You are on page 1of 8

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 SIND DOS EMPREGADOS EM COOP DE SERV MEDICO DO EST GO, CNPJ n. 01.163.

079/0001-34, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). RODRIGO MACHADO GARIBALDI; E SINDICATO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE SERVICOS MEDICOS, CNPJ n. 60.902.764/0001-02, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE MARCONDES NETTO; celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de junho de 2010 a 31 de maio de 2011 e a data-base da categoria em 1º de junho. CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) Empregados em Cooperativas de Serviços Médicos, com abrangência territorial em GO. Salários, Reajustes e Pagamento Piso Salarial CLÁUSULA TERCEIRA - PISO SALARIAL O Piso Salarial da categoria de trabalhadores, abrangida nesta Convenção, fica estabelecido no valor de R$ 540,00 (Quinhentos e Quarenta Reais) por mês, para ser cumprido a partir de 1º de junho de 2010. PARÁGRAFO ÚNICO. Quando houver reajuste sobre o valor do salário mínimo atual, em conformidade com a legislação salarial vigente, o valor do piso salarial constante desta cláusula será reajustado em 6% (seis por cento) sobre o valor do salário mínimo alterado. Reajustes/Correções Salariais CLÁUSULA QUARTA - REAJUSTE SALARIAL As COOPERATIVAS concederão a todos os seus Empregados representados pelo SINDICATO PROFISSIONAL, a partir de 1º de junho de 2010, um reajuste salarial de 6,5(Seis vírgula Cinco por cento), incidente sobre os salários de 31 de maio de 2010, a vigorar até o dia 31/05/2011, referente a reposição de perdas salariais, nos últimos 12 meses, facultandose a compensação dos aumentos legais e as antecipações espontâneas, havidas no período compreendido de 01/06/2009 à 31/05/2010, excetuados os aumentos por promoção, transferência, equiparação e mérito. PARÁGRAFO ÚNICO. As partes convencionam que, eventuais diferenças salariais decorrentes do reajustamento salarial especificado no caput desta cláusula, principalmente decorrente da data-base até a aplicação em folha de pagamento, poderá ser pago na folha de pagamento referente ao mês seguinte ao registro desta CCT no orgão do Ministério do Trabalho e Emprego do Estado de Goiás. Pagamento de Salário – Formas e Prazos CLÁUSULA QUINTA - PAGAMENTO DE SALÁRIOS E OUTRAS VERBAS ATRASO - PENALIDADE As cooperativas de serviços médicos realizarão o pagamento dos salários de todos os Empregados representados neste instrumento, até o quinto dia útil do mês subseqüente ao do vencimento, sob pena de incidência da multa prevista neste dispositivo. PARÁGRAFO PRIMEIRO. As cooperativas de serviços médicos

ADIANTAMENTO Fica assegurado a todos os Empregados o direito de receber 50% (cinqüenta por cento) do 13º salário na saída ou no retorno de suas férias. com base no salário normativo . pelo pagamento de uma multa de 1% (um por cento) sobre o valor devido. que não fizerem opção para recebimento da 1ª parcela do 13º salário conforme prevê esta cláusula. salário base ou salário fixo. II . fica garantido o salário contratual do substituído.CONCEITOS Adotar-se-ão os seguintes conceitos para interpretação deste Instrumento: I . pagamentos e critérios para cálculo CLÁUSULA SEXTA . só poderão receber a 1ª parcela do 13º salário no retorno de suas férias. desde que seja apresentada a opção por escrito às cooperativas.13º SALÁRIO .salário: o mesmo que salário contratual. Adicional de Tempo de Serviço CLÁUSULA NONA . A substituição prevista nesta cláusula nunca poderá ser inferior a 15 (quinze) dias. por designação e autorização expressa do superior hierárquico. III . inclusive o 13º salário. CLÁUSULA SÉTIMA . até 30 (trinta) dias antes do início do período de gozo. com salário superior.comprometem-se a conceder aos seus Empregados o adiantamento salarial de 40% (quarenta por cento) de sua remuneração até o vigésimo dia do mês em vigor. a remuneração e o abono de férias. reajustes. além das cominações legais previstas. excluídas as vantagens pessoais. Adicionais.ADICIONAL DE INSALUBRIDADE O adicional de insalubridade será pago. para cada ano de serviço efetivo nas cooperativas de serviços médicos. PARÁGRAFO SEGUNDO. por dia de atraso. PARÁGRAFO PRIMEIRO.piso salarial: é o valor salarial mínimo a ser pago pelas COOPERATIVAS aos seus respectivos Empregados.remuneração mensal: corresponde ao salário mais gratificações. PARÁGRAFO ÚNICO. As cooperativas. adicionais e demais verbas remuneratórias variáveis. podendo ser acumulado até o limite de 20% (vinte por cento). Gratificações. bem como para o acerto de verbas rescisórias. PARÁGRAFO SEGUNDO. responderão. a qual não deverá exceder a 30% (trinta por cento) do total do débito. em caráter temporário. ou por ano e fração igual ou superior a 09 (nove) meses. Auxílios e Outros 13º Salário CLÁUSULA OITAVA . receberão no mês de Junho de cada ano.SALÁRIO SUBSTITUIÇÃO Ao Empregado que. Os Empregados. Adicional de Insalubridade CLÁUSULA DÉCIMA . Os Empregados que saírem de férias no mês de janeiro. quando não respeitarem os prazos estabelecidos para o pagamento de salários.ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO O adicional por tempo de serviço será calculado e pago no percentual de 1% (um por cento) sobre o salário contratual do Empregado. vier a substituir as funções de outro. salvo quando for participada por escrito às cooperativas a opção de receber na forma da lei. Outras normas referentes a salários.

