You are on page 1of 2

BLOG DO PG

http://blogdopg.blogspot.com/2008/01/ppd-e-

tuberculose.html#links

14 Janeiro, 2008

PPD e tuberculose

Tenho publicado no Scribd o material de apresentação de algumas de minhas palestras. Foi, no referido website, que uma leitora me formulou a seguinte pergunta:

“Meu primo de oito anos fez um exame de PPD que deu o resultado de 15 mm. Ele

está com tuberculose?”

PPD são as iniciais de uma expressão inglesa que significa “derivado protéico purificado”. Referente a um material antigênico, obtido a partir de bacilos da tuberculose, o qual tem utilização em medicina para identificar os indivíduos que já foram ou estão sendo infectados por esta espécie de bacilo. Trata-se, portanto, de

um teste. Através de uma seringa, esse material é injetado na pele do indivíduo a ser testado, em nível intradérmico. Três dias após, é feita a medida do maior diâmetro alcançado na área de endurecimento que se forma na pele. São estes os resultados possíveis para o teste:

  • 0 a 4 milímetros = não reator

  • 5 a 9 milímetros = reator fraco

10 ou mais milímetros = reator forte E são estas as respectivas interpretações:

BLOG DO PG <a href=blogdopg.blogspot.com http://blogdopg.blogspot.com/2008/01/ppd-e- tuberculose.html#links 14 Janeiro, 2008 PPD e tuberculose Tenho publicado no Scribd o material de apresentação de algumas de minhas palestras. Foi, no referido website , que uma leitora me formulou a seguinte pergunta: “Meu primo de oito anos fez um exame de PPD que deu o resultado de 15 mm. Ele está com tuberculose?” PPD são as iniciais de uma expressão inglesa que significa “derivado protéico purificado”. Referente a um material antigênico, obtido a partir de bacilos da tuberculose, o qual tem utilização em medicina para identificar os indivíduos que já foram ou estão sendo infectados por esta espécie de bacilo. Trata-se, portanto, de um teste. Através de uma seringa, esse material é injetado na pele do indivíduo a ser testado, em nível intradérmico. Três dias após, é feita a medida do maior diâmetro alcançado na área de endurecimento que se forma na pele. São estes os resultados possíveis para o teste: 0 a 4 milímetros = não reator 5 a 9 milímetros = reator fraco 10 ou mais milímetros = reator forte E são estas as respectivas interpretações: Não reator : o indivíduo é não infectado (ou é portador de um estado imunológico que impede de reagir ao teste como acontece em doentes de AIDS, por exemplo). Reator fraco : o indivíduo foi infectado por outras micobactérias (que não causam a tuberculose) ou foi vacinado pelo BCG, não recentemente. Reator forte : o indivíduo já foi infectado, podendo ou não estar doente de tuberculose, ou foi vacinado pelo BCG, recentemente. Na situação de reator forte, ressalvando-se a influência do BCG tomado recentemente, interpreta-se que o indivíduo testado passou pela experiência da infecção tuberculosa. Como já tem acontecido a mais de 50 milhões de brasileiros da atual população do país, sem que isto signifique a ocorrência da doença. Em 95 por cento dos casos, a previsão é de que estes indivíduos já infectados não evoluam " id="pdf-obj-0-38" src="pdf-obj-0-38.jpg">

Não reator : o indivíduo é não infectado (ou é portador de um estado imunológico que impede de reagir ao teste como acontece em doentes de AIDS, por exemplo). Reator fraco : o indivíduo foi infectado por outras micobactérias (que não causam a tuberculose) ou foi vacinado pelo BCG, não recentemente. Reator forte : o indivíduo já foi infectado, podendo ou não estar doente de tuberculose, ou foi vacinado pelo BCG, recentemente. Na situação de reator forte, ressalvando-se a influência do BCG tomado recentemente, interpreta-se que o indivíduo testado passou pela experiência da infecção tuberculosa. Como já tem acontecido a mais de 50 milhões de brasileiros da atual população do país, sem que isto signifique a ocorrência da doença. Em 95 por cento dos casos, a previsão é de que estes indivíduos já infectados não evoluam

para a enfermidade (em crianças, este aspecto evolutivo “benigno” é menor). No entanto, cerca de 100 mil brasileiros adoecem a cada ano de tuberculose. São aqueles que passam a apresentar os sintomas relacionados com esta doença: tosse, expectoração, febre, anorexia, emagrecimento etc. Nos quais, para a tuberculose ser confirmada, haverá a necessidade da realização de exames complementares, como baciloscopia e cultura de amostras de escarro e de lavado brônquico, histopatologia de tecidos biopsiados e outros exames. Em crianças, pela dificuldade na obtenção de material para tais exames, muitas vezes o diagnóstico será feito por história de contato com adulto tuberculoso, situação de reator forte (em não vacinado pelo BCG), quadro clínico compatível e imagens radiológicas sugestivas para tuberculose. É recomendação do Ministério da Saúde do Brasil que se proceda a quimioprofilaxia pela isoniazida, durante 6 meses, na criança com idade inferior a 15 anos e que também se encontre em todas as seguintes condições:

  • - reatora forte ao PPD;

  • - não vacinada pelo BCG;

  • - contatante de paciente tuberculoso eliminador de bacilos;

  • - não doente.

Esta última exigência é muito importante que seja atendida, pois se a criança estiver

doente a conduta correta será o tratamento pelo esquema padronizado.

PS > As informações prestadas nesta nota não dispensam ser a criança consultada pelo médico.

Marcadores: PPD , tuberculose

# posted by Paulo Gurgel @ 07:01