1

Resolução das atividades complementares
Física
F6 — Leis de Newton
p. 7
1 (UFPI) O nome e o símbolo de força no Sistema Internacional de Unidades são, respectivamente:
a) Newton, N b) newton, n c) Newton, n d) newton, N e) newton, Nt
3
Resolução:
A unidade de força no Sistema Internacional é:
[ ] [ ] [ ]
[ ]
F m a
F kg
m
s
 ?
 ?
2
Essa unidade recebe o nome de newton em homenagem a sir Isaac Newton e o seu símbolo é N.
Assim, N kg
m
s
 ?
2
.
2
2 (UFMS) Sobre uma partícula em equilíbrio, apenas três forças atuam,
com intensidades e orientações representadas ao lado. É correto afirmar que:
(01) a resultante das três forças é nula.

F
sen
F
sen
F
sen
1 2 3
a

b

g
.
(04) (F
1
)
2
 (F
2
)
2
 (F
3
)
2
 2(F
2
)(F
3
) cos β.
(08) (F
2
)
2
 (F
1
)
2
 (F
3
)
2
2 2(F
1
)(F
3
) cos γ.
(16) as três forças não podem pertencer a um mesmo plano.
F
1

F
2

F
3

α
γ
β
Resolução:
(01) Correta. Como a partícula está em equilíbrio e, por definição, um corpo está em equilíbrio
quando sua aceleração vetorial é nula, então, como conseqüência da 2.
a
lei de Newton
( ), F a
res


 m
a F
res

é nula.
(04) Correta. Para somarmos vetorialmente as forças F F F
1 2 3
→ → →
, e , usamos a regra do paralelogramo:
Onde
F
1

termina, coloca-se F
2

; onde F
2

;termina, coloca-se F
3

.
A resultante liga o final de F
3

.ao começo de F
1

, mas, como a partí-
cula está em equilíbrio, o final de F
3

.deve coincidir com o começo
de F
1

, ; assim, com o triângulo fechado, F 0
res
→ →
 .
No triângulo das forças podemos usar a lei dos cossenos:
( ) ( ) ( ) ( )( ) cos ( )
co
F F F F F
Como
1
2
2
2
3
2
2 3
2 180   2 2 b
ss ( cos
) ( ) ( ) ( )( )
180
2
2
2
2
3
2
2 3
2 b 2 b
  2 ?
)
(F
1
F F F F (( cos
) ( ) ( ) ( )( ) cos
2 b
   ? b
)
(F
1
2
2
2
3
2
2 3
2 F F F F
(08) Errada. O ângulo oposto a
F
1

é 180 2 b e não g.
(16) Errada. Não há nada contra as três forças serem coplanares.
Soma  5.
Corretas 01, 04; soma  5
F
1

F
2

F
3

F
2

F
3

1
8
0



β
1
8
0

β
α
γ
β
3
3 (Unifor-CE) Três forças, de intensidades iguais a 5 N, orientam-se
de acordo com o esquema ao lado.
O módulo da força resultante das três, em newtons, é:
a) 2,0 d) 7
b) 15 e) 5
c) 3,0
4 (EsPCEx-SP) Sabendo que a  6 N e b  4 N, o módulo do vetor soma dos vetores a e b


, que
formam um ângulo de 60º entre si e atuam sobre um ponto material, vale: (Dados: considere sen 60º  0,87
e cos 60º  0,50.)
a) 2 5 N c) 2 13 N e) 2 19 N
b) 2 7 N d) 2 14 N
Já que 5 N equivalem a 5 quadrados, temos:
• Decompondo a força F
3

nos eixos x e y:
F N e F N
x y
3 3
3 4  
• A resultante no eixo x é:

F F F N
F F F N
res
res
x x
y y
 2  2 
 2  2 
1 3
2 3
5 3 2
5 4 1
• A resultante total tem módulo:

( ) ( ) ( )
( ) ( ) ( )
(
F F F
F
res
res
2 2 2
2 2 2
2 1
 
 
res res
x y
FF
F
F N
res
res
res
)
( )
2
2
4 1
5
5
 


F
2

F
3

F
1

F
res

F
res
y

F
res
x

s a b
Usando-se a lei dos cossenos:
s
2
→ →

 
  2 a b
2 2
2aab ? 8
  2 ? ? ? 2 8
cos
( ) ( ) ( ) ( ) ( cos
120
6 4 2 6 4 60
2 2
s )
2
ss
2
   ?
  

 ?

36 16 48 0 5
36 16 24
76
4 19
2 1
2
2
2
,
s
s
s
s 99 N
b
60�
120�
60�

b

a

s

a

b



Resolução:
Resolução:
4
5 (Unic-MT) A figura abaixo mostra uma configuração de forças sobre um sistema em repouso.
F
1

F
3

F
2

θ
1
θ
2
y
x
0
A resultante das forças, na vertical, vale:
a) F
1
? sen 
1
 F
2
? sen 
2
2 F
3
 0
b) 2F
1
? cos 
1
 F
2
? cos 
2
 0
c) F
1
? sen 
1
 F
2
? sen 
2
 F
3
 0
d) F
1
? cos 
1
 F
2
? cos 
2
2 F
3
 0
e) F
1
? cos 
1
 F
2
? cos 
2
 F
3
 0
F
1

F
1
y

F
2
y

F
1
x

F
2
x

F
3

F
2

θ
1
θ
2
y
x
0
Decompondo:
F
F
1
1
1
F F
F F sen
x
y
1 1
1 1
 ? 
 ? 
cos ¹
,
¹
¹
¹
22
2
2
F F
F F sen
x
y
2 2
2 2
 ? 
 ? 
cos ¹
,
¹
¹
¹
O sistema está em repouso então
Como F
r
, .
(
F 0
res
→ →

ees res res res
F F a única maneira de F
x y
) ( ) ( ) ,
2 2 2
    
  2
0 0 0
0
1 2 3
é F e F
F F F
res res
x y
y y
. Então:
F
res
y
 ?   ?  2 F sen F sen F
1 1 2 2 3
Resolução:
5
6 (FMJ-SP) Três forças horizontais atuam simultaneamente sobre o centro de massa de um corpo e
variam em função do tempo conforme figuras:
F
1
t
F
2
t
F
3
t
O gráfico da força resultante sobre o corpo em função do tempo está representado na alternativa:
a) c) e)
b) d)
F
res
t
F
res
t
F
res
t
F
res
t
F
res
t
p. 8
t
1
F
3
De 0 até t
1
:
F
1
F
2
t 0
t
1
t
2
t
3
t
4
t
5
F
res
t 0
t
2
t
1
F
3
De t
1
até t
2
:
F
1
F
2
t t
3
t
2
F
3
De t
2
até t
3
:
F
1
F
2
t t
4
t
3
F
3
De t
3
até t
4
:
F
1
F
2
t t
5
Força resultante:
t
4
F
3
De t
4
até t
5
:
F
1
F
2
t
Resolução:
6
7 Em relação à 2
a
lei de Newton, responda:
a) Como a direção da aceleração se relaciona com a direção da força resultante que lhe deu origem?
b) Se a força resultante que atua sobre um bloco que desliza é de algum modo triplicada, em quanto cresce
a aceleração?
c) Se a massa de um bloco que desliza é triplicada enquanto se mantém constante a força resultante
aplicada, em quanto diminui a aceleração?
d) Se a massa de um bloco que desliza é de algum modo triplicada, ao mesmo tempo que a força resultante
sobre si é triplicada também, como se compara a aceleração produzida assim com a aceleração original?
p. 15
8 Sobre massa e peso, responda:
a) Mais precisamente, uma pessoa fazendo dieta perde massa ou perde peso?
b) O que acontece ao seu peso quando sua massa aumenta?
Resolução:
a) Perde massa.
b) Também aumenta.
Resolução:
a Como m a direção de e a ) , F a F
res res



 ddireção de são iguais
b F ma a
F
m
F
res
res
a


.
)  
1 1
3
rres
res
ma a
F
m
a
A aceleração aumenta trê
  
2 2 1
3
3 →
ss vezes
c F ma a
F
m
F ma a
F
res
res
res
re
.
)  
 
1 1
2 2
3


ss
res
m
a
A aceleração inui três vezes
d F
3 3
1


dim .
) mma a
F
m
F ma a
F
m
F
m
a
res
res
res res
1 1
2 2 1
3 3
3
3



   
AAs acelerações são iguais.
As direções são iguais.
Aumenta três vezes.
Diminui três vezes.
As acelerações são iguais.
7
9 O que são referenciais inerciais e não-inerciais?
10 (Uespi-PI) Com relação às leis de Newton da mecânica clássica, assinale a alternativa correta.
a) A primeira lei de Newton afirma que, na ausência de uma força resultante, não há movimento.
b) A segunda lei de Newton afirma que a força resultante que atua num dado corpo em movimento retilíneo
é igual ao produto da sua inércia por sua rapidez.
c) A terceira lei de Newton afirma que, na interação entre dois corpos, a força de ação é de mesmo módulo e
sentido oposto à força de reação, resultando numa força total nula em cada um desses corpos.
d) As leis de Newton só são válidas para fenômenos físicos observados com relação a referenciais que
tenham aceleração não-nula (referenciais não-inerciais).
e) As leis de Newton são válidas para fenômenos físicos observados com relação a referenciais que tenham
aceleração nula (referenciais inerciais).
Resolução:
Referencial inercial é aquele que não possui aceleração, ou seja, referencial fixo. Do contrário, temos
um referencial não-inercial. A Terra, para efeito desse estudo, é considerada um referencial inercial.
Resolução:
a) Errada. A 1.
a
lei de Newton afirma que, na ausência de uma força resultante, não há alteração
do movimento, ou seja, se o móvel está em repouso, continua em repouso; mas, se já estiver em
movimento, continua em MRU.
b) Errada. A 2.
a
lei de Newton diz que F a
res


 m . A massa é uma medida da inércia de um corpo, mas
a aceleração é uma medida da variação da rapidez (velocidade) do corpo.
c) Errada. As forças de ação e reação nunca resultam numa força total nula, pois atuam em dois
corpos distintos, diferentes.
d) Errada. As leis de Newton são válidas apenas para referenciais inerciais.
e) Correta.
Alternativa e.
8
11 (UFPel-RS) Um pescador possui um barco a vela que é utilizado para passeios turísticos. Em dias
sem vento, esse pescador não conseguia realizar seus passeios. Tentando superar tal dificuldade, instalou, na
popa do barco, um enorme ventilador voltado para a vela, com o objetivo de produzir vento artificialmente.
Na primeira oportunidade em que utilizou seu invento, o pescador percebeu que o barco não se movia como
era por ele esperado. O invento não funcionou!
A razão para o não funcionamento desse invento é que:
a) a força de ação atua na vela e a de reação, no ventilador.
b) a força de ação atua no ventilador e a de reação, na água.
c) ele viola o princípio da conservação da massa.
d) as forças que estão aplicadas no barco formam um sistema cuja resultante é nula.
e) ele não produziu vento com velocidade suficiente para movimentar o barco.
Resolução:
a) (Falsa)
A força de ação atua no vento e a reação, no ventilador.
b) (Falsa)
Vide item a.
c) (Falsa)
Não, o princípio de conservação da massa é válido nesse caso.
d) (Verdadeira)
A resultante das forças que estão aplicadas no barco é nula.
e) (Falsa)
Alternativa d.
9
12 (UFPE) Um objeto de 2,0 kg descreve uma trajetória retilínea que obedece à equação horária
s  7,0t
2
 3,0t  5,0, em que s é medido em metros e t, em segundos. O módulo da força resultante que
está atuando sobre o objeto é, em N:
a) 10 c) 19 e) 35
b) 17 d) 28
13 (Fatec-SP) Uma motocicleta sofre aumento de velocidade de 10 m/s para 30 m/s enquanto percorre,
em movimento retilíneo uniformemente variado, a distância de 100 m. Se a massa do conjunto piloto 
moto é de 500 kg, pode-se concluir que o módulo da força resultante sobre o conjunto é:
a) 2,0 ? 10
2
N c) 8,0 ? 10
2
N e) 4,0 ? 10
3
N
b) 4,0 ? 10
2
N d) 2,0 ? 10
3
N
p. 16
Resolução:
Sendo o movimento uniformemente variado, temos:
v
2
= v
0
2
+ 2gDs (equação de Torricelli)
(30)
2
 (10)
2
 2g ? 100
900  100  200g
g  4,0 m/s
2
Como a trajetória é retilínea, a aceleração vetorial tem módulo igual ao da aceleração escalar:
a  g  4,0 m/s
2
A força resultante que age no conjunto piloto  moto é dada pela 2.
a
lei de Newton:
PFD: F
R
 ma
F
R
 500 ? 4,0 (N)
F
R
 2,0 ? 10
3
N
Resolução:
Comparando a função horária do MUV com a ddo objeto em questão obtemos
s s v t
a
t
s
, :
  

0 0
2
2
5,, , ,
,
0 3 0 7 0
2
7
2 0
2
 
 

t t
a
a
Sendo m k
¹
,
¹
¹
¹
→ 14 m/s
2
gg
ma F F N
R R
, vem:
F
R
  ?  → ⇒ 2 14 28
10
14 (UFV-MG) A velocidade de um bloco de 10 kg é reduzida uniformemente de 10 m/s até o repouso em
10 s. Considerando que o bloco se move sobre uma superfície horizontal, determine:
a) a aceleração do bloco;
b) a força resultante sobre o bloco.
15 (Fameca-SP) Um cortador de grama, cuja massa é de 40 kg, é
empurrado com uma força F

, de módulo constante e igual a 28 N.
Sendo   45º o ângulo formado entre a haste do cortador de grama
e o plano horizontal, determine:
(Dado: cos 45º  0,71.)
a) a componente da força F

que desloca o cortador de grama para
a frente;
b) a aceleração adquirida pelo cortador.
a) v  v
0
 at → 0  10  a ? 10 → 10a  210 → a  21 m/s
2
b) F
R
 ma → F
R
 10(21) → F
R
 210 N
v
0
� 10 m/s v
0
� 0
F
R
Resolução:
Resolução:
a) Decompondo F

na direção do movimento:
F
x
 F ? cos  → F
x
 28 ? 0,71 → F
x
 20 N
b) F
R
 ma → F
x
 ma → 20  40a →
a  0,5 m/s
2
F
x
F
a


21 m/s
2
210 N
 20 N
0,5 m/s
2
11
16 (UFRJ) Um trem está se deslocando para a direita sobre trilhos retilíneos e horizontais, com
movimento uniformemente variado em relação à Terra.
Uma esfera metálica, que está apoiada no piso horizontal de um dos vagões, é mantida em repouso em
relação ao vagão por uma mola colocada entre ela e a parede frontal, como ilustra a figura. A mola encontra-
se comprimida.
sentido do movimento do trem em relação à Terra
Suponha desprezível o atrito entre a esfera e o piso do vagão.
a) Determine a direção e o sentido da aceleração do trem em relação à Terra.
b) Verifique se o trem está se deslocando em relação à Terra com movimento uniformemente acelerado ou
retardado, justificando sua resposta.
Resolução:
a) Se a esfera está em repouso em relação ao vagão, ela possui, em cada instante, com relação ao
trilhos, a mesma velocidade v

e a mesma aceleração a

do trem.
Como a mola está comprimida, a força f

que ela exerce sobre a esfera é horizontal e para a esquerda.
De acordo com a 2.
a
lei de Newton:

f a
f a
f a
f











m
dir dir
sentido sentido
m | | | aa

|
¹
,
¹
¹
¹
¹
¹
Portanto, a aceleração a

do trem em relação aos trilhos é horizontal e para a esquerda.
b) A aceleração e a velocidade do trem têm sentidos opostos. Em relação à Terra, o trem está unifor-
memente retardado, deslocando-se para a direita.
Horizontal e para a esquerda.
O movimento do trem é uniformemente retardado, pois sua veloci-
dade tem sentido oposto ao da sua aceleração.
12
17 (Unip-SP) O gráfico ao lado representa a intensidade da força
resultante em uma partícula em função do módulo de sua aceleração.
F (N)
a (m/s
2
) 0 5,0
15,0
Sendo g  10 m/s
2
, o peso da partícula tem intensidade igual a:
a) 10 N d) 40 N
b) 20 N e) 50 N
c) 30 N
18 Uma locomotiva de massa igual a 5 ? 10
4
kg corre sobre trilhos retos e horizontais com velocidade de
72 km/h. Em dado momento ela enfrenta uma obstrução na linha devido a um desabamento do barranco.
Sem que o maquinista acione qualquer comando, ela vence a barreira em 5 s, reduzindo sua velocidade à
metade.
a) Calcule a força média exercida pela barreira sobre a locomotiva.
b) Explique os princípios físicos envolvidos.
Resolução:
Do gráfico, obtemos:
m/s
2
a
F N
R


5
15
¹
,
¹¹
F ma m m kg
Sendo g
P mg P
R
  ? 

  ?
→ →

15 5 3
10
3
m/s :
2
110 30 → P N 
Resolução:
Esquema:
a) Cálculo da aceleração:
v  v
0
 at → 10  20  a ? 5
a  22 m/s
2
Cálculo da força exercida pela barreira:
F  ma → F  5 ? 10
4
(22)
F  21 ? 10
5
N (A força que a barreira exerce na locomotiva
tem sentido contrário ao movimento da locomotiva.)
b) A resolução baseou-se nos princípios:
1.
o
) Princípio fundamental da Dinâmica
F a
R


 m
F
R

é a resultante das forças que a barreira exerce na locomotiva.
2.
o
) Princípio da ação e reação
Se a locomotiva exerce uma força sobre a barreira, esta reage e exerce uma força sobre a locomo-
tiva, de mesma direção e intensidade, mas de sentido contrário.
�t � 5 s
v
0
� 20 m/s

� 20 m/s
v
0
2
21 ? 10
5
N
Princípio fundamental da Dinâmica e princípio da ação e reação.
13
19 (UEM-PR) Das afirmativas abaixo, assinale o que for correto.
(01) A massa de um corpo é a medida de sua inércia.
(02) A massa de um corpo pode variar de um ponto a outro na Terra.
(04) O kgf (quilograma-força) e o kg (quilograma) são unidades de grandezas diferentes pertencentes ao
mesmo sistema de unidade.
(08) O peso de um corpo pode variar de um ponto a outro na Terra.
(16) Em um mesmo lugar na Terra, peso e massa são grandezas inversamente proporcionais.
(32) O peso de um corpo é uma grandeza vetorial.
20 (Unifei-SP) Você está de pé num ônibus em movimento e subitamente sente que está sendo impelido
para trás. Baseando-se na Segunda Lei de Newton, você pode afirmar que:
a) O motorista do ônibus pisou firmemente no freio e o ônibus é desacelerado.
b) O ônibus deve ter sofrido uma colisão frontal.
c) O motorista pisou fundo no acelerador.
d) O ônibus iniciou uma curva fechada à direita ou à esquerda.
Resolução:
(01) Correta.
(02) Errada.
(04) Errada. O kg é a unidade de massa no S.I., enquanto a unidade de força no S.I. é o newton (N) e
não o kgf.
(08) Correta.
(16) Errada. Peso e massa são grandezas diretamente proporcionais, cuja constante é g.
(32) Correta. Peso é força, portanto grandeza vetorial.
Soma  41.
Resolução:
Se você foi impelido para trás enquanto o ônibus acelerava, e como qualquer corpo tem a tendência
de manter seu movimento, isso significa que o ônibus foi mais rapidamente para a frente.
Alternativa c.
Corretas: 01, 08, 32; soma  41
14
21 Uma pedra é mostrada em repouso sobre o chão.
a) O vetor ilustra o peso da pedra. Complete o diagrama vetorial, mostrando o outro
vetor com o qual o peso se combina, de modo que a resultante sobre a pedra
seja nula.
b) Qual é o nome convencional do vetor que você deve desenhar?
p. 23
22 Aqui, uma pedra está suspensa em repouso por um barbante.
a) Trace os vetores-força para todas as forças que atuam na pedra.
b) Seus vetores deveriam ter uma resultante nula?
c) Justifique sua resposta em qualquer caso.
N
Resolução:
a)
b) Normal.
Resolução:
a)
b) Sim.
c) Se a pedra está em repouso, tanto a aceleração quanto a força
resultante sobre ela são nulas.
N (força de tração)
P (força peso)
Normal.
Sim.
A aceleração e a força resultante
são nulas.
15
23 Aqui, a pedra está rolando para baixo numa rampa sem atrito.
a) Identifique as forças que atuam nela e desenhe os vetores-força adequados.
b) Usando a regra do paralelogramo, construa a força resultante sobre a pedra
(cuidadosamente mostrando que ela tem direção paralela à rampa 2 a mesma
direção e sentido da aceleração da pedra).
24 Aqui, a pedra está em repouso, interagindo tanto com a superfície
da rampa como com o bloco.
a) Identifique todas as forças que atuam na pedra e desenhe os vetores-
força adequados.
b) Mostre que é nula a força resultante sobre a pedra. (Dica 1: Há duas forças
normais sobre a pedra. Dica 2: Esteja certo de que o que desenhou são as forças
que atuam sobre a pedra, e não aquelas que a pedra aplica nas superfícies.)
Resolução:
a)
b)
P
R
a
N
Resolução:
a)
b)
P
N
1
N
2
P
R
N
1
N
2
P
N
16
25 Três blocos idênticos são puxados, como mostra a figura, sobre uma superfície horizontal sem
atrito. Se a mão mantém uma tensão de 30 N no barbante que puxa, de quanto é a tensão nos outros dois
barbantes?
Como o movimento dos corpos é horizontal
F ma
F
res
x

rres
y
T ma
T T ma
T ma

2 
2 

0
30
1
1 2
2
¹
,
¹
¹
¹
¹
,
¹
¹
A:
B:
C:
¹¹
30 3
30
3
10
10
10
2
1



  ? 
ma
m
a
m
a
ma m
m
T N
T
C: T
B:
2

22 
2  ?
2 
  
T ma
T m
m
T
T T N
2
1
1
1 1
10
10
10 10
10 10 20 →
Resolução:
N
3
C B A
T
2
T
2
T
1
T
1
N
2
N
1
30 N
P
3
P
2
P
1
T
1
 20 N e T
2
 10 N
17
26 Dois pesos de 100 N são atados a um dinamômetro, como mostrado na ilustração. O dinamômetro
marca 0, 100 N, 200 N ou algum outro valor? (Dica: Ele marcaria algo diferente se uma das cordas fosse
fixada a uma parede em vez do peso de 100 N?)
T
2
T
1
T
1
T
2
T
2
� 100 N T
1
� 100 N
Os dois pesos estão parados, então:
100 2 T
1
 0 → T
1
 100 N
T
2
2 100  0 → T
2
 100 N
No dinamômetro
T
1
atado ao dinamômetro faz com que este não saia do lugar.
O dinamômetro marca T
2
 100 N.
100 N
Resolução:
18
27 (UFPE/UFRPE) Um bloco de 1,2 kg é empurrado
sobre uma superfície horizontal, através da aplicação de
uma força F

