IBP1652_12 DETERMINAÇÃO DA FAIXA OPERACIONAL DE PRODUÇÃO DE POÇOS DA BACIA DE SANTOS COM ALTA RAZÃO GÁSÓLEO Guilherme Rosário dos

Santos1, Patricia Soares Loureiro2

Copyright 2012, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação na Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012, realizado no período de 17 a 20 de setembro de 2012, no Rio de Janeiro. Este Trabalho Técnico foi selecionado para apresentação pelo Comitê Técnico do evento, seguindo as informações contidas no trabalho completo submetido pelo(s) autor(es). Os organizadores não irão traduzir ou corrigir os textos recebidos. O material conforme, apresentado, não necessariamente reflete as opiniões do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Sócios e Representantes. É de conhecimento e aprovação do(s) autor(es) que este Trabalho Técnico seja publicado nos Anais da Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012.

Resumo
O desenvolvimento da produção da Bacia de Santos apresenta vários desafios a serem ultrapassados como longas distâncias da costa, reservatórios profundos e com baixas temperaturas, altos níveis de pressão, longos comprimentos de linha e riser e lâmina d’água profunda entre outros. Existem características do óleo (teor de parafinas, alta razão de solubilidade) que também devem ser observados. A alta razão de solubilidade irá implicar numa grande quantidade de gás liberada de solução dado os altos níveis de vazão desses poços.O objetivo desse trabalho é mostrar a relevância dessa quantidade de gás presente na produção em termos de resfriamento da mistura gás e óleo (efeito Joule Thomson devido à despressurização), havendo implicações na área de garantia de escoamento (parafinas). A cristalização dessas parafinas depende das condições termodinâmicas do escoamento, particularmente da temperatura. Os óleos da Bacia de Santos apresentam elevada TIAC (temperatura de início de aparecimento de cristais) e moderada temperatura de segundo evento de cristalização. A operação abaixo da temperatura do segundo evento de cristalização implica na cristalização das parafinas mais pesadas, aumentando a severidade do problema e repercutindo em queda acentuada da produção. O resfriamento do fluido causado pelo efeito Joule Thomson predominantemente no riser pode implicar nessa cristalização de parafinas. A deposição dessas parafinas cristalizadas na parede interna da tubulação depende ainda de um gradiente entre a temperatura do fluido que escoa e a temperatura da parede interna da tubulação. O perfil de temperatura do ambiente marinho favorece a existência desse gradiente.Esse trabalho compreende etapas de calibração do modelo de escoamento multifásico, levantamento de dados de campo e identificação de condições de produção visando a não cristalização da parafina. Foram comparadas as faixas operacionais de produção de poços que operam nas mesmas condições de pressão/temperatura no reservatório e plataforma.

Abstract
The production development in the Santos Basin presents several challenges to overcome such as long distances from the coast, deep reservoirs with low temperatures, high pressure levels, deep water and others. There are some oil characteristics (wax percentage, high gas ratio solubility) which must be observed. The high gas ratio solubility imply a huge amount of gas due the high flow rates. The objective of this work is to show the relevance of the gas amount in the production, particularly the cooling of gas and oil mixture (Joule Thomson effect during despressurization), and the consequences to the flow assurance (wax deposition). The wax crystallization is controlled by the thermodynamic conditions of the flow, mainly temperature. The oil from Santos Basin presents high WAT (Wax Appearance Temperature) and moderate temperature of the second crystallization event. The production under the second crystallization temperature implies in the deposition of higher weight paraffin, increasing the problem and decreasing the production. This multiphase mixture cooling caused by Joule Thomson effect in the riser can imply in wax deposition and depends on the thermal gradient between fluid temperature and internal wall temperature. The sea environment temperature profile generates conditions that contribute to the existence of this gradient. This work can be divided in two steps: calibration model of multiphase flow and a comparison with field data in order to establish optimized well

______________________________ 1 Mestre, Engenheiro de Petróleo – PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. 2 Engenheira de Petróleo – PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 conditions to avoid wax deposition. Moreover, the operational production range of wells in which the pressure and temperature conditions of reservoir and platform are the same were compared.

1. Introdução
O desenvolvimento da produção da Bacia de Santos apresenta vários desafios a serem ultrapassados como longas distâncias da costa brasileira, reservatórios profundos e com baixas temperaturas, operações envolvendo altos níveis de pressão, riscos ambientais devido à alta produtividade dos poços, longos comprimentos de linha e riser, lâmina d’água profunda entre outros. Por outro lado, existem características do óleo (teor de parafinas, alta razão de solubilidade) que também devem ser observados. Os testes de longa duração realizados nesses poços têm como objetivo a coleta de informações sobre os níveis de produtividade desses poços, estabelecendo limites que devem ser observados. A alta razão de solubilidade irá implicar numa grande quantidade de gás liberada de solução dado os altos níveis de vazão desses poços. O objetivo desse trabalho é mostrar a relevância dessa quantidade de gás presente na produção em termos de resfriamento da mistura gás e óleo. À medida que há um aumento da vazão multifásica, há um aumento de temperatura dos fluidos que são entregues à plataforma (mecanismo regido por troca térmica). Num determinado momento, a despressurização que acontece no riser aliada à alta quantidade de gás liberado de solução produz o chamado efeito Joule Thomson pelo qual a mistura é resfriada como o todo. Esse resfriamento depende dos níveis de pressão a que estão submetidos linhas e risers, vazão de óleo e de maneira genérica razão gás-óleo. Por outro lado, o efeito desse resfriamento tem implicações em garantia de escoamento, mais especificamente parafinas. A cristalização dessas parafinas depende das condições termodinâmicas do escoamento, particularmente da temperatura. Os óleos da Bacia de Santos apresentam elevada TIAC (temperatura de início de aparecimento de cristais) e moderada temperatura de segundo evento de cristalização. Quando se produz entre a TIAC e a temperatura de segundo evento é esperada a cristalização das parafinas mais leves que não ocasionam grandes perdas de produção. Já a operação abaixo da temperatura do segundo evento de cristalização implica na cristalização das parafinas mais pesadas, aumentando a severidade do problema e repercutindo em queda acentuada da produção. O resfriamento do fluido causado pelo efeito Joule Thomson predominantemente no riser pode implicar nessa cristalização de parafinas. A deposição dessas parafinas cristalizadas na parede interna da tubulação depende ainda de um gradiente entre a temperatura do fluido que escoa e a temperatura da parede interna da tubulação. O perfil de temperatura ambiente marinho favorece a existência de uma condição de deposição, isto é, gradiente térmico entre fluido e parede interna da tubulação. A equação 1 descreve como determinar o efeito Joule Thomson, onde T é a temperatura e P é a pressão:

µj =

∂T ∂P

(1)
h

Esse trabalho compreende, resumidamente, as etapas de calibração do modelo de escoamento multifásico, levantamento de dados de campo e identificação de condições de produção visando a não cristalização da parafina nas diversas situações operacionais enfrentadas. Foram comparadas as curvas de produção de poços de um mesmo campo com características particulares, mas que operam com condições de contorno (pressão e temperatura no reservatório e na plataforma) similares. Além disso, são mostrados os fatores que favorecem ou não o fenômeno do resfriamento numa ótica acoplada de reservatório e sistema de elevação e escoamento.

2. Construção do Modelo de Escoamento Multifásico
Nesse trabalho, foi construído um modelo de escoamento multifásico num software desenvolvido pela Petrobras para dois poços. Foram escolhidos dois poços de um mesmo campo com características semelhantes. A figura 1 mostra de maneira esquemática o modelo construído cuja análise compreende desde o fundo do poço até a plataforma. Nesse modelo, é adotado um modelo linear de IPR (inflow pressure relationship) para modelar o fluxo no meio poroso.

2

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Figura 1. Esquema do Modelo do Simulador de Escoamento Multifásico Na figura 1, a parte em azul corresponde onde há a flowline e riser de produção (trecho submarino), enquanto que a parte em amarelo escuro corresponde ao trecho onde há a formação rochosa (poço). O reservatório e a plataforma estão indicados também nesta representação.

