You are on page 1of 10

IBP1192_12 SUBSTITUIÇÃO DE PARAFUSOS DE VÁLVULAS TRUNNION EM REGIME DE OPERAÇÃO 1 Charles de Souza Netto , Rogério André Zolin dos Santos

2, Diego Arnhold3 , Rodrigo das Neves Jacques4

Copyright 2012, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação na Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012, realizado no período de 17 a 20 de setembro de 2012, no Rio de Janeiro. Este Trabalho Técnico foi selecionado para apresentação pelo Comitê Técnico do evento, seguindo as informações contidas no trabalho completo submetido pelo(s) autor(es). Os organizadores não irão traduzir ou corrigir os textos recebidos. O material conforme, apresentado, não necessariamente reflete as opiniões do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Sócios e Representantes. É de conhecimento e aprovação do(s) autor(es) que este Trabalho Técnico seja publicado nos Anais da Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012.

Resumo
O trabalho apresenta o processo criado para substituição e extração de parafusos de mancal de válvulas tipo Trunnion, em regime de operação. O método foi desenvolvido na Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – SULGÁS, com o objetivo de evitar situações emergenciais de falhas e ou rompimento abrupto dos parafusos de fixação da tampa do mancal inferior das válvulas tipo Trunnion. Trata-se de um processo preventivo de substituição destes parafusos, que após grande período de utilização em ambientes com alto potencial de oxidação apresentaram falhas estruturais. O rompimento destes componentes gera o vazamento pela tampa inferior das válvulas, fato que pretende-se evitar com a aplicação do procedimento técnico deste trabalho, garantindo a integridade das válvulas que são componentes vitais para operação contínua dos gasodutos.

Abstract
The report shows the process created for the substitution and extraction of bearing screws of the Trunnion valves, in operation. The methodology was developed at the "Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – SULGÁS", with the objective of avoiding failure emergency situations, and or sudden breaking of the screws of fixation of the lid of the inferior bearing of the Trunnion valves. it is a preventive process of substitution of these screws, that after a great period of use in atmospheres with high potential of oxidation present structural failure. The breaking of these components creates a leaking process by the inferior lid of the valves, fact that is intended to be avoided with the application of the technical procedure of this report, guaranteeing the integrity of the valves that are vital components for the continuous operation of the gas pipe line.

______________________________ 1 MBA, Engenheiro de Polímeros – COMPANHIA DE GÁS DO ESTADO DO RS - SULGÁS 2 Técnico em Mecânica – COMPANHIA DE GÁS DO ESTADO DO RS - SULGÁS 3 Técnico em Eletrotécnica – COMPANHIA DE GÁS DO ESTADO DO RS - SULGÁS 4 Técnico em Mecânica – GUIDOTTI E VIEIRA MANUT. INDUSTRIAL

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Introdução
Com as demandas crescentes de segurança e também de continuidade operacional, as empresas necessitam de soluções que mantenham a máxima disponibilidade de seus produtos e insumos. No que se refere ao gás natural, há o componente crítico de que esta energia como característica de intrínseca de fornecimento, propõem-se a apresentar disponibilidade contínua nos processos operativos de seus clientes. O grande desafio encontrado é aliar a garantia de segurança das instalações e pessoas com esta disponibilidade contínua de gás natural através de seus sistemas de transporte e entrega. O gasoduto e as estações de regulagem necessitam de um Plano de Inspeção e Manutenção específicos para o atendimento destas necessidades, e cada vez mais as intervenções precisam ser planejadas evitando a parada de fornecimento, aplicando-se tecnologia e conhecimento técnico. Neste trabalho, teremos um exemplo de intervenção em válvulas esfera tipo “Trunnion” presentes na rede de distribuição de gás natural no Estado do Rio Grande do Sul. A atividade foi planejada com a técnica necessária para troca de componentes mantendo o fluxo de gás natural contínuo durante a realização dos procedimentos de manutenção, com base em medidas mitigatórias de riscos e aplicação de ferramentas específicas.

2

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

1. Fato Gerador – Problema Técnico
A situação inicial de rompimento de parafuso do tampo inferior das válvulas ocorreu em um fim de semana, onde a Sulgás recebeu um chamado através de seu telefone (0800), informando um vazamento de gás natural de caráter audível. A equipe de sobreaviso realizou o reconhecimento e constatou que o problema estava na válvula do gasoduto, localizada em uma caixa de válvulas. Como a pressão de trabalho do gasoduto da Companhia é de 15,0 kgf/cm², foi necessária a parada de um trecho de gasoduto de aproximadamente 45 km, fato que afetou sete clientes e impediu o transporte de aproximadamente 30.000 m³ de gás natural durante a realização dos trabalhos de manutenção e troca de parafusos. Constatou-se que a fragilização dos parafusos estava presente em praticamente todas as válvulas de modelo Trunnion existentes na rede de distribuição de gás natural no Rio Grande do Sul, e seria necessária uma ação global antes de novos incidentes.

1.1 Válvulas Trunnion As válvulas esfera tipo Trunnion normalmente estão instaladas no gasoduto de transporte de gás natural, sendo responsáveis por bloqueios estratégicos entre grandes trechos de distribuição, ficam alojadas em caixas de válvulas, via de regra, perto de acessos a rodovias. Possuem duplo bloqueio, drenos, dupla vedação na junção corpo/tampa, eixo Trunnion, haste e esfera mancalizados.

Figura 1. Válvula Trunnion em instalação típica no gasoduto

1.2 Análise Estrutural dos Parafusos Rompidos Para entendimento do que estava gerando a fragilização dos parafusos e qual o estado da microestrutura metálica no momento do rompimento dos mesmos, foi realizado um estudo da metalurgia física, em laboratório contratado. O relatório de ensaio foi realizado pela Lamef – Laboratório de Metalurgia Física, na Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), na data de 07 de Abril de 2011. As amostras enviadas representavam o universo dos primeiros parafusos rompidos que foram extraídos de válvulas Trunnion presentes em caixas de inspeção e controle do gasoduto.

3

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 2. Amostras de parafusos rompidos retirados de válvulas Trunnion do gasoduto Os parafusos que foram enviados romperam normalmente perto da cabeça, com configuração semelhante nos diversos casos. A intenção era saber o que realmente provocava a fragilização, em relação as condições do meio ambiente a que os parafusos estavam expostos, e também como o material dos parafusos estava constituído e reagindo ao longo do tempo. Segundo o relatório Lamef Protocolo 255/10, foi observada a presença de diversas trincas partindo da raiz da rosca, bem como, uma forte corrosão na superfície da rosca e cabeça dos parafusos. A seguir podemos observar a fotografia digital em Lupa de Baixo Aumento com superfície preparada.

Figura 3. Macrografia de parafuso fraturado A seguir temos a análise em Microscópio Eletrônico de Varredura (MVE), que deixa explícita a fragilização intergranular.

4

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 4. Micrografia (MVE) mostrando trinca saindo raiz da rosca do parafuso com aspecto intergranular Também foi realizada uma microanálise estrutural, através de Microscopia Ótica (MO), que destacou a predominância de martensita revenida. E de forma complementar, mas de fundamental importância uma análise de dureza das amostras, com resultado médio de 42,4 HRC.

1.3 Resultado da Análise As conclusões de análises laboratoriais foram importantíssimas para que fosse viável a criação de um Plano de Ação. Os principais fatores que atuaram para rompimento dos parafusos foram: - O material dos parafusos apresentou grande fragilidade intergranular. - Existiam nas amostras severos ataques corrosivos devido a imersão intermitente na água presente no interior das caixas. - Presença de Hidrogênio por existência de “Superproteção Catódica” pode ter atuado no material levando a fratura frágil. O trincamento por hidrogênio foi agravado pela alta dureza do material dos parafusos. A dureza média de 42,4 HRC é muito superior a dureza recomendada de 32 HRC pela Norma Petrobras para casos onde há presença de proteção catódica. As amostras destes parafusos Allen que romperam em serviço tinham características de material constituinte conforme Norma ASTM A 574. Apresentando equivalência com a norma DIN ISO 898-1, na classe de resistência 12.9. A análise química em espectrômetro de emissão óptica no laboratório revelou a composição química média conforme tabela a seguir:

5

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 5. Composição química dos parafusos rompidos Como este material apresentou dureza elevada, não recomendada para esta aplicação, o material escolhido para constituição dos novos parafusos foi DIN ISO 898-1, classe de resistência 8.8, com dureza na faixa de 22 a 32 HRC. Este material possui menor teor de carbono, garantindo menor dureza e menos fragilidade. A recomendação foi a substituição de todos os parafusos instalados nas tampas inferiores de válvulas trunnion localizadas em caixas de inspeção. Além, de eliminar as condições de submersão e trabalho a seco de forma alternada.

2. Solução de Engenharia de Manutenção
2.1 Procedimento e Planejamento Técnico A equipe de manutenção da Sulgás atuou no planejamento para troca em campo de todos os parafusos presentes nas válvulas Trunnion existentes em campo, seriam centenas de válvulas, então primeiramente foram realizados os trabalhos abaixo: - Elaboração de procedimento técnico para substituição de parafusos em espaço confinado (caixas de válvulas) seguindo requisitos da NR-33, considerando riscos do gasoduto em operação. - Obtenção de especificação de lubrificação, torque e revestimento a serem utilizados na instalação dos novos parafusos, junto ao corpo técnico do fabricante das válvulas. - Obtenção de parafusos certificados, com dureza máxima de 32 HRC. - Obtenção de ferramentas adequadas ao ambiente confinado ( furadeira pneumática e sensor de presença de gases).

2.2 Manutenção em Campo Como o sistema de distribuição de gás natural é geralmente dentro de cidades, as válvulas são enterradas em caixas de passagem fechadas, com ventilação restrita e difícil acesso, portanto os ambientes são caracterizados como espaços confinados. Foram realizadas substituições e extrações de parafusos na iminência de quebra em aproximadamente 500 válvulas de diversos tamanhos. Para realização destas manutenções corretivas e preventivas foi necessário o atendimento da norma NR-33 (espaço confinado), além de outras normas técnicas Petrobras. Foram utilizadas ferramentas especiais para realização das tarefas. Na prática, todos os parafusos estavam fragilizados e poderiam romper a qualquer momento se exercida alguma força extra sobre eles, como podemos ver abaixo, em uma válvula instalada e com corrosão avançada nos fixadores da tampa.

6

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 6. Tampo inferior fotografado junto ao piso da caixa mostrando parafusos comprometidos Como sabíamos da precária situação de resistência mecânica de cada parafuso que estava instalado, foi necessário realizar escoramento da tampa inferior da válvula Trunnion antes do início da remoção. Pois uma força exercida no momento da manutenção poderia acarretar a fratura frágil de alguns parafusos, que na sua maioria já estavam com perda de massa e baixa tenacidade.

Figura 7. Suporte de escoramento provisório no momento da manutenção Este suporte foi desenvolvido de forma semelhante a um macaco hidráulico, porém o funcionamento é com rosca-sem fim, sem óleo, evitando possíveis vazamentos e a consequente perda de pressão no escoramento do tampo inferior da válvula pressurizada com gás natural. Depois de fixada a tampa do mancal da válvula Trunnion com o suporte, iniciava-se a remoção dos parafusos. Neste momento era verificado se o parafuso teria resistência para ser rosqueado normalmente. Se a “cabeça” do parafuso suportasse a retirada, em seguida era colocado o parafuso novo com a lubrificação e torque recomendado pelo fabricante da válvula. Quando algum dos parafusos quebrava no momento da 7

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 tentativa de remoção com a chave, iniciava-se a remoção com uma furadeira pneumática e brocas especiais temperadas, devido à dureza do material do parafuso.

Figura 8 . Utilização de Furadeira Pneumática para remoção de parafusos No parafuso quebrado a ser extraído, executava-se um furo passante, em seguida era inserido o lubrificante que penetrava por trás da rosca para facilitar o processo de movimentação. Após alguns minutos, utilizava-se a ferramenta “extrator de prisioneiro” que possibilitava desrosquear o parafuso quebrado.

Figura 9. Trabalho de remoção de parafusos quebrados com “extrator de prisioneiros” Em poucos casos não foi possível a extração com extrator de prisioneiro, assim o parafuso quebrado na carcaça da válvula era furado com diâmetro interno de acordo com o diâmetro do novo parafuso para recuperação da rosca existente no corpo. Desta forma, todos os casos foram resolvidos, executando-se a troca integral dos parafusos dos tampos inferiores, mantendo-se a integridade de vedação e operação contínua do gasoduto. 8

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 10. Tampa inferior de válvula do gasoduto com todos parafusos substituídos

9

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Conclusão
Buscando a garantia de funcionamento da rede de distribuição de gás natural no Estado do Rio Grande do Sul foram realizadas trocas de fixação das tampas inferiores em operação mais de 500 válvulas tipo Trunnion que estavam com seus parafusos comprometidos por oxidação e baixa resistência mecânica. O trabalho possibilitou a realização da manutenção mantendo a operação do gasoduto e garantindo os 15 Kgf/cm² de pressão em todos clientes consumidores. A empresa obteve um ganho em segurança para continuidade de funcionamento destas válvulas, ganho econômico com a execução do serviço em operação e obtenção de um “know how” na execução técnica de trocas destes componentes mecânicos. Esperamos que este trabalho de mais de seis meses, em mais 500 válvulas, possa servir como “case” de sucesso para outras Companhias do Brasil que trabalham com o mesmo tipo de válvula e necessitem de uma solução eficiente de manutenção.

Agradecimentos
Agradecemos a Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – Sulgás pelo incentivo a realização deste trabalho técnico e a todos colegas envolvidos nas atividades práticas de execução em campo. Em especial agradecemos a Diretoria Técnica e Gerência de Logística de Operações, contribuintes diretos para o sucesso desta apresentação. Agradecemos também ao comitê de avaliação da “Rio Oil and Gas Expo and Conference 2012” pela receptividade ao conteúdo deste trabalho e oportunidade de participação neste relevante evento do cenário técnico no Brasil.

Referências
FREIRE, JOSÉ LUIZ DE FRANÇA, Engenharia de Dutos. Rio de Janeiro, 1ª edição, Ed. ABCM, 528p, 2009. BEGA, EGÍDIO ALBERTO, Instrumentação Industrial. Rio de Janeiro, 2ª edição , Ed. Interciência, IBP,588p, 2006.

10