IBP1569_2012 ESTUDO DO DESEMPENHO DE LIGANTES BETUMINOSOS FRANCESES APLICADOS À PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA Hallysson Cunha Nascimento1, Fabio Remy dos

Santos Rios2, Ariosvaldo Alves Barbosa Sobrinho3, Marcos Antônio Ribeiro Baracho4, Edjânio Barbosa Araújo5, José Jefferson da Silva Nascimento6.
Copyright 2012, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação na Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012, realizado no período de 17 a 20 de setembro de 2012, no Rio de Janeiro. Este Trabalho Técnico foi selecionado para apresentação pelo Comitê Técnico do evento, seguindo as informações contidas no trabalho completo submetido pelo(s) autor(es). Os organizadores não irão traduzir ou corrigir os textos recebidos. O material conforme, apresentado, não necessariamente reflete as opiniões do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Sócios e Representantes. É de conhecimento e aprovação do(s) autor(es) que este Trabalho Técnico seja publicado nos Anais da Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012.

Resumo
A durabilidade dos revestimentos superficiais aplicados em determinados áreas das rodovias depende dos desempenhos dos ligantes betuminosos utilizados. Esta exigência torna-se incontornável quando se quer garantir um elevado nível de aderência durante longos tempos. Portanto, tal nível de aderência elevado para o usuário traduz-se igualmente numa solicitação tangencial relativamente importante essencialmente devido ao tráfego veículos pesado. Sendo assim torna-se essencial enriquecer os nossos conhecimentos sobre o papel do ligante com relação ao problema de arrancamentos e durabilidade das camadas de pavimento. Com o objetivo de avaliar a durabilidade de diferentes materiais a partir de um critério de resistência a esforços tangenciais, foi explorado através de um ensaio inovador desenvolvido no LCPC – Paris, experimentos que permitiram reproduzir os efeitos induzidos por um pneumático numa situação de deslize total, permitindo medições de perda de massa por arrancamentos de granulados. Estes experimentos serviram para avaliar o efeito da natureza dos ligantes betuminosos sobre a resistência aos esforços tangenciais, estabelecendo-se uma correlação entre os resultados das medidas sobre os ligantes e sobre as misturas betuminosas. Finalmente, foi proposto uma classificação dos ligantes de acordo com critérios de perda de massa à uma temperatura de 20°C. Com base nesta classificação à 20°C, avaliou-se o efeito da temperatura sobre o desempenho dos ligantes estudados.

Abstract
The durability of surface coatings applied in certain areas of roads depends on the performance of bitumen used. This requirement becomes essential when one wishes to ensure a high level of adhesion for a long time. Therefore, such a high level of grip for the user is also reflected in a relatively large tangential request primarily due to the heavy vehicle traffic. Thus it is essential to enhance our understanding of the role of binder in relation to the problem of durability of the pullouts and pavement layers. In order to assess the durability of different materials from a criterion of resistance to tangential efforts, was explored through an innovative test developed at LCPC - Paris, which allowed experiments to reproduce the effects induced by a pneumatic slide in a situation of total allowing measurements of mass loss by pull-outs of granules. These experiments served to evaluate the effect of the nature of the bitumen on the resistance to tangential efforts, establishing a correlation between the results of the measures on the ligands and on the asphalt. Finally, it was proposed a classification of ligands according to the criteria of loss of mass to a temperature of 20 ° C. Based on this classification at 20 ° C, to evaluate the effect of temperature on the performance binders studied.

______________________________ 1 Mestrando, Engenheiro de Materiais - Unidade Acadêmica de Engenharia de Materiais - UFCG. 2 Mestrando, Engenheiro Civil - Unidade Acadêmica de Engenharia de Materiais - UFCG. 3 PhD, Engenheiro de Materiais e Químico - Unidade Acadêmica de Eng. de Materiais – UFCG. 4 Pós-Doutor, Engenheiro Civil - Unidade Acadêmica de Engenharia Civil - UFCG. 5 Doutor, Engenheiro de Materiais – Departamento de Engenharia Mecânica – UFPB – João Pessoa. 6 Doutor, Engenheiro Mecanico - Unidade Acadêmica de Eng. de Materiais – UFCG.