2.1. Dados do Modelo para o Poço 1 Para a construção desse modelo do poço 1, foi utilizado um riser e uma flowline de 2300 e 2360 m, respectivamente, cujos diâmetros são de 6 polegadas. Esse poço tem lâmina d’água de 2150 m. O óleo tem um °API de 28,5, apresentando uma TIAC de 36,5°C e temperatura de segundo evento de cristalização igual a 20°C. Nos três primeiros períodos foi adotada uma razão gás óleo (RGO) do gás de formação para simulação de 277 Sm3/Sm3 enquanto que para os três períodos restantes foi adotada uma RGO do gás de formação de 310 Sm3/Sm3. ‘ ‘ 2.2. Dados do Modelo para o Poço 2 Para a construção do modelo do poço2, foi utilizado um riser e uma flowline de 2800 e 3915 m, respectivamente, cujos diâmetros são de 6 polegadas. Esse poço tem lâmina d’água de 2166 m. O óleo tem um °API de 28,1, apresentando uma TIAC de 35°C e temperatura de segundo evento de cristalização igual a 20°C. A RGO do gás de formação adotada foi de 267 Sm3/Sm3.

3. Calibração do Modelo de Escoamento Multifásico
Essa etapa consistiu em ajustar o modelo de escoamento desde o fundo do poço até a plataforma com os dados observados em campo. Esses dados de campo são pressões e temperaturas obtidos por medidores instalados ao longo do trajeto fundo do poço-plataforma. Em relação a esses medidores, foram instalados um sensor de pressão e temperatura no fundo do poço ( PDG - pressure downhole gauge), um sensor de pressão e temperatura na árvore de natal molhada (sensor TPT) e um sensor de pressão e temperatura a montante do choke de superfície instalado na plataforma. 3.1. Calibração do Modelo do Poço 1 As figuras 2 e 3 mostram os perfis de pressão e temperatura para a calibração do modelo de escoamento, bem como os valores obtidos em campo (pressões e temperaturas no PDG e TPT). Nessa modelagem, foi adotada a mesma pressão obtida em campo a montante do choke na superfície. 3

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Perfil de Pressão do Poço 1 1928 m3/d (simulada-período 1)
Pressão (kgf/cm 2) 0 0 2030 m3/d (simulada-período 4) 1000 3375 m3/d (simulada-período 5) Comprimento Medido (m) 2000 3587 m3/d (simulada-período 6) 3000 4000 5000 6000 7000 8000 1918 m3/d (medida PI-período 1) 1847 m3/d (medida PI-período 2) 2205 m3/d (medida PI-período 3) 1993 m3/d (medida PI-período 4) 3495 m3/d (medida PI-período 5) 3717 m3/d (medida PI-período 6) 200 400 600 1845 m3/d (simulada-período 2) 2117 m3/d (simulada-período 3)

Figura 2. Perfil de Pressão do Poço 1 desde o Fundo do Poço até a Plataforma

Perfil Térmico do Poço 1
1928 m3/d (simulada-período 1) Temperatura (° C) 0 0 1000 Comprimento Medido (m) 2000 3000 4000 2205 m3/d (medida PI-período 3) 5000 6000 7000 8000 1993 m3/d (medida PI-período 4) 3495 m3/d (medida PI-período 5) 3717 m3/d (medida PI-período 6) 1° Evento Cristalização (TIAC) 2° Evento Cristalização 20 40 60 1845 m3/d (simulada-período 2) 2117 m3/d (simulada-período 3) 2030 m3/d (simulada-período 4) 3375 m3/d (simulada-período 5) 3587 m3/d (simulada-período 6) 1918 m3/d (medida PI-período 1) 1847 m3/d (medida PI-período 2)

Figura 3. Perfil de Temperatura do Poço 1 desde o Fundo do Poço até a Plataforma

4

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 A tabela 1 mostra os níveis de produção atingidos pelo poço 1 em alguns momentos de sua vida produtiva. Os dados dos gráficos das figuras 1 e 2 são mostrados em detalhes nas tabelas de 1 a 5. Os dados de vazão, pressão e temperatura nas tabelas 1, 2, 3, 4 e 5 são valores médios ponderados no tempo, isto é, levam em consideração as oscilações naturais do poço. Os períodos de avaliação mostrados correspondem a intervalos em regime permanente nos quais as oscilações dessas variáveis são pequenas em torno de um determinado valor médio. Tabela 1. Comparação entre valores de vazão observados em campo e simulados do poço 1 Período 1 2 3 4 5 6 Vazão Medida (m3/d) 1918 1847 2205 1993 3495 3717 Vazão Simulada (m3/d) 1928 1845 2117 2030 3375 3587

Na tabela 1, o máximo desvio simulado observado foi de 3.5 % em relação aos valores medidos, o que é considerado satisfatório. As tabelas 2 e 3 mostram os valores de pressão e temperatura no fundo do poço: Tabela 2. Comparação entre valores de pressão de fundo observados em campo e simulados Período 1 2 3 4 5 6 Pressão de Fundo Medida (kgf/cm2) 503,5 504,0 497,1 500,0 468,1 461,6 Pressão de Fundo Simulada (kgf/cm2) 503,9 505,8 499,3 501,1 461,4 453,1

Tabela 3. Comparação entre valores de temperatura de fundo observados em campo e simulados Período 1 2 3 4 5 6 Temperatura de Fundo Medida (C) 56,9 56,9 57,1 57,1 57,8 58,0 Temperatura de Fundo Simulada (C) 57,5 57,4 57,7 57,6 59,5 59,9

Nas tabelas 2 e 3, os máximos desvios observados foram de 1,8 % e 3,3% em relação aos valores medidos para as pressões e temperaturas no fundo do poço, respectivamente, considerados satisfatórios. As tabelas 4 e 5 mostram os valores de pressão e temperatura observados na árvore de natal molhada: Tabela 4. Comparação entre valores de pressão no TPT observados em campo e simulados Período 1 2 3 4 5 6 Pressão no TPT Medida (kgf/cm2) 324,5 326,3 319,6 324,1 284,9 277,5 Pressão no TPT Simulada (kgf/cm2) 322,1 324,3 317,3 322,6 283,1 277,9 5

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 Tabela 5. Comparação entre valores de temperatura no TPT observados em campo e simulados Período 1 2 3 4 5 6 Temperatura no TPT Medida (C) 49,8 49,9 50,6 50,4 52,0 52,3 Temperatura no TPT Simulada (C) 47,8 47,4 48,5 48,3 52,3 52,9

Nas tabelas 4 e 5, os máximos desvios observados foram de 0,8 % e 5,0 % em relação aos valores medidos para as pressões e temperaturas no TPT, respectivamente, considerados satisfatórios.

3.2. Calibração do Modelo do Poço 2 A figura 4 e 5 mostram os perfis de pressão e temperatura para a calibração do modelo de escoamento, bem como os valores obtidos em campo (pressões e temperaturas no PDG e TPT). Nessa modelagem, foi adotada a mesma pressão obtida em campo a montante do choke na superfície.

Perfil de Pressão do Poço 2
Pressão (kgf/cm 2) 0 0 1000 2000 Comprimento Medido (m) 3000 4000 5000 2905 m3/d (medida PI-período 2) 6000 7000 8000 9000 10000 2222 m3/d (medida PI-período 3) 2299 m3/d (medida PI-período 4) 2426 m3/d (medida PI-período 5) 2570 m3/d (medida PI-período 6) 1927 m3/d (medida PI-período 7) 200 400 3088 m3/d (simulada-período 1) 2832 m3/d (simulada-período 2) 2189 m3/d (simulada-período 3) 2293 m3/d (simulada-período 4) 2419 m3/d (simulada-período 5) 2555 m3/d (simulada-período 6) 1976 m3/d (simulada-período 7) 3219 m3/d (medida PI-peírodo 1)

Figura 4. Perfil de Pressão do Poço 2 desde o Fundo do Poço até a Plataforma

6

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Perfil Térmico do Poço 2
3088 m3/d (simulada-período 1) Pressão (kgf/cm2) 0 0 1000 Comprimento Medido (m) 2000 3000 4000 5000 6000 7000 8000 9000 10000 10 20 30 40 50 60 2832 m3/d (simulada-período 2) 2189 m3/d (simulada-período 3) 2293 m3/d (simulada-período 4) 2419 m3/d (simulada-período 5) 2555 m3/d (simulada-período 6) 1976 m3/d (simulada-período 7) 3219 m3/d (medida PI-peírodo 1) 2905 m3/d (medida PI-período 2) 2222 m3/d (medida PI-período 3) 2299 m3/d (medida PI-período 4) 2426 m3/d (medida PI-período 5) 2570 m3/d (medida PI-período 6)

1927 m3/d (medida PI-período 7)
1 Evento Cristalização TIAC 2 Evento Cristalização

Figura 5. Perfil de Temperatura do Poço 2 desde o Fundo do Poço até a Plataforma A tabela 6 mostra os níveis de produção atingidos pelo poço 2 em alguns momentos da vida produtiva. Os dados dos gráficos das figuras 4 e 5 são mostrados em detalhes nas tabelas de 6 a 12. Os dados de vazão, pressão e temperatura nas tabelas 6, 7, 8, 9 e 10 são valores médios ponderados no tempo, isto é, levam em consideração as oscilações naturais do poço. Os períodos de avaliação mostrados correspondem a intervalos em regime permanente nos quais as oscilações dessas variáveis são pequenas em torno de um determinado valor médio. Tabela 6. Comparação entre valores de vazão observados em campo e simulados do poço 2 Período 1 2 3 4 5 6 7 Vazão Medida (m3/d) 3219 2905 2222 2299 2426 2570 1927 Vazão Simulada (m3/d) 3088 2832 2189 2293 2419 2555 1976

Na tabela 1, o máximo desvio observado foi de 4,0 % em relação aos valores medidos, o que é considerado satisfatório. As tabelas 7 e 8 mostram os valores de pressão e temperatura no fundo do poço: Tabela 7. Comparação entre valores de pressão de fundo observados em campo e simulados do poço 2 Período 1 2 3 4 5 6 7 Pressão de Fundo Medida (kgf/cm2) 438,1 446,4 471,1 466,1 464,2 455,8 476,0 Pressão de Fundo Simulada (kgf/cm2) 434,1 444,3 469,5 465,5 460,6 455,3 477,7 7

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 Tabela 8. Comparação entre valores de temperatura de fundo observados em campo e simulados do poço 2 Período 1 2 3 4 5 6 7 Temperatura de Fundo Medida (C) 59,0 59,0 59,0 59,0 59,0 59,0 59,0 Temperatura de Fundo Simulada (C) 59,6 59,5 59,3 59,3 59,4 59,4 59,2

Nas tabelas 7 e 8, os máximos desvios observados foram de 2,0 % e 1,0% em relação aos valores medidos para as pressões e temperaturas no fundo do poço, respectivamente, considerados satisfatórios. A tabela 9 mostra os valores de pressão na árvore de natal molhada. Na tabela 10, são mostrados os valores de temperatura a montante do choke na superfície medidos e simulados: Tabela 9. Comparação entre valores de pressão no TPT observados em campo e simulados do poço 2 Período 1 2 3 4 5 6 7 Pressão no TPT Medida (kgf/cm2) 227,7 241,0 274,5 268,9 262,6 255,4 283,7 Pressão no TPT Simulada (kgf/cm2) 232,4 244,8 274,5 269,8 264,0 257,5 284,1

Tabela 10. Comparação entre valores de temperatura montante do choke na superfície observados em campo e simulados do poço 2 Período 1 2 3 4 5 6 7 Temperatura Medida a Montante do Choke (°C) 27,0 28,8 27,0 28,9 28,0 28,1 26,4 Temperatura Simulada a Montante do Choke (°C) 24,2 26,3 28,5 28,5 28,3 27,8 28,2

Nas tabelas 9 e 10, os máximos desvios observados foram de 2,0 % e 10 % em relação aos valores medidos para as pressões e temperaturas no TPT, respectivamente, considerados satisfatórios.

4. Faixa Operacional dos Poços com Alto RGO
Após a calibração dos modelos para os poços 1 e 2, são levantadas as curvas da temperatura a montante do choke em função da vazão de líquido conforme as figuras 6 e 7:

8

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Faixa Operacional Poço 1
40 Temperatura a Montante Choke (° C) 35 30 25 20 15 10 5 0 0 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 Vazão (m3/d)

Curva Vazão x Temp.Mont. Choke TIAC 2° Evento Cristalização Dados PI

Figura 6. Faixa Operacional do poço 1 com alto RGO

Faixa Operacional Poço 2
40 Temperatura a Montante Choke (° C) 35 30 25 20 15 10 5 0 0 1.000 2.000 Vazão (m3/d) 3.000 4.000

Curva Vazão x Temp.Mont. Choke TIAC 2° Evento Cristalização Dados PI

Figura 7. Faixa Operacional do poço 2 com alto RGO Nas figuras 6 e 7, podemos notar que existe um valor máximo de vazão a partir do qual ocorre um resfriamento do fluido. Em outras palavras, o fenômeno é regido por troca térmica até esse valor máximo, isto é, quanto maior a vazão, maior será a temperatura a montante do choke de superfície. A partir desse valor máximo, o efeito Joule Thomson começa a prevalecer, resfriando a mistura multifásica de óleo e gás, o que explica o formato das duas curvas das figuras 6 e 7. Para o poço 1, o máximo valor de vazão a partir do qual começa o resfriamento é de 2840 m3/d. Já o poço 2, esse valor é de 2185 m3/d. Observando-se as figuras 6 e 7, o poço 1 produz com temperaturas a montante do choke maiores que o poço 2. Nos gráficos dos perfis de pressão de ambos os poços, podemos observar que o poço 2 opera com níveis 9

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 menores de pressão (sensores PDG e TPT), isto é, o poço 2 é submetido a maiores diferenciais de pressão, o que acentua o efeito Joule Thomson segundo a equação 1. Pode ser estabelecida uma faixa de operação para estes poços com o objetivo de minimizar a precipitação severa de parafinas mais pesadas. Estas faixas de vazão são delimitadas pelos pontos de interseção das curvas com a linha base da temperatura de 2° evento de cristalização, neste caso 20°C para ambos os poços; a faixa de operação do poço 1 é de 911 m3/d a 4300 m3/d, enquanto a faixa do poço 2 é de 1000 m3/d a 3350 m3/d.

5. Conclusões
Em poços com alto RGO, altos níveis de pressão e vazão, existe um resfriamento significativo da mistura líquido e gás a montante do choke na superfície. Esse resfriamento causado por um efeito Joule Thomson pode propiciar a precipitação de parafinas na região onde ocorre esse resfriamento. Existe, portanto, uma faixa operacional de produção desse tipo de sistema (poço, linha e riser), dentro da qual a severidade do problema está sob controle operacional.

6. Agradecimentos
Os autores agradecem a Petrobras pela permissão da publicação deste trabalho, assim como aos profissionais que contribuíram para a realização deste estudo.

7. Referências
BEGGS, H.D. e BRILL, J.P., A Study of Two-Phase Flow in Inclined Pipes, JPT, p.607-617, mai., 1973. EATON, B.A. et al., The Prediction of Flow Patterns, Liquid Holdup and Pressure Losses Occurring During Continuous Two-Phase Flow in Horizontal Pipelines, JPT, p. 815-828, jun., 1967. FANCHER, G.H. e BROWN, K.E., Prediction of Pressure Gradients for Multiphase Flow in Tubing, SPE J., p. 59-69, mar. 1963. MORAN, M. J., SHAPIRO, H. N. Fundamentals of Engineering Thermodynamics, third edition, John Wiley & Sons, Inc., ISBN 0-471-07681-3.

10