P. 1
O Yoga de Sri Aurobindo - Partes V a VII

O Yoga de Sri Aurobindo - Partes V a VII

|Views: 373|Likes:
Published by crisrich
Os ensaios contidos neste livro compreendem partes V a VII, do Volume 3, das Obras Reunidas de Nolini Kanta Gupta, intitulada "The Yoga of Sri Aurobindo". Foram baseados nas palestras dadas pel’A Mãe, em francês, a seus discípulos do Ashram de Sri Aurobindo. Tra-duzidos livremente em inglês pelo autor, quase todas conservaram a
forma direta das narrativas na primeira pessoa, como era no original.
Este texto pode ser "baixado" e impresso para uso pessoal ou em grupos de estudo. Ele foi formatado para melhorar a impressão em frente e verso para economizar papel. Pode ser feito em copiadoras. Quem quiser, pode também imprimir pequenas quantidades e colocá-las em lugares onde possa haver leitores interessados (restaurantes vegetarianos, estúdios de Yoga etc.), onde seriam repassados pelo preço de custo. Só não vale imprimir e vender com o intuito de obter lucro.
Os ensaios contidos neste livro compreendem partes V a VII, do Volume 3, das Obras Reunidas de Nolini Kanta Gupta, intitulada "The Yoga of Sri Aurobindo". Foram baseados nas palestras dadas pel’A Mãe, em francês, a seus discípulos do Ashram de Sri Aurobindo. Tra-duzidos livremente em inglês pelo autor, quase todas conservaram a
forma direta das narrativas na primeira pessoa, como era no original.
Este texto pode ser "baixado" e impresso para uso pessoal ou em grupos de estudo. Ele foi formatado para melhorar a impressão em frente e verso para economizar papel. Pode ser feito em copiadoras. Quem quiser, pode também imprimir pequenas quantidades e colocá-las em lugares onde possa haver leitores interessados (restaurantes vegetarianos, estúdios de Yoga etc.), onde seriam repassados pelo preço de custo. Só não vale imprimir e vender com o intuito de obter lucro.

More info:

Published by: crisrich on Jul 04, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

08/03/2013

pdf

O ser consciente, em nós, é verdadeiramente o ser psíquico. Mas encontra-
se presentemente atrás e fora de ação. O que é normalmente consciente, então,
é a mente, essa parte que conseguiu a luz e que é iluminada. Somos conscientes
através desta porção e mesmo, identificamo-nos com ela, conhecemo-la, e sen-
timo-la como nós mesmos, como "eu".

A mente, contudo, tem uma consciência central que pode ser chamada de
Mente Testemunha, o Purusha11

na mente. Ele fica à parte e observa o que está
acontecendo na mente, bem como em outras partes; é, de fato, o observador
de todo ādhāra12

. As outras partes são o vital e o físico. O vital também tem sua
própria consciência central, sua testemunha Purusha, que observa todos os
movimentos vitais e também as outras partes, através de seu próprio ângulo. Do
mesmo modo, o físico tem um Purusha e ele também observa através de sua
própria consciência. O Purusha mental diz, "Eu vejo que estou pensando, racio-
cinando etc."; o Purusha vital diz, "Eu vejo que estou zangado, violento ou gos-
tando, infundindo energia etc."; o Purusha físico diz, "Eu vejo que estou agindo,
andando, correndo etc.". Bem, numa pessoa comum, cada um destes três Puru-
shas permanece separado e cada um é consciente a seu modo. Eles não são
inteiramente conscientes uns dos outros, misturam-se, mas não apropriada-
mente, e na maior parte das vezes não se entendem. Muito raramente unificam-
se, harmonizam-se ou reúnem-se como um time para servir a um propósito
comum, a um único objetivo. Essa união e harmonização somente pode ser feita
através do Purusha Supremo, a Testemunha Divina, que é o verdadeiro Ser
consciente, o único Purusha atrás e acima de todos os outros, cuja luz, antes de
tudo, centraliza-se no ser psíquico e, então, através dele, é canalizado para seus
representantes ou emanações nos níveis inferiores, a mente, o vital e o físico.

O que é consciência? É o inverso de Inconsciência. É a essência criativa do
universo: sem consciência não existe criação. Inconsciência significa não-
existência. O supremo Não-manifesto torna-se consciente de si mesmo, isto é,
objetiva-se, vê-se criado ou refletido em múltiplos centros: isto é a origem de
toda criação. Pela consciência tudo é, pela inconsciência nada é. Consciência é
luz, consciência é vida.

11

Purusha: a alma consciente, o elemento divino no tornar-se

12

Ādhāra: receptáculo; o sistema abrangente composto de 5 invólucros, dos princípios que
constituem o físico, o vital, o mental, o supramental e o ser espiritual.

50

PARTE VI

A consciência original é una, indivisível, no seu mais elevado potencial. Mas
quando se desloca e fica dividida, isto é, individualizada, torna-se ao mesmo
tempo difratada e reduzida ao mínimo, como os reflexos num espelho áspero. O
que normalmente entendemos por consciência é este seu grau diminuído no
indivíduo. Mas apesar de diminuída e difratada em muitas formas e modos, a
consciência básica é ainda a consciência divina que está ali por trás e na origem
de todas as formulações parciais. É através deste cerne da Presença Divina —
que nada mais é que o psíquico — que o indivíduo mantém e desenvolve seu
contato com o Divino, cresce dentro da plenitude da divina consciência, mesmo
como uma incorporação individual e terrena.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->