De forma semelhante. Segunda opção de inserir duas ou mais listagens salvas. o programa irá perguntar se o usuário deseja sobrescrever a lista existente.Inserir Detalhes Esta ferramenta abre um quadro com um grupo de blocos prontos para a inserção no projeto. salvar. Para adicionar blocos de detalhe a essa ferramenta. As principais funções disponíveis no quadro principal desta ferramenta são: separadores para os itens da tabela. A exibição desta lista de elementos ocupará a maior área do quadro.

criar ou excluir modelos de tabela ao clicar no botão “editar”. Se a mesma peça for selecionada duas vezes. A tabela que é inserida ou exportada corresponde exatamente à lista visível neste quadro. excluir ou mover colunas dos modelos. mostrando os dados quantificados e solicitando um ponto para a inserção. Contador Sequencial. Os tipos de conteúdo possíveis para as colunas são: Bitola. cada qual com seu título. Controlar o comportamento do texto com relação às colunas. a listagem contará a peça em duplicidade. Material. renomear. sem fazer nenhuma verificação quanto a existência da peça na lista. Configuração de Modelo Na exibição da listagem. possibilitando que o usuário escolha onde deve ficar o novo arquivo. Cada modelo deve ter um nome para poder ser salvo e é formado por diversas colunas. a tabela que se vê tem tantas colunas quantas estão definidas no modelo de tabela utilizado. título e a largura de cada uma. Através do botão “+” é possível inserir duas ou mais listagens salvas com todas as totalizações e incluir uma tabela extra de total geral. em que ordem aparecerão e qual o espaço deve haver entre as listagens salvas antes de inseri-las. O programa oferecerá alguns modelos prontos. quando o usuário escolhe um destes. bem como alterar o conteúdo. ele abre uma janela que mostra para onde está sendo exportado. configurar a sua apresentação e salvar a listagem. CCB. E neste quadro o usuário terá opções para: Criar novo. qual o formato do arquivo exportado e os tipos de separadores. Unidade SCB. Botão Inserir Este é o comando totalizador da ferramenta “quantitativo”. inserir. Definir estilos e tamanho de texto para serem utilizados no título da tabela. editar ou excluir modelos de tabela. para casos de texto maior que a coluna. Botão Exportar Este comando gera um arquivo de dados ou de texto fora do ACAD. tipo de conteúdo e a largura. Quantidade. ele insere a tabela no arquivo. Sendo possível ao usuário editar. É possível exportar duas ou mais listagens para um mesmo arquivo. Nome. No quadro principal. Nome Completo. na caixa “Usar Modelo” ficam todos os modelos já criados e. o usuário deve clicar no botão “Selecionar Peças” e selecionar todas as peças que ele deseja incluir na lista. título da coluna e nos itens da tabela. através do botão “+”. a não ser pelos estilos de texto e cores. 20 . Na janela que será aberta o usuário precisa escolher quais listagens serão exportadas. Para incluir peças a uma listagem nova ou em uma listagem existente.na opção “Limpar Campos”. Manual do Usuário InfraCAD Detalhamento Todos os modelos de tabela são salvos em arquivo externo no diretório “Configurações”. A lista exportada será aquela já salva anteriormente e que estiver aberta no quadro. Depois de selecionar os objetos. Editar. Antes de exportar. O quadro que será aberto ao clicar no botão “editar” é um quadro secundário da ferramenta “quantitativo”. Especificando se o texto deve quebrar de linha ou aumentar a largura da coluna. a lista é redesenhada de acordo com as configurações do modelo de tabela escolhido. Este botão abre um quadro onde será necessário informar quais serão.