, de módulo 10 N, conforme indicado na figura.
Calcule o módulo da força normal exercida pela superfície
sobre o bloco, em newtons. (Use g  10 m/s
2
.)
F

30°
28 (Unifor-CE) Sobre uma pista horizontal de atrito desprezível,
estão deslizando os corpos A e B com aceleração provocada pela
força horizontal F

, de intensidade F, aplicada no corpo A.
F

A
B
Sabendo-se que a massa de A é o dobro da massa de B, a força que o corpo B exerce no corpo A tem
intensidade
a)
F
4
c)
F
2
e) F
b)
F
3
d)
2
3
F
Resolução:
Esquematizando as forças verticais, temos:
F

N

P

30°
Fsen 30°
O bloco está em equilíbrio na direção vertical: N 2 Fsen(308) 2 P  0 ou
N  mg  Fsen(308)
N  1,2 ? 10  10 ? 0,5 → N  12  5 → N  17 N
F

F
BA

F
BA

N
A
P
A
N
B
P
B
A
B
F
F
BA
F
BA
A
B
Resolução:
m
B
 m
m
A
 2m
Movimento horizontal:
F
res
x


ma
F
res
y
0
F F m a
F m a
F F ma
F ma
ma
BA A
BA B
BA
BA
2 

2 



¹
,
¹
¹
,
¹
2
2 F 


ma
F ma
a
F
m
3
3
Como F ma F m
F
m
F
F
BA BA BA
  ?  → →
3 3
17 N
19
29 (Ufla-MG) Um avião ligado a um planador por um cabo inextensível e de massa desprezível (figura
abaixo) acelera ao longo de uma pista para alçar vôo. Considerando o avião mais pesado que o planador, F

A
a
força de empuxo do motor do avião, a

A
a aceleração do avião, T

a força que atua no cabo que une o avião ao
planador e a

p
a aceleração do planador, pode-se afirmar que:
a
p
T T
a
A
F
A
a) a
A
 a
p
; F
A
 T c) a
A
 a
p
; F
A
 T e) a
A
 a
p
; F
A
 T
b) a
A
 a
p
; F
A
 T d) a
A
 a
p
; F
A
 T
30 (FGV-SP) Dois carrinhos de supermercado podem ser acoplados um ao outro por meio de uma
pequena corrente, de modo que uma única pessoa, ao invés de empurrar dois carrinhos separadamente,
possa puxar o conjunto pelo interior do supermercado. Um cliente aplica uma força horizontal de
intensidade F, sobre o carrinho da frente, dando ao conjunto uma aceleração de intensidade 0,5 m/s
2
.
Sendo o piso plano e as forças de atrito desprezíveis, o módulo da força F

e o da força de tração na corrente
são, em N, respectivamente:
a) 70 e 20 c) 70 e 50 e) 60 e 50
b) 70 e 40 d) 60 e 20
Resolução:
Se a aceleração do avião for maior que a aceleração do planador, o cabo se rompe.
Se a aceleração do planador for maior que a do avião, o planador bate no avião.
Assim: a
A
 a
P
A força F
A
de empuxo do motor do avião deve ser suficiente para puxar tanto o avião quanto o plana-
dor. A força que atua no cabo que une o avião ao planador deve puxar apenas o planador, assim
F
A
 T.
Alternativa a.
F

T

A B
1) 2.
a
lei de Newton (A  B):
F  (m
A
 m
B
)a
F  (40  100) 0,5 (N)
F  70 N
2) 2.
a
lei de Newton (B):
T  m
B
a
T 100 ? 0,5 (N)
T  50 N
Resolução:
20
31 (Vunesp-SP) Nas duas situações mostradas nas
figuras, carrinhos, mesas, roldanas e fios são idênticos.
Observa-se, porém, que puxando o fio (figura 2) com
uma força F

igual ao peso P

do corpo dependurado
(figura 1), a aceleração do segundo carrinho é maior.
Com base na 2
a
lei de Newton, justifique o fato
observado.
a

F

32 (UFPE) Um corpo de massa 25 kg está sendo içado por uma força vertical F, aplicada em
uma corda inextensível e de massa desprezível. A corda passa através de uma roldana de massa
também desprezível, que está presa ao teto por um cabo de aço. O cabo de aço se romperá se for
submetido a uma força maior do que 950 N. Calcule a aceleração máxima que o corpo pode
atingir, em m/s
2
, sem romper o cabo de aço.
m
1
Figura 1
m
2
P
F � P
m
1
Figura 2
Resolução:
P m m a
a
P
m m
 


( )
1 2 1
1
1 2
P m a
a
P
m


1 2
2
1
Resolução:
Esquema de forças no corpo e no cabo:
T F
F mg ma
T ma g
a
T
máx
máx
máx máx
máx
m

2 
 

2
2
¹
,
¹
→ ( )
ááx
m
g
2
950
50
10 9 2  2  m/s
2
F
corpo
mg
T
máx
cabo de aço
2F
a
P
m m
e a
P
m
1
1 2
2
1



P m a
a
P
m


1 2
2
1
m
1
Figura 1
m
2
P
F � P
m
1
Figura 2
9 m/s
2
21
33 Na montagem representada no esquema abaixo não há atrito nem resistência do ar e a polia e o fio
são considerados ideais.
As massas dos corpos M, N e P valem, respectivamente, 5,0 kg, 3,0 kg e 2,0 kg e a aceleração da gravidade é
de 10 m/s
2
. Determine a intensidade da força que N exerce em M.
N
P
M
p. 25
Resolução:
Isolando os corpos:
M
N
M
P
M
N
N
P
N
T
P
P
f f
T
a
N P a
M:
N:
P: P
p
T f m a
f m a
T m a
P m m
M
N
p
p M N
2 

2 

 
¹
,
¹
¹
¹
( )
(   
 
m a a a
Da m a f
p
a
N
)
.
→ →

20 10 2
2 3
m/s
equação: f
2
??  2 6 → f N
6 N
22
34 (UFRJ) O sistema representado na figura é abandonado sem velocidade inicial. Os três blocos têm
massas iguais. Os fios e a roldana são ideais e são desprezíveis os atritos no eixo da roldana. São também
desprezíveis os atritos entre os blocos 2 e 3 e a superfície horizontal na qual estão apoiados.
2 3
1
O sistema parte do repouso e o bloco 1 adquire uma aceleração de módulo igual a a. Após alguns instantes,
rompe-se o fio que liga os blocos 2 e 3. A partir de então, a aceleração do bloco 1 passa a ter um módulo
igual a a9. Calcule a razão
a
a
9
.
Resolução:
m
1
 m
2
 m
3
 m
N
3
P
3
T
2
T
2
T
1
T
1
P
1
� mg
N
2
P
2
Enquanto o fio não se rompe:
bloco 1:
bloco 2:
bloco 3:
P T ma
T T ma
T ma
1 1
1 2
2
2 
2 

¹
,,
¹
¹
¹





P
1
3
3
3
3
ma
mg ma
mg
m
a
a
g
Após o rompimento do fio, que une os blocos 2 e 3, o
corpo 3 continua em MRU, e os blocos 1 e 2 adquirem
aceleração a9 dada por:
N
3
P
3
T
T
P
1
N
2
P
2
bloco 1:
bloco 2:
mg
P T ma
T ma
P ma
ma
1
1
2
2
2  9
 9
 9

¹
,
¹
99
 9
9 
9
  ?
9

mg
2m
a
a
a
a
a
g
g
g
g
g
a
2
2
3
2
3
3
2
3
2
23
35 (Unesp-SP) Uma pessoa pesa um peixe em uma balança presa no teto de um elevador. As forças
externas atuando sobre o peixe são seu peso P e a força T exercida pela balança.
a) Fazendo o balanço de forças, verifique em qual das situações o peso aparente do peixe é maior que seu
peso real: quando o elevador está acelerando com aceleração para baixo ou para cima?
b) Qual o peso aparente do peixe se o cabo que sustenta o elevador se romper?
Resolução:
a) A força exercida pela balança (T) é o peso aparente do peixe:
Se a

for para cima Se a

for para baixo
T 2 P  ma P 2 T  ma
T  P P  T
T  P se a aceleração for para cima.
b) Se o cabo se romper, o elevador cai com a  g. Então sobre o peixe:
P 2 T  mg
2T  mg 2 P
T  P 2 mg  mg 2 mg
T  0
T
P
Para cima.
Zero.
24
36 (Mack-SP) O sistema ilustrado ao lado é constituído de fios e
polias considerados ideais. O atrito é desprezível, bem como a resistência do
ar. Num determinado instante, o conjunto é mantido em repouso e, em
seguida, abandonado. Nessas condições, podemos afirmar que:
a) os corpos A e B permanecerão em repouso.
b) o corpo A subirá com aceleração de módulo igual a
1
8
do módulo da
aceleração com que o corpo B descerá.
c) o corpo A descerá com aceleração de módulo igual a
1
8
do módulo da
aceleração com que o corpo B subirá.
d) o corpo A subirá com aceleração de módulo igual a
1
6
do módulo da
aceleração com que o corpo B descerá.
e) o corpo A descerá com aceleração de módulo igual a
1
6
do módulo da
aceleração com que o corpo B subirá.
T
T
P
B
� 1 200 N
P
A
� 150 N
T
8
T
8
T
8
T
4
T
4
T
2
T
2
T
2
T
4
Resolução:
Para a análise do sistema, temos as seguintes forças aplicadas:
Para o sistema permanecer em equilíbrio:
T 

P
T
P
B
8
AA
B A
P P
Como essa condição é satisfeita pe
¹
,
¹
¹
¹
→  8
llos dados do problema
os corpos e permanecem em
,
A B eequilíbrio
Alternativa
.
. a
25
37 (UFG-GO) Um elevador E de polia móvel é utilizado numa construção para
subida e descida de material. Um motor M de força máxima igual a 8 250 N movimenta
o elevador através de um cabo flexível e de massa desprezível. A massa do elevador
vazio é de 600 kg. Coloca-se uma carga de 500 kg dentro do elevador. Qual deve ser
o valor teórico da aceleração do elevador (módulo e sentido) quando o motor utilizar:
a) sua força máxima?
b) a metade de sua força máxima?
Resolução:
a)
Levando-se em consideração as hipóteses simplificadoras citadas no enunciado da questão, temos
que a tensão (força) em qualquer ponto do cabo é a mesma em módulo.
Isolando o elevador: T  F
máx
 8 250 N
Pela 2.
a
lei de Newton, 2T 2 1 100 g  1 100a (1).
Substituindo T e g em (1) e explicitando a aceleração a:
2 ? 8 250 2 11 000  1 100a
a  5,0 m/s
2
(O elevador está subindo.)
b) T
F
T g a
á
9  9 2  9
m x
.
2
2 1 100 1 100 →
Substituindo T9 e g e explicitando a aceleração a9:
8 250 2 11 000  1 100a9 → a9  22,5 m/s
2
(O elevador está descendo.)
T
T T
T T
2T
2T
a
P
M
E
5 m/s
2
subindo
22,5 m/s
2
descendo
26
38 (Mack-SP) Um rapaz entra em um elevador que está parado no 5.
o
andar
de um edifício de 10 andares, carregando uma caixa de 800 g, suspensa por um
barbante que suporta, no máximo, a tração de 9,6 N, como mostra a figura. Estando
a caixa em repouso com relação ao elevador, o barbante arrebentará somente se o
elevador: (Adote: g  10 m/s
2
.)
a) descer com aceleração maior que 2,0 m/s
2
.
b) descer com aceleração maior que 1,2 m/s
2
.
c) subir com aceleração maior que 2,0 m/s
2
.
d) subir com aceleração maior que 1,2 m/s
2
.
e) subir ou descer com aceleração maior que 2,5 m/s
2
.
Resolução:
m
caixa
 800 g  0,8 kg
P
caixa
 mg  0,8 ? 10  8 N
T  P: aceleração é para cima
T
máx
2 P  ma
máx
9,6 2 8  0,8 ? a
máx
1,6  0,8 a
máx
1 6
0 8
,
,
 a
máx
a
máx
 2,0 m/s
2
Assim, o barbante arrebentará se o elevador tiver aceleração para cima maior que 2,0 m/s
2
.
Observação: o elevador pode ter aceleração para cima e estar descendo. Descer significa velocidade
para baixo; se a aceleração for para cima, o elevador estará descendo e freando.
Alternativa c.
27
39 (Faap-SP) Uma pequena esfera de massa m está presa por meio de um fio ao teto de um vagão de
metrô que, em movimento retilíneo, horizontal e para a direita, se aproxima de uma estação. O módulo
da velocidade do vagão varia com o tempo, até parar na estação, de acordo com o gráfico. Considere três
possíveis inclinações do fio que prende a esfera (visto por um observador em repouso em relação ao solo
terrestre):
v
t 0 t
2
t
1
t
3
(I) (II) (III)
A correspondência correta entre as inclinações com
os intervalos de tempo é:
Intervalo de
tempo
0 a t
1
t
1
a t
2
t
2
a t
3

a) I III II
b) III II I
c) I II I
d) I III I
e) II I III
40 (UFAL) O passageiro de um trem verifica que, num determinado instante,
o fio de um pêndulo preso ao teto do vagão forma, com a vertical, um ângulo de 45º.
Sabendo que os trilhos são horizontais, que a aceleração da gravidade vale 10 m/s
2
e
que sen 45 45
2
2
° °   cos , calcule a aceleração do trem, em metros por segundo
ao quadrado.
45°
movimento
p. 26
T
P
T
F
res
F
res
movimento do vagão
P
T
P
Resolução:
• De 0 a t
1
( a velocidade é constante, então F
res
 0 ( I
• De t
1
a t
2
( a velocidade diminui, então F
res
tem o sentido para a esquerda ( II
• De t
2
a t
3
( o vagão está parado na estação, então F
res
 0 ( I
Alternativa c.
O triângulo das forças é retângulo isósceles. Assim, os dois catetos têm a mesma medida.
F
res
 P
ma  mg
a  g  10 m/s
2
45°
F
res
P
T
10 m/s
2
Resolução:
28
p. 31
41 (UFAM) Considere o movimento de um bloco abandonado
num plano inclinado no instante t  0, como mostra a figura.
Analise os gráficos a seguir e responda qual é o par que melhor representa, em módulo, respectivamente, a
velocidade e a aceleração do bloco em função do tempo:
a) III e I c) II e I e) II e III
b) I e IV d) II e IV
42 (Ufop-MG) Uma partícula com massa m desliza sobre uma
rampa sem atrito. Ela parte do repouso do ponto A e vai do ponto B ao
ponto C no intervalo de tempo Dt
1
. Uma partícula com massa 2m,
partindo do repouso do ponto A irá do ponto B ao ponto C no intervalo
de tempo Dt
2
. Nessas condições, determine a razão entre os intervalos
de tempo Dt
1
e Dt
2
.
α
A
B
C
p. 30
Resolução:
O bloco desce o plano em movimento uniformemente variado (MUV) de aceleração constante
(a  g ? sen a) e cuja função da velocidade é v  v
0
 at (função de 1.
o
grau).
Então, o gráfico III é o da velocidade (v  g sen at) e o gráfico I é o da aceleração (a  g ? sen a).
Alternativa a.
Sabemos que a aceleração de um corpo que desce, sem atrito, um plano inclinado depende exclusi-
vamente da aceleração da gravidade local e do ângulo de inclinação, NÃO dependendo da massa do
corpo.
Sendo assim, o intervalo de tempo gasto por m ou por 2m será o mesmo, resultando
D
D
t
t
1
2
1  .
α
A
B
C
D
D
t
t
1
2
1 
Resolução:
29
43 (UEFS-BA) Um corpo de massa igual a 5,0 kg é abandonado
no ponto P de um plano inclinado, conforme a figura.
30°
Q
5,0 m
P
Desprezando-se o atrito e a resistência do ar e considerando-se o módulo da aceleração da gravidade local
igual a 10 m/s
2
, pode-se afirmar que o bloco atingirá o ponto Q com velocidade de módulo igual, em m/s, a:
a) 5,0 c) 8,5 e) 10 2
b) 50 d) 10,0
44 Um corpo se encontra inicialmente em repouso sobre uma superfície lisa, inclinada de  em relação
à horizontal, conforme figura abaixo.
θ
2 m
∆x
O bloco escorrega do topo à base do plano com uma
aceleração constante.
Sendo sen   0,5, cos   0,87 e tg   0,58,
determine o tempo gasto pelo bloco para percorrer
essa distância. (Adote g  10 m/s
2
.)
Resolução:
O bloco desce o plano com aceleração
a
:
 gg sen a a
O espaço percorrido
? 8  ?  30 10 0 5 5 → → , m/s
2
éé dado
s s
s m
por:
sen 30
A velocid
8 
D

D
D 
5
0 5
5
10 → → ,
aade do bloco pode ser calculada pela equação de Torrricelli:
v v a s v v
Logo
2
0
2
0
2 2
2 2 5 10 100   D  ? ?  → →
, v v 10 m/s.
Aceleração do bloco ao descer o plano inclinado sem
atrito é:
a  g ? sen  → a  10 ? 0,5 → a  5 m/s
2
A distância Dx percorrida pelo bloco é dada por:
sen
x x
x m  
D

D
D 
2
0 5
2
4 → → ,
Portanto, o intervalo de tempo gasto pelo bloco para
percorrer Dx será:
S S v t at t t
t t
    ? ? 
 
0 0
2 2 2
2 2
1
2
4
1
2
5 8 5
8
5
1 6
→ →
→ → , tt s  1 6 1 26 , , 
0 0
θ
2 m
∆x
Resolução:
 1,26 s
30
45 (UERJ) O carregador deseja levar um bloco de 400 N de peso até a carroceria do caminhão, a uma
altura de 1,5 m, utilizando-se de um plano inclinado de 3,0 m de comprimento, conforme a figura:
Determine a força mínima com que o carregador deve puxar o bloco, enquanto este sobe a rampa. (Despreze
o atrito.)
α
N
F
P
y
P
x
α
3,0 m
1,5 m
Podemos calcular o sen a no triângulo retângulo:
Resolução:
sen a  0,5
A mínima força deve satisfazer a condição: F
R
 0 (Mv)
F
R
 0 → F 2 P
x
 0 → F  P
x
 P ? sen a
F  400 ? 0,5
F  200 N
200 N
31
46 (Unifor-CE) Uma força F,

de intensidade 30 N, puxa os corpos A e B sobre um plano inclinado de
atrito desprezível.
F

30°
B
A
As massas dos corpos são m
A
 2,0 kg e m
B
 3,0 kg e a aceleração local de gravidade é 10 m/s
2
. Nessas
condições, a tração no fio que une A a B vale, em newtons:
a) 2,0 c) 15 e) 25
b) 12 d) 20
Resolução:
As forças atuantes no sistema são:
Como o sistema sobe a rampa:
A:
B: F
F
T P m a
T P m a
P P m
A A
B B
A B A
x
x
x x
2 
2 2 

2 2 
¹
,
¹
¹
¹
( 
2 2 
 
m a
a
a a
B
)
30 10 15 5
5 5 1 → m/s
Voltando à prime
2
iira equação:
T 2  ?  10 2 1 12 → T N
F
T
T
N
A
P
A
x
P
B
x
P
A
y
P
A
P
B
P
B
y
N
B

32
47 (Fatec-SP) Um fio, que tem suas extremidades presas aos
corpos A e B, passa por uma roldana sem atrito e de massa desprezível.
O corpo A, de massa 1,0 kg, está apoiado num plano inclinado de 37º
com a horizontal, suposto sem atrito.
(Adote g  10 m/s
2
, sen 37º  0,60 e cos 37º  0,80.)
Para o corpo B descer com aceleração de 2,0 m/s
2
, o seu peso deve ser,
em newtons:
a) 2,0 d) 10
b) 6,0 e) 20
c) 8,0
37°
B
A
Resolução:
2.
a
lei de Newton (A  B)
P
B
2 P
A
 (m
A
 m
B
)a
P
B
2 m
A
g ? sen 378  (m
A
 m
B
)a
m
B
? 10 2 1,0 ? 10 ? 0,60  (1,0  m
B
)2,0
10m
B
2 6,0  2,0  2,0m
B
8,0m
B
 8,0
m
B
 1,0 kg → P
B
 m
B
g  10 N
37°
a
P
A
B a
A
P
B
33
48 (IME-RJ) Na figura a seguir os objetos A e B pesam, respectivamente, 40 N e 30 N e estão apoiados
sobre planos lisos, ligados entre si por uma corda inextensível, sem peso, que passa por uma polia sem
atrito.
30° θ
B
A
Determinar o ângulo  e a tensão na corda quando houver equilíbrio.
Resolução:
Representando os vetores:
Na condição de equilíbrio (F
R
= 0), podemos escrever:
A P
x
A
2 T  0 → P
x
A
 T → P
A
? sen 308  T
B P
x
B
2 T  0 → P
x
B
 T → P
B
? sen   T
P
A
? sen 308  P
B
? sen 
20 30
2
3
42
 ?   
 8
sen sen
usando uma tabela ou um

 ( aa calculadora
P T T N
A
)
?   ? 
1
2
40
1
2
20 →
30° θ
B
A
P
A
x
N
A
P
A
y
P
B
y
P
B
x
N
B
T
T
  8 arc sen N
2
3
42 20 ( ); 
34
49 (UFU-MG) Na seqüência abaixo estão representados três instantes do movimento de queda livre de uma
bola de borracha: no instante t
1
, a bola encontra-se em movimento descendente; no instante t
2
, ela atinge o solo
e, no instante t
3
, a bola desloca-se no sentido contrário ao seu sentido inicial (movimento ascendente).
(t
1
) (t
2
) (t
3
)
Assinale a alternativa na qual a força resultante (F), a velocidade (v) e a aceleração (a) da bola, nos instantes
t
1
e t
3
, estão corretamente representadas.
a) c)
(t
1
) (t
3
)
a

v

F

a

v

F

(t
1
) (t
3
)
a

v

F

a

v

F

(t
1
) (t
3
)
a

v

F

a

v

F

(t
1
) (t
3
)
a

v

F

a

v

F

b) d)
p. 35
Resolução:
Durante o choque com o solo, o chão exerce força sobre a bola, mas, enquanto a bola está no ar,
a única força que age na bola é a força peso, vertical para baixo ↓, e a aceleração é a da gravidade,
vertical para baixo ↓. Já em t
1
a bola desce, então a velocidade é para baixo ↓; em t
3
a bola sobe, então
a velocidade é para cima ↑.
Alternativa c.
35
50 (UFMA) A figura abaixo apresenta um conjunto de três molas idênticas, em diversas situações.

