UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Engenharia Mecânica

IM433Z – Acionamento de Máquinas Elétricas para Automação Industrial
Prof. Dr. Niederauer Mastelari

PROFINET

Matheus Puttinati Casari Abril 2012

RA:133688

.............................................1 Profinet CBA.............................. 7 1.........................................2 Profinet IO.... 8 1............... 12 Anexo 1............................. 4 1...........................3 Profinet RT............................................................................................................................................. 14 1 ..... 13 Bibliografia..4 Profinet IRT....... Profinet........Índice 1.......5 Aplicação....... 2 1.................................. 3 1..................................................................................................................................

. (Lugli. (Ferrari. E a Profinet CBA. Profinet A Profinet é um padrão de comunicação aberto que permite a integração simples em sistemas e redes já existentes. Flammini. responsável pela comunicação dos dispositivos de campo com tempo real e tempo real síncrono. como uma das quatorze redes de Ethernet Industrial. Marioli. principalmente em nível corporativo e supervisão. Ele consegue abranger comunicação em nível de corporativo. 2010) É um protocolo que compreende todos os requisitos da planta automatizada e se divide em dois grupos para uma melhor otimização dos recursos: A profinet IO. (Pegaia.1. 2008) Profinet é um protocolo de comunicação cujo padrão consegue satisfazer todas as necessidades de uso da Ethernet na automação industrial. Isso significa que existe segurança tanto para os investimentos existentes e futuros quanto para uma transição gradual para a nova tecnologia. As normas que regulamentam a Profinet são: IEC61158-5 e IEC61158-6. (Pigan. 2004) Foi padronizada pela (PI) PROFIBUS and PROFINET Internatinal. responsável pela comunicação em tempo real e não critica dos dados. 2008) 2 . padrões de automação com sistemas IO e trocas de dados precisas para controle de movimento. & Taroni.

(Kleines. 2010) Atua na comunicação entre equipamentos inteligentes como CLP. Profinet CBA A Profinet CBA. IHM e PC.1. ideais para troca de informações entre controladores e interfaces inteligentes. (Pigan. também chamadas módulos. A Profinet CBA promove a modularização das fábricas e de suas linhas utilizando inteligência distribuída. onde tais são gerenciados segundo um programa controlador escrito pelo próprio usuário. & Suxdorf. na verdade. possibilitando a comunicação dos dispositivos através da linha de produção e a configuração gráfica da comunicação entre os módulos. Os módulos possuem controladores pré-programados que recebem os sinais de entrada e os enviam de acordo com essa programação. Drochner. divide a planta automatizada em várias unidades autônomas. Detert. 2008) Componentes são.1. gerando os sinais de saída para outros dispositivos controladores. A mesma acontece em ciclos acima de 100ms. Os módulos são dispositivos tecnológicos que são receptores de sinais. automação baseada em componente. módulos de entrada e saída com comunicação programada. 2008) 3 . (Pegaia.

2008) 4 . utilizando barramento de poucos milissegundos. Profinet IO Profinet IO é o protocolo que permite a interface de comunicação entre todos os dispositivos de campo. e os módulos controladores. como sensores e atuadores. a interface supervisória é integrada somente em alguns instantes para funções de autorização ou resolução de problemas.2. 2008) Uma planta possui pelo menos um controlador e alguns sensores e atuadores. (Lugli. desde a sua parametrização até os diagnósticos da comunicação.Figura 1 Profinet CBA 1. Ela foi projetada para uma rápida comunicação de dados. O mesmo especifica a total troca de dados entre os dispositivos de campo. (Pigan.

