A ação de instrumentos NiTi nas paredes do terço apical de incisivos inferiores com canal oval – Análise histológica

A Ação de instrumentos NiTi nAs pAredes do terço ApicAl de incisivos inferiores com cAnAl ovAl – Análise histológicA

Action of the instruments on the ApicAl third wAlls of mAndibulAr incisors After different prepArAtion techniques - histologicAl AnAlysis
marilia fagury videira marceliano-Alves Doutoranda em Endodontia, da Faculdade de Odontologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Doutora em Endodontia, Universidade Federal do Pará

patrícia de Almeida rodrigues da silva e souza

eduardo fagury videira marceliano

Especialista em Prótese Dentária pela Odontoclínica Central do Exército – Rio de Janeiro Professor Adjunto da Faculdade de Odontologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Professor Titular da Faculdade de Odontologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

sandra rivera fidel

rivail Antônio sérgio fidel

Resumo
O presente trabalho teve por objetivo a avaliação da ação de instrumentos de níquel titânio (NiTi) nas paredes do terço apical do canal radicular oval de incisivos inferiores, a 1 e 3 mm do comprimento real de trabalho (CRT). Os canais foram preparados com limas NiTi-Flex, em rotação alternada, e com os sistemas K3, Race e Protaper, em rotação contínua. Para a avaliação da limpeza, se utilizou cortes histológicos, nos quais a luz do canal foi dividida em quatro quadrantes de acordo com a face (DL, DV, ML, MV). Os melhores resultados foram encontrados para a rotação alternada, seguido pelo sistema Protaper (p<0,05). Os piores resultados foram encontrados para K3 (62.5% sujos), não havendo diferença estatística significante em relação àqueles encontrados para o sistema Race (45%). Na avaliação dos quadrantes, o mésio-lingual foi considerado o mais sujo para os dois níveis avaliados (p<0,05). Ao final, foi observado que nenhuma das técnicas testadas foi capaz de limpar com efetividade as paredes dos canais radiculares ovais de incisivos inferiores. palavras-chave: preparo de canal radicular, instrumentos odontológicos, histologia.

AbstRAct
the purpose of the present paper is to evaluate the action of the instruments on the apical third walls of the root canal at 1 and 3mm from wl, in lower incisors, after preparation with niti-flex files in alternating and continuous rotation using the niti: K3, race, protaper systems. to evaluate the cleaning, histological sections were used, where the light of the canal was divided in four quarters according to the face (dl, dV, ml, mV). the results showed that in general the best results were found with alternated rotary followed by the protaper (p <0.05) system. the worst results were found with K3 (62.5% dirty), with no statistical differences in relation to those found for the race (45%) system. in the evaluation of the quarters, the mesiolingual was considered the dirtiest quarter for the two levels evaluated (p <0.05). At the end, it was noticed that none of the tested techniques was able to effectively clean the root canal walls of the inferior incisors. Key words: root canal preparation, dental instruments, incisor, histology.

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

7

IntRodução
A fase mais crítica do tratamento endodôntico é o preparo do canal radicular, ao se realizar adequada limpeza e sanificação, além da ampliação homogênea do canal radicular, mantendo o formato original, com o intuito de obter condições favoráveis ao assentamento do material obturador. Até a década de 60, o preparo do canal consistia no alargamento utilizando limas manuais seqüenciais de menor para maior calibre em toda a extensão da parede radicular até se alcançar uma dilatação adequada para a obturação. Assim, muitos acidentes ocorriam pela diversidade anatômica do canal, limites de flexibilidade do instrumento e técnicas de instrumentação (MARSHALL & PAPPIN1, HIMEL et al. 2). Modificações na técnica foram propostas, como a mudança do sentido do preparo para coroa-ápice, iniciando o preparo no terço cervical e médio com limas mais calibrosas, seguindo gradualmente ao terço apical, com limas de menor calibre. Tal técnica promove maior dilatação dos canais, conicidade e segurança no preparo (MARSHALL & PAPPIN1). Com o advento das limas de níquel-titânio, a possibilidade de rotacionar o instrumento no interior do canal radicular floresceu. Foram produzidos diversos sistemas rotatórios que utilizavam limas de NiTi, dentre elas o pioneiro, o NT Matic, sendo seguido por diversos outros sistemas, como exemplo K3 e Protaper, que demonstraram vantagens como: economia de tempo, ausência de desvios, redução da extrusão apical e facilidade de preparo de canais curvos. Além disso, promovem preparos com menor desvio do trajeto original do canal, com maior centralização e maior diâmetro, em comparação aos obtidos com limas de aço inox (HIMEL et al. 2, SHIRRMEISTER et al. 3). Sem dúvida, o uso da liga de NiTi associado a um novo conceito de desenho das limas endodônticas e o aprimoramento das técnicas de instrumentação contribuíram para o surgimento de uma nova era na Endodontia, traduzida por tratamentos endodônticos de maior qualidade e rapidez. Por outro lado, diversidades anatômicas como as encontradas nos canais achatados, podem vir a dificultar a correta modelagem do sistema de canais radiculares, considerado um dos pontos mais importantes da terapia endodôntica (SMITH et al.4; YANG et al.5). Os canais achatados podem ser encontrados em pré-molares, nas raízes distais de molares e em incisivos inferiores (MAUGER et al.6). Ao se ana-

lisar a morfologia dos canais achatados, se observa um achatamento acentuado no sentido mésio-distal, onde podem permanecer áreas localizadas vestíbulo-lingualmente não tocadas pelas limas durante o preparo (MAUGER et al.6; SHOVELTON7; WU & WESSELINK8). Devido às diversidades anatômicas que o sistema de canais radiculares pode oferecer, ainda não existe um método que consiga trabalhar em todas as paredes, ficando tal tarefa somente a cargo das substâncias químicas auxiliares, o que pode perpetuar a infecção endodôntica. Diante do exposto, considerou-se pertinente avaliar a qualidade do preparo apical de canais radiculares achatados, após a instrumentação com alguns sistemas mecanizados disponíveis no mercado.

mAteRIAl e métodos
Após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa com seres humanos (Protocolo: 102/07 CEPE-UFPA), foram selecionados 50 incisivos centrais inferiores humanos, de canal único, com comprimento médio de 18 mm e com distância vestíbulo-lingual, no terço médio, de 1,5 mm. Os dentes foram identificados e divididos, aleatoriamente, nos grupos experimentais (n=10): Grupo 1: Protaper Universal® (Dentsply-Maillefer, Ballaigues, Switzerland); Grupo 2: Sistema K3® (SybronEndo, Orange, CA, EUA); Grupo 3: Sistema Race® (Kit Easy Race-FKG Dentaire, La Chaux-de-Fonds, Switzerland); Grupo 4: K – NiTi-Flex® (Dentsply-Maillefer–Ballaigues, Switzerland) em rotação alternada; e Grupo 5: dentes não instrumentados, a fim de servirem de controle. Após acesso convencional à câmara pulpar, foi realizado o preparo dos grupos experimentais, com o motor elétrico X-Smart® (Dentsply-Maillefer – Ballaigues, Switzerland), com técnicas de preparo coroa-ápice. Para o G1, os dentes foram preparados com o sistema Protaper Universal– 25mm na sequência: #10 e 15 para exploração do canal radicular; S1 introduzido no canal passivamente e com leve pressão de encontro às paredes do canal, até a medida alcançada pela #15 (300RPM e 4Ncm); S2 introduzido no canal passivamente em movimento de penetração e retrocesso até a medida alcançada por S1 (300RPM e 2Ncm); SX de encontro às paredes do canal até o início da curvatura (300RPM e 4Ncm); S1, S2, F1, F2, e F3 até o comprimento real de trabalho (CRT) em movimento de penetração e retrocesso (300RPM e 2Ncm).
Unimep • Universidade Metodista de Piracicaba

22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

Para G2, os dentes foram preparados pelo sistema K3–25mm a 350 RPM e 2Ncm, na sequência: #25/.10 (movimentos de penetração e retrocesso, limitados ao seu comprimento); #25/.08 (movimentos de penetração e retrocesso, mas com avanço de 1 a 3mm além do obtido com #25/.10; #30/.04 (movimentos de penetração e retrocesso até o CRT). Para G3, os dentes foram preparados pelo sistema Race-25mm, em 300 RPM e torque de 2Ncm na sequência: Pré-Race 1 (40/.10); Pré-Race 2 (35/.08); e depois #25/.06; 25/.04; 25/.02; 30/.04 até o CRT. Os dentes de G4 foram preparados com limas Ni-Ti Flex-25 mm em contra-ângulo de rotação alternada NSK (TEP-E10R, Nakanishi Inc, Tokyo, Japan), 10:1, com giro oscilatório de 45º pela técnica coroa-ápice, seguindo a sequência: #50, 45, 40, 35, em direção apical até #30 para o preparo apical. Em todos os grupos experimentais o batente apical foi padronizado com instrumento compatível com o calibre #30. A cada troca de instrumento os canais foram irrigados com 15 ml de hipoclorito de sódio a 5,25% (Fórmula e Ação, São Paulo, Brasil) com o sistema de irrigação NaviTip (Ultradent Products Inc, South Jordan, USA). A irrigação final foi realizada na sequência: 15 ml de hipoclorito de sódio a 5,25%, 15 ml de EDTA-T a 17% (Fórmula e Ação, São Paulo, Brasil) e, novamente, 15 ml de hipoclorito de sódio a 5,25%. Ao final do preparo dos canais, as coroas dos dentes foram removidas na altura do colo anatômico, em micrótomo (Isomet 1000- Buehler LTD., Lake Bluff,IL, USA), com um disco de diamante de 0,3mm de espessura. Para a avaliação histológica, os dentes preparados foram fixados em formol a 10% por dois dias e, então, descalcificados pelo uso do ácido fórmico 5% (em suspensão e sob agitação constante), com trocas diárias durante sete dias. Ao final, os dentes foram lavados em água corrente por quatro horas. O processamento histológico foi realizado no histotécnico da Divisão de Histopatologia do Hospital Ofir Loyola (Belém, Pará, Brasil). Foram obtidos 10 cortes transversais em cada raiz com 6µm de espessura em micrótomo (Leica RM2025, Deerfield, USA) a 1 mm (lâminas “A”) e 3 mm (lâminas “B”) do comprimento de trabalho (TAN e MESSER9). As lâminas foram coradas pelo método de Hematoxilina-Eosina (HE).

Para avaliação do preparo do canal foi considerado “o quinto” corte histológico de lâmina. As amostras foram levadas ao Microscópio óptico Axiolab (Carl Zeiss, Jena, Alemanha) com aumento de 4X. A análise do preparo foi realizada por um especialista em Endodontia e com experiência em histologia, seguindo o protocolo: o centro do canal foi determinado pela mensuração das distâncias mésio-distal e vestíbulo-lingual, divididas por dois. A intersecção das linhas determinou o centro do canal. O “ponto zero” da lente ocular milimetrada foi posicionado no centro canal, dividindo-o em quatro quadrantes: Q1(DV), Q2(MV), Q3 (ML) e Q4 (DL). A avaliação quanto à efetividade da instrumentação considerou as paredes como tocadas “T” ou não tocadas “NT”, quando houve detritos em pelo menos uma das paredes internas do canal. Na avaliação individual, por quadrantes, foi utilizado o mesmo esquema de avaliação. Os resultados encontrados foram tabulados e tratados estatisticamente pelo uso do programa BioEstat 5.0 (AYRES et al.10)

ResultAdos
Após as análises dos cortes histológicos, as informações foram digitadas e tabuladas para análise estatística em banco de dados, construído no Microsoft Excel 2003. De acordo com a natureza das variáveis, aplicou-se análise estatística descritiva e inferencial, sendo informados os valores percentuais dos resultados obtidos no estudo. Para análise da significância estatística dos scores relativos à qualidade de preparação do canal, sendo considerado 1 (um) como “tocado” e 0 (zero) como não “tocado”, foram utilizados os testes de Kruskal-Wallis, de Friedman e o de Wilcoxon, sendo considerado o nível alfa de 0,05 (5%) por meio do software BioEstat 5.0. Foi observado que em 1 mm do CRT, todos os sistemas testados deixaram áreas não tocadas pelos instrumentos, perfazendo para G1 (Protaper Universal): 35%, para G2 (K3): 62,5%, para G3 (RACE): 45% e G4 (rotação alternada): 32,5%, e esta diferença se mostrou estatisticamente significante somente quando comparados G1 X G2 (p= 0,0337), e G2 X G4 (p=0,0205) (Figuras 1, 2, 3, 4 e Tabela 1).

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

9

FIguRA 1: corte histológico em 1mm de incisivos inferiores após preparo com o sistema protaper universal.

FIguRA 3: corte histológico em 1mm de incisivos inferiores após preparo com o sistema race.

FIguRA 2: corte

histológico em

1mm

de inci-

sivos inferiores após preparo com o sistema

K3.

FIguRA 4: corte histológico em 1mm de incisivos inferiores após preparo com limas K - niti-flex.

tAbelA 1 - comparação avaliados.

de paredes tocadas entre os grupos do estudo nos diferentes níveis

toque nas paredes do canal nível grupo tocado % G1 G2 G3 1 mm G4 G1 G2 G3 3 mm G4 65 37 55 67,5 60 40 40 65 * Diferença estatística significante (Kruskal-Wallis, p <0.05).
22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

não tocado % 35 62 45 32 40 60 60 35 0,0673 0,0446* p-valor

Unimep • Universidade Metodista de Piracicaba

Na avaliação comparativa entre os quadrantes em 1 mm do CRT (sendo: Q1=DV, Q2=MV, Q3=ML, Q4=DL) foram observadas somente em G1 diferenças significativas entre os quadrantes, sendo o mésio-lingual (Q3= ML) (p=0,0083) o que apresentou maior porcentagem de paredes não tocadas. Na comparação entre os quadrantes de G1, foram observadas diferenças significativas quando comparados Q2 X Q3 (MV X ML) e Q1 X Q3 (DV X ML) (p<0,05) (Tabela 02).
às paredes tocadas pelo instrumento.

tAbelA 2 - condição final de paredes dos canais radiculares por quadrante em 1

mm quanto

toque nas paredes do canal grupos Quadrantes MV DV DL ML MV DV DL ML MV DV DL ML MV DV DL tocado % 90 100 60 10 70 60 10 10 60 80 50 30 90 90 60 não tocado % 10 0 40 90 30 40 90 90 40 20 50 70 10 10 40 p-valor

g1

0,0083*

g2

0,0607

g3

0,3735

g4

0,1146

ML 30 70 * Diferença estatisticamente significante (Teste de Friedman, p<0,05). No nível de 3 mm, os sistemas avaliados também deixaram áreas não preparadas, perfazendo para G1: 40%, para G2: 60%, G3: 60% e para G4: 35%, porém tal diferença não se mostrou significante estatisticamente quando comparados os grupos experimentais (p=0,0673) (Figuras 5, 6, 7, 8 e Tabela 1 e 3).

FIguRA 06: corte FIguRA 05: corte histológico em 3mm de incisivos inferiores após preparo com o sistema protaper universal.

histológico em

3mm

de inci-

sivos inferiores após preparo com o sistema

K3.

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

11

FIguRA 07: corte histológico em 3mm de incisivos inferiores após preparo com o sistema race.

FIguRA 08: corte histológico em 3mm de incisivos inferiores após preparo com limas K - niti-flex.

Na avaliação dos quadrantes, em cada grupo experimental, em 3 mm do CRT, foi observado que em todos os grupos houve diferenças estatísticas significativas (p<0,05), e o quadrante mésio-lingual o de maior quantidade de áreas não tocadas pelo instrumento (G1: 90%, G2: 100%, G3: 100% e G4: 80%), seguido pelo disto-lingual (G1: 60%, G2: 90%, G3: 100% e G4: 60%) (Tabela 03). tAbelA 03 – condição grupos de estudo.
final de paredes dos canais radiculares por quadrante em

3

mm entre os

toque nas paredes do canal grupos Quadrantes tocado % MV 90 DV 100 g1 DL 40 ML 10 MV 80 DV 70 g2 DL 10 ML 0 MV 90 DV 70 g3 DL 0 ML 0 MV 100 DV 100 g4 DL 40 ML 20 * Diferença estatística significativa (Friedman, p<0,05). não tocado % 10 0 60 90 20 30 90 100 10 30 100 100 0 0 60 80 0,0047* p-valor

0,0074*

0,0012*

0,0066*

Na avaliação comparativa entre os quadrantes, em 3 mm do CRT, dos grupos experimentais, foi observado que em todos houve diferenças significativas estatisticamente (p<0,05), descritos na tabela 04.

22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

Unimep • Universidade Metodista de Piracicaba

tAbelA 04 – análise pelos instrumentos.

comparativa entre quadrantes em

3mm

do

crt

quanto a paredes tocadas

grupo experimental G1 G2 G3 G4

comparação entre quadrantes Q1 X Q3 (DV X ML) ; Q2 X Q3 (MV X ML) Q2 X Q3 (MV X ML) Q2 X Q3 (MV X ML); Q2 X Q4 (MV X DL) Q1 X Q3 (DV X ML) ; Q2 X Q3 (MV X ML)

dIscussão
Devido às características anatômicas dos incisivos inferiores, o preparo pode ser não abranger todas as paredes do canal (PAQUÉ et al.11) e, de acordo com a literatura, os sistemas rotatórios produzem preparo circular correspondente à secção transversal do instrumento, o que deixa áreas sem preparo nas paredes vestibular e lingual, (SIQUEIRA et al.12; WU et al.13; BARBIZAM et al.14; FARINIUK et al.15; PASSARINHO-NETO et al.16; SASAKI et al.17; ATAIDE et al.18). Corroborando com os dados encontrados na literatura, foi observado que no presente estudo permaneceram áreas sem toque do instrumento após o preparo em todos os grupos experimentais testados e nos dois níveis avaliados (SIQUEIRA et al.12; TAN and MESSER9; WU et al.13; SASAKI et al.17; PASSARINHO-NETO et al.16, 2006; GRANDE et al.19; RÜTTERMAN et al.20; FORNARI et al.21). Os melhores resultados quanto à ação dos instrumentos nas paredes foram encontrados para o grupo preparado com a rotação alternada (G4), perfazendo um total de 65% de paredes tocadas em 1 mm e 60 % em 3 mm da área do canal preparado, corroborando os achados de Rasquin et al.22, e os Franco et al.23 e discordando de Rütterman et al.20 e Grande et al.19, que não observaram diferenças estatísticas na comparação da rotação alternada com sistemas de rotação contínua. Os bons resultados relacionados à rotação alternada talvez se devam à cinemática da instrumentação, por conta do movimento à direita e à esquerda, bem como à possibilidade da realização de movimento pendular no sentido vestíbulo lingual (SCHILDER e YEE24; SYDNEY et al.25, 2000; RÜTTERMAN et al.20, RASQUIN et al.22). Em relação ao grupo preparado com o sistema Protaper Universal (G1), foram observados bons resultados, provavelmente relacionados à conicidade do instrumento F3, destinado ao preparo

apical final. Tal instrumento tem em D0 (diâmetro da extremidade da lima) diâmetro equivalente à lima #30 e até D3 tem acréscimo em conicidade de 9% (a cada milímetro a lima ganha 9% em conicidade) atingindo em D2 o diâmetro de 0,48mm (sendo D0 e D2 dos instrumentos relacionados a 1 e 3 mm do CRT, respectivamente). Quando se compara os instrumentos finais dos outros grupos, se observa que o ganho em conicidade é menor, logo o diâmetro final do instrumento F3 é maior do que os instrumentos finais dos outros sistemas estudados, o que pode ter promovido maior área de corte nas paredes do canal, justificando os bons resultados. Os resultados do presente estudo demonstraram que a conicidade do instrumento pode ser um fator determinante para o preparo, pois quanto maior a secção transversal do instrumento maior o perímetro de corte e, assim, maior é a área preparada (SONNTAG et al.26; FORNARI et al.21). Os piores resultados quanto a ação dos instrumentos nas paredes foram encontrados para o sistema K3 (G2), cujos canais apresentaram paredes com detritos em cerca de 62,5% em 1 mm (p=0,0446) e 60% em 3 mm, coincidindo com os estudos de Pratti et al.28. Tais resultados podem ter relação com o desenho dos instrumentos K3, que possuem três bandas radiais, sendo duas com arestas cortantes e uma com guia radial plana não cortante (SONNTAG et al.26; FRANCO et al.23) e, então, a presença de tal estrutura poderia promover, durante o preparo, o embricamento dos detritos contra as paredes, dificultando sua remoção do canal radicular. Tal estrutura não é encontrada nos outros instrumentos testados. Para o grupo preparado pelo sistema Race (G3), foi observado 45% de paredes não tocadas em 1 mm e 60% em 3mm (principalmente no quadrante mésio-lingual), ainda que os sistemas K3 e Race tenham sido equivalentes quanto à qualidade do preparo do canal radicular. Tais dados foram coincidentes com os encontrados por Pratti

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

13

et al., 27 e Paqué et al.28, porém discordaram dos de Pasternak-Junior et al.29, que encontraram bons resultados na avaliação da centralização do canal após o uso deste sistema. Na análise da limpeza quanto aos quadrantes, se observou, em todos os grupos, que aquele com mais detritos foi o mésio-lingual nos dois níveis avaliados (80% em 1mm, e 92,5% em 3mm), sendo este valor significante estatisticamente no nível de 1mm somente para G1 (Protaper Universal), possivelmente devido ao maior perímetro de corte do instrumento final do sistema, o que faz com que o preparo em canais achatados fique com formato circular, e as áreas adjacentes permaneçam não tocadas. Ao final do preparo, foi observado em todos os canais e nos dois níveis avaliados, que há maior tendência de desgaste em direção vestibular, devido possivelmente à concrescência dentinária localizada na parede lingual dos incisivos inferiores, o que pode deixar áreas localizadas na parede lingual sem preparo, o que pode comprometer a terapia A limpeza dos canais radiculares está, portanto, na dependência da ação mecânica dos instrumentos endodônticos junto às paredes do canal, aliada à ação química das soluções irrigantes e à ação física do processo de irrigação/aspiração. Por outro lado, autores como Fariniuk et al.15, Baratto-Filho et al.30 e Fornari et al.21 consideraram em seus estudos que a instrumentação rotatória, consideradas a evolução da Endodontia, tem ação limitada, relacionada ao diâmetro do instrumento, deixando áreas não tocadas mesmo ao final do preparo. Assim, Baratto-Filho et al.30, Ataíde et al.18 enfatizaram a necessidade do emprego de substâncias irrigadoras, com o objetivo de remover restos pulpares, detritos, e atuar em regiões onde não houve a ação do instrumento. Os resultados do presente trabalho corroboram com os dados descritos na literatura, que é unânime em considerar que de modo geral, nenhuma técnica é capaz de limpar completamente as paredes do canal radicular (SIQUEIRA et al.12, 1997; TAN e MESSER9; WU et al.13; SASAKI et al.17; PASSARINHO-NETO et al.16; GRANDE et al.19; FORNARI et al.21; PAQUÉ et al.11). Diante do exposto, fica evidente a necessidade da realização de novos estudos a fim de conhecer a ação mecânica de instrumentos endodônticos disponíveis no mercado. Tais estudos permitirão a elaboração de protocolos para o uso seguro e com maior toque dos instrumentos nas paredes dos canais radiculares, promovendo assim, maior efetividade de preparo.

conclusão
De acordo com os resultados obtidos, e aplicando a metodologia apresentada é pertinente afirmar: 1. Nenhum dos sistemas testados (K3, Protaper Universal, Race and Niti-Flex em rotação alternada) foi capaz de tocar em todas as paredes do canal radicular de forma homogênea. 2. Os melhores resultados foram encontrados para rotação alternada, devido talvez a cinemática da instrumentação, por conta do movimento a direita e esquerda e pendular em direção vestibular e lingual. 3. Foram vistos bons resultados para o sistema Protaper Universal, talvez relacionado à conicidade do instrumento F3, seguido pelos encontrados para os sistemas K3 e Race, que apresentaram resultados equivalentes. 4. O quadrante que apresentou maior quantidade de detritos no terço apical foi o mésio-ligual em todos os grupos avaliados, demonstrando tendência de preparo em direção vestibular. Tal resultado deixa clara a necessidade do preparo dos terços cervical e médio, para a remoção da concrescêcencia dentinária, possibilitando assim o preparo centralizado do canal.

ReFeRêncIAs bIblIogRáFIcAs
1. Marshall F, Pappin J. A crown-down pressureless preparation root canal enlargement technique. Technique manual. Portland, Oregon: Oregon Health Sciences University, 1980. 2. Himel VT, Moore RE, Hicks VE. The effects which three endodontic files on canal shapes. J endod., v. 20, p.204, 1994/ abstract n.65. Jan: Editora Médica e Científica, 2003. cap.16, p.275-300. 3. Schirrmeister JF, Wrbas KT, Schneider FH, Altenburger MJ, Hellwig E. Effectiveness of a hand file and three nickel-titanium rotary instruments for removing gutta-percha in curved root canals during retreatment. oral surg oral med oral pathol oral radiol endod. 2006 apr;101(4):542-7. 4. Smith CS, Setchell DJ, Harty FJ. Factors influencing the success of conventional root canal therapy--a five-year retrospective study. int endod J. 1993 Nov;26(6):321-33 5. Yang SF, Rivera EM, Walton RE, Baumgardner KR. Canal debridement: effectiveness of sodium hypochlorite and calcium

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

14

6.

7. 8. 9.

10.

11.

12.

13.

14.

15.

16.

17.

hydroxide as medicaments. J endod. 1996 Oct;22(10):521-5. Mauger MJ, Schindler WG, Walker WA 3rd. An evaluation of canal morphology at different levels of root resection in mandibular incisors. J endod. 1998 Sep;24(9):607-9. Shovelton DS. The presence and distribuition of microorganisms within Non-vital Teeth. British dental J. 1964;117(3):101-107. Wu MK, Wesselink PR. A primary observation on the preparation and obturation of oval canals. int endod J. 2001 Mar;34(2):137-41. Tan BT, Messer HH. The quality of apical canal preparation using hand and rotary instruments with specific criteria for enlargement based on initial apical file size. J endod. 2002 Sep;28(9):658-64. Ayres M, Ayres Júnior M, Ayres DL, SANTOS, AAS. BioEstat 5.0: Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. Belém: Imprensa Oficial do Estado. do Pará, 2005. 334 p. Siqueira JF Jr, Araújo MC, Garcia PF, Fraga RC, Dantas CJ. Histological evaluation of the effectiveness of five instrumentation techniques for cleaning the apical third of root canals. J endod. 1997 Aug;23(8):499-502. Paqué F, Ganahl D, Peters OA. Effects of root canal preparation on apical geometry assessed by micro-computed tomography. J endod. 2009 Jul;35(7):1056-9. Wu MK, Van Der Sluis LW, Wesselink PR.The capability of two hand instrumentation techniques to remove the inner layer of dentine in oval canals. int endod J. 2003 Mar;36(3):218-24. Barbizam JV, Fariniuk LF, Marchesan MA, Pecora JD, Sousa-Neto MD. Effectiveness of manual and rotary instrumentation techniques for cleaning flattened root canals. J endod. 2002 May;28(5):365-6. Fariniuk LF, Baratto-Filho F, da Cruz-Filho AM, de Sousa-Neto MD. Histologic analysis of the cleaning capacity of mechanical endodontic instruments activated by the ENDOflash system. J endod. 2003 Oct;29(10):651-3. Passarinho-Neto JG, Marchesan MA, Ferreira RB, Silva RG, Silva-Sousa YT, Sousa-Neto MD. In vitro evaluation of endodontic debris removal as obtained by rotary instrumentation coupled with ultrasonic irrigation. Aust endod J. 2006 Dec;32(3):123-8. Sasaki EW, Versiani MA, Perez DE, Sousa-Neto MD, Silva-Sousa YT, Silva RG. Ex

18.

19.

20.

21.

22.

23.

24.

25.

26.

27.

vivo analysis of the debris remaining in flattened root canals of vital and nonvital teeth after biomechanical preparation with Ni-Ti rotary instruments. Braz dent J. 2006;17(3):233-6. Ataide IN, Wagle R, Fernandes M. The quality of canal preparation using stainless stell hand files and nickel-titanium rotary instruments. med ind J. 2006; 16(2): 25-34. Grande NM, Plotino G, Lavorgna L, Ioppolo P, Bedini R, Pameijer CH, Somma F. Influence of different root canal-filling materials on the mechanical properties of root canal dentin. J endod. 2007 Jul;33(7):859-63. Epub 2007 Apr 16. Rüttermann S, Virtej A, Janda R, Raab WH. Preparation of the coronal and middle third of oval root canals with a rotary or an oscillating system. oral surg oral med oral pathol oral radiol endod. 2007 Dec;104(6):8526. Epub 2007 Aug 13. Fornari VJ, Silva-Sousa YTC, Vanni JR, Pécora JD, Versiani MA, Sousa-Neto MD. Histological evaluation of the effectiveness of increased apical enlargement for cleaning the apical third of curved canals. int endod J. 2010 Nov; 43:988–994. Rasquin LC, Carvalho FB, Lima, RK. In vitro evaluation of root canal preparation using oscillatory and rotary systems in flattened root canals. J Appl oral sci. 2007;15(1):65-9. Franco V, Fabiani C, Taschieri S, Malentacca A, Bortolin M, Del Fabbro M. Investigation on the shaping ability of nickel-titanium files when used with a reciprocating motion. J endod. 2011 Oct;37(10):1398-401. Schilder H, Yee FS. canal debridement and desinfection. in: cohens, Burns: pathways of the pulp. 3rd ed. St. Louis, Mosby; 1984. Sydney GB, Batista A, Melo LL, Matos NHR. Sistema de rotação alternada em endodontia / Alternated rotation systems in endodontics. J Brasil de endo/perio. 2000 out./ dez:1(3):59-64. Sonntag D, Ott M, Kook K, Stachniss V. Root canal preparation with the NiTi systems K3, Mtwo and ProTaper. Aust endod J. 2007 Aug;33(2):73-81. Pratti C, Foschi F, Nucci C, Montebugnoli L, Marchionni S. Appearance of the root canal walls after preparation with NiTi rotary instruments: a comparative SEM investigation. clin oral investig. 2004 Jun;8(2):102-10.

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

15

28. Paqué F, Barbakow F, Peters OA. Root canal preparation with Endo-Eze AET: changes in root canal shape assessed by microcomputed tomography. int endod J. 2005 Jul;38(7):456-64. 29. Pasternak-Junior B, Sousa-Neto MD, Silva RG. Canal transportation and centring ability of RaCe rotary instruments. int endod J. 2009 Jun; 42: 499–506. 30. Baratto-Filho F, Carvalho Jr JR, Fariniuk LF,

Sousa-Neto MD, Pécora JD, Cruz-Filho AM. Morphometric analysis of the effectiveness of different concentrations of sodium hypochlorite associated with rotary instrumentation for root canal cleaning. Braz dent J. 2004;15(1):36-40. Epub 2004 Aug 16. Submetido em: 9-10-2011 Aceito em: 2-8-2012

FOL • Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep • 22(1) 7-16 • jan.jun. 2012 ISSN Impresso: 0104-7582 • ISSN Eletrônico: 2238-1236

16

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful