.

.

A prova da existência deste mecanismo foi uma pintura encontrada em um túmulo datado de 1450 A. .C.

No século 19 o trabalho do ferreiro era muito lento. transmitida através da oficina por meio de eixos. que possibilitou que um só homem. Surgem então as máquinas movidas a vapor (energia esta. correias e roldanas). com pouco esforço físico. realizasse seu trabalho. Mais tarde o vapor seria substituído pela energia.A evolução da Máquina Ferramenta A figura baixo mostra a evolução das máquinas. .

Com Cavaco ou sem Cavaco .

Assim..  Possibilidade de aberturas de furos.  Fabricação de somente uma peça com qualquer formato partir de um bloco de material metálico ou não-metálico. podemos dizer que a usinagem é todo o processo pelo qual a forma de uma peça é modificada pela remoção progressiva de cavaco ou aparas de material metálico ou não-metálico. rebaixos etc. roscas. Ela permite:  Acabamento de superfícies de peças fundidas ou conformadas. fornecendo melhor aspecto e dimensões com maior grau de exatidão.  Custo mais baixo porque possibilita a produção de grandes quantidades de peças. .

O QUE É ÂNGULO DE CUNHA? É o ângulo que possibilita a penetração no material. quanto menor ele for maior sua facilidade de cortar .

O QUE É PRESSÃO DE CORTE ? É a resistência que material oferece há sua penetração. .

QUAL A UTILIDADE DO ÂNGULO DE SAÍDA E DE FOLGA? É para diminuir o atrito entre o topo da ferramenta e a peça. . Além do ângulo de cunha (c) e do ângulo de folga (f). existe ainda um outro muito importante relacionado à posição da cunha. E o ângulo de saída (s) ou ângulo de ataque.

α (lê-se alfa) γ(lê-se gama). Esses ângulos podem ser representados respectivamente pelas letras gregas β(lê-se beta).OLHA AÍ A DICA Para facilitar seu estudo. . de folga e de saída foram denominados respectivamente de c. os ângulos de cunha.f e s.

obtendo assim uma peça com formas e dimensões desejadas. .O QUE É O PROCESSO DE USINAGEM? É a quantidade de material que é removida com auxílio de uma ferramenta de corte produzindo o cavaco.

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE USINAGEM? TORNEAMENTO FRESAGEM APLAINAMENTO FURAÇÃO RETIFICAÇÃO .

.NO TORNEAMENTO. A matéria prima que esta presa na placa com as operações de corte executa o movimento de translação em quanto a peça gira em torno de seu eixo.

são alterações presente na face reduzida com objetivo de controlar o tamanho do cavaco para que não ofereça risco ao operador . é a superfície da cunha voltada para superfície transitória da peça. QUEBRA CAVACO. FLANCO SEGUNDÁRIO. é a superfície da cunha voltada para a superfície usinada da peça. FACE . é a superfície da cunha voltada para a peça. é a superfície da cunha sobre a qual o cavaco escoa. FLANCO PRINCIPAL.DESCRIÇÃO DA SUPERFICIE DA FERRAMENTA. FLANCO.

.GUMES E QUINAS DA FERRAMENTA GUME é o encontro da face com o flanco para operação de corte. GUME SECUNDÁRIO interseção da face e do plano secundário. GUME ATIVO é a parte do gume que esta cortando. GUME PRINCIPAL é a interseção da face e do flanco principal.

.ÂNGULOS MEDIDOS NO PLANO DE REFERÊNCIA.

.

.

EXERCÍCIOS (A) Calcule a inclinação do carro superior para torneamento do cone A (B) Calcule o afastamento do cabeçote móvel para torneamento do cone B A B 300 TGA = D .d / 2 .d) / 2 .28 mm j = 300 mm L = 400 mm A=? .32 mm J = 20 mm a=? A = L (D . j (B) D = 35 mm d = 19. j SOLUÇÃO (A) D = 35 mm d = 16.

α .(2) Determine o ângulo de posição do carro superior para torneamento da superfície cônica.