Felser. tanto em sua configuração como também nas transferências de dados. (Kleines. & Rentschler. Ele também pode gerar informações de diagnósticos e alarmes ao controlador. Um dispositivo IO pode ser modular e composto de um ou mais espaços. Cada espaço ou subespaço representa um módulo IO e tem um número fixo de bits entradas e saídas. Drochner. & Suxdorf. • Dispositivo IO: Representa um dispositivo análogo de campo que coleta as informações do processo e transmite ao controlador e vice-versa. 2011) Profinet IO é um modelo consistente de estrutura e possibilidades dos dispositivos IO. cada dispositivo Profinet IO tem as seguintes atribuições: • Controlador IO: Representa a estação central de comando e é responsável pela gerência de todos os dispositivos a ele conectados.Como consequência. Os dados de entrado de um dispositivo IO é a sequência das entradas de todos os espaços e subespaços. Detert. • Supervisor IO: Representa uma estação para supervisão programação e diagnósticos. respeitando a ordem em que eles estão posicionados. 2008) 5 . cada espaço pode ser composto de subespaços. (von Rohr.

• Depois de finalizadas a configuração e parametrização. • Através da gravação acíclica de dados todos os dispositivos IO e seus sub-módulos são configurados e parametrizados. Figura 2 Profinet IO 6 .Para o controlador começar o sistema. uma série de operações é iniciada conforme as pré-configurações do sistema: • Cada dispositivo IO é checado e a ele é atribuído um endereço IP pelo Discovery and Configuration Protocol-DCP. onde os dados do processo são trocados ciclicamente entre os dispositivos. • A conexão de comunicação entre todos os dispositivos IO é então formada com os serviços de gerenciamento de contexto. um dispositivo IO inicia o modo cíclico de transferência de dados.

tempo definido. (Ferrari. O tempo do ciclo para transferência em tempo real pode ser diferente para cada dispositivo. & Augelli. Drochner. Flammini.1. Os requerimentos gerais para essa comunicação são resposta determinística e em tempo definido. Detert. Outros dados como estatística e relatórios são transmitidos por um canal de transmissão não critico. ou seja. Profinet RT Profinet RT é o protocolo usado para o processamento e transmissões de dados do processo em tempo real.3. Contudo. A figura 3 exemplifica tal operação.25ms (1/32). (Pegaia. um dispositivo só pode ocupar a banda pelo tempo necessário para a transmissão dos dados requeridos. Venturini. & Suxdorf. 2010) 7 . 2008) Um tempo real de transferência de dados é preestabelecido entre o controlador e os dispositivos através de um canal de tempo real. (Pigan. 2011) Os dispositivos que utilizam este protocolo transferem ciclicamente os dados do processo no barramento. 2008) O receptor controla o tempo máximo para a chegada dos dados e a conexão é supervisionada pelo envio bidirecional de pacotes de status. O tempo predefinido de envio e recebimento é chamado de clock time que é múltiplo de uma unidade de tempo de 31. (Kleines.

4. 2010) 8 . (Pegaia. 2011) 1. Venturini. (Ferrari. permitindo tanto protocolos como UDP e TCP como também tráfego em tempo real. Utilizado principalmente pra sincronismo entre atuadores. & Augelli. O restante da banda pode ser ocupado para transferências de dados de processos em tempo não critico.Figura 3 Profinet RT As especificações do protocolo Profinet RT exigem que pelo menos 40% da banda deve ser mantido livre de qualquer trafego de dados Profinet. controle de movimento. Flammini. grande velocidade e sincronismo na troca de dados. Profinet IRT Profinet IRT nada mais é do que o protocolo de transmissão de dados em tempo real precisamente sincronizado.

(Prytz. (Pigan.Segundo especificações deste protocolo todos os dispositivos IO leem e escrevem dados ao mesmo tempo e. o emissor envia o pacote de dados juntamente com o respectivo horário de envio. que nada mais é do que o atraso ou antecipação do tempo de recebimento. 2008) 9 . e deve ser de no máximo de 1µs para Profinet IRT. A diferença entre o tempo projetado de transmissão e o tempo real que o pacote é recebido é chamado de Jitter. O receptor então. o principio inicial e básico para que isso ocorra é que todos eles estejam referenciados por um sistema único de relógio. Figura 4. a partir destes dados. envia uma resposta com o respectivo horário de chegada e também acrescenta o tempo de processamento interno e de reenvio da mensagem. 2010) Figura 4 Projeção do tempo da transmissão O emissor. (Pegaia. ao receber o pacote. 2008) Com o objetivo de controlar minunciosamente a sincronização dos dados. Figura 5. consegue projetar o tempo de transmissão da linha.

Kuenzle. se beneficiam da banda de tempo real como alarmes.Figura 5 Jitter O protocolo Profinet IRT (Isochronous Real Time) gerencia a banda de comunicação baseando-se em fases. A figura 6 exemplifica tal divisão de banda. 2010) 10 . que se situa entre as fases vermelha e verde. Doran. A fase verde é usada pra transmitir pacotes de dados assíncronos como quadros de tarefa Ethernet. Os pacotes de dados sincronizados ocupam a banda na fase vermelha. (Gunzinger. & Weber. Ainda existe uma fase amarela. Schwarz. A fase laranja é usada para a transmissão de dados assíncronos do sistema. etc. porém. utilizada para o armazenamento de pacotes enviados com atraso pela fase verde e que podem comprometer a sincronização da fase vermelha.

Figura 7 Comparação entre os protocolos 11 .Figura 6 Divisão da banda em fases A figura 7 mostra uma comparação simples entre os protocolos.

são realizadas com maior precisão e menor tempo graças ao sistema de detecção de falhas. (Fittipaldi. quando ocorrem. mais especificamente nas células de soldagem da Ford Courier. Aplicação A aplicação do protocolo Profinet a ser citada nesse trabalho foi realizada na planta fabril da ford em São Bernardo do Campo. Também. Outra vantagem foi a centralização das interfaces IHM comandas agora por computadores o que resultou em interfaces mais amigáveis e simplificadas. Outros pontos positivos abrangidos foram o reduzido numero de dispositivos que ocasionou em um sistema mais simplificada e um ganho de tempo.2. além da maior eficiência e espaço gerados pelo menor número de cabos. o monitoramento dos dispositivos agora é feito por CLPs. que apresentam maior confiabilidade e menor numero de intervenções que. A montadora adquiriu o sistema em 2007 e citou como principal característica a facilidade de instalação. 2010) 12 .

Anexo 1 13 .

Experimental evaluation of PROFINET performance. pp. [8]Pigan. Santa Rita do Sapucaí / MG – Brasil.. Automating with PROFINET. Detert. Uma visão do protocolo industrial Profinet e suas aplicações. 5-9). [2]Ferrari. D.35-42). Emerging Technologies & Factory Automation (ETFA). Flammini. Proceedings. C. 38. (2011). Flammini. (pp. pp. 2008. A. & Weber. 2010 8th IEEE International Workshop.. A. (2008). Schwarz. D. & Augelli. A. D. Simplifying the engineering of modular PROFINET IO devices. Emerging Technologies and Factory Automation. A. Optimising PROFINET IRT for fast cycle times: A proof of concept. P. K. 14 . [10]von Rohr. Erlangen. Factory Communication Systems. A. no.1.1-4.. (2004). H. M.. [9]Prytz. H.3. B. [3]Fittipaldi. Kuenzle.. FORD moderniza planta com PROFINET e PROFIsafe. A. & Rentschler.. Felser. H. 2011 IEEE 16th Conference on . Emerging Technologies & Factory Automation (ETFA). Factory Communication Systems (WFCS). Nuclear Science. 15-18). (pp. (2008).408-415. Large PROFINET IO RT networks for factory automation: A case study. A performance analysis of EtherCAT and PROFINET IRT. 2011 IEEE 16th Conference on. M. pp. Doran.. Mecatrônica Atual .. Bibliografia [1]Ferrari. 5-9). [6]Lugli.Automação Industrial de Processos e Manufatura. Venturini.. IEEE Transactions on : vol. (2010). F...334.. (pp. 1-4. IEEE International Conference on. S.. 22-24). Drochner. (2011). pp. (pp. & Taroni. [5]Kleines. D.. 2004 IEEE International Workshop on. (pp. & Suxdorf. (2010).. (2008). Performance Aspects of PROFINET IO. [7]Pegaia. P. 2004. 331. R. M.55.290-294. [4]Gunzinger. F. ETFA 2008. Marioli. (2008). (2010). G. Tecnologia Profinet.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful