ACESSO A JUSTIÇA – AULA 1 1) ESTRUTURA DO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO O poder judiciário tem interdependência administrativa e financeira Representa um dos

poderes da república Art 2 da CF – Poder executivo Legislativo Judiciário Após a emenda constitucional nº 45/04, foi criado o CNJ e o CNMP - Função típica do poder legislativo – resolver os conflitos de interesse, aplicando a l ei ao caso concreto. - O judiciário poderá exercer atividades atípicas Ex: criação do regimento interno dos tribunais (função legislativa). Quando um juiz baix a uma portaria (função do executivo) - A ditadura do judiciário na criação de norma por via reflexa, tendo em vista a omissão do poder legislativo. Ex: quando o STF liberou o aborto do feto anencéfalo , forçan do o judiciário a alterar a lei ou criar. Outros exemplos: Relações homoafetivas Ficha limpa Liberdade provisória no crime de tráfico ilícito de entorpecentes ( art 44da Lei 11343 /06) 2) CRIAÇÃO DOS JUIZADOS DE PEQUENAS CAUSAS Art 98 da CR – Cível: resolver conflitos de menor complexidade, Lei 9099/95 Estados e DF, até 20 salários mínimos , dispensa a presença do advogado CRIMINAL : infrações penais de menor potencial ofensivo ( art 61 da Lei 9099/95), cu ja pena não excede 2 anos . Política criminal despenalizadora (transação penal e suspensão do processo) . EXCEÇÃO: Lei Maria da Penha (Lei 11340/06) -DA JUSTIÇA MILITAR E SUA ESTRUTURA -Estadual ->Na constituição federal (art. 122/art. 124 CR) ->Composição “Justiça Castrense”: *Superior Tribunal Militar. *Tribunal e Juízes militares a serem instituídos na forma da Lei. *Iniciativa do Tribunal de Justiça Estadual. *Art. 125, parágrafo 3º CR (quando o efetivo da Polícia For superior a vinte mil milit ares) ->Composição do S.T.M.: *15 ministros. Nomeados pelo presidente da república depois de aprovado a Indicação pelo Senado Feder al. -03 Ministros da Marinha -04 Ministros do Exercito. -03 Ministros da Aeronáutica -05 Ministros Civis. *Quem serão os Civis: 03 Advogados de notório saber jurídico, conduta ilibada, com mais de 10 anos de efet iva atividade profissional. 02 Membros entre Juízes e membros do Ministério Público Militar. -Funcionalidade da Justiça Militar. *Em primeira instância será o Militar julgado pela Auditoria militar. *O Militar somente será julgado pela justiça militar quando praticar crime propriame nte militar. Dec. Lei. 1001/69 – CPM, Dec. Lei. 1002/69 – CPPM, Art. 09º (Crimes propr iamente militares).

Específicos e genéricos: -Perdimento do cargo. 125. forma. de acordo com os regulamentos da Polícia Militar). * Prisão do Militar: Flagrante (Art. No caso de crime hediondo será 30 dias. A autoridade que irá realizar as investi gações será um Militar hierarquicamente superior. Lei 9. 90 – A. G. finalidade do ato administrativo). de acordo com os regulamentos da pol icia militar. * Sentença Penal condenatória em face de Militar. 79. Sendo assim. serão separados os processos. Fiscalizando o Principio da obrigatoriedade da ação penal.E. CPP). e remete ao Procurador geral de justiça. recurso extraordinário. 28 CPP. Lei 12. e prorrogada por mais 30 dias (Lei. Se o Juiz militar concordar ele irá arqu ivar. -Pode tornar certa a reparação do Dano. Art. 8.T. C. O PGJ poderá manter o arquivamento ou poderá determinar que um outro memb ro do MP ofereça a Denúncia. no entanto será cabível o HC quando a prisão for i legal por ofensa aos requisitos do ato administrativo (competência. A Policia Militar exerce primordialmente uma função ostensiva.403/11. podendo ser prorrogado por mais 05 di as. -A sentença penal condenatória é um titulo executivo judicial (ação civil ex delicto). Art. parágrafo 3º CR.960/89).Composição da Auditoria Militar: 01 Juiz togado (aprovado em concurso público de prova s e títulos) e 03 Juízes auditores (da maior patente. Chegando ao Tribunal o Recurso será distribuído para um D esembargador relator. suspensão condicional do processo). 92. *Agente infiltrado e organização criminosa. em seguida os autos serão levados a julgamento plenário. será julgado pelo Tribu nal do Júri da Justiça comum Estadual. 41. 46 CP P (05 dias réu preso. Art. 302. * O Militar quando comete um crime comum em concurso com um civil. = P2 + Policia Civil + MP. 142. * É incabível a aplicação do Rito Sumaríssimo da Lei 9. Este outro membro não poderá recusar. 