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

1. Introdução
Desde que os países industrializados dotaram-se de redes rodoviárias modernas, a manutenção tornou-se uma atividade essencial, para manter um nível de segurança e conforto dos usuários, ou seja, para conservar os investimentos rodoviários e para preservar a estrutura rodoviária. Depois de uma quinzena de anos, os giradores e outros trechos específicos de rodovias conheceram um desenvolvimento espetacular em redor das regiões urbanas e em nível da rede rodoviária em geral. Este desenvolvimento teve por objetivo assegurar uma melhor fluidez do tráfego e reforçar a segurança dos usuários nestes lugares. O sucesso destas zonas necessitou vários estudos que tratam dos aspectos de circulação rodoviária, mas os aspectos do dimensionamento e otimização de materiais eram totalmente ausentes. Observa-se que alguns pavimentos possuem degradações importantes devido aos esforços tangenciais. As solicitações são geradas quando há operações bruscas dos motoristas (derrapagem, aceleração, mudança de direção). É importante observar que alguns pavimentos possuem degradações importantes devido aos esforços tangenciais. Estas solicitações são geradas quando há operações bruscas dos veículos, tais como: derrapagem, aceleração, mudança de direção. A durabilidade dos revestimentos superficiais aplicados em pontos específicos das rodovias depende fundamentalmente dos desempenhos dos ligantes betuminosos utilizados. Esta exigência torna-se incontornável quando se quer garantir um elevado nível de aderência por longos tempos. Portanto, este nível de aderência elevado para o usuário traduz-se igualmente numa solicitação tangencial relativamente importante essencialmente devida ao tráfego veículo pesado. Sendo assim torna-se prioridade o aprimoramento dos conhecimentos sobre o papel dos ligantes betuminosos relacionados aos problemas de arrancamentos e a durabilidade das camadas de superfície em geral.

2. Revisão bibliográfica
Objetivamente este trabalho consistiu em se efetuar experimentos necessários para avaliar o efeito da natureza de ligantes betuminosos (fornecidos pela petrolífera francesa TOTAL) a partir de um critério de resistência aos esforços tangenciais, através de um ensaio inovador desenvolvido no Laboratoire Central des Points et Chaussées - LCPC que permitiu reproduzir os efeitos induzidos por um pneumático numa situação de deslize total, permitindo assim, medir a perda de massa por arrancamento de granulados. Tentou-se estabelecer uma correlação entre os resultados mecânicos obtidos sobre os ligantes e sobre as misturas betuminosas obtidas pelo ensaio de arrancamento. E finalmente propôs-se uma classificação dos ligantes de acordo com o critério de perda de massa a uma temperatura de 20°C. Seguidamente tendo sido analisado o comportamento do efeito da temperatura (10 e 30°C) sobre a resistência de arrancamentos. 2.1. Camada de rolamento A camada de rolamento é a parte da autoestrada que permanece em contato direto com os veículos. Devendo assegurar conforto e segurança da condução (aderência e limitação dos ruídos sonoros). A superfície da camada deve apresentar boa resistência ao uso. A camada de rolamento representa o objetivo final da técnica rodoviária, as outras camadas asseguram funções principalmente mecânicas que permitem suportar no tempo o tráfego e assegurar assim para a camada de rolamento um apoio estável e certo. Deve possuir boas propriedades de aderência para os veículos e assegurar o conforto dos usuários. Em fortes chuvas, deve ter uma boa drenagem. Nas zonas urbanas, a camada de rolamento deve emitir menos de barulho de rolamento possível. A camada de rolamento deve ser concebida principalmente com revestimento betuminoso. Este material é uma mistura de hidrocarbonetos constituída de grânulos (cerca de 95%) e de ligantes (cerca de 5%) cujas proporções são determinadas de maneira a satisfazer certos critérios de aplicação: boa maneabilidade, aptidão à compactação bem como critérios de durabilidade e de uso [2]. 2.2. Dados climáticos e do meio ambiente As condições climáticas com as precipitações pluviométricas, os ciclos sazonais e os valores extremos da temperatura e a sua intensidade com os períodos de gelo e degelo, exerce uma grande influência sobre a resistência, a 2

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 durabilidade e as características de deformação das vias e para sua manutenção. As condições climáticas interferem, portanto na escolha da natureza dos ligantes betuminosos. As condições hidrológicas associadas ao perfil geométrico (desobstrução, terraplenagem) e as disposições de drenagem têm uma incidência importante no estado hídrico da plataforma de suporte das autoestradas[1]. Dados diretamente utilizados no cálculo de dimensionamento trazem: • • • Ciclos sazonais de temperatura; Intensidade de períodos de gelo; Estado hídrico do solo suporte.

3. Materiais e métodos
Para este estudo foram utilizados seis diferentes ligantes betuminosos: Betume puro de grade 35/50 (A), betume polimérico reticulado(B), betume especial anti-afundamento semi-soprado (C), betume modificado por parafinas(D), betume polimérico reticulado a alto desempenho (E) e betume modificado por polímeros e acido polifosfórico (F). Os revestimentos foram empregados com granulometria (0-10) para todos os ligantes estudados. Os ligantes foram caracterizados segundo o ensaio de penetrabilidade, temperatura esfera-anel e pelo ensaio de tração em corpos de prova H2 utilizando temperaturas e velocidades diferentes. Os resultados destes ensaios serviram para tentar correlacionar com os desempenhos obtidos através do ensaio de arrancamento. O processo de fabricação dos revestimentos betuminosos foi de acordo com a norma [NF P98-250-1] a uma temperatura de 150°C para o ligante puro e 170°C para os ligantes modificados. A compactação foi feita em molde rígido segundo a norma (12697-33). Controles do corpo de prova medida pela densidade realizada através de um ensaio não destrutivo (banco gama vertical) foram realizadas para assegurar a homogeneidade. O dispositivo denominado ‘Tribomètre pour Revêtement Routier’ (T2R) (Figura. 1) é um banco de ensaio à dois eixos perpendiculares, posicionado sobre um bloco de cimento. O sistema de pilotagem do banco de ensaio prevê dois tipos de serventia sobre os dois eixos: seja um controle em força para representar o carregamento vertical, seja um controle em deslocamento do patim de acordo com as necessidades do ensaio. O ensaio de resistência aos esforços tangenciais consiste em aplicar uma carga média que representa uma solicitação de veículo pesado sobre o revestimento. O deslize da borracha é obtido partir de uma modulação da carga vertical em redor de um valor médio. O ensaio de arrancamento comporta três fases: uma fase de pré-carregamento, na qual o patim é posto em contato com a superfície do revestimento por aplicação de um deslocamento imposto. Em seguida há uma fase de carregamento cíclico, onde consiste numa aplicação de uma solicitação de força constante e deslocamento senoidal otimizado para assegurar uma fricção elevada e um deslize estável. E por fim, há uma fase de reposicionamento do aplicador de carga. Seguidamente, relança-se o ensaio com a mesma força de contato cíclico e sem mudança de sinal. Depois de aplicado diversos ciclos definido como uma etapa de ensaio efetua-se a pesagem do corpo de prova através de uma balança a fim de determinar a perda de massa por unidade de superfície solicitada em função do número de ciclos acumulado.

Figura. 1 Tribometro para revestimento de vias (Tribomètre pour Revêtement Routier) (T2R)

3

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

A Figura 2. Apresenta as curvas representativas do comportamento da perda de massa por arrancamentos para os ligantes O1377 (a), R0782 (b), R0916 (c), Q1782 (d), Q1901(e) e R1233 (f)

(a)

(b)

(c)

(d)

(e)

(f)

Figura 2. Evolução da perda de massa em função do número de ciclo para os ligantes O1377 (a), R0782 (b), R0916 (c), Q1782 (d), Q1901(e) e R1233 (f).

4

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

4. Resultados e discussões
De maneira global, constata-se que pode ser definido três tipos de comportamento, para traduzir a resistência aos esforços tangenciais dos corpos de prova testados à 20 °C. As amostras com os ligantes (A e B) possuem comportamento com um crescimento relativamente importante da perda de massa que pode atingir 20 Kg/m². As medidas registradas nesta zona designam assim os materiais de fracos desempenhos. As amostras com os ligantes (D, E e F) apresentaram perdas fracas de massa até a um nível de ciclo relativamente elevado (> 16000 ciclos). As amostras contidas nesta zona do gráfico são consideradas como materiais de desempenho elevado. Observa-se igualmente nas amostras com o ligante C, um comportamento intermediário no que diz respeito à resistência de arrancamento. Esta zona é definida como sendo a dos materiais cujo desempenho é médio ou intermediário. A análise das características dos ligantes (penetração, temperatura esfera-anel e tração direta sobre corpo de prova H2) com os desempenhos assinalados a partir dos ensaios arrancamento a 20 °C mostraram que a temperatura esfera anel e a energia convencional à 200 % a 20 °C são correlacionadas bem com a taxa de perda de grânulos. Analisando o efeito da temperatura a 10 °C observou-se de forma geral que todas as amostras apresentaram um ótimo comportamento a esta temperatura. Em comparação com os ensaios a uma temperatura de 20 °C, todos os ligantes apresentaram um melhor desempenho. Analisando o efeito da temperatura a 30 °C observou-se de forma geral que todas as amostras apresentaram um fraco comportamento a esta temperatura. Em comparação com os ensaios a uma temperatura de 20°C, todos os ligantes apresentaram um desempenho mais fraco.

5. Agradecimentos
Rede Temática de Asfaltos – Petrobras, Laboratoire Central des Points et Chaussées - LCPC, REUNI, PRPG/ UFCG, PIBIC, CNPq, e CAPES.

6. Referências
[1] SETRA et LCPC, Conception et dimensionnement des structures de chaussée. Guide technique, 1994. [2] HAMLAT, S. Etude de la résistance des revêtements routiers aux sollicitations tangentiels. Thèse de doctorat, LCPC, 2007. [3] CORTÉ, J.F., DI BENEDETTO, H., Matériaux routiers bitumineux 2, Vol 2. Description et propriétés des constituants. Éditions Hermès Sciences-Lavoisier, 2005. [4] SETRA, LCPC, Réseau routier national. Catalogue des structures types de chaussées neuves, 1998. [5] BERTHIER, J., Granulats et liants routiers, Techniques de l’Ingénieur, traité Construction, article C 903. www.tchiniques-ingenieur.fr, [En ligne 2006]. [6] CORTÉ, J.F., DI BENEDETTO, H., Matériaux routiers bitumineux 1, Description et propriétés des constituants. Éditions Hermès Sciences-Lavoisier, 2005. [7] SHELL BITUMES, Bitumes – Techniques et utilisation, 1991. [8] LESUEUR D., Propriétés mécaniques des liants routiers, relations structure-propriétés, 1996. [9] AFNOR NF EN 1426 Bitumes et liants bitumineux. Détermination de la pénétrabilité à l’aiguille, 1999a. [10] AFNOR NF EN 1427 Bitumes et liants bitumineux. Détermination de la température de ramollissement. Méthode Bille et Anneau, 1999. [11] OLARD, F., DI BENEDETTO, H., DONY, A., VANISCOTE, J.C., Properties of bituminous mixtures at low temperatures and relations with binder characteristics. 6th International RILEM Symposium on performance testing and evaluation of bituminous materials, Zurich, 2003. [12] ATTANE, P., SOUCERNARIANADIN, A., TURREL, G., PRUDEHOMME, J.B., Non lineair behaviour of asphalts in steady and transient shear flow. Rheologica acta, 23, pp.297-310. [13] BRION, Y., BRULE, B., Etude des mélanges bitumes-polymères : composition, structure et propriétés. Rapport des Ponts et Chaussées, PC-6, 123p, 1986. [14] BRULE, B., BRION, Y., (Association bitumes-polymères). Relations entre la composition, la structure et les propriétés, bulletin de liaison des laboratoires des ponts et chaussées, 145, pp. 45-52, 1986. [15] AIPCR, Guide technique - Emploi des liants bitumineux modifiés, des bitumes spéciaux, et des bitumes avec additifs en techniques routières, Association mondiale de la route, comité technique des routes souples (C8), p 203, 1999. 5

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 [16] CERTU, Conception structurelle d’un giratoire en milieu urbain, janvier 2000. [17] DELORME, J.L., Manuel LCPC d’aide à la formulation des enrobés à chaud, septembre 2005. [18] BROSSEAUD, Y., ADBADIE, R., LEGONIN.R. (1997). Couches de roulement très minces et ultra-minces en matériaux bitumineux à chaud, Bilan d’emploi et de comportement. BLPC n° 207, février 1997. [19] NF P 98-137. Béton bitumineux très mince, mai 1992. [20] NF P 98-252. Détermination du comportement au compactage des mélanges hydrocarbonés, juin 2009.

6