CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC

Danielly Hanashiro Tatiane Alves Thais Moane

Bed and Breakfast no Brasil

São Paulo 2009

Danielly Hanashiro Tatiane Alves Thais Moane

Bed and Breakfast no Brasil

Trabalho apresentado

de ao

conclusão Centro

de

curso

Universitário

SENAC – Campus Santo Amaro, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharelado em Hotelaria.

Orientador Temático: Júlio César Butuhy

São Paulo 2009

HANASHIRO, Danielly. ALVES, Tatiane. MOANE, Thais Bed and Breakfast no Brasil / Danielly Hanashiro, Tatiane Alves,Thais Moane – São Paulo 2009. 102 p.

Trabalho de Conclusão de Curso – Centro Universitário SENAC Campus Santo Amaro – Bacharel em Hotelaria Orientador: Júlio César Butuhy 1. Bed and Breakfast 2. Hospitalidade 3. Sustentabilidade

Danielly Hanashiro Tatiane Alves Thais Moane

Bed and Breakfast no Brasil

Trabalho apresentado

de ao

conclusão Centro

de

curso

Universitário

SENAC – Campus Santo Amaro, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharelado em Hotelaria.

Orientador Temático: Júlio César Butuhy

A banca examinadora de Conclusão de Curso em sessão pública realizada em 05/10/ 2009, considerou o (a) candidato (a).

1. Examinador (a) 2. Examinador (a) 3. Examinador (a)

Aos nossos pais, que sempre nos auxiliaram nas dificuldades ao longo do curso. Aos nossos amigos e companheiros que de alguma forma nos compreenderam e auxiliaram na execução deste importante projeto para nossas vidas.

AGRADECIMENTOS

Agradecemos a todos aqueles que sempre estiveram ao nosso lado durante os quatro anos que se seguiram e a elaboração deste projeto. Primeiramente às nossas famílias, pais, irmãos e amigos que nos incentivaram a essa nova etapa de nossas vidas adulta, dando-nos todo suporte necessário para a realização, tanto acadêmica quanto pessoal. Gostaríamos de agradecer também a todos os profissionais que de alguma forma contribuíram para esse projeto. A todos envolvidos da agência Cama e Café, Carlos Magno Cerqueira, gerente comercial, Ana Laura Lopes de Andrade, psicóloga e responsável por acolher a sede da agência, Daniella Grego, gerente de operações e a anfitriã Flávia Garcia, que acrescentaram conhecimentos ao nosso projeto proporcionando novas perspectivas do mercado hoteleiro. Aos gerentes dos hotéis que trabalhamos, por terem permitido nosso afastamento para pesquisa de campo na cidade do Rio de Janeiro e por nos ofereceram hospedagem gratuita no período da visita. É de fundamental importância expressar nossa gratidão para com o nosso professor e orientador Júlio César Butuhy e nossa professora metodológica Mônica Bueno, que ao longo do curso nos ofereceu conhecimento e habilidades.

(…) A hospitalidade não é um convite sutil ao hóspede para que adote o estilo de vida de seu anfitrião. como o amor incondicional. É simultaneamente uma utopia e uma prática”. mas é a concessão ao hóspede. não rejeita nem discrimina a ninguém. aberta e irrestrita. de encontrar seu próprio estilo de vida”. e.“Hospitalidade não significa mudar as pessoas. oferecer-lhes o espaço necessário para que as transformações possam ocorrer. sim. Ela. Leonardo Boff . Henri Nouwen “A hospitalidade é antes de mais nada uma disposição da alma. em princípio.

além de ser de grande importância na constituição de vivência integral de turismo. mas acesso à outras formas de turismo em sua proximidade. na cidade do Rio de Janeiro.RESUMO Este trabalho aborda o encontro entre turistas e anfitriões no modo de hospedagem domiciliar. tem como objetivo ser uma referência bibliográfica para pesquisas e conhecimento geral. e que por sua vez também tenham foco no turismo histórico-cultural. na perspectiva de sustentabilidade. o qual permite uma experiência interpessoal. ainda. no Brasil. hospitalidade. Além disso. A pesquisa. será beneficiada. sustentabilidade. quanto para a comunidade. especificamente o de tipo bed and breakfast (ou cama e café) no bairro de Santa Teresa. as autoras analisaram alguns locais que possuem características semelhantes com Santa Teresa. o que acarreta em um ganho tanto para a cidade. portanto. visto que hoje. . O objetivo é de examinar a relação de hospitalidade entre essas partes. já que haverá mais procura no local e a economia. Palavras – chaves: Bed and Breakfast. é escasso material sobre esse assunto. estabelecida através desse sistema.

for the interest in the place will be higher and the economy might develop. In addition. viability. Key – words: bed and breakfast. also. the writers analyzed some spots that possess similar characteristics to Santa Teresa. once. . The research.ABSTRACT This essay approaches the meeting between tourists and hosts in home lodging. hospitality. which also focus on a cultural-historic tourism and are located near other forms of tourism. allowing a different contact. this kind of material is scarce in Brazil. The goal is to examine the relationship of hospitality among the parts that is established by this system. for researches and common knowledge. a neighborhood in the city of Rio de Janeiro. know as interpersonal relationship. has the intention to become a bibliographical reference. when it comes to viability. besides being of extreme importance in the constitution of a tourism experience. specifically bed and breakfast in Santa Teresa. driving the city and the community to profit from that.

............................................................................................60 Figura 18 – Rio do Engenho....32 Gráfico 3.......Casa do Cama e Café Estilo Castelo...Ocupação Máxima de Hóspedes........................................53 ....Busca Temática Através do Site........Taxa de Ocupação nas Principais Áreas do Rio de Janeiro – 2008................................Placa de Sinalização do Meio de Hospedagem B&B............................................Perfil do público – 2005.......37 Gráfico 4...................................................40 Gráfico 5.......................................................................Hospedagem Domiciliar no Rio de Janeiro – 2008.Quartos Existentes nas Casas Cadastradas.....52 Gráfico 9.............45 Figura 11 .......................Casarão do Século XIX..............................................47 Figura 14 – Quarto e Sala.................................Banheiros Privativos ou Coletivos.........................72 Figura 19 – Ouro Preto...........................................27 Figura 6 – Mapa de Santa Teresa..57 Figura 17 ..................45 Figura 12 ..................Categoria dos Apartamentos que são Oferecidos pelos Anfitriões...........................................................27 Figura 5 – Pacote Romântico.............................31 Gráfico 2..........................................................................................................................Museu Chácara do Céu................................Distribuição Percentual dos Room Nights – 2008.......Anfitriões Cadastrados na Sede Cama e Café..........Página do Site Riotur..........................................52 Gráfico 7...................................46 Figura 13 – Quarto e Sala.Vista do Mirante .............LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 ......Parque das Ruínas.................................................................................................................................................................................................................................48 Figura 16 ...................................75 Gráfico 1...............................Média das Diárias Cobrada – por categoria...................................................................................................47 Figura 15 – Hotel de Santa Teresa.................................25 Figura 4 .................................18 Figura 2 .............43 Figura 9 ................................................42 Figura 7 – Bondinho..............................................................................................................43 Figura 8 – Igreja de Santa Teresa........52 Gráfico 8........................20 Figura 3 .....Café da manhã na casa da Ana Laura................51 Gráfico 6.......................53 Gráfico 10..................................................Logo do Rio Home Stay e do Cama e Café..........44 Figura 10 – Parque das Ruínas.......

...............30 3........Projeção do Emprego Formal do Turismo no Espírito Santo – 2004 a 2005....................................................39 9......36 7................................ 69 12.................Taxa Média de Ocupação – 2000 a 2008.........................Percentual Médio de Room Nights – 2003 a 2008....Tempo de Permanência dos Hóspedes – 2008...............36 5.............................................Taxa de Ocupação Segundo a Categoria de Uh’s – 2008.PIB Real – 1970 a 2003...................................32 4.19 2.......................Perfil do Turista Nacional e Estrangeiro – 2003 a 2006............................70 14.................................................Número de Turistas e sua Participação – 2007 a 2008...........69 13..........................................71 .........Taxa de Ocupação Trimestral – 2001 a 2008..........41 11.....40 10.............................................Per Capita do Estado do Espírito Santo – 1995 a 2003.....38 8.............Destinos de Continentes e Cidades Turísticas do B&b..........Perfil do Anfitrião........Diária Média do Quarto Vendido...............................................36 6.........................................Segmento x Mercado..............................................................................................................................LISTA DE TABELAS 1..

................................63 6................46 5....43 4.....................................34 3................................67 ....................................42 4...........1 Benefícios da Hospedagem Domiciliar....... CONCEITO DE BED AND BREAKFAST (b&b).............2 Oferta Hoteleira no Bairro de Santa Teresa........... O BAIRRO DE SANTA TERESA..........2 Hospedagem Domiciliar Aliado à Sustentabilidade.....49 5..........……………………..............................18 2............................63 6..................................................................................................14 2.......................30 3......35 3.............................................4 Divulgação do Produto por Entidades Públicas................................................. A HOSPEDAGEM DOMICILIAR EM SANTA TERESA...................................................16 2...............................................54 5....... TURISMO CULTURAL..............40 4....................................................................49 5.....27 2...........64 6........................................1 Agência Cama e Café............................2 Experiência Vivida pelas Autoras..................2 Procedência dos Turistas.......................2 Principais Dificuldades para Implantação da Hospedagem Domiciliar..............................3 Comitê Organizador dos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro.....................................................57 5...................................................................... PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO B&B NO BRASIL.....................................60 6......................................1 Pontos Turísticos.........3 Alternativas para Minimizar as Dificuldades de Implantação do B&b..........1 Histórico....................................4 Destinos......................65 6................3 Perfil do Anfitrião Brasileiro..........................SUMÁRIO 1..1 A Cidade do Rio de Janeiro.... INTRODUÇÃO.....

................................................................. 85 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...........................................................................................6 Jogos Olímpicos de 2016....................................................................................................................94 APÊNDICE C.......80 6.................................................................................................................................86 APÊNDICE A...................................................89 APÊNDICE B..................5 Copa do Mundo de 2014.............98 ...82 7............... CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................6......................................

como base o bairro de Santa Teresa – R. que terá o Rio de Janeiro como sede. pois os futuros eventos farão com que o sistema de hospedagem domiciliar venha a ser constantemente construídos e divulgados..14 1. A existência da hospedagem domiciliar de modo estruturado e formal é recente no Brasil. Por sua novidade. despertando a curiosidade e o interesse do publico em geral e dos profissionais da área de turismo. Buscou-se compreender mais sobre o trabalho desenvolvido pelos fundadores da rede e pelo trabalho dos anfitriões. No entanto. principalmente em âmbito nacional.J. Isso será significativo para o projeto. além de analisar outros locais do Brasil onde seria viável a implantação desse meio de hospedagem. fosse possível avaliar o serviço oferecido pelos anfitriões e o trabalho executado pelos fundadores e colaboradores da rede. INTRODUÇÃO Muitas são as formas de hospedar e bem receber. foi necessário uma pesquisa de campo e um serviço oculto para que. esse não é um campo com definições claras e demarcadas. Assim. . Em síntese. tendo na hospitalidade do bairro o ponto central da análise. antes de qualquer análise. Acredita-se que o interesse da Prefeitura do Rio de Janeiro pelo projeto irá crescer por conta da exigência de novos leitos para atender a demanda que será gerada pela Copa do Mundo em 2014 e pelos Jogos Olímpicos em 2016. para esse projeto. O estudo desenvolvido apresentará um olhar sobre a implantação do bed and breakfast (b&b) no Brasil. Sua prática vem. mas somente a hospedagem domiciliar remete a sensação de estar em casa. o trabalho procurou contribuir para a construção de um referencial teórico para servir de base a outros interessados que de alguma forma procuram obter esclarecimento sobre os projetos em andamento e suas expectativas. esse é um tema pouco explorado pela literatura técnica e acadêmica. aos poucos.

B e C) com profissionais diretamente ligados ao tema desenvolvido. A maioria dos brasileiros não tem conhecimento sobre o assunto e não há grandes investimentos e divulgação no setor. no qual a comunidade pode contribuir com o turismo recebendo o visitante em suas casas. rentável e sustentável. além de saber como é a descrição da experiência. o surgimento em Santa Teresa aconteceu por necessidade ou oportunidade?. Para se obter o objetivo geral. Desenvolveu-se no Brasil diferentemente do resto do mundo. para a realização desta pesquisa. um cenário de cliente oculto e entrevistas (ver apêndices A. artigos jornalísticos e sites de jornais e órgãos do governo foram altamente úteis para a conclusão de idéias e definições teóricas.15 Deste modo. Igualmente. que possui o turismo histórico-cultural. sobretudo. com maior qualidade e em menor quantidade. foram utilizados instrumentos de coleta de dados de bibliografias como livros na área de hospitalidade domiciliar. pela importância desse segmento na hotelaria e no turismo. Para realizar a análise dos fatos descritos acima ao longo do trabalho. pagamento. regras. Justifica-se a escolha deste tema. O trabalho tem por objetivo também indicar lugares que possuam características semelhantes ao do bairro de Santa Teresa. que promove maior integração do turista com o local visitado e proporciona intensa troca de experiências. Identificar os motivos de seu desenvolvimento diferenciado no país e qual o perfil dos anfitriões e turistas e como se dá a relação entre eles. . Este trabalho teve por objetivo concluir um estudo sobre o meio de hospedagem b&b e produzir uma referência bibliográfica sobre o assunto e entender como se dá a operação do sistema (reserva. Cama e Café: Porque se desenvolveu no Brasil de forma distinta do restante do mundo?. foram levantadas algumas questões para que se possa compreender como funciona o meio de hospedagem domiciliar. O b&b é um meio de hospedagem alternativo. com foco no anfitrião e hóspede?. gestão de destinos turísticos. foram realizadas pesquisa de campo. turismo sustentável. foi necessário Identificar os reais motivos do surgimento dos b&b em Santa Teresa. facilidades) através da vivência da hospedagem.

CONCEITO DE BED AND BREAKFAST (b&b) De acordo com o Art 23. tácito ou expresso. Bed and breakfast é considerado um meio de hospedagem domiciliar. quanto serem de fora e usarem a casa eventualmente. o MTur não exige cadastramento para os estabelecimentos assim caracterizados. p. 146) No Brasil. Este tipo de hospedagem pode assumir quatro diferentes modalidades: 1. que tanto podem habitar na mesma cidade. o b&b se enquadra na categoria de meios de hospedagem sem exigência de registro do hóspede. Esses tipos de operação têm em comum o fato de que a instalação física é a residência principal para os hospedeiros. onde o órgão oficial de turismo. onde os moradores da cidade oferecem um ou mais cômodos de sua própria residência para receber visitantes. . 2. Casas construídas e mantidas prioritariamente para aluguel de temporada. denominados de serviços de hospedagem. desde casas campestres em que o hóspede providencia sua própria alimentação (self catering cottages) até famílias hospedeiras. desde alojamento particulares com café da manhã até casas para hóspedes. bem como outros serviços necessários aos usuários. A hospitalidade comercial em uma casa particular se refere a uma variedade de acomodações. (2009). independentemente de sua forma de constituição.16 2. desde pequenos hotéis até casas urbanas. Subseção II do Ministério do Turismo (MTur): Consideram-se meios de hospedagem os empreendimentos ou estabelecimentos. principalmente durante feriados ou férias. ofertados em unidades de freqüência individual e de uso exclusivo do hóspede. mediante adoção de instrumento contratual. (LYNCH. 2004. Neste caso elas só são ocupadas ocasionalmente pelos proprietários. destinados a prestar serviços de alojamento temporário. Casas habitadas que são alugadas para temporada . e cobrança de diária.os moradores deixam temporariamente suas casas para deixar espaço para receber os turistas.

sendo a maior diferença para as outras formas de acomodação. o tempo que o proprietário gasta com os hóspedes é reconhecidamente um dos principais motivos que atraem o turista para o b&b. A dupla função da residência . O café da manhã é normalmente a única refeição servida. preferências pessoais. usufruindo um serviço de qualidade a preços acessíveis. A prefeitura do município do Rio de Janeiro define hospedagem domiciliar como: Uma modalidade especial de serviço de hospedagem.17 3.moradia e hospedagem de turistas aproxima o proprietário e sua família dos hóspedes. Para Stankus (1987). cooperativas ou agências que organizam as reservas e a política de marketing. 4. (2009). mas não se preocupam em oferecer serviços. é uma maneira de se aproximar mais dos hábitos e da cultura local. como limpeza e arrumação e café da manha. de um a três quartos destinados (não sempre exclusivamente) à atividade. mas apresentam. inclusive expondo naturalmente aspectos do dia-a-dia. Para o hóspede. em que o hóspede utiliza um quarto na residência do hospedeiro ou anfitrião. que vivem no local. normalmente. o administram algumas vezes com a ajuda de associações. mas em alguns casos o anfitrião pode oferecer também outras opções. estando incluso em sua compra uma acomodação já devidamente especificada e o café-da-manhã. cultura. . compartilhando alguns espaços da residência. Casas onde os moradores disponibilizam um cômodo da casa e se encarregam dos serviços. lazer e relacionamentos. Casas onde os moradores disponibilizam um cômodo para os turistas. a serem feitas junto com a família ou isoladamente. O proprietário e sua família. A modalidade a ser explorada neste estudo é a que o turista recebe os serviços oferecidos pelo seu anfitrião. como tarefas domésticas. A estrutura física das casas varia muito de acordo com as tradições de cada local.

Casarão do Século XIX Fonte: Google Imagens Já segundo Pimentel (2003).1 Histórico O meio de hospedagem domiciliar não surgiu apenas com um bom café da manhã e um confortável quarto como se imagina. porém curta. Segundo Smith & Smith (2002). Assim. Devido à grande quantidade de visitantes. durante o Século XIX. Todos que chegavam a essas casas tinham uma permanência obrigatória. começaram a cobrar uma taxa de seus hóspedes. fazendo com que os anfitriões disponibilizassem redes que eram colocadas na varanda da casa. tudo começou nas Ilhas Britânicas . O almoço se resumia em um simples prato de comida caseira. no quarto ou em um pátio. no jardim da casa. possuindo apenas um banheiro coletivo que se encontrava muitas vezes ao lado de fora da casa. onde proprietários de ricas mansões. numerosos estrangeiros precisavam de um lugar para ficar e as populações locais começaram a abrir suas casas para receber os viajantes. a situação das acomodações era precário. Figura 1 . as acomodações da casa não eram suficientes para abrigar a todos. após a Segunda Guerra Mundial. a prática foi se ampliando e tomando a forma . empobrecidos. servindo almoço aos convidados “overnight”. Nessa altura.Reino Unido. Aos poucos. normalmente servida na sala de jantar. como um modo de ampliar sua renda. Apesar das residências serem grandes.18 2. uma cama e o almoço eram oferecidos. o termo "Bed and Breakfast" nasceu na Inglaterra. pois o motivo delas estarem ali era apenas pela suas necessidades físicas.

transformando o proprietário e sua família. Histórico do B&B no Mundo O b&b tem se desenvolvido cada vez mais no mundo todo.Inglaterra Segundo a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (2008).com Londres . de um a três quartos destinados (não sempre exclusivamente) à atividade. A fórmula de hospedagem vem se espalhando por todos os continentes e cidades turísticas.bedandbreakfast. mas apresentam. surge uma grande necessidade econômica por parte dos anfitriões que já tinham o costume de receber estrangeiros sem cobrar nada em troca. onde os banheiros são coletivos. o que equivale a aproximadamente 16% da oferta de . Nesse período. onde é a única refeição servida. além de cama e café da manhã. nesse tipo de estabelecimento.com. Tabela 1: Destinos de continentes e cidades turísticas Fonte: www. Existe em Londres. administradores. apoio e informações turísticas sobre a área. As refeições oferecidas são substituídas pelo café da manhã. que vivem no local. Londres é considerada a cidade onde o serviço de hospedagem domiciliar é o mais desenvolvido em todo o planeta. Ou seja. porém estão instalados dentro da residência. normalmente.19 de um verdadeiro serviço turístico. As acomodações e a estrutura física das casas variam muito de acordo com as leis e tradições de cada local. o turista encontrava um sistema de recepção. o negócio de hóspedes pagantes é secundário ao uso como residência privada. aproximadamente 16. Entretanto. A tabela abaixo é uma fonte de pesquisa de b&bs do site bedandbreakfast.600 leitos em regime de b&b.

Outro segmento importante é o estudante em curtas viagens para aprendizagem do idioma. Atualmente existem 560 TICs (Centros de Informação Turística) em toda a Inglaterra e outros ainda operando na Escócia e no País de Gales. Figura 2 – Placa de sinalização do meio de hospedagem B&B Fonte: Google Imagens O aumento dos fluxos turísticos e a relativa inelasticidade da capacitação hoteleira estimulou o surgimento de novos b&b na capital britânica. a partir dos anos 1990. A grande maioria dos estudantes considera este tipo de hospedagem a forma ideal de integração com a população e o principal modo de desenvolver o idioma local. entre 25 e 55 anos de idade. Cerca de 90% desses leitos são oferecidos ao mercado turístico através de 21 agências especializadas. Os principais usuários do b&b londrinos são viajantes norte-americanos. foi fundada a Bed and Breakfast & Homestay Association . o faturamento do mercado pode ser estimado em £ 221. alemães e holandeses. Considerando – se uma taxa média de ocupação de 52% ao ano. franceses. A principal motivação da viagem é o lazer. Isso foi particularmente importante em bairros como Lambeth. que o . Em 1998. ou £ 81 milhões ao ano. Nesses casos.BBHA.850 por noite. Mas foi em abril de 2003.20 hospedagem na cidade. com o objetivo de manter e melhorar os serviços de b&b oferecidos em Londres. que entraram para o roteiro de hospedagem com a saturação das áreas mais tradicionais do centro e oeste de Londres. Sutton e Islington. muitas escolas de idiomas indicam redes de hospedagem com as quais mantêm parceria. revelando a grande importância do segmento para o mercado turístico inglês. seguido de negócios e visitas a parentes e amigos.

O volume movimentado por esse setor de acomodação turística alcançou US$ 3. como desdobramento de sua publicação mensal de sucesso: a Innkeeping. o número de propriedades com serviços de b&b nos EUA girava entorno de 20 mil. promove educação continuada. Usava-se a expressão boarding house para classificar esse tipo de hospedagem.04 bilhões em 2004. O estudo da indústria realizado anualmente pela PAII é a fonte de informações do setor mais respeitado dos EUA sobre a gestão de b&b. assistência jurídica. Em 1988. Muitos americanos abriram suas casas para viajantes como forma de obter uma fonte extra de renda. a PAII cresceu para uma organização nacional de 3 mil membros que. A missão da PAII é fornecer cursos.21 VisitBritain foi criado. além de manter a produção de vasto conteúdo sobre a indústria de b&b. 16% em zonas urbanas. principalmente na década de 1980.PAII. com o objetivo de dinamizar e aperfeiçoar a atividade nos Estados Unidos e países vizinhos. sendo que a diária média do setor está em torno de UR$ 143. A PAII foi criada por dois anfitriões. o sistema de b&b se desenvolveu nos Estados Unidos durante a grande depressão econômica dos anos 1930. informação. oportunidades de negócios e pesquisas relacionadas ao seguimento de b&b. tendo como missão divulgar a imagem da Grã Bretanha como um destino turístico mundial. em 2004. Passada a depressão econômica. foi criada a Profissional Association of Innkeepers International . troca de informações e ofertas de aquisições de produtos. De um modesto escritório em Santa Barbara. 3% em subúrbios e 52% .90.4%. contatos. a hospedagem domiciliar manteve-se como uma alternativa para muitas famílias continuarem a complementar sua renda. Pat Hardy and Joann Bell. aos poucos o sistema bed and breakfast foi redescoberto pelo mercado dos EUA. atendendo a aproximadamente 55 milhões de turistas e com uma taxa de ocupação média de 41. Números da PAII revelam que o perfil dos adeptos da modalidade nos EUA é: 29% dos imóveis que oferecem esse tipo de acomodação domiciliar estão situados em áreas rurais. Dados da PAII mostram que. Estados Unidos Segundo a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (2008). Califórnia. Com o aumento do número de norte-americanos viajando para a Europa.

Itália Segundo Linch (2004). O website www.642 associados em mais de 546 localidades. para a realização de reservas e fornecimento de informações aos clientes. foi criada a Associazione Nazionale dei bed and breakfast e degli Affittacamere (ANBBA). em cinco línguas. entidade sem fins lucrativos cuja missão é difundir. a sondagem da PAII revela que 88% vivem no imóvel e 55% dos proprietários dependem de outra fonte de renda. o setor de bed and breakfast assumiu uma notável importância no quadro da revitalização turística do país. uma vez que a Capital da França não é considerada uma cidade que dispõe da mais intensa ou tradicional rede de hospedagem domiciliar. Graças a esse pioneirismo. . Em 1999. a ANBBA foi reconhecida pelo Ministéro Attività Produttive da Itália.22 em cidades pequenas. As atividades da rede dividem-se em duas áreas principais: seleção e controle de casas e anfitriões. como uma Entidade Turística Qualificada e a organização mais representativa do setor extra-hoteleiro. No ano de 2005 a rede recebeu cerca de 7. Para o governo italiano. equivalente ao Ministério da Indústria e Comércio.it foi o primeiro na Europa a possibilitar a reserva online com apenas quatro cliques. A maior agência de hospedagem domiciliar do país é a bed and breakfast Italia. A organização busca preservar ainda a tradição e a cultura italianas ao favorecer a difusão da hospitalidade turística do tipo familiar.bbitalia. fundada em 1995 por profissionais de marketing e turismo e que conta com aproximadamente 1. e call center (central de atendimento). em 2004. Cinco anos após sua criação. o que representou um crescimento de 20% em relação ao ano anterior.500 hóspedes. promover e organizar o segmento. a Itália também conta com uma organização nacional especifica para o setor de hospedagem residencial no país. em 2005 a b&b Itália foi convidada pela municipalidade de Paris para desenvolver uma nova rede de b&b na cidade. além da gerada pelo b&b. além de representá-lo diante das demais instituições e do público em geral. o que seria difícil acontecer individualmente. no total. A intermediação do ANBBA permite aos proprietários realizarem negociações mais vantajosas com seus fornecedores. Sobre os anfitriões. 83% dos da oferta de casas localizam-se em destinos turísticos conhecidos.

oferecendo cerca de 80 quartos para hospedagem (na província de Manitoba são 100 estabelecimentos). Estima-se que 110. o grupo Ray White detém uma das mais importantes empresas imobiliárias da Austrália. foi organizada uma empresa auxiliar para prestar serviços a esses estabelecimentos: a bed and breakfast of Manitoba Marketing Co-op. para as famílias de Winnipeg. A cidade conta com 620 mil habitantes e é a capital da província de Manitoba. mas pelo segmento de intermediação imobiliária (real state agents). Além disso. a rede de hospedagem domiciliar para as Olimpíadas de Sidney em 2000 não foi organizada por agências ou associações do setor turístico. De acordo com a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (2008). no sudeste da Ásia. reforçado pelo fato de se tratar de uma cidade de fronteira. Existem duas associações organizadas pelos anfitriões com o objetivo de promover a divulgação e comercialização. bem como de zelar pelos padrões de qualidade dos serviços: a bed and breakfast Association of Manitoba e a Heritage bed and breakfast Homes of Winnipeg. Os hóspedes potenciais podiam procurar entre diversos perfis e . operando mais de 87 escritórios espalhados na Austrália. Do lado da oferta.23 Winnipeg – Canadá A cidade de Winnipeg que abrigou os Jogos Pan-americanos de 1999. Seu cadastro de meios de hospedagem inclui 31 estabelecimentos de b&b. receber hóspedes tem um valor semelhante ao que predomina no Reino Unido. Na cidade. A empresa emprega mais de 7 mil pessoas em sua atividade e foi escolhida pelo comitê organizador dos jogos para administrar o programa oficial de acomodação residencial. na região de pradarias que se estende a noroeste dos Grandes Lagos por todo o Canadá central. É uma antiga cidade de fronteira. fundada por comerciantes de peles franceses em 1738. mobilizando todos os recursos de hospedagem da cidade. ao contrário das experiências de outros países. criou um programa de recrutamento de anfitriões pela internet.000 visitantes tenham participado do evento. Sidney De acordo com Pimentel (2003). Nova Zelândia. incluindo os b&b e locação temporária de domicílios. já o havia feito em 1967. Fundada em 1902. 2/3 das residências participam de uma rede e o terço restante mantém-se de maneira independente.

quando há uma instituição dando apoio. as residências candidatas tiveram que submeter-se a uma inspeção da central de reservas. As hospedagens domiciliares podem ser formais . sendo que se estima uma relação de 70% para 30% entre duas modalidades.25% sobre o valor da primeira diária (taxa de reserva). usando uma ferramenta de busca do portal. Estas experiências adaptaram a fórmula b&b à realidade brasileira. principalmente a nível nacional. A situação legal e organizativa pode variar. Associação de Moradores. Secretaria de Turismo Municipal ou Estadual. ocorre já há alguns anos. Em 2006. Oktober Fest em Blumenau e o Fórum Social Mundial em Porto Alegre. como o Boi Bumbá em Paritins. Não há ainda regulamentação jurídica ou definição oficial desenvolvida pelo governo federal que possa balizar uma conceituação. os anfitriões foram descontados em 8% sobre o valor das diárias (comissão) e mais 6. assim como de outras formas de hospedagem domiciliar. se revestindo na formulação de políticas. respectivamente. como o Sebrae. a prática do b&b. . E não se tem notícias de projetos ou políticas implementadas. Existem ofertas deste tipo de hospedagem no Rio de Janeiro e em diversos estados brasileiros.24 orçamentos. podia-se optar também pelo aluguel do imóvel por temporada. embora de modo informal e desarticulado. o Ministério do Turismo encomendou um estudo técnico analítico sobre o tema. Além de hospedagem em residências de família. mas este é bastante incompleto. adequando-se as exigências arcando com uma taxa de vistoria de 105 dólares americanos. Sobre as reservas para hospedagem e encaminhadas pela central de reserva. O poder público começa aos poucos a prestar atenção a esse modo de hospedagem. Esta vem sendo formada principalmente através das empresas existentes e iniciativas municipais isoladas.com CNPJ e registro no Ministério do Turismo. Para participar da rede. semi-formais . mas ainda não há um posicionamento claro nesse sentido. B&B no Brasil No Brasil. etc. ou completamente informal. através de contatos dos empresários com técnicos e profissionais da área e poder público e da divulgação a mais longo alcance pela mídia. além de episodicamente por ocasião de grandes eventos regionais.

Pará. realizam as campanhas de afiliação e o controle de qualidade. Santa Catarina e Goiás. O site tem quase todo o seu conteúdo disponível em quatro idiomas: inglês.bbbrasil.info ou de um Call Center que reúne 16 linhas ativas e atendentes capazes de dar informações em cinco idiomas. Pernambuco. Está prevista a expansão para o Maranhão. uma delas é a BBBrasil. atuando no Amazonas. Figura 3 – Busca temática através do site Fonte: www. Ceará. Apesar de o check-in ocorrer direto nas casas. português. Bahia. Fornece ainda informações úteis para o viajante em cada localidade. o atendente verifica com os anfitriões ou proprietários a real disponibilidade do imóvel e confirma a reserva. Uma vez realizada a pré-reserva. como são chamados no site) em atividade e 100 sendo avaliados. que foi implantada no inicio de 2003 e atualmente conta com aproximadamente 115 casas (ou resorts. Alagoas.info.25 Agências promotoras e/ou divulgadoras no Brasil Existem poucas agências especializadas na prestação de serviços de reservas para a modalidade de hospedagem domiciliar no Brasil. em um procedimento que leva no máximo 48h após o inicio da compra. além da busca livre. com recursos como busca temática e geográficas. As reservas podem ser feitas de duas maneiras: por meio do site www. Rio de Janeiro e São Paulo. Italiano e Francês. O site do BBBrasil oferece uma série de funcionalidades para facilitar a escolha do hóspede.br . espécie de gerentes locais que dão suporte aos hóspedes. à rede conta com resorts managers. A rede tem abrangência nacional. Rio Grande do Norte.bbbrasil.

se o bairro for histórico. .26 As residências são classificadas em três níveis distintos. bem como disponibilizou a ferramenta de internet que estrutura o site www. a forte presença da rede BBItalia na Europa potencializa a venda das acomodações brasileiras. A diferença entre o Cama e Café e o Rio Homestay é apenas uma: o lugar em que está localizado. pode-se dizer que a hospedagem domiciliar vem crescendo em ritmo acelerado como primeira opção de milhares de viajantes em várias partes do mundo. a exemplo de experiências bem sucedidas em diversas cidades como Londres e Paris. Na zona sul do Rio. Além da hospedagem nos moldes de b&b. recebeu o nome de Rio Homestay. Com relação ao modelo de rede para o Rio de Janeiro. com percentagens variando entre 35% e 40% do valor das diárias. O BBBrasil não exige exclusividade de seus anfitriões por entender que muito deles praticavam antes a atividade de maneira independente. O bairro de Santa Teresa. em Pernambuco. O BBBrasil possui uma forte relação de parceria com a rede italiana BBItalia.info. No site do BBBrasil o hóspede pode encontrar serviços extras. porém. conhecimento e crescimento profissional para a população. maior rede daquele país. tais como transfers. a rede BBItalia forneceu a rede brasileira seu know-how operacional. que pode gerar renda. Sua remuneração pelo serviço de agenciamento é na forma de comissão.bbbrasil. Além disso. a “Carta de Qualidade” utilizada como parâmetro de atendimento. sem a necessidade de investimentos na construção de novos hotéis. característica e serviços oferecidos. A procura cada vez maior fez o negócio começar se expandir para a zona sul carioca e para Olinda. o serviço terá o nome de Cama e Café. no Rio de Janeiro.br e. de acordo com sua situação. tours e excursões organizadas por guias de cada uma das 20 localidades atendidas pela rede. a rede oferece também residências (casas ou apartamentos) para aluguel de curtos ou longos períodos. Trata-se de um novo mercado. Ou seja. Através dessa cooperação. foi o primeiro a ganhar uma unidade de uma rede nacional. ainda. aumentando a atratividade do produto no mercado externo e transformando a Europa em um grande mercado para o BBBrasil.

A partir desse pensamento.2 Hospedagem Domiciliar Aliado à Sustentabilidade Segundo o Ministério do Turismo (2006).Pacote Romântico Fonte: bedandbreakfast. e resolveram inovar o serviço prestado.excursões.Logo Rio Home Stay e Cama e Café Fonte: GoogleImages As redes Cama & Café e Rio Homestay recebem cerca de 1000 hóspedes por ano.27 Figura 4 .com 2. Figura 5 . o b&b apresenta-se integrado ao conceito de turismo sustentável de acordo com os aspectos abaixo: • Impacto ambiental reduzido: em sua maioria. entre brasileiros e estrangeiros. os anfitriões deixaram de oferecer apenas uma aconchegante cama e um bom café. novos meios de hospedagem em barcos e aviões. A hospedagem se realiza nas casas dos . transfers. casas com piscina e garagem com duas ou três vagas. pacote de núpcias. pacotes românticos. aulas de mergulho e serviço de guias turísticos. foram surgindo os b&bs temáticos. tours. a fórmula não prevê a construção de novas estruturas. Devido à grande procura do meio de hospedagem b&b. A expectativa para este ano é que haja um crescimento de 20% no número de visitantes de acordo com funcionários da agência. parceria com agências de viagens. suítes com ar-condicionado.

parecem estar mais presentes em b&b do que em outros meios de hospedagem tradicionais. mas de modo geral. tours turísticos. estimulado pela convivência direta e cotidiana entre hospede e empreendedor. favorecendo a circulação de moeda em localidades de difícil acesso. produção de produtos típicos. • Intercâmbio cultural: o b&b cria espaços de encontro entre os turistas e os habitantes locais. como hotéis. artesanato. favorecendo a integração de serviços das praticas profissionais: transporte. e a oferta de experiência de qualidade para o turista dependem mais de estrutura para estrutura. dando vida a um puro e espontâneo intercâmbio cultural. limitando a proposta somente à capacidade de recepção do lugar. .28 habitantes locais. etc. • Integração da renda: o dinheiro que deriva do movimento turístico vai diretamente às famílias e às comunidades locais. Características como a criação de oportunidades interpretativas e/ou educacionais. • Integração: a estrutura em rede também estimula a troca de experiências e conhecimentos entre os habitantes de uma comunidade.

dos moradores. o modo associativo é estimulado. é uma fórmula menos formal e vinculadora para turistas mais independentes. Para os adeptos da modalidade não há uma exigência que esta seja a única ocupação. O b&b permite uma forte identificação com a natureza local.29 Entre elas o fato de que este não excede a capacidade de carga local. a renda é distribuída entre a comunidade. cria-se uma nova opção de renda para quem está fora do mercado de trabalho. a conservação urbana é estimulada (através de reformas nas fachadas. seja aqueles menos conhecidos. respirar a cultura como uma interface autêntica. alimentação. o que se torna uma atração a mais para o turista. A recepção do turista em uma estrutura domiciliar pode facilitar a troca de informações através de conversas. não exige grandes investimentos iniciais. sejam aqueles mais estritamente culturaisambientais. o b&b constitui uma modalidade de organização do sistema receptivo que. não cria concentração de muitos turistas em um só local. costumes. ou melhor. quem administra esse meio de hospedagem pode manter sua ocupação tradicional e não fica dependente exclusivamente do turismo. de um modo mais sutil. como apenas uma família que vive ali pode garantir. A maior parte das famílias hospedeiras se prodigia com simpática disponibilidade a fazer conhecer ao turista os atrativos do território. a observação do modo de vida de cada um. etc). há um aumento da auto-estima da população local. obriga a sentir-se em um lugar especifico não em um lugar sem . estimulado pela convivência direta e cotidiana entre quem hospeda e quem é hospedado. mais “étnicos”. pois se atende apenas pequenos grupos. Uma característica. oferece uma recepção personalizada em uma atmosfera informal e descontraída e geralmente têm preços mais baixos e acessíveis. O b&b parece favorecer o intercâmbio cultural entre os turistas e os habitantes locais. no entanto. p. permite. mas também. o turista interessado no b&b quer viver de maneira ativa o local no qual se encontra. 2001. jardins. pois não exige novas construções. (MASINI. Nessa lógica. ou seja. há um resgate dos modos tradicionais de moradia. 42). ou ocupação principal. Ainda segundo o autor. menos turísticos. melhor do que qualquer outra permite capturar esta demanda. mais “íntimos”. chama particularmente a atenção: a criação de um espaço privilegiado de promoção do encontro de qualidade entre hóspedes e anfitriões. etc.

Age como estimulante da vitalidade. como fator educativo.3 Perfil do Anfitrião Brasileiro De acordo com a Prefeitura do Rio de Janeiro o perfil dos anfitriões segue a seguinte classificação: Perfil dos Anfitriões Faixa Etária Grau de instrução Idiomas Estrangeiros 70% entre 28 e 45 anos 30% entre 46 e 65 anos 90% ensino superior 10% ensino médio 15% não falam outra língua 65% falam um idioma estrangeiro 20% falam dois ou mais idiomas Estado Civil 35% são casados 65% são solteiros Tabela 2 – Perfil dos Anfitriões Fonte: Hospedagem Domiciliar . De acordo com informações disponibilizadas em slides no site da prefeitura do rio de janeiro sobre palestras do tema. 2. reforça essa idéia quando demonstra que estudos. 15 Lynch (2004. artistas plásticos.Rio de Janeiro. encontro de pessoas. particularmente para aqueles originários do estrangeiro. subjugados à forte homologação da cadeia a qual pertencem). identificaram insights acerca das realidades da vida familiar como uma atração chave para os hóspedes. a acomodação domiciliar pode servir como um ícone cultural. 162). como realização do direito ao lazer e como crescimento pessoal. como com freqüência acontece nos hotéis (especialmente naqueles de grandes dimensões. O turismo realizado do ponto de vista cultural é realizado na escala humana e significa aprendizagem. profissionais liberais e mais de 60% já viajaram ao exterior e obtiveram conhecimento sobre o segmento de hospedagem. 2008.30 personalidade. . Assim. p. como os realizados por Stringer (1981) e Pearce (1990). os anfitriões têm perfis culturais diferenciados sendo muitos deles músicos.

46% responderam que a escolha foi devido à melhoria do balanço familiar (renda familiar). arquitetura e tudo que envolva a cultura local. 25% por identificarem uma forma viável de começar uma atividade comercial. galerias. em proporções diferentes das estudadas no Brasil. 16% optaram por terem a chance de conhecer novas pessoas e culturas diferentes e 11% somam outros motivos. museus. copa do mundo. jogos pan americanos. passantes (viajantes que necessitam de um leito no meio da viajem) ou um grande fluxo turístico devido a algum evento especial (no caso olimpíadas. por possuírem uma situação diferente da brasileira. que é o turismo cultural. os costumes de seus habitantes. 2008 Sobre os reais motivos no qual os anfitriões brasileiros decidiram integrarse a redes de agenciamento e oferecer suas casas pata turistas.Rio de Janeiro. fazendo parte da rotina .31 Gráfico 1. No caso de outros países onde o principal público identificado são estudantes. O turista pode obter essas experiências de forma mais próxima quando está inserido naquela comunidade. Perfil do Turista de Bed and Breakfast O turista que escolhe ter uma hospedagem domiciliar no destino turístico que pretende visitar geralmente tem o interesse em conhecer afundo a cultura do local.Hospedagem domiciliar no Rio de Janeiro Fonte: Hospedagem Domiciliar . O perfil do anfitrião varia de acordo com o tipo de turismo desenvolvido e atendido pelo sistema de Bed and Breakfast e de sua localidade. os pontos turísticos históricos e conhecer restaurantes. fórmula 1) os anfitriões podem apresentar diferentes razões para aderir ao método de hospedagem. a rotina da comunidade.

Perfil do Público Fonte: Seminário b&b .32 das pessoas que ali moram e tendo a chance de ter os melhores guias turísticos para o propósito de sua viagem: "os habitantes locais" e principalmente os anfitriões que o receberam em casa. Este crescimento por ser analisado de acordo com a tabela a seguir: Origem Nacional Estrangeiro 2003 13% 87% 2004 27% 73% 2005 32% 68% 2006 36% 64% Tabela 3. Gráfico 2. O perfil do turista nacional que adere a hospedagem domiciliar no Brasil vem crescendo a cada ano.Perfil do Turista Nacional e Estrangeiro Fonte: Prefeitura do rio de Janeiro (2006) . Abaixo há uma representação gráfica fornecida em formato de slides em uma apresentação da rede Cama e Café no Seminário Internacional realizado no Rio de Janeiro no ano de 2006.Rio de Janeiro (2006).

desconfiança. apreciação. segregação e separação Dificuldade na formação de laços e amizades Sentimento de inferioridade ou superiodade e choque cultural Desenvolvimento de orgulho. respeito e tolerância a outras culturas Aumento da auto-estima Satisfação psicológica Problemas de comunicação Insatisfação com interação mútua .33 O quadro abaixo apresenta a lista de alguns efeitos positivos e negativos analisados de acordo com o contato cultural entre anfitriões e hóspedes percebido no segmento de Bed and Breakfast. preconceito e desentendimento Redução de estereótipos e percepções negativas Desenvolvimento de amizades Isolamento. entendimento. Contatos culturais entre turistas e anfitriões (Adaptado de Reinsiger. 1994) Efeitos Positivos Efeitos Negativos Desenvolvimento de atitudes positivas Desenvolvimento de atitudes negativas a respeito dos outros com os outros Aprendizado de culturas e costumes diferentes Tensão. hostilidade.

A definição de Turismo Cultural está relacionada à motivação do turista. é o aspecto mais intangível das diferenças culturais que dá as motivações centrais do turismo. O turismo cultural pode ser praticado em diversas cidades e bairros no Brasil. Alguns turistas procuram contato com diferentes modos de vida. estabeleceu um recorte nesse universo e dimensionou o segmento na seguinte definição: Turismo Cultural compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais.34 3. em parceria com o Ministério da Cultura e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e com base na representatividade da Câmara Temática de Segmentação do Conselho Nacional de Turismo. Vivenciar implica em duas formas de relação do turista com a cultura ou algum aspecto cultural: a primeira refere-se ao conhecimento (com busca em aprender e entender o objeto da visitação). a hospedagem domiciliar. Se as diferenças físicas são importantes. de modo à experienciá-los e a preservar a sua integridade. No turismo. incluindo comportamento social. Pode se então concluir que a modalidade de hospedagem estudada. vestuário. contribui para o entendimento deste segmento de turismo. língua. principalmente os que têm representatividade em acontecimentos históricos e os que desenvolveram . onde os principais participantes. valorizando e promovendo dos bens materiais e imateriais da cultura. hóspedes e anfitriões. especificamente a de vivenciar o patrimônio histórico e cultural e determinados eventos culturais. TURISMO CULTURAL Devido aos muitos termos existentes de turismo e cultura. o Ministério do Turismo (MTur). que ocorrem em função do objeto de visitação. 2009). identificados como uma grande variedade de signos culturais. (MTUR. música. as diferenças culturais são promovidas de forma a dar ênfase a essas diferenças. artes e culinária. estão sempre em busca de uma vivência turística diferente do tradicional e que proporciona a troca de experiências e envolvimento com culturas distantes. a segunda corresponde a experiências participativas. contemplativas e de entretenimento.

Taxa de Ocupação A ocupação média no ano de 2008 de 65.86%. lagoas. na Tabela 5. Vão a cidade motivados pela cultura carioca que encontram principalmente região central da capital. Mas alguns turistas buscam algo mais. Durante todo ano. economia e outros fatores que caracterizam o destino. de acordo com pesquisas da ABIH. de acordo com a Fecomércio (2008). como o Cristo Redentor . A cidade recebe por ano mais de 2 milhões de turistas. A viagem pode ser vista como uma atividade não apenas de lazer ou de ruptura do cotidiano. acabou influenciando positivamente o resultado anual. Maracanã. entre outros. como forma de autoconhecimento. Dados Estatísticos Hoteleiros do Rio de Janeiro A pesquisa realizada pela Fecomércio em parceria com a Associação Brasileira de Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (ABIH-RJ). mas também como uma experiência de conhecimento do outro e da natureza e. Também observa-se. Isso se deve às suas praias. ao mesmo tempo. O bom desempenho observado tanto no 1° quando no 4° trimestre do ano. sendo 35ª cidade mais visitada do mundo segundo a reportagem publicada em 14 de Dezembro de 2007 divulgada pela Folha Online. só foi inferior às taxas dos anos de 2000 e 2001. Na cidade do Rio de Janeiro são identificados alguns lugares que possuem essa representatividade e que se diferenciam de outros pontos turísticos devido a sua grande bagagem histórica e cultural.uma das sete maravilhas do mundo moderno – Pão de Açúcar. a . 3. música. arquitetura.1 A Cidade do Rio de Janeiro A cidade do Rio de Janeiro é conhecida mundialmente como um dos lugares mais bonitos para se conhecer. ao carnaval e aos principais pontos turísticos. conforme dados da Tabela 4.35 particularidades culturais importantes que acabaram por influenciar os costumes locais. e pode ser considerada uma das cidades brasileiras com maior número de visitações para fins turísticos. muitos turistas (nacionais e internacionais) chegam ao Rio de Janeiro e buscam conhecer – de diferentes maneiras – o que a cidade oferece. mostram os dados estatísticos de hospedagem da cidade do Rio de Janeiro no ano de 2008.

principalmente nos meses de alta ocupação. Tabela 6.Taxa média de ocupação Fonte: Fecomércio .Taxa de ocupação ao ano por categoria de uh’s Fonte: Fecomércio – RJ (2008) Pode-se constatar na tabela acima que a taxa de ocupação dos meios de hospedagens com classificação 3 e 4 estrelas são semelhantes ao longo do ano.36 sazonalidade mensal. Janeiro e Fevereiro a demanda por hotéis 5 estrelas aumenta.RJ Através dos gráficos apresentados pode-se constatar que o volume de turistas na cidade é intenso.RJ Tabela 5. comprovando que a oferta de hospedagem na cidade do Rio de Janeiro consegue atender a sua demana turística. e que nos períodos de alta ocupação – Dezembro.Taxa de ocupação trimestral Fonte: Fecomércio . sendo o tipo de hotel mais procurado . Janeiro e Fevereiro como os períodos de maior taxa de ocupação. confirmando os meses de Dezembro. Tabela 4.

aonde muitos turistas vão a cidade motivados por esse evento cultural. A sazonalidade pode ser mais percebida nos hotéis de categoria inferior. Santa Teresa etc). No mês de Junho. No mês de Fevereiro pode-se notar um grande aumento na taxa de ocupação dos hotéis caracterizados como 2 estrelas.RJ (2008) . Flamengo. A taxa de ocupação do setor também foi calculada por área de localização das unidades de hospedagem. Pode-se afirmar que o segmento da demanda turística é diferente neste período devido à grande procura por hospedagens de menor valor. Gráfico 3. pois a variação da taxa de ocupação dos 2 estrelas chega a 40 pontos percentuais enquanto a dos 5 estrelas não passa de 17 pontos. de forma que. quatro áreas da cidade do Rio de Janeiro foram definidas: • • • • Área 1: Barra da Tijuca e São Conrado Área 2: Ipanema e Leblon Área 3: Copacabana e Leme Área 4: Outros Bairros (não mencionados acima. Glória.37 pelos turistas.Taxa de ocupação nas principais áreas do Rio de Janeiro Fonte: Fecomércio. como: Centro. Esse aumento pode ser relativo ao período do carnaval carioca. é registrada a maior taxa de ocupação dos hotéis de categoria 2 estrelas enquanto ao mesmo tempo é notada a menor taxa nos hotéis de categoria 5 estrelas.

A área 4 engloba o bairro de Santa Teresa. os meses mais valorizados para os hotéis da cidade. Diária Média por Quarto Vendido Segundo a ABIH. seguidas pelas que estão na Área 1. As diárias nestes meses estão entre as mais elevadas. tanto na avaliação por categoria. COFINS e gastos com alimentação (como café da manhã / almoço) estacionamento e outros serviços. Tabela 7. principalmente. e que a taxa de ocupação não ficou abaixo de 50% em todo ano. a Área 4 é a mais procurada pelos turistas. em 2008. foram verificadas nas unidades de hospedagem na Área 3. as diárias médias com valores maiores foram cobradas.38 As maiores taxas de ocupação. ISS. em Dezembro e Fevereiro.Diária média do quarto vendido Fonte: Fecomércio – RJ (2008) De acordo a tabela 5. Podemos observar também que nos meses de Junho e Setembro. Esses meses são considerados períodos de alta estação. PIS. observa-se que no caso das unidades habitacionais da maioria das categorias e localizações. Área 4 e por último Área 2. para cálculo da diária média do quarto vendido (em R$) são desconsideradas as taxas em geral. provavelmente . como os 10% de cobrança. quanto na análise por localidade. estudado para pesquisa sobre o desenvolvimento da hospedagem domiciliar no Brasil. portanto.

Podemos considerar. que variam de R$80.00.00 a R$ 210. pois as diárias médias se equivalem aos valores de diárias que as casas oferecem para a hospedagem. considerados os maiores eventos da cidade. Isso se analisa de forma mais clara na última. que os bed and breakfast equivalem a hotéis de categoria 2*. Tempo de Permanência (em número de dias) Tabela 8. .39 pelo aumento de demanda no período de férias associados ao Réveillon e ao carnaval. Esta média não se diferencia muito das médias de permanência dos hóspedes em hotéis de outras categorias com exceção dos flats – onde a permanência é maior devido à categoria do meio de hospedagem. analisando a tabela 6 quanto a 7.Tempo de permanência dos hóspedes Fonte: Fecomércio – RJ (2008) A média de permanência do turista da cidade do Rio de Janeiro que se hospeda em hotéis de categoria 2 estrelas ou b&b é de 2.75 dias.

40 3. respectivamente.62% e 51. Tabela 9.Distribuição percentual dos room nights Fonte: Fecomércio – RJ (2008) 1 Room Night: expressão hoteleira que significa quarto vendido. no mês de Janeiro por exemplo. podemos observar que em dez meses do ano. representando o crescimento da cidade do Rio de Janeiro como destino internacional.34% do total de room nights1 vendidos nestes meses. 54. . o turista nacional foi o principal cliente do setor. quando o turismo internacional representou.2 Procedência dos Turistas Nas tabelas abaixo. o percentual de turistas estrangeiros era de apenas 38% enquanto no mesmo mês em 2008 foram registrados mais de 48%.Percentual médio de room nights Fonte: Fecomércio – RJ (2008) Pode-se perceber que o número de turistas internacionais vem aumentando gradativamente. não sendo maior apenas nos meses de Março a Agosto. Gráfico 4. O gráfico representa o percentual de room nights segundo a procedência geral dos turistas. Em 2001.

aproximadamente. arquitetura clássica. correspondente a 46.41 Estima-se que. mirantes além de ser o local onde o b&b representa a maior oferta de hospedagem do local.63%. 53. pode-se citar Santa Teresa. Itália e Alemanha. O turismo cultural é intenso neste bairro que possui diversos atrativos como museus. 2. vindo primeiramente de São Paulo. em 2008.Número de turistas e sua participação Fonte: Fecomércio . Inglaterra. . Espanha. Destes. Entre os destinos.RJ Com o crescimento do turismo na cidade apresentados nos gráficos e tabelas anteriores. depois de Minas Gerais e em terceiro do interior do Estado de São Paulo. instalados em unidades de hospedagem da cidade. principalmente da França.37% são provenientes de outras localidades do Brasil. tenham visitado o Rio de Janeiro. vieram de diversos países. um bairro antigo de que atrai turistas interessados na particularidade de sua cultura e história. sendo que aproximadamente 358 mil tenham vindo da Europa. O restante. restaurantes tradicionais. Tabela 10. é possível acrescentar que os destinos turísticos do Rio de Janeiro vêm a cada ano recebendo um maior número de visitantes.1 milhões de turistas.

pois mantém há dezenas de anos aspectos preservados do Rio de antigamente. O bairro ocupa uma colina no centro da cidade e parece ter parado no tempo. A maioria das mansões centenárias do bairro. restaurantes e lojinhas de artesanato. Catumbi e Rio Comprido. como casarões. inspirada em arquitetura francesa da época. É um bairro dividido entre classe média-alta. A arte exibida nos muitos ateliês que tomaram conta do bairro. Começaram a circular no século passado. Catete. média e baixa. Centro. e a atração principal do bairro são os velhos bondes. além de possuir também bares. movidos por tração . não mudou quase nada. no século 18. Escritores e artistas sempre foram atraídos por Santa Teresa. Silvestre. igrejas e todo o ambiente em si. onde residiam a alta sociedade. Figura 6. Humaitá. Botafogo.42 4.Mapa de Santa Teresa Fonte: FAPERJ . que – segundo a Prefeitura do Rio de Janeiro – são os únicos do modelo que ainda circulam em todo o Brasil. no Rio de Janeiro.Ana Maria Moura (2005) Faz limite com os bairros Glória. Laranjeiras. Cosme Velho. O BAIRRO DE SANTA TERESA O bairro de Santa Teresa nasceu nos arredores de um convento no Morro do Desterro. Pelas ruas estreitas e de paralelepípedos não circulam ônibus ou caminhões..

a humildade e a discrição. pertencentes à Ordem das Carmelitas Descalças. E segundo o guia e maquinista Wanderson da Costa. passa sobre os Arcos da Lapa e segue a rota no sobe-e-desce das ladeiras de Santa Teresa. que trabalha há 10 anos no bonde. Figura 8. depois substituído por eletricidade e foram tombados como patrimônio histórico. abriga religiosas que vivem isoladas e têm pouquíssimo contato com o mundo exterior. passando por toda área verde e pelos pontos turísticos do local. Os turistas costumam freqüentar o bonde das 11h às 16h. A ordem prega a simplicidade. levando o visitante a um city tour personalizado. passeando ainda por trilhas bem preservadas. 4.Igreja de Santa Teresa Fonte: As autoras (2009) . responsáveis pelo nome do bairro. nos horários de pico o grande fluxo de passageiros é formado por trabalhadores voltando ou saindo do bairro.Bondinho Fonte: Revista Fator Brasil (2007) O bonde sai do centro da cidade. Figura 7.1 Pontos Turísticos A Igreja e o Convento de Santa Teresa.43 animal.

de 1860. pois de lá. Figura 9. a mais antiga do bairro. o agito toma conta do lugar. entre eles. Bar do Arnaudo (comida nordestina). Artistas e intelectuais passeiam por todos os lados apreciando a música popular brasileira. uma fortaleza erguida em estilo neoromântico. além de se ter a vista dos famosos Arcos da Lapa. E é nessa mesma rua que se tem a visão do Castelo de Valentim. . se encontra a Casa Navio. onde se encontra um belo casario de 1850 e a Igreja de Nossa Senhora das Neves. Do topo da casa há um mirante com uma bela paisagem da Baía de Guanabara. Sobrenatural (frutos do mar) e Adega do Pimenta (alemão). foi residência do comendador Antônio Valentim. inspirada no convés de uma embarcação. O imóvel está também inscrito na agência Cama e Café e disponível para abrigar hóspedes. projetada por seu filho. O local é o ponto final da condução do bonde e por ali também há bares bem conhecidos.44 Na Rua Almirante Alexandrino. como o Bar do Goyabeira. Mais adiante o caminho do bonde chega ao Largo das Neves. o Café das Neves e o Santa Saideira.Casa do Cama e Café estilo Castelo Fonte: Site Cama e Café (2008) No Largo do Guimarães (área nobre do bairro) se concentram os mais importantes restaurantes e bares do bairro. tem-se uma visão bem nítida do centro da cidade e de toda a orla do Rio – desde o Aeroporto Santos Dumont até a Urca. O Parque das Ruínas também é um mirante. além de mais uma série de bares muito concorridos. Quando anoitece. Bar do Mineiro. Construído no final do século 19.

foi transformada em museu e totalmente restaurada com móveis. livros. O centro possui também salas de vídeo e espaços para exposições. Com três andares. Figura 11 – Vista do Mirante . para homenagear a mulher que no início do século praticamente comandou a vida intelectual do bairro.líder do movimento republicano .Parque das Ruínas Fonte: FAPERJ Ana Maria Moura (2005) O parque possui uma sala de exposições. .Parque das Ruínas Fonte: As autoras (2009) Em uma das casas do bairro. auditório e cafeteria. O acervo fotográfico da casa mostra Laurinda em atividade e transporta o visitante à Santa Teresa dos tempos passados. A residência de Benjamin Constant . foi inaugurado em 1979 o Centro Cultural Laurinda Santos Lobo.tijolos aparentes combinados com estruturas metálicas e de vidro.45 Figura 10 . promovendo saraus e dando vida e graça a Santa Teresa. a casa chama atenção também por sua arquitetura e estilo . objetos.

A área que circunda o museu é totalmente arborizada. p. Di Cavalcanti. Não foi preciso fazer muitas obras. adquiriu uma residência logo na primeira visita a Santa Teresa. Laurent Gelis. nos últimos anos. somente alguns acabamentos. Figura 12 .66). 98% dos hóspedes são estrangeiros.2 Oferta Hoteleira no Bairro de Santa Teresa De acordo com a revista França/Brasil (Edição Maio/Junho 2009 n° 292).46 fotografias e acervos de artes plásticas. o Brasil do século 19 é mostrado por viajantes como Debret e Taunay. Hoje. com charme e personalização. Em pinturas. pois como ele afirma. O proprietário francês do Casa Amarelo. O artista utilizou o espaço para mostrar seu trabalho e isso fez com que seu trabalho aparecesse em muitas revistas de decoração e a dar destaque ao empreendimento. O edifício. . O Museu Chácara do Céu possui um acervo com importantes obras de arte moderna. vários empreendedores franceses estão reformando antigos casarões em Santa Teresa para instalar hotéis boutique. que teve apenas cinco donos em todo esse tempo. paz e beleza de lá.Museu Chácara do Céu Fonte: FAPERJ Ana Maria Moura (2005) 4. principalmente por trabalhar com estampas florais. contribuindo para a revitalização do bairro e aproveitando o clima bucólico que o local proporciona para se sustentar. Gelis é dono de uma agência de design na França muito famosa. está muito preservado” (2009. aquarelas e gravuras. com destaques para as assinadas por Portinari. Matisse e Dalí. Picasso. Guinard. sendo 95% europeus e 30% franceses. “Me encantei com a tranqüilidade.

De acordo responsável pelo projeto. esse conceito “’Villa Rental’ é única no Rio. A estrutura emprega cerca de 85 funcionários. um Spa e um bar com nome Bar dos Solteiros. A idéia é dar vida a casa e promover um turismo criativo”. O hotel abriu em Dezembro de 2006.500. são 44 suítes. dependendo da temporada. após quatro anos de reforma. Segundo Allan. . A) B) Figura 14.47 A) B) Figura 13. inaugurado em 2008. porém de proporções bem maiores.Solar de Santa. Em uma área total de 5 mil m².00.000. um restaurante (Térèse). também no mesmo bairro. François Delort. que pagam entre R$ 2. é o Hotel Santa Teresa. O espaço tem uma proposta diferente: é alugado para grupos de até treze pessoas. foram investidos R$ 14 milhões na transformação de do espaço em um hotel boutique luxo. após ficar seis meses de reforma.Quarto e sala Fonte: Site Casa Amarelo O proprietário do Relair Solar .00 a R$ 2.Quarto e sala Fonte: Site Solar de Santa O único hotel visitado pelas autoras. é outro estrangeiro (franco-canadense) que adquiriu um dos casarões de Santa Teresa. Gwanael Allan.

todas adquiridas pelo próprio Delort. Os franceses procuram o estabelecimento para hospedagem . Ipanema é supervalorizada. restaurante e SPA. Tem muito verde. p. o melhor lugar para se morar. o Santa Teresa é o primeiro cinco estrelas no centro da cidade. que freqüentam mais as áreas do bar.48 Figura 15. vida artística e cultural intensa (2009.Hotel Santa Teresa Fonte: As autoras (2009) De acordo com a França/Brasil (2009).. o étnico e o sagrado. Copacabana já acabou há muito tempo. tudo para recriar um ambiente definido por três aspectos: o místico. Diferente dos outros dois hotéis possui muitos clientes brasileiros. A decoração interna do hotel tem influências indígenas e africanas.. [. conhecer algo diferente.] Santa Teresa é. abrir um estabelecimento no único bairro do Rio de Janeiro com arquitetura preservada é um diferencial muito grande. Ainda de acordo com Delort: Os turistas ficam felizes de vir para cá. 67). Segundo Delort (2009). sem dúvida. A arquitetura é feia. mais autêntico.

Para tanto foram realizadas entrevistas com diversas pessoas envolvidas na área. onde famílias locais abriam suas casas fornecendo um quarto com total privacidade para acomodação. “ganharam” um amigo embutido na diária. sócio do Cama e Café. descobriram que o anfitrião. ou seja.49 5. Isso fez com que os sócios percebessem que esse novo meio de hospedagem deixava os hóspedes mais próximos da cultura local. Porém. se a experiência fosse positiva para todos. 5. o “B&B”. . A HOSPEDAGEM DOMICILIAR EM SANTA TERESA Para fins de pesquisa. com o objetivo de coletar o maior número de informações possíveis sobre o bairro. ao chegarem. renovariam por mais dias na nova descoberta de hospedagem pela Europa. Leonardo Rangel e João Vergara no ano de 1995.1 Agência Cama e Café Através da entrevista realizada com Carlos Magno Cerqueira. como era o caso dos albergues. Para a surpresa dos três. Uma forma de hospedagem desconhecida para os viajantes. sem precisar dividir o espaço com pessoas estranhas. a idéia de trazer o meio de hospedagem domiciliar ao Brasil surgiu através de experiências vividas por ele e por mais dois sócios. quando viajam rumo à América do Norte e logo depois para a Europa para fazerem um intercambio. as autoras deste trabalho de conclusão de curso efetivaram uma pesquisa de campo no bairro de Santa Teresa. A idéia era partir para acomodações em Albergues como a maioria dos jovens de sua idade o faziam. Como costumam dizer. o dono da casa era o que havia de mais fascinante neste tipo de hospedagem. o desenvolvimento da hospedagem domiciliar no local e suas características. Ao chegarem ao “B&B” resolveram se instalar em um quarto triplo aderindo à idéia de ficarem somente por uma noite em caráter de experiência. Quando podia servia como guia turístico e até mesmo como professor de idiomas. entender a relação entre os turistas deste tipo de hospedagem e os anfitriões e mapear os pontos positivos e negativos da atividade na cidade. duas hospedagens em casas diferentes no bairro de Santa Teresa e visita aos pontos turísticos do local. descobriram uma outra alternativa de hospedagem.

No Arte de Portas Abertas de 2002. Hoje. evento cultural que faz parte do calendário anual de eventos da cidade. pontos de taxi. sala de jantar. ao mesmo tempo históricos como é o caso da maioria das cidades na Europa. Cerqueira. Rangel como engenheiro atuante na área de desenvolvimento sustentável e Vergara como designer de produto atuante na área de projetos especiais para preservação de patrimônio tanto histórico como cultural estavam preparados para desenvolver sustentavelmente a preservação cultural. Lembraram das ruas sinuosas de Santa Teresa. começam as inscrições para os moradores que queriam fazer parte da Rede de Hospedagem local. Com o passar dos anos o projeto foi ganhando a simpatia de mais parceiros e hoje conta apenas com o fruto do seu trabalho desses anos e o prestígio das principais entidades de classe do trade turístico. mesmo sabendo que seria difícil por se tratar de um bairro de resistência e vanguarda. histórica e social de Santa Teresa através do turismo como ferramenta principal. estar e cozinha para o treinamento de anfitriões . após anos de caminhada. Os sócios chegaram à conclusão que Santa Teresa era o lugar certo para inserir uma Rede de Hospedagem Domiciliar. da arquitetura eclética e suas diversidades nos casarões e do velho bonde cruzando o bairro carioca. ateliês para que o projeto fosse bem aceito e trouxesse benefícios a todos. O Sebrae foi o primeiro parceiro a investir na idéia. Santa Teresa a partir daquele momento se tornaria o bairro carioca conhecido como “Destino Turístico Sustentável”. bares. tanto aos moradores quanto aos turistas que visitariam o bairro. banheiro. mas para isso precisavam de um lugar que reunisse atrativos culturais e. após dois anos de pesquisa e catalogação do Projeto Piloto. e sugeriram parcerias com estabelecimentos. restaurantes. o projeto é pioneiro no Brasil e presta consultoria para vários projetos. como turismólogo e guia turístico. Em 2003. O Laboratório de treinamento para os anfitriões fica na Sede no Cosme Velho onde há uma parte da casa com quarto. Nasceu nos sócios à vontade de abrir uma Rede de B&B no Brasil. Logo interagiram com a comunidade para conhecer melhor os moradores. Sabiam que o projeto realmente poderia dar certo. retornam ao Brasil com fotos e muitas histórias para contar.50 Após 40 dias de viagem por 12 países. fundaram a agência Cama e Café com 20 casas no bairro carioca.

00 a R$ 210. As diárias variam de R$ 85.00. Casas Cadastradas na Sede do Cama e Café em Santa Teresa O Cama e Café conta com uma seleção de casas que podem ser escolhidas pelo design da residência. pelo perfil do anfitrião e pelas vantagens e facilidades que oferece. Como projeção para os próximos destinos conta com Paraty para final de 2010. o hóspede pode escolher a casa que quer ficar hospedados através do site da agência na internet. Através de dados coletados durante a entrevista foram obtidas informações sobre a situação real das quantidades e valores do Cama e Café. Gráfico 5 – Anfitriões cadastrados na Sede Cama e Café Fonte: As autoras (2009) . Petrópolis para 2011 e Ouro Preto para 2012 a principio. A central de reservas e operações fica em Santa Teresa na casa de uma das anfitriãs da rede.51 do Brasil. são 50 casas cadastradas no serviço. De acordo com a entrevista realizada com Daniella Grego. que soma cerca de 150 leitos. Hoje. A empresa trabalha a filosofia do baixo custo operacional e utiliza-se principalmente da internet como ferramenta principal para divulgação e venda. onde estão disponíveis todas as informações das casas cadastradas além de fotos e preço da hospedagem. pela sua localização. o grande diferencial da Rede Cama e Café são as possibilidades de convívio diário com os habitantes locais. gerente de operações do Cama e Café. seus hábitos e sua cultura. A Rede encontra-se atualmente em Santa Teresa e Olinda.

Quartos existentes nas casas cadastradas Fonte: As autoras (2009) Gráfico 7 – Categoria dos apartamentos Fonte: As autoras (2009) Gráfico 8 .52 Gráfico 6.Banheiros Privativos ou Coletivos Fonte: As autoras (2009) .

Satisfazer as necessidades de um hóspede. garagem. A experiência vivida por pessoas em suas viagens de turismo acaba sendo única. jardim e vista panorâmica. fazendo com que ele se sinta em casa nunca foi tão fácil. pois o Cama e Café oferece em questão de facilidades proporciona uma localização próxima ao centro da cidade. Além de uma cama. os hóspedes também encontram diversas vantagens e facilidades ao se hospedarem em uma casa agenciada pela rede. ar-condicionado. hidromassagem. televisão a cabo. Com relação às vantagens. Os serviços oferecidos pelos anfitriões não se limitam apenas em uma cama e café da manhã. acesso à internet (wi-fi). biblioteca. .53 Gráfico 9 – Ocupação máxima de hóspedes Fonte: As autoras (2009) Gráfico 10 – Média das diárias cobradas Fonte: As autoras (2009) Vantagens e Facilidades O Cama e Café ultrapassa a hospitalidade convencional. ventilador. um café da manhã e a simpatia dos anfitriões.

de acordo com a anfitriã Ana Laura Lopes de Andrade. na maioria das vezes. fazer compras.TRIPLE: R$ 200. assistir televisão. a terceira autora se hospedou na casa da anfitriã Flávia Garcia sem revelar o principal motivo da sua estada.00 .SINGLE: R$ 120. Relatório de Hospitalidade . ler. praticar esportes.54 podemos citar a estrutura física. ir ao cinema. navegar na web. porém apenas dois possuem ar-condicionado e a internet pode ser disponibilizada para o hóspede caso seja necessário. A decisão de conhecer o Cama e Café de formas diferentes possibilitou as pesquisadoras comparar o serviço prestado. . 5. O resultado dessa pesquisa se resume na qualidade da hospitalidade de ambas as casas que ofereceram serviços compatíveis ao esperado. Os relatórios a seguir. Duas das autoras se hospedaram na casa da anfitriã Ana Laura Lopes. realizados como hóspede oculto e como estudantes mostrarão dados e características do anfitrião e da casa. onde foram obtidos informações através de entrevistas.00 . jogar baralho. como estudantes de hotelaria para conhecer o meio de hospedagem e a Rede Cama e Café. diária com café incluso e um anfitrião que acaba se tornando um guia turístico e um grande amigo.Modelo de Hóspede Oculto • Anfitriã: Ana Laura • Endereço: Rua Andres Bello. ouvir música • Quartos reservados para hospedagem: Três quartos. No mesmo período. comodidade. sair com amigos. jantar fora.00 . • Quantidade de leitos: Duas camas de casal e quatro camas de solteiro.DOUBLE: R$ 160.2 Experiência Vivida pelas Autoras A experiência vivida no Cama e Café aconteceu em duas fases.Santa Teresa • Anfitrião Extra: Alexandre (esposo) • Profissão: Advogada • Idiomas: Inglês/ Espanhol • Momentos de lazer: Ir à praia. segurança. 15 .

ouvir musica . • Itens do Café da manhã: .Café .Suco de laranja natural . dançar. sabonete e papel higiênico e as camas são confortáveis (colchões novos) • O enxoval é composto por tolha de banho.Dois sabores de bolo . Laurinda dos Santos Lobo. lençóis. construção e espaço para depois pensar na decoração dos quartos.Iorgurte . • Decoração e Estrutura: No momento. Ela quer resolver todos os problemas de encanamento. ir ao cinema. a atenção da anfitriã está voltada para a parte estrutural.Manteiga .Leite .55 • Todos os quartos possuem banheiro privativo com itens básicos de higiene como. ler. manta e travesseiros.Biscoito Relatório de Hospitalidade .Santa Teresa • Anfitrião Extra: Augusto (caseiro) • Profissão: Psicóloga e analista de sistemas • Idiomas: Inglês/ Espanhol • Momentos de lazer: Jantar fora. • A área para fumantes fica em um espaço reservado no quintal que por sua vez é grande e aberto. assistir televisão. 124 .Bisnaguinha . teatro.Sistema de “Viagem de Estudantes” • Anfitriã: Ana Laura • Endereço: R. viajar.Frutas .Geléia .Queijo fatiado -Presunto fatiado .

• Itens do Café da manhã: . .Pão francês . de marcas de segunda linha. .Achocolatado .Iorgurte .Biscoitos doces e bolachas salgadas variadas . porém apenas dois com banheiro privativo dentro do quarto.00 . Todos os produtos porém.Manteiga . • Quantidade de leitos: Duas camas de casal e cinco camas de solteiro. manta e travesseiros.00 • O banheiro oferecido como privativo possuía itens básicos de higiene como.00 .Bolo caseiro .DOUBLE: R$ 160. queijo) . lençóis. • A área para fumantes fica em um espaço reservado no quintal que por sua vez é grande e aberto.Frios (presunto.TRIPLE: R$ 200.Leite .SINGLE: R$ 120.Frutas: manga e abacaxi.Café . Há também na casa uma piscina com área para churrasco e uma grande varanda com vista para a rua. • O enxoval é composto por tolha de banho. sabonete e papel higiênico e creme dental.Geléia .Suco de laranja natural .56 • Quartos reservados para hospedagem: Três quartos.

• Incrementar a divulgação e distribuição do serviço.3 Comitê Organizador dos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro Por se tratar de um novo modelo de hospedagem no Brasil.Café da manhã na casa da Ana Laura Fonte: As autoras (2009) 5. a primeira intervenção do poder público para divulgação e estímulo a hospedagem domiciliar foi na organização dos Jogos Panamericanos de 2007 na cidade do Rio de Janeiro. implementou um projeto com o objetivo de informar e estimular a população carioca a aplicar a hospedagem domiciliar. • Estabelecer parâmetros de qualidade para a prestação dos serviços. através de experiências de outras cidades. tendo em vista o aumento do número de turistas esperados com o evento dos XV Jogos Panamericanos em Julho de 2007. o plano de trabalho do convênio previa iniciativas com o objetivo de: • Conhecer melhor essa modalidade. A prefeitura do Rio de Janeiro sob a coordenação da Secretaria Municipal do Turismo. que para serem fortalecidas. Quando foi firmado o convênio entre o Município do Rio de Janeiro e o Ministério do Turismo. já existiam no Rio experiências de hospedagem domiciliar. em dezembro de 2004. .57 Figura 16 . • Estimular a cooperação entre as iniciativas existentes no interesse comum.

usuários de hospedagem domiciliar. com o objetivo de reunir as experiências de outras localidades que adotaram esse tipo de hospedagem e propiciando um debate que orientaria ações futuras no caso dos jogos no Rio. Um seminário internacional foi realizado no Rio de Janeiro em outubro de 2006. Foi elaborado um documento com nome de Carta Carioca de 2 ONG Lunuz – criada para desenvolver o projeto “Santa Teresa: Território Turístico Sustentável” em parceria com a empresa privada Cama e Café. Itália entre outros. mas que pensam em utilizá-la e não usuários que não pensam em utilizá-la. Foi elaborado também um manual sobre os direitos e obrigações do consumidor dos serviços. A maior parte dos estudos foi publicada em um livro lançado pela Prefeitura do Rio de Janeiro – “Hospedagem Domiciliar: Turismo Integrado e Sustentável” do qual serviu de referência para afirmação de tais fatos. Santa Catarina. . informações diversas sobre a hospedagem domiciliar e uma pesquisa de mercado em formato de questionário para os anfitriões da rede Cama e Café. A pesquisa foi resultado de uma parceria entre a Secretaria Especial de Turismo do Rio de Janeiro (SETUR) e o Ministério do Turismo. não usuários de hospedagem domiciliar. Foram pesquisadas também cidades que utilizaram a hospedagem domiciliar como recurso para aumentar a oferta de leitos durantes grandes eventos esportivos como é o caso dos jogos de Sidney (Austrália) e Winnipeg (Canadá). Em maio de 2007 o programa municipal de estímulo à hospedagem domiciliar foi lançado oficialmente com a presença de representantes do setor turístico e do Comitê Organizador dos Jogos Panamericanos através de um site na internet que publicou os dados das pesquisas desenvolvidas. tributários e econômicos.58 A Prefeitura elaborou com o apoio da consultoria da ONG Lunuz2. A pesquisa foi concluída com a elaboração de manuais com orientações para os anfitriões e agências (ou profissionais autônomos). sendo reallizada pelo Instituto GPP. França. Foi também estudado neste seminário aspectos normativos. procurando orientar a ação do poder público e das pessoas interessadas em desenvolver essa atividade. Nota-se que a pesquisa com os anfitriões se restringiu apenas aos afiliados da rede Cama e Café. Estados Unidos. Inglaterra. não incluindo os anfitriões das outras duas redes do município. um extenso levantamento sobre as experiências de hospedagem domiciliar em diversos locais onde o serviço é desenvolvido como Fernando de Noronha.

assumindo os compromissos mínimos de qualidade para o sistema. Existem atualmente três manuais e são eles: Manual do Anfitrião No manual do anfitrião estão disponíveis dicas que vão desde como receber o hóspede até questões como asseio da casa. confecção do café da manhã. armazenamento e manuseio de alimentos. que devem estar abertos para entenderem o ponto de vista do turista. canais de distribuição. BBBrasil e Favela Receptiva – assinaram a Carta Carioca de Hospitalidade. exposição de possíveis situações adversas em uma hospedagem e resolução de possíveis problemas. conhecimento do mercado. procedimentos de governança. uso de equipamentos da casa. e que também torna-se muito útil para anfitriões e agentes. procedimentos. foram criados e distribuídos também manuais e métodos para os anfitriões. Manual do Hóspede O manual do hóspede foi feito para ajudar os hóspedes a desfrutar com conforto e segurança da rede de hospedagem domiciliar no Rio de Janeiro. manutenção. como formar uma rede de agenciamento. com o objetivo de criar um compromisso entre os envolvidos na hospedagem domiciliar no Rio de Janeiro além de estipular uma padronização do serviço oferecido. Neste manual estão dispostos os direitos e deveres do hóspede e dicas sobre como manter a relação com o 3 Disponível no Anexo A. Ainda em maio de 2007.59 Hospitalidade3. apresentação pessoal. Além da carta carioca de hospitalidade. . horários. regras de convívio. requisitos mínimos de qualidade que deve-se oferecer ao turista. Manual do Agente No manual do agente estão dispostos alguns procedimentos que o profissional envolvido na hospedagem domiciliar deve executar além de informações básicas que são indispensáveis para quem trabalha neste área. agentes e hóspedes. apresentação do ambiente. as três redes estabelecidas no Rio de Janeiro – Cama e Café. como tarefas. organização do negócio. habilidades essenciais para receber bem o hospede.

respeitando as regras da casa e levando em consideração fatores como: privacidade. 5. etc. café da manhã. onde se acessado.gov.rj. chaves da casa.Página do Site Riotur – Principais redes de hospedagem domiciliar Fonte: Riotur (2006) Há uma página inicial onde estão dispostas as principais redes de hospedagem domiciliar da cidade com um link de acesso para seus respectivos sites. uso de equipamentos. como preparar sua casa para receber turistas e um campo de perguntas e respostas.4 Divulgação do produto por entidades públicas Atualmente. no qual se obtém resposta de funcionários da secretaria do turismo do Rio de Janeiro via email. economia de energia. horários.br www.gov.rj.60 anfitrião agradável sempre. tranqüilidade no ambiente.rio.rio. no site4 oficial da Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro há um link de acesso chamado Turismo. Figura 17. 4 5 www. Um outro site é aberto caso o internauta deseje ter informações sobre o que é hospedagem domiciliar.br/hospedagemdomiciliar/ . o internauta é direcionado automaticamente para a página onde estão todas as notícias sobre o turismo na cidade e inclusive sobre hospedagem domiciliar5.

De acordo com Alfredo Lobo – presidente da ABIH – em nota ao Etur. Além dessas ações. Leia e comente. Um dos dizeres do site da prefeitura sobre hospedagem domiciliar cita: Antes de mais nada é preciso deixar bem claro: hospedagem domiciliar é um negócio estritamente privado entre pessoas .61 Este serviço foi testado pelas autoras do trabalho. era esperada a taxa de ocupação acima dos 90% na cidade. os textos explicativos "O que é Hospedagem Domiciliar" e "Preparando sua casa". que esperavam . o sócio da rede Cama e Café explicou que a expectativa pela alta ocupação no período dos jogos era muito grande. se quiser. Não há uma regulamentação específica e nem incentivos para empresas e anfitriões interessados em ingressar na modalidade. foi nesta época que foi realizado o primeiro seminário para discussão da implantação e apoio a hospedagem domiciliar na cidade. A taxa de ocupação no mês de Julho em 2007 teve aumento de somente 10% em comparação com o ano anterior de acordo com um estudo feito pela Fundação Getulio Vargas (FGV) com o título “Movimentação Econômica dos Jogos Panamericanos” e que já representa um resultado positivo em termos de movimentação financeira na cidade. A Prefeitura não se dispõe a intermediar essas relações comerciais. onde os governantes e responsáveis pelo turismo da cidade previam que a oferta de hospedagem não ia ser suficiente para abrigar toda a demanda de turistas que viriam por conta do evento. Pesquise nos "links" sobre experiências em outros lugares. nem oferecer serviços ou financiamentos. promoção dos destinos turísticos e culturais e criação de mais 3000 leitos na cidade. O site criado pela prefeitura da cidade do Rio de Janeiro que fala sobre b&b teve início no ano de 2006 somente por conta dos Jogos Panamericanos. porém. Nosso objetivo é o de informar. Tire suas dúvidas na área de "Perguntas & Respostas" (2005) O interesse do poder público no segmento de hospedagem domiciliar ainda não tem tanta representatividade. e por isso foram investidos recursos na capacitação de atendentes em bares. Em entrevista com Cerqueira. estimular e ajudar os interessados. hotéis e restaurantes. houve um desapontamento por parte dos membros da agência. visto que o setor não se desenvolveu no Brasil de forma ampla como em outros países já citados. além de ter servido como referência para elaboração da pesquisa.

. não houve uma continuação no trabalho e hoje se pode notar que todo o esforço de marketing e investimento no segmento vem de iniciativas isoladas e de empresas privadas. assim como estimulando o desenvolvimento de novos projetos. dando suporte e apoio às iniciativas existentes. foram propostas idéias e metas para ampliação e mapeamento das ações que devem ser implantadas para o crescimento e desenvolvimento da hospedagem domiciliar a âmbito nacional.62 100% de ocupação no período e não obtiveram. Acredita-se que o poder público deve estar atento às experiências de implementação desse tipo de meio de hospedagem no Brasil. Após esse período. Para tanto.

No Brasil. porém. e que por conseqüência desenvolverá de forma sustentável uma maior movimentação turística no local trazendo consigo benefícios a todos os envolvidos. Eventos grandiosos como esses poderão trazer grandes chances de desenvolvimento e crescimento do b&b no Brasil. foi identificado que no Brasil o seu desenvolvimento é restrito se comparado com outros países no mundo. 6. visto que os jogos são realizados em diversas cidades do país e que muitas delas não possuem a oferta de hospedagem condizente com a demanda turística esperada. que teve maior divulgação somente no período dos Jogos Panamericanos na cidade em 2007.1 Benefícios da Hospedagem Domiciliar São listados os benefícios identificados com o desenvolvimento da hospedagem domiciliar: Aumento da oferta de leitos do local A hospedagem domiciliar é capaz de promover o aumento do número da oferta de hospedagem de um destino turístico de forma sustentável. Existem no Brasil dois eventos futuros que gerarão grandes investimentos no setor turístico. . no qual já promovem o tipo de hospedagem há anos e recebem um grande número de turistas. Além dos eventos. através da agência Cama e Café. interessado em aumentar o número de leitos da cidade para receber a grande demanda turística esperada devido aos jogos. com a ajuda do poder público. ou seja.63 6. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO B&B NO BRASIL A hospedagem domiciliar é um segmento de hospedagem que traz consigo diversos benefícios aos envolvidos na atividade. o caso de sucesso em aceitação da modalidade em Santa Teresa remete a idéia de que em localidades turísticas com atrativos históricos e culturais tem grandes chances em se adequar a hospedagem domiciliar. contribuindo para que não haja danos ao meio ambiente onde se é instalado. foi possível identificar o seu crescimento no bairro de Santa Teresa no Rio de Janeiro. São eles: a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016.

pois este está inserido no dia-adia do local durante toda sua estada ou a maior parte dela. pode-se salientar que não é necessária a construção de estruturas para abrigar novos meios de hospedagem. Um trabalho para seu desenvolvimento poderia ser feito para trazer o sucesso de seu mercado em outros países para o Brasil. 6. por se apresentar em pequena escala no país e não haver divulgação do produto.2 Principais Dificuldades para Implantação da Hospedagem Domiciliar A hospedagem domiciliar não é amplamente conhecida pelos brasileiros. Contribui de forma mais saudável nesses casos. Geração de renda A movimentação financeira com o aumento do número de turistas pode trazer benefícios a todos os envolvidos da região.64 Neste caso. e em todos os casos. impactando de forma menos agressiva a taxa de ocupação dos hotéis após a desocupação da cidade depois destes grandes eventos. escritores. A . pois o quarto para hospedagem do turista já está construído e localizado dentro das casas dos moradores da região. pintores. restaurantes. e principalmente os donos das casas que oferecem um quarto para o visitante e recebem um valor referente à diária cobrada do turista em sua casa. o benefício pode ser visto como uma alternativa em situações onde existe o aumento momentâneo do número de turistas no local devido a algum evento grande como por exemplo jogos olímpicos. porém pode haver certa resistência em alguns moradores em receber desconhecidos em suas próprias casas. impactando o mínimo em quesitos ambientais. Todos os benefícios citados remetem a idéia de que o b&b traz muitos benefícios às partes envolvidas. desde profissionais autônomos como taxistas. é possível cumprir seu objetivo. até os envolvidos no comércio da região com bares. Turismo sustentável Dentre os principais benefícios. lojas. onde a construção de vários meios de hospedagem é evitada. Cumprimento dos objetivos do turista cultural A vivência da cultura local é o que o turista da modalidade procura. O Brasil é considerado um país hospitaleiro.

monitorando as casas e avaliando a receptividade oferecida pelos anfitriões. São necessários funcionários que estejam presentes em todos os locais onde há residências credenciadas para constante avaliação do serviço prestado e para adesão de novas residências. Os hotéis e pousadas em cidades turísticas pequenas podem encarar a implantação do b&b como um forte concorrente. .65 desconfiança e o medo pode ser uma barreira para a implantação da modalidade em alguns locais. Se os turistas decidirem por motivos de maior integração com a comunidade ou pelo valor praticado ficar em casas agenciadas ao invés de hotéis e pousadas. podendo também representar uma ameaça no desenvolvimento da atividade. Para tanto é necessária uma estrutura organizacional capaz de administrar de forma eficaz as casas em todas as regiões do país onde seja implantada a hospedagem domiciliar. foram listadas algumas possíveis alternativas que podem minimizar os problemas encontrados: Responsável por localidade Nomeação de um anfitrião para cada região que irá cuidar da avaliação do serviço prestado no local. Os noticiários anunciam todos os dias casos de violência. ocasionando também em um maior suporte ao visitante. pode haver uma recusa por parte desses empreendimentos a aceitar a implantação do meio de hospedagem no local. 6.3 Alternativas para Minimizar as Dificuldades de Implantação do B&b Depois de identificadas as dificuldades para implantação de desenvolvimento da atividade de hospedagem domiciliar no Brasil. A idéia de trazer um estranho para dentro de casa pode representar um grande empecilho para aumentar o número de anfitriões dispostos a se associar a alguma rede de hospedagem domiciliar. Ter uma pessoa responsável no local para cuidar de situações adversas e problemas que pode vir a ocorrer envolvendo o turista pode ajudar no tempo em que irá se resolver a situação. roubos e situações indesejáveis por qualquer cidadão. A casa deste anfitrião terá prioridade em receber turistas e será descontada da diária uma porcentagem menor de comissão para a agência de b&b em forma de contribuição ao seu trabalho. A criação de uma agência de b&b de âmbito nacional prevê uma estrutura que consiga suportar as exigências para sua administração e qualidade.

Preços compatíveis Praticar preços compatíveis com a oferta de hospedagem dos locais onde pode haver resistência por parte do hotéis e pousadas pode diminuir a concorrência por preço de diária na cidade ou bairro e contribuir para a aceitação da atividade no local. Promover treinamentos e orientação Desenvolver palestras e treinamentos de capacitação para os envolvidos com o turismo no local pode auxiliar na relação destes com os turistas. receptividade e apresentação dos deveres e obrigações do anfitrião. Treinamentos e palestras para os anfitriões poderão auxiliar na padronização de algumas variáveis como limpeza. onde houve a criação de um link na internet no site da prefeitura da cidade. podendo prever a perca de hóspedes para o b&b. Este link dará acesso ao visitante para site da agência responsável pelas reservas dos quartos disponíveis para hospedagem domiciliar do local.66 Apoio do poder público O apoio das secretarias de turismo das cidades e do MTur para divulgação da idéia pode acrescentar maior credibilidade e aceitação por parte dos moradores e envolvidos com o turismo. Esse apoio pode ser feito de modo semelhante ao que foi realizado pela Secretaria do Turismo do Rio de Janeiro no caso dos Jogos Panamericanos em 2007. contribuindo para que recebam bem o turista. Os treinamentos e orientações oferecidos aos anfitriões contribuem para a garantia de qualidade do serviço e maior credibilidade com os turistas adeptos ao b&b. além de haver uma maior divulgação para os turistas interessados. Uma alternativa seria a . Incentivo ao consumo local Incentivar o consumo dos turistas na localidade contribui diretamente para a geração de renda e movimentação da economia local. segurança. A imagem da rede é fortalecida caso o padrão de qualidade seja elevado e constante. Os responsáveis pela administração dos hotéis e pousadas da região poderiam se sentir ameaçados caso as diárias praticadas fosse mais barata do que nesses meios de hospedagem.

Hoje em dia há um redescobrimento do local em contraposição do global.67 distribuição de cartões de descontos e cortesias para os turistas adeptos do b&b. o turismo caracteriza-se por ser altamente competitivo. contribuindo para o consumo em restaurantes. Vivemos em uma sociedade de avanços tecnológicos. política e cultural. bares. segundo o MTur. apresentando para o futuro as perspectivas mais promissoras. Na realidade. lanchonetes e demais estabelecimentos da região. especificamente. de construção de um lugar que chame atenção e ative o imaginário dos turistas. em que a globalização tornou-se algo comum em nossas vidas. e de manifestações culturais. da realidade. para serem apenas lugares de lazer. 6. Lugares que se diferenciem do cotidiano. E esse é um dos motivos pelos quais as diversidades culturais têm importância na sociedade em que vivemos. regras e diretrizes. . Com o crescimento do turismo no Brasil nos centros urbanos. Regulamentação oficial Ainda não existe uma regulamentação oficial para a hospedagem domiciliar no Brasil que defina os direitos e deveres dos envolvidos na atividade. as cidades são obrigadas a melhorar a infraestrutura local com obras de melhorias urbanas para manter a atratividade local. de facilidades de comunicação e de deslocamento de pessoas. A existência de algo mais consistente nas políticas públicas traria primeiramente uma maior credibilidade ao b&b e poderia contribuir em termos legais em sua definição. de integração econômica.4 Destinos Considerado atualmente um setor econômico dos mais dinâmicos. É também crescente o desejo das pessoas em conhecer lugares novos. decorrência da melhoria dos equipamentos e produtos turísticos e da modernização nos transportes e das comunicações. outras culturas. para o mercado turístico. estamos aprendendo a olhar para o patrimônio como um bem que representa identidade e que exalta o valor de uma cultura. tais melhorias estão voltadas. Nosso ambiente do dia a dia está cada vez mais padronizado. de algo que é o retrato de um tempo histórico.

o Governo do Espírito Santo lançou o Plano de Desenvolvimento do Turismo 2004-2013. conforme mostram as tabelas 11 e 12. criação de centros de eventos. A economia do Espírito Santo vem melhorando. através da revitalização dos centros turísticos. Dele. alguns locais que poderiam ter a oferta hoteleira de b&b por estarem recebendo projetos e estudos do governo para melhoria do local. por meio do Conselho Estadual de Turismo (Contures). qualificação de empreendedores e trabalhadores. com infraestrutura básica e turística e que nela haja pessoas capazes (e dispostas) a receber o hóspede em suas casas – já enxergando quantos benefícios isso poderá trazer a sua comunidade – podem começar um novo método de desenvolvimento sustentável em sua cidade. Por essa razão. melhoria da infra-estrutura. Em 2004. em muitos dos casos. . diversidade da oferta turística. cidades que possuam características histórico-culturais. PIB real e per capita do Estado. consolidação das rotas turísticas. Num segundo passo de avanço nessa área. A comunidade. constavam políticas e projetos elaborados a partir do planejamento estratégico de governo e alinhados com o Plano Nacional do Turismo. desenvolvimento do turismo regional. serem de mais fácil acesso e com autóctones capazes de hospedar estrangeiros. O Plano foi elaborado sob a coordenação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Turismo. Dele constam projetos para estruturação do setor. como a melhoria da competitividade do arranjo produtivo.68 As pessoas que buscam locais para se hospedar próximo aos autóctones e que almejam conhecer de perto a cultura local. por possuírem infraestrutura melhor. algumas. estão presentes na realização dos projetos e estudos para conhecer como é o turista que vai até sua cidade e entender sua necessidade. e qualificação dos produtos turísticos. baseadas no profissionalismo e no planejamento estratégico. lançou o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo 2025. procuram principalmente esses lugares para se aprofundar em seus estudos ou desejos de saber como era ou é o cotidiano daquelas pessoas. Dentre as muitas cidades que possuem locais históricos. Espírito Santo O turismo capixaba iniciou novas fases históricas.

De acordo com o governo (2007). através do site oficial de Espírito Santo. principalmente quando se pensa em geração de emprego e renda (como mostra a tabela 13). portanto. . entre diversas atividades econômicas possíveis para o Espírito Santo. principalmente quando comparado com outros setores. deve ser visto como um instrumento valioso na busca do desenvolvimento econômico local. já que o Estado reúne diversos atributos necessários ao desenvolvimento da atividade turística. O turismo.69 Tabela 11 – PIB real Fonte: IPES Tabela 12 – Per Capita do Estado do Espírito Santo Fonte: IPES O cenário de crescimento abrirá oportunidades para o desenvolvimento do turismo internacional e nacional. o turismo desponta como uma alternativa viável e importante.

São Paulo.70 Tabela 13. de núcleos emissores nacionais dos estados de Minas Gerais. para poder competir com outros produtos ofertados por outros estados. o estado do Espírito Santo identifica uma demanda turística com fluxos sazonais originários. Distrito Federal. Devido à concorrência turística de outros Estados do Brasil como São Paulo. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro e o Nordeste. o governo.Projeção do emprego formal do turismo no Espírito Santo 2004-2025 Fonte: IPES Demanda De acordo com o Governo (2007). na sua maioria. em conjunto. Os mercados prioritários O Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo do Espírito Santo 2025 estará focado prioritariamente nos seguintes segmentos de mercado a serem considerados como focos principais das ações: • Turismo de negócios e eventos • Turismo de sol e praia • Turismo rural/agroturismo • Turismo náutico • Turismo de pesca • Turismo de aventura . empresários e a sociedade. analisaram o mercado atual e definiram o foco de atuação para o direcionamento das ações de desenvolvimento do turismo. sul da Bahia e de visitantes capixabas que viajam internamente.

um dos patrimônios da história de Ilhéus e do Brasil. Capitania dos Portos do Estado e uma empresa multinacional. Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Instituto de Estudos Sócio-Ambientais do Sul da Bahia (IESB). “A proposta desse trabalho de capacitação é preparar a comunidade local para o promissor mercado do turismo. De acordo com o gerente da agência do Sebrae em Ilhéus.71 • Ecoturismo • Turismo cultural Tabela 14 – Segmento x Mercado Fonte: IPES Com todas as ações que o governo do Espírito Santo está tomando para que o turismo seja um fator gratificante na economia. já que é um meio de hospedagem que não impacta bruscamente o meio ambiente e a comunidade (interessada desde o início do Projeto) poderá atender os turistas em suas casas. O trabalho faz parte de um projeto realizado pelo Sebrae na Bahia. está sendo preparado para ser um dos principais destinos turísticos da Bahia. diminuindo a distância que normalmente existe entre autóctones e visitantes. podendo mostrar de perto como é a cultura capixaba. Eduardo Benjamim Andrade (ANO). A idéia é implantar no povoado do Rio do Engenho equipamentos de lazer de qualidade para que se transforme no primeiro destino turístico-histórico-cultural . a implantação de b&b só trará mais benefícios. Rio do Engenho O distrito do Rio do Engenho. observando a vocação que o espaço já possui”. prefeitura municipal.

O sítio foi declarado. em 1980. ao contrário . em 1982. Monumento Nacional. A preservação desse sítio histórico começou na década de 1930. se destacam a Catedral de Olinda. no estado de Pernambuco.Rio do Engenho Fonte: Ecoviagem Olinda O Centro Histórico de Olinda abrange a área histórica do município brasileiro de Olinda. para que o local possa atrair muitos turistas. o Convento de São Francisco. A partir daí foram promovidas várias ações no sentido de preservar todo o patrimônio histórico. A comunidade está integrada e será qualificada para receber o turista. pelo Congresso Nacional e. o Mosteiro de São Bento. O secretário de Turismo considera a capacitação como uma etapa de fundamental importância nesse projeto e acrescenta que estas atividades visam qualificar a comunidade para ações de geração de renda e a recepção dos turistas que visitam o local. reconhecido como patrimônio mundial pela UNESCO. sendo influenciada pela arquitetura religiosa. Quase um terço da área total do município é tombado pelo patrimônio histórico. Segundo site viagem Uol. com a Igreja de Nossa Senhora das Neves. pensando também na possibilidade de renda que ganhariam com isso. o que indica que muitas pessoas começarão a enxergar a possibilidade de recebê-los em suas casas. Figura 18. e a Igreja de Nossa Senhora do Carmo. cultural e arquitetônico do município. A arquitetura civil. entre outras. Entre as construções existentes atualmente.72 de Ilhéus verdadeiramente formatado. quando os principais monumentos foram tombados (WIKIPEDIA). a cidade possui um traçado irregular.

Segundo o presidente do Recife Convention & Visitors Bureau e da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH-PE). A proposta é promover uma requalificação urbana da área central da Região Metropolitana do Recife e desenvolver os produtos culturais das “cidades-irmãs”. vários com lotação completa. Mesmo com uma certa restrição que há dos hotéis e pousadas já instaladas (de acordo com Daniela. fachadas contíguas e grandes quintais. São essas ações que mostram o quão viável pode ser a implantação de b&b em Olinda. a comunidade e o governo podem analisar que será uma renda adicional dos participantes que oferecerem suas residências e se cadastrarem em agências de b&b Esse meio de hospedagem seria a melhor solução para atrair mais pessoas somente em eventos especiais. recebeu influência da arquitetura portuguesa. O projeto é uma parceria da Prefeitura de Olinda com a EMPETUR e Recife Convention & Visitors Bureau. Para promover o local. promover a divulgação do turismo local.5%. José Otávio Meira Lins. Ele representa uma oportunidade única para o desenvolvimento de setores como hotelaria.73 da religiosa. da agência Cama e Café). através do Complexo Turístico e Cultural Recife-Olinda. durante o ano de 2009. O fantour é um passeio de familiarização do turismo. O objetivo é convidar grupos de agentes de viagens para visitação dos principais pontos turísticos da cidade e assim. adaptada ao clima tropical do local. O carnaval de Olinda é um atrativo turístico para muitos e ganhando importância no mercado. é o carnaval. Para garantir que os municípios tenham uma estrutura eficiente para receber os visitantes e estimular a divulgação cultural da região. . o índice de satisfação dos turistas que estiveram no Carnaval Multicultural do Recife 2009 foi elevado: 97% dos visitantes desejam voltar em 2010 e 99% irão indicar o evento para parentes e amigos. as prefeituras dos dois municípios farão investimentos integrados no setor. alimentos e bebidas. como construções com sacada em pedra ou madeira. Segundo as pesquisas realizadas pela Prefeitura de Recife. que no caso de Olinda. transportes e serviços em geral. Olinda vem recebendo diversos fantours promovidos pela empresa aérea TAM. os hotéis trabalharam com uma ocupação próxima dos 97.

Cristiano Borges e Virginia Rosa. Segundo pesquisa realizada pelos autores Valdir Silva. que geralmente vem motivado pelo aspecto histórico cultural. O Estudo de Competitividade dos Destinos Indutores do Turismo Nacional6. . está em busca de compreender suas raízes. aspectos sociais e ambientes) há ações que precisam ser implementadas para aumento à competitividade turística do destino e da região. ex-alunos da Faculdade de Turismo de Formiga (FATUR. devido a esses aspectos. quando a cidade foi tombada pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade e obteve grande destaque internacional com a veiculação de uma imagem vinculada ao patrimônio (MTur). o turismo desenvolveu-se principalmente. marketing e atrativos turísticos foram os principais destaques de Ouro Preto. cooperação regional. Porém. espetáculos que a capital oferece. monitoramento. Essa relação superficial é ainda mais acentuada porque ele normalmente passa apenas um dia na cidade. A exceção fica por conta de alguns comerciantes que são diretamente atingidos pelos efeitos econômicos da atividade. apresentado pelos consultores do Ministério do Turismo e da FGV (Fundação Getúlio Vargas). compreender o seu passado que entende estar ali registrado. economia local. O diagnóstico apontou que. na década de oitenta. Nas demais dimensões avaliadas (infraestrutura geral. entretenimento. 2006). Isso ocorre devido a grande proximidade de Belo Horizonte e as opções de hospedagem. Através do trabalho realizado pelos ex-alunos. em uma escala de 1 a 5.74 Ouro Preto A urbanização precedente ocorre na maior parte das localidades turísticas consolidadas do mundo. Nesses casos. políticas públicas. gastronomia. pode se constatar que o turista. a estadia deles normalmente é rápida e o contato com essa história é superficial. Com esse estudo para melhoria 6 A intenção é que os destinos contemplados pelo estudo (que são 65) ajudem a promover o desenvolvimento da região em que estão localizados. capacidade empresarial. gerando uma rede para o crescimento sustentável das cidades através do turismo. destacou que os aspectos culturais. serviços e equipamentos turísticos. a população ouropretana sente-se completamente a parte do processo de desenvolvimento turístico. por exemplo. Ouro Preto alcançou nível 4. Em Ouro Preto. acesso. o aparecimento do turismo no território ocorreu quando a localidade já existia como cidade (WIKIPEDIA).

.net São João Del Rei Segundo dados do Plano Diretor de Turismo do município (UFSJ. museus de arte barroca e passeios. tanto pela comunidade autóctone quanto aos comerciantes. segundo dados do levantamento da oferta turística (IPTAN. embora se encontra alguns sítios arqueológicos. como montanhismo.Ouro Preto Fonte: destino-brasil. ciclismo passeios a cachoeiras e trilhas). totalizando 878 leitos. Bem estruturada para o turismo. Esse meio de hospedagem não precisará esperar todas as ações que devem ser tomadas referentes às dimensões para ser implantada no local. como para adeptos de aventuras mais radicais. 2003). A Serra do Lenheiro é o local de treinamento da única escola de montanhismo do Exército brasileiro que se localiza em São João Del Rei. a natureza da região favorece a realização de programas tanto para os que gostam de atividades leves e curtas (trekking. O turismo receptivo do local é atendido por agências de turismo cujos roteiros incluem visitas ao patrimônio histórico e arquitetônico. a implantação de hospedagem domiciliar em Ouro Preto pode trazer benefícios para todos. Nas serras. a cidade possui vários meios de hospedagem. 2004). e a participação do turismo na economia local será mais significativa. predominam as atividades de montanhismo e caminhadas.75 dos pontos fracos que a cidade possui. Figura 19. O tipo de turismo que mais se destaca no município é o histórico.

51% dos entrevistados afirmaram utilizar algum meio de hospedagem na cidade e 29% não utilizaram nenhum meio. além de possuir valores de diárias reduzidos para o pouco tempo que eles permanecem no local. Diamantina De acordo com o Ministério do Turismo (2008). em relação à idade. shows e seminários nas mais variadas linguagens da cultura e da arte. Considerado sinônimo de revitalização. tornou-se referência para o campo da cultura em geral. . 52% é do sexo feminino e 48% do sexo masculino. exposições. Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional pela UESC/UFBA. Existem 7 8 Mestre em Cultura e Turismo pela UESC/UFBA. O evento visa promover a valorização da cultura e da educação. Em relação às expectativas. A implantação da hospedagem domiciliar na cidade de São João Del Rei pode ser um novo meio dos turistas conhecerem de perto a comunidade autóctone. com a atualização de conhecimentos e o intercâmbio entre os profissionais da área. Já a motivação “natureza” aparece em segundo lugar com 5% das respostas. por permanecerem na cidade menos de 24 horas. além de atender a demanda em grandes eventos. Inverno Cultural O Inverno Cultural é um programa de extensão que a Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ) realiza. desde 1988. 92% dos entrevistados disseram estar “satisfeitos” e “muito satisfeitos”. como o Inverno Cultural. que são estimulantes para os turistas visitarem a cidade. segundo site da UFSJ.76 Uma pesquisa realizada por Silvana Toledo de Oliveira7 e Marcus Vinicius da Costa Januário8 teve como objetivo analisar o perfil do turista que vai a São João Del Rei. A oferta são as mercadorias e serviços oferecidos. desde suas primeiras edições. os turistas que vão à Diamantina (que também é Patrimônio Cultural da Humanidade tombado pela Unesco) são pessoas de várias idades e estilos diversos que procuram a cidade pelos vários atrativos que ela oferece. através de oficinas. Do total dos entrevistados. promoção e incentivo às variadas formas de manifestações artístico-culturais. Sobre os hábitos de hospedagem. 63% têm acima de 36 anos. A principal motivação turística dos entrevistados foi a história e cultura da cidade: 84%.

Festa do Rosário e a Vesperata9. governos. Casa do Padre José da Silva Rolim. Festa do Divino Espírito Santo. Ainda de acordo com o site. Semana Santa. Pico do Itambé. o município de Diamantina. além dos eventos como o carnaval. Governo de Minas e Banco Interamericano de Desenvolvimento. A secretária de Estado de Turismo de Minas Gerais afirma: Este estudo confirma o que Diamantina tem de bom. Casa de Chica da Silva.77 atrativos naturais. Mercado Municipal. comunicação. A média nacional no aspecto cultural foi de 54. Vamos direcionar nossas ações para atrair mais turistas para o município e todo o seu entorno. O município também se destacou no Estudo nas dimensões infraestrutura geral e cooperação regional.9%.mg. Cruzeiro do Centenário.br). culturais e eventos que fazem com que o município receba esse variado público demandante. sociedade. ampliar nossas parcerias com a iniciativa privada buscando a solução para nossos problemas e a promoção para o que está dando certo. empresários. Caminho dos Escravos. históricos. recebeu do Programa de Desenvolvimento do Turismo 9 Concerto ao ar livre tendo a orquestra da Polícia Militar nas sacadas das casas. saúde e segurança. as principais atrações turísticas são: igrejas.6% de aproveitamento nos aspectos culturais nas variáveis: produção cultural associada ao turismo. tem 77. Passadiço da Glória. que movimentam grande fluxo de turistas. acima da média nacional (63.2%. Festival de Inverno. Dia da Seresta. Já na avaliação sobre o envolvimento dos atores de turismo. instituições de ensino. patrimônio histórico e cultural.3%) e em serviços considerados essencial para atividade turística como saneamento básico. Diamantina obteve índice de 70. De acordo com o site oficial da cidade (www. em uma parceria do Governo Federal.(DRUMOND. Chafariz do Rosário. também acima da média nacional que é de 48. Vamos buscar recursos junto aos governos estadual e federal. .7%. 2007).diamantina. Festa de Santo Antônio. Diamantina alcançou 60. Museu do Diamante. turista e comunidade. entre outros. trabalhadores.8%. cachoeiras.gov. eletricidade. O Estudo de Competitividade do Ministério do Turismo também mostra Diamantina como um dos principais destinos indutores do turismo nacional no aspecto cultura. Localizada no Circuito Turístico dos Diamantes. Prédio do Fórum. Casa de Juscelino Kubitschek.

então. a gastronomia e o comércio em geral é o potencial turístico da cidade. couro. por já ser bem-estruturada e a oferta de hotéis e pousadas é grande.5 milhões de turistas. e a arrecadação total do município chega a R$ 24 milhões/ano. teremos 100% de nossa rede urbana de esgoto tratada”. . Caberia.rs.PIB da cidade é de US$ 133 milhões. ferramentas e a construção civil também contribuem de forma expressiva no incremento da economia e na geração de emprego e renda em Gramado. como aproximadamente 11 mil leitos. Gramado Segundo o site oficial da cidade (www. Pesquisa realizada pela Universidade de Caxias do Sul – UCS. A hotelaria. aponta que o Produto Interno Bruto . Gramado tem a melhor estrutura turística do Rio Grande do Sul e é hoje o principal destino turístico do Estado e o quarto do Brasil. malhas. capazes de atender em torno de 11 mil pessoas simultaneamente (dados do site oficial de Gramado de 2008). verificar se seria viável para a cidade. valorizando ainda mais o ambiente cultural que Diamantina possui. Móveis. De acordo com o prefeito de Diamantina. Com uma economia voltada ao turismo. o município de pouco mais de 28 mil habitantes recebe anualmente cerca de 2. O turismo é à base da economia gramadense. Com todos os estudos e investimentos do governo para melhor receber o turista.gramado.78 Nordeste (PRODETUR-NE/II) R$15.140 estabelecimentos comerciais e mais de 120 bares e restaurantes.7 milhões para investimento em infraestrutura. distribuídos em 145 hotéis e pousadas. cerca de 1. chocolate.br). Gustavo Botelho Jr (2008). com o incentivo de promover mais o turismo cultural. pelos turistas estarem mais próximos da comunidade. que podem não aceitar a idéia devido a concorrência. não tendo que se preocupar com mais investimentos para implantações de novos hotéis para atender a demanda e não terem preocupações com a degradação ambiental.gov. Gramado seria um dos locais onde a implantação de b&b seria mais difícil. “Até o final de 2009. a implantação da hospedagem domiciliar no município seria um recurso de fazer com que o turismo passe a ser um fator importante na economia local. Gramado tem a maior infraestrutura receptiva do Rio Grande do Sul.

assim como a preocupação com a limpeza urbana. estraga a cidade e ela tem que ser preservada". . contratada para traçar o Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty. A intenção. além do turismo natural e ecológico. o número anual continuaria em 400 mil.79 Paraty De acordo com o site da prefeitura de Paraty (www. porém. 2007). o ministério contratou a Associação Casa Azul.br. conta que as políticas adotadas pela cidade não buscam aumentar o número de turistas. "Em Paraty. o objetivo é receber 336 mil nacionais e 64 mil internacionais. Em 2010. a cidade passou Búzios e agora é a segunda cidade mais visitada no Estado do Rio de Janeiro.rj. Paraty também é um dos 65 destinos do Estudo de Competitividade dos Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional. e tem como objetivo transformar a cidade em um foco de turismo cultural. Um fator que estimula os moradores a dar importância às melhorias é a possibilidade de a cidade ser declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Para dar corpo ao Projeto. De acordo com as conclusões feitas pelo diretorpresidente da Casa Azul. Segundo o consultor internacional Joseph Chias (2007) da Chias Marketing. Segundo site oficial. "A gente não quer uma superpopulação em Paraty. mas sim aumentar o nível desse turista. o cabeamento subterrâneo. Problemas urbanos. O saneamento básico é outro fator que precisa de investimento. cultura é fator agregador e dá sustentabilidade ao processo de desenvolvimento do turismo da região.gov. Organização da Sociedade Civil de Interesse Público que também é uma das responsáveis pela produção da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty). secretária de Turismo e Cultura. Paraty está sendo analisada e tem tentado se enquadrar nas exigências feitas pelo órgão internacional. inclusive. Dalva Lacerda. que estão na pauta das melhorias da cidade. Um dos principais problemas é a falta de água e de luz que ocorre quando há superlotação na cidade. Com isso. Não cabe. Uma das principais exigências já foi cumprida. a cidade recebeu 352 mil turistas nacionais e 48 mil internacionais em 2006. De acordo com as conclusões de Dalva Lacerda (2007).pmparaty. que passa por dificuldades com problemas urbanos". sem nenhum aumento. é que esse turista passe a gastar mais e a ficar mais tempo na cidade. Mauro Munhoz (2007).

Salvador. Fortaleza. Natal. Ele procura deixar isso claro para cutucando a sociedade sobre a importância de o cuidado com a cidade partir dela própria. a paisagem visual faz parte da paisagem cultural. e no menor impacto ambiental. Paulo (2009).80 Entre os atrativos culturais de Paraty. já que a Argentina sediou o evento em 1978. Alexandre Sampaio (2009). será no contato que terá com a comunidade (e assim conhecimento da cultura local). A implantação b&b em Paraty será mais um meio de hospedagem que o turista encontrará na cidade para pernoitar. Além dos estádios. manifestações artísticas. porém. segurança pública e opções de lazer foram levados em conta na hora da escolha. gastronomia. aspectos como a rede hoteleira. Rio de Janeiro. pois determinadas cidades têm deficiências nos patamares para o evento. Porto Alegre e Recife.Curitiba. A diferença. a hotelaria só conseguirá a expansão necessária para o evento caso tenha apoio do governo. “A participação do governo para alavancar o número de hotéis é necessária. o Mundial requer 55 mil quartos do país-sede. Brasília. O governo vai ter que tomar uma decisão”. A dificuldade está na distribuição. Dezoito cidades candidataram-se para sediar as partidas da Copa. Cuiabá. aeroportos. seu patrimônio histórico. a organização cedeu aos pedidos da CBF (Seleção Brasileira de Futebol) e concedeu permissão para que se utilizem 12 sedes no mundial. dada a dimensão continental do país sede. É o que pede a entidade representante do setor sobre a expansão exigida pela FiFA. sistema de transporte urbano.5 Copa do Mundo de 2014 A Copa do Mundo voltará a ser realizada na América do Sul após 36 anos. Segundo o jornalista Rodrigo Mattos do Jornal Folha de S. Temos que saber se os problemas orçamentários vão afetar. entretanto. Belo Horizonte. eventos culturais e entretenimento. De acordo com Joseph Chias (ano). festas populares. "Uma cidade que não é boa para o morador não pode ser boa para o turismo". 6. Manaus. Pelo relatório da entidade que dirige o futebol. porém a FIFA limita o número de cidades-sedes entre oito e dez. De acordo com o pronunciamento do diretor da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH). museus. A marca não é problema para o Brasil. . nas quais foram escolhidos São Paulo.

81 Duas cidades. é esperado 600 mil turistas estrangeiros no Brasil durante o Mundial de 2014. A capital fluminense precisaria ter um mínimo de 25 mil para receber a final. Expectativas para a Copa de 2014 Segundo um estudo preliminar realizado pelo Ministério do Turismo (2009). Durante um debate do Fórum Internacional de Futebol. O investimento será de R$ 13. Para tanto.1 bilhões) limpos para a economia. 80 mil pessoas tenham sido atendidas pela iniciativa. Para receber os turistas. as cidades-sedes precisam melhorar não apenas a infra-estrutura de aeroportos e hotéis. o Ministério de Turismo já começou. considerando que eles fiquem em média dez dias no país e gastem 160 dólares por dia vai gerar um receita de 2. o turismo durante a Copa do Mundo irá gerar muitos recursos para a economia. (2009). fora os gastos que esses turistas deverão ter com a hospedagem. Mas também investir para a criação de uma mão-de-obra qualificada nos serviços. A previsão do Ministério do Turismo é que 80 mil pessoas sejam capacitadas e qualificadas para trabalhar diretamente com o turismo durante a Copa do Mundo. Além do legado em infra-estrutura com as melhorias em diversos setores como transporte. que possivelmente será realizado em São Paulo (abertura) e no Rio de Janeiro (encerramento). segurança e saúde. como o Cama e Café com sede próximo ao centro. Por isso.2 bilhões de dólares (cerca de R$ 5. taxistas já fazem cursos de inglês e espanhol. que sediarão os jogos de abertura e final. mas como isso poderá ser um empecilho. De acordo com Carvalho: A Copa do Mundo é um mundo de oportunidades para os negócios. terão exigências maiores de número mínimo de quartos. 28 mil. o presidente da Embratur concluiu: Em um cálculo conservador. Em São Paulo. por exemplo. a cidade contará com outros meios de hospedagem. São Paulo dispõe hoje de 42 mil quartos e no Rio de Janeiro. . por exemplo.9 milhões e o governo espera que até 2010. um programa com a Fundação Roberto Marinho para qualificar essas pessoas.(2009). foi criado uma parceria entre o Ministério do Turismo e a Fundação Roberto Marinho para qualificar profissionais ligados ao setor de turismo nos idiomas espanhol e inglês.

82

Segundo o projeto da Confederação Brasileira de Futebol (CBF, 2007), seria possível vender em 2014 um total de 3 milhões de ingressos. A entidade comandada pelo presidente Ricardo Teixeira fez ainda a consideração especial de que parte dos bilhetes deveria ser comercializada a preços significativamente inferiores aos praticados no mercado para garantir o acesso de torcedores locais. No entanto, a Comissão de Inspeção da Fifa acredita que, para atingir seu objetivo, o Brasil precisaria esgotar os ingressos de todos os jogos a um preço significativamente superior ao praticado no mercado. Segundo Teixeira:
Os torcedores brasileiros precisariam compreender a expectativa que se cria sobre uma Copa do Mundo. É uma oportunidade única na vida de se ver um jogo de Copa do Mundo em sua cidade e, por isso, comparecer em grande número aos jogos das 32 seleções e não somente nas partidas do Brasil. (2007).

6.6 Jogos Olímpicos de 2016 O Rio de Janeiro foi escolhido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) no dia 02 de Outubro de 2009, em Copenhague, Dinamarca, como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Às justas comemorações pela conquista da primeira Olimpíada a ser realizada na América do Sul foi comemorada com satisfação, porém, somam-se as necessárias ações que precisam ser realizadas a fim de que o evento marque uma virada na capital carioca e deixe um legado positivo, para seus habitantes, para o incremento do turismo e ao país. Um dos desafios da cidade do Rio de Janeiro para consolidar a confiança do Comitê Olímpico Internacional (COI) até a votação, em outubro de 2009, da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 é o item Acomodações. O Rio tem hoje em torno de 22.500 quartos no nível de hotelaria aceito pelo COI, que varia de duas a cinco estrelas. Com o objetivo de sediar as Olimpíadas, o plano do Comitê de Candidatura Rio 2016 é, além da construção de novos empreendimentos previstos, alcançar a adesão das redes hoteleiras já existentes na cidade. Nos hotéis de 5 estrelas da cidade, entre os quais Copacabana Palace, Fasano e Windsor, a taxa de adesão já atinge 90% do total de quartos. Além destes, 6 mil quartos de hotéis de 2 a 4 estrelas, como Sol Ipanema, Rio Copa, Copa Sul e Mar Ipanema, já estão comprometidos com o projeto olímpico. Entre as ações a serem tomadas, o planejamento é o fator essencial para a realização

83

bem-sucedida dos Jogos Olímpicos 2016, a exemplo do que aconteceu em Barcelona 1992 e vem acontecendo em Londres, em sua preparação para sediar as Olimpíadas 2012. No caso brasileiro, há a feliz coincidência de o Rio de Janeiro ser uma das sedes da Copa 2014 e muitas das obras que serão realizadas para o Campeonato Mundial de Futebol devem necessariamente ser pensadas para aproveitamento nos Jogos Olímpicos, especialmente aquelas ligadas à infraestrutura urbana, como metrô, corredores de ônibus, estacionamentos, aeroviária, de porto e ampliação do meio de hospedagem no estado. Expectativas para as Olimpíadas de 2016 Em 2010, é previsto um aumento de 10% no número de turistas em todo o país. E até 2016, a tendência é que o crescimento continue, incentivando os investimentos externos nos mais variados setores. O aumento da oferta de vôos diretos para o Rio é a primeira referência para o aumento e a ampliação da rede hoteleira. A realidade no momento é que mão-de-obra será necessária, o que significa mais emprego, maior renda e estabilidade social, e também planos para capacitar os profissionais que irão receber uma enorme demanda turística, espalhados por todos os países do globo. O portal do Ministério do Turismo na internet informou que o projeto de qualificação voltado para Copa do Mundo de 2014 também beneficiará o Rio nas Olimpíadas de 2016. Serão cursos à distância de inglês e espanhol para qualificar cerca de 80 mil trabalhadores. O Ministério dos Esportes fez uma estimativa de quanto será o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro até as Olimpíadas, e informou que chegará a US$ 11 bilhões (R$ 22 bilhões) entre 2009 e 2016, e o Rio de Janeiro será o estado que mais terá contribuído com esse crescimento. O estudo prevê a criação de 120.833 empregos por ano. Entretanto, o Comitê Olímpico Internacional apontou dois problemas que a cidade precisa solucionar até o início dos jogos olímpícos: transporte e hotelaria. O prazo dado para alcançar a cota mínima (40 mil quartos) vai até 2014. O secretário de Desenvolvimento do município, Felipe Goes, revelou em entevista para o jornal O Globo que os hotéis Méridien (da rede Windsor) e o Glória serão reinaugurados em 2010. O Rio de Janeiro pode alugar iates para suprir parte de sua demanda, mas a possibilidade ainda é colocada em questão. O plano

84

apresentado pelo COB também prevê a construção de uma vila para abrigar os visitantes em b&bs.

moradores. Pode-se concluir que o segmento de b&b tem grandes chances de se desenvolver em território brasileiro. traz benefícios a todos os envolvidos. tendo como base o desenvolvimento do turismo cultural atrelado ao b&b. podese obter maior facilidade e controle com a fundação de uma agência que controle todo o seu desenvolvimento. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após serem realizados os estudos sobre a hospedagem domiciliar e seu desenvolvimento no mundo. . sendo proposto depois de analisado o perfil dos turistas e dos envolvidos na hospedagem (anfitriões. comerciantes). Para desenvolver e implantar um projeto de b&b de âmbito nacional. Grandes eventos esportivos. O b&b se implantado. onde ajudaria na divulgação do modelo aos usuários e contribuiria com seu crescimento e desenvolvimento. comunidades hospitaleiras e quebra de paradigmas fazem parte dos componentes ideais para o aperfeiçoamento e crescimento do mercado de hospedagem domiciliar no Brasil. geração de renda e crescimento do turismo. baseado em seu crescimento e popularidade no restante do mundo. Sua implantação no Brasil é possível e pode ser vista como uma alternativa sustentável em períodos que sejam necessárias a criação de mais leitos para turistas e que em um futuro (pós eventos esportivos) contribuirá ativamente com a economia local. O apoio do poder público poderia ser um grande passo para o crescimento deste mercado em solo brasileiro. dando continuidade ao ato de receber turistas e a troca de experiências tão procurada entre os anfitriões e seus hóspedes. Foram identificadas oportunidades de implantação da modalidade em diversas cidades do país. pode-se perceber que no Brasil o seu crescimento é limitado.85 7. desenvolvimento do turismo cultural. e que sejam cumpridas as sugestões citadas para resolução de possíveis problemas.

Porto Alegre: Brookman. Rio de Janeiro. WALTER. Ana. Business managenent and marketing: bed and breakfast. 2003. Sandra. Revista França/Brasil. MAGALHÃES. Bed and Breakfast – Um Projeto de Desenvolvimento Turístico sustentável no Sul da Itália. & SMITH. NETZ. n° 1-2. 2003. Edward L. Diretrizes para o Turismo Sustentável em Municípios. ann K. Chester. Reportagem: Montmartre Carioca.114. Chris. Maio/Junho 2009. Firenze: Mercury S. LYNCH.r. 2008.Ano V . Claudia Freitas. Mídia Impressa: Reportagem: Primeiro Hotel 5 Estrelas de Santa Tereza. Setting and its significance in the homestay sector: explorations In: CHME Hospitality Research Conference. PIMENTEL. São Paulo: Pro editores. The University of Huddersfield. Fabio. Yann. Frederico. Rio de Janeiro: Senac Rio.Outubro 2008 -2º quinzena . 1987 VIGNATI. Nº 292 . Gestão de Destinos Turísticos: como atrair pessoas para pólos. SMITH. Abril.l. MAGALHÃES. Tradução: Roberto Cataldo Costa. Jan/fev 2001. São Paulo: Rocca. J. Connecticut: The Globe Pequot Press. 2008. et all. Porto Alegre: Bookman. Sobre a cidade: Habitação e democracia no Rio de Janeiro. STANKUS. Caderno Virtual de Turismo do Rio de Janeiro. Prefeitura do Município do Rio de Janeiro: HOSPEDAGEM DOMICILIAR: Turismo Integrado e Sustentável. "Bed and Breakfast in Italia: dall´emergenza alla politica turistica" In: Turistica. 2002.n.86 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Livros: COOPER. 2001. 2002. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Michigan: Michigan State University Extension. Turismo: Principios e Prática. How to open and operate a bed and breakfast home. 2000. Mercado e Eventos . Division of Hospitality Management. Tourism educational materials. Hospedagem. cidades e países. Jornal Folha do Turismo. MASINI. Paul. 2002. Ano X. Sérgio.

br/arquivo/2002/10/21/191/Turismosustentavel-em-Santa-Teresa.php?edicao=1104&id_mat=39 (acessado em Abril/2009) Mobilizadores COEP http://www.com.br/coep/Publico/consultarConteudoGrupo.br/noticias/social/comunidades-locais/comunidaderecebe-capacitacao-para-promover-turismo-no-sul-da-bahia-5866.com/noticias/8595/ministerio-do-turismo-espera-600mil-estrangeiros-durante-a-copa-de-2014/ (acessado em Outubro/2009) Jogos Olímpicos http://www.aspx (acessado em Março/2009) Gazeta Mercantil http://indexet.noticiacompleta.uol.00.com.br/site/turismo/index.net/ivt/default.asp (acessado em Outubro/2009) Governo do Estado do Espírito Santo http://www.br/noticias/recife-e-olinda-farao-investimentosintegrados-em-turismo-e-cultura-4942.html (acessado em Abril/2009) UOL: http://revistahost.com.ideias.com.87 Sites: Agência SEBRAE de Notícias www.aspx?TP= V&CODIGO=C200832920395062&GRUPO_ID=17 (acessado em Abril/2009) Cama e Café http://www.br/informativo/rio-2016-turismo-renova-expectativas-para-osproximos-anos (acessado em Outubro/2009) TV CANAL 13 – OLINDA http://www.tvcanal13..administradores.br/noticias/rio (acessado em Março/2009) Instituto Virtual de Turismo www.uol.br (acessado em Abril/2009) Terra:http://esportes.org.ivt-rj.es.com.org.com.asp (acessado em Outubro/2009) UOL http://ecoviagem.br (acessado em Abril/2009) Rio Home Stay http://www.camaecafe.aspx (acessado em Outubro/2009) .terra.gov.html (acessado em Outubro/2009) Copa do Mundo http://www.com.OI2024101-EI2045.br/interna/0.gazetamercantil.mobilizadores.com.br/publisher/preview.riohomestay.

br/noticias/recife-eolinda/2009/02/25/carnaval+incrementa+turismo+do+recife+4331966.ig.br/index.turismo.mg.php?option=com_content&task=view&id=417 (acessado em Outubro/2009) Prefeitura de Diamantina http://www.mg.desenvolvimento.gov.gov.br/index.html (acessado em Outubro/2009) Governo do Estado de Minas Gerais http://www.88 IG http://carnaval.br (acessado em Outubro/2009) .php?option=com_content&task=view &id=37&Itemid=51 (acessado em Outubro/2009) Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais http://www.mg.gov.com.diamantina.

gerente de relacionamento do Cama e Café é um dos responsáveis pela criação da rede em Santa Teresa. recebeu mais de 4. com 100% de ocupação no carnaval e Réveillon de 2007. o Cama e Café oferece uma experiência única.000 hóspedes. altamente personalizada. promovendo o intercâmbio cultural e o verdadeiro contato com o cotidiano brasileiro. .89 APÊNDICE A ENTREVISTA CAMA & CAFÉ SANTA TERESA Indicado pelo respeitado guia Lonely Planet como um dos cinco melhores lugares para se hospedar no Rio. Carlos Magno. Em três anos de funcionamento.

aproveitamos o evento artes portas abertas que aconteceu em 2002. Dificilmente um hóspede sairá com seu concierge para tomar uma caipirinha ou para ser apresentado aos melhores bares e restaurantes. de vanguarda com moradores que se orgulhavam muito de morar ali. Logo. . conhecer melhor os moradores. mas também pelo conhecimento e experiência. pontos de taxi e traçar parcerias com comerciantes e artistas. mesmo sabendo que no fundo não seria fácil. o quanto é hospitaleiro e cativante. O que se encontrava muito na época eram pessoas querendo dividir um quarto. o que não deixa de ser um grande diferencial para a hospedagem no Brasil. os estabelecimentos. Acaba-se percebendo que esse meio de hospedagem te deixa muito mais próximo da cultura deles. Em 1995. já no conceito cama e café isso existe. não só pela questão financeira. Por que você e seus sócios escolheram Santa Teresa? Carlos Magno: Nós vimos que Santa Teresa recebia muitos turistas aventureiros que chegavam com suas mochilas nas costas e com necessidade de encontrar um meio de hospedagem. O fato de você estar em contato direto com os donos da casa torna tudo mais fácil porque querendo ou não ele acaba se tornando seu amigo. O mais surpreendente é que tivemos 20 inscrições só nesse dia e a partir disso vimos outras oportunidades. que tiveram a oportunidade de se hospedar em alguns Bed and Breakfast pelo mundo a fora. ao contrário de um hotel que possui um serviço personalizado e frio. para abrir inscrições para que pessoas se tornassem anfitriões e conhecessem melhor o conceito cama e café. seu guia turístico e até mesmo seu professor de idiomas. eu e meus sócios fizemos um intercâmbio em uma cidade com -20c° e isso me fez ver o quanto o brasileiro é feliz e não sabe. Passamos também um tempo na Europa e acabamos ficando em Bed and Breakfast. Observando tudo isso. sem falar da sensação boa que se tem. nós tivemos que interagir com a comunidade. ou alugando um quartinho nos fundos da casa. por ser um bairro de resistência.90 De onde surgiu à idéia de criar o Cama e Café junto com seus dois sócios? Carlos Magno: O Cama e Café foi criado através de experiências vividas pelos sócios. sentimos que o projeto poderia realmente dar certo.

