UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

EM ECONOMIA SOLIDÁRIA E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MUNICÍPO DE NATAL

Adm. Alvaro Leandro Borges

Natal, janeiro de 2012

...................................................................................................................................... 8..................................................... 3 OBJETIVO .............. 2.......... 9.......... 11 REFERÊNCIAS ....... 10 CONCLUSÕES .............1 5................................................. 9 APOIO E RECURSOS ...................................................................................... 12 ......................................................................................... JUSTIFICATIVA ....................................3 6............................................................ 6 5................................ 9 DEMANDAS E STAKEHOLDERS ................................... 3 SISTEMA POLÍTICO ........................................................................................... 4......................Sumário 1............................................................. 4 AMBIENTE ..................................................................... 3 METODOLOGIA........................................................................................................................................................ 5. 3...................................... 8 CONTEXTO POLÍTICO ...................................... 6 CONTEXTO ECONÔMICO .....................2 5........................................................................................................................................................... 7........................................ CONTEXTO SOCIAL .......................................

3. Diante dessa realidade. No entanto. Ações negativas. 2. o estudo das políticas públicas ganha grande importância: através dele é possível a compreensão de seu funcionamento e só através dessa compreesão é possível a ação. de forma a deixar claro o os processos feitos pelos agentes públicos. que. tendo como outputs as decisões e ações dos executores da política . sendo por sua natureza uma política de indispensável necessidade de ser compreendida. pode-se afirmar que atinge direta ou indiretamente todos os habitantes do município. oriundas de corrupção e atividades afins facilitam a perda do interesse das pessoas por essa temática. eleitos ou não eleitos. focado principalmente no “como” está disposta a política. Os inputs são as demandas exigidas e os apoios e recursos liberados. o termo sofre preconceito e até desprezo devido à associação do cidadão com seus representantes. MATOS (p. esse estuda visa analisar com funciona a política pública de abastecimento de água em Natal. nas contendas e definições das regras que permeiam a sociedade. OBJETIVO O objetivo desse trabalho é realizar uma análise da política pública de abastecimento de água no Município de Natal. JUSTIFICATIVA A palavra política apresenta diversos significado. por sua natureza. METODOLOGIA A análise da política pública é um tipo de estudo contemporâneo das políticas públicas. 2011) define esse estudo como sendo o “exame da engenharia institucional e dos traços constitutivos do programa”.1. no dia-a-dia da população em geral. Por isso. Com o intuito de desenvolver uma análise da política pública de abastecimento de água no município do Natal será utilizado o modelo proposto por EASTON e citado por DAGNINO (2011) que analisa a política pública definindo o sistema político como centro do sistema. que transforma o indivíduo em cidadão. 2. capital do Rio Grande do Norte.

fechando um sistema imerso em um ambiente complexo. Para o caso específico do abastecimento de água a legislação maior atualmente em vigor no Brasil é a Lei nº 11.445 de 2007 que . bem como seus anseios. tecnologias. IMAGEM I – ANÁLISE DA POLÍTICA Fonte: DAGNINO (2011) Os levantamentos das informações ocorrerão principalmente através do levantamento de legislações federais e locais elaboradas pela ARSBAN. onde será apresentado o contextos sociais. Dessa forma. 4. ambiente. apresentando a estrutura da política. o presente trabalho se dividirá em sistema político. econômicos e políticos. que sofre incidência de cenários externos. apoio e recursos. onde será apresentado os mantenedores da política e por último as conclusões sobre a política. apresentando os públicos que dependem da política. Demandas e Stakeholders. informações de sites da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte e informações extraídas de sites de jornais locais. SISTEMA POLÍTICO Os recursos hídricos são de direito de todo o povo brasileiro e devido a isso o seu uso é definido por legislações federais. questões ambientais entre outros fatores.

PLANO DE OBRAS .250 de 2001 que autoriza o executivo municipal a outorgar a concessão à empresa. Porém a mesma já funciona na cidade desde a sua fundação. No caso da cidade de Natal.CAERN Fonte: Rocha. LIMA (2008) lembra que a responsabilidade do abastecimento de água e esgotamento sanitário é da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte – CAERN. deve se comprometer com a responsabilidade de levar água potável a seus cidadãos. a Constituição Federal. 2011. conforme lembra BARROSO (2007) coloca que qualquer assunto de interesse local deve ser de atribuição do município. o manejo de resíduos sólidos e a drenagem como os outros serviços essenciais do saneamento básico. em 02 de setembro de 1969. o abastecimento de água é um dos quatro conjuntos de serviços do saneamento básico. Além dessa lei. Abaixo. segue o plano de obras da época: IMAGEM II . a título ilustrativo. Dessa forma. tendo como marco regulatório a lei 5. o município. quer seja através da criação de um SAAE – Sistema Autônomo de Água e Esgoto. quer seja através da outorga do serviço a uma outra organização. no caso específico do abastecimento de água. . sendo assim responsável pela regulação do serviço. Por definição dessa lei. que ainda aponta o esgotamento sanitário.estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico.

AMBIENTE 5. responsável por regular as atividades de saneamento básico e a lei 6. A CAERN executa o abastecimento de água e o esgotamento sanitário enquanto a Prefeitura executa a drenagem e a limpeza urbana.1 CONTEXTO SOCIAL A política de abastecimento de água é de fundamental importância para a população. A compreensão dessa importância passa pela compreensão de diversos . a ARSBAN regula e fiscaliza e o COMSAB. 2011. outras duas leis fundamentam a política de saneamento básico: a lei 5. IMAGEM III – ESTRUTURA DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO EM NATAL COMSAB UNIÃO Legislação PREFEITURA Drenagem Limpeza Urbana Integram outorga ARSBAN Fiscaliza CAERN Abas. Posto esses agentes. delibera sobre os planos diretores e homologa as normas e padrões da ARSBAN. órgão paritário com membros dos poderes executivo e legislativo municipal e da CAERN.346 cria a Agência Reguladora de Serviços Básicos do Município de Natal – ARSBAN. Sanitário Fonte: Elaboração própria 5.No mesmo ano. pode-se afirmar que a estrutura do saneamento básico é a seguinte: A União legisla sobre o assunto.877 que cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico – COMSAB. de água Esgot.

a empresa foi criticada bastante pela mídia e pela população natalense principalmente pelo buracos oriundos de suas obras e pela descoberta de nitrato em alguns bairros. A cada uso corresponde uma certa demanda de água. a expansão industrial. a recreação e a pesca. a irrigação. De forma análoga. Portanto. enfim. desde que de forma controlada. Normalmente. o abastecimento para consumo humano e fins industriais. . 2011). Como única empresa a fornecer o serviço no município. esse acompanhamento ocorre de forma mais enfática sobre a CAERN. os recursos hídricos prestam-se a múltiplos usos. tais como: a potabilidade da água para a sobrevivência humana. o desequilíbrio entre a oferta e a demanda de água. comprometendo diversos usos. a captação de água para suprir uma demanda específica pode comprometer a oferta de água para outros fins. A AESBE – Associação de Empresas de Saneamento Básico Estaduais (2011) cita. A partir dessas interpretações. o uso e a ocupação do solo na bacia hidrográfica de um manancial podem introduzir na água substâncias em “excesso” ou indesejáveis. a empresa apresenta preocupação com o social. No caso específico de Natal.956 pessoas através de 1. a sua natureza finita e as suas dificuldades logísticas. a política da tarifa social. as suas diversas funções no cotidiano. ou entre as funções de um recurso hídrico como manancial de abastecimento e corpo receptor. a qual a CAERN cobra o valor mais baixo do país e beneficia um total de 23. a concentração demográfica. a criação de animais.4 mil pessoas somente na capital potiguar.581 km de redes de distribuição de água (CAERN. podem fazer dos usos múltiplos usos conflitantes. tais como: a geração de energia.fatores. No entanto. inclusive. em quantidade e qualidade necessárias e suficientes. a composição e a harmonia paisagística e até mesmo a recepção de efluentes domésticos e industriais. que é a executora do serviço. as atividades agropecuárias. Entretanto. a CAERN atende 750. Em 2011. é possível inferir que existe uma grande necessidade de acompanhamento dessa política pública por parte da sociedade. O MINISTÉRIO DA SAÚDE (2006) assim discorre sobre as características da água e suas multifuncionalidades: A qualidade da água é um atributo dinâmico no tempo e no espaço e bastante susceptível às ações antrópicas.

o caráter público da política é perceptível. O caráter privado da CAERN revela o poder econômico da organização: são 1711 colaboradores divididos em 152 municípios.5. benéfica para Natal. tendo suas ações divididas entre o Governo do Estado de forma majoritária. por vezes. a 4ª maior empresa do Estado e a 850ª empresa em faturamento do Brasil conforme dados publicado na revista Valor 1000 organizado pela Valor Econômico (GOVERNO DO RN. em termos econômicos. gera enormes prejuízos? Como gerir uma política equilibrando aspectos financeiros com sociais? Tais questionamentos apresentam maiores repercussões quando a executora da política não possui caráter totalmente público. beneficiando comunidades que não seriam favorecidas na hipótese da prática do livre mercado. Apesar dessa prática não ser. No entanto. principalmente através da prática do subsídio cruzado.2 CONTEXTO ECONÔMICO A análise do contexto econômico de uma política pública apresenta um importante viés: até que ponto a executora de uma política deve considerar os aspectos financeiros e a eficiência na aplicação de recursos quando o custo da universalização dessa política. parte do Governo Federal e parte privado. A natureza privada da CAERN revela-se no Plano de Metas da Companhia. de forma direta. Essa prática consiste no direcionamento de recursos dos municípios mais lucrativos para os menos. uma vez que essa representa o maior faturamento da CAERN. 2011). a ARSBAN e o COMSAB possuem grande importância na política de abastecimento de água uma vez que são responsáveis por regular/fiscalizar as ações da CAERN que se apresenta como uma empresa de Economia Mista. É a 12ª maior companhia de saneamento do Brasil. que. Devido a essa natureza. premiou seus colaboradores levando em consideração apenas a arrecadação em cada regional e suas unidades administrativas. a AESBE (2011) cita que tal prática permite a economia de escala e uma melhor infra-estrutura para o abastecimento de água. . em 2011. beneficiando assim todos os municípios de alguma forma.

ignorando a dificuldade em separar os sistemas dentro de um mesmo município ou a possibilidade de ressarcir a CAERN pelos investimentos realizados. há constantes ameaças de desvinculação total ou parcial do sistema. Estado: devido à enorme participação societária. DEMANDAS E STAKEHOLDERS A política de abastecimento de água apresenta diversos stakeholders a saber: Consumidores: principais interessados. LIMA (2008) informa que em Natal. No âmbito de Natal. uma vez que o cargo de presidente de forma direta e os demais do alto escalão de forma indireta sofrem indicação política do executivo do Estado. A natureza mista da organização não minimiza a forte influência exercida. a política também influencia negativamente. a ARSBAN estimula o controle social através do incentivo às ASSUSSAS. demandam menores custos. . apresenta demandas na participação financeira da CAERN e nos impactos políticos e sociais de suas ações. 6. A CAERN é vinculada ao Governo do Estado através da Secretária Estadual de Recursos Hídricos – SEMARH. Recentemente. o que repercute na continuidade da gestão da empresa.3 CONTEXTO POLÍTICO Apesar da execução da política ser feita por uma empresa de economia mista. que são entidades comunitárias que captam reclamações e anseios da população referente às diversas políticas de controle social. Recentemente o SINDÁGUA (2011) questionou o fato da Prefeita Micarla de Sousa (PV) propor a obtenção da subconcessão da Zona Norte. a gestão é bastante dificultada por questões políticas. Uma vez que o município possui autonomia administrativa de optar pela execução ou não por parte da CAERN. a mudança de partido do vice-governador Robinson Faria ocasionou a mudança na presidência da Companhia. qualidade da água e eficiência no abastecimento. saindo o então presidente Walter Gasi que pela segunda vez no cargo não ultrapassou a marca de um ano na função.5.

Outros: além dos já citados. políticas solidárias. Além do salário competitivo.Empregados/Sindicatos: exigindo melhores condições de trabalho e maior remuneração. através de projetos. reservatório enterrado. como TCE.. descoberta uma boa fonte de água. e do Governo Federal. Normalmente. etc. participação no resultados. estação elevatória de água tratada. ARSBAN. auxílio-creche. IDEMA. APOIO E RECURSOS A política recebe recurso de diversas formas. clube. reservatório elevado e adutora de água tratada. Também recebe recursos do Governo do Estado. etc. instituições de ensino. por todas as pessoas do município. massagem. programa de integração. recentemente recebendo recursos graças ao segundo Programa de Aceleração do Crescimento – PAC II. estação de tratamento de água. a empresa oferece plano de saúde. Por último. A importância dos investimentos externos deve-se à complexidade da operação de abastecimento. a política passa. Atraem a atenção de grandes fornecedores de engenharia. A CAERN obtém recursos próprios através da cobrança dos usuários e adotando a prática do subsídio cruzado.. por sua amplitude... ambientalistas. tais como: estação elevatória de água. ela passa por diversas etapas. sendo assim uma política de enorme repercussão. eventualmente. que sejam físicas ou jurídicas. os empregados e o sindicato da CAERN exercem forte influência na gestão da CAERN. a água é destinda às residências. Órgãos fiscalizadores: A natureza da política chama a atenção de diversos órgãos fiscalizadores. . vale compras. IBAMA. Ministério Público citados por Rocha (2011). adutora de água bruta. 7. COMSAB.

etc. referência em diversos aspectos. A gestão. . profissão. mais bem sucedida será a política. Além da profissionalização dos que estão à frente.ESQUEMA DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Fonte: Rocha (2011) A ARSBAN.. exigindo qualificação dos que estão à frente. a gestão eficiente de recursos. a execução. Quanto menor for a influência das questões político-partidárias e maiores forem a experiência e o vínculo dos gestores com o ramo.IMAGEM IV . não somente no abastecimento. 8. independente de renda. como no saneamento em geral. CONCLUSÕES A política pública de abastecimento de água possui uma amplitude enorme. sendo essencial para cada cidadão natalense. Apesar disso. a CAERN. sexo. natal aparenta ter uma gestão acima da média. tendo sua autonomia financeira vinculada diretamente à gestão municipal. regulação e fiscalização formam um ambiente abrangente e complexo. por sua vez. sendo seus indicadores e a empresa executora. é vinculada diretamente à Prefeitura do Natal. outros problemas devem ser discutidos e solucionados: as questões ambientais e a importância que a preservação da água ganha a cada dia. as dificuldades de controle do desvio ilegal da água.. a conscientização da população e o surgimento constante de novas tecnologias devem ser assuntos freqüentes entre os gestores.

Luis Roberto. Boas práticas no abastecimento de água: procedimentos para a minimização de riscos à saúde. Urbano Medeiros.aesbe. Extraído de <http:// www. Estados e Municípios. . 2008.9.br/imprensa/noticias/valor-economico-aponta-caern-como-umadas-maiores-empresas-do-brasil-e-a-12-em-saneamento/8709/>. Metodologia de análise de políticas públicas. DAGNINO. REFERÊNCIAS AESBE.rn. SOUZA. Saneamento Básico: competências constitucionais da União. Acesso em 02 jan. MATOS FILHO. Rogério Pires. Extraído de <http://www. Extraído de < http://www. LIMA. 2012. Acesso em 21 dez.br>. REDAE. Brasília. 2011.oei.gov. BARROSO. Estrutura do sistema de água e esgoto. Salvador. Lincoln Moraes e CRUZ.caern. Ministério da Saúde. Extraído de < http://www.es/salactsi/rdagnino1. 2011.asp>. Algumas considerações sobre os conceitos de avaliação e análise de políticas públicas. CAERN. Curso de regulação: teoria e prática. Acesso em 02 jan. GOVERNO DO RN. gov. Natal.htm#1a>. CAERN atende a 150 mil pessoas com tarifas sociais diferenciadas.org. ARSBAN. 2007. João. Renato.br/contentproducao/aplicacao/caern/estrutura/gerados/saneamento. Acesso em 02 jan.rn. 2012. MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2006. Valor econômico aponta a CAERN como uma das maiores empresas do Brasil e a 12ª em saneamento. 2011. Os desafios da regulação do Brasil: a visão da ARSBAN.

ROCHA. Extraído de <http://www. SINDÁGUA. O caminhos das águas do RN: da captação às torneira. Marcos. Natal. Acesso em 04 de janeiro de 2011.br/noticias/2011/not_12_05_c_zona_ norte_prefeita_encaminha_acordo. .sindaguarn. 2011. Zona Norte: Prefeita de Natal encaminha “acordo” para a CAERN. CAERN.com.htm>.