Publicação online semanal com sede em Vila Velha de Ródão

Serrasqueiro Direcção de J. Mendes Serrasqueiro – Paginação e Arte Final de Gina Nunes
Nº. 63 de 20 de Setembro de 2012 – Neste número: 12 Páginas – Gratuito
________________________________________________________________________________________________________________

Editorial

Secção Jurídica
“Descriminalização do Consumo de Estupefacientes”
- Na contracapa – Pag. 12

A propósito

Mendes Serrasqueiro

*****
Promovido pela Biblioteca Municipal “Poesia,um

Ultimamente quase todo o País tem andado, naturalmente, preocupado, com o desenrolar dos acontecimentos que, invariavelmente, nos continuam a “falar” de uma “crise” para a qual não se tem encontrado remédio, levando mesmo algumas pessoas a actos de desespero. Actos que alguns políticos no Poder nem se esforçam por compreender… Daí que, parece que a maioria dos Portugueses apenas têm estado a aguardar o que já foi anunciado para amanhã Sexta-feira, dia 21: o mais alto Magistrado da Nação vai repetir o que já fez no dia 31 de Março de 2011 – vai reunir com o Conselho de Estado e, depois, irá falar ao País. Há grande expectativa e muito boa gente comtinua a acreditar em Cavaco Silva. Eu, também acredito.

Dia”

Como disse Margarida Vale de Gato “… a poe sia nem sempre resulta e nunca dá de comer/ Mas se falhar a economia haja outras coisas com matéria/ para nos darmos/ o que nos livre da miséria” - Página 10

“Vem aí mais miséria!” e… “Demitam-se!”

Vem aí mais miséria. Come e…cala-te! e…cala-te!
Mais medidas de austeridade para 2013, incluindo os trabalhadores do sector privado; mais pesados impostos, incluindo os pensionistas, que vão continuar sem os subsídios de férias e de Natal, que fora “reprovado” pelo Tribunal Constitucional. Enfim, vem aí mais miséria, mais desemprego, Continua na pág. 2

*****
O Presidente da República reúne esta Sexta-feira com o Conselho de Estado e, de seguida, vai falar ao País
- Ler na página 10

Pag. 2

“Vem aí mais Miséria” e - “Demitam-se!” Dois artigos escritos por CRUZ DOS SANTOS
- Continuação da 1ª. página mais tragédia, mais fome, mais drama pessoal e familiar…de milhares de Portugueses. E o que mais aflige, é esta resignação, é este “deixa andar”, manipulado por esta moleza, por esta preguiça estúpida, de um desgoverno insólito e de falta de brio cívico. Não nos cerceia, não nos limita, a miséria filha dum estancamento completo de recursos: restringimos ou aguentamos o desleixo, derivante dum descaminho de força, e duma aplicação viciada de preferências e faculdades. A maioria das nossas populações é feita desses tipos intermédios, expectantes, passivos, muito pegados ao “deus me valha”, esperançados sempre, por este ou aquele “milagre”, que os fortes capitalistas e soberanos (donos da terra) pisam e manietam (algemam) ao seu carro, e para que não há lugar na vida agitante dos nossos dias. O resultado é este: em cima, o país “pontapeado”, gozado por dez ou doze “barões”, “comendadores da fava rica”, charlatães, de parceria com dez ou doze “mafiosos”, burlões, o todo fazendo permutações, substituições de baixezas, infâmias e “jiga-jogas” de negociatas, que lhe permitam aguentarem-se mais algum tempo no topo do pedestal. Na “mó de baixo”, a plebe, a massa avulsa, prostrada, melancólica, sem força, desiludida de tudo, marginalizada, insultando-se como os bêbados, sofrendo o açoite, a ordem, vendo passar as afrontas indiferente, submisso e, deixando-se cair, enfim, no próprio vómito, onde o adormecimento (letargia) o arrasta, o desvia, até que uma “chicotada” nova o faça outra vez estrebuchar! Meus Senhores: já pensaram no desbarato, no esbanjamento humano que isso representa? Na inconsciência, na regressão que tal situação constitui? Na maneira como os direitos do Homem se encontram assim desrespeitados, escarnecidos? Na exemplar faceta de “Desobediência”, que este governo incorreu contra o distinto Tribunal Constitucional? Toda uma literatura económica explica isso doutamente: não há nada como espoliar uma pessoa de tudo, abandoná-la, legalmente despojada, humilhada, sem recursos, para esperar vê-la submetida, vergada, pronta a aceitar todas as injustiças e quaisquer outras condições de trabalho, e de vida, por mais revoltantes que sejam, impostas por estes soberanos legítimos…eleitos por nós! Mais palavras para quê?

Demitam-se! Demitam-se!
Os governantes (PSD/CDS) deste parco país, onde há as maiores desigualdades na distribuição dos rendimentos das famílias, perderam, totalmente, a noção de como dirigir, gerir e reger Portugal, com firmeza e sabedoria! Esmeram-se em declarações vácuas repetitivas, mentem e desconhecem as necessidades que milhares de portugueses passam e sentem neste momento, bem como os limites jurídicos e morais a sua acção. Autoritários, incompetentes e com poucas energias que se lhes conhece, lutam desesperada e inutilmente pela sobrevivência. O clima de revolta, de desespero e miséria gerado e criado por estes “soberanos”, é apenas uma consequência da crescente incapacidade de governação e do desinteresse da maioria dos deputados e do Povo. Meus Senhores: este Governo falhou redondamente! Faltou, não só às obrigações, como mentiu às promessas, ou seja, aos compromissos de execução do seu eleitorado. Não conseguiu combinar, adequadamente, Autoridade com Democracia. Apresentou sempre uma falta de preparação, de personalidade e de organização, perante seus ministros. Não soube conciliar eficiência e Humanidade, acabando por revelar a ausência de ambas, agravando mais os sacrifícios dos Portugueses. A distinta Drª. Manuela Ferreira Leite, antiga Líder do PSD, critica as novas medidas de austeridade e desafia os deputados da maioria a travarem o “Orçamento do Estado” para o próximo ano. Acusa ainda o Governo de “insistir numa receita que já provou estar - Continua na página 3

Pag.3

“Vem aí mais Miséria”/ “Demitam-se!”
- Dois artigos de Cruz dos Santos - Coimbra

- Continuação da página 2
errada e que ameaça destroçar o país”. O Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa, apela, e com razão, à “Indignação” e pede aos portugueses, que demonstrem esse sentimento de descontentamento e repulsa nas ruas…” Bagão Félix (ex-Ministro), em declarações à Rádio Renascença, pede um recuo nas medidas de austeridade, fala em “esbulho feito sobre os pensionistas” e considera que se atingiu o limite do “Decoro Ético”! Senhor Primeiro-Ministro, ainda é possível evitar o pior. Ainda vai a tempo. E a população, estou convicto, ainda prefere as Liberdades e a certeza das Instituições democráticas. Mas…a contagem decrescente já começou. DEMITA-SE!

Cruz dos Santos COIMBRA

**********

600 Farmácias correm o risco de pode custar até 2,50 euros fechar

Atendimento fora de horas

farmácias este ano e "gastará 186 milhões de euros acima do objectivo previsto" nos hospitais.

A

Atendimento fora de horas
Associação Nacional das Farmácias

(ANF) estima que 600 farmácias encerrem em 2013 e responsabiliza o Estado por conduzir o setor "à situação de colapso" em que se encontra. João Cordeiro falava no encerramento de um workshop sobre "A economia da farmácia e o acesso ao medicamento", que se realizou em Lisboa. Para João Cordeiro, a situação de "colapso" em que o sector das farmácias se encontra deve-se a "medidas discricionárias e não avaliadas tomadas pelo Governo". "Em apenas dois anos, o mercado de medicamentos em ambulatório reduziu 731 milhões de euros" e "a despesa pública com fármacos em ambulatório reduziu 602 milhões de euros". Para o presidente da ANF, "não há equidade nas medidas de austeridade adoptadas pelo Governo entre as farmácias e os hospitais", isto porque "nos hospitais os objectivos de poupança não são cumpridos e a despesa com medicamentos mantém-se praticamente inalterada”, enquanto nas farmácias “os objectivos de poupança são cumpridos e ultrapassados” Para exemplificar esta situação, João Cordeiro referiu que o Serviço Nacional de Saúde poupará 130 milhões de euros nas

As farmácias podem cobrar até 2,50 euros
por utente que atendam em turno de serviço permanente ou de regime de disponibilidade, de acordo com uma portaria publicada em Diário da República. A legislação determina que as farmácias de turno de serviço permanente ou de regime de disponibilidade podem cobrar, além do preço de venda ao público dos medicamentos, um acréscimo no pagamento no valor máximo de 2,5 euros por utente. Este acréscimo não se aplica na dispensa de medicamentos prescritos em receita médica do próprio dia ou do dia anterior. A legislação agora publicada define ainda o horário padrão de funcionamento das farmácias de oficina, regula o procedimento de aprovação e a duração, execução, divulgação e fiscalização das escalas de turnos.
-

O período de funcionamento semanal das farmácias de oficina tem o limite mínimo de 44 horas, sendo que o período de funcionamento diário deve ser fixado de forma a garantir a abertura ao público nos períodos seguintes: das 10:00 às 13:00 e das 15:00 às 19:00 (de segunda a sexta-feira) e das 10:00 às 13:00 ao sábado.

Pag. 4

Vila Velha de Ródão
Este Domingo, dia 23 de Setembro, realiza-se neste concelho, algumas cerimónias de homenagem aos Combatentes de Guerra que tombaram ao serviço da Pátria, cujo programa descrevemos:
07.30 h. no CemitéRio de Fratel, deposição de Coroa de Flores, em homenagem aos militares falecidos em combate; 08.00 h. no Largo dos Combatentes da Grande Guerra, em V,V. de Ródão, junto ao Monumento. colocação de Coroa de Flores e descerramento de lápide, oferta da Liga dos Combatentes, com a presença da Presidente da Câmara Municipal e do Presidente do Núcleo de Castelo Branco da Liga dos Combatentes; 08.45 h. – Missa no Cemitério de V.V. de Ródão em memória dos Combatentes fa lecidos; 10.00 h. Recepção na Câmara Municipal; 10.30 h. Exposição Fotográfica “Memorias da Guerra Colonial”, na Biblioteca Municipal. Intervenções sobre a GuerraCASTELO

Medalha que é Honra
Pode e deve ser usada por todo aquele a quem tenha sido averbada, na respectiva caderneta militar, a sua concessão pela competente entidade militar; (vd Portaria 22838, DG 194, 1ª. Série, 21 Ago67) mas na falta (ou extravio) daquela caderneta, uma cópia integral do processo individual militar, no caso do Exército, poderá ser solicitada por carta dirigida ao Chefe do ArqCEx (Arquivo Geral do Exército) mediante requerimento (com assinatura reconhecida) dirigida ao Chefe do Estado-Maior do Exército, no qual deve indicar o que pretende concretamente e para que finalidade, com indicação da data de nascimento, freguesia e concelho e recenceamento militar». Qualquer veterano do Ultramar que, em tempo próprio, tenha sido agraciado com a citada Medalha Comemorativa das Campanhas, e que, tendo-a recebido, actualmente não saiba onde a terá guardado, ou que a mesma pela competente autoridade militar nunca lhe tenha sido entregue, poderá dirigir a sua questão ao Director do Arquivo Geral do Exército [vd mailbox do ArqGEx] (no caso de ex-militares daquele Ramo das FA's), juntando digitalização da página da sua caderneta militar onde tal concessão se encontre mencionada. Neste específico caso de "Medalha Comemorativa das Campanhas", o direito à sua posse e seu uso, por parte de um veterano, não carece que o mesmo tenha sido, por expressa menção em Ordem de Serviço, com aquela condecoração - Continua na página seguinte

BRANCO -orto
de Honra; 12.30 h. No CDRC em V.V. de Ródão, almoço-convívio, com animação

Pag. 5

- Continuação da página 4 agraciado, existindo inumeráveis situações em que na respectiva caderneta militar e/ou processo individual um tal agraciamento ficou omisso, sendo no entanto certo que a qualquer militar que tenha cumprido serviço no Ultramar é devida aquela Medalha Comemorativa. Seja qual for a Província Ultramarina onde o militar tenha prestado serviço, o modelo de Medalha adoptado é único (idêntico anverso e reverso) – e bem assim a miniatura "para uso com traje civil de passeio na lapela do lado esquerdo" –, consistindo a diferença nas cores da "fita de suspensão" (consoante a PU) e bem assim a "legenda da passadeira" (ano de início, ano de fim, encimado pelo nome da PU.

Note-se que, em qualquer das situações supra referidas – averbamento na caderneta militar ou omissão da respectiva concessão –, um veterano que tenha perdido ou queira obter a sua "Medalha Comemorativa das Campanhas", actualmente terá de a pagar do seu bolso: mesmo que o requerimento seja formalmente dirigido ao ArqGEx e que o ministro da tutela, decorridos alguns meses, venha a despachar favoravelmente; sendo que, nesta hipótese, o solicitante terá de se deslocar à sede do MDN, na capital de Portugal, para a receber em mão própria. Assim, aconselha-se qualquer legal interessado a que se dirija pessoalmente (ou por escrito), a um estabelecimento comercial especializado e oficialmente reconhecido pelo Exército (como, por exemplo, a "Casa Buttuller" - Site: http://casabuttuller.com/ endereço de e-mail: geral@casabuttuller.com), apresentando provas documentais sobre a condecoração militar que pretende,
Nota: Informações prestadas por um Veterano de Guerra

Cáritas recebe mais de 350 novos pedidos de ajuda por dia

Corrigenda
Por lamentável lapso, de que nos penetenciamos, no artigo “Estão a ser

A

Cáritas recebe, por hora, 15 novos pedidos de

ajuda, totalizando já mais de 64 500 casos de pessoas que recorreram aos serviços, no espaço de seis meses. Com a fome a aumentar, o presidente da Cáritas alerta: "A sociedade já não consegue ajudar mais". Não há hipótese de esconder a realidade. Há mais pobreza e depressão social em Portugal e a Cáritas há muito que não consegue responder a todos os pedidos de ajuda. Eugénio Fonseca nunca foi brando a falar da realidade com que lida e mostra-se preocupado com o crescente aumento de solicitações. Os números mostram que de Janeiro a Julho surgiram, por dia, 358 casos de pessoas a pedir ajuda.

pedidos sacrifícios grandes aos portugueses” publicámos a fotografia de Helena Roseta, quando deveria ter sido a foto de Leonor Beleza. As nossas desculpas às duas distintas Senhoras. Fica o devido esclarecimento de que aquela frase e respectivo texto pertencem, de facto, à Dra. Leonor Beleza.

Pag. 6

Parque de Desportos Radicais
CASTELO BRANCO – Joaquim Morão, presi-

António Abrunhosa da ITGA preocupado com medidas pretendidas sobre o tabaco

dente da Câmara Municipal, revelou à comu nicação social que no dia 6 de Outubro próximo será inaugurado um novo Parque de Desportos Radicais, localizado no Parque Urbano da cidade, sito nas imediações dos campos de futebol com relva sintética. A inauguração vai trazer à cidade a novidade de uma final – a Final do CampeoNato Nacional de Skate. Segundo o autarca a nova estrutura desportiva albicastrense custou à autarquia 250 mil euros e neste valor está incluído diverso equipamento para a prática da modalidade. Envolvendo aquela estrutura desportiva, foram ali criadas uma zona verde, percurso pedonal, espaço para merendas e instalalações sanitárias.

CASTELO BRANCO -

A

Associa-

ção Internacional de Produtores de Tabaco manifesta preocupação pela perspectiva de se proibir a exposição do tabaco nos pontos de venda, bem como outras medidas que afirmam ameaçar milhares de empregos. Em comunicado, o organismo, com serviços em Castelo Branco, referiu-se às propostas "radicais e infundadas" da Comissão Europeia para a revisão da sua directiva sobre o tabaco, como a possibilidade de eliminar logotipos nas embalagens, proibir ingredientes ou obrigar a que os produtos estejam fora da vista, nos locais de venda. António Abrunhosa, chefe executivo da ITGA, disse que esta revisão descrimina produtores de tabaco europeus e terá efeitos devastadores para as suas vidas, estimando-se que estejam em risco 40 mil produtores e 190 mil empregos, temendo-se, também, que estas medidas possam resultar em contrabando e contrafacção sem ganhos de saúde pública. António Abrunhosa afirmou que a proposta vai desregular o sector, sem qualquer impacto positivo em termos de saúde pública, uma vez que a única coisa que vai diferenciar as marcas de tabaco será o preço, que motivará uma guerra que afectará fortemente os produtores.

*****
VILA DE REI – Apoios à Natalidade 750, 1000 e 1250 € pelos primeiro, segundo ou terceiro filhos …

isabel

Barata, presidente da autarquia

de Vila de Rei brilha “ao mais alto nível” com as suas iniciativas. Actualizando os seus reconhecidos apoios à natalidade, a dinâmica autarca anunciou que os subsídios por nascimen tos no concelho de Vila de Rei passam a ser contemplados como segue: 750 € para o primeiro filho; 1.000 € para o segundo e 1.250 € para o terceiro e seguin tes filhos. A autarquia informou, entretanto, que os valores atribuídos por nascimentos em Vila de Rei foram, em 2011, 14.964 euros e de 18.250 euros, em 2012, quantias que foram acrescidas aos valores contabilizados desde o ano de 2000, o que perfaz até agora um total de 314.927 € que em termos humanos nos diz que Vila de Rei bate “records” …

Pag. 7

Um

Secção de Paulo Miguel

Agora, está de moda dizer-se “estou triste”! Mas triste, é o Fado, particularmente, o “nosso” Fado!
E afastando-me, hoje, inicialmente, do meu “estilo crítico” peço-vos licença para vos dizer que estou triste mas não pelo CR7 ganhar 100 Milhões de €!
Excepcionalmente estou triste não pelo fado canção mas pelo triste “Fado” em que vive actualmente o povo português. Por isso, sosseguem porque estou triste não por gostar de Marceneiro, de Amália, Ana Moura ou de Carminho! Estou triste, tão somente, porque não gosto dos Passos, Portas e Gaspar! Estou triste porque receio pelo futuro dos meus filhos e dos meus netos. Estou triste porque os “guitarristas” que nos governam (!) só sabem tocar acórdãos desafinados. Porque leio um jornal da manhã e nele vejo o “regabofe” que existe no Estado, nos Ministérios com a exibição de uma frota de automóveis de luxo ao serviço dos respectivos titulares, dos seus acessores, assistentes, secretárias, motoristas e outros que tais, todas essas personagens auferindo valores pelo “trabalho” mensal, que é uma ofensa ao povo trabalhador! Mas, continuo triste porque ninguém tem coragem de dar uma “vassourada” nesses ministérios e serviços que em alguns casos devem já ter ulrapassado os próprios orçamentos! Estou triste porque nesses lugares não se aplicam puxões de orelhas. E continuo triste porque “querem” que paguemos as facturas de suas responsabilidades e não “perguntam” ao “Zé” se tinham esse direito. Portanto, estou triste não por não gostar do fado canção mas sim por o “fado de todos nós” ter acompanhamento por personalidades que nem sequer sabem o “solfejo” e que teimam em nos impingir "que este é o caminho da salvação” e têm a veleidade de se julgarem ser os “donos da verdade", não desejando nunca seguir por outro lado, mesmo que no povo estejam os protagonistas de um coro com um refrão bem diferente e que já estará farto de entoar: : ” - por aí não

queremos ir "!
E é por isso que estou triste porque “eles” não ouvem o “grito” de um povo que, no seu seio ainda tem quem viva de ilusões, mentiras e vitórias morais, mas que está a correr o risco de ficar moribundo. Este cenário começa sempre a desenhar-se, quase sempre, nos actos eleitorais todos ganham ninguém perde, muito parecidos com o que acontece no desporto, onde nada ganhamos mas somos os melhores, saímos de cabeça erguida damos tudo, somos briosos, mas perdemos sempre. E sabem porquê? Porque somos um povo que não luta para vencer mas sim para não perder e isso faz toda a diferença. Culmino falando da minha tristeza, porque não vejo coragem no povo e embora o dia 15 de Setembro pº.pº. me tenha trazido uma réstea de esperança. Quero acreditar que um dia o “Tudo isto existe, tudo isto é triste, tudo isto é (o nosso)

fado!
- Continua na página 8

Pag.8

Por cá …
Secção de Paulo Miguel
- Continuação da página 7

Desejo – desejaria todo o Povo Português – que esta música imortal se possa unicamente ficar por uma simples canção sem efeitos colaterais na vida dos portugueses.

E, de novo, com Vila Velha de Ródão …
Os Bombeiros levaram e efeito um evento para angariação de fundos. Gostei de saber do seu dinamismo e iniciativa e desejo, sinceramente, que tenham tido êxito, embora julgue que não tenha sido a melhor data para este evento, dado ter havido outras festas no concelho e noutras terras vizinhas. Eu cumpri com a minha obrigação, não com presença física mas com donativo possível que irá chegar aos Bombeiros.

A Política já mexe por cá
Também já me constou que os partidos já trabalham para as próximas Autarcas. Consta que vai aparecer uma lista de independentes com residência em Vila Velha e até já sei que houve convites e a quem foram dirigidos. Pois que apareçam para ver se acabam certas elites políticas locais.

Um mail do Brasil
O Senhor Manuel Martins Afonso, residente em São Paulo, Brasil, leitor assíduo de “Ecos de Ródão”, teve a amabilidade de nos enviar um email apresentando-nos os seus amáveis cumprimentos e felicitando-nos por esta secção. Os nosso agradecimentos e, quando quiser, escreva-nos, falando dessa grande comunidade portuguesa radicada no Brasil, entre a qual se encontram alguns rodanenses. Os meus agradecimentos.
Paulo Miguel

Vila Velha de Ródão No decorrer da montagem do

Centro Equestre, na

zona da Sra. da Alagada, em Vila Velha de Ródão, foi encontrado um meteorito que se julga ser ferroso. Tem cerca de 10 cm de cumprimento. Pode ver-se que este meteorito (ao lado) tem uma forma aerodinâmica orientada, provavelmente, devido à sua entrada na atmosfera terrestre. Este achado arqueológico pode ser visto na Estalagem Portas de Ródão.

Pag. 9

Última hora Cavaco Silva ouve esta Sexta-feira, o Conselho de Estado e fala ao País

Vão estar 19 homens e duas mulheres à volta da mesa. Há treze contra a TSU, quatro a favor e quatro indecisos
O Presidente da República vai esta sexta-feira falar ao país, logo a seguir ao Conselho de Estado. Como aconteceu no dia 31 de Março de 2011. Com o PEC IV chumbado pelo PSD de Passos Coelho e o país à beira da bancarrota, Cavaco Silva reuniu os conselheiros no Palácio de Belém às cinco e meia da tarde. O encontro demorou menos de três horas. Os conselheiros saíram e Cavaco Silva ficou 20 minutos a sós com José Sócrates, num último encontro com o primeiro-ministro socialista. Pouco depois, o Presidente da República falou aos portugueses para anunciar o inevitável. O governo já tinha caído e a solução passava pela marcação de eleições legislativas. Assim foi. No dia 5 de Junho do ano passado os portugueses, já com o memorando assinado com a troika, foram às urnas dar a vitória a Passos Coelho e ao PSD. O novo governo PSD/CDS estava em marcha.

Um ano e meio depois a História não é igual, mas tem aspectos em comum. O país vive uma crise política profunda, as manifestações de sábado mostraram que o executivo perdeu uma parte do seu eleitorado e já há quem comece a pensar que a coligação acabou. Cavaco Silva, depois do tsunami provocado pelo anúncio de Passos Coelho no dia 7 de Setembro sobre a redução da TSU para as empresas a ser paga pelos trabalhadores, começou de imediato a desempenhar a grande velocidade o seu papel de árbitro. Com a coligação em perigo e a população na rua, o Presidente da República convocou o Conselho de Estado para amanhã, dia 21, às cinco da tarde. Com uma novidade. O mentor da ideia de baixar a TSU, o controverso ministro de Estado e das Finanças, Vítor Gaspar, vai explicar aos 20 colegas de reunião quais são as vantagens da medida que Passos Coelho anunciou no meio da quinta avaliação da Troika. E, naturalmente, irá encontrar à sua volta uma maioria de pessoas que não vai, de certeza, perceber como é que o emprego vai aumentar e o consumo não vai cair a pique com uma brutal quebra do poder de compra dos portugueses. Cavaco Silva falará logo a seguir aos portugueses. Não para anunciar a demissão do governo e a marcação de eleições, mas para tentar pôr água numa fervura que ameaça implodir o país. E pedir os consensos políticos e sociais que permitam a aprovação no parlamento do Orçamento de Estado de 2013. Dia 21 de Setembro de 2012 será mais um dia D para o Presidente da República. Como o foi o célebre 31 de Março de 2011.

António Ribas Ferreira - Jornalista

Pag. 10

Em Vila Velha de Ródão

“Poesia, um Dia” Hélia Correia, retomando a inquietação de Holderlin, questiona-se
no seu livro de poesia “A terceira Miséria”. “Para quê, perguntou ele, para que servem os poetas em tempo de indigência?”. Margarida Vale de Gato dá-nos a resposta “A poesia nem sempre resulta e nunca dá de comer/ Mas se falhar a economia haja outras coisas com matéria/ para nos darmos/ o que livre da miséria”.

Hélia

¨

Hélia Correia

A Biblioteca José Baptista Martins, preencheu ontem, dia 19, mais um dia dedicado à
Cultura com realizações de qualidade que despertaram muito interesse, como desejaria o Inspector Baptista Martins, nome de personalidade que perdura onde os actos culturais acontecem, para honra e glória de um Homem que continua “presente” neste espaço de grande impacto no concelho – a Biblioteca Municipal que nesta data acendeu mais uma vela evocativa do seu 4º. Aniversário. Para além de se confirmar que o programa previsto foi totalmente cumprido com sucesso e com muitas participações, tem mais lógica a nossa reportagem abrir à fotografia documental para mais tarde recordar.

Na Biblioteca Municipal

No Agrupamento de Escolas

No Cais do Rio Tejo

Na Santa Casa da Misericórdia

Reportagem fotográfica gentilmente cedida pela Biblioteca Municipal

Pag. 11

A Loja Social de Ródão e o Banco Local de Voluntariado abraçaram duas campanhas com fins solidários e ambientais:

Recolha de tampinhas de plástico

Recolha de rolhas de cortiça

Ajude-nos a judeajudar!

R.do Arrabalde,28 6030-235 Vila Velha de Ródão
Nº, 63 de 20 de Setembro de 2012

Neste número: 12 Páginas Semanário Regionalista Editado em Vila Velha de Ródão Director
J. Mendes Serrasqueiro

Paginação e Arte Final Gina Nunes E-mail mendes.serrasqueiro @gmail.com

Vila Velha de Ródão prepara-se para receber

Telefones
272 545323- 272 541077

Telemóveis
96 287 0251 – 96 518 3777

Um grande festival de “Música para a Gente Jovem de todas as Idades”
Organização da Associação “Gente de Ródão”
Início: Dia 28 de Setembro – 18.00 horas Final: Dia 30 de Setembro – 04.00 horas 1º., 2º. e 3º. Prémios a atribuir às melhores Bandas As Bandas que se inscreverem podem solicitar o Regulamento e mais informações através do telemóvel 93 718 4539 ou pelo mail: festival.rodamfest@gmail.com

“Ecos de Ródão” é enviado às quintas-feiras entre as 20 e 22 horas Envio gratuito por E-mail Pode visitar todas as nossas edições em

ecosderodao.blog spot.com

Pag.12

Descriminalização do consumo de Estupefacientes
Escreveu:

Dra. Ana Cristina Santos - Advogada Até 2000, o consumo de drogas e substâncias psicotrópicas era considerado crime. A partir de então, mais propriamente do dia 1 de Julho de 2000, por força da entrada em vigor da Lei nº 30/2000 de 29 de Novembro, deixou de o ser.

A referida lei descriminaliza o consumo e a posse de drogas em pequenas quantidades,
revogando, assim, o disposto nos Artigos 40º(consumo), excepto quanto ao cultivo e no Artigo 41º do Decreto-Lei nº 15/93 de 22 de Janeiro (Lei da Droga). Esta alteração ao regime jurídico em matéria de drogas, consubstancia uma mudança de atitude perante o seu consumidor o qual deixou, assim, de ser considerado delinquente e passou a ser encarado como um doente. Com a lei da descriminalização, foram criadas CDT (Comissões para a Dissuasão da Toxicodependência, compostas por um jurista, um médico e um assistente social) em todos os distritos, que têm como escopo fundamental persuadir as as pessoas adictas a submeterem-se a terapias adequadas. Os toxicodependentes são enviados às CDT pelas autoridades policiais e a partir daí, abre-se um processo direccionado ao tratamento médico, com um acompanhamento de proximidade por parte da dita Comissão. Nãso obstante a descriminalização, o legislador português passou a considerar o consumo de estupefacientes e substâncias psicotrópicas, como contra—ordenação. Contudo, se o consumidor toxicodependente aceitar sujeitar-se ao tratamento que lhe é proposto, a Comissão faz a necessária comunicação ao serviço de saúde público ou privado escolhido pelo consumidor. Neste caso, a Comissão pode suspender a determinação da sanção, a qual pode ir até 3 anos. Todavia, se durante este período, por razões que lhe são imputáveis, o toxicodependente não se sujeitar ou interromper o tratamento, a suspensão é revogada e determinada a sanção correspondente à contraordenação. A nova lei, prevê ainda que, aos consumidores não toxicodependentes poderá ser aplicada uma coima ou, em alternativa, sanção não pecuniária. Relativamente aos consumidores toxicodependentes, são aplicáveis sanções não pecuniárias. Doze anos após a descriminalização do consumo de drogas em Portugal, há que fazer um balanço da lei em vigor desde 1 de Julho de 2001. Descriminalizar não significa legalizar nem despenalizar. Este modelo da descriminalização, pioneiro em Portugal, mantém a censura social e jurídica do consumo de drogas, mas numa vertente contra-ordenacional. O modelo português de descriminalização do consumo e dissuasão da toxicodependência tem vindo a ser estudado por outros países, tais como a Noruega e os Estados Unidos da América, sendo unânime apontá-lo internacionalmente como um caso de sucesso. Facto de que nos devemos orgulhar.

Dra. Ana Cristina Santos