IBP1216_12 ANÁLISE DE TOTALIZADORES DE VOLUME EM OLEODUTOS OPERADOS PELO CENTRO NACIONAL DE CONTROLE E OPERAÇÃO DA TRANSPETRO Thiago L.

Aramaki1, António Filipe F. Montalvão2, Thais C. Marques3

Copyright 2012, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação na Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012, realizado no período de 17 a 20 de setembro de 2012, no Rio de Janeiro. Este Trabalho Técnico foi selecionado para apresentação pelo Comitê Técnico do evento, seguindo as informações contidas no trabalho completo submetido pelo(s) autor(es). Os organizadores não irão traduzir ou corrigir os textos recebidos. O material conforme, apresentado, não necessariamente reflete as opiniões do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Sócios e Representantes. É de conhecimento e aprovação do(s) autor(es) que este Trabalho Técnico seja publicado nos Anais da Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012.

Resumo
Este trabalho tem como propósito apresentar os resultados e a metodologia desenvolvida na análise de divergências em totalizadores de volume utilizados em sistemas de rastreamento de bateladas e detecção de vazamento de oleodutos operados pelo Centro Nacional de Controle Operacional (CNCO) da Transpetro. Visando otimizar a análise das divergências foi desenvolvido um software de aquisição e processamento de dados históricos empregando a metodologia desenvolvida. A metodologia elaborada leva em consideração as peculiaridades encontradas nos sistemas operados pela Transpetro, mais especificamente, pelo CNCO.

Abstract
This paper aims to present the results and methodology in the analysis of differences in volume totals used in systems such as batch tracking and leak detection of pipelines operated by the National Center for Operational Control (CNCO) at Transpetro. In order to optimize this type of analysis, software was developed to acquisition and processing of historical data using the methodology developed. The methodology developed takes into account the particularities encountered in systems operated by Transpetro, more specifically, by CNCO.

1. Introdução
O CNCO fará 10 anos em 2013 e opera aproximadamente 100 trechos de oleodutos. Dentro da instrumentação necessária, tem-se a utilização de mais de 500 totalizadores, com igual número de medidores de vazão associados. Normalmente, a manutenção nestes instrumentos ocorre somente de forma corretiva. A análise dos dados oriundos dos mesmos somente é realizada mediante solicitação da operação em virtude de divergência de valores discrepante destes instrumentos quando utilizados para detecção de vazamento, balanço de massa, ou quando o sistema de rastreamento de batelada começa a apresentar erros significativos na estimativa da previsão de chegada do produto em seu destino. Em virtude dessa enorme quantidade de instrumentos e da necessidade periódica de verificação dos mesmos, procurou-se uma forma de otimizar estas análises através do desenvolvimento de uma metodologia e de um software específico para este fim. Para um melhor entendimento deste trabalho foram apresentados inicialmente conceitos referentes à aplicação e funcionamento de totalizadores utilizados nos oleodutos operados pelo CNCO. Foram também apresentados fundamentos de integração numérica cuja aplicação fez parte da solução desenvolvida. Na seção seguinte foi apresentado o software desenvolvido e dois estudos de casos onde a metodologia foi aplicada a dutos operados pelo CNCO. Ao final apresentaram-se as conclusões e recomendações sobre a utilização desta metodologia no cotidiano da engenharia de operações do CNCO. 1.1. Totalizadores

______________________________ 1 Especialista, Engenheiro de Automação - Transpetro 2 Doutor, Engenheiro Mecânico - Transpetro 3 Estudante de Engenharia Mecânica, Estagiária - UERJ

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 Totalizadores de volume são utilizados pelo sistema supervisório do CNCO, OaSys, pelo sistema de rastreamento de bateladas LMS, “Liquid Managment System”, e pelo sistema de detecção de vazamento PLM, “Pipeline Monitor”. Os sistemas LMS e PLM são integrados ao supervisário OaSys. O funcionamento adequado destes sistemas depende essencialmente da totalização de volume. Existem dois tipos de tags para totalizadores utilizados: rate.XXX_FQI-XXX.acccur e rate.XXX_FQIXXX.intg.shift.current. O primeiro, com extensão acccur, é um totalizador que não pode ser inicializado pelo técnico de operação. Ele inicializa, com valor zero, somente quando seu valor atingir o valor máximo definido pela sua propriedade Rollover. O outro tag com extensão intg.shift.current, pode ser inicializado pelo técnico de operação a qualquer momento e normalmente utilizado quando o mesmo deseja monitorar uma determinada quantidade de volume. O ajuste deste segundo tag não afeta o primeiro. Os sistemas LMS e PLM utilizam o totalizador do primeiro tag. A origem dos dados fornecidos pelos totalizadores pode ocorrer de duas maneiras: i) dados de volume oriundos das áreas, através de pulsos enviados pelo CP local; ii) dados de volume integrados pelo OASYS diretamente da vazão analógica. Esta informação é importante, pois permite verificar, na existência de alguma divergência, se a divergência é interna, ou seja, no sistema SCADA do CNCO, ou se a divergência é oriunda do campo, sites onde os totalizadores estão instalados. Importante salientar que cada tag possui parâmetros de configuração que são realizados pela equipe SCADA, dentro do próprio sistema supervisório OaSys. Muitas vezes é preciso fazer uma conversão de valores entre os dados oriundos do campo, do CP, para valores compreendidos pelo OASYS para que o mesmo possa representar de forma correta a medição fornecida pelo instrumento. A forma como os dados são recebidos pelo CNCO é importante para entender o desenvolvimento deste trabalho. Os dados no campo podem ser configurados com uma banda morta local, porém na grande maioria dos casos não são. Após passar pelo CP local, os dados enviados ao CNCO são transmitidos por exceção, ou seja, somente os valores que ultrapassarem a banda morta serão enviados. Caso estes valores não ultrapassem a banda morta dentro de uma hora, os dados são enviados assim mesmo, como uma forma de verificar se há algum problema na transmissão dos dados. 2.2. Integração Numérica A integração numérica pode ser compreendida intuitivamente como a área sob a curva que se deseja saber, que pode ser definida como a integral da função desejada em um intervalo definido conforme Erro! Fonte de referência não encontrada..

Figura 1. Definição de integral como área sob a curva [SANCHEZ e CANTON] A integração de uma curva definida em um intervalo pode ser compreendida como o somatório de áreas individuais dessa mesma curva, conforme pode ser observado através da Figura 2.. O intervalo entre a e b foi dividido em áreas menores compreendidas pelos intervalos entre x1 e x2, x2 e x3, x3 e x4, e entre x4 e x5. Este método de integração calcula a área de cada trapézio formado pelos intervalos citados afim de que ao final, as áreas dos trapézios somadas sejam equivalentes a área sob a curva desejada, conforme Figura 3..

2

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 2. Área sob a curva [SANCHEZ e CANTON]

Figura 3. Aproximação trapezoidal de uma integral [SANCHEZ e CANTON]

Através da Figura 3., pode-se observar que quanto menor os trapézios menores os erros, assim como quando o intervalo se aproxima de uma reta, menor o erro. A área do trapézio pode então ser calculada através da equação (1). No exemplo da

A=

b ⋅ (h1 + h2 ) 2 ( x2 − x1 ) ⋅ ( y1 + y 2 ) 2

(1)

A=

(2)

Se os pontos forem igualmente espaçados a equação (2) resume-se a equação (3). No entanto, se os pontos não forem igualmente espaçados a equação mais genérica pode ser vista na equação (4), aonde N é o número de pontos.


a

b

N b  f ( x) ⋅ dx ≈  y1 + 2∑ y K + y N +1  2 k =2 

(3)


a

b

f ( x) ⋅ dx ≈ ∑

( x K − xk +1 )( y k + y k +1 ) 2 k =1
N

(4) 3

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 4. Método da integral através da regra do trapézio [SANCHEZ e CANTON] O método de integração pela regra do trapézio possui vantagens e desvantagens. A vantagem é que o seu algoritmo para implantação é muito simples e não precisa que os pontos da abscissa sejam equidistantes. A desvantagem pode ser observada na Figura . A região mais escura mostra o erro entre a área do trapézio e a área sob a curva. O método de Simpson vem suprir esta deficiência, pois realiza a integral de uma parábola gerada através de três pontos da curva. No entanto, apesar do resultado mais preciso, existem algumas limitações deste método, a saber: os valores da abscissa devem ser igualmente espaçados, não pode haver menos de três pontos, visto que a parábola é formada por três pontos e o número de pontos deve ser ímpar, ou um método para descartar um ponto início ou no final deve ser implantado caso seja par.