312.034/95.099/95). O Militar será julgado pela Auditoria Militar e o Civil pela Justiça Comum Estadual. Se verificar a ausência destes re quisitos o MP pedirá o arquivamento do IPM. Após a emissão do parecer retorna para o relator pa ra proferir voto. parágrafo 2º. Porém o STF fez uma nova interpretação não caberá HC em relação ao mérito da prisã is esta pertence a Policia Militar. pois funciona como um ‘Longa Manus’ do PGJ. 072/90). CP). será remetido ao MP (poderá oferecer Denúncia se presente os indícios s uficientes de autoria e prova de materialidade). o acórdão poderá ser unânime ou por maioria de votos. * Efeitos da Sentença penal condenatória (art.E. Do acórdão ca erá Recurso especial. mas se discordar ele irá aplicar o art. se não for unânime caberá embargos infringen tes (recurso exclusivo da defesa). * O Militar que comete um crime contra a vida de um civil. Prazo de 05 dias. A policia retarda o flagrante. * A prisão do Militar por transgressão disciplinar busca o cumprimento da hierarquia e subordinação. CPP) Preventiva (art. * A segunda instância da Justiça Militar do Estado do Espírito Santo será formada pelo T ribunal de Justiça Estadual. * É será cabível a ação penal privada subsidiária da pública. 15 dias réu solto). * Direito de greve dos Militares e Sindicalismo Militar (de certa forma é vetado p ela CR). Prazo Art. Logo após ele remeterá os Autos para a procuradoria de Justiça C riminal para a emissão de parecer. O Juiz poderá autorizar que um Agente policial seja infiltrado no meio dos criminosos para uma prisão mais efe tiva e de um numero maior de criminosos. -Conclusão do IPM.R. Caberá recurso (Apelação Criminal) e será interposto no Juízo “a quo”. quando o MP for inerte. Lei 9. (não caberá habeas corpus em face de prisão dis iplinar). Não será cabível a aplicação dos Institutos despenaliz adores (Transação penal. motivo. Temporária (Lei 7. CPP). A parte contrária será intima ra apresentar contrarrazões. CPP. O Voto do relator será lido e em seguida os dois outros desembargadores poderão acompanhar ou não o voto.099/95 as infrações de menor potencial ofensivo (art. mas endereçado ao Juízo “ad quem”. A Peça que inaugura a ação p l pública Incondicionada será a Denuncia (requisitos art. Exceção: PM-2 (p oliciais infiltrados) * Instaura o IPM (inquérito penal militar). 91. art . * O Ministério Público Militar irá atuar na acusação do Militar.

Juizados especiais (Causas de menor complexidade). *Irá formar um processo dentro do tribunal de contas. *A consequência da ação de improbidade causa: -A perda do mandato. 387. Remeter ofício ao TRE para in elegibilidade. Basta a presença de provas.099/95. 7171/65). -JEC – Lei 9. Tribunal de contas.   . -Entrância-> distribuição da organização judiciária. -Ficha Limpa. CR e Lei 8429/92 propor a Ação de Improbidade administrativa em desfavo r de XXXXX. auditorias externas. Composição: ver CRFB art. Através do BACEN-jud. -Resoluções do TSE. Por meio de uma ação popular (Lei 4. Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direto da 1 Vara da Fazenda pública Estadual da comarca de Castelo – ES. *É analisada sobre a conduta dos agentes políticos perante a administração Pública. prestação de contas. CPP.429/92. parágrafo único (Lei 7719/08) combinado com art. *Sequestro de bens como medida cautelar. O Ministério Público Estadual através do seu representante legal. JUSTIÇA ELEITORAL -Previsão legal: art. ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA ELEITORAL -Tribunal superior eleitoral (TSE) -Tribunais regionais eleitorais (TRF) -Juízes eleitorais. Remete cópia dos autos ao MPE para o ajuizamento de ação de improbidade administrativa. 118/121 CR. III. A consequência: *O ministério público poderá ajuizar a ação de improbidade independente da aprovação das cont s pelo Poder legislativo local. pelo fator e fundamentos a seguir expostos.737/65 -Lei complementar: 64/94. -Inelegível -> 08 anos -Reparação do dano. -Multa -> dívida de valor (execução fiscal). -LIA Lei 8. com fundamento no ar t. permite que o Juíz fi xe um valor mínimo a título de reparação de danos. sanção multa + dever de reparar o dano. Transparência. Promotor de Justiça. -Federal: Procurador da república. 129. -Instância -> grau de recurso. -Os membros do MPE e MPF serão designados em suas funções através de nomeação respectivament e do PGJ e PGR. MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL -Estadual: Procurador de Justiça. Subprocurador da república. -Inelegibilidade. -A Câmara municipal aprova as contas do agente político (Divergência). basta demonstrar o PIM e FBI. Conclusão final do Processo: Rejeição das contas. *Fiscalização do agente político (Povo).. 63. 118/121 CR -Código eleitoral: 4. -Juntas Eleitorais. Consequência: Inelegibilidade.

*Independência administrativa. -Lei 8.*Fatos. Lei 8.666/93. Lei 8429/92 e na esfera Penal os crimes contra a administração pública (art. qu e é 03 anos). Lei 8078/90. MPF. Atuação do MP na área penal.741/03. *Inamovibilidade. Não pode ser removido de sua Comarca após sua titulação. *Necessita 02 anos de estágio probatório (diferente dos outros servidores públicos. Garantias: *Vitaliciedade. Atuação do MP na área cível. EC 45/04. MP = “Parquet” (da à ideia de assoalho). A DCT. *Fundamentos. Lei de licitações públicas – 8. 312 e seguintes do CP ). DO MINISTÉRIO PÚBLICO -Previsão Legal – Art.112/90 e LC 46/94). PRISÃO DURANTE O PERÍODO DAS ELEIÇÕES. Atuação do MP na proteção de interesses coletivos/difusos individuais homogênios. De acord o com a legislação especial. somente poderá ser removido por interesse público. -O ato ilegal do agente político implicará em sanções nas esferas: Administrativa (por d ecoro parlamentar. 236. Art. a Corregedoria poderá suspender o até mesmo retirar o mandato e t ambém o Processo administrativo popular. Lei complementar 75/93. O MP funciona no processo como parte ou “Custos Legis” – Fiscal da Lei. *Irredutibilidade de subsídio. O Salário do Promotor não pode ser diminuído. salvo se mandado já expedido para ser cumprido. dentro do Admin istrativo o Tribunal de contas. Lei complementar 95/97. Manutenção do ordenamento jurídico. Lei 8. Resoluções do Conselho nacional do MP. Rol de testemunha. -Impugnação a candidatura. assegurado o contraditório e ampla defesa (decisão a ser tomada pelo Conselho Superior do MP). -Código eleitoral determina que ninguém poderá ser preso 05 dias antes e 48 horas depo is da eleições.O. Princípios: Inde pendência funcional e financeira. 121/00. 29. Lei de responsabilidade fiscal. . A. Lei 10. na esfera cível a Ação de reparação de Danos. 127/130. Criado pela EC 45/04. Lei 7.625/93 – L.429/92. Funções essenciais do MP: proteção à ordem e interesse coletivos/difusos de toda a socieda de.N. Lei 4. Lei do Ministério Público Estadual (ES).347/85. CPC.M. O Promotor que foi efetiv ado antes da CR de 88 poderá deixar seu cargo para ser candidato público. CPP. LC 101/00 Responsabilidade fiscal. Trata sobre Nepotismo. Vedações: *Não pode receber honorários e custas processuais (presentes). Art. *Pedido. *Exercer qualquer outra profissão salvo uma do Magistério.737/65 . Local e data. A ação penal púb ica incondicionada o MP oferecerá denúncia e se a Sentença for condenatória um de seus e feitos e o perdimento do cargo e a inelegibilidade do agente público.