Inserir Texto Esta ferramenta insere uma notação de texto nos elementos do InfraCAD. as redes criadas sejam visualizadas perfeitamente. recurso mais utilizado para esgoto e adutoras. com ou sem o InfraCAD instalado. o texto aparecerá nas tubulações com diâmetro diferente do valor indicado. Manual do Usuário InfraCAD Detalhamento 21 . Assim. Pode-se alterar a altura do corpo do texto e o diâmetro padrão ignorado. Permite selecionar nós ou tubulações. Ao acionar esta ferramenta. Ao escolher um valor neste campo. todas tubulações com esse diâmetro não terão o texto inserido no tubo. os trechos e nós. ela irá salvar o arquivo atual e criar uma cópia convertida do arquivo em outro local e nome indicados. mas é possível ser aplicado a qualquer rede construída com o InfraCAD. Para visualizar o cálculo gerado. reservatórios e bombas podem ser visualizados em outros computadores sem o InfraCAD instalado. Ela não salva o relatório de cálculo.COMPRIMENTO .NÓ COTA JUSANTE DECLIVIDADE . O padrão de notação é fixo. Consequentemente. O documento que permanecerá aberto é a cópia convertida. Ela irá transformar os elementos criados pelo InfraCAD em elementos comuns do AutoCAD.TERRENO DIDADE COTA COLETOR COTA MONTANTE TRECHO NÓ . e corresponde ao esquema representado na figura a seguir: COTA PROFUN. Exportar Arquivo Esta ferramenta visa garantir que em qualquer AutoCAD. e o padrão de texto aplicado será alterado automaticamente de acordo com o objeto selecionado. A partir dos dados do terreno e dos elementos selecionados ela gera um desenho de forma automática.Criar Perfil Esta ferramenta gera um perfil do terreno.DIÂMETRO COTA TERRENO COTA COLETOR PROFUNDIDADE As alterações possiveis nesta ferramenta estão disponíveis no quadro da ferramenta “configurações”. é necessário salvá-lo através da função “exporta memorial de cálculo”.

5 e K3 = 0. pressão suficiente e com qualidade. Neste trecho a vazão é constante. deve-se tomar alguns cuidados. Vazão Tipo Q3. do tipo de edificação. uma vez que a mesma será atendida pelo reservatório. da natureza da cidade. usual para estimar a vazão entre o reservatório e o início da rede de distribuição. entre outros parâmetros.5 na ausência de dados medidos em cenários semelhantes aqueles de projeto. As tubulações das artérias principais devem ser qt = consumo per capita total qe= consumo per capita efetivo IREDE = índice de perdas na rede A vazão entre o reservatório e o início da rede de distribuição é calculada pela equação abaixo: Q2 = k1 x k2 x P x qt /86400 A vazão entre a ETA e reservatório é dada pela seguinte equação: Q1 = k1 x P x qt /86400 Onde: ETA = estação de tratamento de água A vazão entre a captação. Traçado da rede: Configuração da distribuição das tubulações. Normalmente coincide com o ponto inicial do sistema de transporte. apresentamos o Roteiro de Dimensionamento de Sistema de Distribuição de Água e de Rede Coletora de Esgoto Sanitário realizados pelo InfraCAD Amanco. O consumo per capita efetivo é função do clima. Concernente à configuração.No material a seguir. As redes podem ser alimentadas diretamente por mais de um reservatório. Também conhecidas como subadutoras. Para o traçado de uma rede de distribuição. A NBR-9649 preconiza K1 = 1. Nos nós se produzem modificações na vazão. onde está localizado o reservatório de distribuição ou o bombeamento direto. a estação elevatória e a ETA é estimada pela equação abaixo: As vazões utilizadas em cada trecho do sistema de abastecimento de água são: Vazão Tipo Q1. usualmente. com a finalidade de garantir que em cada ponto o consumidor tenha água com vazão necessária. com a definição da situação topográfica de todos os componentes da rede. sendo este último uma combinação dos traçados malhado e ramificado. do padrão econômico. Alimentação ou cabeceira da rede: Origem da rede de distribuição. Nó: Ponto de conexão entre trechos. a rede de distribuição pode ser dividida em: Vazões de Dimensionamento do Sistema de Abastecimento de Água É a quantificação do consumo de água por meio da estimativa das vazões de dimensionamento. da disponibilidade.2 . instaladas preferencialmente sob as calçadas. e é calculado pela equação abaixo: Redes de Distribuição Os consumos da água em pontos da cidade realizam-se através de uma ou várias redes de distribuição. entre eles: As tubulações devem ser assentadas em vias ou espaços públicos não edificados. usual para estimar a vazão nos trechos entre a captação e o reservatório. pois a premissa em questão é dimensionar-se a rede de distribuição apenas para a hora de maior de consumo. A variação no consumo padrão é traduzida em termos de coeficientes de variação de consumo. qt = qe / (1 – IREDE) Onde: Trecho: Compreende cada um dos percursos da rede de distribuição. O motivo para. da medição e tarifação. sendo esses K1 o coeficiente do dia de maior consumo. K2 o coeficiente da hora de maior consumo e K3 o coeficiente da hora de menor consumo. dos hábitos. K2 = 1. trechos onde o reservatório se encontra a jusante à rede. ramificado ou misto. usual para estimar vazões em Q1’ = Q1 / (1 – IETA) Manual do Usuário InfraCAD Memorial de Cálculo Sistema de Abastecimento de Água 22 . Uma rede pode ter seu traçado malhado. Vazão Tipo Q2. definir o tipo de vazão a ser estimada em função do trecho do sistema é econômico.

86 74.67 28.279 . L Sendo qm a vazão distribuída por metro linear de canalização. não ponta de rede.) Calcular a perda de carga para cada trecho.20 1.90 0. a qual é específica para projeto e dimensionamento de redes de distribuição de água. C .54) 12º.71 0.) Calcular a velocidade: A velocidade será calculada por meio da equação da continuidade (verificar se foram respeitados os limites impostos pela Tabela 1). para obtenção da perda de carga unitária (J). 2º. 4º. então Qf = Qm/3 11º. encontrando a velocidade-limite e classificando-a a partir da tabela: J = (QF / 0.) Medir na planta topográfica a extensão de cada trecho.34 1. A referência principal é a NBR-12218. O método é utilizado da seguinte forma: 6º. então Qj = 0 Se for extremidade de jusante de um trecho T qualquer. então Qf = (Qm + Qj)/2 = 0. As vazões nos trechos são estimadas pela distribuição em marcha.K1. aplica-se a equação de Hazen-Willians.79 0.) Definir vazão a jusante em l/s: Se for extremidade de jusante tipo “ponta de rede”.K2/86400 (l/s. Qj = ∑Qm dos trechos abastecidos por T.q. partindo do trecho mais afastado do reservatório. D (mm) 50 60 75 100 125 150 200 250 300 350 400 500 Velocidade (m/s) 0. L = ∆H Manual do Usuário InfraCAD Memorial de Cálculo 23 .98 1.) Definir vazão em marcha (l/s): Qmarcha = qm .89 9.10 Redes Ramificadas O método de dimensionamento utilizado foi a distribuição em marcha que ocorre nas redes ramificadas. 7º.69 14.) Definir vazão de montante (l/s): 10º. qm = n.) Considerar a vazão específica por metro de canalização.) Enumerar os trechos.22 108. deverão ser instaladas válvulas de descarga nos pontos finais e em níveis mais baixos que o das tubulações para permitir o eventual esvaziamento dos tubos. TABELA 1 – Relação entre diâmetros e velocidades-limite para vazão de montante.27 47.75 0.35 Vazão (l/s) 1. por meio de: n= extensão da rede no setor 3º. Nos trechos onde o traçado for ramificado.95 3. L 8º.m) Sendo: população a ser abastecida pela rede 9º.72 150. conhecendo-se a perda de carga unitária. enquanto o dimensionamento dos diâmetros é feito pela Equação de Hazen-Williams e considera tanto a pressão dinâmica requerida no ponto crítico quanto o nível mínimo de água no reservatório.13 1.) Obter a perda de carga: Conhecendo-se a vazão fictícia e o diâmetro.68 0. A vazão específica é dada por: ≠ 0.63)(1/0.05 1.) Definir vazão fictícia (l/s): Se Qj Se Qj 1º. hf = J . 5º.69 0. Qm = Qj + qm . D2.83 0.) Confrontar o diâmetro escolhido com a vazão calculada.dirigidas às zonas de maior pressão.) Lançar a rede.80 265.14 5.

Tem-se um encaminhamento bem diferente para o dimensionamento quando comparado com as redes com distribuição em marcha. Dados:  6. Caso contrário.5 m. Simplificação: Substituir distribuição em marcha ao longo do trecho por uma tomada isolada no nó a jusante do mesmo trecho: O método é utilizado da seguinte forma: 15º. 5.3º.85 x C-1. pdisponível = CP – Cota do Terreno Redes Malhadas As redes malhadas são formadas por anéis.) Determinar a pressão disponível a montante e a jusante: A pressão disponível a montante/jusante é igual à cota piezométrica a montante/jusante menos a cota do terreno a montante/jusante. máx. ) Se ∑h ≠ 0. 2º) Pressão disponível na rede  Pressão mínima. 14. Arbitrar sentido de caminhamento nos anéis.) A cota piezométrica dos trechos é dada pela diferença entre a cota piezométrica a montante e a perda de carga do trecho. Calcular h para cada trecho do anel por Hazen-Williams: máx. a partir da cota piezométrica do reservatório. Os princípios do Método de Hardy-Cross são: b. alterar o diâmetro e refazer o cálculo da rede. considerando a ΔQ com sinal inverso do obtido em cada trecho e calcular ∑h novamente. em função do material do tubo. pressão estática a. Desta forma. Definir pontos de carregamento: entrada e saída da rede. Definir vazões : alimentação e tomada.2º. o que facilita maior constância do atendimento mesmo quando ocorrem avarias nas tubulações. D.1º. L.85. 1º) Velocidade < Velocidade máxima. as vazões nos trechos ficam definidas. Verificações: Memorial de Cálculo 14º. Caso contrário.85 x D-4. então vazões arbitradas não são definitivas.) Estabelecer a cota do terreno e a cota piezométrica do reservatório. ) Se ∑h = 0. A principal é a NBR-12218. Em um anel: ∑h =0 14. em função do traçado da rede. pressão dinâmica de serviço 3.) Aplicar uma pressão satisfatória a partir dos dados do reservatório. Correção das Vazões: Cálculo do Q. 4.∑h/1.13º. Em um nó: ∑Qa = ∑Qe. as vazões nos trechos são estimadas pelo Método de Hardy-Cross e o dimensionamento dos diâmetros é feito pela Equação de Hazen-Williams. OBS: ∑h = ± 0. alterar altura do reservatório ou mudar diâmetro e refazer o cálculo.87 x L Corrigir as vazões nos trechos.∑(h/Q) Sendo: 14. de maneira que: ∑Qa = ∑Qe. 2. C. Persistir na correção até ∑h 0. 24 . Considera-se a pressão dinâmica requerida no ponto crítico e o nível mínimo de água no reservatório.643 x Q1. Equilíbrio no Nó: Dividir arbitrariamente a vazão de alimentação que chega no nó em parcelas de vazões que saem do nó. Deve-se corrigir as vazões. montante e jusante: ∆Q = . hf = 10. Manual do Usuário InfraCAD 1. em função da velocidade limite.) Determinar as cotas do terreno de montante e jusante: As cotas do terreno são obtidas nas plantas e são relativas aos nós dos trechos de montante e jusante.) Determinar as cotas piezométricas de Para estas redes. onde Qa é a vazão afluente e Qe é a vazão efluente. então vazões arbitradas são definitivas.

