You are on page 1of 3

Universidade Federal de Juiz de Fora Especialização em Políticas Públicas e Gestão Social Disciplina Estratificação Social Aluno: Fernando Henrique

Guisso 1) Discorra sobre as noções de espaço social e de classe, apresentadas nos textos de Pierre Bourdieu que trabalhamos. 2) Por que Bourdieu insiste no caráter relacional das posições no espaço social? (respostas juntas) Bourdieu faz um excelente trabalho teórico e empírico ao redefinir a noção de classe presente em Marx a partir do conceito de espaço social. O conceito de classe e espaço social está, a meu ver, inteiramente inter ligados, pois é a partir da posição nesse espaço virtual que se pode distinguir uma classe das outras. Dentro do espaço social encontraremos dois eixos fundamentais formados por diferentes capitais, o capital econômico e o capital cultural. Bourdieu introduz a variável cultural expandindo assim o viés economicista da visão marxiana. È importante ressaltar que o capital econômico e o capital cultural possuem pesos relativos diferenciados de acordo com cada sociedade, entretanto o capitalismo dá um peso maior a dimensão econômica. A junção destes dois capitais gera a noção de capital global. Poderíamos dizer que quanto maior o capital global mais alto está o possuidor dentro de uma hierarquia social. Os maiores detentores de capital global seriam então a classe dominante. Quanto maior a diferença de capital global maior será a distância das classes dentro do espaço social. Bourdieu demonstra alguns exemplos como empresários, que seriam maiores detentores de capital econômico que cultural, os professores, detentores de maior capital cultural do que econômico e os pobres, muitas vezes destituídos de ambos os capitais. Por excelência não há exclusão, todos fazem parte dessa lógica e estão alocados dentro desse espaço. Por sua vez cada posição dentro desse espaço constituirá uma classe, que será definida não só por esses capitais, mas por uma serie de disposições a práticas em todas as dimensões de sua vida. Esse conjunto de disposições é o que Bourdieu chamará de habitus. As classes então se distinguirão a partir disso. A classe dominante viverá uma cultura que se tornará legítima em detrimento dos que se localizam nas partes mais “baixas” do espaço social. A classe dominante passa a ter a capacidade de dizer o que é agradável, limpo e desejável na sociedade.

Bourdieu complexifica a compreensão da sociedade ao adicionar essas variáveis e expandir o conceito de classe. Ainda que classes dominantes estejam fazendo seus bailes. mas é algo anterior a isso. Por essa dinâmica que Bourdieu afirma ser relacional o caráter da construção do espaço social e mesmo da relação entre as classes. ainda que. um dado que está presente antes do próprio indivíduo. Muitos problemas dos alunos são anteriores a realidade escolar. Há aí uma lógica determinista do contexto social. com base em Pierre Bourdieu. dará a cada um sua posição no espaço social. em algum nível. no entanto o modelo de escola preconiza certas disposições. A distinção sempre se dará entre o que é legítimo e o que é vulgar. A cultura dominante. O fato de um aluno não ter interesse nas aulas e muitas . a apropriação da música será diferente. A escola recebe alunos de diferentes classes sociais que são imbuídas de habitus bastante diversos. mas que adotou toda uma série de práticas que demarcaram essa mudança. Outro ponto importante é o caráter relacional em que o espaço social se constrói. tudo é feito de forma distintiva. como a escola pode contribuir para a reprodução da desigualdade social. Um bem cultural partilhado dentro da cultura dos universitários e acadêmicos enquanto o funk faz parte das camadas pobres e alienadas. as disposições legítimas e valorizadas o serão em virtude do detrimento de outras práticas.Uma vez que alguém nasce dentro de uma classe é natural que o habitus dessa classe seja reproduzido dentro do indivíduo que viverá condições sociais semelhantes dos que compartilham a vivência. Seu novo eu deve ser diferente do antigo. ou mesmo pelo conhecimento objetivo de suas disposições. Não basta mais somente dizer que a sociedade está dividida entre patrões e operários. 3) Argumente. Quando alguém ascende de uma classe para outra não significará que esse indivíduo somente enriqueceu. dependem de condições prévias de acesso aos capitais diversos pelos alunos. a menos que existam influências que alterem a realidade vigente. Eles não chegam à escola em condição de igualdade e há uma “meiaverdade” de que devem ser tratados igualmente. e consequentemente os habitus. que como visto na resposta anterior. Outro ponto interessante na análise de Bourdieu é observar que o pertencimento a uma classe não é definido pela sua auto-afirmação. a definição de Marx continue a ser válida. No Brasil temos o caso do funk em comparação com a MPB. A diferenciação entre as diversas disposições.

A desigualdade só se reforça. Aparentemente a escola é um local de instrução. aos seus pais ou mesmo aos professores. . aqueles que já tem garantias de uma vida mais segura. mas que tenha condições de trilhar um caminho profissional que lhe dará a possibilidade de ter uma vida segura e independente. onde serão dadas as condições para que o indivíduo viva não só em sociedade. Assim os mais preparados para a regra do jogo serão também os vencedores. O fracasso escolar e a evasão são exemplos. Utilizando do texto sobre o terceiro setor. no entanto isso acontecerá. mas ainda assim serão relegados a locais dentro do espaço social que não seriam diferentes mesmo sem a escola. A escola não altera a realidade do espaço social. na grande maioria das vezes. A escola não fará qualquer sentido a aqueles que não são preparados pra ela. esse parece um caso de má-fé institucional. no entanto o fracasso está ligado a falta das disposições necessárias para se compreender conteúdos que estão ligados a uma cultura que não é propriamente a deles. mas reforça e potencializada as disposições já adquiridas pelos alunos. A escola não foge a lógica do capitalismo e por isso opera dentro também no sistema de mérito.vezes imputado a ele. Em um sistema de promoção automática os alunos passam pela escola.