A B b m D = 15mm b = 80mm A = 45° B = A / 2 = 22.3°C M=? M = D (1 + 1 / TAGB) + b .foram usado dois cilindros de 15 mm de diâmetros.(3) Para verificar os ângulos de um encaixe do tipo rabo de andorinha. Qual a medida de M.

medido no (Pp). (ângulo passivo de cunha da ferramenta): Formado entre a face e o flanco secundário. (ângulo de saída da ferramenta): Formado entre a face e o plano de referência (Pr). medido no (Pp) .Ângulos medidos no plano passivo (ângulo de incidência passivo da ferramenta): formado entre o plano do gume (Ps) e o flanco secundário medido no plano passivo (Pp).

combinado ao movimento de corte. Movimento de avanço: É o movimento relativo entre a peça e a ferramenta o qual. Formação resultante de corte: É o movimento resultante dos movimentos de corte e de avanço.Movimento de Corte Movimentos da peça e da ferramenta Movimento de corte: É o movimento relativo entre a peça e a ferramenta que força o material da peça a escoar sobre a face da ferramenta proporcionando formação de cavaco. proporciona uma remoção contínua do cavaco e consequentimente formação de uma superfície usinada. .

.

CAVACO É o material removido no tarugo durante o processo de usinagem. . cujo o objetivo é obter uma peça com forma e dimensões definidas.

Mecanismo de formação de cavaco .

Condições de corte .

Causam aumento da força de corte e da temperatura com consequencia redução da vida da ferramenta.   . Podem danificar tanto a ferramenta quanto prejudicar o acabamento da peça. Dificultam o manuseio e armazenagem. Obstruem o local de trabalho.     Indesejáveis (Cavacos longos) Oferecem risco ao operador.OLHA A DICA AÍ.

Não obstruem o local de trabalho.BONS  Ocupam pouco volume. .   São removidos facilmente.

.

e geometria do cavaco.   Geração de calor e distribuição de temperatura A maior porção de calor transmite-se para o cavaco.da ferramenta. . Estes parâmetros dependem das condições de corte. Diminuir o tempo de contato do cavaco com a ferramenta e desta maneira reduzir a transferência de calor.PORQUE USAR O QUEBRA CAVACO? Evitar o “enrolamento” do cavaco na ferramenta. tipo de material de peça.

.

.

Fluidos de corte Fluidos de corte “Fluidos de corte são aqueles líquidos e gases aplicados na ferramenta e no material que está sendo usinado a fim de facilitar a operação de corte.” .

uma ou mais das seguintes funções:     Refrigerar a região de corte.Funções e Finalidades dos fluidos de corte Os fluidos de corte cumprem. Arrastar o cavaco da área de corte. Proteger a ferramenta. Lubrificar as superfícies em atrito. . nas suas aplicações. a peça e a máquina contra oxidação e corrosão.

Redução do consumo de Energia. podendo trazer os seguintes benefícios:  Redução de Força e Potência necessárias ao corte. Desobstrução da região de corte. Aumento da Vida da ferramenta.Eles são utilizados quando as condições de trabalho são desfavoráveis.       . Eliminação do Gume Postiço. Diminuição da Temperatura da peça e da ferramenta de trabalho. Melhor Acabamento da superfície usinada.

Exemplo de Furação Profunda .

O engenheiro deve ter claro qual é o objetivo a ser alcançado com o uso do fluido: maior produção.Critérios de Seleção Escolher o fluido de corte ideal para cada situação é tão complexo quanto escolher o material e o tipo da ferramenta. Para isso. é fundamental conhecer amplamente o processo de produção. . mais vida de ferramenta ou precisão dimensional.

Material da peça  Magnésio: Nunca usar fluido à base de água > risco de ignição. Alumínio: Geralmente a seco ou com refrigeração para controlar dilatação térmica.  Ferro Fundido: Cinzento e o Maleável geralmente usinagem a seco. Aço: usinabilidade muito mariada > admite todos os tipos de fluidos de corte. Esferoidal > Emulsão.   . Al+ Zn não usar soluções > risco de incêndio.

Tipos de fluido de corte  Soluções (fluidos sintéticos) As soluções são misturadas de água e produtos orgânicos e inorgânicos especiais que lhe conferem propriedades para seu uso como fluido de corte. A denominação “óleo solúvel” é imprópria porque o óleo não está solubilizado na água. . As soluções não contém óleo na sua composição.  Emulsões ( óleos solúveis e fluidos semi-sintéticos). mas sim disperso por causa do emulsificador.

.

.

Melhora a vida da ferramenta.Vantagens:  Menor consumo de óleo.   . o que reduz os custos e os impactos o meioambiente. Melhor visibilidade.

