You are on page 1of 2

12 de abril de 2012.

Patologia Prática – Amauri Tópicos Práticos: Hiperemia
1. Definição: é um processo patológico básico do grupo das alterações cardiovasculares que se caracterizam por um acumulo de sangue em uma determinada área do organismo. 2. Sinonimia: congestão. OBS1: os tecidos e órgãos atingidos pelos processos hiperemicos são genericamente denominados de hiperemicos ou congestos. 3. Classificação: Critérios: as hiperemias podem ser classificadas de varias maneiras dependendo do critério classificatório utilizado. Os critérios mais utilizados são: 3.1. Quanto a programação genética do efeito hiperemico: 3.1.1. Hiperemias fisiológicas; 3.1.2. Hiperemias patológicas. 3.2. Quanto ao sistema vascular envolvido na hiperemia: 3.2.1. Hiperemias ativas ou arteriais; 3.2.2. Hiperemias passivas ou venosas. 3.3. Quanto ao tempo de evolução da hiperemia: 3.3.1. Hiperemias agudas; 3.3.2 hiperemias crônicas. 3.1.1. HIPEREMIA FISIOLOGICA São aquelas programadas geneticamente para ocorrer durante a vida de uma determinada espécie. Exemplos: hiperemia do sistema nervoso central durante o trabalho mental, hiperemia do músculo esquelético durante as atividades físicas, hiperemia do aparelho genital feminino e dos corpos cavernosos penianos durante as relações sexuais. 3.3.2. HIPEREMIA PATOLOGICA São aquelas não proogramadas geneticamente, ou seja, ocorrem ao acaso, desencadeadas por uma condição etiopatogenica. Exemplos: hiperemia patológica das reações inflamatórias, hiperemia patológica das varizes, hiperemia patológica das hemorroidas. 3.2.1. HIPEREMIAS ARTERIAIS OU ATIVAS São aquelas que se caracterizam por um acumulo de sangue arterial.

As hiperemias arteriais agudas se mostram macroscopicamente com áreas avermelhdas com uma coloração vermelho vivo e microscopicamente mostram artérias e capilares arteriais congestos. As hiperemias passivas se mostram macroscopicamente como áreas vinhosas. eritema actinico. HIPEREMIAS AGUDAS São aquelas que evoluem por um curto período de tempo. Exemplos: hiperemia das conjuntivas oculares causadas por corpos estranhos.2. repletos de sangue. Além disso. OBS3: definição para Cianose: É uma lesão elementar da pele. decorrente de uma hiperemia dérmica. 4. do tipo de sangue acumulado e do tempo de duração da hiperemia. hiperemia passiva patológica do fígado e dos pulmões decorrente da ICC. dilatados. repletos de sangue. Projeções Morfológicas. do grupo das manchas vasculo-sanguineas. hiperemia crônica do parênquima pulmonar numa área atingida pela TB pulmonar. com uma coloração vermelho-escuro.3. Exemplo: hiperemia crônica das gengivas causada pela doença periodontal. 3. 3. Morfologia Os padrões morfológicos macro e microscópicos das hiperemias são variados e dependem principalmente da etiopatogenia da hiperemia. Microscopicamente observam-se veias e capilares venosos congestos.3.Exemplos: hiperemia passiva do fígado e dos pulmões causada pela insuficiência cardíaca congestiva. HIPEREMIAS CRONICAS São aquelas que evoluem por um longo período de tempo. hipertrofias e fibroses.1. nos processos crônicos podem ser observados: hipotrofias. frequentemente acompanhadas de cianose.arroxeada ou azulada. . hiperemia da mucosa gástrica causada pela ingestão excessiva de bebida alcoólica. dilatados. OBS2: Definiçao para Eritema: É a vermelhidão patológica da pele. tendo a pele a se mostrar com uma coloração vermelha. decorrente de uma hiperemia passiva ou venosa. 5.