0

1
M
1

2
g
M
2
Observando a figura e usando os dados ao lado, pode-se
afirmar que a massa M
2
em relação à massa M
1
vale:
(Dados: L
0
 10 cm; L
1
 20 cm; L
2
 15 cm.)
a) M M
2 1
1
5
 d) M M
2 1
1
2

b) M M
2 1
1
3
 e) M M
2 1
1
6

c) M M
2 1
1
4

p. 36
Resolução:
Situação 2 → x
1
 ,
1
2 ,
0
 20 2 10  10 cm  0,10 m
F
el
1
 P
1
k ? x
1
 M
1
g k M g
k
g
M
I ?   0 10
0 10
1
1
,
,
( ) →
Situação 3 → x
2
 ,
2
2 ,
0
 15 2 10  5 cm  0,05 m
F
el
2
 P
2
kx
2
 M
2
g k ? 0,05  M
2
g

k
g
M
II 
2
0 05 ,
( )
Então de (I) e (II)
M M M
M M M
1 2 1
2 2 1
0 10 0 05
0 05
0 10
1
2 , ,
,
,
   → →
F
el
1
P
1
P
2
F
el
2
36
51 (UFG-GO) Três blocos de massas iguais a 5,0 kg cada um são interligados por duas molas iguais de
constantes elásticas k
1
 k
2
 500 N/m. Uma força horizontal de módulo F é aplicada ao bloco da esquerda,
tal que todas as massas e molas adquirem uma aceleração constante de 5,0 m/s
2
.
F

Considerando as molas como sendo ideais e desprezando o atrito entre as massas e o plano horizontal,
determine:
a) a compressão, Dx
1
, sofrida pela mola 1;
b) a compressão, Dx
2
, sofrida pela mola 2.
Resolução:
Representando as forças:
F f
1
f
1
a � 5 m/s
2
f
2
f
2
A B C
A: F 2 f
1
 m
A
a
B: f
1
2 f
2
 m
B
a
C: f
2
 m
c
a ()
F  (m
A
 m
g
 m
c
)a
F  (5  5  5) ? 5
F  75 N
Logo:
F 2 f
1
 m
A
a → 75 2 f
1
 5 ? 5 → f
1
 50 N
f
2
 m
c
a → f
2
 5 ? 5 → f
2
 25 N
As deformações são:
a) f
1
 k
1
x
1
→ 50  500x
1
→ x
1
 0,1 m ou Dx
1
 0,1 m
b) f
2
 k
2
x
2
→ 25  500x
2

x
2
 0,05 m ou Dx
2
 0,05 m
0,1 m
0,05 m
37
52 (Unesp-SP) Dinamômetros são instrumentos destinados a medir forças. O tipo mais usual é
constituído por uma mola cuja deformação varia linearmente com a intensidade da força que a produz (lei
de Hooke). Dois dinamômetros estão montados sobre uma mesa horizontal perfeitamente lisa, conforme
mostra a figura.
5 N
DINAMÔMETRO 1 DINAMÔMETRO 2
? N
Quando um corpo de massa m é suspenso por um fio de massa desprezível, preso à extremidade do
dinamômetro n.
o
1, a força que este indica é 5 N.
a) Que força indicará o dinamômetro n.
o
2?
b) Qual a massa do corpo suspenso?
(Considere g  10 m/s
2
e despreze qualquer atrito.)
Resolução:
a) O dinamômetro indica o módulo da força e a aplica ao dinamômetro seguinte, fazendo com que
este indique o mesmo módulo, ou seja, 5 N.
b) Uma vez que a leitura do dinamômetro foi de 5 N, temos:
F
elástica
 F
peso
→ 5  mg → 5  m ? 10
m  0,5 kg
0,5 kg
5 N
38
53 (Mack-SP) A intensidade da força elástica (F), em função das respectivas deformações (x) das molas A
e B, é dada pelo gráfico abaixo.
mola A
mola B
F (N)
A
6
6
B
x (cm) 0 3 5
Quando um corpo de 8 N é mantido suspenso por essas molas, como mostra a figura, a soma das deforma-
ções das molas A e B é:
a) 4 cm c) 10 cm e) 14 cm
b) 8 cm d) 12 cm
Resolução:
Do gráfico:
mola A mola B
F k x F k x
k
A B
A
 

66
3
4
5
2 0 80
k
k k
B
A B

  N/cm N/cm
A deformação total
,
ddas molas associadas pode ser assim calculada:
X
TOOTAL
 
 
 
X X
X
F
k
F
k
X
X
A B
TOTAL
A B
TOTAL
TOT
8
2
8
0 8 ,
AAL
cm 14
mola A
mola B
F
P
Em equilíbrio:
F � P
39
54 No teto de um elevador que sobe em movimento acelerado com aceleração
constante de 1 m/s
2
, está presa a extremidade de uma mola de constante elástica 550 N/m.
Na outra extremidade da mola está suspenso um corpo.
Adote g  10 m/s
2
. Sabendo que a mola é ideal e está distendida de 4 cm, determine a
massa do corpo suspenso.
55 (EsPCEx-SP) Um bloco A de peso P encontra-se em repouso, preso a uma mola ideal de constante
elástica K sobre um plano inclinado perfeitamente liso, conforme a figura abaixo.
θ
A
Nessa situação, o alongamento da mola será de:
a)
P
K
?  cos
d)
P
K sen ? 
b)
P sen
K
? 
e)
P
K ?  cos
c)
P tg
K
? 
B
Resolução:
movimento
P
T
T
g � 10 m/s
2
a � 1 m/s
2
Pela 2.
a
lei de Newton:
F
R
 ma
T 2 P  ma → T  ma  mg
T  m(a  g)  11m
A mesma tensão é aplicada à mola, fazendo com que esta
fique em equilíbrio quando F  T.
F  T → kx  11m → 550 ? 4 ? 10
22
 11m
22  11m → m  2 kg
θ
N
F
el
P � sen θ
P
P � cos θ
Resolução:
F P sen F
P sen F
P sen Kx
x
P sen
res el
el
 ?  2 
?  
?  

?
0

K
2 kg
40
56 Considere um cabo-de-guerra sobre um piso liso entre dois rapazes que estão calçando meias e duas
moças calçando sapatos com solas de borracha. Por que as moças vencem?
57 Se você exerce uma força horizontal de 200 N para fazer escorregar com velocidade constante um
caixote pelo piso de uma fábrica, quanto vale o atrito que o piso exerce sobre o caixote? Se a força de atrito
não é a força de reação ao seu empurrão, o que é ela?
58 Quais os dois principais fatores que afetam a força de resistência do ar sobre um objeto em queda?
59 Se dois objetos de mesmo tamanho caem com diferentes velocidades, qual deles enfrenta maior
resistência do ar?
Resolução:
Porque a força de atrito a que estão sujeitas é mais intensa que a força de atrito sobre os rapazes.
Resolução:
200 N. Reação horizontal do piso sobre o caixote.
Resolução:
O formato do objeto e sua velocidade.
Resolução:
O objeto com maior velocidade.
41
60 (UFV-MG) Um bloco de massa M  2,0 kg desliza sobre uma superfície com atrito. Ao passar pelo
ponto O, o bloco possui velocidade v
0
 2,0 m/s, como ilustrado na figura abaixo.
M
O
v
0

Sabendo que o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a superfície é µ
c
 0,1; que o coeficiente de
atrito estático é µ
e
 0,2 e que a aceleração da gravidade no local é g  10 m/s
2
, responda aos seguintes
itens:
a) Faça o diagrama de forças para o bloco no ponto O e calcule a aceleração do bloco.
b) Calcule a distância que o bloco irá percorrer antes de parar.
c) Faça o diagrama de forças para o bloco quando este estiver parado.
N
v
0
f
at
P
O
M
N
M
P
Resolução:
a)
b) F
res
y
 0 → N 2 P  0 → N  P → N  Mg → N  2 ? 10 → N  20 N
F
res
x
 Ma → F
at
c
 Ma → 
c
N  Ma → 0,1 ? 20  2a → 2  2a → a  1,0 m/s
2
c) v
2
 v
0
2
 2aDs
0
2
 2
2
 2 ? (21) ? Ds
0  4 2 2Ds
2Ds  4
Ds  2 m
2 m
42
61 (FEI-SP) Uma empresa de mudanças precisa projetar um carrinho para transportar carga dentro de
um caminhão estacionado na horizontal. Sabe-se que a máxima força horizontal que seu funcionário pode
exercer é 250 N, e a máxima carga que o carrinho pode transportar é um piano de 400 kg. Se o carrinho
possui massa de 50 kg, qual é o máximo coeficiente de atrito entre o carrinho e o caminhão?
(Obs.: Considerar somente atrito de escorregamento.)
a) 0,030 c) 0,045 e) 0,055
b) 0,040 d) 0,050
Resolução:
N
F
f
at
P
F
res
y
 0
N 2 P  0 → N  P → N  (400  50) ? 10  4 500 N
f
at
 N → f
at
  ? 4 500
F
res
x
 F 2 f
at
Quanto maior a força de atrito, menor a força resultante.
Para a máxima força de atrito, a força resultante é nula.
0  F 2 f
at
máx
→ f
at
máx
 250 → 
máx
? 4 500  250
   
máx
250
4 500
5
90
0 055 ,
43
62 (PUC-PR) A figura representa um corpo de massa 10 kg apoiado em uma superfície horizontal. O
coeficiente de atrito entre as superfícies em contato é 0,4. Em determinado instante, é aplicada ao corpo
uma força horizontal de 10 N.
Considere g  10 m/s
2
e marque a alternativa correta.
a) A força de atrito atuante sobre o corpo é 40 N.
b) A velocidade do corpo decorridos 5 s é 10 m/s.
c) A aceleração do corpo é 5 m/s
2
.
d) A aceleração do corpo é 2 m/s
2
e sua velocidade decorridos 2 s é 5 m/s.
e) O corpo não se movimenta e a força de atrito é 10 N.
10 N
Resolução:
N
10 N
f
at
P
F
res
y
 0 N  P
N  mg → N  10 ? 10  100 N
f
at
< N → f
at
< 0,1 ? 100 → f
at
< 40 N
f
at
máx
 40 N
Portanto, 10 N  f
at
máx
. Assim, o corpo não se movimenta e f
at
 10 N.
Alternativa e.
44
63 (Vunesp-SP) Durante a partida, uma locomotiva imprime ao comboio (conjunto de vagões) de massa
2,5 ? 10
6
kg uma aceleração constante de 0,05 m/s
2
. Considere g  10 m/s
2
.
a) Qual é a intensidade da força resultante que acelera o comboio?
b) Se as forças de atrito, que se opõem ao movimento do comboio, correspondem a 0,006 de seu peso, qual é
a intensidade da força que a locomotiva aplica no comboio?
64 (EEM-SP) Um garçom faz escorregar sem tombar, pelo balcão, uma garrafa de cerveja até que ela
pare em frente a um freguês a 5,0 m de distância. Sabendo-se que o coeficiente de atrito entre o balcão e a
garrafa vale 0,16 e que a aceleração local da gravidade deve ser tomada como 10,0 m/s
2
, pede-se determinar a
velocidade inicial imposta à garrafa pelo garçom.
p. 46
Resolução:
a)
comboio
locomotiva
Pelo princípio fundamental da dinâmica:
F
R
comb.
 m
comb.
a  2,5 ? 10
6
? 0,05 R
F
R
comb.
 1,25 ? 10
5
N
b) Forças que agem no comboio:
F
R
comb.
 F 2 f
at
→ F  F
R
comb.
 f
at
F  F
R
comb.
 0,006 ? mg
F  1,25 ? 10
5
 0,006 ? 2,5 ? 10
6
? 10
F  2,75 ? 10
5
N
N
F (aplicada
pela locomotiva)
f
at
� 0,006 P
F
R
comboio
Resolução:
f
at
v
0
5 m
v � 0
F
R
 
 
 
 ?
m a f m a
mg m a
a g
a
a
at
| | | |
| |
| |
| | ,
|

0 16 10
|| , 

1 6 m/s
Da equação de Torricelli, obtemos:
v
2
2
vv a s v
v
v
0
2 2
0
2
0
2
0
2 0 2 1 6 5
16
4
 D   ? 2 ?


→ ( , )
m/s
1,25 ? 10
5
N
2,75 ? 10
5
N
4 m/s
45
65 (UFMA) Dois blocos, de massas m
A
 19 kg e m
B
 8 kg, estão em repouso, encostados um ao outro
e apoiados sobre uma superfície plana horizontal, cujo coeficiente de atrito cinético entre eles e a superfície
é µ
c
 0,50. Num determinado instante, aplica-se, no bloco A, uma força de módulo F
A
 189 N, conforme a
figura abaixo.
A
B
F

Iniciado o movimento, calcule o módulo da força exercida pelo bloco A sobre o bloco B.
(Considere g  10 m/s
2
.)
A
B
F

f
at
A

f
at
B

F
AB
→ F
AB

P
A

P
B

N
B

N
A

Resolução:
F
N P N m g N N
N P N
res
A A A A A
B B B
y

   ? 
 
0
19 10 190

→ →
→ mm g N N
f N
f f
B B
at
at at
A A


 ? 
 
 ? 
8 10 80
0 5 190
¹
,
¹
, 9 95
0 5 80 40
N
f f N
F F f m a
F
at at
AB at A
B B
A
 ? 
2 2 
, →
A:
B:
AAB at B
AB
AB
f m a
F a
F a
B
2 
2 2 
2 
¹
,
¹
¹
¹
¹
,
¹
189 95 19
40 8
1189 95 40 27
54 27
2 0
40 8 2
2 2 


2  ?

a
a
a
F
F
AB
AB
, m/s
2
116 40
56

 F N
AB
56 N
46
66 (Unesp-SP) A figura ilustra um bloco A, de massa m
A
 2,0 kg, atado a um bloco B, de massa
m
B
 1,0 kg, por um fio inextensível de massa desprezível. O coeficiente de atrito cinético entre cada bloco
e a mesa é µ
c
. Uma força F  18,0 N é aplicada ao bloco B, fazendo com que ambos se desloquem com
velocidade constante.
F

m
A
A
m
B
B
Considerando g  10,0 m/s
2
, calcule:
a) o coeficiente de atrito µ
c
;
b) a tração T no fio.
Resolução:
F

N
B

N
A

P
B

P
A

f
at
A

f
at
B

T

T

m
A
m
B
N P N m g N N
N P N m g N
A A A A A
B B B B B
   ? 
   ?
→ →
→ →
2 10 20
1 100 10
20
10

    ?
    ?
2 
N
f N
f N
T f m
at A
AB B
at
A
A
A:
B:
AA
at B
a
F T f m a
T
F T
F
B
2 2 
2  ? 
2 2  ? 
2
¹
,
¹
¹
¹
¹
,
¹
20 0
10 0
220 0
18 30
18
30
0 6
20 0
0 6 20
 2  
 
  
2  ? 
2 ? 
10
,
,
T
T 0 0
12 T N 
0,6
12 N
→ Como a velocidade é constante, a aceleração é nula.
47
67 (UERN) A figura mostra o comportamento de um corpo de massa igual a 4,0 kg, ao entrar e sair em
uma região com atrito.
v (m/s)
t (s)
0
8 14
10
30
Nessas condições, o módulo da força de atrito é igual, em newtons, a:
a) 5,0 c) 20,0 e) 50,0
b) 10,0 d) 35,0
Resolução:
a
v
t
F f
res

D
D

2
2 2

10
m/s
2
30
8
20
8
2 5 ,
aat
at
at
at
f m a
f
f N
| | | |
| | ,
| | ,

 ?

4 2 5
10 0
48
68 (Mack-SP) Sobre uma superfície plana e horizontal, um bloco A, de massa m
A
, desloca-se em MRU
(movimento retilíneo uniforme) no sentido indicado na figura abaixo. Esse corpo faz parte do conjunto
ilustrado, no qual as polias e os fios são considerados ideais e a massa do corpo B é m
B
.
movimento
B
A
Nessas condições, podemos dizer que o coeficiente
de atrito cinético entre a base inferior do corpo A e a
referida superfície plana é:
a) zero d)  
m
m
A
B
2
b)  
2m
m
B
A

e)  
m
m
B
A
2
c)  
2m
m
A
B
Resolução:
movimento
B
A
N
A
T
T T
2T
2T
P
A
P
B
f
at
MRU: a
A:
N
A

2  
2    
0
0
0
P N P
T f T f T N T
A A A
at at A

→ → →    
2   
 
P T m g
T T m g T
m g
m g
A A
B
B
A

→ →
¹
,
¹
B: P
B
2 0 2
2
mm g
m
m
B
B
A
2
2
 
49
69 (Ufop-MG) Você deve deslocar uma caixa sobre um plano áspero. O coeficiente de atrito entre a caixa e o
plano é µ. Você pode puxar ou empurrar a caixa como mostram as figuras abaixo.
F
1

α
F
2

Figura 1 Figura 2
α
Em que caso a força mínima necessária para colocar a caixa em movimento será menor?
Através de argumentos físicos, justifique sua resposta.
Resolução:
Na situação 1, pois a força de atrito é menor, uma vez que o sentido da força F
1
minimiza a compo-
nente normal de contato sobre o corpo.
1.
a
situação: 2.
a
situação:
F
1

F
x

F
y

f
at

P

N

α
N  F
y
 P → N  P 2 F
y
f
at
 N → f
at
 (P 2 F
y
) (1)
F
2

F
x

F
y

f
at
P

N

α
N  P  F
y
f
at
 N → f
at
 (P 2 F
y
) (2)
Observando as equações (1) e (2), concluímos que
a menor força para colocar a caixa em movimento
é na situação (1), pois nela temos a menor força de
atrito.
50
70 (EEM-SP) Uma pessoa puxa uma mala de peso P  91,0 N com velocidade constante, por meio de
uma força F  35,0 N inclinada de um ângulo a com a horizontal, conforme mostra o esquema.
F

α
Se a força de atrito da mala tiver módulo de 28,0 N, determine o coeficiente de atrito entre o solo e a mala.
(Considere sen a  0,6 e cos a  0,8.)
Resolução:
Decompondo F

nas direções horizontal e vertical:
F
→ F
y

F
x

α
• F
x
 F ? cos a  35 ? 0,8 → F
x
 28 N
• F
y
 F ? sen a  35 ? 0,6 → F
y
 21 N
Esquematizando as forças atuantes sobre a mala:
Sendo F
x
 f
at
 28 N, a mala descreve um movimento uniforme.
Na vertical: N  F
y
 P → N  P 2 F
y
 91 2 21
N  70 N
Força de atrito cinético:
f N
at d d
d d
    ?
   


28 70
28
70
0 40 ,
N

P

F
y

F
x

f
at


d
 0,40
51
71 (Vunesp-SP) Um bloco de massa 2,0 kg repousa sobre outro de massa 3,0 kg, que pode deslizar sem
atrito sobre uma superfície plana e horizontal. Quando uma força de intensidade 2,0 N, agindo na direção
horizontal, é aplicada ao bloco inferior, como mostra a figura, o conjunto passa a se movimentar sem que o
bloco superior escorregue sobre o inferior.
2,0 N
3,0 kg
2,0 kg
Nessas condições, determine:
a) a aceleração do conjunto;
b) a intensidade da força de atrito entre os dois blocos.
p. 47
Resolução:
N
B

N
B

N
A

P
B
B
A

P
A

f
at
B

f
at
B

2,0 N
F
N P N
N P
F
res
A A B
B B
res
y
x

2 2 
2 
0
0
0


A:
B:
A:
2,0
¹
,
¹
22 

 
 
f m a
f m a
m a m a
a a
at A
at B
A B
B
B
¹
,
¹
¹
¹
2 0
2 0 2 3
,
,
22 0 5
2 0
5
0 4
2 0 4
,
,
,
,



  ?
a
a
a
f m a f f
at B at
B B
m/s
2
→ →
aat
B
N  0 8 ,
0,4 m/s
2
0,8 N
52
72 (Uespi-PI) Uma força constante e horizontal, de módulo F, é aplicada num bloco de peso 50 newtons
que desliza sobre uma superfície horizontal, sem atrito. Esse bloco está em contato com outro menor, de
peso 10 newtons. O atrito estático entre os blocos, de coeficiente 0,5, é tal que o bloco menor encontra-se na
iminência de deslizar verticalmente.
Nessa situação, F vale, em newtons: (Dado: g  10 m/s
2
.)
a) 30 c) 90 e) 150
b) 60 d) 120
F

Resolução:
F

F
AB

P
A
→ P
B

F
AB

f
at
B

f
at
B

N
A

F f P f N
f F F
res at B at
at AB AB
y B B
B
  
  
0 10
10 0 5
→ →
→ , →→ F N
F F m a
F m a
F a
a
AB
AB A
AB B

2 

2 

20
20 5
20 1
¹
,
¹
¹
,
¹
aa
F
F
F N

2  ?
 

20
20 5 20
100 20
120
m/s
2
53
73 (Unimep-SP) Uma esfera de aço de massa igual a 20 g está em queda num tubo contendo glicerina, à
velocidade constante de 3,0 cm/s. Podemos afirmar que a força de resistência ao movimento da esfera é de:
a) 0,20 N c) 3,0 N e) 10 N
b) 2,0 N d) 0,30 N
74 (Unicamp-SP) Considere um avião a jato, com massa total de 100 toneladas (1,0 ? 10
5
kg), durante a
decolagem numa pista horizontal. Partindo do repouso, o avião necessita de 2 000 m de pista para atingir a
velocidade de 360 km/h, a partir da qual ele começa a voar. (Considere g  10 m/s
2
.)
a) Qual a força de sustentação, na direção vertical, no momento em que o avião começa a voar?
b) Qual é a força média horizontal sobre o avião enquanto ele está em contato com o solo durante o
processo de aceleração?
R
P
m  20 g  20 ? 10
23
hg
P 2 R  ma
Velocidade constante → a  0
P 2 R  0
P  R
mg  R
R  20 ? 10
23
? 10
R  20 ? 10
22
N
R  0,20 N
Resolução:
a) No momento em que o avião começa a voar, a força de sustentação (R

) e o peso (P

) do avião se
equilibram:
R  P  mg → R  1,0 ? 10
5
? 10  1,0 ? 10
6
N
b) Enquanto o avião está em contato com o solo, sua aceleração média pode ser calculada por:

v v a s a
v v
v
v
m m
2
0
2
2
0
2
0
2
2
0
360 100
  D 
2
D

 

s
km/h m//s
s
m/s
2
D 

?

2 000
100
2 2 000
2 5
2
m
a
m
¹
,
¹
¹
¹
( )
,
A resultante média sobre o avião, na direção horizontal, tem intensidade:
F
R
m
 ma
m
→ F
R
m
 2,5 ? 10
5
N
Resolução:
1 ? 10
6
N
2,5 ? 10
5
N
54
75 (Unifesp-SP) Em um salto de pára-quedismo, identificam-se duas fases no movimento de queda do
pára-quedista. Nos primeiros instantes do movimento, ele é acelerado. Mas, devido à força de resistência do
ar, o seu movimento passa rapidamente a ser uniforme com velocidade v
1
, com o pára-quedas ainda fechado.
A segunda fase tem início no momento em que o pára-quedas é aberto. Rapidamente, ele entra novamente
em um regime de movimento uniforme, com velocidade v
2
. Supondo que a densidade do ar é constante, a
força de resistência do ar sobre um corpo é proporcional à área sobre a qual atua a força e ao quadrado de sua
velocidade. Se a área efetiva aumenta 100 vezes no momento em que o pára-quedas se abre, pode-se afirmar
que:
a) v
2
/v
1
 0,08 c) v
2
/v
1
 0,15 e) v
2
/v
1
 0,3
b) v
2
/v
1
 0,1 d) v
2
/v
1
 0,21
R
ar
P
R�
ar
P
R kAv
P R P R
P kAv
ar
ar ar

2  

2
1
2
0 MU: →
P R P R
P k Av
ar ar
2 9   9
 ?
0
100
2
2

k Av
kAv
P
P
v
v
v
v
v
v
?




100
100
1
10
1
1
1
2
2
1
2
2
2
1
2
2
1
2
1
00
0 1
2
1
v
v
 ,
Resolução:
55
76 Um bloco de pequenas dimensões e massa de 5,0 kg é lançado do ponto A de um trilho reto e
inclinado, com uma velocidade de 2,0 m/s, conforme a figura.
α
A
4,0 m
3,0 m
B
A única força de oposição ao movimento do bloco é a de atrito cinético, na qual µ
c
 0,6. Nessas condições,
supondo g  10 m/s
2
, determine a velocidade do bloco ao atingir o ponto B.
Resolução:
α
f
at

N

P

P � sen �
P � cos �
sen
P sen f ma
N P
N P
at
a  a 
? a 2 
2 ? a 

3
5
4
5
0
cos
cos
¹
,
¹
?? a  ? ? 
   ? 
cos
,
5 10
4
5
40
0 6 40 24
N
f N N
at
P sen f ma
a
a
a
at
? a 2 
? 2 
2 
 
50
3
5
24 5
30 24 5
6
5
1 2 , m/s
22
m/s
v v a s
v
v
v
2
0
2
2 2
2
2
2 2 1 2 5
4 12 16
4
  D
  ? ?
  

,
4 m/s
56
77 (UMC-SP) Um corpo é arrastado para cima num plano inclinado de 30º com a horizontal, sob a ação
de uma força F  194 N, como indica a figura abaixo. Sabe-se que a reação do apoio vale N  174 N e
que o coeficiente de atrito dinâmico entre o corpo e o piso vale µ  0,2. (Adote: g  10 m/s
2
; cos 30º  0,87;
sen 30º  0,50.)
P

F
→ N

α � 30°
α
Calcule:
a) o peso do corpo;
b) a massa do corpo;
c) a intensidade da força de atrito;
d) a aceleração do corpo.
Resolução:
a N P P P P ) cos ,
,
 ? a  ?  → → → 174 0 87
174
0 87

  ? 
  
200
200 10 20
0
N
b P mg m m kg
c f N f
at at
)
) ,
→ →
→ 22 174 34 8
194 200 0
? 
2 ? a 2 
2 ?
→ f N
d F P sen f ma
at
at
,
)
, 5 5 34 8 20
194 100 34 8 20
59 2 20
2 96
2 
2 2 


,
,
,
,
a
a
a
a m/ss
2
200 N
20 kg
34,8 N
2,96 m/s
2
57
78 Um corpo escorrega para baixo, com velocidade constante v, em um plano inclinado de 30º em
relação à horizontal, como indica a figura:
30°
Considerando sen 30
1
2
30
3
2
° e °   cos , determine o coeficiente de atrito cinético entre o corpo e o
plano.
Resolução:
30°
N

P
P � cos 30�
P � sen 30�

f
at

F
F
N P N
P
P sen f
res
res at
y
x


 ? 8 
? 8 2 
0
0
30
3
2
30
cos →
00
1
2
0
(velocidade constante)
¹
,
¹
¹
¹
P f f
at at
? 2   →
PP
Como f N N
P P P
P
P
at
2
2
3
2 2
2
2
3
1
3
     
  ?    
→ →
→ →
33
3
3
3
58
79 (UFPE) Uma força F

, perpendicular ao plano inclinado, é aplicada a um corpo de 6,0 kg, mantendo-o
em repouso, como mostra a figura.
F

30°
Calcule o módulo da força de atrito estático, em newtons, que atua no bloco.
80 (UFRJ) A figura 1 mostra um bloco em repouso sobre uma superfície plana e horizontal. Nesse caso,
a superfície exerce sobre o bloco uma força f

. A figura 2 mostra o mesmo bloco deslizando, com movimento
uniforme, descendo uma rampa inclinada em relação à horizontal segundo a reta de maior declive. Nesse
caso, a rampa exerce sobre o bloco uma força f

9.
Figura 1 Figura 2
Compare f e f
→ →
9 e verifique se | | | |, | | | | | | | | . f f f f ou f f
→ → → → → →
 9  9  9 Justifique sua resposta.
p. 48
Resolução:
No equilíbrio e em repouso, a força de atrito estático deve ser igual, em módulo, à componente da
força peso ao longo do plano inclinado.
f
at
 mg ? sen 308 → f
at
 6 ? 10 ? 0,5 → f
at
 30 N
Resolução:
Figura 1
N � f
P
P
y
Figura 2
P

P
x
N
f
at

f� � R
P
y
P
P
x
N
f
at
A força que a rampa exerce sobre o bloco leva
em consideração duas forças, a saber: a força
de atrito entre o bloco e o plano e a reação
normal.
Como o bloco desce o plano com velocida-
de constante (a  0), a força de atrito tem o
mesmo módulo que a projeção do peso (P
x
),
portanto:
A resultante ( ) R f
→ →
 9 tem o mesmo módu-
lo, a mesma direção e sentido contrário ao
vetor peso, portanto | | | | f f
→ →
 9 .
30 N
59
81 (Vunesp-SP) Um pássaro, com massa m  1,2 kg, plana parado em relação ao mar a uma altura de
5 m da superfície. Para capturar um peixe, ele terá de planar com um ângulo de 30º em relação à superfície
do mar. O pássaro sofre uma força constante, devido à resistência do ar, cuja intensidade é 2 N e tem direção
paralela à superfície do mar, conforme indicado na figura.
resistência
do ar
força de sustentação
peso
30°
5 m
Considerando sen 30º  0,5; cos 30º  0,8 e g  10 m/s
2
, determine:
a) a força de sustentação do pássaro durante a descida;
b) o tempo que o pássaro leva para chegar até a superfície do mar.
F
1
A
B
F
2
P
30°
60°
30°
60°
30°
Resolução:
a) Supondo-se que a força de sustentação seja perpendicular
à trajetória do pássaro, temos:
Na direção perpendicular à reta AB, a resultante é nula.
Portanto: F
F
2
2
 ? 8  ? 8
 ?  ?
F P
1
60 30
2
1
2
12 0
cos cos
, 8 8
10 6
2
F N  ,
b) Na direção da reta AB, temos uma resultante F dada por:
F  P ? cos 608 2 F
1
? cos 308
F F N  ? 2 ?  12
1
2
2 0 8 4 4 , , →
Aplicando-se a 2.
a
lei de Newton, temos:
F  ma
4,4  1,2a
a  3,7 m/s
2
Da figura, temos:
sen
AB
AB m 30
1
2
5
10 8   
H
AB
→ →
Usando-se a equação horária do movimento uniformemente variado, vem:

D  
 
s v t
a
t
t t s
0
2
2
2
10 0
3 7
2
2 3
,
, → 
10,6 N
 2,3 s
60
p. 56
82 Se a corda que mantém uma lata girando num círculo se romper, que tipo de força a faz mover-se ao
longo de uma linha reta: centrípeta, centrífuga ou nenhuma força? Que lei da Física justifica sua resposta?
83 (PUC-PR) Um corpo gira em torno de um ponto fixo preso por um fio inextensível e apoiado em um
plano horizontal sem atrito. Em um determinado momento, o fio se rompe.
fio
v

É correto afirmar:
a) O corpo passa a descrever uma trajetória retilínea na direção do fio e sentido contrário ao centro da
circunferência.
b) O corpo passa a descrever uma trajetória retilínea com direção perpendicular ao fio.
c) O corpo continua em movimento circular.
d) O corpo pára.
e) O corpo passa a descrever uma trajetória retilínea na direção do fio e sentido do centro da circunferência.
84 Um carrinho de brinquedo de massa 400 g executa, numa superfície horizontal, um movimento
circular uniforme de raio 0,50 m e velocidade de 2,0 m/s. Determine a força centrípeta que age sobre esse
carrinho.
Resolução:
Nenhuma força. A lata irá, segundo sua inércia, mover-se em movimento retilíneo uniforme.
Resolução:
Ao romper o fio, a resultante das forças atuantes no corpo passa a ser nula. O movimento do corpo
agora é retilíneo e uniforme na direção e sentido da velocidade v

.
Alternativa b.
Resolução:
Dados:
m/s
m g kg
R m
v
 


400 0 4
0 50
2 0
,
,
,
¹¹
,
¹
¹
¹
F
mv
R
F F N
cp cp cp
 
?

2 2
0 4 2
0 5
3 2 → →
,
,
,
3,2 N
61
85 (FGV-SP) Observe o gabarito com a resolução de uma cruzadinha temática em uma revista de
passatempo.
Horizontais
1. Força presente na trajetória circular.
2. Astrônomo alemão adepto do heliocentrismo.
3. Ponto mais próximo ao Sol no movimento de translação da Terra.
Verticais
1. Órbita que um planeta descreve em torno do Sol.
2. Atração do Sol sobre os planetas.
3. Lugar geométrico ocupado pelo Sol na trajetória planetária.
C E N T R I F U G A
K E P L E R
P E R I E L I O
L
I
T
I
C
A
G
R
V
I
T
A
C
O
N
A
L
F
O
C
1
2
1
2
3
3
Um leitor, indignado com o “furo” na elaboração e revisão da cruzadinha, em uma carta aos editores,
destacou, baseando-se nas leis da Mecânica Clássica, a ocorrência de erro:
a) na vertical 2, apenas.
b) na horizontal 1, apenas.
c) nas verticais 1 e 2, apenas.
d) nas horizontais 1 e 3, apenas.
e) na horizontal 3 e na vertical 3, apenas.
Resolução:
Quando a trajetória é curva, a força resultante tem uma componente centrípeta, o que evidencia um
erro na horizontal 1.
A chamada força centrífuga é uma força de inércia (pseudoforça) só considerada para um referencial
não-inercial que descreva uma trajetória curva ou tenha movimento de rotação em relação a um
referencial inercial.
Alternativa b.
62
86 (Uespi-PI) A força centrípeta:
a) é qualquer força que acelera um corpo.
b) não produz mudança na velocidade.
c) produz uma mudança em ambos, direção e velocidade, de um corpo em movimento.
d) não produz mudança nem na velocidade nem na direção do movimento de um corpo.
e) é sempre uma força elástica.
87 (UFC-CE) Uma partícula P, de massa m, descreve um movimento circular de
raio R, centrado no ponto O, sob a ação das forças F e F
→ →
1 2
, conforme figura.
Das equações de movimento apresentadas nas alternativas abaixo, assinale a correta
para este sistema.
a) F
2
? cos a  ma
t
c) F
1
2 F
2
? cos a  m
v
R
p
2
¸
¸

_
,

e) F
1
 m
v
R
p
2
¸
¸

_
,

b) F
1
 F
2
 m
v
R
p
2
¸
¸

_
,

d) F
1
2 F
2
 m
v
R
p
2
¸
¸

_
,

F
1

F
2

R
P
O
α
p. 57
Resolução:
A força centrípeta é uma força resultante que muda a direção e o sentido da velocidade vetorial, sem
no entanto mudar o módulo da velocidade vetorial de um corpo.
Alternativa c.
Resolução:
F
1

F
2
F
2
� sen α
F
2
� cos α

O
α
F F sen ma
F F F ma F
res t
res cp
t
cp

→ →
2
1 2 1
? a 
2 ? a  2 cos FF
mv
R
p
2
2
? a  cos
63
88 (Unesp-SP) Uma bola de massa 0,5 kg é presa ao final de uma corda de comprimento 1,5 m.
Segurando na extremidade da corda oposta à bola, uma pessoa faz ela se mover em movimento circular no
plano horizontal, como apresentado na figura. A corda suporta uma tensão máxima de 50 N.
a) Qual a velocidade máxima da bola antes que a corda se rompa?
b) Qual deve ser o comprimento mínimo dessa corda para que ela não se rompa antes de a bola atingir a
velocidade de 20 m/s?
Resolução:
a) A força aplicada pela corda faz o papell de resultante centrípeta:
T F
mv
R
T
mv
cp
máx
 

2
.
mmáx
máx
máx máx
R
v
v v
2
2
2
50
0 5
1 5
150 150

 
,
,
→ m/s
v
mááx
máx
m/s
b) T
 12 2
50
0 5 20
2
2
,
, ( )
m n
m


mv
R
L
L
máx
í
í n n
,  4 0 m
 12,2 m/s
4 m
64
89 (PUC-SP) Um avião descreve, em seu movimento, uma trajetória circular,
no plano vertical (loop), de raio R  40 m, apresentando no ponto mais baixo de
sua trajetória uma velocidade de 144 km/h.
Sabendo que o piloto do avião tem massa de 70 kg, a força de reação normal,
aplicada pelo banco sobre o piloto, no ponto mais baixo, tem intensidade:
a) 36 988 N c) 3 500 N e) 700 N
b) 36 288 N d) 2 800 N
R
90 (Vunesp-SP) Em uma calçada de uma rua plana e horizontal, um patinador vira em uma esquina
fazendo um arco de círculo de 3 m de raio. Admitindo-se g  10 m/s
2
e sabendo que o coeficiente de atrito
estático entre as rodas do patim e a calçada é µe  0,3, a máxima velocidade com que o patinador pode
realizar a manobra sem derrapar é de:
a) 1 m/s c) 3 m/s e) 9 m/s
b) 2 m/s d) 5 m/s
p. 58
Resolução:
No ponto mais baixo da trajetória, sobre o piloto atuam as forças indicadas na figura:
Resolução:
A figura abaixo representa a situação descrita no enunciado, as forças aplicadas no patinador e suas
componentes pertinentes ao estudo do movimento.
N
P
v � 144 km/h � 40 m/s
F F
N P R
N mg m
v
R
N
N
R cp
c

2 
2 
2 ? 
?

2
2
70 10
70 40
40
3 500 NN
P
A
N
patinador
centro da curva
r � 3 m

( )

Na direção horizontal
A R A ma
A m
v
r
E c E c
E
 


2
1
NNa direção vertical
N P N mg   → ( ) 2
A condição para o p patinador não escorregar é:
A
Substitui
E
 
E
N ( ) 3
nndo (1) e (2) em (3):
m
v
Substitui
2
r
mg v rg
E E
    →
2
nndo os valores numéricos dados:
v
2
 ? ?  0 3 3 10 3 ,  v m m/s
65
91 (UFF-RJ) Uma pequena moeda está na iminência de se deslocar sobre uma plataforma horizontal
circular, devido ao movimento dessa plataforma, que gira com velocidade angular de 2,0 rad/s. O coeficiente
de atrito estático entre a moeda e a plataforma é 0,80. (Dado: g  10 m/s
2
.)
Logo, a distância da moeda ao centro da plataforma é:
a) 2,0 m c) 4,0 m e) 8,0 m
b) 6,4 m d) 3,2 m
92 (UERN) Um pequeno bloco, de massa igual a 50 g, permanece em contato com a parede interna de
um cilindro, de raio igual a 0,2 m, que gira em torno do eixo vertical, com velocidade angular constante
igual a 6 rad/s.
Nessas condições, o componente horizontal da força exercida pelo cilindro sobre o bloco é igual, em
newtons, a:
a) 0,06 c) 0,84 e) 1,25
b) 0,36 d) 1,02
Resolução:
Representando as forças:
f F N m
v
R
P m
w R
R
mg mw R
R
R
at cp
  
 
 
? 

2
2 2
2
2
0 8 10 2 ,
 2 m
Resolução:
m g kg
F f P f P
F N m
res at at
cp
y
  ?
 2  

2
50 50 10
0 0
3
→ →
→ ww R N N
N N
2 3 2
50 10 6 0 2
0 36
  ? ? ?

2
→ ,
,
P
f
at
N
R
N
f
at
P
R
Alternativa a.
66
93 (Unicamp-SP) A figura descreve a trajetória ABMCD de um avião em um vôo em um plano vertical.
Os trechos AB e CD são retas. O trecho BMC é um arco de 90º de uma circunferência de 2,5 km de raio. O
avião mantém velocidade de módulo constante igual a 900 km/h. O piloto tem massa de 80 kg e está sentado
sobre uma balança (de mola) nesse vôo experimental. Pergunta-se:
a) Quanto tempo o avião leva para percorrer o arco BMC?
b) Qual a marcação da balança no ponto M (ponto mais baixo da trajetória)?
O
A D
M
C B
Resolução:
Dados: R  2,5 km  2 500 m
v  900 km/h  250 m/s
a) Sendo a  908, temos
1
4
da circunferência. Logo:
D  vt → 2rR  vt → 2r ? 2 500  250 t
t  20r s (em uma volta completa)
D  D   t
4
T
t s
4
20
5 →
r
r
b)
Logo, pelo princípio da ação e reação a força que o piloto exerce na balança é 2 800 N.
F N P N F P
N
mv
R
mg
N
cp A A cp
A
A
 2  
 

?


2
2
80 250
2 500
800 10
2 800
?
 N N
A
N
A
P
5r s
2 800 N
67
94 Uma moto de massa 500 kg passa por uma lombada de perfil circular de raio 40 m. Adotando
g  10 m/s
2
, determine a máxima velocidade da moto para que ainda mantenha contato com a pista no seu
ponto superior A.
p. 58
Resolução:
Dados: m  500 kg
R  40 m
g  10 m/s
2
F
R
 F
cp
( F
cp
 P 2 N
A
para a situação do exercício vamos tomar N
A
 0 como ausência de contato
com a pista, ou seja:
F P
R
mg v Rg
cp
  
 ? 
→ → →
mv
v m/s
2
40 10 20
C
P
N
A
20 m/s
68
95 (UERJ) O globo da morte apresenta um motociclista percorrendo uma
circunferência em alta velocidade. Nesse circo, o raio da circunferência é igual
a 4,0 m. Observe o esquema: O módulo da velocidade da moto no ponto B é
12 m/s e o sistema moto-piloto tem massa igual a 160 kg.
Determine a componente radial da resultante das forças sobre o globo em B.
Resolução:
Representando as forças:
A componente radial das forças P e N
B
e a reação normal N
B
.
F N P
mv
R
N P
N
cp B x
B
B
B
    ? 8
?
  ?

2
2
60
160 12
4
160
cos
110
1
2
5 760 800
4 960
?
 

N
N N
B
B
B
N
B
P
B
N
B
60�
60�
A
P
x
P
4 960 N
69
96 (Unicamp-SP) Algo muito comum nos filmes de ficção científica é o fato de os personagens não
flutuarem no interior das naves espaciais. Mesmo estando no espaço sideral, na ausência de campos
gravitacionais externos, eles se movem como se existisse uma força que os prendesse ao chão das
espaçonaves. Um filme que se preocupa com essa questão é 2001, uma odisséia no espaço, de Stanley
Kubrick. Nesse filme a gravidade é simulada pela rotação da estação espacial, que cria um peso efetivo
agindo sobre o astronauta. A estação espacial, em forma de cilindro oco, mostrada a seguir, gira com
velocidade angular constante de 0,2 rad/s em torno de um eixo horizontal E perpendicular à página.
O raio R da espaçonave é 40 m.
a) Calcule a velocidade tangencial do astronauta representado na figura.
b) Determine a força de reação que o chão da espaçonave aplica no astronauta que tem massa m  80 kg.
Resolução:
a) A velocidade tangencial é dada por:
v  R → v  0,2 ? 40 → v  8 m/s
b)
Como P = 0, pois estamos na ausência de campos gravitacionais, temos:
F N N
mv
R
N
N N
cp A A
A
A
 

?


2
2
80 8
40
128
N
A
P
8 m/s
128 N
70
97 (ENE/UB-RJ) Um veículo desloca-se com velocidade escalar constante de 10 m/s em uma curva
circular contida num plano horizontal. O raio da pista vale 40 m, o módulo da aceleração da gravidade
local é 10 m/s
2
, e o ângulo de inclinação da pista é de 45º. Para que o veículo possa efetuar a curva,
independentemente da força de atrito, qual a máxima velocidade possível?
Resolução:
45�
45�
P
F
cp
N
tg
F
P
m
v
R
mg
v Rg
v
v
v
cp
45 1
40 10
400
20
2
2
2
8  

 ?



m/ss
20 m/s
71
98 (Fuvest-SP) Um avião voa horizontalmente sobre o mar com velocidade v constante (a ser
determinada). Um passageiro, sentado próximo ao centro de massa do avião, observa que a superfície do suco
de laranja, que está em um copo sobre a bandeja fixa ao seu assento, permanece paralela ao plano da bandeja.
Estando junto à janela, e olhando numa direção perpendicular à da trajetória do avião, o passageiro nota que
a ponta da asa esquerda do avião tangencia a linha do horizonte, como mostra a figura A. O piloto anuncia
que, devido a um problema técnico, o avião fará uma curva de 180º para retornar ao ponto de partida. Durante
a curva, o avião se inclina para a esquerda, de um ângulo   30º, sem que haja alterações no módulo de sua
velocidade e na sua altura. O passageiro, olhando sempre na direção perpendicular à da velocidade do avião,
observa que a ponta da asa esquerda permanece durante toda a curva apontando para um pequeno rochedo
que aflora do mar, como representado na figura B. O passageiro também nota que a superfície do suco
permaneceu paralela à bandeja, e que o avião percorreu a trajetória semicircular de raio R (a ser determinado),
em 90 s. Percebe, então, que, com suas observações e alguns conhecimentos de Física que adquiriu no Ensino
Médio, pode estimar a altura e a velocidade do avião.
(Adote: r  3; sen 30º  0,5; cos 30º  0,86; tg 30º  0,6 
1
1,7
; aceleração da gravidade: g  10 m ? s
22
; as
distâncias envolvidas no problema são grandes em relação às dimensões do avião.)
céu
mar
asa esquerda
do avião
mar
rochedo
asa esquerda
do avião
a) Encontre uma relação entre v, R, g e , para a situação descrita.
b) Estime o valor da velocidade v do avião, em km/h ou m/s.
c) Estime o valor da altura H, acima do nível do mar, em metros, em que o avião estava voando.
Resolução:
30�
30�
rochedo
mar
H
R
R
c
P
S
S � Força de sustentação
P � Força peso
R
c
� Resultante centrípeta
a) tg
R
P
mv
tg
tg
c
2
    
 

| |
| |
)



R
mg
v
Rg
b
m R
mg
2
2
 ?  ? 

  
2 4
180 10
0 6
5 400
2
2
r r
T
R
g
R
R m
Como v R
( )
2
,
22 2 3
180
5 400 180
r
Τ

R então v
H
R
H

?
? 
8 
, m/s
c) tg 30  ? 8  ?

R
H m m
tg 30 5 400 0 6
3 240 3 200
,

180 m/s
3 200 m
tg  
v
Rg
2
72
99 Uma partícula descreve uma circunferência de raio R, partindo do repouso e em movimento
uniformemente variado. Os gráficos representam os módulos das componentes tangencial ( ) F

t
e
centrípeta ( ) F

cp
da força resultante sobre a partícula, em função da distância percorrida (d).
Calcule o raio R da circunferência descrita.
F
t
(N)
d (m) 0 1,0
2,0
F
1
(N)
d (m) 0 1,0
1,0
Resolução:
Dados: v
0
= 0
F
cp
= 1 N
F
t
= 2 N
d = 1 m
As componentes centrípeta e tangencial da força resultante têm módulos dados por:
F
mv
R
e F ma
cp t
 
2
1 2 ( ) ( )
Como o movimento é uniformemente variado, temos:
v v ad v ad
2
0
2 2
2 2 3    → ( )
Substituindo:
F
mv
R
F
m ad
R
F
Fd
R
R
R m
cp cp
cp
t
 


? ?

2
2
2
1
2 2 1
4

4 m

2 (UFMS) Sobre uma partícula em equilíbrio, apenas três forças atuam,
com intensidades e orientações representadas ao lado. É correto afirmar que: (01) a resultante das três forças é nula. Corretas 01, 04; soma  5 F2 F3 F1   . sen a sen b sen g (04) (F1)2  (F2)2  (F3)2  2(F2)(F3) cos β. (08) (F2)2  (F1)2  (F3)2 2 2(F1)(F3) cos γ. (16) as três forças não podem pertencer a um mesmo plano.
β

F2 α γ F3

F1

Resolução: (01) Correta. Como a partícula está em equilíbrio e, por definição, um corpo está em equilíbrio a quando sua aceleração vetorial é nula, então, como conseqüência da 2. lei de Newton → → → (Fres  m a ), a Fres é nula. (04) Correta. Para somarmos vetorialmente as forças F1, F2 e F3 , usamos a regra do paralelogramo:
F3

β

F2

F2

18

180

0

�β
F1

β γ F3

α

Onde F1 termina, coloca-se →2; onde F2; termina, coloca-se F3 . F → A resultante liga o final de F3 .ao começo de F1 , mas, como a partí→ cula está em equilíbrio, o final de F3 .deve coincidir com o começo → → → de F1; assim, com o triângulo fechado, Fres  0 . , No triângulo das forças podemos usar a lei dos cossenos: (F1)2  (F2)2  (F3)2 2 2(F2)(F3) cos (180 2 b) Como cos (180 2 b)  2 cos b (F1)2  (F2)2  (F3)2 2 2(F2)(F3) ? (2cos b)

(F1)2  (F2)2  (F3)2  2(F2)(F3) ? cos b

(08) Errada. O ângulo oposto a F1 é 180 2 b e não g. (16) Errada. Não há nada contra as três forças serem coplanares. Soma  5. 

3 (Unifor-CE) Três forças, de intensidades iguais a 5 N, orientam-se de acordo com o esquema ao lado. O módulo da força resultante das três, em newtons, é: a) 2,0 d) 7 b) 15 e) 5 c) 3,0

Resolução:
F2

Já que 5 N equivalem a 5 quadrados, temos: • Decompondo a força F3 nos eixos x e y: F3x  3 N e F3y  4 N • A resultante no eixo x é:
F1

Fres y

Fres Fres x

Fresx  F1 2 F3x  5 2 3  2 N Fres y  F2 2 F3y  5 2 4  1 N • A resultante total tem módulo: (Fres)2  (Fresx )2  (Fres y )2 (Fres)2  (2)2  (1)2 (Fres)2  4  1 (Fres)2  5 Fres  5 N

F3

4 (EsPCEx-SP) Sabendo que a  6 N e b  4 N, o módulo do vetor soma dos vetores a e b, que formam um ângulo de 60º entre si e atuam sobre um ponto material, vale: (Dados: considere sen 60º  0,87 e cos 60º  0,50.) c) 2 13 N e) 2 19 N a) 2 5 N b) 2 7 N d) 2 14 N Resolução:
b

b
→ →

s

� �a

b

120�

60�

60�

a

s a b Usando-se a lei dos cossenos: s 2  a 2  b2 2 2ab ? cos 1208 a 2 2 2 s  (6)  (4) 2 2 ? (6) ? (4) ? (2cos 608) s 2  36  16  48 ? 0, 5 s 2  36  16  24 s 2  76 s 2  4 ? 19 s  2 19 N

→ 

então Fres  0 . 5 (Unic-MT) A figura abaixo mostra uma configuração de forças sobre um sistema em repouso. a única maneira de Fres  0 é Fresx  0 e Fres y  0. Como (Fres)2  (Fresx )2  (Fres y )2. y F1 → → F2 θ1 0 F3 → θ2 x A resultante das forças. vale: a) F1 ? sen 1  F2 ? sen 2 2 F3  0 b) 2F1 ? cos 1  F2 ? cos 2  0 c) F1 ? sen 1  F2 ? sen 2  F3  0 d) F1 ? cos 1  F2 ? cos 2 2 F3  0 e) F1 ? cos 1  F2 ? cos 2  F3  0 Resolução: y F1 θ1 F1x → → F1y 0 F3 → → F2y θ2 F2x → → F2 → x Decompondo:  F1  F1 ? cos 1 F1  x  F1y  F1 ? sen 1 F2  F2 ? cos 2  F2  x  F2y  F2 ? sen 2 → O sistema está em repouso. na vertical. Então: Fres y  F1y  F2y 2 F3 0  F1 ? sen 1  F2 ? sen 2 2 F3 →  .

8 6 (FMJ-SP) Três forças horizontais atuam simultaneamente sobre o centro de massa de um corpo e variam em função do tempo conforme figuras: F1 F2 F3 t t t O gráfico da força resultante sobre o corpo em função do tempo está representado na alternativa: a) Fres c) Fres e) Fres t t t b) Fres d) t Fres t Resolução: De 0 até t1: F3 0 F1 t1 F2 Força resultante: Fres t t1 F2 De t1 até t2: F1 F3 t2 t t2 De t2 até t3: F1 F3 F2 t3 t t3 F2 De t3 até t4: F1 F3 t4 t t4 F3 F1 t F2 t5 De t4 até t5: 0 t1 t2 t3 t4 t5 t  . p.

Resolução: a) Como Fres  m a . d) Se a massa de um bloco que desliza é de algum modo triplicada. a) Como a direção da aceleração se relaciona com a direção da força resultante que lhe deu origem? b) Se a força resultante que atua sobre um bloco que desliza é de algum modo triplicada.  . responda: a) Mais precisamente. em quanto diminui a aceleração? Diminui três vezes. p. F b) Fres  ma 1 → a 1  res m 3 Fres 3 Fres  ma 2 → a 2   3a 1 m A aceleração aumenta três vezes. a direção de Fres e a direção de a são iguais. b) Também aumenta. em quanto cresce a aceleração? Aumenta três vezes. → → → → 8 Sobre massa e peso. responda: As direções são iguais. 15 7 Em relação à 2a lei de Newton. uma pessoa fazendo dieta perde massa ou perde peso? b) O que acontece ao seu peso quando sua massa aumenta? Resolução: a) Perde massa. c) Se a massa de um bloco que desliza é triplicada enquanto se mantém constante a força resultante aplicada. como se compara a aceleração produzida assim com a aceleração original? As acelerações são iguais. F d) Fres  ma 1 → a 1  res m 3 Fres F 3 Fres  3 ma 2 → a 2   res  a 1 3m m As acelerações são iguais. F c) Fres  ma 1 → a 1  res m F a Fres  3 ma 2 → a 2  res  1 3m 3 A aceleração dim inui três vezes. ao mesmo tempo que a força resultante sobre si é triplicada também.

na ausência de uma força resultante. não há alteração do movimento.  . continua em MRU. na ausência de uma força resultante. d) As leis de Newton só são válidas para fenômenos físicos observados com relação a referenciais que tenham aceleração não-nula (referenciais não-inerciais). e) As leis de Newton são válidas para fenômenos físicos observados com relação a referenciais que tenham aceleração nula (referenciais inerciais). 10 (Uespi-PI) Com relação às leis de Newton da mecânica clássica. diferentes. ou seja. A massa é uma medida da inércia de um corpo. ou seja. temos um referencial não-inercial. c) A terceira lei de Newton afirma que. As forças de ação e reação nunca resultam numa força total nula. As leis de Newton são válidas apenas para referenciais inerciais. a força de ação é de mesmo módulo e sentido oposto à força de reação. referencial fixo. → → a b) Errada. Resolução: a a) Errada. mas a aceleração é uma medida da variação da rapidez (velocidade) do corpo. lei de Newton afirma que. mas. A 1. b) A segunda lei de Newton afirma que a força resultante que atua num dado corpo em movimento retilíneo é igual ao produto da sua inércia por sua rapidez. se já estiver em movimento. A 2. 9 O que são referenciais inerciais e não-inerciais? Resolução: Referencial inercial é aquele que não possui aceleração. na interação entre dois corpos. resultando numa força total nula em cada um desses corpos. não há movimento. continua em repouso. d) Errada. a) A primeira lei de Newton afirma que. e) Correta. é considerada um referencial inercial. se o móvel está em repouso. lei de Newton diz que Fres  m a . A Terra. Do contrário. Alternativa e. pois atuam em dois corpos distintos. assinale a alternativa correta. para efeito desse estudo. c) Errada.

 . o princípio de conservação da massa é válido nesse caso. na popa do barco. c) ele viola o princípio da conservação da massa. 11 (UFPel-RS) Um pescador possui um barco a vela que é utilizado para passeios turísticos. c) (Falsa) Não. d) as forças que estão aplicadas no barco formam um sistema cuja resultante é nula. e) (Falsa) Alternativa d. com o objetivo de produzir vento artificialmente. na água. d) (Verdadeira) A resultante das forças que estão aplicadas no barco é nula. esse pescador não conseguia realizar seus passeios. Tentando superar tal dificuldade. instalou. Resolução: a) (Falsa) A força de ação atua no vento e a reação. O invento não funcionou! A razão para o não funcionamento desse invento é que: a) a força de ação atua na vela e a de reação. no ventilador. um enorme ventilador voltado para a vela. Na primeira oportunidade em que utilizou seu invento. o pescador percebeu que o barco não se movia como era por ele esperado. no ventilador. b) a força de ação atua no ventilador e a de reação. Em dias sem vento. e) ele não produziu vento com velocidade suficiente para movimentar o barco. b) (Falsa) Vide item a.

em movimento retilíneo uniformemente variado. Sendo m  2. vem: FR  ma → FR  2 ? 14 ⇒ FR  28 N 12 (UFPE) Um objeto de 2.0 ? 103 N b) 4. lei de Newton: PFD: FR  ma FR  500 ? 4. Se a massa do conjunto piloto  moto é de 500 kg.0t2  3. em N: a) 10 c) 19 e) 35 b) 17 d) 28 Resolução: Comparando a função horária do MUV com a do objeto em questão. 0t  7.0t  5.0 ? 102 N d) 2.0 m/s2 Como a trajetória é retilínea. pode-se concluir que o módulo da força resultante sobre o conjunto é: c) 8.0 kg descreve uma trajetória retilínea que obedece à equação horária 13 (Fatec-SP) Uma motocicleta sofre aumento de velocidade de 10 m/s para 30 m/s enquanto percorre. 16 s  7. 0  3. p.0 ? 103 N a) 2.0 ? 102 N Resolução: Sendo o movimento uniformemente variado. temos: 0 v2 = v2 + 2gDs (equação de Torricelli) (30)2  (10)2  2g ? 100 900  100  200g g  4. em que s é medido em metros e t. a aceleração vetorial tem módulo igual ao da aceleração escalar: a  g  4. em segundos.0. obtemos : s  s0  v0t  a t 2  a  2  7 → a  14 m/s 2  2 2 s  5.0 ? 102 N e) 4.0 ? 103 N  . 0t  . 0 kg.0 m/s2 a A força resultante que age no conjunto piloto  moto é dada pela 2. a distância de 100 m.0 (N) FR  2. O módulo da força resultante que está atuando sobre o objeto é.

é → F Fx  F ? cos  → Fx  28 ? 0. determine: a) a aceleração do bloco.71 → Fx  20 N b) FR  ma → Fx  ma → 20  40a → a  0. 21 m/s2 b) a força resultante sobre o bloco. Considerando que o bloco se move sobre uma superfície horizontal. Sendo   45º o ângulo formado entre a haste do cortador de grama e o plano horizontal. determine: (Dado: cos 45º  0. 0. cuja massa é de 40 kg. 210 N Resolução: v0 � 10 m/s FR v0 � 0 a) v  v0  at → 0  10  a ? 10 → 10a  210 → a  21 m/s2 b) FR  ma → FR  10(21) → FR  210 N empurrado com uma força F.) → a) a componente da força F que desloca o cortador de grama para a frente.  20 N b) a aceleração adquirida pelo cortador.71. 14 (UFV-MG) A velocidade de um bloco de 10 kg é reduzida uniformemente de 10 m/s até o repouso em 10 s.5 m/s2 Resolução: → a) Decompondo F na direção do movimento: a Fx � � 15 (Fameca-SP) Um cortador de grama.5 m/s2 0 . de módulo constante e igual a 28 N.

→  . como ilustra a figura. O movimento do trem é uniformemente retardado. o trem está uniformemente retardado. a) Determine a direção e o sentido da aceleração do trem em relação à Terra. A mola encontrase comprimida. a De acordo com a 2. Em relação à Terra. deslocando-se para a direita. pois sua velocidade tem sentido oposto ao da sua aceleração. que está apoiada no piso horizontal de um dos vagões. lei de Newton: → dir f  dir → a  → → → →  f  m a sentido f  sentido a → | f |  m | → | a  Portanto. b) Verifique se o trem está se deslocando em relação à Terra com movimento uniformemente acelerado ou retardado. 16 (UFRJ) Um trem está se deslocando para a direita sobre trilhos retilíneos e horizontais. com relação ao → → trilhos. é mantida em repouso em relação ao vagão por uma mola colocada entre ela e a parede frontal. justificando sua resposta. b) A aceleração e a velocidade do trem têm sentidos opostos. sentido do movimento do trem em relação à Terra Suponha desprezível o atrito entre a esfera e o piso do vagão. em cada instante. com movimento uniformemente variado em relação à Terra. a mesma velocidade v e a mesma aceleração a do trem. ela possui. → Como a mola está comprimida. Horizontal e para a esquerda. Uma esfera metálica. a aceleração a do trem em relação aos trilhos é horizontal e para a esquerda. a força f que ela exerce sobre a esfera é horizontal e para a esquerda. Resolução: a) Se a esfera está em repouso em relação ao vagão.

0 resultante em uma partícula em função do módulo de sua aceleração. o 2. obtemos:  FR  15 N FR  ma → 15  m ? 5 → m  3 kg Sendo g  10 m/s 2: P  mg → P  3 ? 10 → P  30 N F (N) 15. 0 5.) b) A resolução baseou-se nos princípios: o 1. a) Calcule a força média exercida pela barreira sobre a locomotiva. de mesma direção e intensidade. 17 (Unip-SP) O gráfico ao lado representa a intensidade da força Sendo g  10 m/s2.0 a (m/s2) 72 km/h. Resolução: Esquema: v0 � 20 m/s v0 � 20 m/s 2 � �t � 5 s 18 Uma locomotiva de massa igual a 5 ? 104 kg corre sobre trilhos retos e horizontais com velocidade de a) Cálculo da aceleração: v  v0  at → 10  20  a ? 5 a  22 m/s2 Cálculo da força exercida pela barreira: F  ma → F  5 ? 104(22) F  21 ? 105 N (A força que a barreira exerce na locomotiva tem sentido contrário ao movimento da locomotiva. Sem que o maquinista acione qualquer comando. Princípio fundamental da Dinâmica e princípio da ação e reação.  . ela vence a barreira em 5 s. o peso da partícula tem intensidade igual a: a) 10 N d) 40 N b) 20 N e) 50 N c) 30 N Resolução: a  5 m/s 2 Do gráfico. Em dado momento ela enfrenta uma obstrução na linha devido a um desabamento do barranco. reduzindo sua velocidade à metade. 21 ? 105 N b) Explique os princípios físicos envolvidos. ) Princípio da ação e reação Se a locomotiva exerce uma força sobre a barreira. mas de sentido contrário. ) Princípio fundamental da Dinâmica FR  ma → → → FR é a resultante das forças que a barreira exerce na locomotiva. esta reage e exerce uma força sobre a locomotiva.

(04) Errada.. (04) O kgf (quilograma-força) e o kg (quilograma) são unidades de grandezas diferentes pertencentes ao mesmo sistema de unidade. (08) Correta. isso significa que o ônibus foi mais rapidamente para a frente. (02) Errada. Peso e massa são grandezas diretamente proporcionais.  . peso e massa são grandezas inversamente proporcionais. d) O ônibus iniciou uma curva fechada à direita ou à esquerda. soma  41 (01) A massa de um corpo é a medida de sua inércia. Alternativa c. portanto grandeza vetorial. (32) Correta. Soma  41. 32.I. cuja constante é g. Resolução: (01) Correta. (08) O peso de um corpo pode variar de um ponto a outro na Terra. Peso é força. (32) O peso de um corpo é uma grandeza vetorial. é o newton (N) e não o kgf. assinale o que for correto. c) O motorista pisou fundo no acelerador.I. 19 (UEM-PR) Das afirmativas abaixo. (16) Em um mesmo lugar na Terra. 08. enquanto a unidade de força no S. (02) A massa de um corpo pode variar de um ponto a outro na Terra. e como qualquer corpo tem a tendência de manter seu movimento. O kg é a unidade de massa no S. b) O ônibus deve ter sofrido uma colisão frontal. Baseando-se na Segunda Lei de Newton. Resolução: Se você foi impelido para trás enquanto o ônibus acelerava. 20 (Unifei-SP) Você está de pé num ônibus em movimento e subitamente sente que está sendo impelido para trás. você pode afirmar que: a) O motorista do ônibus pisou firmemente no freio e o ônibus é desacelerado. (16) Errada. Corretas: 01.

A aceleração e a força resultante são nulas. Resolução: a) N b) Normal. a) Trace os vetores-força para todas as forças que atuam na pedra. c) Se a pedra está em repouso. uma pedra está suspensa em repouso por um barbante. Resolução: a) N (força de tração) P (força peso) b) Sim. tanto a aceleração quanto a força resultante sobre ela são nulas. de modo que a resultante sobre a pedra seja nula. b) Qual é o nome convencional do vetor que você deve desenhar? Normal. b) Seus vetores deveriam ter uma resultante nula? Sim. p. 23 21 Uma pedra é mostrada em repouso sobre o chão. 22 Aqui. c) Justifique sua resposta em qualquer caso. mostrando o outro vetor com o qual o peso se combina. a) O vetor ilustra o peso da pedra. Complete o diagrama vetorial.  .

) Resolução: a) N1 N2 P b) N2 N1 R P  . Dica 2: Esteja certo de que o que desenhou são as forças que atuam sobre a pedra. a) Identifique as forças que atuam nela e desenhe os vetores-força adequados. b) Mostre que é nula a força resultante sobre a pedra. interagindo tanto com a superfície da rampa como com o bloco. e não aquelas que a pedra aplica nas superfícies. b) Usando a regra do paralelogramo. 23 Aqui. (Dica 1: Há duas forças normais sobre a pedra. construa a força resultante sobre a pedra (cuidadosamente mostrando que ela tem direção paralela à rampa 2 a mesma direção e sentido da aceleração da pedra). Resolução: a) N P b) N a R P 24 Aqui. a pedra está em repouso. a) Identifique todas as forças que atuam na pedra e desenhe os vetoresforça adequados. a pedra está rolando para baixo numa rampa sem atrito.

sobre uma superfície horizontal sem atrito. Se a mão mantém uma tensão de 30 N no barbante que puxa. de quanto é a tensão nos outros dois barbantes? T1  20 N e T2  10 N Resolução: N3 C P3 T2 T2 B P2 N2 T1 T1 A P1 N1 30 N Fres  ma  Como o movimento dos corpos é horizontal  x Fres y  0  A: 30 2 T1  ma  B: T1 2 T2  ma T2  ma C:   30  3ma 30  a 3m 10  a m C: T2  ma  m ? 10 → T2  10 N m B: T1 2 T2  ma T1 2 10  m ? 10 m T1 2 10  10 T1  10  10 → T1  20 N  . como mostra a figura. 25 Três blocos idênticos são puxados.

200 N ou algum outro valor? (Dica: Ele marcaria algo diferente se uma das cordas fosse fixada a uma parede em vez do peso de 100 N?) 100 N Resolução: T2 T1 Os dois pesos estão parados. O dinamômetro marca 0. 100 N. 26 Dois pesos de 100 N são atados a um dinamômetro. O dinamômetro marca T2  100 N.  . como mostrado na ilustração. então: 100 2 T1  0 → T1  100 N T2 2 100  0 → T2  100 N T1 T2 No dinamômetro T2 � 100 N T1 � 100 N T1 atado ao dinamômetro faz com que este não saia do lugar.

conforme indicado na figura. aplicada no corpo A. Sabendo-se que a massa de A é o dobro da massa de B. através da aplicação de uma força F. 27 (UFPE/UFRPE) Um bloco de 1. em newtons. (Use g  10 m/s2. temos: F → 30° N → Fsen 30° 30° → P O bloco está em equilíbrio na direção vertical: N 2 Fsen(308) 2 P  0 ou N  mg  Fsen(308) N  1.2 ? 10  10 ? 0. de módulo 10 N.) 17 N Resolução: Esquematizando as forças verticais. a força que o corpo B exerce no corpo A tem intensidade F → B a) F 4 b) F 3 Resolução: NA F → c) F 2 d) 2F 3 mB  m mA  2m e) F NB B A FBA FBA PA A → → PB Movimento horizontal: Fresx  ma Fres y  0 F 2 FBA  m A a F 2 FBA  2ma    FBA  mBa  FBA  ma  F  2ma  ma F  3ma a F 3m F FBA B FBA Como FBA  ma → FBA  m ? F → FBA  F 3 3m  .5 → N  12  5 → N  17 N 28 (Unifor-CE) Sobre uma pista horizontal de atrito desprezível. de intensidade F.2 kg é empurrado F → sobre uma → superfície horizontal. A estão deslizando os corpos A e B com aceleração provocada pela → força horizontal F. Calcule o módulo da força normal exercida pela superfície sobre o bloco.

Se a aceleração do planador for maior que a do avião.5 m/s2. Assim: aA  aP A força FA de empuxo do motor do avião deve ser suficiente para puxar tanto o avião quanto o planador. T a força que atua no cabo que une o avião ao → planador e a p a aceleração do planador. FA  T c) aA  ap. pode-se afirmar que: aA ap T T FA a) aA  ap.5 (N) F  70 N a 2) 2. de modo que uma única pessoa. 30 (FGV-SP) Dois carrinhos de supermercado podem ser acoplados um ao outro por meio de uma pequena corrente. FA  T e) aA  ap. Sendo o piso plano e as forças de atrito desprezíveis. F A a → → força de empuxo do motor do avião. o cabo se rompe. ao invés de empurrar dois carrinhos separadamente. o módulo da força F e o da força de tração na corrente são. FA  T b) aA  ap. FA  T Resolução: Se a aceleração do avião for maior que a aceleração do planador. 29 (Ufla-MG) Um avião ligado a um planador por um cabo inextensível e de massa desprezível (figura → abaixo) acelera ao longo de uma pista para alçar vôo. respectivamente: a) 70 e 20 c) 70 e 50 e) 60 e 50 b) 70 e 40 d) 60 e 20 Resolução: A F → → B T → a 1) 2. A força que atua no cabo que une o avião ao planador deve puxar apenas o planador. Alternativa a. em N. lei de Newton (A  B): F  (mA  mB)a F  (40  100) 0. Considerando o avião mais pesado que o planador.5 (N) T  50 N  . o planador bate no avião. Um cliente aplica uma força horizontal de intensidade F. assim FA  T. FA  T d) aA  ap. a A a aceleração do avião. lei de Newton (B): T  mBa T 100 ? 0. possa puxar o conjunto pelo interior do supermercado. sobre o carrinho da frente. dando ao conjunto uma aceleração de intensidade 0.

9 m/s2 Resolução: Esquema de forças no corpo e no cabo: F Tmáx a → F → corpo cabo de aço mg 2F Tmáx  2F   → Tmáx  2m(a máx  g) F 2 mg  ma máx  T a máx  máx 2 g  950 2 10  9 m/s 2 2m 50 0 . Com base na 2a lei de Newton. justifique o fato observado. carrinhos. porém. mesas. sem romper o cabo de aço. O cabo de aço se romperá se for submetido a uma força maior do que 950 N. roldanas e fios são idênticos. a aceleração do segundo carrinho é maior. em m/s2. 31 (Vunesp-SP) Nas duas situações mostradas nas figuras. aplicada em uma corda inextensível e de massa desprezível. P a1  e a2  P m1  m2 m1 Resolução: Figura 1 m1 Figura 1 m1 m2 m2 P Figura 2 m1 Figura 2 m1 F�P F�P P P  (m1  m2)a 1 P a1  m1  m2 P  m1a 2 1 2 P a2  2 m1 1 32 (UFPE) Um corpo de massa 25 kg está sendo içado por uma força vertical F. que puxando o fio (figura 2) com → → uma força F igual ao peso P do corpo dependurado (figura 1). Calcule a aceleração máxima que o corpo pode atingir. A corda passa através de uma roldana de massa também desprezível. Observa-se. que está presa ao teto por um cabo de aço.

0 kg e 2. N e P valem. As massas dos corpos M. Determine a intensidade da força que N exerce em M. 25 33 Na montagem representada no esquema abaixo não há atrito nem resistência do ar e a polia e o fio são considerados ideais.0 kg e a aceleração da gravidade é de 10 m/s2. 6 N M N Resolução: Isolando os corpos: NM a NN T P T M f f N P a PM PN PP M: T 2 f  mMa   N: f  mNa  () P: Pp 2 T  mpa   Pp  (mM  mN  mp) a → 20  10 a → a  2 m/s 2 Da 2. 3. p.0 kg. 5.a equação: f  mNa → f  3 ? 2 → f  6 N  . respectivamente.

São também desprezíveis os atritos entre os blocos 2 e 3 e a superfície horizontal na qual estão apoiados. Os fios e a roldana são ideais e são desprezíveis os atritos no eixo da roldana. Após alguns instantes. Os três blocos têm massas iguais. a aceleração do bloco 1 passa a ter um módulo igual a a9. 3 2 1 O sistema parte do repouso e o bloco 1 adquire uma aceleração de módulo igual a a. o corpo 3 continua em MRU. e os blocos 1 e 2 adquirem aceleração a9 dada por: Enquanto o fio não se rompe: bloco 1: P1 2 T1  ma  bloco 2: T1 2 T2  ma  bloco 3:  T2  ma  P1  3ma mg  3ma mg a 3m g a 3 bloco 1: P1 2 T  ma9  bloco 2:  T  ma9 P1  2ma9 mg  2ma9 mg  a9 2m g a9  2 g a9  2  g ? 3 a g 2 g 3 a9  3 a 2  . 3 a 2 Resolução: m1  m2  m3  m N3 N2 N3 T2 T2 T1 T T1 P3 P2 P3 P1 � mg P1 P2 T N2 Após o rompimento do fio. A partir de então. Calcule a razão a9 . rompe-se o fio que liga os blocos 2 e 3. que une os blocos 2 e 3. 34 (UFRJ) O sistema representado na figura é abandonado sem velocidade inicial.

externas atuando sobre o peixe são seu peso P e a força T exercida pela balança. a) Fazendo o balanço de forças, verifique em qual das situações o peso aparente do peixe é maior que seu peso real: quando o elevador está acelerando com aceleração para baixo ou para cima? Para cima. b) Qual o peso aparente do peixe se o cabo que sustenta o elevador se romper? Zero. Resolução: a) A força exercida pela balança (T) é o peso aparente do peixe: → → Se a for para baixo Se a for para cima T P 2 T  ma T 2 P  ma PT TP P T  P se a aceleração for para cima. b) Se o cabo se romper, o elevador cai com a  g. Então sobre o peixe: P 2 T  mg 2T  mg 2 P T  P 2 mg  mg 2 mg T0

35 (Unesp-SP) Uma pessoa pesa um peixe em uma balança presa no teto de um elevador. As forças 

36 (Mack-SP) O sistema ilustrado ao lado é constituído de fios e

polias considerados ideais. O atrito é desprezível, bem como a resistência do ar. Num determinado instante, o conjunto é mantido em repouso e, em seguida, abandonado. Nessas condições, podemos afirmar que: a) os corpos A e B permanecerão em repouso. b) o corpo A subirá com aceleração de módulo igual a 1 do módulo da 8 aceleração com que o corpo B descerá. c) o corpo A descerá com aceleração de módulo igual a 1 do módulo da 8 aceleração com que o corpo B subirá. d) o corpo A subirá com aceleração de módulo igual a 1 do módulo da 6 aceleração com que o corpo B descerá. e) o corpo A descerá com aceleração de módulo igual a 1 do módulo da 6 aceleração com que o corpo B subirá. Resolução: Para a análise do sistema, temos as seguintes forças aplicadas:

T 8

T 8

T 8

T 4 T 4 T 4

PA � 150 N

T 2 T 2 T 2

Para o sistema permanecer em equilíbrio: T  PB  → PB  8PA T  8  PA  Como essa condição é satisfeita pelos dados do problema, os corpos A e B permanecem em equilíbrio. Alternativa a.

T T

PB � 1 200 N 

37 (UFG-GO) Um elevador E de polia móvel é utilizado numa construção para

subida e descida de material. Um motor M de força máxima igual a 8 250 N movimenta o elevador através de um cabo flexível e de massa desprezível. A massa do elevador vazio é de 600 kg. Coloca-se uma carga de 500 kg dentro do elevador. Qual deve ser o valor teórico da aceleração do elevador (módulo e sentido) quando o motor utilizar: a) sua força máxima? 5 m/s2 subindo b) a metade de sua força máxima? 22,5 m/s2 descendo Resolução: a)
T M E P T T

T

T

2T 2T a

Levando-se em consideração as hipóteses simplificadoras citadas no enunciado da questão, temos que a tensão (força) em qualquer ponto do cabo é a mesma em módulo. Isolando o elevador: T  Fmáx  8 250 N a Pela 2. lei de Newton, 2T 2 1 100 g  1 100a (1). Substituindo T e g em (1) e explicitando a aceleração a: 2 ? 8 250 2 11 000  1 100a a  5,0 m/s2 (O elevador está subindo.) b) T9  Fm á x → 2T9 2 1 100g  1 100 a9. 2

Substituindo T9 e g e explicitando a aceleração a9: 8 250 2 11 000  1 100a9 → a9  22,5 m/s2 (O elevador está descendo.) 

suspensa por um barbante que suporta. c) subir com aceleração maior que 2.6  0.2 m/s2. se a aceleração for para cima. o barbante arrebentará se o elevador tiver aceleração para cima maior que 2.0 m/s2. Alternativa c. no máximo. 6  a máx 0. Descer significa velocidade para baixo.0 m/s2 Assim.5 m/s2. o 38 (Mack-SP) Um rapaz entra em um elevador que está parado no 5.0 m/s2. e) subir ou descer com aceleração maior que 2.de um edifício de 10 andares. Estando a caixa em repouso com relação ao elevador. andar  . o elevador estará descendo e freando.0 m/s2.8 ? 10  8 N T  P: aceleração é para cima Tmáx 2 P  mamáx 9. d) subir com aceleração maior que 1. Resolução: mcaixa  800 g  0. b) descer com aceleração maior que 1.2 m/s2. como mostra a figura.8 kg Pcaixa  mg  0. Observação: o elevador pode ter aceleração para cima e estar descendo. a tração de 9.8 ? amáx 1.8 amáx 1. o barbante arrebentará somente se o elevador: (Adote: g  10 m/s2.6 2 8  0. 8 amáx  2.) a) descer com aceleração maior que 2. carregando uma caixa de 800 g.6 N.

que a aceleração da gravidade vale 10 m/s2 e que sen 45°  cos 45°  2 . 26 39 (Faap-SP) Uma pequena esfera de massa m está presa por meio de um fio ao teto de um vagão de metrô que. p. 40 (UFAL) O passageiro de um trem verifica que. os dois catetos têm a mesma medida. Fres  P ma  mg a  g  10 m/s2  . movimento 45° o fio de um pêndulo preso ao teto do vagão forma. se aproxima de uma estação. então Fres tem o sentido para a esquerda ( II • De t2 a t3 ( o vagão está parado na estação. de acordo com o gráfico. Considere três possíveis inclinações do fio que prende a esfera (visto por um observador em repouso em relação ao solo terrestre): v 0 t1 t2 t3 t (I) (II) (III) Intervalo de tempo a) 0 a t1 I III I I II t1 a t2 III II II III I t2 a t3 II I I I III A correspondência correta entre as inclinações com os intervalos de tempo é: b) c) d) Resolução: T T Fres Fres T e) movimento do vagão P P P • De 0 a t1 ( a velocidade é constante. então Fres  0 ( I Alternativa c. calcule a aceleração do trem. até parar na estação. Assim. 10 m/s2 Resolução: T 45° P Fres O triângulo das forças é retângulo isósceles. em metros por segundo 2 ao quadrado. então Fres  0 ( I • De t1 a t2 ( a velocidade diminui. um ângulo de 45º. O módulo da velocidade do vagão varia com o tempo. com a vertical. Sabendo que os trilhos são horizontais. horizontal e para a direita. em movimento retilíneo. num determinado instante.

Nessas condições. NÃO dependendo da massa do corpo. 31 42 (Ufop-MG) Uma partícula com massa m desliza sobre uma rampa sem atrito. Analise os gráficos a seguir e responda qual é o par que melhor representa. Dt1 Sendo assim. como mostra a figura. um plano inclinado depende exclusivamente da aceleração da gravidade local e do ângulo de inclinação. o intervalo de tempo gasto por m ou por 2m será o mesmo. p. o gráfico III é o da velocidade (v  g sen at) e o gráfico I é o da aceleração (a  g ? sen a). Ela parte do repouso do ponto A e vai do ponto B ao ponto C no intervalo de tempo Dt1. determine a razão entre os intervalos de tempo Dt1 e Dt2. Uma partícula com massa 2m. resultando  1. Dt 1 1 Dt 2 Resolução: A B C α A B C α Sabemos que a aceleração de um corpo que desce. a velocidade e a aceleração do bloco em função do tempo: a) III e I b) I e IV c) II e I d) II e IV e) II e III Resolução: O bloco desce o plano em movimento uniformemente variado (MUV) de aceleração constante o (a  g ? sen a) e cuja função da velocidade é v  v0  at (função de 1. em módulo. 30 41 (UFAM) Considere o movimento de um bloco abandonado num plano inclinado no instante t  0. respectivamente. Alternativa a. grau). sem atrito. Então. partindo do repouso do ponto A irá do ponto B ao ponto C no intervalo de tempo Dt2. Dt 2  . p.

cos   0. 5  2 → Dx  4 m Dx Dx Portanto.P 43 (UEFS-BA) Um corpo de massa igual a 5.0 m 30° Q Desprezando-se o atrito e a resistência do ar e considerando-se o módulo da aceleração da gravidade local igual a 10 m/s2. o intervalo de tempo gasto pelo bloco para percorrer Dx será: 0 0 S  S0  v0t  1 at 2 → 4  1 ? 5 ? t 2 → 8  5t 2 2 2 8 → t 2  1.0 c) 8. 5. pode-se afirmar que o bloco atingirá o ponto Q com velocidade de módulo igual.5 e) 10 2 b) 50 d) 10. Sendo sen   0.0 Resolução: O bloco desce o plano com aceleração: a  g ? sen 308 → a  10 ? 0.58.87 e tg   0. conforme figura abaixo. a: a) 5. 26 s 2 t  5  . determine o tempo gasto pelo bloco para percorrer essa distância.)  1. conforme a figura.5 → a  5 m/s2 A distância Dx percorrida pelo bloco é dada por: 2m ∆x θ sen   2 → 0. inclinada de  em relação à horizontal. 6  1. ∆x 2m θ O bloco escorrega do topo à base do plano com uma aceleração constante. (Adote g  10 m/s2. 44 Um corpo se encontra inicialmente em repouso sobre uma superfície lisa. 5  5 → Ds  10 m Ds Ds A velocidade do bloco pode ser calculada pela equação de Torricelli: r 2 v 2  v0  2aDs → v 2  2 ? 5 ? 10 → v 2  100 0 Logo. 6 → t  1. 5 → a  5 m/s 2 O espaço percorrido é dado por: sen 308  5 → 0.0 kg é abandonado no ponto P de um plano inclinado. em m/s.26 s Resolução: Aceleração do bloco ao descer o plano inclinado sem atrito é: a  g ? sen  → a  10 ? 0. v  10 m/s.5.

5 m sen a  0. a uma altura de 1.0 m de comprimento.) 200 N Resolução: N F Px α Py Podemos calcular o sen a no triângulo retângulo: 3. 45 (UERJ) O carregador deseja levar um bloco de 400 N de peso até a carroceria do caminhão. utilizando-se de um plano inclinado de 3. (Despreze o atrito.5 F  200 N 0 . conforme a figura: Determine a força mínima com que o carregador deve puxar o bloco.5 α A mínima força deve satisfazer a condição: FR  0 (Mv) FR  0 → F 2 Px  0 → F  Px  P ? sen a F  400 ? 0.0 m 1. enquanto este sobe a rampa.5 m.

em newtons: a) 2.0 kg e a aceleração local de gravidade é 10 m/s2. Nessas condições.0 kg e mB  3. 46 (Unifor-CE) Uma força F.0 c) 15 e) 25 b) 12 d) 20 Resolução: As forças atuantes no sistema são: Como o sistema sobe a rampa:    B: F 2 T 2 PBx  mBa   F 2 PA x 2 PBx  (m A  mB)a A: T 2 PA x  m A a 30 2 10 2 15  5a 5a  5 → a  1 m/s 2 Voltando à primeira equação: T 2 10  2 ? 1 → T  12 N NA T PA T NB F → PB x PB x y PB PA PA y  . F B → → A 30° As massas dos corpos são mA  2. a tração no fio que une A a B vale. puxa os corpos A e B sobre um plano inclinado de atrito desprezível. de intensidade 30 N.

0 e) 20 c) 8. o seu peso deve ser.0  2.80.0 m/s2.0 kg → PB  mBg  10 N  .0 mB  1. sen 37º  0.0  mB)2.0 ? 10 ? 0. que tem suas extremidades presas aos A B 37° a A PA a B PB 37° a 2.0 10mB 2 6.corpos A e B.60 e cos 37º  0.0 kg.0mB 8. suposto sem atrito. de massa 1. está apoiado num plano inclinado de 37º com a horizontal.0  2.0 Resolução: 47 (Fatec-SP) Um fio. O corpo A. (Adote g  10 m/s2.0 d) 10 b) 6.0mB  8.) Para o corpo B descer com aceleração de 2. em newtons: a) 2.60  (1. lei de Newton (A  B) PB 2 PA  (mA  mB)a PB 2 mAg ? sen 378  (mA  mB)a mB ? 10 2 1. passa por uma roldana sem atrito e de massa desprezível.

que passa por uma polia sem atrito. sem peso.   arc sen 3 Resolução: Representando os vetores: NA T A PA x T B NB PA 30° y PB PB x y θ Na condição de equilíbrio (FR = 0). podemos escrever: A Px 2 T  0 → Px  T → PA ? sen 308  T A A B Px 2 T  0 → Px  T → PB ? sen   T B B PA ? sen 308  PB ? sen  20  30 ? sen  → sen   2 3   428 (usando uma tabela ou uma calculadora) PA ? 1  T → T  40 ? 1  20 N 2 2  . A B 30° θ 2 ( 428). respectivamente. 20 N Determinar o ângulo  e a tensão na corda quando houver equilíbrio. 48 (IME-RJ) Na figura a seguir os objetos A e B pesam. 40 N e 30 N e estão apoiados sobre planos lisos. ligados entre si por uma corda inextensível.

no instante t2. então a velocidade é para baixo ↓. Alternativa c. estão corretamente representadas. (t1) (t2) (t3) Assinale a alternativa na qual a força resultante (F). em t3 a bola sobe. a única força que age na bola é a força peso. a bola encontra-se em movimento descendente. o chão exerce força sobre a bola. vertical para baixo ↓. ela atinge o solo e. Já em t1 a bola desce. mas. enquanto a bola está no ar. então a velocidade é para cima ↑. no instante t3. e a aceleração é a da gravidade. → a) c) F v → a F → → v → a → v → a F → → v → a F → → (t1) (t3) F → (t1) (t3) b) v → d) a → a F → → v → v → a F → → v → a F → → (t1) (t3) (t1) (t3) Resolução: Durante o choque com o solo. a velocidade (v) e a aceleração (a) da bola. vertical para baixo ↓.  . p. 35 49 (UFU-MG) Na seqüência abaixo estão representados três instantes do movimento de queda livre de uma bola de borracha: no instante t1. a bola desloca-se no sentido contrário ao seu sentido inicial (movimento ascendente). nos instantes t1 e t3.

