You are on page 1of 4

Apoio

Por JulIana IwashIta

LUMINOTÉCNICA APLICADA

CAPÍTULO I ILUmInAçãO de InTerIOres
Nos próximos meses, serão apresentados fascículos sobre luminotécnica, abordando os principais temas para elaboração de projetos luminotécnicos visando ao conforto luminoso, atendimento aos requisitos visuais e aspectos relacionados à conservação de energia, tema atualmente muito recorrente. Estes fascículos apresentarão desde conceitos técnicos básicos até a apresentação de estudos de casos de aplicações aliando teoria e prática. Abordará fotometria, cálculos luminotécnicos, programas de cálculo, equipamentos de iluminação e tendências para o futuro e visa atender a um grande número de profissionais e técnicos, desde iniciantes até especialistas no assunto. Os fascículos serão divididos para publicação conforme cronograma a seguir, podendo, entretanto, sofrer alterações no seu desenvolvimento de forma a contemplar eventual aprofundamento dos assuntos tratados: 1 - Iluminação de interiores. Conceitos iniciais 2 - Sistemas de iluminação e fotometria 3 - Equipamentos – Parte 1 4 - Equipamentos – Parte 2 5 - Cálculo luminotécnico – Método dos lumens e ponto a ponto 6 - Cálculo luminotécnico – Fatores de manutenção 7 - Programas de cálculo 8 - Aplicações de escritório 9 - Aplicações comerciais – lojas 10 - Aplicações industriais 11 - Iluminação para conservação de energia 12 - Tendências para o futuro mas também como essa luz é direcionada ao plano de interesse, a reprodução de cor e a aparência da luz e sua relação com as superfícies a serem iluminadas de modo a evitar ofuscamentos2. O objetivo principal de um bom projeto luminotécnico é criar ambientes visuais agradáveis que possibilitem a visualização de ambientes e objetos de forma apropriada, garantindo desempenho e segurança nas atividades a serem executadas, sem causar fadiga visual. Desta forma, é recomendada atenção aos seguintes aspectos relacionados à iluminação: 1. Nível de iluminância 2. Distribuição da luminância3 3. Ofuscamento 4. Direcionamento da luz 5. Aspectos de cor da luz 6. Escolha de equipamentos 7. Iluminação natural 8. Manutenção do sistema Devem ainda ser considerados aspectos particulares da tarefa a qual se destina a iluminação, tais como: tamanho, cor, refletância do entorno imediato e a capacidade visual do operador, relacionada geralmente à idade do usuário. Nível de iluminância O nível de iluminância e como este é distribuído na tarefa e no entorno influenciam como o usuário percebe e executa uma atividade. Os níveis de iluminância a serem considerados para cada atividade são dados pela NBR5413 – Iluminância de interiores. Os valores especificados nesta norma garantem condições de segurança e de desempenho visual para as diversas atividades. Segundo a CIE (International Commission on Illumination, ou de acordo com a sigla em francês, Commission Internationale de l´Eclairage), em condições normais de iluminação, a menor iluminância no plano horizontal para distinguir aspectos da face humana é de 20 lux. Para áreas

Iluminação de interiores Conceitos iniciais
Uma boa iluminação requer atenção a aspectos quantitativos e qualitativos da luz. A aplicação de um bom projeto luminotécnico deve considerar não apenas o nível de iluminância1 adequado à atividade,

1 Nível de iluminância: quantidade de luz que chega a uma superfície. Indica a relação entre o fluxo luminoso incidente em uma superfície e sua unidade de área. Unidade: lux. 2 Ofuscamento: é a sensação visual produzida por áreas muito brilhantes no campo de visão, causando desconforto visual. 3 Luminância: brilho ou intensidade luminosa emitida ou refletida por uma superfície iluminada em direção ao olho humano. Unidade: cd/m2