Colégio de Procuradores de Justiça. *Ministério Público Eleitoral. mais de 10 de exercício na carreira . 2) Subprocurador geral de Justiça. Atuarão na área Judicial e Administrativa. *Estrutura do MP: Ministério Público da União/Militar/Federal/Dos Estados/DF/Trabalho. -A função de membros do MPE será desempenhada concorrentemente pelo MPF e Promotoria d e Justiça Estadual. para Mandatos de 02 a nos. 5) Corregedor do Ministério Público. *Cível     . Estrutura do Ministério Público Estadual. *Merecimento entende-se como Critérios objetivos: -Publicações. Será formada Lista Tríplice (os três candidat mais votados). *Participar em Sociedade comercial. Recondução. 7) Procuradoria de Justiça: *Criminal – Os procuradores irão emitir Parecer ou recorrer. -Processos. apenas emitir Pare cer em: -Auditorias. *Ingresso na carreira: Concurso Público de Provas e Títulos com participação obrigatória da OAB. -Aposentadoria. A CR permite apenas como Sócio quotista. mas com a exigência de pelo menos três anos em experiência jurídica.*Desde que exista compatibilidade de horário. mais de 35 anos. Merecimento/Antiguidade (tempo como Procurador). 130 CR. inscrito na OAB ou com incompatibilidade. É um Procurador de justiça que foi eleito para ocupar um Mandato de 02 anos. 1) Cargo de Procurador Geral de Justiça. *Nas eleições haverá a inscrição de candidatos. É enviado para o governador que no prazo de 15 dias indicará o PGJ. -É necessário ser Bacharel em Direito. Concurso: Cargo de Procurador de Contas. Não possui legitimidade para postular perante o Poder Judiciário. -Recursos Administrativos. *Necessita ser membro do MPE. Recondução. Promoção na Carreira: Início como Promotor substituto -> Promotor de 1º Entrância -> Promo tor de 2 Entrância -> Promotor de 3 Entrância -> Promotor de Entrância Especial -> Procu rador de Justiça. *Ministério Público de contas. *Exercício da advocacia incompatível com a função de Promotor. Entrância especial e Procuradoria de Justiça. Art. CR. 02 natos (PGJ e PC) e mais 05 membros (Procurador de justiça eleitos pela classe). *Mandato de 02 anos. 3) 4) Procuradores de Justiça (33). Nomeados pelo PGJ. -Prestação de contas. 6) Conselho superior do MP: Composto por 07 membros. exercer as suas funções em Comarca de 3º Entrância. mas apenas natural. -Não é permitido acima de 65 anos. -Não é cabível Promotor “ad doc” (exceção).

Objetiva a proteção ao meio ambiente. Titulo extrajudicial. 5. -Poderá discordar do arquivamento. *Quem poderá fazer a proposta do TAC¿ MP e os órgãos públicos. C . Bilateralidade. 8 1. Multa pelo descumprimento da obrigação. Liquido e certo -> Lei 8. 12 9. *Pedidos: Liminar (Fumus + pericullum) ou Antecipação de tutela. *Defesa endoprocessual. -Fundamento: Lei 7. *Defesa exoprocessual ou heterotópia. T.: O Promotor irá fazer a promoção ministerial 1) Arquivamento do I. 07º -Autoridade coautora -> Promotor: competência originária será do Tribunal de justiça.C.P para f iscalizar. Art. 475-L. -Conclusão do I.717/65. criança/deficiente físico. Embargos à e ecução. CR). difusos e individuais homogêneos. Citação do executado (CNRD). Natureza jurídica do Inquérito civil: Procedimento administrativo. EOAB. 9) Centro de estudos do MP. CDC. ele funcionará como o Fiscal da Lei. -Rito: Ordinário. CPC.C. Objeto do Inquérito Civil: Danos coletivos. Prova documental. 8) Centro de Apoio operacional do MP (vários): *Meio ambiente *Criança e adolescente *Probidade administrativa Conduzidos por um Promotor de justiça indicado e nomeado pelo PGJ. Cabe agravo de instrumento (art. LV. Cidadão eleitor. Quando o MP nega o acesso do Advogado aos autos do Inquérito civil o mesmo pratica ato ilegal e abusivo sujeito a Mandado de Segurança.*Recursal -> Resp e R.A. Art. *Concorda com o arquivamento.C. Quando MP não celebra o TAC.C. Lei 7347/85.C -> termo de ajustamento de conduta.232/05. no prazo de 03 dias ao C.E. *Ação popular – Lei 4. Lei 7. *Especial -> Tribunal pleno. -Objeto: reparação do dano. C ontraditório. 10)Estagiários *Assessores e funcionários. Impugnação ao cumprim ento de Sentença. *Descumprimento do TAC: -Ação de execução do TAC: Reforma da Lei 11. -Atuação do MP na celebração do Inquérito Civil. CR. O MP é o titular exclusivo do I.382/06. Idoso/Patrimônio Público. art. Características de contrato. Perícias técnicas.347/85 -Legitimados ativos: art. Mandado de segurança ou Exceção de Pré-Executividade.M. Lei 11. Instrução do I.347/85 – estabe lece que o MP deverá enviar os autos do I. -Petição Inicial.C. Ação anulatória. tendo em vista a ofensa a di reita. -Início do Inquérito Civil: por denúncia de qualquer cidadão ou de autoridades públicas .: Oitiva de testemunhas. Lei de ação civil pública. Embargos a execução. 527. art. Faculdade. * Cláusulas obrigatórias do TAC: reparação do dano. inclusive o MP de ofício -> Portaria (relato/resumo dos principais fatos objetos d a denúncia).906/94. *Caberá ao Juiz decidir deferir/indeferir.C. *”Querella nulitatis insanable”.S. 2) O promotor após concluir o I. *A execução do TAC não impede o ajuizamento da ação de conhecimento. (art. remeter os autos para a promotoria de origem pa ra continuar as investigações. 5º. III. detectou a presença de provas que demonstre o dan o ao interesse coletivo a ser tutelado. -> constatou a inexistência de provas. Titulo executivo extrajudicial. Qualquer cidadão poderá recorrer ao colégio de Procurado res de Justiça. meio ambiente/Consumidor.