10 Situação 3 → x2  .0  20 2 10  10 cm  0. p.05 m Fel2 P1 Fel  P2 2 kx2  M2g k ? 0. 36 50 (UFMA) A figura abaixo apresenta um conjunto de três molas idênticas. pode-se afirmar que a massa M2 em relação à massa M1 vale: (Dados: L0  10 cm. 05 0.1 2 . 05 M1  →  M 2 → M 2  1 M1 0.) a) M 2  1 M1 d) M 2  1 M1 5 2 1M 1M b) M 2  e) M 2  3 1 6 1 c) M 2  1 M1 4 �0 �1 �2 g M2 M1 Resolução: Situação 2 → x1  . Observando a figura e usando os dados ao lado.0  15 2 10  5 cm  0.10  M1g → k  (I) g 0.10 2  .10 0.10 m Fel1 Fel  P1 1 k ? x1  M1g M1 k ? 0. L1  20 cm. L2  15 cm. em diversas situações. 05 Então de (I) e (II) M2 M1 0.05  M2g P2 k  M 2 (II) g 0.2 2 .

F → Considerando as molas como sendo ideais e desprezando o atrito entre as massas e o plano horizontal. 0. 51 (UFG-GO) Três blocos de massas iguais a 5.05 m Resolução: Representando as forças: a � 5 m/s2 F f1 f1 f2 f2 A B C A: F 2 f1  mAa B: f1 2 f2  mBa () C: f2  mca F  (mA  mg  mc)a F  (5  5  5) ? 5 F  75 N Logo: F 2 f1  mAa → 75 2 f1  5 ? 5 → f1  50 N f2  mca → f2  5 ? 5 → f2  25 N As deformações são: a) f1  k1x1 → 50  500x1 → x1  0.0 kg cada um são interligados por duas molas iguais de constantes elásticas k1  k2  500 N/m. sofrida pela mola 2. determine: a) a compressão. 0. sofrida pela mola 1.05 m ou Dx2  0. Dx1. tal que todas as massas e molas adquirem uma aceleração constante de 5.1 m ou Dx1  0. Dx2.1 m b) f2  k2x2 → 25  500x2 → x2  0.0 m/s2.05 m  . Uma força horizontal de módulo F é aplicada ao bloco da esquerda.1 m b) a compressão.

ou seja. 52 (Unesp-SP) Dinamômetros são instrumentos destinados a medir forças.) Resolução: a) O dinamômetro indica o módulo da força e a aplica ao dinamômetro seguinte. Dois dinamômetros estão montados sobre uma mesa horizontal perfeitamente lisa. DINAMÔMETRO 1 5N DINAMÔMETRO 2 ?N Quando um corpo de massa m é suspenso por um fio de massa desprezível.5 kg (Considere g  10 m/s2 e despreze qualquer atrito. 5 N. a força que este indica é 5 N.5 kg  . temos: Felástica  Fpeso → 5  mg → 5  m ? 10 m  0. conforme mostra a figura. o a) Que força indicará o dinamômetro n. preso à extremidade do o dinamômetro n. b) Uma vez que a leitura do dinamômetro foi de 5 N. 1. 2? 5 N b) Qual a massa do corpo suspenso? 0. O tipo mais usual é constituído por uma mola cuja deformação varia linearmente com a intensidade da força que a produz (lei de Hooke). fazendo com que este indique o mesmo módulo.

8 X TOTAL  14 cm mola B F  k Bx kB  4 5 k B  0. em função das respectivas deformações (x) das molas A e B. como mostra a figura. F (N) A mola A 6 B 6 mola B 0 3 5 x (cm) Quando um corpo de 8 N é mantido suspenso por essas molas. a soma das deformações das molas A e B é: a) 4 cm c) 10 cm e) 14 cm b) 8 cm d) 12 cm Resolução: Do gráfico: mola A F  k Ax kA  6 3 k A  2 N/cm A deformação total X TOTAL  X A  X B O X TOTAL  F  F kA kB X TOTAL  8  8 2 0. 53 (Mack-SP) A intensidade da força elástica (F). é dada pelo gráfico abaixo. 80 N/cm das molas associadas pode ser assim calculada: F mola A mola B Em equilíbrio: F�P P  .

o alongamento da mola será de: P P ? cos  d) K ? sen  a) K P P ? sen  b) e) K ? cos  K P ? tg  c) K A θ Resolução: Fel N P � sen θ θ P � cos θ P Fres  P ? sen  2 Fel  0 P ? sen   Fel P ? sen   Kx P ? sen  x K  . determine a massa do corpo suspenso. Adote g  10 m/s2. 2 kg Resolução: a � 1 m/s2 g � 10 m/s2 T B T P movimento a Pela 2. Sabendo que a mola é ideal e está distendida de 4 cm. preso a uma mola ideal de constante elástica K sobre um plano inclinado perfeitamente liso. fazendo com que esta fique em equilíbrio quando F  T. está presa a extremidade de uma mola de constante elástica 550 N/m. conforme a figura abaixo. lei de Newton: FR  ma T 2 P  ma → T  ma  mg T  m(a  g)  11m A mesma tensão é aplicada à mola. F  T → kx  11m → 550 ? 4 ? 1022  11m 22  11m → m  2 kg 55 (EsPCEx-SP) Um bloco A de peso P encontra-se em repouso. Nessa situação. 54 No teto de um elevador que sobe em movimento acelerado com aceleração constante de 1 m/s2. Na outra extremidade da mola está suspenso um corpo.

58 Quais os dois principais fatores que afetam a força de resistência do ar sobre um objeto em queda? Resolução: O formato do objeto e sua velocidade. 0 . o que é ela? Resolução: 200 N. quanto vale o atrito que o piso exerce sobre o caixote? Se a força de atrito não é a força de reação ao seu empurrão. 57 Se você exerce uma força horizontal de 200 N para fazer escorregar com velocidade constante um caixote pelo piso de uma fábrica. qual deles enfrenta maior resistência do ar? Resolução: O objeto com maior velocidade. Por que as moças vencem? Resolução: Porque a força de atrito a que estão sujeitas é mais intensa que a força de atrito sobre os rapazes. Reação horizontal do piso sobre o caixote. 59 Se dois objetos de mesmo tamanho caem com diferentes velocidades. 56 Considere um cabo-de-guerra sobre um piso liso entre dois rapazes que estão calçando meias e duas moças calçando sapatos com solas de borracha.

0 m/s. 60 (UFV-MG) Um bloco de massa M  2.0 kg desliza sobre uma superfície com atrito.1. responda aos seguintes itens: a) Faça o diagrama de forças para o bloco no ponto O e calcule a aceleração do bloco.2 e que a aceleração da gravidade no local é g  10 m/s2. como ilustrado na figura abaixo.1 ? 20  2a → 2  2a → a  1.0 m/s2 x c 2 c) v2  v0  2aDs 02  22  2 ? (21) ? Ds 0  4 2 2Ds 2Ds  4 Ds  2 m N M P  . o bloco possui velocidade v0  2. → v0 M O Sabendo que o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a superfície é µc  0. Resolução: a) fat M O N v0 P b) Fres  0 → N 2 P  0 → N  P → N  Mg → N  2 ? 10 → N  20 N y Fres  Ma → Fat  Ma → cN  Ma → 0. que o coeficiente de atrito estático é µe  0. 2 m c) Faça o diagrama de forças para o bloco quando este estiver parado. Ao passar pelo ponto O. b) Calcule a distância que o bloco irá percorrer antes de parar.

Para a máxima força de atrito.) a) 0.050 Resolução: N fat 61 (FEI-SP) Uma empresa de mudanças precisa projetar um carrinho para transportar carga dentro de F P Fres  0 y N 2 P  0 → N  P → N  (400  50) ? 10  4 500 N fat  N → fat   ? 4 500 Fres  F 2 fat x Quanto maior a força de atrito.030 c) 0. e a máxima carga que o carrinho pode transportar é um piano de 400 kg. 055 4 500 90  .: Considerar somente atrito de escorregamento. 0  F 2 fat → fat  250 → máx ? 4 500  250 máx máx  máx  250  5  0.055 b) 0. menor a força resultante.045 e) 0.040 d) 0. qual é o máximo coeficiente de atrito entre o carrinho e o caminhão? (Obs.um caminhão estacionado na horizontal. Sabe-se que a máxima força horizontal que seu funcionário pode exercer é 250 N. a força resultante é nula. Se o carrinho possui massa de 50 kg.

d) A aceleração do corpo é 2 m/s2 e sua velocidade decorridos 2 s é 5 m/s. O coeficiente de atrito entre as superfícies em contato é 0. o corpo não se movimenta e fat  10 N.  . máx Alternativa e. c) A aceleração do corpo é 5 m/s2. Assim. a) A força de atrito atuante sobre o corpo é 40 N. 10 N Considere g  10 m/s2 e marque a alternativa correta. e) O corpo não se movimenta e a força de atrito é 10 N. b) A velocidade do corpo decorridos 5 s é 10 m/s. é aplicada ao corpo uma força horizontal de 10 N. 10 N  fat .4. 62 (PUC-PR) A figura representa um corpo de massa 10 kg apoiado em uma superfície horizontal. Em determinado instante.1 ? 100 → fat < 40 N fat  40 N máx Portanto. Resolução: N fat 10 N P Fres  0 NP y N  mg → N  10 ? 10  100 N fat < N → fat < 0.

0 m/s2. correspondem a 0. pede-se determinar a velocidade inicial imposta à garrafa pelo garçom.75 ? 105 N Resolução: a) comboio locomotiva 63 (Vunesp-SP) Durante a partida.25 ? 105  0.25 ? 105 N b) Se as forças de atrito. obtemos: 2 2 v 2  v0  2aDs → 02  v0  2 ? (21. 46 2.16 ? 10 | a |  1. 4 m/s Resolução: v0 fat v�0 FR  m | a | → fat  m | a | mg  m | a | | a |  g | a |  0.05 m/s2.05 R FRcomb.0 m de distância. p. qual é a intensidade da força que a locomotiva aplica no comboio? 2.5 ? 106 kg uma aceleração constante de 0.16 e que a aceleração local da gravidade deve ser tomada como 10.  F 2 fat → F  FRcomb.5 ? 106 ? 10 F  2.006 ? 2.5 ? 106 ? 0.  1. 6) ? 5 2 v0  16 v0  4 m/s 5m  .006 de seu peso.a  2.  fat F  FRcomb.75 ? 105 N 64 (EEM-SP) Um garçom faz escorregar sem tombar.006 ? mg F  1. 6 m/s 2 Da equação de Torricelli. a) Qual é a intensidade da força resultante que acelera o comboio? 1. que se opõem ao movimento do comboio.006 P F (aplicada pela locomotiva) FRcomboio FRcomb. uma locomotiva imprime ao comboio (conjunto de vagões) de massa Pelo princípio fundamental da dinâmica: FRcomb. uma garrafa de cerveja até que ela pare em frente a um freguês a 5.  mcomb.  0. pelo balcão. Considere g  10 m/s2. Sabendo-se que o coeficiente de atrito entre o balcão e a garrafa vale 0.25 ? 105 N b) Forças que agem no comboio: N fat � 0.

de massas mA  19 kg e mB  8 kg. 5 ? 80 → fat B  40 N A: F 2 FAB 2 fat A  m A a   FAB 2 fat B  mBa B:   189 2 FAB 2 95  19a  FAB 2 40  8a  189 2 95 2 40  27a 54  27a a  2. (Considere g  10 m/s2. calcule o módulo da força exercida pelo bloco A sobre o bloco B. uma força de módulo FA  189 N. 0 m/s 2 FAB 2 40  8 ? 2 FAB  16  40 FAB  56 N  . no bloco A. Num determinado instante.) 56 N Resolução: NA F → → A FAB → → NB FAB fatB → → B → fatA PA → PB → N  PA → N A  m A g → N A  19 ? 10  190 N Fres y  0 →  A N B  PB → N B  mBg → N B  8 ? 10  80 N fat  N fat A  0. aplica-se. F → A B Iniciado o movimento. encostados um ao outro e apoiados sobre uma superfície plana horizontal. conforme a figura abaixo. 5 ? 190 → fat A  95 N fat B  0. estão em repouso. cujo coeficiente de atrito cinético entre eles e a superfície é µc  0. 65 (UFMA) Dois blocos.50.

0. calcule: a) o coeficiente de atrito µc.6 b) a tração T no fio. O coeficiente de atrito cinético entre cada bloco e a mesa é µc. 12 N Resolução: NA → → NB T → → fat A mA T → mB F → → fat B → PA → PB N A  PA → N A  m A g → N A  2 ? 10  20 N N B  PB → N B  mBg → N B  1 ? 10  10 N 0 fat A  N A   ? 20 fAB  N B   ? 10 T 2 fat A  m A a A:   → Como a velocidade é constante.0 m/s2. a aceleração é nula.  B: F 2 T 2 fat B  mBa  T 2  ? 20  0   F 2 T 2  ? 10  0 F 2 20 2 10  0 18  30   18  0. atado a um bloco B. de massa mB  1. 6 30 T 2  ? 20  0 T 2 0.0 N é aplicada ao bloco B. 66 (Unesp-SP) A figura ilustra um bloco A.0 kg. de massa mA  2. Uma força F  18. fazendo com que ambos se desloquem com velocidade constante. por um fio inextensível de massa desprezível. 6 ? 20  0 T  12 N  .0 kg. A mA B mB F → Considerando g  10.

5 m/s 2 Dt 8 8 Fres  fat | fat |  m | a | | fat |  4 ? 2. ao entrar e sair em uma região com atrito. v (m/s) 30 10 0 8 14 t (s) Nessas condições. 0 N e) 50.0 Resolução: 10 2 30 a  Dv   2 20  2 2.0 d) 35.0 c) 20.0  .0 kg. 5 | fat |  10. a: a) 5. 67 (UERN) A figura mostra o comportamento de um corpo de massa igual a 4. o módulo da força de atrito é igual.0 b) 10. em newtons.

desloca-se em MRU (movimento retilíneo uniforme) no sentido indicado na figura abaixo. um bloco A. movimento A Nessas condições. podemos dizer que o coeficiente de atrito cinético entre a base inferior do corpo A e a referida superfície plana é: mA a) zero d)   2mB b)   B 2mB mA 2m A mB e)   mB 2m A c)   Resolução: movimento NA fat T A T T PA 2T 2T B PB MRU: a  0 N 2 PA  0 → N A  PA A:  A T 2 fat  0 → T  fat → T  N A → T  PA → T  m A g mg B: PB 2 2T  0 → 2T  mBg → T  B 2 mg m A g  B 2 mB  2m A  . no qual as polias e os fios são considerados ideais e a massa do corpo B é mB. 68 (Mack-SP) Sobre uma superfície plana e horizontal. de massa mA. Esse corpo faz parte do conjunto ilustrado.

Você pode puxar ou empurrar a caixa como mostram as figuras abaixo. situação: 2. justifique sua resposta. a a 1. concluímos que a menor força para colocar a caixa em movimento é na situação (1). O coeficiente de atrito entre a caixa e o plano é µ. uma vez que o sentido da força F1 minimiza a componente normal de contato sobre o corpo. pois nela temos a menor força de atrito. pois a força de atrito é menor. situação: N → Fy α → F1 → N → Fy α → F2 → → fat P → Fx → fat P → Fx → N  Fy  P → N  P 2 Fy fat  N → fat  (P 2 Fy) (1) N  P  Fy fat  N → fat  (P 2 Fy) (2) Observando as equações (1) e (2). → F1 α → F2 α Figura 1 Figura 2 Em que caso a força mínima necessária para colocar a caixa em movimento será menor? Através de argumentos físicos. Resolução: Na situação 1. 69 (Ufop-MG) Você deve deslocar uma caixa sobre um plano áspero.  .

(Considere sen a  0.0 N com velocidade constante. 70 (EEM-SP) Uma pessoa puxa uma mala de peso P  91.8. por meio de uma força F  35.8 → Fx  28 N • Fy  F ? sen a  35 ? 0. 40 70 0 . conforme mostra o esquema.6 e cos a  0.) d  0. Na vertical: N  Fy  P → N  P 2 Fy  91 2 21 N  70 N Força de atrito cinético: fat   dN → 28   d ? 70  d  28 →  d  0. determine o coeficiente de atrito entre o solo e a mala.0 N.40 Resolução: → Decompondo F nas direções horizontal e vertical: Fy α → → F Fx → • Fx  F ? cos a  35 ? 0.6 → Fy  21 N Esquematizando as forças atuantes sobre a mala: Fy → → N Fx → → fat P → Sendo Fx  fat  28 N.0 N inclinada de um ângulo a com a horizontal. F α → Se a força de atrito da mala tiver módulo de 28. a mala descreve um movimento uniforme.

0 N. Quando uma força de intensidade 2. 4 → fat B  0.0 kg 2.8 N Resolução: NB → → B B fat PB A NB PA → → → → → fat B NA 2.4 m/s2 b) a intensidade da força de atrito entre os dois blocos.0 2 fat B  m A a  Fresx → A:  fat B  mBa   2.0 N Nessas condições. 4 m/s 2 fat B  mBa → fat B  2 ? 0. 8 N Fres y  0 →  . agindo na direção horizontal.0 kg 3.0 kg. determine: a) a aceleração do conjunto. 2. 0  5a 2. p. como mostra a figura. 0. 0 a 5 a  0.0 N A: N A 2 PA 2 N B  0  B: N B 2 PB  0 2. 0  m A a  mBa 2. o conjunto passa a se movimentar sem que o bloco superior escorregue sobre o inferior. 47 71 (Vunesp-SP) Um bloco de massa 2.0 kg repousa sobre outro de massa 3. que pode deslizar sem atrito sobre uma superfície plana e horizontal. 0  2a  3a 2. 0. é aplicada ao bloco inferior.

O atrito estático entre os blocos. Esse bloco está em contato com outro menor. é aplicada num bloco de peso 50 newtons que desliza sobre uma superfície horizontal. F vale.) a) 30 c) 90 b) 60 d) 120 Resolução: NA → → → e) 150 fat B F → FAB → fat → FAB PB → → B PA Fres y  0 → fat B  PB → fat B  10 N fat B  FAB → 10  0. de coeficiente 0. sem atrito. é tal que o bloco menor encontra-se na iminência de deslizar verticalmente. F → Nessa situação. de módulo F. 5FAB → FAB  20 N F 2 FAB  m A a  FAB  mBa  F 2 20  5a  20  1a  a  20 m/s 2 F 2 20  5 ? 20 F  100  20 F  120 N  . 72 (Uespi-PI) Uma força constante e horizontal.5. de peso 10 newtons. em newtons: (Dado: g  10 m/s2.

0 ? 105 ? 10  1. a força de sustentação (R) e o peso (P ) do avião se equilibram: R  P  mg → R  1. (Considere g  10 m/s2.0 N d) 0.0 ? 106 N b) Enquanto o avião está em contato com o solo.0 ? 105 kg). o avião necessita de 2 000 m de pista para atingir a velocidade de 360 km/h. na direção horizontal. a partir da qual ele começa a voar. Podemos afirmar que a força de resistência ao movimento da esfera é de: a) 0.0 cm/s. tem intensidade: FRm  mam → FRm  2.5 ? 105 N  .velocidade constante de 3. durante a v0  0  /  v  360 km/h  100 m/s Ds  2 000 m  am  (100)2  2.0 N e) 10 N b) 2.20 N c) 3.20 N decolagem numa pista horizontal.) a) Qual a força de sustentação. na direção vertical. à P m  20 g  20 ? 1023 hg P 2 R  ma Velocidade constante → a  0 P2R0 PR mg  R R  20 ? 1023 ? 10 R  20 ? 1022 N R  0. no momento em que o avião começa a voar? 1 ? 106 N b) Qual é a força média horizontal sobre o avião enquanto ele está em contato com o solo durante o processo de aceleração? 2. 5 m/s 2 2 ? 2 000 A resultante média sobre o avião. sua aceleração média pode ser calculada por: 2 v 2  v0  2a mDs → a m  2 v 2 2 v0 2Ds 74 (Unicamp-SP) Considere um avião a jato.30 N Resolução: R 73 (Unimep-SP) Uma esfera de aço de massa igual a 20 g está em queda num tubo contendo glicerina.5 ? 105 N Resolução: → → a) No momento em que o avião começa a voar. com massa total de 100 toneladas (1. Partindo do repouso.

