Concurso Público

NUCLEP
NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A Abril / 2010

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A - NUCLEP CNPJ - 42.515.882/0003-30 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO – NCP 001/2010
A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, com o fábrica à Av. General Euclydes de Oliveira Figueiredo, n 200 – Brisamar – Itaguaí/RJ, torna pública a realização de Concurso Público para o preenchimento de vagas e formação de cadastro reserva, nos termos da legislação pertinente e normas estabelecidas neste Edital. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. O Concurso Público será regido por este Edital e executado pelo Instituto Brasileiro de Administração Municipal – IBAM. 1.2. Os cargos objeto do Concurso Público, os valores dos respectivos salários, o número de vagas, a jornada de trabalho e os requisitos de escolaridade/formação são os constantes do Anexo I deste Edital. 1.3. As condições de habilitação, a descrição sumária dos cargos, a definição de conteúdos programáticos, o processo seletivo e as demais informações próprias de cada cargo constarão de instruções específicas, expressas nos Anexos II e III do presente Edital. 1.4. No ato da inscrição o candidato deverá registrar, no espaço destinado na ficha de inscrição, a denominação do cargo almejado e, caso haja, a especialidade à qual se candidatará. 1.5. Para efeito do que dispõe o inciso VIII do art. 37 da Constituição Federal, serão reservados aos candidatos com deficiência 5% (cinco por cento) do número de vagas de cada cargo. 1.6. O disposto no item 1.5 não terá incidência nos casos em que a aplicação do percentual de 5% (cinco por cento) implique, na prática, majoração indevida do percentual mínimo fixado. 1.7. Os candidatos aprovados no Concurso Público poderão ser lotados nas vagas existentes em qualquer unidade de serviço, de acordo com as necessidades da NUCLEP e o cargo para o qual foi aprovado. 2. DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 2.1. Ter nacionalidade brasileira ou equivalente; 2.2. Ter idade mínima de 18 (dezoito) anos completos até a data de admissão; 2.3. Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo; 2.4. Cumprir até a data de admissão todos os pré-requisitos exigidos para o cargo/função de escolha listados no Anexo I; 2.5. Estar quites com as obrigações militares e eleitorais. 3. DOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA 3.1. Para a Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, em face do número de vagas oferecidas para cada cargo, não haverá reserva de vagas para os candidatos com deficiência. 3.2. Os candidatos com deficiência que se inscreverem deverão observar a orientação que se segue. 3.3. É considerada pessoa com deficiência a que se enquadra o nas categorias descritas no art. 4º do Decreto n 3.298, de 20 de novembro de 1999. o 3.4. Ao candidato abrangido pelo Decreto n 3.298, de 20 de dezembro de 1999, é assegurado o direito de inscrever-se na condição de deficiente, desde que declare essa condição no ato da inscrição e a deficiência de que é portador seja compatível com as atribuições do cargo a ser preenchido. 3.5. O candidato com deficiência deverá declarar essa condição em local apropriado, na Ficha de Inscrição. o 3.6. Conforme disposto pelo art. 39 do Decreto Federal n 3.298, de 20 de dezembro de 1999, o candidato deverá apresentar no ato da inscrição laudo médico atestando a espécie e o grau ou nível de deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença – CID, bem como a provável causa da deficiência. 3.7. O candidato com deficiência que necessitar tratamento diferenciado no dia do Concurso deverá especificá-lo na ficha de inscrição, indicando as condições de que necessita para a realização da prova, como por exemplo, prova em braille ou ampliada. 3.8. A não solicitação de recursos especiais, tempestivamente, conforme disposto no item 3.7, implica sua não concessão no dia da realização das provas. 3.9. A realização das provas por estes candidatos, em condições especiais, ficará condicionada à possibilidade de fazê-las de forma que não importe quebra de sigilo ou não enseje seu favorecimento, obedecendo aos critérios de viabilidade e de razoabilidade. 3.10. Os candidatos com deficiência participarão do Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos. 3.11. Os candidatos com deficiência física, se aprovados e convocados para a realização da etapa de exames médicos, deverão submeter-se à perícia médica promovida pela NUCLEP, que terá decisão sobre a sua qualificação como deficiente ou não, bem como sobre a compatibilidade ou não da deficiência com as atribuições do cargo a ser ocupado. 4. INSCRIÇÃO NO CONCURSO PÚBLICO 4.1. As inscrições serão realizadas no período de 19/04/2010 a 30/04/2010, pela internet, através do site (www.ibamconcursos.org.br) ou nas agências dos Correios definidas neste Edital. 4.1.1. Nos feriados de 21/04 e 23/04 não haverá atendimento nas agências dos Correios. 4.2. Os valores das inscrições são os dispostos na tabela abaixo: CARGO/ESCOLARIDADE Cargos de Nível Superior R$ 75,00 (setenta e cinco reais) Cargos de Nível Médio R$ 55,00 (cinquenta e cinco reais) Cargos de Nível Fundamental Completo R$ 35,00 (trinta e cinco reais) a) Para os candidatos que optarem pela inscrição nas agências dos Correios: 4.3. Horário: de 9h:00 às 17h:00, de segunda à sexta-feira. 4.4. Locais: - Agência Correios Botafogo: Rua Voluntários da Pátria, 254 - Loja A/B; - Agência Correios Centro: Rua Primeiro de Março, 64 Térreo; - Agência Correios Itaguaí: Rua General Bocaiúva, 251 Centro; - Agência Correios Méier: Rua Dias da Cruz, 182 - loja B/Sl 3 ao 8; - Agência Correios Santa Cruz: Rua Filipe Cardoso, 909 Térreo. 4.5. Os pedidos de inscrição obedecerão aos seguintes procedimentos: a) Efetuar pagamento, em espécie, do valor de inscrição em uma das agências dos Correios definidas no item 4.4. Não serão aceitos pagamentos de inscrição com cheques, em caixas eletrônicos e agendamentos bancários. b) Efetuar o preenchimento, sem emendas ou rasuras e de forma legível, da ficha de inscrição, na qual o candidato se compromete a apresentar, em época própria, os documentos comprobatórios dos requisitos exigidos para a participação no Concurso previstos no item 2 deste Edital. c) Apresentar documento de identidade sempre oficial, original e com fotografia, que será devolvido aos candidatos após as devidas anotações na ficha correspondente. Serão considerados documentos de identidade: Cédula Oficial de Identidade (RG); Carteira expedida por Órgão ou Conselho de Classe (CREA, CRA etc.); Carteira de Trabalho e Previdência Social; Certificado de Reservista; Carteira de Motorista com foto e Passaporte.

1

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A - NUCLEP CNPJ - 42.515.882/0003-30 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO – NCP 001/2010
4.6. Cumpridas as exigências do subitem 4.5, o candidato receberá o seu cartão de confirmação de inscrição através de envio postal. 4.7. No ato do recebimento do cartão de confirmação de inscrição, o candidato é responsável pela conferência de todos os dados, verificando sua exatidão e solicitando correção, se for o caso. A correção deverá ser solicitada através do site do IBAM (www.ibam-concursos.org.br) na Área Documentação do Concurso. 4.8. O candidato que não receber o cartão de confirmação de inscrição até 05 (cinco) dias úteis anteriores à data da prova, deverá verificar através do site do IBAM (www.ibamconcursos.org.br) na Área Documentação do Concurso ou pelos telefones (0XX21) 2536-9813, 2536-9815 e 2536-9817, as informações ou sobre a data da prova, horário e local de realização da mesma. 4.8.1. O envio de comunicação pessoal dirigida ao candidato, ainda que extraviada ou por qualquer motivo não recebida, não desobriga o candidato do dever de acompanhar a divulgação das informações sobre a realização da prova. 4.9. Os candidatos impossibilitados de preencher a ficha de inscrição serão auxiliados por pessoa devidamente designada para esse fim, que lerá todos os dados constantes da referida ficha, antes do candidato formalizar seu pedido de inscrição. 4.10. Será admitida a inscrição por intermédio de procurador, desde que seja apresentado instrumento público ou particular, que lhe confira os poderes específicos necessários, acompanhado de cópia autenticada do documento de identidade do candidato. 4.11. No caso de instrumento particular não há necessidade de reconhecimento de firma. 4.12. O candidato inscrito por procuração assume total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador, arcando com as conseqüências de erros no preenchimento do formulário de inscrição e na efetivação da inscrição. 4.13. Não haverá inscrição condicional ou extemporânea nem inscrição por correspondência. 4.14. O candidato será responsável por qualquer erro ou omissão no preenchimento da ficha de inscrição, não sendo permitido pedido de retificação após o encerramento do prazo das inscrições, exceto na situação prevista no item 4.7. b) Para os candidatos que optarem pela inscrição via Internet. 4.15. Para inscrição pela Internet, o candidato deverá acessar o site (www.ibam-concursos.org.br) onde terá acesso ao Edital e seus Anexos, à ficha de inscrição, e procedimentos necessários à efetivação da inscrição, que estará disponível no período entre 0 (zero) hora do dia 19/04/2010 e 20:00 horas do dia 30/04/2010. 4.16. As inscrições efetuadas via Internet somente serão aceitas após o banco confirmar o efetivo pagamento do valor da inscrição. O candidato poderá verificar a aceitação de sua inscrição no endereço eletrônico (www.ibam-concursos.org.br) através da opção Área do Candidato. 4.17. O pagamento da inscrição através do Boleto Bancário deverá ser feito em espécie ou através de transferência bancária, não sendo aceito pagamento em cheque ou agendamentos eletrônicos. 4.18. O pagamento deverá ser efetivado, impreterivelmente, até o último dia previsto para o encerramento das inscrições, até o horário definido no item 4.15., caso contrário não será considerado. 4.19. Os candidatos com deficiência inscritos pela Internet deverão enviar para o Instituto Brasileiro de Administração o Municipal – IBAM, situado no Largo IBAM, n 1 - Humaitá, Rio de Janeiro, Cep.: 22271-070, através de Sedex ou AR, ou entregar pessoalmente no Protocolo do IBAM, contra recibo, os documentos mencionados nos itens 3.6 e 3.7. 4.19.1. Os documentos referidos no item 4.19., em caso de envio postal, deverão ser postados em envelope fechado, contendo na sua parte externa o nome do candidato, o número da inscrição, o cargo para o qual se candidatou e a descrição dos documentos contidos no envelope. 4.20. O candidato inscrito pela Internet responsabilizar-se-á pela informação dos dados cadastrados no ato de inscrição, sob as penas de lei. 4.21. O candidato inscrito pela Internet receberá seu cartão de confirmação via postal e também poderá retirá-lo no endereço eletrônico (www.ibam-concursos.org.br) através da opção Área do Candidato. 4.22. O descumprimento de qualquer das instruções para inscrição via Internet implicará no cancelamento da inscrição. 4.23. As inscrições pela Internet devem ser feitas com antecedência, evitando o possível congestionamento de comunicação do site (www.ibam-concursos.org.br) nos últimos dias de inscrição. 4.24. O Instituto Brasileiro de Administração Municipal – IBAM e a Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP não se responsabilizam por qualquer problema na inscrição via Internet motivada por falhas de comunicação, falta de energia elétrica, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a conexão ou a transferência de dados, salvo quando o motivo da falha for comprovadamente de responsabilidade das entidades organizadoras do Concurso. 4.25. O valor pago a título de inscrição somente será devolvido em caso de suspensão, anulação ou cancelamento do Concurso, descabendo qualquer outra hipótese de devolução. 4.26. Informações complementares sobre inscrição via Internet estarão disponíveis no endereço eletrônico (www.ibam-concursos.org.br). 4.27. Fica dispensado do pagamento do valor de inscrição o candidato que declare e comprove hipossuficiência de recursos financeiros, nos termos do Decreto Federal nº 6.135, de 26 de junho de 2007, observado o que se segue. 4.28. O candidato economicamente hipossuficiente deverá comprovar sua inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – CadÚnico e ser membro de família de baixa renda, assim compreendida aquela que possua renda per capita de até meio salário mínimo ou aquela que possua renda familiar mensal de até 03 (três) salários mínimos. 4.29. Para as inscrições amparadas no subitem 4.27. os candidatos deverão realizar o pré-cadastramento de seus dados pessoais nos dias 19 e 20 de abril de 2010 na Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, situada à o Av. General Euclydes de Oliveira Figueiredo, n 200 (Sala 31.A do Prédio Social) – Brisamar – Itaguaí/RJ, no horário de 9h:00 às 15h:30. 4.30. O candidato deverá, também, preencher o formulário de Declaração de Hipossuficiência Financeira e apresentar a documentação exigida. 4.31. A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP se reserva o direito de confirmar, em qualquer época, as informações e documentos apresentados, indeferindo as inscrições cujos documentos não sejam comprovadamente válidos. 4.32. A declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei, aplicando-se, ainda, o disposto no parágrafo único do artigo 10 do Decreto Federal nº 83.936, de 6 de setembro de 1979. 4.33. A análise dos pedidos de isenção das inscrições e o deferimento ou não destas são de competência da Comissão de Concurso Público da NUCLEP. 4.34. O resultado da análise da documentação apresentada na inscrição do candidato contemplado será dado a conhecer através dos sites do IBAM e da NUCLEP, cabendo exclusivamente ao candidato a responsabilidade de conferir, no dia 27/04/2010, se teve seu pedido de isenção do valor de inscrição deferido. 4.35. Não será aceita solicitação de isenção de pagamento de inscrição via correio ou via fax.

2

via postal .4. A Comissão de Concurso Público poderá.2.ibam-concursos. Caso o candidato não possa apresentar nenhum dos documentos de identidade relacionados no subitem 5. 5. constante do Anexo II deste Edital.2. Os candidatos só poderão sair do local de realização do certame após 1 (uma) hora do início da prova. Serão convocados para as provas práticas os candidatos aos cargos mencionados no item 5. 5. do documento original de identidade.5. Serão considerados documentos de identidade: Cédula Oficial de Identidade (RG).2.1.2.39. serão considerados habilitados os candidatos que obtiverem nota igual ou superior ao limite mínimo estabelecido no Anexo II deste Edital. 5. os horários e os locais de realização destas provas.3. podendo levar o caderno de provas. telefone celular.4. obedecida a ordem rigorosa de classificação.3.gov. Nos locais de prova poderá haver rastreamento eletrônico. 5.11.3. Os candidatos que tiverem a pré-inscrição indeferida e que não efetuarem a inscrição nos termos do item 4 do Edital 01/2010.3.2.9. além de ser divulgado no site do IBAM. por motivo de perda. Operador de Movimentação de Carga (Operador de Empilhadeira). incluindo os sinais de alarme e os modos vibração e silencioso. 5.2.1. Carteira de Trabalho e Previdência Social. Carteira expedida por Órgão ou Conselho de Classe (CREA.4. que será de responsabilidade do IBAM.1. As provas escritas objetivas.8.42. 5.36. O conteúdo das questões variará de acordo com o perfil e o grau de escolaridade exigido para o desempenho das funções específicas do cargo ao qual o candidato concorrer. 5. 30 (trinta) dias. Operador de Movimentação de Carga (Lingasteiro). PROCESSO SELETIVO O Processo seletivo compreenderá as seguintes etapas: 5. ficando.2.6. excluído do processo seletivo. desde que com a finalidade de preservar o bom andamento do Concurso. entre outros. 5. conforme o caso e se constituirão de questões objetivas de múltipla escolha. 4. O valor de cada prova escrita objetiva é o constante do Anexo II deste Edital. Nas provas escritas objetivas classificatórias será eliminado o candidato que obtiver nota zero. 5. 5. a partir da autorização da Coordenação Geral do Concurso. as normas previstas no item 5 e seus desdobramentos. expedido há. O candidato deverá comparecer aos locais de prova munido do cartão de confirmação de inscrição.3. Instrutor de Treinamento (Usinagem). 5.6. para o cargo informado na Ficha de Inscrição. com abertura dos portões às 12:00 horas e fechamento às 13:00 horas para início das mesmas. A critério da NUCLEP os candidatos aos cargos mencionados no item 5. A elaboração.1 aprovados nas provas objetivas e classificados após a 10ª (décima) colocação.1 que tenham sido aprovados nas provas objetivas e classificados nas 10 (dez) primeiras colocações. poderão ser convocados no prazo de validade deste Concurso para a prova prática.2.4. notebook. recomenda-se que os candidatos compareçam aos locais de prova com antecedência de uma hora do horário previsto para o fechamento dos portões.1.40. 5.4.3. para todos os cargos. Títulos 5. 5. 5.1.2.2.3. Nas provas escritas objetivas eliminatórias.1.7. as datas. O candidato. aplicação e correção das provas práticas serão de responsabilidade da NUCLEP. conforme o caso. Certificado de Reservista.3. estarão automaticamente excluídos do mesmo.37. É assegurado recurso em caso de decisão denegatória do pedido de isenção no dia útil subsequente à divulgação da referida decisão.nuclep. Os 3 (três) últimos candidatos a terminar as provas só poderão deixar o local juntos.3. 5.7.2. 5.2. justificadamente. Eletricista Industrial.1.1. MP3. Serão atribuídos pontos aos títulos que serão adicionados ao total obtido pelos candidatos nas demais provas.3. relógio digital com receptor. Para os cargos de Técnico em Secretariado.10.br). mediante registro da ocorrência em ata própria.515.1. Serão considerados aprovados os candidatos que obtiverem o mínimo estabelecido no Quadro Demonstrativo. Provas Práticas 5. automaticamente. os conteúdos programáticos. no dia 06 de junho de 2010.7. incorrerá na exclusão do candidato do certame.1. 5.4. General o Euclydes de Oliveira Figueiredo. Os candidatos que tiverem a pré-inscrição deferida estarão. tais como bip. walkman. Instrutor de Treinamento (Soldagem). automaticamente. n 200 – Brisamar – Itaguaí/RJ no horário de 8h00 às 15h30.38.2. 4. palm-top. O candidato que tiver a sua pré-inscrição indeferida poderá participar do Concurso Público.1. O Edital de Convocação conterá os procedimentos.882/0003-30 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO – NCP 001/2010 4. sendo de 3 (três) horas o período de duração. aplicadas para todos os cargos. 5. situado na Av. Para evitar atrasos. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada destas provas. 5. deverá obrigatoriamente manter desligado qualquer aparelho eletrônico que esteja sob sua posse.2. conforme descrito no Anexo II deste Edital. O candidato que chegar após o horário estabelecido no cartão de confirmação de inscrição não poderá ingressar no local de prova. receptor/transmissor. inscritos no Concurso Público. 5. Só será permitido o ingresso dos candidatos nos locais de prova até o horário estabelecido no cartão de confirmação de inscrição. e de 2 (duas) canetas esferográficas de tinta azul ou preta.3.br).org. constará do cartão de confirmação de inscrição a ser enviado pelos Correios .3. Carteira de Motorista com foto e Passaporte. (www. 5. com recolhimento da prova e posterior retirada do candidato do local de prova.5. 5. 4. Operador de Movimentação de Carga (Operador de Ponte Rolante).ou via Internet. calculadora. serão aplicadas provas práticas com caráter eliminatório e classificatório. 5. A NUCLEP convocará os candidatos para realização das provas práticas por meio de telegrama e o Edital de Convocação será divulgado no site (www.MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A . 5. Provas Escritas Objetivas 5.5. antes da realização do presente Concurso. no dia de realização da prova.2. Operador de Utilidades Industriais.1. fazendo sua inscrição. furto ou roubo de todos eles. 5.2. sempre oficial e com foto.1. 5. nos termos do item 4 e subitens do Edital 01/2010.2. 5. gravador.2.). Técnico de Controle de Qualidade (Metalografia). 4. ao ingressar no local de realização da prova.13. agenda eletrônica. Operador de Jateamento/Pintura. Operador de Máquina de Conformação.12. 5. alterar. As provas objetivas serão realizadas.3. Técnico de Controle de Qualidade (Calibração). Ipod. deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial.NUCLEP CNPJ . O uso de quaisquer funcionalidades de aparelhos. CRA etc. Instrutor de Treinamento (Manutenção Eletromecânica). serão eliminatórias e classificatórias.3. Instrutor de Treinamento (Caldeiraria). A contagem dos pontos referida no item anterior obedecerá aos critérios a seguir: a) para os cargos de nível superior: 3 . exceto a prova prático-oral de inglês para o cargo de Técnico em Secretariado.6. 5. Os recursos deverão ser dirigidos à Coordenadora da Comissão de Concurso Público da NUCLEP e entregues para registro no seu Protocolo Geral.8. O local da realização das provas. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada destas provas. Realização das Provas Escritas Objetivas 5. no máximo.

razão social.1.1. 7.6. Apurada a classificação.2. satisfizer todas as condições lá estabelecidas. publicação ou outra. 01 (um) candidato com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. contra entrega de recibo. submetido ao processo seletivo descrito no item 5 do presente Edital. 5. os títulos deverão ser enviados para análise.3. Não serão aceitos recursos interpostos por telegrama.3.1. o cargo/função para o qual esta concorrendo e a descrição dos títulos contidos no envelope. poderá interpor recurso. 6. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão e/ou histórico escolar ou declaração oficial da Faculdade ou Universidade: 2 (dois) pontos.4. provas de títulos e provas práticas.na qual exista a função e o candidato tenha trabalhado.882/0003-30 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO – NCP 001/2010 Curso de especialização com o mínimo de 360 (trezentas e sessenta) horas/aula.4. conforme modelo constante do Anexo IV deste Edital. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório. assinatura por quem de direito . O candidato que se sentir prejudicado em qualquer das etapas do Concurso.5.2.br).: 22271-070. o 4 ) mais idoso. a pontuação correspondente será atribuída a todos os candidatos. O referido recurso deverá ser devidamente firmado pelo candidato em todas as folhas. esta será publicada como resultado final do Concurso.br).constando CNPJ. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório: 1 (um) ponto por ano completo trabalhado até o máximo de 9 (nove) pontos.3.org.br) e da NUCLEP (www. Para fins de cumprimento dos prazos legais para homologação. devendo ser uma folha para cada questão recorrida.ibam-concursos. Tempo de serviço na função para a qual está concorrendo comprovado por registro em carteira de trabalho ou atestado fornecido por empresa devidamente qualificada . Considerar-se-á aprovado o candidato que.nuclep. b) para os cargos de nível médio e fundamental: Cursos de aperfeiçoamento.7.3. Rio de Janeiro. 6.6. no caso de recursos contra questões ou gabaritos. o 2 ) maior número de pontos na prova de Português. através dos sites do IBAM (www. 7.4. n 1 . 6. número da inscrição. os seguintes critérios para o desempate dos candidatos: o 1 ) maior número de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais. Os candidatos aprovados passarão a constituir um cadastro de reserva pelo período de validade do Concurso. Cep. no caso de recursos contra questões. A pontuação máxima na prova de títulos para os cargos de nível superior é de 20 (vinte) pontos e para os cargos de nível médio e fundamental é de 13 (treze) pontos. Tempo de serviço na função para a qual está concorrendo comprovado por registro em carteira de trabalho ou atestado fornecido por empresa devidamente qualificada . mediante apresentação de cópia autenticada em cartório: 1 (um) ponto por ano completo trabalhado até o máximo de 7 (sete) pontos. via postal. 6. 7. c) seja apresentado datilografado ou digitado. liminarmente. através de Sedex. RESULTADO E CLASSIFICAÇÃO NAS PROVAS OBJETIVAS 6. Não haverá desclassificação do candidato pela não apresentação de títulos. o desempate far-se-á considerando como primeiro critério o mais idoso. a bibliografia pesquisada. assinatura por quem de direito . No caso de o gabarito da prova ser fornecido incorretamente por falha de digitação. Os gabaritos serão divulgados no dia subseqüente ao da aplicação da prova. cargo ao qual se candidatou.Os títulos deverão ser apresentados em envelope fechado. nos horários de 9:00h às 12:00h e de 14:00h às 17:00h. 7. Internet ou outro meio que não seja o especificado neste Edital. 7.2. desde que guarde relação direta com o cargo para o qual o candidato prestará prova. o 3 ) maior número de filhos menores. desde que guarde relação direta com as atribuições do cargo para o qual o candidato prestará prova. no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis. durante o período de inscrição.4. do certificado de conclusão e/ou histórico escolar ou declaração oficial da Faculdade ou Universidade: 4 (quatro) pontos. Quando a igualdade de pontos na classificação envolver. no site do IBAM (www.5. Em caso de igualdade de pontos na classificação das provas objetivas.gov. razão social. 7.2. 5.4.ibamconcursos.1. 1º andar – Expedição.42. independentemente de terem recorrido.515. até o máximo de 3 (três) pontos. o requerimento que não estiver fundamentado ou for apresentado fora do prazo estabelecido na letra a do item 7.1.4. Doutorado: reconhecido pelo CAPES. 6. situado no Largo IBAM.2. Se do exame de recursos resultar anulação de questão ou item de questão. n 1.3. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório: 1 (um) ponto por curso. Mestrado: reconhecido pelo CAPES. após o qual serão aplicados os critérios estabelecidos no item 6. situado no Largo IBAM.4. contendo na sua parte externa o número da inscrição.NUCLEP CNPJ .3. 6. contados do ato que motivou a reclamação. AR ou pessoalmente no Protocolo do IBAM.gov. O total de pontos dos candidatos será obtido pela adição dos pontos a eles atribuídos em cada uma das provas objetivas. Apresentação dos títulos: 5. desde que guarde relação direta com as atribuições do cargo para o qual o candidato prestará prova. RECURSOS E REVISÕES 7.nuclep. fundamentação clara e ampla dos motivos e. cabendo-lhes a responsabilidade de manter atualizado seu endereço para fins de convocação.na qual exista a função e o candidato tenha trabalhado. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório: 3 (três) pontos.org. serão adotados. conforme o caso.MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A . nome do candidato. 7.constando CNPJ. b) constem obrigatoriamente do recurso: nome completo do candidato. Será dada publicidade às decisões dos recursos.3. a questão não será anulada. Certificação oficial emitida pela Comissão Nacional de Energia Nuclear . procedendo-se à sua correção e publicação. 6. em ordem decrescente dos pontos. sucessivamente. Será indeferido. 5.2. sob pena de serem considerados desistentes. com no mínimo 40 (quarenta) horas/aula.CNEN.br) e da NUCLEP (www. Aos candidatos serão assegurados recursos em todas as etapas do Concurso. desde que: a) seja dirigido à Entidade Organizadora do Concurso Público – Instituto Brasileiro de Administração Municipal e entregue no o Protocolo do IBAM. procuração. pelo menos.Humaitá. e posteriormente nos meios de comunicação julgados convenientes pela Comissão de Concurso. para o Instituto Brasileiro de o Administração Municipal – IBAM. 5. 4 . mediante apresentação de cópia autenticada em cartório do certificado de conclusão e/ou histórico escolar ou declaração oficial da Faculdade ou Universidade: 5 (cinco) pontos. desde que guardem relação direta com as atribuições do cargo para o qual o candidato prestará prova. mediante requerimento individual.

6. o candidato inscrito no Concurso Público na condição de deficiente será avaliado quanto a sua capacidade para o exercício do cargo. O prazo estipulado no item 10. vigentes à época da admissão. Os candidatos que vierem a ser convocados para ingresso na NUCLEP assinarão contrato de trabalho pelo regime CLT.1. bem como o compromisso tácito de aceitar as condições do Concurso.882/0003-30 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO – NCP 001/2010 8.MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A . General Euclydes de Oliveira Figueiredo n 200 – Brisamar –Itaguaí/RJ – Cep.2. Itaguaí. O resultado final do Concurso Público será homologado e publicado no Diário Oficial da União. 10. A classificação dos candidatos aprovados será feita em ordem decrescente dos pontos obtidos. Duque de Caxias. em decisão da qual não caiba recurso administrativo. 10. f) Complementação salarial de auxílio doença. declaração falsa ou inexata. por ato da Comissão de Concurso. e deverá comprovar o preenchimento de todos os requisitos exigidos. nacional e internacionalmente. d) Certificado de Reservista ou Dispensa de Incorporação ou outro documento que comprove estar em dia com as obrigações militares. 8. por igual período.2. O candidato. inclusive os deficientes. f) 02 fotos 3x4 recentes.5.gov. observando-se: a) as informações prestadas pelo candidato no ato de inscrição.dos resultados finais dos candidatos aos cargos que não dependem de provas práticas.br). indicando por fora do envelope: CONCURSO PÚBLICO – ATUALIZAÇÃO DE ENDEREÇO: NUCLEP – Gerência Geral de Recursos o Humanos – Av. 8. na anulação da contratação realizada. através dos meios de comunicação julgados convenientes pela Comissão de Concurso. Em atendimento ao disposto no Decreto n 3. poderá ser prorrogado. O candidato que não atender à convocação para a etapa de avaliação médica será considerado desistente. em processo disciplinar. k) Certidão de Nascimento dos dependentes (cópia). o 8. conforme legislação específica.4. caso tenha ultrapassado essa fase.6.2. b) a natureza das atribuições e tarefas essenciais do cargo ou da função a desempenhar.1. durante a realização das provas. O Concurso Público terá validade de 2 (dois) anos. a contar da data da publicação: . j) Comprovante de Certificação ou Curso na Área de Atuação. 10. l) Atestado de vacinação obrigatória para os filhos menores de 5 anos (cópia).7. que solicitará exames médicos dos candidatos que deverão ser convocados para a contratação. Nilópolis. inclusive o Código de Ética e o Plano de Cargos.11. sem prejuízo do indiciamento cabível. uma vez. A contratação será em caráter experimental nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT (Decretoo Lei n 5.298. Nova Iguaçu. se do sexo masculino (cópia). d) for apanhado em flagrante tentativa de burla.2. declarará sua condição relativa à acumulação de cargos públicos. em qualquer documento. Os exames médicos são eliminatórios. 10. fraude ou falsificação na realização da prova. b) portar-se de maneira inadequada nos locais de realização das provas. por ato lesivo ao patrimônio público de qualquer esfera do governo. e) Carteira de Identidade (cópia). o candidato deverá manter atualizado seu endereço. f) deixar de apresentar qualquer documento comprobatório dos requisitos exigidos neste Edital. e) Plano de previdência privada fechada. sujeitando-se às normas do regulamento interno de pessoal da empresa. Os candidatos aprovados e classificados no Concurso. enviando correspondência para a NUCLEP. o candidato que: a) faltar a qualquer uma das fases do processo seletivo. 5 .dos resultados finais dos candidatos aos cargos que dependem de provas práticas. Carreiras e Remuneração . 8. por ato da NUCLEP. com carência de 90 (noventa) dias. Japeri. Após a homologação da classificação no cadastro. A etapa de avaliação médica será de responsabilidade da NUCLEP.515. i) Comprovante de Escolaridade (cópia). 8.2.PCCR.3. A inscrição do candidato implicará o conhecimento do presente Edital. implicará em sua imediata eliminação do Concurso Público ou.10. 9. e . c) Título de Eleitor com votação atualizada (cópia). A contraindicação do candidato em qualquer fase de exame médico acarretará sua automática eliminação do Concurso Público e do cadastro. serão convocados para o exame médico e para a comprovação dos requisitos exigidos legalmente. descendentes ou colaterais. Petrópolis. Os resultados parciais e finais nas provas objetivas e na avaliação de títulos serão publicados nos sites (www. e) prestar. sendo automaticamente excluído do Concurso Público e do cadastro. de modo a prejudicar o andamento normal do Concurso. 10. de informações relevantes na entrevista médica. obedecendo-se às linhas e itinerários preestabelecidos pela Empresa. em comunicação com outro candidato. Mesquita. Aos candidatos contratados serão oferecidos os seguintes benefícios: a) Assistência médica/hospitalar e odontológica. e em conformidade com a legislação específica. e suas alterações).42. DISPOSIÇÕES GERAIS 10. 10. 8. Será excluído do certame.3. 10. c) a viabilidade das condições de acessibilidade e de adequações do ambiente de trabalho na execução das tarefas. Não poderão inscrever-se pessoas que possuam qualquer vínculo com a instituição organizadora do Concurso. A omissão e/ou negação. por ocasião da sua admissão no quadro de pessoal da NUCLEP. 10. via SEDEX. 10. DA AVALIAÇÃO MÉDICA 8. b) Alimentação.br) e (www. É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar pelos jornais ou qualquer outro meio de divulgação definido pela Comissão de Concurso a publicação de todos os atos e editais relativos ao Concurso. 10.8. d) Seguro de vida em grupo. de 20 de dezembro de 1999. de equipamentos ou outros meios que habitualmente utilize.4. intencionalmente ou não. Rio de Janeiro.org.ibam-concursos. pelo candidato. Mangaratiba.1.: 23. g) Comprovante de inscrição no PIS/PASEP (cópia). de 1º de maio de 1943. 10. m) Registro profissional (cópia). b) Certidão de Nascimento ou Casamento (cópia).9.5. c) for surpreendido.NUCLEP CNPJ . 10. e) a CID e outros padrões reconhecidos.1.1. Os candidatos que não atenderem aos requisitos exigidos neste Edital serão automaticamente eliminados do processo seletivo em qualquer de suas fases. h) CPF (cópia). 10. d) a possibilidade de uso. pelo candidato. apresentando os seguintes documentos: a) Carteira de Trabalho e Previdência Social com baixa. Seropédica. tais como se acham estabelecidas. bem como seus ascendentes.nuclep. quando o exercício do cargo assim exigir. c) Transporte limitado aos Municípios de Belford Roxo. subsidiada.7.5. São João de Meriti. no local de trabalho.825-410.5. n) Firmar declaração de não ter sido punido. Niterói. DA DOCUMENTAÇÃO PARA A ADMISSÃO 9. 10.452. sendo excluídos do Concurso os candidatos que não apresentarem aptidão física e/ou mental para o exercício do cargo para o qual se inscreveram. quando for o caso (cópia). Paracambi.

br) e (www. quaisquer recursos sobre assuntos de sua competência interpostos pelos candidatos. 10.br) e (www. São partes integrantes deste Edital os Anexos I.14. 6 .17. 10.org. 10.nuclep.org.15.42. Nome do Cargo Administrador (RH e Finanças) Administrador (Marketing) Advogado Analista de Sistemas (Desenvolvimento de Web) Analista de Sistemas (Desktop) Analista de Sistemas (Suporte) Assistente Social Auditor (Controle Interno) Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 9.gov. II.gov.000) Contador Engenheiro Civil Engenheiro de Meio Ambiente Engenheiro de Segurança do Trabalho Engenheiro Eletricista de Manutenção Engenheiro Eletrônico de Manutenção Médico Auditor Médico do Trabalho Pedagogo Almoxarife Auxiliar de Administração Auxiliar de Pessoal Comprador Instrutor de Treinamento (Soldagem) Instrutor de Treinamento (Usinagem) Motorista Supervisor de Pessoal Supervisor de Serviços Gerais Supervisor de Transportes Técnico em Eletricidade (Manutenção) Técnico em Eletrônica (Instrumentista e Manutenção) Técnico em Contabilidade Técnico em Enfermagem do Trabalho Técnico em Informática Técnico em Segurança do Trabalho Técnico em Métodos e Processos Técnico em Mecânica (Manutenção e Planejamento de Manutenção) Operador de Movimentação de Carga (Lingasteiro) Operador de Movimentação de Carga (Operador de Ponte) Operador de Movimentação de Carga (Operador de Empilhadeira) Operador de Utilidades Pintor Industrial Cadastro Reserva Concurso 2006 21 27 226 22 30 31 24 04 03 16 22 31 19 35 11 16 21 37 105 70 95 49 03 08 03 86 61 64 23 39 05 04 59 155 13 04 02 01 05 09 05 10.ibam-concursos. 10.br).NUCLEP CNPJ .12.515.ibamconcursos. competente também para julgar.MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A . valendo para esse fim a homologação publicada no Diário Oficial da União. III e IV que o acompanham. Os cargos abaixo relacionados ainda possuem reserva de cadastro do Concurso Público homologado no ano de 2006.nuclep. O presente Edital e seus anexos estarão disponibilizados na Internet através dos endereços eletrônicos (www.13.br). em decisão irrecorrível. Não será fornecido pela NUCLEP qualquer documento comprobatório da classificação do candidato no processo seletivo público.16.882/0003-30 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO – NCP 001/2010 10. Os casos omissos a este Edital serão resolvidos pela Comissão de Concurso Público. cujos aprovados terão preferência de convocação desde que sejam chamados até o dia 30 de junho de 2010. A publicidade de todos os atos relativos ao Concurso Público será feita através dos sites (www.

Produção. Curso Superior em Tecnologia da Informação com ênfase em Rede de Dados. Marketing.299.62 007 008 Assistente Social Auditor (Controle Interno) CR CR 44h 44h R$ 3. em Análise de Sistemas. Administração ou Matemática. acrescido de Especialização.38 004 Analista de Sistemas (Suporte) CR 44h R$ 3.62 006 Analista de Sistemas (Help Desk) CR 44h R$ 3. Curso Superior em Serviço Social e registro profissional correspondente. Finanças. Curso Superior em Administração e registro profissional correspondente.: CR = Cadastro Reserva .EDITAL No 01/2010 ANEXO I CÓDIGO DO CARGO PARA INSCRIÇÃO JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) CARGO/FUNÇÃO REQUISITOS VAGAS SALÁRIO-BASE NÍVEL SUPERIOR 001 002 003 Administrador Geral (RH.299. Orçamento) Administrador de Suprimentos (Material e Licitações Públicas) Advogado Curso Superior em Administração e registro profissional correspondente. conforme Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia do MEC.62 005 Analista de Sistemas (Desenvolvimento) CR 44h R$ 3.299. com carga horária mínima de 360 horas/ aula. Curso Superior em Tecnologia da Informação com ênfase em Rede de Dados.38 R$ 3.837. Curso de Superior em Ciências Contábeis e registro profissional correspondente. em Rede de Dados.299.837. conforme Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia do MEC. com carga horária mínima de 360 horas/ aula. conforme Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia do MEC. ou Curso Superior em Engenharia.NUCLEP CONCURSO PÚBLICO .38 R$ 3.299. acrescido de Especialização.38 * Obs. CR 02 CR 44h 44h 44h R$ 3. Administração ou Matemática. Curso Superior em Direito e registro profissional correspondente. Curso Superior em Tecnologia da Informação com ênfase em Análise e Desenvolvimento de Sistemas de Informação. ou Curso Superior em Engenharia.38 R$ 3.NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A .837.

590.63 010 Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 14. CR 44h R$ 4.00 R$ 4.590.00 R$ 4. Curso Superior em Engenharia Civil e registro profissional correspondente. Curso Superior em Engenharia Eletrônica e registro profissional correspondente.590.001) 01 44h R$ 4. Curso Superior em Ciências Contábeis e registro profissional correspondente Curso Superior em Economia e registro profissional correspondente. acrescido de Especialização em Engenharia de Engenheiro de Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho e registro profissional correspondente no MTE e CREA. Curso Superior em Engenharia Mecânica e registro profissional correspondente.299. Soldagem e Tratamento registro profissional correspondente.590.590. Curso Superior em Engenharia Mecânica e registro profissional correspondente. Curso Superior em Engenharia ou Administração e certificado como Auditor Líder ISO 14. Térmico) Curso Superior em Engenharia da Produção e Engenheiro de Produção registro profissional correspondente.00 019 020 Engenheiro Mecânico (Análise de Tensões) Engenheiro Metalúrgico (Ensaios de Curso Superior em Engenharia Metalúrgica e Materiais.001 (Segurança e Saúde) emitido por instituição credenciada pelo INMETRO e registro profissional correspondente.001) Ensino Superior em Engenharia ou Administração e certificado como Auditor Líder ISO 9.001 ou OHSAS 18.590.NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A .590. Curso Superior em Engenharia.376.: CR = Cadastro Reserva . Curso Superior em Engenharia Elétrica e registro profissional correspondente.38 R$ 4.63 011 012 013 014 015 016 017 018 Contador Economista Engenheiro Civil Engenheiro Eletricista de Manutenção Engenheiro Eletrônico (Manutenção e Calibração) Engenheiro Mecânico CR CR CR CR CR 08 01 CR 01 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h R$ 3.00 R$ 4.001 (Qualidade) emitido por instituição credenciada pelo INMETRO e registro profissional correspondente.00 * Obs. CR 44h R$ 4.EDITAL No 01/2010 ANEXO I CÓDIGO DO CARGO PARA INSCRIÇÃO JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) CARGO/FUNÇÃO REQUISITOS VAGAS SALÁRIO-BASE NÍVEL SUPERIOR 009 Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 9.00 R$ 4.001 (Meio Ambiente) ou OHSAS 18.00 R$ 4.38 R$ 3.00 R$ 4.NUCLEP CONCURSO PÚBLICO .376.590.299.

60 R$ 2.30 R$ 2.38 R$ 3.949. acrescido de Especialização na Área Ambiental e registro profissional correspondente.EDITAL No 01/2010 ANEXO I CÓDIGO DO CARGO PARA INSCRIÇÃO JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) CARGO/FUNÇÃO REQUISITOS VAGAS SALÁRIO-BASE NÍVEL SUPERIOR 021 022 023 024 025 Engenheiro de Meio Ambiente Médico Auditor Médico do Trabalho Nutricionista Pedagogo Apontador de Produção Auxiliar de Administração Auxiliar de Almoxarifado Auxiliar de Pessoal Comprador Desenhista Projetista Instrutor de Treinamento (Caldeiraria) Instrutor de Treinamento (Manutenção Eletromecânica) Instrutor de Treinamento (Soldagem) Instrutor de Treinamento (Usinagem) Projetista Supervisor de Manutenção Civil Supervisor de Serviços Gerais Curso Superior em Engenharia.38 R$ 3.299. Curso Superior em Pedagogia com Habilitação em Orientação Educacional. Curso Superior em Nutrição e registro profissional correspondente.38 R$ 1. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia e registro profissional correspondente. Curso Técnico em Edificações e registro profissional correspondente.299.85 R$ 2.949.949.85 R$ 2. Curso Superior em Medicina e registro profissional correspondente.38 R$ 3.85 R$ 4.85 R$ 2.85 NÍVEL MÉDIO 026 027 028 029 030 031 032 033 034 035 036 037 038 * Obs.125.NUCLEP CONCURSO PÚBLICO . Ensino Médio Completo. Curso Técnico em Mecânica e registro profissional correspondente. Ensino Médio Completo.949.432. Ensino Médio Completo.00 R$ 3.123. acrescido de Especialização em Medicina do Trabalho e registro profissional correspondente. Curso Técnico em Eletromecânica e registro profissional correspondente. Ensino Médio Completo. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia e registro profissional correspondente. Ensino Médio Completo.299.125.60 R$ 1.: CR = Cadastro Reserva .590.949.949.60 R$ 1.85 R$ 2.NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A .85 R$ 2.949. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia e registro profissional correspondente. Ensino Médio Completo.48 R$ 2. CR CR CR CR CR CR CR 06 CR CR CR CR CR CR CR CR CR CR 44h 20h 20h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h R$ 4. Ensino Médio Completo.125.299.87 R$ 2. Curso Superior em Medicina.006.

949.: CR = Cadastro Reserva .949.551.949.85 * Obs.949. Curso Técnico em Informática com ênfase em Suporte de Computadores. Curso Técnico em Eletricidade e registro profissional correspondente. abrangendo os seguintes temas: Arquitetura de Computadores.94 R$ 2. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia.85 R$ 2.85 044 045 046 047 Técnico em Secretariado Técnico em Eletricidade (Manutenção) Técnico em Eletrônica (Instrumentista e Manutenção) Técnico em Controle da Qualidade (Calibração) 03 CR CR CR 44h 44h 44h 44h R$ 2.85 R$ 2. Ensino Médio Completo.000 horas/ aula. conforme Catálogo Nacional de Cursos Técnicos do MEC.48 042 CR 44h R$ 1.85 048 Técnico em Controle da Qualidade (Dimensional) CR 44h R$ 2.80 043 Técnico em Informática CR 44h R$ 2.006. Rede de Computadores e Aplicativos Comerciais e carga. com carga profissionalizante mínima de 1.949. acrescido de Especialização em Enfermagem do Trabalho e registro profissional correspondente. Sistemas Operacionais. Infraestrutura de Informática. acrescido de Curso de Qualificação de Inspetor reconhecido pelo SEQUI ou órgão equivalente e registro profissional correspondente.949. Curso Técnico em Enfermagem. Curso Técnico em Contabilidade e registro profissional correspondente.NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A . Curso Técnico em Secretariado e registro profissional correspondente.85 R$ 2. CR CR CR R$ 3.85 R$ 2. Curso Técnico em Eletrônica e registro profissional correspondente Curso Técnico em Eletrônica ou Eletrotécnica e registro profissional correspondente.949.NUCLEP CONCURSO PÚBLICO .364.EDITAL No 01/2010 ANEXO I CÓDIGO DO CARGO PARA INSCRIÇÃO JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) 44h 44h 44h CARGO/FUNÇÃO REQUISITOS VAGAS SALÁRIO-BASE NÍVEL MÉDIO 039 040 041 Supervisor de Telecomunicações Supervisor de Transportes Técnico em Contabilidade Técnico em Enfermagem do Trabalho Curso Técnico em Telecomunicações.

com duração mínima de 80 horas/ aula.85 052 Técnico em Controle da Qualidade (Soldagem) CR 44h R$ 2.85 050 CR 44h R$ 2. Registro profissional correspondente.85 051 Técnico em Controle da Qualidade (Radiografia) CR 44h R$ 2. reconhecido pela ABENDE. com duração mínima de 40 horas/ aula.17 ou órgão equivalente e registro profissional correspondente.85 Técnico em Meio Ambiente Técnico em Métodos e Processos CR CR 44h 44h R$ 2.949.949.949. CNEN 1.949. Curso Técnico em Mecânica e registro profissional correspondente. acrescido de Curso de Radiografia.551. acrescido de Certificação de Qualificação em Soldagem emitida pela FBTS ou Curso de Soldagem. CR 44h R$ 2.: CR = Cadastro Reserva . ASME.85 053 054 055 Técnico em Controle da Qualidade (Ultrassom) CR 44h R$ 2. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia. Saneamento ou afins.EDITAL No 01/2010 ANEXO I CÓDIGO DO CARGO PARA INSCRIÇÃO JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) CARGO/FUNÇÃO REQUISITOS VAGAS SALÁRIO-BASE NÍVEL MÉDIO 049 Técnico em Controle da Qualidade (Ensaios Não Destrutivos LP/PM) Técnico em Controle da Qualidade (Metalografia) Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia. Curso Técnico na Área de Meio Ambiente.17 ou órgão equivalente.85 R$ 3.94 * Obs. Curso Técnico em Metalurgia e registro profissional correspondente. ASME. acrescido de Curso de LP/PM.949. reconhecido pela ABENDE.NUCLEP CONCURSO PÚBLICO . acrescido de Curso de Ultrassom. reconhecido pela ABENDE ou órgão equivalente e credenciamento de RIA pela CNEN e registro profissional correspondente. CNEN 1.949. reconhecido pela FBTS ou órgão equivalente e registro profissional correspondente. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia. Curso Técnico em Mecânica ou Metalurgia.NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A .

125. Ensino Fundamental Completo.80 R$ 1. Ensino Fundamental Completo. Ensino Fundamental Completo. Ensino Fundamental Completo.80 R$ 1.85 R$ 2.949.364. CR CR CR CR 02 CR CR CR CR 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h 44h R$ 2. Ensino Fundamental Completo.80 R$ 1.364.654.NUCLEP CONCURSO PÚBLICO .85 R$ 1.654.949.NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A . Curso Técnico em Segurança do Trabalho e registro profissional no MTE.364. Ensino Fundamental Completo. Metalurgia ou Edificações e registro profissional correspondente.60 R$ 1.: CR = Cadastro Reserva .83 R$ 1.80 R$ 1.EDITAL No 01/2010 ANEXO I CÓDIGO DO CARGO PARA INSCRIÇÃO JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) CARGO/FUNÇÃO REQUISITOS VAGAS SALÁRIO-BASE NÍVEL MÉDIO 056 057 058 059 060 061 062 063 064 Técnico em Planejamento Técnico em Segurança do Trabalho Eletricista Industrial Operador de Jateamento / Pintura Operador de Máquina de Conformação Operador de Movimentação de Carga (Lingasteiro) Operador de Movimentação de Carga (Operador de Empilhadeira) Operador de Movimentação de Carga (Operador de Ponte Rolante) Operador de Utilidades Industriais Curso Técnico em Mecânica.83 NÍVEL FUNDAMENTAL * Obs. Ensino Fundamental Completo.364.

Elaborar projetos de infraestrutura e coordenar sua execução. organização e controle. benefícios. organização e controle. eletrônicos e óticos em metrologia. Executar auditorias internas e de qualificação de fornecedores. os tempos e a freqüência mais adequada aos processos operacionais dos mesmos. Elaborar procedimentos e realizar a calibração de dispositivos. Preparar e/ou revisar manuais. tributação. Analisar contratos. Finanças. Especificar a compra de equipamentos e sobressalentes de informática. tesouraria. envolvendo acompanhamento de processos. envolvendo contabilidade em geral e de custo. Direcionar o atendimento técnico. Gerar e analisar relatórios e definir ações de manutenção proativa. gestão da folha de pagamento. pesquisa. equipamentos e instalações estabelecendo as tarefas. Interagir com os clientes internos para efetuar o levantamento dos requisitos funcionais e não funcionais dos sistemas. pesquisas salariais. equipamentos e instalações estabelecendo as tarefas.SMS. efetivação de testes para avaliação de controles internos. planos e procedimentos de SMS de acordo com as normas de sistema de Segurança. doutrina ou jurisprudência. contábeis e financeiros e outras tarefas afins. Desenvolver sistemas de informação de acordo com os processos de software definidos pela Gerência de Informática. financeira e operacional. Supervisionar as atividades de gestão de SMS em obras específicas da empresa. Desenvolver. Acompanhar e/ou elaborar os processos de admissão. processos seletivos e outras atividades de recursos humanos. atuação em audiências de primeira instância e outras tarefas afins. representação da Empresa em juízo e em órgãos privados e públicos municipais. Produção e Orçamento) Administrador (Material Licitações Públicas) e Advogado Analista (Suporte) de Sistemas Analista de Sistemas (Desenvolvimento) Analista de Sistemas (Help Desk) Assistente Social Auditor (Controle Interno) Auditor de Garantia Qualidade (ISO 9. Elaborar o planejamento da manutenção das máquinas. orçamentos. Meio Ambiente e Saúde. Coordenar. registrar e classificar os incidentes da infraestrutura de TI associados aos chamados dos usuários.001) da Auditor de Garantia Qualidade (ISO 14. valores e operações realizadas. verificação de procedimentos administrativos. tributária e administrativa. efetuar a emissão de notas. Desenvolver atividades de natureza biopsicossocial junto a colaboradores. Verificar o cumprimento e a implementação do sistema de gestão de SMS em todas as áreas da empresa. Analisar. estaduais e federais. Verificar o cumprimento do sistema de gestão da qualidade em todos os processos e nas diversas frentes de trabalho de fabricação de produto e realizar auditorias da qualidade.001) da ou Contador Economista Engenheiro Civil Engenheiro Manutenção Eletricista de Engenheiro Eletrônico (Manutenção e Calibração) . preditiva e corretiva) dos equipamentos. cálculos de viabilidade econômica e financeira e outras tarefas afins. minutas e modelos de contratos comerciais. instrumentos mecânicos. preditiva e corretiva) dos equipamentos. Analisar todo o faturamento emitido contra a empresa. manter a atualização das planilhas do plano médico e do banco de dados de contas a receber. planejar. respostas e consultas internas sobre matéria jurídica. Acompanhar e supervisionar a manutenção (preventiva. saldos e contas. envolvendo investigação em documentos. demissão. minutas de acordo e memorandos de entendimento. contábil. quando necessário. organizar e fiscalizar obras e outras tarefas afins. contas a pagar e receber. e administrativas específicas da área. financeira. pesquisa sobre legislação. planos e procedimentos da qualidade. gráficos e relatórios diversos. Desenvolver atividades de natureza administrativa envolvendo planejamento.ANEXO I . manter contatos com clientes e fornecedores e fornecer informações para a gerência. de acordo com as diversas normas. Planejar e coordenar atividades de natureza contábil. Executar as rotinas de administração e segurança da infraestrutura de TI. efetuar a qualificação e a desqualificação de fornecedores. Gerir os sistemas de treinamento e desenvolvimento. Elaborar projetos e coordenar os trabalhos relacionados ao desenvolvimento de sistemas. econômica. Marketing. análise e interpretação de dados. supervisionar e analisar o dimensionamento dos níveis de estoque e emitir as requisições de materiais. máquinas e instalações eletrônicas e da operação de utilidades. Proceder ao treinamento dos clientes internos no uso dos sistemas desenvolvidos. descrições de funções e atividades afins. os tempos e a freqüência mais adequada aos processos operacionais dos mesmos. fazer análise financeira da documentação. máquinas e instalações eletromecânicas e da operação de utilidades. Instalar e configurar serviços de rede e servidores. Preparar e/ou revisar manuais. Coordenar e desenvolver sua equipe de trabalho. Administrador (RH. Desenvolver atividades em todos os campos do direito. comerciais. e as respectivas famílias. bens. elaboração de petições e peças processuais.001 OHSAS 18. Desenvolver atividades de natureza de auditoria administrativa. Efetuar o levantamento de dados e informações sobre o público da Empresa para fins de "marketing" institucional e promocional. Controlar e elaborar projetos. envolvendo elaborações de editais.CONTINUAÇÃO DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS CARGO/FUNÇÃO DESCRIÇÃO SINTÉTICA Desenvolver atividades de natureza administrativa envolvendo planejamento. avaliações de desempenho. Gerir os processos de licitação para compra de materiais ou aquisição de serviços e os contratos de prestação de serviços especializados. Elaborar o planejamento da manutenção das máquinas. Efetuar testes e homologação dos sistemas desenvolvidos de acordo com os processos de software definidos pela Gerência de Informática. individualmente ou em grupo. Acompanhar e supervisionar a manutenção (preventiva. Homologar e implantar sistemas operacionais e programas diversos.

emitir. Orientar e supervisionar o levantamento das necessidades de treinamento e de desenvolvimento de pessoal. Desenvolver. Na área de produção: elaborar cardápios convencionais. Realizar auditoria.CONTINUAÇÃO DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS Engenheiro Mecânico Desenvolver atividades de engenharia relacionadas com projeto (dimensionamento de equipamentos e estruturas.001. Fazer os exames admissionais. Executar apontamento de mão-de-obra e equipamentos fabris dos serviços em andamento contratados à empresa. Supervisionar e organizar os serviços inerentes à administração e operação do restaurante. Calcular quantidade de consumíveis necessários por obra. consultoria. Planejar e supervisionar as soldas de produção. Acompanhar e fiscalizar a saída de resíduos emitindo o manifesto. avaliando e prescrevendo dietas e suplementos nutricionais para pacientes crônicos e/ou enfermos. Efetuar visitas à fábrica. Controlar o absenteísmodoença. bem como realizar cálculos manuais para validação dos módulos executados pelos programas. testar e supervisionar sistemas. planejando empreendimentos e atividades produtivas e coordenando equipes. Controlar e arquivar documentos próprios.1 e Petrobras (N-0133 e N-2301. VIII e IX e as normas AWS D1. Analisar interna/ externamente quanto a pertinência e adequação de materiais. Na área clínica: Planejar e elaborar cardápios. fabricação (corte. Efetuar a verificação e a correção das horas apontadas após a digitação. Zelar pela correta armazenagem. das condições físicas e de higiene dos utensílios. Analisar e revisar o material didático utilizado no Centro de Treinamento Técnico. Efetuar visita domiciliar e hospitalar. Identificar irregularidades e proceder à negociação de glosas. medicamentos e exames. supervisionando. Implementar as normas regulamentadoras na empresa. Analisar as autorizações prévias de procedimentos. preparar planos de solda específicos para cada junta. seleção de materiais). Planejar. estabelecendo plano de ações preventivas e corretivas. Efetuar o atendimento médico ambulatorial. conformação. Atender. orçamentação e manutenção. assessoria e palestras em nutrição dietética. Efetuar análise in loco. Efetuar o registro das horas trabalhadas e não trabalhadas da mãode-obra e dos equipamentos operantes. qualificar e certificar soldadores. Fornecer suporte técnico na resolução de dúvidas relacionadas ao plano de autogestão. acompanhar. testes. tratamento térmico). Analisar aplicações e selecionar materiais. elaborar procedimentos e relatórios de testes hidrostáticos. montagem. Analisar as solicitações de treinamento e desenvolvimento de pessoal em função das necessidades e dos objetivos estabelecidos pela Empresa. soldagem. Realizar atividades relacionadas à engenharia de produção nas áreas industriais da empresa. de vazamento e de destrutivos. Ministrar palestras de CIPA e CIPAT. Avaliar os processos produtivos quanto aos impactos ambientais. Supervisionar os técnicos de Segurança do setor. pintura. executar e certificar a qualificação do procedimento de soldagem de acordo com o código ASME Seções II. calibração). produtos e serviços ao identificar. processos e métodos produtivos. Executar inspeções nas áreas conforme exigência ISO 14. de acordo com a orientação médica. Participar das campanhas de prevenção de saúde e acidentes. controle da qualidade (ensaios não-destrutivos. conservação e manipulação de gêneros alimentícios. Desenvolver planejar. analisando. Tratamento Engenheiro da Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Engenheiro Ambiente de Meio Médico Auditor Médico do Trabalho Nutricionista Pedagogo Apontador de Produção . organizar e fiscalizar obras e outras tarefas afins. quando necessário. Analisar equipamentos e estruturas utilizando o método de elementos finitos através dos programas SAP 2000 LN e ANSYS. equipamentos e locais de trabalho. orientar e acompanhar os funcionários em termos nutricionais. determinar e analisar suas causas. redação e da fixação e avaliação da aprendizagem. Acompanhar a internação de pacientes com prorrogações. Efetuar a fiscalização de todas as atividades desenvolvidas pela empresa concessionária de serviços de alimentação. movimentação de carga. especiais e de dietas. planejando. Efetuar o controle da qualidade de vasos de pressão. Analisar as contas e conferir os valores de despesas e tabelas. Prestar assistência dietoterápica ambulatorial. à luz do prontuário médico de contas hospitalares. bem como o atendimento de urgência e emergência. aconselhar e orientar os alunos e aprendizes quanto a soluções de problemas de aprendizagem. Elaborar relatórios gerenciais e outras atividades afins. verificar e acompanhar os pedidos de ações corretivas e preventivas. para a verificação do cumprimento das normas do PCMSO. ética e educação para o trabalho. elaborar especificações para aquisição ou ensaio de materiais. quanto à adequação dos objetivos. treinar. educação para saúde. bem como das horas inativas para a devida cobrança ao cliente. acompanhar os programas e campanhas relacionadas à segurança do trabalho. relacionadas à estrutura do curso de formação profissional.ANEXO I . baseando-se na observação da aceitação dos alimentos pelos empregados e no estudo dos meios e técnicas de preparação dos mesmos. Planejar e orientar professores e instrutores quanto a procedimentos pedagógicos que podem ser adotados quando diagnosticados problemas comportamentais e de rendimento escolar. planejamento. treinamentos e atividades de trabalho. Analisar e acompanhar toda a legislação ambiental vigente e a pertinência com os processos industriais. Preparar. Avaliar. mudança de função e retorno ao trabalho. técnica de estudos. Engenheiro Mecânico (Análise de Tensões) Engenheiro (Ensaios de Soldagem e Térmico) Metalúrgico Materiais. Controlar perdas de processos. elaborar e realizar com os alunos atividades didático-pedagógicas.

Gerir o processo de recebimento. utilizando os programas Solid Works e Autocad. efetuando Gerais o devido registro com o carimbador automático.. digitação de textos. visando à Supervisor de Manutenção conservação das áreas da empresa. Executar cálculos simples. Realizar a manutenção preventiva e corretiva da rede telefônica.CONTINUAÇÃO DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS Desenvolver atividades de natureza administrativa . envolvendo recebimento. Fazer o levantamento de materiais necessários. verificando a qualidade e idoneidade dos mesmos. elaboração de planilhas simples em computador e outras tarefas afins Efetuar o recebimento. etc. coleta de preços e negociação junto a fornecedores cujos materiais ou serviços estejam constantes nas solicitações recebidas. serralheria. Detalhar projetos de equipamentos e estruturas utilizando os programas Solid Works e Autocad. atuando na elaboração de relatórios setoriais. Executar operações de importação de materiais e insumos para a produção. Fazer o levantamento dos materiais necessários ao projeto. Preparar e analisar mapas de concorrências com proposta de fornecedores. Planejar e estudar os meios necessários para a execução dos serviços. elaborar material didático. auxiliar nos serviços de arrumação. Encaminhar as ordens de compra e Comprador autorizações de serviços. definindo ou fornecendo informações sobre (Caldeiraria) o conteúdo programático. Ministrar e elaborar cursos e aulas teóricas e práticas. para determinar as Desenhista Projetista dimensões dos componentes do projeto. elaborar os programas das disciplinas Instrutor de Treinamento específicas. envolvendo controle. manutenção civil e manutenção da rede telefônica. atendimento a colaboradores. segurança. Programar e configurar a central telefônica digital através do terminal de administração e manutenção. treinamento e avaliação de desempenho de equipes e de ocupantes de classes anteriores.envolvendo recebimento. bem como Civil sua solicitação e eventual compra. definindo objetivos e estratégias de ensino e de avaliação. Participar de programas de treinamento. marcação e contagem de materiais. apontamento de dados relacionados à seção quanto a plantões. higiene e limpeza do almoxarifado e outras tarefas afins. Pesquisar publicações. Participar de programas de treinamento. Ministrar e elaborar cursos e aulas teóricas e práticas. catálogos. equipamentos e instalações industriais. Aplicar e avaliar exames de qualificação e de certificação de pessoal. Configurar rádios Telecomunicações transceptores. metodologia de ensino e sistema de avaliação. elaborar os programas das disciplinas Instrutor de Treinamento específicas. Projetista a partir de cálculos de dimensionamento e de acordo com as normas e especificações aplicáveis. Realizar pesquisa de mercado. Preparar e analisar mapas de concorrências com propostas de fornecedor. a distribuição e o acompanhamento de serviços das áreas de carpintaria. metodologia de ensino e sistema de avaliação. programação de transporte. Analisar periodicamente as redes primária e secundária. orientação. confecção de Requisição de Materiais (RM) e Requisição de Serviços (RS). trabalho noturno. definindo ou fornecendo informações sobre (Manutenção Eletromecânica) o conteúdo programático. Aplicar e avaliar exames de qualificação e de certificação de pessoal. fazer Auxiliar de Almoxarifado movimentação. Efetuar cálculos básicos e selecionar materiais em geral. mapas demonstrativos e outros documentos semelhantes. Controlar e requisitar materiais utilizados no setor. Desenvolver atividades de natureza administrativa. horas extras. controle e arquivamento/armazenagem de documentos e materiais. atendimento de colaboradores. lançamentos. correspondências. Efetuar a programação. período de descanso. horas extras e trabalho em Auxiliar de Administração turnos. elaborar material didático. Aplicar e avaliar exames de qualificação e de certificação de pessoal. Auxiliar de Pessoal redação de texto em computador e sob orientação e supervisão. Fazer a seleção e o cadastro de fornecedores. levantamento de cálculo simples e estatística básica. atendimentos telefônicos. Coordenar e orientar os empregados terceirizados que atuam no setor. conforme normas específicas. elaborar os programas das disciplinas Instrutor de Treinamento específicas. quadro de horário. definindo objetivos e estratégias de ensino e de avaliação. elaborar material didático. seleção e Supervisor de Serviços distribuição de documentos a serem expedidos para os diversos órgãos da empresa. expedição. Administrar e fiscalizar os contratos pertinentes ao setor. elaborar os programas das disciplinas Instrutor de Treinamento específicas. conforme normas específicas. conforme normas específicas. Elaborar planilhas e Supervisor de relatórios setoriais referentes ao consumo telefônico da Empresa. Aplicar e avaliar exames de qualificação e de certificação de pessoal. Realizar a supervisão e a fiscalização dos serviços de contratos sob sua responsabilidade. . definindo ou fornecendo informações sobre (Usinagem) o conteúdo programático. para a composição de projetos. apontamento de horas trabalhadas. Supervisionar e planejar todas as atividades ligadas à área de telecomunicações. Participar de programas de treinamento. Efetuar o desenvolvimento dos projetos. conforme normas específicas. Desenvolver atividades de natureza de supervisão administrativa. metodologia de ensino e sistema de avaliação. a conferência e a armazenagem dos materiais recebidos. Efetuar o controle e a requisição de materiais para o setor. definindo ou fornecendo informações sobre (Soldagem) o conteúdo programático. Ministrar e elaborar cursos e aulas teóricas e práticas. para a elaboração dos equipamentos e/ou estrutura. definindo objetivos e estratégias de ensino e de avaliação. Levantar dados físicos de máquinas. Ministrar e elaborar cursos e aulas teóricas e práticas. definindo objetivos e estratégias de ensino e de avaliação. metodologia de ensino e sistema de avaliação. expedição. cálculos de pagamento de pessoal e outras atividades afins. controle e arquivamento de documentos. elaborar material didático.ANEXO I . Participar de programas de treinamento.

ANEXO I - CONTINUAÇÃO DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS
Supervisor de Transportes Verificar os serviços executados por empresas contratadas e pelos empregados que atuam no setor. Efetuar a programação e a distribuição dos serviços, compreendendo veículos da empresa e contratados, bem como a coordenação dos funcionários para o pronto atendimento. Controlar os serviços de manutenção de todos os veículos do setor. Distribuir frotas de acordo com os itinerários. Executar, sob orientação e supervisão, atividades de natureza contábil, financeira, econômica, tributária e administrativa, envolvendo lançamentos e cálculos contábeis. Identificar a classificação contábil dos itens adquiridos de acordo com o sistema de apropriação de custos. Emitir Notas de Empenho através do Sistema SIAFI. Contabilizar os pagamentos efetuados pelo caixa. Preparar e encaminhar às seguradoras a documentação para casos de sinistro e endosso. Registrar e controlar as apólices de seguro. Preparar a emissão dos contratos de importação/exportação de mercadorias e de câmbio referentes à aquisição de moeda estrangeira. Auxiliar nas atividades de análise financeira. Executar atividades relacionadas à contabilidade pública e outras afins. Auxiliar médicos e enfermeiros, recebendo os empregados que procuram o ambulatório, preparando medicamentos, fazendo curativos e registrando o atendimento prestado ao paciente, mediante orientação recebida dos seus superiores. Realizar manutenção preventiva e corretiva de equipamentos de informática, identificando os principais componentes de um computador e suas funcionalidades. Identificar as arquiteturas de rede e analisar meios físicos, dispositivos e padrões de comunicação. Avaliar a necessidade de substituição ou mesmo de atualização tecnológica dos componentes de redes. Instalar, configurar e desinstalar programas básicos, utilitários e aplicativos. Realizar procedimentos de backup e recuperação de dados. Organizar compromissos, recepcionar clientes e colaboradores, redigir e digitar a correspondência e documentos de rotina, bem como o uso de Internet para consultas, observando padrões estabelecidos, de forma e estilo, para assegurar o funcionamento do sistema de comunicação interna e externa. Controlar, organizar e manter o arquivo privado de documentos referentes à gerência, procedendo à classificação, etiquetagem e guarda dos mesmos. Executar e/ou orientar a manutenção de máquinas, instalações e equipamentos, ajudando, reparando ou substituindo componentes, peças, conjunto e acessórios, testando e efetuando regulagens convenientes com ajuda de instrumentos de testes e medição, ferramentas, manuais, esquemas, plantas e documentos técnicos, para assegurar o funcionamento regular e permanente. Efetuar a calibração de dispositivos, instrumentos mecânicos, eletrônicos e óticos. Executar e/ou orientar a manutenção de máquinas, instalações e equipamentos, ajudando, reparando ou substituindo componentes, peças, conjunto e acessórios, testando e efetuando regulagens convenientes com ajuda de instrumentos de testes e medição, ferramentas, manuais, esquemas, plantas e documentos técnicos, para assegurar o funcionamento regular e permanente. Executar ensaios de calibração, emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Executar ensaios geométricos, emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Executar ensaios não destrutivos de Líquido Penetrante e Partícula Magnética (LPPM), emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Executar ensaios metalográficos, emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Executar ensaios radiográficos, emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Executar ensaios de inspeção de soldagem, emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Executar ensaios de ultrassom, emitindo laudos, elaborando procedimentos e analisando resultados. Auxiliar profissionais de nível superior na disseminação da cultura ambiental e na implementação da gestão ambiental na empresa. Executar inspeções técnicas ambientais. Elaborar manifestos de resíduos e planilhas de controle de gerenciamento de resíduos, relatório dos afluentes gerados e de emissões atmosféricas. Interpretar resultados analíticos de análises de água, ar e solo. Investigar e analisar os acidentes ambientais e propor ações preventivas e corretivas. Realizar outras atividades afins à área de Meio Ambiente. Fazer o preparo do delineamento, a partir dos desenhos e documentos pertinentes. Efetuar a seleção dos métodos, técnicas e processos, para cada atividade delineada. Definir os tempos de máquinas, consumíveis e mão-de-obra requerida, para cada atividade delineada. Executar tarefas de caráter técnico relacionado ao planejamento e controle da produção. Efetuar a programação de mão-de-obra e máquinas necessárias aos serviços, bem como a disponibilização dos materiais necessários. Elaborar macro e micro cronogramas para acompanhamento das atividades produtivas. Elaborar relatórios ao final da obra e atualizar planos e arranjo de corte de materiais.

Técnico em Contabilidade

Técnico em Enfermagem do Trabalho

Técnico em Informática

Técnico em Secretariado

Técnico em Eletricidade (Manutenção)

Técnico em Eletrônica (Instrumentista e Manutenção) Técnico em Controle da Qualidade (Calibração) Técnico em Controle da Qualidade (Dimensional) Técnico em Controle da Qualidade (Ensaios Não Destrutivos LP/PM) Técnico em Controle da Qualidade (Metalografia) Técnico em Controle da Qualidade (Radiografia) Técnico em Controle da Qualidade (Soldagem) Técnico em Controle da Qualidade (Ultrassom)

Técnico em Meio Ambiente

Técnico em Métodos e Processos

Técnico em Planejamento

ANEXO I - CONTINUAÇÃO DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS
Técnico em Segurança do Trabalho Executar inspeções de Segurança do Trabalho, atendendo o que preconizam as normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego, nos diversos setores da empresa. Ministrar cursos de Prevenção de Acidentes de Trabalho e Combate a Incêndio. Investigar os acidentes de trabalho ocorridos na empresa. Executar a manutenção de máquinas, equipamentos, instalações elétricas e motores. Efetuar montagem de novos equipamentos e instalações, especificando materiais e componentes necessários. Operar equipamentos de jateamento, alimentando com granalha ou material especifico. Efetuar a proteção de superfícies da ação de abrasivos ou de tintas. Pintar superfícies internas e externas de estruturas. Fazer uso de prensas, calandras e viradeiras, regulando e controlando os equipamentos, bem como utilizando os instrumentos de medições para atender as especificações dos desenhos. Executar amarração com utilização de cabos de aço, cintas, correntes ou outros acessórios apropriados às condições de cargas a transportar; sinalizar manualmente, segundo normas padronizadas, os movimentos a serem realizados pelos operadores de equipamentos, quando do transporte de cargas; operar macacos hidráulicos e mecânicos, talhas elétricas e manuais, tirfor e outros acessórios. Operar empilhadeira observando o limite de peso máximo admissível em conformidade com as normas de segurança; utilizar tabelas de ângulos permissíveis e tabelas de carga para correntes e demais acessórios utilizados em cada transporte; selecionar o equipamento de movimentação de carga mais apropriado para o transporte, observando a sua capacidade e sinalizar. Operar ponte rolante para transportar cargas leves ou pesadas, executando os movimentos mecânicos indicados por sinais manuais, observando as condições de normalidade na área de operação, em conformidade com as normas de segurança. Fazer a inspeção da ponte rolante, bem como relatar a inspeção segundo procedimento técnico específico. Executar amarração com utilização de cabos de aço, cintas, correntes ou outros acessórios apropriados às condições de cargas a transportar. Operar macacos hidráulicos e mecânicos, talhas elétricas e manuais, tirfor e outros acessórios. Operar equipamentos dos sistemas de ar comprimido, refrigeração, gases, oxigênio, água potável, industrial, incêndio, estação de tratamento de efluentes, subestações e geradores, manobrando equipamentos e efetuando leituras de indicadores de pressão, vazão, temperatura, umidade, nível, tensão, corrente e potência, controlando nível de estoque e contatando fornecedores para abastecimento.

Eletricista Industrial Operador de Jateamento/ Pintura Operador de Máquina de Conformação Operador de Movimentação de Carga (Lingasteiro)

Operador de Movimentação de Carga (Operador de Empilhadeira)

Operador de Movimentação de Carga (Operador de Ponte Rolante)

Operador de Utilidades Industriais

ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS E PRÁTICAS Escolaridade: Nível Superior
Cargo Disciplina Número de Questões 20 10 Valor de cada Questão 10 05 Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 25

Administrador Geral (RH, Finanças, Conhecimentos Técnico-profissionais Marketing, Produção, Orçamento), Administrador de Suprimentos (Material e Noções de Informática Licitações Públicas), Assistente Social, Auditor (Controle Interno), Contador, Economista, Engenheiro Civil, Médico Português Auditor, Médico do Trabalho, Nutricionista.

10

05

50

25

Cargo

Disciplina

Número de Questões 20 10 10

Valor de cada Questão 10 05 05

Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 50

Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 25

Analista de Sistemas (Desenvolvimento), Analista de Sistemas (Suporte), Analista de Sistemas (Help Desk), Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 9.001), Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 14.001 ou OHSAS 18.001).

Conhecimentos Técnico-profissionais Inglês Português

25 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 15 15 20

Cargo

Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Inglês Noções de Informática Português

Número de Questões 20 06 06 08

Valor de cada Questão 10 05 05 05

Pedagogo.

Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 30 30 40

* Obs.: Nas provas objetivas classificatórias será reprovado o candidato que obtiver nota 0 (zero).

Engenheiro Eletricista de Manutenção. Engenheiro Mecânico (Análise de Tensões). Conhecimentos Técnico-profissionais Conhecimentos Adicionais (Inglês e Noções de Informática) Português 10 05 50 25 Cargo Disciplina Número de Questões 30 10 Valor de cada Questão 10 05 Máximo de Pontos em cada Disciplina 300 50 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 150 25 Conhecimentos Técnico-profissionais Advogado. Engenheiro Eletrônico (Manutenção e Calibração). Soldagem e Tratamento Térmico).: Nas provas objetivas classificatórias será reprovado o candidato que obtiver nota 0 (zero). Engenheiro Metalúrgico (Ensaios de Materiais. . Conhecimentos Adicionais (Inglês e Português) * Obs. Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Meio Ambiente. Engenheiro de Segurança do Trabalho.ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS E PRÁTICAS Continuação: Nível Superior Cargo Disciplina Número de Questões 20 10 Valor de cada Questão 10 05 Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 25 Engenheiro de Produção.

Técnico em Meio Ambiente. Projetista. Técnico em Controle da Inglês Qualidade (Metalografia).: Nas provas objetivas classificatórias será reprovado o candidato que obtiver nota 0 (zero). Técnico em Controle da Qualidade (Soldagem). Técnico em Eletrônica (Instrumentista e Manutenção). 20 10 10 05 50 Classificatória 10 05 50 25 Cargo Disciplina Número de Questões 20 10 10 - Valor de cada Questão 10 05 05 - Técnico em Controle da Qualidade Conhecimentos Técnico-profissionais (Calibração). Técnico em Inglês Controle da Qualidade (Dimensional).ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS E PRÁTICAS Escolaridade: Nível Médio Cargo Disciplina Número de Questões Valor de cada Questão Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 Desenhista Projetista. Técnico em Métodos e Processos. Técnico em Controle da Português Qualidade (Ultrassom). Técnico em Informática. Técnico em Controle da Qualidade (Radiografia). Técnico em Conhecimentos Técnico-profissionais Eletricidade (Manutenção). Técnico em Planejamento. Técnico em Controle da Qualidade (Ensaios Não Destrutivos LP/PM). . Português Prova Prática 2ª Fase do Concurso Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 50 600 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 Classificatória 25 300 * Obs.

2ª Fase do Concurso Máximo de Pontos em cada Disciplina 100 50 50 50 500 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 50 25 25 25 250 Cargo Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Noções de Informática Inglês Português Número de Questões 10 10 10 10 Valor de cada Questão 10 05 05 05 Comprador. Supervisor de Manutenção Civil. Auxiliar de Almoxarifado. Supervisor de Transportes. Auxiliar de Pessoal. .ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS E PRÁTICAS Continuação: Nível Médio Cargo Disciplina Número de Questões 20 10 Valor de cada Questão 10 05 Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 20 Apontador de Produção.: Nas provas objetivas classificatórias será reprovado o candidato que obtiver nota 0 (zero). Técnico de Segurança do Trabalho. Técnico em Noções de Informática Contabilidade. Máximo de Pontos em cada Disciplina 100 50 50 50 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 50 25 25 25 * Obs. Supervisor de Serviços Gerais. 10 05 50 25 Cargo Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Noções de Informática Inglês Português Prova Prático-oral Número de Questões 10 10 10 10 - Valor de cada Questão 10 05 05 05 - Técnico em Secretariado. Supervisor Português de Telecomunicações. Auxiliar de Conhecimentos Técnico-profissionais Administração.

Instrutor de Treinamento (Soldagem). Cargo Instrutor de Treinamento (Caldeiraria). Instrutor de Treinamento (Manutenção Eletromecânica). 2ª Fase do Concurso Escolaridade: Nível Fundamental Completo Cargo Disciplina Número de Questões 20 Valor de cada Questão 10 Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 Eletricista Industrial. Operador de Movimentação de Carga (Operador de Empilhadeira). . Operador de Português Movimentação de Carga (Operador de Ponte Rolante). Operador de Movimentação de Carga (Lingasteiro). Operador de Máquina de Conformação.ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS E PRÁTICAS Continuação: Nível Médio Cargo Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Português Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Conhecimentos Adicionais (Fundamentos Pedagógicos e Informática) Português Prova Prática Número de Questões 20 10 Número de Questões 20 10 10 Valor de cada Questão 10 05 Valor de cada Questão 10 05 05 Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 Máximo de Pontos em cada Disciplina 200 50 50 600 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 25 Mínimo de Pontos em cada Disciplina 100 25 25 300 Técnico em Enfermagem do Trabalho. Operador de Utilidades Industriais.: Nas provas objetivas classificatórias será reprovado o candidato que obtiver nota 0 (zero). Instrutor de Treinamento (Usinagem). Operador de Conhecimentos Técnico-profissionais Jateamento / Pintura. 2ª Fase do Concurso Prova Prática 10 05 50 Classificatória - - 500 250 * Obs.

elétrica e nuclear. científico. Discurso direto. relações de coordenação e subordinação entre frases. Rio de Janeiro: Metáfora. 4. Ingedore. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. Gráficos. Fontes. subtítulo. Tabelas. Ortografia (de acordo com o novo acordo ortográfico) SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AZEREDO. Ferramentas. 6. Engenheiro de Produção. 1997. Task Reading. Redes de computadores: conceitos básicos e conexões. Luiz Carlos. Referências e pressuposições internas e externas ao texto. DAVIES et al. Cambridge: Cambridge University Press. Identificar e demonstrar conhecimento básico sobre aspectos gramaticais e sintáticos da língua inglesa: tempos e modos verbais. organização interna. Antecipar o tema de um texto. SOUZA. Engenheiro Mecânico. 1999. funções e componentes e dispositivos de armazenamento e de entrada e saída. Finanças. Economista. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Artigos de temática técnica diversificada em revistas. Identificar recursos lingüísticos que promovem a coesão e a coerência das idéias em um texto: elementos de co-referência (palavras que se referem a uma mesma realidade lingüística. 1990. ilustração. CINTRA. Fontes. criação. 12. características. Comunicação e Prosa Moderna. São Paulo: Contexto. ilustração. FIORIN. 8. Estilos. 3. MSOffice 2003/2007 BR (Excel) X BrOffice. a predicação (verbos).001). Formular hipóteses sobre a função de um texto a partir de elementos pré-lingüísticos e de recursos gráficos. wrong word. operação de microcomputadores. L. 5. Celso. Pontuação. TRAVAGLIA. et. Auditor (Controle Interno). Engenheiro Mecânico (Análise de Tensões). CUNHA. Assistente Social. Cambridge: Cambridge University Press. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Antecipar o tema de um texto. ALEXANDER. 6. Soldagem e Tratamento Térmico). gráficos e tabelas. Introdução à leitura em inglês. COBUILD Student’s Grammar. London: Longman. Hardware: conceitos. Médico do Trabalho. 1985.1 (Writer): conceitos. fotografias. Engenheiro Mecânico. 4. Nutricionista. Salvar arquivos. Othon Moacir. Identificar o tema principal de um texto. Impressão. Lindley. DAVIES et al. intertextualidade. Leitura em Língua Inglesa: uma abordagem instrumental. SOUZA. Figuras de linguagem. fotografias. Ferramentas.org 3. RIBEIRO. Francisco Platão. 5. Microinformática: Modalidades de processamento. WEISZFLOG. didático etc. criação. Impressão. Tabelas. Soldagem e Tratamento Térmico). 5. gráficos e tabelas. 6. Elementos de construção do texto e seu sentido: figuras de linguagem. 11. 7. São Paulo: Disal. Etiquetas. Software: conceitos. A.org 5. digitação e manipulação de planilhas. interfaces e conexões.1 (Calc): conceitos. Windows98/XP/Vista/7. Impressão. 8. 9. Engenheiro de Meio Ambiente. GAMA. Estilos. Formular hipóteses sobre a função de um texto a partir de elementos pré-lingüísticos e de recursos gráficos. digitação e manipulação de arquivos. 9. dúvidas e dificuldades para o ensino. Localizar informações pontuais e explícitas em textos. Adriana et. COLLINS. A Coerência Textual. 1. 10. desenhos.ANEXO III – Conteúdos Programáticos e Sugestões Bibliográficas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM NÍVEL SUPERIOR Português para todos os cargos de Nível Superior 1. Repensando a língua portuguesa). MSOffice 2003/2007 BR (Powerpoint) X BrOffice. Fontes. Identificar o tema principal de um texto. 2. argumentativo. Inferir o sentido de palavras/expressões com base no contexto lingüístico e no conhecimento prévio sobre o tema de um texto. O novo acordo ortográfico: soluções. Identificar e demonstrar conhecimento superior sobre aspectos gramaticais e sintáticos da língua inglesa: tempos e modos verbais. 6. 3. 7. São Paulo: Publifolha. Engenheiro de Segurança do Trabalho. 1. W. Criatividade e produtividade lexicais: mecanismos de derivação e construção de sentido. características. Mala Direta. jornais. COLLINS. barramentos. Task Reading. 4. Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 14. informações apresentadas em quadros. 1. Localizar informações pontuais e explícitas em textos. W. Formatação. Compreender/interpretar idéias/informações em textos escritos de natureza técnica: engenharia mecânica. Administrador de Suprimentos (Material e Licitações Públicas). Compreender/interpretar idéias/informações em textos escritos de natureza diversificada na área de atuação da NUCLEP. 2005. Apreender o sentido global de um texto. Estilos. London: Collins. Inglês para os cargos de Advogado. Leitura em Língua Inglesa: uma abordagem instrumental. digitação e manipulação de apresentações. 2008. sistemas operacionais 2. 5. Auditor de Garantia da Qualidade (ISO 9. poético. pronomes. GARCIA. Utilização dos recursos. José Luiz. Atalhos de teclado. W. 2. 3. ALEXANDER. Right word. 2008. Inferir o sentido de palavras/expressões com base no contexto lingüístico e no conhecimento prévio sobre o tema de um texto. de indicação de circunstâncias e outras relações entre idéias.al. campos semânticos. Tabelas. Formatação. garantindo a manutenção e a progressão das idéias em um texto: sinônimos. Pedagogo. 1995. Engenheiro Metalúrgico (Ensaios de Materiais. 1995.org 4. Construção dos argumentos: raciocínio indutivo e dedutivo. recursos sintáticos de ênfase. características. 1990. Formas e funções dos diversos gêneros textuais – narrativo. Utilização dos recursos. Engenheiro Eletricista de Manutenção. Salvar arquivos. Michaelis Moderno Dicionário: InglêsPortuguês/Português-Inglês. Pedagogo. 2005. Sentido e emprego dos vocábulos. os fenômenos da sinonímia e da antonímia no discurso. jornais. Inglês para os cargos de Analista de Sistemas (Desenvolvimento). Classes de palavras segundo sua função comunicativa: a designação (substantivos). Engenheiro Mecânico (Análise de Tensões). Marketing. mídias. Internet . São Paulo: Melhoramentos. informações apresentadas em quadros. São Paulo: Disal. Execução de procedimentos operacionais de rotina. São Paulo: Ática. Apreender o sentido global de um texto. a partir do título. relações de coordenação e subordinação entre frases. Ferramentas. Edição. utilizando software ou aplicativos instalados nas áreas de atuação. Para Entender o Texto: leitura e redação. periódicos e sites da Internet. preposições e conjunções e suas funções no texto. Engenheiro Eletrônico (Manutenção e Calibração). Engenheiro Eletricista de Manutenção. Utilização dos recursos. expressões definidas). elétrica e nuclear em revistas. imagens e desenhos. 2. W. Edição. Adriana et. Noções de Informática para os cargos de Administrador Geral (RH.G.al. Formatação. Rio de Janeiro: FGV. Produção. D. 2005. São Paulo: Melhoramentos. Manoel P. Engenheiro de Meio Ambiente. Engenheiro de Segurança do Trabalho. L.001). KOCH. 1998. a modificação (adjetivos e advérbios). Contador. Processos sintáticos de organização da oração e do período. MSOffice 2003/2007 BR (Word) X BrOffice. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Artigos de temática relacionada à engenharia mecânica. Michaelis Moderno Dicionário: InglêsPortuguês/Português-Inglês. fatores de coerência e de coesão textuais. SAVIOLI. polissemia.1 (Impress): conceitos. 1991 (Col. subtítulo. Médico Auditor. 3. Engenheiro Metalúrgico (Ensaios de Materiais. Cartas e correspondências. London: Longman. Edição. periódicos e sites da Internet. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Right word. Salvar arquivos. COBUILD Student’s Grammar. Atalhos de teclado. 8. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho. indireto e indireto livre. wrong word. Engenheiro Eletrônico (Manutenção e Calibração). Analista de Sistemas (Suporte).001 ou OHSAS 18. al. 7. 1998. Analista de Sistemas (Help Desk). Atalhos de teclado. WEISZFLOG. London: Collins. Engenheiro de Produção. 4. imagens. D. jornalístico. criação.G. 2005. preposições e conjunções e suas funções no texto. Orçamento). 2005. a partir do título. Engenheiro Civil. José Carlos de.

Orçamento e Controle. 5. São Paulo: Atlas. Análise do orçamento empresarial. Administração de Marketing.5. Administração da Produção . Guia de Bolso do Administrador. 2007.1. 2. Francisco R. Segurança de equipamentos. HELP/AJUDA DO SOFTWARE.3.2. 2.12. Conceitos de Educação.9. PRODUÇÃO E ORÇAMENTO) 1.5. São Paulo: Atlas. 2.3. FREZATTI. São Paulo: Pearson Education. 2.6.4. Idalberto. 2001. questionário. MARTINS. 2005 (série Gestão de Pessoas). SOUZA.4. 2009. matérias-primas. Avaliação de Desempenho . Eduardo.3. 4. 5. NÍVEL SUPERIOR CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS ADMINISTRADOR GERAL (RH. modalidades e técnicas de acesso à Internet. HIPÓLITO..2. Melhoramento. 2. Pesquisa de mercado. em redes e na internet: cuidados. PEREIRA FILHO. Orçamentos: de produção. Campus.2. Administração do capital de giro. Técnicas de Aprendizagem.6. William R. fiscalização trabalhista.2. 2. e com o bem-estar dos empregados. Informática para Concursos.13. Idalberto. João L.3. 2.. 2. 2.2. Reclamações trabalhistas – preposto. MORAZ.13.11. COBRA. Orçamento.2. Tipos de treinamento: Treinamento Operacional.7.6. Sistemas de PCP.5. do resultado. 5. Kevin. Conceito. MANUAIS TÉCNICOS. Digerati Books.3.5. 5. Processo de recrutamento de pessoas. 2007.12. Remuneração . Medidas de segurança. São Paulo: Atlas. 2. 2. 5. Benefícios e Relações de Trabalho. Richard B. 4. Márcia Regina.4. 5. controle.2. Ciência Moderna. 2005. AQUILANO. Estruturação e desenvolvimento de novo produto.2. 2. Deobel G. 2.7.1.11.6.2. Administração de Marketing.4. 4. 2. dinâmica de grupo. 8. O treinamento à distância.1.4. BERALDO. Recrutamento e Seleção . Serviços – Marketing e Gestão. Finanças. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BERGAMINI.1. 4. técnicas. objetivos e aplicações. 6.6. Princípios de aprendizagem.2.4. São Paulo: Saraiva.1. Treinamento e Desenvolvimento no contexto da administração de recursos humanos.1. 2. 2006. dentre outras. 2002.2. Marketing de serviços. 3. GITMAN. 5. catálogo de endereços. Recursos Humanos. 4. 2. O perfil do instrutor de treinamento. Métodos de avaliação do desempenho: escalas gráficas. 2. Administração da Produção. 2010.17. SAWAYA. 5. desenho e modelos de cargos.10. 2.3.13. categorias predeterminadas.. Avaliação financeira. Orçamento geral e orçamentos flexíveis. Fábio.12. 2006.1. 4. . Marketing: Responsabilidade social e meio ambiente.6. 2.12. 2000. 2000. cálculo dos encargos sociais. custos indiretos de fabricação. observação.3. Recursos multimeios.3. Estudo de tempos e movimentos. Gestão de operações em serviços. Digerati.10.5. Desenvolvimento de estratégias. 3. MARKETING. Matemática financeira. com as necessidades humanas. canal. 2. Treinamento Administrativo e Treinamento de Chefias. Demonstrações financeiras. 2.11. Carreiras e Remuneração. retorno e valor. Marcelo M. Administração mercadológica. browsers. Rubens. Gary. Cargos.7. Lawrence J. DAVIS. 1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO. MRP/MRPII. Sistemas integrados de gestão – ERP (Enterprise resource planning).2. Projeto. 2. Philip. comparação por fatores e avaliação por pontos.3. Política salarial: consistência interna e externa da remuneração.14. 4. Fernando Piero. Planejamento estratégico. 2. 5. Contabilização do orçamento. Modelos de gestão dos benefícios.1. Noções de Informática para Concursos. 5. 2. Fontes de custeio dos benefícios. 2.. Princípios de Administração Financeira. dramatização. Educação Profissional.10. 2.6. entrevista. Método do caminho crítico. LAUGENI. Planejamento do orçamento de marketing.2. escalonamento. comunicação. Aplicação de métodos e técnicas de treinamento.5. CHASE. Processo e etapas de seleção.2.5. Formas de concessão dos benefícios. Conceito. BISPO. 1996. P. ARMSTRONG. Administração de salários – conceito e objetivo. 2005. Rotina da folha de pagamento. Técnicas de seleção: entrevistas. Orçamento de investimentos – ativo permanente e patrimônio líquido. Utilização de recursos audiovisuais.3.1. 2006. Fator Humano e Desempenho: o melhor de Peter Drucker sobre administração. Porto Alegre: Bookman.4.6.4.3. 2001. 3. Avaliações das atividades de T e D.2. Teoria da administração.7.5.1. Elsevier.5. 4.8. Avaliação de Desempenho Humano na Empresa 4 Ed.X Intranet X Extranet: conceitos.1.3. São Paulo LTC. 6. Jorge.2ª Ed. 5. backup. 5. Nicholas J. Recursos Humanos – Gestão de Pessoas. 5.10. 2. BITTENCOURT. Lauren. 3. e-mail. Métodos de Treinamento. CAEIRO. WRIGHT.5. distribuição física. 2. 4. A aprendizagem de adultos. Desenho do sistema de remuneração.5. Fatores de avaliação de um plano de benefícios. Produto. Planejamento agregado. gestão e avaliação de desempenho empresarial. São Paulo: Manole. Administração de recursos materiais.3.1.8. 5. Planejamento financeiro. 5.4. 2008. Rio de Janeiro: Campus.15. Planejamento estratégico voltado para o mercado. CHIAVENATO. 2.5. CHIAVENATO. Joel. Maria Zélia A. Tipos de recrutamento. Instrumentos de avaliação de desempenho. DIGERATI. 6.1. utilização dos recursos. Remuneração. KELLER. 2. 2.2. São Paulo: Atlas. 6.2. Localização de empresas. de sistemas.2.9. técnicas. propaganda.7.16.2. Jadiel. Benefícios com os riscos sociais. Formação dos avaliadores: objetivos métodos e técnicas. Petronio Garcia. Manual do Departamento Pessoal.3.4. 2. funcionalidades. RUAS.2. Formulação de Objetivos Instrucionais. 4. Informática para Concursos Públicos. KOTLER. 2. 2. São Paulo: Atlas. Marcos.9. Estruturação Organizacional. escolha forçada. 12. Microsoft Windows XP Professional. CHIAVENATO. Conceito: salário nominal e salário real – composição. 3. direção. Desafio da produção. navegação. Programação e Execução do treinamento. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 2. Christopher. Utilização da descrição e análise de cargos e funções.6. 2. As etapas do processo de T&D e as Fontes e os Métodos de identificação das necessidades de treinamento e desenvolvimento. Análise do ambiente. ed. WebMail X Outlook Express X Thunderbird. 2. Orçamento empresarial. Fontes de financiamento em longo prazo.5. 2. São Paulo: Pearson Education. Introdução ao Marketing. Informática para Concursos. 2. 12ª Ed. Pesquisa salarial: conceito. São Paulo: Thompson Pioneira.1. 2. Benefício . 5. Aspectos motivacionais do desenho de cargos e funções. despesas comerciais e administrativas.2. 6. Filas de espera. Os principais benefícios oferecidos pelas empresas.6.1. 6.3. 2. Lay out.5.2.7. DRUKER. Segmentação de mercado.2. Fundamentos da Administração da Produção. Endomarketing.3. Benefícios flexíveis.3. fluxo de caixa.2. São Paulo: STS.4.4. 2. 2. 2006. Classificação dos benefícios.4. Avaliação dos resultados da avaliação de desempenho. 2. 101 Dicas: Microsoft Word. 2005. Supply chain e logística. 4. LOVELOCK.2. Dicionário de Informática e Internet: Inglês/Português. Enriquecimento de cargos e funções. Descrição e análise de cargos: métodos de colheita de dados sobre cargos e funções. 2. Administração Salarial.6. mão-de-obra direta. 7. 3.5. 4. Nobel. 2.5. Avaliação de classificação de cargos: métodos de avaliação de cargos: tradicionais.14. Mark M.9. Teoria Geral da Administração. Conceito e técnicas.3.6. DUTRA. 5. Objetivos e estrutura do órgão de T&D.8. São Paulo: Atlas. atalhos de teclado.3. 1. pesquisa de campo.3. Cecília Whitaker.4. Marketing. 4.3. Treinamento e Desenvolvimento .10. 2003. Processo de contratação e registro de pessoal.13. 2008.6. Administração da produção / operações. FRANCA. Conceitos básicos sobre valor do dinheiro no tempo: risco. Decisões: de preço. Planejamento e controle.5. Bookman.5.2.6.2. pesquisa.5. 2008. organização.5. Idalberto. São Paulo: Saraiva. 6. José Antonio Monteiro.3. vírus.3.4. Técnicas e métodos de divulgação de recrutamento.11. Prática do processo administrativo: funções essenciais da administração – planejamento. Planejamento. Avaliação participativa por objetivos.2. 2.2. 6.4. 2004. FINANÇAS. 5. custo de produção e vendas. Método dos incidentes críticos e lista de verificação. Planejamento de programas de marketing. 2.8. 4. 2. 5.3.4. STANEK. 2. João Antônio.4.ed. Recompensas organizacionais: financeiras e não financeiras.ed. 2.3. KOTLER. 3. Rio de Janeiro: FGV. Peter F.2.R.2. 2. Administração de Carreiras – uma proposta para repensar a gestão de pessoas.1.1. 2. Administração de Pessoal .

Lei de Responsabilidade Fiscal. obrigações alternativas. Orçamento Empresarial. contratos aleatórios. bens divisíveis e indivisíveis. Empreitada. ROCHA. 5. compensação. objeto. Administracao de Departamento Pessoal. Doação: Disposições gerais e revogação. Propriedade fiduciária. Princípios. subjetiva e objetiva.ed. Classificação. Benedito R. Administração de Materiais. limites entre prédios e direito de tapagem e direito de construir. Espécies de Contrato: Compra e venda: Disposições gerais e cláusulas especiais. fundações.009/1990). 2004. MAXIMIANO. Contratos civis: Elementos e efeitos dos contratos. Agência e distribuição. Marçal. Adimplemento e extinção das obrigações: Pagamento: Sujeitos. 3. Propriedade: Disposições gerais. Nigel. passagem forçada. Serviços públicos. Parcerias. Controle interno. JOHNSTON. Maria D. pagamento com sub-rogação. Habilitação. 7. modalidades de pessoas jurídicas (associações. Compromisso. Extinção do contrato. Marketing – uma Visão Brasileira. ciclo de compras. Classificação. dação em pagamento.ed. Conceito. Privatização e terceirização. Adjudicação. 2009. Armazenamento e movimentação de material. Pessoa jurídica: Personalidade. São Paulo: Atlas. invalidade (nulidade a anulabilidade) do negócio jurídico. Fundamentos. administração do condomínio. Habilitação. Elaboração e Análise . condomínio necessário. preempção ou preferência. modo de alegação e prazos. Transmissão das obrigações: Cessão de crédito e Assunção de Dívida. Princípios. Atos jurídicos lícito e ilícito. Decreto-lei 4. especificação. Cláusulas essenciais. termo e encargo. morte e sucessão provisória e sucessão definitiva da pessoa natural.657/1942). Planejamento Estratégico e Gestão do Desempenho para Resultados. Administração da Produção . conservativos e extintivos do fato jurídico. Raimar. Direitos de vizinhança: uso anormal da propriedade. Administração da produção e operações. árvores limítrofes. 1. importância.2ª Edição: São Paulo: Atlas. Recursos administrativos. Direito Civil (Lei 10. Prestação de serviço. CHRISTENSEN. Comentários à Lei das Licitações e Contratações da Administração Pública. Corretagem. CHAMBERS. Compras e aquisições de materiais. 1999. São Paulo: Atlas. contrato com pessoa a declarar. emancipação. Teoria Geral da Administração. 2005. nome e seu registro (Lei de Registros Públicos. baixas e segurança. Depósito: Classes: Depósitos voluntário e necessário. São Paulo: Prentice Hall. atividades. seguro de dano e de pessoa. Direitos e vantagens.LUCENA. efeitos e extinção da fiança. WOILER. Transporte: Disposições gerais. Elementos constitutivos do negócio jurídico (Pressupostos de existência). São Paulo: Thompson Pioneira. pelo registro do título e por acessão). Atividades e sistemas da função distribuição. Direitos reais: Posse: Conceituação. lugar e tempo do pagamento. retrovenda. sociedades de fato e sociedades irregulares). Rio de Janeiro. Obrigação de indenizar e fixação da indenização. Administração patrimonial. Inventário. Licitação. REIS. gestão de negócios. comissão e adjunção). Atlas. Agentes públicos. São Paulo: Editora Negócio. aquisição da propriedade móvel (usucapião. 2008. São Paulo: Erica. Bem de família: Convencional e legal (Lei 8. São Paulo: Dialética. obrigações do mandatário e do mandante. capacidade. Fases da licitação. Conceito. Limitações administrativas. Prática de orçamento empresarial.A. MOREIRA.P. novação. distinção e classificação de fato. ato e negócio jurídicos. Classificação. Concessão. Benfeitorias. Direito das obrigações. causas. Validade. Carl. Stuart. MOTTA. classificação aquisição. VIANNA. SOBANSKI. Transação. KRAJENSKI. Prescrição e decadência: distinção. Responsabilidade civil: Distinção entre responsabilidade contratual e extracontratual. extinção do condomínio. Seguro: Disposições gerais. representação. extinção do mandato. Regime jurídico. Efeitos aquisitivos. dolo. mandatos voluntário e judicial. Antonio C. Estoques. PONTES. transporte de pessoas e de coisas. Meios de produção de prova. obrigações de fazer e não fazer. Avaliação 360º – um Instrumento de Desenvolvimento Gerencial. Formação dos contratos: Estipulação em favor de terceiro. 11. mora. Pressupostos dos atos. aquisição da propriedade Imóvel (por usucapião. perdas e danos. Introdução à Administração. Larry. Requisitos. tipos e técnicas utilizadas. juros legais e convencionais. São Paulo: Atlas. PEREIRA JÚNIOR. 2004. DIREITO CIVIL. 6. Administração de Material. Inadimplemento das obrigações: Efeitos do adimplemento e do inadimplemento. Constituição de renda. venda a contento e venda sujeita a prova. vícios redibitórios. José Carlos. eficácia. modificativos. Prova: objeto. Extinção do contrato: Distrato. direta e indireta. Bens imóveis e móveis. Samsão. estado de perigo e fraude contra credores. exercício e extinção das servidões. SILVA. Fato jurídico: Conceituação e classificação. estados (individual. Fiança: Disposições gerais. Bens jurídicos: Classes: Bens considerados em si mesmos: Bens corpóreos e incorpóreos. SLACK. Condomínio edilício: Disposições gerais. ônus e licitude. contrato preliminar. efeitos e perda da posse. Abuso de direito. evicção. RICHERS. tombamento. Servidões: Constituição. Marco Aurélio P. Conceito. Lee J. Discricionariedade. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO. capacidade. A Constituição e os servidores públicos. Condomínio geral: Condomínio voluntário (direitos e deveres dos condôminos e administração do condomínio). interpretação e aplicação das normas civis (Lei de Introdução ao Código Civil. ausência. obrigações divisíveis e indivisíveis e obrigações solidárias (solidariedade ativa e passiva). Bens considerados em relação ao sujeito: Bens públicos e particulares. pagamento indevido. permissão e autorização. Causas impeditivas. representação. resolução por onerosidade excessiva. 2. São Paulo: Atlas. Marilene L. perda da propriedade. Washington F. 2004. Parte geral: Pessoa natural: Personalidade. Controle da Administração. Jaert J. Formas de extinção das obrigações: Pagamento em consignação. DIAS. ADVOGADO DIREITO ADMINISTRATIVO. Conceito. venda com reserva de domínio. Características. Fases da licitação. Fernando C. descoberta. cláusula resolutiva. 1999. Direito dos contratos. Empréstimo: Classes: Comodato e mútuo. interruptivas da prescrição. Administração de Materiais. Mandato: Disposições gerais. Bens reciprocamente considerados: Bens principais e acessórios. Comissão. Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos. métodos de dimensionamento e controle. Frutos e produtos: Modalidades e distinções. Teoria da imprevisão. Controle externo. . 2003. representação e simulação. lesão. Angela. Isabella G. Direitos da personalidade. Classificação. responsabilidade e extinção. JUSTEN FILHO. Jogo e da aposta. acessões e pertenças: Modalidades e distinções. validade. ocupação. coação. São Paulo: Atlas. bens singulares e coletivos. São Paulo. Bens fungíveis e consumíveis.. Controle legislativo. confusão. 2002. métodos de avaliação. familiar e político). Administração de Cargos e Salários. Jessé Torres. Eficácia do negócio jurídico: condição. VASCONCELOS. Anulação e revogação. judicial e popular. Contratos administrativos. confusão e remissão das dívidas. Germano Glufke. Campus. João J. Robert. cláusula penal e arras ou sinal. Locação de coisas.S. curadoria dos bens do ausente. Vinculação e discricionariedade. Agentes políticos. gestão. achado do tesouro. São Paulo: Atlas. conceitos. Anulação e revogação. Lei 6. Modalidades. 6. Contrato estimatório. modalidades. Equilíbrio econômico-financeiro. Alteração do contrato. Atos Unilaterais: Promessa de recompensa. Essência. Marketing – Teoria e Prática no Brasil. Atos administrativos. MARTINS. Obrigações: Modalidades: Obrigações de dar coisa certa e incerta. Recursos administrativos. Organização do setor administrativo de material e planejamento das atividades. Administração de Materiais. Propriedade resolúvel. promessa de fato de terceiro. início. águas. Revogação e anulação. 2. Rio de Janeiro: Renovar. São Paulo: LTR. Projetos Planejamento . 2002. passagem de cabos e tubulações. Edital. tradição. venda sobre documentos. Idalberto. Modalidades. suspensivas. RITZMAN. Atlas. Conceitos básicos. Dispensa e inexigibilidade. ciclo da função almoxarifado. Depreciação dos materiais. Troca ou permuta. Aspectos normativos. Licitação.015/1973).3ª Ed. Adjudicação. 4. São Paulo. enriquecimento sem causa. São Paulo: Atlas. Defeitos do negócio jurídico: Erro. Domicílio civil das pessoas natural e jurídica. Dispensa e inexigibilidade. ADMINISTRADOR DE LICITAÇÕES PÚBLICAS) SUPRIMENTOS (MATERIAL E 1. imputação do pagamento. Poder de polícia.406/2002): Vigência. assistência. Conceito. entes despersonalizados. Edital. Sanções administrativas. 2009. Recursos. bens simples e compostos.

direitos e deveres do usufrutuário e extinção do usufruto. embargos à execução e embargos na execução por carta. Organização e divisão do Poder Judiciário (Constituição Federal/1988). oficial de justiça. atos do juiz e atos do escrivão ou chefe de secretaria. Tempo dos atos processuais: Prazos processuais: regras de contagem e verificação dos prazos e das penalidades. Audiência: Conciliação e instrução e julgamento.347/1985 e Lei 8. Cartas. prova documental (força probante dos documentos. estatuto social. 10. Extinção do contrato de trabalho.101/2005. 9. Orientações Jurisprudenciais do T. Participação recíproca. 7. penhor legal.S. Securitização de recebíveis.906/1994 e Código de Ética e Disciplina da OAB). Comissão de Valores Mobiliários. exceção de incompetência. Procedimento de prestação de contas. modificativos ou extintivos do pedido e alegações do réu. Salário e remuneração. . administração e fiscalização. Distinção entre procedimentos especiais de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária. penhora de créditos e de outros direitos patrimoniais. Provas: Depoimento pessoal. insolvência requerida pelo credor.078/1990). Processo de execução: Execução em geral: Partes. Extinção do processo. Valores mobiliários. Formação do processo. Processo nos tribunais: Uniformização da jurisprudência. Cumprimento de sentença. despesas. depositário. recurso especial e ordem dos processos no tribunal.257/2001. e extinção das obrigações. atribuições do administrador. Sociedades prestadoras de serviços públicos. Comunicações dos atos processuais: Disposições gerais. Procedimentos de anulação e de substituição de títulos ao portador. requisitos necessários para realizar qualquer execução (inadimplemento do devedor e título executivo). competência interna. avaliação e da arrematação. incorporação. Mercado de capitais. penhora. Contratos empresariais. de impedimento e de suspeição. Sociedades subsidiárias de empresas estatais. Juízo arbitral (Lei 9. Tutela Antecipada. responsabilidade patrimonial. Uso. Juiz: Poderes.T. disposições gerais sobre pagamento ao credor. 5. exibição de documento ou coisa. responsabilidade. Desconsideração da personalidade jurídica. Espécies de execução: execução para a entrega de coisa (entrega de coisa certa e incerta). DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Oferta pública para aquisição de controle. Execução contra a fazenda pública. Empresa pública e sociedade de economia mista. Suspensão e Interrupção do contrato. DIREITO EMPRESARIAL.Usufruto: Disposições gerais. depósito e administração de empresa e de outros estabelecimentos. Administração. Procedimentos especiais: Teoria geral dos procedimentos especiais. Sentença: Requisitos e efeitos da sentença. Procedimento de depósito. Revelia. verificação e da classificação dos créditos. Formulação objetiva da teoria da desconsideração. inspeção judicial. Jornada de trabalho. Execução por quantia certa contra devedor insolvente: Disposições gerais. Aspectos societários das empresas estatais. Advocacia Pública. valoração e produção da prova testemunhal). Procedimento sumário. Lei 8. Aplicação da teoria da desconsideração. extinção do penhor. atos em geral. Valor da causa. contrato social. Hipóteses legais. Providências preliminares: Verificação dos efeitos da revelia. nomeação à autoria. insolvência. Teoria da empresa. Project finance. Garantia de emprego. Competência: competência internacional. prova testemunhal (admissibilidade. Distribuição e do registro. Falência e recuperação de empresas. Orientações Jurisprudenciais do T.259/2001). deveres. declaração de inconstitucionalidade. Indeferimento da petição inicial. Intervenção de terceiros: Assistência: Simples e litisconsorcial. Execução. Jurisdição. Falência. assembléia geral. embargos à execução fundada em título extrajudicial. Direito do promitente comprador.307/1996). Legitimação: ordinária e extraordinária. competência funcional. Recursos: Teoria geral dos recursos. Procedimento de manutenção. penhor de veículos. Procedimento de restauração de autos. homologação de sentença estrangeira e ação rescisória. alienação por iniciativa popular. responsabilidade. Suspensão do processo. Mandado de segurança individual e coletivo (Lei 12. Atos processuais: Forma dos atos processuais. Procuradores: Representação processual. A falência.858/1980). citações e intimações. Desconsideração inversa. Sociedade limitada e sociedade anônima. Sociedades controladoras e coligadas. Código Civil/2002. confissão. Juizados especiais cíveis estaduais e federais (Lei 9. Responsabilidade do Estado como acionista controlador de sociedade de economia mista. Transferência de controle da SPE. de reintegração de posse e interdito proibitório). insolvência requerida pelo devedor ou pelo seu espólio. Contrato de gestão e contrato de gerência. audiência preliminar e saneamento do processo. penhora. avaliação. administrador e intérprete. Recursos. Suspensão e da extinção do processo de execução. Procedimentos de usucapião de terras particulares (usucapião ordinário. embargos infringentes e embargos de declaração.016/2009). competência. recurso extraordinário. Recuperação extrajudicial. Elementos de formação do contrato. 3. depósito. Grupo de sociedades.S. capacidade de estar em juízo e capacidade postulatória. Procedimentos de busca e apreensão e de depósito de coisa vendida a crédito com reserva de domínio e de coisa gravada com alienação fiduciária em garantia (Decreto-lei 911/1969). Ações e debêntures. alienação em hasta pública. Processo coletivo (Lei 4. hipoteca legal. inventário extrajudicial e requerimento de alvará judicial (Lei 6. competência em razão do valor e da matéria. Liquidação de sentença. Prazos. Capacidade processual: capacidade de ser parte. declaração judicial de insolvência. Procedimentos de inventário. Elementos da sociedade. competência territorial. Sociedade simples e sociedade empresária. Provas. Defensoria Pública e Advocacia (Constituição Federal/1988). 4.717/1965. Resposta do réu: Contestação. Constituição Federal/1988. Estabelecimento. Processo de conhecimento: Distinção entre processo e procedimento. Lei 7. Julgamento conforme o estado do processo: Extinção do processo. penhor agrícola e penhor pecuário). Competência. Distribuição de lucros em prejuízo de credores. Sociedade de propósito específico. Audiência. Sociedades personificadas e despersonificadas. Sociedade limitada: responsabilidade dos sócios.T. Aspectos processuais. Procedimento de habilitação. Aspectos societários das parcerias público-privadas. Súmulas do T. penhor industrial e mercantil. Ordem de satisfação dos credores. julgamento antecipado da lide. Penhor: Disposições gerais. Companhia aberta e companhia fechada. Hipoteca: Disposições gerais. a recuperação judicial e a recuperação extrajudicial da empresa estatal e da sociedade prestadora de serviços públicos. Terceirização de mão de obra. fusão e cisão.T. Consórcio de sociedades. fatos impeditivos. Auxiliares da justiça: Serventuário. Personalidade jurídica. Funções essenciais à justiça: Ministério Público. declaração incidente. Litisconsórcio. disposições gerais. administração e fiscalização. Princípio da autonomia patrimonial. Direito coletivo. multas e substituição das partes. 6. Contrato individual de trabalho. substituição dos procuradores. Procedimentos possessórios (disposições gerais. Férias. Poder geral de cautela. Relações entre sociedades. Procedimento comum cautelar. operações societárias e dissolução da sociedade. Partes: Deveres. Capital social e patrimônio. penhor de direitos e títulos de crédito. Lugar dos atos processuais. Procedimento monitório. Procedimento ordinário: Petição inicial: requisitos e pedido.S. Acordo de acionistas. Objeto social. Aumento de capital. Espécies.S. atos da parte. arguição de falsidade e produção da prova documental). Coisa julgada. Empresa e sociedade empresária. partilha. adjudicação. constituição do penhor.T.869/1973): Aplicação da norma processual no tempo e no espaço. impedimentos e suspeição do juiz. nulidades. Procedimento de divisão e da demarcação de terras particulares. Subsidiária integral. Distinção entre procedimentos comum ordinário e comum sumário. deveres e responsabilidade (Estatuto da Advocacia e da OAB. Registro de empresas. perito. Nulidades. Segurança e Medicina do trabalho. DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. reconvenção. Operações societárias: transformação. Anticrese. apelação. Alienação de controle. Direito Processual Civil (Lei 5. A Administração Pública e o direito do trabalho. modificações da competência e declaração de incompetência. citação do devedor e da nomeação de bens à penhora. denunciação da lide e chamamento ao processo. Habitação. oposição. Embargos do devedor: Disposições gerais. especial e coletivo. Controle societário. Sociedade anônima: responsabilidade dos sócios. Procedimento de consignação em pagamento. 8. execução das obrigações de fazer e de não fazer (disposições comuns e particulares). Procedimento de embargos de terceiros. extraordinário. saldo devedor. Súmulas do T. Processo cautelar: Teoria geral do processo cautelar. Dissolução e liquidação da sociedade. agravo (retido e de instrumento).099/1995 e Lei 10. Lei 6. 1.969/1981 e Lei 10. Principais aspectos da Lei nº 11. Recursos para o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça: Recursos ordinários. embargos à execução contra a fazenda pública. Nome empresarial. DIREITO DO TRABALHO. prova pericial. execução por quantia certa contra devedor solvente (disposições gerais sobre penhora. entrega do dinheiro e usufruto de móvel ou imóvel). registro e extinção da hipoteca e hipoteca de vias férreas. penhor rural (disposições gerais. direitos e obrigações do credor pignoratício. pagamento ao credor. assembléia geral. Pressuposto da licitude. Execução de prestação alimentícia. 2. arrolamento. Recuperação judicial. Procedimento de nunciação de obra nova.

Fábio Ulhôa. 296 p. Desestatização. Construção de algoritmos. vol. Disseminação de conhecimentos de microinformática e utilização da Internet. Wireless. Carlos Roberto. 4. C. Microcomputadores X Mainframes. __________. Comentários à lei das licitações e contratações da administração pública. Fundamentos. detecção de problemas. Sérgio Cruz. São Paulo: Revista dos Tribunais. Métodos de acesso. 5. Modalidades e técnicas de acesso à Internet. Segurança. São Paulo: Revista dos Tribunais. Organismos nacionais e internacionais de padronização. A Sociedade de Propósito Específico nas Parcerias Público-Privadas.269-289. Direito administrativo brasileiro. Procedimentos e funções. Metodologias Estruturada. Cobit e . MEIRELLES. Projeto de bancos de dados. Programação Orientada a Objetos. 2005. Processo Unificado Rational (RUP). SQL. Manual prático das licitações. Parcerias na administração pública. Direito civil brasileiro: Parte geral. análise. Valentin. Ferramentas. XML.2. C++ e C#. THEODORO JR. vol. aterramento. tunning. São Paulo: Revista dos tribunais. DIDIER JR. Ivan Barbosa & BOTTINO. Waldirio. CARRION. Testes. Fredie. Direito do Trabalho. AZEVEDO. Visual Basic. José Edwaldo Tavares. Adilson Abreu. Curso de direito administrativo. São Paulo: Malheiros Ed. Belo Horizonte: Del Rey. projeto. Backup. Coordenação: Flávio Amaral Garcia. Firewall. especificação. Teoria da Computação e Algoritmos. Gerência de Projetos. Planejamento Estratégico de Sistemas de Informação. CSS. O servidor público na Constituição de 1988. 2005. Hardware X Software. Criptografia. Maria Sylvia Zanella. São Paulo: Atlas. São Paulo: Saraiva. Rio de Janeiro: Renovar. Direito civil brasileiro: Direito das coisas. Conhecimentos sobre PERT e MSProject. 474p.NET com utilização de IDEs. Vólia Bonfim. Tipos de sinais. Redes de Computadores e Web. Direito civil brasileiro: Teoria geral das obrigações. XHTML. Mônica. DALLARI. Álvaro Villaça. 14. Rio de Janeiro: Renovar. Marçal. Qualidade de Software (ISO e CMM/CMMI). Análise de Pontos de Função. O Direito de Empresa à Luz do Novo Código Civil. Modalidades de processamento. . São Paulo: Saraiva. Marco Tullio. Contratos: Direito civil e empresarial.. Programação Estruturada. São Paulo: Saraiva.). GONÇALVES. JSP. PEREIRA JÚNIOR. Modelagem. Conhecimentos sobre Requisitos e Especificação de Sistemas. Direito Societário.ed. Henrique Bastos. Máscara de rede. BORBA. Proteção e Segurança em redes e na Internet. Rio de Janeiro: FGV. Avaliação de sistemas. Instalação e configuração. São Paulo: Revista dos Tribunais. PHP. Conceitos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BANDEIRA DE MELLO. Manutenção de sistemas. Contratos Mercantis. Bancos de Dados Orientados a Objeto. Revista de Direito da Associação dos Procuradores do Novo Estado do Rio de Janeiro. São Paulo: Atlas. Software de navegação e de e-mail. Seguro e resseguro. Márcio Henrique Mendes da. SILVA. COELHO. Odete. W3C. São Paulo: Saraiva. SOUTO. 1. pesquisa. ____________. __________. Direito civil brasileiro: Contratos e atos unilaterais. Tecnologias. CIDR. Ciclo de Vida. PENTEADO. de produtos e de serviços disponíveis no mercado. MOTTA. VoIP. Gerenciamento do banco de dados. Protocolos. São Paulo: Malheiros Ed. Procedimentos especiais. BULGARELLI. Essencial e Orientada a Objetos. FRANCO. Instalação e configuração. 581p. São Paulo: Saraiva. Conceitos. Microinformática e Sistemas de Computação. desenvolvimento e implementação de sistemas de informação. vol. Bancos de Dados em Aplicações Cliente/Servidor. Modelagem. Arquitetura Cliente/Servidor. Sérgio. São Paulo: Saraiva. HTML. Modelos PMI/PMBOK. Carlos Pinto Coelho et alli. Octávio Bueno.Net. Rio de Janeiro: Forense. ____________..org 3. Cristiano Chaves de. Sérgio. JavaScript. Conceitos. ROCHA. Vera Helena de Mello. RIGOLIN.administração/configuração. prevenção. Jessé Torres. Documentação técnica de sistemas. ASP. Suporte e apoio a Usuário. Interface e conectividade Web. Processo de conhecimento. São Paulo: Atlas. Estruturas básicas de programação. São Paulo: Saraiva. GIGLIO. Alienação fiduciária em garantia. Direito das coisas. Celso Antonio. Dicionarização. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 2. Curso de Direito Comercial. 3. 9. São Paulo: Método. Ambientes de desenvolvimento JAVA (Eclipse e NetBeans) e . p. CAMPINHO. Ambientes Windows X Linux X Unix. Treinamento de usuários. 5. Humberto. Manual de procedimentos especiais cíveis de legislação extravagante. SERVLETS e JSP (Apache Tomcat. GAJARDONI. Modelo OSI/ISO. Direito administrativo moderno. Modulação. Direito Processual do Trabalho. GUSMÃO. Modelagem. Pascal. Redes de alta velocidade. Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. Projeto e Implementação.ed. Recursividade. Carlos Henrique Bezerra. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. Análise e Desenvolvimento. Delphi. Hely Lopes. RT. São Paulo: Dialética. planejamento. Segurança física e lógica: backup. 2005. São Paulo: LTR.Contratos bancários. Topologias. CAMPINHO. 6. Sistemas de Informação – Projeto. AJAX. MEDAUAR. Arquivo e registro. Diagramas. CASSAR. Segurança. Falência e Recuperação de Empresa. Controle de proteção. Pseudocódigo e Fluxograma. Ferramentas. Administração de bases de dados. UML. MSOffice 2003/2007 BR e BrOffice. Conhecimentos básicos sobre DB2. Arquitetura TCP/IP. 5. 2006. de tamanho fixo e de tamanho variável. privatização. Rio de Janeiro: Lumen Juris. vol. Programas.. Instalação. configuração e operação. Execução. Dreamweaver. 4. São Paulo: Revista dos Tribunais. Interconexão de redes. Sistemas Operacionais. LEITE. Conceitos. RIGOLIN. MAGANO. Padrões. DI PIETRO. Administração de banco de dados. Arrendamento mercantil (leasing). Plataforma . Valentin. concessões e terceirizações. 2006. São Paulo: Saraiva. São Paulo: Ed. 3. 2004. Fomento mercantil (factoring). Ordenação. ____________. Processo cautelar. Acesso. Interfaces.ed. Imagens. São Paulo: Saraiva. Engenharia de Software.ed. São Paulo: LTR. Conceitos. São Paulo: Revista dos Tribunais CARRION. DI PIETRO. Ivan Barbosa. Délio. Fernando da Fonseca. São Paulo: Saraiva. Modalidades de transmissão. Wagner D. Plano Diretor de Informática. RT. Bancos de Dados. Normas ABNT. Rio de Janeiro: Renovar. Regime constitucional dos servidores públicos. Maria Sylvia Zanella. Fases de Projeto. Softwares Corel Draw. Rio de Janeiro: Impetus. vol. ANALISTA DE SISTEMAS (SUPORTE) 1. Internet X Intranet X Extranet. São Paulo: Ed. Responsabilidade fiscal. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. Direito civil: Introdução. Organização e Arquitetura de computadores. São Paulo: Revista dos tribunais. Rio de Janeiro: Lumen Juris. São Paulo: Saraiva. Algoritmos de busca. recuperação. Abordagem Relacional. Fireworks e Flash. Luciano Camargo. São Paulo: LTR. Passagem de parâmetros. Segurança da Informação. Procedimentos Especiais Cíveis: Legislação Extravagante. Organização de arquivos e métodos de acesso. __________. Manual de Direito do Trabalho. Cabeamento estruturado. SGML. Inglês Técnico. Planejamento e Controle de Projetos. Análise. Instalação e atualização de versão de banco de dados. Cobol. Sistemas de numeração. Equipamentos. Direito Empresarial.ed. DLL e DML. Meios de transmissão. Curso de direito processual civil. Prototipação. vírus. SGBD. Segurança da Informação e Auditoria de Sistemas. Direito administrativo. Modelo EntidadeRelacionamento. JUSTEN FILHO. Marcos Juruena Villela. SQL Server. Luiz Guilherme. MySQL e Oracle. Software CASE: Rational Rose e PowerDesigner. Direito do Trabalho: Rio de Janeiro: Impetus. MARINONI. 377p. Terminologia. Java. Rio de Janeiro: Renovar. 2. ARENHART. Direito civil brasileiro: Responsabilidade civil. 3 vols. AMARAL NETO. integridade e concorrência.. 1. restrições e normalizações. MARANHÃO. vols. ____________. 2001. 4. Francisco. 2 e 3. FARIAS. Teoria geral das obrigações. 5. Applet Java. Estruturas de Dados. Rio de Janeiro: Renovar. Direito Processual do Trabalho. 694 p. Formas Normais.

C. R. Sistemas de numeração. Oracle Database 11g Novos Recursos.. MAGALHÃES. Campus. B. E. Organismos nacionais e internacionais de padronização. COMER. Terminologia. Planejamento Estratégico de Sistemas de Informação. Érica. Campus. J. Campus. Desenvolvimento de Sistemas para implantação e operação na Web. Pearson. tunning. 2006. C. TCP/IP Tutorial e Técnico. P. Backup. EBERSPACHER. Campus. 2007. Projeto de bancos de dados. Visual Books. Conhecimentos básicos sobre DB2. SCHMIDT. W. 2005. Métodos de acesso. J. Linn. Pearson. Novatec. Algoritmos de busca. Wireless. Desenvolvendo Web Sites Dinâmicos . Isaias Camilo. Alta Books. I. DataWarehouse. JANDL JR. 2006. planejamento. N. Software CASE: Rational Rose e PowerDesigner. Arquitetura TCP/IP. K. Ferramentas. G. Tecnologias. Diagramas. Planejamento. 2005 STALLINGS. & OGLE. Programação Orientada a Objetos. HELDMAN. 2004. 2007.Net. E. Formas Normais. VoIP. 2002. 2008. RUMBAUGH. Controle de proteção. Robert G. Redes de Computadores e Internet. Instalação. Applet Java. Pascal. Análise. A. JavaScript. Campus. 2005. 2006. Alta Books. Gestão Empresarial e ERP. 2007. 2004. P. FREEMAN. Banco de Dados. 2006. A. Hardware. 2007. Gerenciamento de Serviços de TI na Prática. Construção de algoritmos e de programas. Prototipação. 2004. Campus. A. Projeto. Projeto. J. W. Formas de representação. Apoio a Usuário. MySQL e Oracle. H.Tecnologia e Projeto de Data Warehouse. MORIMOTO. Plataforma . Brasport. McGrawHill. Gerência de Projetos. Testes. Projeto e Implementação. ASP. Criptografia. L. 2002. Padrões. Use a Cabeça SQL. 2006. Ed. Programação Orientada a Objetos em Java. H. Campus. Cobol. Modalidades de processamento. Normas ABNT.administração/configuração. 2007. Executar rotinas e orientar os usuários quanto aos procedimentos de segurança de dados e acesso aplicados na instalação. Edgard Blucher. Sistemas de Computação & Microinformática. 4. Redes e Sistemas de Comunicação de Dados. SQL Server. Segurança de sistemas. M. D. Ed. Instalação e configuração. MARTINS. Conceitos. dos & ARIMA. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. Documentação técnica de sistemas. Suporte e apoio a Usuário. DATE. EBERSPACHER. Campus. Conceitos. Avaliação de sistemas. COMER. STALLINGS. Planejamento e Controle de Projetos. Protocolos. Java Guia do Programador.org 3. Alta Books. Arquitetura de computadores. C. Redes e Servidores Linux: Guia Prático. MURHAMMER. Sistemas de Apoio à Decisão. VPN. Cabeamento estruturado. F. J.PHP. Backup. Campus. configuração e operação. Java Guia do Programador. H. W. XML. Campus. J. Análise e Desenvolvimento de Sistemas de Informação e Desenvolvimento Web. Redes de Computadores. Ferramentas. 2005. Administração e Gerenciamento de bases de dados. D. 2008. Prentice Hall. PATTON. Fases.NET com utilização de IDEs. Oracle Database 11g Novos Recursos. 2003. Atlas. Isaias Camilo. Linux. & BOOCH. JavaScript: a Bíblia. F. Campus. Instalação e atualização de versão de banco de dados. 2006. FREEMAN. A. Dicionarização.. Procedimentos e funções. Sistemas Operacionais. Estudo Dirigido de SQL: Structured Query Language. K. & MARTIN. et all. Modalidades de transmissão. Segurança da Informação e na Web. YOURDON. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objeto. requisitos. C#: Como Programar. FOROUZAN. Lógica de Programação: a Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. Makron Books. Disseminação de conhecimentos de microinformática e utilização dos recursos na Web. Campus. HTML. 2004. Software. HELDMAN. Desvendando o Linux: Torne-se um Especialista Nesse Poderoso Sistema. Ambientes Windows X Linux X Unix. Navegação e e-mail. GOODMAN. & BLAHA. Organização Estruturada de Computadores. Gerência de Projetos: Guia para o Exame Oficial do PMI. Sul Editores. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEIGHLEY. & PINHEIRO. SAP R/3. SAP R/3. Delphi. Arquitetura Cliente/Servidor. Data Mining. L. K. Business Inteligence. E. Redes de Computadores. Projeto. 2006. restrições e normalizações. F. E. 2007. Metodologias. JANDL JR. Gestão Empresarial e ERP. especificação. J. Segurança da Informação e Auditoria de Sistemas. Redes de alta velocidade. Prestação de serviço e suporte às áreas usuárias. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. C. C++ e C#. Interfaces. Essencial e Orientada a Objetos. 2006. UML. Desenvolvimento de aplicativos e soluções no ambiente Web. Modelagem e Projetos Baseados em Objetos com UML 2. Modalidades e técnicas de acesso à Internet. XHTML. 1990. Tipos de sinais. M. 2000. Robert G. Makron Books. Dreamweaver. AJAX. Manuais Técnicos e Help/Ajuda de Software. W. Lógica de Programação: a Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. 2009. Conceitos. Recursividade. MANZANO. & SANTOS. 2004. PHP. Imagens. BORATTI. Sul Editores. . SERVLETS e JSP (Apache Tomcat. I. TANENBAUM. análise. FOROUZAN. Alta Books. C. Interligação em Rede com TCP/IP. Qualidade de Software (ISO e CMM/CMMI). Segurança. Campus. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. Gestão de projetos de segurança da informação. Equipamentos. J. WAZLAWICK. SQL. 2003. Campus. JSP. Métodos de acesso. H. J.). & DEITEL. Projetando e Administrando Banco de Dados SQL Server 2000. BORATTI. ASP. Novatec. 2. J. Makron Books. N. Entendendo o Sistema: Guia Prático. Manutenção de sistemas. D. SETZER. Arquivo e registro. C. 2009 GOODMAN. & JACOBSON. 2003. Arquivos. 2005. & ROSS.ITIL. Modelos PMI/PMBOK. DATE. A. Internet X Intranet X Extranet. B. Acesso. Visual Basic. UML: Guia do Usuário. C. Data Mining. Makron Books. Interligação em Rede com TCP/IP. Business Inteligence. P. Abordagem Relacional. Cobit e ITIL. M. DLL e DML. D. Modelo OSI/ISO. JavaScript: a Bíblia. Browsers. Topologias. Programação Estruturada. Fundamentos de Auditoria de Sistemas. JSP. Inglês Técnico. Addison Wesley. RUMBAUGH. recuperação. C#: Como Programar. desenvolvimento e implementação de sistemas de informação. Ordenação. 2005. F. CSS. Disseminação de conhecimentos de microinformática e utilização da Internet. Campus. W. ROCHA. Modelagem. E. Softwares Corel Draw. Modulação. Meios de transmissão. 2002. Use a Cabeça SQL. Algoritmos X Programação X Bancos de Dados. W3C. 2001. C. P. MS-Office 2003/2007 BR e BrOffice. M. ANALISTA DE SISTEMAS (DESENVOLVIMENTO) 1. integridade e concorrência. 2007. P. CIDR. Modelagem. E. S. Metodologias Estruturada. Arquitetura e Organização de Computadores. R. Análise de Pontos de Função. Modelagem. Linn. Normas ABNT. TANENBAUM. 2003. Processo Unificado Rational (RUP). SGML. Érica. J. C. Conhecimentos sobre PERT e MSProject. Conceitos. Estruturas de controle e de dados. KUROSE. 2008. de equipamentos e em redes. Ciclo de Vida. de tamanho fixo e de tamanho variável. A. W . R. Engenharia de Software. Ambientes de desenvolvimento JAVA (Eclipse e NetBeans) e . Digeratti Books. Novatec. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. S. Programas. 2008. G. & DEITEL. mantendo atualizado e em operação softwares antivírus. Conceitos sobre Bancos de Dados. pesquisa. SGBD. Fireworks e Flash. detecção de problemas. C. MACHADO. Bancos de Dados Cliente/Servidor e Orientado a Objeto. 2001. de produtos e de serviços disponíveis no mercado. Análise Estruturada Moderna. MORIMOTO. 3.2. DEITEL. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEIGHLEY. B. McGrawHill. Conceitos. Interface e conectividade Web. Java. Programação Orientada a Objetos em Java. Modelo Entidade-Relacionamento. H. Conhecimentos sobre Requisitos e Especificação de Sistemas. DEITEL. Gerência de Projetos: Guia para o Exame Oficial do PMI. Visual Books. Passagem de parâmetros. Interconexão de redes. Sistemas de Apoio à Decisão. Treinamento de usuários. Máscara de rede. DataWarehouse. Instalação e configuração. Alta Books. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. J. Análise. Plano Diretor de Informática. MORIMOTO.

J. Addison Wesley. MORIMOTO. 2003. Sul Editores. PEREIRA. 2004. FOROUZAN. Disseminação de conhecimentos de microinformática e utilização da Internet. Projeto. J. Redes e Sistemas de Comunicação de Dados. SAP R/3. Tipos de sinais. Robert G. 2001. Programas. 2009. 2007. Gerência de Projetos: Guia para o Exame Oficial do PMI. A. Browsers. Applet Java. Digeratti Books. Diagramas. Microcomputadores X Mainframes. & ROSS. Executar rotinas e orientar os usuários quanto aos procedimentos de segurança de dados e acesso aplicados na instalação. 2002. R. L. VoIP. & MARTIN. COMER. Projeto e Implementação. 2004. S. 2002. Fireworks e Flash. Modelos PMI/PMBOK. G. Campus. EBERSPACHER. Projeto de bancos de dados. Qualidade de Software (ISO e CMM/CMMI). Acesso. Engenharia de Software. Hardware X Software. 2002. L. Ed. RUMBAUGH. Ciência Moderna. Normas ABNT. Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Bancos de Dados em Aplicações Cliente/Servidor. et all. E. E. restrições e normalizações. Padrões. Metodologias Estruturada. WAZLAWICK. 2008. & MARTIN. A. J. SGML. E. YOURDON. análise. C. Gestão de projetos de segurança da informação. MS-Office 2003/2007 BR e BrOffice. 2006. Métodos de acesso. PATTON. E. ASP. Gerência de Projetos. Érica. Cobit e ITIL. Gerenciamento e Administração de Bases de Dados. 2. L. C. G. Wireless. Érica. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. Prototipação. SERVLETS e JSP (Apache Tomcat. SGBD. FREEMAN. 2006. Linux. Fases de Projeto. HELDMAN. Conceitos sobre Algoritmos e Programação. A. Redes de alta velocidade. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objeto. J. Sistemas Operacionais. projeto. MySQL e Oracle.PHP. MORIMOTO. 2002. F. C. Documentação técnica de sistemas. Equipamentos. planejamento. Busca. I. N. Conceitos sobre Bancos de Dados. administração. Firewall. N. H. Visual Basic. Segurança na Internet. R. Arquivo e registro. Tecnologia e Projeto de Data Warehouse. E. C. Controle de proteção. Conhecimentos sobre PERT e MSProject. TCP/IP Tutorial e Técnico. Campus. C#: Como Programar. Campus. Campus. Redes de Computadores e Internet. Instalação e configuração. Sistemas de Apoio à Decisão. KUROSE. Avaliação de sistemas. H. 2005. 2007. Érica. Modelagem. Novatec. Desenvolvendo Web Sites Dinâmicos . Organização Estruturada de Computadores. JSP. M. JSP.KUROSE. D. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEIGHLEY. Modelagem. configuração e operação. STALLINGS. & ROSS. Visual Books. Linn. Administração de bases de dados. SQL. DATE. Érica. Ciclo de Vida. 2005. Manuais Técnicos e Help/Ajuda de Software. N. Oracle Database 11g Novos Recursos. XHTML. Conhecimentos sobre Requisitos e Especificação de Sistemas. I. Instalação. 1990. D. Pearson. C. 2000. Fundamentos de Auditoria de Sistemas. Essencial e Orientada a Objetos. 2003. MAGALHÃES. MORIMOTO.). Suporte e Apoio a Usuário. RUMBAUGH. Internet X Intranet X Extranet. ANALISTA DE SISTEMAS (HELP DESK) 1. Interconexão de redes. Brasport. JavaScript: a Bíblia. Delphi. POMPILHO.NET com utilização de IDEs. Lógica de Programação: a Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. Instalação e atualização de versão de banco de dados. Análise de Pontos de Função. 2005. 2003. Novatec. K. E. S. STALLINGS. Ferramentas. Navegação. & JACOBSON. MARTINS. Normas ABNT. POMPILHO. Desvendando o Linux: Torne-se um Especialista Nesse Poderoso Sistema. 3. Interligação em Rede com TCP/IP. DEITEL. Tecnologias. Análise Estruturada Moderna. J. 2007. A. 2003 Tecnologia e Projeto de Data Warehouse.2. M. 2002. Modalidades e técnicas de acesso. Gerenciamento de Serviços de TI na Prática. L. W. Desenvolvendo Web Sites Dinâmicos . F. Arquitetura e Organização de Computadores. Campus. Redes e Servidores Linux: Guia Prático. XML. Procedimentos e funções. B. Análise Essencial: Guia Prático de Análise de Sistemas. Métodos de acesso. Redes de Computadores: Conceitos. Criptografia. Meios de transmissão. Apoio a Usuário. Alta Books. W.PHP. dos & ARIMA. & PINHEIRO. Desvendando o Linux: Torne-se um Especialista Nesse Poderoso Sistema. Programação e Bancos de Dados. SETZER. Estudo Dirigido de SQL: Structured Query Language. S. Java. E-mail. Edgard Blucher. Entendendo o Sistema: Guia Prático. Suporte e Treinamento de usuários. & OGLE. Formas Normais. Alta Books. Campus. & PINHEIRO. Atlas. Sistemas de Computação e Microinformática. E. Ferramentas CASE: Rational Rose e PowerDesigner. I. DataWarehouse. 2002. Softwares Corel Draw. A. Campus. K.. 2006. AJAX. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. Interfaces e conectores. 2004. W. Análise Essencial: Guia Prático de Análise de Sistemas. Segurança da Informação e Auditoria de Sistemas. desenvolvimento e implementação de sistemas de informação. W. Manutenção de sistemas. Sul Editores. Java Guia do Programador. & BOOCH. R. Desenvolvimento de aplicativos e soluções no ambiente Web. SQL Server. mantendo atualizado e em operação softwares antivírus. W . Segurança. Protocolos . F. recuperação. B. S. Prestação de serviço e suporte às áreas usuárias. Organização de arquivos. C. & OGLE. ROCHA. Campus. Disseminação de conhecimentos de microinformática e utilização da Internet. Use a Cabeça SQL. A. & BLAHA. . W. E. MANZANO. & DEITEL. C. PATTON. P. J. ASP. J. Digeratti Books. W3C. C. Programação Orientada a Objetos em Java. R. Criptografia. JANDL JR. JavaScript. MAGALHÃES. Análise e Desenvolvimento de Sistemas. MARTINS. Gestão de projetos de segurança da informação. A. 2005. Arquitetura TCP/IP. detecção de problemas. BORATTI. Segurança em redes. Dreamweaver. J. Estruturas de Dados Fundamentais – Conceitos e Aplicações. Abordagem Relacional. Firewall. 2004. GOODMAN. Planejamento e Controle de Projetos. Instalação e configuração. Recursividade. 2003. Conhecimentos básicos sobre DB2. R. Pseudocódigo X Fluxograma. S. W. Arquitetura de computadores. CIDR. N. Makron Books. Modelagem e Projetos Baseados em Objetos com UML 2. 2007. Makron Books. McGrawHill. Business Inteligence. Plano Diretor de Informática. & SANTOS. ROCHA. F. Campus. Modelo OSI/ISO. Estudo Dirigido de SQL: Structured Query Language. Bancos de Dados Orientados a Objeto. Linguagens Pascal. Modos de transmissão. 2001. Imagens. DLL e DML. 2004. H. Gerenciamento de Serviços de TI na Prática. Ambientes de desenvolvimento JAVA (Eclipse e NetBeans) e . Ambientes Windows X Linux X Unix. C. C. Alta Books. 2002. Conceitos. Topologias. Prentice Hall. TANENBAUM. Arquitetura Cliente/Servidor. L. Cobol. Passagem de parâmetros. Organismos nacionais e internacionais de padronização. 2005. 2006. 2008. 2006. Análise. Cabeamento estruturado. Alta Books. 2001. P. Plataforma . JSP. configuração. S. Campus. UML: Guia do Usuário. Isaias Camilo. ASP. B. CSS. Banco de Dados. 2005. 2006. Interface e conectividade Web. J. W. MORIMOTO. Projetando e Administrando Banco de Dados SQL Server 2000. VPN. PEREIRA. Sul Editores. Addison Wesley. especificação. C. J. Gestão Empresarial e ERP. 2004. Érica. . Makron Books. MURHAMMER. Ordenação. Atendimento. P. Brasport. C++ e C#. UML. F. Estruturas de Dados Fundamentais – Conceitos e Aplicações. Redes e Servidores Linux: Guia Prático. Ferramentas. C. Redes de Computadores e Internet. 2003. MACHADO. C. 2006. Processo Unificado Rational (RUP). SCHMIDT. MACHADO. Entendendo o Sistema: Guia Prático. Novatec. integridade e concorrência. J. MORIMOTO. HTML. J. Modelo Entidade-Relacionamento. 2006. 2007. Ciência Moderna. tunning. Campus. Sul Editores. Campus. MANZANO. C. Testes. Dicionarização. Linux. Redes de Computadores. TANENBAUM. G.Net. Máscara de rede. K. de produtos e de serviços disponíveis no mercado. Projetando e Administrando Banco de Dados SQL Server 2000. Proteção e Segurança de Equipamentos e de Sistemas.org 3. Data Mining. Érica. Modelagem. C. J. PHP. Terminologia. Planejamento Estratégico de Sistemas de Informação. M. Backup. Estruturas de controle e de dados.

competência. Maria Inês Souza. Brasilia: CFESS/ABEPSS. __________ et. 8080. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. Técnicas e procedimentos de auditoria. BARROCO.1976. 151-184). Lei Orgânica da Saúde. São Paulo: Cortez / Celats. Terceiro Setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. Normas relativas à opinião do sistema de controle interno. Política Social: fundamentos e história. 2008. I. previdência e assistência.) Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. Raul de. Prentice Hall. (Volume I) Rio de Janeiro: CRESS. Coleção Biblioteca Básica de Serviço Social. Evidência em auditoria. São Paulo: Cortez. 2005. BRASIL. Lei nº 6. YOURDON.Rio de Janeiro: 7Letras. WAZLAWICK. 2002.asp . São Paulo. Normas ABNT.br/ccivil_03/Constituicao/principal. Edgard Blucher. 2003. Assistência Social: Ética e Direitos: coletânea de Leis e Resoluções. 28/12/90) _________. execução do trabalho e administração da área de auditoria interna. Banco de Dados. Normas relativas à forma de comunicação. de 15. 5ª Edição revista e atualizda. Maria Lúcia S. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Campus. Normas brasileiras para o exercício de auditoria interna: independência. 2. Formas e tipos. Legislação social: direitos sociais na atual conjuntura brasileira. Ética profissional do assistente social e regulamentação da profissão. MOTA. J. 9. Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. __________. A. (Lei n.desenvolvimento histórico no Brasil. São Paulo: Cortez. Ricardo. W. e CARVALHO. 3.12. São Paulo: Cortez. Asa Cristina. normas relativas ao parecer. e BOSCHETTI. 6ª tiragem. I. 2003.1976. G. 8069. Testes de auditoria. Normas relativas à audiência do auditado. A questão social no contexto da globalização e da reestruturação produtiva.O.2001 (Sociedade por Ações). Materialidade.). __________.4. Manuais Técnicos e Help/Ajuda de Software. Auditoria no Setor Público Federal: 2. 2002. 1983. RUMBAUGH. __________. LESSA.São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. Makron Books. Ética: fundamentos sócio-históricos. 2002. São Paulo: Cortez.12. 07/12/1993) __________. L. Papéis de trabalho. Normas relativas ao controle interno administrativo. Etapas do planejamento. 2. de 6 de abril de 2001. Execução dos trabalhos de auditoria. FREIRE. Planejamento e trabalho profissional: objetivos e avaliação. alterada pela Lei nº 10.1992. D. Auditoria: 1. 5. Trabalho e Ser Social. Serviço Social: Direitos e Competências Profissionais. E.1. e PEREIRA. __________. Normas relativas à execução dos trabalhos. 2007. Serviço Social e Realidade Brasileira: trajetória histórica. Consultoria & Serviço Social. 2007.3. H. Campus. P.) Saúde e Serviço Social. M.gov. 1995 (p.) Assessoria. Serviço Social em tempo de capitalismo fetiche: capital financeiro. S. 6.2. Disponível em http://www. 1996. Eventos ou transações subseqüentes. 8742. Rio de Janeiro: UERJ. W. e MATOS. Coleção Biblioteca Básica de Serviço Social. São Paulo: Boitempo.RUMBAUGH. São Paulo: Cortez. 1. Auditoria: um curso moderno e completo. Constituição Federal de 1988. 2004.404. (Volume II) Rio de Janeiro: CRESS. e ABEPSS. 1998. José Paulo Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós 64. P. Política Social. 2008. São Paulo: Cortez.303. 2009. Campus. 5ª Edição revista e atualizda. trabalho e questão social. 2003. relevância e risco em auditoria. Rio de Janeiro: EURJ. Decreto no 3. Programas de auditoria. Volume 4.ht m BRASIL. 4. São Paulo: Boitempo Editorial. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA. 1. São Paulo: Cortez. Lei nº 8. TANENBAUM. Pesquisa social e processo investigativo.planalto. desafios ético-políticos e demandas à profissão. 1991. J. et alli (Orgs. J. __________. normas emanadas pela CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Atlas. 1.5. Planejamento dos trabalhos. 1. BOSCHETTI. 8. LAURELL. & SANTOS. Os sentidos do trabalho. Campus. Análise Estruturada Moderna. São Paulo: Cortez. Redes e Sistemas de Comunicação de Dados. dos & ARIMA. C. alli (Orgs. 2. CFESS Código de ética profissional do assistente social. SCHMIDT. Normatização. SALES. de 7 de junho de 1993. Carlos. ASSISTENTE SOCIAL 1. E. & BOOCH. (Orgs) Políticas Social e Democracia. Mione Apolinário ET alli (Orgs. 1988. Asa Cristina. São Paulo: Cortez. Disponível no sítio http://www. Marilda V. 5. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objeto. 2ª edição. Contingências. & BLAHA. pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade. W . SETZER. Normas de auditoria independente: normas relativas à pessoa do auditor. Controle externo. Estatuto da Criança e do Adolescente. de 31. BRASIL. 2008. Diretrizes. (org).B.fazenda. 1993. Mundo dos Homens: trabalho e ser social. São Paulo: Atlas. __________. pelo IBRACON – Instituto Brasileiro dos Auditores Independentes do Brasil e demais órgãos regulamentadores de auditoria. 2006. S. TANENBAUM. normas relativas à execução do trabalho. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. conceitos e normas técnicas para a atuação do sistema de controle interno do Poder Executivo Federal. BONETTI. Revisão analítica. UML: Guia do Usuário. debate contemporâneo.br/legislacao/leg_contabilidade. 13/07/1990) __________. 1990. Pré-auditoria. R. São Paulo: Cortez. Política Nacional de Assistência Social. NETTO. Ética profissional e responsabilidade legal.591/2000 e suas alterações). 19/09/90 e Lei n. & JACOBSON. 2004. atividades. de 17. CRESS. Assistência Social: Ética e Direitos: coletânea de Leis e Resoluções. IAMAMOTO. Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. Relatórios e pareceres de auditoria. competência profissional. MONTAÑO. 1995. Fundamentos de Auditoria de Sistemas. Redes de Computadores. 15/10/2004) BRAVO. 2007. AUDITOR (CONTROLE INTERNO) 1. Modelagem e Projetos Baseados em Objetos com UML 2. 2. Lucia M. 2005. ed. (Lei n. (Resolução nº 145. a “especificidade” e sua reprodução. “Avançando em direção ao passado: a política social do neoliberalismo”.1. Avaliação dos controles internos. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação históricometodológica. Organização Estruturada de Computadores. Família e Juventude. Potyara A. Finalidades. São Paulo: Cortez. BEHRING. 2005. Lei nº 10216. 8142. Planejamento das ações de controle interno.gov. 1996. Técnicas de controle.10.3. Processo de tomada de contas e prestação de contas. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES. Constituição da República Federativa do Brasil. Cortez/UFRJ. Maurílio Castro de (Orgs.443/92 e IN TCU no 47/04): natureza. __________. Lei Orgânica da Assistência Social. Amostragem estatística em auditoria. Seguridade Social: saúde. Auditoria interna: normas brasileiras para o exercício de auditoria interna. O Serviço Social na Reestruturação Produtiva: espaços. 1996. Ana Elizabete. A metodologia de trabalho do sistema de controle interno. programas e trabalho profissional. Campus. Uma questão de direitos. Cultura da crise e seguridade social: um estudo sobre as tendências da previdência e da assistência social brasileira nos anos 80 e 90. 7. espaços sócio-ocupacionais. 2006. âmbito de trabalho. Volume 2. Dilséa Adeodata et al. Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. São Paulo / Brasília: Cortez / CFESS. A. STALLINGS. __________. I. __________.662. Estado e políticas no neoliberalismo. São Paulo: Cortez.2. Arquitetura e Organização de Computadores. 2006. R. Função da auditoria interna. 1999. O sistema de controle interno do Poder Executivo Federal. Sérgio.5. 2004. O Tribunal de Contas da União (Lei no 8. MDS/CNAS. __________. 2001. princípios.4. STALLINGS. (várias edições) __________. 2008. São Paulo: Cortez. 2. Marcelo Cavalcanti. Campus. (Lei n.A natureza do Serviço Social: um ensaio sobre a sua gênese.180/2001. 2. Estado e Políticas Sociais .stn. Normas. In: LAURELL. jurisdição e julgamento de contas. organização e competências (Lei no 10.