63)](1/0. calcula-se: D=K√Q sendo: D (m) e Q (m3/s). sendo que o cálculo das vazões levará em consideração esta vazão adicional. O dimensionamento dos diâmetros é feito pela Equação de Hazen-Williams. Por Recalque. para estimar a potência da bomba é necessária apenas a equação que segue: Adutora por Recalque O recalque é dimensionado por meio do método do diâmetro econômico. Portanto.g) Manual do Usuário InfraCAD Memorial de Cálculo Se forem considerados dois reservatórios abastecendo a malha.η onde: y: Peso específico da água (N/m3) (água bruta ou esgoto  = 1000 kgf/m3) Q: Vazão da água (m3/s). observa-se que o mesmo depende da natureza e da idade da parede da tubulação onde. hpL = 10. por exemplo. isolando D. sendo considerados os parâmetros vazão.Sistemas de Adução É um sistema destinado a conduzir água entre as unidades do SPAA que precedem a rede. No entanto. Perda de carga unitária: J = [Q / (0.279. bomba.54 sendo Q (m3/s). Sendo  = motor. menor a capacidade de transporte da tubulação. Quanto à energia para movimento da água: as adutoras podem ser por Gravidade e por Recalque. SPAA = sistema público de abastecimento de água.87 Conforme Azevedo NETTO (1998). D (m) e C adimensional. Perda de carga contínua: hpC = J x L d. conduto livre e uma combinação de condutos forçado e livre.ηBomba O método é utilizado da seguinte forma: tanto para o trecho em recalque quanto para o trecho em sucção. Quanto ao coeficiente C. quanto à aplicação desta equação cabe destacar que a faixa de aplicação é de 50 a 3. A estimativa do diâmetro econômico é dada pela Fórmula de Bresse: PB = (y.C. podem ser recalque único e recalque múltiplo. deve-se conhecer a espessura da tubulação para que os cálculos sejam realizados com o diâmetro interno da tubulação. A classificação das adutoras pode ser: Quanto à natureza da água: as adutoras são classificadas em adutora de Água Bruta e Água Tratada. quanto menor o valor de C. Di2.HMAN)/75. Perda de carga localizada: Q = 0. população e consumo per capita. enquanto o limite superior da velocidade é 3. Velocidade: Adutora por Gravidade em Conduto Forçado A vazão é estimada conforme coeficientes de variação. perda de carga e o coeficiente de rugosidade. toma-se o primeiro menor e o primeiro maior diâmetros comerciais para o desenvolvimento do estudo econômico. o trecho de adução de um dos reservatórios deve ser calculado como rede ramificada e deve ser inserida a vazão no respectivo nó atuante na rede malhada.Q. cujas equações básicas são apresentadas a seguir. na realidade é a potência fornecida pelo motor.279 . D = { (10. Por Gravidade. HMAN: Altura manométrica (mca) : Rendimento global do conjunto elevatório.0 m/s.V²/(2.85 }1/4. a qual é específica para projeto e dimensionamento de adutoras de água. Após a determinação dos diâmetros a serem utilizados no cálculo.54) c. A referência principal é a NBR-12215. encontra-se: P = (y.(Q/C)1. podem ser em conduto forçado. C .Q. Observe que a equação acima. Esta redução de C é o caso.500 mm.HMAN)/75.643/J). J (m/m). V=Q/A b. 25 . que ocorre quando há tuberculização ou incrustação sobre a parede da tubulação.63. Estimado o diâmetro econômico. A potência do conjunto elevatório é dada pela seguinte equação: a.D2. onde as eventuais ramificações são denominadas subadutoras.J0.

5 onde: VpRB = CRMB/(1 + j)n Valor presente de energia: D é diâmetro interno tubo (m). que é o tempo que a onda de pressão utiliza para ir da extremidade A para a B e voltar para a extremidade A. Observar que Elasticidade.S Sobrepressão: Golpe de Aríete é o choque que o escoamento impõe sobre as paredes da tubulação quando tal escoamento sofre uma brusca modificação. Perda de carga total: kPVC = 18.T + SP Sobre as variáveis citadas acima. que é o somatório da altura manométrica com a sobrepressão. a HMAN). Altura manométrica: k = 1010/E. e é a espessura do tubo (m).R = hgR + hpT O cálculo do sistema como um todo é realizado da seguinte maneira: Altura manométrica total:  = (2. k o coeficiente que é função do módulo de elasticidade do material.para manobra lenta: CAE = E. quando ocorre o Golpe de Aríete nas tubulações. Os respectivos equacionamentos são os seguintes: Celeridade: SP = C’ x (V/g) x (/T) . tem-se a Pressão Total do fluido. cujos valores usuais são VpE = CAE . [(1 + j)(n – 1)/(j .para manobra rápida: CTT = LTT x CUT Custo do conjunto motor-bomba: SP = (C’ x V)/g Pressão total: CMB = 2 conjuntos x CUMB Custo total de investimento: 26 Manual do Usuário InfraCAD PT = HMAN.(D/e)]}0. escolher a classe do tubo. (1 + j)n] Valor presente total: VpT = CTI + VpRB + VpE . Assim. j Valor presente para reposição das bombas: C’ = 9900 / {48.CE. a variável  é a Fase de Canalização. ηB) Energia consumida por dia: hpT = hpC + hpL f. Logo. HMAN)/(75 .L)/C’ Cálculo da sobrepressão: .e. PB = (Q . desenvolvese uma sobrepressão do fluido no interior das mesmas que é adicional à pressão do fluido respectiva à altura manométrica. pois é maior que a dinâmica.0 e kAÇO = 0. Já a variável T é o tempo de manobra para o fechamento do registro. Potência da bomba: CTI = CTT + CMB Custo financeiro: CF = CTI . Logo. kFF = 1.5. PORTO (1999) destaca que para especificação dos tubos deve ser considerada a pressão estática (no caso em questão.365 dias Custo total dos tubos: HMAN.R + HMAN. onde E é o Módulo de Cálculo de : E=Pxt Custo anual do consumo de energia: Memorial de Cálculo HMAN.T = HMAN. em função de P.3 + [k.

qe . o diâmetro é calculado para Qf. que não deve ser inferior a 1.0055. CT=contribuição do trecho. a declividade da tubulação. pois a matéria orgânica. Cálculo da Declividade Cálculo da declividade do terreno IT = Cota do terreno à jusante – Cota do terreno à montante Extensão do trecho Cálculo da declividade mínima: Imin = 0. L sendo: L= extensão do trecho. Cabe destacar que tal equação foi construída em função da equação de Manning. Cálculo do Diâmetro O dimensionamento dos diâmetros é determinado pela Equação de Manning. o raio hidráulico e o coeficiente Manning de rugosidade. Destaca-se que o atendimento da declividade mínima da tubulação tanto propicia a autolimpeza nas tubulações como também evita ou minimiza a geração de sulfeto de hidrogênio (H2S) nas mesmas.013 . conforme a norma. Qi med = (Pi . É importante definir as vazões de início (Qi) e de final (Qf) de plano. O diâmetro é calculado a partir da fórmula: Observar que para a relação (y/D) máximo Manual do Usuário InfraCAD Memorial de Cálculo 27 . K2 . qe .Rede Coletora de Esgoto Sanitário Vazões De Dimensionamento Da Rede Coletora De Esgoto Sanitário Para o cálculo das vazões de projeto são considerados parâmetros como a população atendida. 0. pois as vazões máximas de início de plano definem a capacidade de autolimpeza das tubulações. ao estagnar-se no fundo da tubulação.i . y/D = 0. Li + CSi Qf med = (Pf . condição essa geradora de H2S. QJ-0. conforme segue: Cálculo da Taxa de Contribuição Linear As equações são as seguintes: Cálculo de Taxa de Contribuição Linear Inicial (TLi): TLi = (QDi / Li) + Ti Cálculo de Taxa de Contribuição Linear Final (TLf): TLf = (QDf / Lf) + Tf Cálculo da Contribuição do Trecho CT = T x. A declividade adotada (I) será a maior dentre as declividades mínima e do terreno. Lf + CSf Qf max = (K1 . Ci / 86400) + TIi .75. Lt final: QTf = TLf . Lf + CSf Vazões de Projeto para Trechos de Tubulação Devem ser estimadas as vazões de montante.47 sendo Qi (l/s) e I (m/m). conforme equações seguintes. conforme norma. Vazão de Montante: QMi = somatório das vazões iniciais de montante QMf = somatório das vazões finais de montante Vazão de Contribuição no Trecho: inicial: QTi = TLi . Pf . coeficientes de variação. qe . As vazões médias de final de plano são determinantes para avaliar a capacidade de autodepuração do corpo hídrico receptor e para definir e dimensionar o sistema de tratamento de esgoto. que considera a vazão. A vazão máxima de final de plano é importante para definir os diâmetros dos trechos da rede coletora. Vazão de Jusante: inicial: QJi = QMi + QTi final: QJf = QMf + QTf É considerada a vazão a jusante para cálculo (QJ). qe . Cf / 86400) + TIf . Li + CSi Qi max = (K2 . de jusante e de contribuição. Cf / 86400) + TIf . Pi .75 e n = 0. Ci / 86400) + TIi . sendo que o diâmetro deve garantir o escoamento livre nos trechos pertinentes. Lt sendo Lt o comprimento do trecho. consumo per capita e coeficiente de retorno.50 L/s. pode entrar em decomposição anaeróbia. Isso pode ocorrer.

é aquele valor mínimo capaz de iniciar o movimento das partículas depositadas nas tubulações.6 m/s e (y/D) mínimo 0. Raio Hidráulico e Velocidades (Inicial e Final) Os valores de lâmina líquida. O valor da velocidade crítica é calculado por meio da seguinte fórmula: Memorial de Cálculo onde: DN (mm) 100 150 200 250 300 350 400 450 500 600 700 800 900 1000 1200 28 Manual do Usuário InfraCAD Tensão Trativa e Velocidade Crítica De maneira a avaliar as condições de autolimpeza das tubulações. g = 9.5)]0. a qual tende a aumentar a altura da lâmina de água na tubulação.15 kgf/m2 para interceptores. onde Qf (m3/s) e D (m). Já a avaliação da Velocidade Crítica é importante para analisar efeitos decorrentes da entrada de ar no meio líquido. RH (m). A referência principal é a NBR-9649. pelo Critério da Velocidade para autolimpeza das tubulações. A recomendação é garantir TC0. denominado Tensão Trativa Crítica. conforme norma específica. Observe que.  = 1000 kgf/m3. onde o valor crítico da mesma. Valores de diâmetros comerciais podem ser encontrados na tabela abaixo: TABELA 2 – Diâmetros Comerciais de Tubos em PVC. A Tensão Trativa é dada pela equação: i = g.RH)1/2 onde: Vc (m/s): velocidade crítica. valores a serem observados no início do plano.I i (kgf/m2). Lâmina Líquida. raio hidráulico e velocidades (inicial e final) foram calculados por método iterativo. esta VC = 6 (g. que ocorrerá no final do plano. quais sejam: o Critério da Velocidade e o Critério da Tensão Trativa. R(h)1/6 n O Rhi é importante para definir a Tensão Trativa Crítica. (Qf / I0. deve ser inferior a 5. Para ambos os critérios. I (m/m). é fundamental haver uma declividade mínima na tubulação.0463. Deve ser adotado o valor de um diâmetro comercial mais próximo ao valor encontrado para o diâmetro calculado. Se Vf > Vc. o que pode danificar o tubo. Passa a ocorrer uma oscilação entre o regime livre de escoamento e o regime forçado de escoamento.375. .RH. no dimensionamento podem ser adotados dois critérios para verificação.D = [0. utilizando-se da equação de Manning: C = 1. O Critério da Velocidade estabelece uma velocidade mínima de transporte da matéria sólida. específica para projeto e dimensionamento de redes de coleta. Já a velocidade máxima. sendo que essa velocidade deve ser tal que garanta que a lâmina mínima seja sempre atendida. RH (m).5.0 m/s para evitar o efeito de abrasão sobre os tubos. logo Yf/D = 0. Destaca-se também que o diâmetro mínimo deve ser de 100 mm. 2. recomenda-se V0.81 m/s2. A Tensão Trativa é a tensão tangencial exercida sobre a parede do tubo pelo líquido escoando. a entrada de ar no meio líquido tende a aumentar a altura da lâmina de Cota do Coletor A profundidade do coletor pode ser adotada ou calculada através da declividade adotada e das cotas do terreno.10 kgf/m2 para coletores e TC0.

Para a avaliação da declividade máxima. para B > 6.5 Pa. Logo. momento a partir de qual há entrada de ar na tubulação.Conforme em Sobrinho e Tsutiya (1999). Observar que. Memorial de Cálculo água na tubulação. é importante propiciar (y/D)0. . o valor mínimo de Tensão Trativa considerado é de 1. para a avaliação das condições de autolimpeza.0. a Equação de Manning é trabalhada para atender a velocidade máxima de 5. quando VfVc. a velocidade do escoamento V é igual a Vc. Passa a ocorrer uma oscilação entre o regime livre e o regime forçado de escoamento. neste caso. inicia-se o processo de mistura ar/líquido. No caso do dimensionamento do diâmetro. 29 Manual do Usuário InfraCAD Interceptores e Emissários Especificidades deste dimensionamento são consideradas para a estimativa da vazão e dimensionamento do diâmetro.5 de maneira a garantir a ventilação do tubo. No entanto.5 Quando B = 6. o número de Boussinesq é o que melhor representa o fenômeno de entrada de ar no meio líquido. deve-se considerar o modelo estimativo que melhor se adaptar às condições locais de projeto. Logo. ηB). Para a estimativa da vazão de projeto. V > Vc.RH)0.0. é utilizada a equação de Manning e.0 m/s no sentido de evitar o desgaste das tubulações. HMAN)/(75 . o que pode danificar o tubo. conforme preconizadas pela NBR-12207. utiliza-se a equação de potência de bomba (PB = (Q . Sua formulação é a seguinte: B=Vc/(g.

Coleta e transporte de esgoto sanitário.ABNT. 2007.. 2007. AZEVEDO NETTO. 1994. M.ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS . Caderno de saneamento ambiental – Capítulo 4: Sistemas de esgotamento sanitário. J. Projeto Reenge. Manual de Hidráulica. EESC – USP. 1998. NBR 12207 – Projeto de interceptores de esgoto sanitário. São Paulo – SP. M. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. M. 2ª edição. T. Curitiba – PR. NBR 12218 – Projeto de rede de distribuição de água para abastecimento público. Rio de Janeiro. SANTOS. ALEM SOBRINHO. SANTOS. 1989. TSUTIYA. C. Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. 1999. 8ª edição. Curitiba – PR. Hidráulica básica. PORTO. NBR 9649 – Projeto de redes coletoras de esgoto sanitário. D. C. Rio de Janeiro. Editora Edgard Blücher. NBR 12215 – Projeto de adutora de água para abastecimento público. Rio de Janeiro. Manual do Usuário InfraCAD Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. P. Rio de Janeiro. 1986. Caderno de saneamento ambiental – Capítulo 2: Sistemas de abastecimento de água. 1999. São Paulo. 1991. D. R. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Winner Graph. 30 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful