You are on page 1of 8

Copyright 2012, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação

na Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012, realizado no período de 17 a 20 de setembro de 2012, no Rio de Janeiro. Este Trabalho Técnico foi selecionado para apresentação pelo Comitê Técnico do evento, seguindo as informações contidas no trabalho completo submetido pelo(s) autor(es). Os organizadores não irão traduzir ou corrigir os textos recebidos. O material conforme, apresentado, não necessariamente reflete as opiniões do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Sócios e Representantes. É de conhecimento e aprovação do(s) autor(es) que este Trabalho Técnico seja publicado nos Anais da Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012.

IBP1177_12 REDUÇÃO DO TEMPO DE CONSTRUÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO NA BACIA DO SOLIMÕES ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE MICROESFERAS DE VIDRO E AGENTES TIXOTROPICOS NAS FASES DE CIMENTAÇÃO Cledeilson R. L. Ferreira1, Luis H. Duque2, Rodolfo H. P. Steffan3, Zacarias Guimarães4 , Fábio Corregio5, Marcelo Augusto6, Sandro C. Mendes7

Resumo
A operação de cimentação é um processo de extrema importância para as fases de perfuração e completação de poços de petróleo, apresentando grande impacto sobre a produtividade do poço, visto que tal operação consiste no preenchimento do espaço anular entre os tubos e a parede da formação tendo como principal finalidade a união da tubulação de revestimento com a parede do poço, além de formar um tampão de selo no fundo e corrigir desvios no durante a perfuração. Os crescentes desafios impostos pela indústria de petróleo em busca de novos reservatórios, bem como a demanda de técnicas que aperfeiçoem a integridade, isolamento das zonas de interesse e prolongamento da vida útil do poço, exige o desenvolvimento de novas técnicas de perfuração e, consequentemente, de todas as demais atividades associadas a este processo. A atividade de cimentação de poços está inserida neste rol de avanços tecnológicos. Atualmente um dos desafios para cimentação de poços é o de evitar o dano causado às formações de baixa resistência quando submetidas à pressão hidrostática da pasta de cimento, ocasionando, portanto, uma relevante necessidade da utilização de pastas mais leves que garantam a mesma resistência das pastas convencionais. O presente trabalho apresenta experiências na utilização de pastas leves obtidas com a adição de microesferas de vidro e agentes tixotrópicos utilizadas na cimentação de poços de petróleo localizados na Bacia do Solimões-AM, que vem gerando redução de 100% do tempo de cimentação quando comparado ao tempo gasto com a cimentação de todas as fases de construção utilizando pastas de cimento convencionais. Incluem-se neste artigo testes laboratoriais, desenhos de pastas, casos históricos e resultado permitindo uma completa avaliação do leitor para aplicação em outras áreas com o mesmo cenário.

Abstract
One of the problems faced by the oil industry during the well construction is the damage effect of the hydrostatic head of cement slurries on unconsolidated reservoirs, trending to a necessity of lightweight cementing slurries with high resistance for zonal isolation. This paper presents experiences with lightweight cementing slurries obtained by the addition of glass microspheres and thixotropic agents in oil and gas wells located at Solimões Basin – Amazon Basin, Brazil, which led to 100% time reduction on well construction when compared with the standard cementing procedures, besides the benefit of no reservoir damage. It also includes lab tests, cement slurry designs, case histories and results that allow a complete evaluation of the technique that can be applied in other similar environments.

______________________________
1
2

Engenheiro de Laboratório - Baker Hughes - Pressure Pumping – Brazil Geomarket Gerente de Vendas e Market – Baker Hughes - Pressure Pumping – Brazil Geomarket 3 Engenheiro de Campo II – Baker Hughes - Pressure Pumping – Brazil Geomarket 4 Gerente de Distrito - Baker Hughes - Pressure Pumping – Brazil Geomarket 5 Engenheiro de Petróleo – Petróleo Brasileiro SA 6 Engenheiro de Petróleo – Petróleo Brasileiro SA 7 Engenheiro de Petróleo – Petróleo Brasileiro SA

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

1. Introdução
Atualmente, o setor petrolífero depara-se com um problema relacionado a cimentação, decorrente da dificuldade de se obter a altura programada das pastas de cimento no anular devido a perdas, ocasionado pelas formações não consolidadas nos poços de petróleo, sendo necessário realização de cimentações secundárias, para corrigir rebaixamento de topo de cimento, oriundos de elevada pressão hidrostática da formação. A cimentação secundária nesses casos, apresentam altos custos, devido o tempo perdido de sonda para corrigir as cimentações primárias. Indubitavelmente a busca de novas jazidas de petróleo nas camadas sedimentares em todo o mundo é um grande desafio para indústria de petróleo, tendo mérito de destaque na região amazônica a Bacia do Solimões que vem se notabilizando pelos excelentes prospectos para petróleo e gás natural, inclusive com produção já iniciada nos campos de Urucu e Juruá. Portanto, pesquisas tem sido desenvolvidas em busca de técnicas mais apuradas somadas à novas tecnologias. No rol das tecnologias atuais tem-se destacado as esferas de vidro e agentes tixotrópicos, os quais contribuem na redução da pressão hidrostática nos reservatórios bem como auxiliam na redução da perda de cimento pela formação, decorrentes de formações não consolidadas. O agente tixotrópico, cloreto de alumínio, é utilizado para produzir um elevado aumento da tixotropia da pasta de cimento. Trata-se de uma pasta tixotrópica aquela que encontra-se fluida sob agitação mecânica (bombeio) e viscosa na ausência de agitação mecânica. Vale salientar ainda que a propriedade fluida da pasta é retomada no momento em o bombeio é reestabelecido. Portanto, a propriedade tixotrópica nas pastas de cimento contribuem para a redução da absorção do cimento pela formação e a diminuição das zonas não cobertas pelo cimento. As microesferas de vidro auxiliam na redução do peso da pasta de cimento, onde este produto favorece a redução da quantidade de água dentro das pastas, e ocasiona um aumento da sua resistência compressiva. A utilização de pastas tixotrópicas com microesferas de vidro apresenta as seguintes vantagens:através de uma tabulação de 12,5 mm.  Redução da absorção da pasta de cimento pela formação;  Resistência compressiva elevada, mesmo para uma pasta de cimento com baixo peso especifico;  Diminuição dos riscos da operação pela metade;  Evita o rebaixamento dos topos de cimento;  Fácilita o manuseio dos produtos na hora da operação de cimentação;  Proporciona o aumento da qualidade da cimentação devido a não absorção da pastas de cimento, nas zonas produtoras de petróleo;  Redução do tempo de operação em 100%, devido a não realização de cimentações secundárias. Almeja-se, com este trabalho, preparar e avaliar pastas de cimento necessárias para otimizar o processo de cimentação na Bacia do Solimões, através de procedimentos adotados pela American Petroleum Institute(API) e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). As pastas de cimento que serão utilizadas possuem o peso específico de 13 lb/gal resultando em uma resistência compressiva em torno de 1600 – 1800 psi.

2. Modelo de Cimentação da Bacia do Solimões
A cimentação da Bacia Solimões realiza-se com cimento Portland classe “G”, em todas as fases do poço. Os produtos para pastas de cimento utilizados na Bacia do Solimões são: dispersantes, controladores de filtrado, extendedores, retadadores de pega de cimento e controladores de gás, onde todos esses produtos são utilizados a nível mundial. Os tipo de cimentações que são realizadas para construção de um poço são:  Condutor;  Revestimento Superficie;  Revestimento Intermediário;  Revestimento de Produção;  Liner;  Tie-back;  Tampões de desvio.

3. Problemas Recorrentes
Constantemente o setor de petróleo encontra-se em situações problemáticas relacionadas a dificuldade de se obter a altura programada das pastas de cimento no anular devido a perdas. Muitos desses problemas são decorrentes de formações não consolidadas, ocasionando falhas na cimentação. 2

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 A Bacia de Solimões apresenta situações semelhantes, onde se encontram os seguintes quadros para a cimentação de superfície e Liner:  Cimentação de superfície: Número considerável de zonas de baixa resistência, decorrentes da elevada quantidade de arenito, ocasionando a necessidade de uso de acessórios de cimentação com colar de estágio. A utilização do colar de estágio proporciona o aumento do tempo de cimentação e consequentemente o aumento do custo da construção do poço;  Liner / Revestimento 7”: A baixa resistencia de zonas mais profundas, induz o rebaixamento do cimento e a consequente exposição de zonas que deveriam ter ficado cobertas. Nesse caso se utilizam cimentações secundárias para a correção do problema. A maioria dos problemas da Bacia do Solimões estão relacionados com a sua estrutura geologica, onde é necessário a adequação do processo de cimentação para redução de custos. Para essa redução, é necessário a diminuição do tempo de sonda, que é atualmente o elemento de custo mais elevado na perfuração de poços petróleo.

4. Busca de Soluções
Conforme o contexto supracitado realizou-se a utilização de uma pasta mais leve, mas com resistência necessária para suportar a estrutura do poço e com a capacidade de reduzir sua absorção pela formação. A pasta proposta é constuida por microesferas de vidro e agentes tixotropicos de pastas de cimento e apresenta peso especifico de 13 lb/gal. 4.1. Metodologia Foram preparadas pastas leves com microesferas de vidro e agentes tixotrópico com diferentes concentrações. Os ensaios de reologia determinram o limite de escoamento (LE) e viscosidade Plástica (VP). Ensaios mecânicos não destrutivos determinaram a reistência compressiva das pastas de cimento, conforme os passos a seguir: Mistura e Homogeneização A água de mistura foi posta no recipiente do misturador Chandler Modelo 80-60, onde o cimento foi adicionado a uma rotação de 4000 rpm por não mais que 15 segundos, seguindo por 35 segundos a 12000 rpm. Nos casos em que houve formação de bolhas em excesso, foi necessário uma variável de baixa rotação a fim de reduzi-las. Depois de terminado o processo de mistura, as pastas foram colocadas no consistômetro atmosferico Chandler modelo 1200. As pastas foram homogeneizadas a uma temperatura de 140 F (60 ºC), simulando as condições do poço, por 20 minutos a 150 rpm (NBR 9831). Teste de Reologia Para a realização do ensaio reologico, utilizou-se um viscosimetro rotativo de cilindros coaxiais Chandler 3500, onde a pasta de cimento foi colocada no copo do viscosimentro imediantamente após a homogeneização e em seguida efetuam-se as leituras de tensão de cisalhamento em lbf/100ft2 nas rotações de 3, 6, 30, 60, 100, 200 e 300 rpm, de maneira ascendente e descendente, com intervalos de 10 segundos entre as leituras, calculando-se posteriores os valores médios das duas medidas. Em seguida, o motor foi desligado e após 10 segundos o mesmo foi novamente acionado a 3 rpm, registrando o gel inicial(GI). Desliga-se mais uma vez o motor por 10 minutos, no fim dos quais o motor e religado, registrando-se o gel final (GF). Teste de Resistência compressiva Utilizou-se no teste de resistência compressiva um equipamento de testes não destutivos, onde foi possível verificar tal propriedade mecânica em tempo real (real time). O equipamento utilizado em tais ensaios foi o UCA – “Analisador ultrassônico de cimento” Chandler Modelo 4265. Logo após o processo de mistura citado no item 2.1, a pasta foi transferida para uma célula de teste de alta pressão, onde foi adicionado um pequeno volume de água sobre a pasta para o mergulho do transdutor, depois a celula foi fechada encaixando o transdutor, realizou-se a programação de aquecimento para a temperatura estática do poço a uma pressão de 3000 psi.

4.2. Resultados As microesferas de vidro auxiliaram no aumento da resistência compressiva da pasta de peso especifico de 13 lb/gal. Conforme o grafico 1 verifica-se que a resistência compressiva da pasta 13 lb/gal com as microesferas de vidro apresentou valores de 1767 psi, mostrando ser superior a pasta 13 lb/gal sem a presença das microesferas de vidro (720 psi), percebe-se ainda, semelhança com a resistência mecânica da pasta de peso especifico de 15 lb/gal (1854 psi). O aumento da resistência compressiva ocorreu devido as microesferas de vidro ocasionarem a diminuição da quantidade de 3

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 água na pasta de cimento, levando um aumento de sua resistência, pois quanto menor quantidade de água, na relação água e cimento, maior a resitência compressiva.
Resistência Compressiva

2000 1800 1600 1400 1200 1000 800 600 400 200 0 1 15 PPG 13 PPG 13 PPG C 7% LW-7 13 PPG C 3% LW-7

Figura 1. Comparativo das resistências compressivas das pastas de cimento

Figura 2. Carta do UCA mostrando a resistência compressiva das pastas de cimento com microesferas de vidro e agentes tixotrópicos Fluidos tixotrópicos são aqueles caracterizados pela diminuição da viscosidade aparente do líquido com o tempo de aplicação a uma dada taxa de deformação. Este fenômeno é isotérmico e reversível sendo conseqüência da destruição gradual da “estrutura” construída pelas partículas da fase dispersa, cuja força de ligação não resiste à ação do cisalhamento imposto. Após a retirada da força cisalhante, o sistema volta à sua conformação original, recuperando novamente a sua viscosidade aparente inicial. Para estes materiais, qualquer que seja a taxa de cisalhamento aplicado, existirá um tempo necessário para a viscosidade cair e depois manter-se constante. O agente tixotrópico, cloreto de alumínio, proporcionou à pasta de cimento uma variação da viscosidade com o tempo. A viscosidade das pastas tende a aumentar quando colocadas em repouso. Pode-se inferir a partir da tabela 1 que as pastas em diferentes concentrações apresentaram viscosidades e geis finais diferentes.

4

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 TABELA 1: Relação entre viscosidade x concentração de Cloreto de Alumínio Concentração de Cloreto de alumínio Gal/ ft3 0.1 0.18 0.2

Vcosidade da pasta de cimento 3 Rpm 11 13 15 6 rpm 14 18 20 30 rpm 20 24 26 60 rpm 34 36 41 100 rpm 48 55 59 200 rpm 66 78 85 300 rpm 85 115 128 Gel Incial 12 14 15 Gel Final 53 71 98

Comforme os dados da tabela 1, a viscosidade da pasta aumentou com o aumento da concentração de agente tixotrópico, devido a complexas interações entre particulas da pasta de cimento com o cloreto de alumínio. Os geis finais aumentaram gradativamente com a viscosidade, mostrando que a pasta em repouso durante 10 minutos possui uma maior dificuldade de entrar em movimento ou escorrer dentro da formação. De acordo com os resultados encontrados pode-se afirmar que obteve-se uma pasta de 13 lb/gal com 7% de microesferas de vidro e 0.2 gal/ft3 de cloreto de alumínio, cujas características físicas são mostradas nas tabelas 3 e 4.

5. Casos Históricos
5.1. Cimentação do Liner de 5 ½” Em julho de 2011, foi realizada no campo de Rio Urucu na bacia do Solimões a primeira cimentação de poços de petróleo com pastas contendo as microsferas de vidro e agentes tixotrópica. A cimentação consistia em cimentar um liner de 5 ½” polegadas á 2540 metros de profundidade medida. Cimentação realizada com sucesso, onde não ocorreu o rebaixamento da pastas de cimento devido a absorção da formação, não sendo necessario a realização de uma cimentação secundária para qualquer correção. Na tabela 2 apresenta valores de pressão e vazão utilizada na cimentação do Liner de 5 ½”. Os dados das pastas estão localizados na tabela 3 contendo todos os produtos necessários. TABELA 2: Registro de enventos da cimentação do Liner de 5 ½” Eventos 1 2 3 4 Tipos de Fluidos BOMBEIO DO COLCHÃO ESPAÇADOR BOMBEIO DA PASTA 13PPG DESLOCANDO COM BAKER DESLOCANDO COM A SONDA FINAL DA OPERAÇÃO Pressão 1800 1200 400 2600 Vazão 5 4 5 10 Volume 35 42 10 93

TABELA 3: Produtos utilizados na pasta de cimento Produto PRODUTO A PRODUTO B PRODUTO C PRODUTO D PRODUTO E PRODUTO F PRODUTO G Concentração 0,01 gpc 1,0 gpc 0,41 % 0,83 % 7% 0.2 Gpc 0,013 Gpc Cimento Alvorada G Batelada 414. Função Anti-espumante Controle de Gás Dispersante Controlador de Filtrado Extendedor Agente tixotrópico Retardador

5

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 TABELA 4: Característica da pasta 13 lb/gal utilizado na cimentação do liner 5 ½” Caracteristicas e Composição da Pasta Densidade (lb/gal) Rendimento da Pasta (ft /sc) Fator Ãgua e Cimento (FAC) (gal/ft3) Água de Mistura (gal/ft )
3 3

13,00 1,7244 6,8726 9,3088

5.2 Cimentação do Liner 7” Em novembro de 2011, foi realizada outra de muitas cimentações no campo de Rio Urucu na bacia do Solimões onde utilizou-se pastas com microsferas de vidro e agentes tixotrópicos. A cimentação consistiu em cimentar um liner de 7” polegadas á 2664 metros de profundidade medida. Novamente a cimentação ocorreu de forma satisfatória, visto que não necessitou da realização de cimentações complementares para essa operação. TABELA 5: Registro de enventos da cimentação do Liner de 7” Eventos 1 2 3 4 5 Tipos de Fluidos BOMBEIO DO COLCHÃO LAVADOR BOMBEIO DO COLCHÃO ESPAÇADOR BOMBEIO DA PASTA 13PPG DESLOCANDO COM BAKER DESLOCANDO COM A SONDA FINAL DA OPERAÇÃO Pressão 1800 1750 1200 400 1800 Vazão 5 5 4 5 10 Volume 10 40 42 10 93

6. Resultados
Foi observado que a aditivação de pastas de cimento com microesferas de vidro e agente tixotrópico utilizadas na Bacia do Solimões, impactaram na redução de custos correspondentes a tempo perdido para completo preenchimento do anular pelo cimento. Conforme as Tabela 6 e 7 encotramos uma redução do tempo de operação de cimentação em mais de 100% quando comparado ao tempo gasto utilizando pastas convencionais. TABELA 6: Tempo total de operação para reiniciar a perfuração usando pasta convencional Operações Realizadas Operação de cimentação Aguardo da Pega do Cimento Avaliação da Cimentação Canhoneio do Revestimento Recimentação Aguardo da Pega do Cimento Reavaliação da Cimentação Tempo (Hora) 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2

6

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 TABELA 7: Tempo total de operação para reiniciar a perfuração usando a pasta leve com microesferas de vidro e agentes tixitrópicos Operações Realizadas Operação de cimentação Aguardo da Pega do Cimento Avaliação da Cimentação Tempo (Hora) 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2

As avaliações pós-cimentação apresentaram resultados satisfatórios na verificão da cimentação pelo CBL (Cement Bond Logging), VDL(Variable Density Log) , conforme mostra a figura 4.

Figura 4: Resultado do CBL/VDL da cimentação do Liner de 5 1/2”

7. Conclusões
   Por todos os ganhos, as microesferas de vidro e agente tixotrópico passaram a integrar a formulação padrão das pastas de cimento pela operadora do campo de Urucu; Esta tecnologia pode ser replicada para qualquer locação que tenha resevatórios não consolidados; Comparada com a redução de tempo de sonda, o custo com a introdução dos aditivos microesferas e agente tixotrópicos é negativo.

8. Agradecimentos
Agradecemos a Baker Hughes, pela autorização e incentivo para publicação deste trabalho e a Petróleo Brasileiro SA, pela parceria e oportunidade de desenvolvimento do projeto, colaborando com informações necessárias para o nosso trabalho.

7

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

9. Referências
AMERICAN PETROMEUM INSTITUTE API Spec 10: API SPEC 10-A – Specifications for Cements and Materials for well Cementing, 200 (a); ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NBR 9831: Cimento Portland Destinado a Cimentações de Poços de Petrolíferos, Rio de Janeiro, 2008; LIMA, F. M. Desenvolvimento de Cimentos Tipo Portland e Materiais Alternativos para Cimentação de Poço de Petróleo. Monofrafia UFRN. Natal – RN, 2004; DWIGHT K. SMITH. A., GROSSMAN, I. E. - Cementing, Monograph - Volume 4 – SPE . Cementing Additives, n 3 p 18-37, 2003e; KATE VAN DYKE, - FIRST EDITION – A Primer of Oilwell Services, Workovwer, and Completion. Logging And Testinhg a Well, n 4 p. 45-53, 1997

8