pois julgou insuficiência de provas. Juizados especiais da Fazenda Pública (Lei 12. -Princípios norteadores são: informalidade.153/09) foram criados. art.153/09) -Dos juizados especiais no Brasil *Antes da CRFB eram conhecidos como Juizados de pequenas causas e buscavam a med iação entre as partes. *Depois da CRFB foi definido no art. -Procedimento Sumaríssimo. Caberá inversão do ônus da prova. *Oitivas de testemunhas e apresentação de prova pericial. 3) Código de transito (Lei 9.PC) câmara cível do Tribunal. julgar e executar questões (con flitos de interesse) de menor complexidade e pequeno valor. art. art. 90-A. *”Astreintis” – Multa diária pelo descumprimento da obrigação. determina que seja admitido o Procedimento sumaríssimo. -Sentença. Art.099/95. Juizado especial Criminal -> para processar e julgar as infrações penais de menor po tencial ofensivo. 4) Estatuto do Idoso (Lei 10. tendo como teto 60 salários mínimos. CPC. Esta sentença na ação coletiva poderá ter o efeito “erga omnes” e “inter partes” o ndum Eventum Litis” (se refere tão somente aquele individuo que ajuizou a ação). -Obrigação de fazer ou não fazer. -Requerer produção de provas. mas acima de 20 até 40 salários mínimos com a presença de advogado. suspensão condicional do proc esso. 77. -Pode julgar a demanda improcedente. CR. -Procedência -> enfrentamento das questões de mérito. a lei expressamente veda. -Despacho saneador -> fixar pontos controvertidos da Lide.434/06 são cabíveis os institutos despenalizadore s. Réplica. art. pois surgindo novas provas a partes poderá ajuizar nova ação. atr avés da Lei 10. Faz coisa julgada material. -Juizados especiais da Fazenda pública (Lei 12. 2) Lei Maria da Penha (Lei 11. Coisa ju lgada formal. Neste caso faz coisa julgada material. Acordo. -Citação do requerido. inciso I. oralidade. celerida de. Sentença homologatória. desde que oc orra prévia reparação do dano ambiental. *Encerrada a instrução serão apresentados Memoriais.099/95 veda a legitimidade das pessoas jurídicas de direito público. 291 do CTN). 89). -Os crimes ambientais serão cabíveis segundo o art.259/01. -O Juiz analisa a prova e verifica que o Autor não tem o direito pretendido.340/06) veda expressamente a aplicabilidade d os institutos despenalizadores da Lei 9. Até 20 salários mínimos não precisa de advogado. -Criou os juizados especiais no âmbito dos Estados/DF e Territórios. da Lei 9. 94. conciliar e j . 08º da Lei 9. -Não sendo possível o acordo o Juiz passará a instrução.741/03). conciliar. *Juizados especiais da fazenda pública foram criados para processar. -AIJ -> conciliação.605/98. -No âmbito da União foram criados posteriormente os Juizados especiais federais. -No âmbito dos Juizados especiais criminais (JECRIM) foi adotada uma política despen alizadora: Direito penal mínimo (Transação penal. 98. -Será aplicado os institutos despenalizadores a toda infração penal cuja pena não excede a dois anos independentemente de procedimento especial. -Crimes de entorpecentes -> Lei 11. 461-A. Contestação: Preliminar e mérito. art. mas não os institutos despenalizadores segundo a doutrin a majoritária.503/97. -Implementar a política do Acesso a Justiça. pois o art.099/95. 27 da Lei 9. Foi vedado sobre o argumento Hierarquia e Subordinação na Justiça Militar. Juizado especial Cível -> para processar. salvo: Exceção: 1) Crimes propriamente Militar. economia processual.

*Pressupostos: Fumus boni iuris + Periculum in mora. * O MP quando não for parte funcionará como “custos legis”. e neste caso prevalece a decisão do Presidente do TJ. 123/06. -Partes: *Sujeito ativo: Pessoas físicas e jurídicas inclusive a pequena empresa. *Natureza Jurídica da suspensão da liminar: incidente processual.153/0 9. *O pedido será efetuado através de simples petição. -O Juiz poderá de ofício ou a requerimento da parte. inexistindo prazo para sua interposição). *Decisão interlocutória -> Recurso cabível será o Agravo de instrumento no prazo de 10 d . Não é recurso. Lei.365/47 8) Demissão de funcionário Público cível ou Militar *Foro competente dos JEFP é absoluto (Art. *LÇei 9. Art.494/97 -> veda a concessão de tutela antecipada. CPC. -Pequeno valor: até 30 salários mínimos quando a condenação for contra o Município e até 40 s lários mínimos quando a condenação for contra o Estado. LC. *Verossimilhança das alegações *irreversibilidade da medida.717/65 3) Improbidade administrativa -> Lei. -Concessão de medidas cautelares ou antecipatórias no âmbito dos JEFP. *Tem preclusão consumativa. Concessionários e Permissionários. -Concessão de medida cautelar. parágrafo 3º. basta pr ovar os requisitos: Grave prejuízo a ordem econômica. 12. *Poderão ocorrer decisões conflitantes. 88/89 da ADCT. Prazo de 02 anos da vigênc ia desta Lei para que os Tribunais estaduais criem os Juizados especiais da Faze nda Pública. -Caso: Pessoa física x município de Vila Velha-ES -> Reparação de danos -> Tutela anteci pada -> Juiz defere -> O município foi intimado da decisão (Procurador municipal)-> Agravo de instrumento endereçado para um Colegiado recursal. 8.153/09: 1)Mandado de Segurança 2) Ação Popular -> Lei. *Cognição exauriente ou vertical.078/90 5) Ação de Execução Fiscal. -A decisão que concede/denega a medida liminar ou antecipatória comporta recurso de Agravo de Instrumento. 3. -Para evitar dano de difícil e incerta reparação. Lei.830/80 6) Demarcação e divisão de terras. *Ações que não estarão sujeitas ao procedimento da Lei 12. Se a parte não concordar caberá recurso de Agravo regimental para o tribunal pleno ou na hipótese de indeferimento da medida caberá novo pedido de suspensão ao Pr esidente do STJ. *Teto: até 60 salários mínimos. parágrafo 4º). Lei 8. contra a Fazenda pública. *Art. 7) Desapropriação -> Dec. Art. CR (Não estar ujeita ao precatório). -> Concessão de tutela antecipada.429/92. sendo 05 anos no máximo. pois não está sujeito a prazo. Distrito Federal. 527. finanças do Poder público. Município. -Da Sentença caberá apelação. CPC. 100. *Sujeito passivo: Estado/DF/Municípios. saúde.ulgar as ações de interesse do Estado. Os Juízes passaram a fazer o controle difuso de constitucionalidade concedendo a tute la antecipada ou liminar “inaldita altera partes”. Art. 02. *Cognição superficial ou horizontal. -Recursos no Procedimento dos Juizados Especiais da Fazenda Pública. po is esta decisão será política. 6. 273. caberá também pedido de s uspensão dos efeitos da medida liminar concedida contra o poder público (endereçada ao Presidente do Tribunal de Justiça. Territórios e suas A utarquias e Empresas públicas. 4) Ação coletivas para proteção de interesses coletivos e difusos. 4.

