IBP1896_12 DESENVOLVIMENTO DE NOVAS CONFIGURAÇÕES PARA MISTURADORES ESTÁTICOS 1 Mikele C. S. Sant’Anna , Gabrielly P. Silva 2, Isabelly P. Silva3, Ana E. A.

paixão4, Gabriel F. Silva5

Copyright 2012, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis - IBP Este Trabalho Técnico foi preparado para apresentação na Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012, realizado no período de 17 a 20 de setembro de 2012, no Rio de Janeiro. Este Trabalho Técnico foi selecionado para apresentação pelo Comitê Técnico do evento, seguindo as informações contidas no trabalho completo submetido pelo(s) autor(es). Os organizadores não irão traduzir ou corrigir os textos recebidos. O material conforme, apresentado, não necessariamente reflete as opiniões do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Sócios e Representantes. É de conhecimento e aprovação do(s) autor(es) que este Trabalho Técnico seja publicado nos Anais da Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012.

Resumo
A fluidodinâmica computacional é uma técnica que permite a análise de sistemas envolvendo o escoamento de fluidos. Através desta técnica é possível simular novas geometrias de equipamentos, bem como otimizar os já utilizados. Neste trabalho, propõe-se o desenvolvimento de novas configurações para misturadores estáticos. Os misturadores vortex compreendem uma série de saliências triangulares em forma de espiral formadas na parede interna da tubulação. Neste trabalho propõem-se o estudo dos perfis de mistura de novas configurações para a geometria do misturador vortex. As substâncias misturadas foram o óleo de soja e o etanol, utilizados na fabricação de biodiesel. Os resultados deste trabalho foram incentivadores, pois os misturadores estáticos são uma alternativa tecnológica e econômica no processo de produção de biodiesel por rota contínua. Foram avaliados os valores da perda de carga, o volume total e o gradiente de velocidade, parâmetro utilizado para caracterizar o tipo de mistura. O misturador construído apresentou o valor do gradiente de velocidade de 2288,93s-1, sendo 4,01% inferior ao valor encontrado na simulação (2384,61s -1).

Abstract
The computational fluid dynamics is a technique that allows analysis of systems involving fluid flow. Using this technique it is possible to simulate new geometries of equipment, as well as optimize the already used. In this paper, we propose the development new settings for static mixers. The vortex mixer comprises a series of triangular protrusions spirally formed on the inner wall on the pipe. In this paper proposes the study of the profiles of the mixture of new configurations for the geometry of the vortex mixer. The substances were mixed soybean oil and ethanol, used in the manufacture of biodiesel. These results were encouraging because the static mixers are an alternative technological and economical production process for biodiesel continuous route. We evaluated the values of pressure loss, the total volume and velocity gradient, used parameter for characterizing the type of mixture. The mixer constructed had the value of the velocity gradient of 1 s2288.93, and 4.01% lower than the value found in the simulation (2384.61 s-1).

1. Introdução
O misturador estático constitui uma alternativa aos tradicionais vasos agitados (misturadores dinâmicos) e pode ainda ser utilizado nos processos contínuos, o que proporciona um ganho excelente de produção. Os misturadores estáticos têm crescente aplicação e interesse, pois utilizam parte da energia cedida para o bombeamento dos fluidos, para promover a mistura em um processo contínuo, minimizando o uso de equipamentos e instalações industriais. Os misturadores estáticos podem ser utilizados em processos envolvendo transferência de momento, troca térmica e transferência de massa. Os misturadores são habilitados a operar em uma larga faixa de temperatura, sob altas pressões e em ambientes químicos severos. Por não contarem com partes móveis, não apresentam problemas de selagem

______________________________ 1 Mestre, Engenheiro Química - UFS 2 Engenheira Química - UFS 3 Graduando em Engenharia Mecânica – UFS 4 Doutora, Engenheira Química – UFS 5 Doutor, Engenheiro Químico - UFS

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 ou de rolamentos. Os custos operacionais e o capital investido para a aquisição do equipamento são muito menores do que para os misturadores dinâmicos. Segundo Joaquim Junior (2008), a aplicação destes dispositivos ainda é restrita para alguns processos específicos por questões tecnológicas, principalmente, pelo pouco conhecimento de técnicos e engenheiros dos fenômenos físicos que regem sua aplicação. A inexistência de tecnologia nesta área impõe a dependência frente a empresas de outros países, encarecendo e dificultando sua aplicação. Os misturadores têm aplicações nos mais variados ramos industriais, tais como: alimentício, químico, farmacêutico e entre outros. A operação unitária de agitação ou mistura de fluidos desempenha importante papel nos processos industriais, podendo ser empregada com diversas finalidades, entre as quais, cita-se: a mistura de líquidos miscíveis ou imiscíveis; na aceleração de trocas térmicas; para promover incorporação de sólidos em meios líquidos; na formação de soluções ou suspensões (FERNANDES, 2005). Historicamente, os misturadores estáticos têm sido comparados em primeiro lugar pela perda de carga gerada por um dado fluxo e raio de tubulação. Parâmetros de eficiência de mistura têm sido introduzidos, baseados na variância da concentração, no tempo de residência e na natureza caótica do fluxo, bem como no tipo de deformação que promove na mistura (RAULINE, 1998 e FERNANDES 2005). Segundo Etchells III e Meyer (2004), os misturadores estáticos podem ser utilizados em processos contínuos, em sistemas de alimentação uniforme, em reações com tempo de residência curto, com sólidos com pequenos tamanhos de partículas, em sistemas com altas pressões de operação, em sistemas com pouco espaço disponível, em locais de difícil acesso a manutenção. A simulação computacional permite visualizar os perfis de escoamentos, entre outras características, antes que os equipamentos sejam construídos; com isso, é possível avaliar o desempenho dos equipamentos simulados, fazer alterações e otimizações sem maiores perdas de tempo. O objetivo deste trabalho é simular 14 configurações para a geometria do misturador vortex, avaliando o valor do gradiente de velocidade, parâmetro capaz de caracterizar o tipo de mistura.

2. Metodologia
2.1. Software e Hardware O software comercial utilizado foi o ANSYS CFX 12.1 (em parceria com o Laboratório de Fluidodinâmica Computacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro) que utiliza o método dos volumes finitos para a simulação numérica. Nesta técnica, a região de interesse é dividida em pequenas sub-regiões, chamadas de volumes de controle. As equações de conservação são discretizadas e resolvidas iterativamente para cada volume de controle, obtendo-se como resultado uma aproximação do valor de cada variável em pontos específicos do domínio. As simulações foram realizadas em um computador com configuração básica de processador de 8 núcleos de 2,32 GHz da Intel (Core i7) e memória RAM de 4 Gb. 2.2. Dados do misturador A geometria do misturador é constituída por uma série de saliências triangulares em forma de espiral que são formadas no interior da tubulação. A Figura 1 apresenta um corte na seção transversal mostrando os elementos misturadores. Duas configurações ótimas do misturador vortex desenvolvidas por Silva (2011), foram utilizadas como base para a realização destas simulações que objetivam a usinagem do equipamento. Foram realizadas modificações nos valores do comprimento equivalente do misturador (L), espessura das saliências (e), altura das saliências (h) e a distância entre as saliências (p). A geometria do misturador vortex é constituída por uma série de saliências triangulares em forma de espiral que são formadas no interior da tubulação (misturador vortex). A região em forma de espiral faz com que o fluido colida entre si, promovendo uma forte agitação que gera fluxos em redemoinhos.

2

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

a)

b)

Figura 1 – Representação de duas configurações ótimas do misturador vortex Foram realizadas modificações nos valores do comprimento equivalente do misturador (L), espessura das saliências (e), altura das saliências (h) e a distância entre as saliências (p). A Figura 2 ilustra as variáveis modificadas e a Tabela 1 ilustra os valores das configurações base e das modificadas.

L

e h p
Figura 2 – Representação das variáveis do misturador vortex Tabela 1 – Modificações na geometria MODELOS ÓTIMOS A D L e p h D L e p h BASE (cm) 1,27 15,24 0,55 0,8 1,69 1,27 10,16 0,45 0,6 0,1

B

1 5,08 60,96 2,2 3,2 6,76 5,08 40,64 1,8 2,4 0,2

2 2,54 30,48 1,1 1,6 3,38 2,54 20,32 0,9 1,2 0,1

3 5,08 60,96 1,1 1,6 3,38 5,08 40,64 0,9 1,2 0,1

4 5,08 60,96 0,55 0,8 1,69 5,08 40,64 0,45 0,6 0,1

5 2,54 30,48 0,55 0,8 1,69 2,54 20,32 0,45 0,6 0,1

6 2,54 15,24 0,55 0,8 1,69 2,54 10,16 0,45 0,6 0,1

7 5,08 30,48 0,55 0,8 1,69 5,08 20,32 0,45 0,6 0,1

2.3. Teste de malha A malha é a principal responsável pela qualidade da solução, e deve-se atentar à sua construção, a fim de que ela não influencie no resultado, sendo, tão somente, um instrumento para chegar ao mesmo. Devido a isto, realizou-se um teste de malha, a fim de se garantir que a malha não estava influenciando nos resultados. Na Tabela 2 estão representadas as condições de contorno utilizadas nas simulações

3

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 Tabela 2 – Condições de contorno utilizadas no teste de malha. VARIÁVEIS Número de Reynolds (óleo) Fase Óleo Fração molar inicial do óleo Fase Álcool Fração molar inicial do álcool Diâmetro da gota dispersa (álcool) Modelo de superfície Livre Homogeneidade Modelo de Turbulência Coeficiente de tensão superficial Força de arraste Modelo Matemático Esquema de interpolação Critério de Convergência final CONDIÇÕES 4000 Fluido contínuo 0,5 Fluido disperso 0,5 0,055 mm(1) Nenhum Não-homogêneo Continuo (óleo): k-ε Disperso (álcool): Nenhum 0,0292 N/m(2) Ishii-Zuber Euleriano Upwind 10-4 (RMS) (1) ALLEN , 1999; (2) STAMENKOVIC, 2007 e 2008.

Para a parede, recomenda-se free slip (condição em que há deslizamento) (CFX, 2007) para as partículas e no slip (condição de não-deslizamento) para o fluido contínuo. A implementação da condição de não-deslizamento implica que o fluido imediatamente junto à parede tenha velocidade igual a ela, sendo que nas simulações realizadas, as paredes são estáticas. As propriedades físicas das substâncias estão descritas na Tabela 3. Tabela 3 – Propriedades físicas das substâncias. ÓLEO DE SOJA Massa Molar (kg/kmol) Densidade (kg/m³) Viscosidade (Pa.s) 873
(1)

METANOL 32,04(3) 791(3)

919(2) 0,059(2)

0,594 x 10-3(3) (1) DEMIBRAS, 2005; (2)SANTOS, 2009; (3) Banco de dados do CFX.

3. Resultados e Discussão
3.1. Teste de malha O teste de malha foi realizado utilizando quatro níveis de refinamento crescente. A malha utilizada é composta por elementos tetraédricos, contendo camadas de células prismáticas próximo às paredes (inflated boundaries) e body spacing, que aumenta o número de elementos no corpo do misturador. Dados estatísticos das malhas refinados são apresentados na Tabela 4. A Figura 3 ilustra o desenho comparativo do refino nas malhas e a Figura 4 ilustra a malha 3.

4

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 Malha 1 Malha 2 Malha 3 Malha 4

Figura 3 – Desenho comparativo do refino nas malhas.

Tabela 4– Estatísticas das malhas. NÚMERO TOTAL DE NÓS 31373 198884 262829 347642 NÚMERO TOTAL DE TETRAEDROS 34535 412398 594249 868269 NÚMERO TOTAL DE PIRÂMIDES 763 9 0 0 NÚMERO TOTAL DE PRIMAS 45023 232527 292130 360710 NÚMERO TOTAL DE ELEMENTOS 80321 644934 886379 1228979

MALHA 01 02 03 04

Figura 4 – Desenho demonstrativo do refino na malha 3. 5

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012

Para analisar a melhor malha, foi observado o perfil radial de velocidade tangencial do óleo, uma vez que essa velocidade determina o campo centrífugo no interior do misturador, ou seja, o poder de mistura do equipamento. Pode-se observar, no Gráfico da velocidade tangencial em função do raio do misturador, para as diferentes malhas testadas (Figura 5), que as curvas das malhas 3 e 4 estão bem próximas, quase coincidentes. Optou-se, então, pela malha 3 em virtude de a mesma apresentar um menor número de elementos.

Figura 5 – Gráfico da velocidade tangencial em função do raio do misturador. 3.2. Resultados das simulações numéricas As simulações foram realizadas e os resultados obtidos para os valores de volume (m3), perda de carga (Pa) e gradiente de velocidade (GS-1), estão descritos na Tabela 5, os valores obtidos foram satisfatórios. Verificamos que entre as geometrias desenvolvidas as configurações B1 e B4 apresentaram bons valores para o gradiente de velocidade 3926,24 s-1 e 2536,77 s-1, respectivamente. A configuração mais simples de ser construída foi a B5 e esta apresentou uma redução de 49,7% do valor de gradiente de velocidade, quando comparado com a geometria B0, que foi utilizada como base das modificações (configuração ótima) do presente estudo. Tabela 5 – Resultados das simulações para obtenção das geometrias usináveis. SIMULAÇÕES VOLUME (M3) A0 B0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 9,91E-05 9,77E-05 1,39E-03 3,75E-04 3,75E-04 1,54E-03 3,84E-04 3,97E-04 1,60E-03 1,23E-03 3,65E-04 1,43E-03 1,54E-03 3,85E-04 3,95E-04 1,60E-03 PERDA DE CARGA (PA) 52521,18 373441,18 801,59 1345,54 1345,54 1448,08 3460,07 1942,03 786,97 50571,45 16054,47 8512,08 26328,15 46520,59 28539,99 7742,10 GRADIENTE DE VELOCIDADE (GS-1) 1765,70 4741,79 465,78 411,02 1162,53 595,03 651,09 479,55 430,50 3926,24 1438,96 1496,71 2536,77 2384,61 1843,07 1351,62 6

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 Mesmo com a diminuição no valor do gradiente de velocidade a geometria B1 e B4 apresentaram um grau de mistura alto, pois se encontra no intervalo 1500-6000s-1 de mistura rápida para dispersão de produtos químicos, segundo Metcalf e Eddy (1991). A Figura 6 apresenta o perfil ao longo do misturador B5 e a Figura 7 apresenta as streamlines da velocidade do óleo ao longo do misturador B5.

Figura 6– Perfil da fração molar de óleo na geometria B5

Figura 7– Streamline da velocidade do óleo ao longo do misturador B5 Através das Figuras 6 e 7 é possível perceber que mesmo modificando as medidas especificas da configuração ótima do misturador vortex, é possível visualizar que o fluxo segue em redemoinhos, estes redemoinhos promovem um maior contato entre os reagentes, promovendo a mistura.

4. Conclusões
A fluidodinâmica computacional é uma técnica de fundamental importância na construção e otimização de geometrias de equipamentos, com esta técnica é possível avaliar os perfis de escoamento, podendo predizer o melhor equipamento antes de construí-lo, facilitando novos estudos em diversas áreas. Neste trabalho, a fluidodinâmica foi utilizada para comparar o funcionamento de diversas configurações do misturador vortex, tendo sido possível identificar as vantagens e desvantagens dos modelos estudados. Estes estudos foram necessários a compreensão do fenômeno de mistura, da sua importância, dos elementos necessários à um bom perfil de mistura. O parâmetro utilizado para avaliar os misturadores estáticos foi o gradiente de velocidade, quanto maior o valor deste gradiente melhor é a eficiência da mistura. Os maiores valores deste parâmetro foram obtidos para as configurações B1 e B4, estes foram 3926,24s-1 e 2536,77s-1, respectivamente.

5. Referências
ANSYS INC. ANSYS CFX-11.0, User Manual, 2007. ALLEN, C. A. W.; WATTS, K. C.; ACKMAN, R. G.; PEGG, M. J.; Predicting the viscosity of biodiesel fuels from their fatty acid Ester composition. Fuel. v.78, p.1319-1326, 1999. 7

Rio Oil & Gas Expo and Conference 2012 DEMIRBAS, A. Biodiesel production from vegetable oil via catalytic and non-catalytic supercritical methanol transesterification methods, Progress in Energy and Combustion Science, v. 31, p. 466-487, 2005. ETCHELLS III, A.W.; MEYER, C.F. Mixing in Pipelines. In: Paul, E.L. Handbook of Industrial Mixing. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc, 2004. FERNANDES, L.A.G. Ensaios Experimentais com Misturadores Estáticos Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil, 2005. JOAQUIM JUNIOR,C.F., Desenvolvimento e otimização de misturador estático com o uso da fluidodinâmica computacional, Dissertação de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil, 2008. RAULINE, D., TANGUY, P. A., LE BLÉVEC, J. M. E BOUSQUET, J., Numerical investigation of the performance of several static mixers, The Canadian Journal of Chemical Engineering, v.76, p.527-535, 1998. SANTOS, W. L. Produção não catalítica de biodiesel etílico em meio supercrítico contínuo com e sem solvente. Dissertação de Mestrado, programa de pós-graduação em engenharia de processos- PEP da Universidade Tiradentes – UNIT, Aracaju, Sergipe, Brasil. 2009. SILVA, G. P. Otimização via Fluidodinâmica Computacional da Configuração de um Misturador Estático a ser aplicado na Produção de Biodiesel. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil, 2010. STAMENKOVIC, O. S.; LAZIC, M. L.; TODOROVIC, Z. B.; VELJKOVIC, V. B.; SKALA, D. U. The effect of agitation intensity on alkali-catalyzed methanolysis of sunflower oil. Bioresource Technology. v. 98, p.2688-2699. 2007. STAMENKOVIC, O. S.; TODOROVIC, Z. B.; LAZIC, M. L.; VELJKOVIC, V. B.; SKALA, D. U.; Kinetics of sunflower oil methanolysis at low temperatures. Bioresource Technology, v. 99. p.1131-1140. 2008.

8