DISPENSA POR JUSTA CAUSA No caso de dispensa por justa causa. ou manterão convênio-creche com outras entidades públicas ou privadas em substituição ao pagamento do benefício. sob pena da mesma se converter em demissão sem justa causa. Aviso Prévio CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA .VALE . conforme artigo 192 da CLT.AVISO PRÉVIO AS COOPERATIVAS comprometem-se a dispensar do cumprimento do aviso prévio o Empregado que comprovar novo emprego. 20% ou 40%) cabíveis em cada caso. pelo período de 06 (seis) meses. Fica assegurado o direito daqueles que recebem valor superior a este. comprometem-se a repassar às suas empregadas-mães o valor referente a assistência maternidade. Auxílio Morte/Funeral CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA .ALIMENTAÇÃO As cooperativas de serviços médicos obrigam-se a fornecer aos seus Empregados.EMPREGADOS EM VIA DE APOSENTADORIA Ficam garantidos o emprego e o salário dos Empregados em via de . Contrato de Trabalho – Admissão.AUXÍLIO CRECHE As cooperativas de serviços médicos do Estado de Goiás pagarão às empregadas-mães. mediante apresentação de comprovante de pagamento emitido por pessoa física ou jurídica.estabelecido na cláusula 3ª desta CCT. que definirá os percentuais (10%. em caso de falecimento do Empregado durante o vínculo empregatício.ASSISTÊNCIA A MATERNIDADE As cooperativas de serviços médicos. Relações de Trabalho – Condições de Trabalho. independentemente de ter sido dispensado ou de ter pedido demissão. ficando assim as partes desobrigadas de qualquer ônus.00 (Cento e Cinquenta e Dois Reais) mensais. Modalidades Desligamento/Demissão CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA . Demissão. as COOPERATIVAS deverão fornecer ao Empregado.AUXÍLIO FUNERAL As cooperativas de serviços médicos pagarão. Normas de Pessoal e Estabilidades Estabilidade Aposentadoria CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA . vale-refeição ou vale-alimentação ou cesta básica. uma importância igual ao seu último salário contratual aos seus beneficiários. Auxílio Creche CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA . por filho. pago pelo INSS. podendo descontar no máximo até 5% (cinco por cento) do valor do benefício concedido. que deverá ser reajustado com 10% (Dez por cento) referente ao valor praticado em 01/06/2010. Auxílio Alimentação CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA . carta especificando os motivos da dispensa. aqui representados. obedecendo as mesmas datas para adiantamento e pagamento de salários praticados para os demais Empregados. mediante enquadramento por laudo pericial. a partir da volta ao trabalho após o parto. Auxílio Maternidade CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA . no valor mínimo equivalente a R$ 152. auxílio-creche mensal igual a 20% (vinte por cento) do salário normativo da cláusula terceira desta CCT.

PARÁGRAFO SEGUNDO. que os feriados oficiais e costumeiros não serão computados nos dias de gozo das férias. no mínimo. ressalvada a hipótese de concessão de folga compensatória em outro dia. A jornada de 12 horas. nos termos do inciso XIII do art. no que diz respeito ao trabalho aos domingos. para os Empregados de cooperativas de serviços médicos que trabalham em regime de turnos. Compensação de Jornada CLÁUSULA DÉCIMA NONA . Fica determinado ainda com referência à OIT 132. Jornada de Trabalho – Duração. . nos termos do parágrafo anterior. As horas extraordinárias em dias úteis e aquelas realizadas aos sábados. com relação aos sábados.DO GOZO DAS FÉRIAS Fica estipulado com base na OIT 132. que comprovadamente estiverem no máximo a 12 (doze) meses da aquisição do direito à aposentadoria em seu prazo mínimo. PARÁGRAFO SEGUNDO. onde uma das frações não poderá ser inferior a duas semanas ininterruptas. nas COOPERATIVAS onde o trabalho não é exigido nesse dia. que não será trabalhado. preservadas as relações de trabalho contratuais específicas. a jornada de 12 (doze) horas de trabalho por 36 (trinta e seis) horas de descanso (12 x 36). há 05 (cinco) anos nas cooperativas. Não se aplica o disposto acima. As horas excedentes de 06 (seis). engloba 06 (seis) horas do dia trabalhado e 06 (seis) horas de compensação do dia subseqüente. PARÁGRAFO TERCEIRO. não havendo distinção entre os turnos diurnos e noturnos. O segundo período de férias será obrigatoriamente retirado pelo Empregado no máximo após 06 (seis) meses de gozado o primeiro período. o pagamento desses dias com adicional de 100% (cem por cento). PARÁGRAFO TERCEIRO. não serão horas extras. PARÁGRAFO SEGUNDO. Controle. terão direito a retirar suas férias fracionadamente. PARÁGRAFO PRIMEIRO.aposentadoria. e que estejam contratados. ratificada em 23/11/98 e em vigor desde 23/11/99. Férias e Licenças Duração e Concessão de Férias CLÁUSULA VIGÉSIMA . PARÁGRAFO PRIMEIRO.DOMINGOS E FERIADOS É assegurado ao Empregado que estiver a trabalho da cooperativa de serviços médicos em. que os Empregados das COOPERATIVAS. o distrato consensual e a dispensa por justa causa. Fica estabelecida.JORNADA DE TRABALHO Fica estabelecida a jornada de trabalho de 40h00m (quarenta horas) semanais. 7º da Constituição Federal. domingos e feriados. PARÁGRAFO PRIMEIRO. ressalvados o pedido de demissão. dentro dos 30 (trinta) dias subseqüentes. desde que seja apresentada a opção por escrito às cooperativas de serviços médicos. até 30 (trinta) dias antes do início do período de gozo. cumprida em determinado dia. aos Empregados que habitualmente trabalham neste dia da semana em jornada normal. Faltas Duração e Horário CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA . Distribuição. serão remuneradas com adicional de 70% (setenta pro cento). O disposto nesta cláusula não se aplica aos Empregados do regime de 12 x 36 horas.

desde que apresente o atestado de acompanhamento. PARÁGRAFO SEGUNDO.VESTIMENTAS E OUTROS EQUIPAMENTOS As COOPERATIVAS fornecerão gratuitamente 02 (duas) unidades de vestimenta.EMPREGADOS DIRETORES DO SINDICATO PROFISSIONAL Os Empregados membros da diretoria do Sindicato Profissional poderão utilizar até 04 (quatro) horas por mês. sem desconto de tais horas em suas remunerações. quando: a) tornar-se pai. informando o período necessário ao tratamento do (s) mesmo (s). sem efeito cumulativo.QUADRO SINDICAL DE AVISOS As cooperativas de serviços médicos comprometem-se a manter o quadro de avisos para fixação de editais e outros comunicados do SINDEMED. contados da data do óbito. contados da data de nascimento ou da adoção do filho. A obrigatoriedade do uso das vestimentas. devendo ser fornecidos novos conjuntos iguais ou de outros modelos pré-definidos após esse período. PARÁGRAFO PRIMEIRO.LICENÇAS REMUNERADAS Além de outras hipóteses. b) contrair matrimônio. d) acompanhar(em) filho(s) (as) menor(es) de 13 (treze) anos. o Empregado se obriga. pelo período de 05 (cinco) dias úteis. filhos ou irmãos. Cessando a relação de emprego. a devolver as referidas unidades que estiverem em seu poder.EXAMES MÉDICOS As cooperativas de serviços médicos custearão os exames médicos de admissão. bem como os exames periódicos. pelo período de 05 (cinco) dias consecutivos. até o momento da homologação da rescisão contratual. seguintes à data do enlace matrimonial. c) houver o falecimento de cônjuge. As COOPERATIVAS se comprometem a liberar . Exames Médicos CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA . expedido pelo médico responsável. em tratamentos médicos. Saúde e Segurança do Trabalhador Uniforme CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA . na forma estabelecida em lei e os de investigação e tratamento de doenças ocupacionais. para se dedicarem a reuniões ou outros afazeres relacionados ao Sindicato. PARÁGRAFO PRIMEIRO. companheiro(a). exames ou internação. de demissão. uniforme e/ou fardamento aos seus Empregados. pais. em perfeitas condições de higiene e de uso. Relações Sindicais Acesso do Sindicato ao Local de Trabalho CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA . inclusive adotivo. Garantias a Diretores Sindicais CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA .Licença Remunerada CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA . uniforme e fardamentos entreguem cessará quando completar 1 (um) ano da sua adoção e fornecimento aos Empregados. quando expressamente exigir deles o uso para o exercício regular de suas atividades. É da responsabilidade de cada Empregado a manutenção das unidades fornecidas. seja consulta. PARÁGRAFO TERCEIRO. pelo período de 05 (cinco) dias úteis. os Empregados gozarão de licença remunerada. previstas em lei.