com efeito. préquestionatório para recurso extra. CPC. Aplica-se subsidiariamente o CPC. o recorrente d everá demonstrar graves prejuízos econômicos. Sujeito à multa. a saúde e segurança. Se a parte pe rde o prazo para interpor o agravo. sendo assim caberá mandado de segurança (Lei 12. *Art. *O cabimento da suspensão seria nos estrito limite da Lei. Referida medida não estará sujei ta a prazo. *Condenação da Fazenda pública: terá o privilégio do reexame necessário (Recurso de ofício). Celeridade. Entendimento da jur isprudência do STJ. E xige os pressupostos: obscuridade. mas no procedimento dos juizados especiais da fazenda pública sim) -> A parte contrária será intimada para apr esentar as Contrarrazões no prazo de 10 dias. o órgão superio . pois pelo menos suspende os efeitos da liminar co ncedidos na decisão. *Se o Presidente indefere. Ou seja. contradição. *Embargos de declaração. É difícil de acontecer na prática. *Art. 3º (medida cautelar ou antecipatória contra o Poder público ). CPC. Caso: Paulo Sergio ajuíza uma ação contra o município de vila velha pedindo indenização pelo s danos causados. Desta Decisão (que concedeu a liminar) caberia agravo de instrumento (tur ma recursal) e suspensão (presidente do tribunal). caberá recurso de agravo regimental bem como novo pedid o de suspensão ao STJ. *Quanto ao prazo. da Lei.099/95. É interposto no juízo “a quo” e endereçado ao juízo “ad quem” (turma recursal). *Referida Medida será endereçada através de simples petição ao Presidente do Tribunal de J ustiça local. CPC. o procedimento dos juizados especiais da fazenda não estará sujeito ao reexame neces sário. 11. *Decisões conflitantes: prevalece a decisão do presidente do tribunal. É necessário ouvir a parte contrária (contraditório). Resultado o Juiz julga procedente a demanda ajuizada contra o município. parágrafo 2º. pois a Lei na cita o nome (prazo de 10 dias) . 27. *Da Sentença. 538. mas é entendido pela doutrina). *O presidente do tribunal poderá deferir a suspensão e poderá suspender os efeitos da Liminar ou Sentença. Art. JEFP. A parte não pode deixar de pedir. O mandado de segurança (utilizado como meio impugnativo de uma dec isão arbitrária) é comum nos juizados. *Embargos de declaração: o prazo será de 05 dias e eles possuem o efeito suspensivo. STF e da doutrina. *A parte contrária será intimada para apresentar contrarrazões *O MP eventualmente poderá funcionar como “custus legis”.ias endereçado a turma recursal (não é cabível na lei 9. Art. o máximo que poderia ser sustentado seria uma preclusão consumativ a. 82. *Agravo retido -> recurso cabível de decisão interlocutória de natureza arbitrária (ileg al) sem previsão expressa nos JEFP. art. Prazo em quádruplo para contestar e duplo para recorrer. mas consegue interpor o pedido de suspensão. Não será cabíve l prazo diferenciado para a Fazenda pública no âmbito do procedimento dos juizados e speciais da fazenda pública. O Juiz poderá modificar a decisão. Dessa decisão caberá também de forma concomitante o incidente de suspensão dos efeito s da medida liminar ou sentença contra o Poder Público. *caberão da sentença e acórdão. Tal providencia e requisito obrigatório para o conhecimento do recurso extraordinár io e do recurso especial. pois se não.01 6/09) como a ação autônoma de impugnação haja vista a inexistência de recurso para impugnar referida decisão. parágrafo único. 475. *Da decisão que julga o incidente de suspensão não caberá recurso extraordinário nem recur so especial da parte recorrida. 188. *Embargos de declaração com efeitos infringentes (função modificativa). O agravante deverá informar o Juiz no prazo de 03 dias da interposição do recurso -> o Relator pedirá informação ao Juiz -> em s eguida o recurso será julgado pela turma composta por três Juízes que atuam em segunda instância dos Juizados especiais. financeiros. e ste será interessante a fazenda. ambiguidade e dúvida (não está no a rtigo. Caberá recurso inominado. omissão. *Embargos de declaração com efeito procrastinatório: com a finalidade apenas de ganhar tempo. Art. do CPC. e recurso esp ecial: Referido recurso busca forçar o enfrentamento da matéria fática no órgão de origem. *Decisão interlocutória: Art.

Contrarrazões no prazo de 15 dias. Admissível pelo Presidente da turma recursal endereçado o recurso ao STF. *Incidente de uniformização de jurisprudência. 100. CR combinado com art. Estados. *Ordem de pagamento dos precatórios: O pagamento deverá obedecer à ordem cronológica de apresentação. Da decisão do presidente da turma recursal que não admit e o recurso extraordinário caberá agravo de instrumento no prazo de 05 dias. *Art. Multa pelo atraso no cumprimento da decisão. CR. Motivo: art. *Não é cabível precatório suplementar ou complementar. Não será admissível a quebra da execução. quem irá determinar o pagamento será o presidente do TJES. *Incide a regra do Art. . 105 . Art. *Motivo do cabimento do recurso extraordinário: A última decisão não precisa ser necessa riamente no Tribunal. o mesmo terá responsabilidade criminal ( Lei de responsabilidade fiscal). doente grave. *Para tanto o poder público por força da Lei de responsabilidade fiscal (Lei complem entar 101/2000) deverá incluir na Lei orçamentária. inciso I. 88 e 89 ADCT. art. *Art. Juizados especiais federais. Municípios e Autar quias. 98.153/09: Compete ao d esembargador quando houver divergência na interpretação de direito material que ofenda a Lei federal. Art. *Os autos do precatório serão encaminhados ao Presidente do Tribunal local. Art. 100. no qual o poder público foi condenado. administrativa (Intervenção). indicando o valor do pagamento. bem como o beneficiário e o ente público. *A expressão poder público compreende: União. O Supremo alega Reserva do possível. -Dos precatórios Natureza jurídica: trata-se de procedimento administrativo. Art. *Também será considerado de pequeno valor para os efeitos legais o precatório cujo ben eficiário seja pessoa idosa. *Justiça Estadual. *Lei 10. *Se o agente público se recusar ao pagamento. 3) Até 60 salarios mínimos para a União. Territórios. É a única medida que força a chegada ao STJ. parágrafo 1. Pagamento pela via do Precatório. * Recurso extraordinário: cabimento no prazo de 15 dias. DF. da Lei 12. inciso II. *Se for a Justiça federal. *Se o agente político não incluir no orçamento. cuja finalidade será o p agamento de valor fixado em sentença transitada em julgado.259/01. competindo ao Ministro do STJ quando a divergência for de turmas d e estados diferentes. *O STF diz que a intervenção é medida drástica. *A ordem dos precatórios será publicada através de portaria no diário oficial do poder j udiciário. *Justiça do trabalho. inciso III. CR. caberá a parte adotar medidas expropri atórias em face do órgão público (sequestro de valores). parágrafo 2º. *Fracionamento de precatório: Incabível. As decisões proferidas em única ou u ltima instância pelos tribunais estaduais e federais. será o presidente do TRT. *Recurso especial: não será cabível no âmbito do procedimento dos JEFP. 475-J. será o presidente do TRF. CR (A TURMA RECURSAL NÃO É TRIBUNAL).r não conhecerá a matéria. Os precatórios incluídos até 1º de julho deverão ser pagos até o final do exerc seguinte. em limites superiores aqueles fixados como de pequeno valor. 102. Interposto na turma recur sal. arágrafo 13º. Lei 8. *Será considerado débito de pequeno valor aqueles em que a fazenda pública for condena da até os seguintes limites: 1) Até 30 salarios mínimos para o município 2) Até 40 salários mínimos para o Estado/DF.038/90. diz que pode rá pagar até o triplo do valor referente. *Quando a condenação for considerada de pequeno valor o Juiz expedirá oficio ao chefe do executivo (devedor) para o pagamento do débito. *A fazenda pública estará sujeita ao pagamento de seus débitos pela via do precatório. 100. da CR. s alvo quando o débito for considerado de pequeno valor. 18. somente devendo ser adotado em ultima hi pótese. CPC. 28 . CR.

494/97: O P residente do tribunal de ofício ou a requerimento do ente público poderá rever os valo res do precatório quando do seu pagamento. *Compensação de precatórios com débitos de natureza tributária. *Honorários advocatícios e precatórios. CR. Art. Após a EC 62/09 passou a permitir a compensação. Roberto. *Justiça Federal. Ex: Paulo é beneficiário de condenação no valor de 100 mil em face do Município de Castelo -ES. Ex: Paulo Sergio vendeu (Cessão de crédito) o precatório para Aracruz Celulose S/A. Cálculos do Processo. -Matéria da prova: * Tudo sobre precatórios. *O beneficiário que foi preterido poderá requerer sequestro dos valores referentes a o seu crédito. criminal. *Organização do Poder judiciário. *Tudo sobre Justiça Militar. Paulo Sergio vendeu o precatório por 80 mil. *Súmula 212 e 213 do STJ. *Tudo sobre Ministério público. *Tudo sobre Justiça eleitoral. . * “Relativização da coisa julgada e pagamento de precatório”. *Lista precatória de natureza comum e de natureza alimentar. *É incabível embargos à execução dos precatórios. * Tudo sobre Juizados especiais da Fazenda pública. O valor do precatório é de 300 mil reais. Caberia também intervenção e resp. *A atuação do MP (Procurador de Justiça) nos precatórios é obrigatória. *Da decisão que determina o pagamento de precatório não caberá RE e Especial. *Precatórios de natureza comum. Art. pensões e etc. 1º-E da Lei 9. Honorários de Dr. Indenizações. A Aracruz devi a para o Estado 600 mil de ICMS. 10 m il e custas processuais no valor de 03 mil. parágrafo 1º. *É vedada a quebra da ordem cronológica dos precatórios. *Até a EC 62/09 não existia previsão. 100. O MP entende que não são devidos os honorários antes. Paulo indenização de 100 mil.*Precatórios de natureza alimentar. Bloqueio de valores. Emitir parecer. O réu é o Estado do Espírito Santo.