É necessário um sistema de exaustão.Desvantagens: Capacidade de lubrificação e refrigeração limitadas. .

rpm = rotações por minutos da peça. . VC = velocidade de corte em m / min D = diâmetro da peça em mm 320 = uma constante (1) Calcule a rpm para um bronze macio de 40mm de diâmetro usando ferramenta aço rápido. adotando uma velocidade de corte de 20m / min.CONVERSÃO DE VELOCIDADE DE CORTE EM METROS POR MINUTOS PARA ROTCÃO POR MINUTOS RPM = VC . 320 / D ONDE.

rpm Vc = velocidade de corte em m / min D = diâmetro da peça em mm rpm = numero de rotações da peça por minutos (1) Que velocidade de corte tem uma peça de 128mm de diâmetro e que da 100 rpm? . P . VELOCIDADE DE CORTE EM M / mim VC = D .CÁLCULO DA VELOCIDADE DE CORTE NO TORNO CONVENCIONAL.

. rpm A = avanço da ferramenta por minuto.se em cada volta. A = a ..CÁLCULO DO AVANÇO DA FERRAMENTA POR MINUTO. A ferramenta fará um avanço de... mm/minuto . ela avança 1 mm (a) e a peça da 120 rotações por minutos (rpm). rpm = numero de rotação da peça por minuto a = avanço que a ferramenta faz em cada rotação (1) Qual o avanço A da ferramenta por minuto..

Secção do cavacos: S=a x pc S=secção do cavaco em mm² a=avanço da ferramenta em 1 rotação pc=profundidade de corte em mm Qual a secção de cavaco. este calculo é muito importante e necessário para conhecer a potencia consumida pela máquina em uma determinada operação.Como calcular a secção do cavaco (s). . ou material desprendido pela ferramenta.sabendo-se que o avanço da ferramenta é de 2mm e a profundidade de corte é de 3mm?.em mm².

Potência consumida nas operações de torneamento convencional ou automáticos. o secção de cavaco e o rendimento da máquina. Partindo-se de cálculos pode-se estabelecer outro parâmetro de grande importância como o preço de custo das operações de usinagem das peças.80% conforme conservação). Para cálculo de potência nas operações de corte. . na usinagem das peças temos: Pot=S x Pe x Vc 60 x 75 x r Onde : Pot= potência consumida S= secção do cavaco em mm2(tabelado) Pe = presão especifica de corte kg/mm² Vc= velocidade de corte em mm/min ( tabelado) Obs=o rendimento de uma máquina fica entre(0.60 e 0.

Qual a potência de corte consumida. Material= latão macio Ferramenta= aço rápido Secção=1mm² Pe=60/mm² (tabela 32) Vc=125m/min (tabela 34) . para um desprendimento de cavaco de 1mm² de secção s em material de latão macio com ferramenta de aço rápido.

80 Pot= 2.Pot= SxPexVc 60x75x0.08 cv .

.SUPORTES PARA FIXAÇÃO DE PASTILHAS.

PARA CADA SUPORTE EXISTE UM FORMATO DE PASTILHA. .

TIPOS DE PASTILHAS .

No caso do torno.Subsistemas da Máquina Ferramenta Atualmente as máquinas ferramentas apresentam 5 subsistemas básicos. Ele é constituído pelos seguintes componentes: Apoio. Subsistema de Suporte É responsável pela sustentação de todos os órgãos da máquina. . a finalidade das guias é manter o alinhamento do movimento do cabeçote móvel e do carro longitudinal. barramento e guias. mudando um pouco de máquina para máquina porém mantendo suas características.

da peça a ser usinada. É constituído pelo cabeçote móvel e placa.Subsistema de fixação da peça É responsável pela fixação da máquina. Subsistema de Avanço Tem a finalidade de proporcionar o movimento automático da ferramenta e suas variações de velocidade .

Subsistema de acionamento principal A função desse subsistema é proporcionar o giro da peça com diferentes velocidades. ACIONAMENTO DO MOTOR POLIAS CORREIAS E ENGRENAGENS. . PARA TRANSMISSÃO DE MOVIMENTO.

.

Carro e contraponto deslocam-se sobre as guias. . as quais geralmente apresentam a forma prismática.Principais partes do torno Barramento: o barramento do torno suporta todas as partes principais dessa máquina. Descansa apoio sobre os pés do torno.

. por meio da qual. Cabeçote fixo: No cabeçote fixo está montada a árvore principal ou de trabalho.Barramento de torno com guias prismáticas. a peça recebe o nome de rotação.

. que apresentem comprimentos significativos. Na operação de furar -por exemplo.Cabeçote móvel ( ou contraponto): Ele é utilizado como encosto ou apoio para montagem entre pontos da peça a tornear.nele é também colocada a ferramenta.