ou que vierem a ser contratados após 1º de Junho de 2010. previsto no "caput" desta cláusula. em 10 (dez) dias contados do recolhimento. quando for estritamente necessário para resolver assuntos do interesse do Sindicato. nos prazos estabelecidos nesta cláusula. associados ao SINDEMED. submeterá às COOPERATIVAS à multa de 5% (cinco por cento). as quais poderão ser utilizadas pelos Diretores do SINDEMED.DESCONTOS . Para os Empregados que não estiverem trabalhando no mês destinado ao desconto. quando for estritamente necessário. A importância do referido desconto será repassada. até o limite de 10 (dez) horas/mês. sujeito a autorização do Diretor Administrativo da COOPERATIVA que o Diretor Executivo do SINDEMED/GO for empregado. desde que por eles devidamente autorizados. até o décimo dia seguinte à dedução. procedendo-se ao recolhimento da mesma forma e nos mesmos prazos preceituados nos parágrafos anteriores. será efetuado no primeiro mês seguinte ao do retorno ou início do trabalho. diretamente ao SINDEMEDGO ou em conta bancária por ele designada. para resolver assuntos do interesse do Sindicato. PARÁGRAFO QUINTO. encaminharão ao SINDEMED-GO a relação dos Empregados que sofreram o desconto. PARÁGRAFO PRIMEIRO. além das 04 horas previstas. A falta de recolhimento ou repasse das contribuições. As COOPERATIVAS. CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA . mais 1% (um por cento) de juros/mês e correção pelo INPC ou outro índice que venha a substituí-lo.DESCONTOS . PARÁGRAFO SEGUNDO. PARÁGRAFO PRIMEIRO. no mês seguinte a assinatura desta CCT. sem efeito cumulativo. além das 04 horas previstas. PARÁGRAFO TERCEIRO. . PARÁGRAFO QUARTO. a contribuição assistencial no valor de 8% (oito por cento) sobre o salário do mês de junho de 2010. a contribuição associativa de 1. na qual serão discriminados o salário base e o desconto de cada um. PARÁGRAFO SEGUNDO.0% (um por cento) sobre o seu salário mensal.CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL As cooperativas de serviços médicos descontarão de cada Empregado sindicalizado e representado pelo Sindicato dos Empregados em Cooperativas de Serviços Médicos do Estado de Goiás (SINDEMED-GO).um Diretor do SINDEMED/GO. A importância do referido desconto será repassada até o dia 10 (dez) de cada mês subseqüente ao do desconto. Contribuições Sindicais CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA . Fica determinado que os filiados ao SINDEMED-GO em decorrência da contribuição associativa não estarão submetidos ao recolhimento da contribuição assistencial. O Sindicato Profissional fornecerá às cooperativas de serviços médicos a relação de Empregados associados e a autorização para desconto devidamente assinada pelo associado. o desconto.CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA As cooperativas de serviços médicos descontarão dos Empregados. mediante comunicação prévia. As COOPERATIVAS que possuírem empregados nos cargos de direção do SINDEMED/GO criarão um banco de horas.

As COOPERATIVAS. desde que haja intervenção e assistência do SINDEMED. PARÁGRAFO PRIMEIRO. em 10 (dez) dias contados do recolhimento. Fica. quando violarem o disposto na presente Convenção. Outras disposições sobre representação e organização CLÁUSULA TRIGÉSIMA . Também. Disposições Gerais Mecanismos de Solução de Conflitos CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA . submeterá as COOPERATIVAS à multa de 5% (cinco por cento). Outras disposições sobre relação entre sindicato e empresa CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA . em todo o seu teor contratual e normativo. ficando preservadas e reconhecidas as negociações e critérios estabelecidos nos respectivos acordos e/ou negociações. calculada por infração cometida. para fins de prorrogação. na qual serão discriminados o salário base e o desconto de cada um. respeitada a previsão contida na cláusula TRIGÉSIMA.RESPEITO A CONVENÇÃO As partes acordantes se comprometem a respeitar a presente Convenção Coletiva. serão solucionadas por .SOLUÇÃO DAS DIVERGÊNCIAS As divergências surgidas entre as COOPERATIVAS e seus Empregados. pelas entidades sindicais signatárias da presente Convenção.00 (Cinqüenta Reais). mediante negociação com seus Empregados e homologação do SINDEMED-GO. encaminharão ao SINDEMED/GO a relação dos Empregados que sofreram o desconto. e os trabalhadores que a desrespeitarem arcarão com a multa de R$ 5. PARÁGRAFO ÚNICO. permitida.APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO COLETIVO Este Instrumento Coletivo terá aplicação obrigatória. aplicada por dia de descumprimento e pelo número de Empregados atingidos.REAVALIAÇÃO As partes acordantes voltarão a se reunir em qualquer tempo. sobre as relações de trabalho existentes e que venham a se efetivar entre as cooperativas de serviços médicos do Estado de Goiás e todos os seus empregados.diretamente em favor do SINDEMED/GO ou em conta bancária por ele designada. PARÁGRAFO TERCEIRO. Ficam desobrigadas de cumprir a presente convenção coletiva. mais 1% (um por cento) de juros/mês e correção pelo INPC ou outro índice que venha a substituí-lo. as cooperativas de serviços médicos que já mantenham com este Sindicato Profissional Acordo Coletivo de Trabalho ou negociação direta com seus Empregados. observadas as disposições legais atinentes. àquelas COOPERATIVAS que cumprem acordo diretamente com o SINDICATO PROFISSIONAL ou acordo direto com seus Empregados. A falta de recolhimento ou repasse das contribuições. como legítimo instrumento de pacificação do trabalho e do seu indispensável aprimoramento. CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA . por motivo de aplicação das cláusulas desta Convenção. a opção pelo conteúdo desta Convenção. AS COOPERATIVAS.00 (Cinco Reais). denúncia ou revogação de cláusulas da presente Convenção Coletiva de Trabalho. sempre que necessário. revisão. PARÁGRAFO SEGUNDO. ficarão sujeitas à multa de R$ 50. nos prazos estabelecidos nesta cláusula. sendo os referidos valores reversíveis às partes prejudicadas. PARÁGRAFO SEGUNDO. dentro do prazo de sua vigência.

Ficando as cooperativas responsáveis pelo subsídio de no mínimo 50% (cinqüenta por cento) no caso de assistência médica para titular. os quais poderão estar assistidos por advogados. decorrentes de preceitos normativos ou de ajustes Coletivos anteriores. cônjuge e filhos até que completem 18 (dezoito) anos de idade. Fica assegurado o direito daqueles que recebem subsídio superior a este. Outras Disposições CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA . CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA .PLANO DE SAÚDE Fica determinado que os Empregados das cooperativas de serviços médicos terão direito ao plano de assistência médica. no endereço http://www.meio da intervenção de seus representantes legais. . no período de vigência desta Convenção. enfermaria ou leito individual. ficando os Empregados responsáveis pelo pagamento da diferença entre acomodação coletiva ou individual.MANUTENÇÃO DAS VANTAGENS Ficam asseguradas e preservadas. RODRIGO MACHADO GARIBALDI Presidente SIND DOS EMPREGADOS EM COOP DE SERV MEDICO DO EST GO JOSE MARCONDES NETTO Presidente SINDICATO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE SERVICOS MEDICOS A autenticidade deste documento poderá ser confirmada na página do Ministério do Trabalho e Emprego na Internet.br . individuais ou coletivas. nos termos da legislação vigente. resultantes da aplicação deste Instrumento. inclusive para cônjuge e filhos.gov. todas as vantagens e disposições. o conflito de interesses será solucionado pela Justiça do Trabalho ou Comum do Estado de Goiás. Quando a solução amigável tornar-se inviável. Os Empregados das COOPERATIVAS poderão optar pela alteração de acomodação. ressalvadas as revogações expressas ou tácitas.mte. PARÁGRAFO ÚNICO.