ESTADO DE MATO GROSSO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITARIO DE TANGARÁ DA SRRA DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA

DISCIPLINA DE IRRIGAÇÃO

TANGARÁ DA SERRA-MT 2010

ESTADO DE MATO GROSSO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITARIO DE TANGARÁ DA SRRA DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA HIDROSTÁTICA Acadêmico:Alex TANGARÁ DA SERRA-MT 2010 .

.......................................................................................................2 GERAL...........................................REVISÃO BIBLIOGRFICA..........................................................................................JUSTIFICATIVA..DEFINIÇÃO DO PROBLEMA...........2 2.........1....2................INTRODUÇÃO....................1 1..........METODOLOGIA...................2OBJETIVOS ESPECIFICOS.................. ........................................1.....OBJETIVOS.....1OBJETIVOS 4.................1 1....................................................2 3...........................................3 2..........1........2..........................................................................................................................1 2........2................................SUMÁRIO 1.............

introduziua num recipiente cheio de água. que a forma de uma certa porção de gás é a do recipiente que a contém. Nesse caso. Arquimedes fez o seguinte: primeiro determinou a massa da coroa. Em primeira aproximação. daremos mais ênfase ao equilíbrio dos líquidos. uma determinada massa de gás sempre tende a ocupar todo o volume que lhe é oferecido. medindo o volume de liquido que transbordou. Em nosso curso. por exemplo. os líquidos e os gases. de forma generalizada. propriedade esta conhecida por expansibilidade. depois. A palavra hidrostática vem de Hydro. Nesse estado. uma configuração estrutural em que as moléculas mostram-se notadamente reunidas. Por outro lado. agua. Classificamos como fluidos. A relação entre a massa da coroa e seu volume determinou a densidade. um bloco de ouro puro de mesma massa da coroa deveria deslocar o mesmo volume de agua que a coroa deslocou. os líquidos oferecem grande resistência à compressão. estática. para medir seu volume. Devido a essa característica microscópica. E Arquimedes repetiu a operação com um bloco de ouro. Devemos dizer. ainda. a pequena compressibilidade dos líquidos será negligenciada e por isso nós os consideraremos incompressíveis.CONCEITO A Hidrostática ou “Estática dos Fluidos” é a parte da Mecânica que estuda os fluidos em equilíbrio. Por apresentar maior interesse. mas têm volume definido. apenas sua forma é alterada. Esse volume correspondia ao volume da coroa. não têm forma e nem volume próprio. Finalmente. Os gases. os líquidos não têm forma própria. por sua vez. substituindo uma parte do ouro por prata. as substâncias apresentam. não tem seu volume modificado quando o transferimos de uma panela para uma garrafa. denominada densidade . estado de repouso. Essa experiência mostra que a distribuição da massa de um corpo na unidade de volume constitui uma importante grandeza física. Caso ela fosse totalmente de ouro. descobriu que o ourives havia enganado o rei. indistintamente. Um litro de água.

Num fluído estático. Quando um ponto de um líquido em equilíbrio sofre uma variação de pressão. todos os outros pontos do líquido também irão sofrer a mesma variação. nos contenha pneus e em o dispositivos muito fluído.lei de Pascal: A lei de Pascal. A lei da Pascal é uma consequência imediata da equação fundamental da hidrostática e é A utilização da lei de Pascal na prensa hidráulica tem a grande vantagem de permitir transformar pequenas noutras Supondo um dispositivo formado por um recipiente que contém dois êmbolos. a força é transmitida à velocidade do som ao longo do fluído. maiores. utilizada na ou prensa forças que hidráulica. um com uma superfície pequena e outro com uma superfície muito maior. é possível. produzir com uma força de 10 N (Newton) aplicada ao êmbolo pequeno. uma força de 1000 N (Newton) no caso do grande. Quando se exerce uma força sobre o êmbolo de pequena superfície produz-se em todo o líquido uma pressão de igual valor que faz com que sobre o êmbolo de maior superfície actue para cima uma força muito maior do que aquela que se exerceu para baixo sobre o êmbolo de superfície pequena. semelhantes. Segundo esta lei a pressão aplicada a um fluído fechado num recipiente transmite-se uniformemente em todas as direcções. Se a relação entre a área das superfícies mencionadas for de 1:100. . e esta força actua perpendicularmente a qualquer superfície interior. também conhecida por princípio de Pascal. físico e filósofo francês Blaise Pascal. foi formulada em 1653 pelomatemático.

Importante: o Princípio de Pascal é largamente utilizado na construção de dispositivos ampliadores de força – macaco hidráulico prensa hidráulica. etc. b) o deslocamento sofrido pelo êmbolo maior. . Essa Lei consentiu em calcular a diferença da pressão existente entre dois pontos de certo fluído homogêneo que está tanto em equilíbrio como sob a ação da gravidade. a) a intensidade da força que atua sobre o êmbolo maior. direção hidráulica.

devemos observar o ponto C. com PC isso = devemos usar: μgh Já se pensarmos de outra forma. localizado em qualquer recipiente que esteja em equilíbrio. considerando que os pontos A e C estão na mesma profundidade. ou seja. Observação: Essa Lei serve tanto para os líquidos. que se encontra na mesma horizontal de A e na mesma vertical PB que – B. vamos ver um exemplo: Vamos pensar em um fluído homogêneo. existente entre os dois pontos adotados. com um desnível h. Portanto: PA Se pensarmos em substituir a = expressão B na expressão A. Essa diferença se apresentada através do produto que faz parte do peso específico do fluído (μg) pelo desnível. na mesma altura de h. somente para as alturas grandes. Vejamos: Se quisermos saber a diferença da pressão existente entre os pontos A e B da figura acima. PC teremos: Portanto podemos concluir que: A Lei de Stevin.Para entendermos melhor. . eles irão suportar pressões iguais. diz que há uma diferença de pressão existente entre dois pontos de um fluído homogêneo que está tanto em equilíbrio como sob a ação da gravidade. ou seja. portanto a diferença da pressão se tornará válida.Com isso podemos concluir que para um gás que está contido em um recipiente que possui dimensões normais. como para os gases. Contudo sabemos que o gás possui uma densidade pequena. ou seja. pela diferença de profundidade. sua pressão irá ser considerada a mesma em qualquer ponto da massa gasosa.

Com isso usamos: Como podemos observar na figura acima. Portanto podemos quando há pressão no interior de um líquido. que se localiza na superfície do líquido. o ponto O está ligado à atmosfera. Usando o ponto A como referência. PA representa a pressão absoluta ou total existente no ponto A. . em função da profundidade Vejamos: representada por h. para descobrirmos a pressão total do líquido. devemos simplesmente aplicar a Lei de Stevin. vamos pensar em um recipiente que esteja totalmente exposto à atmosfera e que contenha um líquido homogêneo e que esteja em equilíbrio sob a ação da gravidade. entre o ponto A e O. Patm representa a pressão atmosférica existente no local e μgh representa a pressão hidrostática ou efetiva.Aplicações da Lei de Stevin Pressão total em um ponto de um líquido em equilíbrioPara entendermos melhor como essa lei é aplicada. portanto a pressão PO será igual à pressão atmosférica. ela poderá aumentar linearmente com Gráfico a de sua profundidade. pressão Vejamos agora os gráficos que representa as pressões hidrostáticas e totais. Vejamos: Onde.

podemos observar que o líquido atinge o mesmo nível nos três recipientes. teremos: Se pensarmos em igualar as pressões nos pontos A e B irá ficar da seguinte forma: Portanto podemos concluir que tanto o ponto A como o ponto B. estando no mesmo nível. vamos pensar em vasilhas de diferentes formas. Independente da forma do recipiente e da quantidade de líquido que cada um possui esse líquido irá aplicar uma pressão no fundo de cada um deles. agüentam. que fica na base do recipiente (F = pA). . suas regiões isobáricas serão consideradas Paradoxo planos hidrostático horizontais. possui uma intensidade representada pelo produto da pressão através da área representada por A. agüentam a mesma pressão. quando o líquido é homogêneo. e está em equilíbrio e sob a ação da gravidade. pertencendo assim ao mesmo plano horizontal. ou seja. Para entendermos melhor sobre o paradoxo hidrostático. Vejamos: Com base na figura acima. enquanto o ângulo φ é: Regiões isobáricas Considerando um líquido homogêneo sob a ação da gravidade e em equilíbrio com relação à Lei de Stevin. as duas retas são paralelas entre si.Como podemos observar no gráfico acima. onde essa pressão é dada por: Essa força que é aplicada pelo líquido no fundo do recipiente.

É importante lembrarmos que as forças somente terão a mesma intensidade se os recipientes tiverem áreas de bases iguais. Portanto podemos concluir que o paradoxo hidrostático é considerado o fato da pressão e da força não depender da quantidade de líquido nem da forma do recipiente adotado. .

Obras hidráulicas de certa importância remontam à antiguidade: na Mesopotâmia existiam .

Os egípcios.C. coletores de esgotos desde 3750 A. inclusive o lago artificial Meris. Alguns princípios da Hidrostática foram enunciados . no período da XII dinastia (2000-1785 A.) realizaram importantes obras hidráulicas.C.canais de irrigação construídos na planície situada entre os rios Tigre e Eufrates e em Nipur (Babilônia) existiam. destinado a regularizar as águas do baixo Nilo.

A bomba de pistão foi concebida pelo físico grego Ctesibius e inventada pelo seu discípulo Hero. Assim foi que Leonardo da Vinci 2 apercebeu-se da importância de observações nesse setor. No seu tempo os conhecimentos que hoje constituem a Mecânica dos Fluidos apresentavamse separados em dois campos distintos: A Hidrodinâmica teórica que estudava os fluidos perfeitos e a Hidráulica empírica .C. Um novo tratado publicado em 1586 por Stevin 3 e as contribuições de Galileu 4 . No século XVI a atenção dos filósofos voltou-se para os problemas encontrados nos projetos de chafarizes e fontes monumentais. em que cada problema era investigado isoladamente. tão em moda na Itália. Devem-se a Euler 7 as primeiras equações gerais para o movimento dos fluidos.por Arquimedes 1 no seu tratado sobre corpos flutuantes (250 A. Grandes aquedutos romanos foram construídos em varias partes do inundo. Torricelli 5 e Daniel Bernoulli 6 constituíram a base para o novo ramo científico. A associação desses dois ramos iniciais. deve-se principalmente à Aerodinâmica. Infelizmente os seus estudos foram feitos separadamente nesses dois sentidos. 200 anos antes da era Cristã.).C. a partir de 150 A. constituindo a Mecânica dos Fluidos . .