.

(b) carro inferior ou carrinho transversal.Constituição do carro: (a) carro longitudinal ou de barramento. (c) carro superior. (d) porta-ferramenta. TRAJETORIA DA FERRAMENTA Torneamento paralelo ou cilíndrico utilizado na fabricação de peças cilíndricas .

Torneamento de faces (faceamento): utilizado para a obtenção de superfícies planas .

Torneamento cônico: utilizado na obtenção de cones .

Abertura de roscas ou filetagem ao torno: utilizado para a obtenção de roscas .

MECANISMO ESCALONADO .

Controle de medidas .

 Folga: é o valor da diferença entre os diâmetros efetivos do furo e do eixo. quando o diâmetro do furo é menor.  . quando o primeiro é maior que o segundo. Interferência ou folga negativa: é o valor d diferença entre os diâmetros efetivos do furo e do eixo.

.

AGOSTINHO. dmax DIMENSÃO MÍNIMA = DMIN . ACS.TOLERANCIAS. RODRIGUES. TEMPERATURA DE REFERENCIA 2O°C DIMENSÃO MÁXIMA = D MAX.DMIN . NORMA NBR 6158 SISTEMA DE TOLERANCIA E AJUSTE TOLERANCIA ISO. LUANI. PROVENZA. dmin LETRA MAÍSCULA = FURO LETRA MINUSCULA = EIXO DIMENSÃO NOMINAL = D TOLERANCIA = T = DMAX .

AFASTAMENTOS SUPERIORES.d DMAX = D + AS DMIN = D + AI .D AI = DMIN .D As = dmax . AI / ai AS = DMAX . FUROS / EIXO AS / as INFERIOR.d Ai = dmin .

Dmax = d + as

Dmin = d + ai TOLERANCIA

T = AS - AI

T = as - ai

FOLGA MAX = FURO MAX - EIXO MÍNIMO = AS - ai
Folga mínima = furo mínimo - eixo máximo = AI - as FOLGA MAX > O Ajuste com folga Ajuste com folga

FOLGA MÍN > O

FOLGA MAX < O FOLGA MIN < O

Ajuste fixo ou com interferência

FOLGA MAX > O
FOLGA MIN < O

Ajuste incerto ou indeterminado

INTERFERENCIAS I MAX= -folga min

I MIN= - folga max

025 mm e o afastamento inferior = +0.03 mm Folga min = AI .005 mm.Furo base = AI = O Eixo base = as = o Exemplo. calcule a folga máxima e a folga mínima e as interferências max e min do eixo de diâmetro 70 mm cujo o afastamento superior = +0.0.0.055 .ai = -0.025 = -0.03 mm Obs.005 = -0. Tudo em mm . FURO = 70 mm afastamento superior = -0.055 mm FOLGA MAX = AS .08 mm I MIN = -folga max = 0.025 mm afastamento inferior = -0.as = -0.08 mm Interfrência I MAX = -folga min = 0.025 .

055 T = Dmax .055) = 69.afastamentos superior e inferior.Dmin As .975 mm Dmin = D + Ai = (-0.025 mm Ai = -0.( 1) tomando se os furos com a dimensão nominal. calcular a tolerância e as dimensão max e mínimas Diâmetro = 70 mm As = -0.97 mm Dmax = D = +As = 70 + (-0. abaixo indicados.945 mm .055) =0.03=69.025) = 69.(-0.Ai = -0.03 mm =70-0.025 .

05 mm .089) = 0.e o afastamento.00 mm Eixo Dmax = d + as Dmin = d + ai Dmin = 50 .950 mm Dmin = 50 .(0.00 = 0.AI = 0.039 = 50.ai = 0.0.05 mm ai = -0.039 mm DMIN = 50 + 000 = 50.00 . 70H8\ e8 AS = +0.039 .128 mm Folga min = AI .0.08) = 0.(-0.(2)=Determine a dimensão max e min .911 mm Te = as .0.00 mm eixo = as = -0.05) = 0.089 = 49.039 mm Folga max = As .05 .(0.089 mm DMAX = 50 + 0.ai = -0.050 = 49.ou tolerância e se existe folga ou interferência para o ajuste do diâmetro.039 mm Furo DMAX = D+AS DMIN = D + AI AI = +0.039 mm Tf = AS .as = 0.039 .

(+ 0.025 mm afastamento inferior = 0.016 mm Folga min = AI – as = 0. os afastamentos.009) = 45.ai = 0.025) = -0.(0. as dimensões max e min.025) = 45.009) = 0.00 mm Diâmetro do eixo = 45 mm afastamento superior = + 0.025 .025 mm DMIN = D + AI = 45 + 00 = 45.025 mm Eixo = d + as = 45 + (0. 45H7\m6 Diâmetro do furo = 45 mm afastamento superior = +0.034 mm T do furo = AS .025 .(0.025 .(3)Determinar o sistema de ajuste.009 mm Furo= D + AS = 45 + 0.(0.009) = 0.as tolerâncias e se existe folga ou interferência para o seguinte ajuste.00 mm d + ai = 45 + (0.00 .0.025 mm Folga máx = AS .ai= 0.025mm afastamento inferior = 0.009 mm T do eixo = Te = as .ai = .00) = 0.025 mm .025 = 45.

Diâmetro = 25 mm afastamento superior = 0.005 mm T= as .005) = 25.005 mm .025 mm Dmin = 25 + (0.025 mm ai = 0.025 .(0. afastamento superior e inferior.(4) Tomando-se o eixo com a dimensão nominal.025 mm afastamento inferior = 0.025) = 25. abaixo indicado calcular a tolerância e as dimensões max e min.005) = 0.ai Dmax = d + as Dmin = d + ai T = 0.005 mm As = 0.02 mm Dmax = 25 + (0.

.

a fresa. a remoção do sobremetal da peça é feita pela combinação de dois movimentos. onde é fixada a peça a ser usinada. . feito por fresadoras e ferramentas especiais chamadas fresas. A fresagem consiste na retirada do excesso de metal ou sobremetal da superfície de um peça. Na fresagem. fim de dar esta uma forma e acabamento desejados. Um dos movimentos é o de rotação da ferramenta. O outro é o movimento da mesa da máquina. efetuados ao mesmo tempo.Fresagem A fresagem é um processo de usinagem mecânica.

Movimento de corte peça ferramenta .

Movimento Discordante ou Concordante O movimento de avanço pode levar a peça contra o movimento de giro do dente da fresa. . É o movimento concordante. Ou pode também levar a peça no mesmo sentido do movimento do dente da fresa. É o chamado movimento discordante.

Movimento Discordante .

Movimento Concordante .

. (b) forma de apara.Processos de fresagem: observe figura Fresagem cilíndrica: (a) superfície de trabalho ( frequentemente com sulcos ondulados).

O eixo árvore é a parte da máquina onde se fixa a ferramenta. Mesa de trabalho é o lugar da máquina onde se fixa a peça a ser usinada. As fresadoras são classificadas geralmente de acordo com posição do seu eixo árvore em relação a mesa de trabalho. .Fresadoras A fresadora é uma máquina-ferramenta de movimento contínuo que realiza as operações de fresagem.

As fresadoras classificam-se em relação ao eixo árvore em:  Horizontal Vertical   Universal .

Fresadora Horizontal .

Fresadora Vertical .

Fresadora Universal .

De acordo com o trabalho que as fresadoras realizam podem ser:

Copiadora
Pantográfica ou pantógrafo

Geradora de engrenagens

Fresas

São ferramentas de corte dotadas de facas ou dentes multicortantes. Isto lhe confere uma vantagem sobre outras ferramentas: quando os dentes não estão cortando, eles estão se refrigerando. Isto contribui para um menor desgste da ferramenta.

.

Fresa módulo/ dentes de engrenagem .

Fresa utilizada para usinar superfície planas e abrir rasgo e canais .

Fresas para rasgos .

Fresas de dentes postiços Os dentes são pastilhas de metal duro. .

Isso porque s ferramentas de metal duro têm maior resistência as desgaste. .Parâmetros de cortes inadequados pode causar sérios problemas. Dica tecnológica As Vc para ferramentas de metal duro chegam a ser entre 6 a 8 vezes maior que as Vc utilizadas para ferramentas de aço rápido.como alterar o acabamento superficial da peça e até mesmo reduzir a vida útil da ferramenta.

.

Ex: cilindros de motores de combustão interna.Retificadora: Máquina usada para usinar peças que necessitam exatidão de medidas e elevada qualidade de acabamento de superfícies. .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Mesa divisora modelos HV-240 MD-300 .

.

Fixação na fresadora (modelo HV-240)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

você pode fazer uma conforme o desenho abaixo.O diâmetro externo igual a 160mm pode variar de acordo com o tamanho da placa que você for utilizar.placa (opcional).FLANCO Se você não comprou seu divisor com flange porta. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful