1

ÍNDICE
1. APRESENTAÇÃO 2. PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES PARA O VAREJO – ABVTEX 3. AUDITORIA 4. DOCUMENTO DE QUALIFICAÇÃO 5. CANCELAMENTO OU SUSPENSÃO DA QUALIFICAÇÃO 6. PRAZO PARA OBTER A QUALIFICAÇÃO 7. LISTA DE SUBCONTRATADOS 8. CHECK LIST E BLOCOS TEMÁTICOS 9. CANAIS DE COMUNICAÇÃO pág. 3 pág. 4 pág. 7 pág. 10 pág. 10 pág. 11 pág. 13 pág. 14 pág. 15

2

1. APRESENTAÇÃO
Esta cartilha é uma importante ferramenta para que você, fornecedor ou subcontratado de empresa varejista, compreenda o que é, como funciona e como fazer parte do Programa de Qualificação de Fornecedores para o Varejo – ABVTEX. Considere fORNECEDOR aquele que fornece produtos diretamente às empresas varejistas signatárias do Programa, representando o primeiro elo da cadeia de fornecimento. As informações pertinentes ao fornecedor estarão sinalizadas nesta cartilha pelo desenho Considere SUBCONTRATADO aquele que fornece produtos para o fornecedor direto das empresas varejistas, representando o segundo elo da cadeia de fornecimento. As informações pertinentes ao subcontratado estarão representadas nesta cartilha pelo desenho Para obter mais informações sobre o Programa, acesse o portal www.abvtex.org.br/programaquali, clique na seção Regulamento e leia o documento “Regulamento Geral do Programa de Qualificação de Fornecedores para o Varejo”.

3

2. PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES PARA O VAREJO – ABVTEX
A Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), fundada em 1999, é uma entidade setorial dedicada à defesa dos interesses dos grandes varejistas nacionais no setor de comercialização de vestuário e seus acessórios. A ABVTEX representa o varejo têxtil junto aos órgãos governamentais, indústrias, entidades de classe e mercado em geral. A ABVTEX estruturou o Programa de Qualificação de Fornecedores para o Varejo com o objetivo de assegurar condições de trabalho adequadas aos trabalhadores empregados nos fornecedores e seus subcontratados, buscando qualificar a cadeia de fornecimento do varejo e promover um controle unificado dessa qualificação. Uma vez qualificado, o fornecedor ou subcontratado pode integrar a cadeia de fornecimento de qualquer uma das empresas varejistas participantes do Programa, que cobre práticas, compromissos e aspectos de gestão ligados aos seguintes temas: • Trabalho infantil • Trabalho forçado ou análogo ao escravo • Trabalho estrangeiro irregular • Liberdade de associação • Discriminação • Abuso e assédio • Saúde e segurança do trabalho • Monitoramento e documentação • Compensação • Horas trabalhadas • Benefícios • Monitoramento da cadeia produtiva • Meio ambiente BENEfÍCIOS DO PROGRAMA

Confira abaixo os benefícios que os fornecedores e seus subcontratados terão ao participar do Programa. fORNECEDORES • Adotar práticas de responsabilidade social na sua empresa e nas relações comerciais com seus subcontratados • Adotar melhores condições de trabalho para os seus funcionários • Estar apto a fornecer para as empresas varejistas participantes do Programa

4

SUBCONTRATADOS
• Adotar melhores condições de trabalho para os seus funcionários • Estar apto a participar (indiretamente) da cadeia de fornecimento das empresas varejistas participantes do Programa ABRANGÊNCIA DO PROGRAMA Devem participar do Programa todos os fornecedores do varejo no ramo têxtil e seus subcontratados, situados no Brasil, que já façam parte ou que desejam fazer parte da cadeia de fornecimento das empresas varejistas integrantes do Programa. O Programa se aplica aos: fornecedores e subcontratados de vestuário: roupas em geral, roupas íntimas e meias; Fornecedores e subcontratados de itens têxteis para o lar: cama, mesa e banho. O Programa não se aplica aos: Fornecedores e subcontratados de acessórios e calçados; Fornecedores e subcontratados de matéria-prima ou que façam o beneficiamento do tecido antes do corte.

RESPONSABILIDADES Ao participar do Programa, os fornecedores e seus subcontratados assumem algumas responsabilidades, que estão descritas abaixo. fORNECEDORES • Fazer a sua adesão ao Programa • Seguir as diretrizes e atender aos critérios e requisitos descritos no Regulamento do Programa • Agendar as suas auditorias de qualificação e requalificação com algum dos organismos de qualificação credenciados no Programa • Contratar os organismos de qualificação credenciados para a realização das auditorias previstas no Programa, arcando com as despesas de contratação • Investir os recursos necessários para adequação da sua empresa aos requisitos do Programa • Comunicar formalmente os seus subcontratados sobre o Programa • Estimular e apoiar a adesão e adequação ao Programa por parte dos seus subcontratados • Controlar a adesão e adequação dos seus subcontratados ao Programa para que estejam qualificados dentro do prazo estabelecido • Informar corretamente ao Programa a lista de subcontratados que produzem mercadorias para as empresas varejistas participantes, submetendo a lista a uma avaliação durante o processo de auditoria • Manter relações comerciais somente com aqueles subcontratados que se qualificarem no Programa, conforme critérios e prazos estipulados no Regulamento • Informar as empresas varejistas envolvidas no Programa, e com as quais mantêm relações comerciais, sobre os resultados de seu processo de qualificação e de seus subcontratados SUBCONTRATADOS • Fazer a sua adesão ao Programa • Seguir as diretrizes e atender aos critérios e requisitos descritos no Regulamento do Programa • Agendar as suas próprias auditorias de qualificação e requalificação com algum dos organismos de qualificação credenciados no Programa • Contratar os organismos de qualificação credenciados para a realização das auditorias previstas no Programa, arcando com as despesas de contratação (exceto nos casos em que o fornecedor optar por assumir os custos de auditoria de seus subcontratados) • Informar os fornecedores diretos do varejo - para os quais prestam serviços - sobre os resultados de seu processo de qualificação

5

ADESÃO AO PROGRAMA Para efetivar a adesão, o fornecedor e seus subcontratados devem: Formalizar a adesão ao Programa: • Preencher o Termo de Participação do Programa disponível no portal www.abvtex.org.br/programaquali Definir o tipo de auditoria: • Auditoria inicial de qualificação: aplicável se estiver ingressando pela primeira vez no Programa • Auditoria de requalificação: para renovar a qualificação já obtida Solicitar a auditoria: • Preencher o Formulário de Solicitação de Qualificação disponível no portal www.abvtex.org.br/programaquali • Escolher o Organismo de Qualificação que realizará a auditoria, conforme lista de organismos credenciados disponível no Programa • Enviar o Formulário de Qualificação, juntamente com o Termo de Participação, assinados para o Organismo de Qualificação selecionado Agendar e contratar a auditoria: • Definir a forma de contratação e agendar a data da auditoria diretamente com o Organismo de Qualificação selecionado

1º Passo

Formalizar a Adesão ao Programa

Preencher o Termo de Participação

Auditoria inicial de qualificação 2º Passo

Definir o Tipo de Auditoria
Auditoria de requalificação

Preencher o formulário de Solicitação de Qualificação 3º Passo Escolher o Organismo de Qualificação

Solicitar Auditoria

Enviar o formulário de Qualificação com o Termo de Participação para o Organismo de Qualificação