Como foi feita a divulgação do Cama e Café? Carlos Magno: No início nos usamos muito a internet e panfletos que eram distribuídos nos restaurantes. lojas. pontos de taxi. gerando uma renda extra para a comunidade e iria movimentar a economia do bairro. nos ajudou com toda à parte de treinamento desde o início. resolvemos levar a coisa mais a sério e começamos a preparar um treinamento de qualidade no atendimento para os anfitriões. holandeses. aeroportos entre outros. O carnaval de 2003 chegou e acabamos colocando nossa idéia em prática e logo na primeira temporada conseguimos fechar nossa ocupação com 100%. se eu for falar do turista como um todo. e uma infinidade de outros turistas estrangeiros. australianos. O SEBRAE foi um grande parceiro. como preparar o quarto e o que fazer em situações inesperadas. para que todos entendessem a fundo o conceito Cama e Café e que soubessem como receber os futuros hóspedes. Qual é o público alvo do Cama e Café? Carlos Magno: Sem sombra de dúvida são os casais e estrangeiros. como preparar e servir o café da manhã. posso dizer que dentro do quadro geral eles ocupam 75% enquanto os brasileiros somente 25%. canadenses. Vendo que estava dando tudo certo. mas não sabíamos quanto nós iríamos cobrar. posso destacar São Paulo com .91 A idéia foi bem aceita ou houve alguma resistência? Carlos Magno: Foi muito bem aceita até mesmo porque isso iria trazer beneficio a todos. e isso de fato funcionava porque havia muitos turistas chegando de Parati e Ilha Grande sem ter onde ficar. O único problema é que nós tínhamos a idéia. o que estará incluso na parte de governança. Depois de algum tempo estávamos nas páginas das melhores revistas de hospedagem e turismo. Entre os brasileiros. Mas isso é uma seleção de turistas estrangeiros. dinamarqueses. rodoviárias. em terceiro os irlandeses. Em primeiro lugar os alemães. italianos e por último os americanos. em segundo os franceses. como espanhóis.

e os 10% que restam se divide entre outros estados como Espírito Santo. Tem que tomar cuidado para não prejudicar a relação por causa da demanda. o famoso calor humano. ser simpático. você estará juntando o útil ao agradável. tem que gostar de trocar experiências. um morador tem que ter atributos simples. o que se pode fazer é instruir as pessoas que moram naquele bairro ou cidade. Existem lugares que não possuem uma demanda muito alta e se o anfitrião não tiver consciência disso. ter tempo e disponibilidade para preparar um café da manhã especial. Os moradores já existentes no Cama e Café foram escolhidos a dedo por mim. Mas o Cama e Café a caba sendo uma alternativa para lugares que não possuem uma indústria hoteleira apropriada e você pode usar isso ao seu favor. como saber receber bem uma pessoa. o que não deixa de ser uma solução inteligente e ambientalista. Durante todo esse tempo de Cama e Café eu recusei mais do que aceitei moradores a fazerem parte da rede. Para mim. Como é feita a seleção das casas? Carlos Magno: O fato de fazer parte do Cama e Café não é só bom quando o assunto é renda extra. Fazendo isso. saber aceitar as diferenças. tudo pode ir por água abaixo. mas também é um trabalho especial e prazeroso e para tudo correr bem precisamos ter casas confortáveis e principalmente anfitriões que amem o que estão prestes a fazer. tem que ser paciente deve que gostar de pessoas. Não adianta criar muita expectativa se não há clientes. tem que ser caprichosa e principalmente ser responsável e . o cliente hóspede e o cliente anfitrião. Brasília e Bahia.92 10%. Santa Catarina. Você como um dos fundadores do Cama e Café acha que esse conceito pode se expandir para todo o país ou você acha que os outros estados não estão preparados como esteve Santa Teresa? Carlos Magno: Pode ser que sim. Eu só acho que se deve tomar muito cuidado porque no Cama e Café se administra dois tipos de clientes. Depois da inscrição eu vou até a casa da pessoa para entrevistá-la e conhecer melhor a estrutura física da casa. Ao invés de construir. mostrando a eles a riqueza do lugar e o valor histórico arquitetônico. Minas Gerais com 5%. dando capacitação.

justamente para não haver um crescimento desenfreado. By Thais Moane . mas na verdade só recebemos 750 mil pessoas. É através deste cruzamento de perfil que nós temos certeza que o nosso hóspede vai estar muito bem acompanhado. para que fique uma proporção que não prejudique ninguém caso haja uma grande demanda de casas a oferecer para poucos turistas? Carlos Magno: Sim. Isso facilita muito essa integração Você se preocupa com a quantidade de casas. Em Santa Teresa. já em parati o limite é de seis quartos. Nós temos o apoio do Ministério do Turismo. Eu sempre procuro fazer visitas semestrais. Hoje. Existe uma legislação voltada só para o Cama e Café como existe para pousadas e hotéis? Carlos Magno: Sim. quais são as dificuldades e necessidades deles. No entanto. como Ministério do Turismo? Carlos Magno: Sim. marcar um café da manhã na casa do anfitrião para saber como andam as coisas.93 ter noção de como agir em situações difíceis. Nós temos uma grande preocupação com relação a isso. Vocês têm apoio de outros órgãos. do Riotur. Houve certa expectativa por parte dos anfitriões que acabou em desilusão. da prefeitura até mesmo porque não tem nem como eles irem contra um projeto que beneficia toda a cidade. nós podemos trabalhar apenas com três quartos por casa. nós temos 40 casas na rede e procuramos não ultrapassar muito para não prejudicar ninguém. a prefeitura nos procurou para dar suporte nas olimpíadas do pan. A determinação da quantidade de quartos por casa dependerá da legislação do município. por exemplo. Infelizmente não foi o que esperávamos porque achamos que o rio iria ficar saturado de hóspedes. porque o anfitrião já tem um perfil similar.

poucos brasileiros conhecem e/ou buscam o cama e café. ainda mais porque a grande maioria dos hóspedes são estrangeiros. Há quanto tempo você recebe hóspedes em sua casa? Flávia: Comecei a receber hóspedes desde 2003. geralmente são paulistas.94 APÊNDICE B ENTREVISTA CAMA & CAFÉ SANTA TERESA A anfitriã Flávia Garcia de 35 anos é advogada e pós-graduada em direito da economia. quando o Cama e Café foi inaugurado. Como foi feita a abordagem pela agência para adesão do programa? Já conhecia esse tipo de hospedagem? . mas quando isso acontece. fundada em 2003. Reside em Santa Teresa há sete anos e há seis é conveniada a rede cama e café. novas culturas e também por causa da renda. Qual foi o principal motivo de aderir à hospedagem domiciliar? Flávia: Convivência com novas pessoas.

Como trabalho próximo ao centro da cidade. Ouve alguma adaptação na casa ou reforma para o recebimento dos hóspedes? Flávia: A renda obtida com o Cama e Café possibilitou o início das obras e o pagamento em menos de um ano. isso é muito gratificante. Em alta temporada acabo alugando meu quarto e contrato uma pessoa para me ajudar com a casa. varanda. ainda mais sabendo que não teria que abrir mão do que faço para começar a fazer parte de algo tão prazeroso e rentável. eles ficaram hospedados dois dias em um hotel de luxo. porém tem alguns hóspedes que acabam ficando entre 15 a 20 dias. ampliação do quarto que já existia. Eu chamo isso de fidelidade e para mim. A principio. pude perceber que a escolha desse meio de hospedagem acontece pelo acolhimento e não por questão financeira. como por exemplo. que chegou à minha casa como hóspede e que hoje é praticamente um . Quem são os turistas que se hospedam em sua casa? Flávia: Posso dizer que 95% são estrangeiros e a grande maioria são casais. e a construção de um teto solar. Eu tenho um caso muito curioso de um casal de alemães que vieram passar alguns dias aqui no rio. mas devido a alguns problemas que aconteceram. Pela experiência que já adquiri recebendo pessoas de vários lugares do mundo. Geralmente são pessoas entre 20 a 40 anos que ficam de 4 a 5 dias . um alemão com alma de brasileiro. quando eles vêm ao Brasil acabam ficando aqui. lembrando que os novos quartos possuem ar-condicionado.95 Flávia: Eu mesma tive a iniciativa de procurar o Cama e Café. a construção de mais dois quartos. Qual foi sua experiência mais positiva e a mais negativa? Flávia: Como positivo eu posso citar o Sebastian. tudo fica mais fácil porque tenho mais facilidade de voltar para casa. resolveram passar os últimos dias no Cama e Café e desde então.

faz questão de receber os hóspedes e acordar mais cedo só para preparar o café que é servido. porém não avisaram sobre o horário e eu também não avisei sobre o horário do café. Você notou algum crescimento do número de hóspedes recebidos? . Pelo menos. Santa Teresa é um bairro muito hospitaleiro. A interação entre anfitrião e hóspede é tão grande que já cheguei a sair com eles para barzinhos. foi assim comigo e isso de fato me ajudou muito a ser uma pessoa mais feliz e disposta acolher qualquer pessoa de qualquer lugar na minha casa. Qual é o maior impedimento de crescimento da atividade no Brasil em sua opinião? Flávia: Crise e preconceito por parte dos próprios hóspedes brasileiros. A disponibilidade de dar informação. Como negativo eu tenho somente um caso.96 membro da família. de ajudar. porém não se sabe se aceitariam ou fariam devido o preconceito. Logo. o problema é estar sozinha. Recomendaria para seus familiares e amigos que recebessem turistas em suas próprias casas? Flávia: Sim. O mais legal não é saber que você se sente bem fazendo isso. saber que você faz outras pessoas se sentirem bem. passeios turísticos dentre outros lugares. A amizade que foi construída foi tão forte que cheguei até a construir um quarto só para ele e quando ele está aqui. Eles tinham que sair super cedo. mas sim. Como se dá a questão da privacidade nos períodos em que há hóspedes em casa? Flávia: Pelo contrário. jantares. O anfitrião que faz parte do Cama e Café geralmente é uma pessoa que sempre teve a casa cheia. convivendo com amigos e parentes. o casal saiu sem tomar café e chateado. por causa da falta de comunicação entre ambos. foi com um casal de brasileiros. de explicar e apresentar o bairro é muito grande.

97 Flávia: O crescimento foi muito grande. chegamos a triplicar a quantidade de hóspedes. By Tatiane Alves . do início do projeto até agora.

mesmo sabendo que o movimento iria aumentar.98 APÊNDICE C ENTREVISTA CAMA & CAFÉ SANTA TERESA A anfitriã Ana Laura Lopes de Andrade de 38 anos é formada em psicologia e analise de sistemas. como eles estão se desenvolvendo e até mesmo para compartilhar experiências. eu percebi que começamos a passar mais segurança para eles. Eu sentia que os hóspedes se sentiam órfãos. foi quando eu resolvi ceder um pedaço do meu terreno para que a sede fosse construída. saber como é o trabalho deles. a disposição seria maior. mas com a construção da sede. dando mais credibilidade a rede. Compartilhar espaço nunca foi problema para mim. No entanto. Você já teve problemas com hóspedes na sua casa? . Mas tudo isso foram coisas que eu fui ponderando e que deram certo até mesmo porque nós precisávamos de um porto seguro e a construção da sede veio nos trazer isso. A sede do Cama e Café sempre existiu ou a construção foi pensada depois que a rede foi formada? Ana Laura: No início. Reside em Santa Teresa e é conveniada a rede que está instalada na sua residência. o espaço físico do Cama e Café não existia. um dos meus desejos é conhecer o Cama e Café de Olinda. sem falar do custo que a obra iria gerar.

Eu. a sede disponibiliza outra casa para esse hóspede. Como funciona a relação hóspede e anfitrião? Ana Laura: A relação entre ambos é tão grande que na maioria das vezes que eu saio para tomar um chope em um barzinho eles acabam indo junto e a partir disso nasce uma amizade. no final da estada deles eu resolvi viajar para Sorocaba. O que acontece muito é o hóspede querer usar a cozinha para cozinhar. mas na maioria das vezes eles se arrependem até mesmo porque uma casa nunca será igual à outra. É por isso que a rede existe. nisso eles ficaram sabendo e quiseram ir junto. e de fato foram. Alguns anfitriões não gostam de liberar a cozinha. mas nada grave. Eu não consigo recebê-los porque eu acabo me sentindo uma estranha dentro da minha própria casa. caso não haja adaptação. querem mudar de quarto toda hora e acham que os quartos devem ser iguais para todos. Já chequei a fazer festa de aniversário. ficam comparando um quarto com o outro. Um grupo já chega com uma cultura diferente. Eles acham que podem fazer o que quiserem. nós procuramos atender o desejo do hóspede imediatamente até mesmo porque a nossa intenção é que ele se sinta bem como se estivesse na sua própria casa e que saia falando bem da rede. Já tivemos muitos casos de troca.99 Ana Laura: Problemas graves não. Uma vez. já liberei a minha churrasqueira. particularmente acabo liberando o forno microondas para ser preparado um lanche. A viagem foi muito agradável. Quando o pedido da troca é feito. com uma opinião já formada e isso cria um campo de força muito grande. Algum hóspede já quis trocar de casa por não se adaptar a sua? Ana Laura: Sim. para evitar bagunça. . fazer festinha entre outras coisas. chegou um grupo de angolanos para ficar uma semana. Quais são as maiores dificuldades que você enfrenta? Ana Laura: Minha maior dificuldade é receber grupos. já houve casamento com lua de mel e tudo mais. uma postura diferente.

e para completar colocou na cabeça que estava com malária e que iria morrer porque havia acabado de chegar da Amazônia. já chegaram a quebrar copos. onde todos eram homens. possuem preconceito com relação à mulher brasileira e o limite para mim. mas nem sempre temos o retorno do prejuízo. Os hóspedes quando voltam a Santa Teresa. é me sentir uma estranha dentro da minha própria casa. Os dois ingleses foram para o Maracanã e a mulher ficou em casa porque não estava se sentindo bem. Eu sou uma pessoa que gosta de ambientes pequenos. Meu quarto é suficiente para mim. não tenho a menor necessidade de conviver em lugares grandes. meu escritório e meu material de trabalho. Como não podia dirigir. preferem ficar na mesma casa ou gostam de conhecer outras famílias? . Eles sempre acabam quebrando alguma coisa. Ela havia comprado a cabeceira recentemente. Eu me lembro de um casal que quebrou a cabeceira da cama de outra anfitriã. mas constrangedora ainda não. sua casa seria diferente do que ela é hoje? Ana Laura: Acredito que sim. Algum hóspede já chegou a quebrar ou danificar alguma coisa na sua casa? Ana Laura: Sim. meu aparelho de som. ou seja. Você já passou por alguma situação constrangedora? Ana Laura: Desagradável sim. Eles vieram para ficar três meses. liguei para a emergência e uma médica pelo telefone conseguiu tranqüilizá-la. mas para isso. meu frigobar. tive que inventar uma história para não chateá-los. Foi desagradável para eu receber um grupo de angolanos. Teve outro caso engraçado em que eu estava com a perna engessada e com três ingleses. coisas pequenas. lá dentro eu tenho minha cama. pratos. minha tv. como já havia dito antes. Casos como esses não tem muito que se fazer. Nós tentamos cobrar do hóspede.100 Se você morasse sozinha. uma mulher e dois homens. meus livros. mas em um mês pedi para trocá-los. A postura cultural dos angolanos é muito agressiva. Na minha casa.

Ele poderia ter escolhido um hotel. e toda vez que ele vem fica em uma casa diferente. ele ia também. buscam o famoso calor humano. Ele foi o primeiro hóspede do Cama e Café e toda vez que ele vem ao Brasil fica na casa da Flávia e a relação entre eles ficou tão forte que a Flávia acabou construindo um quarto só para ele. O brasileiro não é nosso público alvo. Mas temos outros casos. o que é uma pena porque os poucos que chegam a conhecer Santa Teresa se encantam. . como o músico pombas. mas tinha alma e coração de brasileiro. mas não são agenciadas. Não que o Cama e Café não queira que ele seja.101 Ana Laura: Depende. um paulista super simpático que vem curtir o carnaval aqui em Santa Teresa há 4 anos. o Rafael. como aconteceu com o Rafael. mas de fato buscava algo mais. O que nós aprendemos com tudo isso é que pessoas que se hospedam no Cama e Café buscam algo mais. tem hóspedes que voltam e querem ficar na mesma casa. Ele chegou até a conhecer toda a família e na ausência dela e do Alexandre (esposo) era ele quem preparava o café da manhã. Quem é o turista do Cama e Café? Ana Laura: Nós recebemos muitos estrangeiros e dentre eles os que mais se destacam são os alemães. outros preferem ir para outras casas para terem experiências diferentes. franceses. Tem um caso muito interessante. Acredito que ele tenha morado com eles durante 1 ano. Já é o 3° carnaval que ele passa em Santa Teresa e tem preferência de ficar na minha casa. como por exemplo. mas simplesmente pelo fato de recebermos poucos turistas brasileiros. mas não faz parte da rede? Ana Laura: Sim. a história do Sebastian. O Sebastian por ser alemão acabou nos surpreendendo. era ele quem recebia os hóspedes. Ele nos procurou para saber quanto custa um imóvel em Santa Teresa porque a intenção dele é vir morar aqui e fazer parte da rede. Nós sempre brincamos ao dizer que ele poderia ser alemão. Ficamos sabendo de várias casas que usam esse meio de hospedagem para sobreviver. angolanos e irlandeses. O mais interessante é que ele passou a fazer parte da vida dela porque aonde ela ia. Existem pessoas que usam esse meio de hospedagem como única fonte de renda.

Essas casas não possuem a filosofia cama e café. elas não têm um porto seguro ou alguém a quem recorrer em um caso de emergência.102 Você acha que isso pode afetar a rede? Ana Laura: Não acredito que isso afete a rede porque o hóspede sabe diferenciar bem o verdadeiro Cama e Café de uma casa qualquer. Sem falar da questão de adaptação. se o hóspede não se adaptar ele não terá opção para ir para outra casa. By Danielly . isso torna a relação entre anfitrião e hóspede mais humana. Outra coisa fantástica é a questão de não mexer com a parte burocrática. sem falar da dor de cabeça que evitamos que o dono da casa tenha. levando-o a nunca mais voltar. Isso o deixará insatisfeito.