SEMENTE

FLOR – contém os órgãos sexuais da planta, o androceu e o gineceu. Androceu é o órgão masculino, é constituído pelos estames, os quais produzem e liberam os microsporos (grãos de pólen). Gineceu é o órgão feminino e é constituído por um ou mais pistilos, cada pistilo é composto por ovário, estilete e estigma. O estigma consiste de um tecido glandular cuja secreção estimula a germinação dos grãos de pólen, o estilete é um filamento de ligação entre o estilete e o ovário. O ovário é a parte basal do pistilo, onde se desenvolve o óvulo (megasporângio). MEGASPORÂNGIO – é precursor da semente, constitui-se de; - funículo: é o suporte do óvulo e o liga a placenta; - integumentos: camadas que envolvem a nucela ficando apenas uma abertura a micrópila; - micrópila: abertura onde os integumentos se encontram; - nucela: é o corpo do óvulo e contém o saco embrionário, serve de alimento para o embrião durante seu desenvolvimento; - saco embrionário ou gametófito feminino – implantado no tecido nucelar, contém oito núcleos, três destes isolam-se em pequenas células, em posição oposta à micrópila e constituem as antípodas. Outros três também isolam-se em células e grupam-se junto a micrópila. Destas, a célula central diferencia-se no gameta feminino, denominado oosfera, as duas laterais são chamadas sinérgides. No centro do saco embrionário ficam os dois núcleos restantes, e são chamados núcleos polares.

MICROSPORO – constituído de uma ou duas células generativas, uma célula vegetativa, e uma cobertura protetora. Forma-se na antera, estrutura componente do estame. É envolvido por uma cobertura protetora, formada por duas membranas: externa (exina) e interna (intina). A exina é cutinizada e apresentam espinhos e desenhos característicos, esta é interrompida em alguns pontos o que permite a germinação do grão de pólen, através da liberação do tubo polínico. POLINIZAÇÃO – o grão de pólen entra em contato com o estigma. A seguir, o grão de pólen absorve a secreção exudada pelo estigma e germina, desenvolvendo um tubo polínico, que é o resultado do crescimento da célula vegetativa. O tubo polínico cresce através do estilete, até atingir o óvulo. Através do tubo, desloca-se a célula ou as células generativas presentes no

e moléculas orgânicas capazes de sustentar o crescimento do embrião. COBERTURA PROTETORA – delimita a semente.radícula: esta situada na extremidade inferior do eixo. regular a velocidade de trocas gasosas (O2 e CO2). SINGAMIA – fertilização dupla. .epicótilo ou plúmula: que é a parte situada acima do ponto de ligação dos cotilédones ao eixo. CONCEITO FUNCIONAL OS ELEMENTOS BÁSICOS DA ESTRUTURA DA SEMENTE SÃO: TEGUMENTO. DO PONTO DE VISTA FUNCIONAL É COMPOSTA DE: COBERTURA PROTETORA. EMBRIÃO DAS MONOCOTILEDÔNEAS – é constituído essencialmente por um eixo embrionário e um cotilédone. inicia um processo continuo de divisões.perisperma – desenvolve-se de partes da nucela. durante a germinação da semente. Na extremidade inferior do eixo. O cotilédone é chamado de escutelo ou escudete e fica em contato com o endosperma. logo após a fertilização. . e. e de crescer. O eixo embrionário é constituído por uma plúmula ou epicótilo na extremidade superior. porque inicia o crescimento em duas direções: para as raízes e para o caule. . o tubo polínico penetra o óvulo através da micrópila. . O eixo embrionário é composto de três partes: . tegumento e em alguns casos o pericarpo. OBS: ALBUMINOSAS – possuem endosperma. que culmina com a formação do endosperma.reservatório e fornecedor de compostos orgânicos em forma simples. e pode ou não ser totalmente absorvido. formando células espermáticas.grão de pólen por ocasião da polinização. EMBRIÃO DE DICOTILEDÔNEAS – é constituído por um eixo embrionário e dois cotilédones. regular a germinação causando dormência em alguns casos. .Endosperma – o núcleo do endosperma primário formado pela fusão de um esperma com os dois núcleos polares ou com o núcleo secundário. normalmente apresenta uma fase de inatividade que pode ir de algumas horas até vários dias. regular a velocidade de reidratação da semente.cotilédone: originam-se do próprio zigoto e fazem parte do embrião. EMBRIÃO E TECIDO DE RESERVA. A plúmula é envolvida por uma bainha protetora o coleóptilo. que podem ser utilizados pelo eixo embrionário. A radícula é envolvida por uma bainha chamada de coleorriza. Funções: manter unida as partes internas da semente. O endosperma cresce mais depressa que o embrião. encontra-se a radícula. quando esta não é completamente absorvida durante a formação do embrião. esta sofre uma divisão mitótica durante o seu deslocamento através do tubo. Nutre o embrião durante seu desenvolvimento. da qual se originam as raízes. evitando ou diminuindo possíveis danos pela embebição. É um “eixo”. Os cotilédones servem apenas como órgão de armazenamento de reservas alimentícias destinadas a fornecer energia.hipocótilo: situado entre a radícula e os cotilédones. servir como barreira a entrada de microorganismos. proteger as partes internas contra choques e abrasões. liberando as duas células espermáticas no interior do saco embrionário. EIXO EMBRIONÁRIO E UM TECIDO DE RESERVA. de onde se originará as primeiras folhas. Localiza-se no: . TECIDO DE RESERVA . EIXO EMBRIONÁRIO – tem função reprodutiva sendo capaz de iniciar divisões celulares. porque este.

A o atingir o máximo o tamanho das sementes diminuem um pouco ao perder umidade.EXALBUMINOSAS – não possuem endosperma. dar origem a uma plântula normal.carboidratos (principal – amido. UMAS DAS FRMAS DE CONSEGUIR ESTE PONTO É O ARMAZENAMENTO A CAMPO. biológicas e fisiológicas. devido aos processos de deterioração. Principais modificações corre no: TEOR DE UMIDADE – no óvulo esta em 80%. e a seguir decresce progressivamente. denominado “ponto de maturidade fisiológica”. MODIFICAÇÕES NO PESO – à medida que se desenvolve. com a fertilização aumenta um pouco se mantendo por alguns dias. OUTRAS MODIFICAÇÕES – podem ser morfológicas. PERISPÉRMICAS – possuem perisperma. deste ponto em diante. que favorecem o estabelecimento de um stand sob condições desfavoráveis. O PONTO IDEAL DE COLHEITA. até que um máximo de germinação é atingido concomitantemente. Algumas sementes adquirem poder germinativo poucos dias após a fertilização. D ponto de vista fisiológico a germinação compreende quatro fases. sob condições ambientais favoráveis. É O PONT MÁXIMO PESO DE MATÉRIA SECA. QUANDO SE DESEJA SEMENTES DA MAIS ALTA QUALIDADE. MODIFICAÇÕES NO VIGOR – é a soma de todos os atributos da semente. porém no segundo é maior. aumentam em peso. ambos sofrem ligeiro declínio. tanto de matéria seca quanto de matéria verde.embebição de água. O ponto máximo de peso de matéria seca coincide com aquele em que a semente atinge o máximo de vigor e poder germinativo. ATÉ QUE SEU NÍVEL DE UMIDADE FIQUE COMPATÍVEL. ou imediatamente antes que as sementes atinjam o máximo de matéria seca. Uma importante é a ocorrência de dormência. quando atinge sua maturidade fisiológica. a medida de que a semente desenvolve. Uma secagem apropriada é interessante de imediato para reduzir a velocidade de respiração e desacelerar o progresso da deterioração. denominada amiláceas) – lipídeos (oleaginosas) – proteínas (protéicas – glúten e grãos de aleurona). MODIFICAÇÕES NO PODER GERMINATIVO – é a capacidade do embrião em reiniciar o crescimento e. QUE É TAMBÉM O DE MA´XIMA GERMINAÇÃO. MODIFICAÇÕES NO TAMANHO – aumenta gradativamente desde a fertilização. seu vigor cresce conforme aumenta o teor de matéria seca. . até entrar em equilíbrio com o meio ambiente com 14 a 20 % de umidade. o vigor e o poder germinativo tendem a decrescer. até atingir um máximo. SUBSTÂNCIAS DE RESERVA . . A proporção destas sementes aumenta gradativamente. MATURAÇÃO DA SEMENTE Consiste em a semente atingir o ponto máximo em peso de matéria seca. FISIOLOGIA DA GERMINAÇÃO A germinação é o reinicio do crescimento do embrião paralisado nas fases finais da maturação. ou seja. MÁXIMO VIGOR E DE MENOR DETERIORAÇÃO DA SEMENTE. até atingir o máximo. Neste ponto a sementes atinge também o máximo potencial germinativo e máximo vigor.

.divisão celular. .alongamento celular..diferenciação das células em tecidos. .