Auditorias de Sistemas de Gestão ISO 9001 .tcu.05. de 6 de abril de 2001. BRASIL.2008 ou norma que a substitua.gov. ABNT. Análise crítica do SGQ. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT NBR ISO 9000:2005. Competência. de 27.br BRASIL. Plano de Contas da Administração Pública Federal e a Tabela de Eventos da Administração Pública Federal. Norma de Execução destinada a orientar tecnicamente os órgãos e entidades sujeitos ao Controle Interno do Poder Executivo Federal.a sp BRASIL. Disponível no sítio http://portal2. Disponível no site http://www.09. 2004.cgu.fazenda.gov. Portaria CGU nº 2.br BRASIL.591.asp BRASIL.gov. 9º. BRASIL.1. de 6 de setembro de 2000. Mauriti.cgu. de 6 de setembro de 2000. Rio de Janeiro: Qualitymark. ABNT. e dá outras providências.1. http://www. informações.asp BRASIL. Política ambiental e Política de Segurança e Saúde Ocupacional. Estabelece normas de organização e apresentação dos relatórios de gestão e dos processos de contas da administração pública federal.001 OU OHSAS 18. http://www.gov.gov. http://www. de 2 de junho de 1992. http://www. 6.591. Conselho Federal de Contabilidade.5. Técnicas aplicadas em auditorias de natureza operacional. Disponível no sítio http://www.cgu. Requisitos legais e outros. Aspectos ambientais. Altera o Manual do Sistema de Controle Interno. http://www. 1. ABNT. ABNT NBR ISO 9001:2008. com as alterações e acréscimos posteriores”.SA 8000 . MARANHÃO. Regulamenta.BRASIL. 1. IN nº 01. de 5 de dezembro de 2007.591. de 04. Auditoria do SGQ. Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental. Altera dispositivos do Decreto n o 3. aprovado pela Instrução Normativa nº 1. ISO Série 9000 Versão 2000 – Manual de Implementação. de 30 de junho de 2005.br/Legislacao/ Decretos.cgu.asp Decreto nº 5.asp Decreto nº 4. 2002. Fundamentos e vocabulário. Decreto n° 4.304. IN nº 01. Recursos. . Medições do SGQ: bases factuais. de 16 de julho de 2002.br/Legislacao/ Decretos.org. conceitos e aprova normas técnicas para a atuação do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. Jorge Pedreira de. ABNT.OHSAS 18001 . de 27 de agosto de 2008. Dá nova redação aos arts.443. 101. http://www. “Organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento e de Orçamento Federal. SMS – Segurança.cgu.tcu.4.asp IN 057/2008.gov. ABNT. 2004.cfc. O processo de melhoria segundo a ABNT ISO 9001:2008.cgu. Decreto no 3.asp Brasil. http://www.3. de Administração Financeira Federal. Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamentos de medição. Possibilita a utilização de Termo Circunstanciado Administrativo TCA para apuração de extravio ou dano que implique em prejuízo de pequeno valor. ABNT NBR ISO 10017:2005.asp Brasil. Disponível no sítio http://www. Processo de realização. funções. que dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal.2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). de 06 de abril de 2001. Guia sobre técnicas estatísticas para a ABNT NBR ISO 9001:2000. prestações de contas e autoridades.br/Legislacao/InstrucoesNormativas. Disponível no sítio http://www.gov. ABNT NBR ISO 10002:2004.5.pdf BRASIL. ABNT. Requisitos gerais do sistema da gestão SMS.gov.591.001) Premissas para implementação do SGQ.4. Lei no 10. Lei Complementar nº. Decreto nº 4. documentos e materiais sigilosos de interesse da segurança da sociedade e do Estado. e Identificação de perigos. e dá outras providências. a elaboração do Relatório de Gestão. IN nº 01. ABNT NBR ISO 10012:2004. e 19 do Decreto n o 3. Acresce o art. AUDITOR DE GARANTIA DA QUALIDADE (ISO 14. Disponível no sítio http://www. IN nº 07.ISO 14001 . http://www. no âmbito do Poder Executivo Federal.483.129.ISO/IEC 17025 . Meio Ambiente e Saúde.cgu.553. Rio de Janeiro: Qualitymark. Estabelece o conteúdo do Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna e do Relatório Anual de Atividades de Auditoria Interna.cgu. 1. BRASIL.429. ABNT.ISO 19011. Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências.1.br/Legislacao/ Decretos. institui a sindicância patrimonial e dá outras providências. ABNT NBR ISO 10015:2001.tcu.gov.001) 1.2.4.gov.asp AUDITOR DE GARANTIA DA QUALIDADE (ISO 9.br/Legislacao/ Decretos. de 1º de fevereiro de 2007.aspx?codMenu=53 BRASIL.4. IN nº 4. BRASIL. Dispõe sobre a vinculação de entidades integrantes da Administração Pública Federal indireta. http://www. 1. 13 da Lei n o 8.gov.gov. Terminologia utilizada em SMS. de 21 de maio de 2002. “Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências”. “Dispõe sobre a Lei Orgânica do Tribunal de Contas da União e dá outras providências”.br/Legislacao/ Decretos. na forma dos Anexos I e II desta Portaria. Controle dos equipamentos de medição.tcu. de 17 de fevereiro de 2009.br/portal/page/portal/TCU/comunidades /programas_governo/tecnicas_anop/Manual%20de%20Audit oria%20Operacional.gov. 2005. de 04 de novembro de 2009 Aprova. sobre o acompanhamento do Plano de Providências Permanente.2. 2001. e dá outras providências. de 6 de setembro de 2000. Gestão da qualidade – Satisfação de clientes – Diretrizes para tratamento de reclamações.2. Documentação do SGQ: elaboração e controle. Interpretações de requisito da norma ISO 9001:2008.gov. de 27 de dezembro de 2002. ABNT.br CERQUEIRA.029.br IN 056.br/Legislacao/ Decretos. Abordagem de processo. http://www.br/Legislacao/Leis. 2004.gov.asp Decreto nº.stn.2000.fazenda.180/2001.tesouro. Sistema de Gestão da Qualidade – Requisitos. avaliação de riscos e determinação de controles. de 20 de junho de 2007. Disponível no sítio http://www.cgu. no âmbito da Administração Pública Federal.cgu. ABNT NBR ISO 19011:2002. de 13 de março de 2003. Recurso necessário à implementação do SGQ. Foco no cliente: atendimento aos requisitos e satisfação do cliente. 1. 1. http://www. Sistema de Gestão da Qualidade – Fundamentos e Vocabulário. 2002. princípios. o art. de 16 de julho de 1992. metas e programa(s).238.gov. 2008. Implementação e operação. Capacitação e competência dos profissionais. 2001. de 06. Diretrizes para a documentação de sistema de gestão da qualidade.481. Planejamento.270.asp Decreto nº 6. de 03 de janeiro de 2007. responsabilidades.com.br/siafi/plano_de_contas. na forma prevista na Instrução Normativa TCU nº 57. os procedimentos da auditoria anual de contas realizada pelo órgão de controle interno e a organização e formalização do Processo Anual de Contas Ordinárias a ser apresentado ao Tribunal de Contas da União.br/conteudo.08. de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal.abntcb25. que dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. 1. 2006. 1.br/Legislacao/ Decretos. Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal. da Secretaria Federal de Controle Interno. 20-B ao Decreto nº 3. Disponível no sítio http://www. ABNT CB-25.5. Comprometimento da direção. ABNT NBR ISO 10013:2002. Normas Brasileiras de Contabilidade. de 30 de junho de 2005. Define diretrizes.3. que dispõe sobre o sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal e dá outras providências.br/Legislacao/ Decretos. “Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal e dá outras providências. Lei no 8.cgu. Gestão da qualidade – Diretrizes para treinamento.gov.asp Brasil. e dá outras providências”. 1.asp Decreto nº 5.br/legislacao/leg_contabilidade. 1. Objetivos. de 29 de dezembro de 2006 (alterada pela IN nº 9/2007) Estabelece normas de elaboração e acompanhamento da execução do Plano Anual de Atividades das Auditorias Internas das entidades da administração indireta do Poder Executivo Federal.br/Legislacao/Portarias. Dispõe sobre a salvaguarda de dados.

5. Legislação pertinente do Ministério do Meio Ambiente.conceitos. Documentação. publicada no DOU de 12.1. Paulo E. Editora Atlas. taxa marginal de substituição. definição de métodos e óticas de mensuração. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Sistemas de Gestão Integrados . Manual de Contabilidade Básica. classificação. Equações e Variações Patrimoniais. 1. Contabilidade Básica..3. 1. inventário físico e controle.2001. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Princípios Fundamentais. Contabilidade nacional: Conceitos básicos. Ativo. o salário. convênios e instrumentos similares. PISCITELLI.tesouro. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. 2010. Certificação do Sistema de Gestão. Implantação de procedimentos documentados.2. Clóvis Luís. provisão para devedores duvidosos.001 . Estados e Municípios (SIAFI e SIAFEM). 2007. classificação das transações. principais documentos. 1. Procedimentos contábeis específicos: disponibilidades. custos de produção: conceito. 2. Contabilidade Pública: Integrando União. Róbison G. A síndrome da certificação.5.15.8. bens substitutos. 2. pág. 2. 2. 23ª ed. Demonstração do Valor Adicionado . 3ª ed. Roberto B. balanço patrimonial. Implementação do Sistema de Gestão. Sérgio. Patrimônio: Conceito. resultado diminutivo. princípios. LIMA. Formação. Microeconomia: preços e valor. Listas de verificação. Eficiência produtiva e eficiência alocativa. diversos responsáveis). Editora Atlas. Plano de Contas Único do Governo Federal: conceito. teorias explicativas do valor. Auditoria interna.3. efeito-renda. a justiça distributiva.5. FRANCO. o equilíbrio do consumidor. oferta e procura: a escolha entre alternativas. MARION. Controle operacional. Investimentos Permanentes: Método de equivalência patrimonial.8. Escrituração e Lançamentos Contábeis: métodos e elementos básicos. de 06. A norma NBR ISO 19001:2002. Hilário. 2. Disponível no sítio http://www. 3. CASTRO. Editora Atlas.7. patrimônio líquido.br/siafi/plano_de_contas. tipos e características de mercado.9. 1. externo e integrado. 2. Análise crítica pela administração. objeto.13. 13 ed. Comunicação. escalas de preferência. 1.2001. princípios.4.591/2000 e suas alterações). 3. 1. Maria Berenice. 2. o trabalho . curvas. o comportamento do consumidor: demanda individual e demanda de mercado. estrutura. 3. Editora Atlas.5. lei dos rendimentos decrescentes. efeitosubstituição. 1. duplicatas descontadas. Contabilidade Pública. despesa. Despesas. classificação e aplicações. otimização. Monitoramento e medição. 3. demonstrações das variações patrimoniais. Editora Atlas. O sistema Econômico: elementos básicos e circulação. 3.fazenda. Diana V. cauções. da fixação e execução da despesa. sistema patrimonial e sistema compensado. mercados e concorrência. principais contas. composição. A Metodologia de trabalho do Sistema de Controle Interno: diretrizes. Investigação de incidente. deslocamentos. Etapas de implementação. função de produção. NEVES. Valorização e avaliação dos estoques: sistemas de controle contábil dos estoques.1. Detalhamento de controles operacionais. dos restos a pagar e contas com função precípua de controle (contratos. O procedimento para as auditorias.6. curvas do custo médio a curto e longo prazos da firma.5. atividades. Legislação pertinente do Ministério do Trabalho – Normas Regulamentadoras (NR). 3. 1.2. Paulo E. Contabilização e registro das operações básicas: sistema orçamentário. 3. maximização do lucro. Contabilidade Aplicada à Administração Pública: 2. Atribuições dos Tribunais de Contas. função de utilidade. especialização e troca. efeito-preço. restrição orçamentária.7. 2006. modalidade de uso. Demonstração da Mutação do Patrimônio Líquido.04. ROSA. NEVES. 7ª ed.4. 1.001 . 1. ABNT NBR ISO 14. 3. Preparação e resposta à emergencias. O processo de auditoria de gestão.gov. Os objetivos e o escopo da auditoria. Plano de Contas da Administração Pública Federal e a Tabela de Eventos da Administração Pública Federal. mecanismos de formação de preço.16. depreciação de bens.3. 3. OHSAS 18. 1. 3. 1. classes de eventos. conceitos e aprova normas técnicas para a atuação do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal”. Constituição Federal de 1988. 1. 3.3. 2007.gov. 2. O plano de auditoria. Implementação de Sistema de Gestão.7. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos. 7ª ed. VICECONTI. 15ª ed.12.7. objetivos. Disponível no sítio http://www. Controle de documentos. 12. a circulação da produção e a empresa renda do trabalho. 3. Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal – SIAFI: conceito. organização e competências (Lei no 10. 2006. valorização dos estoques. 3.6. Auditorias de adequação e de conformidade. VICECONTI. Principais aspectos Contábeis das Contas Patrimoniais. Evento: conceito.6. O perfil do auditor.12.5.2. Administração. 1. regime contábil.6. 2007. 3. 3.04. mercados. Os atores e as partes envolvidas. Lições aprendidas sobre auditorias.5.5.404. Operações com mercadorias. TIMBÓ. 1. BRASIL. 1.17. “Define diretrizes. sistema de contas nacionais. 3. relatório resumido da execução orçamentária (RREO) e relatório de gestão fiscal (RGF). 1. esquemas contábeis. partes integrantes. Conceito. CONTADOR 1.10. avaliação dos componentes patrimoniais. contabilidade a preços constantes. campo de aplicação.4.treinamento e conscientização. 1. 3. lei dos rendimentos.1. regimes de concorrência teoria da produção. Conceito.2.7.4. receita. Tipos e formas de controle. contas de controle: da previsão e execução da receita. 2008. 3. Frase Editora. Demonstração do Resultado do Exercício. 1. As auditorias de responsabilidade social. 3.6. Silvério. Sistema de Controle Interno: finalidades. receita e custo marginal. Decreto no 3. 2. ativo imobilizado. produtividade marginal. ação corretiva e ação preventiva. Contabilidade Geral: 1. equilíbrio. 12ª ed. A condução da auditoria. empresa. Editora Campus/ Elsevier. campo de atuação. seção I.5. as elasticidades: conceito. Terminologia.Jorge P. 3ª ed. finalidade. PADOVEZE.versão 2007 – Tradução livre. Sistemas de Gestão Ambiental – Requisitos com orientações para uso – versão 2004. 2. Instrução Normativa o SFC/MF n 01.4.3. curvas da receita média da firma. Contabilidade Avançada. valor dos bens ambientais. de 17 de março de 1964. Legislação pertinente do Ministério da Saúde.3. não-conformidade.8. Contabilidade Empresarial.5. campo de aplicação. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados. Lei nº 6. Frase Editora.1.2. 3. Balanços e demonstrativos contábeis: Balanço orçamentário. despesas pagas antecipadamente.1.1.6. Demonstração do Fluxo de Caixa. os fatores de produção. objetivos e forma de apresentação.3.9. Secretaria Federal de Controle. Autoridade e responsabilidade.6. 2. o papel do setor Governo. Lei nº 4.320.6. Os métodos de auditoria. Os agentes econômicos e sua interação. fatos que modificam compra e vendas de mercadorias. 1996. Contabilidade Geral. de 15 de dezembro de 1976 (com atualizações posteriores).2. Verificação . curvas da oferta e da procura. Silvério. conceitos e normas técnicas para a atuação do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. 11ª ed. Controle interno. 2. bens inferiores. 1. Orçamento e Contabilidade Pública.14. Principais elementos envolvidos. Editora Atlas. objetivos. características. e Participação e Consulta.6. Estrutura e Elaboração das Demonstrações Contábeis: Balanço Patrimonial. Receitas. provisão para desvalorização dos estoques. características das contas. Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal: 3. Controle de registros.11. estrutura das contas. Passivo e Patrimônio Líquido. 2009. ECONOMISTA 1. Planejamento para implantar e implementar. equilíbrio da firma.4. Avaliação do atendimento a requisitos legais e outros. 2. Auditorias de Sistemas de Gestão. 1. 2.5. Cerqueira – Qualitymark Editora. excedente do consumidor e do produtor: eficiência de mercado. 3. atividade e o fenômeno econômico. 2. 1. Balancete de Verificação. Fiscalização dos atos da Administração pelo Poder Legislativo. Preparação para implantar. resultado aumentativo. estrutura básica: ativo. 3. Maria Zulene F. o produto e unidade produtora. passivo. 1. capital. – Uma abordagem da Administração Financeira Pública.6.cgu.Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho .180/2001. JUND. bens complementares.10. patrimônio na administração pública. exercício financeiro. José Carlos.br/sfc BRASIL. sistema financeiro. formas de acesso. operações financeiras. balanço financeiro.11. curvas de indiferença. o lucro.asp FIPECAFI. Critérios de auditoria. fundamentos lógicos.

1. Inflação e emprego. Questões de Orçamento Público. 2005. As funções econômicas do setor público – alocativa. P. 5. M. produto. A Teoria da inflação inercial e a análise da experiência brasileira recente no combate à inflação. Brasília: 2003. A rigidez dos reajustes de preços e salários. 2. [s. Impactos da tributação na economia. Equilíbrio da renda e das taxas de juros. Atlas. Introdução às teorias da inflação. O processo de globalização. Macroeconomia. Conceitos básicos. déficit e superávit orçamentário. C.. VASCONCELLOS. propensão média. Teoria do investimento. FARO. Atlas. Noções sobre balanço de pagamentos. sistema monetário nacional.Teoria do capital.C. Economia brasileira desde o Plano Real. Atlas. ENGENHEIRO CIVIL 1. formas de mensuração do produto e da renda nacional. 1997. O Plano Plurianual – PPA (conceitos básicos. R E FISCHER. Teoria dos bens sociais. Estado Regulador. tributação e eficiência. Forense Universitária. ponto de nivelamento. conceitos macroeconômicos básicos. Processo inflacionário brasileiro. Dissertação de Mestrado. fiscal e cambial. 2006. Introdução à política monetária e fiscal. Alipio Firmo Filho. mercado de capital. N. GIACOMONI.l. efeito do superávit e déficit no balanço de pagamento e políticas corretivas. Taxa de câmbio e taxa de juro. 9ª Ed. BARCELOS. topografia. armaduras. Cultura e desenvolvimento econômico. Economia: Micro e Macro – Teoria e Exercícios.R. Macroeconomia. Atlas. Sistema Tributário Nacional: principais tributos: conceito. 2002. R. taxa de câmbio: conceito. Atlas. Ativos culturais.l. Etapas preliminares e obras de infra-estrutura: aspectos legais.1994 DORNBUSCH. a lei de Say. função. BURKHEAD. Influência das políticas monetária e fiscal sobre a demanda agregada. variação e seus efeitos. Economia do Setor Público: A intervenção do Governo na economia. 2ª Ed. [s. Pearson. Marco Antônio de Vasconcellos. [s. oferta e demanda agregadas. E. Gastos governamentais no Brasil. Economia. Determinação do nível de preços. P e WONNACOTT. Imposto de Pigou. R. GREMAUD. identidades macroeconômicas fundamentais. Limites. Os bens sociais e as falhas de mercado.como fator de produção.]: Mcgraw-Hill. CASTRO E C. A Lei de Responsabilidade Fiscal. JOÃO DO CARMO E ROSSETTI. Política fiscal e funções do governo.. Desenvolvimento econômico brasileiro. protecionismo e liberalismo econômico. EDWARD. WONNACOTT. Finanças Públicas no Brasil. mercado financeiro. 6. a) Sistemas de alimentação predial e distribuição de água fria. Análise de Projetos. Editora Ferreira.. 2ª Ed. 8. Ed. Custos de transação. projeções de demanda. Saraiva. Política Tarifária. estrutura. Eficiência Marginal do Investimento. Conceitos. A. tipos. F. Moeda e bancos: Conceito. função investimento. 1ª ed. Externalidades e ineficiência de mercado. A interação das políticas monetária e fiscal. 2001. C. estudo do terreno. 2ª Ed. 2ª Ed. Critérios de avaliação de projetos. concreto. renda nacional e balanço de pagamento. Rio de Janeiro: Guanabara: FGV. eficácia. Determinantes do comércio exterior. M. características. Editora Brasiliense. Básico e Intermediário.S. imposto regressivo. fundações indiretas. Efeitos da política monetária e fiscal sobre a demanda e o produto. [s. Microeconomia. A interação entre as políticas monetária. Orçamento da União. Economia Monetária. objetivo. Classificação dos gastos públicos. Obras de supraestrutura: formas. 2000. GARDNER. Princípio da Demanda Efetiva. 2ª ed. SHAPIRO. I. R. Investimento internacional. Planos de Estabilização. A. G. CARDOSO. bens públicos e bens privados. Controle de preços: impostos. Introdução à Economia: Princípios de micro e macroeconomia. Ed. 7ª ed. Razões da intervenção governamental na atividade econômica. Responsabilização. 6ª Ed. Sistema financeiro internacional. A intervenção do Governo na economia. estratégias de crescimento. 4. As funções de oferta agregada e da demanda agregada. ROSSETTI – Introdução à Economia. 2001. 2ª edição. Ed. REIS.]: Makron Books. Políticas públicas. MOTTA. propensão marginal. reformas e desequilíbrio econômico no governo FHC. fixação. atores. São Paulo: Editora Atlas. Falhas do sistema de mercado. VASCONCELLOS. B. Finanças Públicas. classificação e características da moeda. Cadeia de produção dos bens e serviços culturais. LUIZ MARTINS LOPES E MARCO ANTONIO S. 7. Políticas ambientais. mercado cambial.1. teoria do crédito. A relação entre variações de salário e desemprego: a curva de Phillips. [s. GIAMBIAGI. F. Objetivos.. Balanço de pagamento: conceito e estrutura. P e WONNACOTT. 3. procura e oferta monetária. distributiva e estabilizadora. Gregory. 2006. Pedro Luiz Delgado. Rio de Janeiro: Elsevies. São Paulo: Atlas. demarcação da obra. distributiva e estabilizadora. e EATON. tecnologia do concreto. Introdução à Economia – Uma Abordagem Estruturalista. M. A Lei Orçamentária Anual – LOA. N. FERDINANDO DE OLIVEIRA FIGUEIREDO. Estágios do desenvolvimento. Inflação no Brasil.]: Saraiva.. 1971. Eficiência Marginal do Capital. Carlos Leonardo Klein. 1999. 1998. Conceito.A.. e LARRAIN. 5ª Ed. Paul – Economia – McGraw-Hill.T. Carlos Leonardo Klein. Finanças Públicas. Ed. teorias. fundações diretas. Financiamento do desenvolvimento econômico. Orçamento público. Razões da intervenção governamental na atividade econômica. função consumo. Instalações prediais: 3. UFRGS. Orçamento Público. Teoria Macroeconômica. & NOBLAT. N. SAMUELSON. Manual de Macroeconomia. Jesse. Curva de Phillips. Teoria dos bens sociais. Instrumentos de política monetária. e ALÉM.S e GARCIA. progressivo e proporcional. G. 3ª Ed. G. São Paulo.l. Elaboração e Execução dos Orçamentos Públicos Apostila do E-Curso ENAP. Estabilização econômica e privatização. 1982. S. o multiplicador.]: LCT. Industrialização brasileira. princípios da aceleração. J.l. classificação. Elementos de Engenharia de Produção. James. SANDOVAL. Instrumentos de política fiscal. Os bens sociais e as falhas de mercado. Atlas. Macroeconomia. LOPES. Sistema Federativo e Contas Públicas. blocos econômicos e processo de globalização. b) .l. impostos: conceito. Sistema Tributário: carga tributária. Modelo IS-LM. EQUIPE DE PROFESSORES DA USP. [s. a função do bem estar social. Crescimento e desenvolvimento econômico: Conceitos. Instalações prediais de água fria.l. meios de pagamento. 1994. E JR. principais problemas ambientais brasileiros. Princípios orçamentários. Crescimento e desenvolvimento econômico. F. Análise de Investimentos. Instalações hidráulicas. classificação. Trocas internacionais. 9. Fontes de crescimento. Economia Brasileira ao Alcance de Todos. Economia brasileira. Introdução à economia. DORNBUSCH. Aspectos institucionais. Financiamento dos gastos públicos. sondagens. SACHS. REZENDE. Fontes de crescimento. função poupança. Rudiger. Atlas. exclusividade e rivalidade. 2003. Livraria Pioneira Editora. ACKLEY. 2002. WONNACOTT. Porto Alegre: 2003. MANKIW. A. 3ª Ed. Interdependência das nações. D. 2005. A LRF como Instrumento de Gestão Fiscal. Defesa da Concorrência e Regulação. Orçamento Público.]: Campos. Introdução à economia. 2001. Teoria Keynesiana. Análise Macroeconômica. e GALÔBA. Despesa e receita pública. Atlas.F. Mcgraw Hill. teoria das finanças públicas. variação no produto nacional bruto e multiplicador do comércio exterior. Economias de escala e escopo. O Modelo Mundell-Fleming. Gastos públicos. 2005. desconto e valor presente. equilíbrio entre renda e produto agregados. Conceitos básicos. Inflação: conceito. investimento e despesa agregados. instrumentos. política monetária: objetivos. Ed. Modelos de economia aberta e fechada. responsabilização). criação e destruição de moeda. renda. BARCELOS. déficit público e senhoriagem. A Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO. Falhas do sistema de mercado. Ed. LESSA. poupança. Macroeconomia. As funções econômicas do setor público – alocativa. Estágios do desenvolvimento.P.]: Makron Books. teoria quantitativa da moeda. alvenaria. ELIANA A. 20ª Ed. custos e benefícios privados e sociais. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS EATON. Fundamentos. 2ª ed. Financiamento do desenvolvimento econômico. Macroeconomia: os agregados macroeconômicos. MANKIW. consumo. DE VASCONCELLOS – Organizadores. Introdução à Contabilidade Nacional. Orçamento público no Brasil. Teoria Clássica. 3. Estabilização. Relação de trocas e balança comercial. MANKIW.1.D.A. operações de mercado aberto.

F. G. G. Dimensionamento de Concreto Armado. d) Pontos de utilização. Instalações de gás. J. 14. c) Cabeamento. 1ª Ed. Análise estrutural: comportamento da estrutura de aço e de concreto armado. R. 3. Edifícios Industriais em Aço. LEFEBVRE. Estruturas Metálicas – Cálculos..1973. Antonio. Ar condicionado: projeto. 2004. VOLUME:1. São Paulo McGraw-Hill – do Brasil. b) Quadros corta-circuitos.2ª Edition. Código de Obras do Município. Ernesto. 1. Anthropos. G. Edição. Curso de Concreto Armado. Tarefas do Engenheiro na Obra. H. A. J. argamassas tradicionais e aditivadas. CÓDIGO DE OBRAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. pavimentação. M. Serviços de acabamento: revestimento. 1982 Resistência dos Materiais. POLILLO.2ª Edição. 2007.Fundações. Editora Pini. NETTO. V.C. MOLITERNO. C. G. Estruturas Metálicas.ed. 7.3. Estruturas de aço: Dimensionamento Prático... 1998. cálculo de consumo de materiais.4. 3 – EDITORA GLOBO S. b) Reguladores de pressão. J. b) Tubulação interna e rede interna. Vol. BORGES. 2. John Wiley&Sons Inc. 1ª Ed. PACHECO. 4. Estruturas de aço: Dimensionamento Prático. pavimentação. A. BAUD. Resistência dos materiais: Cálculos estáticos.2. Estruturas Metálicas. Galpão para usos gerais. São Paulo McGraw-Hill – do Brasil.2. 8.: 1273 Ed. PINI. CÓDIGO DE OBRAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. 2003. MANUAIS DA CONSTRUÇÃO EM AÇO . Editora Pini. 13. Hélio. F. Rio de Janeiro.C. MACINTYRE. obras de arte. Editora Pini. e Dantas. a BELLEI. John Wiley & Sons Inc. Coberturas e tratamento: impermeabilização. E Silva.L. Vol.CBCA. New York. 3. 2001.. 2ª edição. b) Dimensionamento das canalizações de esgoto e ventilação. Rio de Janeiro. São Paulo: Edgar Blücher. telhados – madeiramento e telhas. WALTER. Novos materiais de construção e sistemas construtivos. ENGGENSPERGER. 7ª ED. Critérios de Projeto.ed. Vol:1. 9. Instalações hidráulicas e sanitárias. detalhes. ARAÚJO. Orçamento e planejamento: cronograma físico e financeiro. J. previsto e realizado.F. galpões industriais. Revista Téche.4. 1. T.1. 2007.A. PC. 1. traços unitários. A. 1984PINHEIRO. a 12 edição.. Normas da ABNT PETRUCCI. 7ª ED. PINHEIRO. ensaios tecnológicos SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALVES. G.. Rio de Janeiro. José Dafino. 1993. São Paulo. 7ª edição-2000. São Paulo. Ed. a ARAÚJO. Instalações de telefone. 1974. detalhes. 2003. 10.4. VOL 4. F. Ed. e Silva. Editora Edgard Blücher. ensaios tecnológicos. Vol.A. T. 1993. TCPO – Tabela de Composições de Preços para Orçamentos. M.1.Editora Científica. GEHBAUER.3. edição. Gráfica Auriverde 1993. Composição de Custos. Mecânica dos Solos.4. Applied Finite Element Analysis. Editora LTC. Editora Dunas. Manual das Instalações Hidráulicas e Sanitárias. PI. PFEIL. GOTTDIENER. I. 2003.A. MANUAIS DA CONSTRUÇÃO EM AÇO – CBCA-Companhia Brasileira da Construção em Aço -2007. WILLIAM ARTUR..C. São Paulo. Ed. e Silva. temperados. CURTY. USP. 1978. Antonio. 1978. Miguel. Hemus. Instalações Prediais de esgotos pluviais. A.2ª Edition. E Dantas.2. São Paulo: Nobel.3. 1978. H. a) Sistemas de proteção contra incêndio. Elementos para Projetos em Perfis Leves de Aço. RIPPER. Editora Oficina de Textos. Curso de Concreto Armado. J. Curso de Análise de Estruturas. 1982 Resistência dos Materiais. I. 1979 Volumes: 1. Antônio Vieira. D. CREDER. 3. 2001. a) Medidores. 6. ADOLPHO. TCPO – Tabela de Composições de Preços para Orçamentos. Prática das Pequenas Construções. 1. Rio de Janeiro: LTC.2. Rio de Janeiro.Editora Blucher – 2005. AZEVEDO. SORIANO..B. Editora Pini. 2002. Primeiro e Segundo Volume. PINHEIRO. I. Elementos para Projetos em Perfis Leves de Aço. 1979 Volumes: 1. 2003. São Paulo. CARDÃO. Vidros: lisos.3. nº 54. 1978. Editora Dunas. E Lopes. POLILLO. 15. Rio de janeiro . Rio Grande. STABILLE. SEGERLIND. 2001. CREDER. São Paulo. 2. c) Tubulações. R.P. NASH. L. L. c) Cabeamento. 3. Curitiba: CEFET-PR. Estruturas em aço. Aglomerantes e Agregados: Índices físicos. E Silva. Manual de Construção em AçoPainéis de Vedação. edição. 1973. Dimensionamento de Concreto Armado. J. Rio de janeiro: Ensaios de Opinião. C. MOLITERNO. 1990. Guanabara. . Ed. A. SÜSSEKIND. 2ª edição. 1ª Edição. SORIANO. 2 vol. edição. exercícios. Editora Blucher – 1989. Equipamentos eletromecânicos. VELLOSO. Materiais de Construção.Editora Blucher – 2005. Como gerenciar construções. 2. 1975.Ref. b) Tubulação interna e rede interna. 1998. condutores. Rio Grande. A. 1998. Vol:1.New York.B. rotina de controle de execução de serviços de terceiros. Primeiro e Segundo Volume. São Paulo: Edgar Blücher. a) Quadros de distribuição. RIO DE JANEIRO. M. cronograma de compras. d) Pontos de utilização. Moradia popular em Kit metálico. D. Pavimentação: projetos de vias urbanas. H. Editora Ciência Moderna Ltda. edição. Editora Dunas. C. M. Marisa. a PINHEIRO. 6. La producion de l'espace. 2003. Manual de Pequenas Construções. Editora Blucher – 1989. Boletim de Custos. 2005. SEGERLIND. Instalações prediais de esgoto sanitário. Edifícios Industriais em Aço. 2004. a BELLEI. 1993. CBCA – Centro Brasileiro de Construção em aço. 2. A.3. Porto Alegre: Globo. O Edifício até sua Cobertura. VOLUME:1.. Habitação e urbanismo: o problema e o falso problema. 11. 1988. Rio Grande.Companhia Brasileira da Construção em Aço -2007. dimensionamento. Hélio. 2ª Edição. São Paulo. 3. Manual de Contratação dos Serviços de Arquitetura e Urbanismo . WALTER.2. dimensionamento. H.5. Instalações elétricas. G. 2ª Edição. J.HUMBERTO LIMA. Curso de Análise de Estruturas. C.2ª Edição. Edifícios Industriais em Aço. NASH. SILVA. MARINGONI. c) Tubulação. 1. Curso de Concreto Armado. Editora Pini. cargas atuantes. Madeiras: para estrutura e acabamentos. Vol. 2003. L. Pedro Manuel C. Rio de janeiro – Editora Científica. Planejamento e Gestão de Obras. metálica. Eládio G. Rede lógica. C. Applied Finite Element Analysis. SÜSSEKIND. c) Dimensionamento da estação elevatória. BOLAFFI. Paris. Rio de Janeiro: LTC. M. dimensionamento. d) Dimensionamento do sistema de distribuição de água fria. Esquadrias: madeira. SAYEGH. Rio de Janeiro: LTC. Bellei. 17. Estática das Estruturas. Informações básicas sobre materiais asfálticos – IBP. CURTY. F. PINI. 1974. Estruturas Metálicas – Cálculos. M. L. WILLIAM ARTUR. M. a) Partes constituintes e funcionamento das instalações prediais de esgoto sanitários. Técnica da Construção. 3.3. Princípios de Arquitetura em Aço. M.2. Editora LTC. Apostila de INTRODUÇÃO AO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE ANSYS. CBCA – Centro Brasileiro de Construção em aço.2. Editora Ciência Moderna Ltda. 1984. Editora Edgard Blücher. 2005. tipos de carregamentos estruturais 16. a) Alimentação predial. São Paulo. Vol. Produção Social do Espaço Urbano. 7ª edição-2000.. PINI. Instalações hidráulico-prediais contra incêndio. 2. SILVA. S. vol. 2ª Edição. Gráfica Auriverde 1993. exercícios. Manual de Construção em AçoPainéis de Vedação.e projetos. São Paulo. 2. e) Aquecimento e exaustão. Fritz.1. PVC. Dimensionamento e Avaliação Custo Benefício de Moradias Convencional e NãoConvencional. 1987. 18. ADOLPHO. 4. Vol. Louças e metais. especificações e manutenção.e projetos. 3. V.J. PFEIL.Dimensionamento do sistema de alimentação. CAPUTO. a) Dimensionamento das instalações prediais de esgotos pluviais. A. 2003. 1975.A.3 – EDITORA GLOBO S. Galpão para usos gerais. Materiais de Construção. 5. 1984. 4. 1986. 12ª edição. Rio de Janeiro: LTC. 4. Dimensionamento e Avaliação Custo Benefício de Moradias Convencional e Não-Convencional. São Paulo. Instalações elétricas. a ARAÚJO. M. 1983. contratação. 12. A.HUMBERTO LIMA. dimensionamento. Estática das Estruturas. a) Quadros de distribuição.

Campo girante. Torque. Disjuntores comandados por relés. Alta Tensão: Partes componentes de um sistema elétrico. Característica da resistência elétrica.2. Lei de Coulomb. Aplicação dos relés como dispositivos de proteção. 1. Ligação polifásica. relé diferencial. Aterramento em subestação. TN-S e TT. 1. relé de freqüência. Análise de sistemas trifásicos equilibrado.com. Manobras em subestações. Sentido das forças eletromotrizes induzidas. Servomecanismo amortizado. Scott. Campo elétrico. Resistividade. Ensaio de curto-circuito e circuito aberto. Fenômenos que ocorrem quando aplicamos VDC em uma bobina (RL). Conceito de condutores elétricos. Eletrostática: Eletrização. Condutância.4. Circuitos Trifásicos: Ligação de geradores trifásicos. Sistemas de distribuição primária e secundária. Magnetização. Componentes utilizados em proteção dos circuitos aéreos.13. Medição da resistência de terra.com. Aparelhos Auxiliares para Medidas em Alta Tensão: Transformador de corrente.5. classe de tensão. Tensão de linha e de fase. Fluxo. Defeitos em circuitos utilizando disjuntores comandados por relés. wattímetro. Impedância. 1. Generalidades: Tecnologia dos materiais empregados nas instalações elétricas. Eletrodinâmica: Corrente elétrica.12. Método de soluções de malhas. Generalidades.belgo.M. 2. Ensaio de polaridade.7. Autotransformador de partida. 1. Materiais utilizados em sua construção. Autotransformador. Parâmetros de um Circuito em CA: Reatância indutiva. Carga elétrica dinâmica. Capacitor. 2. three-way e four-way. Servomecanismo generalizado.8. metadino e amplidino.15. Transformador real. 1. 1. Definições e fiação. Força eletromotriz induzida (E = Blv sen ). Manutenção de disjuntores. pico a pico. Fator de Potência – Correção: Conceitos básicos sobre correção de fator de potência.8. 4. Partida de motor trifásico com chave estrela-triângulo com reversão automática. Lei de Gauss.9. Unidade. Cálculo da carga instalada e da demanda da instalação. Proteção contra descargas atmosféricas.com. 1.9. Sistemas TN-C . varímetro. construção e acionamento. Eletricidade/Medidas 3. Demarragem dos motores e necessidade da redução do torque de partida. Potência reativa.1. Ligação à terra das instalações.6. Instalações Elétricas de Alta e Baixa Tensão 1. religadores. Análise de Circuitos: Lei de Ohm. Densidade de fluxo.com. Transformador de potencial. Corrente nominal e partida. Relação entre elas. 1. duplo e de transferência.2. Transdutor. Lei de Biot-Savart. Análise de circuitos pelas séries de Fourier e transformada de Laplace. Chave reversora manual monofásica. 1. Medidas Elétricas: Utilização de voltímetro.19. Y-Y e Delta-Delta. freqüencímetro e fasímetro. Defeitos em redes de distribuição e transmissão. Medidores de potência elétrica. Comprovação da redução da corrente de partida com chave duplo-triângulo. Generalidades: Níveis de tensão. Aparelhos de Interrupção de Corrente e Manobras: Seccionadores e fusíveis de AT. Barramento simples. 2.SÍTIOS DE INTERNET www. Carga e potencial elétrico. Função da proteção. Circuito elétrico do motor de indução. Geração em CA: Gerador básico de corrente alternada. Aparelhos de Proteção: Relés.br www.6. Dispositivos de proteção dos circuitos. Resistência elétrica. Reatância capacitiva. Características Operacionais dos Geradores Rotativos de Corrente Contínua: Classificação das máquinas quanto ao tipo de excitação. Comando e Multifilar: Partida de motor de indução trifásico através de chave contactora. Emprego de chaves comutadoras para voltímetro e amperímetro. Circuito elétrico e equivalente do transformador.usiminas. Generalidades. Dispositivos e Simbologia: Elementos componentes de uma instalação elétrica. 3. Transformador trifásico. Ramais de ligação. Motores de Corrente Alternada: Ligações em função da tensão. temporária e definitiva. Velocidade do motor. Liberação da capacidade do sistema na melhoria do fator de potência. seccionadores e fusíveis de AT. 1. Acionamentos Elétricos 4. Circuitos de medidores (voltímetro. Energia. Trabalho e potência elétrica. Pára-raios.org. Motor de Corrente Contínua: Funcionamento. Resistores de partida.br www.br ENGENHEIRO ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO 1. Força. Motor monofásico. Equações. Cálculo de curto-circuito monofásico. Energia tipo indução.8.9. cálculos e métodos.br www. classificação. Potência aparente. Ramais de ligação – aéreo. Torque do motor. Lei de Ampèr.4. Funcionamento de relé de sobrecarga. Rigidez dielétrica dos materiais. Noções de teoria atômica. Métodos de verificação do sincronismo entre geradores.11.16. Relação entre ligações estrela-série e triângulo-paralelo. seccionalizadores e chaves-fusíveis. Equações. Esquemas fundamentais de ligações. Unidades.E. Potência transformada. 2. 3.20. Acessório restritor de corrente de inrush nos seccionalizadores. Níveis de tensão.csn. Ligação delta e estrela. 1. Força magneto-motriz.cbca-ibs. 4. Potências em CA: Potência real. 4. religadores. Eletromagnetismo: Campo magnético. Velocidade.com. Funcionamento dos Geradores de Corrente Contínua: Identificação das partes constituintes de uma máquina de corrente contínua. seleção e dimensionamento. 3. Equipamentos auxiliares de medidas elétricas. Máquinas especiais. Aplicações. ohmímetro. dinamotor.7.3. varímetro. Aterramento: Noções de sistema de aterramento. Funcionamento.10. 3. Luminotécnica: Projeto de iluminação. Fornecimento de Energia: Modalidade de ligação. Métodos de Redução da Corrente de Partida: Chave estrela-triângulo. Circuitos. energia reativa e dupla tarifa. Tipos. amperímetro. Ação de campo sobre corrente. Sinalizadores de circuitos de emergência. Levantamento das curvas características do motor. dados. Relação de tensão.3. Densidade elétrica. 2. relé de máxima ou de mínima.br www. Características.7. Gerador Shunt. Funcionamento do gerador tipo Anel de Grams. 4. Aplicações e símbolos. Chave reversora automática com relé temporizado. eficaz e médio. 1. Equipamentos empregados. 3. Diagramas de Alta Tensão: Diagrama unifilar e trifilar.17. Sistemas de Controles em Máquinas Elétricas e Máquinas Especiais: Amplificador realimentado. Usinas Geradoras: Associação paralelo de geradores.21. Regulação da máquina. Inversão do giro. Proteção contra correntes de fuga. Características de compatibilidade dos equipamentos de alta tensão.14. Campo elétrico.5. Aparelho de Proteção: Pára-raios.3. 2. 1. Torque e velocidade. Subestações Transformadoras: Características construtivas.6. Arranjos de subestações. subterrâneo e misto.1. 2. Problemas Diversos nas Instalações: Sobretensões. Dissipação de calor nos motores elétricos em relação a altitude. Cálculo da corrente por circuito e dimensionamento da proteção. ohmímetro. Estudo das Máquinas Síncronas: Sincronismo. Y-Zigzag. .2. Construção física. Equipamentos de Alta Tensão: Condutores para linhas de distribuição e transmissão. modalidade de ligação.5. Fenômenos que ocorrem quando aplicamos VDC em um circuito RC série. Sincronismo. wattímetro. Lei de Joule. 1.4. F. 1. Gerador Compound.18. Estudo do Motor de Indução: Princípio de funcionamento. Velocidade síncrona. 2. Cálculo das correntes de fuga. Linha de Transmissão: Características e classificação.com.gerdau. Normas NBR 5410 da ABNT.5. Aquecimento elétrico. Intensidade de corrente. Forma de eliminação. Potencial elétrico. Chaves Contactoras: Princípio de funcionamento. T-T.3. 3.2. Enrolamento de motores. Projeto de Instalação: Divisão por circuitos e levantamento do quadro de cargas. lâmpada. Cálculo de Curto-Circuito: Generalidades sobre o cálculo de curto-circuito. bifásico e trifásico em sistemas de energia elétrica. Forma de onda. Circuito equivalente e parâmetros. Número de caminhos de corrente. Características funcionais e operacionais. 1. Definir freqüência e velocidade angular. Características. Relutância magnética. 1. Equivalência estrela-triângulo. Medições em circuitos trifásicos. Emprego de transformadores de corrente e potencial. 4. Transformador: Princípio de funcionamento. Máquinas Elétricas 2. Motor de indução com rotor bobinado e com rotor em gaiola. 3. Harmônicos em Transformadores. 3. 1. Circuito elétrico e expressões do motor. 3. Ensaio de curto-circuito e circuito aberto.1. Torque e velocidade. Coordenação de isolamento. As condições do neutro em sistemas elétricos. Auto-indução e mútua-indução. Ajuste do tempo de espera.4. seccionalizadores e chaves-fusíveis. Ligações.br www. Magnetismo: Ímãs. Força Motriz: Potência nominal e fator de potência. freqüencímetro e fasímetro). Circuitos alimentadores e ramais. Fornecimento de Energia aos Prédios: Modalidades de ligações – provisória.cosipa. Relação das constantes de torque. tomada. Relé Térmico. Tipos de rotores. Ligações VV. Transformador ideal.1. conversor síncrono. amperímetro. Critérios da queda de tensão e capacidade de corrente no condutor. Indução eletromagnética. Tipos de isoladores. Transitório: Indutor.br www. Simbologia do material empregado. Valores de tensão de pico. Norma MB-79. Indução eletrostática. Símbolos e unidade.acominas. 1. 1. 2. Período de uma onda senoidal de tensão. Montagens com Diagrama Unifilar. Equações.

