Os falsos profetas da Teosofia J.

Ramón Sordo é um teosofista mexicano que criou o site Fundácion Blavatsky, onde é disponibilizada diversa informação, desde pequenas biografias de contemporâneos de Helena Blavatsky, passando por vários textos relacionados com a Teosofia (karma, reencarnação, tradição esotérica, etc…). Este teosofista é também conhecido pela sua fidelidade à Teosofia original e neste documento ele descreve a forma como encontrou na Austrália (país onde viveu durante algum tempo) a materialização de algumas perversões das directrizes dos Mahatmas/Helena Blavatsky que derivaram de um conjunto de atitudes e decisões dos sucessores da Velha Senhora dentro da Sociedade Teosófica (ST), nomeadamente Annie Besant e o seu amigo muito próximo Charles Webster Leadbeater. Ainda nos dias de hoje permanece esta refrega entre os que defendem que Besant e Leadbeater adulteraram a Teosofia dita original e os que dizem o contrário (muitas vezes colocando defeitos na obra de Helena Blavatsky). Aliás no momento em que escrevo este post, o fórum de discussão theos-talk fervilha com uma discussão entre apoiantes e detractores de Besant/Leadbeater. Mais acessíveis em termos de compreensão, as obras de Leadbeater acabaram por “substituir” o legado, para muitos impenetrável , deixado por HPB. Esta “substituição” começou nos inícios do século XX, mas teve efeitos duradouros. Uma minoria de teosofistas manteve-se contudo fiel a Helena Blavatsky. Esporadicamente dentro da Sociedade Teosófica surgiam vozes mais críticas do papel de Leadbeater (e de Besant) como E.L. Gardner e Geoffrey Farthing. Nas outras organizações de Pasadena e na Loja Unida dos Teosofistas, os livros de Leadbeater nunca entraram. A palavra “substituição” deve ser entendida no sentido prático, ou seja as obras de Leadbeater tornaram-se mais populares para os teosofistas, em detrimento dos escritos deixados por Helena Blavatsky. Mas essa “substituição” é enganosa, pois existem muitas discrepâncias e explicações completamente contrárias relativamente a alguns fenómenos, como pode ser comprovado aqui. Sem querer entrar em grandes detalhes, é de referir que Annie Besant tomou o lugar de Helena Blavatsky após a morte desta, num processo muito controverso (e ainda hoje contestado) que viria a causar uma cisão na Sociedade Teosófica, com o norte-americano William Quan Judge a entrar em ruptura com Besant e a criar uma organização independente em 1895, levando com ele muitos outros teosofistas. Judge faleceria no ano seguinte, deixando no seu lugar a também controversa Katherine Tingley. Em desacordo com Tingley, Robert Crosbie abandonaria a Sociedade Teosófica americana e fundaria em 1909 a Loja Unida de Teosofistas. Outros grupos mais pequenos formaram-se, para desaparecerem uns anos mais tarde. No site

da Fundácion Blavatsky podemos encontrar um esquema com todos os “herdeiros” da Sociedade Teosófica original. Hoje em dia as mais influentes são a ST Adyar (a fundada por Olcott , HPB e Judge, entre outros), a ST Pasadena (que resulta da organização fundada por Judge em 1895) e a Loja Unida dos Teosofistas. Estas duas últimas são as que mostram maior preocupação pela preservação da Teosofia original, mas a ST Adyar continua sendo a mais representativa, privilegiando bastante as ideias deixadas por Krishnamurti que curiosamente repudiou a ST em 1929, negando ser o instrutor do Mundo conforme afirmavam Besant e Leadbeater. A história da Sociedade Teosófica é cheia de peripécias, por isso torna-se muito complicado fazer menções a vários acontecimentos num texto tão pequeno. O processo de substituição de Blavatsky na liderança da ST, os anos de presidência de Besant e os acontecimentos de 1929, com o afastamento voluntário de Krishnamurti são histórias cheias de detalhes que serão com certeza alvos de posts com conteúdo mais específico no futuro. A luta contra os falsos profetas da Teosofia é algo que começou nos tempos de Blavatsky e que continua nos dias de hoje. Na verdade, com os meios tecnológicos que temos à disposição essa luta nunca foi tão fácil. Talvez seja por isso que é notório o acréscimo de interesse pela Teosofia original em detrimento do sucedâneo de má qualidade que foi criado pelos sucessores da Velha Senhora. Os factos são indesmentíveis, e embora ainda existam muitos partidários da neo-teosofia (apelidada de pseudo-teosofia pelos mais críticos), numa guerra de argumentos, os defensores da Teosofia original marcam facilmente a sua posição. Mas, o objetivo central deste post é a tradução de um excerto de um texto que se encontra em Fundácion Blavatsky, intitulado “O Estudo da Teosofia”. Um dos capítulos do mesmo intitula-se “Os falsos profetas da Teosofia”. E começa assim: “A Luz produz necessariamente a sombra e toda a Verdade a ser apresentada a um mundo impreparado como o nosso conduz de imediato à sua deformação, degradação e antropomorfismo, às mãos dos “falsos profetas”, gente sem escrúpulos que, aproveitando-se da credulidade e do psiquismo pela qual atravessa actualmente a humanidade, desvirtuam a ciência esotérica com supostas “revelações pessoais”, “visões astrais”, “mediunidade real ou fictícia”, “canalizações”, “magia negra disfarçada de branca”, “rituais promíscuos”, “o caminho fácil do sexo para supostamente alcançar a iluminação espiritual”, “busca imoderada e egoísta de poderes psíquicos”, “invocação de anjos e elementais”, “adoração de gurus e supostos Messias”, “canalizações de extraterrestres”, “orações, decretos, luzes violetas”, “Grandes Invocações”, “Vindas de Cristo”, “Iniciações à distância, inclusive pela televisão”, “degradação da imagem dos Mestres”, etc…

O estudante não deverá se surpreender se, subjacente ao nome da Teosofia encontrar no presente uma literatura massiva, que salvo no nome que está na capa ou no símbolo de uma editora teosófica, não tenha absolutamente nenhuma semelhança com a Doutrina Secreta Arcaica ou Teosofia, ressuscitada no final do século XIX por H.P. Blavatsky e os seus Mestres. As deformações da Teosofia já existiam na época de HPB, como comprova o artigo escrito por ela em 1889 intitulado “Acerca da Pseudoteosofia”, na qual diz que “se não se abordasse o tema dos ‘falsos profetas da Teosofia’ os verdadeiros profetas seriam muito rapidamente confundidos com os falsos – como já o foram” [CW, XI, 45]. Não obstante, ao cumprirem-se os primeiros cinco mil anos do Kali Yuga, por volta de 1897-98 e apenas seis ou sete anos depois da morte da HPB, as sementes do psiquismo, que se encontravam latentes entre alguns dos membros do Movimento Teosófico, explodiram dentro de uma das organizações teosóficas mais espalhadas mundialmente, a qual ficou sob o controlo dos antigos inimigos da Verdade e da Teosofia: o psiquismo, a casta sacerdotal, o espiritismo e o ritualismo vão; “convertendo-se num espectáculo devido aos exageros de alguns fanáticos e às tentativas de vários charlatães que se aproveitaram de um programa previamente preparado. Estes, desfigurando e adaptando o Ocultismo aos seus próprios fins, sujos e imorais, causam a vergonha e a ignomínia de todo o Movimento. “ [HPB, Acerca da Pseudoteosofia, op. cit.] A referência à casta sacerdotal tem a ver com a criação em 1916 da Igreja Católica Liberal por Leadbeater e Wedgwood que trouxe o ritualismo e o igrejismo para dentro da Sociedade Teosófica. Deverá se entender esta luta entre a Luz e a Sombra como algo completamente normal. Afinal, qualquer esforço para dar ao mundo as Verdade Eternas possibilitam um esforço por parte das forças involutivas no sentido oposto.
publicado em http://lua-em-escorpiao.blogspot.pt a 19 de Maio de 2012

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful