You are on page 1of 83

Complemento - Agente Penitenciário Federal

COMPLEMENTO
PARA APOSTILA CÓDIGO 0494 - 2ª EDIÇÃO

AGENTE PENITENCIÁRIO FEDERAL
LÍNGUA PORTUGUESA NOÇÕES DE INFORMÁTICA RACIOCÍNIO LÓGICO DIREITO CONSTITUCIONAL

RIO DE JANEIRO
ALCÂNTARA: Rua Manoel João Gonçalves , 414 / 2º andar * (21) 2603-8480 CINELÂNDIA: Praça Mahatma Gandhi, 2 / 2º andar * (21) 2279-8257 CENTRO: Rua da Alfândega, 80 / 2º andar * (21) 3970-1015 COPACABANA: Av. N. Sra. Copacabana, 807 / 2º andar * (21) 3816-1142 DUQUE DE CAXIAS: Av. Pres. Kennedy, 1203 / 3º andar * (21) 3659-1523 MADUREIRA: Shopping Tem-Tudo / Sobreloja 18 * (21) 3390-8887 MÉIER: Rua Manuela Barbosa , 23 / 2º andar * (21) 3296-8857 NITERÓI: Rua São Pedro, 151 / Sobreloja * (21) 3604-6234 TAQUARA: Av. Nelson Cardoso, 1141 / 3º andar * (21) 2435-2611

SÃO PAULO
ALPHAVILLE: Calçada das Rosas, 74 * (11) 4197-5000 GUARULHOS: Av. Dr. Timóteo Penteado, 714 - Vila Progresso - SP * (11) 2447-8800 SÃO PAULO: Rua Barão de Itapetininga, 163 / 6º andar * (11) 3017-8800 SANTO ANDRÉ: Av. José Cabalero, 257 * (11) 4437-8800 SANTO AMARO: Av. Santo Amaro, 5860 * (11) 5189-8800

Central de Concursos / Degrau Cultural

1

Complemento - Agente Penitenciário Federal

ROTEIRO DE ESTUDOS
Prezado(a) Candidato(a), A equipe pedagógica da Degrau Cultural, elaborou este complemento contendo um roteiro de estudos baseado no edital oficial do concurso para Agente Penitenciário Federal com o objetivo de auxiliar a todos aqueles que pretendem entrar nesta disputa pelo emprego definitivo. Neste complemento, você encontra o que é solicitado no edital e a página onde o tópico é encontrado no próprio complemento. Os tópicos de Direito Administrativo, Penal, Processual Penal e Direitos Humanos estão corretamente inseridos na apostila 0494 - 2 edição. Agradecemos a confiança depositada em nosso trabalho. Bons estudos e boa prova! Equipe Degrau Cultural Língua Portuguesa Fonética Ortografia e acentuação gráfica ............................................................................................................... 28 Morfologia: Emprego das Classes das Palavras .................................................................................................. 36 Crase ......................................................................................................................................................................... 49 Sintaxe: da Oração e do Período ............................................................................................................................. 52 Pontuação ................................................................................................................................................................. 59 Estilística: Figuras de estilo .................................................................................................................................... 18 Léxico-Semântica: Ambigüidade e polissemia. Denotação e conotação. Sinonímia, antonímia, homonímia, paronímia, hiperonímia, hiponímia; eponímia; campos semânticos e famílias lexicais. Neologismos. Estrangeirismos e empréstimos ..................................................................................................... Complemento 3 Organização Textual: Texto: assunto, tema, tese, título, ponto de vista, argumentação; coesão e coerência; referenciação. Parágrafo: construção e desenvolvimento. Frase: discurso direto, discurso indireto, discurso indireto livre; adequação semântica e adequação sintática. Gêneros textuais. Tipologia textual: descrição, narração, dissertação ............................................................................................................................................................... 72 Variação Lingüística: Sistema, norma e uso. Níveis de linguagem: língua padrão, coloquial e vulgar ............................................................................................................................................................. Complemento 4 Informática Noções de hardware e software de computador .................................................................................................. 187 Noções de sistemas operacionais: Microsoft Windows ....................................................................................... 95 Linux .................................................................................................................................................... Complemento 5 Processadores de Texto: Microsoft Word ............................................................................................................... 123 BROffice Writer .................................................................................................................................. Complemento 12 Planilhas eletrônicas: Microsoft Excel .................................................................................................................... 147 BROffice Calc ................................................................................................................................... Complemento 28 Noções de redes de computadores, Internet e Intranet. Programas de navegação Microsoft ......................... 168 Internet Explorer(Outlook Express) ......................................................................................................................... 183 Mozilla Firefox ..................................................................................................................................... Complemento 44 Mozilla Thunderbird ........................................................................................................................... Complemento 47 Noções de segurança e proteção: vírus, worms e derivados .............................................................................. 197 Raciocínio Lógico Estruturas Lógicas Lógica de Argumentação; Diagramas Lógicos ............................................. Complemento 49 Sucessões e Sequências ................................................................................................................. Complemento 68 Máximo Divisor Comum e Mínimo Múltiplo Comum (MMC e MDC) .............................................. Complemento 59 Teoria dos Conjuntos ........................................................................................................................ Complemento 77 Análise Combinatória ........................................................................................................................ Complemento 61 Estatística ........................................................................................................................................... Complemento 63 Probabilidade ............................................................................................................................................................ 244 Direito Constitucional Direitos e garantias fundamentais: direitos e garantias individuais e coletivos; direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade; direitos sociais; nacionalidade; cidadania e direitos políticos. (arts. 5 a 11) ............................................................................................................................................................. 317 Poder Executivo: forma e sistema de governo; chefia de Estado e chefia de Governo. (arts. 12 a 17) ............ 340 Defesa do Estado e das instituições democráticas: segurança pública; organização da segurança pública. (arts. 20 a 28; 32, 136 a 144) ................................................................................................................................... 344 Ordem social: base e objetivos da ordem social; seguridade social; educação, cultura e desporto; ciência e tecnologia; comunicação social; meio ambiente; família, criança, adolescente e idoso. (arts. 193 a 236) .... 346 Anistia e Indulto. (art. 21; 84) ............................................................................................................ Complemento 83 2

Central de Concursos / Degrau Cultural

Língua Portuguesa

LÉXICO-SEMÂNTICA E ADEQUAÇÃO VOCABULAR
AMBIGÜIDADE Ocorre quando a frase apresenta mais de um sentido. Isso acontece por má pontuação, inadequação na ordem das palavras, ou mau emprego de palavras ou expressões. Ambigüidade compromete a clareza, dificultando a compreensão do texto. Exemplos: “Com o início do horário de verão na próxima segunda-feira, a bolsa de valores passará a funcionar das ...” – A vírgula fez a circunstância de tempo “na próxima segunda-feira” indicar quando começaria o horário de verão. O que se pretendia informar era que, a partir da segunda-feira seguinte, a bolsa de valores passaria a funcionar em determinado horário. Para transmitir essa informação, a frase deveria estar pontuada da seguinte maneira: “Com o início do horário de verão, na próxima segunda-feira a bolsa de valores passará a funcionar das ...” “Deputados tentam ‘limpar’ obras com irregularidades.” – Da maneira como está redigida a frase, fica a seguinte dúvida: os deputados tentaram “limpar”, “legalizar” obras irregulares ou praticaram atos irregulares com o pretexto de “limpar”? Para dar clareza à frase e evitar a ambigüidade, conforme o sentido, poderia haver a inversão da expressão “com irregularidades” : “Com irregularidades, deputados tentam ‘limpar’ obras.” Com o outro sentido, trocar a expressão “com irregularidades” pelo adjetivo “irregulares”: “Deputados tentam ‘limpar’ obras irregulares.” “Governador disse ao Prefeito que seu projeto será analisado na próxima semana.” Projeto de quem? Do Governador ou do Prefeito? A ambigüidade foi causada pelo uso do pronome possessivo seu, que pode estar se referindo tanto a um elemento quanto ao outro. POLISSEMIA É a multiplicidade de sentidos que uma palavra pode apresentar, dependendo do contexto em que está inserida. Por exemplo: braço – o menino quebrou o braço; o braço da cadeira é macio; península é um braço de terra que avança no mar. DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO As palavras dentro de um texto podem assumir vários sentidos. Elas podem aparecer em seu sentido real – e a isso chamamos denotação –, ou em seu sentido figurado – ao qual damos o nome de conotação. a. Denotação: palavra utilizada em sua própria acepção. A menina plantou uma rosa. A palavra rosa representa a flor (sentido real). b. Conotação: palavra utilizada em sentido figurado. A menina é uma rosa. A palavra rosa assume diversas significações, que dependem da imagem que o leitor faz da rosa. A rosa pode ser macia, perfumada, cheirosa, delicada etc. Essas características, então, são aplicadas à menina. SINÔNIMO (EPONÍMIA) Palavra que tem com outra uma semelhança de significação que permite que uma seja escolhida pela outra em alguns contextos, sem alterar a significação literal da sentença. Por exemplo: alegre/feliz; diminuto/pequeno; falar/dizer; branco/alvo. ANTÔNIMO Unidade significativa da língua (morfema, palavra, locução, frase) cujo sentido é contrário ou incompatível com o de outra. Por exemplo: in-/ex-; grande/pequeno; ir a pé/ir num transporte; vou sair/não vou sair. HOMÔNIMOS Vocábulos que possuem o mesmo som (homófonos) e/ou a mesma grafia (homógrafos), mas com sentidos díspares. Por exemplo: sede (lugar)/sede (vontade de beber); buxo (arbusto)/bucho (estômago); são (santo)/são (sadio)/ são (verbo ser). PARÔNIMOS Vocábulos que possuem som ou grafia parecidos, mas com sentidos díspares. Por exemplo: flagrante (no ato)/fragrante (que tem cheiro); iminente (prestes a ocorrer)/eminente (excelente); infligir (aplicar)/infringir (violar). HIPERÔNIMOS Ocorre quando um sintagma tem o seu significado abarcado por um grupo de outras palavras do mesmo campo semântico. Ex.: carro – frutas. HIPÔNIMOS É o grupo de palavras que pertencem ao mesmo campo semântico. Ex: Palio – Vectra – Fusca – Corsa. Banana – Pêra – Maçã – Uva – Laranja. NEOLOGISMO É o processo de criação de novas palavras na língua. Ex. Refrigerante – Refri ESTRANGEIRISMOS Estrangeirismo é o processo que introduz palavras vindas de outros idiomas na língua portuguesa. EMPRÉSTIMOS O contato entre os vários idiomas do mundo tem provocado o surgimento de dois fenômenos lingüísticos, o estrangeirismo e o empréstimo. Quando em uma língua ocorre a ausência de um termo ou expressão, ela se vê obrigada a fazer uma transferência de uma outra língua. É o que ocorre com as palavras iceberg e internet. Nestes casos, ambas são podem tomadas como ESTRANGEIRISMO, já que não sofreram nenhum tipo de adaptação, seja fonética ou fonológica, ao português falado no Brasil. O surgimento de algo novo é outro motivo para a adoção de um empréstimo. A palavra stress entrou recentemente em nossa língua para denominar uma doença dos tempos modernos. Como o termo stress é muito corriqueiro, acabou sofrendo adaptações ao português e hoje já é grafado “estresse”, além disso, já formamos palavras derivadas a partir da primitiva estresse, é o caso de estressado, estressante e desestressante. No caso de stress>estresse , estamos diante de um EMPRÉSTIMO LINGÜÍSTICO, já que o termo sofreu adaptações ao português, ou seja, foi-lhe acrescentado o grafema (letra) -e no início e no fim do vocábulo, já que não existem, no sistema escrito do português, palavras começando com o grafema –s, não seguido de grafemas que representem os fonemas vocálicos e nem palavras terminadas em -ss. Em suma, um estrangeirismo tende a se tornar um empréstimo, basta-lhe que os dicionários lhe dêem uma forma ou que passem a ser muito usuais. Como exemplos contemporâneos, há as palavras e-mail, mouse e shopping, as quais não possuem uma “grafia” aportuguesada, pois foneticamente – em Língua Portuguesa – não teriam a pronúncia que possuem. 3

Central de Concursos / Degrau Cultural

Língua Portuguesa

VARIAÇÕES LINGÜÍSTICAS
As línguas não são uniformes. E a diversidade que apresentam reflete, além da variação regional, diferenças sociais e estilísticas. As distinções na linguagem servem com um emblema para os diversos grupos formarem uma identidade, revelado pela classe social, pela profissão, pela faixa etária, pelo sexo e, principalmente, pela região. Não há língua que permaneça imutável ou ainda estaríamos falando indo-europeu. Há sim uma incorporação para o idioma de léxicos externos ou inventados. Por exemplo, a Internet cria uma nova linguagem, especialmente em seus programas de conversação chamados chats . Vejamos alguns exemplos dessas variações através de textos: Texto 1 –Kd vc? Jah saiu? – –AINDA TA ON? –To aqui... tava no banheiro.... mas me diz... o q vc tem feito? –Nada... me da o seu tel? ..... Traços lingüísticos como o uso de acentos, pontuação, concordância não são respeitados, pois há uma prevalência da pressa e marcas fortes da oralidade. Na Internet, ainda existem outros signos lingüísticos que restringem o significado para os usuários de computador, por exemplo: escrever em maiúsculas é o mesmo que gritar, mistura-se caracteres do teclado com letras para se formar caretas, reticências indica espera etc. Texto 2 O Ernesto nos convidô prum samba, ele mora no Brás Nóis fumo e não encontremos ninguém Nóis vortemo cum baita duma reiva Da outra veiz nóis num vai mais Nóis não semo tatu! Demônios da Garoa. O trecho acima é a letra de uma música caipira e por isso adota uma linguagem regional, característica do local de onde provém, onde os usos e costumes ainda estão ligados às coisas da natureza. Texto 3 João da Silva teve um dia estressante. Enfrentou um rush danado e chegou atrasado ao meeting com o Sales, manager da empresa onde trabalha. Antes do workshop com o expert em top marketing, foi servido um brunch, mas a comida era muito light para sua fome. (Veja, 9/4/97) Trata-se de um relato do cotidiano da vida urbana contemporânea, em que a informática tem um papel cada vez maior, numa linguagem que pretende chamar a atenção para a invasão do inglês, como se a língua portuguesa não fosse mais suficiente para nomear o nosso universo cultural. 4 Texto 4 As diferenças de significado de termos e expressões do dia-a-dia me assustam. (...) Vejam, o nosso “dar no pé” em Portugal é dançar; enjoado é estar aflito; ônibus é autocarro; dinheiro é bagulho para eles. Quando você estiver irritado, danado da vida com os políticos, por exemplo, lá estará encanzinado; torcedor fanático é carola; sítio ou pequena fazenda é um casal; estar morto é estar a fazer tijolo; motocicleta é motociclo. Menino bonito, rapaz elegante ou pão; como dizemos, lá é um pêssego; se você perder um ônibus por um triz, lá o terá perdido por uma unha negra; mendigo aqui é drope; o nosso churrasquinho vira prego lá; um simples xale chama-se xaile. (Correio Popular, 14/2/98) Neste texto, a cronista com certa dose de humor, enumera uma série de termos diferentes, cujo significado é o mesmo em Portugal e aqui, no Brasil. O texto é divertido por ter como base as variações lingüísticas existentes entre o português falado aqui e aquele falado lá. EXERCÍCIOS 01. Entre as construções abaixo, freqüentes no uso informal da língua, assinale aquela que NÃO pode merecer tal comentário de uma das nossas mais conhecidas gramáticas. a) Assisti um filme. b) Pôde me atender logo. c) Hoje tem festa na igreja. d) As medidas visaram impedir o avanço da epidemia. e) Eu sempre lhe estimei muito. 02. A forma “pra” pode ser classificada como exemplo de: a) modalidade informal da língua. b) modalidade formal da língua. c) jargão. d) gíria. e) regionalismo. 03. Dentre as alternativas abaixo, a que apresenta exemplo de variante sintática típica da língua oral no Brasil é: a) Prometa-me que não agirá assim novamente. b) Pouco se fez até hoje em prol dos mais necessitados. c) Jamais poderia supor que o encontraria tão debilitado. d) Telefonar-te-ei quando chegar ao serviço. e) Os fatos a que aludi são de conhecimento público.

GABARITO 01. D 02. A 03. B

Central de Concursos / Degrau Cultural

Faz tudo o que se pode esperar de um Unix moderno e completo. O kernel é o núcleo do sistema operacional. ele sozinho não constitui o sistema GNU/Linux. nomes de arquivos com até 255 caracteres e proteção entre processos (crash protection). O número menor é particularmente importante. como no exemplo abaixo: # uname -r 2. o administrador poderá compilar o kernel com suporte a esse protocolo. dependendo do que você quer fazer). e este número é dado pelo grupo de programadores que cuidam do desenvolvimento do kernel.44 MB até distribuições que ocupam vários CDs. quando Linus cursava a faculdade de Computação na Finlândia. menos de dez anos depois. compiladores. Ele já alcançou o estágio de ser usável (embora possa não ser. Algumas distribuições Linux são maiores que outras. muitas pessoas. é possível compilar o kernel sem suporte a essa placa. Tudo que existe ao redor do kernel são aplicativos que compõem uma distribuição do Linux. O kernel do Linux pode ser compilado para se adequar melhor ao tipo de máquina e ao tipo de tarefa que essa máquina vai executar. mas já consegui rodar nele o bash. redes TCP/IP. se empenham em organizar o kernel e mais uma série de aplicativos e manuais para que o sistema fique cada vez mais amigável. SuSE. • Aplicações de Usuário. • Aplicações de Sistema. Quando se fala de Linux. Um exemplo: o Conectiva Linux tem quase a totalidade de seus aplicativos traduzidos para o português...” Esta mensagem era assinada por Linus Torvalds. Visão geral do sistema operacional Linux O sistema operacional Linux é composto por três partes: • Kernel. porque o kernel possui um número de versão e a sua distribuição pode possuir outro. compress. Assim surgiu o que seria o primeiro kernel utilizável do Linux. Por exemplo. bibliotecas de funções etc. gnu-make. de som. dependendo da quantidade de aplicativos e a finalidade a que se propõem. é a parte que controla diretamente o hardware da máquina.4-52200cl O exemplo diz que este kernel pertence a quarta release da série 2. placas de rede. facilitando a integração com o usuário brasileiro. e ninguém adivinharia que ela estaria marcando o início de um movimento que. Assemelha-se ao antigo DOS. Um grande atrativo que o Linux oferece é o fato de poder trabalhar tanto como servidor de aplicações quanto como estação de trabalho sem que haja necessidade de grandes modificações no seu sistema. ou. já tem mais de trinta milhões de seguidores. resultando assim em um kernel de menor tamanho.Informática INFORMÁTICA . refere-se somente ao kernel do sistema. com prompt de comando e interface para comandos de texto. O kernel também é o responsável pelo suporte aos sistemas de arquivos..02. Debian e Red Hat. ou seja 48932ª compilação da distribuição Conectiva Linux). etc. como o gerenciamento de memória. onde novos recursos estão sendo testados. tendo o português como sua base. As mini-distribuições têm como objetivo desde a recuperação de um sistema danificado até o monitoramento de uma rede de computadores. O que não quer dizer que esses aplicativos não estejam disponíveis em inglês também.Como eu mencionei há um mês. Central de Concursos / Degrau Cultural 5 .LINUX Conceitos de Utilização O Linux é um sistema operacional derivado do Unix feito para rodar em computadores pessoais. como placas SCSI.6. seu prompt de comando (#) é semelhante ao prompt de comando (c:\>) do MS-DOS. além de muitas outras funcionalidades. É apenas a versão 0. Sua interface básica é de texto. A esse conjunto de aplicativos. Em alguns casos é adicionado também um número que identifica uma compilação feita por uma determinada distribuição (52200cl no exemplo. com todas as suas funcionalidades e que pudesse ser utilizado num PC. Cada uma delas tem seu público alvo e finalidades específicas. Linus começou o desenvolvimento do que seria o futuro kernel (núcleo) do sistema operacional que hoje é chamado de Linux. Suporta multitarefa real. Já o kernel possui um número de versão composto por 3 partes: um número maior. se não houver necessidade de usar um determinado tipo de placa de rede. um número menor e um número de release . estou trabalhando em uma versão free de um sistema semelhante ao Minix para computadores AT-386. O número de série do seu kernel pode ser facilmente identificado digitando-se no prompt o comando uname -r. Chama-se Linux o conjunto do kernel e demais programas.6. e pretendo distribuir o código fonte. pois números pares identificam versões de kernel testadas e consideradas estáveis. como shells. gnu-sed. Em 5 de outubro de 1991 a seguinte mensagem circulou na usenet: “. mais o kernel. dispositivos e periféricos conectados ao computador. espanhol e inglês.. Alguns cuidados devem ser tomados ao se verificar qual versão de Linux está sendo utilizada. O número que identifica a versão da distribuição é decidido pela empresa responsável pela versão. gcc. gerenciamento de processos e da CPU. O kernel do Linux Embora o kernel seja uma parte importante do Linux. Algumas distribuições incluem ferramentas de configuração que facilitam a vida do administrador do sistema. portas seriais etc. enquanto que números ímpares identificam versões de desenvolvimento. O kernel é o “núcleo” do sistema e é responsável pelas funções de mais baixo nível. Entre as “grandes” distribuições podemos citar: Conectiva. Ele queria um sistema operacional que fosse semelhante a um Unix. e até mesmo empresas. memória virtual. Existem desde distribuições que cabem num disquete de 1. Como o Linux é um software de livre distribuição. Isso tudo aconteceu em meados de 1991. de acordo com padrões próprios. A partir dessa idéia. dá-se o nome de distribuição Linux. se o servidor precisa se comunicar com outras máquinas usando o protocolo IPX. Como surgiu o Linux? O Linux foi originalmente desenvolvido por Linus Torvalds. O que diferencia uma distribuição de outra é a maneira como são organizados e pré-configurados os aplicativos que cada uma contém. bibliotecas dinâmicas.

O getty provê o serviço responsável pelo login dos usuários em terminais textos (virtuais ou não). mas utilizada para a documentação. o XFree86. serão vistas as principais licenças utilizadas atualmente para os softwares em geral. Obs: no ls os nomes de arquivos nos sistemas *X (Unix. A separação do ambiente gráfico do resto do sistema apresenta muitas vantagens. seja qual for a sua finalidade. 3. 6 Central de Concursos / Degrau Cultural . e por mostrá-las posteriormente quando o administrador do sistema solicitá-las. como o KDE. Comandos Básicos ls = Lista os arquivos. editores de imagens. navegadores e leitores de e-mail se encaixam nessa categoria. A interação final do usuário com a interface gráfica se dá através de programas gerenciadores de janelas. em licenças de software proprietário e licenças de software livre. rodam no que é chamado “modo usuário”. principalmente em servidores. Além do mais. por exemplo). que segue a mesma linha da GPL. 4. por garantir que o getty esteja sendo executado (para que os usuários possam entrar no sistema) e por adotar processos órfãos (processos filhos no qual o pai morreu). 2. etc. modificação ou distribuição do software em questão. Como o ambiente gráfico consome recursos do sistema. além do mais. logo. diretório. em dois grupos: licenças de documentação e licenças de software. que não tem pai). O Linux também pode funcionar em modo texto. O processo de compilação de um kernel não é muito simples e é recomendado apenas a administradores de sistemas mais experientes. ele deve possuir os seguintes itens: 1. e é ele o responsável por continuar o processo de boot lançando os outros programas. A licença GPL foi criada para garantir que cópias de softwares livres possam ser distribuídas. Para que um software seja livre. As licenças no mundo da Informática podem ser divididas. o getty e o syslog. de modo que elas fiquem disponíveis para a comunidade. como o Bash. a diferença entre aplicações de sistema e aplicações do usuário se dá pelo propósito de cada aplicação. O init é o primeiro processo lançado após o carregamento do kernel na memória. a responsabilidade pelo ambiente gráfico não é do kernel e sim de um programa especial. Aplicações do usuário As aplicações do usuário são todas aquelas utilizadas pelo usuário para executar uma determinada tarefa. caso contrário o processo todo é reiniciado. permissões. Com isso é definido qual o principal objetivo da Fundação do Software Livre (Free Software Foundation): promover a disseminação do software livre no mundo da Informática. através do uso de módulos. Editores de texto. o desenvolvimento do ambiente gráfico pode ocorrer de maneira independente ao do kernel. também. As licenças de software livre podem ser divididas. o WindowMaker e o GNOME.Informática O kernel do Conectiva Linux foi compilado para atender os mais diversos tipos de necessidades e de máquinas. é possível incluir novos recursos sem a necessidade de compilar novamente o kernel. e são eles os responsáveis pela “aparência” do seu Linux. É ele que lê o nome do usuário e a senha e chama o programa login para validá-los.Liberdade para acessar o código-fonte do programa e modificá-lo conforme sua necessidade. entre outros pontos. As Licenças no Mundo Linux Antes de se definir em quais licenças e condições o Conectiva Linux se encaixa. bem como qualquer outro programa. é preciso utilizar outros programas para implementar os vários serviços necessários ao sistema operacional. Aplicações do sistema são necessárias para fazer o sistema funcionar. é possível desativá-lo. e o escopo destas pode variar muito. É o init o responsável. As licenças em softwares proprietários são geralmente comerciais e não permitem a cópia. Um outro exemplo de licença é a GNU FDL. resultando assim em um melhor desempenho de outras aplicações.Liberdade para executar o software. O syslog é responsável por capturar as mensagens de erro geradas pelo kernel ou por outras aplicações de sistema. alteradas ou utilizadas (na sua totalidade ou em parte) por novos programas. Aplicações do Sistema O kernel faz muito pouco sozinho. igual ao comando dir do MS-DOS Atributos comuns: -a = mostra arquivos ocultos -l = mostra bytes. A licença GNU GPL é uma das mais conhecidas. Existem muitas outras licenças. de modo geral. No entanto. e possuírem um pai (excluindo o processo init. de um modo geral. que é capaz de interpretar e executar comandos digitados pelo usuário. O ambiente gráfico No Linux. poderá ser utilizado para essas aplicações.Liberdade para fazer cópias e distribuí-las para quem desejar. Entre as aplicações de sistema pode-se citar o init. eliminar restrições de cópias e distribuição de programas.Liberdade para melhorar o programa e distribuir suas melhorias ao público. uma vez que a quantidade de processamento da CPU que seria utilizado para o XFree86. Nesse caso a interação com o usuário se dá por meio de um shell. uma vez que ele só provê os recursos que são necessários para que outros programas sejam executados. este programa provê apenas as funções de desenho de elementos gráficos e interação com a placa de vídeo. O software livre é utilizado de um modo completamente diferente. enquanto as aplicações do usuário são todos os programas utilizados pelo usuário para realizar uma determinada tarefa (como um processador de texto. e talvez uma das mais utilizadas como licença de software. pois no Linux todos os processos devem estar em uma mesma árvore. Assim. as aplicações do sistema. Do “ponto de vista” do kernel. Caso estejam corretos é lançado um shell.

————— lpr . livre e a capacidade das partições do HD.Procura um modelo a partir de um arquivo. tar -t lista o conteúdo de um backup. Exemplo: mkdir /diretório ————— clear = limpa a tela.txt /home/manual ————— cat = mostra o conteúdo do arquivo. tar -x restaura backup.tar. use o rm com o atributo -r.html win95. etc) tar zxpvf (nome_do_arquivo).Inicializa um floppy disk.Exibe um status dos processos.tgz. ————— cat .Exibe seus argumentos. ————— diff3 .Compilador FORTRAN. Inclui uma linguagem de programação embutida. ————— who = mostra quem está na máquina no momento. ————— whoami = mostra quem você é (útil quando você esquece com qual login entrou. ————— comm .Relatório no uso do sistema de arquivos.Usado para receber ou enviar e-mail. ————— cd .Procura um arquivo grande. ————— date . . a usada. ————— grep . e o buffers da memória RAM. ————— cmp . ————— nroff .Retorna a data e a hora. ————— ls . mostra a localização (linha e byte) da primeira diferença entre eles.Copia um arquivo para a linha de impressora.. ————— 7 Central de Concursos / Degrau Cultural .doc / rm leiame. no formato: cp (arquivo1) (diretório). ————— tar (tape archive) programa de geração de backup.:/ (ajuda) ————— kill .Compara dois arquivos para determinar quais linhas são comuns entre eles.Termina um processo.muda as permissões do arquivo/diretório chown . ————— diff .Exibe as diferenças entre dois arquivos ou diretórios. ————— finger = mostra o usuário associado a certa chave.). ————— f77 . ————— du .Localiza os arquivos c/ características específicas.Chamar outro sistema UNIX. tar -v lista cada arquivo processado. ————— mkdir = cria diretório.gz.Compara dois arquivos grandes. mesmo que no DOS. ————— exit e logout = sai da sessão atual. ————— cal . ————— bfs . ————— free = exibe a memória livre. ————— rmdir = apaga diretório.Informática Linux. etc) não precisam ter só 8 letras. Exemplo: rmdir /diretório se o diretório estiver cheio.txt manual.Editor de texto. * substitui qualquer conjunto de caracteres ? substitui caracteres isolados ————— rm = remove arquivos. Portanto.Compilador C. ————— ed .muda as permissões do arquivo/diretório ————— awk .. ————— cc .Exibe as diferenças entre três arquivos ou diretórios. ————— ln . no formato: rm (arquivo1) (arquivo2) (arquivo3). .Causa um processo para tornar-se inativo por uma duração de tempo específica.Encadeia e imprimi arquivos. ————— expr . ————— format .Exibe informações sobre um ou mais arquivos. Exemplo: rm eu.Avalia seus argumentos quando geralmente é uma fórmula matemática.Usado para formatar textos. ————— sleep .Muda diretório. ————— find . Exemplo: ls|more ————— pwd = exibe o diretório atual (o que você está). ————— bdiff . ————— chmod .Compara dois arquivos. tar -c gera backup. ————— more = exibe o conteúdo de um arquivo página a página.Editor de texto. Exemplo: cp manual.Procura por um modelo a partir de um arquivo.Muda o título de um grupo de arquivos. por exemplo. mesmo que ‘cls’ no DOS. ————— mail . ————— chgrp . Se o arquivo for “gziped”(. ————— cu . se você quiser listar os arquivos começados com u.gz): gunzip -d (nome_do_arquivo).Usado para unir arquivos.w95 ————— cp = copia arquivos. peca ls u* e veja o resultado. ————— df = mostra o espaço usado. ————— echo . ————— ps . ————— ex . (veja awk) ————— help . mesmo que o ‘type’ no DOS. ————— Nota: Para descompactar arquivos “tagged”(.Exibe um calendário.

IBMJava . 8 Klyx . Se o manual existir. Perl. Snort .Compara dois arquivos. lynx. excelente compatibilidade com formatos (.Procurar erros de ortografia num arquivo. ————— umask . ipchains. Para sair dos manuais.Informática sort .Permite que o usuário especifique uma nova criação de camuflagem. e outros emuladores como: SuperNintendo. ————— spell .Execução UNIX-para-UNIX. aperte a tecla Q.famoso leitor de arquivos PDF.. MP3-Player.editor de documentos TeX. Moonlight 3D. MSQL PostgreSQL. ————— who .emulador do Palm OS. iBCS . Nos computadores caseiros. extremamente rápido e eficiente.é um dos mais famosos portscan. ————— tail .Usado para mandar mensagens para outro usuário.. Interbase. kedit. Banco de Dados MySQL. ele será mostrado. Sybase. enlightenment. joe. vi. Games Racer.pacote office completo (gratuito). kpaint.Informações de quem esta on-line. CD-Player.editor de documentos parecido com MSWord. Atari800.compilador para linguagem MS Visual Basic. . MDI-Sequencer. ————— vi . Aí ficam armazenadas as informações necessárias para que ele faça a “divisão” das partições.doc. Procura e exibe em linhas o que é incomparável em um arquivo. Ele é usado pela maioria como um “boot manager” que divide cada boot para cada tipo de sistema. kview. Maxwell . Nmap . Editores de texto Emacs.pacote office completo (gratuito).Exibir o fim de um arquivo. ImageMagick. Tuxracer. Acrobat® Reader . XEmacs. qmail e outros. Computação Gráfica Gimp.xls). ————— uniq .é um poderoso script de filtros de pacotes que contempla vários cenários. StarOffice® 5. Aplicativos Linux Pacotes Office KOffice .2 . Ferramentas de Desenvolvimento Kdevelop . ————— split . Python. . desenvolvido pela Sun. GNOME. O LILO permite escolher qual o sistema a ser utilizado. Emuladores Wine . Manual Linux Se houver alguma dúvida sobre algum comando. Browsers Konqueror. OpenOffice . twm. CDEsim..pacote office completo. ————— write .Dividir um arquivo. Opera. .ambiente de desenvolvimento em linguagem C/C++ em ambiente gráfico. pose . Desktops KDE3. ————— tset . permite você rodar no Linux aplicações desenvolvidas para o ambiente Windows. desenvolvido para o KDE2. Central de Concursos / Degrau Cultural . ainda não possui a implementação de todas as API’s do Windows. WindowMaker. é um aplicativo que consome bastante memória.é um scanner de vírus para servidores de email. dosemu .pacote office desenvolvido pela Sun (gratuito).conf. MOD-Player. PHP. geralmente há outros sistemas operacionais. . ————— wc .Exibe detalhes no tamanho do arquivo.Editor de tela cheia. icewm. ————— uucp ...ambiente de desenvolvimento na linguagem Java da IBM. Applixware . Som ALSA. blackbox.Exibir ou escolher parâmetros do terminal. Personal Firewall tcpdump.“emulador” do ambiente MS-Windows®.. ethereal.é um poderoso sniffer e possui também função de IDS (Intrusion Detection System). Oracle (os dois últimos não estão no kit SuSE). O LILO tem seu arquivo de configuração em /etc/ lilo. mas é necessário licença de uso. Java2 SDK . Geralmente. LILO O LILO (Linux Loader) é um utilitário do Linux que gerencia as partições. . SuSE Firewall . kwrite. os manuais esclarecem a maioria das dúvidas. Kylix . Phoenix .. Netscape 4.76 e 6.Escolher e unir um ou mais arquivos.ppt.. mas tem boa compatibilidade com outros editores de texto. Commodore Amiga.. .Escolher o tipo de terminal.ambiente de desenvolvimento na linguagem Java padrão. nessus. compatível com sendmail. ippl. Gerenciadores de Janela fvwm/fvwm95.linguagem Pascal (Delphi) para desenvolvimento de aplicações gráficas (disponível no kit SuSE 8.0). ————— stty . digite simplesmente “man” (comando).módulo de compatibilidade com aplicativos para SCO Unix. Ferramentas de Segurança AMaVIS . iptables. FlightGear 3D. Arena..“emulador” de uma máquina para executar o MS-DOS.

Informática Algumas imagens das telas da interface gráfica KDE. Reparem a semelhança com a interface do Windows. Central de Concursos / Degrau Cultural l111 9 .

Informática 10 Central de Concursos / Degrau Cultural .

Informática Central de Concursos / Degrau Cultural 11 .

em 13 de Outubro de 2000. Essa comunidade. a tradução do glossário padrão. quando a empresa alemã Star Division criou um pacote de escritório chamado StarOffice e começou a distribui-lo gratuitamente para as plataformas Windows e Linux.org rompeu a barreira da conectividade.org. entre outras. Logo após lançar o StarOffice 5.org. Olivier Hallot e Gervásio Antônio.br No Brasil. é quem desenvolve o pacote desde então. Ao ser disponibilizado sobre as plataformas GNU/Linux.org: o StarOffice e o OpenOffice.org As Origens do BrOffice.2.br. uma comunidade de voluntários se formou com a missão de adaptar o OpenOffice. que daria o subsídio para a compilação das primeiras versões do OpenOffice. Debian. Mandriva. Em fevereiro de 2002. empresas. Apesar da mudança de nome. o BrOffice.org remonta a meados da década de 90. com a garantia de todos os instrumentos jurídicos de proteção à marca BrOffice. a Star Division foi adquirida pela empresa americana Sun Microsystems.br passou a organizar e desenvolver funcionalidades específicas para a versão brasileira do pacote. registrada anteriormente por uma empresa do Rio de Janeiro.org para o português brasileiro. tornando-se colaboradora e patrocinadora principal do recém lançado projeto OpenOffice. entidades governamentais e organizações em geral. foi anunciado oficialmente o lançamento da ONG BrOffice. no entanto.org.org que passou a organizar as atividades da comunidade OpenOffice.org. Surgiu assim o BrOffice. o Rau-tu.org em português do Brasil. Red Hat. dos mais de 40 idiomas diferentes nos quais o OpenOffice. integrando usuários dos mais variados perfis e estabelecendo o Software Livre como uma alternativa concreta no até então invariável mercado de aplicativos para usuários finais.org Em 2004. foi necessário trocar o nome da comunidade e do produto. Raffaela Braconi. disseminando a utilização do pacote de aplicativos para usuários. repassou a função de coordenação da tradução para Claudio Ferreira Filho. Fonte: http://www.br passou a ser uma das referências dentro do cenário do Software Livre brasileiro. Em 1999. o projeto OpenOffice. Sun Solaris e Mac OS X (X11). também. O novo BrOffice. ONGs e agências governamentais.org no Brasil: o projeto OpenOffice. além das importantes contribuições de desenvolvedores independentes. Intel. entre os primeiros colaboradores do projeto estavam César ‘Guanch’ Melchior.org continou representando o OpenOffice. formada por programadores e usuários do mundo inteiro. O período coincide.org.Informática BR OFFICE WRITER INTRODUÇÃO na época. Windows.org. líder internacional da equipe do projeto L10N 12 Central de Concursos / Degrau Cultural . o projeto Extras e finalizadas as traduções das aplicações e da ajuda do software. além da tradução. A partir de então. Foram criadas as listas de discussão.broffice. A esse grupo foi destinada a primeira grande tarefa do projeto. são quase 50 milhões de downloads contabilizados. com a organização de comunidades de Software Livre espalhadas por todo o país.org está disponível. OpenOffice.org A origem do BrOffice. A iniciativa ganhou o apoio de diversas organizações do mundo tecnológico como Novell. No dia 25 de janeiro de 2006. Além de Claudio Ferreira. o projeto de Documentação. Durante todo esse tempo. o OpenOffice. a Sun Microsystems doou parte do código fonte do StarOffice para a comunidade de código aberto. devido a problemas com a marca Open Office. Pela sua popularidade e organização o projeto OpenOffice.org.org.

e os elementos a seguir: BARRA DE FERRAMENTAS PADRÃO BARRA DE FERRAMENTAS FORMATAÇÃO BARRA DE DESENHO Central de Concursos / Degrau Cultural 13 . é apresentada a janela abaixo contendo um novo documento em branco.Informática A TELA DO BR OFFICE WRITER Quando iniciamos o WRITER.

Informática BOTÕES DA BARRA DE FERRAMENTAS PADRÃO BOTÕES DA BARRA DE FERRAMENTAS FORMATAÇÃO 14 Central de Concursos / Degrau Cultural .

apresentação. Abrir . Página da Web. Central de Concursos / Degrau Cultural 15 . Assistentes . etc. permite criar um novo documento de texto.Fecha um documento ativo.org. Clicando na seta. Fechar . Agenda. Documentos recentes . desenho. através da interatividade com os outros aplicativos do BrOffice.Permite criar um novo documento. Fax.Permite abrir documentos existentes. planilha.Assistentes para Carta.Informática BOTÕES DA BARRA DE DESENHO MENUS DE COMANDO MENU ARQUIVO Comandos do Menu Arquivo Novo .permite abrir os documentos recentemente acessados.

Configurações de Impressora . Para assinar um documento digitalmente. Exportar como PDF – Permite exportar o documento com extensão . Visualizar Página .Fecha o Programa. através de uma empresa (autoridade de certificação). Versões . Assinaturas Digitais . editar e organizar modelos de documentos.Permite configurar propriedades das impressoras.pdf.Salva as alterações em um documento já existente. quando executado pela primeira vez abre a janela “Salvar Como”.Permite salvar todos os documentos em edição no momento. Recarregar . abrir. Exportar – Permite exportar o documento com outra extensão.Permite criar. Caso os arquivos não estejam salvos.Informática Salvar .Mostra como o documento será impresso. é necessário obter uma chave pessoal.Cancela todas as alterações feitas e não salvas.mostra as propriedades do arquivo.t 16 Central de Concursos / Degrau Cultural . será questionado se deseja salvar. Enviar – Permite enviar o documento como qualquer uma das opções ao lado Propriedades .Salva um documento pela primeira vez. Modelos .Abre um quadro para você escolher opções de impressão antes de imprimir o documento.Permite salvar versões diferentes do mesmo documento. Salvar Como . Este comando. Imprimir .O BrOffice permite que você assine documentos digitalmente. Salvar Tudo . ou um documento já existente em outro local e/ou com outro nome. o certificado. Sair .

Mapa de imagem . Comandos do Menu Editar Desfazer .Permite controlar as alterações no documento. Permite mesclar um documento com outro.Repete uma ação feita.Informática MENU EDITARAR Selecionar Tudo . Recortar . Permite editar plug-in’s inseridos. AR Neste menu encontramos recursos para a edição do documento.Permite mapear uma imagem. Plug-in . e inserir elementos. AutoTexto .Exibe e modifica os vínculos em um documento. Central de Concursos / Degrau Cultural 17 .Permite inserir texto automático (previamente digitado) no documento.Restaura uma operação desfeita. colocando-o na área de transferência. para que ele execute funções que normalmente não executaria. Colar Especial . Comparar Documentos .Copia texto ou objeto selecionado para a área de transferência para ser colado em outro local.Abre o aplicativo no qual o objeto incorporado ou vinculado selecionado foi criado e exibe o objeto para que seja possível editá-lo em um documento.Desfaz uma ação efetuada. permite editar AutoTexto.Permite navegar pelos vários elementos no documento ativo.Cola o conteúdo da área de transferência na posição onde se encontra o cursor. Vínculos .É um acréscimo ao programa. Navegador .Cola o texto com ou sem a formatação. Objeto . criando links (mais usado na Internet).Permite localizar e substituir palavras no texto. Restaurar . Colar .Remove uma palavra ou um texto selecionado. Alterações . Copiar .Permite inserir um outro documento e compará-los Localizar e Substituir .Seleciona o documento inteiro. para ser colado em outro local. Repetir . assumindo então a formatação do seu documento atual (muito útil para aqueles textos copiados da Internet e que vêm com formatação html).

Visualiza. trabalhos com colunas.Exibe / Oculta os nomes dos campos. Barra de Status . personaliza barras de ferramentas. etc.Exibe / Oculta texto oculto. Layout da Web – Exibe o conteúdo do documento como se estivesse sendo exibido num site da web através de um navegador. Fontes de dados .Exibe / Oculta as marcações no documento. desenhos. objetos e molduras. oculta. ocultando a barra de menus. MENU INSERIR MEINSERIRMENU INSERIR Permite inserções de vários elementos no documento.Visualiza como os objetos serão posicionados na página impressa. Ex. Comandos do Menu Exibir Layout de Impressão . Caracteres não-imprimíveis . Status do Método de Entrada . este menu oferece os seguintes recursos: Sombreamento de campos . Zoom .Mostra ou oculta a janela de status do IME (Input Method Engine). Barra de Ferramentas . de espaço.mostra ou oculta sombreamento nos elementos que são considerados campos no documento.Permite abrir e navegar em tabelas de bancos de dados e editá-las. Esta visualização é útil para editar cabeçalhos e rodapés. Parágrafos ocultos . de ferramentas. Mecanismo de método de entrada que modifica o módulo de entrada de caracteres. ajustar margens. Campos . como: marcas de parágrafo. Régua . de campo: a numeração da página. Tela Inteira – Exibe o documento em tela inteira. Limites do texto – Permite visualizar as grades que separam o texto da área de margens na página.Controla as dimensões do documento na tela. como o Internet Explorer. Somente para Sistema UNIX e Linux. barra de rolagem e de status.Informática MENU EXIBIR Além de habilitar ou desabilitar a exibição das barras de ferramentas.Mostra / oculta a barra de status. 18 Central de Concursos / Degrau Cultural .Exibe ou oculta as réguas horizontal e vertical. de tabulação.

Permite inserir um cabeçalho no documento.Para inserir tabela no documento. Índices e tabelas . de um scanner. etc.Para inserir quadros (retândulos) onde é possivel digitar textos.Para inserir marcadores no documento. Central de Concursos / Degrau Cultural 19 . Marcas de formatação . para um endereço de e-mail.Para inserir hífen incondicional. Nota .para inserir notas do Autor. figuras. hífen opcional e espaço não separável.Permite inserir um rodapé no documento. Linha horizontal .para inserir scripts de programas.Permite dividir o documento em seções.permite inserir um objeto (arquivo.Insere um arquivo inteiro onde se encontra o cursor. Como em um documento HTML na web.Abre uma janela com vários estilos de linha horizontal para você inserir no seu documento. elementos gráficos.Permite inserir figuras de um arquivo (Do arquivo). Nota de Rodapé . desenho. Script .Para inserir arquivos de filmes e sons no documento.Permite Inserir quebra de linha.Insere notas de rodapé no documento. ou outro arquivo. Seção . em qualquer formato) no documento como: Apresentação. planilhas. Campo é um conjunto de códigos para inserir um texto. ou (Digitalizar). Cabeçalho . Envelope . etc. ilustrações. Rodapé .Informática Comandos do Menu Inserir Quebra manual . Hyperlink . quebra de coluna. criar links. Campos .Permite inserir vários campos no documento. alheio ao documento. quebra de página no documento. Figura . sumários. um hyperlink no documento liga palavras do texto a um indicador no próprio documento.Insere legendas para tabelas. Tabela . etc. equações. etc. Quadro .Permite inserir símbolos especiais que podem ser impressos.para criar envelopes.Permite inserir links no documentos. ou para uma página de Web na Internet. Legenda .para inserir índices. Objeto . etc. Arquivo . É como o mapa de caracteres. como por exemplo JavaScript. para outro documento. Referência cruzada .marcações para cruzar informações no texto. Quadro flutuante . Favoritos . insere uma referência cruzada a um item em um documento.Os quadros flutuantes são usados nos documentos para exibir o conteúdo de outro arquivo. Caractere Especial . número da página e outros itens no documento automaticamente. etc. Filme e Som . de câmera digital.

relevo . Plano de fundo. criar Hiperlink no texto. espaçamento.Coloca o texto selecionado na formatação padrão. minúsculas.Altera o tipo de Fonte (negrito e itálico). permite alterar a Posição do texto (sobrescrito sobrescrito). maiúsculas. sombra. Efeitos de fonte (sublinhado estilo e cor. tachado duplo.Informática MENU FORMATAR Formatar / Caractere / Posição LA Este recurso define o formato do documento. Caractere . tachado. texto oculto (o texto desaparece). tamanho da letra. rotação (permite rotacionar o texto). piscante. Comandos do Menu Formatar Formatação Padrão . título. Caixa alta (VERSALETE). Veja os quadro a seguir: Formatar / Caractere / Fonte Formatar / Caractere / Hiperlink Formatar / Caractere / Efeitos de fonte 20 Central de Concursos / Degrau Cultural . contorno.alto e baixo relevo. cor da fonte.

selecione a caixa Register-true na área Configurações de layout. de modo que todas as linhas fiquem com a mesma altura.Página. Formatar / Parágrafo / Bordas Permite definir configurações e estilos para bordas do texto e em tabelas. Para fazer isso. dando um efeito). Esta é a configuração padrão.Define o espaçamento de linha como duas linhas. Visualização .Especifique a quantidade de espaço a ser deixada entre linhas de texto em um parágrafo.Aplica espaçamento de linhas simples ao parágrafo atual. impede que uma linha de texto seja exibida isoladamente na parte superior ou inferior da página (controle de linhas órfãs e viúvas). Em de Insira o valor a ser usado no espaçamento de linhas. • Simples . Antes do parágrafo .Alinha e recua os parágrafos. • Duplo . onde 100% corresponde a espaçamento de linhas simples. escolha Formatar .5 linhas. • Entrelinhamento . Depois do parágrafo . • Pelo menos . clique na guia Página e.Define a altura do espaço vertical inserido entre duas linhas. Espaçamento entre linhas . em seguida. Registro de conformidade (Register-true) • Ativar . ative primeiro a opção Registertrue para o estilo de página atual. evita quebra de página dentro e entre os parágrafos. insira um valor de porcentagem na caixa.Alinha a linha base de cada linha de texto a uma grade de documento vertical. em seguida. • 1·linha e meia . Formatar / Parágrafo / Capitulares Permite definir configurações e estilos para capitulares (letras em destaque no início do parágrafo. Para usar este recurso.Define o espaçamento de linha como 1. • Fixo .Quantidade de espaço que você deseja deixar depois do(s) parágrafo(s) selecionado(s).Define o espaçamento de linhas de forma que corresponda exatamente ao valor inserido na caixa. Central de Concursos / Degrau Cultural 21 . • Proporcional . controla o espaçamento entre linhas e parágrafos.Exibe uma visualização da seleção atual.Quantidade de espaço que você deseja deixar antes do(s) parágrafo(s) selecionado(s).Define como espaçamento de linhas mínimo o valor inserido na caixa.Selecione esta opção e.Informática Parágrafo .

centralizada. Quebras. etc. 22 Central de Concursos / Degrau Cultural . Marcadores e Numerações . tipo de alinhamento (à esquerda. como posição.Para inserir marcadores ou números. caracteres de preenchimento da tabulação. Marcadores Formatar / Parágrafo / Fluxo de Texto Permite definir Hifenização (separação das sílabas por hífens).Informática Formatar / Parágrafo / Alinhamento Para definir alinhamento no texto Formatar / Parágrafo / Numeração Permite definir Estilos para Lista numerada. à direita. criando uma lista. Formatar / Parágrafo / Plano de Fundo Permite definir cor para plano de fundo em parágrafos. Numeração Formatar / Parágrafo / Tabulações Para definir configurações de tabulação na régua. Controle de linhas viúvas e órfãs. Cria uma lista com marcadores ou numeração a partir de uma seqüência de itens no texto ou de uma seqüência de células em uma tabela. decimal).

primeiro plano ou plano de fundo. Alinhamento .permite selecionar estilos e formatação para o documento. centro. Objeto . Rodapé. Orientação (Retrato.Ao trabalhar com imagens e objetos de desenho.permite definir configurações de quebra automática de texto e da página.org) Quadro . além de permitir configurações de Cabeçalho. com opções de formato do papel (largura. Colunas .Permite definir a quantidade de colunas do texto e a largura de cada coluna. Layout da Página.Para formatar quadro (caixa de texto ) selecionada. Página . Colunas. Inferior). Quebra automática . 23 Central de Concursos / Degrau Cultural .Informática Estrutura de Tópicos Seções . inferior. Direita. Notas de Rodape.Permite alterar para maiúsculas ou minúsculas. etc. Agrupar .permite definir alinhamento (esquerda. justificado.para criar seções no documento. Alterar capitalização . superior. Superior. recuar. Abre um submenu com as opções: Ao digitar.Definições de âncora para figuras e objetos de desenho. direita. Aplicar / Aplicar e editar alterações. centralizado. altura). Ancorar . Estilos e Formatação . permite inverter horizontalmente ou verticalmente. Inverter . permite colocá-los na frente.Ao trabalhar com imagens e objetos de desenho.Para agrupar objetos de desenho. atrás. formata o texto aplicando o estilo do modelo anexado. Moldura. Dispor .Para Configurar a página do documento. Margens (Esquerda. Paisagem).permite efetuar automaticamente pesquisa num documento para identificar elementos específicos e. em seguida. avançar. Figuras Auto Formatação . Bordas.Para configurar objetos de desenho (opções da barra de Desenho do BrOffice.

que aqui é apresentada como =sum. Dividir Células . em ordem alfabética. Dividir Tabela – Divide a tabela horizontalmente no ponto de inserção. linhas ou colunas selecionadas ou a própria tabela. dando uma disposição. Ideal.Divide a célula horizontalmente ou verticalmente em múltiplas células. Proteger Células . sOferece recursos para operações com tabelas: Comandos do Menu Tabela Fórmula . Depois. Excluir – Permite excluir células. coluna.Permite definir critérios de classificação crescente ou decrescente.Permite converter de texto para tabela ou de tabela para texto. Repetição de Linhas de Títulos . A função mais comum é a Soma. através de uma caixa de diálogo com formatos pré-definidos. Auto Ajustar – Permite ajustar a tabela conforme o conteúdo. Mesclar Células . que pode ser: Antes. Mesclar Tabela -permite juntar uma tabela com outra. Converter . Inserir – Permite inserir uma tabela com quantidade de colunas e linhas definidas no documento e. pois apresenta a barra de fórmulas com o botão Inserir Funções. a largura da janela. determina uma largura fixa da coluna e distribui linhas e colunas uniformemente.permite criar fórmulas nas tabelas do BrOffice. Classificar .torna indisponível o conteúdo da célula para que este não seja alterado.Informática Figura .org Writer. linhas ou células.Permite formatar a tabela.Junta células adjacentes em uma única célula. permite configurar a imagem em relação ao texto. Através. linha ou célula.permite definir configurações para a imagem selecionada. 24 Central de Concursos / Degrau Cultural . Em Formatar / Figura / Quebra automática. Auto Formatar – Mostra um quadro com vários formatos de tabela prontos para você escolher aplicar à sua tabela.Repete automaticamente o título de uma tabela que se estender por mais de uma página. simulando o Calc. permite inserir colunas. Paralelo. numérica ou pela data. na tabela. Selecionar – Permite selecionar tabela.

Gallery . como vemos no quadro a seguir. Um documento de mala direta é composto pela mesclagem de dois arquivos (um modelo a seguir e um banco de dados).Determina o idioma do texto selecionado em um documento que contém mais do que um idioma.Permite numerar linhas do texto. Propriedades da Tabela – Permite configurar a posição da tabela. larguras de colunas. ainda. Central de Concursos / Degrau Cultural 25 . Banco de dados bibliográficos . Apresenta as seguintes ferramentas: Comandos do Menu Ferramentas Verificação Ortográfica . envelopes. através das opções de autocorreção selecionadas.). plano de fundo.permite definir formatos para os números (formato de Moeda. Auto Correção.Informática Formato numérico . Numeração de Linhas .Verifica a ortografia do documento ativo. Hora. Pode-se criar e excluir entradas de autocorreção.Permite criar entradas para notas de rodapé.Exibe um quadro com uma galeria de imagens para você escolher. etc. bordas.Abre um assistente que permite produzir cartas modelos. Conta o número de páginas.Abre uma janela que permite consultar bancos de dados bibliográficos.Dá uma estatística. Contagem de Palavras . Data. palavras. Media Player .Permite escolher configurações para este item.Permite corrigir o texto automaticamente enquando digita. MENU FERRAMENTAS Numeração de Estrutura de Tópicos . Assistente de Mala Direta . Esta opção permite. etiquetas de endereçamento.Visualiza ou oculta as linhas de grade. Idioma . Bordas da Tabela . catálogos e outros tipos de documentos mesclados. parágrafos e linhas do documento. caracteres.Abre a janela do media player para tocar algum arquivo sonoro. a hifenização do documento e acessar o dicionário de sinônimos. etc. Notas de Rodapé .

macros. vínculos. Lista dos Documentos Abertos – Exibe uma lista de todos os documentos que estão abertos.org. executa todas as ações atribuídas em seqüência. Gerenciador de extensão – Permite gerenciar extensões para o BrOffice. MENU JANELA Comandos do Menu Janela Nova Janela – Abre uma nova janela com o mesmo conteúdo da janela ativa. etc. barras de ferramentas. Personalizar – Permite personalizar menus. Definições de filtro XML – Permite configurações de filtros para importação e exportação de arquivos no BrOffice. MENU AJUDA ANELA Permite controlar a exibição de documentos no monitor.Informática A Mala Direta segue três etapas: Criação de um Documento Principal Utilização da Origem de Dados Mesclagem Classificar – Permite definir critérios de classificação em tabelas (crescente. Macro é uma seqüência de ações nomeadas e armazenadas. Calcular – Calcula a fórmula selecionada e copia o resultado para a área de transferência.org. sumários. Este menu exibe itens de ajuda BrOffice.org. 26 Central de Concursos / Degrau Cultural . Quando você executa uma macro. Atualizar – Permite atualizar campos. Fechar Janela – Fecha janela do documento. atalhos de teclado. decrescente). executar. organizar. etc: Macros – Permite Gravar.org. Opções – Permite modificar as configurações para o BrOffice.

Você encontrará informações atuais sobre a Sun Microsystems e sobre o BrOffice.org.sun. Suporte – O Centro de Suporte da Sun Microsystems poderá ajudá-lo a solucionar os problemas que você encontrar durante o trabalho com o BrOffice.com.org na home page da Sun Microsystems www.Informática Comandos do Menu Ajuda Ajuda do BrOffice. Para obter mais informações.org.org – Exibe informações legais e identifica o programa.org podem ser encontrados nas páginas do Projeto de documentação do OpenOffice. Verificar se há atualizações – para fazer update (atualizar) o programa. Diversos guias e tutoriais escritos por usuários do OpenOffice. Registro – permite registrar o produto no site. exibindo Conteúdo e Índice. Central de Concursos / Degrau Cultural 27 . O que é isto? – Permite apontar para o elemento e ele dá a dica. Sobre o BrOffice. dando o número da versão utilizada.com/star/support na Internet. visite o site www.sun.org – Abre a Ajuda do BrOffice. É um tipo de ajuda relacionada ao contexto. por exemplo.org.

Informática

BR OFFICE CALC
INTRODUÇÃO Pasta de Trabalho - Assim como os arquivos do Writer são chamados de documentos, os arquivos do Calc são chamados de Pastas. Uma pasta de trabalho do Calc contém, a princípio, 03 planilhas (planilha1, planilha2 e planilha3), podendo ser acrescida de mais planilhas, ou ter suas planilhas excluídas de acordo com o interesse do usuário. Planilha Eletrônica - É composta por linhas (identificadas por números) e colunas (identificadas por letras) arranjadas ordenadamente para que possamos encontrar e calcular rapidamente qualquer informação necessária. Célula - É o encontro entre uma coluna e uma linha. Toda célula possui um endereço constituído pela letra da coluna e o número da linha. Desta forma denominamos o encontro da coluna A com a linha 1 de célula A1, o encontro de coluna F com a linha 15 de célula F15, e assim por diante. Gráficos - São modos de apresentar informações através de figuras. O uso de gráficos facilita a visualização e compreensão dos dados de uma planilha. Barra de Fórmulas No Calc, a barra de fórmulas contém o indicador da célula ativa, o botão de confirmação e o botão de cancelamento de inserção de dados, além de exibir o conteúdo da célula. Indicador de Linha Exibe o número das linhas.

Célula Ativa É a célula selecionada. Com a célula ativa visualizase a alça de preenchimento no canto inferior direito.

Área da Planilha É toda a tela da janela da planilha, onde são selecionadas as células. TIPOS DE DADOS Uma célula pode conter: Texto - Toda e qualquer letra, palavra inserida na célula, como nomes de pessoas, títulos de colunas, descrição de itens etc. Número - Todo e qualquer tipo de número, podendo ter o valor negativo ou positivo. Fórmula - É uma expressão aritmética envolvendo números, operadores, funções e endereços de células. No Calc, as fórmulas devem iniciar sempre com o sinal de =. Ex.: =A4+C5 Operadores de Relacionamentos

Indicador de Coluna Exibe a letra das Colunas.

>

Maior

< =

Menor Igual

<> Diferente >= Maior Igual <= Menor Igual

28

Central de Concursos / Degrau Cultural

Informática Operadores de Referência : Intervalo ; União (espaço) Interseção Tipos de funções mais utilizadas ARRED - Arredondamento CONT.NUM - Calcula quantos números estão na lista de argumentos CONT.SE - Conta os argumentos que obedecem à condição CONT.VALORES - Conta quantos valores estão na lista de argumentos MÁXIMO - Retorna o valor máximo de uma lista de argumentos MÉDIA - Calcula a média dos argumentos MÍNIMO - Retorna o valor mínimo de uma lista de argumentos SOMA - Retorna a soma de todos os números na lista de argumentos. Funções Lógicas Através do Menu Editar, comando Copiar; Através do botão Copiar na Barra de Ferramentas Padrão; Através do Menu Rápido Interativo com o botão direito do mouse, comando Copiar; Através da combinação das teclas Ctrl + C no teclado; Para colar a cópia feita, devemos selecionar nova célula e utilizar o comando Colar: Através do Menu Editar; Através do Botão Colar na Barra de Ferramenta Padrão; Através do Menu Rápido Interativo; Através da combinação das teclas Ctrl + V no teclado. Para colar um intervalo de células copiado, não é necessário selecionar a mesma quantidade de células copiadas, isto ocorre porque o Excel mantém a mesma posição das células de origem. Também é possível copiar o conteúdo das células, posicionando o mouse no quadradinho preto que fica no canto inferior direito da célula selecionada e arrastando para onde deseja fazer a cópia.

Executam um teste lógico para retornar um resultado Falso ou verdadeiro. E - Retorna VERDADEIRO se todos os argumentos forem verdadeiros; retorna FALSO se um ou mais argumentos forem falsos FALSO - Retorna valor lógico FALSO NÃO - Inverte a lógica do argumento OU - Retorna VERDADEIRO se qualquer argumento for VERDADEIRO SE - Especifica um teste lógico a ser executado VERDADEIRO - Retorna o valor lógico VERDADEIRO Copiando e Colando Dados Para copiarmos uma célula ou intervalo de células, devemos antes de tudo selecioná-la. Há várias maneiras de se copiar dados:

Referência Relativa Através da cópia podemos aproveitar fórmulas de uma célula ou intervalo de células para outra célula ou intervalo de células, sem precisar digitar novamente a fórmula. O Calc ajusta automaticamente a cópia dos elementos de uma fórmula de acordo com suas posições relativas às células referenciadas. Exemplo: Ao copiar a fórmula da célula C1 para a célula C2, automaticamente, o Excel assume a referência relativa à linha 2, mudando de A1 para A2 e de B1 para B2.

Central de Concursos / Degrau Cultural

29

Informática Referência Absoluta Para manter o endereço inicial da fórmula em uma cópia, devemos tornar sua referência absoluta. O sinal $ na frente da letra da coluna ou do número da linha de uma célula faz com que seu endereço fique fixo não permitindo o ajuste automático de sua posição relativa à célula referenciada. Veja o exemplo a seguir: Neste caso, o que muda é a referência relativa à coluna. Agora, repare que B$1, ao ser copiada para a linha de baixo, não muda, porque a linha, ou seja, o número está fixado.

Repare que ao copiar a fórmula da célula C1 para a célula C2, o endereço com o símbolo $ continuou o mesmo, não mudou, porque está fixo, porém, conforme o exemplo anterior, a célula B1 mudou para B2, porque não foi criada nela nenhuma referência absoluta, então segue a regra, a referência será relativa. Referência Mista A referência mista ocorre quando tornamos apenas a coluna ou a linha de uma célula absoluta (fixa).

Repare que, na coluna B, a fórmula =($A2*B$1) digitada na célula B2, quando copiada para a célula B3, fica assim =($A3*B$1). Veja que $A2 mudou para $A3, porque a cópia foi feita para a linha de baixo. Isto significa que se eu não quisesse que a referência mudasse, teria que fixar o número, ou seja, a linha. O $ deveria ser colocado na frente do número. O $ na frente da letra tem relevância quando se está copiando para os lados. 30

Central de Concursos / Degrau Cultural

Informática A TELA DO BR OFFICE CALC O Calc é um programa da Suíte BrOffice.org, usado para criar e gerenciar planilhas eletrônicas. O BrOffice.org Calc é um aplicativo de planilhas que pode ser utilizado para calcular, analisar e gerenciar dados. Você também pode importar e modificar planilhas do Microsoft Excel. Assim como no Excel da Microsoft, os arquivos do Calc são chamados pastas de trabalho. Cada pasta pode conter várias planilhas. Quando iniciamos o Calc, é apresentada a janela abaixo contendo uma nova pasta de trabalho, e os elementos a seguir:

BARRA DE FERRAMENTAS PADRÃO

BARRA DE FERRAMENTAS FORMATAÇÃO

BARRA DE DESENHO

Central de Concursos / Degrau Cultural

31

Informática CALC .BOTÕES DA BARRA DE FERRAMENTAS PADRÃO CALC .BOTÕES DA BARRA DE FERRAMENTAS FORMATAÇÃO 32 Central de Concursos / Degrau Cultural .

permite criar um novo documento de texto.BOTÕES DA BARRA DE DESENHO MENUS DE COMANDO MENU ARQUIVO MENU ARQUIVO Comandos do Menu Arquivo Novo .permite abrir os arquivos recentemente acessados. Salvar . Central de Concursos / Degrau Cultural 33 . etc. planilha. Fax. Abrir . Agenda. Clicando na seta.Salva as alterações em uma pasta de trabalho já existente.Fecha uma pasta de trabalho ativa. Este comando. através da interatividade com os outros aplicativos do BrOffice.Permite abrir documentos existentes.Assistentes para Carta.Permite criar uma nova pasta de trabalho. Assistentes . desenho. apresentação. Documentos recentes . Página da Web. Fechar .org.Informática CALC . quando executado pela primeira vez abre a janela “Salvar Como”.

abrir. Recarregar .Salva uma pasta de trabalho pela primeira vez. Assinaturas Digitais . o certificado. ou uma já existente em outro local e/ ou com outro nome. Para assinar um documento digitalmente.Permite salvar versões diferentes do mesmo arquivo. Exportar como PDF – Permite exportar o arquivo com extensão . é necessário obter uma chave pessoal. Salvar Tudo . Comandos do Menu Editar Desfazer . Enviar – Permite enviar o arquivo como qualquer uma das opções abaixo. Exportar – Permite exportar o arquivo com outra extensão.Cancela todas as alterações. Versões .Permite salvar todas as pastas de trabalho em edição no momento.mostra as propriedades do arquivo.Abre um quadro para você escolher opções de impressão.Permite criar.pdf.t Visualizar Página. editar e organizar modelos. através de uma empresa (autoridade de certificação). Propriedades . ar Neste menu encontramos recursos para a edição das planilhas.Fecha o Programa.Informática Salvar Como .Desfaz uma ação efetuada.O BrOffice permite que você assine documentos digitalmente. Imprimir .Permite configurar propriedades das impressoras. 34 Central de Concursos / Degrau Cultural . Modelos . Configurações de Impressora . Sair .Mostra como a planilha será impresso.

esquerda. Central de Concursos / Degrau Cultural 35 .Permite Mover. Excluir conteúdo . Excluir células .Informática Refazer .Remove texto ou elemento selecionado.Repete uma ação feita.Para excluir células. Objeto . Vínculos . Selecionar Tudo . Repetir .Exibe e modifica os vínculos em uma pasta de trabalho. Planilha . Plug-in . colocando-o na área de transferência.Permite excluir o conteúdo ou o formato das células.Permite mapear uma imagem.Seleciona toda a planilha. Excluir quebra manual . Localizar e Substituir . etc).Copia texto ou objeto selecionado para a área de transferência para ser colado em outro local.permite localizar e substituir palavras. para cima.Cola texto com ou sem a formatação.Refaz uma operação desfeita. Preencher . Mostra um quadro de diálogo. onde é possível selecionar a planilha que deseja editar.permite controlar as alterações nas células. criando links (mais usado na Internet). Alterações . Colar Especial . Copiar .permite navegar pelos vários elementos na planilha. Apresenta o seguinte quadro de diálogo: Cabeçalhos e Rodapés . para ser colado em outro local. Mapa de imagem . Copiar. para que ele execute funções que normalmente não executaria.Para excluir quebra de linha ou de coluna. Recortar . Excluir Planilhas.Abre o aplicativo no qual o objeto incorporado ou vinculado selecionado foi criado e exibe o objeto para que seja possível editá-lo em um documento.Preenche as células com conteúdo (para baixo.Permite inserir cabeçalhos e rodapés nas planilhas. Navegador .É um acréscimo ao programa. assumindo então a formatação da célula. direita.

Permite Inserir quebra de linha. Mostra o seguinte quadro abaixo. Realce de valor . Comandos do Menu Inserir Quebra manual . Células . oculta. a barra de fórmulas. Barra de Status .muda a cor das células que contém valores numéricos. Tela Inteira – Exibe a planilha em tela inteira.Informática MENU EXIBIR Além de habilitar ou desabilitar a exibição das barras de ferramentas. Cabeçalhos de linhas e colunas . Visualizar quebra de página – Exibe as quebras inseridas. este menu oferece os seguintes recursos: MENU INSERIR EDITAR Permite inserções de vários elementos no documento. ocultando a barra de menus.Permite inserir células.Controla as dimensões da planilha na tela. Barra de Ferramentas . Fontes de dados .Visualiza.Visualiza.Insere linha antes da célula selecionada. Zoom . Colunas . Linhas .Insere coluna antes da célula selecionada.Permite abrir e navegar em tabelas de bancos de dados e editá-las. Barra de Fórmulas . barra de rolagem e de status. de ferramentas.mostra ou oculta as colunas (representadas pelas letras) e as linhas (representadas pelos números). Comandos do Menu Exibir Normal . oculta.Visualiza.Modo de exibição Normal. personaliza barras de ferramentas. oculta. quebra de coluna. 36 Central de Concursos / Degrau Cultural . a barra de status.

Exemplo de Planilha com a função =MÉDIA Marcas de formatação .Permite criar vínculos entre arquivos. ou para uma página de Web na Internet. É como o mapa de caracteres.Permite inserir símbolos especiais que podem ser impressos. A fórmula é: =MÉDIA(B4:D4) Onde: (B4:D4) é o intervalo das células. Central de Concursos / Degrau Cultural 37 . Função .Permite inserir funções na planilha. =MÁXIMO.ou outro arquivo. Aparece o quadro de diálogo a seguir: Folha do arquivo . Vincular a dados externos .Ligação de um local a outro.Informática Folha . um hyperlink na planilha liga elementos a outros em outra planilha. Hyperlink . Lê-se: Média dos valores de B4 até D4.Permite controlar hífens e espaços não separáveis no texto. do qual será extraída a média. Como em uma página da Internet. como =MÉDIA. para um endereço de e-mail. etc. =SE.Permite inserir planilhas. etc. Caractere Especial .Permite inserir planilhas de algum arquivo já salvo. =MÍNIMO.

Para inserir arquivos de filmes e sons no documento.Permite inserir figuras de um arquivo (Do arquivo). em qualquer formato). Nota . Figura . Comandos do Menu Formatar Formatação Padrão .para inserir notas do Autor.Informática Lista de Funções . alheio ao documento. Filme e Som .Exbe uma lista de funções para você escolher. som. Gráfico . etc. como: plug-in. Objeto .Coloca o texto selecionado na formatação padrão do documento. MENU FORMATAR Este recurso define o formato do documento.Abre o Assistente de Gráficos que permite criar e inserir um gráfico na planilha selecionada.Os quadros flutuantes são usados para exibir o conteúdo de outro arquivo.Permite dar nome às células. 38 Central de Concursos / Degrau Cultural .permite inserir um objeto (arquivo. Quadro flutuante . Nomes . vídeo.

além de permitir configurações de Cabeçalho. alterar a largura. Inferior). Notas de Rodapé. altura). Apresenta o seguinte quadro de diálogo: Linha . O objetivo é. veja que as células de A2 até E2 foram mescladas. Central de Concursos / Degrau Cultural 39 . etc. mostrar ou ocultar. Planilha .Informática Células . colocar um título na planilha.Permite formatar linha. Paisagem). mostrar ou ocultar. Coluna .Permite formatar a planilha. Apresenta o seguinte quadro para altura: Mesclar Células . tornando-as uma só. largura ideal. Superior. na linha 2.Para Configurar a página do documento. Moldura. Colunas. Rodapé. Bordas. Orientação (Retrato. Direita. Na figura abaixo. Margens (Esquerda. Layout da Página. por exemplo. altura ideal.Permite formatar coluna. renomear. mostrar ou ocultar. Apresenta o seguinte quadro para Renomear: Página .Permite dar um formato às células previamente selecionadas. alterar a altura. com opções de formato do papel (largura.Para mesclar (juntar) células.

justificado. Agrupar .permite selecionar estilos e formatação para as células ou para toda a planilha. avançar. primeiro plano ou plano de fundo. centro). Veja os quadros a seguir: Auto Formatar . superior. Parágrafo . 40 Central de Concursos / Degrau Cultural .Informática Intervalos de Impressão . remover ou editar intervalos de Impressão. atrás. adicionar.Permite formatar o texto na célula. Alinhamento . Figura.Abre uma caixa de diálogo que permite editar as propriedades de um controle selecionado.Permite alterar para maiúsculas ou minúsculas. Controle .Permite definir.Definições de âncora para figuras e objetos de desenho.Para agrupar objetos de desenho. Ancorar . recuar.Ao trabalhar com imagens e objetos de desenho. Estilos e Formatação . inferior. Inverter .Ao trabalhar com imagens e objetos de desenho. centralizado.permite definir configurações para a imagem selecionada. Caractere . Alterar capitalização .permite definir alinhamento (padrão. direita. permite colocá-los na frente. Permite ancorar na página ou na célula. Dispor .Permite formatar parágrafos em um texto. esquerda.para aplicar a AutoFormatação em uma área selecionada da planilha ou para definir suas próprias opções de AutoFormatação. permite inverter horizontalmente ou verticalmente.

você pode apontar para ele com o cursor do mouse. Exclui um nível de setas de rastreamento que foram inseridas com o comando Rastrear precedentes. Com o Detetive. Protege a estrutura de uma pasta de trabalho ou de uma planilha. Uma vez definido um traço. executar. Quando você executa uma macro. criadas com Rastrear dependentes. AutoCalcular ou AutoEntrada. organizar. Atingir meta . Rastrear dependentes. Remover to- dos os rastros Remove todas as setas rastreadoras da planilha. causando um valor de erro em uma célula selecionada.Abre um submenu com as opções Folha e Documento. Pode-se criar e excluir entradas de autocorreção. Exclui um nível de setas rastreadoras Conteúdo da célula . Remover dependentes. Media Player . Esta função mostra o relacionamento entre a célula atual que contém a fórmula e as células usadas na fórmula. O cursor assumirá outra forma.Cria e salva cenários que são conjuntos de dados que podem ser usados para visualização dos resultados das análises hipotéticas. entre outras coisas. Rastrear erro. Cenários . você pode rastrear as dependências da célula de fórmula atual nas células da planilha. permitindo que você aplique o resultado e o valor de destino diretamente dentro da célula. Gallery . Idioma . Macros .Abre a janela do media player para tocar algum arquivo sonoro. Auto Correção . Macro é uma seqüência de ações nomeadas e armazenadas.Permite corrigir o texto automaticamente enquando digita. executa todas as ações atribuídas em seqüência. através das opções de autocorreção selecionadas. Clique duas vezes no traço com o cursor para selecionar a célula referenciada no final do traço. Desenha setas rastreadoras que unem a célula ativa às fórmulas que utilizam os valores da célula ativa.Informática Formulário . Após uma pesquisa bem-sucedida. a fonte de dados e os eventos de todo o formulário.Esse comando ativa o Detetive de planilha.Permite Recalcular. MENU EDITAR Proteger documento .Permite gerenciar extensões para o BrOffice.Verifica a ortografia dos textos na planilha ativa. Comandos do Menu Ferramentas Verificação Ortográfica .Determina o idioma do texto selecionado em um documento que contém mais do que um idioma.Exibe um quadro com uma galeria de imagens para você escolher.Abre uma caixa de diálogo na qual você pode resolver uma equação com uma variável. Detetive . uma caixa de diálogo será aberta com os resultados. Você poderá: Rastrear precedentes.org. Central de Concursos / Degrau Cultural 41 . Desenha setas rastreadoras que unem a célula ativa a todas as células precedentes. a hifenização do documento e acessar o dicionário de sinônimos. Gerenciador de extensão . Esta opção permite.Permite especificar. ainda.Permite Gravar. Remover precedentes. macros.

Permite configurações de filtros para importação e exportação de arquivos no BrOffice. Subtotais . 42 Central de Concursos / Degrau Cultural .Informática Definições de filtro XML . Assistente de Dados . Personalizar .Uma tabela do Assistente de Dados fornece um resumo de grandes quantidades de dados.Permite modificar as configurações para o BrOffice. Você pode reorganizar a tabela do Assistente de Dados para exibir resumos diferentes dos dados.Calcula valores subtotais e total global para as colunas rotuladas selecionadas.Organiza em tópicos um intervalo selecionado de células ou a planilha inteira com base em fórmulas e na direção de referência. MENU DADOS Validade – Define os dados válidos para uma célula ou intervalo de células. atalhos de teclado. Atualizar Intervalo – Atualiza um intervalo de dados inserido a partir de um banco de dados externo.Resume os dados de uma ou mais áreas de origem e exibe-os em uma tabela.Define um intervalo de banco de dados com base nas células selecionadas na planilha. Consolidar . Comandos do Menu Dados Definir Intervalo . Filtro . Operações Múltiplas.Permite criar filtro para selecionar apenas aqueles dados que se deseja exibir em uma lista.Seleciona um intervalo do banco de dados definido em Dados . ordenando as linhas de acordo com as colunas especificadas. Selecionar Intervalo . Opções .Permite personalizar menus. Esquema . etc. barras de ferramentas.Aplica a mesma fórmula a células diferentes. Classificar .org. Os dados da planilha são atualizados para que correspondam aos dados do banco de dados externo.Definir intervalo.org.Permite classificar os dados de uma lista. restringindo tipo de dados e limites válidos. mas com diferentes valores de parâmetro.

ao mesmo tempo.org podem ser encontrados nas páginas do Projeto de documentação do OpenOffice. exibindo Conteúdo e Índice.org. Sobre o BrOffice. Lista das Pastas de trabalho Abertas .Fecha janela da pasta de trabalho. MENU AJUDA Verificar se há atualizações – para fazer update (atualizar) o programa. Congelar .com/star/support na Internet. Fechar Janela . Use esse comando para continuar visualizando os títulos de linhas ou de colunas enquanto rola a planilha.Congela ou descongela a tela superior. Registro – permite registrar o produto no site.org.org – Abre a Ajuda do BrOffice.Permite dividir a janela da planilha em duas.Exibe uma lista de todas as pastas abertas.sun.org. visite o site www.sun. Diversos guias e tutoriais escritos por usuários do OpenOffice.com. Permite controlar a exibição de documentos no monitor: Comandos do Menu Janela juda Este menu exibe itens de ajuda do Calc. Suporte – O Centro de Suporte da Sun Microsystems poderá ajudá-lo a solucionar os problemas que você encontrar durante o trabalho com o BrOffice.org na home page da Sun Microsystems www. dando o número da versão utilizada. por exemplo. Você encontrará informações atuais sobre a Sun Microsystems e sobre o BrOffice. Comandos do Menu Ajuda Ajuda do BrOffice.Abre uma nova janela com o mesmo conteúdo da janela ativa. É um tipo de ajuda relacionada ao contexto.Informática MENU JANELA O que é isto? – Permite apontar para o elemento e ele dá a dica. a tela esquerda ou ambas as telas na planilha ativa. Dividir . permitindo trabalhar em partes diferentes da planilha. Para obter mais informações. Nova Janela .org– Exibe informações legais e identifica o programa. Central de Concursos / Degrau Cultural 43 .

isto significa que o software não está apenas disponível para download gratuito. O Firefox permite a leitura dos feeds na barra de ferramentas FAVORITOS. observe sua área de trabalho: Barra de Ferramentas NAVEGAÇÃO do Mozilla Firefox: Retornar para a página anterior Próxima página Atualizar a página Interromper o Carregamento Página Inicial Barra de Endereços Observe que a barra de endereços pode apresentar o ícone do RSS para indicar que o site permite que o usuário se inscreva para o recebimento de feeds que são atualizações de conteúdo dos sites inscritos. Por se tratar de um software livre. 44 Central de Concursos / Degrau Cultural . mas você tem acesso ao código fonte e pode modificar e redistribuir o software sujeito a certas restrições como detalhado na Mozilla Public License. Seu funcionamento é bastante simples.Informática MOZILLA FIREFOX O Mozilla Firefox é um navegador Web desenvolvido pela Fundação Mozilla. O Mozilla Firefox Mozilla é software de código-fonte aberto. similar ao padrão do Internet Explorer. pode ser utilizado em qualquer computador e instalado sobre qualquer sistema operacional.

Caso a barra de Status não esteja sendo exibida é possível identificar que o site é seguro através da uilização do protocolo HTTPS na barra de endereços. Central de Concursos / Degrau Cultural 45 .Informática Barra de Ferramentas FAVORITOS do Mozilla Firefox: Localizada por padrão abaixo da barra de ferramentas de navegação. indica o status do Download da página e se a mesma é uma página segura. BARRA DE STATUS É a barra que aparece no final da janela. Do lado esquerdo a expressão “CONCLUÍDO”. indica que a página já foi totalmente carregada e do lado direito o ícone do CADEADO FECHADO indica que a página está utilizando técnicas de criptografia para transmissão dos dados. contidas abaixo da barra de ferramentas FAVORITOS. Caso o usuário dê um duplo clique no ícone do cadeado será aberta uma janela exibindo informações sobre o certificado digital do site. ABAS O Mozzila Firefox permite que várias páginas possam ser visualizadas na mesma janela através de “abas”. Cada aba corresponde a uma página e pode ser acessada através de um clique simples. além de oferecer acesso ao certificado digital da página.

( ) Certo ( ) Errado 02. Ao realizarmos operações que necessitam de segurança. O Mozilla Thunderbird é um navegador da Internet que apresenta funcionalidades similares às do Internet Explorer 6. o provedor do serviço deve oferecer a possibilidade de uma transação segura através de criptografia (como se a informação fosse embaralhada). (TST – CESPE – JANEIRO/2008) Na janela Painel de controle do Windows XP. porque esses dois aplicativos são incompatíveis. ( ) Certo ( ) Errado 04. Errada – Lembre se que o navegador é o Mozilla Firefox e não o Mozilla Thunderbird. a navegação e que ainda por se tratar de um software livre não possui incompatibilidade com nenhum sistema operacional. encontra-se ferramenta que permite especificar o Mozilla Thunderbird como o aplicativo a ser usado para edição de páginas web. e) por um aviso do servidor em uma janela em separado. d) por confiar que o provedor de serviço irá manter os dados seguros.Informática EXERCÍCIOS COMENTADOS 01. (ELETROBRÁS – ADMINISTRAÇÃO – 2002) Quando se navega pela Internet. Certo – Tendo em vista que os dois são navegadores. c) por aparecer um ícone de cadeado fechado na barra de status do browser. (IBAMA – ANALISTA AMBIENTAL – CESPE/UnB – 2005) Sabendo-se que o sistema operacional do PC referido é o Windows XP. b) por aparecer no nome do site “wwws” no lugar de apenas “www”. Errada – Mesmas justificativas da questão 3. 02. entretanto é incompatível com o sistema operacional Windows XP. ( ) Certo ( ) Errado GABARITO COMENTADO 01. 03. 03. 46 Central de Concursos / Degrau Cultural . normalmente as informações são transmitidas entre o cliente (browser) e o servidor sem nenhum cuidado de segurança da informação. Letra C. equivalente ao Outlook. ter acesso à página Web mostrada na janela do IE6 utilizando-se o browser Mozilla Firefox. Porém. a partir desse computador. os dois permitem a visualização de páginas. seria possível. Podemos reconhecer que a informação é segura através da sigla https:// no endereço do site ou : a) pelo aviso de instalação de um plug-in no browser. 04. Observe também que ele não permite a edição de páginas e sim a visualização. O Thunderbird é um cliente de e-mail. uma página web criada por meio do Mozilla Thunderbird não pode ser exibida no IE6.

tem filtro anti-spam embutido e um mecanismo de phishing. bloqueia imagens. Uma só mensagem pode ter vários marcadores. Acessa também arquivos XML (RSS Feeds). 47 Central de Concursos / Degrau Cultural . NOVOS RECURSOS DO PROGRAMA Marcadores O recurso de Rótulos funciona como os marcadores do webmail Gmail. através da ativação do filtro anti-spam em Ferramentas > Filtro anti-spam. sendo leitor de e-mail e news da Mozilla Foundation (mesma criadora do Firefox). o filtro antispam do Thunderbird pode começar a ser utilizado. É possível também agrupar as mensagens pelos seus marcadores. Podem ser criados outros marcadores para mensagens. Excluir – para excluir mensagens. Marcadores – usados para marcar as pastas. Spam – as mensagens indesejadas podem ser marcadas como spam. Responder – permite responder ao remetente do email. Encaminhar – permite enviar a mensagem que você recebeu para outras pessoas. Catálogo – permite configurar contatos no catálogo de endereços. podem ser usados como parâmetros de pastas. o botão Spam na barra de ferramentas ou a tecla J. Após marcar algumas mensagens. Os spams podem ser apagados automa- Avançar – Avança de onde você voltou. que previne golpes por meio das mensagens. Imprimir – Imprime a mensagem Voltar – Volta à mensagem anteriormente visualizada. Você pode usar os marcadores como parâmetros de pastas de pesquisa e modos de visualização. Re: Todos – permite responder ao remetente do e-mail e a todos os que também receberam o mesmo e-mail. Utilize o ícone Spam de cada mensagem.Informática MOZILLA THUNDERBIRD O Mozilla Thunderbird é um gerenciador de e-mails. Serão consideradas indesejadas as mensagens que o Thunderbird considerar parecidas com as marcadas como spam. ticamente. Nova Mensagem – para escrever um novo e-mail. A BARRA DE FERRAMENTAS DO MOZILLA THUNDERBIRD Receber – permite carregar as mensagens de 1 conta especificamente ou de todas as contas previamente configuradas no Thunderbird.

Lixeira . • Uma conta do Gmail pode ser criada apenas com o nome de usuário e senha. Rascunhos – as mensagens que você não deseja enviar de imediato podem ser salvas e ficam armazenadas nesta pasta. Cco: digite o endereço de e-mail para quem deseja enviar uma cópia da mensagem. se você clicou na direção da mensagem e da coluna da estrela. Você pode unir em seqüência.Informática Visualização de pastas Na tela do programa. O terceiro é o botão de anexo. Caixa de Saída – onde ficam as mensagens que você envia. ordena por anexos. todas as mensagens que possuem a estrela. Os campos “Localizar” e “Visualizar” podem ser posicionados em qualquer barra de ferramentas. email. Novas mensagens são notificadas através de um alerta mais detalhado. Clique no ícone a esquerda dele para adicioná-lo ao catálogo de endereços. Caixa de Entrada – onde ficam armazenadas as mensagens que você recebe. Para ordenadar pela data. “Semana passada”. o segundo. Agrupamento de mensagens No Thunderbird. levam mais tempo para seguirem o seu destino. status. ou seja. as mensagens podem ser agrupadas pela ordem selecionada na pasta. O Thunderbird alertará quando detectar uma mensagem ou link suspeitos. que é a estrela é para ordenar pela estrela. endereço. Cc: digite o endereço de e-mail para quem deseja enviar uma cópia da mensagem. logo à esquerda de Assunto. selecione Exibir / Ordenar por / Agrupar pela ordem. rótulo. enquanto elas estão sendo enviadas. É possível agrupar por remetente. ficará uma estrela marcada. deseja que os endereços fiquem ocultos na mensagem. Novo alerta de mensagem Pastas Locais: Entrada – exibe o carregamento de entrada. conta e prioridade. • Apontando-se o mouse em uma pasta é exibido uma amostra das novas mensagens naquela pasta. As mensagens serão agrupadas em “Hoje”. Eles tentam enganar você para conseguir senhas e outras informações. aproveitando todos os dados do vCard. Ocorre que algumas mensagens são maiores. Outras modificações no programa: • O botão Sinalizar mensagem agora chama-se “Marcar com estrela”. O Thunderbird exibe vCards no fim da mensagem. Botões Voltar e Avançar São novos comandos que permitem navegar pelas mensagens de modo semelhante a um navegador web. “Ontem”. pastas não lidas. telefone e site. • A barra “Modo de visualização” foi removida. Itens enviados – armazena uma cópia das mensagens que você enviou. Itens excluídos – mostra os itens que foram excluídos. data. Quando alguém recebe uma mensagem com o seu vCard pode adicionar você ao catálogo de endereços. 48 Central de Concursos / Degrau Cultural . O painel de pastas pode ser visualizado de 4 formas: pastas marcadas como favoritas. por conterem anexos grandes. Proteção contra fraudes (Anti-Phishing) O Thunderbird 2 tem proteção contra emails falsos conhecidos como scams ou phishing. temos três botões: o primeiro é para agrupar pelo tópico. o assunto e uma amostra do conteúdo. clicando-se nele. Podem exibir o remetente. Para: digite o endereço de e-mail para quem deseja enviar a mensagem. Configure o seu vCard em Ferramentas / Configurar contas.armazena as mensagens que foram apagadas. Todas as informações do vCard são copiadas a este novo contato. Ele contém informações como o seu nome. portanto. porém. assunto. Um vCard funciona como um cartão de visitas anexado a suas mensagens. “Semana retrasada” e “Mensagens antigas”. Saída – exibe o carregamento de saída. pastas recentes ou todas as pastas.

2 . . Ex: Conjunto das vogais: V = {a. Ex: B = {1. 1. todo elemento de A pertence a B..4 ... 2. 4. i. 8} é o mesmo que A = {7. e somente se... B ⊃ A Obs: 1) A ordem dos elementos não altera o conjunto. c. 1. 5. Central de Concursos / Degrau Cultural 49 .}. 4. CONJUNTOS 1. 4.6 . 6. Ex: {1. pessoas etc. Sexta-feira. 9} é o mesmo que B = {1. 9} 3) Representamos os conjuntos por letras maiúsculas: A. b. 1. 2. então: A ⊂ B. e. 6. os elementos são: a. 5. 8. sábado} é o conjunto dos dias da semana que começam com a letra “s” . o. u } 1. Ex: Nos conjuntos das vogais. 1. 5. 2. o. 7. 3} 2) Os elementos dos conjuntos não devem ser repetidos. 9} b) Infinito: quando possui um número ilimitado de elementos. 8..7 . 3. Ex: A = {1. objetos. B.11 . 1. i. 5. C.Conjunto unitário É o conjunto formado por um só elemento. e.Subconjunto O conjunto A é subconjunto de um conjunto B se. 5} A é subconjunto de B.Introdução A noção de conjuntos é intuitiva. Ex: A = {3. } → {x / x é natural } Para relacionar subconjuntos.. É representado por U.Tipos de conjuntos a) Finito: quando possui um número limitado de elementos: Ex: {a. usaremos os símbolos: ⊂ (está contido) ⊄ (não está contido) ⊃ (contém) (não contém) Se A é subconjunto de B.Elementos São os objetos que formam o conjunto. Primitivamente. conjuntos.9 .Neste caso o conjunto universo é: U ={x / x é dia da semana}. 4) Os elementos são indicados por letras minúsculas: a. 3. 4. Ex: Conjunto dos números primos pares e positivos: A={2} 1. 3. Ex: {Segunda-feira. 2. 4. 1.1 . Ex: Conjunto dos números inteiros entre 5 e 6. 2. 3 } e B = {1. e. 4. 3. 3. 5. podemos dizer que: 3∈A 1∈A 7∉A 1. o.Raciocínio Lógico COMPREENSÃO E ESTRUTURA LÓGICA 1. Ex: {x / x é algarismo indo-arábico} Obs: / (lê-se assim: tal que). escrevemos simbolicamente: x ∈ A (x pertence ao conjunto A) x ∉ A (x não pertence ao conjunto A) Ex: Dado o conjunto A = { 0. Ex: A = {0. 7. } → {x ∈ IN / x é ímpar} {0.Conjunto Vazio É o conjunto que não possui elementos.Conjunto Universo É o conjunto que admitimos existir para o desenvolvimento de certo assunto em matemática.. se e somente se.5 . 4. i. 5. No diagrama: 1.Igualdade de conjuntos Dois conjuntos A e B são iguais.8 . u } {0. entende-se por conjunto todo agrupamento bem determinado de coisas. 8. Ex: Conjunto das vogais.10 . 1. 2. 4. 1. .Relação de Pertinência Para indicar que um elemento x pertence ou não a um conjunto A qualquer. 3. u. 1. B = { } ou B = ∅ 1. 9} b) Compreensão: através da indicação de uma propriedade de comum a todos os elementos..Caracterização Podemos caracterizar um conjunto por: a) Extensão: através da designação de todos os elementos que compõe o conjunto. simultaneamente A é subconjunto de B é subconjunto de A.3 ..Representação Podemos representar um conjunto de dois modos: entre chaves ou através de uma linha poligonal fechada. 7.

.. 4. -3. 3. 3} e B = {3. Ex: A = {3. um só dos valores V ou F. a ∈ z. chama-se união de A com B. 50 Dados dois conjuntos A e B tais que A é subconjunto de B.. II) Princípio do terceiro excluído: Toda proposição ou é verdadeira ou é falsa. 3. Representaremos pelas letras latinas minúsculas p. Toda proposição tem um e. 4. chama-se intersecção de A com B o conjunto formado pelos elementos que pertencem a A e a B. 1. ao conjunto formado pelos que pertencem a A e não pertencem a B.A Ex: No diagrama temos: D) Complementar Então: IN ⊂ Z ⊂ Q ⊂ IR 1. p: Antonio é alto. Em diagramas temos: No diagrama temos: C) Diferença Dados dois conjuntos A e B. . 2. 0.12 . 3.. dois conjuntos são iguais quando possuem os mesmos elementos.13 . 2. b) Z = {. 2. Princípios A lógica matemática se fundamenta em dois princípios básicos: B) Intersecção ( ) Dados dois conjuntos A e B. q: 2 é um número ímpar. 4} então: A – B = {1. -1.. 3} . A U B = {x / x ∈ A ou x ∈ B} Ex: A = {1.. 1..2} B – A = {4} Obs: A – B ≠ B . 3 } e B = { 1. 3} e B = { 3..Conjuntos Numéricos a) IN = {0.} é o conjunto dos números naturais. 4. 5} No diagrama temos: Estruturas Lógicas e Diagramas Proposição é todo o conjunto de palavras. Proposição simples ou proposição atômica É aquela que não tem nenhuma outra proposição como parte integrante. 2.B. 2. 3. -2. 4. 2. q. 2. Valor lógico de uma proposição Uma proposição poderá ter valor lógico verdade ou falsidade. não existe um terceiro caso. 5} A U B = {1. d) I = {x / x não é quociente de dois números inteiros} e) IR é o conjunto formado pelos conjuntos dos números racionais mais irracionais. Ex: =B –A A = { 1. 1} e B = {1.União (U) Dados dois conjuntos A e B. símbolos que representam um pensamento completo. b ≠ 0} é o conjunto dos c) Q = {x / x = números racionais. b ∈ z. 5 } Central de Concursos / Degrau Cultural . chama-se diferença entre A e B e indica-se por A .Raciocínio Lógico Ou seja.. ao conjunto dos elementos que pertencem a B e não pertencem a A.. chamados de reais. r. 3} A=B 1. . chama-se complementar de A em relação a B e indica-se por . 2. 5 } = B – A = { 4. 2. 2. s. B = {3. 4. A B = {x / x ∈ A e x ∈ B} Ex: A = {1. o conjunto formado pelos elementos que pertencem a A ou a B.} A B = {3} No diagrama temos: I) Princípio da não contradição: Uma proposição não poderá ser ao mesmo tempo falsa e verdadeira.} é conjunto dos números inteiros. A – B = {x / x ∈ A e x ∉ B} Se: A = {1.

Seus valores lógicos são: p ∨ q: lê-se: p ou q.então (p q). ou Adriano é o mais moço. sabe-se que ou José é o mais velho. É aquela formada pela combinação de duas ou mais proposições. p somente se q. Poderemos também. Seus valores lógicos são: TABELA-VERDADE Dispositivo prático na qual figuram todos os possíveis valores lógicos da proposição composta correspondentes das proposições simples. (I) Ou Adriano é o mais velho. Conectivos São palavras usadas para ligar proposições.. Essa proposição será verdadeira se somente uma das proposições for verdadeira. Os Conetivos são: p q: lê-se ou p ou q. também. p é equivalente a q. o mais velho e o mais moço dos três irmãos são. interpretar da seguinte forma: p é condição necessária e suficiente para q Carlos é engenheiro se e somente se 5 é primo. não é verdade que p. então 5 é primo. p q: lê-se: se p então q. (FT_98) De três irmãos – José. (II) Considerando a proposição: Ou Adriano é o mais velho.. Seus valores lógicos são: ~p . não sucede p p: Antonio é professor ~p: Antonio não é professor. ER1. Poderemos também. Central de Concursos / Degrau Cultural . p mais q. assim criando novas proposições. 51 p ∧ q: lê-se: p e q. a) Negação (~) Representa a negação de uma proposição. ou Caio é o mais velho. Sabe-se. Carlos é engenheiro ou 5 é primo. Q. mas não ambos ou Carlos é engenheiro ou 5 é primo. (p q). Seus valores lógicos são: p q: lê-se: p se. e somente se. ou Caio é o mais velho. lê-se: não p... então (p q). ou Caio é o mais velho. então Adriano não é o mais velho.ou.. respectivamente: a) Caio e José b) Caio e Adriano c) Adriano e Caio d) Adriano e José e) José e Adriano Resolução: Temos as seguintes proposições: Ou José é o mais velho. Adriano e Caio –. Considerando a proposição: Ou José é o mais velho. b) Conjunção (∧) ∧ Representa a conjunção de duas proposições ligadas através do conectivo e (p ∧q) .. S. que ou Adriano é o mais velho. ou Adriano é o mais moço. Seus valores lógicos são: f) Bicondicional ( ) Representa a conjunção de duas proposições ligadas através do conectivo se. Representaremos pelas letras latinas maiúsculas P. Carlos é engenheiro e 5 é primo. ou Adriano é o mais moço. c) Disjunção (∨) Representa a disjunção de duas proposições ligadas através do conectivo ou (p ∨ q).. R. Considerando que Caio é o mais velho. interpretar da seguinte forma: (a) p é condição suficiente para q (b) q é condição necessária para p Se Carlos é engenheiro. Seus valores lógicos são: d) Disjunção Exclusiva ( ) Representa a disjunção de duas proposições ligadas através do conectivo ou. q. e) Condicional ( ) Representa a conjunção de duas proposições ligadas através do conectivo se. q se p. P: Antonio é alto ou 2 é um número ímpar. Então. Operações Lógicas sobre proposições Quando analisamos proposições realizamos uma série de operações..Raciocínio Lógico Proposição composta ou proposição molecular.. vamos conhecê-las e também as suas tabelas-verdade.

(FT_98) A negação da afirmação condicional “se estiver chovendo. José é o mais velho é falso pela (II). se e somente se a conclusão C é verdadeira todas as vezes que premissas P1.. são chamadas tautologias. então João é alto ou Guilherme é gordo 52 Logo. ~A ∨ B ⇔ A B Logo: “Pedro não é pedreiro ou Paulo é paulista” ⇔ “se Pedro é pedreiro. ∧. se e somente se a condicional: (P1 ∧ P2... é equivalente a dizer que a afirmação da primeira implica na afirmação da segunda (A B). então não existe a possibilidade de algum diplomata saber nadar. do ponto de vista lógico. (FT_98) Chama-se tautologia a toda proposição que é sempre verdadeira.C é válido. Um argumento que consiste em duas premissas e uma conclusão chama-se silogismo. é a afirmação da primeira e negação da segunda. os diplomatas não sabem nadar..Pn |----. então Paulo é paulista” Alternativa: A TAUTOLOGIAS Sentenças moleculares que são sempre verdadeiras. independentemente do valor lógico das proposições que a constituem. ER5. Alternativa: A Lógica de Argumentação Chama-se de argumento toda afirmação de que uma dada seqüência finita de proposições tem como conseqüência uma proposição final.. e a proposição final é a conclusão do argumento.. As proposições iniciais são as premissas do argumento. a negação de: “Se estiver chovendo. (ICMS_SP_02) Todos os diplomatas são gordos. eu levo o guarda-chuva b) não está chovendo e eu levo o guarda-chuva c) não está chovendo e eu não levo o guarda-chuva d) se estiver chovendo. logo nenhum diplomata sabe nadar. Um exemplo de tautologia é: a) se João é alto. independentemente da verdade dos termos que a compõem. P2: Nenhum gordo sabe nadar. então Pedro é pedreiro c) se Pedro não é pedreiro. então Paulo não é paulista e) se Pedro não é pedreiro. então Guilherme é gordo Resolução: Analisando a proposição se João é alto. essa proposição representa uma tautologia. Alternativa: E ER3...∧Pn) ⇒ C é tautológica. ~ (A B) ⇔ A ∧ B Logo. então Adriano é o mais moço. ER4. Nenhum gordo sabe nadar. Alternativa: B ER2. P1: Todos os diplomatas são gordos. o mesmo que dizer que: a) se Pedro é pedreiro. Segue-se que: a) Algum diplomata não é gordo b) Algum diplomata sabe nadar c) Nenhum diplomata sabe nadar d) Nenhum diplomata é gordo e) Algum gordo sabe nadar Resolução: Poderemos usar a teoria dos conjuntos para a resolução do exercício. a negação da primeira ou afirmação da segunda (~A ∨ B).. Validade de um argumento Um argumento P1. P2. eu levo o guarda-chuva” é: a) se não estiver chovendo.C diz-se válido.. P2. “Está chovendo.Pn |-----. então João é alto e Guilherme é gordo c) se João é alto ou Guilherme é gordo. então Paulo não é paulista Resolução: Do ponto de vista da lógica. Alternativa: C Central de Concursos / Degrau Cultural . então Paulo é paulista d) se Pedro é pedreiro.. Um argumento não-válido recebe o nome de sofisma. (FT_98_ESAF) Dizer que “Pedro não é pedreiro ou Paulo é paulista” é.. (então) eu levo o guarda-chuva”.Raciocínio Lógico Essa proposição será verdadeira se pelo menos uma das proposições for verdadeira.. então Guilherme é gordo d) se João é alto ou Guilherme é gordo...Pn são verdadeiras. Critério de validade de um argumento Um argumento P1. então João é alto ou Guilherme é gordo b) se João é alto. eu não levo o guarda-chuva e) está chovendo e eu não levo o guarda-chuva Resolução: A negação da de uma proposição do tipo “Se A então B” (A B). Poderemos usar os termos hipótese no lugar de premissa e tese no lugar de conclusão. Vamos representar cada frase por diagramas de conjuntos Como não há intersecção entre o conjunto dos Gordos e o dos Nadadores. eu não levo o guarda-chuva”. C: Logo. então João é alto e Guilherme é gordo e) se João é alto ou não é alto. P2. então Paulo é paulista b) se Paulo é paulista.

então Carla fica em casa. (TTN) Considere dois conjuntos. (Fiscal do Trabalho/98) De um grupo de 200 estudantes. b) Carla fica em casa e Glória vai ao cinema. 9. então Maria e Júlia têm a mesma idade. 6} e B = {1 . azul. Se Maria e Júlia têm a mesma idade. (AFC/96) Se Beto briga com Glória. A de branco falou: “Eu sou Maria”. b) Preto. ------------------------------------------------------------------------Logo Orlando é chinês. B: Guilherme é italiano e C: Orlando é chinês. (2). Sabendo que a interseção dos conjuntos A e B é dada pelo conjunto {2. 02. Representando simbolicamente as proposições por A: Maria é francesa. Se Glória vai ao cinema.Raciocínio Lógico REGRAS DE INFERÊNCIA As tabelas que se seguem contém alguns dos argumentos válidos mais importantes da lógica. Central de Concursos / Degrau Cultural . e) Glória não vai ao cinema e Beto briga com Glória. branco. a outra branco. Se João é mais moço do que 53 d) e) EXERCÍCIOS 01. nem em francês. x. branco. que Maria às vezes diz a verdade. branco. Se Carla fica em casa. 06. A de azul respondeu: “Ana é a que está de branco”. d) Glória vai ao cinema e Beto briga com Glória. a) Carla não fica em casa e Beto não briga com Glória. Ora. (3) e (4). azul. (AFC/96) Três irmãs – Ana. a) Preto. então Guilherme é italiano. Mas Maria é francesa. Se Guilherme é italiano. (2) e (3) são as premissas e (4) é a conclusão. Uma vestiu azul. 9. Temos então verdadeira as seguintes proposições (1). x. então B (2) Se B. As cores dos vestidos de Ana. 80 estão matriculados em francês. preto. que a proposição B é verdadeira e assim. Maria e Cláudia – foram a uma festa com vestidos de cores diferentes. ele foi capaz de identificar corretamente quem era cada pessoa. 05. c) Azul. então Glória vai ao cinema. então é necessariamente verdadeiro que: a) algum A não é G d) algum G é A b) algum A é G e) nenhum G é A c) nenhum A é G Exemplo: 1) Vamos usar a regra modus ponens para verificar a validade do argumento: Se Maria é francesa. então Raul briga com Carla. azul. A e B. (TTN) Se é verdade que “Alguns A são R” e que “Nenhum G é R”.(3x + 3) é igual a a) -28 d) 6 b) -19 e) 0 c) 32 03. Raul não briga com Carla. preto e) Branco. d) Azul. c) Carla não fica em casa e Glória vai ao cinema. Logo. tais que A = {4. então Orlando é chinês. O conhecimento da validade destes dez argumentos permite-nos inferir a validade de muitos outros argumentos. mostrando que o argumento é válido. y. no nosso argumento. o argumento dado é da forma: (1) Se A. então C (3) A -----------------------(4) C onde (1). em inglês ou em francês) é igual a: a) b) c) 04. branco. ao acaso. A probabilidade de que o estudante selecionado esteja matriculado. Chegando à festa. e que Cláudia nunca diz a verdade. 110 em inglês e 40 não estão matriculados nem em inglês. 3. e a terceira preto. Por esse motivo eles são chamados de Regras de Inferência. 1 0. em pelo menos uma dessas disciplinas (isto e. o anfitrião perguntou quem era cada uma delas. Como o anfitrião sabia que Ana sempre diz a verdade. Maria e Cláudia eram. podemos usar a proposição proposição B como uma nova premissa. respectivamente. então João é mais moço do que Pedro. 6}. 8. o valor da expressão y . um dos 200 estudantes. Seleciona-se. 6}. (AFC/96) Se Carlos é mais velho do que Pedro. preto. das premissas (1) e (3) podemos concluir. via “modus ponens”. E a de preto disse: “Cláudia é quem está de branco”.

b) Se o avião tem problema de motor. e a definição de V é dada na seguinte tabela verdade. B. julgue os itens que se seguem. 08. então (Z ∪ P) = φ d) Se (Z P) = φ. então Carlos é mais velho do que Maria. o réu não roubou uma motocicleta. Carlos é mais velho do que Pedro. o réu roubou um carro ou roubou uma motocicleta. o conjunto S dos amigos de Sara e o conjunto P dos amigos de Paula. juízes não são deuses. e João é mais moço do que Pedro. 10. Carlos não é mais velho do que Pedro. nas quais. Todo amigo de Sara é também amigo de Paula. a) b) Texto para os itens de 11 e 12 (TCU/2004) Considere que as letras P. a) A sentença Hoje não choveu então Maria não foi ao comércio e José não foi à praia pode ser corretamente representada por P ( R Q). d) Se o avião tem problema de motor. Na lógica proposicional que trata da expressão do raciocínio por meio de proposições que são avaliadas (valoradas) como verdadeiras (V) ou falsas (F). Essa é uma dedução da forma II.Raciocínio Lógico Pedro. então Z⊂ P c) Se (Z P) = φ . então pousa em Campinas. Com base nessas informações e no texto. Juízes cometem erros. Algum amigo de Paula não é amigo de Sara. Então. c) Se a proposição Hoje não choveu for valorada como F e a proposição José foi à praia for valorada como V. (ICMS_2002) Indique a alternativa em que as proposições formam um conjunto inconsistente. O avião não pousa em Campinas nem em Bauru. então pousa em Bauru. e são operadores lógicos que constroem novas proposições e significam não. Carlos não é mais velho do que Maria. D e E. deduz-se a conclusão (proposição abaixo da linha tracejada). Carlos é mais velho do que Pedro. De quantas maneiras cinco pessoas: A. e os esquemas acima representam quatro formas de dedução. Se o avião não tem problema de motor. O avião não pousa em Bauru. Q represente a proposição José foi à praia e R represente a proposição Maria foi ao comércio. então pousa em Campinas. Portanto. Considere a seguinte dedução. Se o avião tem problema de motor. Se o avião não tem problema de motor. e João é mais moço do que Pedro. respectivamente. Os símbolos e são operadores lógicos que significam. então pousa em Bauru. c) 48. e) 42. 12. Z e P. a partir das duas premissas (proposições acima da linha tracejada). Ora. c) Se o avião tem problema de motor. O avião não pousa em Campinas. O avião pousa em Campinas. e) Se o avião tem problema de motor. O réu roubou um carro. então a sentença representada por P Qé falsa. julgue os itens seguintes. Carlos e João são mais moços do que Pedro. Carlos não é mais velho do que Júlia. então Z = ou P = φ e) Se (Z P) = P. posições e os símbolos . b) A sentença Hoje choveu e José não foi à praia pode ser corretamente representada por P Q. C. podem ser dispostas em fila indiana começando por A ou B? a) 120. Nenhum amigo de Sara é amigo de Paula. então não pousa em Campinas. a) Se o avião tem problema de motor. Q e R representam proposições. para cada valoração atribuída às letras proposicionais. Se o avião não tem problema de motor. respectivamente. então Z = φ 09. então não pousa em Bauru. Se o avião não tem problema de motor. d) 60. (AFC/96) Com relação a dois conjuntos quaisquer. (AFC/96) Os dois círculos abaixo representam. quanto à forma de dedução. 11. então P ⊂ Z b) Se (Z P) = Z. então pousa em Bauru. então juízes não cometeriam erros. não e então. e e então. Q e R representam pro54 Considerando as informações acima e as do texto. Suponha que P represente a proposição Hoje choveu. então não pousa em Campinas. na tabela abaixo. e Maria e Júlia não têm a mesma idade. d) O número de valorações possíveis para (Q R) P é inferior a 9. Considere a seguinte argumentação. Se juízes fossem deuses. b) 24. então pousa em Campinas. Nenhum amigo de Paula é amigo de Sara. então pousa em Bauru. O avião não pousa em Campinas. e Maria e Júlia têm a mesma idade. esses operadores estão definidos. mas nunca ambos. respectivamente. Essa é uma dedução da forma IV. Central de Concursos / Degrau Cultural . De acordo com a acusação. a) b) c) d) e) 07. a) b) c) d) e) Sabendo que a parte sombreada do diagrama não possui elemento algum. é correto afirmar que: a) Se (Z P) = P. As letras P. Portanto. então: Todo amigo de Paula é também amigo de Sara.

também. então Q(x) é verdade e. b) Considere o seguinte argumento. também ao acaso. antes. Todas as meninas alegres possuem cabelos crespos. sendo permitida a repetição de caracteres. julgue os itens a seguir. a) b) s) d) e) 17. sendo permitida a repetição de caracteres. A análise do encadeamento lógico dessas três afirmações permite concluir que elas: são equivalentes a dizer que Patrícia é uma boa amiga. M = 2x + 3y. a) A probabilidade de se extrair aleatoriamente uma carta de um baralho e ela conter uma das figuras citadas no texto é igual a b) . todas as meninas loiras são. Patrícia é uma boa amiga. 20. d) alguns foram à solenidade de colação de grau de Hélcio e nenhum foi ao casamento de Hélio. que poderão ter 1. Q. Central de Concursos / Degrau Cultural . A) B) C) .000 protocolos distintos. Com base nessas informações. b) pelo menos uma menina loira tem olhos azuis. são inconsistentes entre si. todos os que foram à solenidade de colação de grau estiveram. (AFTN/98) Considere as afirmações: se Patrícia é uma boa amiga. c) todas as meninas que possuem cabelos crespos são loiras.. A prestação de contas da prefeitura de uma cidade foi considerada irregular. A prestação de contas da Presidência da República expressou.Raciocínio Lógico c) d) Dadas as premissas P Q. então M = 2w . (MPOG/2002) Um juiz de futebol possui três cartões no bolso. a exatidão dos demonstrativos contábeis. Com base nessas informações. Com base nessas informações. Um é todo amarelo. no casamento de Hélio. a) 2w -3r = 0 d) 2x + 3y 2w . o juiz retira. Ora.3r b) 4p + 3r 2w .000 códigos distintos. altas e magras. então conclui-se que Q(c) é verdade. mas nenhuma menina alta e magra tem olhos azuis. (MPOG/2002) Na formatura de Hélcio. Se M = 4p + 3r. e como neste grupo de amigas não existe nenhuma menina que tenha cabelos crespos. implicam necessariamente que Patrícia é uma boa amiga. é possível fazer uma dedução de R usando-se a forma de dedução IV. a legitimidade e a economicidade dos atos de gestão do responsável. sendo um de cada naipe. Conclui-se que a prestação de contas da prefeitura dessa cidade apresentou ato antieconômico. dos amigos de Hélcio: a) todos foram à solenidade de colação de grau de Hélcio e alguns não foram ao casamento de Hélio. um cartão do bolso e mostra. (TCU/2004) Em geral. Logo. c) A probabilidade de se extrair uma carta e ela conter uma figura ou ser uma carta de paus é igual a 16. Nessa situação. que consiste de 13 cartas. 55 Sabendo que há 4 ases em um baralho comum. Como nenhuma menina de cabelos crespos é alta e magra.000. a legitimidade e a economicidade dos atos de gestão do responsável é julgada regular. Vítor diz a verdade. c) alguns foram à solenidade de colação de grau de Hélcio. Na forma de dedução I.3r c) M2x + 3y 18. ao acaso. de forma clara e objetiva. julgue os itens que se seguem. para x = c. Conclui-se que a prestação de contas da Presidência da República foi julgada regular. se P(c) é verdade. a) Se os protocolos de uma empresa devem conter 4 letras. tem-se que a conclusão será verdadeira sempre que as duas premissas forem verdadeiras. então é possível obter mais de 11. 13. R P.Como nem todos os amigos de Hélcio estiveram no casamento de Hélio. a legalidade. Cada prestação de contas submetida ao TCU que apresentar ato antieconômico é considerada irregular. Considere que se deseja gerar códigos cujos caracteres pertencem ao conjunto das 26 letras de um alfabeto. e algumas meninas de cabelos crespos têm também olhos azuis. então podem ser gerados menos de 400. 3 dessas cartas contêm as figuras do rei. conclui-se que a probabilidade de se extrair uma carta e ela não ser um ás de ouros é igual a . b) Se uma empresa decide não usar as 5 vogais em seus códigos. julgue os itens subseqüentes. então M = 4p + 3r. (MPOG/2002) Em um grupo de amigas. (TCU/2004) A seguinte forma de argumentação é considerada válida. 19. M + H 1. c) O número total de códigos diferentes formados por 3 letras distintas é superior a 15. (TCU/2004) 20. de forma clara e objetiva. b) pelo menos um não foi à solenidade de colação de grau de Hélcio. quer Patrícia seja uma boa amiga. Toda prestação de contas submetida ao TCU que expresse. Para cada x. a legalidade. implicam necessariamente que Vítor diz a verdade e que Helena não é uma boa amiga. então M + H = 1. e) todos foram à solenidade de colação de grau de Hélcio e nenhum foi ao casamento de Hélio. a exatidão dos demonstrativos contábeis. então: a) pelo menos uma menina alegre tem olhos azuis. Num determinado jogo. são consistentes entre si. que possui apenas 5 vogais. d) todas as meninas de cabelos crespos são alegres.3r e) M = 2w . 14. Um baralho comum contém 52 cartas de 4 tipos (naipes) diferentes: paus (♣). da dama e do valete. se Helena não é uma boa amiga. Helena não é uma boa amiga. se P(x) é verdade. Nesse caso. esse argumento é válido. o argumento não é válido. (MPOG/2002) M = 2x + 3y. quer Patrícia não seja uma boa amiga. o outro é todo vermelho e o terceiro é vermelho de um lado e amarelo do outro. uma face do cartão a um jogador. espadas (♠). a) Considere o argumento seguinte. Por outro lado. 2 ou 3 letras. empresas públicas ou privadas utilizam códigos para protocolar a entrada e a saída de documentos e processos. 15. Se M = 0. olhos azuis e seja alegre. conclui-se que. se Vítor diz a verdade. respectivamente.3r. Em cada naipe. ou M = 0. copas (♥) e ouros (♦). e) nenhuma menina alegre é loira. mas não foram ao casamento de Hélio.

Se Ana vai à África. Ora. D. 25. se não for filósofo. d) Beatriz briga com Bia e Beraldo briga com Beatriz. F. Se Beraldo briga com Beatriz. Há exatamente seis cadeiras em tomo da mesa. Dizer que “André é artista ou Bemardo não é engenheiro” é logicamente eqüivalente a dizer que: a) André é artista se e somente se Bernardo não é engenheiro. b) não A ou não C. Seis pessoas . d) Ana vai à África ou Luís compra um livro. o número de irmãs de Zilda neste conjunto de cinco amigas é dado por: a) 1. d) Ênia é filha de Elisa ou Flávia é filha de Fernanda. 29. A. e) Ana vai à África e Rui não vai a Roma. a) Bia não vai ao bar e Beatriz briga com Bia. Se é verdade que “Alguns escritores são poetas” e que “Nenhum Músico é poeta’’. D. c) A. c) Paula não é fllna de Paulete e Ana é filha de Alice. A partir das seguintes premissas: Premissa 1: “X é A e B. e cada pessoa senta-se de frente para o centro da mesa e numa posição diametralmente oposta à pessoa que está do outro lado da mesa. foram feitas sobre a ordem de chegada dos convidados a uma festa: a) Gustavo chegou antes de Alberto e depois de Danilo. E. Maria é magra ou Bemardo é barrigudo. c) Se André não é artista. B. então X não é C” Premissa 3: “Y não é C” Conclui-se corretamente que X é: a) A e B. algum trabalhador é filósofo. a) Paula é filha de Paulete e Flávia é filha de Fernanda. Logo. d) “existe uma rã verde que não está saltando”. Ana.A. 32. Se Luís compra um livro. C. b) Gustavo chegou antes de Beto e Beto chegou antes de Alberto se e somente se Alberto chegou depois de Danilo. c) Beatriz não briga com Bia e Beraldo não briga com Beatriz. Central de Concursos / Degrau Cultural . Beto não briga com Bia. tudo responsável é filósofo ou poeta. Portanto. e) não A e não B. e) 5/6. Dida e Elisa. Ora. ou Ana vai à Africa. E. c) A ou B. C. todo artista é responsável. A. B. b) Se André é artista. B. d) 4/5. c) César é careca e Maria é magra. d) F. d) algum escritor não é músico. c) Carlos não chegou junto com Beto se e so-mente se Alberto chegou junto com Gustavo. Ora. então Beatriz briga com Bia. 31. também e necessariamente ver que: a) nenhum músico é escritar. e) “algo que não seja uma rã verde está saltando”. ou X é C” Premissa 2: “Se Y não é C. então André é artista. b) Bernardo é barrigudo ou César é careca. 2/3. c) algum músico é escritor. As seguintes afirmações. c) 3. e) Lúcia é linda e César é careca. 30.Raciocínio Lógico Assim. (MPOG/2002) Cinco amigas. a) b) c) a) b) c) d) e) 21. 1/3. ou Ênia é filha de Elisa. b) algum escritor é músico. D. então Flávia é filha de Fernanda. e) 5. então César é careca. então César não é careca. d) 4. Flávia é filha de Fernanda. são tias ou irmãs de Zilda. todas elas verdadeiras. C. tem-se que. Rui não vai a Roma. E. C. Bia diz que Cati é irmã de Zilda. a) Carlos chegou antes de Alberto e depois de Danilo. Se Bernardo é barrigudo. Se Beatriz briga com Bia. B. necessariamente. isto é: se uma é tia a outra é irmã. d) A e não B. A disposição das pessoas à mesa deve satisfazer às seguintes restrições: F não pode sentar-se ao lado de C E não pode sentar-se ao lado de A D deve sentar-se ao lado de A Então uma distribuição aceitável das pessoas em tomo da mesa é: a) F. B. então Ana não é filha de Alice. E. Se Bia vai ao bar. b) Gustavo chegou junto com Carlos. D. ou Rui vai a Roma. a probabilidade de a face que o juiz vê ser vermelha e de a outra face. Se Paula não é filha de Paulete. 24. Assim. mostrada ao jogador. Em uma comunidade. Dizer que é verdade que para todo x. Lúcia é linda. se x é uma rã e se x é verde. Elisa diz que Ana é tia de Zilda. logo: a) Celso compra um carro e Ana não vai à África. e) André não é artista e Bemardo é engenheiro. F. E. E. não há filósofo e não há 56 27. Bia. ou é trabalhador ou é poeta. e) nenhum escritor é músico. todo trabalhador é responsável. Logo. Luís compra um Livro. algum filósofo é poeta. F . E. Ou Celso compra um carro. D. ser amarela é igual a: 1/6. c) Ana não vai à África e Luís compra um livro. e) Beatriz não briga com Bia e Beraldo briga com Beatriz. A. e) F. b) A. C. nem Ênia é filha de Elisa nem Inês é filha de Isa. d) Maria não é magra e Bernardo é barrigudo. b) Celso não compra um carro e Luís não compra o livro. Cati diz que Dida é irmã de Zilda. Ora. 22. então x está saltando é logicamente equivalente a dizer que não é verdade que: a) “algumas rãs que não são verdes estão saltando”. 23. C. b) “algumas rãs verdes estão saltando”. c) “nennuma rã verde não esta saltando”. então Beto briga com Bia. b) Paula é filha de Paulete e Ana é filha de Alice. b) Boa vai ao bar e Beatriz ouga com Bia. então. Ora. Se Lúcia é linda. Ana diz que Bia é tia de Zilda. então Rui vai a Roma. 26. todo responsável é artista. então Bia vai ao bar. então Bemardo não é engenheiro. poeta que não seja responsável. Todo artista. b) 2. Dida diz que Bia e Elisa têm diferentes graus de parentesco com Zilda. 28. então.devem sentar-se em tomo de uma mesa redonda para discutir um contrato. Se Flávia é filha de Fernanda. e) Se Ana é filha de Alice. Cati. então Bernardo é engenheiro d) Se Bemardo é engenheiro. Ou Ana é filha de Alice. D. Logo: a) Maria é magra e Bernardo não é barrigudo. As tias de Zilda sempre contam a verdade e as irmãs de Zilda sempre mentem.

a) b) c) d) e) As respostas obtidas foram sim e sim. b) todos são falcs. Com base nas afirmações acima (todas verdadeiras). quando o dela está no conserto. Assim. d) Júlia às vezes pede emprestado o carro de sua prima. rosa e vermelho. Quem é quem na árvore genealógica e qual a cor do carro de cada um? a) b) A irmã de Ronaldo tem um carro azul. As perguntas foram: I) seu nome é Pedro? II) como seu irmão responderia à primeira pergunta? Pode-se afirmar que: 39. o navio afundou. Todos os professores de canto são. cinza. c) somente um dos três últimos é falc e glup. Então ele se aproxima de três outros nativos que estavam conversando juntos e faz cada um deles duas perguntas: 1º Os outros dois são verds? 2º Os outros dois são falcs? A primeira pergunta é respondida com glup pelos três mas à segunda pergunta os dois primeiros responderam glup e o terceiro respondeu plug. c) A filha de Mila tem um carro rosa. Então: a) Anais será professora e Anelise não será cantora. azul. b) Anais não será professora e Ana não será atleta. Beto chegou antes de Alberto e junto com Danilo. na língua local. 38. Pedro e Paulo. (Adaptação do texto da revista seleções) Cada um dos membros dessa família tem um carro de cor diferente. professores de piano e alguns professores de piano são. c) pelo menos um professor de canto é professor de teatro. Se Ana for atleta. e) Anelise será cantora e Anamélia não será pianista. Todos os professores de violão são. 35. George. a pessoa C for George e tiver o carro cinza. c) nenhum filósofo é professor. c) Anelise não será cantora e Ana será atleta. Sabe-se que nenhum professor de piano é professor de dança e como as aulas de piano. teatro. verde. que sempre dizem a verdade e os falcs. Se é verdade que “Nenhum artista é atleta”. ou Anelise será canto-ra. c) Carla não foi ao casamento e Vanderléia não viajou. d) somente um dos três últimos é verd e glup significa sim. As pessoas são Adão. Pedro sempre mente e Paulo sempre diz a verdade. III – A pessoa D é Júlia e tem o carro rosa. d) todos os professores de piano são professores de canto. corretamente. 36. o navio não afundou. professores de teatro. dança. As respostas obtidas foram não e sim. recém chegado a este país. Uma escola de arte oferece aulas de canto. As cores dos carros são (não necessariamente nessa ordem): preto. e) há dois verds e glup significa sim. O marido de Mila (cujo carro não é marrom) não é George. Em uma cidade há dois irmãos gêmeos. e) Vera e Vanderléia não viajaram. b) pelo menos um professor de violão é professor de teatro. 40. Alberto chegou depois de Beto e junto com Gustavo. e) Stela não é da mesma geração (de pais ou de filhos) que Adão (cujo carro não é nem marrom nem vermelho).Raciocínio Lógico c) d) e) Alberto chegou junto com Carlos e depois de Beto. Se a segunda resposta for sim. Se Anelise for cantora. Logo. julgue os itens que se seguem: I – A pessoa A é Ronaldo e tem o carro azul. Júlia. b) Camile e Carla não foram ao casamento. e somente se. é informado por um nativo que glup e plug. a) Vera não viajou e Carla não foi ao casamento. c) nenhum artista é não-atleta. Se Carla não foi ao casamento. ou Anamélia será pianista. o professor pode concluir que: a) todos são verds. Ora. e o outro. marrom. Se Vandertéia viajou. um dos irmãos respondeu à primeira. também. b) alguns professores são filósofos. Assim. significam sim e não mas o professor não sabe se o nativo que o informou é verd ou falc. As respostas obtidas foram sim e não. também. violão e piano. Ora. professores de dança. então Anamélia será pianista. Ângela. pode-se afirmar. significa não. Ângela tem um carro cinza. também. então também será verdade que: a) todos não-artistas são não-atletas. que nesta comunidade: a) alguns filósofos são professores. Uma pessoa fez duas perguntas a eles. à segunda. d) Carla não foi ao casamento ou Vanderléia viajou. o interpelado é Pedro. Vanderléia viajou. d) Anelise será cantora ou Ana será atleta. b) nenhum atleta é não-artista. Um professor de Lógica. 33. II – A pessoa B é Mila e tem o carro marrom se. 34. e) todos os professores de piano são professores de violão. sabe-se que “nenhum filósofo é rico” e que “alguns professores são ricos”. Se Vera viajou. e seu pai. d) alguns professores não são filósofos. 37. Num país há apenas dois tipos de habitantes: os verds. nem Camite nem Carla foram ao casamento. As respostas obtidas foram não e não. então Ana será atleta. e) nenhum professor é filósofo. mas nenhum professor de dança é professor de teatro. d) pelo menos um não-atleta é artista e) nenhum não-atleta é artista. Ronaldo e Stela. que sempre mentem. Em uma pequena comunidade. Anamélia não será pianista. um carro preto. 57 Central de Concursos / Degrau Cultural . Mila. Ou Anais será professora. violão e teatro não têm nenhum professor em comum então: a) nennum professor de violão é professor de canto.

D 23. ou V nas outras situações. B 04. A 32. a) As tabelas de valorações das proposições P ∨ Q e Q ¬ P são iguais. 44. As avaliações dadas para as sentenças II e IV estão corretas. Pedro não é pedreiro ou Paulo é paulista tem como negação Pedro é pedreiro e Paulo não é paulista. Considere as quatro sentenças enumeradas a seguir. A 21. denotada por P ∨ Q.Para cada x e para cada y. C 24. E 44. haja apenas dois tipos de indivíduos: aqueles que sempre falam a verdade e os que sempre mentem. C 43. 41. C 16. V – A pessoa E é Mila e a pessoa D é Stela. do conjunto G. B 26. 43. As avaliações dadas para as sentenças I e III estão corretas. E 07. C. então conclui-se que R é verdadeira (ou ¬R é verdadeira). se x < y então existe algum z. C 05. C 39. C. Uma forma de argumentação lógica considerada válida é embasada na regra da contradição. C 29. de acordo com o conjunto no qual as variáveis x.Para cada x. D 10. que será F se P for V e será V se P for F. A 08. Considerando essas informações e o texto de referência. denotada por P Q. A 11. C 27. E. E. A partir dessas variáveis. caso se obtenha uma contradição. se 0 < x. B 36. ou seja. IV . C. ou V. tais como: a proposição condicional. x < y. y e z sejam variáveis que podem assumir valores no conjunto dos números naturais (IN). E 18. para cada uma das quatro sentenças enumeradas acima. D 35. A 33. C 09. E 41. D 34. será F. E. no dos números racionais (Q) ou no conjunto dos números reais (IR). Se. A partir das informações do texto acima. o indivíduo P afirmar que o indivíduo Q fala a verdade. D 28. C. E. a respeito dessas sentenças. 42. C 15. D 38. E 20. julgue os itens que se seguem. E. E 13. denotada por ¬P. I . que será F somente quando P e Q forem F. a disjunção de P e Q. p q é equivalente a p q. que será V somente quando P e Q forem V.Existe algum x tal que. então. Denomina-se contradição uma proposição que é sempre falsa. a) b) De acordo com a regra da contradição. C. C. denotada por P∧ ∧ Q. E. Em cada linha da tabela a seguir. P Q é verdadeira quando ao supor P ∧ ¬ Q verdadeira. A 37. C. E 19. E as tabelas verdades: I– II – III – IV – V– Julgue os itens a seguir: “Se Pedro é pedreiro então Paulo é paulista” é equivalente a dizer “Se Paulo não é paulista então Pedro não é pedreiro”. E. existe algum x. e. nessas sentenças.Para cada y. em um pequeno grupo de pessoas — G — envolvidas em um acidente. C. nesse caso. Uma tabela de valorações para uma dada proposição é um conjunto de possibilidades V ou F associadas a essa proposição. q: Paulo é paulista. no dos números inteiros (Z). A 02. tal que x < z e z < y. E. D 30. (p q) (p q) é tautologia. é correto concluir que P e Q mentem. podem ser obtidas novas proposições. obtém-se uma contradição. ou serem julgadas verdadeiras (V) ou falsas (F). GABARITO 01. nos outros casos. A 42. Dadas as proposições: p: Pedro é pedreiro. A 40. no caso de uma proposição ¬R verdadeira (ou R verdadeira). b) As proposições (P v Q) S e (P S) (Q S) possuem tabelas de valorações iguais. II . E.Raciocínio Lógico IV – Se a pessoa F é Adão e tem o carro verde. então a pessoa G é Ângela e tem o carro cinza. a conjunção de P e Q. que será F quando P for V e Q for F. C 12. Suponha que. E. C. (Papiloscopista/2004) Texto para os itens 41 e 44. A 14. B 06. em outros casos. y e z assumem valores. A 31. c) O número de tabelas de valorações distintas que podem ser obtidas para proposições com exatamente duas variáveis proposicionais é igual a 24. III . tal que x < y. E 03. Sejam P e Q variáveis proposicionais que podem ter valorações. então existe algum y tal que x = y × y. para cada y. e sabendo que duas proposições são equivalentes quando possuem as mesmas valorações. C 58 Central de Concursos / Degrau Cultural . D 17. a) b) Julgue os itens subseqüentes. julgue os itens subseqüentes. C. e Q afirmar que P e ele são tipos opostos de indivíduos. p ⇔ ~p é uma contradição. Considere que. x. e a negação de P. são atribuídas valorações V e F. C 22. E. E. E. D 25.

24. 6.d. 8. O último divisor será o m. 40. respectivamente. b) calculamos o produto dos fatores primos comuns. 24. } M (8) = {0. com os maiores expoentes. b) calculamos o produto de todos os fatores primos que apareceram. estando cada um deles elevado ao seu maior expoente. o mdc será o menor deles. divide-se o menor pelo resto..M. 4.. dão produtos iguais.D. de dois números dividindo-se o maior pelo menor. 8 } Vemos que m. Decompomos simultaneamente os números. 48. Determinar os dois menores números pelos quais devemos multiplicar os números 24 e 36. 30) = 120 02. 2.M. (24.) O máximo divisor comum de dois ou mais números é o maior dos divisores comuns aos números considerados. (24.d. EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 01. 4. Se esses navios partirem juntos. 48. depois de quantos dias voltarão a sair juntos. Ex.c. M.d. 24 } D (8) = { 1. Decomposição em fatores primos: a) decompomos os números em fatores primos.c.C MÁXIMO DIVISOR COMUM (M. 72.C. multiplicados. 36) = 72. . M.c.c. os números são primos entre si.C. 72 : 24 = 3 e 72 : 36 = 2. 48. a fim de se obter produtos iguais. determinar o m.: 24 e 8 D (24) = { 1.: Efetuar o m. 24. 60) Métodos para determinar o mínimo múltiplo comum: 01.C. .C E M. 3). 4. 12.Raciocínio Lógico M. 30) = 21 x 31 = 6 2) Divisões sucessivas: Pode-se. 8. pela primeira vez? Central de Concursos / Degrau Cultural 59 .M. e assim sucessivamente. 24. com os menores expoentes: 21 e 31 Logo. 80. 02. entre dois números é igual a 1. 24.M.: Efetuar o mdc (18. o segundo a cada 6 dias e o terceiro a cada 9 dias. 8 } D (24) ∩ D (8) = { 1. (72. } Logo. 16. (24. (24.C. 32. m. pois. Três navios fazem viagens entre dois portos. cada um deles elevado ao seu menor expoente.d.) O mínimo múltiplo comum de dois ou mais números não nulos é o menor número diferente de zero que é múltiplo comum aos números considerados: Ex. MÍNIMO MÚLTIPLO COMUM (M.c.D. 3. desta forma. segue-se que 2 e 3 são os menores números que. O primeiro a cada 4 dias. Se a divisão não for exata.: Consideremos os números 24 e 8 M (24) = { 0. 30): Como 18 = 21 x 32 24 = 23 x 31 30 = 21 x 31 x 5 Fatores primos comuns (2.. 56. por 24 e 36. Ex.. Selecionamos todos os fatores primos comuns e não comuns: 24 = 2 x 2 x 2 x 3 30 = 2 x 3 x 5 Fatores comuns e não comuns elevados aos seus maiores expoentes: 23 x 3 x 5 = 120 Logo. (18.. 2. também. Ex. } M (24) ∩ M (8) = { 0. 8) = 24 Sendo o m. 8) = 8 Métodos para determinar o máximo divisor comum: 1) Decomposição em fatores primos: a) decompomos em fatores primos. 72. 2.m. já se obtém os fatores comuns e não comuns.c. se a divisão for exata. 72.D. .C.. NOTA: Quando o M. 64. 96.d.

c. (a. podemos determinar o m. 60 e 72 é o menor múltiplo comum: 720. GABARITO 01. 12 07. 04. b) 600.m.d. B e C vale: 05. 20 05. 02.M. o exercício está resolvido procurando-se os múltiplos de 720 compreendidos entre 1. 48) 02. O mdc entre A. Quantos divisores pares comuns têm os números 1. c b) 12 c) 16 a) b) c) 60 10. z N*).: mdc (15. b) = (a x b) : m. 720 x 3 = 2. b) ou O produto de dois números diferentes de zero é igual ao produto do m.. b) dividindo o produto dos números pelo seu m. podemos afirmar que: A . (a. Calcular os dois menores números pelos quais devemos multiplicar os números 60 e 78.C.c. m.m.c. os senadores. 6. 12) b) mdc ( 12. Numa República. não nulos. 720 } sendo (x.Raciocínio Lógico Basta determinar o m. 2.800. a) { 1.500? ( Determina-se o conjunto dos divisores de cada um dos números ) 07. 540. 10 e 13 Central de Concursos / Degrau Cultural . desses números.c. usando o m. ao mesmo tempo. 27. (4.c. novamente. Ex.B = 33 A . 3. 36. 720 x 2 = 1.880 Os demais múltiplos de 720 ultrapassam 3. 60 e 72: O primeiro múltiplo comum de 48. obteve-se: 03. ao mesmo tempo. em que ano se realizarão. 600 e 1. Determine todos os números compreendidos entre 200 e 800. Calcule: a) mdc ( 54. y. 54 06. Ao calcular o mdc dos números A e B (A e B ∈ N*). divisíveis por 15.c. 4 anos. 1992 b) { 1. Se. RELAÇÃO ENTRE O M.000 e 3. 9) = 03.B = 27 d) A .000. E O M. a) b) c) Calcule: mmc (12. e os deputados. a) 12 . 08.m. 6 anos. Calcule os seguintes conjuntos dos divisores comuns: a) D (15) ∩ D (20) b) D (18) ∩ D (27) D ∩ (45) 04. Sendo A = 23 x 32 x 5. simultaneamente? 10. { 360.B = 77 A . em 1980. Calcule os 3 maiores divisores comuns dos números 54 e 162.c.m.160. (a. 5 } . ou vice-versa. 720 x 4 = 2. Logo. o presidente deve permanecer 4 anos em seu cargo. 09.d.C. 600) mmc (4. pelo m.c. (4. a) 6.m.000 e que são divisíveis.000. 30 e 36. 9 } 06. 6) mmc (60. houve eleições para os três cargos. 6. 18. DE DOIS NÚMEROS Cálculo do m.c. 9) = 22 x 32 = 36 Resposta: 36 dias 03.D. Se dois números naturais quaisquer a e b. pelo algoritmo de Euclides (divisões sucessivas).c.d. Determinar todos os números compreendidos entre 1. 25) = 15 x 25 = 375 EXERCÍCIOS 01. C = 22 x 52 x 73. a fim de obtermos produtos iguais.m. por 48. as eleições para esses cargos.000 e 3.B = 55 09.d.440. 25) x mmc (15. que sejam. 16) 08.B = 47 e) A . m. B = 24 x 3 x 5.

3 . kn. temos: 3 . 4 = 12 Resposta: 12 modos Resposta: 1080 alternativas 05. .. passando por B. . 6. e 4 outras ligando B à cidade C. de modo que o número não tenha algarismo repetido? Resolução: Placa ⇒ Pelo princípio fundamental da contagem. A 6. temos: 2 .. 4 . n2. np) = EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 01. então o numero total de maneiras pelas quais o evento ocorre é: k1 .p= np Permutações com repetição: Pn (n1. restam 6 pessoas para os quatro lugares restantes. Diferem entre ao mudarmos a ordem de seus elementos. Uma pessoa deseja viajar de A a C. 2 . 8 e 9 Colocando-se o prefixo 51. Uma empresa é formada por 6 sócios brasileiros e 4 japoneses. 4 = 840 Resposta: 840 números 04. sendo n ∈ N e n > 1. 3 = 1080 de A para B ⇒ 3 possibilidades de B para C ⇒ 4 possibilidades Logo. Uma combinação simples de n elementos distintos agrupados p a p é dada por: Arranjos com repetição: (AR)n. Existem 3 linhas de ônibus ligando a cidade A à cidade B. 5. Com as letras A e R e os algarismos ímpares.4 Logo 3 .Raciocínio Lógico ANÁLISE COMBINATÓRIA Princípio fundamental da contagem: Considerando n o numero de etapas em que ocorre determinado evento e sabendo que k1.. quantos números de telefone podem formar-se com 6 algarismos. pelo princípio fundamental da contagem. kn indicam o numero de possibilidades de cada etapa.. (n – 2) . Fatorial de um número: n! = n . isto é: A 6. De quantos modos podemos formar uma diretoria de 5 sócios. 6 . 3. k2 . = 3 . 1. . sendo 3 brasileiros e 2 japoneses? Central de Concursos / Degrau Cultural 61 . De quantos modos diferentes a pessoa poderá fazer essa viagem? Resolução: 02. . 6 . (n – 1) . de maneira que cada número tenha prefixo 51 e os restantes sejam números todos diferentes.. k3. Calcule o número de alternativas distintas para lotar o automóvel com pessoas escolhidas dentre sete. logo: 7 . Um automóvel comporta dois passageiros nos bancos da frente e três no detrás. . 2. Como a pessoa A pode ser colocada em três lugares no banco detrás temos: 3 . incluindo-se os números que formam o prefixo? Resolução: Algarismo: 1. 3 . quantas placas diferentes podem ser constituídas. Uma permutação simples de n elementos distintos e dada por: Pn = n ! Combinações simples: São agrupamentos que não diferem entre si ao mudarmos a ordem de seus elementos.. 5 . de modo que uma dessas pessoas nunca ocupe um lugar nos bancos da frente. Resolução: O número total de pessoas é igual a 7. logo: Fixando a pessoa A no banco detrás. k2.... restam 7 algarismos. Um arranjo simples de n elementos distintos agrupados p a p e dado por: Permutações simples: Todos os elementos participam em cada agrupamento. 2 .4 . . k3 . 7. 5 .4. Com os algarismos de 1 a 9. A placa de um automóvel é formada por duas letras seguidas por um número de quatro algarismos. . 4 .. 2 = 480 Resposta: 480 placas 03. Arranjos simples: São agrupamentos que diferem entre si ao mudarmos a ordem de seus elementos. 5 .

1) + 6 n (n .Raciocínio Lógico Resolução: Logo.2 + 3 2 n (n . Sobre uma circunferência tomam-se 7 pontos distintos. o número total de polígonos é: 35 + 35 + 21 + 7 + 1 = 99 08.2 = k + 3 ⇒ An. Resolução: número de triângulos ⇒ C7.4 = 35 número de pentágonos ⇒ C7.3 = 35 número de quadriláteros ⇒ C7.2 = k + 3 comissões Substituindo À em Á.1) = 6 62 Central de Concursos / Degrau Cultural . poderemos formar k + 3 comissões distintas. Calcule o número de polígonos convexos que se pode obter com vértices nos pontos dados. Colocando esses números em ordem crescente. Calcule n. temos: O próximo número é: O próximo número é: ⇒ 89º Resposta: 89º Resposta: 99 polígonos 07.1) = n (n . tivermos que indicar uma das pessoas para presidente e a outra para suplente.2 = k comissões cargos definidos ⇒ Á An. efetuando todas as permutações de seus algarismos.7 = 1 Logo.2 = Cn. no entanto.6 = 7 número de heptágonos ⇒ C7. qual é o lugar ocupado pelo número 43521? Resolução: Escrevendo os números em ordem crescente. ao formar essas comissões. Se. O número de comissões diferentes de 2 pessoas que podemos formar com os n diretores de uma firma é k. vem: An. Resolução: Devemos ter: cargos indefinidos ⇒ À Cn. Considere os números obtidos do número 12345.5 = 21 número de hexágonos ⇒ C7. n = 3 Resposta: n = 3 Logo: Resposta: 120 modos 06.

atualizada. que representam uma espécie de miniatura da população. cujos elementos possuem ao menos uma característica em comum. Exemplo: N = 90 alunos Queremos uma amostra de 10% da população. tomamos todos os elementos dos subgrupos escolhidos. me--dir. População e amostra População → é todo conjunto. obtêm-se os elementos da amostra proporcionalmente ao número de elementos dos estratos. Esse tipo de avaliação é cara. a estatística é definida assim: Estatística: é uma parte da matemática aplicada que fornece métodos e processos para estudar. possui custo reduzido e confiabilidade menor que 100%. Amostragem por conglomerados 3. 2. Amostragem aleatória simples ou casual (randômica) Todas as possibilidades têm a mesma chance de ocorrer (é equivalente a um sorteio lotérico). intervalos de tempo para coleta. Quando. Amostragem de conveniência Dados disponíveis de fácil acesso. além de considerar a existência dos estratos. a qual utiliza exaus-tivamente todos os componentes da população. e foi utilizado inicialmente para denominar levantamentos de dados. Seguem abaixo algumas das principais técnicas de amostragem probabilística. organização. Amostragem experimental Processo em condição sob controle. mediante métodos ade-quados de seleção. interpretar os fenômenos coletivos e deles ex-trair conclusões. finalmente. Censo é uma avaliação direta de um parâmetro. cuja finalidade era orientar o Estado em suas decisões. através do cálculo de probabilidades.Raciocínio Lógico NOÇÕES DE ESTATÍSTICA 1. que significa estado. estabelece hipóteses sobre a população de origem e formula previsões fundamentando-se na teoria das probabilidades. por exemplo. finito ou infinito. Apresenta resultados imprevisíveis. análise e apresentação dos dados estatísticos. Estimação é uma avaliação indireta de um parâmetro com base em uma estatística da amostra. Amostragem sistemática É a seleção feita por algum critério pré-esta-be-lecido. Amostragem estratificada É a dividisão de uma população heterogênea em subpopulações (estratos) razoavelmente homogêneas. Estatística Indutiva: também chamada de amostral ou inferência estatística. 5. Experimento aleatório é uma experiência ou observação de um fenômeno qualquer em estudo. Temos que identificar subgrupos homogêneos. lenta e quase sempre desatualizada. Amostragem É o processo de coleta das informações de parte da população chamada amostra. Amostra → é qualquer subconjunto não vazio de uma população. Processos estatísticos de abordagem Amostra → uma característica numérica estabelecida para uma amostra é denominada uma estatística 4. teremos a amostragem proporcional estratificada. Exemplo: temperatura ambiente. Central de Concursos / Degrau Cultural 63 . Divisão da estatística Estatística Descritiva: preocupa-se com a coleta. População → uma característica numérica estabelecida para toda população é denominada um parâmetro. descrição. em seguida escolhemos alguns desses subgrupos e. como peças de uma linha de montagem. Conceitos iniciais O termo Estatística provém do latim “status”. Atualmente. É rápida. como.

espaciais. mas às quais podem ser atribuídos valores (variáveis qualitativas). quando temos dúvida quanto à exatidão de determinado valor. ou marchas Os dados são observados conforme a época de ocorrência. 0. ou de localização. 7. Central de Concursos / Degrau Cultural . • um ponto de interrogação (?). localizado no topo da tabela.Raciocínio Lógico 6. territoriais.. Séries temporais. Trata-se de variáveis qualitativas. Corpo: conjunto de linhas e colunas que contém informações sobre a variável em estudo. cronológicas. representam mensurações. A natureza dos dados Atributos: são todas aquelas características de uma população que não podem ser medidas. Normas para apresentação de dados Tabelas: são quadros que resumem um conjunto de observações. Séries mistas ou conjugadas. quando o valor é muito pequeno para ser expresso pela unidade utilizada. • zero (0). precisamos acrescentar à parte decimal um número correspondente de zeros (0. Se os valores são expressos em decimais. ou de localização Os dados são observados conforme a localidade de ocorrência. 64 Séries geográficas. • Variáveis contínuas: podem assumir valores quaisquer num intervalo de observação. 8. Linhas: retas imaginárias que facilitam a lei-tura. Cabeçalho: parte superior da tabela que es-pe--cifica o conteúdo das colunas. Séries específicas ou categóricas Os dados são observados em determinado tempo e local. quando o valor é zero. Variáveis quantitativas: são todas aquelas características que podem ser medidas.0.). De acordo com a Resolução n.. ou marchas. nas casas ou células devemos colocar: • um traço horizontal (-). Estudaremos a seguir as seguintes séries estatísticas. 0.. históricas. do local ou da espécie. Séries geográficas. como quanto ao resultado do inquérito. discriminados conforme especificações ou categorias. cronológicas.00. não só quanto à natureza das coisas. espaciais. Dividem-se em: • Variáveis discretas: ou variáveis inteiras podem assumir valores pertencentes a um conjunto enumerável num intervalo de observação. Casa ou Célula: espaço destinado a um só número. Séries temporais. históricas. territoriais. Séries estatísticas Conceito: Denominamos série estatística toda tabela que apresenta a distribuição de um conjunto de dados estatísticos em função da época.000. Séries específicas ou categóricas.º 886 da Fundação IBGE. Título: conjunto de informações que respondem as perguntas: o quê? quando? onde?.

45 Se 54 pessoas pesquisadas torciam pelo Atlético. aplicaremos a regra de três: 54 —— 135° x —— 150° 9.55 b) d) 0. 65 Central de Concursos / Degrau Cultural .35 0. Gráficos estatísticos Conjunto de figuras geométricas representativas dos fenômenos. (ICMS_MG_95) Numa pesquisa em que foram entrevistados torcedores de futebol de Belo Horizonte.25 < x ≤ 0. então.35 < x ≤ 0. entre as pessoas pesquisadas. (IBGE-_00) A tabela abaixo apresenta o número de alunos indígenas em cada região do país: ER1. DIAGRAMAS são representações gráficas de séries estatísticas por intermédio de linhas e superfícies. publicado pela revista Veja de 28/7/99. (VUNESP . É usado para comparar os valores de uma série com a soma total. previdência e outros.Raciocínio Lógico É a representação gráfica de uma série estatística por intermédio de superfícies setoriais. para a distribuição de freqüências.Modificado) O gráfico.05 < x < 0.25 0. mostra como são divididos os 188 bilhões de reais do orçamento da União entre os setores de saúde. O círculo será dividido em partes onde cada ângulo central é proporcional à freqüência de cada variável. obteve-se. o gráfico de setores abaixo: Valores em graus A razão entre o número total de alunos indígenas nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste e o número total de alunos indígenas no país é então um número “x” pertencente ao intervalo: a) c) e) 0. educação. Vamos analisar alguns tipos de diagramas: a) Em setores ou circular (pizza) Alternativa: E EF2. Nesse tipo de gráfico usaremos o círculo. Essas figuras poderão ser pontos. linhas.15 ≤ x ≤ 0.15 0. EF1.45 < x ≤ 0. o número de torcedores do Cruzeiro era de: a) 56 b) 57 c) 58 d) 59 e) 60 Resolução: Como 54 Pessoas corresponde a 135º no gráfico. superfícies (áreas) ou volumes. Séries mistas ou conjugadas Os dados provenientes de duas ou mais séries são colocados em única série.

sendo as larguras iguais e não tendo nenhuma significação especial. publicado na Folha de S. Qual a porcentagem de preferência do azul? a) 20% b) 24% c) 30% d) 36% e) 42% 2) em barras: retângulos dispostos horizontalmente EF3. Pela análise do gráfico. determine o aumento que o setor de educação teria em reais: a) 32 bilhões de reais b) 46 bilhões de reais c) 18. e) os gastos decresceram de 1997 a 1999. houve redução de 20% nos gastos. d) a média dos gastos nos anos de 1999 e 2000 foi de R$ 79.4 bilhões de reais d) 34 bilhões de reais e) 23 bilhões de reais b) Por linhas É a representação gráfica de uma série estatística por meio de uma linha poligonal. (VUNESP) O gráfico. em relação a 1996. Paulo de 16.2 bilhões. É usada para mostrar a variação entre os valores de uma série. de modo que 50% fossem destinados à educação. onde se deve observar a ordem cronológica das informações. O número no topo de cada retângulo. 66 3) em porcentagens complementares: é utilizado quando dispomos de uma série cronológica de dois ou mais dados Central de Concursos / Degrau Cultural .8 bilhões.2001.Raciocínio Lógico c) Por superfície 1) em colunas: retângulos dispostos verticalmente. c) em 1997. o gasto foi de R$ 102. b) o menor gasto foi em 1996. pode-se afirmar que: a) em 1998. mostra os gastos (em bilhões de reais) do governo federal com os juros da dívida pública. 40% à educação e os 10% aos outros. O gráfico de barras acima mostra o resultado de uma pesquisa sobre cores preferidas. pode ou não ser omitido. Se os 46 bilhões de reais gastos com a previdência fossem totalmente repassados aos demais setores. EF4. É a melhor representação para uma série temporal.08.

31-7-85 f) estereogramas: É a representação gráfica por meio de corpos sólidos geométricos.Raciocínio Lógico d) cartogramas: É a representação por intermédio de uma carta geográfica e) pictogramas: São gráficos que apresentam figuras não geográficas: Isto é. Central de Concursos / Degrau Cultural 67 .

Central de Concursos / Degrau Cultural . então o primeiro espaço será preenchido pelo 26... Número Ímpar ou Número Primo.. representá-lo da seguinte forma: a1 → o 1º termo (a índice 1) a2 → o 2º termo (a índice 2) an → o enésimo termo (a índice n).. 68 Numerando cada letra conforme a sua posição no alfabeto.x.n.) Como o conjunto formado pelas vogais do nosso alfabeto (a.h. Essa lei de formação poderá ser uma qualidade.Raciocínio Lógico SEQÜÊNCIAS E SUCESSÕES 1.. ou seja.o. Dessa forma. i. os elementos estão em ordem crescente ou em ordem decrescente se tornam importantes. deverá ser especificada no enunciado. As vogais são: a.u. como vogal ou consoante. usando o alfabeto com 23 letras. ou no caso das letras. por meio dela.. 24. e. com n Î N. 1 + 1 = 3 n = 2 → a2 = 2 .h... fevereiro.. teremos: Notamos na seqüência uma alternância entre letras de posição par.n + 5... o.g. e. poderá facilitar o entendimento da Lei de Formação usada Dessa forma.s. .r. Para completarmos os espaços da seqüência abaixo: 20 23 22 25 24 27 .d. Para determinarmos a lógica de formação de uma seqüência numérica. 5.. que seria a letra de posição 5.m.s. Podemos escrever a seqüência sabendo-se que cada elemento será obtido pela relação an = 2n+1. 2n + 1) Seqüências Alfabéticas São seqüências cujos termos são letras de um alfabeto.e..d. encontrar qualquer um de seus termos. w.. 5 .j.x..n.l. As consoantes são: b. Como por exemplo o conjunto dos meses de um ano (janeiro. poderemos. 2 + 1 = 5 n = 3 → a3 = 2 .. As 23 letras poderão ser subdivididas em vogais e consoantes.. A lei de formação. u) Termos de uma Sucessão Para facilitar a identificação de um determinado elemento de uma seqüência.g. que são k. ou então. y. . 7 .(I) 23 25 27. Além dessas. dezembro) Como o conjunto formado pelos números naturais ímpares (1. o . 26. 3 + 1 = 7 E a seqüência será: (3 .m. temos o alfabeto oficial com 23 letras a.q. . como no caso dos números primos.. Logo... No caso do alfabeto latino. Sucessões ou Seqüências Definição É um conjunto ordenado de elementos. . Vamos separar a seqüência da seguinte forma: 20 22 24.t. abreviadamente.c. substituindo os valores.i. determinará como cada elemento dessa seqüência será formado.b. . 22.v. a próxima letra deverá ser uma de posição ímpar após a de posição 3.f.z. com n Î N.v.p.z. existem três letras que podem ser usadas em casos especiais. Seqüências Numéricas As seqüências poderão apresentar uma lei de formação associada a uma classificação. Para alguns exercícios que envolvem seqüências alfabéticas.u.q. a seqüência será 20. vamos determinar a letra que preencheria o espaço na seguinte seqüência: B A D C F .... Podemos. observações do tipo.c. estarão associadas a uma fórmula para se determinar cada elemento da seqüência como an = 2. para indicar a posição do termo na sucessão. como Número Par. ou das 26 letras com as três letras especiais.. a letra e.l.. As seqüências matemáticas que obedecem a uma lei de formação são muito importantes. Lei de Formação de uma Seqüência A utilização das 23 letras.(II) A seqüência (I) é formada por números pares iniciados no 20.. relacionando a letra com a posição que ela ocupa.t..f. com as de posição ímpar.p.r. i. teremos: n = 1→ a1 = 2 .j. Assim.. 3.

pois poderíamos pensar da seguinte forma: 20 23 22 25 24 +3= –1= +3= –1= +3= 23 22 25 24 27 Ordenação dos elementos de uma seqüência Os elementos de uma seqüência poderão ser ordenados pela posição. ER01. Seqüências com figuras Em seqüências onde aparecem figuras é importante notar se houve uma rotação no sentido horário ou no sentido anti-horário. 25. 27. devemos procurar uma figura com direção horizontal e sentido para esquerda. ER02. Então os próximos seriam: 27 – 1 = 26 26 + 3 = 29. então “D” chegou antes de “A”. usando tais critérios. que chegaram ao mesmo tempo.Raciocínio Lógico A seqüência (II) é formada por números ímpares iniciados no 23. logo a seqüência será: 23. “D” chegou antes de “B”. terceiro. Resolução: Notamos que em cada linha a figura gira no sentido horário. para que a seqüência fique correta Quadro Sinótico seqüência Seqüências tipos alfabética numérica com figuras 69 definição termos de uma seqüência Lei de Formação Central de Concursos / Degrau Cultural . Se “A” chegou depois de “B”. se houve mudança nos elementos associados à figura. “C” e “E” chegaram ao mesmo tempo. poderemos eliminar os ciclistas C e E. então “B” chegou antes de “A”. ou qualquer outra forma em que poderemos fazer uma comparação que diferencie um elemento do outro. por uma cor ou tamanho. Quem ganhou. (ICMS_SP_97) Cinco ciclistas apostam uma corrida. Portanto. ou seja. como primeiro. chegou sozinho. Uma mesma seqüência poderá ter várias interpretações. a figura da alternativa b. organizaremos e depois compararemos os elementos das seqüências. como letras ou números. Se “D” chegou antes de “B”. então o ganhador da corrida foi o ciclista “D”. como esse nosso exemplo. 29 então o segundo espaço será preenchido pelo 29. “A” chegou depois de “B”. segundo. Qual das letras abaixo deve ocupar a posição que a interrogação ocupa. a) b) c) d) e) Quem ganhou a corrida foi: A B C D E Resolução: Com a informação de que quem ganhou a corrida chegou sozinho. Portanto.

G. a) b) c) d) e) (ICMS_SP_97) Marta corre tanto quanto Rita e menos do que Juliana. E. 29. C . e o posto de gasolina fica entre a banca de jornal e a sapataria. e) Bruna é menos gorda do que Vera. C. H . (1) AFBE (2) BGED (3) LHEB (4) GLIG ( ( ( ( ) HNLJ ) LPNL ) HNIM ) UROL 70 Central de Concursos / Degrau Cultural .. D. (ICMS_SP_97_VUNESP) Continuando a seqüência 47. F. A. 42.. M. e cada pessoa senta-se de frente para o centro da mesa e numa posição diametralmente oposta à pessoa que está do outro lado da mesa.. D 04. temos. Fátima corre menos do que Rita. (ICMS_SP_97) Em uma avenida reta.. Logo... a) Vera é mais gorda do que Bruna.. Fátima corre tanto quanto Juliana. devem sentar-se em torno de uma mesa redonda para discutir um contrato.. Juliana corre menos do que Rita. B d) F. (BACEN_94) Relacione as séries que possuem a mesma seqüência lógica e assinale a opção que mantém a numeração correta.. 26. a) F..Raciocínio Lógico Exercícios de Fixação 01. D. E. b) I. temos a) 21 d) 24 b) 22 e) 25 c) 23 03. B. Logo. d) a padaria fica entre a sapataria e o posto de gasolina. A. C. I. utilize o alfabeto oficial que não inclui as letras k. (AFC_97_ESAF) Seis pessoas. D b) A. C. B 02.. B. E. c) E. e) D. Fátima corre mais do que Marta. C. C Gabarito 01. 05. (ICMS_SP_97_VUNESP) Continuando a seqüência de letras F. b) a banca de jornal fica entre o posto de gasolina e a padaria. E 03..B c) A. 02. 03. D 05. d) L. L. Marta corre mais do que Juliana. Escolha a figura que deve ocupar a vaga assinalada. E. c) Bruna é mais gorda do que Cátia. d) Vera é menos gorda do que Cátia. P. N. F. D.. B e) F. E. D 07. 04. Vera é menos gorda do que Bruna. (BACEN_94) Complete a série: ADFI : CFH . Logo. e) o posto de gasolina fica entre a sapataria e a padaria. w e y. E. 02. D. a) a sapataria fica entre a banca de jornal e a padaria. (ICMS_SP_97) Cátia é mais gorda do que Bruna. A. c) o posto de gasolina fica entre a padaria e a banca de jornal. B. 01. respectivamente: a) O. O. 33. D 07. F. A disposição das pessoas à mesa deve satisfazer às seguintes restrições: F não pode sentar-se ao lado de C E não pode sentar-se ao lado de A D deve sentar-se ao lado de A Então uma distribuição aceitável das pessoas em torno da mesa é: Exercícios Complementares e de Concursos Seqüências Alfabéticas Atenção: nas questões desta prova que envolve seqüências de letras. C 06. B a) b) c) d) e) R T V X Z (BACEN_94) Complete a série: D G L Q . a padaria fica entre o posto de gasolina e a banca de jornal. 37. b) Cátia é menos gorda do que Bruna. P. Juliana corre menos do que Marta. Há exatamente seis cadeiras em torno da mesa. D.. A. a) b) c) d) e) I J L N P 06.

a próxima letra dessa seqüência deve ser a) P b) R c) S d) T e) U 05. de acordo com o critério estabelecido..2005/FCC) O triângulo abaixo é composto de letras do alfabeto dispostas segundo determinado critério. BDELST a) b) c) d) e) TEC ELT TL LE TLE c) d) e) 09.Auxiliar de Fisc. a) b) c) Considerando que no alfabeto usado não entram as letras K. segundo o critério utilizado na disposição das letras do triângulo a letra que deverá ser colocada no lugar do ponto de interrogação é C d) P I e) R O a) b) c) d) e) 19T 20U 21V 22X 23Z 10. que tem 23 letras. W e Y. J. Se o alfabeto usado é o oficial. . Q. então. (BACEN_94) 06..Raciocínio Lógico a) b) c) d) e) 2413 2143 2431 1432 1423 a) b) c) d) e) P Q R S T Seqüências Numéricas 08. W e Y não fazem parte do alfabeto oficial.. (TCE/SP . L. (BACEN_94) Considerando que as letras K. N. (TRF-07) Considere que a seqüência (C. G. E. de acordo com esse critério. (TÉC. I.) foi formada a partir de certo critério. Finan.-CEAL-2005-FCC) Considere a seqüência de retângulos com os respectivos números e letras.. (BACEN_94) a) b) BCFHMO OFC ACDFOR ADGIQV ID DFHINO CEHLRT . obedecendo a uma lei de formação. M. as letras foram dispostas em forma de um triângulo segundo determinado critério.. Na figura abaixo. 04. então. (BACEN_94) 07. a) b) c) d) e) 9 36 42 48 64 11. H. então.TRAB. O. a letra que deve substituir o ponto de interrogação é Central de Concursos / Degrau Cultural 71 . . F.SEG.

13. é: a) 18 d) 23 b) 19 e) 25 c) 22 13. 14. (TÉC. temos: a) 236 b) 244 c) 246 d) 254 e) 256 15.. . podemos dizer que o oitavo número dessa seqüência é: 45 a) b) c) d) e) Central de Concursos / Degrau Cultural . Considere que a sucessão de figuras abaixo obedece a uma lei de formação.096 d) e) 345 56 19.TRAB. associados a cada um desses triângulos. a) b) c) d) e) O número de circunferências que compõem a 100a figura dessa sucessão é: 5151 5050 4950 3725 100 18. A segunda linha alterna quadradinhos brancos com quadradinhos pretos. (BACEN_98) O próximo termo da sucessão 1. 10. 75. e) 48. (ICMS_SP_97) Observe a figura abaixo e verifique que a faixa é formada por três linhas de quadradinhos em que a primeira e a terceira linhas são formadas apenas por quadradinhos brancos. . (ICMS_SP_97) Continuando a seqüência: 4. (BACEN_98) Na sucessão de figuras. de Fisc.. obedecendo a uma lei de formação. no sentido horário. 12... 12.000 10. __. 82.. (Agente de Promotoria do MP/SP . b) 40.O número que preenche adequadamente a quarta posição dessa seqüência é: a) 36.2005/FCC) Os números no interior dos setores do círculo abaixo foram marcados sucessivamente. mas contendo 60 quadradinhos pretos é: 292 d) 303 297 e) 480 300 20. a) b) c) d) e) Segundo essa lei.Raciocínio Lógico a) d) b) c) d) e) 36 32 28 21 b) c) e) 17. 3. são chamados de números triangulares. a quantidade dos menores triângulos da 7ª figura será: a) b) c) 12.. 28. (ICMS_SP_97) Observe a seqüência de triângulos eqüiláteros: Nessas condições. Desse modo. o número de retângulos brancos necessários para compor uma faixa completa com 49 retângulos pretos é igual a: 104 102 100 98 96 a) 72 Esses números. 6.2006/VUNESP) Considere a seguinte seqüência infinita de números: 3. d) 44. 16. 27. 8.000 4. (TCE/SP Aux.. 11.SEG.-CEAL-2005-FCC) Considere abaixo. . de acordo com a figura. 108. uma faixa de três linhas formadas por retângulos brancos e pretos: 16. o número que deve substituir o ponto de interrogação é: 210 206 200 196 188 a) b) c) O número de quadradinhos brancos necessários para formar uma faixa completa. c) 42.

Lógica. Camisa Preta ocupa a terceira posição.Português.o livro de Matemática deve ficar acima do de Português. Força Tarefa ocupa a quarta posição. de modo que os pontos marcados obedeçam a um determinado critério.todos os times disputaram o mesmo número de partidas. Matemática. Nessas condições. . colocadas da esquerda para a direita de modo que.o livro de Português deve ficar imediatamente abaixo do de Lógica.2005/FCC) As Pedras de dominó mostradas abaixo foram dispostas. Informática. tanto a sua parte superior como a inferior. sucessivamente e no sentido horário. Central de Concursos / Degrau Cultural 73 . As pedras de dominó abaixo foram.o Reis da Bola ocupa uma posição eqüidistante do Leões de Alagoas e do Fraternidade.COM. (BACEN_94) Assinale a opção que contém a seqüência correta das quatro bolas. Na seqüência de quadriculados abaixo. . o livro que ficará no topo da pilha será o de Português. História. 86 quadrinhos brancos. (Analista do Banco Central . 22. (ASSIST. Camisa Preta está em segundo lugar.devem ser empilhados. . . sucessivamente.-CEAL-2005-FCC) Cinco livros de assuntos distintos . seguem determinados padrões.COM. enquanto que o Fraternidade está em quinto. as células pretas foram colocadas obedecendo a um determinado padrão. . Informática e História . a pedra de dominó que completa corretamente a sucessão é: a) b) c) d) e) Ordenação dos elementos de uma seqüência 25. sabe-se que: . é correto afirmar que. 10 quadrinhos brancos. Reis da Bola está em segundo lugar. na classificação geral. a) b) c) 23. obedecendo às seguintes condições: Mantendo esse padrão. Camisa Preta e Força Tarefa . o número de células brancas na figura V será: 101 d) 83 99 e) 81 97 . a) b) c) d) e) 27. (BACEN_98) A 11ª figura da seqüência abaixo terá 1ª a) b) c) d) e) 2ª 3ª 4ª 10 quadrinhos pretos. Matemática.o Leões de Alagoas ocupa o primeiro lugar na classificação. Leões de Alagoas. 110 quadrinhos brancos.estão disputando um torneio regional.Raciocínio Lógico 21. a) b) c) d) e) 24. 22 quadrinhos pretos. de acordo com as afirmativas abaixo. Lógica. Com base nesse critério. mas não encostado nele.-CEAL-2005-FCC) Considere que cinco times de futebol . (ASSIST.o livro de Lógica deve ficar acima do de História e imediatamente abaixo do de Informática.Reis da Bola. a) b) c) d) e) A pedra de dominó que substitui a que tem os pontos de interrogação é: 26.o Força Tarefa está à frente do Fraternidade e o Camisa Preta está imediatamente atrás do Reis da Bola. Após a última rodada de jogos. Se forem obedecidos os critérios estipulados. Fraternidade. o Força Tarefa está em segundo lugar.

à direita do paulista. bola azul está antes da verde. Paulo está sentado à direita de Oliveira. que não é carioca. Azul. um carioca e um baiano. Oliveira. Assinale a ordem que é impossível: a) MJCPS b) MPJCS c) SCMPJ d) MJSCP e) SCMJP 29. Assim a) Ferraz é carioca e Barbosa é baiano. amarela e verde. encontram-se sentados quatro sindicalistas. amarela e verde. 74 Central de Concursos / Degrau Cultural . há espaços para ser colocada mais uma figura. branca. Mendes. c) Mendes é carioca e Barbosa é paulista. à direita do paulista. verde e amarela. João está depois de Maria. Desenv. Por sua vez. c) Norton é baiano e Vasconcelos é paulista. Assim. bola verde é a menor de todas. o mais antigo entre eles. b) Mendes é baiano e Barbosa é paulista. Azul. é mineiro. verde e amarela. amarela. Cláudia está entre João e Sérgio. Branca. a) b) c) d) e) A A A A bola amarela está depois da branca. encontra-se à frente de Ferraz.IPEA/2004 . e Adm. . b) Paulo é carioca e Vasconcelos é baiano. III. azul. (BACEN_94) Instrução: Para responder às questões 32 e 33. e) Ferraz é paulista e Barbosa é baiano. a) Paulo é paulista e Vasconcelos é baiano. Há também um paulista. bola que está imediatamente após a azul é maior do que a que está antes dela. (ICMS_SP_02) Cinco pessoas estão ordenadas de forma que Maria está antes de Paula. (TEC_MPU_04) Em torno de uma mesa quadrada. cada série de figuras. azul. azul e verde. IV.FCC) Encontram-se sentados em torno de uma mesa quadrada quatro juristas. observe. Branca. d) Ferraz é baiano e Barbosa é paulista. encontra-se à frente de Paulo. branca. Seqüências com figuras 31. Escolha a que completa corretamente a série e assinale a correta. Branca. Miranda. e) Paulo é baiano e Vasconcelos é paulista. II. que não é carioca. d) Norton é carioca e Vasconcelos é paulista. 30. Por sua vez. 28. é alagoano.Raciocínio Lógico I. Barbosa. ao final de cada série. Veja que. o mais antigo entre eles. Abaixo de cada uma série você encontrará cinco figuras. Norton. Ferraz está sentado à direita de Miranda. Vasconcelos. (Téc.

(ICMS_SP_97) a) d) b) e) c) 36. (AUX. que preenche a vaga assinalada pela interrogação.TÉC. entre as cinco relacionadas.-CEAL-2005-FCC) Considere a seqüência de figuras: Central de Concursos / Degrau Cultural 75 . 35. Considerando as relações horizontais e verticais entre as figuras.Raciocínio Lógico 32. (ICMS_SP_97) a) d) b) e) 34. assinale a alternativa que substitui a interrogação. (ICMS_SP_97) Continuando a seqüência de figuras temos: c) 37. Assinale a alternativa. a) b) c) d) e) 33.

(ICMS_SP_02) Complete a seqüência: 39. C 02. A 39. 30ª figura. 42ª figura. B 26. B 21. GABARITO DOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES E DE CONCURSOS 01. E 10. D 20. E 05. A 19. C 33. A 32.Raciocínio Lógico a) d) b) e) c) 38. E 17. D 07. E 23. A 36. 24ª figura. B 27. D 03. D 29. obteremos 14 círculos ou mais a partir da a) b) c) d) e) 6ª figura. E 76 Central de Concursos / Degrau Cultural . A 22. D 38. A 14. E 09. E 04. Continuando-a. E 08. D 11. E 15. E 37. E 31. B 18. D 30. A 13. B 24. C 28. B 35. D 16. C 12. 10ª figura. (BACEN_98) As figuras da seqüência são formadas por partes iguais de um círculo. A 06. E 34. A 25.

9} Observações: 1) A ordem dos elementos não altera o conjunto. 3. Indicação e Representação Indicaremos os conjuntos por letras maiúsculas: A. 9} b) Compreensão: através da indicação de uma propriedade comum a todos os elementos. V = {a. Usando diagramas para representar os conjuntos. 3} 2) Os elementos dos conjuntos não devem ser repetidos. Sendo A = {1.e .} Conjunto unitário É o conjunto formado por um só elemento. 5. 4. 2. os elementos são: a. b. 5}. Primitivamente. . 2. 1. 4. A = {0. Exemplo: Conjunto A dos números primos pares e positivos: A = {2} Conjunto Vazio V . 9} é o mesmo que B = {1. pessoas etc. Elementos São os objetos que formam o conjunto.. 1. 3. o.. 6. e. Pode ser representado por ∅ ou por { } A representação do conjunto B dos números inteiros entre 5 e 6 será B = { } ou B = ∅ Subconjunto O conjunto A é subconjunto de um conjunto B se. 2. 8. 8. A = {3. entende-se por conjunto todo agrupamento bem determinado de coisas. 7.. 5}. u} b) por uma linha poligonal fechada. podemos dizer que: 3∈A 7∉A Tipos de conjuntos a) Finito: quando possui um número limitado de elementos: A = Conjunto das vogais ⇔ A = {a. teremos: Central de Concursos / Degrau Cultural 77 . e somente se. 8} é o mesmo que A = {7.. C.. Relação de Pertinência Para indicar que um elemento x pertence ou não pertence a um conjunto A qualquer. Podemos representar um conjunto de dois modos: a) entre chaves O conjunto das vogais. escrevemos simbolicamente: x ∈ A (x pertence ao conjunto A) x ∉ A (x não pertence ao conjunto A) Dado o conjunto Α = {0. e.. u} b) Infinito: quando possui um número ilimitado de elementos: B = {x ∈ IN / x é ímpar} ⇔ B = {1. chamada de diagrama lógico. 4. 5. B = {1. o. Por exemplo: Conjunto das vogais.. 3} e B = {1. Conjuntos Introdução A noção de conjuntos é intuitiva. objetos.Raciocínio Lógico TEORIA DOS CONJUNTOS 1.u Caracterização Podemos caracterizar um conjunto por: a) Extensão: através da designação de todos os elementos que compõem o conjunto. então A é um subconjunto de B. 4. o.o É o conjunto que não possui elementos. 7. 4. todo elemento de A pertence a B. u. A = {x | x é algarismo indo-arábico} Observação O símbolo | lê-se tal que .. e. B. 4.a . i. c. 5.i . 5. 4. 3. 2. Nos conjuntos das vogais. ou números ou símbolos. Os elementos são indicados por letras minúsculas: a. i. 3. i.

Caso um conjunto não seja subconjunto de outro. quando existe pelo menos um elemento de A que não pertence ao conjunto B. teremos: Dados os conjuntos A = {1. 4}. se e somente se. Pelo diagrama. 2. simultaneamente A é subconjunto de B é subconjunto de A. o conjunto A união B será: A ∪ B = {1. como no caso dos conjuntos A = {1. diferentes do conjunto vazio e do conjunto B. 2. chama-se união de A com B o conjunto formado pelos elementos que pertencem a A ou a B. Outro caso especial é o conjunto vazio. que significa não está contido. o conjunto A união B será: A ∪ B = {1. dois conjuntos são iguais quando possuem os mesmos elementos. A⊂ B e B⊂ A⇔A= B Ou seja. 2. será representada pela região hachurada. 2. 8 subconjuntos. quando todo elemento de A pertence também ao conjunto B. Dessa forma. 4}. 5} No diagrama A ∪ B. então usaremos o símbolo ⊄. 3} e B = {4. teremos: A ∪ B = {x | x ∈ A ou x ∈ B} Dados os conjuntos A = {1. usaremos os símbolos: Subconjuntos de um Conjunto Um conjunto A é subconjunto de B. É importante notar que A não está contido em B. se um conjunto tiver 3 elementos. teremos que todo conjunto é subconjunto dele mesmo (A ⊂ A). 5}. 2. então o conjunto A está contido no conjunto B. 3. Operações com conjuntos A) União (∪) ∪ Dados dois conjuntos A e B. são chamados de subconjuntos próprios de B. Os subconjuntos de um conjunto B. Para relacionar um conjunto com os seus subconjuntos. 4. 3} e B = {3. Quantidade de Subconjuntos de um Conjunto Sendo n o número de elementos de um conjunto finito B. 4. a quantidade de subconjuntos de B será dada por: número de subconjuntos = 2 n Dessa forma. pois ele será subconjunto de qualquer conjunto. 5}. esse conjunto apresentará 23 subconjuntos. logo 78 Central de Concursos / Degrau Cultural .Raciocínio Lógico Relação de Inclusão Se o conjunto A é um subconjunto de B. ou seja. 3} e B = {3. 4. 3. será representada pela região hachurada. teremos que G ⊄ N e também N ⊄ G Pelos diagramas. 5} No diagrama A ∪ B. No caso de dois conjuntos G = {1. logo: Igualdade de conjuntos Dois conjuntos A e B são iguais. Essa relação entre o conjunto e o seu subconjunto é chamada de Relação de Inclusão. 2} e N = {3. e o conjunto B contém o conjunto A. Então poderemos escrever que A ⊄ B. para qualquer conjunto A.

será representada pela região escura. será representada pela região escura. B) Intersecção (Ç) Dados dois conjuntos A e B. 3. 3} e B = {3. 4. logo Notamos que A – B ≠ B – A A diferença A – A é o conjunto vazio. o conjunto A intersecção B será: A ∩ B = {3} No diagrama A ∩ B. ao conjunto formado pelos elementos que pertencem a A e não pertencem a B. CONJUNTO UNIVERSO (U) É o conjunto que admitimos existir para o desenvolvimento de certo assunto em matemática. 2. chama-se intersecção de A com B o conjunto formado pelos elementos que pertencem a A e a B. o conjunto A união B será: A ∪ B = {1. 3.Raciocínio Lógico Dados os conjuntos A = {2. 3. chama-se complementar de A em relação a B. o conjunto A união B será: A ∩ B = {2. 4}. 3} = A No diagrama A ∩ B. 2. 4. chama-se diferença entre A e B e indica-se por A – B. o complementar de A em relação a B será: = {4. 4. Em diagrama indicaremos U através de um retângulo. 3} e B = {3. Sendo U o conjunto das letras do nosso alfabeto e A o conjunto das vogais do nosso alfabeto. 4. 3. 2. 2. A – B = {x | x ∈ A e x ∉ B} Dados os conjuntos A = {1. Central de Concursos / Degrau Cultural 79 . 2. C B A = B – A = {x ∉ A e x ∈ B} Sendo A = {1. 3} e B = {1. 5} No diagrama A ∪ B. É representado por U. 4} então o diferença entre A e B será: A – B = {1. 5}. logo: No diagrama A – B. 5}. ao conjunto dos elementos que pertencem a B e não pertencem a A. é representada pela região escura. 3} e B = {1. 2. 5}. Dados os conjuntos A = {1. 4}. é representada pela região escura. 3} e B = {3. é representada pela região escura. logo D) Complementar Dados dois conjuntos A e B tais que A é subconjunto de B. então graficamente teremos: Dados os conjuntos A = {2. A ∩ B = {x | x ∈ A e x ∈ B} Dados os conjuntos A = {1. 2. 3} e B = {1. e indica-se por C B A .2} No diagrama CB A . 2. 5} C) Diferença Dados dois conjuntos A e B. será representada pela região escura. então a diferença entre A e B será: B – A = {4} No diagrama B – A.

5. então: a) sempre existe x ∈ A tal que x ∉ B b) sempre existe x ∈ B tal que x ∉ A c) se x ∈ B. (Cesgranrio) Considere os conjuntos: P = {1. (MACK) Dado o conjunto C = {0. (MACK) Se A e B são dois conjuntos tais A ⊂ B e A ≠ ∅. 3. em relação a P ∪ Q. é: a) vazio b) {4. o número de subconjuntos próprios de C é: a) 6 b) 12 c) 14 d) 16 e) 18 05. B = {a. 7} e) {1. 5} e Q = {4. pode-se afirmar que o número de elementos de (A ∩ B) ∪ C é: a) 0 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 06. 4}. b} C = {b. teremos: 04. o conjunto A ∩ B tem 12 elementos. Quadro Sinótico Definições Conjuntos Operações relações de pertinência relação de inclusão subconjuntos União Intersecção Diferença Complementar Exercícios de Fixação 01. o conjunto A ∪ B tem 60 elementos. a) b) c) d) e) 3 4 5 6 7 No diagrama. B = {1. (Cesgranrio) Se X e Y são conjuntos e X ∪ Y = Y. 5. 7}. 3}.Raciocínio Lógico Sendo A um subconjunto do conjunto universo U. 3} d) {1. 5} c) {1. 1. d} e D = {a. 4. c. respectivamente e a quantidade de elementos que forma a intersecção (A ∩ B). (PUC) Assinale a afirmação verdadeira com relação aos conjuntos A e B: a) A ⊂ B ⇒ A ∪ B = A b) A ∩ B = ∅ ⇒ A ∪ B = ∅ c) A ∩ B = ∅ ⇒ A = ∅ ou B = ∅ d) A ∪ B = ∅ ⇒ A = ∅ e) A ∩ B =B ⇒ B ⊂ A 08. 2. então x ∉ A 03. o número de elementos de (A ∩ B) ∪ (C – A) é: a) 3 b) 4 c) 5 d) 6 e) 7 09. 5. 4} é: 80 Central de Concursos / Degrau Cultural . Sejam A = {a} . 5}. 3. b. 2. O complementar de P ∩ Q. 6. (Cesgranrio) O número de conjuntos X que satisfazem {1. 2. o complementar de A em U é também representado por Ac (A complementar) ou por (A barra ou não A). 2. 2. 2} ⊆ X ⊆ {1. e}. Usando os símbolos ⊂ ou ⊄. pela relação: n(A ∪ B) = n(A) + n(B) – n(A ∩ B) Dessa forma se o conjunto A tem 8 elementos e o conjunto B tem 12 elementos e a intersecção entre A e B tem 4 elementos. 10}. O conjunto A tem 20 elementos. 3}. 4. 3. 6. c. então x ∈ A d) se x ∉ B. B = {4. 1. indique a opção falsa: a) A ⊂ B e C ⊄ D b) B ⊂ D e A ⊄ C c) B ⊄ C e A ⊂ D d) A ⊂ C e B ⊄ D 02. 5. 2. Sendo A = {1. 7} 10. 2. 6. a quantidade de elementos que terá o conjunto A união B será igual a: n(A ∪ B) = 8 + 12 – 4 ⇔ n(A ∪ B) = 16 elementos. Dados os conjuntos A = {0. 3. 3. representadas por n(A) e n(B). 6} e C = {1. pode-se sempre concluir que: a) X ⊆ Y b) X = Y c) X ∩ Y = Y d) X = ∅ e) Y ⊆ X 07. 2. poderemos determinar a quantidade de elementos que terá o conjunto A ∪ B. 3. 4} e C = {2. O número de elementos do conjunto B é: a) 28 b) 36 c) 40 d) 48 e) 52 Quantidade de elementos de A ∪ B Conhecida a quantidade de elementos dos conjuntos A e B. 4. 2. 3.

F. q} ∪ A = {m. 4. V. 10}. 6. -2} d) A ∩ (B – C) = {1. 6. 5} e B = {0. 2. 8} e C = {3. b. F. f. então: a) B = {2. e. n. i}. F F. a} a) b) c) d) e) F. Dados os conjuntos A = {1. 4} e A – B = {1. 8} e D = {4. F. 4} a afirmativa correta é: a) A ∪ B = {1. x} II. d}. 5. 12. F V. 6} d) B = {3. 9. m. associe V (verdadeiro) ou F (falsa) em cada sentença I. 3. 4} e) A ∪ B ∪ C = {1. x} {p. V. 9} Central de Concursos / Degrau Cultural 81 . V. g} e C = {b. 5. 6}. b} e) {a} 15. 3. d} c) ∅ d) {a. n. 8}. 8} b) {3. B = {1. -2. 6. A ∩ B = {4. 6. 4} 11. 7. Dado o conjunto Q = {a. 4. 3. x} {m. 5} e C = {2. 3. p. b. 3} c) A – B = {0. 2. 4. determine: A ∪ C ∪ D a) {3. 5. C = {7. 4. p. 9}. x} III. o. 7. 4. 5} c) {1. 7} e B = {4. 3. 5} d) {2. 4. A = {1. o número total de subconjuntos de A é: a) 8 b) 256 c) 4 d) infinito e) impossível de determinar 03. 10} c) {1. {p. 6. 8}. 4. 6. 8} d) {3. a. 8}. V. o complementar de B ∪ C em relação a A é o conjunto: a) {2. 7}. p. 6. 5. 6. quantos elementos possui tal conjunto? a) 256 b) 128 c) 8 d) 7 e) 11 Operações entre conjuntos 05. 3. F. V F. 3. e. c. Dados os conjuntos M = {4. V. 2. 7. 2. Dados A = {a. 8. 6} 14. 6. O valor de n é: a) 7 b) 8 c) 11 d) 15 e) 16 04. u} e B = {b. 4} e B = {1. Sabendo que um conjunto possui 128 subconjuntos. n. x} {q. q. c}. 7. g}. F. 5}. {n. A ∩ B = {2. Dados A = {1. 3. F. 16. F. 5. n. 10} b) {1. b. podemos afirmar que A . V. 4. 8. 4. 20} e N = {2. y. 6}. 5. i. Se A = {2. q. é correto afirmar que: a) A ∪ ∅ = ∅ b) A ∩ B = {2. 2. q. F 08. 8} 06. c. h. {a} ∈ Q V. 5} 12. então x e y são respectivamente a) 7 e 8 b) 8 e 7 c) 4 e 6 d) 6 e 4 07. 4. 10} d) {1. 5. B = {1. 7. 5. q} ∪ A = {m. 2. b. 4. é correto afirmar que: a) M ∩ N = ∅ b) M ⊄ N c) M ⊂ N d) M ∪ N = N e) M – N = N 10. 3. 4. d. b ∈ Q III. 7. 4. 3. p. 5} b) A ∩ B = {1. 5}. q} ∩ A = {p} a) b) c) d) {p. Q = {c. 2. 4. d. b. Seja A um conjunto com 8 elementos. 4} c) B = {2. Sendo A ∪ B = {1. 2. 3. 1. 3}.B é: a) { } b) {0. Se A = {x. então: A – (B ∩ C) é: a) {a. Sejam A = {a. 2. 7. F. 5} e) A – B = {1. 5. O conjunto A = {2. A afirmação correta é: a) A ∪ B = A b) b ∈ A c) existe elemento de A que é elemento de B d) todo elemento de B é elemento de A ε) τοdo elemento de A é elemento de B 13. Determinar o conjunto A que satisfaça as condições a seguir: I. 10}. 4. 5. x} Subconjuntos 02. {m. 8. 7. 3. 4. 5. 5. 5. 2. c} b) {a. 4} 09. 5} e) B = {2. 4}. V F. 7. 3} c) B – A = {5} d) A ∪ B = {1. 6} b) B = {2. 8} c) {1. 8. 4} e) {0. ∅∈Q II. 3. Dados os conjuntos A = {3. B = {2. F.Raciocínio Lógico Exercícios Complementares e de Concursos Conceitos Iniciais 01. 4. m. 3. B = {c. c ∉ Q IV. 5. 9} possui n subconjuntos não-vazios. e.

x.A 21.Raciocínio Lógico 16.C 13.C 15.B 16. o valor da expressão y – (3. 9. 6} e B = {1.D 11. podemos afirmar que. 9.E 03. 7 e 11 elementos. então Z = ∅ ou P = ∅ e) Se (Z ∪ P) = P. 6}. Sabendo que a interseção dos conjuntos A e B é dada pelo conjunto {2. quantos pertencem a A ou B? a) 7 b) 3 c) 12 d) 15 21. Se A. (TTN_ESAF) Considere dois conjuntos. D 07. onde A ⊂ B.A 04.D 05. A 02. Os conjuntos A.B 08.E 03. y.C 07. B 08. 10.x + 3) é igual a a) –28 b) –19 c) 32 d) 6 e) 0 17.B 18.B 82 Central de Concursos / Degrau Cultural . 8. Dois conjuntos A e B possuem respectivamente 10 e 5 elementos.A 19. então P ⊂ Z b) Se (Z ∪ P) = Z.D 10. A ⊂ C e B ⊂ C.D 06. x. B e C são conjuntos não vazios. Se o conjunto A tem cinco elementos e o conjunto B têm três elementos. Sabendo-se que 3 elementos pertencem a A e B. D 06. E 10. C 09.E Gabarito dos Exercícios Complementares e de Concursos 01.C 14. O número de elementos de A ∩ B é: a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 6 Gabarito dos Exercícios de Fixação 01.A 04.D 12.A 17. B e A ∪ B possuem 5. 3. Z e P. 6}. então Z ⊂ P c) Se (Z ∩ P) = ∅.E 05.E 20. então (Z ∪ P) = ∅ d) Se (Z ∩ P) =∅. tais que A = {4. (AFC_96) Com relação a dois conjuntos quaisquer. é correto afirmar que: a) Se (Z ∩ P) = P. então a única alternativa incorreta é: a) A ∪ C = C b) A ∪ B = B c) B ∪ C = C d) A ∩ B = A e) A ∪ C = B Quantidade de elementos de A ∪ B 19. então Z = ∅ 18.C 02.B 09. respectivamente. certamente: a) A ∩ B tem pelo menos três elementos b) B é subconjunto de A c) A ∪ B tem no máximo dois elementos d) A ∪ B tem no máximo oito elementos e) A ∩ B tem cinco elementos 20. A e B.

e é concedida pelo Congresso Nacional (art. Complemento . 48. GRAÇA É perdão individual concedido pelo Presidente da República. III da CF). notadamente. reincidência.Agente Penitenciário Federal 12/2008 Central de Concursos / Degrau Cultural 83 . INDULTO É o perdão coletivo concedido pelo Presidente da República.Direito Constitucional ANISTIA E INDUTO PERDÃO ESTATAL ( Indulgentia principis ): ANISTIA Causa extintiva de punibilidade que se aplica nos crimes políticos. Tem o efeito de pulverizar qualquer conseqüência jurídica do fato perdoado.