36

O SETOR ELÉTRICO Janeiro 2008

Desta forma. afeta a visibilidade da tarefa e o conforto visual. Distribuição de luminância A distribuição de luminância no campo visual controla o nível de adaptação dos olhos. contração da pupila. tabela 1: Iluminâncias mínimas recomendadas para áreas do entorno imediato da tarefa Iluminância do entorno imediato (lux) Iluminância da tarefa (lux) ≥750 500 300 ≤200 500 300 200 Igual a iluminância da tarefa Referência: CIE Nº 008-E Lighting of indoor work places. 4 5 O SETOR ELÉTRICO Janeiro 2008 apoio 37 . Para obter uma distribuição de luminâncias adequada.5 no entorno imediato. que. pois a luminância é determinada pela iluminância que atinge a superfície e por sua refletância6. não devem ser inferiores aos valores da Tabela 1. Assim. Second edition. devendo-se atentar para: iluminância da tarefa e deve propiciar uma distribuição de luminâncias uniformes no campo de visão. luminâncias muito elevadas devem ser evitadas para não causar ofuscamentos. a sensibilidade de contraste e a eficiência das funções oculares (como acomodação visual. O plano de tarefa deve ser iluminado o mais uniformemente possível e a mudança dos níveis de iluminância deve ser gradual. a escala de iluminância perceptível e recomendada para as atividades. por sua vez. as características das superfícies do ambiente são importantes. pois deixam o ambiente sem estímulo visual.de trabalhos contínuos. A distribuição de luminância deve ser complementar à distribuição de iluminâncias. 2002. Assim. os valores de iluminância do entorno devem ser menores que da tarefa.5. Uniformidade: razão entre a iluminância mínima e média. movimento dos olhos. segundo a CIE é: 20 – 30 – 50 – 75 – 100 – 150 – 200 – 300 – 500 – 750 – 1000 – 1500 – 2000 – 3000 – 5000 lux A iluminância do entorno imediato deve ser condizente à 4 Recomenda-se uma uniformidade5 mínima de 0. etc. Luminâncias e contrastes muito baixos de luminância também não são desejáveis. assim como contrastes muito elevados de luminâncias.7 no plano de trabalho e de 0. porém. A menor percepção significativa em efeitos subjetivos ocorre com iluminâncias múltiplas a fatores próximos a 1. Entorno imediato: área periférica à área do plano de trabalho. 6 Refletância: razão do fluxo luminoso refletido pelo fluxo incidente em uma superfície. Variações bruscas de iluminâncias no entorno imediato podem causar desconfortos e stress visual.). Uma distribuição balanceada é necessária para garantir a acuidade visual. a iluminância mínima a ser mantida é de 200 lux. pois podem causar fadiga visual em função da necessidade contínua de readaptação dos olhos.

Este indicador possui valor máximo de IRC = 100% e se reduz conforme a qualidade de reprodução de cor reduzida. Devem ser considerados o nível de iluminância. 2002.6 0. Cuidados devem ser tomados a favor da eficiência energética do sistema e para evitar efeitos indesejáveis do sistema de iluminação.3 a 0. tonalidade de cor mais quente são desejadas. Ofuscamentos diretos e refletidos podem ser evitados pela escolha de luminárias com controle de ofuscamento.5 entre as refletâncias de fundo da tarefa e a da tarefa propriamente dita. A CIE classifica as lâmpadas conforme sua temperatura correlata de cor conforme Tabela 3. e quanto mais baixa a temperatura de cor mais amarelada é a sua cor. tabela 2: Refletâncias recomendadas para as superfícies Teto Paredes Planos de trabalho Piso 0. as cores mais frias são preferíveis e em climas mais frios. tabela 3: aparência de cor de lâmpadas conforme a temperatura de cor Aparência de cor Quente Intermediária (neutra) Fria Temperatura de cor correlata Menor 3300 K 3300 K a 5300 K Acima de 5300 K Referência: CIE Nº 008-E Lighting of indoor work places. Em ambientes de trabalho. é extremamente importante que o piso seja claro.6 – 0. luminâncias excessivas. Para escritórios recomendam-se razões de 0. que pode causar distração. as cores do ambiente e da mobília. Second edition. Luminâncias de teto.2 – 0. O desempenho das luminárias. devem ser bem dimensionadas para não criar áreas de sombras muito dramáticas quando em excesso. É muito importante evitar o ofuscamento para evitar erros. Lâmpadas com IRC igual a 100 apresentam as cores com a fidelidade e a precisão da luz natural. o clima do ambiente e a aplicação. ou por contrastes elevados no campo visual. isto é. aumento da área luminosa de luminárias e evitando pontos brilhantes em tetos e paredes com o uso de cores claras. O uso da luz direcional ou iluminação de destaque modela objetos na medida em que fornece contraste de sombras.9 0. mais branca é a cor da luz. tais como: o Efeito Flicker 9. escolha de acabamentos de superfícies não brilhantes.5 aspectos de cor da luz A qualidade da cor é caracterizada por dois aspectos: a temperatura de cor 7 da luz emitida pela lâmpada e o índice de reprodução de cor 8. sem contraste. ou áreas muito chapadas. fadiga e acidentes. a tonalidade de cor da lâmpada. Pode ser direto ou refletido. Direcionamento da luz A luz direcionada pode complementar a iluminação difusa de modo a enfatizar texturas e melhorar a aparência de detalhes de objetos. Refletâncias: Recomenda-se que as refletâncias das superfícies internas atendam. A temperatura de cor determina a aparência da cor da luz. Unidade: Kelvin (K). lâmpadas e equipamentos auxiliares determinará o desempenho da aplicação. mas não inferior a 1/3. 38 O SETOR ELÉTRICO Janeiro 2008 . que pode causar situações perigosas em função de modificar a percepção de rotação de máquinas quando estas estiverem operando na mesma freqüência que os sistemas de iluminação. 2002 Referência: CIE Nº 008-E Lighting of indoor work places. recomenda-se que o teto tenha altas refletâncias (superior a 60%) para reduzir o contraste entre o teto e a luminária. fadiga visual e dores de cabeça e o Efeito Estroboscópico. 8 Índice de reprodução de cor: indica o grau de fidelidade com que a luz reproduz as cores dos objetos. Estas. Para ambientes internos com trabalho contínuo. A escolha da tonalidade de cor da luz para um determinado ambiente deve levar em consideração fatores psicológicos e estéticos. Quanto mais alta a temperatura de cor. Geralmente em climas quentes. quando o direcionamento for difuso. entretanto. Escolha de equipamentos A seleção dos equipamentos de iluminação é muito importante para o correto desempenho do sistema.1 – 0. posicionamento destas e de lâmpadas fora do campo visual crítico. na maior parte dos casos. quando for refletido por superfícies até o campo visual. 7 Temperatura de cor: é a grandeza que expressa a aparência de cor de uma luz. Em ambientes com iluminação direta. paredes e piso: Recomenda-se que a luminância do campo de visão periférico não seja inferior a 1/10 da luminância da tarefa. à faixa dada pela Tabela 2.Apoio LUMINOTÉCNICA APLICADA Distribuição da luminância na área de tarefas: Recomenda-se que a luminância do entorno seja menor que a luminância da tarefa.8 0. Second edition. Ofuscamento O ofuscamento é geralmente causado pelo brilho excessivo de luminárias e janelas. O índice de reprodução de cor indica como a luz reproduz as cores relacionadas com a cor real do objeto. Recomenda-se que a iluminância do teto não seja inferior a 1/10 da iluminância da tarefa. pois a única luz que chega ao teto é devida à inter-reflexão. isto é. é recomendado o índice de reprodução de cor superior a 80%.3 – 0.

Referências bibliográficas CIE Nº 29. Dispositivos. O cálculo luminotécnico deve considerar todos esses fatores de forma a dimensionar corretamente o sistema. das superfícies do ambiente e das características do programa de manutenção da instalação. mestre em engenharia elétrica pela Escola Politécnica da universidade de são Paulo. da 9 Efeito Flicker: cintilação do fluxo luminoso emitido pela lâmpada.br Manutenção do sistema A manutenção da iluminância de um sistema de iluminação depende das características do ambiente. podem ser utilizados para otimizar o uso da iluminação natural. como limpeza e substituição de lâmpadas em grupo. Second edition. Procedimentos de manutenção apropriados.7 para dimensionamentos.com. em função da variação de luminosidade do fósforo nas lâmpadas fluorescentes quando alimentadas em freqüência de 60 Hz. o balanço da economia gerada pelo uso da iluminação natural e o gasto de energia para climatização. juliana@arquilum. em função do ganho ou a perda de calor por meio das aberturas. Iluminação natural A iluminação natural pode ser utilizada para complementar ou substituir a iluminação artificial em áreas próximas às janelas ou aberturas zenitais. Deve ser analisado. da luminária. lâmpada. entretanto. 2002. podem economizar custos e energia e prolongar a vida do sistema. O SETOR ELÉTRICO Janeiro 2008 apoio 39 . como sensores de luminosidade e reatores dimerizáveis. CIE Nº 008/E Lighting of indoor work places. são recomendados o uso de reatores eletrônicos. pois estes operam em altas freqüências (20 kHz a 50 kHz). A CIE recomenda que o fator de manutenção ou fator de depreciação luminosa não seja inferior a 0.Para evitar ambos os efeitos e garantir conforto visual e segurança à instalação. Consultora luminotécnica e diretora da arquilum arquitetura e Iluminação. Continua na próxima edição por JulIana IwashIta arquiteta pela Faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são Paulo.2 Guide on Interior Lighting. 1986.