Figura 5. Erro inerente ao processo de integração pelo método do trapézio [SANCHEZ e CANTON]

Figura 6. Regra de Simpson [SANCHEZ e CANTON] 4

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

A curva do exemplo, ilustrada pela Figura , mostra como é realizado este método. A área em cinza mostra o elemento geométrico mínimo que é um arco formado por três pontos, cuja forma pode ser observada na equação (5).

y = ax 2 + bx + c

(5)

Sendo o valo de x constante e substituindo-o por h, tem-se que a integral desta equação de x1 a x3 resulta na equação (6) que equivale a área em cinza mostrada na Figura .

2ah 3 A1 = + 2ch 3

(6)

Utilizando valores conhecidos para determinar os coeficientes a, b e c, partindo do referencial x2, na equação (5), tais como y(-h), y(0) e y(h), determina-se os coeficientes e a equação (6), transforma-se na equação (7).

A1 =

h ( y1 + 4 ⋅ y 2 + y 3 ) 3

(7)

Fazendo o mesmo procedimento para as outras subáreas, pode-se generalizar a equação (7) transformando-a na equação (8).
x N −1

f ( x)dx ≈

x1

N N −1  h  y1 + 4∑ y j + 2∑ y k + y N +1   3 j k  

(8)

3. Metodologia
Existe um programa desenvolvido internamente, chamada CNCO_DADOS que faz aquisição de dados de variáveis de processo historiadas do sistema SCADA que são disponibilizados através de um sistema denominado, SAG, que significa sistema autonômico de gerenciamento de dados, que provê informações da rede de automação para a rede corporativa. Este sistema é acessado pelo programa CNCO_DADOS, conforme é mostrado na figura 7.

Figura 7. Arquitetura do sistema SCADA 5

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Foi desenvolvida então uma funcionalidade dentro deste programa CNCO_DADOS para integração numérica da vazão. Dentre os diversos métodos existentes para realizar integração numérica foram implementados dois métodos: integração pelo método dos trapézios e integração pelo método de Simpson. O objetivo da implementação destes dois métodos foi verificar qual seria o mais adequado em termos de precisão, tendo em vista a forma como os dados são aquisitados para o CNCO. Assim desta forma a saída do programa mostra o resultado da integração pelos dois métodos, como é mostrado, por exemplo, na figura 11. Primeiramente, devem-se conhecer os tags de medição de vazão e dos totalizadores envolvidos na análise que no caso de oleodutos são medidores que se encontram nos scrapers e sangrias (retiradas de produtos da linha tronco para terminais operados pela Transpetro.) Em seguida, deve-se verificar a banda morta de cada variável e a origem dos dados conforme mencionado em seções anteriores deste trabalho. A banda morta de histórico pode ser visualizada através do programa CNCO_DADOS. A banda morta de campo, caso exista, deve ser verificada junto a operação de campo. Existe uma função dentro do CNCO_DADOS que possibilita a visualização das propriedades configuradas no OASYS para o instrumento analisado, que informa dentre outras propriedades, o tipo de coleta de dados e o valor configurado. De acordo com a figura 8 é possível observar que para o instrumento analisado a coleta é por amostragem de dois em dois minutos. A figura 9 mostra um caso de instrumento em que a coleta é por exceção através da configuração de uma banda morta. Outro detalhe, a saber, é a origem dos dados, ou seja, se os dados de volume totalizado são oriundos de integração numérica do supervisório ou se são oriundos de pulsos da área. Esta informação pode ser obtida através deste mesmo programa. O próximo passo é capturar as variáveis em um mesmo período de tal forma que a amostra coleta seja representativa para a análise. Deve-se observar sempre a vazão do duto para verificar se o mesmo encontra-se em regime permanente e não esteja parado afim de que o sinal de vazão fique mais estabilizado, a figura 10 mostra os dois sinais: totalizador e vazão em uma mesma janela do programa CNCO_DADOS. Observe que neste exemplo, existe um período em que a vazão é zero, o duto está parado.

Figura 8. Dados de coleta de um totalizador.

Figura 9. Dados de coleta de um medidor de vazão. Após capturar as variáveis, é preciso interpolar a variável de vazão para intervalos de minuto a minuto. O programa CNCO_DADOS possui esta funcionalidade. Em seguida escolhe-se o período de análise respeitando a seguinte premissa: a data inicial e a final devem possuir horas “cheias”. Isso se deve ao fato mencionado na primeira seção sobre o recebimento das variáveis por exceção. Após a seleção do período a ser analisado devem-se anotar os valores informados pelo totalizador nos pontos final e inicial e subtraí-los para que o volume transportado no período escolhido seja conhecido. Em seguida, deve-se clicar com o botão esquerdo do mouse na data inicial do período no gráfico de vazão e depois clicar com o botão direito do mouse na data final do período para que o programa possa calcular o volume compreendido através da integração numérica da vazão entre esses dois pontos. Após o procedimento acima, os valores integrados são mostrados utilizando os dois métodos: Trapézio e Simpson, conforme pode ser observado na figura 11. Comparam-se então os valores obtidos através do totalizador e através da integração numérica do medidor de vazão. Se a diferença for muito grande entre os dois isso pode ser um indicativo de problemas de configuração do medidor no campo, ou configurações do medidor no supervisório.

4. Estudo de caso
Inicialmente, foi escolhido um oleoduto que serviu para ratificar a metodologia desenvolvida neste trabalho. O oleoduto escolhido foi o RC08. O critério utilizado foi o fato de que este oleoduto apresentava uma previsão no LMS bastante confiável, sugerindo que o totalizador estivesse operando dentro de uma faixa de erro aceitável. O segundo estudo de caso foi o oleoduto OSDUC I, pois o mesmo apresentava problema que acarretava um funcionamento inadequado dos sistemas auxiliares de rastreamento de batelada e detecção de vazamento. 6

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 O período analisado foi o compreendido entre 06/09/2011 09h00min a 10/09/2011 11h00min. Uma observação importante a ser considerada na escolha do período analisado é que o mesmo deve ser entre “horas cheias”, visto que a transmissão de dados dos instrumentos de vazão está configurada por exceção e nesse modo, conforme mencionado anteriormente, o valor é sempre transmitido de hora em hora. 4.1. Estudo de caso RC08 A figura 10 mostra os valores de vazão do analog.REC_FT-RC08.curval, juntamente com o totalizador de volume, rate.REC_FQI-RC08.acccur. Dentro do período pesquisado, escolheu-se o período que compreendido entre 06/09/2011 11h00min e 7/9/2011 23h00min para efeito de comparação dos volumes, computado pelo totalizador e o integrado da vazão através do programa CNCO_DADOS. O resultado obtido pelo programa foi o seguinte: O totalizador computava neste período, 9823 m³. A saída gerada pelo programa pode ser vista na 11.

Figura 10. Totalizador e medidor de vazão do RC08, instalado na RECAP

Figura 11. Saída do programa CNCO_DADOS Uma observação importante é de que o método de Simpson foi aplicado em um sinal de vazão transmitido por exceção, ou seja, os pontos não estão eqüidistantes na abscissa, não satisfazendo, portanto uma das premissas citadas anteriormente. Os dados fornecidos pelo FQI não apresentavam casas decimais, o que poderia ser uma das razões para a divergência entre o valor computado através do método dos trapézios e o fornecido pelo totalizador. Um novo cálculo de área foi realizado desta vez com o sinal de vazão interpolado linearmente de minuto a minuto. Agora os dados da abscissa estão espaçados igualmente (minuto a minuto), o que satisfaz o critério para a utilização do método de Simpson. Os resultados de ambos os métodos estão próximos, ver figura 12. A interpolação linear não foi de primeira ordem, na realidade, os sinais foram interpolados de minuto a minuto, porém da mesma forma que o OASYS realiza em termos de interpolação, ou seja, se o valor estiver dentro da banda morta, repeti-lo. A análise do outro medidor pode ser vista na figura 13. O totalizador forneceu volume igual a 10440 m³, enquanto que o volume indicado pelo programa foi de 9735,22 m³.

7

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 12. Saída do programa CNCO_DADOS com vazão interpolada

Figura 13. Totalizador e medidor de vazão do RC08, instalado em São Caetano No caso do totalizador, SCS_FQI_RC08, a divergência entre o valor fornecido pelo mesmo e o calculado pelo programa apresentaram uma divergência grande, cerca de 6,75%. Enquanto que a diferença entre o calculado e o fornecido pelo totalizador de entrada, REC_DQI_RC08 foi de 0,28%. Ambos os totalizadores são integrados pelo OASYS e seus respectivos sinais de vazão possuem uma banda morta configurada de 5 m³. 4.1. Estudo de caso OSDUC I A análise realizada no OSDUC I, neste primeiro momento, foi realizada no período compreendido entre 10/09/2011 12h00min até 11/09/2011 00h00min. O totalizador, CEL_FQI-0168, forneceu o volume de 41242 m³. O cálculo realizado pelo programa pode ser visto na figura 14, assim como pode ser observado na figura 15, os sinais do totalizador e do medidor de vazão associado. Uma diferença de 27,7% foi encontrada. Conforme pode ser observado à diferença é bastante acentuada. Em seguida será analisado o totalizador, CAB_FQI-003, no mesmo horário que o totalizador de campos Elíseos, mostrado anteriormente. O programa informou um volume de 29467,48 m³ neste período.

Figura 14. Saída do programa CNCO_DADOS

8

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 15. Totalizador e medidor de vazão do OSDUC I, instalado em Campos Elíseos

Figura 16. Totalizador e medidor de vazão de Cabiunas Em seguida, o totalizador de Cabiúnas, figura 16, indicou o volume de 33546,44 m³. Uma diferença de 12%. Após conversar com a equipe do SCADA, verificou-se que existia um problema de configuração do totalizador, CAB_FQI-003, no OASYS. A correção foi realizada por volta das 11h45min do dia 13/9/2011. Após esse ajuste um novo período que vai de 13/09/2011 12h00min até 13/09/2011 15h00min foi analisado. Nesse período, figura 17, o totalizador fornece um volume de 7603,99 m³, enquanto pela vazão o volume indicado é de 7584,03 m³. Uma diferença de 0,26%. Apenas para conhecimento, a banda morta configurada para o totalizador CAB_FQI-003 é de 50 m³, enquanto que para o CEL_FQI-0168 é de 20 m³.

9

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 17. Totalizador de Cabiúnas após ajuste do SCADA

5. Conclusões
O bom funcionamento do LMS depende da qualidade de medição de volume na entrada do oleoduto. No caso do RC08 o totalizador de entrada está operando corretamente. Assim as previsões de chegada de interface nas estações foram bastante precisas. A configuração do totalizador é muito importante, principalmente, quando o mesmo é calculado pelo OaSys. Existem diversos parâmetros de configuração que precisam estar corretamente configurados para o bom funcionamento do mesmo. A banda morta de histórico deve ser configurada de forma a não induzir o sistema a um erro de medição. Bandas mortas de valor elevado induzem a erros na análise de medição, por outro lado, bandas mortas de valor baixo aumentam o uso de espaço na base de dados. Ressalta-se que em relação à detecção de vazamento ambos os totalizadores devem estar operando corretamente, ou que pelo menos o erro apresentado seja sistemático para que possa ser corrigido através de recursos próprios de correção do PLM. No caso do OSDUC I, havia um problema de configuração do totalizador, o que foi constatado com o emprego da metodologia mostrada. A diferença que era de 12% caiu para 0,26% após a equipe SCADA ter reconfigurado o instrumento. O número de casos estudados é pequeno, visto que neste momento o objetivo maior foi o desenvolvimento de uma metodologia para análise dos totalizadores, porém mesmo assim, a diferença aceitável entre o volume informado pelo totalizador e o integrado numericamente deve ser inferior a 0,5%. Em relação à metodologia de integração, pode-se afirmar que sendo os sinais tratados no CNCO por exceção e linearmente, o método do trapézio mostrou-se mais eficiente que o de Simpson.

6. Referências
SANCHEZ, J., CANTON, M. P. Software Solutions for Engineers and Scientists, CRC_Press, 2008.

10