Escola Estadual Prof.

Levindo Lambert Avaliação de Língua Portuguesa - Profª: Fábia - Nota: _____ Nome: _____________________________________________________ nº ______
Leia o texto e responda à questão. O MENINO, O BURRO E O CACHORRO Um menino foi buscar lenha na floresta com seu burrico e levou junto seu cachorro de estimação. Chegando ao meio da mata, o menino juntou um grande feixe de lenha, olhou para o burro, e exclamou: -Vou colocar uma carga de lenha de lascar nesse burro! Então, o jumento virou-se para ele e respondeu: - É claro, não é você quem vai levar! O menino, muito admirado com o fato de o burro ter falado, correu e foi direto contar tudo ao seu pai. Ao chegar em casa, quase sem fôlego, disse: - Pai, eu tava na mata, juntando lenha e, depois de preparar uma carga para trazer, eu disse que ia colocar ela na garupa do burro. Acredite se quiser, ele se virou pra mim e disse: "É claro, não é você quem vai levar!". O pai do menino olhou-o de cima para baixo e, meio desconfiado, repreendeu-o: - Você tá dando pra mentir agora? Onde já se viu tal absurdo? Animais não falam! Nesse momento, o cachorro que estava ali presente saiu em defesa do garoto e falou: - É verdade, eu também estava lá e vi tudinho! Assustado, o pobre camponês, julgando que o animal estivesse endiabrado, pegou um machado que estava encostado na parede e ergueu-o para ameaçá-lo. Foi então que aconteceu algo ainda mais curioso. O machado começou a tremer em suas mãos, e, então, virou-se para ele e disse: - O senhor tenha cuidado, pois esse cachorro pode me morder!
Fonte: O MENINO, o burro e o cachorro. In: Contos populares ilustrados. Disponível em: <http://www.sitededicas.com.br>. Acesso em: 24 jan. 2009.

Data: ____/ ____/_____.

- Não está vendo nada, meu filho? Então olha para o céu estrelado e não vê nada? - Só vejo estrelinhas. - murmurou o menino. - E acha pouco, meu filho?

Fonte: LOBATO, Monteiro. As estrelas. In: _ . Viagem ao céu. 19. ed. São Paulo: Brasiliense, 1971. Fragmento.

02. A história contada se passa (A) na varanda da casa de Dona Benta. (B) na imaginação de Emília. (C) na cozinha de Tia Anastácia. (D) no céu inventado de Pedrinho. Leia o texto e responda à questão. VOCÊ SABIA? A HISTÓRIA DA DENGUE NO BRASIL E NO MUNDO Desde o final do século 18, já eram registradas epidemias com descrição semelhante à da dengue na América do Norte e na Ásia. No entanto, o nome, que quer dizer, "câimbra súbita causada por espíritos maus", só foi utilizado pela primeira vez em 1827 durante um surto da doença no Caribe. Acredita-se que o mosquito Aedes aegypti, que também é vetor do vírus da febre amarela urbana, tenha chegado ao Brasil no período colonial. Os primeiros casos remontam a 1846. Devido às fortes dores musculares e nas articulações, por aqui a doença recebeu o nome popular de "febre quebra-ossos". Durante muito tempo, o combate aos focos do mosquito no Brasil esteve relacionado à luta contra a febre amarela que, diferentemente da dengue, possui vacina eficaz. Hoje, enquanto esta se restringe a alguns Estados, em áreas de mata, a dengue se faz presente em quase todo o território nacional, sendo que aproximadamente 50% dos casos notificados localizam-se na região sudeste. No mundo, a doença acomete mais de cem países em todos os continentes, exceto a Europa.

01. A fala "O senhor tenha cuidado, pois esse cachorro pode me morder!" foi dita pelo (A) burro. (B) pai. (C) menino. (D) machado. Leia o texto e responda à questão. AS ESTRELAS Numa das noites daquele mês de abril estava Dona Benta na sua cadeira de balanço, lá na varanda, com olhos no céu cheio de estrelas. A criançada também se reunira ali. Súbito, Narizinho, que estava em outro degrau da escada fazendo tricô, deu um berro. -Vovó, Emília está botando a língua para mim! Mas Dona Benta não ouviu. Não tirava os olhos das estrelas. Estranhando aquilo, os meninos foram se aproximando. E ficaram também a olhar para o céu, em procura do que estava prendendo a atenção da boa velha. - Que é vovó, que a senhora está vendo lá em cima? Eu não estou enxergando nada. - disse Pedrinho. Dona Benta não pôde deixar de rir-se. Pôs nele os óculos e puxou-o para o seu colo e falou:

Fonte: A HISTÓRIA da dengue no Brasil e... Nova Escola, São Paulo, n. 216, out. 2008. Você sabia?. Fragmento.

03. As seguintes indicações presentes no "18","1827"e"1846", apresentam (A) as épocas em que a dengue apareceu. (B) o número de pessoas com dengue. (C) a quantidade de vezes em que a dengue surgiu. (D) os lugares em que a dengue surgiu. Leia o texto e responda à questão. PIADINHA DE ESCOLA Professora: - Roberto, conjugue o verbo ir no presente. - EU...VOU, tu...vais, ele...vai... - Mais rápido, mais rápido! - Nós corremos, vós correis, eles correm!

texto,

Fonte: ROCHA, Ruth. Almanaque Ruth Rocha. Ilustrações Alberto Lunares et ai. São Paulo: Ática, 2005, p.105.

a criança fica com a mãe e só vê o pai de 15 em 15 dias. 2008. Fonte: GAMA. 9. O nome é complicado. O FIO DA MEADA Acabou percebendo que o tal fio só era perdido quando. E ele também. (D) "O primeiro passo é conseguir pedaços de arame". uma pequena cidade do interior de São Paulo. Uma noite. Deixe a imaginação correr. e vice-versa. na sua cidade e nas histórias de sua infância. diz Ana. tira as minhas dúvidas. pinturas e murais. em vez de só levá-lo para passear e brincar no fim de semana. 08. E muita. mas. verá um verdadeiro arco-íris! O primeiro passo é conseguir pedaços de arame. olhos bem abertos. Brasília. prepare uma solução de água e sabão. das mais variadas formas.. e a outra parte. (C) "As cores das bolhas de sabão encantam muita gente". entrega o irmão. Quando voltou. no Brasil e no exterior. Rio de Janeiro. (C) esqueceu o que ia dizer. Os irmãos Vinícius Mendonça Costa. 9 ago. [2005?] Com cortes. para aprender mais sobre pintura e desenho. se possível. "guarda compartilhada". o pai busca as crianças na escola. porque eu não amo só um deles". Depois. SESC. (B) no dia de estar com o pai. Fonte: BRASIL Ministério da Cultura." Mas Otávio prefere a casa da mãe. Nasceu em Brodósqui. mas é fácil de entender: é que o pai também pode estar mais pertinho do dia a dia do filho. menores. Paula.. 88. O MENINO DE BRODÓSQUI Desde pequeno Cândido Portinari. Paulo. Leia o texto e responda à questão. na casa do pai. E divido as coisas da minha vida com os dois. FolhadeS. Assim. (B) "Uma característica super bonita. São Paulo. conta. quando os pais se separam. Vinícius gosta do esquema:" É bom ter duas casas. Folhinha. p. encapados. 9-10. Leia o texto e responda à questão. Não demorou muito e ela exclamou: .04. me ajuda nas lições. surpresa! Quem vai buscar as crianças na escola é o pai.Droga! Perdi o fio da meada. a mãe busca as crianças na escola. BOLHAS DE SABÃO A beleza. No texto percebemos que o autor se refere diretamente ao leitor em (A) "Se você fizer bolhas perto da luz verá um verdadeiro arco-íris!". e o filho. eles se falam todos os dias. Uma lei. os formatos e as cores das bolhas de sabão encantam muita gente. Todos apreciavam muito seus desenhos: seus professores. como fica? Em geral. quando estava na França. E se fosse para ver o pai só às vezes? "Eu iria ficar com saudade. Portinari pensava no Brasil (A) de vez em quando. No trecho "Quando é dia de estar com a mãe. pegou o trem e viajou para o Rio de Janeiro./fev. (D) quis enganar o menino. Mas.. reclamava o contador do caso. Ainda não tinha 10 anos quando ajudou a pintar as estrelinhas do teto da igreja. PAI E MÃE DIVIDEM RESPONSABILIDADES COM GUARDA COMPARTILHADA Pai para um lado. 10. na sua cidade e nas histórias de sua Fonte: LAGO. "significa” que. Ele morreu e deixou mais de 4 000 obras. Skype e telefone.Viu? Agora perdi o fio da meada. que mostram os trabalhadores e os jogos infantis. (C) no dia de estar com o pai. Leia o texto para responder à questão. (C) o tempo todo.. envenenando-o. crie bolhas maiores. gravuras. jan. surpresa! Quem vai buscar as crianças na escola é o pai. também são separados. (C) a professora pedir para Roberto falar mais rápido. mãe para o outro. graças ao "kit" MSN. entre desenhos. Rinaldo.. passam parte da semana na casa da mãe. 07. n. Fragmento. Quando é dia de estar com a mãe. Folhinha. "Meu pai não pode vir para cá direto. que encanta todo mundo". . o Candinho. e vice-versa". 6 nov. Trabalho e jogo. resolveu interromper a mãe. Se você fizer bolhas perto da luz. "Ele pergunta sempre se é dia de ir à casa dela". ganhou o Prêmio de Viagem da Exposição Geral de Belas Artes e foi para a França. muita criatividade. Com 15 anos. (D) poucas vezes. O trecho "Durante o tempo que passou lá. 05. Ela mora com a mãe em Goiânia (GO) e o pai dela vive em São Paulo. Era o bastante: . que encanta todo mundo. Uma característica super bonita. são as cores que se distribuem na película de sabão. 06. Ciência Hoje das Crianças. Aos 26 anos. que as tintas lhe fizeram mal. seus colegas e até o padre da cidade. a expressão destacada significa que (A) a mãe busca as crianças todos os dias na escola. 1999. (D) Roberto entender de forma equivocada o pedido da professora. Gilberto Costa. infância. 1983. mostra uma outra forma de lidar com filhos de pais separados que alguns excasais já usam: a responsabilidade sobre o filho não tem que ser só da mãe. Os pais de Amanda Marciano Rodrigues Paulino. e Otávio. pintou uma porção de quadros. O efeito de humor do texto é provocado pelo fato de (A) Roberto não saber conjugar o verbo ir. gostava de desenhar. alguém vinha com qualquer pergunta ou assunto diferente. Fonte: BOLHAS de sabão. (B) muitas vezes. no meio de uma história ou conversa. "nos vemos todos os dias". Durante o tempo que passou lá. (B) a professora pedir para Roberto conjugar o verbo ir. que passou a valer recentemente. ano 12. assim. Pai e mãe dividem.6) significa que a mãe (A) contou uma mentira. querer saber como ele está. Mas não precisa ser assim.. não parou de pensar no Brasil. que contava uma 5 história para ele dormir. Ana Tereza Toni. DF. Paulo. Folha deS. 6. Portinari pintou tanto. a gente tem tudo em dobro e mais amigos diferentes". (B) desistiu do que ia falar. Leia o texto e responda à questão. não parou de pensar no Brasil. mas ela não fica mudando de casa. A expressão "perdi o fio da meada" (£. (D) o pai busca as crianças todos os dias na escola.

Mas que fazia ali. São Paulo: Ática. Permaneceu imóvel. VISITA Sobre a minha mesa. Mas eis que ele se estremece todo e move a boca molhada. encontrei-o. sem saber que laços de afeição e história me ligavam àquele estranho ser. Mas que fazia ali. Lembrava também do açude. “Não faça isso com o coitado!” “Coitado nada. mas notei que movia nervosamente as estranhas e minúsculas mandíbulas. 31.” Tomei-o da mão do homem e o pus de novo na pia. São Paulo: Ática. os córregos e as poças de água. notícias. molhei a mão e deixei que a água pingasse sobre a sua cabeça e suas asas. onde eles apareciam em formação de esquadrilha e pousavam na água escura. “Não faça isso com o coitado!” “Coitado nada. onde eles apareciam em formação de esquadrilha e pousavam na água escura. não tem mais jeito — pensei comigo. Depois de acomodá-lo a um canto da pia. Para gostar de ler. na redação do jornal. fui para casa sem me lembrar mais dele. Depois de acomodá-lo a um canto da pia. esse bicho deve causar doença. Mas o tempo urgia. (D) resolveu salvar o animal para analisar o funcionamento do seu corpo. A água tinha escorrido toda. A água tinha escorrido toda. 88-89 09. acomodei-o e voltei para a redação. Transferi-o para lá. (B) estranhou a presença de um inseto do mato em plena cidade. talvez pudesse salvá-lo. sobre a minha mesa. (B) escondeu-o para que ninguém o matasse. (B) estranhou a presença de um inseto do mato em plena cidade. amarrá-los com uma linha e deixá-los voar acima de nossa cabeça. textos.Leia o texto e responda às questões 09 a 14. notícias. dei-lhe água e voltei ao trabalho. O homem interessou-se pelo inseto porque (A) decidiu descansar do trabalho cansativo que realizava no jornal. mas notei que movia nervosamente as estranhas e minúsculas mandíbulas. (D) procurou por outros insetos no escritório. nosso grupo de meninos chamava esse bicho de macaquinho voador e era diversão nossa caçá-los. p. Lembrava também do açude. É. O homem ficou espantado e saiu. Lá na minha terra. Peguei-o pelas asas e levei-o até o banheiro. acomodei-o e voltei para a redação. talvez pudesse salvá-lo. textos. o homem (A) colocou-o dentro de um pote de água. (D) procurou por outros insetos no escritório. 2001. na fazenda. não tem mais jeito — pensei comigo. era preciso arranjar um meio de mantê-la ao seu alcance sem contudo afogá-lo. . fui para casa sem me lembrar mais dele. A outra pia talvez desse mais jeito. nosso grupo de meninos chamava esse bicho de macaquinho voador e era diversão nossa caçá-los. O homem ficou espantado e saiu. Lá na minha terra. Ajeitei-o. os córregos e as poças de água. Ferreira. 2001. em pleno coração da metrópole? Parecia morto. É um bicho do mato e não da cidade. sem saber que laços de afeição e história me ligavam àquele estranho ser. era preciso arranjar um meio de mantê-la ao seu alcance sem contudo afogá-lo. na fazenda. GULLAR. Ajeitei-o. É. É um inseto que parece um aeroplano de quatro asas translúcidas e gosta de sobrevoar os açudes. Leia o texto e responda às questões 09 a 14. amarrá-los com uma linha e deixá-los voar acima de nossa cabeça.” Tomei-o da mão do homem e o pus de novo na pia. Mas que diabo fazia na avenida Rio Branco esse macaquinho voador? Teria ele voado do Coroatá até aqui. Ao encontrar um inseto quase morto em sua mesa. 31. numa tarde quente de verão. GULLAR. Mas que diabo fazia na avenida Rio Branco esse macaquinho voador? Teria ele voado do Coroatá até aqui. (D) resolveu salvar o animal para analisar o funcionamento do seu corpo. p. telefonemas. (C) pingou água sobre sua cabeça. só para me encontrar? Seria ele uma estranha mensagem da natureza a este desertor? Voltei ao banheiro e em tempo de evitar que o servente o matasse. encontrei-o. 10. na redação do jornal. em pleno coração da metrópole? Parecia morto. (C) pingou água sobre sua cabeça. o homem (A) colocou-o dentro de um pote de água. Transferi-o para lá. A outra pia talvez desse mais jeito. sobre a minha mesa. Peguei-o pelas asas e levei-o até o banheiro. numa tarde quente de verão. Para gostar de ler. Mas a memória tomara outro rumo. Mas o tempo urgia. 88-89 09. dei-lhe água e voltei ao trabalho. (B) escondeu-o para que ninguém o matasse. (C) percebeu que ele estava fraco e doente por falta de água. VISITA Sobre a minha mesa. O homem interessou-se pelo inseto porque (A) decidiu descansar do trabalho cansativo que realizava no jornal. É um bicho do mato e não da cidade. só para me encontrar? Seria ele uma estranha mensagem da natureza a este desertor? Voltei ao banheiro e em tempo de evitar que o servente o matasse. É um inseto que parece um aeroplano de quatro asas translúcidas e gosta de sobrevoar os açudes. Ao encontrar um inseto quase morto em sua mesa. Ferreira. O menino e o arco-íris e outras crônicas. Estava morrendo de sede. molhei a mão e deixei que a água pingasse sobre a sua cabeça e suas asas. Estava morrendo de sede. O menino e o arco-íris e outras crônicas. (C) percebeu que ele estava fraco e doente por falta de água. 10. Mas a memória tomara outro rumo. Permaneceu imóvel. telefonemas. Mas eis que ele se estremece todo e move a boca molhada. esse bicho deve causar doença.

A mudança na rotina do homem deveu-se (A) à chegada do inseto na redação do jornal. (B) a saudade dos amigos de infância. 14. (C) à monotonia do trabalho no escritório.11. 14. (B) lembranças da infância. (D) a preocupação com a proteção aos animais Gabarito 01 A B C D 02 A B C D 03 A B C D 04 A B C D 05 A B C D 06 A B C D 07 A B C D 08 A B C D 09 A B C D 10 A B C D 11 A B C D 12 A B C D 13 A B C D 14 A B C V . a palavra sublinhada sugere sentimento de (A) maldade (B) afeição (C) desprezo (D) esperança 13. (B) a saudade dos amigos de infância. Com base na leitura do texto. 12. (D) à transferência de local onde estava o inseto. (D) a preocupação com a proteção aos animais Gabarito 01 A B C D 02 A B C D 03 A B C D 04 A B C D 05 A B C D 06 A B C D 07 A B C D 08 A B C D 09 A B C D 10 A B C D 11 A B C D 12 A B C D 13 A B C D 14 A B C V 11. (C) à monotonia do trabalho no escritório. (C) a vida agitada da grande cidade. (B) ao intenso calor daquela tarde de verão. (C) medo de pegar uma doença D) sensação de espanto. pode-se concluir que a questão central é (A) a presença inesperada de um inseto do mato na cidade. a palavra sublinhada sugere sentimento de (A) maldade (B) afeição (C) desprezo (D) esperança 13. pode-se concluir que a questão central é (A) a presença inesperada de um inseto do mato na cidade. Em “Não faça isso com o coitado!”. (C) a vida agitada da grande cidade. A presença do inseto na redação do jornal provocou no homem (A) curiosidade científica. (B) lembranças da infância. (B) ao intenso calor daquela tarde de verão. A mudança na rotina do homem deveu-se (A) à chegada do inseto na redação do jornal. 12. (D) à transferência de local onde estava o inseto. Em “Não faça isso com o coitado!”. Com base na leitura do texto. A presença do inseto na redação do jornal provocou no homem (A) curiosidade científica. (C) medo de pegar uma doença D) sensação de espanto.