3 d) v2/v1  0. devido à força de resistência do ar. a força de resistência do ar sobre um corpo é proporcional à área sobre a qual atua a força e ao quadrado de sua velocidade. Rapidamente.1 v1  . Se a área efetiva aumenta 100 vezes no momento em que o pára-quedas se abre.21 b) v2/v1  0. A segunda fase tem início no momento em que o pára-quedas é aberto. ele entra novamente em um regime de movimento uniforme. com velocidade v2.1 Resolução: Rar 75 (Unifesp-SP) Em um salto de pára-quedismo.pára-quedista. pode-se afirmar que: a) v2/v1  0. Nos primeiros instantes do movimento. Mas.08 c) v2/v1  0. Supondo que a densidade do ar é constante. identificam-se duas fases no movimento de queda do R ar  kAv 2 MU: P 2 R ar  0 → P  R ar 2 P  kAv1 P R� ar P 2 R9ar  0 → P  R9 ar P  k ? 100Av 2 2 P k ? 100Av 2 2  P 2 P kAv1 100v 2 2 1 2 v1 10v 2 1 v1 v2  1 v1 10 v2  0. ele é acelerado.15 e) v2/v1  0. o seu movimento passa rapidamente a ser uniforme com velocidade v1. com o pára-quedas ainda fechado.

0 m B A única força de oposição ao movimento do bloco é a de atrito cinético. 2 ? 5 v 2  4  12  16 v  4 m/s  .0 kg é lançado do ponto A de um trilho reto e inclinado.0 m α 4. conforme a figura. Nessas condições. com uma velocidade de 2. 6 ? 40  24 N α P ? sen a 2 fat  ma 50 ? 3 2 24  5a 5 30 2 24  5a a  6  1. 4 m/s Resolução: → fat N → P � sen � P � cos � P → sen a  3 cos a  4 5 5 P ? sen a 2 fat  ma  N 2 P ? cos a  0 N  P ? cos a  5 ? 10 ? 4  40 N 5 fat  N  0. supondo g  10 m/s2. 76 Um bloco de pequenas dimensões e massa de 5. determine a velocidade do bloco ao atingir o ponto B. A 3.0 m/s. 2 m/s 2 5 2 2 v  v0  2aDs v 2  22  2 ? 1.6. na qual µc  0.

96 m/s 2 s  . 20 kg c) a intensidade da força de atrito.8 N d) a aceleração do corpo. 8  20a 59.87. 87 → P  174 → P  200 N 0. 200 N b) a massa do corpo.50. 34.5 2 34. sob a ação de uma força F  194 N. 8  20a 5 194 2 100 2 34. 2.) N → F → α P α � 30° → Calcule: a) o peso do corpo. Sabe-se que a reação do apoio vale N  174 N e que o coeficiente de atrito dinâmico entre o corpo e o piso vale µ  0. cos 30º  0.96 m/s2 Resolução: a) N  P ? cos a → 174  P ? 0. 2 ? 174 → fat  34. 87 b) P  mg → 200  m ? 10 → m  20 kg c) fat  N → fat  0. como indica a figura abaixo. (Adote: g  10 m/s2. 77 (UMC-SP) Um corpo é arrastado para cima num plano inclinado de 30º com a horizontal. sen 30º  0.2. 8 N d) F 2 P ? sen a 2 fat  ma 194 2 200 ? 0. 2  20a a  2.

com velocidade constante v. 3 3 Resolução: N → → fat P � sen 30� P � cos 30� 30° P →  P 3 Fres y  0 N  P ? cos 308 → N  2  P ? sen 308 2 f  0 (velocidade constante) Fresx  0  at P ? 1 2 fat  0 → fat  P 2 2 P → P 3  P Como fat  N → N  2 2 2 P ? 2 → 1 → 3  2 P 3 3 3  . como indica a figura: 30° Considerando sen 30°  1 e cos 30°  3 . determine o coeficiente de atrito cinético entre o corpo e o 2 2 plano. em um plano inclinado de 30º em relação à horizontal. 78 Um corpo escorrega para baixo.

descendo uma rampa inclinada em → relação à horizontal segundo a reta de maior declive. a força de atrito tem o mesmo módulo que a projeção do peso (Px). à componente da força peso ao longo do plano inclinado. com movimento uniforme. a saber: a força de atrito entre o bloco e o plano e a reação normal. perpendicular ao plano inclinado. Nesse caso. A figura 2 mostra o mesmo bloco deslizando. p. que atua no bloco. fat  mg ? sen 308 → fat  6 ? 10 ? 0. Resolução: fat N�f � P P Figura 1 f� � R N fat Px Py P Figura 2 � N Px Py A força que a rampa exerce sobre o bloco leva em consideração duas forças. portanto | f |  | f 9 | . → a superfície exerce sobre o bloco uma força f . a mesma direção e → sentido contrário ao → vetor peso. | f |  | f 9 | ou | f |  | f 9 | .5 → fat  30 N 80 (UFRJ) A figura 1 mostra um bloco em repouso sobre uma superfície plana e horizontal. Nesse caso. mantendo-o em repouso. em newtons. em módulo. é aplicada a um corpo de 6. Figura 1 → → → → → → → → Figura 2 Compare f e f 9 e verifique se | f |  | f 9 |. 48 79 (UFPE) Uma força F. → →  . portanto: A resultante (R  f 9) tem o mesmo módulo. a força de atrito estático deve ser igual. a rampa exerce sobre o bloco uma força f 9. F → → 30° Calcule o módulo da força de atrito estático. Como o bloco desce o plano com velocidade constante (a  0). como mostra a figura.0 kg. 30 N Resolução: No equilíbrio e em repouso. Justifique sua resposta.

10. lei de Newton.4  1. temos: A F2 F1 30° 60° 30° P 60° 30° B Na direção perpendicular à reta AB.6 N b) o tempo que o pássaro leva para chegar até a superfície do mar. 4 N 2 a Aplicando-se a 2. 81 (Vunesp-SP) Um pássaro. determine: a) a força de sustentação do pássaro durante a descida. a resultante é nula. 7 2 10  0  t → t  2. Portanto: F2  F1 ? cos 608  P ? cos 308 F2  2 ? 1  12 ? 0.8 e g  10 m/s2. 8 → F  4. com massa m  1.  2. cos 30º  0.2 kg. temos: F  ma 4. força de sustentação 5m resistência do ar peso 30° Considerando sen 30º  0. temos uma resultante F dada por: F  P ? cos 608 2 F1 ? cos 308 F  12 ? 1 2 2 ? 0. 6 N b) Na direção da reta AB. plana parado em relação ao mar a uma altura de 5 m da superfície.7 m/s2 Da figura.2a a  3. Para capturar um peixe. vem: Ds  v0t  a t 2 2 3.3 s Resolução: a) Supondo-se que a força de sustentação seja perpendicular à trajetória do pássaro.8 8 2 F2  10.5. temos: sen 308  H → 1  5 → AB  10 m AB 2 AB Usando-se a equação horária do movimento uniformemente variado. O pássaro sofre uma força constante. conforme indicado na figura. ele terá de planar com um ângulo de 30º em relação à superfície do mar. 3 s 2  . devido à resistência do ar. cuja intensidade é 2 N e tem direção paralela à superfície do mar.

2 N Resolução: m  400 g  0. a resultante das forças atuantes no corpo passa→a ser nula. que tipo de força a faz mover-se ao longo de uma linha reta: centrípeta. segundo sua inércia. Em um determinado momento. o fio se rompe. 56 82 Se a corda que mantém uma lata girando num círculo se romper. c) O corpo continua em movimento circular. fio → v É correto afirmar: a) O corpo passa a descrever uma trajetória retilínea na direção do fio e sentido contrário ao centro da circunferência. 4 ? 22 Fcp  mv → Fcp  → Fcp  3. numa superfície horizontal. O movimento do corpo agora é retilíneo e uniforme na direção e sentido da velocidade v. 0 m/s  2 0.0 m/s. 2 N R 0. 5 0 . 4 kg  Dados: R  0. Alternativa b. b) O corpo passa a descrever uma trajetória retilínea com direção perpendicular ao fio. Determine a força centrípeta que age sobre esse carrinho. Resolução: Ao romper o fio.50 m e velocidade de 2. centrífuga ou nenhuma força? Que lei da Física justifica sua resposta? Resolução: Nenhuma força. A lata irá. d) O corpo pára. 50 m  v  2. e) O corpo passa a descrever uma trajetória retilínea na direção do fio e sentido do centro da circunferência. 84 Um carrinho de brinquedo de massa 400 g executa. mover-se em movimento retilíneo uniforme. 83 (PUC-PR) Um corpo gira em torno de um ponto fixo preso por um fio inextensível e apoiado em um plano horizontal sem atrito. um movimento circular uniforme de raio 0. p. 3.

Força presente na trajetória circular. A chamada força centrífuga é uma força de inércia (pseudoforça) só considerada para um referencial não-inercial que descreva uma trajetória curva ou tenha movimento de rotação em relação a um referencial inercial.  . apenas. a ocorrência de erro: a) na vertical 2. c) nas verticais 1 e 2. Órbita que um planeta descreve em torno do Sol. Lugar geométrico ocupado pelo Sol na trajetória planetária. Ponto mais próximo ao Sol no movimento de translação da Terra. 2 G R 1 1 C E N T R I F U G A L V I I T 2 K E P L E R T A I C C 3 P E R I E L I A O N A L 3 F O C O Um leitor. apenas. o que evidencia um erro na horizontal 1. destacou. Atração do Sol sobre os planetas. em uma carta aos editores. baseando-se nas leis da Mecânica Clássica. 3. d) nas horizontais 1 e 3. Horizontais 1. 85 (FGV-SP) Observe o gabarito com a resolução de uma cruzadinha temática em uma revista de passatempo. indignado com o “furo” na elaboração e revisão da cruzadinha. 2. Alternativa b. Resolução: Quando a trajetória é curva. Astrônomo alemão adepto do heliocentrismo. b) na horizontal 1. e) na horizontal 3 e na vertical 3. 3. a força resultante tem uma componente centrípeta. Verticais 1. apenas. apenas. 2. apenas.

produz uma mudança em ambos. Resolução: A força centrípeta é uma força resultante que muda a direção e o sentido da velocidade vetorial. conforme figura. Das equações de movimento apresentadas nas alternativas abaixo. 57 86 (Uespi-PI) A força centrípeta: a) b) c) d) e) é qualquer força que acelera um corpo. F2 α → raio R. a) F2 ? cos a  mat  v2  b) F1  F2  m  p   R Resolução: F2 F2 � sen α α → 87 (UFC-CE) Uma partícula P. não produz mudança na velocidade. de um corpo em movimento. p. direção e velocidade. sob a ação das forças F1 e F2 . centrado no ponto O. de massa m. sem no entanto mudar o módulo da velocidade vetorial de um corpo. Alternativa c. descreve um movimento circular de → → P R F1 O 2 p → v  c) F1 2 F2 ? cos a  m    R 2 v  d) F1 2 F2  m  p   R 2 p v  e) F1  m    R F2 � cos α Frest → F2 ? sen a  ma t Frescp → F1 2 F2 ? cos a  ma cp → F1 2 F2 ? cos a  mv 2 p R F1 O →  . não produz mudança nem na velocidade nem na direção do movimento de um corpo. assinale a correta para este sistema. é sempre uma força elástica.

a) Qual a velocidade máxima da bola antes que a corda se rompa?  12.5 m. uma pessoa faz ela se mover em movimento circular no plano horizontal.5 kg é presa ao final de uma corda de comprimento 1. como apresentado na figura. 5 2 vmáx  150 → vmáx  150 m/s vmáx  12. A corda suporta uma tensão máxima de 50 N. 2 m/s á b) Tmáx  2 mvmáx R 0. 5(20)2 50  L mí n L m í n  4. R 2 mvmáx Tmáx  R 2 0. 5 vmáx 50  1. Segurando na extremidade da corda oposta à bola. 88 (Unesp-SP) Uma bola de massa 0. 0 m  .2 m/s b) Qual deve ser o comprimento mínimo dessa corda para que ela não se rompa antes de a bola atingir a velocidade de 20 m/s? 4 m Resolução: a) A força aplicada pela corda faz o papel de resultante centrípeta: l 2 T  Fcp  mv .

um patinador vira em uma esquina r�3m P • Na direção horizontal A E  Rc → A E  ma c 2 AE  m v (1) r • Na direção vertical N  P → N  mg (2) A condição para o patinador não escorregar é: A E   EN (3) Substituindo (1) e (2) em (3): 2 m v   E mg → v 2   Erg r Substituindo os valores numéricos dados: v 2  0. tem intensidade: c) 3 500 N e) 700 N a) 36 988 N b) 36 288 N d) 2 800 N Resolução: No ponto mais baixo da trajetória. sobre o piloto atuam as forças indicadas na figura: N 89 (PUC-SP) Um avião descreve. Admitindo-se g  10 m/s2 e sabendo que o coeficiente de atrito estático entre as rodas do patim e a calçada é µe  0. aplicada pelo banco sobre o piloto. a máxima velocidade com que o patinador pode realizar a manobra sem derrapar é de: c) 3 m/s e) 9 m/s a) 1 m/s b) 2 m/s d) 5 m/s Resolução: A figura abaixo representa a situação descrita no enunciado. Sabendo que o piloto do avião tem massa de 70 kg. centro da curva A N patinador 90 (Vunesp-SP) Em uma calçada de uma rua plana e horizontal. 58 fazendo um arco de círculo de 3 m de raio. 3 ? 3 ? 10  v  3 m/s  .3. de raio R  40 m. no ponto mais baixo. R FR  Fcp v � 144 km/h � 40 m/s N 2 P  Rc 2 N 2 mg  m v R 70 ? 402 N 2 70 ? 10  40 N  3 500 N P p.no plano vertical (loop). a força de reação normal. as forças aplicadas no patinador e suas componentes pertinentes ao estudo do movimento. uma trajetória circular. em seu movimento. apresentando no ponto mais baixo de sua trajetória uma velocidade de 144 km/h.

0 m c) 4. de massa igual a 50 g. Nessas condições. (Dado: g  10 m/s2. 8 ? 10  22R R2m um cilindro.25 b) 0.06 c) 0. 2 N  0.36 d) 1. em newtons. o componente horizontal da força exercida pelo cilindro sobre o bloco é igual.0 rad/s.2 m.0 m R P Alternativa a. O coeficiente de atrito estático entre a moeda e a plataforma é 0.) Logo. permanece em contato com a parede interna de m  50 g  50 ? 1023 kg Fres y  0 → fat 2 P  0 → fat  P Fcp  N → mw 2R  N → N  50 ? 1023 ? 62 ? 0. 36 N  .2 m Resolução: Representando as forças: N fat e) 8.0 m b) 6. com velocidade angular constante igual a 6 rad/s.02 Resolução: R fat N P 92 (UERN) Um pequeno bloco. a: a) 0. que gira com velocidade angular de 2. que gira em torno do eixo vertical. 2 fat  Fcp → N  m v R 2 2 P  m w R R mg  mw 2R 0. devido ao movimento dessa plataforma.4 m d) 3.80. de raio igual a 0.84 e) 1. a distância da moeda ao centro da plataforma é: a) 2. 91 (UFF-RJ) Uma pequena moeda está na iminência de se deslocar sobre uma plataforma horizontal circular.

temos 1 da circunferência. O piloto tem massa de 80 kg e está sentado sobre uma balança (de mola) nesse vôo experimental. Os trechos AB e CD são retas. Pergunta-se: a) Quanto tempo o avião leva para percorrer o arco BMC? 5p s b) Qual a marcação da balança no ponto M (ponto mais baixo da trajetória)? 2 800 N O A D B M C Resolução: Dados: R  2. Logo: 4 D  vt → 2pR  vt → 2p ? 2 500  250 t t  20p s (em uma volta completa) Dt  T → Dt  20p  5p s 4 4 b) NA P Fcp  N A 2 P → N A  Fcp  P 2 N A  mv  mg R 80 ? 2502 NA   80 ? 10 0 2 500 N A  2 800 N Logo. 93 (Unicamp-SP) A figura descreve a trajetória ABMCD de um avião em um vôo em um plano vertical.5 km de raio. pelo princípio da ação e reação a força que o piloto exerce na balança é 2 800 N.5 km  2 500 m v  900 km/h  250 m/s a) Sendo a  908.  . O avião mantém velocidade de módulo constante igual a 900 km/h. O trecho BMC é um arco de 90º de uma circunferência de 2.

Adotando g  10 m/s2. ou seja: 2 Fcp  P → mv  mg → v  Rg → R v  40 ? 10  20 m/s  . 20 m/s Resolução: Dados: m  500 kg R  40 m g  10 m/s2 NA P C FR  Fcp ( Fcp  P 2 NA para a situação do exercício vamos tomar NA  0 como ausência de contato com a pista. determine a máxima velocidade da moto para que ainda mantenha contato com a pista no seu ponto superior A. p. 58 94 Uma moto de massa 500 kg passa por uma lombada de perfil circular de raio 40 m.

mv 2 B Fcp  N B  Px →  N B  P ? cos 608 R 160 ? 122  N B  160 ? 10 ? 1 4 2 5 760  N B  800 N B  4 960 N  . Nesse circo. 95 (UERJ) O globo da morte apresenta um motociclista percorrendo uma circunferência em alta velocidade. 4 960 N Resolução: Representando as forças: A B NB P B 60� P NB Px 60� A componente radial das forças P e NB e a reação normal NB.0 m. Determine a componente radial da resultante das forças sobre o globo em B. o raio da circunferência é igual a 4. Observe o esquema: O módulo da velocidade da moto no ponto B é 12 m/s e o sistema moto-piloto tem massa igual a 160 kg.

Um filme que se preocupa com essa questão é 2001. 128 N Resolução: a) A velocidade tangencial é dada por: v  R → v  0. mostrada a seguir. temos: 2 Fcp  N A → N A  mv R 80 ? 8 2 NA  40 N A  128 N  .2 rad/s em torno de um eixo horizontal E perpendicular à página. gira com velocidade angular constante de 0. em forma de cilindro oco.2 ? 40 → v  8 m/s b) NA P Como P = 0. na ausência de campos gravitacionais externos. a) Calcule a velocidade tangencial do astronauta representado na figura. O raio R da espaçonave é 40 m. que cria um peso efetivo agindo sobre o astronauta. de Stanley Kubrick. A estação espacial. Nesse filme a gravidade é simulada pela rotação da estação espacial. 96 (Unicamp-SP) Algo muito comum nos filmes de ficção científica é o fato de os personagens não flutuarem no interior das naves espaciais. 8 m/s b) Determine a força de reação que o chão da espaçonave aplica no astronauta que tem massa m  80 kg. Mesmo estando no espaço sideral. pois estamos na ausência de campos gravitacionais. uma odisséia no espaço. eles se movem como se existisse uma força que os prendesse ao chão das espaçonaves.

independentemente da força de atrito. o módulo da aceleração da gravidade local é 10 m/s2. e o ângulo de inclinação da pista é de 45º. 97 (ENE/UB-RJ) Um veículo desloca-se com velocidade escalar constante de 10 m/s em uma curva circular contida num plano horizontal. O raio da pista vale 40 m. Para que o veículo possa efetuar a curva. qual a máxima velocidade possível? 20 m/s Resolução: N Fcp 45� P 45� 2 mv Fcp R tg 458  →1 P mg v 2  Rg v 2  40 ? 10 v  400 v  20 m/s s 0 .

então. as 1. tg 30º  0. devido a um problema técnico. 3 200 m Resolução: P R Rc S � Força de sustentação P � Força peso Rc � Resultante centrípeta 30� S 30� H rochedo mar mv 2 2 |R | a) tg   →c  R → tg   v mg Rg |P| → 2 2 b) tg   m R  2p ? R  4p 2 ? R  0.determinada). R. pode estimar a altura e a velocidade do avião.5. 6 R H  3 240 m  3 200 m ( ) 2  . acima do nível do mar. observa que a superfície do suco de laranja. observa que a ponta da asa esquerda permanece durante toda a curva apontando para um pequeno rochedo que aflora do mar. sen 30º  0. e que o avião percorreu a trajetória semicircular de raio R (a ser determinado). sentado próximo ao centro de massa do avião. cos 30º  0.) 98 (Fuvest-SP) Um avião voa horizontalmente sobre o mar com velocidade v constante (a ser céu mar mar asa esquerda do avião rochedo asa esquerda do avião v2 a) Encontre uma relação entre v. para a situação descrita. Percebe. em 90 s. O passageiro. sem que haja alterações no módulo de sua velocidade e na sua altura. com suas observações e alguns conhecimentos de Física que adquiriu no Ensino Médio. Um passageiro. 6 mg T g 10 180 R  5 400 m 2?3 Como v  R  2p R  ? 5 400. em que o avião estava voando. como representado na figura B. Durante a curva. em metros.6  1 . (Adote: p  3. O piloto anuncia que. O passageiro também nota que a superfície do suco permaneceu paralela à bandeja. tg   Rg b) Estime o valor da velocidade v do avião. Estando junto à janela. o avião se inclina para a esquerda. como mostra a figura A. g e . então v  180 m/s Τ 180 c) tg 308  H → H  R ? tg 308  5 400 ? 0. 180 m/s c) Estime o valor da altura H. aceleração da gravidade: g  10 m ? s22. de um ângulo   30º. em km/h ou m/s. olhando sempre na direção perpendicular à da velocidade do avião. que está em um copo sobre a bandeja fixa ao seu assento.7 distâncias envolvidas no problema são grandes em relação às dimensões do avião. e olhando numa direção perpendicular à da trajetória do avião.86. permanece paralela ao plano da bandeja. que. o passageiro nota que a ponta da asa esquerda do avião tangencia a linha do horizonte. o avião fará uma curva de 180º para retornar ao ponto de partida.

0 1.0 d (m) F1 (N) Resolução: Dados: v0 = 0 Fcp = 1 N Ft = 2 N d=1m As componentes centrípeta e tangencial da força resultante têm módulos dados por: 2 Fcp  mv (1) e Ft  ma (2) R Como o movimento é uniformemente variado. 99 Uma partícula descreve uma circunferência de raio R. em função da distância percorrida (d).0 d (m) 0 1. partindo do repouso e em movimento → uniformemente variado. Calcule o raio R da circunferência descrita. Os gráficos representam os módulos das componentes tangencial (F t ) e → centrípeta (Fcp) da força resultante sobre a partícula. temos: 2 v 2  v0  2ad → v 2  2ad (3) Substituindo: 2 Fcp  mv → Fcp  m2ad R R 2 Ftd Fcp  R 2? 2?1 1 R R4 m  . 4 m Ft (N) 2.0 0 1.