4º Passo

Agendar e Contratar a Auditoria

Definir a forma de contratação/ agendar a data da auditoria

6

3. AUDITORIA
Os Organismos de Qualificação credenciados no Programa pela ABVTEX serão os responsáveis por realizar as auditorias de qualificação nos fornecedores e subcontratados. Estes Organismos são empresas independentes atuantes no ramo de auditoria, com larga experiência de mercado. A lista dos Organismos de Qualificação já credenciados está disponível no Portal do Programa (www.abvtex.org.br/programaquali). O auditor do Organismo de Qualificação verificará o atendimento do local aos requisitos do Programa. Para isso, ele fará uso de um questionário - também conhecido por check list (ver item 8). O check list está organizado em blocos temáticos e, para cada bloco, há uma pontuação mínima. Há, também, uma pontuação total mínima exigida para a obtenção da Qualificação. Alguns temas e questões do check list se aplicam somente ao fornecedor. TIPOS DE AUDITORIA Há três tipos de auditorias que poderão ser realizadas nos fornecedores e seus subcontratados. O tipo de auditoria dependerá do momento em que será realizada. Confira abaixo: Auditoria Inicial de Qualificação: é a primeira auditoria a ser realizada pelo fornecedor ou subcontratado, para que possa obter sua primeira qualificação ao Programa. É responsabilidade do local a ser auditado agendar a realização desta auditoria com algum dos Organismos de Qualificação credenciados. Auditoria de Manutenção: ocorre um ano após a realização da Auditoria Inicial de Qualificação. É obrigatória porque verifica se o local auditado continua atendendo aos requisitos do Programa. É uma auditoria realizada sem agendamento prévio e, portanto, não terá uma data exata para ocorrer, já que o objetivo é retratar o local em suas condições usuais de funcionamento. Esta auditoria deverá ocorrer entre o 12º e 14º mês após a qualificação inicial (conforme data registrada no Documento de Qualificação). Importante: quando for contratada a Auditoria Inicial de Qualificação, os custos referentes à Auditoria de Manutenção já deverão ser negociados. Este ponto é fundamental para que o Organismo de Qualificação possa se programar para realizar a Auditoria de Manutenção. Auditoria de Requalificação: ocorre a cada dois anos. É obrigatória para renovar a validade da Qualificação. É responsabilidade do local auditado agendar a realização desta auditoria com algum dos Organismos de Qualificação credenciados no Programa, antes do vencimento do Documento de Qualificação inicial. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DA AUDITORIA A lista de documentos que o local a ser auditado deve apresentar ao auditor está disponível no portal do Programa www.abvtex.org.br/programaquali. Qualquer pendência em relação à disponibilização dos documentos requeridos significará uma não conformidade e será apontada no relatório de auditoria. Por isso, fique atento à lista completa de documentos exigidos e peça ao seu contador que disponibilize cópias das documentações necessárias para apresentação no dia da auditoria. Vale lembrar que o Organismo de Qualificação também poderá solicitar algum documento para análise antes do dia da auditoria, com o objetivo de fazer uma verificação prévia. CUSTOS O fornecedor ou subcontratado é responsável pelos seus próprios custos, que envolvem: • Contratação do Organismo de Qualificação para realização das auditorias • Investimentos que poderão ser necessários para realizar as adequações do local para o cumprimento dos requisitos do Programa Fica a critério do fornecedor apoiar financeiramente seus subcontratados em relação aos custos para qualificação ao Programa. RESULTADO DA AUDITORIA Após a realização da auditoria, o Organismo de Qualificação tem até 15 dias úteis para elaborar o relatório final de auditoria e disponibilizá-lo no portal do Programa (www.abvtex.org.br/programaquali). As informações poderão ser acessadas pelo fornecedor ou subcontratado com seu login e senha. No entanto, já ao final da auditoria, o Organismo de Qualificação fará uma reunião de fechamento com os representantes da empresa, quando já serão relatadas as não conformidades, caso sejam encontradas.
7

Ao passar pelo processo de auditoria, a empresa receberá o relatório de auditoria apontando um dos resultados listados abaixo:

ADO ROV REP
Pontuação mínima necessária obtida Reprovação Crítica. Não qualificado

Planos de ação em aberto, aguardando nova auditoria ou análise documental

Qualificado: indica que a planta auditada do fornecedor ou subcontratado atendeu aos requisitos do Programa, conseguindo a pontuação mínima em cada bloco e a pontuação total necessária para obter a Qualificação no Programa. O relatório pode ainda sinalizar algumas oportunidades de melhoria, mas que não alteram o status da Qualificação. Importante: A planta auditada que estiver qualificada receberá o Documento de Qualificação, conforme explicado no item 4.

Pendente Plano de Ação Corretiva: indica que a planta auditada do fornecedor ou subcontratado possui alguma(s) não conformidade(s) por não atender plenamente a determinados requisitos do Programa. O fornecedor ou subcontratado terá até 90 dias para: 1. Elaborar um plano com ações corretivas para cada não conformidade encontrada 2. Implantar o plano de ação corretiva 3. Passar por uma nova verificação do Organismo de Qualificação para que seja constatada a correção da não conformidade (Auditoria de Acompanhamento de Plano de Ação) Neste caso específico, é obrigatório que a verificação seja realizada pelo mesmo Organismo de Qualificação que realizou a auditoria em que foi constatada a não conformidade. Após esta verificação, um novo relatório de auditoria será emitido pelo Organismo de Qualificação. Importante: No caso da não realização da Auditoria de Acompanhamento de Plano de Ação Corretiva dentro de 90 dias, a Auditoria Inicial de Qualificação realizada perderá sua validade. Neste caso, para obter a qualificação, uma nova auditoria completa deverá ser agendada. Enquanto isso, o fornecedor ou subcontratado não está qualificado.

Reprovação por Não Conformidade Crítica: Este resultado aponta que a planta auditada não obteve a Qualificação, pois foram encontradas não conformidades críticas, isto é, de alta gravidade.
REP
ROVA

DO

Neste caso, não há plano de ação corretiva e o local deve aguardar seis meses até que uma nova auditoria possa ser agendada. Importante: São consideradas como não conformidades críticas todas aquelas ligadas aos temas trabalho infantil, trabalho forçado ou análogo ao escravo e trabalho estrangeiro irregular.

8

EXEMPLO DE PLANO DE AÇÃO CORRETIVA

Auditor aponta uma não conformidade: as caixas estão bloqueando a saída de emergência

Os funcionários trabalham duro para implantar a ação corretiva, que neste caso, é organizar as caixas para deixar a saída de emergência livre

Auditor retorna e reavalia a planta

Auditor parabeniza os funcionários por terem implementado a ação corretiva

9

O que acontece com o fornecedor ou subcontratado que tiver uma reprovação por não conformidade crítica? Fornecedor: a empresa varejista não poderá manter relações comerciais com este fornecedor e, consequentemente, com seus subcontratados. Os subcontratados deste fornecedor só poderão continuar participando indiretamente da cadeia de fornecimento das empresas varejistas signatárias do Programa se integrarem a lista de subcontratados de outro fornecedor, que esteja devidamente qualificado pelo Programa. Subcontratado: no caso da planta auditada ser de um subcontratado, o fornecedor deverá excluí-lo de sua lista e não poderá mais enviar serviços para ele. Em ambos os casos, após seis meses os locais poderão passar por nova auditoria, de modo a comprovar que os problemas foram solucionados. Importante: Para que a empresa varejista tenha conhecimento do resultado do processo de qualificação de seu fornecedor e respectivos subcontratados, o fornecedor terá que informar à empresa varejista o número de seu processo para acesso a tais informações no sistema do Programa. Este mecanismo visa preservar a confidencialidade dos dados dos fornecedores. Ou seja, só o próprio fornecedor poderá autorizar quem terá acesso as suas informações.

4. DOCUMENTO DE QUALIFICAÇÃO
O Documento de Qualificação é uma declaração do Organismo de Qualificação de que a planta da organização auditada cumpre os requisitos estabelecidos pelo Programa, conforme informações apresentadas nesta cartilha e no Regulamento. Este Documento será emitido pelo Organismo de Qualificação que realizou a auditoria no local. O Documento sempre se refere a uma planta específica. Ou seja, caso o fornecedor ou subcontratado possua mais de uma planta, cada uma delas deverá passar por um processo de qualificação.

5. CANCELAMENTO OU SUSPENSÃO DA QUALIFICAÇÃO
CANCELAMENTO O cancelamento ocorrerá nas seguintes situações: • Infração ao exposto no Regulamento • Caso seja evidenciada, durante o período de vigência da Qualificação, qualquer não conformidade crítica (Trabalho Infantil, Trabalho Forçado ou Análogo ao Escravo, Trabalho de Estrangeiro Irregular). Neste caso, haverá o cancelamento da qualificação e a inelegibilidade para um novo processo por 6 (seis) meses • Término da validade do Documento de Qualificação, sem que haja sua renovação • A pedido do próprio fornecedor ou subcontratado

10

SUSPENSÃO O caso de suspensão poderá ocorrer nas seguintes situações: • Descumprimento com suas obrigações financeiras junto ao Organismo de Qualificação • Resultados desfavoráveis na Auditoria de Manutenção ou de Requalificação No caso específico do fORNECEDOR, a Qualificação poderá ser suspensa ou mesmo cancelada quando este trabalhar com: • Subcontratados que não foram relacionados em sua lista auditada inicialmente pelo Organismo de Qualificação • Subcontratados que não obtiveram a Qualificação no Programa • Subcontratados que tiveram sua Qualificação cancelada ou suspensa por qualquer motivo

6. PRAZO PARA OBTER A QUALIFICAÇÃO
A partir dos prazos estabelecidos abaixo, a Qualificação será requisito obrigatório para continuar participando (direta ou indiretamente) da cadeia de fornecimento das empresas varejistas signatárias do Programa. O Programa determina prazos conforme a região do País:

Cronograma de implantação do Programa Região Estado de São Paulo Demais regiões do Brasil Prazo para obter a Qualificação Inicial Até 31/12/2012 Até 31/12/2013 Validade da qualificação 2 (dois) anos 2 (dois) anos

• O prazo acima colocado é o máximo para que os fornecedores e seus subcontratados concluam todo o processo e obtenham o Documento de Qualificação • Os subcontratados que trabalham para fornecedores do Estado de São Paulo deverão seguir o prazo estipulado para o Estado de São Paulo, independente de sua localização Fornecedores e subcontratados fiquem atentos quanto: Aos prazos: para continuidade do fornecimento às empresas signatárias da ABVTEX, a Qualificação deve ser obtida até o prazo máximo indicado. No entanto, as empresas varejistas signatárias do Programa da ABVTEX poderão solicitar a alguns de seus fornecedores que antecipem este prazo, evitando um acúmulo muito grande de auditorias ao final do prazo estabelecido. Ao agendamento da auditoria: programem a auditoria com antecedência mínima de 4 (quatro) meses deste prazo final, para que haja tempo de efetuar possíveis ações corretivas.

11

Para que o fORNECEDOR possa continuar fornecendo para as empresas varejistas signatárias, ele deverá garantir que, até o prazo máximo estabelecido, sua planta e a de todos os seus subcontratados que trabalham para as empresas varejistas signatárias estejam com o Documento de Qualificação em mãos.

Fornecedor recebe auditoria na sua planta

Auditor valida lista de subcontratados do fornecedor

Fornecedor é qualificado

Subcontratados passam por auditoria

Subcontratados recebem qualificação

12

Novos fornecedores: Após os prazos apresentados, será necessário primeiro ingressar no Programa e obter a Qualificação (do fornecedor e de seus subcontratados) para somente depois fechar o primeiro contrato com a empresa varejista. No entanto, fica a critério das empresas varejistas participantes do Programa exigir, a qualquer momento (mesmo antes do prazo final), que novos fornecedores e seus respectivos subcontratados já sejam previamente qualificados pelo Programa.

7. LISTA DE SUBCONTRATADOS
A lista de subcontratados deverá ser informada pelo fornecedor no momento em que estiver passando pela auditoria. Deverão estar relacionados nesta lista apenas os subcontratados envolvidos na produção de peças para as empresas varejistas participantes do Programa. Somente será permitido o trabalho com empresas subcontratadas que: • Estejam juridicamente constituídas, com apresentação de CNPJ • Estejam em situação legal no que se refere à contratação de funcionários, conforme previsto na legislação brasileira Empresas subcontratadas que não estiverem de acordo com estes requisitos mínimos não poderão participar da cadeia de fornecimento das empresas varejistas signatárias. A lista será verificada em todos os tipos de auditoria, ou seja, nas auditorias de Qualificação Inicial, Manutenção e Requalificação. O auditor fará a verificação desta lista por meio da conferência de documentos que comprovem sua veracidade. fORNECEDOR, fique atento! Omissões feitas na lista de subcontratados podem levar ao cancelamento da sua Qualificação e, consequentemente, à suspensão do fornecimento para as empresas varejistas participantes.

COMO INCLUIR NOVOS SUBCONTRATADOS EM LISTA JÁ AUDITADA Para incluir novos subcontratados em uma lista já auditada é necessário que o fornecedor oriente o novo subcontratado sobre os requisitos do Programa e a necessidade de obter previamente o Documento de Qualificação. Somente após a obtenção da Qualificação, o subcontratado poderá trabalhar na produção de peças vendidas para as empresas varejistas do Programa. É dever do fornecedor informar ao Organismo de Qualificação responsável por sua qualificação inicial a entrada deste novo subcontratado, para que esta informação possa ser inserida no sistema de informações do Programa.

O QUE fAZER CASO O SUBCONTRATADO NÃO OBTENHA A QUALIfICAÇÃO Tanto os fornecedores quanto os subcontratados têm a possibilidade de elaborar e implantar planos de ação corretiva para resolver suas não conformidades. Caso o plano não seja devidamente implantado ou não tenha uma avaliação positiva do Organismo de Qualificação, o fornecedor não poderá trabalhar com o respectivo subcontratado.

13

fORNECEDOR, sua empresa tem um papel importante frente aos seus subcontratados. Para que os subcontratados relacionados na lista auditada obtenham a Qualificação, é fundamental: • Comunicar formalmente seus subcontratados sobre o Programa • Estimular e apoiar a adesão e adequação ao Programa por parte dos seus subcontratados • Controlar a adesão e adequação dos seus subcontratados ao Programa Consulte a situação dos seus subcontratados no sistema do Programa e, se achar pertinente, visite pessoalmente todas as empresas subcontratadas que integrarão a sua lista para falar do Programa e apoiá-las.

fORNECEDOR, fique atento! • É de extrema importância manter relações comerciais somente com aqueles subcontratados que se qualificarem no Programa, conforme critérios e prazos estipulados no Regulamento

8. CHECK LIST E BLOCOS TEMÁTICOS
O check list que será utilizado nas auditorias contempla uma série de perguntas, estruturadas em blocos temáticos. Veja abaixo uma breve descrição do que é exigido em cada um dos blocos temáticos. Note que os dois últimos blocos se aplicam somente ao fornecedor. Cada um dos blocos tem uma pontuação mínima exigida. A pontuação é obtida conforme o grau de atendimento da planta auditada às perguntas do check list e o peso dado a cada uma das perguntas. Há também uma pontuação mínima total exigida, considerando o conjunto de perguntas do check list. Os check lists que serão usados nas auditorias em fornecedores e subcontratados, bem como a pontuação exigida em cada bloco e formas de cálculo desta pontuação estão disponíveis no site do Programa. Acesse www.abvtex.org.br/programaquali e clique em Regulamento do Programa. Blocos Temáticos do Programa Tema Descrição Formalização da empresa A empresa deverá estar juridicamente constituída, de acordo com a legislação brasileira. A empresa não deve se envolver com ou apoiar a utilização de trabalho infantil (menores de 16 anos – exceto como Trabalho Infantil Menor Aprendiz). No caso de empregar menores entre 16 e 18 anos, deve ser respeitado o que está estabelecido pela legislação brasileira (CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas). A empresa não deve se envolver com ou apoiar a utilização de trabalho forçado ou análogo ao escravo, caracterizado como o trabalho degradante – jornada exaustiva de trabalho, que se estende além do que é permitido por lei e de forma contínua, levando à fadiga do trabalhador; condições precárias de higiene e segurança, que ameaçam Trabalho Forçado ou Análogo a saúde e segurança dos trabalhadores; e trabalho sem carteira assinada – somado à situações de privação de ao Escravo liberdade – seja por dívida; por retenção de documentos ou objetos pessoais do trabalhador; por ser realizado em local geograficamente isolado; ou pela presença de vigilância ostensiva do local de trabalho, com o fim de reter o trabalhador no local de trabalho. A empresa não deve se envolver com ou apoiar a utilização de trabalho ou serviço que seja extraído de qualquer pessoa Trabalho Estrangeiro Irregular em que as situações de residência e trabalho no Brasil não estejam regularizadas junto aos órgãos competentes.

14

Liberdade de Associação

Os trabalhadores devem ter o direito de unir-se ou constituir sindicatos por própria escolha e realizar negociações coletivas. Os representantes dos trabalhadores não devem ser discriminados e devem poder exercer suas funções representativas em seu lugar de trabalho.

A empresa não deve se envolver com ou apoiar a discriminação na contratação, remuneração, acesso a treinamento, promoção, encerramento de contrato ou aposentadoria, com base em raça, classe social, nacionalidade, religião, deficiência, sexo, orientação sexual, idade, gravidez, associação a sindicato ou afiliação partidária. É proibido o abuso físico ou disciplinar, a ameaça de abuso físico, sexual ou outro tipo de assédio, o abuso verbal e Abuso e Assédio outras formas de intimidação. A empresa deve proporcionar um ambiente de trabalho seguro e higiênico. Devem ser tomadas medidas práticas Saúde e Segurança do Trabalho para prevenção de acidentes e danos à saúde que possam surgir, associados ou causados pelos perigos inerentes ao ambiente de trabalho. Discriminação Monitoramento e Documentação Compensação Horas Trabalhadas Benefícios Monitoramento da Cadeia Produtiva (somente para fornecedores) Meio Ambiente (somente para fornecedores) A empresa deve comprovar com documentação o respeito às leis e normas brasileiras. Todos os funcionários devem trabalhar de acordo com o disposto na legislação trabalhista e com registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). Salários e horas trabalhadas deverão ser pagos de acordo com a base legal nacional, ou conforme definido em convenção coletiva, devendo prevalecer o mais alto. As horas trabalhadas (incluindo horas extras) devem ser realizadas e pagas de acordo com a base legal nacional, ou conforme definido em convenção coletiva. Benefícios adicionais (além do salário) podem ser oferecidos pela empresa aos seus funcionários, dando-lhes melhor qualidade de vida e incentivo ao trabalho, ou conforme definido em convenção coletiva. A empresa deve manter mecanismos para monitoramento de seus subcontratados, no que diz respeito à garantia de condições de trabalho dignas aos seus trabalhadores. A empresa também deve manter uma base de dados atualizada de seus subcontratados, bem como controle de rastreabilidade das peças a eles enviadas. A empresa deve dar tratamento adequado aos seus efluentes e resíduos sólidos. É desejável que a empresa desenvolva iniciativas para melhorar o meio ambiente.

9. CANAIS DE COMUNICAÇÃO
Para saber mais sobre a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX) visite o site www.abvtex.org.br. Para obter informações completas do Programa de Qualificação de Fornecedores para o Varejo – ABVTEX, acesse o regulamento disponível no site do Programa: www.abvtex.org.br/programaquali. Os fornecedores também poderão tirar dúvidas com seus pontos de contato das empresas varejistas para quem fornecem e repassar as informações aos seus subcontratados. Problemas de acesso ao sistema do Programa e dúvidas sobre como formalizar a adesão, contate a ABVTEX pelo e-mail programaquali@abvtex.org.br ou pelo telefone (11) 3431-8858.

15

SOCIEDADE COLETIVA

Fontes Mistas

Grupo de produto proveniente de florestas bem manejadas e fontes controladas
www.fsc.org Cert no. SW-COC-001388 1996 Forest Stewardship Council

Fontes Mistas

Grupo de produto proveniente de florestas bem manejadas e fontes controladas
www.fsc.org Cert no. SW-COC-001388 1996 Forest Stewardship Council

16

Esta cartilha foi impressa em papel certificado FSC