Fundamentos de Eletrotécnica. Álgebra de Boole e Simplificação de Circuitos Lógicos . Ângelo. terminologia e simbologia ISA 5. Elementos de Eletrotécnica. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEGA. Haroldo de. São Paulo: Editora Makron Books. Mux e Demux. 2003. Rede brasileira de calibração normas e guias (ISO 19000 114000 e GUIA 25). Instrumentos Elementares de medição de pressão. Dispositivos de proteção. Arquiteturas (OSI/ISO e TCP/IP): características e limitações. Polarização de transistores. Análise de Circuitos em Corrente Alternada – Diagrama de Potências e Fator de Potência. CAMINHA. Sinais da CPU. Mc Graw Hill. CHRISTIE. topologias e protocolos. 4. 1984. Coleção Schaum. São Paulo: McGraw Hill Editora. Família de Circuitos Lógicos . Profibus. Carlos Alberto. Contadores . Manual de Bobinagem – Weg. Editora Guanabara Dois. sistema internacional de unidade. Soft Start. Princípios das redes de computadores. interrupções e DMA. Hardware do PC. 3ª Edição. MARTIGNONI. Iee Monograph Séries. 7.br/livrohb livrohb@openlink. NBR 5458. FITZGERALD.Partida de motor trifásico com chave compensadora automática com reversão. EPAMINONDAS PIO. planejamento de recursos humanos e controle de materiais e aquisições. BARROS. Paulo. Manutenção de Circuitos Eletromagnéticos: Identificação de defeitos em circuitos de comando. Manutenção Corretiva de Circuitos Ca e Cc. 1980. Editora Guanabara Dois. Amplificadores Operacionais e aplicações. JUAREZ ET ALLI . Ressonânica e Fator de Potência. Editora Globo.7. Circuitos Combinacionais . Eletricidade Básica. Hélio.1. Amperímetro. Máquinas Elétricas. barramentos internos e externos. Telecomunicações e Redes de Computadores: Princípios: sinais analógicos e digitais. BOYLESTAD. NBR 5380. Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade atendendo a NR-10. 1977. CAVALCANTI. Analise de Circuitos em Corrente Contínua – Lei de Ohm. Phillip. Editora Globo. 9. DAWES. KOSOW. Triac. ROBERT et alli . Edutec. Clarence. Wattímetro.Normas Regulamentadoras Comentadas Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho. Schaum Mc Graw Hill. Elementos de Eletrotécnica. 1979. São Paulo: Edgard Blücher. Conhecimentos de Aterramento de Equipamentos e de Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas. instrumento e operador. por Satélites. 5.Graw Hill. Máquinas Elétricas e Transformadores. Biblioteca Técnica Freitas Bastos. PROM. Circuitos analógicos a diodo. Rio de Janeiro: Edições Juarez Benito. Normas da ABNT: NBR 5356. 1977. Metrologia e Instrumentos de Medidas: Erro e tolerância. NBR 5416.6. Medidas Elétricas e Ensaios de Máquinas Elétricas – Coleção Edutec Exped. Sistemas de supervisão e controle distribuídos . Instrumentos Especiais: OTDR. Flurscheim. Mc. Controlador Lógico Programável e Inversor de Freqüência: Funcionamento e ligações do soft start. Frequencímetro. multiplexação e meios físicos. CREDER. TELEMECANIQUE e outros. Tubulações e Bombas (classificação. diagrama de blocos). Eletricidade Industrial: Máquinas Elétricas: transformadores. Alfonso. EPROM. Controle de Processos: Fundamentos de controle automático contínuo e descontínuo. Válvulas de Controle. 1985. Manuais Técnicos e de instalação de Soft Star. Chester. EDMINISTER. José Luiz Pereira.ed.4. EGÍDIO ALBERTO (ORGANIZADOR) et alli Instrumentação Industrial. características e componentes). inversor de freqüência e CLP. 4ª tiragem. Livros Técnicos e Científicos Editora. SCR. 1979. A. Circuitos de Controle Mono-Fásicos e Trifásicos. Sensores e Transdutores Especiais. Paulo João Mendes. Power Circuit Breaker. Seleção e Aplicação de Motores Elétricos / Série Brasileira de Tecnologia – Volumes 1 – Siemens – Mc Graw Hill. Retificadores. volumes 1 e 2. Standard Handbook for Eletrical Engineers. LOBOSCO. KOSOW. BOGART JR. 1987. Sólon. 2. Osciloscópio Analógico/Digital. 1978. Reguladores de Tensão. Led’s. Sistemas de comunicações: Móveis/Celulares. NBR 6855. 1ª Edição. máquinas síncronas. Donald G. Milton. 7. 1. Princípios básicos de Lubrificação de equipamentos e componentes mecânicos. Fundamentos e métodos de medição. Rio de Janeiro: Editora Prentice-Hall. Vocabulário internacional de metrologia. Controle de Máquinas Elétricas. Máquinas de Corrente Contínua. NBR 5440. Modbus. soft starter e conversor de . Automação e Controle: Tipos de Instrumentos. Peter Ltda. Edited By C. Inversores. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARIZA. Eletrônica Básica: Diodos: Retificadores e Zeners. Instrumentação. Noções de redes de comunicação e protocolos industriais (Bitbus. Noções básicas de analisadores. Baterias e No-Breaks. GUSSOW. Livros Técnicos e Científicos Editora. Funções e Portas Lógicas. CHRISTIE. Editora Globo. Padrão. Especificação de componentes utilizados em comandos eletromagnéticos. NBR 10295. 2ª Edição. Eletrodinâmica (Corrente Contínua). Leitura e interpretação de esquemas e diagramas uni e trifilares. 1ª Edição. 1985. MARTIGNONI. Noções de Equipamentos e Princípios de Manutenção: Noções de: Máquinas Hidráulicas. Eletrônica Industrial: Tiristores. Análise de dados de medição. E2PROM e RAM . THEODORE F. programação ladder e STL dos controladores lógicos usuais e parametrização dos inversores e soft start. NBR 7036. BENITO.com. Placas de Aquisição de Sinais Analógicos e Dados Digitais. MENDEL. Instalações Elétricas.Openlink. Mc. BOCCHETTI.Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 2000. Curso de Eletrotécnica. Júlio. temperatura e vazão. Método. Transistores BJT e FET. Retificadores Meia Onda e Onda Completa com Filtragem Capacitiva e Indutiva. 4. Instalações Elétricas. Óticos e por Microondas. Conversores A/D e D/A . Meio Ambiente e Saúde Ocupacional. Leitura e interpretação de diagramas Eletrônicos. Mc Graw Hill. 2 Volumes. Capacímetro e Ohmímetro. Claudio Fernandes. NISKIER. nível.H. CHAPMAN. Irving. Sistemas de telefonia analógica/digital. SIEMENS. Proteção Contra Sobrecorrentes em Circuitos de Distribuição – Home. MEDEIROS.SCD e SCADA. 10. Utilização de Instrumentos: Voltímetro. rastreabilidade. Unidades dimensionais lineares. Circuitos de Proteção em Tensão e Corrente. A Mecânicas das Bombas. Capacitores. Materiais Elétricos. Irving. Nardo Toledo. Transientes. CORREIA LIMA.ed. PEREGRINUS. Editora Globo. Transmissores de Informação. Transitório e regime permanente.com. NBR 6821. Mc Graw Hill. MAMEDE. NBR 7037. Medição de Energia Elétrica. Introdução à Proteção dos Sistemas Elétricos. MUÑOZ. NBR 5410 e NBR 14039. Inversor de Freqüência e Controlador Lógico Programável – sugestões de fabricantes WEG. Instalações Elétricas Industriais. Memórias: ROM. Indutores e Transformadores. Salvador: Gráfica Universitária. Computadores Industriais. STEPHEN J. 4. 1989. 6. João. Hart e Foundation Fieldbus). Rio de Janeiro: Editora Interciência. CUTLER. Editora Globo. Instalações elétricas de baixa tensão e conhecimento da norma ABNT NBR-5410. Confiabilidade e Hierarquia metrológica. 1988.br – 1ª Edição. Diac. com autotransformador. Interfaceamento com periféricos e memória principal. Eletrônica Digital: Sistemas de Numeração. Analisador de Espectro. Fontes de Alimentação Lineares e Chaveadas – Reguladores da Família 78XX e 79XX. Horlando e DIAS. FINK. . Sistemas e Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva. 1969. máquinas de corrente contínua e motores de indução. NBR 6820. Principais fatores que afetam um resultado. Osciladores.Eletric Machinery Fundamentals. Noções de Controladores Lógicos Programáveis e linguagens de programação de sistemas de controle (ladder. modulação. Registradores . 2ª Edição. Cálculo de Enrolamentos de Máquinas Elétricas e Sistemas de Alarme. Noções de Manutenção Industrial: Gerência e Planejamento de manutenção – caminho crítico e controle estatístico de processos. 8. 3. Joseph A. Análise de Circuitos. Optoacopladores. Noções de SMS: Conceitos Básicos de Segurança do Trabalho. Unidade. Clarence. ENGENHEIRO CALIBRAÇÃO) ELETRÔNICO (MANUTENÇÃO E freqüência. 1988. Eletricidade Básica: Resistores.Graw Hill. Ponte. 1966. Editora Globo. Flip-Flop. 1961. Amadeu. NBR 6856. Acionamentos e controles elétricos: partida direta. 2001. Dispositivos e Circuitos Eletrônicos. Ethernet e Padrões IEEE-802. Biblioteca Técnica Freitas Bastos. 1969.

Metalurgia Mecânica. Cromer. Janeiro. R.L. Aire e Gas. cerâmicos e materiais compostos). velocidade. Manual de Refrigeração e Ar Condicionado.1984-Vol I. RICARDO – PC e Periféricos. Rio de Janeiro. 1986. 11. Equação de Fourier para a condução. e REINHULTZ. MENDONÇA. STREETER. Processos de Produção (roteiros de produção) Ordens de Fabricação. J. A. N. MERIAN. Stirling e Rankyne). LUIZ FERNANDO et alli . Interciência. R. Janeiro. Trocadores de calor (análise térmica). mediana). Distribuição de Probabilidade (distribuição normal e distribuição binomial). e Spalding. 1982. SILVA. vazão mássica e vazão volumétrica). R. Guanabara Dois.York. Mc Graw Hill. perdas de carga).B. York. Mc Graw Hill. Dispositivos e Métodos de lubrificação. NASH. D. 2ª edição. 1976. C. Princípios de convecção.E. purgadores de vapor. MENDES CAVALCANTI. Vibração mecânica. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS FONSECA. Instalações e Lubrificação Industrial. Termodinâmica e Sistemas Térmicos. 2ª Edição.. Rio de Janeiro.C. Pressão absoluta e pressão manométrica. relação ar/combustível. São Paulo. 1982. Transmissão de Calor e de Massa. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos S. Janeiro. E. J. São Paulo.1978-vol 5. Rio de Janeiro: Ed. I e II. peso específico. Análise de esforços simples. Tensão superficial. Princípios de Transmissão de Calor. Vapor d’água e suas propriedades. 2002.R. J. Trabalho e Calor. VENNARD. Cia Editorial Continental S/A . Bombas e Instalações de Bombeamento. M. Resistência dos Materiais.C. Rio de Janeiro: Editora Livraria Freitas Bastos. Análise de Tensões. MORDKA . Ed. ENGENHEIRO MECÂNICO 1. cavitação). entalpia. Ed. Equação da Energia. Rio de Janeiro. distribuição das velocidades. 5. NPSH. de resistência à tração e de ruptura). energia interna. Eventos e Probabilidade. Condução unidimensional em regime permanente. Manufatura Integrada por Computador. H.Estática das Partículas e Corpos Rígidos. R. Barcelona. produtos da combustão). R. Janeiro. R. Lei de Flick.1998.vol. E. 5ª edição. COSTA. Ed. São Paulo. ________. Delineamento. 1ª Lei da Termodinâmica. México. Medidas de Tendência Central (média. Editora Guanabara Dois. Instalações de vapor (Caldeiras. e Wyle. Tensão Admissível.Eletrônica Digital. VAN WYLEN. Movimentação de Materiais.CREDER. Amostras. Folhas de Verificação. B. Efeitos combinados dos mecanismos de transmissão de Calor. H.E. 2001. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 1960. Kanbam. 3ª edição. MANs. e SIMMANG. . Variáveis discretas e contínuas. H. volume específico. Concentração de Tensões. 1º Edição. São Paulo: Editora Érica. temperatura. John Willley & Sons Inc. Fadiga. viscosidade). Esforços simples e seus diagramas (esforço normal. Rio de Janeiro: Office Book Editora. R. 15º Edição. A. alavancas). espessura ótima. entropia). vol. Ed. Estrutura e propriedade dos metais. Guanabara Dois. Resistência dos Materiais. TIMOSHENKO. Rio de Janeiro. Curso de Mecânica. A. R. . 2ª edição. 1991. 2ª edição. Degler. 4. 19887. Materiais para Equipamentos de Processo. JOSÉ LUIZ . Combustão (estequiometria. Novos materiais usados em engenharia (polímeros. Elementos Orgânicos de Máquinas. Edgard Blucher. V. Aços e suas ligas.H. WANs às redes ATM. Tratamento térmico. MACNTYRE. R. Ao Livro Técnico S/A. Tipos de Produção e Fluxo de Informações. raio critico de isolamento). 1983. Atrito de deslizamento e rolamento.Fundamentos de Eletrotécnica para técnicos em eletrônica. SOARES.Eletrônica Linear Diodo Sólido e Fonte de Alimentação. 1987. R. FAIRES. TIMOSHENKO. Edgard Blucher. Carta de Controle). Ed. SOLDBERG. Transmissão de Potência. Controle e Automação de Processos. FERRARI. RITA MARIA .Instrumentação. HIGGINS. Resistência dos Materiais.Rede de Computadores: das LANs. Processos de fabricação mecânica (conformação mecânica e metalúrgicos). Rio de Janeiro. Planejamento e Controle da Produção. SILVA TELLES. 1970. 1982. volume especifico. Controle Estatístico da Qualidade. S. 1976. 1º Edição. curvas características. W.Telecomunicações: evolução & revolução. 7. Carga de Máquinas. V. aditivos para óleos e graxas. 6. Mecanismos envolvidos nos processos de transferência de calor (condução. 1996. Termodinâmica. LTC. J. e JOHKSTON. Ed. 1982. Princípios de refrigeração. 1991. . Ponto de Nivelamento (ponto de equilíbrio). válvulas. Acabamento Superficial. Motores de Combustão Interna. densidade. P. Janeiro. York. J e Sintang. 1962. cônicas e sem fim). Fluência. 1998. ARAÚJO C. N. 1981. Ed. S e GERE. Rio de Janeiro: Ed. Calor Especifico. E. Aletas. de escoamento.A. Mechanisms and Dinamics of Machinery. LTC. Propriedades fundamentais (densidade. I. Ensaios Mecânicos. 5ª edição.N. John Willey & Sons Inc. Ferramentas para Melhoria da Qualidade (Just in Time. Influência dos elementos de liga e da temperatura no comportamento dos metais. Janeiro. Análise de Valor. tubulações. São Paulo. Conservação da Massa e de Energia. 1980. Medição das propriedades dos fluidos (pressão. Medidas de Dispersão (variância. Resistência dos Materiais. Física Aplicada a Construção: conforto térmico. MABIE. Variáveis Termodinâmicas (pressão. Estatística. Materiais e Processos de Fabricação. Carta de Tendências. Distribuição de Frequência. Gestão Estratégica da Qualidade. Rio de Janeiro: Editora Campus. Elementos de la Mecanica de los Fluidos.L. 1988. Corpos negros. Mecânica dos Fluidos. Lubrificação de órgãos de máquina. Engenharia de métodos e processos. 1ª Edição. R. Reverté s/a. ALEXANDRE E ZELENOVSKY. Interciência. V. 1998. F. Fluxo de fluidos reais (escoamentos laminar e turbulento. Fundamentos de Termodinâmica Clássica. Capilaridade.A. Melhoria Contínua. G. Guanabara Dois. FREIRE. Fluxo de fluidos ideais. Bombas centrífugas (instalação e seleção. Johm Willey & Sons Inc. HÉLIO – Instalações Elétricas. Diagramas de Pareto. La Producción de Energia Mediante el Vapor. 4ª edição. Turbinas a Vapor e a Gás. Análise de óleos lubrificantes. Normas das séries ISO 9000. Controle de Estoques. 1970. 1965. 1970. Mecanismos e Dinâmica das Máquinas. Lei de Stefan-Boltzman.L. Mancais simples e de rolamento. Análise de esforços.K. desempenho.C. N. Lei de resfriamento de Newton. sistema de recuperação de condensado). Tecnologia Mecânica. Sistemas articulados (biela-manivela. Propriedades Mecânicas (limites de proporcionalidade. P. Histogramas. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna. Outras Ferramentas para a Qualidade (Fluxogramas. M.C. J. Livros Técnicos e Científicos Editora S/A . Classificação de Materiais. meios de ligação. 1969. 2005.A. Calor sensível e calor latente.R. Mecânica . SZAJNBERG. 2. SEVERNS. Isolamento Térmico (materiais. Propriedades e Estrutura dos Materiais de Engenharia. R. Rio de Janeiro. São Paulo. Psicometria. Estática. 2ª edição. 3. altura manométrica total. II e III. dimensionamento e flexibilidade das tubulações).M. Thermal Engineering . de Causa e Efeito e de Dispersão. Livros Técnicos e Científicos s/a. Mecânica dos Sólidos. 3ª edição. Mc Graw Hill. Diagrama Tensão x Deformação. vazão). momento fletor e momento torçor). Arranjo Físico (layout). radiação e convecção). Equações de equilíbrio estático. H. materiais de fabricação. Rio de Janeiro. ventilação e ar condicionado. Lei de Hooke. Bombas Industriais. Tecnologia Mecânica – 2ª edição. JUVINALL. de elasticidade. Equação de Bernouilli. Transferência de calor por radiação entre corpos negros. V. combustão com excesso de ar. de Janeiro. Manufatura Flexível. e Milles. esforço cortante. Máquinas Motrizes e Hidráulicas. Instalações de Ar Condicionado. . R. Rio de Janeiro. desvio padrão). A. Compressão e Cizalhamento. Fundamentals of Machine Component Design. óleos e graxas lubrificantes. e Mattos. 2003. 8. E. Controle Estatístico de Processo). CREDER. P. J. Histograma. Escoamento de fluidos (lei da continuidade. Ciclos Térmicos (Carnot . Gordon. 2005. W. Ao Livro Técnico S/A. ANTONIO M. vol. DIETER.. 10. Ao Livro Técnico. Ao Livro Técnico. Princípios de transferência de massa. vol. Rio de Janeiro: Ed. Gestão da Qualidade. Engrenagens (cilíndricas. GOMES. 21ª Edição. Mecânica dos Fluidos e Sistemas Fluidos. Cultura organizacional. E. helicoidais. 1ª Edição. Planejamento da Produção. Tubulações industriais (componentes. Coeficiente de atrito. Ductilidade e Fragilidade. 9. Ed. C. 1983. 2ª Edição. FALCO. II e III. CHIAVERINI. R. Técnicas de Solução de Problemas. Balanceamento de máquinas. Tolerância e Ajustes. LTC. Janeiro. J. Garantida e Controle Total da Qualidade. Tração. H. Defil. Livros Técnicos e Científicos S. 1997 BEER. LOUREIRO ALVES.M.E. 6ª edição. FAIRES. Ao Livro Técnico.

2. Rio de Janeiro. 2000. Mecânica dos fluidos. CHIAVERINI V. Livros Técnicos e Científicos. Vol:1. Editora Edgard Blücher. J. 1979. overshoot..P. Conceitos de Tratamentos térmicos em geral.ed.HUMBERTO LIMA. comandos estáticos e dinâmicos. Estática das Estruturas..B. Tolerâncias. 1990. Equações constitutivas da dinâmica dos fluidos. Análise dimensional e relações de semelhança. WILLIAM ARTUR. Resistência dos materiais: Cálculos estáticos. Wiley & Sons. Propriedades mecânicas dos materiais. Curso de Análise de Estruturas. Noções de normas técnicas de ensaios mecânicos em geral. Principais fatores da perda de eficiência. A Qualidade desde o Projeto. 3ª edição. SCARATO. São Paulo. Termodinâmica. ENGENHEIRO MECÂNICO (ANÁLISE DE TENSÕES) Solução de problemas enfocando a estática e a dinâmica de corpos rígidos.a Edição. L. 1982 Resistência dos Materiais. Edição atualizada. fadiga e de impacto. Resistência dos materiais. Conceitos de erro. Análise das tensões e deformações. 1980. Edifícios Industriais em Aço. Estruturas Metálicas – Cálculos. Janeiro. e Carreteiro. Editora Atlas. Editora Pioneira. WALTER..M.1973. Força cortante e momento fletor. RUSSOMANO. Primeira lei e a conservação de energia. ABNT.2ª Edition. C. convecção e radiação. J. Paulo. 1979. 1994. D. POPOV. ANSYS Análise de Equipamentos.. Volumes 1. Edição recente.P. compressores centrífugos. Fundamentos e mecanismos de transferência de calor. São Paulo. Estruturas Metálicas. Propriedades mecânicas dos materiais. Conceitos fundamentais dos processos de soldagem. arco submerso e arco de eletrodo tubular. compressores axiais. Editora Blucher – 1989. 1982 Resistência dos Materiais. Desenho mecânico e de máquinas. SÜSSEKIND. ajustes. Manual prático do mecânico. Estática das Estruturas. compressores alternativos. 2001. STEVENSON. Edição recente. GLOBALTECH.A. MODENESI P. 1992.Princípios e Métodos.. Edição recente. VOLUME:1. Estatística Aplicada a Administração. Pedro Manuel C. Tratamento térmico. Guanabara Dois. 1991. propriedades dos materiais. Normalização usada para especificação de eletrodos revestidos. Editora Blucher – 1989. Problemas de flexão estaticamente indeterminados.1973. desvios e análise de dimensões. TIG. dobramento e flexão. Edição recente. MANFE G. SAP 2000 LN. São Paulo. Fundamentals of Heat and Mass Transfer J. Modelagem estrutural. Estruturas Metálicas. 1983. Rio de Janeiro SORIANO. Livros Técnicos e Científicos.L. 2001. JURAN.. Rio de Janeiro. Características dos ensaios mecânicos não destrutivos. FALCONI. John Wiley&Sons Inc. 1985. 2ª Edição. “CAD/CAM Theory and Practice”. Sistemas lineares e respectiva representação através de transformadas de Laplace. Transferência de Calor. R.L. L. 3 – EDITORA GLOBO S.Ferramentas para Melhoria Contínua (The Memory Jogger). R. PROVENZA F. SILVA M. J. Controle automático. Minas Gerais. Vol:1. J. Resistência dos Materiais. PFEIL. F.3.. Edição atualizada. Rio de janeiro.New York.. Rio de Janeiro. Edição atualizada.. ABRÃO A. MARQUES P. L. Processos de Transmissão de Calor. Antonio. MOLITERNO. H. Tração e compressão entre os limites elásticos. Egor Paul. J. F. KERN. S. Controle da Qualidade Total. 2 e 3. Estruturas de controle em feedback. 2 e 3. São Paulo.A. dureza. Noções de escoamento compressível em bocais. B. Soldagem. Estado plano de tensões. Guanabara. WALTER. C. R. Edição atualizada. INCOPERA. C. Brasagem. 7ª edição-2000. Balanço energético e cálculo de eficiência do ciclo. D. MANUAIS DA CONSTRUÇÃO EM AÇO – CBCA-Companhia Brasileira da Construção em Aço -2007. Pinheiro. Elementos para Projetos em Perfis Leves de Aço. 1981... Gestão da Qualidade . 2. I. R. Fontes de energia para soldagem a arco elétrico.-carbono. detalhes. Livros Técnicos e Científicos.3. Rio de Janeiro PACHECO. Conceitos de processos de soldagem MIG/ MAG. Antonio. Abordagem elementar dos processos de condução. Aspectos termodinâmicos associados aos processos desenvolvidos por essas máquinas. estabilidade. São Paulo. E. W. Princípios de operação dos trocadores de calor. ENGENHEIRO METALÚRGICO (ENSAIOS DE MATERIAIS. Aços e ferros fundidos. Volumes 1. Bellei. Edição atualizada. 2007. Momento de inércia das figuras planas. Mc Graw Hill . Editora Harbra. 2002. VLACK L. Fundamentos sobre arco elétrico aplicado à soldagem. CIPBRASIL. MAYER. V.HOLMAN. Mecanismos para aumento da resistência mecânica e tenacidade dos aços-carbonos. Nova York. V.K.. VOLUME:1. São Paulo McGraw-Hill – do Brasil PINHEIRO. Rio de Janeiro. Hidrostática. Escoamento em tubulações. Desenhista de máquinas. turbinas a vapor e a gás. C. 2. Tecnologia mecânica. Fundamentos de Transferência de Calor. Influência das condições do serviço efetuado por essas máquinas sobre o desempenho das mesmas e cálculo de potência de operação. Metrologia mecânica (CD). 3ª edição.. São Paulo. Edição recente. 7ª edição-2000. P. CUNHA L. A. Princípio de ciências de materiais. Principais materiais metálicos e não-metálicos de uso industrial e respectivas indicações e contra-indicações ao uso. 2. Qualidade . Torção e momento torsor. WILLIAM ARTUR. R. Rio de Janeiro. 2ª edição. 1ª Edição. bombas centrífugas. Applied Finite Element Analysis. Conceitos práticos relativos aos ciclos de Rankine e Brayton. 1. Editora Ciência Moderna Ltda. A.e projetos. Fatores gerais de influência na seleção de materiais. CERQUEIRA NETO.. Teoria da usinagem dos materiais. fluência. Máquinas de fluxo. cargas atuantes. M.. AGOSTINHO O.2. Tensões/deformações em vigas carregadas transversalmente. São Paulo. Ensaios de materiais.2ª Edição.. Análise estrutural empregando softwares computacionais ANSYS E SAP 2000. C. BRASSARD. PUGLIESI M. MACHADO A. Editora Pioneira. R.C. Soldagem: Fundamentos e tecnologia.Edição atualizada. Ed. condições de contorno deslocamentos em xyz. Editora Edgard Blücher. 2000. Tubulações Industriais. THOMAS. C.A. Rio de Janeiro. Estruturas de aço: Dimensionamento Prático. A Estatística Básica e sua Prática. 1998. Gases perfeitos. HUMBERTO LIMA. Editora Pini. Regiões de máximos e mínimos coeficiente de segurança.. Características dos ensaios mecânicos destrutivos: ensaio de tração. M.C. Administração da Produção.3 – EDITORA GLOBO S. Transformação de fase de . SÜSSEKIND. exercícios. SORIANO. Estado termodinâmico e propriedades termodinâmicas. J.. Janeiro. Princípios de funcionamento e operação de ventiladores. Qualitymark Editora... Propriedades e natureza dos fluidos.2007 Apostila de INTRODUÇÃO AO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE ANSYS. Ruptura dos materiais sob tensão. 1984 MOLITERNO. unidades coerentes.Editora Blucher – 2005. compressão. NASH.. Curso de Análise de Estruturas. 2ª Edição. 1983. PFEIL.P. Seleção de materiais. Princípios do controle automático de processos. Desenho técnico Mecânico. Estruturas de aço: Dimensionamento Prático. S. Lubrificantes e Lubrificação.F. Noções de eletricidade básica e segurança em instalações energizadas. McGraw-Hill. Edição recente. Ciclos teóricos de geração de potência e refrigeração. Desenho e Projeto mecânico Segunda lei aplicada a ciclos e processos. Representação de simbologia para preparação de juntas soldadas.. Equipamentos auxiliares para implementação desses ciclos. Fundação Christiano Ottoni. tipos de carregamentos estruturais.S. SOLDAGEM E TRATAMENTO TÉRMICO) 1. Normas da ABNT Pinheiro.2. Editora Pioneira. NASH.P. Planejamento e Acompanhamento da Produção. 3. Ligas ferro. CHIAVERINI V. Elementos para Projetos em Perfis Leves de Aço. Editora LTC. Ed. V. I. Transmissão do calor. MOORE. G. SILVA Telles. São Paulo McGraw-Hill – do Brasil SEGERLIND. Trindade D. J. MOURA. Peças e Estruturas usando Programas Computacionais. 2. POZZA R. Diagramas tensãodeformação. Conjunto de normas para desenho mecânico. V. R. análise de resultados SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Zeid. Editora Ciência Moderna Ltda. Ciclos de geração de potência. 1991. Editora LTC. Tratamentos térmicos.a edição.

1980. Bombas Industriais. Tecnologia Mecânica. Análise de Riscos. 503p. Conceitos fundamentais de estrutura atômica. J. 1991. 6. Editora Atlas. VLACK. Johm Willey & Sons Inc.. 3ª edição. Amostras. Sistemas articulados (biela-manivela. Florianópolis: Edeme. CERQUEIRA Neto. Atrito de deslizamento e rolamento. 3.I e II JUVINALL. Estática. V.D. Técnicas de Solução de Problemas. aditivos para óleos e graxas. Metalografia dos Produtos Siderúrgicos Comuns. 286p. Ed. e WYLE. GUY. Metalurgia Mecânica. cônicas e sem fim). Taxas de Juros. J. Melhoria Contínua. Bombas e Instalações de Bombeamento. 2000. Princípios de Ciência dos Materiais. Mecânica dos Fluidos. São Paulo: Ed. John Willey & Sons Inc. Materiais para Equipamentos de Processo.A.H. São Paulo: Edgard Blümer. Mancais simples e de rolamento. Ao Livro Técnico S/A. 1982 MOURA. Pressão absoluta e pressão manométrica. R. M. R. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Tipos de Produção e Fluxo de Informações. Guanabara Dois. Engenharia de Materiais. Processos de Produção (roteiros de produção) Ordens de Fabricação. Seleção de Materiais. 504p. E. R. W. P. 2007. 1991. São Paulo: Edgard Blümer. Tubulações industriais (componentes. M. Aços e Ferros Fundidos. Movimentação de Materiais. mediana). Normas das séries ISO 9000. Editora Harbra. 5. cavitação). helicoidais. convecção e radiação. Elementos de la Mecanica de los Fluidos. R. Variáveis discretas e contínuas. CHIAVERINI. vol. Editora Pioneira. R. Medidas de Tendência Central (média. A. estampagem. Propriedades Estruturais dos Materiais em Engenharia. Guanabara Dois. Fenômenos de Transporte. Rio de Janeiro: Campus. 2007. Diagrama TTT. Medição das propriedades dos fluidos (pressão. M. Mc Graw Hill. viscosidade). Interciência. 3ª edição. Curso de Mecânica.metais: desenvolvimento de microestrutura e alteração das propriedades mecânicas. ENGENHEIRO DA PRODUÇÃO 1. Controle Estatístico de Processo). Cia Editorial Continental S/A . 1982. A. Propriedades e Estrutura dos Materiais de Engenharia. Ao Livro Técnico. 4. V. Administração de Estoques. A. 1987. Endurecimento por precipitação. Carta de Controle). Distribuição de Freqüência. Delineamento. Janeiro. . CHAWLA. Transferência de Calor. Instalações e Lubrificação Industrial. Bombas centrifugas ( instalação e seleção. Imperfeição em sólidos: defeitos pontuais. Tubulações Industriais. Folhas de Verificação. Gestão da Qualidade . 589p. MOORE. 556p.vol 5. 448p. Custos Industriais. J. Defil. 2002. 1962. 1 edição. Cultura organizacional. S. Estrutura e propriedade dos metais. 1986. de Causa e Efeito e de Dispersão. Acabamento Superficial.Fundamentos e Tecnologia. Hubertus. 7. 2ª edição. Planejamento e Controle da Produção.Estática das Partículas e Corpos Rígidos. H. 1986. Manufatura Integrada por Computador. 8. SILVA Telles. Rio de Janeiro. SHACKELFORD. forjagem. F. E. Oferta. R. V. N. Tensão superficial. G. São Paulo. A Qualidade desde o Projeto. Eventos e Probabilidade. D. Ciência dos Materiais. JURAN. São Paulo. SILVA Telles. momento fletor e momento torçor). 2004. e MATTOS. 2ª edição. CHIAVERINI. Mechanisms and Dinamics of Machinery. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS FONSECA. J. 1983. Gestão da Qualidade. laminação e extrusão). Análise de óleos lubrificantes. e CARRETEIRO.2 edição. soldagem. Volumes I. Mecânica . Equações de equilíbrio estático. 2ª edição. Introdução á Ciência dos Materiais para Engenheiros.A. 1ª edição. STREETER. 1982. Carta de Tendências. Mc Graw Hill. A. Rio de Janeiro.. H. 469p. Soldagem . C. Equação da Energia. Estrutura de sólidos cristalinos. Princípios de Metalurgia Mecânica.ed. ISBN: 8521202385. São Paulo. B. Diagrama de fases em condições de equilíbrio. E. D. 1997 FAIRES. 1980. 362p. Fluxo de fluidos reais (escoamentos laminar e turbulento. Editora Guanabara Dois. 1979. Monopólio. R. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MARQUES. imperfeições diversas. São Paulo: Associação Brasileira de Metais. Estatística. 411p. Usinagem dos metais. K. Aplicações E Projeto Vols. Análise de Valor. Interciência. velocidade. altura manométrica total.Princípios e Métodos.1987. Livros Técnicos e Científicos. Mecanismos e Dinâmica das Máquinas. HIGGINS. P. Tempo de Retorno dos Investimentos. MABIE. alavancas). K. 6 edição.. dobramento. L. São Paulo: Edgard Blümer. A Estatística Básica e sua Prática. Minas Gerais: Editora UFMG. Capilaridade. 2008. São Paulo: Eduscar. A. Coeficiente de atrito. York. São Paulo: Pearson Prentice Hall. desempenho. vazão mássica e vazão volumétrica). Aços e suas ligas. São Paulo: Editora Pioneira. Fundamentals of Machine Component Design. Livros Técnicos e Científicos. JONE. Ed. óleos e graxas lubrificantes. QUITES.. Manufatura Flexível. 264p. Fluxo de fluidos ideais. isolamento térmico). P. HIGGINS. Livros Técnicos e Científicos. FERRANTE. 1965. GARCIA. ASHBY. NPSH. II e III. 1981. Transmissão de Potência. curvas características. esforço cortante. 2ªedição. I e II. MAYER. 1982. 1983. II e III. Diagramas de Pareto. 1982. 4. Uma Introdução A Propriedades.. Soldagem . Escoamento de fluidos (lei da continuidade. C. Elaboração de Procedimentos. Economia na Engenharia. 3. materiais de fabricação. Ponto de Nivelamento (ponto de equilíbrio). Máquinas Motrizes e Hidráulicas. HOLMAN. Balanceamento de máquinas. Rio de Janeiro. 1981. Tratamento térmico. R. STEVENSON. 2000. J. W. 1979. Engenharia de métodos e processos. e REINHULTZ. Medidas de Dispersão (variância. Kanbam. São Paulo. A. J. Análise de Investimentos. Propriedades fundamentais (densidade. E. Ciência e Engenharia de Materiais. J. L. Dos. distribuição das velocidades. Equação de Bernouilli. corte. Gestão Estratégica da Qualidade. York. Editora Pioneira. N. 1990. 2ª edição.G. P. Processos de fabricação mecânica (fundição. ed. Elasticidade. Planejamento da Produção. Outras Ferramentas para a Qualidade (Fluxogramas. 1976 FREIRE. Rio de Janeiro. México. P. Vibração mecânica. Endureciblidade. meios de ligação. Influência dos elementos de liga e da temperatura no comportamento dos metais. VENNARD. 1979. São Paulo: Mc Graw-Hill. 1998. P. Lubrificação de órgãos de máquina. peso específico. V. 1983. R. Histograma. L. C. Estudos de Localização. 1981. cerâmicos e materiais compostos). C. V. Carga de Máquinas. Materiais e Processos de Fabricação. Controle Estatístico da Qualidade. São Paulo: Difel Difusão Editorial S. FALCO. 1977. Livros Técnicos e Científicos S.H. 505p. Análise de esforços.M. A. R. perdas de carga). 1995.K. Rio de Janeiro. volume específico. SPIM J.S. CHIAVERINI. V. vazão). Estatística Aplicada a Administração. Garantida e Controle Total da Qualidade. Ferramentas para Melhoria da Qualidade (Just in Time. 9. R. Janeiro. M.A. SOUZA. Elementos Orgânicos de Máquinas. Rio de Janeiro. São Paulo: Edgard Blümer. DIETER. 2. Transmissão de Calor (condução. Valor presente e valor futuro. 1994. WAINER. CALLISTER.1978 . Rio de Janeiro: LTC. Histogramas. Rio de Janeiro: LTC. Esforços simples e seus diagramas (esforço normal. MACNTYRE. Ed. Taxa Interna de Retorno. São Paulo: LTC. E. Classificação de Materiais. Engrenagens (cilíndricas. 356p. São Paulo: Edgard Blümer. A. Rio de Janeiro. Distribuição de Probabilidade (distribuição normal e distribuição binomial). J. Administração da Produção. Lubrificantes e Lubrificação. Rio de Janeiro: Ed. SANTOS C. Dispositivos e Métodos de lubrificação. Janeiro. 248p. Noções Básicas de Economia (Demanda. I MERIAN. desvio padrão). S. Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos. M. Planejamento e Acompanhamento da Produção. RUSSOMANO. H. dimensionamento e flexibilidade das tubulações). A Função Financeira nas Empresas. E.Processos e Metalurgia. Tecnologia Mecânica. ________. Tecnologia da Soldagem a Arco Voltaico. COLPAERT. Ensaios dos Materiais. V. Mecanismos de difusão dos materiais. Livros Técnicos e Científicos Editora S/A. vol. . R. Arranjo Físico (layout). 2000. A. Novos materiais usados em engenharia (polímeros. São Paulo. R. 505p. 435p. Rio de Janeiro.vol. Tolerância e Ajustes. Uma introdução. Ensaios Mecânicos Destrutivos e Não Destrutivos. Mc Graw Hill. Tecnologia Mecânica. Oligopólio) Matemática financeira.

4. CICCO. Legislação Brasileira. 65 ed. 2. Controle de Poluição Atmosférica). 3. Avaliação de planos de gestão de bacias hidrográficas..6. 1. lagoas de estabilização. Ventilação Industrial. 1.5. de 10 de julho de 1992 .9. Monitoramento ambiental de solo. químicas e biológicas dos resíduos sólidos. A importância da água. de 23 de março de 1992 . NETO. 2. 1992. manutenção e cuidados com mangueiras de incêndio. padrões de potabilidade. classificação dos aterros para resíduos sólidos de origem doméstica e industrial. hidrograma.938/81 . Higiene do Trabalho e Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA. Lei nº 2.PCMAT.13. Redes de distribuição de água. Manual de Prevenção e Combate a Incêndios. reatores anaeróbios. Licenciamento Ambiental. 2000. Programas de Segurança. 7. São Paulo. Periculosidade. Licenciamento Ambiental. Gestão dos Resíduos Sólidos. Saúde e Sistemas de Gestão.1. 1. ROBICHECK. recuperação de áreas degradadas. Legislação ambiental (Federal. 2008. 4. 6. de 26 de novembro de 1991 Dispõe sobre a realização de auditorias ambientais. 3.3. Política ambiental e desenvolvimento sustentável. químicas e biológicas da água. 9433/97 . 1996. Noções gerais de economia ambiental. estações de tratamento de efluentes líquidos. 5. bacias hidrográficas. São Paulo: LTR. 1. Leis Estaduais . Ed. carga orgânica. 8. critérios de dimensionamento para sistemas de drenagem pluvial.FALCONI. processos de tratamento. M. Marcia Angelim Chaves.011. M.Dispõe sobre a obrigatoriedade da implementação de Programa de Redução de Resíduos. partes constituintes dos sistemas de abastecimento de água. Normas Técnicas Brasileiras – Série ISO 14000 ALMEIDA. Sistemas de Abastecimento de Água. Manual Prático de Avaliação e Controle de Gases e Vapores – PPRA. medidas compensatórias. S. de 06 de outubro de 1988 . 1977. José M. Meio Ambiente do Trabalho Direito. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT.4.6.). M. R. 7. São Paulo. São Paulo: Método. ENGENHEIRO DE MEIO AMBIENTE 1. BATALHA. orçamento e composição de custos.Dispõe sobre o Sistema de Licenciamento Ambiental – SLAM.979. Controle da Qualidade Total.4. remediação ambiental. Higiene Ocupacional. levantamento de quantitativos. mecânicas e etc. Ed. Características físicas. bombas e estações elevatórias.361. J.4. implantação. Sistemas de Prevenção e Combate a Incêndios. Lei n° 2. riscos ambientais. Redes coletoras de esgotos sanitários e industriais. Resíduos. São Paulo: LTR. Medidas de controle de agentes ambientais. controle de materiais. 4.ed. Atlas. Z.1.º 9. Rio de Janeiro: Thex. águas superficiais. Lei Federal no. Gestão integrada de meio ambiente. Ed. 2. Lei nº 1.5. Qualidade. BS 8800..3. 4.000. Minas Gerais. 1. Sistemas fixos e equipamentos móveis de combate a incêndios. . controle. Tuffi Messias. 2010. o processamento e a disposição final de resíduos industriais tóxicos.2. estações de tratamento de água. 2. Sistemas de Coleta e Tratamento de Efluentes Líquidos.4. 1.2. 3. Consumo de água. 2. Licenciamento ambiental de empreendimentos industriais.7.5. 2. Insalubridade. Atlas. 1. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA. 3. Atlas. Noções de hidrologia.3. São Paulo. Lei Federal nº 6. Controle da qualidade da água para consumo humano. Risk Tecnologia. 6. 2. 2002. Acondicionamento. 2 ed.666/93 e alterações posteriores . 2. Princípios de planejamento e de orçamento público. manejo de bacias hidrográficas.3. Agenda 21. Administração Financeira. CORREA. Planejamento. de 25 de março de 1997 Estabelece a política estadual de qualidade ambiental ocupacional e de proteção da saúde do trabalhador. 2. Curso Básico de Segurança e Higiene Ocupacional. Lei Federal n. Segurança e Medicina do Trabalho. Qualidade da água.3.2.1.ed.Política Nacional de Recursos Hídricos.Decreto Nº 42. as poluições de origem pontual e difusa. ed. Constituição Federal. 3ª edição. 4. 1. 2. São Paulo: Edgard Blucher. demanda bioquímica de oxigênio. SALIBA. Inspeções.1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CAMILLO JÚNIOR. 6. 2.6. poluição hídrica e tecnologias de tratamento dos efluentes. GARCIA.1. P.2.2.5. fenômeno de autodepuração. 4. Transporte e dispersão de poluentes..12. 7.666 e atualizações. Inspeções. 3. valoração de danos. balanço de massa e energia nos processos produtivos. Programa de Condição e Meio Ambiente de Trabalho na Industria da Construção Civil . órgãos acessórios. Fundação Christiano Ottoni. 1. Adução de água. Lei nº 1. controle físico-financeiro. Licitações e contratos. 2000.15. 1. 5. e MYERS. ciclo hidrológico.4. ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1.Política Estadual de Recursos Hídricos. saúde e segurança industrial.3. 2. Tuffi Messias. São Paulo. São Paulo. Classificação de Águas. Certificação ISO 14. Saraiva. 4. 4. 7. LIMA Neto.1. Abel Batista. coleta.1. 5.Lei de Crimes Ambientais. 7. do solo e do ar como componentes dos ecossistemas na natureza. Curso Básico de Finanças. Caracterização quantitativa e qualitativa dos resíduos sólidos domésticos e industriais. 1. Manual de Hidráulica. 1. Lei nº 1. dimensionamento.1. líquidos e sólidos: mecanismos físicos. 1. 8. 2 ed. 3. Recursos Hídricos.3.14. Política de segurança e saúde no trabalho. critérios gerais de dimensionamento.6.10. 1. 8. 4. 1. 2000. 1982.1.° 8. Administração Financeira: Uma Abordagem Prática..7. 7.3. SALIBA. reparo e construção dos cascos de navio e determina a mudança tecnológica das que utilizam este procedimento. BS 8800 Manual sobre Sistema de Gestão e Saúde no Trabalho. São Paulo: SENAC. valos de oxidação. Processos de produção industrial (químicas. 6. S. Rio de janeiro.. Riscos ambientais 1.5. Programa de Conservação Auditiva – PCA. Resoluções CONAMA (EIA/RIMA. A. metalúrgicas.ed. Meio Ambiente – Preservação Ambiental e Controle da Poluição.7. Reservatórios de distribuição de água.2.702.5. 1978. Impactos socioeconômicos associados a grandes empreendimentos. Coleta seletiva e reciclagem. Qualitymark Editora. Ed. zoneamento ecológico-econômico. São Paulo: Atlas. Agentes causadores das doenças ocupacionais. dimensionamento econômico.6. A. filtração biológica. 1. Noções de educação ambiental. A. Yara C. Conceito de poluição ambiental. Ed. 4. Legislação Aplicada à Segurança do Trabalho. 4. São Paulo: LTR. principais processos de tratamento. 1. 8. 5.2. Tuffi Messias. SANVICENTE.2. 4.8. Constituição Estadual. princípios dos tratamentos de resíduos gasosos. 8. Controle de Poluição Hídrica.Licitações e Contratos da Administração Pública. regime dos cursos d’água. 8.5. 2009.ed. AZEVEDO NETTO. Lei n. partes constituintes. Autodepuração de cursos dágua. Programa de Proteção Respiratória – PPR.4. MANUAL DE LEGISLAÇÃO ATLAS. Segurança e Medicina do Trabalho.1. Sistemas de Gestão Ambiental e Auditoria Ambiental. Passivos ambientais. Tuffi Messias.898. Instrumentos de medição e técnicas de utilização. 2006. Indicadores de qualidade ambiental. medições.1.3. 8. 6. 1. São Paulo.3. 1991. classificação. adutoras por recalque. Estadual e Municipal). fiscalização e execução de obras. 5. Disposição final dos resíduos. SALIBA. 1. CETESB. lodos ativados.4. A importância do saneamento no controle da poluição. 1. 2006. 7. conforme a Lei n. avaliação. Manual Prático de Avaliação Controle de Poeira e Outros Particulados. Classificação das Águas. SALIBA. 1. Bem-Hur Luttembarck. V. 4. 1987.Regula a estocagem. águas subterrâneas. SLAM – Sistema de Licenciamento Ambiental . Francesco de. redução da concentração bacteriana.159 de 02 de dezembro de 2009 . químicos e biológicos. A. 3. Tratamento de efluentes líquidos. 1. Acompanhamento e aplicação de recursos. Avaliação de impactos ambientais.Política Nacional de Meio Ambiente. Conceituação de macro e micro drenagem. Noções de Direito Administrativo. Gestão Administrativa e Ambiental. dimensionamento. aterro sanitário. HOJI.2. Instrumentos de controle e licenciamento. A. importância. 2002.2. proteção da saúde das populações e preservação ambiental.2.º 8. 8.3.605/98 .1. Ecologia e ecossistemas brasileiros. Tratamento de água. 5.7. São Paulo: LTR. características físicas. 2001. água e ar. Normas Regulamentadoras: NR-1 a NR-33 e legislação complementar. manutenção e recarga em extintores de incêndio. Gustavo Felipe Barbosa. R de A.Proíbe a instalação de empresas que utilizam o jateamento de areia na limpeza. Otimização das Decisões Financeiras. adutoras por gravidade em condutos livres e forçados. BRASSARD. Atlas.4. emissão de faturas. CLÁUDIA.Ferramentas para Melhoria Contínua (The Memory Jogger). 1.4. Gestão ambiental: planejamento.11. L. Matemática Financeira e Suas Aplicações. operação e verificação. C.. transporte e destinação final adequado..

Controle e Programação de Serviços de Saúde. aplicação. registro. motivos. Constantino Arruda. fatores condicionantes e custos. Belo Horizonte. Lisboa: Piaget. Aracaju.http://www. 3.br BRASIL. Editora Triunfo. Ministério da Saúde.com. A. set. C. Samuel Murgel. L. Saúde & Cidadania. 2001. Curso de Hidráulica. – (Série A. A. 2003.nuclep. 1997. p. CHEHEBE. Auditoria de Enfermagem nos Hospitais e Planos de Saúde . 3.org. 2003. CETESB. deficientes. 1998. Campina Grande.080. Agência Nacional de Saúde Suplementar – Resultados da Segunda Etapa da Primeira Fase do Programa de Qualificação da Saúde suplementar – Qualificação das Operadoras. ed. acreditação e certificação: abordagens à qualidade de serviços de saúde.gov. taxas de freqüência e gravidade. 1999. São Paulo. Acidentes do trabalho: conceito. Ed. BRASIL. ed.ambientebrasil. São Paulo: Pioneira.org. BRASIL.www. 270 p. Auditoria.LEI Nº 9.br www. Lei Orgânica da Saúde. Tabela de Honorários Médicos . Manual de Tratamento de Águas Residuárias Industriais. Ministério da Saúde. motivos. prevenção. Série ANS 4 . Tratamento físico-químico de águas residuárias industriais. Produto 3. Bethesda: CHS.ans. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.AMB 1990.br www.C. 1990.com. São Paulo.abes-dn. E. Montone. de 24 de Novembro de 2006. Sistema de Licenciamento de Atividades Poluidoras – SLAP. Conceito de saúde ocupacional e medicina do trabalho. proteção e recuperação da saúde. Sanmya Feitosa. Introdução à Engenharia Ambiental. 3. Manual de Saneamento. São Paulo: Atlas. MÉDICO DO TRABALHO 1. PILLET. Contrato de Gestão 2008 – Agência Nacional de Saúde Suplementar. CHERNICHARO. 8. Glosa: conceitos.firjan. Gilson et al.ambiente.ibama. fundamentação.466/96. Código de ética médica. TISS: conceitos.br www. J.gov. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. aplicação.org.gov. Agência Nacional de Saúde Suplementar – Resultados da Primeira Etapa da Primeira Fase do Programa de Qualificação da Saúde suplementar – Qualificação das Operadoras. responsabilidades. Como se preparar para as normas ISO 14000: o desafio de ser competitivo protegendo o meio ambiente. Agência Nacional de Saúde Suplementar.br www. Associação Médica Brasileira . Conselho Federal de Medicina. Seção 1.http://www. 2. BRASIL. TUSS: conceitos. Legislação sobre higiene. Rio de Janeiro. 1998.mma. Dados do setor. guias utilizadas. fundamentação. Brasília. “Duas faces da mesma moeda: microrregulação e modelos assistenciais na saúde suplementar”. Normas técnicas para análise de procedimentos cirúrgicos e ambulatoriais. BRASIL. Comissão Interna da Prevenção de Acidentes (CIPA). set. aspectos legais. Agência Nacional de Saúde Suplementar.org. São Paulo: Prentice Hall. Manual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. 27 de Novembro de 2006. 2. Rio de Janeiro. Brasília. legitimidade. aplicação. BAHIA. Editora da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES).amb. São Paulo.br BRASIL. ed. normas e métodos.gov. 10. Saneamento Básico. Associação Médica Brasileira. 5.br BRASIL. 4.ibam. Pedro Marcio. IRIART. 2005.gov. 8. Brasília. 3º. 1995.br BRASIL. 2007. TAJRA. 1ª. Rio de Janeiro. A saúde do trabalhador no SUS.54-55.673/03 – CBHPM . Tratamento Anaeróbio de Esgotos. 1ª. DACACH. 2003. PÁGINAS DA INTERNET www. Rio de Janeiro.27 Relatório de acompanhamento das discussões parciais sobre a realidade brasileira e mecanismos de regulação vigente no Brasil. implantação.br MÉDICO AUDITOR 1. Nelson Gandur.br www. BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar – Terminologia Unificada da Saúde Suplementar – TUSS . Ed..resol. fundamentação. legitimidade.BRAGA. MOURA. 3ª.1993.br www.gov. notificação.org. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira. 2. Rio de Janeiro/RJ. OSTENBERG PR. Oficina DIPRO/GGTAP. 298 p. JORDÃO. Ministério da Saúde. R. 1999. São Paulo. Januario. Eurico Trindade. PALADINI. Adrianus e LETTINGA. Ministério da Saúde. 4. OPME.amb. Brasília. HAANDEL. 2002. Porto Alegre: Globo. ed. 3ª. legitimidade. Tratamento de Esgotos Domésticos. Resolução CFM n. 1979. Benedito.214 do Ministério do Trabalho e textos complementares (Normas Regulamentadoras). 1614/2001 . Tabela de procedimentos e honorários médicos (AMB). Ministério da Saúde. ROONEY AL.http://www. Resolução Normativa Nº 139. J. 2003.Resolução CFM Nº 1. 2000. 226. Portaria 3. segurança e medicina do trabalho: Constituição Federal e Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).. Controle social na área de saúde do trabalhador. Agência Nacional de Saúde Suplementar. A. Relatório parcial do projeto de pesquisa “Mecanismos de regulação adotados pelas operadoras de planos de saúde no Brasil”. 7. Qualidade e gestão ambiental: sugestões para implantação das normas ISO 14000 nas empresas. et al.br www. Dispõe sobre as condições para a promoção.planalto.http://www. Edição n. 1979. 7. 1994. Ana Leticia Carnevalli. ANS. Institui o Programa de Qualificação da Saúde Suplementar. Eduardo Pacheco & PESSOA. 9. G. Normas e Manuais Técnicos). NUNES. MOTTA. 6. Gatze. CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Programa de Qualificação da Saúde Suplementar.São Paulo: Látria. portadores de doenças crônicas . São Paulo: Qualitymark. ed.cfm. A.br BRASIL.Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos. Manual do Meio Ambiente. 6. Série de aperfeiçoamento sobre a metodologia de garantia de qualidade. Agência Nacional de Saúde Suplementar – Resultados da Primeira Etapa da segunda Fase do Programa de Qualificação da Saúde suplementar – Qualificação das Operadoras.org. Agência Nacional de Saúde Suplementar/DIPRO/GGTAP. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANS. Ministério da Saúde.br/ccivil_03/LEIS/ www. Definições de Auditoria. BRAILE. Ministério da Saúde.ed. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. idosos. BRANCO.Rio de Janeiro: ANS. p. DF. Evolução e Desafios da Regulação do Setor de Saúde Suplementar. 11. 2003. Ministério da Saúde. Análise do ciclo de vida de produtos: ferramenta gerencial da ISO 14000. Reatores anaeróbios. Assistência médica suplementar. IBAM. 1994. P.gov.br www.com. julho de 2000. L. BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar – Troca de Informação em Saúde Suplementar – TISS . In: AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR . 3. 1986. motivos. NEVES.br www. DE 03 DE JUNHO DE 1998 . Hidrobiologia aplicada à Engenharia Sanitária. FEEMA. O Impacto da Regulamentação no Setor de Saúde Suplementar. VALLE.br www. Ministério da Saúde. O mercado de planos e seguros de saúde no Brasil: tendências pós-regulamentação. CALEMAN.org. 2000. 2001. Agência Nacional de Saúde Suplementar. 1979. Agencia Nacional de Saúde Suplementar .656. Controle médico de grupo de trabalhadores especiais (menores. 1995. IPT/CEMPRE LIXO MUNICIPAL: Manual de Gerenciamento Integrado.ana. Economia ecológica: introdução à economia do ambiente e recursos naturais. 1988. BRASIL.jornaldomeioambiente. Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO): diretrizes. 1984.rj. Rio de Janeiro. Carlos Augusto de Lemos. Lei nº 8. Licenciamento. 2008.ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS DE SAÚDE . Resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1. UFMG.Rio de Janeiro. Qualidade total na prática: implantação e avaliação de sistemas de qualidade total. de 19 de setembro de 1990. Credenciamento e negociação na saúde – São Paulo: Látria. As glosas e as cobranças indevidas. NAMH/FSP – USP. ed. 5. BRASIL. 6.amb.

Desenvolvimento de competências do gestor. lactação. avaliação e controle dos agentes biológicos causadores de doenças e acidentes de trabalho. químicas. nexo causal. 2. SOARES A. adolescência. Saúde Ocupacional. São Paulo: Atheneu.A Saúde nas Fábricas. Consolidação das Leis do Trabalho. fatores condicionantes. causas. 2. capacitação. 2002. 1996. insalubres e periculosos: aspectos legais. R. fígado. alteração e controle de qualidade dos alimentos. M. 2002.9. Portaria 3. D. Diagnóstico de contexto interno e externo.214 de 8/6/76 e Textos Complementares. Centros de Referência em Saúde do Trabalhador e a Rede Nacional em Saúde do Trabalhador (RENAST). Ministério do Trabalho e Emprego. Coletânea a de Textos da 3 Conferência Nacional de Saúde do a Trabalhador .D. 5 Ed. C. Manual de Envenenamentos. K. implantação. BRASIL. 2. plano de desenvolvimento da educação. 2. 2. L.4.higiene. 6.6. Agrotóxicos: principais grupos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BENSOUSSAN. São Paulo: Atheneu. TEIXEIRA.). normas e métodos. A. fase adulta e terceira idade. IV Diretriz Brasileira Sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. vestiários. Ergonomia: conceito. S.). democracia.1.2.. os BRASIL. tratamento e prevenção das doenças profissionais causadas por agentes físicos. A relação entre habilidades e competências pessoais e profissionais.048 de 8/5/99. Legislação em Saúde: caderno de legislação em saúde do trabalhador. TENÓRIO. Suplemento I. 4. (org. 2. F. Nutrição Básica e Aplicada. Tecnologias de ponta para educação. A seleção de conteúdos. São Paulo: Rocca. renais. 12. diagnóstico. Elaboração. Rio de Janeiro: CEBESHUCITEC OBORÉ. A.1. Educação: suporte filosófico e aportes sóciopolíticos e historicoculturais.aspectos físicos.etc. Rio de Janeiro: Cultura Médica. 22. Arquivos Brasileiros de Cardiologia . L. 16. Princípios básicos de identificação. MENDES.5.1. Técnica Dietética: Seleção e Preparo de Alimentos. São Paulo: Oboré. G. Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. 2. novas comunidades e socialidades. S.Teóricos da aprendizagem humana.3. na aprendizagem e no trabalho.10. TANCREDI. E et al. tratamento e aspectos legais. Abril 2007. mecanismos tóxicos e fisiopatologia. BERLINGUER.1. 17. Riscos ocupacionais no ambiente hospitalar do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE) . J. 2000. Loucura do trabalho. A fadiga profissional: aspectos legais. Digestão. Sistema nacional de educação: fundamentos legais. 2. educação de jovens e adultos e educação de pessoas com necessidades especiais. 10. BRASIL. atividades de trabalho. 14. M. 2000. coordenação e avaliação de: planos. 3.5. treinamento e desenvolvimento de recursos humanos. Educação profissional. Legislação Previdenciária e Acidentária. S. infância. Água. Ministério da Saúde. Ambientes e condições.2.fatores físicos. DEJOURS. 9.função distribuição e regulação. Biossegurança.. Doenças profissionais e relacionadas às condições de trabalho: conceito. 2. 2. pressões anormais etc. BENSOUSSAN. registro e medidas preventivas. H. São Paulo: Atheneu. 1. Objetivos educativos: gerais e específicos. 19. A alimentação e a saúde do trabalhador. Brasília: Ministério da Saúde. 21. 2000. 24. cardíacos e pulmonares e nos distúrbios alimentares. Valle. E. vapores. aerodispersóides. S. Nutrição e Dietoterapia 10ªed. Planejamento educacional. técnicas de estudo e pesquisa.. 18. Rio de Janeiro. Medicina e Meio Ambiente. FERREIRA JUNIOR. Lesões de esforços repetitivos (LER/DORT): fisiopatologia. H. estresse metabólico. 2002. no contexto da macro e microeducação e nas relações com as demais áreas científicas. E. Manole. set/dez 2000. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. VALLE. RIBEIRO. transporte e excreção de nutrientes proteínas. RANNEY. A. G. P. 20. metais tóxicos e poeiras orgânicas e minerais.3 CNST. de prevenção e tratamento de problemas que interferem na saúde. Perguntas e Respostas em Nutrição Clínica. FRANK. radiações ionizantes e não ionizantes. responsabilidades. atitudinais e procedimentais. liberais . levantamento de necessidades e coordenação de programas nas áreas de recrutamento. C.).Universidade do Estado do Rio de Janeiro. et al. MAGNONI. Rio de Janeiro: Cultura Médica. absorção e prevenção de deficiências. SOBOTKA.4. P. eletrólitos e equilíbrio ácido-base . instrumentos específicos de orientação pedagógica educacional de saúde e cultural. avaliação do desempenho. A realidade educacional da sociedade brasileira no contexto da pósmodernidade e da globalização. referenciais nacionais de educação. instrutor e do orientador educacional. 2005. 2005. Estresse e trabalho. p.6-37.8. Administração aplicada às unidades de alimentação e nutrição . 1. sistema biliar. L. população exposta. TEIXEIRA. diabetes mellitus. Distúrbios Osteomusculares Crônicos Relacionados ao Trabalho. 7. limites de tolerância e avaliações quantitativas e qualitativas. Diagnóstico de dificuldades socioeducativas. 2. Tecnologia dos alimentos . Técnica dietética . 2008. São Paulo: Livraria Varel. CHAVES. 1980.. químicos e biológicos. A gestão estratégica nas empresas. Brasília. Bases da Nutrição Clínica. Princípios básicos de identificação. professor. as metodologias e a avaliação da aprendizagem nas diferentes abordagens pedagógicas. 1992. L. 1.1.l n. Cadernos de Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente. meios de diagnóstico e tratamento das intoxicações agudas e crônicas. Êneo Alves da – Manual de Controle Higiênico Sanitário em Alimentos. 1975. Ministério do Trabalho e Emprego e Ministério da Previdência e Assistência Social. Rio de Janeiro: Fiocruz... 11. CUPPARI. 1988. Leis n 8212 e o 8213 de julho de 1991 e Decreto n 3. DREISBACH. 15. Secretaria de Atenção à Saúde.2. 5. 2005. relações de trabalho. RIO DE JANEIRO. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA): diretrizes.6. 1996. aspectos legais.7. M. humanas e técnicas. 1. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Terapia clínica nutricional nos distúrbios do aparelho digestório.R. rev. TEIXEIRA. fisiopatologia. 1996. prevenção.8. diretrizes e sua importância para a saúde do trabalhador. Administração Aplicada às Unidades de Alimentação e Nutrição. 2. CUKIER. 2ªed. São Paulo: Atheneu. coletividade. 2. Higiene dos ambientes de trabalho e instalações acessórias (sanitários. recursos humanos e funcionamento. 1978. L. São Paulo: Atheneu. químicos e biológicos que modificam os alimentos. Meio ambiente e seu relacionamento com a saúde do trabalhador. Absenteísmo – doença em construção civil. iluminação. 1.3. benefícios e rotinas trabalhistas. S. plano nacional de educação . 7ª Ed. BRASIL. avaliação e controle dos agentes químicos causadores de doenças e acidentes de trabalho: gases.F. Anais do XVIII CONPAT: Fundacentro. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Concepções pedagógicas. 8. ed. absorção. Vitaminas e minerais propriedades físicas. STUMP. causas e fatores contribuintes. Saúde no Trabalho. BRASIL. 2001. avaliação e controle dos agentes físicos causadores de doenças e acidentes de trabalho: ruído. 1983.. 2. 1998 OGA. 2. Constituição Federal. PEDAGOGO 1. . carboidratos e lipídeos. Constituição do Estado. conceituais. Fundamentos de Toxicologia. NUTRICIONISTA 1. Princípios básicos de identificação. causas. 3ªed.9. parâmetros e diretrizes curriculares nacionais. e ampl. N. implementação. São Paulo: Roca. projetos. SILVA JR. Processo ensino aprendizagem. Patologia do Trabalho. Nutrição no Envelhecer. seleção. JORDANO. A. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MAHAN. programas. E. L.1. Nutrição nos diversos ciclos da vida: gravidez. 1.R.L. calor. Neuropsicologia na aprendizagem. BRASIL. 2ªed. O conhecimento humano. prevenção. progressistas e a síntese construtivista pós-piagetiana. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. TENÓRIO. 1. São Paulo: Roca. 1. A didática contemporânea: dimensões políticas. v. 1987. políticas públicas brasileiras. 1. vibrações. fatores condicionantes. 23. A ciência pedagógica: amplitude e dimensão de seu campo. Fisiopatologia. São Paulo: Rocca. ORNELLAS.7. prevenção e tratamento.Volume 88. grupos e convivência. 2004. grau de risco para trabalhadores e para a população. Alimentos. Rio de Janeiro: Rubio. 13. Nutrição Clínica do Adulto. Ministério da Saúde. D. Rio de Janeiro: Atheneu. Educação para o trabalho: ética profissional. refeitórios etc.

Construtivismo pos piagetiano. CHIAVENATO. LIBÂNEO. São Paulo: Cortez. 2004. 2004. José Carlos. DELORS. . instrumentos. OLIVEIRA. indireto e indireto livre. 1985. ___________________. 2000. 8. 2004. O novo acordo ortográfico: soluções. ed. 2008. LORENZO. S. 2. Acesso em: 17 jul. dúvidas e dificuldades para o ensino. 1984. 3. 7. São Paulo: Atlas. Projetista. 1998. Apreender o sentido global de um texto. 6. 1998. 8 ed. Petrópolis. ilustração. Sonia M. Técnico em Controle da Qualidade (Ensaios Não Destrutivos LP/PM). Pedagogia do oprimido. Educar na esperança em tempos de desencanto. Porto Alegre: Artmed. Orientação educacional na prática: princípios. Didática. Francisco Platão & FIORIN. A. Samuel. Othon Moacir. 1992. 1999. CAMPANA. Inferir o sentido de palavras/expressões com base no contexto lingüístico e no conhecimento prévio sobre o tema de um texto. Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. Acesso em: 23 mar. Rio de janeiro: Vozes. FERREIRA. Elementos de construção do texto e seu sentido: figuras de linguagem. a partir do título. Identificar o tema principal de um texto. Adriana Magalhães. (org). Pedagogia empresarial: atuação do pedagogo na empresa. Educação : um tesouro a descobrir. RIBEIRO..rondoniaovivo. Rio de Janeiro: Vozes. Técnico em Eletricidade (Manutenção). W. Rio de Janeiro: Wak. Técnico em Controle da Qualidade (Metalografia). preposições e conjunções e suas funções no texto. Rio de Janeiro: Vozes. Formular hipóteses sobre a função de um texto a partir de elementos pré-lingüísticos e de recursos gráficos. 2002 RIBEIRO. Técnico em Controle da Qualidade (Radiografia). Técnico em Controle da Qualidade (Ultrassom). fatores de coerência e de coesão textuais. São Paulo: Moderna. gráficos e tabelas. 2002. Processos sintáticos de organização da oração e do período. LIMA FILHO. VASCONCELLOS.28. 2002. 3.br/materia>. Identificar e demonstrar conhecimento básico sobre aspectos gramaticais e sintáticos da língua inglesa: tempos e modos verbais. 1998. v. Técnico em Controle da Qualidade (Dimensional). Planejamento em Orientação Educacional. Domingos Leite. T. Figuras de linguagem. São Paulo : Cortez. Rio de Janeiro: Paz e Terra. P. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Administração Estratégica: planejamento e implementação da estratégia. 1998. 5. de indicação de circunstâncias e outras relações entre idéias. S. Filosofia da práxis.etc. 2008. 1998. Antecipar o tema de um texto. São Paulo: Cortez. A Formação social da mente . São Paulo: Cortez. Rio de Janeiro. Boletim Técnico do Senac. ALENCAR. Historia da Educação . Idalberto. Pedagogia e currículo. Dimensões e Limites da Globalização. 4. A Cabeça bem feita. Maria Luiza M. Ortografia (segundo o novo acordo ortográfico). maio/ago. Educação de jovens e adultos. São Paulo: Cortez. Sociologia da educação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARANHA. Psicologias. Nova gramática do português contemporâneo.br/~luis/aprendizagemhumana. recursos sintáticos de ênfase. Rio de Janeiro: Metáfora. Rio de Janeiro: Vozes.. 1998. MORIN.afrgs. Rio de Janeiro: Saraiva. ZARIFIAN. 2008. ed. São Paulo: Mac Graw Hill. Ana Mercê Bahia (org). imagens e desenhos. Cochar & CEREJA. GARCIA. VAZQUEZ. estrutura e organização. técnicas.São Paulo: Martins Fontes. polissemia. São Paulo: Atual. Inglês para os cargos de Desenhista Projetista. Técnico em Eletrônica (Instrumentista e Manutenção). Celso dos S. 1997. Brasília: UNESCO. BORDAN. LUCK. (Coleção Cadernos Pedagógicos do Libertad. antonímia e demais correlações internas ao texto. Petrópolis. Técnico em Informática. Lindley. Aprendendo a aprender. Disponível em: <http://www. sinonímia. P. Técnico em Controle da Qualidade (Calibração). Rio de Janeiro: Atica. MEIRIEU. Compreender/interpretar idéias/informações em textos escritos de natureza diversificada na área de atuação da NUCLEP. Paz e Terra. 1998. 2003. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos. subtítulo. Rio de Janeiro. Competência humanizada. 2. 6. Edgard. Filosofia: introdução. Manoel P. 2. A. Rio de Janeiro: Bertran do Brasil. Petrópolis. HOLTZ. 8 ed. Problemas de aprendizagem. 1994 ___________________. 1995.. Amélia Escotto do Amaral. São Paulo: Cidade Nova. Wilma M. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. César. de PAIVA. Técnico em Meio Ambiente. Técnico em Planejamento. Piaget. narrativo.pdf JOSÉ. Pablo A. ROCHA. 9. Em busca de uma teoria da aprendizagem humana. _________________________. PETER J. Philipe. E. KUENZER. E de Assunção. Petrópolis. Y et al. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1999. Acacia Z. Francine de. 1994. São Paulo: Libertad.12. PENTEADO. Discurso direto. DE LA TAILLE. Portella. Classes de palavras segundo sua função comunicativa: a designação (substantivos). a modificação (adjetivos e advérbios). Técnico em Controle da Qualidade (Soldagem).. Superação da lógica classificatória e excludente da avaliação: do "é proibido reprovar" ao é preciso garantir a aprendizagem. Rio de Janeiro: DP&A. Izabel. São Paulo: Summus. 10. ______________. Luis de França. São Paulo: Cortez. 2005.ed. Rio de Janeiro: FGV. Mirza Seabra. Maria Lucia Arruda. Petrópolis. Disponível em: <http://www. relações de coordenação e subordinação entre frases. CERTO. OLIVEIRA. Localizar informações pontuais e explícitas em textos. Objetivo competência: por uma nova lógica. Alves e outro. 6. 2. S. Paul . J (org). Pós-Modernidade: ruptura ou revisão?. Celso & CINTRA. descritivo e argumentativo – traços gerais e organização interna. MAGALHÃES. 2005. 2002. São Paulo: Loyola. São Paulo: Ática. Comprador. 1980. J (org). Chico. COLL.. São Paulo: Àtica. campos semânticos. PIMENTA. CUNHA. 2009.10.com>. Henri Wallon. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. 5). Gênero do texto: literário e não-literário.2. A pedagogia entre o dizer e o saber: a coragem de começar. n.. Renata.G. Lições de pedagogia empresarial. 1968. BACK. Brasilia: MEC. 8. GROSSI. Pontuação. 2001. São Paulo: Moderna. José Carlos. a predicação (verbos).vencer. Fundamentos de Gramática do Português.. SAVIOLI. FREIRE. 2001. intertextualidade. 4. emprego de tempos e modos dos verbos em português. 2003. KRUPPA. 2001. informações apresentadas em quadros. MH Assessoria Empresarial Ltda. Criatividade e produtividade lexicais: mecanismos de derivação e construção de sentido. 1993. Jaques.br/documentos/licoes_de_pedagogia_e mpresarial. 1. Técnico em Métodos e Processos.com. 3. Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. Disponível em <http://www. Para entender o texto: leitura e redação. Educação escolar: políticas. L. Rio de Janeiro: Vozes. 2. 2000. 2000. VYGOTSKY. Comunicação e prosa moderna. Heloisa. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AZEREDO. GENTILI. TOSCHI.ed.ed. NÍVEL MÉDIO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM Português para todos os cargos de Nível Médio 1. 2. João Ferreira. José Luiz.htm. 5.ed. Recursos humanos – o capital humano das organizações. Revista Vencer. GALVÃO. 7. Gramática reflexiva.ed. fotografias. São Paulo: Pioneira.Coordenação de serviços de educação para a saúde a indivíduos e grupos como forma de proteção e prevenção de doenças. UNESCO. Sorocaba SP. Disponivel em: <http://penta.ed.mh. São Paulo: Ática. Os sete saberes necessários à educação do futuro.

Edição. D. Noções de Informática para os cargos de Apontador de Produção. criação. Redes de computadores: conceitos básicos e conexões. 101 Dicas: Microsoft Word. Instrutor de Treinamento (Manutenção Eletromecânica). London: Collins. Educação: um tesouro a descobrir. José Carlos. Nobel. Inferir o sentido de palavras/expressões com base no contexto lingüístico e no conhecimento prévio sobre o tema de um texto. Inglês para o cargo de Técnico em Secretariado 1. 2005.. 2006.28. garantindo a manutenção e a progressão das idéias em um texto: sinônimos.org 3. na aprendizagem e no trabalho. Instrutor de Treinamento (Manutenção Eletromecânica). Dicionário de Informática e Internet: Inglês/Português. 1998. 9. 1994. FONTES. barramentos. levantamento de necessidades e coordenação de programas nas áreas de capacitação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO. 2004. ilustração. Digerati. implementação. Auxiliar de Administração. Informática para Concursos. 1995. Comprador. Impressão. Ferramentas. fotografias. imagens. WEISZFLOG. London: Collins. Salvar arquivos. funcionalidades. relações de trabalho. wrong word. Instrutor de Treinamento (Usinagem). periódicos e sites da Internet. Introdução à leitura em inglês. A seleção de conteúdos. SOUZA.al. digitação e manipulação de planilhas. Segurança de equipamentos. MSOffice 2003/2007 BR (Word) X BrOffice. 12. L. Antecipar o tema de um texto. 2009.G. UNESCO. gráficos e tabelas. interfaces e conexões. W. Técnico em Contabilidade.SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Artigos de temática técnica diversificada em revistas. características. conceituais. MIGLIAVACCA. D. COBUILD Student’s Grammar. Tabelas. London: Longman. Filosofia: introdução. Identificar o tema principal de um texto. Software: conceitos. as metodologias e a avaliação da aprendizagem. Brasília: MEC. Concepções pedagógicas. Técnico em Secretariado. Campus. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARANHA. operação de microcomputadores. RUAS. Hardware: conceitos.1 (Calc): conceitos. 6. Objetivos educativos: gerais e específicos. 2006. ALEXANDER. Educação profissional. Tabelas. Microsoft Windows XP Professional. Informática para Concursos Públicos. ALEXANDER. Instrutor de Treinamento (Soldagem). Guia de Bolso do Administrador. São Paulo: Loyola. 1998. 4. N. Utilização dos recursos. A didática contemporânea: dimensões políticas. 4. criação. MSOffice 2003/2007 BR (Excel) X BrOffice. de prevenção e tratamento de problemas que interferem na saúde.al. educação de jovens e adultos e educação de pessoas com necessidades especiais. Task Reading.1 (Impress): conceitos. atalhos de teclado. Maria Lucia Arruda. Michaelis Moderno Dicionário: InglêsPortuguês/Português-Inglês. a partir do título. Identificar e demonstrar conhecimento sobre aspectos gramaticais e sintáticos da língua inglesa: tempos e modos verbais. 1990.1980. humanas e técnicas. Internet X Intranet X Extranet: conceitos. São Paulo: Disal. benefícios e rotinas trabalhistas. 3. COLLINS. 1995. _____________________. Leitura em Língua Inglesa: uma abordagem instrumental. Apreender o sentido global de um texto. Task Reading. 2007. João Antônio. Manual do treinamento na empresa moderna. Cambridge: Cambridge University Press. v. A realidade educacional da sociedade brasileira no contexto da pós-modernidade e da globalização. COLLINS. Jaques. Competências pessoais e profissionais do instrutor. Compreender/interpretar idéias/informações em textos escritos de natureza técnico-administrativa/secretariado. 2. Fontes. modalidades e técnicas de acesso à Internet. Right word. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. Formatação. 2008. 2002 LIBÂNEO. São Paulo: Atlas. 1999.org 4. coordenação e avaliação de programas e de planos de ensino. W. informações apresentadas em quadros. Instrutor de Treinamento (Soldagem). Tabelas. Edição. 2005. W. Edição. Fontes. DELORS. Salvar arquivos. n. Rio de Janeiro. Bookman. 2005. SOUZA. Gráficos. 8 ed. Leitura em Língua Inglesa: uma abordagem instrumental. Impressão.G. Ciência Moderna. educação para saúde. Ferramentas. coletividade. Problemas de aprendizagem. navegação. 7. Cambridge: Cambridge University Press. SAWAYA. Estilos. 2006. funções e componentes e dispositivos de armazenamento e de entrada e saída. WebMail X Outlook Express X Thunderbird. Supervisor de Transportes. Atalhos de teclado. Auxiliar de Pessoal. 2001 KUENZER. Medidas de segurança. Mala Direta. subtítulo. Márcia Regina. Informática para Concursos. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho. características. Eduardo. características. pesquisa. wrong word. e-mail. sistemas operacionais 2. Atalhos de teclado. no sentido de processar encaminhamentos e/ou programar e implementar estratégias de prevenção e de inclusão social. DAVIES et al. Supervisor de Telecomunicações. Formular hipóteses sobre a função de um texto a partir de elementos pré-lingüísticos e de recursos gráficos. Atalhos de teclado. 1990. DIGERATI. Business Dictionary – Dicionário de Termos de Negócios. E de Assunção. 5. Boletim Técnico do Senac. vírus. Cartas e correspondências. relações de coordenação e subordinação entre frases. grupos e convivência. MSOffice 2003/2007 BR (Powerpoint) X BrOffice. Instrutor de Treinamento (Usinagem). 7. avaliação do desempenho. 2005. Tecnologias de ponta para o ensino. utilização dos recursos. Fundamentos Pedagógicos para os cargos de Instrutor de Treinamento (Caldeiraria). JOSÉ. CHIAVENATO. Instrutor de Treinamento (Caldeiraria). Recursos humanos na empresa. Porto Alegre: Edicta. 2003. Educação para o trabalho: ética profissional.ed. Fontes. Acacia Z. Impressão. FRANCA. GAMA.org 5. liberais. São Paulo: Atlas. São Paulo: Disal. jornais. 5. Localizar informações pontuais e explícitas em textos. William R. Utilização dos recursos. catálogo de endereços. Formatação. DAVIES et al. utilizando software ou aplicativos instalados nas áreas de atuação. Execução de procedimentos operacionais de rotina. Supervisor de Manutenção Civil. Auxiliar de Almoxarifado. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Idalberto. Identificar recursos lingüísticos que promovem a coesão e a coerência das idéias em um texto: elementos de co-referência (palavras que se referem a uma mesma realidade lingüística. Formatação. digitação e manipulação de apresentações. democracia. Estilos.1 (Writer): conceitos. Etiquetas. Lauro Barreto. progressistas e a síntese construtivista pós-piagetiana. Digerati Books. Jorge. Windows98/XP/Vista/7. Estilos. Supervisor de Serviços Gerais. em redes e na internet: cuidados. Ferramentas. de sistemas. Adriana et. maio/ago. STANEK. Rio de Janeiro: Atica. São Paulo: Cortez. backup. A. mídias. atitudinais e procedimentais.2. jornais. London: Longman. 1. L. Recursos humanos – o capital humano das organizações. 1991. digitação e manipulação de arquivos. pronomes. Elaboração. Jadiel. 6. MANUAIS TÉCNICOS. São Paulo: Atlas. COBUILD Student’s Grammar. Adriana et. 3. 2009. et. desenhos. criação. 2. Diagnóstico de dificuldades sócio educativas. Utilização dos recursos. preposições e conjunções e suas funções no texto. ed. Elsevier. Processo ensino-aprendizagem. Microinformática: Modalidades de processamento. 1998. São Paulo: Moderna. Educação: suporte filosófico e aportes sóciopolíticos e historicoculturais. Técnico de Segurança do Trabalho. HELP/AJUDA DO SOFTWARE. Noções de Informática para Concursos. al. browsers. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Artigos de temática na área de administração e secretariado em revistas. expressões definidas). Salvar arquivos. São Paulo: Melhoramentos. Right word. periódicos e sites da Internet. . MORAZ. 8.

Armazenamento ordenado nas prateleiras do almoxarifado ou em pátios de armazenagem. decrescente. Estoques. MORAES. (Coleção Cadernos Pedagógicos do Libertad. A. São Paulo: Ediouro. 2004. MORIN. política de responsabilidade social. 1998. Rezende Epaminondas. Movimentação de materiais. medidas preventivas. 11. S.1943) Normas Regulamentadoras da CLT nº 05. Funções. V. 2 Ed.vencer. Jornada de trabalho. Condições de edificações. Sistemas de produção e recursos. armazenagem e manuseio de materiais. 8. Multiplicação e Divisão. 2000. Função crescente. Aritmética e Ponderada. São Paulo: EPU. Francine de. Métodos de armazenagem e de identificação. Exame e inspeção dos defeitos dos materiais. Relatórios aos supervisores. P. PAES.br/index. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Sistema de Medidas. Atos administrativos: Conceitos básicos. Matemática para Ensino Médio. Didática. Manoel Jairo. São Paulo: Cortez. São Paulo: Libertad. Subtração. BEZERRA. 9.nuclep. Operações. prevenção da fadiga. terminologia arquivística. 2001. Celso dos S.05. PADOVAN. Funções e papéis do administrador. Leda Massari.1. Informações básicas sobre a NUCPLEP. IEZZI. organização e administração. compromissos. concessão e época. movimentação. Capacidade. Filosofia da práxis. Treinamento e desenvolvimento de Recursos humanos. iluminação. ______________. Manoel. 11. Matemática. princípios e áreas. de acordo com as regras de segurança. NÍVEL MÉDIO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS APONTADOR DE PRODUÇÃO 1. Ambiente e mudança ambiental. São Paulo: FTD. Qualidade e relacionamentos interpessoais na empresa. Estrutura organizacional.org. Marilena Leite. Organização Administrativa: definição. 5ª Edição. Matemática. 4. AUXILIAR DE ADMINISTRAÇÃO 1. Disponível no site www. Identificação de materiais e outros itens. Cultura e Inovação. expedição. 13. Reciclagem de materiais. 1ª Tiragem. 2001. 2. 1998. Introdução à Administração.ibamconcursos. Documentos fiscais. V.09. Registro do uso e das perdas de materiais ou de equipamentos. conforto térmico. São Paulo: Saraiva. 1 Ed. 6. 3 e 5). organização. Múltiplos e Submúltiplos. 9.2. 1998. José Roberto. Volume. Conceitos básicos sobre Administração. tipos. 08. DEGENSZAJN. Dimensões e gerenciamento. intermediários e permanentes.gov. Arquivo: Teoria e Prática. 1987. Gestão de documentos e Arquivos. Estrutura organizacional. 6. 8. Informações básicas sobre a NUCPLEP. 06. Gráficos.br Consolidação das Leis do Trabalho (Decreto-Lei 5452. São Paulo: Moderna.net/index. Conceitos. GUERRA. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Daniela. ZARIFIAN. V. Desafios da administração contemporânea. Domínio e ContraDomínio. DOLCE. 2.3. Osvaldo. Áreas de atuação e principais produtos. V. Porcentagem. e outras medidas especiais de proteção. 3. Glossário Atos Administrativos. interpretação e leitura. períodos de descanso e trabalho noturno. Modalidades de produção e gerenciamento de materiais Produtos. 2003. Anna Maris Pereira. Cláudia. meio ambiente e disponibilidade de recursos físicos. do 2 grau.4. São Paulo: Editora Atlas. Múltiplos e Divisores. Função do 1 grau. único . Conhecimentos básicos da legislação trabalhista sobre carteira de trabalho: emissão e anotações. Conceitos e Gestão. máquinas e equipamentos. Ética e Responsabilidade social. Prevenção e Combate a incêndio. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Regina Azenha. Representação e Leitura. São Paulo: Scipione. único. Vinculação. Matemática: Ensino Fundamental. Operações. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: Princípios. Processos de trabalho das áreas de recebimento. baseados na rotatividade dos materiais. Pedro Henrique Casals. Rio de Janeiro: Elsevier. 10. Férias anuais: duração. Função definida por várias sentenças. Acréscimos e Descontos Percentuais. 1968.mte. Roberto. Limpeza geral e guarda dos materiais. Gráficos. Qualidade: produtos. movimentação e arquivamento. São Paulo: Moderna. único. Organização e Administração. Operações para uso no dia a dia.com. Tempo e Massa. finalidades. 3. 5.gov. Matemática-Ensino Fundamental – Projeto a Presente. Conhecimentos diversos. BONJORNO. Aprendendo a aprender. 4 Ed. Arquivos: conceito. V. Ato de criação. Números Naturais. Cuidados de limpeza geral e higiene pessoal. Atividades relacionadas a arquivos correntes. ferramentas.nuclep. 2007. fluxos. 1994 MACIAN. Disponível em http://downloadbook. registro. Superação da lógica classificatória e excludente da avaliação: do "é proibido reprovar" ao é preciso garantir a aprendizagem. 12. atividades insalubres ou perigosas. Inventários. Disponíveis em http://www. único. missão. 1 Ed. finalidades. 17 e 26. 2000. equipamentos de proteção individual. Código de Ética dos Servidores. Superfície. MILAN. Edgard. a PÉRIGO. Luiz A. São Paulo: Ática. Recebimento. 5. valores. a FACCHINI. Código de Ética dos Servidores. único. Operações para uso no dia a dia. MENDES. São Paulo: Cortez.br/geral/publicacoes. Acesso em: 23 mar. 11. 2005. Uma abordagem introdutória. Rio de Janeiro: Bertran do Brasil. Isabel Cristina Ferreira. 2005. conceito e classificação de documentos e correspondência.net/qualidade-no-atendimento-aclientes-doc-2. instalações elétricas. Frações Equivalentes. Gélson. princípios e funções administrativas. David Mauro. Órgãos de documentação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS DIAS. 4. Classificação e programação de materiais. Fábia. Walter. finalidades. Propriedades. técnica. Revista Vencer. Atendimento de requisições. 2005. 11. direção e controle.br/materia>. São Paulo: Atual.gov. Regras de Divisibilidade. Administração de Materiais. 11. armazenamento e logística. expedição/ entrega de materiais e outros itens. Matemática. São Paulo: Prentice Hall. Segurança e Medicina do Trabalho: órgãos. Controle: Conceito. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Informações sobre a NUCLEP e seu Código de Ética – Disponíveis no site http://www. BRESSAN. Administração de Materiais. Vinculação. 2005. 5) VAZQUEZ. Objetivo competência: por uma nova lógica. Médias. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Informações sobre a NUCLEP e seu Código de Ética – Disponíveis no site http://www. 2001 LORENZO. Uma abordagem introdutória. Textos: “Eu não tenho clientes”. Idalberto. Mínimo Múltiplo Comum Divisores. Idalberto. valores. Brasília: UNESCO.php CHIAVENATO. Ato de criação. objetivos. Operações. Ivonildes. Disponível em http://download-book. Sistema Monetário Brasileiro. 7. Disponível em: <http://www. A Cabeça bem feita. Rio de Janeiro: Elsevier.___________________. 1996. 4V. 4v. Marco Aurélio Pereira. 2008. 4.asp?viewarea=seg_sau _cne BONJORNO. equipamentos e outros itens em áreas de armazenamento.br/index. importância. Separação de lixo.php CHIAVENATO. missão. compromissos. processo. serviços e clientes. (Capítulos 1. 11. suprimentos. Números Fracionários. VASCONCELLOS. Simplificação de Frações. 2. Sinalização de segurança. Operações de Soma. Números Decimais. Planejamento. 11. política de responsabilidade social. 7.php?keyword=qualidade+no+atendimento+a+c lientes&filetype=doc&page=results AUXILIAR DE ALMOXARIFADO 1. de 01. 10. Áreas de atuação e principais produtos. Matemática – Pode Contar Comigo – Novo. Verificação das divergências. verificação da quantidade e qualidade das mercadorias recebidas e registro dos dados. a PAIVA. objetivos e princípios. Unidades de Comprimento. 3.html “A importância da Qualidade”. Gestão de materiais: Empresas como sistemas abertos.

Classificação fiscal de mercadorias. 2 e 3. Sétima Edição. Pozza. Propriedades mecânicas dos materiais.. 5. Descontos legais. Operação do sistema de compras. São Paulo: Hemus ESTEPHANIO. 2005. Processos de soldagem: oxicorte. 3. 2 e 3. Importação – aspectos fiscais e administrativos. drawback e exportação. paquímetros. Critérios. Sistemas de amortização (Tabela Price. desvios e análise de dimensões. Volumes. Edição atualizada. Canais de aquisição. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Documentação que compõe o prontuário de empregados..( ISBN: 0131784544) Mandarino. V. Desenho Técnico – Uma linguagem. 3ª Edição. Capítulos I.bombeiros. Desenvolvimento de chapas e cálculos.gov.. São Paulo: Plêiade. Legislação. 1. Goniômetros.1 Sistemas de medidas. Cálculos Trabalhistas. Direito. Eduardo Gabriel. 6. único BIZELLI.2 Micro-constituintes dos aços. 2003. C. Sistemática administrativa. Zeid. São Paulo: LTR.html www. Home Page da Associação Brasileira de Normas Técnicas. 1. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 4. 1. Trabalho noturno. Edição recente. 5. ponteamento). nível ótico.doc Prevenção e Combate a Incêndios. Penalidades. Délio. 3. Solicitação de compras. cambial e fiscal. ajustes. Ed Prentice Hall. IGP-M . Leitura e interpretação de desenho técnico. FGTS. ABNT. Períodos de descanso. índices oficiais: TR.ed. impostos incidentes e base de cálculo. PROVENZA F.4 Desenhos auxiliados por computador. 3. 2005. 4ª Edição – 15ª Tiragem. 57 a 75. V. 1. São Paulo: Editora Atlas.br/biosseguranca/Bis/lab_virtual/fogo.3. Metrologia mecânica (CD).ed.3 Perspectivas. INSS. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS: Uma abordagem Logística. São Paulo: Atlas.1. 3.br Práticas do dia a dia DESENHISTA PROJETISTA 1. Área: Metrologia e Controle dimensional. Cálculo das parcelas rescisórias. 2ª reimpressão. L I automático e não automático. Edição recente. Traçagem. 2. 2. VLACK L. Consolidação das Leis do Trabalho. et al. Imposto de Renda e PIS. 2002. IPCA. Trindade D. Roni Genicolo. 2. 1993.5. 7. 5. Edição atualizada.1. cotação do produto-fatura pró-forma. .1. 2007.1. São Paulo Aduaneiras. Cálculo.5. Princípio de ciências de materiais. São Paulo Aduaneiras. 2.1. Direito do Trabalho. 5. parâmetros e operação. PUGLIESI M. Tecnologia mecânica. drawback – modalidades e procedimentos. Área: Materiais para mecânica. 2001. 1991 INSTRUTOR DE TREINAMENTO (CALDEIRARIA) 1. Valentin. 7ª Edição. SAAD. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Uma abordagem Logística . “CAD/CAM Theory and Practice”. F. 10. Curso Técnico de Caldeiraria.ed. Manual de Rotinas Trabalhistas. Desenho técnico Mecânico. disponível em: www.2. Taxa Interna de Retorno. Edição atualizada. MATERIAIS E PATRIMONIAIS: Uma abordagem Logística. Siscomex – visão geral. Conhecimento de programas de computador AUTOCAD E SOLID WORKS.7. 3. Marco Aurélio Pereira. 15. Desenho mecânico e de máquinas. Lee. Pedido de compra. 2. 5.1. Ajustagem manual e ferramental.fiocruz. I. Diligenciamento de compras.br . Viradeiras.. único Hazelwood e McLean. Horas extras. SCARATO.. único ADUANEIRAS. OLIVEIRA. São Paulo: Editora Atlas. Ficha de registro de empregados. Kluwer Academic Publishers. Tolerâncias. Edição recente. Noções básicas. 2.2 Instrumentos de medidas lineares. São Paulo. 5.. Sistema de Amortização Constante e Sistema Misto). João dos Santos. Expressão Gráfica: Normas e Exercícios. Rio de Janeiro: FBTS.6. FBTS. 5.gn2004fabac1.2. GLOBALTECH. Marco Aurélio Pereira.4. 1999. 5. Adicionais. MANUAL DE HIGIENE. 2003. Hemus. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO. 12.br/documento/almoxarifado. COMPRADOR 1.ibam-concursos. Manfe G.br/ . . Análise.3. CARRION.1 Diagramas Ferro/Carbono. C Etevaldo. Kimura. Qualificação técnica.1. Rio de Janeiro: Livraria Kec. F. 2 e 3 Edição atualizada.1. especialmente arts.4. Consolidação das Leis do Trabalho Comentada. 2.POZO.br/tools_imppassoapasso. 2004. CACEG.net/nocoesbasicasdealmoxarifadoi. 36. “Geometric Modelling: Theoretical and Computational Basis Towards Advanced CAD Applications (IFIP)”. Segurodesemprego.compam.org. CHIAVERINI V. Principles of CAD/CAM/CAE Systems .2. 2. Prazos de entrega. Declaração de dependentes para fins de imposto de renda.2ª Tiragem.. 1.3 Aços inoxidáveis. Jornada de trabalho. Condições de compras. disponível em: www. Principais materiais metálicos e não-metálicos de uso industrial e respectivas indicações e contra-indicações ao uso. Consolidação das Leis do Trabalho. Controle e apuração do controle de ponto. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS DIAS.8.Dicas de Segurança Reciclagem. CHIAVERINI V. Condições de pagamento e desconto. Preços. tesoura furadeira – cálculos. McGraw-Hill. 2010. 3.1. Desenhista de máquinas.Coleta Seletiva www. Ligas ferro-carbono. II e III e suas alterações.1. Equipe Técnica. 2. único ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS POZO. 2. 2005. Coleta de preços. V. Edição recente. IMPORTAÇÃO. 4. J. Despacho aduaneiro. Volumes 1. 2010. Cálculo.com. São Paulo: Editora Atlas. 2003. 3.3. Ed. Rotinas mensais e anuais. 1. V. Quadro de horário. V. 8. G. Conjunto de normas para desenho mecânico. 3. Desenho Técnico e Tecnologia Gráfica. Aristeu de. Declaração para o salário família. disponível em: www.2 Projeções ortogonais. Kunwoo. 2004. . Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem. Hamilton. R. Embalagens.. Declaração de vale-transporte. V. 2.. Estudo dos tempos e movimentos. único Lei Federal nº 8666 / 93 e suas alterações Importação – informações úteis. controle e reajuste de preços. Volumes 1. Rio de Janeiro: FGV. Aços e ferros fundidos.. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: Princípios. D I no Siscomex. Incoterms. Freench. São Paulo: Editora Atlas. Rescisão de contrato de trabalho. 2004. AGOSTINHO O. Editora Livraria Varela.pdf Práticas do dia a dia AUXILIAR DE PESSOAL 1. Transformação de medidas.html www. São Paulo: Saraiva. Apuração e recolhimento dos encargos sociais.2. Duração do trabalho.. “Desenho Técnico Mecânico: Curso Completo”. Vierck. 1ª Tiragem. Conceitos e Gestão. Fornecedores. 5. MARANHÃO. Calandras e serra alternativa. Férias / 13º salário. Prêmios. separação do lixo. 3ª Edição. 9. São Paulo: Globo.acetradeways. 5. disponíveis em: www.4.aduaneiras. POZZA R. Frete e condições de entrega – FOB – FOT – CIF. NORMAS ADMINISTRATIVAS: importação. Desenho e Projeto mecânico.. Edição recente. T. 4.mg. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MANFE G. São Paulo: Atlas. único DIAS. Folha de pagamento. e Scarato G. L. 2.. Desenhos geométricos.com.2ª Tiragem. D. 1. 5.com. Carlos. ABNT. Lei Federal nº 8666 / 93. 1. 4. Hamilton. 5ª Edição.kit. Cadastro. RAIS. Departamento de Cursos – Inspetor de Soldagem.. GARCIA.ed. 2. V.

31. 2003. MARTINS. 2002.. 19. FBTS. ferrosos e não ferrosos. Petrônio.usp. ISBN 85-3650149-9. 240 p. ISBN: 85-879182-06. lixadeiras. potência reativa. C.usp. São Paulo: 2 ed. Medição de energia e potência elétricas. 1993. Fundamentos de máquinas elétricas. Lauro Salles. WIDMER. 849p. Mecânica. ISBN: 852161496-9 BOYLESTAD. Schaum. Manual Prático do Mecânico. G. Máquinas ferramentas: tornos.FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. 8. Telecurso 2000 Profissionalizante. aplicações e análises.bibvirt. C. 21. Telecurso 2000 Profissionalizante. Telecurso 2000 Profissionalizante. Comandos Elétricos. 4. Desenho técnico básico. 6. COTRIN. B. 2006. São Paulo: Hemus.Elementos de circuitos elétricos: resistor. Segurança e higiene do trabalho. Carlos Pedro. 3 Reimp. NEPOMUCENO. L. CHIAVERINI. R. Técnicas de manutenção preditiva. Volumes 1 e 2. A. L. 2003. Acionamentos elétricos. 32. 1 Ed. R. V. 2006. DEL TORO. 28. V.. ASME. Hidráulica e mecânica de fluidos. INSTRUTOR DE TREINAMENTO (SOLDAGEM) 1. PROVENZA. ISBN: 85-2161436-5. Desenho Técnico – Uma linguagem. MARTINS. Conceitos de potência elétrica: potência ativa. Processos de fabricação mecânica: usinagem. PROVENZA. Rio de Janeiro: Globo. ISBN: 85-2161184-6. N. LAUGENI. Acionamento elétrico: comando. VAN VLACK. 3. soldagem automática. Materiais de engenharia microestrutura e propriedades. CHIAVERINI. ISBN: 85-2120141-9. Segurança em instalações e serviços em eletricidade. Rio de Janeiro: Editora Prentice Hall. API. FRANCHI.. 10. M. Rio de Janeiro: Globo. 2003.. Petrônio.. Florianópolis: Editora da UFSC. 12. 2002. Vasos de Pressão. 4 ed. < acesso em 12 de março de 2009 > Telecurso 2000: Profissionalizante de mecânica. Desenho técnico: projeções. 18.. 24. elementos de vedação. São Paulo: Editora Érica. Mecânica Processos de Fabricação. F.. Mecânica Processos de Fabricação. Materiais de construção mecânica: materiais metálicos e não metálicos. T. 1997. G.br/textos/didaticos_e_tematicos/ telecurso_2000_cursos_profissionalizantes/telecurso_2000_ automacao. F Esquemas elétricos de comando e proteção. 1. 5. hidráulicas e pneumáticas. 1. F. Mecânica. A. São Paulo: Editora Érica.futuro. FERREIRA. ISBN: 85-8791835-4.. 1.ed. L. A. Metrologia. simbologia. CASILLAS. Esmerilhamento. São Paulo: editora EPU. Disponível em: http://www. 2008. 26. Brasília – DF. 2. V. Circuitos elétricos de Corrente Alternada. São Paulo: Mestre Jou Editora. L.. Aços e ferros fundidos. Valdir. Vol I. Circuitos elétricos de Corrente Contínua em regime permanente e em regime transitório. Instrumentação industrial: conceitos. M. Rio de Janeiro: Editora LTC. NAHVI. X. 2007.. CASILLAS. McGraw Hill editora. São Paulo: ABM.H. LOBJOIS. Estampos III. 8ª ed. 22. 3. Automação Industrial – PLC – Teoria e Aplicações Rio de Janeiro: 1ª ed. Editora LTC.Elementos de máquinas: fixação. Desenhista de Máquinas. Departamento de Cursos – Inspetor de Soldagem. 15. Nelso Gauze e NOLL. R. em regime permanente. Terminologia. 4V. EDMINISTER. flexão. 1 Ed. 5. J. São Paulo: Editora Edgard Blücher. 10. 2005. 9. Polímeros como materiais de engenharia.C. ISBN: 85-879182-22 BONACORSO.. S. Metrologia. R. PROVENZA. Rio de Janeiro: Editora Prentice Hall. ISBN 97-885365021-06. 7ed. Rio de Janeiro: Editora LTC. B. fresas. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BALBINOT. São Paulo: Editora Érica. LAUGENI. H.. ISBN: 978-85-12-151304. engrenagens e cremalheiras. 1986. L. 2008. 849p. F. tolerâncias e vistas auxiliares. Transformadores monofásicos e trifásicos. Instrumentação e fundamentos de medidas. 8ª ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher. A. São Paulo: Editora Érica. Protec. soldagem e conformação. controle e proteção. 1981. 29. G. e NASHELSKY. 27. 9 Ed. 450 p. 2008. 2003. 2003. Projetista de máquinas. Motores elétricos de corrente alternada.. 2004. rolamentos. Ministério do Trabalho. 4v. FRANCHI. 2007. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO.. H. Correção do fator de potência. simbologia. Interpretação e análise de projetos mecânicos. relógios comparadores e goniômetros. BRASIL: Ministério do Trabalho. F. Porto Alegre: Editora Bookman. . Manual de equipamentos elétricos. ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher.ed. monofásicos e trifásicos. 13. 2004.ed. 2005. 1994. PEIXOTO. MICELI. Telecurso 2000: Profissionalizante de automação. Ensaio visual. Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem. especificação. Rio de Janeiro: FBTS... Processos de soldagem: arame tabulas. C. Caldeiraria Técnica. sistema inglês. Rio de Janeiro: Globo. 2002. 2. ISBN: 8587068032. São Paulo: Barra Funda. especificação. Controladores Lógicos Programáveis (PLC) 17. cortes. 20.ed. 2. 2 Ed. Manual básico de desenho técnico. Máquinas e equipamentos elétricos: ensaios e manutenção. ISBN: 853630551-7. Ensaios mecânicos: tração.ed. Noções de eletrônica analógica e digital. Lubrificantes e lubrificação.II e III. V. Metrologia.P. Metrologia: sistema internacional. manutenção e operação. OLIVEIRA. ISBN: 85-2161410-1. Telecurso 2000 Profissionalizante. BRASIL: Ministério do Trabalho. MELCONIAN. 4. 4V. Desenhista de Máquinas. dureza. 1 Ed. Rio de Janeiro: Editora LTC.ed.br/textos/didaticod_e_tematicos/ telecurso_2000_cursos_profissionalizantes.ed. 4 ed. BRASIL: Ministério do Trabalho. micrômetros. 450 p. P. Tecnologia da medição. J. 1979. 6. São Paulo: Hemus. indutor e capacitor. 25. cotagem. ASTM. Sistemas Digitais. mancais.. INSTRUTOR DE ELETROMECÂNICA) TREINAMENTO (MANUTENÇÃO 1. A. São Paulo: Editora Edgard Blücher. PADILHA. J. Circuitos elétricos – Col. Máquinas térmicas. Estudo dos tempo e movimentos.. Aterramento elétrico e Proteção contra descargas atmosféricas. compressão. sensores e atuadores. 2006. Noções de instalações elétricas: dimensionamento de condutores. Noções de manutenção preditiva e corretiva.. 1970. < acesso em 12 de março de 2009> TOSSI. MIG. Administração da Produção. 552p. J. arco submerso. J. 1997. Brasília – DF: Ministério do Trabalho. Rio de Janeiro: Livraria Kec. COGO. Disponível em: http://www. Carlos. 23. 1986.1 e 2 1ª ed. Fernando. E. Rio de Janeiro: Editora ao Livro Técnico. Norma NBR 6409. Rio de Janeiro: LTC. M. Inversores de Freqüência. 2006.ed. 1911p. potência complexa. M. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. 1. 2.Noções de instrumentação e automação eletrônica. J. Brasília – DF: Ministério do Trabalho. 3. Sistemas Pneumáticos: distribuição. serras e retíficas. 2003. Leitura e interpretação de desenho técnico SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT. Vol. S. 2003. Transformadores: teoria e ensaios. 1ª ed. PRUDENTE. 4. 9. 2004.. 7. F. 2004. São Paulo: Mestre Jou Editora. Norma regulamentadora Nº 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. Elementos de máquinas. furadeiras. H. PROVENZA. 1996. 8. FIALHO. ESTEPHANIO. Porto Alegre: Bookman. 6ª Ed. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. eletrodo revestido.. 11. ajustagem.. M. Projeto de máquinas: uma abordagem integrada. São Paulo: Hemus Editora. P. Normas: AWS.bibvirt.. CUNHA. MAMEDE FILHO.. 16. Inspeção de eletrodos / estufa. Máquinas: formulario técnico. Instalações elétricas. 12. CREDER. Rio de Janeiro: Globo. São Paulo: Editora Makron Books. NORTON. P. paquímetros. válvulas. Princípios de ciências dos materiais. São Paulo: Editora Érica. B. escalas.. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 1984. Protec. 3 ed. 7. 2003. São Paulo: Barra Funda. A. J. Fernando. F. TELLES DA SILVA. plásticos. Mecânica. MAG. Inversores de Freqüência – Teoria e Aplicações. 6. Administração da Produção. V. ABREU. referentes a qualificação e procedimentos de soldadores e materiais. MANO. transmissão de potência. 240 p. L. Automação eletropneumática. São Paulo: Editora S. Norma regulamentadora Nº 15 – Atividades e Operações Insalubres. Tecnologia mecânica. 14. 2ª Ed. Protec.. A.ed. Rio de Janeiro: Editora LTC.futuro. Consumíveis de soldagem. cisalhamento. torção.. 6. Mecânica. PAPENKORT. P. Norma regulamentadora Nº 6 – Equipamentos de Proteção Individual – EPI.. Manual do Instalador Eletricista. ISBN: 97-885216157-50 SPECK. ed. C. 30..

Manual de Contratação dos Serviços de Arquitetura e Urbanismo . Etapas preliminares e obras de infra-estrutura: aspectos legais. Como gerenciar construções. Manual das Instalações Hidráulicas e Sanitárias. 1. c) Tubulações. Manfe G. Laminação e extrusão. 1. 1987. Rio de Janeiro: Livraria Kec. Instalações prediais de água fria. Porto Alegre: Globo. 14.. Hemus. Ed. ABNT. Instalações hidráulicas. RIO DE JANEIRO. Soldagem. Ed. Coberturas e tratamento: impermeabilização. 849p. Materiais de Construção.1. 4. Volumes. 2. Técnica da Construção. 4.ed. São Paulo: Ebras/Durban. Normas pertinentes. CHIAVERINI. São Paulo: Edgar Blücher. 2. concreto. Desenhista de Máquinas. Louças e metais. R. Taxa Interna de Retorno. Normalização de projeto. metálica. Volume I. Forjamento. Administração da Produção. Resistência dos Materiais. a) Quadros de distribuição. usinagem por abrasão e acabamento. b) Dimensionamento das canalizações de esgoto e ventilação. Principles of CAD/CAM/CAE Systems . c) Tubulação. São Paulo: Edgar Blucher. PROVENZA. CREDER. Código de obras do município. A. rotina de controle de execução de serviços de terceirizados. Resistência dos materiais. Processos de fabricação mecânica. Ajustes. Instalações elétricas. V. Tecnologia Mecânica. 8. Tolerâncias de forma e posição. 3. a) Alimentação predial. parâmetros de corte e ferramentas de corte de máquinas operatrizes. RODRIGUES. 2001. Rio de Janeiro: Guanabara Dois. FERRARESI.A. D. “CAD/CAM Theory and Practice”. G. PROJETISTA 1. S. Prática das Pequenas Construções. Ferramentas para usinagem e respectivas fixações. 1999. a) Dimensionamento das instalações prediais de esgotos pluviais.. Rio de Janeiro: LTC. Instalações prediais de esgoto sanitário. fundações indiretas. 1. Kimura. temperados. pavimentação. Princípios da Ciência e Tecnologia dos Materiais. Catálogos dos fabricantes de materiais e equipamentos. São Paulo: Makron Books.3. P. b) Dimensionamento do sistema de alimentação. compressão e cisalhamento. São Paulo: Barra Funda. vol. R. cálculos de tempos e movimentos. 3. Home Page da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Manual de Pequenas Construções. 2007. “Desenho Técnico Mecânico: Curso Completo”. 3. Zeid. Projetista de Máquinas. São Paulo: McGraw-Hill. MONDY. a) Medidores.4. 0131784544) Mandarino. cronograma de compras. 6. São Paulo: Edgar Blücher.A. São Paulo: Plêiade.5. LIRANI. Sétima Edição.. Mecânica. 8. PC. tecnologia do concreto. 3. Leitura e interpretação de desenho técnico. ARRIVABENE. 1978. furação. 2 vol. Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais.4. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DENORMAS TÉCNICAS: Normas afins. 1. Ed Prentice Hall. galpões industriais. L. Mecânica dos Solos. dimensionamento. Ed. Resistência dos Materiais. Manual Prático do Mecânico. 13. S. Tolerâncias. Serviços de acabamento: revestimento. Tração. Orçamento e planejamento: cronograma físico e financeiro. Análise de esforços mecânicos. especificações e manutenção. Metalurgia Mecânica. SOUSA.. Fundamentos da Usinagem de Metais. aplainamento. PINI. Rio de Janeiro: LTC. 6. c) Dimensionamento da estação elevatória. Lee. V. MACINTYRE. Estudos. Equipamentos eletromecânicos. 2003. VAN VLACK. MELCONIAN. Características. 6. 8. Kunwoo. “Geometric Modelling: Theoretical and Computational Basis Towards Advanced CAD Applications (IFIP)”. 1989. 1988. verificação de superfícies planas e planos inclinados. Lei de Hooke. DIETER. topografia. Instalações elétricas.L. 1990. Obras de supraestrutura: formas. LAUGENI. Kluwer Academic Publishers.2. Rio de Janeiro: Editora Mestre Jou. Vierck. Instalações hidráulico-prediais contra incêndio. Ed.( ISBN: . a) Sistemas de proteção contra incêndio. 1991 SUPERVISOR DE MANUTENÇÃO CIVIL 1. PINI. Mecânica. Fundição. Mecânica Processos de Fabricação. 3. A. Expressão Gráfica: Normas e Exercícios. Norma NBR 6409.. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. Instalações prediais: 3. José Dafino. Rio de Janeiro: Globo. Guanabara. Instalações de telefone.1. 3. McGraw-Hill. 1984. Rio de Janeiro: LTC. A. 1.5. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABTN. RIPPER.C. 7. Rio de Janeiro: Globo. demarcação da obra. 1. Conhecimento de programas de computador AUTOCAD E SOLID WORKS. C. MARTINS. BAUD. Variáveis atuantes nas operações de usinagem. Rio de Janeiro: LTC. 1. b) Tubulação interna e rede interna. 2003. CREDER. C. sondagens. Fluidos de corte. 5. Rede lógica. telhados – madeiramento e telhas. CBCA – Centro Brasileiro de Construção em aço.3. Ajustes e tolerâncias. Delineamento de fabricação. Estruturas em aço. 1993.ed. 3. estudo do terreno. Carlos. Desvios e Análise das Dimensões. fundações diretas. G. Hemus. 11. Eládio G. 1. alvenaria.2. e) Aquecimento e exaustão. Instalações hidráulicas e sanitárias. c) Cabeamento. F.ed. Antônio Vieira.1. 1986. 4.. d) Pontos de utilização.. especificações técnicas. I. Sarkis. Instrumentos de medidas lineares. CASILLAS. Vol.Ref. 5. G. Materiais de Construção. Tolerâncias e ajustes. Hélio.1. Instalações Prediais de esgotos pluviais.E. Lauro Salles. O Edifício até sua Cobertura. Desenho Técnico .3. Ed.J.ed. 6. São Paulo: Nobel. et al. 1. Estampagem. Função Manutenção. a) Quadros de distribuição. 2 e 3. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT. 6. H. Volume II. 10. 2001. fresagem. b) Quadros corta-circuitos. 1.1. Diagrama tensão x deformação. cálculos operacionais.1. d) Dimensionamento do sistema de distribuição de água fria. 2. ESTEPHANIO. Hélio. 7. previsto e realizado. São Paulo: Edgard Blucher. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALVES. Fernando. b) Tubulação interna e rede interna. H. Sistema de Amortização Constante e Sistema Misto). CUNHA. angulares. 2004. Freench. CAPUTO. J. armaduras. D. Contratação. 1983. 3. 1988.1. Telecurso 2000 Profissionalizante. 3. AZEVEDO. condutores. dimensionamento.P. Operações de torneamento. NETTO. 4. a) Sistemas de alimentação predial e distribuição de água fria. Ernesto. São Paulo: Edgar Blucher. Ferramentas manuais de ajustagem. Telecurso 2000 Profissionalizante. 1978. MELKONIAN.6. Normas da ABNT PETRUCCI. F.4. 7. 2. São Paulo: Globo. Tecnologia das Medições. 2002. AGOSTINHO. PROVENZA. T. 4V. 1975. 2003.. 1986. 3. nomenclaturas.ed. CARDÃO. 1974. dimensionamento. Dobramento. PI. Pro-Tec. 552p. Ensaios Mecânicos dos Materiais Metálicos. Metrologia. Protec. Rio de Janeiro: Campus. Desenho Técnico e Tecnologia Gráfica. 2002. d) Pontos de utilização.2. 1978. 240 p.1. 2003.1. 450 p. 5. a) Partes constituintes e funcionamento das instalações prediais de esgoto sanitários. Análise de esforços simples. Vidros: lisos. 9. São Paulo: Érica. e Scarato G. Petrônio. PVC. Distência do Materiais.: 1273 Ed. Ar-condicionado: projeto. 6. 1994. São Paulo: Érica. c) Cabeamento. 12.3. Pozza. 3. dimensionamento. b) Reguladores de pressão. Esquadrias: madeira. Pavimentação: projetos de vias urbanas. São Paulo: Hemus. Tarefas do Engenheiro na Obra. 1. Galpão para usos gerais. Instalações de gás. F. 6. Sistemas de amortização (Tabela Price. 1981.INSTRUTOR DE TREINAMENTO (USINAGEM) 1. BORGES. Novos materiais de construção e sistemas construtivos.Uma linguagem. PINI.

empréstimos e financiamentos. Escrituração: Plano de Contas e Lançamentos Contábeis . Rede privada – LP. atividades. 1989 ( Módulos I e III). Demonstração do Valor Adicionado: conceitos. princípios. Ativo.chave. Demonstração da Mutação do Patrimônio Líquido. contabilização e apresentação. Prevenção e Combate a Incêndios – disponível em: www. atendimento telefônico.6. 3. Sistema de Controle Interno: finalidades. TÉCNICO EM CONTABILIDADE 1.cosipa. Peças de reposição. Depreciação. Demonstração do Resultado do Exercício.anatel. 1. Naci Capel. CÓDIGO DE OBRAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. passivo. Principais Aspectos Contábeis das Contas Patrimoniais. 1. conceito. cuidados e precauções.3. Rede pública. Patrimônio: Formação. conceitos e aprova normas técnicas para a atuação do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal”. Pequenos reparos.br www. despesa.br . Manuais. Conceitos Básicos de Telefonia. 2. objetivos e forma de apresentação. sob orientação técnica. 3. 2ª reimpressão. Investimentos Permanentes. Plano de Contas Único do Governo Federal: conceito. Despesas. 1.gov. principais funcionalidades. Preservação do casco 2. Evento: conceito. Avaliação dos Estoques.3. Elétricas. treinamento e avaliação do desempenho das equipes sob sua responsabilidade.1999. São Paulo McGraw-Hill – do Brasil. avaliação dos componentes patrimoniais. princípios. estrutura das contas.9. externo e integrado.2. Disponível no sítio http://www. 2.1. Atividades de Supervisão. Separação de lixo. 1.4.4.6.3. Estrutura. Capítulo III e suas alterações. BRASIL. 12.1. detalhes. principais características. Tarifação. 1. Telefonia. Estruturas Metálicas – Cálculos. disponível em: www. formas de acesso. equipamentos e máquinas ligados ou desligados. objeto. 7ª ED. Primeiro e Segundo Volume. Ferramentas.04. O Sistema de informações contábeis.F.2. Tipos: veículos passeio.br/biosseguranca/Bis/lab_virtual/fogo.2.4. características principais. São Paulo: Nobel. Editora Ciência Moderna Ltda. Tributos incidentes sobre compras e vendas de mercadorias/produtos/serviços. kombi e ônibus.2. 1. publicada no DOU de 12. Princípios fundamentais e as normas brasileiras de contabilidade. manutenção corretiva.2.br www.Dicas de Segurança. Hazelwood e McLean. 2. Atributos / tipos / características de ramais. 2003.B. 1. Centrais telefônicas / PABX. 1. Reciclagem.10. separação do lixo. Tipos.4. DDD.14.5. principais componentes. Reciclagem de materiais. Softwares / Sistema de tarifação. 2ª Edição. diversos responsáveis). 3. TCPO – Tabela de Composições de Preços para Orçamentos. www. exercício financeiro. estrutura básica: ativo.2001. 2. HUMBERTO LIMA. Recepção. conceitos e normas técnicas para a atuação do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal.5.1.br SUPERVISOR DE SERVIÇOS GERAIS 1. fundamentos lógicos.br/sfc BRASIL. 2.2. Estrutura e Elaboração das Demonstrações Contábeis: Balanço Patrimonial. objetivos. Atribuições dos Tribunais de Contas. 2.org. 1. da fixação e execução da despesa.csn.04. J. 4.666/93. 1.br Lei Federal nº 8.11. São Paulo. 2.2. objetivos. modalidade de uso. Tipos e formas de controle. 1. principais características.3.6.. Contabilidade Geral: 1.5.1. 3. A. resultado aumentativo. Gráfica Auriverde 1993.gov. seleção. 1982 Resistência dos Materiais. Abrangência geográfica. contas de controle: da previsão e execução da receita. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados.C. consertos. 2.com. verificações periódicas.4. 1.com. Manual técnico de veículos de passeio. provisão para o imposto de renda e contribuição social. Conceito. DDI. 3. Capítulo III e suas alterações.2.7. PINHEIRO. Conurbadas.com.html Outros Assuntos – Pratica do dia a dia.7.591/2000 e suas alterações). Controle interno. 4. dos restos a pagar e contas com função precípua de controle (contratos. Celular. Manutenção Preventiva. 1.1. SORIANO. 3. estrutura. Demonstração do Fluxo de Caixa. Motores. Procedimentos contábeis: duplicatas descontadas. principais documentos. 3. exercícios e projetos.3. Lei Federal nº 8.1. manutenção preventiva. campo de aplicação. Equipamentos de segurança individual. 2ª Edição. Constituição Federal de 1988. 3. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PILARES. 1. Supervisão e controle de atividades. SÍTIOS DE INTERNET www. Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal – SIAFI: conceito. 3. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. resultado diminutivo. rodízios.2.MANUAIS DA CONSTRUÇÃO EM AÇO – CBCA-Companhia Brasileira da Construção em Aço -2007. finalidade.5. Manual de Higiene. Elaboração de planilhas de controle. 2. 1. Secretaria Federal de Controle. insumos. Variações Monetárias Ativas e Passivas.belgo. regime contábil. classes de eventos. caminhões e máquinas pesadas. Balancete de Verificação. NASH.acominas. de 06. 4. 3. 1. pequenas compras. 1. patrimônio na administração pública.com.3. principais características. Telefonia IP.cgu. Atendimento ao Cliente: O Recurso Esquecido. Equações e Variações Patrimoniais.3. a 12 edição. Orientação.gerdau.1. a Araújo. organização e competências (Lei no 10. correspondências e relatórios setoriais. elaboração de planilhas de controle e relatórios. Reservas. 1.666/93. campo de aplicação.1.3. 3. cauções. 2.5. convênios e instrumentos similares. Regras básicas de tarifação para ligações Locais. DDR.4.2001. 1.6. Curso de Concreto Armado.12. receita. Editora Blucher – 2005.1. Provisões e Retenção de Lucros: conceitos.3. Instrução Normativa o SFC/MF n 01. Requisição e controle de materiais. principais relatórios. 1. 1. 1. seção I.compam. Lei Federal nº 8666 / 93. Editora Livraria Varela. características das contas. 2. conceitos básicos. Rio de Janeiro.br www. 2. partes integrantes. WILLIAM ARTUR. Receitas. 2. São Paulo. 1. Editora Dunas.180/2001. Fiscalização dos atos da Administração pelo Poder Legislativo. despesas antecipadas.8.mg. Combustíveis. Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal: 3.4.br www.2. “Define diretrizes.1. serviços internos.5. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS www. SUPERVISOR DE TRANSPORTES 1.Métodos.2. Rio Grande. serviços externos. . Serviços xerográficos.br www. 1. SUPERVISOR DE TELECOMUNICAÇÕES 1. 1. edição.gov. 2. M. Atividades de Supervisão e assistência técnica. registro e distribuição de correspondência. 1. Equipamentos de proteção individual (EPI) SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS EPI – Ferramentas afins. Requisição e controle de materiais.br Lei Federal nº 8. Administração de contratos com terceiros.com. Editora Pini. Operações com mercadorias. Pneus. Estática das Estruturas.br www.3 Classificações. Cuidados de limpeza geral e higiene pessoal. 2. Manutenção preventiva. Supervisão e fiscalização de contratos com terceiros. 2. 1. Plano de Contas da Administração Pública Federal e a Tabela de Eventos da Administração Pública Federal.1.com.8. Outros assuntos – práticas do dia a dia.2.13.15. A Metodologia de trabalho do Sistema de Controle Interno: diretrizes. 1. Passivo e Patrimônio Líquido. 4.7. 1. 1.1. composição. 4. PIN. Verificação de aparelhos.fiocruz.usiminas. Vol. 2003.cbca-ibs. Sistemas e Elementos básicos. 1. Prevenção e Combate a incêndio. campo de atuação 1. Contabilidade Aplicada à Administração Pública: 2. 1. Guia de Ruas do Rio de Janeiro – Conhecimento de rotas e mapeamento de roteiros. Amortização e Exaustão.bombeiros.com. 4. 2. Decreto no 3. 3. Acessórios. Conceito. Conhecimentos diversos. tipos. Numero. corretiva.666/93. 1. Código de Trânsito Brasileiro / Regulamento. pág. Planejamento e supervisão de atividades.3. 1.

BRASIL. Suporte e Apoio a Usuário. Ministério da Saúde. 2006 NEVES. 2007 PADOVEZE. Prestação de serviço e suporte às áreas usuárias. Código-fonte X Código-objeto. PCI Express e USB. discos rígidos. Organização e Arquitetura de computadores. Processo de enfermagem na saúde ocupacional. BRASIL. Tecnologias Ethernet. Use a Cabeça SQL. Secretaria de Políticas de Saúde. Raimundo Rodrigues et al. Fundamentos de enfermagem. rev. Manual de Socorro de Emergência. Claudia Elizabeth et al. CD e DVD. PISCITELLI. Conceitos. memória virtual. Cuidados de enfermagem ao trabalhador portador de distúrbios clínicos e cirúrgicos.fazenda. 6. Procedimentos de enfermagem relacionados ao processamento de materiais hospitalares. Editora Atlas. de ordenação e de pesquisa. Microinformática – Hardware e Software. 2008. Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil. JavaScript. HTML. Sistemas de Numeração. montagem. Princípios legais e éticos do exercício profissional. modalidades de acesso. rev. Conceitos básicos.320. Elizabeth Costa Dias (org. Tipos de exames voltados para a saúde do trabalhador. Web: conceitos.º 6. 2002. Padrões. Preparo do trabalhador para realização de exames e provas funcionais. interfaces serial e paralela.ed. Enfermagem do Trabalho. barramentos PCI. Saúde pública. CANTU. do adulto.ed. Técnicas básicas de enfermagem: sinais vitais. Maria Zulene F. ed. Silvério. Interpretação X Compilação X Linkedição.ed. Manual de Rede de Frio. Contabilidade Avançada. Editora Atlas. Conceitos básicos. 2002. 4. LIMA. Modalidades de processamento “batch”. Brasília. 2005. Rio de Janeiro: Cultura Médica. CARVALHO. TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1. FORTES. Software Aplicativo. imagens. Manual de Normas de Vacinação. ATM e Wireless. CASTRO. XML. TIMBÓ. Equipamentos. 3ª ed. Secretaria de Políticas de Saúde. Inglês técnico. 6. KAWAMOTO. E. Firewall. Noções de Linguagens de Programação. 2002. José Carlos. Editora Atlas. Redes de Computadores e Internet. Homologação de hardware e software. Protocolos de comunicação. SCSI e SATA. JUND. Frase Editora. Cuidados de enfermagem em situações de urgência e emergência. bluray. Brasília. 2001. M. CSS. Algoritmos e Linguagens de Programação. BRASIL. (cols. Protocolos de acesso. AGP. 3. 5. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus. Proteção de equipamentos e de sistemas de informática. Preparo e administração de medicamentos. Estruturas de controle. . Software básico. Software. Fundação Nacional de Saúde. navegação e pesquisa.tesouro. conexões. 5. Fundamentos de Enfermagem.). DLL e DML. Paulo E. doenças infecciosas. Orçamento e Contabilidade Pública. Noções sobre Corel Draw. 2. Tipos de sinais. Visual Books. Hilário. exame físico e registro em enfermagem orientado para os problemas dos trabalhadores. Geraldo Mota de. COMER. de 15 de dezembro de 1976 (com atualizações posteriores) Lei n. Programas especiais de saúde voltados à assistência da mulher. browser. Photoshop e Flash. componentes e funções. VICECONTI.º 4. Contabilidade Básica. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. placa-mãe. WebMail X Outlook Express X Thunderbird. Conceitos básicos. paginação X segmentação. Editora Atlas. ASP. Manual de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. Aterramento. Ministério da Saúde.br/siafi/plano_de_contas. Editora Campus/Elsevier. 2009. 1996. Utilitários. microprocessadores. SANTOS. Ministério da Saúde.ed. São Paulo: Atheneu. em redes e na Internet. doenças sexualmente transmissíveis. higiene ocupacional e segurança do trabalho. Arquitetura TCP/IP. São Paulo: EPU. Disseminação de conhecimentos de microinformática e utilização da Internet. Atendimento. construção de páginas para Web. LIMA. de 17 de março de 1964. Cabeamento estruturado. Tipos de imunização e profilaxia para o trabalhador. Manual de Contabilidade Básica. 11ª ed. 2007. instalação. Estruturas de Dados. Roberto B. Julia Ikeda. formatos. Meios de transmissão. Brasília. Cuidados de enfermagem à mulher trabalhadora durante o ciclo gravídico-puerperal e às portadoras de patologias específicas da gravidez SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA. Comunicação de Dados. Manual do Técnico e Auxiliar de Enfermagem. Linn. Coleta de material para exame e oxigenoterapia. 7ª ed. Secretaria de Atenção à Saúde. Topologias. Ações de vigilância epidemiológica e de conservação de vacinas. Dominando o Delphi 7: A Bíblia. Cabos. DORT ou AMERT. Ginástica laboral. MSOffice 2003/2007 BR X BROficce. peso e altura. Contabilidade Pública: Integrando União. BORATTI. Makron Books. resoluções. Brasília. 2001. Programas. FDDI. Goiânia. 2008. Editora Atlas. 6. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. BRASIL. Enfermagem materno-infantil. 2010. São Paulo: EPU. Segurança de equipamentos. Cuidados de enfermagem no tratamento de feridas e realização de curativos. escalonamento de tarefas. Princípios básicos. Administração. Software Livre. Isaias Camilo. “online” e “real time”. e-mail. TÉCNICO EM ENFERMAGEM DO TRABALHO 1. PHP e JSP. Bookman. D. 2007. e atual. Normas ABNT. 1999. Estados e Municípios (SIAFI e SIAFEM). 2001. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. SQL. 2007 MARION. Segurança física e lógica: backup. vírus. 2007. Especificação. do idoso e do trabalhador. Fast Ethernet. ROSA. configuração e utilização dos recursos. 13 ed. 2000.) Brasília. 2. “time-sharing”. 7ª ed. 23ª ed. Paulo E. Algoritmos de busca. Legislação e ética para o desenvolvimento do exercício profissional em enfermagem do trabalho. Procedimentos e funções. memórias. Doenças relacionadas ao trabalho. Lei n. em redes e na Internet.Disponível no sítio http://www. Interconexão de redes. dispositivos de entrada e saída. dispositivos de armazenamento. VICECONTI. Alimentação AC/DC. e ampl. dispositivos de entrada e saída. Conceitos. prevenção. Contabilidade Empresarial. Níveis de atenção ao trabalhador e educação para a saúde. interfaces e conectores. Sistemas Operacionais: multiprogramação X multiprocessamento. FRANCO. SGBD. 4. Organismos nacionais e internacionais de padronização. Idelmina Lopes. Executar rotinas e orientar os usuários quanto aos procedimentos de segurança de dados e acesso aplicados na instalação. Execução de procedimentos operacionais de rotina. 12ª ed.org 3. BRASIL. 2. 3. Manual para Realização de Curativos. Frase Editora. Clóvis Luís. Passagem de parâmetros. Legislação em Saúde: caderno de legislação em saúde do trabalhador.gov. gerenciamento de memória. Noções de saúde mental relacionada ao trabalho. Bioética aplicada à enfermagem do trabalho. mídias. Doenças Relacionadas ao Trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Contabilidade Pública – Uma abordagem da Administração Financeira Pública. 1997. Manual Técnico para o Controle da Tuberculose: cadernos de atenção básica. Cuidados de enfermagem na atenção ao trabalhador portador de doenças crônico-degenerativas. As LER. 10Gigabit Ethernet.1.404. terminologia. Emilia Emi. 3ª ed. cores. Bancos de Dados. Pseudocódigo e Fluxograma. Alta Books. Ministério da Saúde. Abordagem Relacional. NEVES. mantendo atualizado e em operação softwares antivírus. Noções de ergonomia. Editora Atlas. 2003. Fundação Nacional de Saúde. 2006. Construção de algoritmos. Róbison G. Brasília: 2001. Sérgio. Programação Orientada a Objetos em Java. Gigabit Ethernet. 3. Maria Berenice. Hardware: conceitos. BRASIL. 15ª ed. pendrives. instalação. padrões e tecnologias IDE. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEIGHLEY. Vol. Enfermagem médico-cirúrgica. 1 e 2. Noções de SQL Server. Redes de Computadores e Internet. PostgreSQL e MySQL. Recursividade. Idelberto Muniz Almeida et al.asp FIPECAFI. Diana V. desmontagem. Ambientes Windows X Linux. “off-line”. configuração e operação de equipamentos de informática. Contabilidade Geral. 2. utilizando software ou aplicativos instalados nas áreas de atuação. multitarefa. Silvério.

Sinalizadores de circuitos de emergência. Dimensionamento de alimentadores e ramais de ligações. 2. Projeto de instalação. C. André Luiz N. seleção e dimensionamento. Organização Estruturada de Computadores. Guia de Bolso do Administrador. SETZER. Edgard Blucher. Circuito elétrico do motor de indução. seccionalizadores e chaves-fusíveis. Critérios da queda de tensão e capacidade de corrente no condutor.br Textos: A função gerencial da secretária executiva. E. 3. W. Arranjos de subestações. Campus. & DEITEL. compromissos. Barramento simples. Microsoft Windows XP Professional. Função da proteção. Manobras em subestações. Comunicação e Atendimentos. Estudo das máquinas síncronas.3. SAWAYA. 3. Fornecimento de energia aos prédios. Alta Books. construção e acionamento. religadores. 1. Partes componentes de um sistema elétrico. 1. Arquitetura e Organização de Computadores.6.com. Código de Ética dos Servidores da NUCLEP. Disjuntores comandados por relés. William R. 2005.5. Aterramento. Jonathan. Iniciação à Administração Geral. Java: Como Programar. 2006. Amplificador realimentado. Funcionamento. W. Ligação delta e estrela. 2007. Idalberto. Ajuste do tempo de espera. Bookman. Trabalho e potência elétrica.3. Coordenação de isolamento. Potências em CA. 2002. missão. reuniões. Prentice Hall. A. Ensaio de polaridade. duplo e de transferência. 3. LTC. Criptografia e Segurança em Redes: Princípios e Práticas. 1999 SETZER. EBERSPACHER. 3. Transitório. clientes. H. FREEMAN. 2001. Sylvia Ignacio. 1. J. S. Associação paralelo de geradores. J. Resistência elétrica. Características operacionais dos geradores rotativos de corrente contínua. Motor de corrente contínua. 2005. 1. Ligação à terra das instalações. Estrutura organizacional. Sistemas de distribuição primária e secundária. M. 3. TANENBAUM. N. relé diferencial. 2. Torque e velocidade. 7ª ed. MORIMOTO. 3.. 2004. expedição. Pára-raios. Tipos de arquivos. TN-S e TT.7. Sincronismo. Parâmetros de um circuito em CA. Campus. Generalidades.2. Condutância. Métodos de verificação do sincronismo entre geradores. W. finalidades. movimentação e arquivamento. Proteção contra correntes de fuga.12. C. Dicionário de Informática e Internet: Inglês/Português. Arquivo: Teoria e Prática. 4. 2.9.9. Aplicações. Redes e Servidores Linux: Guia Prático. L. Pascal e Técnicas de Programação.4. 1. Nobel. Norma MB-79. Magnetismo. 2005. Funcionamento dos geradores de corrente contínua. João Carlos N. 3. P. Aquecimento elétrico. organização e administração de arquivos.6. Campus. 2003. Circuito elétrico e expressões do motor.php CHIAVENATO. Ivanize e COSTA.2. STANEK. Equivalência estrela-triângulo. A.16. PrenticeHall. Aparelhos de proteção. 1. in http://www. TÉCNICO EM SECRETARIADO 1. direção e controle.14. acompanhamento. Instalações elétricas de alta e baixa tensão.15. José Augusto N. forma de eliminação. relé de máxima ou de mínima. TANENBAUM. Transdutor. 2.com/index. MORRISON.br/artigos/art78. SCHMITZ. Secretária: um guia prático. Harmônicos em transformadores. SQL Guia de Bolso. seccionalizadores e chaves-fusíveis. Bookman. Materiais utilizados em sua construção. Defeitos em redes de distribuição e transmissão. Normas da ABNT em baixa tensão. D. 1. MANZANO. Aterramento. 1. Lógica de Programação: a Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. H. Maria Aparecida Vieira. Torque.br/index. Estudo do motor de indução. conversor síncrono.5.8. Eletricidade/Medidas.org. Seccionadores e fusíveis de AT. Generalidades. Gestão empreendedora: conceitos e componentes. Informações básicas sobre a NUCPLEP – Ato de criação.20. Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML. Alta Books. Noções de curto-circuito. Problemas diversos nas instalações. 1. S. Aparelho de proteção. DEITEL. Campo elétrico. 1.21. Dispositivos de proteção dos circuitos. Makron Books. Transformador. 1988. Identificação das partes constituintes de uma máquina de corrente contínua. Proteção contra descargas atmosféricas. 2005 STALLINGS. Banco de Dados Orientados a Objetos.org. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Eletromagnetismo. organização. 1. 2002. Máquinas especiais.11. 2008. Tipos. Redes e Sistemas de Comunicação de Dados.10. Fator de potência – correção.9. 2004. AZEVEDO. Conceitos de atos administrativos. Cálculo da carga instalada e da demanda da instalação. Circuitos trifásicos.7. Relacionamento interpessoal e mudança comportamental. valores. 1. Entendendo o Sistema: Guia Prático. Eletrostática. E. 2.4. A. 2. 1. Ensaio de curto-circuito e circuito aberto. Máquinas elétricas. Manuais Técnicos. relé de freqüência. A. Características. 2003. Servomecanismo amortizado. Prentice Hall. Sistemas de controles em máquinas elétricas e máquinas especiais. MANZANO. 2007. JavaScript: o Guia Definitivo. 2008. viagens. FOROUZAN. 2005. Velocidade. 1. As condições do neutro em sistemas elétricos. São Paulo: Makron Books.php?option=com_content&vi ew=category&layout=blog&id=48&Itemid=13 TÉCNICO EM ELETRICIDADE (MANUTENÇÃO) 1. F. metadino e amplidino. Níveis de tensão. Marilena Leite. Diagramas de alta tensão. PEREIRA. Classificação de documentos e correspondência. & TELES. Linux.ibamconcursos.1.18. G. 3. Érica. A. Modernas tecnologias de comunicação. Força motriz. Érica. MANZANO. Indução eletrostática. Técnicas e funções secretariais: organização.1. Pára-raios. Aplicações. 2007. Luminotécnica. Enrolamento de motores. 2005 Glossário de Atos Administrativos – disponível no site www. Linha de transmissão. W. G. Servomecanismo generalizado. Use a Cabeça! : JavaScript. 2. Makron Books. Circuito equivalente e parâmetros.nuclep.13.5. Ligações V-V. Estudo Dirigido de SQL: Structured Query Language. Rigidez dielétrica dos materiais. Érica. G. Harmônicos. STALLINGS. Sul Editores. Vinculação.socultura. 2002. Usinas geradoras. Banco de Dados. Disponível em http://www. Márcia Regina. 2. Características de compatibilidade dos equipamentos de alta tensão. 1. Sistemas TN-C. Y-zigzag. W. MANZANO. help/ajuda do software e Normas ABNT.19. Componentes utilizados em proteção dos circuitos aéreos. Y-Y e delta-delta. J.17. Método de soluções de malhas. Redes de Computadores. MGrawHill. 3. Rotinas de protocolo. STALLINGS.DATE. 1. 2. 2006. FLANAGAN. 3.6. scott. José Guilherme Said Pierre Carneiro. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Informações sobre a NUCLEP e seu Código de Ética – Disponíveis no site http://www. política de responsabilidade social. Seccionadores e fusíveis de AT. 1. OpenOffice. Dispositivos e simbologia. Behrouz A. Defeitos em circuitos utilizando disjuntores comandados por relés. religadores. Equações. Velocidade do motor.8. Noções gerais sobre Administração: objetivos. MORIMOTO. E. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. Unidades. Acessório restritor de corrente de inrush nos seccionalizadores. eventos. Generalidades sobre o cálculo de curto-circuito. 2. 2008. dinamotor. Ohm. classe de tensão. Ensaio de curto-circuito e circuito aberto. Geração em CA. A. Análise de circuitos pelas séries de Fourier e transformada de Laplace. Isoladores.1. Sincronismo.8. Eric. Tecnologia dos materiais. Modalidades de ligações. 1. Michael.htm A Gestão Empreendedora como fator de sucesso nas organizações empresariais. S. Introdução a Sistemas de Banco de Dados. Subestações transformadoras. Sul Editores. Alta tensão. Sobretensões. GENNICK. São Paulo: SENAC. S. Lei de Coulomb. PAES. Eletrodinâmica. 1. 2003. Aparelhos auxiliares para medidas em alta tensão. Resistividade. 3. 1. Edgard Blucher.2. Liberação da capacidade do sistema na melhoria do fator de potência. Equações. Disjuntores. Medidas elétricas. Estudo dirigido de Microsoft Windows XP. Aparelhos de interrupção de corrente e manobras. Lei de energia. Circuitos de medidores . Característica da resistência elétrica. Equipamentos de alta tensão. 2. agendamentos.7. Esquemas fundamentais de ligações em baixa tensão. funções e componentes do processo administrativo: planejamento. 1994. C. Eletrização. Tipos de rotores.4. T-T. Lei de Joule. princípios. Análise de circuitos.3. Áreas de atuação. 2006. Legislação sobre a profissão de Secretário: regulamentação e código de ética profissional. Funcionamento de relé de sobrecarga. Érica.gov. G.fenassec. Condutores.. Estruturas de Dados Fundamentais – Conceitos e Aplicações. Alta Books. 1.

NBR 6820. 4. Ângelo. programação ladder e STL dos controladores lógicos usuais e parametrização dos inversores e soft start. Mc Graw Hill. Mc Graw Hill.2. NBR 6856. simbologia.16. temperatura e vazão. Magnetismo e Óptica. atuadores. 4. percentual de oxigênio. Métodos de redução da corrente de partida. simbologia. Chaves contactoras. BOCCHETTI. MAMEDE. 1. NISKIER.). Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. Irving. TCP/IP). Amadeu. Conversão Analógico/Digital e Digital/Analógico. Porto Alegre: Globo. Claudio Fernandes.10. Porto Alegre: Globo. Editora Prentice Hall do Brasil. 8. manual e automático. Terminologia da Rede Brasileira de Calibração. Noções de metrologia eletrônica analógica e digital. Termopares. Diagramas elétricos. Equipamentos auxiliares de medidas elétricas. Robert Boylestad e Louis Nashelsky. 3 reimpressão. 2. FINK. Sinais Analógicos e Sinais Digitais. diodos etc.1. NBR 6855.450 páginas aproximadamente.7. Tipos de instrumentos.12.15. Noções de mecânica dos fluídos. Páginas 880. São Paulo: Edgard Blücher. dispositivos de comunicação (switches. Utilização básica de instrumentos de medição e teste: multímetro. SIEMENS. controladores lógicos programáveis e softwares de programação. Eletricidade. 7. 1969.5. osciloscópio. NBR 7036. A. Termômetro à Pressão de Vapor. João. Amplificadores operacionais. Controle de processos: Conceito de processos. Noções de eletrônica digital (lógica Booleana. 1968. Porto Alegre: Globo. Phillip. energia reativa e dupla tarifa. Editora Prentice Hall do Brasil. calibradores de pressão e temperatura. 2. Controlador Lógico Programável e Inversor de Frequência: Funcionamento e ligações do soft start. Donald G. vazão. wattímetro. 2. hidráulicas e motorizadas e posicionadores. sistemas de corrente contínua e inversores. FITZGERALD. protocolos de comunicação. Automação Industrial . Características (princípio de funcionamento.17.14. Noções de redes (Ethernet) e seus protocolos TCP/IP. 1. Motor monofásico. Transmissão e transmissores pneumáticos.13. varímetro. Robert Boylestad e Louis Nashelsk. CAMINHA. 1980. Relé térmico. Acústica. NBR 5410 e NBR 14039. 6. 2002. terminologia. UTP). Nardo Toledo. ed. Instalações Elétricas. Irving. Porto Alegre: Globo. comando e multifilar de circuitos de comando utilizando motos de indução.4. temperatura. Porto Alegre: Globo. 1979. Dissipação de calor nos motores elétricos em relação a altitude.2. Noções de funcionamento de banco de dados. Paginas 650. 1. Certificado de Calibração. Manual de Bobinagem – Weg. 1. São Paulo: Érica.3. 2.10. ed. Controle de Máquinas Elétricas. 1. 1979. 4. Erro de Paralaxe. Instalações Elétricas Industriais. KOSOW. IPX.) de elementos finais: solenóides. Hélio. Classificação das Medidas Extensométricas Strain Gages (Células Extensométricas). 2. . 6. 1985. Automação Eletropneumática. Inversão do giro. Noções básicas de analisadores: medidores de pH. Eletrônica. Física . Circuitos Elétricos. Páginas 650. NBR 5416. Milton. Escalas de Temperatura.4. a Joshep A. CHRISTIE. 2. Manutenção Corretiva de Circuitos CA e CC. 2. ed. 1.ed.9. 4. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARIZA. 2. Princípios de funcionamento de sistema de geração de energia (turbo geradores e diesel geradores). 1. 2. MILLMAN e HALKIAS. CUTLER.9. Livros Técnicos e Científicos. massa e densidade. CREDER. noções de desenho em meio eletrônico (AUTOCAD). Características Gerais dos Transdutores de Força. Autotransformador de partida. Fundamentos de Eletrotécnica. FRANCISCO G. NBR 5458. DAWES. GUSSOW. 1.12. Coleção Edutec Exped. Erro em Instrumentos Digitais. 1.3. Corrente nominal e partida. NBR 5440.Mecânica. ISOBUS. 2 volumes de 1. Máquinas de Corrente Contínua. fundamentos de controle automático contínuo e descontínuo. 11. Noções de rede e de protocolos de documentação. Redes de computadores (Ethernet. planejamento e detalhamento de serviços de montagem e manutenção. Termômetros à Pressão de Gás.7.11. Normas da ABNT: NBR 5356. Standard Handbook For Eletrical Engineers. Chave estrela-triângulo.(voltímetro. Páginas 447. Biblioteca Técnica Freitas Bastos. Noções de controle automático de processos. modos de controle e sintonia de controladores. arquitetura e aplicação (hardware e software). endereçamento). Carlos Alberto. CAVALCANTI. Noções de sistemas instrumentados de segurança. São Paulo: Érica. Sistemas operacionais Microsoft Windows. na área de Instrumentista. 1985. NBR 7037. Júlio. meios físicos (fibra óptica. 1. 1 e 2. Introdução à Proteção dos Sistemas Elétricos. Mc Graw Hill. Noções de materiais usados em instalações de instrumentação. 1. Máquinas Elétricas e Transformadores. ed.8. 4. TÉCNICO EM MANUTENÇÃO) ELETRÔNICA (INSTRUMENTISTA E 1. roteadores. Clarence. ohmímetro. Chester. Paulo João Mendes.8. Termômetro à Dilatação de Líquidos. Motores de corrente alternada. CAPUANO. KOSOW. 1966. 2008. posicionadores. Editora Érica. inversor de frequência e CLP. força. 2. Análise de Circuitos . Padrões de numeração (binária. Manutenção de circuitos eletromagnéticos. Resistores de partida.14.ed. Editora Mc-Graw-Hill do Brasil Ltda. MARTIGNONI. controle pneumática. 4. Identificação de defeitos em circuitos de comando. nível. Ligações. Vol. NBR 6821. arquitetura de computadores. frequencímetro e fasímetro). Medidores de potência elétrica. 2. Amostragem. Informática. Paulo. Guanabara Dois. Instalações Elétricas. 2. Máquinas Elétricas. Registro de Medição. 1977.6. Elementos finais e controle: válvula de TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (CALIBRAÇÃO) Erro em Instrumentos Analógicos. Noções básicas de hidráulica. nível. eletrônicos analógicos e transmissores microprocessados. portas e circuitos mais comuns. redes. 2. Elementos de Eletrotécnica. Condutivímetros. Calor. Montagens com diagrama unifilar.5. 1. IVAN V. hubs). 2.6. ed. 1. Generalidades. sistemas de comunicação. ed.6. Cálculo de Enrolamentos de Máquinas Elétricas e Sistemas de Alarme. Curso de Eletrotécnica.15. energia tipo indução.7. aplicação etc.Controle do movimento e processos contínuos.1. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 4. algoritmos e fluxograma de programação. 2. componentes (cartões: de I/O. amperímetro. Definições e unidades de pressão. válvulas e conversores de sinais. IDOETA. Acionamentos elétricos.5. fibra óptica.2. Mc Graw Hill. 1978. Ligações em função da tensão. MENDEL. Halliday e Resnick. 1. Meios físicos (fibra óptica de vidro e polímero. Páginas 504.3. NBR 5380. controladores lógicos programáveis e sistemas digitais de supervisão e controle. Livros Técnicos e Científicos. Noções de sistema de supervisão. Editora McGraw-Hill. Gestão da manutenção: manutenção preventiva e corretiva. Biblioteca Técnica Freitas Bastos. Erro de Interpolação. UTP). na área de Manutenção. conceito. pesquisa de defeitos. Medidas Elétricas e Ensaios de Máquinas Elétricas. 2009. 2. NBR 10295. 1. Calibração de instrumentos.1. Sólon. Edutec. 2. Rio de Janeiro: Editora Ao Livro Técnico. Portas e diagramas lógicos (mapeamento de memória. Páginas 160. 2. 2. Manuais Técnicos e de instalação de Soft Star. Noções de eletrônica analógica. Medição de Energia Elétrica. Padrões de comunicação CAN-BUS. cromatográficos. Alfonso. Eletricidade Básica. hexadecimal etc. Mc Graw Hill. co-processador etc. Edminister. padrões de comunicação RS-232 e RS-485. comunicação. MUÑOZ. Soft Start.16. MARTIGNONI. 1. 4. principais técnicas. Elementos de Eletrônica Digital.) e suas funções. Inversor de Freqüência e Controlador Lógico Programável – sugestões de fabricantes WEG. Conhecimentos em eletrônica analógica e eletrônica digital. Transdutores.13. TELEMECANIQUE e outros. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Alexandre Capelli. Instrumentos de medição de pressão. circuitos CMOS e TTL). 1976. Páginas 504. 1996.11. 4. MEDEIROS.4. Nelso Gauze Bonacorso e Valdir Noll. 2. RS-232 e RS-485. ed. Eletrodinâmica (Corrente Contínua). Controladores programáveis. Guanabara Dois. 2.

Melhoria Contínua. V. Editora Campos. São Paulo. Tipos de fratura em materiais metálicos. Tolerâncias e ajustes. Editora Harbra. E. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Hubertus Colpaert. sistemas de aquecimento e resfriamento de processos. INMETRO. e JOHKSTON. Bombas e Compressores (tipos. Editora Meste Jou.1970. Flanges e acoplamentos roscados. F. ABENDI. Guanabara Dois. Tubulações Industriais. Ed. Distribuição de Probabilidade (distribuição normal). Concentração de Tensões. Rio de Janeiro. STREETER. Vierck. Qualimark.Ferramentas para Melhoria Contínua (The Memory Jogger). Osmar José Leite da Silva. S. Normas das séries ISO 9000. Makron Books. Mc Graw Hill. resfriadores. Sistemas de Manufatura integrada por Computador. mediana). Ed. Lei de Hooke. Eventos e Probabilidade. A. Instrumentos Específicos. Kanbam. de Sousa. Registro Radiográfico. AGOSTINHO. São Paulo. Fluência. trocadores de calor (aquecedores. L. Técnicas Metalográficas – Macrografia e Micrografia. Ed. sistemas de ar comprimido. Edgard Blucher. Parâmetros Radiográficos Princípios Geométricos. LTC. e WYLE. Análise de Valor. Variáveis discretas e contínuas. S. Estatística Aplicada a Administração. princípio de funcionamento. instalação. Processos de Transmissão de Calor. Mc Graw Hill. Diagramas de Pareto. Armando Albertazzi e André R.. 2000. Gestão da Qualidade. São Paulo. Confiabilidade Metrológica. S. TIMOSHENKO. Ensaio de Jomminy. 1980. Vol. Rio de Janeiro. Controle e Automação de Processos. V. desvio padrão). M. Amperagem e Distância e Tempo e Distância. Aplicações e Análises. SILVA Telles. Edgard Blucher. Apostila de Ensaio por Ultra-Som. Relação entre Tempo e Amperagem. Telecurso 2000 – Mecânica. 1969. 1988. 1986. Ed. vol. Tecnologia das Medições. Controle da Sensibilidade Radiográfica (IQI's). Equipamentos e fontes de radiação. Minas Gerais.R. Editora. Manual Prático do Mecânico. ABM. Difusão. Desvios e Análise das Dimensões. W. Charles J. de Causa e Efeito e de Dispersão. Portaria n. Janeiro. L. STEVENSON. R. D. Princípios Básicos de Gestão da Qualidade. Rio de janeiro. K. Ed. SBM. TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (METALOGRAFIA) Sistemas Cristalinos. P. E. Distribuição de Frequência. Ed. Outras Ferramentas para a Qualidade (Fluxogramas. P. Fundamentos de Metrologia Científica e Industrial. CERQUEIRA Neto. Ed. E. manutenção. Gestão Estratégica da Qualidade. Qualitymark Editora. Noções básicas de Ensaios Não Destrutivos: Líquido Penetrante. Curvas de Exposição para Radiografia. Livros Técnicos e Científicos. Ao Livro Técnico. de Sousa. P. Janeiro. 3ª edição. Amostras. Sérgio Augusto de Sousa. 1991. Equipamentos . Resistência dos Materiais. Componentes de Tubulações. Ultrassom e Raios X. TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS LP/PM) 1. 2ª edição. A.1998. Armando Albertazzi e André R. inspeção de equipamentos. paquímetro e micrômetro. Medição de Espessura por Ultra-Som. tubulações. 2. Técnicas de Solução de Problemas. Montagem. Manole ISO GUN: ABNT. Editora Edgar Blucher. MOORE. Resistência dos Materiais. II e III. 1. Filmes Radiográficos. Fadiga. dobramento e charpy. Acabamento Superficial. vasos de pressão. VAN VLACK. Noções de Processos de fabricação.L. fluência. seleção). Tratamentos Térmicos e termoquímicos. CHIAVERINI. Cálculo do Tempo de Exposição do Filme Radiográfico. ABENDI. Telecurso 2000 – Mecânica. Rodrigues e Lirani. Instrumentação. 2000. Rio de Janeiro. Metalografia dos Produtos Siderúrgicos Comuns. D. Ricardo Andreucci. 3ª edição. Princípios da Ciência e Tecnologia dos Materiais. TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (RADIOGRAFIA) Princípios e Fundamentos de radiologia. Erica. 1995. Diagrama TTT para aços carbono. Manole. Medidas de Tendência Central (média. Ductilidade e Fragilidade. 1979. 3. compressão. BRASSARD. Ao Livro Técnico S/A. Garantia da Qualidade. Sobreposição. Ultrassom.Vasos de Pressão. Resistência dos Materiais. 1981. Os Raios Gama. de elasticidade. 1982. Diagrama Tensão x Deformação. R. Metrologia na Indústria Editora Érica. Rio de Janeiro. Fundamentos de Metrologia Científica e Industrial. Qualidade . Líquidos Penetrantes). 4. Editora Pioneira. Processos de fabricação mecânica (processos de conformação e metalúrgicos). NASH. Ricardo Andreucci. Vicente Chiaverine. Diagrama ferro carbono. válvulas industriais. Ensaios mecânicos (tração. E. Controle da Radiação Retrospalhada. purgadores de vapor. engrenagens.B. Manufatura Flexível. Projetos. Tubulações Industriais. Ferramentas para Melhoria da Qualidade (Just in Time. Característica e Classificação de Válvulas. Materiais. Noções básicas de metrologia: régua. Ed. Compressão e Cisalhamento. McGraw-Hill. Tensão Admissível.º 029 de março de 1995 do INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia. . Fundamentos de Estatística.Princípios e Métodos. Ciência Moderna. R. Controle Estatístico de Processo). W. Ed. Ed. Válvulas Industriais. Ensaios Mecânicos dos Materiais Metálicos. Equipamentos de Raios Gama. TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (DIMENSIONAL) Introdução ao Controle Dimensional. Inspeção por Amostragem. Aços e Ferros Fundidos. Marcelo Padovani Cravenco . Fundação Christiano Ottoni. Tecnologia Mecânica volume II. Apostilas de Ensaios por líquido penetrante. Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos: Fundamentos Teóricos e Práticos. FALCONI. 2 e 3. Medidas de Dispersão (variância. Tecnologia dos Materiais e Processos de Fabricação. Francisco Adval de Lira. Estatística. Análise de esforços simples. Pedro Carlos Silva Telles.SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Arivelto Bustamente Fialho. Raios X e Ultrassom. de resistência a tração e de ruptura). C. Cálculo da Penumbra Geométrica. Ed. Vicente Chiaverine. Ensaios mecânicos não destrutivos (Partículas Magnéticas. Tecnologia Mecânica. Desenho Técnico. Livros Técnicos e Científicos. Mecânica dos Fluidos. Sistema de Gestão da Qualidade Jose Luiz Loureiro Alves. São Paulo. 5. CASILLAS. Programa RH Metrologia – Guia Para a Expressão da Incerteza de Medição. Classificação dos tipos de aço e ligas metálicas.L. J. R. Ed. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Vinicius Rabello de Abreu Lima. Fundamentos de Caldeiraria e Tubulação Industrial.Lauro Salles Cunha. Bombas Industriais. Desenho Técnico e tecnologia gráfica. flexão. Tanques. Norma ISO 9001:2008. Radiografia/Gamagrafia. Técnicas de Exposição Radiográfica. Equipamentos de Raios X. Normalização e Qualidade Industrial. Principais ensaios Mecânicos: tração. condensadores e evaporadores). Rio de Janeiro Editora Globo. . Equipamentos e Instalações Industriais. Procedimentos de Controle Dimensional. 1992. São Paulo. Telas Intensificadoras de Imagem. 1995. Controle da Qualidade Total. Editora Edgar Blucher. e Mattos. Folhas de Verificação. dureza. Editora LTC. Elaboração de Procedimentos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEER. SOUSA. partículas magnéticas. Ed. Propriedades mecânicas dos materiais usados em engenharia. FALCO. Processamento de Filmes Radiográficos. E. Interciência. French. Ajustes. Tolerâncias. São Paulo. V. de escoamento. Telecurso 2000 – Mecânica. Janeiro. Partículas Magnéticas. Tração. 1982. Thomas E. Hemus. Tubulações e Estruturas Metálicas. 3ª edição. Instrumentação Industrial Conceitos. Terminologia. Propriedades Mecânicas (limites de proporcionalidade. A Estatística Básica e sua Prática. Rio de Janeiro. Tratamento térmico. fadiga e impacto). KERN. Resistência dos Materiais.

Ganho. 4. São Paulo. 1. Constituição Federal. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS American Society of Mechanical Engineers . e Decibel. ABENDI. 2. reatores anaeróbios.3. Sistemas de Coleta e Tratamento de Efluentes Líquidos.1. águas superficiais. Edição. Manual de Hidráulica. lagoas de estabilização. Controle de Poluição Atmosférica). dimensionamento.10. Conceito de poluição ambiental.1.1. 8. Procedimentos específicos de inspeção segundo critério ASME V. critérios gerais de dimensionamento. 7. Soldagem – Fundamentos e Tecnologia. metalúrgicas. 6. Ultra-Som Técnicas e Aplicações. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Apostilas da Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem de Inspetor de Soldagem N1. princípios dos tratamentos de resíduos gasosos. Certificação ISO 14. Aparelhagem de Ultrassom. 1. 1.6. controle. Acompanhamento e aplicação de recursos. lodos ativados. Lei Federal no. Lei nº 1.Dispõe sobre a obrigatoriedade da implementação de Programa de Redução de Resíduos. Ed. manejo de bacias hidrográficas. Recursos Hídricos. adutoras por recalque. 3.Estabelece a política estadual de qualidade ambiental ocupacional e de proteção da saúde do trabalhador. Classificação das Águas.3. Lei nº 1.º 6. 5.4. Técnicas de Inspeção por Ultrassom. 6. 7. .P. Redes coletoras de esgotos sanitários e industriais. adutoras por gravidade em condutos livres e forçados. orçamento e composição de custos. Paulo G. Sistemas de Tratamento de Óleo.Fundamentos e Tecnologia. controle físico-financeiro. 1997.605/98 Lei de Crimes Ambientais. 8. Paulo J. Soldagem – Fundamentos e Tecnologia. líquidos e sólidos: mecanismos físicos. Ed. R. Jorge Luiz Santin. São Paulo: Qualitymark. 1. Leis Estaduais . SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Código ASME Sec. medições. partes constituintes dos sistemas de abastecimento de água.000. Ed. Instrumentos de controle e licenciamento.2. José M.3.7. Análise do ciclo de vida de produtos: ferramenta gerencial da ISO 14000.4. 5. 7. características físicas. 6. second edition. 6. 1982. 2. de Mello. Definições de Bell. Ivan Guerra Machado. Simbologia de Soldagem. Qualidade da água. TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (ULTRASSOM) Princípios básicos do método por Ultrassom. Caracterização quantitativa e qualitativa dos resíduos sólidos domésticos e industriais. J. Classificação de Águas. 1. Gestão dos Resíduos Sólidos. Hidrobiologia aplicada à Engenharia Sanitária.1. Resoluções CONAMA (EIA/RIMA. controle de deformação.1.1. São Paulo: Edgard Blucher. TÉCNICO EM CONTROLE DA QUALIDADE (SOLDAGEM) Atribuições de Inspetor de Soldagem. Sérgio Duarte Brandi e Fábio D. químicos e biológicos. bombas e estações elevatórias. 8. água e ar. São Paulo: Prentice Hall. de 25 de março de 1997 . importância. do solo e do ar como componentes dos ecossistemas na natureza. "Ultrasonic Testing of Materials". Krautkramer. Controle de Poluição Hídrica.Interpretação dos Resultados radiográficos. 8. Disposição final dos resíduos.). Apostila de Ensaio de Radiologia. Legislação Brasileira. poluição hídrica e tecnologias de tratamento dos efluentes. Ed. Condução do Calor na Soldagem Fundamentos e Aplicações. 4. 3ª. Características físicas. 2. Frequência.Proíbe a instalação de empresas que utilizam o jateamento de areia na limpeza.979. ABENDI. Samuel Murgel.3. 9433/97 . Alexandre Queiroz Bracarense.Radiography and Radiation Testing.Processos de Metalurgia. 7. Reservatórios de distribuição de água. Manual de Tratamento de Águas Residuárias Industriais. Planejamento. Soldagem . TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 1. Coleta seletiva e reciclagem. Carlos Augusto de Lemos. Reatores anaeróbios. SLAM – Sistema de Licenciamento Ambiental . Licenciamento Ambiental. Lei n° 2.ASME Boiler and Pressure Vessel Code. 8. CETESB. Paulo J. 7. 5. Alexandre Queiroz Bracarense. Pedro Marcio. Ensaios Não Destrutivos. Acondicionamento. 7. transporte e destinação final adequado. Sistemas de Abastecimento de Água. 1. 5. Tratamento de efluentes líquidos. 5. 6. Ecologia e ecossistemas brasileiros. demanda bioquímica de oxigênio. Paulo J. Gestão Administrativa e Ambiental. Paulo Villani Marques.Política Estadual de Recursos Hídricos.Política Nacional de Recursos Hídricos. UFMG. "American Society of Mechanical Engineer. Autodepuração de cursos d’água.5. Paulo Villani Marques. ed. Consumo de água. 2002. L. Documentos técnicos e qualificação de procedimentos de soldagem.3. Consumíveis de Soldagem. Ricardo Andreucci. 3. Controle da qualidade da água para consumo humano. Avaliação de planos de gestão de bacias hidrográficas. Associação Brasileira de Metais . de 10 de julho de 1992 . Nondestructive Testing Handbook . de 06 de outubro de 1988 . Soldagem .4. Redes de distribuição de água. Modenesi. Procedimentos específicos de inspeção segundo critério ASME V e ASME VIII. 1998. BATALHA. Propagação das ondas acústicas no material. principais processos de tratamento. 7. Estadual e Municipal). fiscalização e execução de obras. 4. UFMG.4.361. Legislação ambiental (Federal.011. Introdução à Engenharia Ambiental. 1988.ABM. águas subterrâneas. 1977. Emílio Wainer. Qualimark. Ed.2. carga orgânica. Velocidade e comprimento de onda.938/81 .Decreto Nº 42. 1. Transporte e dispersão de poluentes.2. CHERNICHARO. levantamento de quantitativos. coleta. Section V. CETESB.3. dimensionamento econômico.5. controle de materiais. Ed. órgãos acessórios. Geração das ondas ultra-sônicas. 6. Alemanha. bacias hidrográficas.9. Processos de Soldagem. Lei nº 2. CONSTITUIÇÃO FEDERAL. 5. Modenesi. Vibrações Mecânicas. Remediação de áreas degradadas. Adução de água.4. saúde e segurança industrial. Telecurso 2000 – Mecânica. 1. São Paulo. redução da concentração bacteriana. 2. o processamento e a disposição final de resíduos industriais tóxicos. UFMG. Benedito.2. 2. de 23 de março de 1992 . Associação Brasileira de Soldagem. São Paulo. Gestão integrada de meio ambiente. 1979. Paulo Villani Marques. fenômeno de autodepuração.5. Constituição Estadual. New York. Meio Ambiente – Preservação Ambiental e Controle da Poluição.2. estações de tratamento de efluentes líquidos. 1986. 3. 3. Sistemas de Gestão Ambiental e Auditoria Ambiental. Ricardo Andreucci. et al. A importância da água.Política Nacional de Meio Ambiente. Modenesi.5.8. Ed. H.º 9. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT.2. padrões de potabilidade. 4. Tratamento de água.3. Lei Federal n. Belo Horizonte.1. Noções de educação ambiental. Lei Federal n.3. classificação dos aterros para resíduos sólidos de origem doméstica e industrial. para inspeção de Radiologia. químicas e biológicas da água.5. Normas Técnicas Brasileiras – Série ISO 14000 AZEVEDO NETTO. Apostila de Ensaio por Ultra-Som. metalurgia da soldagem e proteção na soldagem. químicas e biológicas dos resíduos sólidos. BRYANT. processos de tratamento. V e VIII Div. filtração biológica. valos de oxidação. Vantagens e desvantagens do ensaio por Ultrassom. Telecurso 2000 – Mecânica.2.1. estações de tratamento de água. Licenciamento Ambiental.2. Noções de hidrologia. dimensionamento. para inspeção por Ultrassom. Bem-Hur Luttembarck. Leite. partes constituintes. 2. Ed. 1. Processos de produção industrial (químicas. BRAGA.702. “Curso de Ensaios Não Destrutivos”. 1. emissão de faturas. Terminologia de soldagem e de descontinuidades. Processos de controle da poluição.6. Monitoramento ambiental de solo.4. 2. UFMG. aterro sanitário. Ensaios Mecânicos. ciclo hidrológico. Licenciamento ambiental de empreendimentos industriais. reparo e construção dos cascos de navio e determina a mudança tecnológica das que utilizam este procedimento. mecânicas e etc.Regula a estocagem. BRANCO.159 de 02 de dezembro de 2009 Dispõe sobre o Sistema de Licenciamento Ambiental – SLAM.1 e 2. CHEHEBE. BRAILE. Resíduos. classificação. Alexandre Queiroz Bracarense. Ohio/USA.

CASILLAS.volume I. Acabamento Superficial. R. Tecnologia das Medições. seleção). Ensaios mecânicos dos materiais. Planejamento e Controle da Produção. tubulações. métodos e processos de manutenção. válvulas industriais. Distribuição de Probabilidade (distribuição normal). métodos e processos de manutenção. Fundação Christiano Ottoni. 2001 IPT/CEMPRE LIXO MUNICIPAL: Manual de Gerenciamento Integrado.resol.ana. Lubrificantes e Lubrificação.firjan. Fundamentos de Estatística. Funções de planejamento. Qualidade . 3ª edição. S. 1994. Variáveis discretas e contínuas. São Paulo: Atlas.br . Tratamento térmico. E. São Paulo. MOORE. São Paulo. mediana). Abordagem da Manutenção Industrial como Função Estratégica. trocadores de calor (aquecedores. Kanbam.br . V.gov.www. Propriedades mecânicas dos materiais usados em engenharia. . As diferentes formas. 2000. Fundamentos de Estatística. Mc Graw Hill.DACACH. Distribuição de Frequência. Abordagem da Manutenção Industrial como Função Estratégica. V. www. SILVA Telles. 1999. 1995. Planejamento e Controle da Produção. C. 1984. Qualitymark Editora. Equipamentos e Instalações Industriais. Aracaju. Manutenção Centrada em Confiabilidade. Tecnologia dos Materiais e Processos de Fabricação.br . São Paulo: Pioneira. ed. Minas Gerais.org. 1986. Processos de fabricação mecânica (Processos de conformação mecânica e metalúrgicos).. Ponto de Nivelamento (ponto de equilíbrio). 1989. Tratamento Anaeróbio de Esgotos. Tipos de Produção e Fluxo de Informações. Custos Industriais. Normas das séries ISO 9000. 3ª. H. Janeiro. mediana). Tipos de Produção e Fluxo de Informações. Sistema de Licenciamento de Atividades Poluidoras – SLAP. Manutenção e Lubrificação. 1991. 1ª.gov. Fundamentos da Usinagem de Metais. Rio de Janeiro. VAN VLACK. 2ª edição. Editora Edgar Blucher. – Brasília. A. 4. R. Livros Técnicos e Científicos. C. 1988. Editora Pioneira. Rio de Janeiro.www. 1979 NUNES. Tratamento de Esgotos Domésticos. KERN. Rio de janeiro. Gestão da Qualidade . MOURA. 6. FERRARESI. válvulas industriais. E. Manutenção: Função Estratégica. FALCO. R. Delineamento. Desvios e Análise das Dimensões. L. Lubrificantes e Lubrificação. execução.mma. Sistemas de Manufatura integrada por Computador. McGraw-Hill . R. 3º. Eurico Trindade. Processos de Produção (roteiros de produção). Planos de Lubrificação.br/ccivil_03/LEIS/ . Gestão Estratégica da Qualidade. execução.br TÉCNICO EM MÉTODOS E PROCESSOS 1. Carga de Máquinas. 1979. Variáveis discretas e contínuas. PÁGINAS DA INTERNET . Ordens de Fabricação. Medidas de Dispersão (variância. STEVENSON. Planejamento da Produção. São Paulo. 1983. Rio de Janeiro. princípio de funcionamento. RUSSOMANO. 1982. Tolerâncias e ajustes.1998. Controle da Qualidade Total. Sistemas Redundantes. Princípios Básicos de Gestão da Qualidade. 2. Lubrificação de Equipamentos.www.www. Guanabara Dois.www. Estatística Aplicada a Administração. seleção). São Paulo: Editora Juarez de Oliveira. Ed. Editora Ebras/Durban. P. Funções de planejamento. e NASCIF. IBAM. 3ª edição. Planejamento e Acompanhamento da Produção. R. Controle Estatístico de Processo). BRASSARD. Interciência. A. Editora Pioneira. VALLE. 2000. A. ed. Tolerâncias e ajustes. S. MOURA. NEVES. Janeiro. manutenção. tubulações. Ed. Lubrificação de Equipamentos. 1994. Classificação de Materiais. Ajustes.gov. Medidas de Tendência Central (média. 1980. Ponto de Nivelamento (ponto de equilíbrio). E. A. Adrianus e LETTINGA. Sistemas de Manufatura integrada por Computador.br . 1ª. Análise de Valor. Editora Edgar Blucher. 5. Editora Triunfo. Diagramas de Pareto. Ferramentas para Melhoria da Qualidade (Just in Time. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Qualitymark Editora. Editora Atlas. Tubulações Industriais. e WYLE. condensadores e evaporadores). purgadores de vapor. Acabamento Superficial. Editora Harbra. J. Rio de Janeiro. Livros Técnicos e Científicos. CHIAVERINI.gov. SOUSA. Distribuição de Frequência. L. São Paulo. Ensaios Mecânicos dos Materiais Metálicos.www. Editora Meste Jou. KARDEC. Controle Estatístico da Qualidade.ambiente. STREETER. AGOSTINHO. 2000. Arranjo Físico (layout). Ordens de Fabricação. 2001. D. P. E. Tecnologia dos Materiais e Processos de Fabricação. 2ª edição. 3. vasos de pressão. 4.gov. W. Classificação de Materiais. PALADINI. J. C. Equipamentos e Instalações Industriais. instalação. Custos Industriais. Propriedades mecânicas dos materiais usados em engenharia. 6. A.rj. P.br . Medidas de Tendência Central (média. ed. São Paulo.nuclep. Controle Estatístico da Qualidade. Administração de Estoques.br .planalto. Outras Ferramentas para a Qualidade (Fluxogramas. 1981. Bombas e Compressores (tipos. Processos de Transmissão de Calor. Rio de Janeiro. Qualidade e gestão ambiental: sugestões para implantação das normas ISO 14000 nas empresas. São Paulo.br .ed. Qualidade total na prática: implantação e avaliação de sistemas de qualidade total. V. 2.gov. e CARRETEIRO. TÉCNICO EM PLANEJAMENTO 1. Medidas de Dispersão (variância.www. FEEMA. São Paulo. Rio de Janeiro. L. 1995. Rodrigues e Lirani.ambientebrasil. Manual do Meio Ambiente.com. acompanhamento e correções. Lubrificação de Elementos de máquina. Ensaios mecânicos dos materiais.org. Eventos e Probabilidade.org. V. Delineamento. Saneamento Básico. CERQUEIRA Neto. inspeção de equipamentos.. São Paulo. trocadores de calor (aquecedores. princípio de funcionamento.www.Princípios e Métodos. Administração de Estoques. sistemas de aquecimento e resfriamento de processos. sistemas de ar comprimido. Processos de Produção (roteiros de produção). K. Disponibilidade e Confiabilidade. condensadores e evaporadores).br . Rio de Janeiro. Tolerâncias. MAYER. ed. 1979. 3.www. instalação.abes-dn. L. Rio de Janeiro. de Causa e Efeito e de Dispersão. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MONDY.ibam. Técnicas de Solução de Problemas. Manutenção Centrada em Confiabilidade. Processos de fabricação mecânica (Processos de conformação mecânica e metalúrgicos). Como se preparar para as normas ISO 14000: o desafio de ser competitivo protegendo o meio ambiente.br . Amostras. J. manutenção. 1992. Editora da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES). Manual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. 2000. Porto Alegre: Globo. purgadores de vapor. B. 5. resfriadores. Livros Técnicos e Científicos. Carga de Máquinas. Editora Edgard Blucher. Eventos e Probabilidade. Arranjo Físico (layout). Bombas e Compressores (tipos. Tecnologia Mecânica volume II . Manual de Saneamento. Sistemas Redundantes. D. A Estatística Básica e sua Prática. 3. Manufatura Flexível. F. Editora. M. Folhas de Verificação. R.com. Editora Campos. Gatze. Disponibilidade e Confiabilidade. Bombas Industriais.. Curso de Hidráulica. Lubrificação de Elementos de máquina. Princípios da Ciência e Tecnologia dos Materiais. Planos de Lubrificação. FALCONI. Amostras. São Paulo. e Mattos.www. Administração da Produção. E. Tratamento físico-químico de águas residuárias industriais. inspeção de equipamentos. 3. P. ed.jornaldomeioambiente. Rio Janeiro. Manufatura Flexível. Elaboração de Procedimentos.www. R. São Paulo. Constantino Arruda. Planejamento da Produção. JORDÃO. Campina Grande. L. desvio padrão ). Manutenção e Lubrificação. 2. Lubrificantes e Lubrificação. As diferentes formas. D. Tratamento térmico. resfriadores.com. 298 p. vasos de pressão. HAANDEL. A. 1990. acompanhamento e correções. Função Manutenção. Mecânica dos Fluidos. ed. 1979. Eduardo Pacheco & PESSOA. sistemas de ar comprimido. Melhoria Contínua. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.br . Nelson Gandur. Ed.Ferramentas para Melhoria Contínua (The Memory Jogger). sistemas de aquecimento e resfriamento de processos.ibama.

antonímia e demais correlações internas ao texto.ed.ed.Ferramentas para Melhoria Contínua (The Memory Jogger). 1991. descrição. de indicação de circunstâncias e outras relações entre idéias.2. São Paulo: Edgar Blucher. sinonímia. 3ª edição. Manutenção: Função Estratégica. RUSSOMANO. Gestão Estratégica da Qualidade. Nova gramática do português contemporâneo.4. fios e cabos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CARNEIRO. Métodos de extinção.3. Controle. 2. R. P. R. Melhoria Contínua. de Causa e Efeito e de Dispersão. Lindley. São Paulo: SENAC. CASILLAS. Mapeamento dos riscos ambientais. 2001.3. 4. CHIAVERINI. Celso & CINTRA. Ajustes. 1. Manoel P. NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS ELETRICISTA INDUSTRIAL 1. 3. Segurança e Medicina do Trabalho. ABNT – Rio de Janeiro. São Paulo. Outras Ferramentas para a Qualidade (Fluxogramas. Guanabara Dois. Rio de Janeiro. 3ª edição. J. Editora Edgard Blucher. 1. K. Elementos de construção do texto e seu sentido: figuras de linguagem. SALIBA. Condutores em geral. São Paulo: Atual.2. F. J. Ed. Tuffi Messias. Tubulações Industriais.1. S. Alfonso. R. O novo acordo ortográfico: soluções. Discurso direto.1998. Livros Técnicos e Científicos. e WYLE. Editora Edgar Blucher. São Paulo. Redação em Construção: a escritura do texto. São Paulo: Moderna. MARTIGNONI. dúvidas e dificuldades para o ensino. 1979. São Paulo. KARDEC. 1985. 1989.3. 1. São Paulo. 2. 1979. 2002. 2002. Processos de Transmissão de Calor. 1. Editora Meste Jou. 2. P. ABNT – Rio de Janeiro. B. 3. Elaboração de Procedimentos. 7. Função Manutenção. L. 2. 1992. C. Cadastro de Acidentes do Trabalho – Procedimento e classificação – Normas Brasileiras 14280. 14. Fundação Christiano Ottoni. Aparelho de medição de voltagem e outros. V. 1982. BRASSARD. M.3. Rio de Janeiro.1. Combate a incêndios.1. 4. Mc Graw Hill. 2008. Acidente do Trabalho. MAGALHÃES. Ferramentas manuais. AGOSTINHO. Planejamento e Acompanhamento da Produção. Manual de Prevenção e Combate a Incêndios. 1987. 2ª ed. CAMILLO JÚNIOR. E. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MONDY. V. 5. ABNT – Rio de Janeiro. Editora Pioneira. A. Manual de Pequenas Construções. São Paulo: Atlas. 4. 1993. Tolerâncias. 2ª edição. Ferramentas para Melhoria da Qualidade (Just in Time.C. Ortografia (segundo o novo acordo ortográfico). SALIBA. Prevenção e Combate a Incêndios. 4. 1. Gramática reflexiva. Tuffi Messias. 4. Técnicas de Solução de Problemas. Qualidade . A. Aparelho de medição de corrente. Medidas de controle ambiental: EPIs e EPCs. D. E. fatores de coerência e de coesão textuais. . emprego de tempos e modos dos verbos em português. Mecânica dos Fluidos. e NASCIF. 5. Classes de incêndio. P. 4. texto argumentativo etc. STREETER. Controle da Qualidade Total. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos. 9. 2.1. balanceamento de circuitos). Rodrigues e Lirani. Hélio.ed. FERRARESI. São Paulo: LTR. 2. Editora Campos. Higiene do Trabalho e Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA. RIBEIRO. 5. Normas Regulamentadoras NR-1 a NR-33 e legislação complementar. Avaliação e controle dos agentes de riscos ambientais. Qualitymark Editora. Livros Técnicos e Científicos.4. Desvios e Análise das Dimensões. Gestão da Qualidade .1.ed.ed. 5. 2. 2. Pontuação. 5. Editora Harbra. Propriedade físicoquímica do fogo. G.ed. Curso Básico de Segurança e Higiene Ocupacional. Minas Gerais. D.5. Princípios Básicos de Gestão da Qualidade.1. ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Manutenção industrial elétrica. Ensaios Mecânicos dos Materiais Metálicos. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 1981. Fundamentos da Usinagem de Metais. Noções de Primeiros Socorros. R.. Rio de Janeiro: Globo. Ferramentas elétricas. Substituição de lâmpadas. 2008. 2000.4. L. CREDER. e Mattos. 1987.2. Diagramas de Pareto. Manutenção e Cuidados com Mangueiras de Incêndio – Normas Brasileiras 12779. 2000. Aspectos gerais dos diversos tipos de texto: literário e nãoliterário. Livros Técnicos e Científicos. BORGES. Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA. Prática das Pequenas Construções. CERQUEIRA Neto. Rio de Janeiro. Tipologia de incêndio em equipamentos elétricos e suas classes. BAUD. São Paulo. Manual do Instalador Eletricista. Análise de Valor. campos semânticos. Administração da Produção. 2. Definição e classificação dos riscos ambientais. Classes de palavras e seu emprego na construção de sentidos no texto. Interciência. A. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BORGES. Normas das séries ISO 9000. V.volume I. recursos sintáticos de ênfase.2. Editora Pioneira. São Paulo: Edgar Blücher. Mecanismos de derivação e construção de sentido. Rio de janeiro. 1. São Paulo. 2. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. e CARRETEIRO. Editora Atlas. PVC.1. Legislação. W. 1990.1. Inspeção. Janeiro. 4. Tecnologia das Medições. 3. 1. vol. Abel Batista. São Paulo: LTR. Cochar & CEREJA. Ed. VAN VLACK. E. S. STEVENSON. R. aterramento. 8. MOURA. McGraw-Hill. 1978.3. E. Figuras de linguagem. 3. eletrocalhas. Distribuição de Probabilidade (distribuição normal).. FALCO. Princípios da Ciência e Tecnologia dos Materiais.2. 4. Riscos Ambientais. 2. Legislação Aplicada à Segurança no Trabalho. Equipamentos fixos e móveis de combate a incêndios: tipos e manutenção. Lubrificantes e Lubrificação. 3.1. Tubulações – eletrodutos metálicos. 1. Kanbam. conceitos e normatização. intertextualidade.2. Instalações Elétricas Prediais. Equipamentos de segurança. A. Rio de Janeiro: LTC 1995. Controle Estatístico de Processo). Processos sintáticos de organização da oração e do período. T. Rio de Janeiro: Metáfora. Tecnologia Mecânica volume II. Editora Ebras/Durban. SILVA Telles. L. 2008. indireto e indireto livre. V. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Editora Edgar Blucher. São Paulo. Folhas de Verificação.desvio padrão ). Prática das Pequenas Construções. 1980. 1986.C.3. Análise e investigação dos acidentes do trabalho. W. Prevenção de acidentes. KERN. Bombas Industriais. Ferramentas. 1982. Estatística Aplicada a Administração. 6. MAYER. 1992. São Paulo. 1988.2. 3. Manutenção e Recarga de Extintores – Normas Brasileiras 12962. FALCONI. reatores e fotocélulas. Janeiro. R. Atividades Educativas de Segurança no Trabalho. 5. Inspeção. 3. Editora. 1983. 2010. D. 2001. R. C. Agostinho Dias. Isolamento. ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 6. narração. TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 1.. 3. SOUSA. 1. 2ª edição. V. São Paulo. CUNHA. 10. polissemia. L. Materiais elétricos. MOORE.Princípios e Métodos. 65. Rio Janeiro.4. A. Quadros (disjuntores. MANUAL DE LEGISLAÇÃO ATLAS. H. Qualitymark Editora. Equipamentos de proteção individual (EPI). NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM Português para todos os cargos de Nível Fundamental Completo 1. Hemus. A Estatística Básica e sua Prática.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos de materiais e acessórios. 5. 3. tesouras. Serviço de jateamento: equipamentos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos de fabricantes de empilhadeiras: Clarck.1. tensão. 6. reabastecimento. OPERADOR DE MÁQUINA DE CONFORMAÇÃO 1. 5. 3. Orientações básicas do Corpo de Bombeiros. rotina de inspeção diária. capacidade / alcance. 1987. hidráulicos e manuais. Equipamentos. umidade. Manuais técnicos. Rio de Janeiro: Guanabara. Equipamentos de proteção individual e coletiva 4.1. entre outros. Equipamentos de segurança. Sinalização manual. 1. Prevenção contra incêndio e pânico: noções básicas.1.2. 2. Manuais dos fabricantes de equipamentos correlatos. Ed. cuidados e precauções com a movimentação da empilhadeira. OPERADOR DE (LINGASTEIRO) MOVIMENTAÇÃO DE CARGA OPERADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA (OPERADOR DE EMPILHADEIRA) 1.2. 3. Elétricos. Rio de Janeiro: LTC. Mecânicos. estação de tratamento de esgotos. regras de operação da empilhadeira. Equipamentos de segurança: equipamentos de proteção individual e coletiva. vazão. baterias. Catálogos e materiais e ferramentas e lubrificantes para manutenção e óleos de corte. Catálogos de materiais e equipamentos de ar comprimido. 3. 4. OPERADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA (OPERADOR DE PONTE ROLANTE) 1. 5. filtros. laminadoras. Preparação de superfícies internas e externas: via seca/via úmida. marteletes. Acessórios para cargas até 300 toneladas 2. 2. OPERADOR DE JATEAMENTO/ PINTURA 1. manual. Manutenção: noções básicas. Orientações básicas do Corpo de Bombeiros. OPERADOR DE UTILIDADES INDUSTRIAIS 1. Normas de segurança. 6. 3. Sinalização: horizontal. temperatura. 4. da NR-12. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos de Equipamentos de Segurança. Orientações básicas do Corpo de Bombeiros. 2. Proteções mecânicas fixas e móveis (incluso ferramenta fechada) / Cortinas de Luz e demais dispositivos óptico-eletrônicos Equipamentos de segurança individual 4. superfícies externas. 2.1. Empilhadeiras: tipos adequados para cada serviço. 2. Leituras e reconhecimento de especificações. Manuais e procedimentos de segurança na utilização de empilhadeiras. procedimentos de segurança recomendados pelos fabricantes de máquinas e acessórios afins. 7. Proteção e cuidados com os equipamentos e ferramentas. martelos de queda. Catálogos e manuais de equipamentos de segurança. Catálogos dos fabricantes de materiais elétricos. da Nota Técnica 16/2005. água e esgoto. Movimentação de carga: horizontal. 2. gases.CREDER. 4. 1. trilho elevado e trilho no solo. Prevenção contra incêndio e pânico: noções básicas – EPI. Noções básicas. procedimentos de segurança recomendados pelos fabricantes de máquinas e acessórios afins. 4. Hister etc. 2. 1.1. Catálogos e materiais e equipamentos de proteção Individual e coletiva. Hidráulicos. Estoque: nível de operação. cuidados e precauções com a movimentação da ponte. Cabos. materiais de pintura. Catálogos de equipamentos de segurança individual. Orientações básicas do Corpo de Bombeiros. vertical. vertical. Sinalização / Demarcação de faixa: horizontal. cizalhadoras. água (potável. refrigeração. Prevenção contra incêndio e pânico: noções básicas. Manuais dos fabricantes de tintas e equipamentos correlatos. Manuais técnicos. Orientações básicas do Corpo de Bombeiros. materiais empregados. Conhecimentos de Operação segura com Máquinas. de proteção contra choques e equipamentos de proteção individual. Equipamentos de segurança: equipamentos de proteção individual e coletiva. 1984. Manuais e procedimentos de segurança na movimentação das pontes. inclusive noções de manutenção. cuidados e precauções com ferramentas manuais e elétricas. ferramentas básicas e pistolas. Ponto pivot. 3. Prensas. 3. MACINTYRE. Instrumentos de medição. Metrologia. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos de fabricante de pontes rolantes: Vastec. .4.2.Monitoramento de Segurança em Máquinas de Conformação (Válvulas de Segurança / Blocos de Comando Eletro-hidráulico / Dispositivos Similares / Calços de Proteção Retenção Mecânica) 3. Manuais. Princípios básicos de funcionamento de uma empilhadeira. Archibald Joseph.2. 3. Manuais dos fabricantes de lubrificantes para uso em empilhadeiras. mecânicos. Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) aplicados em prensas e em máquinas similares. Instalações hidráulicas. centro de gravidade. triângulo de estabilidade. capacidade. refrigeração. 5. 5. Pontes rolantes/pontes de carga: tipos adequados para cada serviço. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ABNT NORMAS PERTINENTES . 4. 4. Hélio. 3. 1. Movimentação de carga: horizontal.3. Instalações elétricas. Catálogos e manuais de equipamentos elétricos. Prevenção contra incêndio e pânico: noções básicas. Equipamentos de segurança: equipamentos de proteção individual e coletiva. gases. Cuidados e precauções com ferramentas manuais e elétricas. combustíveis. das Normas Técnicas Brasileiras e Internacionais aplicáveis e do Programa Brasileiro de Padronização de Segurança em Máquinas e Equipamentos.1. Materiais.1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos de ferramentas manuais e elétricas.PPRPS (Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares). Manutenção: noções básicas. Pintura: superfícies internas. Equipamentos de Segurança – catálogos. 1. Calandras e viradeiras dobradeiras. corrente e potência. cilindros laminadores conforme PPRPS. Equipamentos de leitura: pressão. vertical. Equipamentos / Sistemas: ar comprimido. Catálogos de ferramentas para o trabalho com eletricidade. Catálogos de equipamentos de segurança.2. Catálogos e manuais de máquinas e equipamentos. vertical. Prevenção contra incêndio e pânico. cintas e correntes. industrial e incêndio). 3. 3. guilhotinas. 6.

NUCLEP ANEXO IV FORMULÁRIO PARA INTERPOSIÇÃO DE RECURSO CONCURSO PÚBLICO NOME DO CANDIDATO: TIPO DE RECURSO: 1 .CONTRA PONTUAÇÃO PROVA OBJETIVA 3 .CONTRA TÍTULOS 4 . .PROVA PRÁTICA 5 .NUCLEBRÁS EQUIPAMENTOS PESADOS S/A .CONTRA GABARITO 2 .OUTROS No DE INSCRIÇÃO: N DA QUESTÃO: FUNDAMENTAÇÃO: o CARGO: DATA DA PROVA: _____________________ Assinatura do Candidato ____________________. _____ de _______________________ de 2010.

org.INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL – IBAM Tel. (21) 2537-1262 Web: www. (21) 2536-9797 • Fax.br • E-mail: concurso@ibam.br .ibam-concursos.org.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful