Formação de Cuidadores de Idosos Coletânea de textos

Carlos Alberto Boock Maly

Colégio Politécnico Boock

1. Introdução

O cuidador de idosos
O treinamento de pessoas para o cuidado faz-se necessário, face à situação de desamparo em que se encontram os idosos, no sentido de facilitar o atendimento imediato às suas necessidades básicas quando doentes fragilizados. Tendo em vista o aumento progressivo da população idosa, o resgate do papel dos "cuidadores" é uma questão a ser pensada. Entretanto, em razão da complexidade cada vez maior na organização das sociedades, enfatiza-se a necessidade de preparo e aprendizado específicos para exercer o papel de "cuidador". Para cuidar de idosos, espera-se que haja alguém capaz de desenvolver ações de ajuda naquilo que estes não podem mais fazer por si só; essa pessoa assume a responsabilidade de dar apoio e ajuda para satisfazer às suas necessidades, visando a melhoria da condição de vida. Não se pode esquecer que, em muitas situações, o "cuidador" nem sempre é um ente da família, e que introduzir pessoas externas ao contexto familiar implica em reconhecer valores de respeito e discrição, para não interferir na dinâmica familiar. 1.1. Princípios orientadores O preparo de cuidadores exige a definição de uma base conceitual norte adora dos valores e princípios filosóficos, que podem ser reconhecidos pelos pressupostos de Gonçalves e col (1997): 1. O cuidado humano ou "cuidar de si" representa a essência do viver humano; assim, exercer o autocuidado é uma condição humana. E ainda "cuidar do outro" sempre representa uma condição temporária e circunstancial, na medida em que o "outro" está impossibilitado de se cuidar. 2. O "cuidador" é uma pessoa, envolvida no processo de "cuidar do outro" - o idoso, com quem vivência uma experiência contínua de aprendizagem e que resulta na descoberta de potencialidades mútuas: É nesta relação íntima e humana que se revelam potenciais, muitas vezes encobertos, do idoso e do cuidador. O idoso se sentirá capaz de se cuidar e reconhecerá suas reais capacidades;
Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br Página 2

3. O cuidador é um ser humano de qualidades especiais, expressas pelo forte traço de amor à humanidade, de solidariedade e de doação. Costuma doar-se ou voluntariar-se para as áreas de sua vocação ou inclinação. Seus préstimos têm sempre um cunho de ajuda e apoio humanos, com relações afetivas e compromissos positivos.

1.2. Princípios orientadores O preparo de cuidadores exige a definição de uma base conceitual norte adora dos valores e princípios filosóficos, que podem ser reconhecidos pelos pressupostos de Gonçalves e col (1997): 1. O cuidado humano ou "cuidar de si" representa a essência do viver humano; assim, exercer o autocuidado é uma condição humana. E ainda "cuidar do outro" sempre representa uma condição temporária e circunstancial, na medida em que o "outro" está impossibilitado de se cuidar . 2. O "cuidador" é uma pessoa, envolvida no processo de "cuidar do outro" - o idoso, com quem vivência uma experiência contínua de aprendizagem e que resulta na descoberta de potencialidades mútuas: É nesta relação íntima e humana que se revelam potenciais, muitas vezes encobertos, do idoso e do cuidador. O idoso se sentirá capaz de se cuidar e reconhecerá suas reais capacidades; 3. O cuidador é um ser humano de qualidades especiais, expressas pelo forte traço de amor à humanidade, de solidariedade e de doação. Costuma doar-se ou voluntariar-se para as áreas de sua vocação ou inclinação. Seus préstimos têm sempre um cunho de ajuda e apoio humanos, com relações afetivas e compromissos positivos. Funções - Ajudar nas atividades da vida diária; administrar medicamentos por via oral prescritos pelo especialista; auxiliar na deambulação e mobilidade; cuidados com a organização do ambiente protetor e seguro, acesso a dispositivos de ajuda ( equipamentos ) para a atenção ao idoso; propiciar conforto físico e psíquico; estimular o relacionamento e contato com a realidade e levar o idoso a participar de atividades recreativas e sociais. Conferir sinais vitais, reconhecer sinais de alterações (alerta) e prestar socorro em situações de urgência (os primeiros). 1.3. Cuidador Profissional Conceito - O cuidador profissional é a pessoa que possui educação formal com diploma conferido por instituição de ensino reconhecida em organismos oficiais, e que presta assistência profissional ao idoso, família e comunidade. Perfil - Ter cursado Ensino Médio ou Superior e tido treinamento específico em cuidado do idoso, em instituições oficialmente reconhecidas. Destacam-se as habilidades e qualidades pessoais para o cuidado.

Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br

Página 3

você poderia oferecer maiores cuidados. 1999.politecnicoboock. capacidade de compreender os momentos difíceis vividos pelo idoso. Presidência Social. É provável que o cuidado de outra pessoa compreenda:  Alimentá-la ou dar-lhe banho. adquiridos por meio da orientação de profissionais especializados. Os cuidadores "informais" e "formais" devem desenvolver algumas habilidades e qualidades para prestar cuidado. Fazer as compras no supermercado. especificadas a seguir: Habilidades técnicas: É o conjunto de conhecimentos teóricos e práticos. Lavar a roupa ou limpar a casa ou Cozinhar. o cuidador se sobrecarrega nas suas atividades e se esquece de que é uma pessoa que também necessita de cuidados. A família deve avaliar esse trabalho. condições essenciais nas situações em que há necessidade de carregar o idoso ou dar apoio para vestir-se e cuidar da higiene pessoal. Qualidades físicas e intelectuais: Deve possuir saúde física.4. Esses conhecimentos irão preparar o cuidador para prestar atenção e cuidados ao idoso (descritas nas funções). Cursos são necessários. Quem sabe compartilhe a responsabilidade com outros membros da família ou com amigos.com. adaptação às mudanças sofridas por ele e família. pessoal e também da sociedade. respeitar a intimidade. Brasília: MPAS/SAS. Qualidades éticas e morais: São atributos necessários para permitir relações de confiança. começa em forma gradual. deve procurar adaptar-se aos hábitos familiares. evitando interferência. visando a orientação aos cuidadores do cuidado com o outro e consigo mesmo. incluindo força e energia. a organização e crenças da fan111ia. Qualidades emocionais: Deve possuir domínio e equilíbrio emocional. ou quem sabe se encarregue de tudo você mesmo. O cuidado.br . Página 4 Colégio Politécnico Boock – www. Pagar as contas. Idosos: Problemas e cuidados básicos. Muitas vezes. 1. Com o tempo. tolerância ante situações de frustração pessoal. com freqüência. Valorizá-los como grupo social. Provavelmente você já esta ajudando a alguém a:      Levar ao Médico. Quando não for parente. Ser capaz de avaliar e administrar situações que envolvem ações e tomada de decisões. inclusive ate dedicar às 24 horas do dia ao cuidado dessa pessoa.Os cuidadores profissionais seguem funções específicas em conformidade com as legislações das categorias profissionais.Funções . Fonte: BRASIL. em conjunto com profissionais e planejar atividades para idosos e cuidadores. Motivação: É condição fundamental a empatia por idosos. O cuidador de idosos dependentes deve organizar suas tarefas de cuidado de modo a ter oportunidades de se autocuidar. considerando que o "cuidado" deve ser um compromisso prioritário. facilidade de relacionamento humano. dignidade. respeito e ser capaz de assumir responsabilidades com iniciativa.

tua tarefa será mais fácil. Não esqueça que de todas as atividades pontuadas a mais importante é o fórum. Não se esqueça de que nosso Curso Básico tem apenas 40 horas! O Boock Virtual consta do projeto pedagógico do estabelecimento.ensinar. sobre atividades que qualquer voluntário poderá fazer. mas este é específico para Técnicos e graduados em Enfermagem. Será também um melhor cuidador e será possível que a pessoa permaneça em seu lar por mais tempo. permite o total gerenciamento do processo.     Ajudá-la a usar o banheiro. muitas das quem sabe. É o espaço para se convocar campanhas em prol da dignidade! É o registro vivo da vida! Colégio Politécnico Boock – www. desabafos. críticas. vídeo. Isso será possível através da exposição aos múltiplos arquivos. Boock Virtual na internet: www. descrever. ENTÃO VOCE E UM CUIDADOR! Este curso lhe proporcionará informação para ajudá-lo no cuidado no presente e no futuro. é a voz virtual do aluno emitindo seu julgamento.org A Plataforma Ensinar é uma ferramenta magnífica de aprendizagem. Supervisionar o horário de tomar as medicações. é o registro do conselho do especialista. Trataremos de forma simples. à participação no fórum. do mestre. no bate-papo. entretanto. O que se procura mensurar não é a capacidade do aluno de recortar palavras e colar. Sobre o conteúdo programático O Conteúdo. com carga horária superior a 400 horas. SE VOCE REALIZA ALGUMA DESTAS TAREFAS POR OUTRA PESSOA. Contratar a outras pessoas que a cuidem. O Colégio Politécnico Boock. etc. Foi escrito de forma a atingir qualquer um que queira se capacitar para essa missão.boock. Administrar todos os seus assuntos econômicos e legais. Dar-te-emos muitas idéias e recomendações. segundo a proposta é centrada na formação básica do cuidador de idosos. acompanhando a aluno minuto a minuto em cada componente curricular.. executar.politecnicoboock. da fúria e da indignação pelo descaso. será submetido a uma avaliação compatível com o ensino online. transformar. Programar todo o atendimento médico ou. gerando dezenas de gráficos para permitir uma avaliação precisa. em cada atividade. nas pesquisas. inovar. cuidando-se bem de ti mesmo e estando atenta a quantidade de ajuda disponível.. texto. fórum. além do Curso Técnico em Enfermagem tem autorizado um curso de Especialização em Nível Técnico em Geriatria. provavelmente nem usaras ou pelo menos na totalidade. sugestões. autorizado para prover aperfeiçoamento. sabemos que parte desta informação ser-te-á útil. oferecer disciplinas de forma online entre outras atribuições. Ele é o termômetro indicativo da efervescência dos debates. emitir pareceres. Após o aluno ter visto cada arquivo.br Página 5 .com. Mediante um planejamento cuidadoso. Mas a de sintetizar. é a voz ―materializada‖ É o registro de atos de bravura. é a solicitação humilde de auxílio.

REFLEXÃO 2. alem de seus desejos e necessidades. Isto pode ser difícil para você. Às vezes.Ao final estaremos repassando as habilidades trabalhadas para que constem no certificado emitido aos que tiverem aproveitamento superior a 6. esta poderia inclusive acentuar-se mais. É muito fácil cair numa atitude ―protetora‖ quando se cuida de outra pessoa. mas é sua decisão.1. Existem muitas coisas que você pode fazer para se assegurar que a pessoa sob seus cuidados receba respeito e dignidade direito básicos de todo ser humano.com. ELE. para tanto conte conosco! Boa Sorte! Que Deus nos acompanhe! Carlos Alberto Boock Maly 2. sobre dificuldades na navegação e o nosso suporte. de fato. Mas precisamos compreender que a não ser que a pessoa esteja passando por um transtorno cognitivo (Distúrbio cerebral devido a um derrame cerebral. mas deve ter cuidado e estar alerta para não cair na superproteção. Uma das necessidades humanas mais importantes é o respeito e a dignidade e essa necessidade não muda quando a pessoa adoece e fica incapacitada. o suporte online ou suporte da plataforma ensinar.0 (seis).br Página 6 . Respeito e Dignidade Antes de começar a realização deste curso. especialmente se tratar de um membro da família. A diferença de um cuidador profissional. a pessoa poderia tomar decisões que você não tomaria. Colégio Politécnico Boock – www. o que ela gosta e o que ela não gosta também. Esse documento será remetido pelo correio a cada um dos concluintes pelo Colégio Politécnico Boock. entretanto toma as decisões sobre sua vida. você conhece na pessoa que cuida.politecnicoboock. queremos que você usufrua de cada arquivo. demência ou outro problema de saúde). Lembre-se. como cuidador. suas fortalezas e suas fraquezas individuais. que realize todas as atividades programadas de forma completa e satisfatória. Suporte na Internet Existe 2 tipos de suporte. Conhece a pessoa por completo. vamos nos deter alguns minutos para considerar seu papel especial como ajudador.

planeje tempo para que alguém a leve a caminhar com ele se não e seguro que o faça sozinho. Em uma visão mais abrangente. incluindo nossos erros.2. Não fale dele como se não tivesse presente. 2. aceite dar-lhe banho com a freqüência absolutamente necessária. Ouça suas preocupações. Filosofia de vida independente A filosofia de vida independente e um conceito que tem surgido do desejo natural que as pessoas incapacitadas têm de exercer o controle sobre sua vida. Se a pessoa se nega a tomar seus medicamentos ou toma decisões que possam ser perigosas. Peça sua opinião e faça-o saber que esta e importante para você. mesmo que você não esteja certo do quanto ele entende. Faça-o participar de tantas decisões quanto possível. sem sua permissão.4.br Página 7 . mesmo que estas sejam membros da família.3. Ofereça-lhe os comprimidos com seu suco favorito (se a receita permite).      Respeitar seu direito de escolher. Converse com ele como um adulto. Bater a porta antes de entrar. Se a pessoa insiste em usar a mesma camisa todos os dias. incapacitados ou não. 2. Fechar a porta quando o ajuda a vestir-se ou usar o banheiro. sentimos certo controle sobre nossa vida. Se pensar que e uma decisão boba ou de pouca importância.politecnicoboock.    Respeitar sua privacidade física e emocional.5. permita que decida o que e quando comer. use uma toalha como proteção quando coma e lave a roupa de noite.2.com. Por exemplo. Inclua-o na conversação. tem direito e oportunidade de seguir um curso de ação em particular e isto implica na liberdade de aprender de nossas experiências.     Trate-o com dignidade. Ao tomar decisões. esta filosofia afirma que todos. trate de ver porque isso é importante para a pessoa. Se a pessoa tem problemas cognoscitivos. trate de negociar uma possível solução. se a pessoa pode fazê-lo. quando comer e o que usar. 2. ofereça-lhe opções sobre o que comer. Colégio Politécnico Boock – www. Não comentar informação privada com outras pessoas.

a reduzir o estresse e a gozar mais da vida. A Importância de fazer exercício Ninguém pode estar tão fora de forma.politecnicoboock. utilize este simples teste. ―Meus joelhos e meus pés doem muito‖ ou ―Não tenho tempo‖. Cuide-se de si mesmo Cuidar de outra pessoa e a responsabilidade mais difícil que terá na sua vida. 3. Seja constante. Algumas observações importantes para quando você fizer exercício:       Programe uma hora específica cada día para fazer exercício. esta se extenuando.br Página 8 .2. Sempre comece lentamente a atividade durante os primeiros 5 minutos e diminua o ritmo durante os 5 últimos minutos em vez de parar abruptamente. Se você pode cantar e fazer exercício. o exercício correto te ajudará a sentir-se melhor. Se você adoece ou tem estafa emocional ou física. Faça exercícios de alongamento e de relaxamento antes e depois de teu exercício. Para obter benefícios de qualquer programa de exercício. deves fazê-lo de forma regular. Se bem que cuidar de uma pessoa traz muitas satisfações. Dado ao fato que cuidar de outra pessoa pode ser exaustivo. não poderá cuidar dos outros..1. e difícil saber por quanto tempo devera cuidar desta pessoa ou se sua tarefa se tornara mais exigente ao longo do tempo e deve-se levar em conta que esse trabalho não vem com uma descrição trabalhista! Cuidar de suas próprias necessidades é tão importante como cuidar de outra pessoa. Faça o teste do falar/cantar para saber se estas fazendo o exercício de forma demasiadamente forte ou não o suficiente. tão cansado ou ocupado como para não se beneficiar com um programa regular de exercícios. Se você tem desculpas do tipo: ―Eu nunca fiz exercícios antes‖. mas existem sacrifícios e exigências que poderiam chegar a ser muito fortes. faça a você mesmo um favor: com tão somente 10 minutos por dia e em pelo menos 3 dias por semana. Agora veja a apresentação a seguir sobre como fazer! 3. Se não pode falar ao fazer exercício ao mesmo tempo. No geral. Comeces com uns 10 minutos de exercício ao dia e aumente gradualmente ate 30 minutos para obter o máximo benefício.com. é importante que se controle. Colégio Politécnico Boock – www.. não esta se esforçando o suficiente.3. O que ouvimos geralmente são os benefícios.

3. Estes são uma forma excelente de melhorar a flexibilidade.4. tai-chi ou outros programas de exercícios não tradicionais. 3. 3. tonificar os músculos e relaxar. Disponíveis em muitas comunidades. Também poderia conseguir programas noturnos. Procure vídeos para principiantes. Exercícios recomendados. 3. Informe-se sobre aulas oferecidas através dos centros comunitários. Consulte sobre programas sociais em sua comunidade. 3. 3.politecnicoboock. Veja se tem disponível piscina comunitária e consulte sobre horário de natação para idosos ou aulas de hidroginástica. Se você necessita ajuda para encontrar um programa de exercícios adequado. Consulte sobre atenção domiciliar. Dê um passeio diário. Alguns proporcionam transporte para aqueles idosos que necessitam atividade sob supervisão. Procure um amigo com quem caminhar.6. Se a pessoa não puder freqüentar um centro de atendimento diurno.9. Melhor ainda.8.3.5.10. Motivar-se-ão mutuamente quando estiverem tentados há ter o dia livre sem o exercício. Os centros de cuidado diurno podem proporcionar um descanso programado com regularidade. de salão ou tradicionais são uma excelente forma de incrementar sua resistência e melhorar seu equilíbrio. poderia haver a possibilidade que assistentes capacitados possam proporcionar cuidado em turnos na sua casa. 3. Dance.3. lar de idosos e comunidades de aluguel com ajuda oferecem estadias de ate duas semanas. Consulte sobre Yoga. Muitas piscinas oferecem aulas só para idosos ou para pessoas que desejem um ritmo mais lento. Colégio Politécnico Boock – www. tonificação muscular e relaxamento.com.br Página 9 . Nota de advertência: Sempre consulte seu médico antes de começar qualquer programa de exercícios. Alguns lugares de repouso. Veja um vídeo de exercícios. ginásios e centros para idosos. estes centros proporcionam programas sociais e comidas. Os participantes podem freqüentar 1 ou 2 vezes por semana ou todos os dias.7. use vídeos para fazer alongamento. para ter uma saúde melhor. Evite começar com programas que incluam saltar ou dobrar-se. consulte seu médico. Os bailes de São João. dependendo do programa individual.

Evite pessoas difíceis. yoga.13. Não espere ter a casa perfeita ou ter uma vida social com ao que tinha antes de assumir o papel de cuidador. Feche os olhos e se imagine em um lugar bonito. Algumas idéias poderiam ser exercícios de respiração. Provavelmente tenha que simplificar as folgas nos feriados ou repartir as responsabilidades com outros membros da família.politecnicoboock. Assegure-se de ter metas e expectativas realistas. Busque apoio. amigos que o criticam o tempo todo. grupos de apoio ou um conselheiro profissional. 3. meditação. Perda ou aumento considerável de apetite. E depois o mantenha a mão e utilize! 3.14. 3. rodeado por suas coisas favoritas.11. 3.16. Loque um filme ou olhe programas de televisão que o façam sorrir. O Bom Humor é geralmente o melhor remédio. Convivendo com o estresse Estabeleça limites e faça-os saber. 3. Participe também das comunidades na internet sobre esse tema. Faça uma lista das coisas que aliviam o seu estresse.17. Depressão. 3.br . Pensamentos suicidas. Como saber se você precisa de ajuda profissional? (cuidador). Alguns sinais de advertências poderiam ser:     Uso abusivo de bebidas alcoólicas ou de medicamentos como pílulas para dormir. Descubra o que lhe ajuda a aliviar o estresse.18.12. O humor pode fazer milagres para reduzir o estresse.3. sentimento de alienação. perda das esperanças. escrever um diário de vida ou sair para caminhar.com.15. Através de amigos compreensivos. Página 10 Colégio Politécnico Boock – www. Como por exemplo. 3. Leia um livro de piadas.

para a fisioterapeuta. acrescenta.com preparou um guia prático para você fazer pequenas mudanças em ações cotidianas e ganhar mais qualidade de vida quando o assunto é coluna.Repórter 16/11/2006 A ACESSA. no mínimo.  Perda do controle físico e emocional. Dia-a-dia da coluna saudável. são essas pequenas mudanças de hábito que podem evitar em mais de 80% as possibilidades de problemas na coluna. no entanto. Anote e faça o teste em casa. Se apresentar quaisquer destes sintomas. "Cometemos erros com a nossa coluna a todo momento.Fernanda Leonel . Aline explica que o exercício físico. fica muito tempo sentado ou faz grandes esforços físicos quando trabalha. precisamos receber oxigênio e eliminar gás carbônico no ritmo e intensidade adequados. destacou Aline. Esse fluxo respiratório pode ser prejudicado por problemas posturais". Um pequeno guia para melhorar a qualidade de vida .todo torto.com. Se para esse grupo. Colégio Politécnico Boock – www. sentado na cadeira ou deitando de forma incorreta. Consulte um conselheiro ou converse com seu medico sobre seus sentimentos. Seu médico poderá recomendar-lhe um conselheiro ou você poderia por em contato com um hospital local ou secretaria de saúde. Quem ainda tem hábitos sedentários. Pequenos cuidados diários podem salvar a saúde da sua coluna. Como explica a fisioterapeuta. Segundo a fisioterapeuta. Tratar mal outras pessoas ou ignorá-las. lembrando que não é só a coluna que sofre quando a tratamos mal. Essa parte tão importante. Clique para conferir! Dá pra imaginar o corpo humano sem ossos? Foi com essa pergunta que a fisioterapeuta Aline de Sartro Motta começou a explicar a importância da coluna vertebral para o nosso corpo. o corpo seria uma "verdadeira gelatina sem funcionamento" caso não tivéssemos esse "eixo central" para equilibrar postura e funções do corpo. Isso porque. sem músculo para proteger os ossos. é a base para o controle de dor na coluna vertebral. Pequenas coisas que vão influenciar na nossa terceira idade. quem está no grupo dos mais atingidos. fáceis de serem resolvidos. nem sempre recebe o carinho e atenção que merece. 4. Para Aline. pode procurar uma academia para tentar resolver o problema. o grande problema está nas pequenas atividades do dia-a-dia. Para evitar esse tipo de complicação.br Página 11 . todas essas atividades. expõe a coluna a erros posturais. "Para realizar bem as atividades do dia-a-dia. tem ainda mais tendência a ter problemas como estes.politecnicoboock. você esta levando uma carga demasiadamente grande. os cuidados parecem. são potencializadoras de fraqueza muscular ou no caso da atividade pesada. É só olhar para o lado para enxergar alguém no trabalho ou em casa . no nosso rendimento e na nossa qualidade de vida". que restaura a força e dá mais músculos ao corpo.para não falar olhar para você mesmo . a possibilidade de fratura é muito maior.

Vale pegar uma cadeira para cuidar da coluna. No outro extremo. uma panela. pode ir se preparando. segundo Aline de Sartro.politecnicoboock. que naturalmente. Pode ser um monte de livros velhos. por exemplo.com. Nada de esticar na ponta do pé. já sofre com a altura da pia. vale colocar um apoio nos pés para aliviar a coluna. um pequeno guia prático de novas atitudes para você adotar no seu cotidiano.A ACESSA. Dia-a-dia da coluna saudável Na hora de pegar um objeto no chão. qualquer coisa. e jogue o peso para a perna.ou melhor. Coisas simples. para uma boa bengalinha no final da vida. vale a dica para pegar coisas no alto.br Página 12 . sua coluna .na hora de realizar coisas que você faz todos os dias. que não demandam investimento financeiro e que podem salvar a sua pele .com montou. Colégio Politécnico Boock – www. esticar o braço e tudo mais que der na pinta para alcançar algo que está em cima do guarda-roupa. Agache. em parceria com a fisioterapeuta. nada de dobrar a coluna toda para pegar peso. Se toda vez você fizer isso. Na hora de lavar as vasilhas e arrumar a cozinha sagrada de todos os dias. O importante é que um de seus pés possa ficar suspenso de vez em quando.

apóie o braço e aí. Se na hora de fazer força. só depois. com os pés já no chão. levante da cama.br Página 13 .Nada de espalhar sofá ou cadeira afora só porque vai descansar e assistir televisão.politecnicoboock. Vire de lado. o certo é arrumar um apoio para levantar os pés. vale a regra de que se deve acordar devagar. Colégio Politécnico Boock – www.com. sente no "fim" da cadeira. Na hora de levantar da cama. forçamos mais a coluna e também ficamos em uma posição torta que em nada colabora com a saúde do seu "eixo central". e quais os fatores (físicos e emocionais) que causam problemas. por exemplo. não tiver mesmo como escapar. vale ficar de costas. encoste e se aproxime do computador. CUIDADOS COM A COLUNA Saibam por que a coluna é tão importante. No computador a postura é imprescindível. Na hora de olhar novidades na internet ou trabalhar. Nada de pular da cama. Para sentir que está descansando de verdade. Principalmente porque não há quase nada no mundo moderno que roube mais o nosso tempo do que ficar na frente dele. Quando empurramos uma mesa de frente. A coluna agradece mais uma vez! 5.

A coluna é como um pilar que sustenta e equilibra o corpo. a maioria das vezes problemas lombares. obesidade. fazer movimentos repetitivos por tempo prolongado. pois prolongaria demais o artigo e fugiria do tema proposto que é a prevenção de problemas de coluna. porém aqui não vamos nos ater a estas questões. Portanto. ainda mais se concomitantemente a gestante engordar mais do que o necessário. desde a motricidade mais fina (mais complexa) até a mais grosseira. E. que dá eixo ao mesmo. Algumas outras sugestões de prevenção e para alívio das dores nas costas para as gestantes são:  dormir sempre com um travesseiro ou um rolo em baixo dos joelhos para posicionar a coluna lombar. Dentre os fatores externos que podem ocasionar problemas na coluna. o stress físico. Há os fatores congênitos de má formação da coluna.br Página 14 . A própria gestação pode causar problemas na coluna. praticar esportes radicais. tendões.com. alongamentos são uma ótima proposta principalmente após o 3° mês de gestação. exercitar-se sem orientação adequada. principalmente em fase de crescimento. lesões. carregar mochila pesada nas costas. se agachar de forma incorreta para pegar algo no chão. A ossatura humana dá estrutura ao corpo e também auxilia na sua morfologia. dormir sempre de bruços ou em má posição. a mulher deve ter cuidados redobrados com a sua coluna. dormir em colchão muito mole (o indicado é um colchão que siga a formação da coluna). a própria gravidade. sem estarem centralizados no chão e paralelos. tchi-kun. ligamentos e cadeias musculares fazem o corpo se locomover.Você conseguiria imaginar o corpo humano sem ossos? Então. sedentarismo. yoga. fazer exercícios físicos e/ou musculação. É a mesma coisa que construir uma casa sem alicerce. além do que através de suas articulações. desequilibrando a coluna lombar. trabalhar sempre com a mesma postura (por exemplo: dentistas). pelo crescimento rápido da região abdominal. carregar a bolsa sempre de um lado só. Colégio Politécnico Boock – www. fazer exercícios inadequados para a idade. formam nossa base de sustentação.politecnicoboock. fazer faxina na casa sempre com uma postura inapropriada. tai-chi-chuan. uma "gelatina". sem alongamentos. Tanto os aspectos físicos (externos) como os psicológicos (internos) vão se "imprimindo" na coluna à medida que vamos crescendo e nos desenvolvendo. Estas são dicas válidas para todas as pessoas que querem cuidar bem de sua coluna. principalmente nos membros inferiores como na própria coluna. fazer massagens. falta de tônus muscular ou tonificação muscular demasiada. conjuntamente com os membros inferiores. porém durante a fase gestacional. andar com os pés "tortos". alguns são:                     carregar peso excessivo. feche os olhos e imagine uma massa amorfa.

Permanecer algum tempo nesta posição. cereais. por exemplo. A falta de tônus muscular. Colégio Politécnico Boock – www. d) Em pé. resultando assim em um deslocamento da mesma. A nossa postura psíquica diante do mundo é refletida em nossa postura corporal. que não só é muito importante para o bebê. (por exemplo. apertamos o abdômen. frutas.  uma boa e saudável alimentação a base de verduras. virando sempre as pernas. com as pernas juntas levá-las para a direita e para a esquerda. O peso do abdômen como a própria flacidez podem fazer com que a curvatura na região lombar aumente. a uma escoliose (coluna em "S"). Os músculos de tão contraídos e enrijecidos vão "espremendo" a coluna que vai perdendo a flexibilidade de movimento. Inspirando. podendo dar origem. como por exemplo: a) Deitar-se em decúbito dorsal (de costas) com as pernas afastadas e flexionar os joelhos em direção ao abdômen sempre na expiração.  quando nos sentimos amedrontados. ocasionando uma hiper-lordose. mas também contribui para um bom funcionamento gastrointestinal e conseqüente alívio na sobrecarga da coluna lombar. b) De costas com as pernas dobradas e os pés apoiados no chão. pois a postura não é nada mais nada menos que a expressão de nossa alma e de nosso "self" interior:  quando queremos nos exibir ou mostrar nossa valentia. que representa um indivíduo que está com dificuldade na ação e na vontade. relaxe sem esticar as pernas. encurvamos a coluna para frente e/ou tencionamos o ombro. a respiração fica curta e superficial. fazer alongamentos. causando stress. ou seja as tensões psíquicas do dia-a-dia que vão se acumulando e cada vez mais enrijecendo as cadeias musculares. também pode afetar a coluna. apertamos as nádegas e projetamos a lombar para a frente. nossas pernas perdem a firmeza e os joelhos podem doer. somente os quadris. girar os quadris.com.politecnicoboock. pelo rebaixamento de energia psíquica.  quando nos sentimos "sobrecarregados". arqueamos a cabeça para cima e projetamos o tórax para a frente. c) Com as pernas elevadas e esticadas com os pés apoiados na parede sem tirar as nádegas do chão. um abdômen flácido).  quando estamos angustiados. Os problemas internos que podem acarretar problemas de coluna são as nossas contrações musculares.br Página 15 . pois tanto o excesso como a falta de flexibilidade podem prejudicá-la.

Depois. fazendo-o sentir-se mais seguro. O texto a seguir foi cedido pelo Laboratório NOVARTIS Quando tomar banho for um problema..politecnicoboock. emperrando nosso potencial diante da realidade. limpos e relaxados. fechamos os ombros e as pernas como se fossemos nos esconder. medo de cair. Não quer dizer que as defesas emocionais não tenham valor.com. pense que talvez uma cadeira de banho vá auxiliá-lo e permitir maior conforto. 6. ambos se sentirão melhor. Se for difícil para ele manter-se em pé por muito tempo. desviamos a cabeça para baixo. O problema se torna realmente um problema quando estas defesas nos impedem de viver uma vida plena. ter medo da água. 6. BANHO Tomar banho pode ser uma atividade agradável durante o dia. Conhecer seu corpo é conhecer o mais íntimo de si próprio. onde estão escondidos todos os mistérios sobre a natureza humana. é conhecer o Deus que há em você. tontura ou mesmo sentir-se envergonhado por expor seu corpo diante de um cuidador estranho. O problema está na cronicidade e nas defesas. pode estar deprimido.1. especialmente se for do sexo oposto. no que nós queremos esconder.1.br . 6. e não afeta a coluna. Se o corpo é a morada da alma. etc. Não há razão para se ―obrigar‖ o paciente a banhar-se pela manha se é seu hábito fazê-lo à tarde.2. Se você cuida de alguém que precisa de ajuda para tomar banho. pois elas são necessárias para que vivamos numa sociedade. com infecções que geram mal estar. xampu.1. quão não é relevante a consciência do mesmo. ADAPTANDO O AMBIENTE     Todas as adaptações deverão ser feitas mediante o grau de dependência apresentado. Tentar identificar a(s) causa (as) da recusa é um bom começo. dor.. faça com que a ocasião seja a mais agradável possível. A colocação de barras de segurança na parede (semelhante àquelas utilizadas em academias de balé) é de grande ajuda. Estes são alguns exemplos para mostrar como o corpo fala. O idoso pode estar com dificuldade para caminhar. porém é importante salientar que a expressão dos sentimentos corporais é muito importante. Higiene Pessoal 6. Mantenha o piso seco e no interior do Box utilize tapetes antiderrapantes (emborrachados) para evitar quedas. pois permitem que o paciente se apóie nelas durante o banho. Página 16 Colégio Politécnico Boock – www. marca do sabonete.1. quando somos tímidos e não queremos olhar os olhos da outra pessoa. Depois do banho nos sentimos bem. RESPEITE SEUS HÁBITOS   Os que apresentam dependência leve devem ter seus hábitos de higiene respeitados como: horário do banho.

articulares (dobra de joelho. se necessário. evite fixar os olhos em seu corpo (isto pode constrangê-lo). Elimine correntes de ar fechando portas e janelas. Se possível. utilize xampu neutro. Aproveite a oportunidade para massagear suavemente a sua pele. isto facilita o trabalho do cuidador e cria um hábito para o paciente. 6.politecnicoboock. supervisione. as quais se tratadas adequadamente e a tempo evitam complicações e previnem a ocorrência de úlceras por pressão (escaras). observe se há lesões no couro cabeludo. cotovelos. corte-as retas com todo cuidado especialmente nos pacientes diabéticos. Aumente a oferta de alimentos ricos em vitamina C . hiperemia (vermelhidão).br .1. ela melhora a resistência dos vasos capilares. causando manchas avermelhadas na pele. Mesmo os acamados devem ser levados ao banheiro para que seja realizado o banho de chuveiro. Lave a cabeça no mínimo 3 X por semana. 7. Apenas nos estágios mais avançados da doença o cuidador deve assumir a responsabilidade de dar o banho. Mantenha se possível. Página 17 Colégio Politécnico Boock – www.1. auxilie. pois se trata de uma barreira natural de que dispõe o organismo contra infecções. Estimule.com. INDO PARA O BANHEIRO      Prepare o banheiro previamente e leve para lá todos os objetos necessários à higiene. principalmente as regiões de genitais. neste momento. oriente. lembre-se que a pele é muito sensível e você pode provocar lesões. Banhos no leito devem ser evitados. seque bem o corpo. Não faça por ele. Após o banho. observe-o sutilmente.4. CUIDANDO DA PELE A pele merece atenção especial e o momento do banho é o mais apropriado para se observar a presença de hematomas (manchas roxas). que se rompe com facilidade. pruridos (coceiras). 6. posteriormente.   Manter a higiene da pele é de suma importância. esta é uma ótima oportunidade de mobilização. Separe as roupas pessoais antecipadamente. Regule a temperatura da água que deve ser morna. os cabelos curtos. portanto. assaduras ou qualquer outro tipo de lesão. O BANHO PROPRIAMENTE DITO        Oriente-o para iniciar o banho e auxilie-o.   É interessante se criar uma rotina para aqueles que apresentam dependências severas. axilas) e interdigitais (entre os dedos). Observe se há necessidade de cortar as unhas das mãos e dos pés.3. isto favorece a circulação sanguínea e produz grande conforto. Não utilize buchas de banho. sendo indicados apenas para aqueles pacientes com prescrição de repouso rigoroso no leito. trabalhe para manter sua integridade. em caso positivo. Idosos apresentam fragilidade de vasos capilares. o paciente deve ser despido no quarto e conduzido ao banheiro protegido por um roupão.

deve-se providenciar uma higiene íntima. Esta deve ser feita com movimentos suaves. que humidificam adequadamente. dê preferência às roupas de algodão ou tecidos anti-alérgicos. eles costumam produzir alergias respiratórias. Evite banhos muito quentes. Tente introduzir delicadamente uma espátula entre os dentes e faça um movimento rotatório.com. 8. Pode-se utilizar após cada escovação anti-sépticos orais. para que dessa forma. não exerça demasiada pressão. A LÍNGUA A Língua deve ser massageada com escova macia. a sua pele é frágil. massageando as gengivas verticalmente com suavidade. evitando seu ressecamento. mantendo assim um hálito agradável. gengivites (inflamação das gengivas). rompe-se com uma simples pressão. se aspirados inadvertidamente podem produzir alergias respiratórias. além de causar queimaduras em peles muito sensíveis. Em caso de haver presença de uma crosta branca sobre a língua – saburra – removê-la utilizando uma solução de bicarbonato de sódio. existem no mercado bons cremes hidratantes. lembre-se. de perfume suave. próteses mal ajustadas. eles provocam o ressecamento. Pruridos (coceiras) podem ser causados por vestuário confeccionado com tecidos sintéticos. Pacientes incontinentes devem ter suas fraldas trocadas de 3/3 horas ou antes se necessário. Alterações da mucosa oral. caso não seja possível. A boca deve ser inspecionada imediatamente após cada refeição.br Página 18 . O QUE OBSERVAR Colégio Politécnico Boock – www. ofereça líquidos à vontade. Assaduras podem surgir devido a má higienização ou a longa permanência com fraldas molhadas. 8. utilize o próprio dedo indicador envolto em gaze para que seja possível a higienização. Manter a pele hidratada é de fundamental importância. na proporção de 1 colher de café de bicarbonato em 1 copo d água. e muitas vezes.1. Evite a exposição à luz solar após as 9 horas da manhã (10 no horário de verão). sem esfregar. HIGIENE ORAL A Higiene Oral é um hábito saudável e agradável que deve ser mantido ao longo de toda a vida.politecnicoboock. Utilizar escovas de dentes de cerdas macias. são fatores que podem ocasionar infecções na cavidade oral. Algumas vezes é muito difícil fazer com que o paciente abra a boca para se fazer a higiene oral. para remoção de sujidades. molhar na solução a escova de dentes.      A Higiene Oral deve ser realizada após cada refeição ou num mínimo de 3 X ao dia. Mantenha o paciente hidratado.           Ao segurar o paciente pelos braços ou mãos. Evite cosméticos com perfume forte. ou mesmo o próprio dedo indicador envolto em gaze e proceder a limpeza. possa ser removido todo e qualquer resíduo alimentar. diminuição do fluxo salivar. Para executar a limpeza da língua. Após eliminações urinárias ou intestinais. Não use talcos. perda de dentes. ou uma espátula envolvida em gaze.

e após higienização. alertar o médico responsável.com. especialmente muita calma e paciência. Aqueles que apresentam dependência severa devem ser alimentados com colheres. Observar a estabilidade da prótese na boca do paciente. Os alimentos crus e secos devem ser evitados. O ambiente deverá ser calmo. O Cuidador nunca deverá criticar ou apressar o paciente durante as refeições.Deve-se observar cuidadosamente a presença de lesões na cavidade oral – manchas brancas. pois o perigo de engasgamento é maior. colocadas em solução antiséptica. e após limpeza da cavidade oral. pequenos ferimentos que sangram e não cicatrizam – e nesse caso. aconselhar-se com um dentista. 9. mas que já não consegue deglutir pequenos pedaços deve ter a carne liquidificada e servida em consistência de purê. Página 19 Colégio Politécnico Boock – www. livre de ruídos. Jamais ofereça alimentos ao paciente quando este estiver deitado. é bastante útil. sempre que possível. Uma pessoa que sempre gostou de comer carne. pastosa ou líquida – deve-se. da parte do cuidador. Sempre que possível. respeitar as preferências do paciente. higienizadas fora da boca. os restaurantes devem ser selecionados e a opção por um local tranquilo é a ideal.              O paciente deverá estar sentado confortavelmente para receber a alimentação. O convívio com a família é de extrema importância. fazendo com que as próteses fiquem frouxas e se desestabilizem. Se for hábito do paciente almoçar fora. As estampas – de pratos. recolocadas pela manhã. a recusa do paciente em alimentar-se ou sua agitação no horário de refeições devese ao fato de próteses mal ajustadas ou significar simplesmente uma dor de dentes. O mesmo artifício deve ser utilizado para os outros alimentos. ambiente tranquilo. Estas devem ser retiradas após cada refeição.politecnicoboock. Independentemente da apresentação da dieta – sólida. em lugar de garfos. A vida social deve ser mantida enquanto possível. o uso de baixelas térmicas. deve-se permitir que o paciente alimente-se em companhia de seus familiares. que atendem no domicílio aqueles pacientes que se encontram impossibilitados de comparecer ao consultório.br . que mantém o alimento aquecido por mais tempo. Existem equipes de profissionais (dentistas). Muitas vezes. As instruções passadas ao paciente deverão ser claras e o comando suave. vermelhas. são fatores imprescindíveis para que a alimentação seja bem aceita pelo paciente. CUIDE BEM DAS PRÓTESES      Deve-se ter maior atenção para a higiene oral naqueles pacientes que usam próteses dentárias. lembrar que com o envelhecimento ocorre perda de massa óssea. Observar a presença de cáries ou dentes quebrados que causam dor. neste caso. recolocadas. Pacientes muito confusos devem ter suas próteses retiradas à noite. Para aqueles pacientes que demoram a alimentar-se. ALIMENTAÇÃO Nem sempre alimentar o portador da doença de Alzheimer é tarefa fácil. Os pacientes que ainda conservam a independência para alimentarem-se sozinhos devem continuar a receber estímulos para esta ação. não importando o tempo que levem para fazê-lo. Os utensílios utilizados durante a refeição devem ser preferencialmente lisos e claros. É conveniente. Horários regulares. por exemplo – podem distraí-lo e reduzir sua concentração naquilo que lhe é explicado no momento (mastigação e deglutição).

O controle do peso corporal deve ser feito mensalmente. uma nutricionista. carboidratos e reguladores. como peixes e aves. coloque-se imediatamente atrás do paciente e abraçando-o com as duas mãos juntas. uma reabilitação precoce.com. mantenha a calma. merecem investigação clínica. 9.1. Deve-se aumentar a oferta de nutrientes como proteínas.politecnicoboock. porém não nutrem. significar desnutrição. considerando-se hábitos e gasto energético individuais. Atenção para perda de apetite pode estar relacionada a várias causas que devem ser investigadas e tratadas. quando em presença de infecções. Alguns pacientes mudam seus hábitos alimentares com a evolução da doença. alterações súbitas (ganho ou perda ponderal). sendo que esses fatores variam de indivíduo a indivíduo. É conveniente consultar um médico. a fim de que possa ser removido todo e qualquer resíduo alimentar. legumes e vegetais). É importante chamar a atenção do cuidador para que as informações de como nutrir o paciente deve advir de profissionais capacitados (nutricionista). A freqüência destes exames irá variar de acordo com o quadro clínico apresentado. Rotineiramente o paciente deve (sob orientação médica). fazendo pressão sobre o diafragma. a nutrição adequada a cada paciente deve ser orientada por profissional competente. Os temperos devem ser suaves e os molhos picantes evitados. desde que sem gordura. doenças crônicas ou refeições que não estejam do agrado do paciente são alguns exemplos.). É importante analisar hábitos antigos do paciente e mantê-los. fontes de vitaminas e minerais (vegetais. As refeições devem conter pelo menos um alimento de cada grupo. frutas e legumes). leite desnatado. permitindo assim.   Doces e salgados serão permitidos.br Página 20 . vitaminas e minerais. realizar exames laboratoriais para que seja analisado seu estado nutricional. a higiene oral é indispensável e deve ser realizada uma inspeção cuidadosa da boca. massas) e reguladores. a saber: construtores (proteínas). em alguns casos. carnes vermelhas. A presença de edemas (inchaços) pode. desde que não haja prejuizo nutricional para ele. Caso haja engasgamento. além de carboidratos (açúcares. Os idosos podem necessitar de uma maior oferta de proteínas (carnes brancas. Lesão da boca. NUTRIÇÃO Nutrição não deve ser confundida com alimentação. dando preferência a pequenos lanchinhos ou guloseimas que alimentam. energéticos (carboidratos) e reguladores (frutas. desde que não haja restrição médica. Colégio Politécnico Boock – www.           Lembrar que o suprimento das necessidades nutricionais é um fator que deve ser analisado clinicamente. Tente incrementar estes lanches garantindo que ele receba quantidades adequadas de proteínas. que após avaliação terão condições de prescrever uma dieta adequada a cada paciente individualmente. infecções. Após cada refeição. queijo fresco etc. No entanto. na maioria dos casos as pessoas bem alimentadas estão mal nutridas. comprima o abdome.

obstipação intestinal (prisão de ventre). Idosos acumulam facilmente secreções bronco-pulmonares. O volume indicado deve ser fracionado em pequenoas doses que ao fim do dia devem somar 2000 ml. Colégio Politécnico Boock – www.9. A obstipação intestinal (intestino preso) é outra queixa comum que também pode estar associada a baixa ingesta de líquidos. HIDRATAÇÃO Queixas de hipotensão (pressão baixa). por exemplo – eles reduzem os riscos de engasgamentos. Lembrar que a maioria dos idosos ingere pouca quantidade de água pura. Pacientes diabéticos devem receber líquidos adoçados artificialmente. diurese concentrada (urina escura) e baixo débito urinário (pouco volume de urina) podem estar associados à baixa ingesta de líquidos. sucos. Higiene Pessoal CUIDANDO DA ROUPA Manter um vestuário simples e confortável. Oferecer copos cheios de água causa uma sensação de plenitude gástrica desconfortável para o paciente. na forma de água. essa rotina permite a preservação da personalidade elevando a auto estima e a independência.politecnicoboock. ou engrossados com gelatina. Lembre-se de que o coração (assim como uma bomba d’água) necessita de volume para trabalhar adequadamente. Colocar sabor na água como os sucos. Em determinados momentos da evolução da doença pode haver necessidade da colocação de sondas para alimentação e especialmente para hidratação.br Página 21 . vitaminas etc. Atenção! Quedas de pressão arterial. A falta de líquidos pode trazer conseqüências graves para o paciente. que nos pacientes idosos pode dar origem a complicações clínicas sérias e de difícil manejo. Nas fases mais avançadas. Deve-se garantir que a quantidade de líquidos ingerida seja mais ou menos igual às perdas (urina. ofereça pequenas quantidades. Jamais ofereça líquidos com o paciente deitado. são algumas das complicações que na maioria das vezes estão relacionadas a quadros de desidratação. orientadas por profissionais especializados (fonoaudiólogos e nutricionistas). suor. Deve-se oferecer uma quantidade de líquidos equivalente a 2 litros por dia.com. prevenindo infecções. acúmulo de secreções bronco-pulmonares (catarro). Aqueles que possuem restrição de líquidos prescrita por médico devem respeitá-la com rigor. refrescos etc. é uma estratégia eficaz. Pacientes que apresentam dificuldade para digerir alimentos (disfagia) devem receber alimentação específica. Esta medida reduz o risco de aspirações e otites (dor de ouvido). não se deve esquecer que eles colaboram para o equilíbrio de todos os sistemas orgânicos. saliva). 10. imobilidade e dieta inadequada.                  Oferecer líquidos é de extrema importância. melhorando conseqüentemente a resistência da pele.2. a oferta adequada de líquidos possibilita uma expectoração mais rápida. criando sempre que possível à oportunidade de escolha pelo próprio paciente é de fundamental importância. várias vezes ao dia. este deve estar em posição sentada ou recostada em travesseiros. lágrimas. chás. A ingestão adequada de líquidos também é de extrema importância para a manutenção do adequado turgor cutâneo (elasticidade da pele). devem ser servidos sucos espessos – como vitaminas.

br Página 22 . os mais indicados são aqueles que possuem elástico na parte superior. Na verdade. as jóias deverão ser substituídas por bijuterias. por isso elas são abertas a mudanças. diante dele. Apenas supervisione. nos armários. conforme a variação da temperatura. pois além de serem fáceis de tirar e colocar. zíperes e presilhas. com a evolução da doença. a adoção de valores os quais acreditar e viver.politecnicoboock. Nas fases mais avançadas da doença. em função de sua praticidade. Pacientes limitados à cadeira de rodas ou poltronas. alas dificultam o trabalho do paciente para abri-los ou fechá-los. pois pode ser que haja necessidade de auxiliá-lo na combinação de cores. a identidade é relacional.com. orientando-o calmamente e gesticulando. As roupas devem ser simples. porém. Isso o ajudará a encontrar rapidamente o que procura. com a crescente globalização. pode ser mantido. dessa forma. Tenha calma e paciência. nunca esquecer de tirar ou colocar agasalhos. protegido. deverão ser preferencialmente abertas na parte da frente. Evite roupas com botões. se necessário. deve-se providenciar um roupão. caso o cadarço se desamarre.                Estimular a independência é fundamental. colocar-se no seu campo visual. não o apresse enquanto ele executa sua rotina de vestir-se. largas. ao falar com o paciente. deve-se dar preferência aos conjuntos do tipo moletom. a identidade se constrói e reconstrói naquelas identidades já existentes. ser conduzido ao banho. confeccionadas com tecidos próprios ao clima. ou seja. Deve-se estimular o ato de vestir-se sozinho. possibilitaram melhor qualidade de vida para as pessoas de modo que essas foram envelhecendo de maneira mais segura e saudável. Elas se formam a partir de três questões principais: a escolha de uma ocupação. A Identidade do Idoso Brasileiro O conceito de identidade é demasiadamente complexo. especialmente nos quadris. Todos os tipos de sapatos devem ser providos por solados antiderrapantes. O cuidador deve. 11. pois eles facilitam as quedas. Para que ele mesmo possa procurar suas roupas. para que o paciente possa se despir no quarto e. Preconceitos sobre o envelhecimento Colégio Politécnico Boock – www. O paciente pode ter perdido a capacidade de expressar sensações de frio ou calor. evitam que o paciente tropece e caia. Deve-se optar por roupas confortáveis. camisas ou suéteres. dando instruções com palavras fáceis de serem entendidas. No começo do século XXI. ou seja. No âmbito de alcançar a velhice bem sucedida. as tecnologias disponíveis à população. De preferência às roupas com elástico ou velcro. as pessoas freqüentemente planejam novas ocupações para suas vidas pós-aposentadoria. Essa nova busca proporciona uma transição para uma identidade diferente daquelas visadas há alguns anos atrás. Roupas como blusas. Dê a ele a oportunidade de optar pelo tipo de vestuário e as cores que mais lhe agradem. e o desenvolvimento de uma identidade sexual satisfatória. Deve-se evitar o uso de chinelos. O uso de objetos pessoais (acessórios). para facilitar a colocação ou retirada. cole fotos de peças e ou objetos pessoais na parte externa da gaveta ou guarda-roupas. Na medida do possível. o critério para a escolha do vestuário é ainda mais rigoroso.

(. o ―novo idoso‖ é influenciado por hábitos saudáveis. da identidade. hoje em dia. etc. mercado de trabalho e educacional. Segundo projeções demográficas. entre outros aspectos. hidroginástica. que por valores sociais impedem a participação do mesmo em vários cenários da sociedade. força. 10 § 2º O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física. o qual vem sendo um grande desafio. a questão do idoso brasileiro é um de difícil solução.politecnicoboock. teatro. beleza.br Página 23 . A idéia préconcebida sobre a velhice aponta para uma etapa da vida que pode ser caracterizada.) a identidade de idosos se constrói pela contraposição a identidades de jovens. influenciado pela integração de fatores sociais e comportamentais. idéias e crenças. no país. Os direitos do idoso Conforme o Estatuto do idoso. vivemos um período de muitas conturbações. pela decadência física e ausência de papéis sociais. o mundo do trabalho.Em nosso país. A nova imagem do idoso A imagem que possuímos dos idosos vem mudando devido ao avanço das tecnologias na área da saúde proporcionando uma elevação da expectativa de vida. como conseqüências. Não é apenas com a saúde física que o idoso do século XXI está mais cuidadoso. fazer cursos de informática. Cada vez o brasileiro está vivendo mais. O envelhecimento pode ser entendido como um processo múltiplo e complexo de contínuas mudanças ao longo do curso da vida. jardinagem. se têm também a contraposição das qualidades: atividade. construindo novos modelos. psíquica e moral abrangendo a preservação da imagem. Os chamados ―programas para a Terceira Idade‖. eles buscam manter ambos em atividade. Mercadante (1996) afirma ainda que. de valores. correspondendo a 8. e isso é alentador. Muitas vezes o idoso é visto pela sociedade como um indivíduo ―inútil‖ e ―fraco‖ para compor a força de trabalho. Ciente de que o corpo e a mente estão muitos associados. Um desses lugares densamente valorizado é aquele relativo ao mundo produtivo.com. ser velho significa na maioria das vezes estar excluído de vários lugares sociais. são espaços nos quais o convívio e a interação com e entre os idosos permitem a construção de laços simbólicos de identificação.. como voltar a estudar. na nossa sociedade. dos espaços e dos objetivos pessoais. presentes nos idosos. memória. De acordo com Mercadante (1996). Colégio Politécnico Boock – www. os idosos ultrapassam o número de 15 milhões. paradigmas de envelhecimento e construção de novas identidades sociais. potência e produtividade como características típicas e geralmente imputadas aos jovens e as qualidades opostas a esta última. pois hoje. da autonomia.. e onde é possível partilhar e negociar os significados da velhice. São vários os problemas econômicos e sociais que envolvem os campos da saúde. iremos ser a sexta população mundial de idosos. oferecem diferentes propostas para o lazer e ocupação do tempo livre. que entrou em vigor no dia primeiro de outubro de dois mil e três: Art. Dentre todos esses problemas.6% da população total do país.

A Identidade em Questão. Referências Bibliográficas: Estudos Interdisciplinares do Envelhecimento. Marilda Maria da Silva. 1999. Seção 11 . Hall. E. 1996. 12.. Stuart. A construção da identidade social de uma pessoa idosa através do discurso. Porto Alegre. As mulheres apresentam o dobro de probabilidade que os homens de serem afetadas.. Moreira. Scharfstein. p. A incontinência urinária é a perda incontrolável de urina. Em muitos casos. A incidência global da incontinência urinária aumenta progressivamente com a idade.Os direitos do idoso são garantidos por lei federal e cabe a cada um de nós também poder dar sua contribuição. Eloísa Adler. é neste período que se dá a sua contribuição mais significativa para a sociedade. Trabalho. Liu Pai Lin. . Pablo Picasso. Mais de 50% dos residentes de asilos de velhos apresentam incontinência. Aproximadamente um em cada três indivíduos idosos apresenta algum problema com o controle da bexiga. de infecções vesicais e da depressão. In: PAPALÉO NETTO. São inúmeros os exemplos de pessoas que continuam a ter uma vida produtiva e criadora mesmo após terem entrado no estágio da vida em que são consideradas idosas. Madre Teresa de Calcutá. e tantos outros. Paulo Autran.politecnicoboock.Incontinência Urinaria. v. A incontinência urinária pode ocorrer e ocorre em qualquer idade. São exemplos que mobilizam uma mudança da visão do idoso em nossa sociedade !!! Conferir entre outras algumas destas biografias: Cora Coralina. Colégio Politécnico Boock – www.1. Aspectos antropológicos do envelhecimento. incentivando-os e apoiando-os sem qualquer distinção deste. M. A incontinência urinária pode ser um motivo de internação de indivíduos idosos e contribui para o desenvolvimento de úlceras de decúbito. criativos. Oscar Niemeyer. MERCADANTE. Fernanda Montenegro. Jorge Luis Borges.br Página 24 . 77-89.. Idosos. produtivos.Distúrbio dos Rins e do Trato Urinário Capítulo 130 . qualidade de vida e envelhecimento. Gerontologia.. mas as suas causas tendem a ser diferentes entre as faixas etárias. Dalai Lama. 73-76.com. A incontinência urinária também produz situações embaraçosas e é frustrante. estimados. São Paulo: Atheneu. p.

politecnicoboock. A cistite (infecção da bexiga) é a causa mais comum. onde ela é armazenada. Quando a bexiga enche. Esta força de expulsão pode ser aumentada com a contração dos músculos da parede abdominal e do assoalho pélvico para aumentar a pressão sobre a bexiga. especialmente os diuréticos Incontinência de urgência Colégio Politécnico Boock – www. Tipo Descrição Algumas Causas Possíveis • Infecção do trato urinário • Bexiga hiperativa • Obstrução do fluxo urinário • Cálculos e tumores na bexiga • Medicamentos. decidir se irá urinar ou não. a qual flui através de dois longos tubos (os ureteres) até a bexiga. de modo consciente e voluntário. A incontinência urinária de início súbito freqüentemente indica um problema de bexiga.. O resultado dessas anormalidades é a incontinência urinária (perda de controle). permitindo que a urina flua através da uretra ao mesmo tempo em que os músculos da bexiga contraem para empurrar a urina para fora. em seguida. O Que Causa Incontinência? Incapacidade de postergar a micção por mais que alguns minutos após sentir a necessidade de urinar. A parte mais baixa da bexiga (o colo) está circundada por um músculo (o esfíncter urinário) que permanece contraído para manter fechado o canal que leva a urina para fora do corpo (a uretra). o consumo excessivo de bebidas que contêm cafeína ou de álcool e as condições que irritam a bexiga ou a uretra (p. Outras causas incluem os efeitos colaterais de medicamentos. constipação grave). alterações vesicais ou uretrais ou problemas dos nervos que inervam a bexiga. o músculo do esfíncter relaxa. O processo completo de retenção e liberação da urina (micção) é complexo e a capacidade de controlar a micção pode ser comprometida em diferentes etapas do processo devido a várias anormalidades. são enviados ao cérebro e o indivíduo toma consciência da necessidade de urinar. Essas alterações são particularmente comuns em idosos e mulheres na pós-menopausa.ex. de modo que a urina fica retida no interior da bexiga até que ela encha. vaginite atrófica. estímulos são transmitidos ao longo de certos nervos que ligam a bexiga à medula espinhal e.Os rins produzem urina constantemente. Ele pode então. Quando a decisão tomada é a de urinar. A incontinência urinária persistente (crônica) pode ser decorrente de alterações cerebrais.br Página 25 .com. Os tipos de incontinência urinária são classificados de acordo com o modo e o momento do início da incontinência: incontinência recente e repentina e incontinência de início gradual e persistente. os distúrbios que afetam a mobilidade ou causam confusão mental.

pois o esfíncter urinário não fecha Perda de controle por razões psicológicas • Obstrução do fluxo urinário. por esforço e de urgência) A incontinência urinária também é classificada de acordo com a sintomatologia. os indivíduos com incontinência de urgência normalmente têm pouco tempo para chegar ao banheiro. freqüentemente. freqüentemente sem sensação da bexiga Escape contínuo. depressão) Incontinência por transbordamento Incontinência total Incontinência psicogênica Incontinência mista Combinação dos problemas acima (p. As causas comuns de incontinência de urgência em indivíduos idosos são a hiperatividade da bexiga e distúrbios neurológicos (p.. Normalmente. comumente causada pela aumento da pressão abdominal. causado pelo uretra. ri. 12. diminuição da Escape de urina. faz força. habitualmente resistência ao fluxo urinário através da em pequenos jatos. acidente vascular Colégio Politécnico Boock – www. os indivíduos conseguem conter a urina durante algum tempo após a primeira sensação de que a bexiga está cheia. a incontinência de urgência não acompanhada por uma infecção é o tipo mais comum de incontinência em indivíduos idosos e.ex. usualmente causada pelo aumento benigno ou pelo câncer de próstata nos homens e pela estenose uretral (defeito congênito) nas crianças • Musculatura da bexiga enfraquecida • Disfunção nervosa • Medicamentos • Defeito congênito • Lesão do colo da bexiga (p. o deficiência de estrogênio qual ocorre quando o indivíduo • Alterações anatômicas causadas por tosse. de esforço. muitas mulheres • Combinação das causas acima apresentam incontinência mista.ex.ex. Em contraste.politecnicoboock.Incontinência por esforço • Fraqueza do esfíncter urinário (o músculo que controla o fluxo urinário da bexiga) • Nas mulheres.1... a urina escapa intermitentemente. remoção da próstata ou uma lesão da parte superior da uretra ou do colo da bexiga Acúmulo de urina na bexiga que se torna muito grande para que o esfíncter urinário consiga reter e.. espirra ou múltiplos partos ou por uma cirurgia levanta um objeto pesado pélvica • Nos homens.com. Uma mulher pode apresentar esta condição isoladamente ou concomitante com um grau variado de incontinência por esforço (incontinência mista). No entanto. Ela pode ser de urgência. isto é. de transbordamento ou total. conseqüentemente.br Página 26 . A causa aguda mais comum é a infecção do trato urinário. Causas e Tipos A incontinência de urgência é um desejo urgente de urinar seguido pela perda incontrolável de urina.ex. durante uma cirurgia) • Distúrbios emocionais (p. não apresenta uma causa evidente.

a obstrução da saída da bexiga (a abertura da bexiga para a uretra) é normalmente causada por um aumento benigno da próstata ou pelo câncer prostático. A bexiga neurogênica pode ser decorrente de várias causas como. pois quando as fezes enchem o reto. a incontinência por esforço pode ocorrer após uma cirurgia de remoção da próstata (prostatectomia. uma lesão nervosa causada pela esclerose múltipla.e demência). Em última instância. os quais interferem na capacidade do cérebro de inibir a bexiga. a causa mais comum é uma lesão do colo da bexiga e da uretra resultante de uma cirurgia. Colégio Politécnico Boock – www. ressecção transuretral da próstata) durante a qual ocorreu uma lesão da parte superior da bexiga ou do colo da bexiga. dia e noite.politecnicoboock. a causa são alterações uretrais resultantes do trabalho de parto ou de uma cirurgia pélvica. A incontinência por esforço é a perda incontrolável de urina durante a tosse. o médico freqüentemente consegue palpar a bexiga cheia. a obstrução do trato urinário inferior pode ser causada pela estenose da extremidade da uretra ou do colo da bexiga. acarretando distensão da bexiga e incontinência por transbordamento. Nas crianças. o levantamento de objetos pesados ou qualquer manobra que aumente a pressão intra-abdominal. Diversos medicamentos que afetam o cérebro ou a medula espinhal ou que interferem na transmissão nervosa (p. O escape ocorre quando a bexiga torna-se dilatada e insensível devido à retenção crônica de urina. A incontinência urinária por esforço é o tipo mais comum de incontinência entre as mulheres. uma lesão medular. Algumas vezes. Ao exame físico. A incontinência urinária de urgência torna-se um problema especial quando uma doença ou uma lesão impede que o indivíduo consiga chegar rapidamente ao banheiro.. A incontinência total é a condição na qual a urina escapa constantemente da uretra. a incontinência total normalmente é causada por uma lesão do colo da bexiga e da uretra ocorrida durante o trabalho de parto. conseqüentemente. A incontinência por transbordamento (ou paradoxal) é o escape incontrolável de pequenas quantidades de urina de uma bexiga cheia. Mesmo a constipação pode causar incontinência por transbordamento. traumatismos. o espirro. Ela ocorre quando o esfíncter urinário não fecha adequadamente. Nos adultos do sexo masculino. Menos comumente.ex. reduzindo a resistência ao fluxo urinário através desse canal. o diabetes. Nos homens. A pressão na bexiga aumenta tanto que ocorre um gotejamento de pequenas quantidades de urina. a qual pode ocorrer após uma cirurgia prostática.com. A disfunção nervosa que acarreta a bexiga neurogênica também pode causar incontinência por transbordamento. o indivíduo pode tornar-se incapaz de urinar porque o fluxo encontra-se bloqueado ou porque os músculos da parede da bexiga não conseguem mais contrair. alcoolismo e intoxicação medicamentosa. a obstrução pode ser causada pela estenose do colo da bexiga ou da uretra. a incontinência por esforço ocorre devido ao fato da carência de estrogênio (um hormônio) contribuir para o enfraquecimento da uretra e. o colo da bexiga e a uretra são pressionados. principalmente a prostatectomia devido a um câncer. por exemplo. Nos homens. Ela pode ser causada por um enfraquecimento do esfíncter urinário. Nas mulheres. drogas anticolinérgicos e narcóticos) podem comprometer a capacidade de contração da bexiga. Nas mulheres que se encontram na pós-menopausa.br Página 27 . Algumas crianças apresentam esse tipo de incontinência devido a um defeito congênito no qual a uretra não se fecha como um tubo. o esforço.

O médico pode suspeitar de uma causa psicológica quando o sofrimento emocional ou a depressão é evidente e as outras causas de incontinência foram descartadas. sendo particularmente úteis nos casos de incontinência crônica. A quantidade de urina que permanece na bexiga após a micção (urina residual) é freqüentemente mensurada com o a auxílio da ultra-sonografia ou da sondagem vesical (colocação de um pequeno tubo. 12. é realizada a mensuração da pressão no seu interior. É realizada a passagem de uma sonda vesical e. a pressão aumenta em espasmos súbitos ou aumenta muito rapidamente antes da bexiga estar completamente cheia. muitos casos de incontinência podem ser curados ou controlados.3. uma criança pode apresentar uma incontinência decorrente tanto de uma disfunção nervosa quanto de fatores psicológicos. Deve ser realizado um exame de urina para se verificar a presença de infecção. Algumas vezes. No entanto. do exame vaginal nas mulheres e da observação da perda de urina durante a tosse ou durante a realização de um esforço.politecnicoboock. A incontinência por esforço é diagnosticada através da história clínica do problema. pode ser necessária a realização da avaliação urodinâmica (exames especiais realizados durante a micção). Em alguns indivíduos.com. Um homem pode apresentar uma incontinência por transbordamento devido ao aumento da próstata juntamente com uma incontinência de esforço devido a um acidente vascular cerebral. a causa pode ser descoberta e um plano terapêutico pode ser elaborado após a realização de uma anamnese (história clínica) e de um exame físico. Algumas vezes. O registro das alterações da pressão ajuda o médico a determinar o mecanismo da incontinência e o melhor tratamento. O exame ginecológico também ajuda a determinar se o revestimento uretral ou vaginal sofreu um adelgaçamento devido à falta de estrogênio. As mulheres idosas freqüentemente apresentam um misto de incontinência de urgência e por esforço. Outro exame mensura a velocidade do fluxo urinário. ocorrem tipos mistos de incontinência. Normalmente. especialmente quanto o tratamento é iniciado precocemente. Este tipo ocorre ocasionalmente em crianças e mesmo em adultos que apresentam problemas emocionais. Diagnóstico Comumente.A incontinência psicogênica é a incontinência decorrente de causas emocionais e não de causas físicas. Um grande volume de urina residual indica uma obstrução ou algum problema dos nervos ou da musculatura da bexiga.2. a pressão aumenta lentamente. Esses exames mensuram a pressão da bexiga em repouso e quando ela enche. denominado sonda ou cateter. Tratamento O tratamento ideal depende da análise minuciosa do problema de forma individualizada e varia de Colégio Politécnico Boock – www. os indivíduos tendem a conviver com a incontinência sem buscar auxílio profissional por terem medo ou por sentirem-se embaraçados para discutir o problema com o médico ou porque eles acreditam equivocadamente que a incontinência faz parte do processo de envelhecimento normal. Normalmente.br Página 28 . 12. A enurese (ato de urinar na cama) persistente pode ser um exemplo. Este exame pode ajudar a determinar se o fluxo urinário encontra-se obstruído e se os músculos da bexiga conseguem contrair com uma força suficiente para expulsar a urina. Por exemplo. enquanto a bexiga é cheia com água através da sonda. no interior da bexiga).

acordo com a natureza específica do problema. A maioria dos indivíduos com insuficiência urinária pode ser curada ou podem ser ajudados consideravelmente. Freqüentemente, o tratamento exige apenas a instituição de medidas simples para mudar o comportamento. Muitos indivíduos podem recuperar o controle vesical através de técnicas de modificação comportamental como, por exemplo, urinar em intervalos regulares (a cada 2 a 3 horas) para manter a bexiga relativamente vazia. Evitar irritantes da bexiga (p.ex., bebidas que contêm cafeína) e a ingestão de uma quantidade de líquido (6 a 8 copos de 240 ml por dia) para evitar que a urina se torne concentrada (o que pode irritar a bexiga) pode ser medidas úteis. Freqüentemente, o uso de medicações que afetam a função da bexiga de modo adverso pode ser interrompido. Tratamentos específicos (descritos a seguir) devem ser tentados. Quando é impossível controlar totalmente a incontinência urinária com tratamentos específicos, absorventes e roupas de baixo especialmente projetadas para incontinência urinária podem proteger a pele, permitindo que os indivíduos permaneçam secos, confortáveis e socialmente ativos. Esses dispositivos são discretos e podem ser facilmente adquiridos. Os episódios de incontinência de urgência freqüentemente podem ser evitados através da micção em intervalos regulares, antes do surgimento da urgência miccional. As técnicas de treinamento vesical, os quais incluem os exercícios da musculatura pélvica e o biofeedback, podem ser muito úteis. Alguns medicamentos que relaxam a bexiga (p.ex., propantelina, imipramina, hiosciamina, oxibutinina e diciclomina) também podem ser úteis. Apesar de muitas das drogas disponíveis poderem ser muito úteis, cada uma atua de forma diferente e pode causar efeitos adversos. Por exemplo, um medicamento que relaxa a bexiga pode reduzir a irritabilidade desse órgão e a forte urgência para urinar, mas pode causar ressecamento da boca ou uma retenção excessiva de urina. Algumas vezes, os outros efeitos do medicamento podem ser utilizados de modo vantajoso. Por exemplo, a imipramina é um antidepressivo eficaz e pode ser particularmente útil no tratamento de um indivíduo que apresenta incontinência urinária e depressão. Às vezes, as combinações de medicamentos podem ajudar. O tratamento medicamentoso deve ser controlado e ajustado segundo as necessidades individuais. Em muitas mulheres com incontinência por esforço, o problema pode ser aliviado com a aplicação de um creme vaginal de estrogênio ou o uso oral de comprimidos de estrogênio. Os adesivos cutâneos de estrogênio ainda não foram estudados para o tratamento da incontinência. Outros medicamentos que ajudam a contrair o esfíncter (p.ex., fenilpro-panolamina, pseudo-efedrina) devem ser concomitantemente com o estrogênio. Para as mulheres com fraqueza da musculatura pélvica, os exercícios (de Kegel) que reforçam essa musculatura podem ser úteis. O auto-aprendizado dessas técnicas de contração muscular não é fácil e, por essa razão, são freqüentemente utilizados mecanismos de biofeedback para ajudar no treinamento. Os enfermeiros ou os fisioterapeutas podem auxiliar no ensino desses exercícios. Os exercícios implicam na contração repetida da musculatura, várias vezes ao dia, para desenvolver a resistência e aprender a utilização adequada da musculatura, nas situações que provocam incontinência (p.ex., tosse). Podem ser utilizados absorventes para reter as pequenas quantidades de urina que geralmente escapam durante os exercícios. Os casos mais graves, os quais não respondem aos tratamentos não-cirúrgicos, podem ser corrigidos cirurgicamente através da utilização de qualquer um dos vários procedimentos de levantamento da bexiga e do fortalecimento do fluxo urinário de saída. Em alguns casos, a injeção de colágeno em torno da uretra é eficaz. Para a incontinência por transbordamento causada pelo aumento da próstata ou por uma outra
Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br Página 29

obstrução, a cirurgia normalmente é necessária. Existem disponíveis vários procedimentos de remoção parcial ou total da próstata. O medicamento finasterida freqüentemente consegue reduzir o tamanho da próstata ou interromper o seu crescimento, de modo que a cirurgia pode ser evitada ou postergada. As drogas que relaxam o esfíncter (p.ex., terazosina) também são freqüentemente úteis. Quando a causa é a contração fraca da musculatura da bexiga, os medicamentos que aumentam a contração vesical (p.ex., betanecol) podem ser úteis. A aplicação de uma leve pressão através da compressão da região abdominal inferior com as mãos, logo acima da bexiga, também pode ser útil, especialmente para os indivíduos que conseguem esvaziar a bexiga, mas apresentam dificuldade para esvaziá-la completamente. Em alguns casos, é necessária a sondagem (cateterização) vesical pra drenar a bexiga e prevenir complicações (p.ex., infecções recorrentes e lesão renal). A sonda pode ser mantida de modo permanente ou pode ser inserida e removida de acordo com a necessidade. A incontinência urinária total pode ser tratada através de diversos procedimentos cirúrgicos. Por exemplo, um esfíncter urinário que não fecha adequadamente pode ser substituído por um esfíncter artificial. O tratamento da incontinência psicogênica consiste de psicoterapia, normalmente coordenada com a modificação comportamental e o uso dos dispositivos que despertam a criança quando a enurese começa ou com o uso de medicamentos que inibem as contrações da bexiga. O indivíduo com incontinência e depressão pode ser beneficiado com o uso de medicamentos antidepressivos.

13.
Geriatria Cuidados com o aparelho locomotor

O aparelho locomotor é formado por ossos, articulações e músculos, sendo responsável pela sustentação e pela movimentação do corpo. Divide-se em: tronco; pernas e pés (membros inferiores); braços e mãos (membros superiores). A locomoção é fundamental para a saúde de todo ser humano, e principalmente para o paciente geriátrico. A falta de locomoção pode causar: aumento da osteoporose; úlceras de pressão — feridas de atrito, por passar muito tempo na mesma posição; prisão de ventre; problemas urinários e respiratórios; redução da força e do tônus muscular; aumento do risco de infecções e embolias.
Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br Página 30

A prevenção de problemas no aparelho locomotor deve garantir a movimentação apropriada e manter a postura sempre correta, evitando assim danos à coluna vertebral. Como orientar a correta movimentação do idoso Os idosos em repouso tendem a se movimentar pouco na cama, mas é recomendável que sejam incentivados a fazer rotações e mudar de posição, para evitar sérios problemas de saúde. O processo de rotação é bastante simples de ser orientado, mas, para facilitá-lo, o cuidador deve colocar uma tábua por baixo caso o colchão seja muito mole. Siga as instruções para cada movimento específico: Mover-se na cama Sentar Levantar Levantar da cama Ficar de pé Andar

Mover-se na cama Os pacientes que ainda se movem sozinhos podem fazer estes movimentos sem auxílio: flexionar os joelhos, apoiando os pés sobre a cama e virando as pernas para o lado que se pretende girar; entrelaçar as mãos e levantá-las, esticando os cotovelos simultaneamente. finalmente, rodar a cabeça para este mesmo lado. Se o paciente for incapaz de realizar este exercício sozinho, o profissional ou o cuidador deve ajudá-lo, ficando a seu lado e seguindo as instruções do item acima. Para dar continuidade: segurar com firmeza o paciente, colocando as mãos sobre o lado do corpo que ficará para cima após o movimento; apoiar uma mão na altura do ombro e a outra nos quadris; depois, mover com delicadeza o paciente para o lado desejado, solicitando que ele olhe para as mãos, para que mova a cabeça ao mesmo tempo. Sentar A maioria dos idosos, mesmo tendo boa saúde e independência para locomover-se, sofre de problemas nas articulações e no sistema circulatório, de falta de vigor muscular e coordenação motora, principalmente para a sustentação do tronco. O HOSPITALGERAL.com reuniu algumas recomendações importantes sobre os tipos de assento aconselháveis:

Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br

Página 31

e para que não escorregue no assento. os ombros e a cabeça. caso o paciente não seja capaz de se levantar sozinho. Isto pode ser muito perigoso. o cuidador deve segurá-lo pelas costas. e dê um impulso sobre a perna mais hábil. joelhos e pés formando um ângulo de 90°.politecnicoboock. o material do estofado do assento deve ser firme. a seguir. é recomendável que apóie o braço saudável no braço do assento. com o mesmo intuito. não é aconselhável superproteger o idoso quando for auxiliá-lo. O cuidador deve prestar a ajuda mínima necessária para motivá-lo a fazer por si próprio. manter as costas completamente apoiadas no encosto. Caso o idoso seja incapaz de se sentar sozinho. Caso seja preciso.os apoios para os braços são essenciais. e de fácil lavagem. Realizando o movimento se o paciente estiver muito incapacitado. deve colocar as mãos sobre os braços da poltrona e inclinar-se para frente. o encosto deve proporcionar um bom apoio para as costas. segurar os braços de apoio do assento com as mãos e dar impulso. os idosos necessitam usar bengalas ou se apoiar em qualquer outro objeto para se levantarem do assento. manter quadris. Então leia esta seção abaixo e saiba como ajudar nestes casos: o idoso deve ir até a beirada da cama. até que toque com toda a parte das costas o encosto da poltrona. colocar um suporte. flexionando os joelhos até se sentar. para que o idoso se sente com a postura correta. deve usar seus próprios pés e joelhos para firmar os do paciente.com. Postura correta do idoso sentado apoiar completamente os pés no chão. distribuir o peso do corpo. inclinar a cabeça e o tronco para frente com os pés apoiados no chão e ligeiramente separados. além de difícil e incômodo. como um banquinho ou almofada. o cuidador. para a maior comodidade e para facilitar os movimentos de levantar e sentar. quando o idoso tiver alguma deficiência em um dos braços. o cuidador deve pegá-lo por debaixo das axilas. deixando o idoso realmente confortável. ao sentá-lo. Colégio Politécnico Boock – www. evitando que eles fiquem pendurados. Levantar Em muitos casos. para facilitar a movimentação do idoso. usar seus próprios joelhos e pés para firmar os do paciente e colocar uma das pernas entre as dele. o idoso precisa aproximar-se o suficiente do assento até encostar nele com a parte de trás dos joelhos. tanto no sentar como no levantar.br Página 32 .

desta forma. Por isso. apoiar os cotovelos e as mãos. ainda que com uma ligeira flexão. segurando-o pela mão para que ele sinta mais segurança. com um ligeiramente à frente do outro. o idoso não irá se acostumar mal. Para sentar o paciente quando estiver deitado. Caso o paciente precise de auxílio. ao mesmo tempo que é puxado para cima até que fique de pé.com. entre outros. e são considerados muito estáveis. Andar O andar nos idosos pode ser dificultado por diversos fatores. Caso o idoso precise de meio auxiliar para andar Em muitos casos o paciente deve usar bengalas e muletas como auxílio para caminhar. mas mesmo assim deixando que ele faça esforço.br Página 33 . e erguer a cabeça. abraçando o idoso.politecnicoboock. graduando-a de acordo com a necessidade. por baixo das axilas. deve-se sempre policiá-los e conscientizá-los da importância de manter a postura ereta. porém com movimentação independente. o cuidador deve: posicionar-se de frente para ele. É fundamental que se faça o uso correto das Colégio Politécnico Boock – www. como doenças físicas ou psíquicas e o próprio envelhecimento. baixar os pés ao chão. pode-se usar uma escada de corda. motivá-lo a se levantar. com os joelhos flexionados junto aos dele e usando os pés para firmar os do paciente. deve: colocar as pernas para a beirada da cama. Ficar de pé A maioria dos idosos tendem a ficar curvados quando estão em pé. Os meios auxiliares mais usados pelos idosos são: Tripé e bengala de quatro pés: São recomendados para pessoas com idade mais avançada e com muita instabilidade. ou também trapézios que auxiliam no levantar. Muletas: São consideradas de uso simples. mas em muitos casos não oferecem a estabilidade necessária. e por isso alguns idosos não se adaptam a elas. posicionar os quadris paralelos ao tronco ereto.Levantar da cama O idoso com dificuldade. sentando na cama. o que requer muito cuidado e alguns conhecimentos básicos. Caso o idoso precise de ajuda para andar O cuidador deve caminhar ao seu lado. Ou seja: colocar os pés afastados. e os pés apoiados no chão.

14. Andadores: eles podem ou não possuir rodas. Além disso. aumenta a probabilidade de ocorrência de doenças crônicas. os médicos devem prescrever doses menores de muitos medicamentos para pacientes idosos ou um menor número de doses diárias. essas drogas atingem níveis mais elevados de concentração nas pessoas idosas. Medicamentos e Envelhecimento Com o envelhecimento. Medicamentos que baixam a pressão arterial por meio do relaxamento das artérias e de redução da tensão sobre o coração tendem a baixar a pressão de forma muito mais acentuada nos idosos que nas pessoas jovens. É preciso sempre lembrá-lo de que deve levantar os pés para andar. Por essas razões. É necessário atentar para o peso e a altura do paciente. que deve ser ereta e acompanhada do balançar dos braços. e funciona como uma extensão do braço: deve-se posicioná-la pouco à frente do corpo e paralela a ele.com. os rins tornam-se menos capazes de excretar as drogas na urina. muitos medicamentos tendem a permanecer no corpo das pessoas idosas durante um tempo muito maior do que ocorreria no organismo de uma pessoa mais jovem. Bengala: é o meio mais utilizado. quando o grau de instabilidade é alto. Em quase todos os casos. Para que seu uso seja correto.politecnicoboock. por isso. fica longe do andador. colocando primeiro o calcanhar e depois a ponta do pé. as pessoas idosas tendem a ficar mais sonolentas e apresentam maior possibilidade de ficar confusas ao tomar drogas ansiolíticas ou indutores do sono. O organismo do idoso também é mais sensível aos efeitos de muitos medicamentos. Caso o idoso não precise de ajuda para andar Mesmo que o idoso consiga caminhar sozinho. Cérebro. olhos. Em média. além de conferir se a bengala possui uma ponteira com borracha antiderrapante. Os andadores são recomendados em situações mais graves. Certos medicamentos tendem a causar reações adversas com mais freqüência e intensidade nos idosos. À medida que as pessoas vão envelhecendo. é necessário fazer pressão com as mãos. Pode ser arriscado não seguir as orientações do médico em relação ao uso de medicamentos.muletas: o paciente deve colocar o braço na braçadeira de apoio e a mão no punho. e o fígado. o que favorece o risco de quedas e acidentes. bexiga e intestinos tornam-se consideravelmente mais sensíveis aos efeitos colaterais anticolinérgicos de alguns medicamentos de uso freqüente. a fim de melhorar a sustentação. existem substitutos mais seguros à disposição. as pessoas idosas em geral tomam mais medicamento que os adultos jovens. Isto porque o idoso. em muitos casos. vasos sangüíneos.br Página 34 . coração. uma pessoa idosa toma quatro ou cinco medicamentos de receita obrigatória e dois de venda livre. Colégio Politécnico Boock – www. No entanto. a quantidade de água no organismo diminui. Os idosos são duas vezes mais suscetíveis a reações medicamentosas adversas que os adultos jovens. denominada sistema nervoso colinérgico. segurar nos punhos e posicionar o aparelho próximo ao corpo. devendo por isso ser evitados. Também a probabilidade de reações adversas serem mais severas é maior para os idosos. Deve ser usada do lado oposto ao lado lesado. menos capaz de metabolizar muitas delas. Em decorrência disso. ainda precisa de orientação sobre sua postura ao andar. Como muitas drogas se dissolvem na água e há menos água disponível para sua dissolução. Por exemplo. As drogas com efeitos anticolinérgicos bloqueiam a ação normal da parte do sistema nervoso.

14. Drogas Antiulcerosas Doses usuais de alguns bloqueadores da histamina (em especial de cimetidina e. Colégio Politécnico Boock – www. 14. difenidramina. Antidepressivos Em razão de suas fortes propriedades anticolinérgicas e sedativas. das pernas e do corpo. sendo consideravelmente mais tóxica.4. Para a maioria das pessoas. mas. A doxepina também é um potente anticolinérgico. Entre todas as drogas antiinflamatórias não esteróides.br Página 35 . tontura. A ticlopidina pode ter utilidade como alternativa para pessoas que não podem tomar aspirina. Como os outros narcóticos (opióides). até certo ponto. pode causar problemas. 14. Anti-histamínicos Todos os anti-histamínicos de venda livre e muitos de receita obrigatória produzem efeitos anticolinérgicos potentes. confusão e (raramente) respiração lenta. quando administrada por via oral. essa substância pode causar dependência.a não adesão às orientações clínicas não é mais comum entre idosos do que entre pessoas mais jovens. essa substância provoca confusão mental ou tontura. essa substância oferece pouca vantagem. a amitriptilina geralmente não é o melhor antidepressivo para pessoas idosas. Analgésicos O propoxifeno não oferece maior alívio da dor que o acetaminofeno e provoca efeitos colaterais narcóticos. ciproeptadina. Para a maioria das pessoas. não é muito eficaz contra a dor e freqüentemente produz confusão mental. A pentazocina é um analgésico narcótico que apresenta maior possibilidade de provocar confusão mental e alucinações. Às vezes.5. Substâncias Anticoagulantes No idoso. como movimentos anormais dos braços. Não tomar um remédio. a ticlopidina não é mais eficaz que a aspirina na prevenção de coágulos sangüíneos. nizatidina e famotidina) podem causar efeitos adversos. na prevenção da formação de coágulos sangüíneos.2. Medicamentos contra Náusea (antieméticos) A trimetobenzamida é uma das drogas menos eficazes contra a náusea e pode provocar efeitos adversos.3. 14. Uma pessoa idosa que não deseja seguir as orientações clínicas deve discutir a situação com seu médico em vez de agir sozinha. ou tomá-lo em doses erradas. 14.6. por exemplo. hidroxizina. a indometacina é a que mais afeta o cérebro. de ranitidina. em comparação com outros narcóticos. a meperidina é um analgésico potente. o dipiridamol pode provocar tontura quando o indivíduo se levanta (hipotensão ortostática). prometazina. As drogas incluem: clorfeniramina. 14. em comparação com a aspirina. principalmente confusão mental.com. provocando o surgimento de outra doença ou levando o médico a mudar o tratamento por acreditar que o remédio não funcionou. Pode causar constipação.1.politecnicoboock. Quando injetada. Drogas que Representam Aumento de Risco em Pessoas Idosas.

Antiespasmódicos Gastrintestinais Antiespasmódicos gastrintestinais. alcalóides da beladona e clidínio-clordiazepóxido são administrados no tratamento das cólicas e dores estomacais. 14. isoladamente ou em combinação com outros medicamentos. distúrbios do movimento e efeitos colaterais anticolinérgicos. 14. Drogas Antidiabéticas (hipoglicemiantes) A clorpropamida tem efeitos prolongados. em geral os anti-histamínicos não são apropriados para combater a coriza e outros sintomas de infecção viral. não foi estabelecida sua eficácia no tratamento de distúrbios comportamentais associados à demência (como agitação. 14. pois pode induzir à depressão. clorzoxazona metaxalona e ciclobenzaprina provocam efeitos colaterais anticolinérgicos. Normalmente os medicamentos contra tosse e resfriado que não incluem antihistamínicos em suas fórmulas são mais seguros para pessoas idosas.tripelenamina. a clorpropamida também diminui o nível de sódio no sangue. provocando sedação. A necessidade do tratamento deve ser freqüentemente reavaliada. sedação e tontura quando a pessoa se levanta. carisoprodol. hiosciamina. oxibutinina. as pessoas idosas devem usar antipsicóticos em doses pequenas. Antipsicóticos Embora antipsicóticos como clorpromazina. arremesso de objetos e agressão). Mesmo que possam ser úteis no tratamento de reações alérgicas e alergias sazonais. Freqüentemente essas drogas são tóxicas. como metocarbamol. Por promover a retenção de água pelo organismo. dexclorfeniramina e medicamentos combinados contra resfriado.10. repetição de perguntas. Colégio Politécnico Boock – www. tioridazina e tiotixeno sejam eficazes no tratamento dos distúrbios psicóticos. O uso de reserpina é arriscado. Nos casos em que há necessidade de anti-histamínicos. e os medicamentos devem ser interrompidos o mais rápido possível. 14. Essas substâncias são altamente anticolinérgicas. e sua utilidade – em especial nas baixas doses toleradas pelas pessoas idosas – é questionável.politecnicoboock. dá-se preferência aos que não produzem efeitos anticolinérgicos (loratadina e astemizol). sedação e debilidade. propantelina. haloperidol. Relaxantes Musculares e Antiespasmódicos Quase todos os relaxantes musculares e antiespasmódicos. Suplementos de Ferro Doses de sulfato ferroso que excedam 325 miligramas diários não melhoram muito sua absorção e podem causar constipação. É questionável a utilidade de todos os relaxantes musculares e antiespasmódicos nas baixas doses toleradas pelos idosos. como diciclomina. No caso de o uso ser imprescindível. devaneios.br Página 36 . que são exagerados nas pessoas idosas e podem causar longos períodos de baixos níveis de açúcar no sangue (hipoglicemia).7. impotência. Anti-hipertensivos A metildopa.9. pode reduzir os batimentos cardíacos e agravar a depressão.com.8.

11. um anti-histamínico. exceto para o tratamento de distúrbios convulsivos. Clordiazepóxido. Treinamento de força  Exercícios para treinar a força Colégio Politécnico Boock – www. seus efeitos anticolinérgicos são efeitos colaterais. Anticolinérgico: O Que Isso Significa? A acetilcolina é um dos muitos neurotransmissores do organismo. por mais de 96 horas). isoladamente ou em combinação com outras. Também interagem com muitas outras substâncias. é o ingrediente ativo em muitos sedativos de venda livre.com. podem causar sonolência prolongada e aumentam o risco de quedas e fraturas. mas outras capacidades e habilidades também serão abordadas.politecnicoboock. 1. constipação. além de não oferecer vantagens em relação aos benzodiazepínicos. no entanto. O enfoque principal é treinamento de equilíbrio. Mas a difenidramina produz efeitos anticolinérgicos potentes. Pessoas idosas são particularmente sensíveis às drogas com efeitos anticolinérgicos porque. Treinamento do equilíbrio   Fundamentos de treinamento (equilíbrio) Exercícios para treinar o equilíbrio 2. Ansiolíticos e Indutores do Sono O meprobamato. produzem mais efeitos adversos que outras drogas utilizadas no tratamento da ansiedade e da insônia. uma vez que o equilíbrio em seres humanos é dependente de inúmeros fatores. boca seca. 14. não foi projetada para bloquear a acetilcolina. 15. tontura e dificuldade de micção ou perda do controle da bexiga. Atividade Física Ações do documento Nesta seção. Sedativos. diazepam e flurazepam – benzodiazepínicos utilizados no tratamento da ansiedade e insônia – têm efeitos extremamente prolongados nos idosos (em geral. Drogas com efeitos anticolinérgicos podem provocar confusão mental. turvamento da vista. diminui tanto a quantidade de acetilcolina no organismo quanto a capacidade orgânica de utilização da acetilcolina existente no corpo. como o secobarbital e o fenobarbital.12. com a idade. apresenta muitas desvantagens.14. A maioria dessas substâncias. Diz-se que as drogas que bloqueiam a ação do neurotransmissor acetilcolina têm efeitos anticolinérgicos. apresentamos conceitos relacionados à atividade física para idosos. Barbitúricos. A difenidramina.br Página 37 . os idosos devem evitar os barbitúricos. Em geral. Essas drogas. Neurotransmissor é uma substância química utilizada pelas células nervosas para a intercomunicação e para a comunicação com os músculos e com muitas glândulas.

Estágio III – apoiar apenas um dedo na cadeira. é essencial ter em mente que. As cargas utilizadas devem ser iguais para ambos os lados do corpo. Os estágios a seguir trazem uma progressão que pode ser facilmente utilizada durante os exercícios de treinamento de força:      Estágio I – apoiar as duas mãos em uma cadeira (ou qualquer outro apoio). Quando os pesos não estiverem sendo usados. tornando o exercício perigoso para portadores de problemas cardiovasculares. pois sua utilização durante o andar aumenta o risco de quedas.com. e inspirar enquanto o membro volta à posição inicial. Treinamento de resistência aeróbia   Fundamentos de treinamento (resistência) Exercícios para treinar a resistência aeróbia 4. Cada repetição deve ser executada da seguinte maneira: 3 segundos para realizar o movimento. Para tal. Estágio V – se houver grande estabilidade no estágio IV.1. Página 38 Colégio Politécnico Boock – www. Pequena dor muscular e alguma fadiga são normais nos dias seguintes à prática. os exercícios podem ser realizados sem o apoio das mãos e de olhos fechados.politecnicoboock. 1 segundo mantendo a posição alcançada. A respiração deve se dar normalmente durante a execução dos exercícios. mas se esses sintomas aparecerem de maneira excessiva.3. apesar de os exercícios estarem sendo direcionadas para o treinamento do equilíbrio. É importante remover os pesos utilizados nos membros inferiores para andar. que pode consistir em uma caminhada leve e movimentação dos membros utilizados nos exercícios (aproximadamente 10 minutos de duração). No entanto. Treinamento de flexibilidade   Fundamentos de treinamento (flexibilidade) Exercícios para treinar a flexibilidade Fundamentos de treinamento (equilíbrio) 15. provavelmente a intensidade do treinamento está alta demais. as mesmas precauções tomadas durante o treinamento de força devem ser consideradas antes de se iniciar uma sessão dessa atividade.         É importante treinar todos os grupos musculares principais.br . Ações do documento Alguns exercícios utilizados para o treinamento de força dos membros inferiores podem também ser utilizados para o treinamento do equilíbrio. Como neste estágio há um maior risco de instabilidade. evitando treinar o mesmo grupo muscular dois dias consecutivos. é importante expirar durante o levantamento. Antes do treinamento deve ser realizado um aquecimento. é importante haver alguém acompanhando o executante para evitar possíveis acidentes. Estágio II – apoiar apenas uma mão na cadeira. e mais 3 segundos para retornar à posição inicial. pode-se adotar uma seqüência de estágios que desafia com dificuldade progressiva a capacidade de se equilibrar. para que não haja o risco de alguém tropeçar neles. Nos exercícios de elevação do membro inferior. é importante colocá-los em lugares apropriados. Estágio IV – realizar o exercício sem apoio dos membros superiores. Prender a respiração pode gerar variações na pressão sanguínea.

Inicialmente. é importante selecionar uma carga mais adequada à pessoa em questão. O controle de carga se dá essencialmente de duas maneiras distintas: pesos anexados ao membro executando o movimento. é importante que não haja nenhum peso extra. podendo assim não estimular os músculos da maneira adequada para os objetivos do exercício). e deve ser aumentada. para que haja um devido aprendizado dos exercícios. e sim ao momento em que ocorre um grande desconforto em realizar o movimento (devido ao cansaço do músculo).   Se houver qualquer dor nas articulações durante a execução dos exercícios (principalmente com relação à utilização de pesos). e. Cada repetição deve ser feita em aproximadamente 6 segundos. essa ausência de cargas extras permite uma facilidade maior para executar os exercícios. o número de repetições por série. O número de repetições que apresenta um ganho interessante na força em idosos está entre 8 e 15. Assim.com. É importante lembrar que esse número não está relacionado ao momento em que o músculo não mais consegue realizar o movimento. Após ser criada uma intimidade entre o executante e os exercícios. a carga deve ser escolhida de maneira que. como descrito a seguir. Se não for possível realizar 8 repetições. Colégio Politécnico Boock – www. decidir a carga utilizada nesse treinamento é um fator importantíssimo para que haja eficiência e segurança durante a sua execução. deve ser executado um exercício para cada grupo muscular principal. levando assim a um melhor aprendizado e conseqüente aproveitamento dos exercícios. Mas é também importante fornecer orientação sobre como os exercícios devem ser feitos. Além de o peso dos próprios membros já servirem como uma ótima carga inicial. neste caso em particular. Como o enfoque principal do PEQUI é a prevenção de quedas na população idosa. As primeiras sessões devem sempre ser realizadas sem carga extra. Se mais de 15 repetições forem alcançadas. A literatura voltada para exercícios em idosos mostra muita coerência no que diz respeito às suas características. os exercícios devem ser feitos de maneira a não atingi-los. O número de séries pode variar entre um e três por sessão de treinamento. Essa amplitude deve ser regulada pela flexibilidade de cada um. Cada exercício deve ser executado em séries. Se a dor ocorrer apenas em ângulos extremos nas articulações. devem possuir de 8 a 15 repetições. é interessante disponibilizar exercícios que contribuam para tal de maneira prática. a tendência é que cada vez fique mais fácil realizar o número de séries e de repetições estipulados inicialmente. a carga está muito alta. e de fácil entendimento de todos. assim. A cada sessão. Os itens apresentados acima são muito simples e práticos. maior deverá ser o descanso entre as séries). sendo que as sessões devem ocorrer duas vezes por semana. sendo que cada série corresponde a um grupo de repetições desenvolvidas de forma contínua. À medida que o treinamento ocorre. de maneira que simultaneamente haja alongamento da musculatura oposta àquela realizando o movimento.br Página 39 . A amplitude dos movimentos deve ser a maior possível. que correspondem a: 3 segundos para realizar o movimento e 3 segundos para retornar à posição inicial (lembrando que é mais válido realizar um exercício lentamente e de maneira correta que realizá-lo rapidamente. ou seja. em cada série. sendo que a literatura relata que esse tempo deve estar entre 1 min e 3 min (é importante lembrar que esse tempo de descanso corresponde à recuperação do músculo. Neste momento. além de ser feita em limites nos quais não ocorrem dores nas articulações. ficando difícil portanto definir dados de maneira absoluta. o indivíduo consiga realizar de 8 a 15 repetições. No entanto. com oito repetições cada. o tempo que ele leva para estar metabolicamente preparado para novamente realizar o exercício. É importante haver um descanso entre cada série.politecnicoboock. deve-se para o treino. e deve ser diminuída. mudam-se as regras para carga. quanto maior a intensidade/ repetições realizadas. e o número de séries. sem interrupções. Também é interessante que no início seja executada apenas uma série por exercício. o que diminui o controle do movimento. significa que a carga está muito baixa.

Human Kinetics. 2003.com. J. Publication Number NIH 99-4258.br Página 40 . United States of America. e novamente deveria ser ajustada. 2ª Edição.politecnicoboock.J.. KRAEMER. Exercise for Older Adults: ACE’s (American Council on Exercise) Guide for fitness professionals. BEST-MARTINI. United States of America. deveria haver um aumento de peso). W.2.  Flexão Plantar Colégio Politécnico Boock – www. K. Exercícios para treinar o equilíbrio Nesta seção apresentamos alguns exercícios para treinamento de equilíbrio e esses exercícios podem ser ministrados obedecendo os princípios de treinamento. Editora Artmed. Mas o número de séries não deve ultrapassar 3 (quando estiverem sendo feitas 3 séries com 15 repetições. São Paulo. Como uma carga que permita mais de 15 repetições não trará os mesmos benefícios que uma carga que corresponda a um máximo de 8 a 15 repetições. essa maior facilidade em realizar os exercícios deve ser acompanhada por um aumento da carga das sessões de treinamento. sendo que neste caso deve haver uma diminuição no número de séries).Como só há ganho de força à medida que o corpo é desafiado. Isso pode ocorrer de duas maneiras. o que deve ser feito simultâneo a um pequeno decréscimo na quantidade de pesos utilizada. 15.A. Human Kinetics. À medida que ocorre aumento da força. Exercise: A Guide from the National Institute of Aging. mas adaptações são possíveis a cada exercício. É importante ressaltar que nem todos idosos são capazes de realizar tais movimentos. e o número de repetições nunca deve ultrapassar 15 ou ficar inferior a 8. BOTENHAGEN-DIGENOVA. 1998. O primeiro modo de fazê-lo é simplesmente aumentar o peso levantado. A idéia é que em cada sessão de treinamento todos os exercícios abaixo devem ser executados. E.S. apenas depois de um grande período de treinamento novamente essa carga permitiria mais de 15 repetições por série. Exercise for Frail Elders. quando um exercício se torna muito fácil de ser executado (sendo possível realizar mais de 15 repetições). o número de repetições possíveis com uma mesma carga também aumenta. o que pode ser feito também baseado no número de repetições. o ideal seria ajustar a carga.. seria aumentar o número de séries por exercício. de maneira que só fosse possível realizar 8 repetições (portanto. Referências     FLECK. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. a única alternativa é aumentar a carga. A outra alternativa. 1997. Assim.

3. mas é importante lembrar que neste caso o aumento de carga é muito grande (só deve ser feito quando realmente a carga estiver muito baixa. voltando à posição inicial (inspirando). 4.politecnicoboock. como exemplificado na figura). mesmo com pesos extras. com os pés totalmente apoiados no chão. O executante deve estar na posição ereta. 3. Mantenha a posição um pouco.br Página 41 . de maneira que o tornozelo vá o mais alto possível (como ilustrado na figura). segurando em um apoio para aumentar o equilíbrio. A carga pode ser aumentada colocando pesos extras nos tornozelos. o mais alto que conseguir (expirando). O executante deve levar 3 segundos para flexionar o joelho.Este exercício tem por objetivo fortalecer os músculos do tornozelo e da região posterior da perna (panturrilha). permanecer no alto por 1 segundo. e levar mais 3 segundos para voltar à posição inicial. À medida que a força e o equilíbrio aumentarem suficientemente. 5. Colégio Politécnico Boock – www. segurando em um apoio para aumentar o equilíbrio (por exemplo o encosto de uma cadeira. o executante pode passar a realizar este exercício com uma perna de cada vez (mas é importante o mesmo número de repetições seja realizado para cada perna). Mantenha o corpo ereto. Lentamente desça os calcanhares até o chão (inspirando). Mantenha a posição um pouco. O executante deve manter-se na postura ereta. o mais alto que puder. segurando em um apoio para manter o equilíbrio. Deve levar 3 segundos para subir. 2. repita com a outra. apenas o joelho deve ser flexionado. Lentamente flexione o joelho até o limite (expirando). A volta à posição inicial também deve levar 3 segundos. Resumo: 1. Flexão de Joelho Este exercício serve para fortalecer a musculatura da região posterior da coxa e da panturrilha. A carga deste exercício pode ser aumentada colocando pesos extras nos tornozelos. A coxa deve permanecer imóvel durante a execução do exercício. ao realizar o exercício com as duas pernas simultaneamente). segurando em um apoio para manter o equilíbrio. terminando então uma repetição do exercício. Resumo: 1. Lentamente fique nas pontas dos pés. Ao terminar a as séries com uma perna.com. 2. O executante deve ficar nas pontas dos pés. tirando o pé do chão. 4.  Mantenha o corpo ereto. Lentamente abaixe a perna.

Durante a subida é importante não ficar nas pontas dos pés e nem levar o tronco mais à frente. segurando em um apoio para manter o equilíbrio. com os pés ligeiramente afastados um do outro. e a volta à posição inicial deve levar 3 segundos.politecnicoboock. O executante deve se posicionar atrás ou ao lado de uma cadeira (ou outro apoio qualquer). A carga pode ser aumentada colocando pesos extras nos tornozelos. sem deixar o tronco descer em direção à coxa (expirando). repita com a outra.  Extensão de Quadril Este exercício serve para fortalecer a musculatura da região posterior da coxa e da região glútea. A maneira de aumentar a carga do exercício é adicionando pesos extras nos tornozelos. Resumo: Colégio Politécnico Boock – www. Ao terminar as séries com uma perna. O movimento de levantar a perna deve levar 3 segundos. 4. Flexão de Quadril Este exercício tem como objetivo fortalecer os músculos da coxa e do quadril. 3. 2. Mantenha a posição um pouco. A posição alcançada deve ser mantida por 1 segundo. A posição deve ser mantida por 1 segundo. O executante deve ficar de 30 a 45 cm afastado de uma cadeira ou mesa (ou outro apoio para os membros superiores). Resumo: 1.br Página 42 . O tronco deve estar inclinado a aproximadamente 45º (na direção do apoio). e este movimento deve levar aproximadamente 3 segundos. A perna deve ser erguida para trás sem flexão de joelhos. terminando então uma repetição do exercício. e a descida deve levar mais 3 segundos.com. 5. Lentamente erga seu joelho na direção do peito. Mantenha o corpo ereto. Lentamente abaixe a perna até o chão (inspirando).

 Mantenha o corpo ereto. e as duas pernas extendidas. sendo que o movimento deve ter um alcance de 15 a 30 cm.br Página 43 . terminando então uma repetição do exercício. voltando à posição inicial (inspirando).  Se posicione entre 30 e 45 cm afastado de um apoio para os membros superiores. 4. 5. 2. segurando em um apoio para aumentar o equilíbrio. Mantenha a posição um pouco.1. Levantar e sentar sem a utilização das mãos Colégio Politécnico Boock – www. Lentamente abaixe a perna. Os pés devem estar apontando para a frente. repita com a outra. 5. 6. O tronco e os dois joelhos devem estar extendidos durante toda a execução do exercício. Resumo: 1. Incline o corpo à frente e segure no apoio. 3. A posição alcançada deve ser mantida por 1 segundo. A carga pode ser aumentada colocando pesos extras nos tornozelos.politecnicoboock. Ao terminar a as séries com uma perna. Ao terminar a as séries com uma perna. Lentamente eleve uma perna para o lado. segurando em um apoio para manter o equilíbrio. Lentamente erga a perna (extendida) para trás (expirando). 4. Elevação Lateral do Membro Inferior Este exercício serve para fortalecer a musculatura da região lateral da coxa e do quadril. O tronco deve permanecer sempre reto. O executante deve levar 3 segundos para elevar lateralmente a perna. com os pés ligeiramente afastados. Lentamente volte à posição inicial (inspirando). 3. O executante deve manter-se na postura ereta. 6.com. Mantenha a posição um pouco. e a volta à posição inicial deve levar 3 segundos. 2. de 15 a 30 cm (expirando). repita com a outra.

pode ser necessário adaptá-lo da seguinte maneira: ao invés de o idoso levantar por completo. permanecendo com o tronco inclinado e com as costas retas. o corpo deve novamente ser reclinado até o encosto da cadeira. Durante a subida e a descida do corpo. Leve o tronco à frente até ficar sentado com as costas retas. das costas. ele deve somente iniciar o movimento de subida.politecnicoboock. As costas devem estar retas (apesar de o tronco estar reclinado).Este exercício tem por objetivo fortalecer os músculos do abdômen. perdendo assim o contato com a cadeira. Sente na metade anterior do assento da cadeira. O executante deve sentar-se na metade anterior do assento da cadeira e reclinar seu corpo até os ombros tocarem o encosto. Após estar sentado. Sente lentamente. 4. Dessa maneira. e mais 3 segundos para sentar. Levante lentamente. Mas é importante que haja algum apoio por perto para gerar segurança em uma eventual instabilidade durante sua execução: Colégio Politécnico Boock – www. e os pés devem estar com toda a planta em contato com o chão. Adaptação 2: Como nem todos conseguem realizar muitas repetições desse exercício. retornando assim à posição inicial (expirando). usando minimamente as mãos (inspirando). do quadril e da coxa. com os joelhos flexionados e com os pés totalmente apoiados no chão. o desgaste do exercício fica reduzido (permitindo assim um maior número de repetições). Os joelhos devem estar flexionados. se possível). Recline novamente o corpo. Resumo: 1. o executante deve trazer o tronco à frente. em qualquer lugar e quanto for desejado. 7. Adaptação 1 o exercício também pode ser feito sem a fase de trazer o corpo à frente (correspondendo apenas à segunda e à terceira imagens na figura). mas isso implica em um menor ganho de força nos músculos abdominais. terminando assim uma repetição do exercício. Recline sobre o travesseiro. com os pés totalmente apoiados no chão.  Outros exercícios Há ainda alguns exercícios que treinam o equilíbrio e podem ser praticados a qualquer hora. Para trabalhar adequadamente a musculatura abdominal. uma maneira de aumentar a carga é utilizar cada vez menos as mãos para auxiliar o movimento do corpo. A posição alcançada deve ser mantida por 1 segundo. Usando minimamente os membros inferiores (ou até mesmo sem usá-los. é importante também manter as costas retas. desencostando do encosto da cadeira e do apoio lombar. 3. Coloque um travesseiro no encosto de uma cadeira. 6. o que é facilitado colocando um apoio para a região lombar (como exemplificado na figura por um travesseiro). 2. o executante deve levar 3 segundos para se erguer até a posição ereta (usando minimamente as mãos).br Página 44 . Mantenha as costas e os ombros retos durante toda a execução do exercício. 8. mas os mesmos músculos são trabalhados. essa adaptação deve ser deixada de lado para que ocorram maiores ganhos. Partindo então desta posição sentada. Conforme o idoso ganha força e resistência muscular. e então o idoso retorna à posição sentada (podendo também reclinar se estiver utilizando um apoio lombar).com. usando minimamente as mãos (inspirando). 5. o tronco deve ser trazido à frente com as costas retas (sem que os ombros se inclinem à frente durante a subida). usando minimamente as mãos (expirando). Neste exercício. que são extremamente importantes para manter um bom equilíbrio. apoiando as costas no travesseiro.

United States of America. ROSE..3. Estes exercícios também podem ser executados em pé. Exercise for Older Adults: ACE’s (American Council on Exercise) Guide for fitness professionals. E. simultaneamente a capacidade de manter o equilíbrio também será treinada. sendo a cadeira apenas um facilitador.J. Os exercícios aqui sugeridos correspondem a exercícios de treinamento de força para os membros superiores. Estes cuidados estão descritos em fundamentos de treinamento (equilíbrio). BOTENHAGEN-DIGENOVA. É importante lembrar que os mesmos cuidados necessários para o treinamento de força para os membros inferiores também devem ser tomados para o treinamento de força para os membros superiores. D. ao realizar seu treinamento de força. Human Kinetics. Andar com passos bem curtos.  Permanecer ereto em apenas um pé (alternando-os).  Elevação Lateral dos Membros Superiores Colégio Politécnico Boock – www. tornando assim o treinamento mais simples. Exercise for Frail Elders. United States of America. Fall Proof: A Comprehensive Balance and Mobility Training Program. Como os exercícios para treinar o equilíbrio são também exercícios para treinamento de força para os membros inferiores. Publication Number NIH 99-4258.A.politecnicoboock.com. 2003. Human Kinetics. 2003. United States of America. um treinamento completo será alcançado somando os exercícios deste item com os de equilíbrio. o que pode ser feito durante atividades do cotidiano. de maneira que o pé que executou o passo encosta o calcanhar nos artelhos (dedos do pé) do pé de apoio. Human Kinetics. K.br Página 45 . Exercise: A Guide from the National Institute of Aging. Assim. 1998. Referências     BEST-MARTINI. Exercícios para treinar a força 15.

A mão do braço realizando o movimento deve inicialmente estar próxima ao ombro. 5. com os pés totalmente apoiados no chão e afastados um do outro na largura dos ombros. 3. até que o cotovelo aponte para o teto (como na primeira figura). mesmo sem pesos extras. com a palma da mão voltada para dentro. com as costas retas (apoiadas no encosto) e os pés totalmente apoiados no chão. A posição das mãos não varia durante o exercício.br Página 46 . Mas essa adaptação deve ser feita com no máximo com um ângulo de 45º de diferença (à partir desse ângulo o exercício estará mais próximo de uma flexão de ombro. Flexionar o cotovelo permite regular a distância da mão ao corpo durante a elevação lateral do membro superior.politecnicoboock. No caso de a carga estar muito grande. regular a força necessária para realizar o movimento. A posição deve ser mantida por 1 segundo. Lentamente retorne à posição inicial. Mantenha a posição um pouco. até ficarem extendidos ao lado do corpo novamente (finalizando assim uma repetição). Mantenha os pés em total contato com o chão e afastados na largura dos ombros. 2. Extensão de Cotovelo Este exercício tem por objetivo fortalecer o músculo posterior do braço (tríceps). Resumo: 1. 4. e menor será a carga do exercício. Quanto mais à frente do corpo forem elevados os braços. com as palmas das mãos voltadas para dentro (para o próprio corpo). O braço deve ser elevado com o cotovelo flexionado. até ficarem paralelos ao solo. A carga deste exercício pode ser aumentada segurando pesos com as mãos. Colégio Politécnico Boock – www. O braço deve ser sustentado pela mão do braço oposto.Este exercício serve para fortalecer a musculatura do ombro. Eleve os braços lateralmente até a altura dos ombros. O exercício deve se iniciar com os braços relaxados ao lado do corpo. Um outro ponto importante deste exercício é que ele pode ocasionar dores nos ombros. uma estratégia para diminuí-la é fazer uma flexão de cotovelo ao realizar o exercício. uma alternativa é não elevar os braços tão lateralmente.com. 6. maior será a força necessária para levantálo. Quanto mais flexionado estiver o cotovelo. Ao invés de cessar a atividade. Os braços devem estar extendidos ao lado do corpo. Quanto mais longe do corpo está o peso. e então os braços devem ser abaixados durante 3 segundos. Os braços então devem ser elevados lateralmente durante 3 segundos. e. separados um do outro na largura dos ombros. mais próxima do corpo estará a mão. e apenas se houver dor durante sua execução. que será descrita mais adiante). portanto. O executante deve estar sentado em uma cadeira.  Sente em uma cadeira. tomando como referência o braço. e menor será a carga do exercício. menor será a sobrecarga nos ombros. O executante deve estar sentado em uma cadeira sem braços.

5. Atingido a flexão máxima.que deve fornecer um apoio logo abaixo do cotovelo (não apoiar na articulação). Sente em uma cadeira. 7. O cotovelo deve então ser extendido durante 3 segundos. A posição deve ser mantida por 1 segundo. Extenda o cotovelo lentamente. ao lado do corpo. 2. Levante um braço com o cotovelo flexionado. de maneira que a mão aponte para o teto. Os pés devem estar totalmente apoiados no chão e afastados um do outro na largura dos ombros. voltando à posição inicial. 6. O executante deve estar sentado em uma cadeira sem braços. 4. voltando à posição inicial.  Flexão de Cotovelo Este exercício tem por objetivo fortalecer a musculatura anterior do braço (bíceps) e os músculos do antebraço. Mantenha os pés em total contato com o chão e afastados na largura dos ombros.politecnicoboock. Mantenha os pés totalmente apoiados no cão. apoiando as costas em seu encosto. Deixe o braço extendido para baixo. Flexione o cotovelo lentamente. em mais 3 segundos (finalizando assim uma repetição). Uma maneira de aumentar a carga deste exercício é segurando pesos extras na mão do braço executando o movimento. a posição deve ser mantida por 1 segundo.com.br . O apoio dado pela mão do braço oposto deve ser mantido durante toda a execução do exercício. O braço deve estar extendido para baixo. Apoie a mão do braço oposto logo abaixo do cotovelo para dar suporte para o exercício. e então o cotovelo deve ser flexionado (durante 3 segundos). com as costas apoiadas no encosto da cadeira. até que fique completamente extendido. ao lado do corpo. 3. Página 47 Colégio Politécnico Boock – www. Para aumentar a carga deste exercício. trazendo a mão para perto do peito. Mantenha a posição um pouco. Resumo: 1. 4. voltando assim à posição inicial (finalizando assim uma repetição). 3. 8. Sente em uma cadeira sem braços. O cotovelo deve então ser flexionado. mantendo a posição da mão em relação ao braço ( a articulação do ombro não se mexe. com a palma da mão voltada para a frente. Repita o exercício com o outro braço após terminar as séries. separados na largura do ombro. apenas a do cotovelo). e o cotovelo deve então ser extendido. basta segurar um peso extra na mão do braço realizando a flexão. até este ficar apontando para o teto (e a mão deve estar próxima ao ombro). com a palma da mão para a frente. Resumo: 1. e o executante deve tomar cuidado para que seu corpo não se movimente lateralmente durante a flexão de cotovelo. Lentamente flexione o cotovelo. 2. Esse movimento deve levar 3 segundos para ser efetuado. Apenas a articulação do cotovelo deve se movimentar.

o que deve levar mais 3 segundos. 4. estar estendidos ao lado do corpo.  Empurrar a Cadeira Colégio Politécnico Boock – www. com as palmas da mão voltadas para dentro. basta segurar pesos extras com as mãos. Lentamente extenda o cotovelo. Posicione os braços entendidos ao lado do corpo. 7. 6. 5. O executante deve então descer os braços até a posição inicial. inicialmente.com. Repita o exercício com o outro braço após finalizar as séries. 3. girando novamente os punhos para que as palmas das mãos fiquem voltadas para dentro.br Página 48 . Resumo: 1. separados na largura do ombro. voltando à posição inicial. com as costas retas apoiadas no encosto da cadeira. com as palmas das mãos voltadas para dentro.5. Os pés devem estar totalmente apoiados no chão e afastados um do outro na largura dos ombros. a posição deve ser mantida por 1 segundo. Eleve ambos os braços à sua frente até a altura dos ombros. Os braços devem. Os braços devem então ser levantados para a frente durante 3 segundos. Mantenha os pés totalmente apoiados no cão. Quando os braços ficarem paralelos com o chão. mantendo-os estendidos e girando os punhos para que as mão fiquem voltadas para cima. Mantenha a posição um pouco. girando as palmas das mãos para dentro novamente. Sente em uma cadeira.politecnicoboock. O executante deve estar sentado em uma cadeira sem braços. 2. girando as palmas das mãos para cima. Lentamente desça os braços até a posição inicial. 6. Mantenha a posição um pouco.  Flexão de Ombro Este exercício serve para fortalecer a musculatura dos ombros. Para aumentar a carga deste.

Fall Proof: A Comprehensive Balance and Mobility Training Program. 4. ou posicionandoas levemente à frente do tronco.4.J. alinhando suas mãos e o tronco. quanto para preservar a integridade física de quem o está praticando. com as costas retas (mas sem encostá-las no encosto da cadeira). o treinamento de resistência aeróbia deve seguir algumas regras. 6. Posicione os pés abaixo da cadeira. e esses mecanismos se tornam mais eficientes quando se pratica atividades de baixa intensidade e longa duração. United States of America. BOTENHAGEN-DIGENOVA. E. 2003. 2003. Incline o corpo ligeiramente à frente. Os pés devem estar posicionados embaixo da cadeira. Sente em uma cadeira com braços. ROSE. Exercise for Older Adults: ACE’s (American Council on Exercise) Guide for fitness professionals. Segure nos braços da cadeira. tentando manter a posição em que o corpo se encontrava sentado (com flexão de quadril e de joelho). tanto para que o treinamento alcance os objetivos buscados. D. 1998. das costas.. Para se iniciar um treinamento. Lentamente desça os braços até a posição inicial (inspirando). Resumo: 1. Referências     BEST-MARTINI. 3. de modo que o peso dos pés esteja distribuído somente sobre os artelhos (dedos do pé) e sobre o a parte anterior do pé.politecnicoboock.br Página 49 . 15.A. na capacidade de absorver.com. 2. O executante deve então segurar nos braços da cadeira. do antebraço e do peito. um tempo mínimo diário por sessão de treinamento é de 5 minutos. Assim como qualquer atividade física. 5. mantendo as costas retas. Lentamente. o mais alto que conseguir. com o peso sobre os artelhos. O executante deve estar sentado em uma cadeira com braços. começar o treinamento com um baixo nível de esforço e ir aumentando-o gradualmente é especialmente importante para aqueles Colégio Politécnico Boock – www. o esforço necessário para tentar é suficiente para fortalecer progressivamente os músculos em questão. ou ainda que sejam utilizados minimamente. Lentamente levante o corpo utilizando apenas os braços (expirando). A carga deste exercício pode ser aumentada colocando pesos extras sobre as coxas. ou seja. Exercise for Frail Elders. o quanto do oxigênio a pessoa é capaz de retirar do ar e aproveitar para gerar energia. o executante deve levantar seu corpo usando os braços. Exercise: A Guide from the National Institute of Aging. Mesmo que o executante não consiga se levantar. Human Kinetics.Este exercício serve para fortalecer os músculos da parte de trás dos braços (tríceps). transportar e utilizar o oxigênio do ar para realizar as reações bioquímicas necessárias para gerar a energia que será utilizada durante a atividade física. K. que corresponde ao consumo máximo de oxigênio durante atividades físicas. Publication Number NIH 99-4258. O ideal é que os membros inferiores não sejam utilizados para ajudar o movimento de subida. A resistência aeróbia é uma capacidade que deve ser desenvolvida gradualmente. United States of America. Apesar de este tempo não ser suficiente para trazer os ganhos de um treinamento de resistência aeróbia. Essa capacidade corresponde a uma via metabólica específica. basicamente. Human Kinetics. Uma maneira de quantificar essa capacidade é medindo o VO2max. com o corpo pendendo levemente à frente. United States of America. Fundamentos de treinamento (resistência) A capacidade aeróbia consiste. com os calcanhares levantados. Human Kinetics.

o número de dias de atividade aeróbia por semana deve aumentar progressivamente. permitindo uma maior segurança no treinamento (que estará sempre abaixo dessa freqüência). conforme o indivíduo vai ganhando condicionamento. Mas é importante manter em mente que o mínimo necessário para trazer os benefícios desse tipo de treinamento é realizar 3 sessões por semana. ou ainda estimada subtraindo a idade do indivíduo de 220. maior deve ser sua duração.com. uma faixa de 50% a 70% do VO2max. Uma faixa de tempo válida para que os benefícios desse tipo de treinamento sejam alcançados é de 20 a 60 minutos por sessão. até 5 dias por semana. Quando for possível realizar atividades com intensidade de moderada a vigorosa por 5 minutos. o indivíduo deve medir sua freqüência cardíaca de repouso (FC rep). e quanto maior sua intensidade.5 + FC rep Freqüência máxima de treinamento: (FC max – FC rep) x 0. que corresponde ao número de vezes que o coração bate por minuto após 10 minutos de inatividade (de preferência. Inicialmente. para que o maior benefício seja alcançado. A idéia é que com o devido tempo. até atingir 30 minutos (ou mais). fica assegurando que o indivíduo estará treinando em uma faixa entre 50% e 70% da sua freqüência cardíaca de reserva (FC max – FC rep). Seguem agora algumas regras de segurança básicas para o treinamento de resistência aeróbia:   As atividades aeróbias não devem fazer o executante respirar tão rapidamente de maneira que seja muito difícil falar durante sua execução. o treinamento aeróbio deve ser feito pelo menos 3 vezes por semana. Quanto mais leve a atividade. Colégio Politécnico Boock – www. além de identificar em qual freqüência cardíaca eles começam a aparecer. Isso torna possível considerar como freqüência cardíaca máxima a freqüência na qual aparecem sintomas de problemas cardíacos. Inicialmente. essa leve atividade se torne uma atividade de dificuldade de moderada a vigorosa.que estão inativos há muito tempo. Ao longo dos meses de treinamento. A faixa de treinamento deve então ser calculada da seguinte maneira:   Freqüência mínima de treinamento: (FC max – FC rep) x 0. É importante medir esse valor através do teste ergométrico. é hora de aumentar esse tempo por sessão de treinamento para pelo menos 10 minutos. que pode ser quantificada em testes ergométricos. sendo essa faixa a zona ideal para o treinamento da capacidade aeróbia. A intensidade dos exercícios. O executante deve realizar uma atividade leve antes de iniciar a sessão de treinamento para aquecer e outra para voltar à calma no final da atividade. apesar de ainda continuar com um curto tempo de duração (5 minutos). a pessoa deve ficar deitada relaxando durante esse período de tempo). Sua intensidade também não pode causar vertigem e dor no peito (para respirar). O objetivo nesta progressão é que o executante chegue a pelo menos 30 minutos de atividade em cada sessão de treinamento.br Página 50 . em dias não consecutivos (se possível). Uma outra maneira de ajustar facilmente essa intensidade é através do controle a freqüência cardíaca. pois através dele é possível detectar problemas cardíacos. sendo uma estratégia interessante para indivíduos com pouca tolerância a atividades com longa duração. Uma progressão possível seria aumentar em 5 minutos o tempo de atividade a cada mês. menor pode ser sua duração. deve estar em. Dividir esses 30 minutos em três fases de 10 minutos de duração também traz benefícios cardiovasculares e respiratório.7 + FC rep Dessa maneira. É necessário conhecer também a freqüência cardíaca máxima (FC max).politecnicoboock. Um bom exemplo é andar vagarosamente. já que realizar atividades por tempos menores que esses não trará os benefícios cardiovasculares e respiratórios desse tipo de treinamento.

Mas é importante atentar que algumas pessoas possuem limitações de ingestão de líquidos (como em patologias envolvendo o coração e o fígado). e esse controle de ingestão durante a atividade física deve ser feito juntamente com seu médico. Exercise for Frail Elders.com. apesar de um indivíduo precisar de água. United States of America. COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA – Posicionamento Oficial Exercício e Atividade Física para pessoas idosas. 2003. É interessante que um idosos. ROSE. 1998. United States of America.politecnicoboock.br . Se o indivíduo chegar a sentir sede. ao se exercitar. K. o que pode trazer riscos à saúde. Fall Proof: A Comprehensive Balance and Mobility Training Program.  15.5. BOTENHAGEN-DIGENOVA. vistas as roupas em ―camadas‖. Human Kinetics. enquanto os músculos ainda estão quentes. Human Kinetics. significa que seu corpo já está levemente desidratado. Idosos são mais afetados pelo frio e pelo calor que adultos (devido a um sistema termo-regulador menos eficiente). Exercise for Older Adults: ACE’s (American Council on Exercise) Guide for fitness professionals.    Exercícios de alongamento devem ser feitos após as atividades. ele não sinta sede.. Isso pode fazer com que.J. Antes de aumentar a dificuldade da atividade executada é mais aconselhável aumentar a duração da atividade. Exercise: A Guide from the National Institute of Aging. 2003. de maneira que fique protegido contra o frio. D. Dificuldade vigorosa:     Subir escadas Andar rapidamente em superfícies íngremes (subidas) Subir superfícies íngremes de bicicleta Jogar tennis Página 51 Colégio Politécnico Boock – www. Referências     BEST-MARTINI. o mecanismo que gera a sede passa a funcionar mais lentamente. E. Exercícios para treinar a resistência aeróbia Seguem alguns exemplos de atividades e exercícios de treinamento da resistência aeróbia: Dificuldade moderada:          Nadar Pedalar Andar rapidamente em superfície plana Fazer faxina Jogar golf a pé Jogar tennis em duplas Jogar voleibol Remar Dançar. O executante deve ter uma preocupação em beber líquidos durante atividades que causem transpiração. mas se vir a sentir calor seja possível remover algumas peças para regular a temperatura. Human Kinetics. Publication Number NIH 99-4258. Com o aumento da idade. United States of America.A.

6. e deve ser reduzida. Colégio Politécnico Boock – www. Alongar os músculos não deve resultar em dor. e então o executante deve relaxar e voltar lentamente para uma posição mais confortável (posição inicial). é importante consultar um médico antes de executar os exercícios para treinar a flexibilidade dos membros inferiores. Se isso ocorrer. o treinamento de flexibilidade deve ser executado pelo menos duas vezes por semana. podendo chegar a até sete vezes por semana. Uma leve sensação de desconforto é normal durante o alongamento (mas não de dor). Cada exercício de alongamento deve ser feito de 3 a 5 vezes em cada sessão de treinamento. Segurança       Se o executante já sofreu alguma lesão. Para um iniciante é interessante treinar poucas vezes por semana para ganhar alguma intimidade com os exercícios e para perceber seus limites. Assim como qualquer tipo de atividade física. alcançando a maior amplitude possível sem que haja dor. Se a sessão de treinamento for realizada separada de outros tipos de treinamento. Treinar de duas a três vezes por semana é uma boa maneira de manter a flexibilidade alcançada. trazendo assim uma maior liberdade de movimentos para executar as tarefas do cotidiano e outras tarefas mais específicas. Se o executante sofreu fratura da cabeça do fêmur. ou ainda um número grande de sessões por semana (de 5 a 7). 15. ainda há algum risco de lesão se o alongamento for executado desta maneira.   Nadar rapidamente Marcha atlética Correr lentamente. No caso de não ser possível realizar esses dois tipos de treinamento. provavelmente a amplitude do alongamento está muito grande. É importante ressaltar que exercícios de alongamento não servem para implementar a força ou a resistência aeróbia. Os exercícios de alongamento devem ser executados após o término das sessões de treinamento aeróbio ou de treinamento de força para resultarem em ganhos na flexibilidade. Alongar os músculos sem aquecimento prévio pode resultar em alguma lesão.br Página 52 . ele não deve cruzar as pernas em ângulos superiores a 90 graus. fratura ou cirurgia nos ossos do quadril (principalmente na articulação coxo-femoral. pois esticar o músculo rapidamente faz com que um mecanismo reflexo seja disparado. principalmente nas articulações.com. é importante realizar um leve aquecimento antes de iniciá-la. Fundamentos de treinamento (flexibilidade) Exercícios de alongamento muscular têm por objetivo aumentar a flexibilidade. Além de isso prejudicar a amplitude que poderia ser alcançada com o músculo relaxado. terminando assim uma repetição. ao treinar a flexibilidade o executante deve atentar para algumas regras.politecnicoboock. assegurando assim uma maior eficiência do treinamento e uma maior segurança na execução dos exercícios. O executante deve chegar à posição desejada lentamente. A posição deve então ser mantida de 10 a 30 segundos. e as sessões devem durar ao menos 20 minutos cada. que corresponde à junção do quadril com o fêmur). e o músculo então se contrai involuntariamente. Um treinamento visando um grande aumento de flexibilidade deve consistir em sessões diárias de treinamento. Isso pode ser feito com alguns minutos de caminhada e movimentação dos membros superiores. O alongamento nunca deve ser feito rapidamente ou com "trancos" (alongamento balístico).

 

Durante o alongamento, o membro alongado deve estar esticado, mas manter uma pequena folga na articulação é aconselhável para diminuir um pouco a carga sobre os tendões e ligamentos (as articulações não devem ser hiper-estendidas). O executante deve respirar profunda e lentamente durante a execução dos exercícios. Se o executante sentir alguma tontura, mesmo que leve, ele deve voltar a respirar naturalmente. Realizar os exercícios seguindo as recomendações acima descritas resultará em um aumento da flexibilidade, e a maneira de progredir no treinamento é sempre tentar alcançar a maior amplitude articular sem que ocorra dor;

Os exercícios de flexibilidade também podem ser utilizados no aquecimento, antes das sessões de treinamento, com a função de preparar o corpo para o exercício. Nesse caso os exercícios devem ser feitos após o corpo já estar aquecido, pois alongar músculos "frios" pode resultar em lesões musculares a articulares. Os exercícios devem ser realizados com apenas uma repetição, e devem durar poucos segundos. Além disso, devem ser escolhidos de acordo com a atividade a ser realizada, pois como o intuito é apenas de preparar o músculo para o exercício, somente devem ser alongados os membros a serem utilizados durante a atividade. Uma outra alternativa é incorporar exercícios dinâmicos multiarticulares durante o aquecimento, pois apesar de não buscar uma amplitude grande de movimento, aquece e alonga levemente um grande número de músculos. Referências
   

BEST-MARTINI, E., BOTENHAGEN-DIGENOVA, K.A. Exercise for Frail Elders. Human Kinetics, United States of America. 2003. Exercise for Older Adults: ACE’s (American Council on Exercise) Guide for fitness professionals. Human Kinetics, United States of America. 1998. Exercise: A Guide from the National Institute of Aging. Publication Number NIH 99-4258. ROSE, D.J. Fall Proof: A Comprehensive Balance and Mobility Training Program. Human Kinetics, United States of America. 2003. COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA – Posicionamento Oficial Exercício e Atividade Física para pessoas idosas. Exercícios para treinar a flexibilidade

15.7.

Isquiotibiais

Este exercício tem por objetivo alongar a musculatura posterior da coxa, sendo que o conjunto dos músculos dessa região também é denominado de isquiotibiais. O executante deve sentar-se em um banco ou outra superfície rígida que lhe permita apoiar toda a perna (como duas cadeiras colocadas lado a lado).
Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br Página 53

Uma das pernas deve então descansar sobre o banco, com a ponta do pé apontando para cima (as costas devem ser mantidas retas). A outra perna deve estar ao lado do banco, com o pé totalmente apoiado no solo. O joelho da perna apoiada no banco deve ser totalmente estendido. Se neste ponto o executante já sentir o alongamento, essa é a posição que deve ser mantida pelo tempo determinado para esse tipo de treinamento. Se o executante não sentir o leve desconforto nessa posição, deve levar o tronco à frente, como se fosse deitá-lo sobre a perna estendida, mantendo sempre as costas retas (a única articulação que se movimenta é o quadril). No caso de o executante ter sofrido uma fratura na cabeça do fêmur, não é seguro levar o corpo à frente neste exercício (a não ser que haja aprovação do médico ou fisioterapeuta responsável). Após manter a posição de 10 a 30 segundos, o executante deve retornar lentamente à posição inicial, terminando uma repetição. Resumo: 1. 2. 3. 4. 5. Sente de lado em um banco; Mantenha uma perna esticada sobre o banco; A outra perna deve estar ao lado do banco, com o pé apoiado totalmente no chão; Mantenha as costas retas; Leve o tronco à frente, flexionando o quadril, até sentir o alongamento (não faça esse movimento se tiver sofrido fraturas ou cirurgias no quadril); 6. Mantenha a posição; 7. Repita com a outra perna.

Isquitibiais (alternativa)

Uma alternativa ao exercício anterior é se posicionar em pé atrás de uma cadeira com os joelhos em extensão. O executante deve segurar o encosto da cadeira com as duas mãos e flexionar o quadril levando o tronco para frente, mantendo as costas retas durante toda a execução do exercício. Quando o corpo estiver paralelo com o solo, a posição deve ser mantida. Após 10-30 s, o executante deve retornar lentamente usando como apoio o encosto da cadeira para subir. Resumo: 1. 2. 3. 4.

Fique em pé atrás de uma cadeira, segurando seu encosto com as duas mãos; Flexione o quadril levando o tronco à frente; As costas devem estar retas durante todo o tempo; Quando o tronco estiver paralelo com o solo, mantenha a posição. Tríceps Sural (Panturrilha)

Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br

Página 54

Este exercício alonga a musculatura posterior da perna. O executante deve estar em pé, apoiando as duas mãos em uma parede, com os cotovelos estendidos. Mantenha o joelho de uma das pernas levemente flexionado e leve o pé da outra perna atrás (aproximadamente meio metro), mantendo os pés totalmente em contato com o solo (o pé da perna levada atrás deve estar levemente virado para dentro). O executante então deverá sentir o alongamento da musculatura da panturrilha. Se isso não ocorrer, a perna posicionada atrás deve ser ainda mais distanciada da outra, fazendo com que os músculos se alonguem ainda mais. A posição alcançada deve então ser mantida por 10 a 30 segundos. Então o executante deve flexionar levemente o joelho da perna que está atrás (como na segunda figura), e manter novamente a postura alcançada pelo mesmo tempo. Resumo: 1. Fique em pé com ambas as mãos apoiadas em uma parede e com os cotovelos estendidos; 2. Dê um passo de aproximadamente 50 cm para trás com uma das pernas, e mantenha ambos os pés totalmente apoiados no chão; 3. Mantenha a posição; 4. Flexione levemente o joelho da perna que está atrás; 5. Mantenha a posição; 6. Repita com a outra perna.

Tornozelo

Este exercício tem como objetivo alongar a musculatura envolvida na articulação do tornozelo. Deve ser realizado com os pés descalços, já que o calçado limita a movimentação do pé. O executante deve estar sentado na parte anterior do assento de uma cadeira, inclinando o corpo para trás até apoiar o tronco no encosto da cadeira (um travesseiro deve ser utilizado para fornecer apoio lombar, como exemplificado na figura). As pernas devem então ser estendidas ―escorregando‖ os pés para frente ao longo do chão. Mantendo os calcanhares em contato com o chão, o executante deve apontar os artelhos (dedos do pé) para frente até sentir o alongamento na parte anterior do tornozelo. Se nessa posição o executante ainda não sentir o alongamento, ele deve levantar um pouco os pés do chão, permitindo uma maior variação do
Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br Página 55

Levante o braço e flexione o cotovelo. Mantenha a posição. 3. deve alcançar. por trás das costas.  Sente-se em uma cadeira. Deve então levantar o braço que está segurando a toalha. Gradualmente. Pulso Colégio Politécnico Boock – www. o executante deve. Inverta a posição. Se o alongamento não for sentido. faça com os pés um pouco levantados.politecnicoboock. apontando os artelhos para trás. com a mão posicionada atrás das costas (mais embaixo). 5. 3. Após manter essa posição. 4. Mantenha a posição. a ponta da toalha que está sendo segurada pela outra mão.com. e flexionar o cotovelo de maneira a deixar a toalha cair ao longo das costas. Estenda as pernas à sua frente. Tríceps Braquial Este exercício alonga o músculo da região posterior do braço. o executante deve agora mover os pés em sua própria direção. segure a ponta da toalha que está livre.ângulo do tornozelo. Após terminar a série. Com a outra mão. 6. tentar alcançar pontos mais altos da toalha. sentindo assim o alongamento na região posterior do tornozelo. O executante deve segurar a ponta de uma toalha com uma das mãos. Quando o alongamento for sentido. Suba a mão de baixo progressivamente. Resumo: 1. 7. Flexione os pés. Resumo: 1. 2. 2. 4. a posição deve ser mantida (o limite é o ponto onde as duas mãos se tocam). Com a outra mão. mantendo os calcanhares no chão. a posição deve ser invertida.br Página 56 . encurtando assim a diferença entre as duas mãos (simultaneamente a mão que estiver em cima vai descer). fazendo a toalha ficar atrás das costas. tentando alcançar o ponto mais alto possível.  Segure a toalha com uma das mãos. sem encostá-los no chão. 5. apontando os artelhos para frente. Flexione os pés.

para mais tarde retomar o alongamento de quadríceps. terminando assim uma repetição. de maneira que um dos lados esteja posicionado exatamente acima do outro. Segure no calcanhar da perna flexionada. Se houver cãibras na parte posterior da coxa durante o exercício. segurando no calcanhar. 3. Dente-se de lado no chão. 2.  Quadríceps Este exercício tem como objetivo alongar os músculos da parte anterior da coxa. Junte as mãos. 2. podendo assim segurá-lo a uma maior distância. 4.O executante deve empurrar as palmas das mãos um contra a outra. Resumo: 1. a alternativa é colocar um cinto (ou faixa de pano) em volta do pé. Lentamente eleve os cotovelos até ficarem paralelos ao solo. O executante deve então alcançar o pé da perna flexionada com a mão.politecnicoboock. O executante deve deitar-se de lado no chão (podendo utilizar um colchonete para aumentar o conforto). Resumo: 1. mantendo as palmas das mão em total contato uma com a outra. A posição deve ser mantida de 10 a 30 segundos. O joelho da perna posicionada acima deve ser flexionado. ou pode-se usar a mão como apoio. alinhando os quadris. mantendo então a posição. tocando uma palma na outra (posição de rezar). Descanse a cabeça em um travesseiro ou na mão. sendo que o conjunto destes músculos é chamado de quadríceps femoral. Flexione o joelho da perna de cima. Se o executante não consegue alcançar o próprio calcanhar com a mão nesta posição. e mantenha as mãos unidas. 5. Deve então elevar os cotovelos tentando deixá-los paralelos ao solo (ou o mais próximo disso que sua flexibilidade permitir). 3.com. até que o alongamento seja sentido na parte anterior da coxa. e então os cotovelos devem ser novamente baixados. A cabeça deve ser colocada em cima de um travesseiro. O executante deve então puxar o pé lentamente.br . Lentamente puxe a perna flexionada até alongar os músculos da parte anterior da coxa.mantendo os cotovelos apontando para baixo. Página 57 Colégio Politécnico Boock – www. Mantenha a posição. este deve ser parado e a região afetada alongada (podendo ser utilizados os exercícios para alongar os músculos isquiotibiais descritos acima).

3. 6. Resumo: 1. Mantendo os joelhos unidos. Inverta a posição e repita com a outra perna. Volte as pernas para cima. e os pés devem ter suas plantas em total contato com o solo. Dente-se de costas no chão com os joelhos flexionados. Seu objetivo é alongar os músculos externos (laterais) do quadril e das coxas.  Não faça esse exercício se tiver sofrido fraturas ou cirurgias no quadril. Um travesseiro deve ser usado para apoiar a cabeça.com. Mantenha os ombros em contato com o solo todo o tempo.br Página 58 . os joelhos flexionados e unidos um ao outro. 5.6. devem ser trazidos à posição inicial. O executante deve deitar-se de costas no chão (decúbito dorsal). O executante deve então manter os dois ombros em contato com o solo. Rotação simples de quadril Colégio Politécnico Boock – www. Mantenha a posição. baixe lateralmente as pernas para um dos lados. podendo utilizar um colchonete para aumentar o conforto. e então os joelhos. 7. 7. 2. 4. e o mesmo exercício deve ser feito para o outro lado. A posição alcançada deve ser mantida por 10 a 30 segundos. ainda unidos. e descer lentamente os dois joelhos para um dos lados na maior amplitude possível sem forçá-los. Repita com o outro lado.politecnicoboock. a não ser que o médico responsável concorde com sua execução. Mantenha a posição. Os joelhos devem estar flexionados.  Rotação Dupla de Quadril Este exercício deve ser evitado se o executante tiver sofrido uma fratura ou cirurgia no quadril. aumentando ainda mais o conforto para executar o exercício.

O executante deve deitar-se de costas (decúbito dorsal). mantendo-os levemente flexionados (o que serve para diminuir a tensão na coluna vertebral enquanto o indivíduo está deitado). de maneira que as pontas dos dedos devem apontar o teto (os antebraços perdem o contato com o solo. 6. 3. mantendo-os alinhados na altura dos ombros. mantendo a outra perna e a pelve imóveis. ao lado da cabeça (mantendo-os paralelos). ele deve ser parado Colégio Politécnico Boock – www. 5. Resumo: 1.politecnicoboock. Flexione os joelhos. Os cotovelos devem então ser flexionados. com os joelhos flexionados. Os ombros devem ser mantidos em contato com o chão durante toda a execução do exercício.  Deite-se de costas no chão. Se houver qualquer sensação de dor aguda ou de pinçamento no ombro durante a execução deste exercício. 7.Este exercício tem por objetivo alongar os músculos da pelve e da região interna (medial) das coxas.com. Repita com a outra perna. A posição alcançada deve ser mantida de 10 a 30 segundos. e então o executante deve trazer seu joelho de volta à posição inicial. 4. e os antebraços devem estar paralelos. O executante deve então esticar os braços para os lados. mas os braços devem continuar em contato com ele durante toda a execução do exercício). Deve então descer um dos joelhos lentamente para o lado. Desça um dos joelhos lentamente para o lado. Também é importante colocar uma almofada embaixo dos joelhos. Mantenha os ombros em contato com o chão durante todo o exercício. 2. Mantenha a posição. O executante deve então fazer uma rotação de ombro. até sentir alongar o ombro. lentamente deitando seus antebraços para trás. O executante deve deitar-se de costas (decúbito dorsal) no solo e colocar um travesseiro para apoiar a cabeça.br Página 59 . podendo utilizar um colchonete para aumentar o conforto. Rotação de Ombro Este exercício alonga a musculatura envolvida na articulação do ombro. Traga o joelho de volta à posição inicial.

5. Após o tempo de alongamento. Mantenha os ombros em contato com o solo durante todo o exercício. com as mãos apontando para o teto. Resumo: 1. 6. 3. 2. 2. Flexione os cotovelos até formarem um ângulo reto. Resumo: 1. Rotação de Pescoço Este exercício alonga a musculatura do pescoço. a posição deve ser mantida pelo mesmo tempo. 4. e então o executante deve lentamente levantar os antebraços até a posição inicial e fazer uma rotação de ombro para a frente. 3. 7. Colégio Politécnico Boock – www. Estenda os braços para os lados. A posição alcançada deve ser mantida de 10 a 30 segundos.br Página 60 . mantendo a posição em cada lado. os antebraços devem ser levados até a posição inicial para que o exercício se repita. A cabeça não deve estar pendendo para frente ou para trás durante a execução do exercício. Apóie a cabeça em um livro grosso (por exemplo. Gire os ombros. Mantenha a posição. tentando posicionar os antebraços ao lado da cabeça.com. Vire a cabeça de um lado para o outro.politecnicoboock. uma lista telefônica). Mantenha a posição. Dente-se de costas no chão (decúbito dorsal). mantendo a posição de 10 a 20 segundos em cada lado (extremidade do movimento). O executante deve deitar-se no chão. Gire no outro sentido. tentando levar os antebraços até os lados do corpo (mantendo-os paralelos). 8. Para aumentar o conforto. ainda é aconselhável manter os joelhos flexionados. Quando o alongamento for sentido. o que torna necessário encontrar um livro com uma espessura ideal para manter a cabeça alinhada com o tronco. O exercício consiste em virar a cabeça de um lado para o outro. apoiando a cabeça em um livro grosso (um colchonete pode ser usado para aumentar o conforto).imediatamente.  Deite-se de costas no chão com uma almofada embaixo dos joelhos. o que diminui a tensão na região lombar da coluna vertebral. tentando posicionar os antebraços ao lado do corpo.

como a fratura de quadril (19. variando de 0. institucionalização e de declínio na saúde de idosos (8. No Brasil cerca de 29% dos idosos caem ao menos uma vez ao e 13% caem de forma recorrente. o que coloca esta síndrome geriátrica como um dos grandes problemas de saúde pública devido ao aumento expressivo do número de idosos na população e à sua maior longevidade. Cenário do problema Cerca de 30% a 60% dos idosos caem ao menos uma vez ao ano e cerca da metade cai de forma recorrente. As intervenções mais eficazes baseiam-se na identificação precoce dos idosos com maior chance de sofrerem quedas e particularmente.16. competindo por recursos já escassos e aumentando a demanda por cuidados de longa duração.6 quedas/por pessoa/por ano. variando de acordo com a precisão do monitoramento realizado pelo estudo (39.42. Além disso.39). A incidência de quedas em idosos residentes na comunidade varia de 0.7 quedas por ano. Evitar o evento de queda é considerado hoje uma conduta de boa prática geriátrico-gerontológica. Introdução PREVENÇÃO E MANEJO DE QUEDAS NO IDOSO Por Mônica Rodrigues Perracini Queda é um evento freqüente e limitante. idosos tendem a sub-relatar quedas.br Página 61 .23. como também drena montantes expressivos de recursos econômicos no tratamento de suas conseqüências.2 a 1. com uma média de aproximadamente 0. fazendo com que com que estas dificuldades de mobilidade não sejam detectadas. sendo considerado um dos indicadores de qualidade de serviços para idosos. sendo que somente 52% dos idosos não relataram nenhum evento de queda durante um seguimento de dois anos (39).44). constitui-se em política pública indispensável.5 a 2.18. tanto em hospitais quanto em instituições de longa permanência. impondo aos profissionais de saúde.com. não só porque afeta de maneira desastrosa a vida dos idosos e de suas famílias. aqueles que além do risco de queda apresentem também um risco aumentado de sofrem lesões graves decorrentes da mesma (13. sendo considerado um marcador de fragilidade. especialmente ao médico o grande desafio de identificar os possíveis fatores de risco modificáveis e tratar os fatores etiológicos e comorbidades presentes (35. Diversos fatores de risco e múltiplas causas interagem como agentes determinantes e predisponentes. O risco de cair aumenta significativamente com o avançar da idade. até que uma queda com uma conseqüência grave ocorra. Em idosos hospitalizados a média é de 1. creditam à idade seus problemas de equilíbrio e marcha.2 a 3. com uma incidência de 0.7 quedas e em idosos institucionalizados a prevalência é consideravelmente maior chegando até 75%.6 quedas/por leito/por ano devido a maior vulnerabilidade desta população e a maior acurácia nas notificações dos eventos (44). Além disso.4 quedas/por leito/por ano. tanto para quedas acidentais quanto para quedas recorrentes.45.45). Geralmente. morte.51).politecnicoboock.50). Colégio Politécnico Boock – www.

Entre 1988 e 1996 a taxa de hospitalização por fratura de quadril em mulheres acima de 65 anos nos EUA aumentou 23% (7. não intencional que faz com que o indivíduo permaneça em um nível inferior. Os fatores fortemente associados ao medo de cair novamente são a presença de distúrbios de marcha. e o índice de mortalidade aumenta dramaticamente após os 70 anos. ataque epilético ou força externa extrema (25). Este evento não é conseqüência de uma paralisia súbita. um relato de percepção subjetiva de saúde física e mental ruim e condições econômicas desfavoráveis (53). Podem ser classificadas a partir da freqüência com que ocorrem e do tipo de conseqüência advinda do evento. em geral pela presença de um fator de risco ambiental danoso. um degrau sem sinalização ou devido à atitudes de risco como por exemplo. por exemplo. que reduzem sua mobilidade e independência. como o aumento do tempo reação e diminuição da eficácia das estratégias motoras do equilíbrio corporal. entre 5% a 10% dos idosos residentes na comunidade tem como conseqüência lesões severas como fratura. Em um estudo populacional multicêntrico. insegurança e medo.br Página 62 . detonando um mecanismo cumulativo e em efeito dominó de eventos prejudiciais a saúde e qualidade de vida dos idosos(28. Cerca de metade dos idosos hospitalizados por fratura de quadril não recuperam a mobilidade prévia ao evento.8). Cerca de 90% das fraturas de quadril são causadas por quedas e o custo atual estimado do tratamento das fraturas de quadril é da ordem de 10 bilhões de dólares. destacam-se ainda como conseqüências relevantes o fato da queda causar restrição de mobilidade. aumentando as chances de morte prematura.Os acidentes são a quinta causa de morte entre os idosos e as quedas são responsáveis por dois terços destas mortes acidentais. associado ao declínio funcional decorrente do processo de envelhecimento. (8. A maior suscetibilidade dos idosos a sofrerem lesões decorrentes de uma queda se deve a alta prevalência de comorbidades presentes nesta população. Entre as pessoas que caíram e foram atendidas em unidades de emergência.com. incapacidade funcional. Aproximadamente 75% das mortes decorrentes de quedas nos Estados Unidos ocorrem em 14% da população acima de 65 anos de idade. cerca de 40% tiveram dor contínua ou incapacidade funcional por dois meses e 16% tiveram queixa de dor por cerca de 7 meses após o evento (19). isolamento social. Dos que caem a cada ano. sobre o mobiliário ou no chão. Um estudo prospectivo de dois anos aponta que 32% dos idosos que caem referem medo de cair novamente e são marcadamente mulheres.31).politecnicoboock. Além da alta mortalidade.45). (1. Definição e classificação Queda é uma mudança de posição inesperada. como um piso escorregadio.44. traumatismo craniano e lacerações sérias. a razão de chance bruta de idosos com dependência em quatro ou mais atividades de vida diária ou prática ter experimentado ao menos uma queda no ano anterior foi 1. A queda acidental é aquele evento único que dificilmente voltará a se repetir e é decorrente de uma causa extrínseca ao indivíduo.9 vez a chance quando comparados aos idosos independentes (43). fazendo de uma queda leve um evento potencialmente perigoso. principalmente em homens.subir Colégio Politécnico Boock – www.8).

expondo este idoso a um maior risco de tornar-se frágil.6. O levantamento destes fatores permite a identificação de idosos com maior suscetibilidade a caírem. distúrbios do equilíbrio corporal.27. a classificação de acordo com o tempo de permanência no chão. As quedas com lesões graves são consideradas aquelas cuja conseqüência é uma fratura.21. expressa a presença de fatores etiológicos intrínsecos como doenças crônicas. Abrasões. médio e baixo risco. Fatores de risco e Causas Há necessidade de se dividir os fatores determinantes de quedas em idosos em dois grupos: Fatores de risco ou fatores predisponentes: são aqueles que impõe aos idosos uma maior chance de experimentarem quedas.11.br Página 63 . Em contrapartida. Os fatores foram classificados de acordo com peso da sua evidência e se estão relacionados a quedas acidentais.39. Hoje. cortes. existam umas séries de questões metodológicas a serem consideradas na análise destes fatores.29. tomam sedativos e moram sozinhos ou permanecem por longos períodos do dia ou noite desacompanhados.5. Há ainda. déficits sensoriais.46.51. Embora. escoriações e hematomas são considerados lesões leves. Constituem-se nas razões que levaram aquele idoso a cair e são potencializados pela presença de fatores de risco intrínsecos e extrínsecos. lista os fatores de risco encontrados em estudos populacionais. Os idosos que são mais predispostos a sofrerem quedas prolongadas são os idosos com 80 anos ou mais. Os fatores de risco são derivados de estudos populacionais tipo caso-controle ou estudos longitudinais.18. Fatores causais: são aqueles agentes etiológicos presentes na determinação da ocorrência de um evento de queda específico. quedas recorrentes ou quedas com lesão (2. como também no manejo do processo de reabilitação. no que tange ao fato de que há um aumento significativo do risco com o aumento do número de fatores de risco individuais presentes. que têm disfunções em membros inferiores. Além disso. com dificuldade em atividades de vida diária.. trauma crânio-encefálico ou luxação. dentre outros. poli farmácia. a queda recorrente. como também procura-se distinguir quais terão maior suscetibilidade a sofrerem uma lesão grave decorrente deste evento ou que têm uma maior propensão a experimentarem quedas recorrentes o que aumenta a probabilidade de perda de capacidade funcional.com.alto.35.9.32. A queda prolongada no chão é aquela em que o idoso permanece caído por mais de 15 a 20 minutos por incapacidade de levantar-se sem ajuda. o levantamento da existência de fatores que possam ser modificados por meio de intervenções específicas é essencial tanto na prevenção de futuros episódios. seja ela decorrente de um único evento grave ou da perda de confiança e do senso de auto-eficácia o que com o tempo acaba por provocar uma restrição de atividades e um declínio na mobilidade.54) Colégio Politécnico Boock – www. O Quadro 1. a aplicabilidade clínica é imediata.politecnicoboock.37. A estratificação do risco possibilita a implementação de estratégias de prevenção definidas para cada grupo .52.em banquinhos. abaixo. busca-se não só identificar o perfil dos idosos mais vulneráveis a cair. A queda pode ainda ser dividia de acordo com a presença ou não de lesões. com idosos da comunidade.

déficit de marcha e de equilíbrio. depressão. uso de medicações como sedativos. em 1. dentre outros. As principais causas de quedas estão dispostas no Quadro 2. condições médicas gerais. assim como o uso de várias medicações concomitantes. apontados na maioria dos estudos como fatores determinantes de quedas foram: idade igual ou maior a 75 anos.6 vezes (95% IC 1. terapia endovenosa. Os fatores de risco considerados de peso alto. declínio cognitivo e idade igual ou superior a 80 anos (440. necessidade de dispositivos de auxílio a mobilidade (3/11) e fraqueza geral. tranqüilizantes e benzodiazepínicos (4/11). presença de declínio cognitivo. particularmente nos idosos frágeis.00-2. artrite. limitações de mobilidade.78).5 vezes por não terem o hábito de ler como atividade de lazer (95%IC 1. Rubenstein e Josephson analisando 16 estudos de idosos vivendo na comunidade e de idosos institucionalizados. depressão e tempo maior de hospitalização (2/11).31 vezes a chance por apresentarem dificuldade em 4 ou mais atividades de vida diária (95%CI 1. de fraqueza muscular e de distúrbios do equilíbrio corporal. déficit visual. visto que a etiologia das quedas nos idosos é em geral multifatorial.93) e em 1. destaca-se o realizado no município de São Paulo que aponta que os idosos que caíram de forma recorrente tiveram sua chance aumentada em 1.37). Mas. em especial os estados de confusão e desorientação (9/11). Em uma revisão sistemática de 11 estudos de coorte ou casos-controle a cerca dos fatores de risco para quedas em ambiente hospitalar foram levantados como os mais freqüentes: alteração do estado mental. como distúrbios de marcha.52) por serem viúvos.03-2. ter tido três ou mais transferências de unidade. idade avançada (4/11). Colégio Politécnico Boock – www. em especial os benzodiazepínicos. Os autores concluem que as intervenções a serem priorizadas nos idosos hospitalizados são aquelas direcionadas a identificar e tratar as limitações relacionadas ao estado mental e ás alterações de mobilidade (15). condições pós-operatórias. comprometimento na capacidade de realizar atividades de vida diária e o uso de medicações psicotrópicas.69) e em 2. por ordem de importância: presença de fraqueza muscular. a busca ativa de causas que levaram o idoso a cair é fundamental para que uma intervenção apropriada seja realizada. Trata-se apenas de um guia para que se possa valorizar com maior ou menor intensidade determinados fatores. tontura.37 vezes por apresentarem comprometimento em 1 a 3 atividades de vida diária (95% CI 1. uma grande dificuldade em estabelecer uma única causa.politecnicoboock. história de quedas. Este modelo explicou 73% dos eventos (39). de quedas anteriores e de fraturas. ou seja. anemias. separados ou desquitados. apontam um aumento do risco com a presença dos seguintes fatores.br Página 64 .6 vezes por terem história de fratura (95% CI 2. abuso de drogas. comprometimento em atividades de vida diária. evidência de estado confusional agudo.49-3.53 vezes a chance por relatarem ter visão ruim ou péssima (95%CI 1.58-6. Há.23-9.34) quando comparados aos idosos que tinham boa percepção subjetiva de visão. história prévia de acidente vascular cerebral. uso de dispositivo de auxílio à marcha.O peso da evidência foi construído a partir da freqüência com que o fator aparece nos estudos analisados. Salienta-se que não há uma homogeneidade quanto aos fatores de risco apontados nos estudos. sonolência. história de quedas (4/11). no entanto. sexo feminino. em 4. marcha ou de mobilidade.00-2. Dentre estes estudos. Os fatores de menor relevância foram mês da internação.com. de inatividade. equilíbrio e fraqueza muscular (4/11). em 3. necessidade especial com toalete ou eliminações (4/11).

com lesões sérias) Baixo Índice de massa corpóreo Anemia Insônia Baixo (com lesões sérias) Baixo (recorrentes.politecnicoboock. recorrentes) Baixo (acidentais) Baixo (recorrentes) Alto (acidentais.br Página 65 .com. com lesões sérias) Artrite/osteoartrose História prévia de quedas História prévia de fratura Neuropatia Baixo (acidentais) Alto (recorrentes. com lesões sérias) Baixo (com lesões sérias) Colégio Politécnico Boock – www. Fatores Sócio-demográficos Sexo feminino Idade ≥ 75 anos Ausência de Cônjuge Raça Branca Baixa Renda Morar só Psico-Cognitivos Declínio Cognitivo Depressão Medo de Cair Alto (acidentais. com lesões sérias) Alto (recorrentes. recorrentes e com lesões sérias) Alto (acidentais. classificados de acordo com o peso da evidência. além da classificação de acordo com o tipo de queda.Fatores de risco. recorrentes) Baixo (acidentais) Médio (acidentais e recorrentes) Baixo (recorrentes) Médio (acidentais. com lesões sérias) Incontinência ou urgência miccional Médio (recorrentes.Quadro 1. recorrentes e com lesões sérias) Baixo (recorrentes) Baixo (com lesões sérias) Baixo (acidentais) Baixo (com lesões sérias) Peso da evidência e tipo de queda Condições de saúde/Doenças Crônicas AVC prévio Diabetes Queixa de Tontura Hipotensão Postural Alto (acidentais.

recorrentes.recorrentes.com lesões sérias) Baixo (acidentais) Alto (acidentais.br . com lesões sérias) Equilíbrio corporal.Funcionalidade Comprometimento em AVD Alto (acidentais. com lesões sérias) Baixo (acidentais) Baixo (acidentais) Baixo (acidentais) Baixo (com lesões sérias) (se alta: fator presente na maioria dos estudos. 2002.recorrentes. recorrentes) Alto (acidentais. se moderada: fator presente em boa parte dos estudos. com lesões sérias) Distúrbio neuromuscular Fraqueza muscular de MMII Fraqueza muscular de preensão Diminuição de reflexos Dor em joelho ou quadril Problemas nos pés Tempo de reação Uso de medicações Psicotrópicas :Benzodiazepínicos Bloqueadores de canal de cálcio Analgésicos Número de medicações Condição médica prévia Hospitalizações Baixo (acidentais) Alto (recorrentes. Acidentais ou relacionadas ao ambiente Fraqueza muscular Distúrbios do equilíbrio e marcha Tontura e vertigem Página 66 Colégio Politécnico Boock – www. com lesões sérias) Baixo (com lesões sérias) Baixo (com lesões sérias) Alto (recorrentes. marcha e mobilidade Alto (acidentais. mas não na maioria e se baixa: fator presente em um ou dois estudos apenas) Quadro 2 – Causas de quedas em idosos: resumo de 12 estudos levantados por Rubenstein.recorrentes. com lesões sérias) Necessidade de dispositivo de auxílio a marcha Inatividade Comprometimento sensorial Comprometimento visual Moderado (acidentais.politecnicoboock. com lesões sérias) Alto (acidentais.com. Josephson.recorrentes.

A queda de causa desconhecida deve ser amplamente investigada até que um fator ou vários fatores seja apontado como agentes etiológicos ou precipitantes do evento. Aspectos como se houve ou não perda da consciência ou escurecimento da visão podem descartar síncopes.Artrite Epilepsia Medicamentos ―drop attack‖ Hipotensão Postural Queda da cama Síncope Doenças agudas Dor Álcool Confusão ou Delirium Distúrbios visuais Para que este levantamento sobre as causas possa ser realizado de forma sistematizada.com. como mecanismo da queda. local onde ocorreu a queda. especialmente. trauma craniano ou escoriação. corte? Houve necessidade de procurar um médico ou serviço de emergência em um hospital? O Sr. hora do dia ou noite. delirium. acidente vascular encefálico. A mesma pessoa pode cair em diferentes momentos por várias razões. previne novos eventos e trata doenças associadas. Nunca. luxação. atividade que estava sendo realizada no momento do evento. e qualquer sinal ou sintoma pré ou pós-evento que possa ter relevância na determinação do mesmo. como falseamento dos joelhos pode estar relacionado à fraqueza muscular. Agora vamos falar sobre sua última queda. osteoartrose de joelhos e ao drop attack. a sensação de tontura relacionada à posição da cabeça ou a movimentos do corpo pode estar associada à presença de disfunções vestibulares. arritmia cardíaca. evitando comorbidades e o escalonamento de incapacidades (26). (a) sabe precisar quando ela ocorreu? Colégio Politécnico Boock – www. A queda pode ser o reflexo de uma doença aguda como infecção urinária ou respiratória. medo.br Página 67 . o Sr.(a) caiu no último ano? Houve alguma conseqüência como fratura. contusão. tipo de calçado. nos idosos que caem recorrentemente devê-se assumir como causa aquela relacionada a um evento anterior. Roteiro sugerido para investigação do evento de queda: Quantas vezes o Sr. Outros mecanismos envolvidos. (a) o fez por dor. (a) restringiu suas atividades habituais por causa da queda? Se sim. dentre outros. faz-se necessário identificar todo o contexto. O roteiro apresenta as principais perguntas a serem realizadas na investigação do evento de queda. A busca sistematizada de fatores causais permite o adequado manejo.politecnicoboock. O Sr. insegurança. dentre outras. dificuldade para andar.

o Sr. Colégio Politécnico Boock – www.(a) esteve hospitalizado? O Sr.(a) estava realizando no momento da queda? Tomando banho. Levar em conta a presença de fatores extrínsecos precipitantes. os joelhos falsearam.com. subindo no banquinho. cansaço. vestir-se. A exclusão de outros fatores intrínsecos pode classificar o evento como tipicamente acidental (38). febre. dor no peito. problemas de memória. taquicardia. tomar remédios na hora certa ? Com o objetivo de facilitar a exclusão de fatores causais foi proposto o algoritmo descrito abaixo como um modelo para tomada de decisão clínica em relação ao diagnóstico.A queda aconteceu de dia ou de noite? O evento ocorreu após a refeição? Em que lugar aconteceu a queda? Houve perda da consciência? Que movimentos o Sr. Como a queda ocorreu? Desequilibrou-se. Houve alguma modificação na medicação usada habitualmente? Algum medicamento novo foi introduzido ou retirado? Fez uso de alguma medicação por conta própria? No último ano.politecnicoboock. etc. etc. andar fora de casa. falta de ar. andando até o banheiro. descendo do ônibus. Que atividade o Sr. tomar banho. calçando o chinelo. ir ao banheiro em tempo. O crédito do evento a um fator ambiental deve ser vastamente pesquisado. dentre outras. sentiu-se tonto ? Que parte do corpo bateu primeiro no chão ou no mobiliário? Estava usando óculos ou aparelho auditivo (quando se aplicar)? Como estava se sentindo antes de cair (na semana prévia)? Houve alguma modificação na sua saúde? Como fraqueza generalizada. inclinando-se.br Página 68 . virando-se.(a) diria que tem tido maior dificuldade para andar dentro de casa.(a) estava fazendo no momento da queda? Andando. sentiu-se fraco subitamente. levantando-se da cadeira. apatia. voltando para o quarto.

br Página 69 .com.Figura 1 . assim como as histórias prévias de quedas têm sido apontadas como fatores de risco para idosos que vivem na comunidade. assim como estratificar este risco.Algoritmo adaptado proposto pela OPAS. centro de reabilitação.42.politecnicoboock. Deve ser realizado em todos os idosos admitidos em hospitais.2002. instituições de longa e curta permanência e em unidades de acompanhamento ambulatorial (15. em assistência domiciliar.46. Colégio Politécnico Boock – www. Avaliação do risco para quedas e testes de equilíbrio e marcha Um screening de risco para quedas é um instrumento eficaz na identificação de idosos com maior chance de sofrerem um evento no futuro. Uma combinação de instrumentos em geral contidos na avaliação geriátrico-gerontológica abrangente deve ser utilizada como rastreio para maior vulnerabilidade a quedas. Nenhum instrumento aplicado de forma isolada é capaz de identificar idosos de risco para quedas. A queixa de dificuldade de equilíbrio e marcha. É consenso que quanto maior o número de fatores de risco presentes maior será a chance de queda.50).

Uma pontuação de 19 ou menos foi associada a quedas em idosos na comunidade (47). A escala consiste de 14 tarefas. até 5 . estratégias compensatórias devem ser elucidadas com objetivo de avaliar se são as mais indicadas para dado paciente no seu contexto funcional diário. o POMA e o Dynamic Gait Index são testes funcionais de avaliação do equilíbrio e da marcha que contém um maior número de tarefas motoras e necessitam de um maior treinamento e expertise na sua aplicação.4.1988) o Functional Reach e o Dynamic Gait Index (SHUMWAYCOOK et al. 1986. a escala de Equilíbrio de Berg . Colégio Politécnico Boock – www. Em geral. considera-se que 11 a 20 segundos sejam os limites normais de tempo para idosos frágeis ou pacientes deficientes. Todos têm sido largamente apontados na literatura internacional como instrumentos válidos na determinação de idosos com maior chance de quedas. Assim. dentre outros. Dentre estes. um tempo de 10 segundos. baseada na qualidade e necessidade de assistência para realizar a tarefa de forma assim como. O Índice dinâmico da marcha é composto por oito tarefas de deambulação que avaliam velocidade e instabilidade na marcha durante o acelerar e desacelerar.politecnicoboock..realiza de forma independente. os fisioterapeutas devem perguntar-se se seus pacientes estão utilizando as melhores estratégias dada suas limitações primárias e se uma intervenção terapêutica poderia melhorar os mecanismos de controle postural.br Página 70 . virar-se. (1997). mais de 20 segundos na execução da atividade é considerado um valor indicativo da necessidade de intervenção adequada. virar 360 graus.Vários testes têm sido desenvolvidos com o objetivo de avaliar funcionalmente o equilíbrio e a marcha e busca estabelecer parâmetros para identificação de idosos com maior suscetibilidade a cair. 1992). que vai desde 0 . passar de sentado para de pé. Os elementos do teste são representativos de atividades do dia a dia como sentar. inclinar-se à frente. levantar.20). As escalas de Berg. Os autores admitiram como tempo normal para a realização da tarefa por adultos saudáveis. sentado-se novamente com as costas apoiadas no encosto da cadeira. andar 3 metros até um demarcador no solo. em movimento de rotação e flexo-extensão da cabeça. Os escores dos 14 itens são combinados em um escore total que vai de 0 a 56 pontos. a instrução dada é que o idoso execute a tarefa de forma segura e o mais rapidamente possível. Assim. necessitando apenas de um procedimento sistematizado que consiste em medir o tempo gasto na tarefa de levantar-se de uma cadeira (a partir da posição encostada). com um escore maior relacionado a um melhor desempenho. para identificar indivíduos que se beneficiariam de um encaminhamento para fisioterapia e para prever quedas em idosos da comunidade e institucionalizados (3. categorizadas numa escala ordinal de cinco pontos. O Timed up & go test é bastante simples e não exige nenhuma expertise específica. em movimentos de rotação axial do corpo..1992 demonstraram que o escore de 45 ou menos foi preditivo de quedas recorrentes em um estudo de meta-análise com 110 sujeitos. os quais são categorizados em uma escala de três pontos. BERG et al. O POMA consiste de nove itens como contra-reação ao desequilíbrio aplicado ao esterno.com. A Berg Balance Scale foi desenvolvida para monitorar o desempenho dos idosos quanto à tarefas motoras de equilíbrio em idosos.Berg Functional Balance Scale (BERG et al. o POMA -– Performance-Oreinted Assessement of Mobility (TINETTI. girar e voltar andando no mesmo percurso.incapaz de realizar a tarefa. em movimentos de ultrapassar e circundar obstáculos e em subir e descer degraus. no tempo para completar a prova. destacam-se: Timed Up & Go Test (PODSIADLO & RICHARDSON (1991). são aplicados por fisioterapeutas dentro de um espectro maior de avaliação físico-funcional de idosos.

br Página 71 . A partir daí.1. O Colégio Politécnico Boock – www. que em conjunto possam classificar os idosos em função risco de queda. é necessária uma avaliação sistematizada por meio de uma avaliação geriátrico-gerontológica abrangente e de avaliações do equilíbrio funcional e da marcha.com. implementa-se intervenções específicas para cada grupo.politecnicoboock. “Guidelines” para prevenção de quedas em idosos O diagrama acima tem como objetivo nortear as intervenções para idosos vivendo na comunidade.16. A partir do levantamento da ocorrência de queda no último ano e da suspeita de alterações de marcha ou equilíbrio.

Programas multidimensionais bem-sucedidos incluem avaliação e aconselhamento médico e ambiental. usando teste válidos e confiáveis de acordo com a população estudada (21.16. adequação de medicação. 38. 13).com. o medo de cair e a percepção de auto-eficácia em atividades do cotidiano (42). A intervenção isolada tem pouco impacto sobre a diminuição no risco relativo de quedas. sua freqüência e a presença de conseqüências adversas ao menos mensalmente. ou adaptação ambiental isoladamente diminuam o risco de queda (13 . 16. Uma avaliação do evento de queda deve ser desencadeada para a busca sistematizada de fatores etiológicos (21.22. 53).38).26. a gravidade como também do intervalo entre os eventos. 22.36).49). exercícios individualizados.50). A restrição ou contenção física deve ser evitada(42. encaminhamento a especialistas de acordo com a necessidade (7.politecnicoboock. treino de transferências posturais e de marcha e. Avaliar. Seis de oito ensaios clínicos que envolveram pessoas com estas Colégio Politécnico Boock – www.45.46). Devem-se enumerar todos os fatores de risco presentes e separá-los em modificáveis e não modificáveis (39.23. Uma vez estabelecido um protocolo de intervenção. Deve-se atuar de maneira personalizada sobre os fatores de risco modificáveis.10. quando necessário.45.44.46).monitoramento subseqüente diz respeito não só a ocorrência. Ensinar ao paciente como se levantar após uma queda (42). um sistema de vigilância contínua deve ser iniciado com a presença de alarmes sonoros ou de cuidadores em tempo integral. é imprescindível monitorar a ocorrência de eventos.42. mudança na prescrição medicamentosa. 23.36.22. Todos os idosos devem ser classificados quanto ao grau do risco para que se possa determinar o nível de intervenção a ser prescrita (39. 46. Deve-se avaliar o equilíbrio e a marcha. Não há comprovação de que exercícios.23. De forma geral preconiza-se que: Todos os idosos devem ser perguntados quanto a ocorrência de qualquer evento no último ano e rastreados quanto ao risco de quedas (13. A melhor forma é utilizar o sistema do tipo calendário (13). Quando o paciente for identificado como sendo de alto risco e possuir um declínio cognitivo.br Página 72 . Estabelecer medidas educacionais visando à diminuição de comportamentos de risco (42). É recomendável que se promovam intervenções multidimensionais. a freqüência. estabelecendo intervenções baseadas em evidências. As intervenções para prevenção de quedas são mais eficazes se forem direcionadas a idosos de alto risco de cair e que vivem na comunidade.

que variam tremendamente entre os estudos. o número médio de quedas e quanto à freqüência das quedas. Em uma meta-ánalise recente envolvendo 12 estudos. Colégio Politécnico Boock – www. há ainda dificuldades metodológicas que não permitem a adequada comparação entre os estudos.23).) .politecnicoboock. ao controle dos limites de estabilidade. Quadro 4 – Intervenções recomendadas para tratamento de fatores de risco/ causas de quedas em idosos Fator de risco ou causa presente Fraqueza muscular de MMII Intervenção Programa de fortalecimento muscular de quadríceps e dorsi-flexores de tornozelo. os resultados apontam que houve uma redução de 4% na ocorrência de quedas para os idosos que estavam no grupo de tratamento que receberam várias e diferentes intervenções. Exercícios excêntricos são recomendados. Dois destes ensaios envolveram intervenções multidimensionais. não encontrou-se diferença entre o grupo que sofreu intervenção e o grupo controle quanto ao número cumulativo de quedas. um envolveu a redução no uso de medicações psicotrópicas e um relacionou-se com a redução de riscos ambientais por meio da avaliação de uma terapeuta ocupacional (13. dois envolveram exercícios. Reforçou-se ainda que intervenções isoladas tem um menor impacto na redução das quedas. Podem ser realizados em casa mas. ao controle da rotação de tronco e na eficácia das estratégias motoras. devem ser monitorados por fisioterapeuta. Há estudos apontando que mesmo com intervenções multidimensionais. Encontrou-se uma diferença significante quanto ao intervalo entre os eventos de queda. O quadro abaixo enumera intervenções específicas de acordo com evidências existentes na literatura. No entanto.br Página 73 . vivendo na comunidade têm maior eficácia do que aqueles direcionados à idosos institucionalizados (22.com. independentemente da intervenção realizada. Recomenda-se a prática de Tai Chi.características relataram uma significativa redução no risco relativo de queda. e que os programas direcionados para idosos de risco mas. A eficácia é maior se forem realizados para grupos de idosos de alto risco e se forem supervisionados por fisioterapeuta Distúrbio de equilíbrio Treino de equilíbrio em relação à integração das informações sensoriais.

Adequação de lentes corretivas. Prescrever um número reduzido de medicações e levantar Uso de medicações psicotrópicas o uso de medicações sem prescrição médica Modificação ambiental só foi eficaz na redução das quedas quando realizada após avaliação feita por profissional de terapia ocupacional e fornecido as adaptações necessárias. Visita anual ao oftalmologista.Distúrbios de marcha Adequação e ou prescrição de dispositivos de auxílio à marcha. antidepressivos e benzodiazepínicos (curta e longa duração). Déficit auditivo Revisão da medicação. Acompanhamento cuidadoso do equilíbrio corporal após cirurgia de catarata. Hipotensão Postural: queda sintomática de 20 mmHg na PA sistólica mensurada entre 1 a 5 minutos após ficar de pé a partir da posição deitada ou sentada Rever a necessidade de uso de anti-psicóticos. elevação da cabeceira da cama.br Página 74 .com. O treino de uso adequado é recomendável. Presença de riscos ambientais Colégio Politécnico Boock – www. orientação de movimentos de MMII antes de se levantar.politecnicoboock. Déficit visual Evitar o uso de lentes bifocais. Prescrição e uso adequados do aparelho de amplificação sonora. Visita regular ao podólogo.

Presença de queixa de tontura Evitar ingesta hídrica antes de dormir. Evitar eventos estressores. demência Avaliação específica do desempenho por meio do Timed up & go modificado. Implementar medidas de higiene do sono. neuropatias.politecnicoboock. flutuação. Adequar o ciclo vigília-sono. Acender luz ao ir ao banheiro durante a noite ou deixar luz noturna acesa.com. Utilização de fraldas noturnas Realizar reabilitação funcional do assoalho pélvico. Confusão mental Evitar restrição física ou medicamentosa. Usar terapia de validação. implementar Reabilitação Vestibular. afundamento. Se diagnosticada síndrome vestibular. acidente vascular encefálico. artrite. parkinsonismo.Inquérito sobre tontura. cabeça oca. Doença de Parkinson.br Página 75 . Vigilância contínua Manejo farmacológico específico. Treino de Equilíbrio associado ao treino cognitivo Distúrbio de atenção: dificuldade em dupla tarefa: motora e cognitiva concomitantes Colégio Politécnico Boock – www. Necessidades específicas nas eliminações Avaliar se há presença de quadro de estado confusional agudo. Fisioterapia especializada. etc) encaminhamento ao otoneurologista. Se presença de quadro de tontura (vertigem. Distúrbios de comportamento: agitação psicomotora.

353:93-7. Centers for Disease Control and Prevention.politecnicoboock. Rivara FP. Maki BE. RR-2). Davis JW. Cumming RG. 10. J AM Geriatr Soc 1999.47:1397-402. Gulham EG.MMWR 2000. Int 1998. Physical Therapy 1999. Carter ND. Intervention strategies and risk-factor modification for falls prevention: a review of recent interventions studies. 2. Berg KO. 83:S7-S11.com. 11. Spears GF. Takemoto T.18(2).3(3):164-74. Bergland A. Journal of Gerontology: Medical Sciences 1989. Saúde Pública 2002. Thomas M. Wood-dauphinee SL. Can J Public Health 1992. Measuring Balance in the elderly: validation of na instrument. Am J Public Helath 1992. Physioterapy Res. Close J. Hayashi T. Uso de mdeicamentos psicoativos e seu relacionamento com quedas em idosos. EllisM. da Silva SD. Kannus P. 7:38-45. Lambert L. Lancet 1999. 9. 15. Arch Phys Med Rehabil 1992. International Journal of Nursing Practice 2001. Williams JL. Lower-Extremety Muscle Force and Blance Performance in Adults Aged 65 years and older. et al. Ferreira TJXM. 44(4):M112-M117. Alexander BH. Wasnich RD. Berg KO. Wolf ME. Wood J. 31(6):427-38. Fall risk factors in the hospital setting: a Systematic Review. Colégio Politécnico Boock – www. Borrie MJ. Cumming RG. Laake K. Hodgkinson B. Coutinho ESF. Falls reported among elderly Norwegians living at home. Pettersen AM. et al. 13. 79(12):1177-1185. 4. Clinics in Geriatric Medicine 2002. Falls among communitydwelling elderly in Japan. 8. Home visits by an occupational therapist for assessment and modification of environmental hazards: a randomized trial of falls prevention. Prevention of Falls in the Elderly trial (PROFET): a randomized contolled trial. Szonyi G. The cost and frequency of hospitalization for fall-related injuries in older adults. Uso de medicamentos como fator de risco para fratura grave decorrente de queda em idosos. Campbell AJ.Referências: 1. Exercise in the prevention of falls in older people: a systematic literature review examining the rationale and the evidence. Maki B. Ross PD. 13(9):1468-1474. 73:1073-1080. Khan KM. Rev. Chaimowicz F. Clinical and laboratory measures of postural balance in an elderly population. Aoyagi K.82:1020-3. 6. et al. Risk factors for falls in a community-based prospective study of people 70 years and older. Miguel DFA. 18(5):1359-1366. Evans D. Saúde Pública 2000. 14.CDC Recommendations Regarding Selected Conditions Affecting Women’s Health.br Página 76 . 3. 12. Journal of Bone and Mineral Research 1998. Hooper R. 5. Williams JT.49(no. Daubney ME. Sports Med 2001. Cad. 7.34(6):631-35.

Flicker L. Damron-Rodriguez J et al. A ramdomized controlled trial of a community-based consultation service to prevent falls. 25. 19. Jette A. Am. In: Masdeu JC. Journal of Gerontology:Psychological Sciences 1998. circunstances. Hill-Westmoreland EE. Gillespie WJ. Physical Therapy 1995.34(4):1-24. 24. Ooms. Lapann K. Palvanen M. 22. 23. Grisso JA. 17. Chiu V. Assmann S. Cumming R. 51(1):1-8. Betts J. Nelson DE. Hunter M et al. Carter Y. Polansky M. 2000. Lips P. Cryer C. Epidemiol 1996. Smith GS. Luukinen. The impact of falls in an inner-city elderly African-american population.Peterson EW. Falls among healthy..40(7):673-78. 1997. Rowe BH. MacDonald FA. Wolfson V. Parkkari J. Schwarz J.Tennstedt S. Prevention of Hip Fracture in Elderly People with use of a Hip Protector. Koski K. 29.53B(1):P43-P50. Donovan S. Philadelphia. 75:462-69.43(3):275-78. Hofstee HMA. BMJ 2000. Sudarsky L. Vuori I. Dan. 25:29-38. Howland J. The New England Journal of Medicine 2000. Stevens JA. Issue 2. Pasanen M. Interventions for preventing falls in the Elderly (Cochrane Review).16. ME. community-dwelling older women: a prospective study of frequency. 343(21):1506-1513. Fear of falling and activity restriction: the survey of activities and fear of falling in the elderly (SAFE). Canadian medical Association Journal 2001. Guidelines for the prevention of falls in people over 65. Lamb SE. Langlois JA. JAGS 1992. A meta-analysis of fall prevention programs for the elderly:how effective aret they? Nurs Res 2002. Lachman ME. 28.297-307.com. Med. Laippala LK. p.23(1):4148. 26. Carrol S. Bull 1987. 21. Falls in the elderly: A prospective study of risk factors and risk profiles. Age and Ageing 1996. Spellbring AM. Bouter LM.143(11):1129-1136. Harada N. consequences and prediction accuracy. Graafmans WC.br Página 77 . Screening for balance and mobility impairment in elederly individuals living in residential care facilities. Soeken K. 321(21):1007-11. 27. Lippincott-Raven. 165(5). Kannus P. Hill K. The prevention of falls in later life. Kellog International Work Group on the Prevention of Falls by the Elderly. Gillespie LD. Evaluating the older person who falls. Hogan DB. Feder G. Gait disorders of aging: falls and therapeutic strategies. Australian and New Zealand Journal of Public Health 1989. Niemi S.Dependence in activities of daliy living as a risk factor for fall injury events among older people living in the community.politecnicoboock. Colégio Politécnico Boock – www. Delarue B. Bezemer PD.Wolfson L. Bricker S. Sattin RW. JAGS 1995. 20. King MB. Schwarz DF. J. In: The Cochrane Library. 18. Physiological factors and medications as predictors of injurious falls by eldelry people: a prospective population-based study. Järvinen M. De Vito CA.

Rubeistein ZL. Drugs and Falls in older people: a systematic review and meta-analysis. Prevention of fall injuries in the older adult. Rubeinstein LZ. 36. 46. Nevitt MC. Ramos LR. Williams P. 37. The effect of a 12-month exercise trial on balance. Latorre MDR. 32. The value of assessing falls in an elderly population: a randomized clinical trial. Geriatr Soc 1999. Journal of Gerontology:Medical Sciences 1991. 39:142-148. J Am Geriatr Soc 1991. Clin Geriatr. Josephson KR. In: Nursing Best Practice Guideline. O’Loughin JL. Journal of Gerontology: Medical Sciences 2003.13-36. 1997. Rubenstein LZ. Fear of Falling. Nevitt MC. 40. Suissa S. 34. 35. Perracini MR. Registered Nurses Association of Ontario.2002. Benício MHD.37(1):40-8. J Am Geriatr Soc.273:1341-7. JAMA 1995.113(4).36(6):709-16. Leipizig RM. LaStayo PC. Rosa TEC. Ewy GA. Gait disorders of aging: falls and therapeutic strategies. Lundin-Olsson NL. Ann Intern Med 1990. JAGS.p. The Epidemiology of falls and syncope. 82(3):264-272. 1998. Tinetti. 42. 43:1198-206. Nyberg L. J. Province MA. Gustafson Y. strength. Saúde Pública 2003. Colégio Politécnico Boock – www. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. 44. 31. 33. Legters K. and falls in older women: a randomized controlled trial. Lindstedt S. MacLean CH. Physical Therapy 2002. 18:141-158. Hadley EC. Boivin JF. The Timed ―Up & Go‖: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. Cummings SR. Guia Clínica para Atención Primaria a las personas Adultas Mayores. Philadelphia.Robbins AS. Ramos LR. Ward JA. Lippincott-Raven. 41. Richardson S. Sudarsky L. Podsiadlo D. Lord SR. Pierotti DD. Fatores associados a quedas em uma coorte de idosos residents na comunidade. Robitaille Y.47:30-9. Quality Indicators for the Management and Prevention of Falls and Mobility Problems in Vulnerable Elders. In: Masdeu JC. Powers C. 405p.46(6):758-61.135:686-693.politecnicoboock. ME. 1995.Wolfson L. 38. 46(5):M164-M170. Osterweild D. Attention. Cumming RG.A. American Journal of Epidemiology 1993. Johns RK. 45.Josephoson KR.137(3):342-354. OPAS. Incidence of and risk factors for falls and injurious falls among the community-dwelling elderly. Med 2002.Revista de Saúde Pública 2002. 58A(5):419-24. Falls in the elderly: risk factors and prevention. The Effects of exercise on falls in the elderly patients: a preplanned meta-analisys of the FICSIT trials. Schulman BL. Hude ES.com. Hornbrook MC. Ann Intern Med 2001. 39.br Página 78 . Psycotropic drugs.Risk factors for injurious falls: a prospective study. et al.30. and falls: the effect of a manual task on basic mobility. The Positive effect of negative Work: increased Muscle Strength and decreased Fall risk in a Frail Elderly Population. Frailty. Rev. 2002 43.

320:1055-9. J Am Geriatr Soc 1996. 17.53A(4):M264-M274. Garry PJ. Wolf SL. 53. Risk factors for falls among elderly persons living in the community.319:170-7.331:821-7. Bouter Lm. Geriatric Nursing 2002. et al. Speechley M. uma avaliação médica se faz necessária para o esclarecimento do quadro apresentado pelo idoso. TRANSTORNOS MENTAIS EM IDOSOS A velhice é um período normal do ciclo vital caracterizado por algumas mudanças físicas. 23(3):145-150. Tinetti ME. Conseqüentemente. 48. Tinetti ME. Predicting the probability for falls in community-dwelling older adults.politecnicoboock. 49. Tromp AM. Predictors for falls and fractures in the longitudinal aging study Amsterdam. Baker DI. N Engl J Med 1989. Best Care for the Elderly at Forsyth Medical Center. N Engl J Med 1994. 52. Além disso. N Engl J Med 1988.47. fobias e transtornos por uso de álcool. Lips. Wayne SJ. Reducing frailty and falls in older persons: an investigation of Tai Chi and computerized balance training. McAvay G et al. Prevention of falls among the elderly. Baumgartner RN.br Página 79 . Tomlin C. Colégio Politécnico Boock – www. 51. Phys Therapy 1997. Kutner NG.1998. 54. Vellas JB. 50. Deeg LM. Shumway-Cook A et al. Journal of Bone and Mineral Research 1998. Tinetti ME. É importante fazer essa consideração pois algumas alterações nesses aspectos não caracterizam necessariamente uma doença. 77:812. Smit JH.P. há alguns transtornos que são mais comuns em idosos como transtornos depressivos. Journal of Gerontology: Medical Science. aliviados ou mesmo revertidos. Speechley M. Ginter SF. 44:489-97. os idosos apresentam risco de suicídio e risco de desenvolver sintomas psiquiátricos induzidos por medicamentos. transtornos cognitivos. mentais e psicológicas.com.A multifactorial intervention to reduce the risk of falling among elderly people living in the community. Swauger K. A Two-year longitudinal study of falls in 482 community-dwelling elderly adults. Em contrapartida.(12):1932-39. Muitos transtornos mentais em idosos podem ser evitados. Barnhart HX.

Com o aumento da idade a demência torna-se mais freqüente. Há perturbações comportamentais como agitação. na linguagem. doenças pulmonares crônicas e doenças inflamatórias. Esses fatores de risco incluem: Perda de papéis sociais Perda da autonomia Morte de amigos e parentes Saúde em declínio Isolamento social Restrições financeiras Redução do funcionamento cognitivo (capacidade de compreender e pensar de uma forma lógica.politecnicoboock. Demência Demência é um comprometimento cognitivo geralmente progressivo e irreversível. As funções mentais anteriormente adquiridas são gradualmente perdidas. impulsividade. síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). desinibição sexual e social. gritos.Diversos fatores psicossociais de risco também predispõem os idosos a transtornos mentais. violência. com prejuízo na memória). Acomete 5 a 15% das pessoas com mais de 65 anos e aumenta para 20% nas pessoas com mais de 80 anos. álcool. As causas de demência incluem lesões e tumores cerebrais. pensamento ilógico e alucinações. Os fatores de risco conhecidos para a demência são: Idade avançada História de demência na família.1. Sexo feminino Os sintomas incluem alterações na memória.br Página 80 . Transtornos psiquiátricos mais comuns em idosos Demência Demência tipo Alzheimer Demência vascular Esquizofrenia Transtornos depressivos Transtorno bipolar (do humor) Transtorno delirante Transtornos de ansiedade Transtornos somatoformes Transtornos por uso de álcool e outras substâncias 17. na capacidade de orientar-se. medicamentos.com. andar a esmo. raiva. Na Colégio Politécnico Boock – www. infecções. inquietação. alterações do sono.

o tipo mais comum de demência. na fala. 17. Esquizofrenia (esquizofrenia e outras psicoses) Essa doença começa no final da adolescência ou idade adulta jovem e persiste por toda a vida. obsessão (pensamento.2.maioria das vezes as demências são causadas por doenças degenerativas primárias do sistema nervoso central (SNC) e por doença vascular. 17. 17. alucinações e afeto rígido. Não há prevenção ou cura conhecidas. sentimento. comportamento excêntrico.com. entretanto as mais comuns são demência tipo Alzheimer e demência vascular.br Página 81 . Inicialmente.5. Transtornos depressivos Colégio Politécnico Boock – www. diabete. As alterações do comportamento envolvem depressão. deficiências vitamínicas. Demência tipo Alzheimer De todos os pacientes com demência. 17. O diagnóstico é feito com base na história do paciente e do exame clínico.politecnicoboock. Os idosos com esquizofrenia respondem bem ao tratamento com drogas antipsicóticas que devem ser administradas pelo médico com cautela. 80% mostram graus variados de comprometimento. tabagismo e arritmias.4. Os sintomas incluem retraimento social. 50 a 60% têm demência tipo Alzheimer. a pessoa pode apresentar uma incapacidade para aprender e evocar novas informações. Pode ser prevenida através da redução de fatores de risco como hipertensão. Aparecem também alterações neurológicas como problemas na marcha. surtos de raiva com risco de atos violentos. Cerca de 10 a 15% dos pacientes com sintomas de demência apresentam condições tratáveis como doenças sistêmicas (doenças cardíacas. É mais freqüente em mulheres que em homens. A desorientação leva a pessoa a andar sem rumo podendo ser encontrada longe de casa em uma condição de total confusão. pensamento ilógico. Cerca de 20% das pessoas com esquizofrenia não apresentam sintomas ativos aos 65 anos. mas a linguagem e noção de orientação do indivíduo também são afetadas. A doença torna-se menos acentuada à medida que o paciente envelhece. As técnicas de imagem cerebral como tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser úteis. Apresenta as mesmas características da demência tipo Alzheimer mas com um início abrupto e um curso gradualmente deteriorante. no desempenhar uma função motora e na compreensão do que lhe é falado. O tratamento é paliativo e as medicações podem ser úteis para o manejo da agitação e das perturbações comportamentais. É caracterizada por um início gradual e pelo declínio progressivo das funções cognitivas. A memória é a função cognitiva mais afetada. renais. O diagnóstico pode ser confirmado por técnicas de imagem cerebral e fluxo sangüíneo cerebral. As demências são classificadas em vários tipos de acordo com o quadro clínico. endócrinas). uso de medicamentos e outras doenças psiquiátricas (depressão). Demência vascular É o segundo tipo mais comum de demência. idéia ou sensação intrusiva e persistente) e desconfianças.3.

Um aspecto importante no quadro de pessoas idosas é a ênfase aumentada sobre as queixas somáticas. 17. perda do emprego. mas ser viúvo ou viúva e ter uma doença crônica estão associados com vulnerabilidade aos transtornos depressivos. Além disso. consumo excessivo de álcool. fobias.politecnicoboock. As características são as mesmas das descritas em transtornos de ansiedade em outras faixas etárias. perda de peso e queixas somáticas (como dores pelo corpo). Pode haver dificuldades de memória em idosos deprimidos que é chamado de síndrome demencial da depressão que pode ser confundida com a verdadeira demência. trancarem-se em seus aposentos e viverem em reclusão. A depressão que inicia nessa faixa etária é caracterizada por vários episódios repetidos. Além disso. doenças médicas que debilitam ou por cirurgia. problemas com o sono especialmente despertar precoce pela manhã e múltiplos despertares. Colégio Politécnico Boock – www. ansiedade generalizada. 17. seguidos. A natureza dos pensamentos pode ser em relação ao corpo. impulsividade e. esquizofrenia. fácil distração. Desses. Transtorno delirante A idade de início ocorre por volta da meia-idade mas pode ocorrer em idosos. diminuição do apetite. O tratamento deve ser feito com medicação cuidadosamente controlada pelo médico. isolamento social. necessidade de sono diminuída. Transtornos de ansiedade Incluem transtornos de pânico. os mais comuns são as fobias. aposentadoria. Os transtornos de ansiedade começam no início ou no período intermediário da idade adulta.7. Pode haver um comportamento hostil e desconfiado. como acreditar ter uma doença fatal (hipocondria). Ocorre sob estresse físico ou psicológico em indivíduos vulneráveis e pode ser precipitado pela morte do cônjuge. podem ser secundárias ao uso de medicamentos ou sinais precoces de um tumor cerebral. freqüentemente. TOC. envenenados ou de algum modo assediados).6. transtornos por uso de álcool. As alterações do pensamento podem acompanhar outras doenças psiquiátricas que devem ser descartadas como demência tipo Alzheimer.A idade avançada não é um fator de risco para o desenvolvimento de depressão. Podem tornar-se violentos contra seus supostos perseguidores. transtornos depressivos e transtorno bipolar. Quando um primeiro episódio de comportamento maníaco ocorre após os 65 anos. 17. comprometimento visual e surdez. a depressão pode estar associada com uma doença física e com uso de medicamentos. de estresse agudo e de estresse pós-traumático.com. deve-se alertar para uma causa orgânica associada. mas alguns aparecem pela primeira vez após os 60 anos. Transtorno bipolar (transtornos do humor) Os sintomas da mania em idosos são semelhantes àqueles de adultos mais jovens e incluem euforia. Os sintomas incluem redução da energia e concentração.br Página 82 .8. Os sintomas são alterações do pensamento mais comumente de natureza persecutória (os pacientes crêem que estão sendo espionados. humor expansivo e irritável. circunstâncias financeiras adversas.

Transtornos somatoformes São um grupo de transtornos que incluem sintomas físicos (por exemplo dores. a dor é verdadeira e percebida como tal pelo paciente. geralmente. As obsessões (pensamento. tornando-se geralmente inflexíveis e rígidos. deve-se dar um enfoque psicológico ou farmacológico. ansiolíticos e narcóticos é comum. Transtornos por uso de álcool e outras substâncias Os pacientes idosos com dependência de álcool. como depressão grave. incluindo ainda tipos diferenciados de depressão. Podem ter compulsões para verificar as coisas repetidamente. confusão mental. 17. fraca higiene pessoal.com. a severidade e a duração dos sintomas. Não são resultado de simulação consciente. embora o seja mais freqüente entre 40 e 50 anos.9. O transtorno de estresse pós-traumático freqüentemente é mais severo nos idosos que em indivíduos mais jovens em vista da debilidade física concomitante nos idosos. depressão unipolar. rituais e necessidade excessiva de manter rotinas. sentimento. pontuais e parcimoniosas. verificar ou evitar ou um pensamento que serve para anular uma obsessão) podem aparecer pela primeira vez em idosos. depressão maior. idéia ou sensação intrusiva e persistente) e compulsões (comportamento consciente e repetitivo como contar. principalmente doença hepática. 18. Além disso. embora geralmente seja possível encontrar esses sintomas em pessoas que eram mais organizadas.Em idosos a fragilidade do sistema nervoso autônomo pode explicar o desenvolvimento de ansiedade após um estressor importante. um grande número tem demência causada pelo álcool. A dependência de substâncias como hipnóticos. A queixa é real. A hipocondria é comum em pacientes com mais de 60 anos. Os pacientes idosos podem abusar de ansiolíticos para o alívio da ansiedade crônica ou para garantirem uma noite de sono. depressão psicótica. Nesses transtornos. depressão atípica.politecnicoboock. melancolia.br Página 83 . A apresentação clínica é variada e inclui quedas. depressão endógena. apresentam uma história de consumo excessivo que começou na idade adulta e apresenta uma doença médica.10. O que é a depressão? Colégio Politécnico Boock – www. depressão e desnutrição. náuseas e tonturas) para os quais não pode ser encontrada uma explicação médica adequada e que são suficientemente sérios para causarem um sofrimento emocional ou prejuízo significativo à capacidade do paciente para funcionar em papéis sociais e ocupacionais. os fatores psicológicos são grandes contribuidores para o início. depressão sazonal. DEPRESSÃO Sinônimos e nomes relacionados: Transtorno depressivo. Ao tratamento. 17. Exames físicos repetidos são úteis para garantirem aos pacientes que eles não têm uma doença fatal. Tornam-se excessivos em seu desejo por organização. perfeccionistas.

podem ser atingidas. crise da meia-idade. cuidados pessoais com higiene. Geralmente o sono e a alimentação estão também alterados. não conseguindo voltar a dormir. encontros sociais e prática de esportes. como atividades recreativas. Como se diagnostica a depressão? Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa. climatério. como por um sentimento de raiva persistente. porém mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Pode ocorrer também uma perda de interesse por atividades que antes eram capazes de dar prazer à pessoa. Deve-se a questões constitucionais da pessoa. contudo. entre outros. negam a existência de tais sentimentos. com a pessoa tendo dificuldade para começar a dormir. cuidados domésticos. abatido ou " na fossa ". durando a maior parte do dia por pelo menos duas semanas. morte na família. ou mesmo o oposto. seu aumento. como: Estresse Estilo de vida Acontecimentos vitais. que podem aparecer de outras maneiras. nas quais é possível localizar o evento desencadeador. São comuns ainda a sensação de diminuição de energia. homens e mulheres. sem outras causas médicas que as justifiquem. desanimado. de qualquer faixa etária. ou acordando no meio da noite ou mesmo mais cedo que o seu habitual. vestuário) e como ela está se relacionando com outras pessoas.Depressão é uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa. Tais eventos deixam de ser agradáveis. com " baixo-astral ". deixando-a com um predomínio anormal de tristeza.politecnicoboock. As causas de depressão são múltiplas. a fim de se diagnosticar a doença e se iniciar um tratamento médico eficaz. O que sente a pessoa deprimida? Freqüentemente o indivíduo deprimido sente-se triste e desesperançado. podendo haver diminuição do apetite. Como se desenvolve a depressão? Na depressão como doença (transtorno depressivo). diferentemente das reações depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo. alimentação. Em crianças e idosos a doença tem características particulares. cansaço e fadiga. com fatores genéticos e neuroquímicos (neurotransmissores cerebrais) somados a fatores ambientais. nem sempre é possível haver clareza sobre quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida.br Página 84 . nem sempre sendo possível saber porque a pessoa está assim. havendo perda ou ganho de peso. Em relação ao sono pode ocorrer insônia. ataques de ira ou tentativas constantes de culpar os outros. passatempos. Muitas pessoas com depressão. ou mesmo ainda com inúmeras dores pelo corpo. Todas as pessoas. como ela continua organizando a sua vida (trabalho. sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também freqüente. de maneira que somadas podem iniciar a doença.com. Como é o pensamento da pessoa deprimida? Colégio Politécnico Boock – www. tais como crises e separações conjugais. sociais e psicológicos. O mais importante é saber como a pessoa sente-se. injustificáveis por algum outro problema físico.

Pode haver depressões leves. 19. cuidar de filhos. sentindo-se fracassadas até por acontecimentos do passado. Muitas pessoas podem ter ainda dificuldade em pensar. depressões leves ou mais graves necessitam de tratamento médico. De qualquer forma. que fazem a pessoa culpar-se. Apesar de hoje em dia grande parte do conhecimento poder chegar à maioria da população. o relacionamento com outras pessoas pode tornar-se prejudicado: dificuldades conjugais podem acentuarse.Pensamentos que freqüentemente ocorrem com as pessoas deprimidas são os de se sentirem sem valor. geralmente medicamentoso (com medicações antidepressivas). ou psicoterápico. Sexo na Idade Madura: Uma Opção de Vida Melhor Recomendações para um bom sexo na maturidade. dedicar-se a uma outra pessoa. de acordo com a intensidade da doença e a disponibilidade dos tratamentos. a qual gera um ciclo vicioso depressivo que resulta na perda da esperança em melhorar naquelas pessoas que não iniciam um tratamento médico adequado. Como se trata a depressão? O tratamento médico sempre se faz necessário. Assim. ou mesmo impraticáveis. ou na sua própria morte. achando ser esta a " única saída " ou para " se livrar " do sofrimento. principalmente em pessoas deprimidas que vivem solitariamente.politecnicoboock.com. sentindo-se com falhas para concentrar-se ou para tomar decisões antes corriqueiras. sentir-se inútil ou um peso para os outros. sendo o tipo de tratamento relacionado à intensidade dos problemas que a doença traz. Muitas vezes questões comuns do dia-a-dia deixam os indivíduos com tais pensamentos. além de vícios de uma educação repressora em determinadas tradições que inibem a expressão da sexualidade. culpando-se em demasia. Dessa forma. sentimentos estes provocados pela própria depressão. pelo desânimo e pela tristeza ao acordar. às vezes com tentativas de se matar. até mesmo dificultando a busca de ajuda médica. como os países muçulmanos. Muitas vezes há um desejo suicida. sentindo-se incapazes de tomá-las ou exagerando os efeitos "catastróficos" de suas possíveis decisões erradas. ainda encontramos. em outras pessoas que já morreram. entre outros afazeres podem tornar-se apenas obrigações penosas. com poucos aspectos dos problemas mostrados anteriormente. inclusive com a diminuição do desejo sexual. onde as mulheres são obrigadas a se cobrir Colégio Politécnico Boock – www.br Página 85 . ou pode haver depressões bem mais graves. cuidar das tarefas habituais pode tornar-se um peso: trabalhar. Pensamentos de morte ou tentativas de suicídio Freqüentemente a pessoa pode pensar muito em morte. prejudicando de forma importante a vida do indivíduo. Muitas vezes é difícil iniciar o dia. É bom lembrar que a própria tendência a isolar-se é uma conseqüência da depressão. dependendo da gravidade dos sintomas. E não estou me referindo a culturas muito diversas da nossa. desinteresse por amizades e por convívio social podem fazer o indivíduo tender a se isolar. Esse aspecto faz com que a depressão seja uma das principais causas de suicídio. ou a combinação de ambos. uma falta de valorização da nossa vida sexual. Sentimentos que afetam a vida diária e os relacionamentos pessoais Freqüentemente a depressão pode afetar o dia-a-dia da pessoa.

Você pode sair a dois. Atenção. você e seu parceiro. somente sua e de seus próprios preconceitos. na qual não sobra tempo para a alimentação. sono e sexo. É justamente na idade mais madura que podemos reavaliar nossos próprios conceitos e valores. de fantasias e de sonhos. já os educando para que estes também possam sair a dois sem culpas. Fantasie um pouco. Um jantar. é proibido tocar nos genitais e mamas.br Página 86 . você deve manter a individualidade do casal perante seus filhos. um jogo qualquer. mas o orgasmo é proibido. Recomendações simples e práticas Não se acomode em um sexo rotineiro. O primeiro exercício se chama Foco I. Pode até dividir. assumindo novos caminhos e abandonando os ultrapassados. Divida com seu parceiro alguma fantasia que você jamais contaria para alguém. Passe uma tarde agradável. Não costumamos lembrar que sexo precisa de tempo. A sexualidade de cada pessoa é exclusiva. eliminação. Deixe os problemas financeiros e de trabalho em casa. A intimidade não se faz só com toques. Acaricie o corpo de seu parceiro por uns 20 minutos. mas com o partilhamento de impressões. A pressa é o fim do prazer. Falo de nosso dia a dia comum nas cidades.politecnicoboock. Faça isso. O Foco III permite o orgasmo. Eleve o prazer. Este é o primeiro erro. Muitas satisfações ainda podem ocorrer se você procurar sair um pouco de sua rotina. Na intimidade de seu quarto. inúmeras dúvidas já foram sanadas. fique apenas de roupa íntima. experiências já foram avaliadas e a oportunidade de se auto-redescobrir torna-se viável. Não precisa se culpar por isso. Cada um pode amadurecer o seu próprio erotismo independentemente de um companheiro ou companheira. Quando recebo um casal assim. Colégio Politécnico Boock – www. Procure algum lugar calmo e privado. Pode-se assistir a um vídeo erótico ou ler algum livro estimulante. É bastante comum ver casais que chegam ao consultório buscando culpar seus cônjuges por suas falhas sexuais e insatisfações. Prolongue o prazer.inteiramente com as burkas e algumas ainda têm seus clitóris extirpados com cacos de vidro infectados. sem muitas atividades e sem fazer uma refeição pesada. Você está saindo para namorar. compartilhar suas sensações. mas o orgasmo ainda é vetado. assumindo uma roda-viva de afazeres. Duas das causas mais freqüentes de problemas sexuais são a falta de educação e orientação sexual ao adolescente e ao adulto jovem e a presença constante de repressões ao erotismo individual. Divido entre os dois as responsabilidades frente às suas queixas. Busque em suas lembranças o que fazia seu parceiro feliz. mas jamais perder de vista que a vida sexual é responsabilidade sua. espere um pouco. O Foco II consiste em poder acariciar agora todo o corpo. Quando você sentir que é quase inevitável. evitando tocar em assuntos que possam inibir a harmonia da dupla. Pode haver estimulação direta do clitóris e do pênis. de nossa rotina tão veloz. aguce os sentidos. Aliás. Não tenha pressa.com. invertendo as posições para que você possa sentir o toque dele depois. mas não se acanhe tanto. Deixe seus filhos com alguém responsável para não trazer preocupações durante esse período. As pessoas tendem a se esconder de sua sexualidade. inclusive genitais e mamas. e não o marido ou a esposa. Convide seu parceiro para sair por um ou dois dias. uma dança ou um simples passeio. já de início oriento que o casal é o meu paciente. Comece a noite de forma branda. Na maturidade. Mas não vá direto ao ponto. O constrangimento por vezes pode seduzir o parceiro.

pensamento abstrato. Colégio Politécnico Boock – www. Pelo contrário. Use a criatividade e deixe suas fantasias se exteriorizarem.1.pare por completo.br Página 87 . uma série de pequenos derrames. O que é doença de Alzheimer? Doença de Alzheimer . Pode interromper a iminência de seu orgasmo por umas duas ou três vezes até. Não as isole de quem você ama. A fantasia permite que aqueles mesmos corpos possam se satisfazer um com outro. O que é demência? Demência é um grupo de sintomas caracterizado por um declínio progressivo das funções intelectuais. A demência pode ocorrer também a partir de outras doenças do sistema nervoso como a doença de Parkinson e a Aids. da comunicação e da capacidade de realizar as tarefas cotidianas. só por alguns instantes. orientação no tempo e no espaço. não vão contagiar ninguém.2. O que é Demência Senil? Demência Senil é um termo ultrapassado que foi usado para definir demências que ocorriam em idosos. Quantas pessoas sofrem de doença de Alzheimer? Estima-se no Brasil 1 milhão e 200 mil pessoas. Outros sintomas incluem. É caracterizada por um progressivo e irreversível declínio em certas funções intelectuais: memória. A proporção de pessoas com a doença dobra a cada 5 anos a partir dos 65 anos de idade. 20. Não precisa sair correndo para o banheiro se lavar ou limpar a cama. Damos tempo (ainda bem) para dormir e recarregar as nossas energias. A segunda causa mais freqüente de demência é a demência por múltiplos infartos cerebrais. aí sim. aprendizado. partilhe em prol de uma vida sexual de renovação. renovando e descobrindo cada vez mais sobre si mesmos. Nada é sujo. Questione se não são seus preconceitos. Abrace o seu parceiro e lhe certifique que o amor ainda existe no casal e que a cumplicidade pode ser renovada. chegar ao clímax.com. 20. incapacidade de realizar cálculos simples. mudança da personalidade e da capacidade de julgamento. Por que esquecemos de dar tempo para renovar e recarregar o sexo também? 20. distúrbios da linguagem. Qual é a idade da maioria das pessoas com doença de Alzheimer? Na maioria das pessoas os sintomas iniciam depois dos 60 anos de idade. A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência. Depois recomece vagarosamente. severo o bastante para interferir com as atividades sociais e do cotidiano.Dúvidas Freqüentes A doença de Alzheimer é a mais freqüente forma de demência entre idosos. Dê tempo a você para rever as razões de excluir uma vida sexual prazerosa de sua vida. Erroneamente conhecida pela população como ―esclerose‖ ou como o ―velhinho gagá‖ não está relacionada com problemas circulatórios.politecnicoboock. Existem casais constituídos há 40 anos que conseguem adaptar sua idade e o tempo de convívio a uma vida sexual prazerosa. o esperma e as secreções não são infectadas.

O que causa a doença de Alzheimer ? Os cientistas ainda não sabem exatamente qual é a causa da doença de Alzheimer. O nível educacional está relacionado com o risco de se ter à doença de Alzheimer? Colégio Politécnico Boock – www. Na forma esporádica a doença desenvolve-se a partir de uma grande variedade de fatores que os cientistas ainda estão tentando determinar. Aproximadamente apenas 5 % da doença de Alzheimer é familiar e 95% esporádica. Quanto mais idade maior o risco. O que se sabe é que a doença desenvolve-se como resultado de uma série de eventos complexos que ocorrem no interior do cérebro.br Página 88 . 20. Fora a genética. que outros fatores contribuem para que a doença se desenvolva? Se bem que a causa da doença de Alzheimer ainda não esteja completamente esclarecida.com.politecnicoboock.Cerca de 3% das pessoas com idade entre 65 e 74 anos tem a doença mas quase a metade das que tem 85 ou mais são acometidas. especialmente os com perda da consciência no passado. vários membros de uma mesma geração são afetados. A idade é o maior fator de risco para a doença. processos inflamatórios cerebrais e o chamado ―stress oxidativo‖ podem estar envolvidos na causa da doença. alguns pesquisadores sugerem que traumas cranianos repetidos. Na forma familiar da doença de Alzheimer. têm duas vezes mais probabilidade de ter a doença. mas outros estudos não confirmaram essa associação.3. Se uma pessoa da minha família tem Alzheimer eu tenho maior risco de ter a doença? Existem dois tipos de doença de Alzheimer: a doença de Alzheimer familiar que ocorre em adultos jovens e parece ter um caráter hereditário importante e a forma esporádica na qual o fator hereditário não é óbvio. A idade é o fator de risco mais conhecido e importante para a forma esporádica da doença de Alzheimer. Porém. Normalmente o diagnóstico é feito pelo menos um ano depois dos primeiros sintomas que costumam ser leves e confundidos como normais no envelhecimento. Ter um familiar com Alzheimer aumenta o risco duas ou três vezes na forma esporádica mas não há como prever se você irá ter a doença ou não. como a expectativa de vida das mulheres é pelo menos 5 anos superior a dos homens não se sabe se o risco está no sexo em si ou no fato das mulheres viverem mais do que os homens. São os homens ou as mulheres os mais afetados? Mais mulheres do que homens têm a doença de Alzheimer. De que modo os traumas cranianos podem contribuir para que a doença de Alzheimer se desenvolva? Alguns estudos sugerem que a pessoa que sofreu um trauma craniano com perda da consciência no passado.

Pesquisas sugerem que quanto maior o número de anos de educação formal que uma pessoa tem. desconfiança.com. Essa suspeita foi originada a partir da constatação de que portadores da doença de Alzheimer possuíam traços de alumínio em seus cérebros. baseiam seus pseudo-tratamentos. Ansiedade. desinformadas ou mal intencionadas. Problemas com a memória podem ser devidos a uma ampla gama de fatores. agitação. incontinência urinária e fecal. no mínimo duvidosos como a quelação. sua gravidade e velocidade variam de pessoa para pessoa. É normal em qualquer idade esquecer de vez em quando nomes. Dificuldades com as atividades da vida diária como alimentar-se e banhar-se. Alucinações. Alteração da personalidade e do senso crítico. tristeza. ilusão. Movimentos e fala repetitiva. Algumas pessoas. distração. Dificuldade em tomar decisões. Nem uma coisa nem outra. compromissos ou objetos como chaves. A causa pode ser: certos medicamentos (calmantes e hipnóticos principalmente). Qual é a relação entre o alumínio e a doença de Alzheimer? Uma das mais controvertidas hipóteses veiculada pela mídia é sobre a correlação entre o alumínio e a doença de Alzheimer. uma doença grave Colégio Politécnico Boock – www. cansaço. Perder memória não é normal em nenhuma idade. perda de peso. problemas de visão ou audição. estresse. Perder-se em ambientes conhecidos. Não se pode afirmar que esse metal desempenhe um papel na gênese da enfermidade. É comum à medida que vamos envelhecendo. menor é a chance dela ou dele desenvolver a doença quando for idoso. Dificuldade em reconhecer familiares e amigos. uso de álcool.. Os sintomas mais comuns são : Perda de memória. Quais são os sintomas da doença de Alzheimer? A doença de Alzheimer é uma enfermidade progressiva e os sintomas agravam-se à medida que o tempo passa. Alguns estudos sugerem que manter uma atividade intelectual como fazer palavras cruzadas por exemplo pode reduzir a probabilidade de se adquirir a doença de Alzheimer..politecnicoboock. Dificuldades com a fala e a comunicação. Mas é também uma doença cujos sintomas. confusão e desorientação. guarda-chuva etc. inapetência.br Página 89 . apoiados nessa equivocada premissa. Inúmeros estudos não foram capazes de demonstrar conclusivamente essa correlação.

br Página 90 . Problemas com ações rotineiras. Por que o diagnóstico precoce é tão importante? Colégio Politécnico Boock – www. Vários instrumentos clínicos são usados para se chegar ao diagnóstico: uma história médica completa. e outras condições podem imitar os sintomas da doença de Alzheimer. óculos é um processo natural do envelhecimento ou da doença de Alzheimer? A depressão pode comprometer a concentração. Quais as outras doenças que têm sintomas parecidos com a doença de Alzheimer? Tumores cerebrais. ressonância nuclear magnética. testes para avaliar a memória e o estado mental. avaliação do grau de atenção e concentração e das habilidades em resolver problemas e nível de comunicação. de atividades. Como a doença de Alzheimer é diagnosticada? A doença de Alzheimer só pode ser diagnosticada com certeza através do exame microscópico do tecido cerebral por biópsia ou necropsia. Vagância. algumas delas passíveis de serem curadas. Qual o nível de certeza do diagnóstico clínico? Médicos experientes em doença de Alzheimer fazem o diagnóstico correto em cerca de 90% dos casos. Os médicos podem fazer o diagnóstico de ―possível‖ ou ―provável‖ doença de Alzheimer. O diagnóstico precoce aumenta em muito a chance de se tratar essas doenças com sucesso. Testes laboratoriais como exames de sangue e urina são usados para excluir outras causas de demência. 20. Exames de imagem como a tomografia computadorizada.4. problemas nutricionais. doenças da tireóide.com. A perda de memória que se associa com a doença de Alzheimer acaba por interferir seriamente na execução das atividades da vida diária. Dependência progressiva. causar distúrbios do sono que levam à perda de memória em pessoas não portadoras de doença de Alzheimer. derrames. Podem ter dificuldades em lembrar de eventos recentes. são utilizados para determinar o tipo de demência e/ou avaliar sua gravidade. Pessoas nas fases iniciais da doença de Alzheimer freqüentemente apresentam comprometimento da memória.politecnicoboock. Esquecer onde coloquei as chaves. spect e pet.ou a tentativa de se lembrar de muitas coisas ao mesmo tempo. Distúrbios do sono. de pessoas familiares e de objetos. o uso de certos medicamentos. para demonstrar a presença das lesões características: as placas neuríticas e os novelos neurofibrilares em certas áreas do cérebro. depressão maior.

Existem fases ou estágios na doença de Alzheimer? Existem 4 fases: Na fase inicial os sintomas mais importantes são: perda de memória. dirigir. perder-se em ambientes conhecidos. confusão e desorientação. alteração da personalidade e do senso crítico. ilusão. telefonar. distúrbios do sono. alucinações. agitação. ansiedade. Na fase intermediária os sintomas da fase inicial se agravam e também pode ocorrer: dificuldade em reconhecer familiares e amigos. vagância. dificuldades com as atividades da vida diária como alimentar-se e banhar-se.br Página 91 . maiores serão as chances de tratar os sintomas corretamente.Quanto mais cedo o diagnóstico for feito. incontinência urinária dificuldades com a fala e a comunicação. fazer compras. movimentos e fala repetitiva. perda de peso. tomar parte nas decisões que lhe diz respeito . inapetência. problemas com ações rotineiras. Início de dificuldades motoras. desconfiança.politecnicoboock.com. retardando a evolução da doença e assim oferecer uma oportunidade digna para a pessoa portadora da doença de Alzheimer poder inclusive. Colégio Politécnico Boock – www. especialmente na fase inicial da enfermidade. alguma dificuldade com ações mais complexas como cozinhar. dependência progressiva.

Perda progressiva de peso. Imobilidade crescente. Na fase terminal: Agravamento dos sintomas da fase final Incontinência dupla Restrito ao leito Posição fetal Mutismo Úlceras por pressão Alimentação enterall Infecções de repetição Morte A partir do diagnóstico. Mutismo.com. Presença de úlceras por pressão (escaras). Tendência em assumir a posição fetal.Na fase final: Dependência total. Infecções urinárias e respiratórias freqüentes.br Página 92 . Término da comunicação. quanto tempo uma pessoa com doença de Alzheimer tem de vida? Colégio Politécnico Boock – www. Restrito a poltrona ou ao leito. Incontinência urinária e fecal.politecnicoboock.

especialmente nas fases iniciais e intermediárias. ansiedade e depressão. Uma parcela dos doentes. Várias drogas encontram-se em experiência em laboratórios por todas as partes do mundo. A duração da doença pode ser de 20 anos ou mais. O sistema imunológico normalmente está comprometido facilitando a ocorrência de infecções. A questão da comunicação se soma a esses fatores uma vez que podem não se queixar de frio. detectar e evitar a formação das placas neuríticas e da deposição de amilóide. os sintomas motores começam a aparecer e a imobilidade propicia a instalação de infecções pulmonares. especialmente as respiratórias e urinárias. Como a doença de Alzheimer é tratada? Não existe nenhuma droga que garanta a cura. sede etc.br Página 93 . Por que as pessoas com a doença de Alzheimer costumam morrer de pneumonia? Realmente a pneumonia é uma das principais causas de morte em pacientes com doença de Alzheimer. É imperioso que esses pacientes estejam bem nutridos seja com o uso de suplementos ou com medidas dietéticas eficazes.fome. Existe uma vacina contra a doença de Alzheimer? Não há uma vacina disponível para a doença de Alzheimer.politecnicoboock.Pessoas com doença de Alzheimer podem viver por muitos anos e freqüentemente morrem de pneumonia. Nas fases mais adiantadas o paciente se movimenta menos. O estado nutricional e o nível de hidratação também desempenham um papel decisivo . ou que interrompa definitivamente o curso da doença de Alzheimer. insônia. Esse fato demonstra a importância dos cuidados gerais uma vez que essa complicação pode ser evitada. Essa abordagem está sendo investigada e é muito promissora. Outros medicamentos podem ajudar a controlar distúrbios de comportamento. vagância. O primeiro fator se relaciona com a idade uma vez que na maioria das vezes as pessoas acometidas são idosas. Colégio Politécnico Boock – www. pode se beneficiar de alguns medicamentos específicos.com. O tratamento correto desses sintomas deixam o paciente e seu cuidador mais tranqüilos e confortáveis. agitação. Há ainda uma outra gama de opções de drogas que podem colaborar no retardamento da doença. A vacina estimularia o sistema imunológico para reconhecer. Os antiinflamatórios não hormonais podem tratar a doença de Alzheimer? Existem fortes evidências de que a doença de Alzheimer está associada com processos inflamatórios cerebrais e que esse tipo de droga pode ajudar. A média de vida varia entre 4 a 8 anos. muitas vezes fatais. substância tóxica para os neurônios.

É verdade que alguns nutrientes e vitaminas devem ser administradas em conjunto com o tratamento convencional? Existem demências relacionadas com níveis baixos de vitaminas do complexo B. Mais estudos precisam ser realizados mas essa não deixa de ser uma opção interessante. Estudos recentes demonstraram que pacientes com doença de Alzheimer apresentam níveis elevados de Homocisteína (substância passível de ser quantificada por exame de sangue). Por outro lado.a suplementação de Vitamina C e de Vitamina E pode resultar em neuroproteção. Casos de evolução muito rápida seriam candidatos naturais a esse tipo de abordagem.obtidos através da soja. Atualmente estão em curso estudos controlados para determinar se essa correlação é verdadeira. B1 e ácido fólico. Existem compostos como as isoflavonas que mimetizam a ação dos hormônios femininos. Estudo recente concluiu que a administração de estrógeno em conjunto com progesterona aumentou o risco da doença em duas vezes quando comparada com o grupo que não fez uso da medicação. o Alzheimermed propicia e estimula a maior interação possível entre os que detém a informação e aqueles que dela necessitam.alzheimermed. Com base nesse mesma teoria . Os efeitos colaterais são muitos e bastante sérios fazendo com que esses pacientes devam ser acompanhados com muito cuidado e sob estrita supervisão médica. facilmente acessadas por assunto. Parece que.br Página 94 . Colégio Politécnico Boock – www. Um site foi construído exatamente para preencher essa lacuna definitivamente www. O colesterol alto representa algum risco para a doença de Alzheimer? Recentemente alguns estudos sugerem fortemente a associação de níveis elevados de colesterol com a doença de Alzheimer. A reposição hormonal pode ser usada para tratar a doença de Alzheimer? Várias pesquisas estão sendo conduzidas no sentido de determinar se a administração de estrógenos retarda a evolução e/ou reduz o risco de se desenvolver a doença. sabe-se que o colesterol sérico elevado é comprovadamente um importante fator de risco para doenças cardiovasculares devendo ser tratado independente dessa possível correlação.com. Essa substância estaria relacionada com a teoria do ―stress oxidativo‖ e seus níveis podem ser controlados com orientação nutricional e/ou com a administração de folato.Alguns cientistas defendem a tese de que pessoas com alto risco de desenvolverem a doença poderiam evitar ou no mínimo retardar a evolução utilizando essa estratégia terapêutica.por serem naturais .politecnicoboock. Além das informações básicas sobre todos os aspectos da doença. especialmente a vitamina B12. Como o familiar e cuidador (a) pode encontrar informações e ajuda sobre a doença? A informação correta associada à solidariedade ainda são as armas mais poderosas no enfrentamento dessa grave questão humana e de saúde pública.beneficiam os pacientes sem apresentar os efeitos indesejáveis dos hormônios.com.br O Alzheimermed tem um compromisso inegociável com o tratamento correto da informação não apenas para médicos e profissionais de saúde mas também para familiares e cuidadores que precisam de ajuda.

atividade física. Geralmente. determinando ações preventivas para o controle das doenças crônicas e também a forma mais adequada de gestão da saúde desse público. afirma o geriatra Fábio Nasri. esse hábito é encontrado entre as pessoas que ―herdam‖ sua crença religiosa. hemograma e glicemia. O estudo constatou que a religiosidade extrínseca está presente em 40% dos idosos deprimidos e em apenas 20% dos idosos não-deprimidos. a missão do Alzheimermed é de ajudar. Também foram aplicados questionários individuais e em grupo. Neste caso. Os resultados desse levantamento apontam características epidemiológicas que poderão ser estendidas à população paulistana acima de 60 anos. ―O perfil cultural homogêneo da amostra também permitirá futuras comparações‖.html Colégio Politécnico Boock – www. coordenador do projeto. com objetivo de analisar os processos e fatores determinantes do envelhecimento da população com mais de 60 anos. Índice de Massa Corpórea. Enfim. Estudo aponta que religião é fator preventivo contra depressão em idosos Resultados do estudo realizado pelo Instituto Israelita de Responsabilidade Social Albert Einstein com mais de 500 idosos da comunidade judaica.com. Outro dado revela ainda que 41% não possuem esperança. estatura. a divindade tende a ser olhada como um instrumento de satisfação de desejos impulsivos ou egocêntricos. No entanto.politecnicoboock. o Estudo Epidemiológico da Comunidade Idosa Judaica mapeou e monitorou a saúde da população idosa. Iniciado em 2005. a prevalência de religiosidade intrínseca é um aspecto presente em quase 80% dos idosos não-deprimidos.O Alzheimermed conta ainda com um poderoso instrumento: o fale com o especialista. em que há uma busca por um aumento do compromisso com a crença ou religião. não existindo uma relação reflexiva diante do ato de escolha religiosa. acrescenta. Onde você coloca sua dúvida e recebe prontamente uma orientação geral. nutrição. Por outro lado. religiosidade. Esse tipo de religiosidade é compreendido como uma vivência mais espiritualizada. revelam que a depressão atinge homens e mulheres na mesma proporção. De mostrar que existem pessoas que se importam. estando presente em 33% dos participantes. depressão. De mostrar que você não está só.com/cientificas/not0097. ainda há uma carência de estudos populacionais no Brasil para compreender quem são e quais as necessidades dessas pessoas. 21. Por sua vez. independência. Os resultados apontaram que idosos deprimidos possuem menor número de amigos nas atividades religiosas.hospitalar. entre outros) e mais de 30 exames laboratoriais como colesterol. realizam menos práticas religiosas em relação aos não-deprimidos e têm tendência à religiosidade extrínseca (caracterizada por vivência menos espiritualizada). ao longo de um ano. cognição. a importância da religiosidade como proteção contra a depressão abre novas possibilidades de atuação‖. A avaliação global da saúde abordou aspectos como qualidade de vida. Por exemplo. De sempre ser solidário. que tende a transcender o conforto e a convenção social. ―Sabemos que a população em geral está envelhecendo. exame físico com 18 procedimentos (peso.br Página 95 . constatou-se que 80% daqueles que não são deprimidos possuem compromisso com crença ou religião. Fonte: http://www.

3% da população. com 1. em determinadas regiões da China. Colégio Politécnico Boock – www. responsável pela política do filho único desde a década de 80. os idosos e o desequilíbrio entre os sexos 13/12/2006 Enquanto vive um processo de queda abrupta das taxas de natalidade. e por ser mais forte pode também trabalhar na lavoura. De acordo com a tradição chinesa. Enquanto isso. que é de 60 anos para os homens. que por sua vez contribui com 8%.está envelhecendo: em 2005. ou cerca de 147 milhões de pessoas. de acordo com o governo do país. associa-se a questão da grande discrepância entre o número de homens e mulheres que compõem a população chinesa. A China. segundo o censo realizado no ano de 2000. Os números são da Comissão Nacional de População e Planejamento Familiar.com. Os empregadores contribuem com o equivalente a 20% do salário do funcionário. o número de idosos que recebem aposentadoria na China se limita a 48 milhões. a China – o país mais populoso do mundo. as meninas. destaca-se uma contradição: a falta de boas condições de vida para os mais velhos. A proporção varia entre 100 meninas para cada 117 homens e 100 para cada 130. para muitos. Há ainda a questão do dote: as mulheres historicamente dão um dote para a família dos maridos – o que acaba associando o homem à riqueza e a mulher ao prejuízo para a família. Segundo reportagem do jornal O Globo de julho deste ano. significa ser sustentado pelo filho – isso somente se ele tiver nascido homem . Para se aposentar é preciso ter sido contribuinte por pelo menos 15 anos quando atingir a idade mínima. Pela tradição.21. o filho homem cuida dos pais e os sustenta quando eles envelhecem. 55 anos para as mulheres filiadas ao Partido Comunista e 50 para as demais. vão embora de casa e não acompanham os pais na velhice. com exceções para determinados casos e regiões. Essas pessoas se concentram nas grandes cidades. essa fatia deve aumentar para 12. filho homem cuida dos pais idosos Ao limite de apenas um filho por casal imposto pelo governo chinês.br Página 96 .57% da população. num país em que previdência.politecnicoboock.3 bilhão de habitantes . quando se casam. ou 174 milhões de pessoas.e o controle de natalidade é rígido e permite apenas um filho por casal. Em 2010. O sistema previdenciário urbano existe somente desde 1997. a quantidade de chineses com 60 anos ou mais correspondia a 11. Paralelamente a isso.

A regra geral é de apenas um filho. Ao mesmo tempo.Nas áreas rurais. O objetivo é combater o rápido envelhecimento da população e garantir mão-de-obra para algumas indústrias. Os médicos da China. o Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo (CNP) vem tentando aprovar um projeto de lei que tornaria crime a identificação do sexo do feto. com o objetivo de ver se na segunda vez nasce um menino. segundo a qual a mortalidade de crianças abaixo dos cinco anos de idade é de 27 em cada mil entre os meninos e de 36 em cada mil entre as meninas. Em qualquer lugar da China. que vêm enfrentando uma nunca vista falta de empregados qualificados. que os casais formados por filhos únicos tenham dois filhos. por outro lado.com. Há grupos. Para evitar o peso que recai sobre os filhos de sustentar os pais idosos por falta de um programa de previdência social eficiente. Colégio Politécnico Boock – www. é permitido que casais tenham dois filhos. casais podem engravidar uma segunda vez se tiverem o primeiro filho com algum problema físico ou mental. não estão sujeitos a penalidade legal – apenas administrativa -. apesar de serem proibidos de identificar o sexo do bebê.br Página 97 . os casais que têm uma filha podem engravidar novamente.mesmo sendo ilegais o aborto e as esterilizações forçadas no país. onde se vê pouquíssimos meninos. pois não há nem mesmo a caracterização legal do que seria um aborto cometido pelo conhecimento prévio do sexo do bebê. o destino das meninas nascidas pode não ser dos melhores: os cuidados com sua saúde costumam ser mínimos. o Comitê de Planejamento Populacional e da Família de Cantão afirmou também que irá submeter à prefeitura uma proposta de estabelecimento de uma linha de crédito subsidiada para as famílias com dificuldades de criar filhos. Para mudar esse quadro. o governo da cidade de Cantão vem pedindo.politecnicoboock. Se chegam a ter as filhas. O limite. A vontade dos casais de terem um bebê do sexo masculino e a rígida política de controle de natalidade estão relacionados aos abortos freqüentemente cometidos quando os pais descobrem que o feto é do sexo feminino . de forma inédita. em relação aos que um garoto receberia – o que parece estar associado aos números da Organização Mundial de Saúde. Além disso. casais não raro as largam na rua ou em orfanatos oficiais. mesmo quando permitidas as exceções. é sempre de dois filhos por casal. desde 1979. com a intenção de ajudar os filhos únicos que têm filho a sentir menos o peso de sustentá-lo e ainda ser responsável por seus pais. que defendem o direito dos pais de saberem o sexo de seus filhos. Nas áreas que contêm parques industriais.

presidente do Movimento Alemão Hospice. prostituição. na opinião de Eugen Brysch. um especialista em ética e um médico. Idosos fogem da Holanda com medo da eutanásia Asilo na Alemanha converte-se em abrigo para idosos que fogem da Holanda com medo de serem vítimas de eutanásia a pedido da família.dw-world. o médico é obrigado a pedir a opinião de um colega. da associação alemã Omega.1050812. segundo os críticos da eutanásia e o resultado da análise que a Universidade de Göttingen fez de sete mil casos de morte assistida na Holanda. 14% das vítimas eram totalmente conscientes e capacitados até para responder por eventuais crimes na Justiça. Mas na realidade. Mas o medo da eutanásia é grande entre muitos holandeses idosos. Em 41% destes casos. Eles se sentem seguros na Alemanha. O novo asilo na cidade alemã de Bocholt. como a legalização de drogas. segundo ele. é pioneira em medidas liberais inimagináveis na maior parte do mundo. A lei determina que a eutanásia só pode ser permitida por uma comissão constituída por um jurista. segundo Inge Kunz.html MDV . Para Brysch soa clara a regra pela qual um paciente só pode ser morto com ajuda médica se o seu sofrimento for insuportável e não existir tratamento para o seu caso. ao contrário.00. A eutanásia ativa é a causa da morte de quatro mil pessoas por ano na Holanda.com. que é voltado para assistência a pacientes em fase terminal. Mas na prática a realidade é outra. Margem para interpretação fatal – A liberalidade da lei holandesa deixa os médicos de mãos livres para praticar a eutanásia de acordo com a sua própria interpretação do texto legal. esta cláusula dá margem a uma interpretação mais liberal da lei. eles procuram com maior freqüência médicos alemães. Fonte: http://www. foi ao encontro do desejo de muitos holandeses temerosos de que a própria família autorize a antecipação de sua morte. o desejo de antecipar a morte do paciente foi da sua família.br Página 98 .MOVIMENTO EM DEFESA DA VIDA Colégio Politécnico Boock – www.de/dw/article/0. sendo um quarto sem aprovação do paciente. Os médicos justificaram como motivo principal de 60% dos casos de morte antecipada a falta de perspectiva de melhora dos pacientes. vindo em segundo lugar a incapacidade dos familiares de lidar com a situação (32%). aborto e eutanásia. O povo holandês foi o primeiro a ter o direito a morte abreviada e assistida por médicos. sem possibilidades terapêuticas. na Segunda Guerra Mundial. Uma conseqüência imediata das interpretações permitidas foi uma grande perda de confiança de idosos da Holanda na medicina nacional.2144. contra deficientes físicos e mentais e outras pessoas que consideravam indignas de viver. A Holanda. perto da fronteira com a Holanda. que também é voltada para assistência a pacientes terminais e suas respectivas famílias.politecnicoboock. Na falta de um tratamento para melhorar a situação do paciente. São quatro mil casos de eutanásia por ano. Por isso. onde a eutanásia tornou-se tabu depois que os nazistas a praticaram em larga escala. Estudo justifica temores – Uma análise feita pela Universidade de Göttingen de sete mil casos de eutanásia praticados na Holanda justifica o medo de idosos de terem a sua vida abreviada a pedido de familiares.23. que foi ocupada pelas tropas nazistas.

Campanha da Fraternidade Colégio Politécnico Boock – www. As mulheres são ainda mais afetadas. que já foi celebrado como o país dos jovens. principalmente nos países pobres ou em desenvolvimento.5 milhões de idosos. o mais rápido possível.27 de setembro O Dia Nacional do Idoso foi estabelecido em 1999 pela Comissão de Educação do Senado Federal e serve para refletir a respeito da situação do idoso no País. o abandono da família.br 23.politecnicoboock. 22. o dia do idoso é comemorado no primeiro dia do mês de Outubro. Segundo pesquisa do IBGE. Em 20 anos. a desvalorização de aposentadorias e pensões. O dado serve de alerta para que o governo e a sociedade se preparem para essa nova realidade não tão distante. em 1999. ainda há muita desinformação sobre as particularidades do envelhecimento e o que é pior: muito preconceito e desrespeito em relação às pessoas da terceira idade. Diante desse quadro. apenas 26. No Brasil. políticas sociais que preparem a sociedade para essa mudança da pirâmide populacional.9% do total de idosos no País possui algum plano de saúde. a depressão. o governo brasileiro precisa elaborar. além do difícil acesso a planos de saúde são os principais. com menos recursos e menos escolaridade. haverá mais idosos do que crianças no planeta. O Brasil. que representam 8% de sua população. por volta de 2025. em geral. Origem do DIA DO IDOSO . a falta de projetos e de atividades de lazer. sendo que em algumas regiões como o Nordeste essa taxa ainda cai para 13%. são muitos os problemas enfrentados pelos idosos em seu dia-a-dia: a perda de contato com a força de trabalho. A população no mundo está ficando cada vez mais velha e. porque vivem mais tempo e. Apesar disso.www. de Nova Friburgo-RJ). O avanço da medicina e a melhora na qualidade de vida são as principais razões dessa elevação da expectativa de vida em todo o mundo.com. segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). pela primeira vez na história. (Fonte: Jornal A Voz da Serra. seus direitos e dificuldades. Em Portugal.br Página 99 .com. tem hoje cerca de 13.defesadavida. o País será o sexto no mundo com o maior número de pessoas idosas.

6 anos para o homem e 8. Colégio Politécnico Boock – www. para 8. era de 57. em 2000. no entanto. a estimativa de vida aumentou 7. sendo que. são mais de 15 milhões. Novos no coração e com capacidade de amar. Todos gostam de serem vistos como novos.br Página 100 .6%. No ano de 1980.politecnicoboock.2 anos para a mulher. Novos no corpo e novos na mente. e de forma rápida.5 • Aumento da longevidade. enquanto que. em 2020. Hoje. para que seja marcada pela vida.com.5 anos para a mulher.3 para a mulher. pela dignidade e pela esperança. Portanto. 6 vezes a população da Dinamarca). já era de 64. sua população está mudando de cara. a população com mais de 60 anos atingirá a cifra de 15% (33 milhões. Outros fatores que influenciam no envelhecimento da população: redução da mortalidade. mas criando também diversos e grandes desafios: o que fazer com esta legião de idosos e idosas? Como garantir-lhes uma velhice saudável? Será que vale a pena viver tanto? A Campanha da Fraternidade 2003 quer ajudar a sociedade e a Igreja a refletir e a agir para que haja uma real preocupação com a velhice. a etapa mais longa da existência humana. O progresso está prolongando a vida.2 anos para o homem e 64. de uma média de 6 filhos. bem mais veloz do que em outros países. A população com mais de 60 anos aumentou de 4%. melhoria de infra-estrutura sanitária. A VELHICE Ter vida longa sempre foi uma aspiração da humanidade e. O país está ficando mais velho. em 1991 já baixava para 2. mas ninguém quer ficar ou ser considerado velho. etc. avanços científicos. viver bem. em 1960. em 2000. um direito do ser humano Todos querem viver mais.A possibilidade de chegar aos 100 anos nunca foi tão grande. em 1940.8 anos para o homem e 72. em vinte anos. O BRASIL É UM PAÍS JOVEM? O Brasil é caracterizado como um país jovem. Causas do envelhecimento da população: • Diminuição da taxa de fecundidade das mulheres que.

com seu espírito de produtividade. Delicada é. particularmente para os idosos de baixa renda. a incapacidade mais do que sua experiência. as cirurgias plásticas. de fato. são as gerações mais novas que designam aos idosos seu lugar. A aposentadoria. Nota-se também que. O Brasil. dificultando assim o pagamento do aluguel. É o que acontece no Brasil. Esta situação piora ainda mais quando as famílias se encontram sem condições de cuidar de seus anciãos. Multiplicam-se assim as academias de ginástica. O envelhecimento da população é um fenômeno mundial. programas sociais e de saúde. um em cada dezesseis habitantes. vivendo do passado e desconhecendo os valores da sua própria velhice que ainda poderia ser repleta de vivências e realizações. A idéia subjacente a essas práticas é a de que a velhice feliz consiste em parecer jovem. da alimentação e dos remédios. Isso traz importantes repercussões no campo social e econômico. para a maioria dos idosos significa uma grave queda do poder aquisitivo. o idoso quase não é ouvido e salienta-se. não se preparou para a realidade de 15 milhões de sexagenários.br Página 101 . a sociedade desestimula a participação da população idosa nos processos socioeconômicos e culturais. INCAPACIDADE OU EXPERIÊNCIA? Nesse sentido. Alega-se que a velhice traz prejuízos à saúde física e mental. o envelhecer com qualidade de vida é um dos grandes desafios da sociedade moderna. embora o aumento da longevidade seja uma conquista da humanidade. a situação do idoso em nossas famílias e no seio da sociedade de consumo que. rendimento e eficiência. status e papel. CULTO AO CORPO Hoje existe um verdadeiro culto ao corpo. valorizando a pessoa que consegue disfarçá-la fisicamente (velhos ―bem conservados‖) e/ou psicologicamente (velhos ―de espírito jovem‖). Portanto. considera um peso a presença do idoso. enquanto a ciência prolonga a vida do ser humano. os cosméticos e as drogas que prometem milagres. mas a sociedade ainda não conseguiu atender adequadamente a esta parcela da população. conquista que deveria proporcionar um tempo de descanso e de realização de antigos sonhos.SITUAÇÃO DOS IDOSOS Que bom.politecnicoboock. que só vale pelo Colégio Politécnico Boock – www. o que leva muitos idosos a valorizarem a juventude que possuíram. A pressão social atua para negar a velhice enquanto tal. onde a infra-estrutura que atende a essa população é precária. no que diz respeito a serviços. que sempre se considerou um país jovem. hoje o ser humano vive mais.com. antes de tudo. Na sociedade industrializada ocidental. O mesmo diga-se do desinteresse dos meios de comunicação pela causa dos idosos. Por detrás dessas concepções fica evidente uma visão reducionista da pessoa humana.

pois.que produz. pois. UM PRÊMIO! A vida longa é um prêmio.br Página 102 . já que a comunidade não valoriza mais a sua participação. O tempo do velho deve ser reinventado. Uma vez que o ancião se retira do mundo do trabalho. • Crise de autonomia: Ser ―dependente‖. A este ponto não é de se estranhar que alguns idosos entrem em estado de depressão. A capacidade de se aceitar. Mas nem sempre é assim. pessoa sem incidência efetiva. ele é tratado como criança. Às vezes chega a viuvez e a solidão aumenta. em outros tipos de sociedade. • Crise de pertença: necessidade de novas relações com a sociedade.com. com as demais pessoas e com o mundo dos valores. pois são inúmeros os casos de dirigentes idosos que se mantêm longamente no poder. de estar de bem com a vida. Conseqüentemente. é preciso muita criatividade. Diga-se porém que esta discriminação acontece quase que exclusivamente com os mais pobres. Mas isso não é automático. A velhice pode ser um tempo de intenso desenvolvimento social e espiritual. Essa crise se apresenta em três dimensões: • Crise de identidade: necessidade de novas relações consigo mesmo. desfazem-se do relacionamento com uma porção de companheiros. das dificuldades e dos problemas. portanto. certamente eles ―envelheçeraõ vivendo. contando com a ajuda de sua experiência e ser premiado por ter lutado sempre. pelo fato de não irem mais trabalhar. receber e não poder dar é. o idoso quer viver. é fundamental para uma vida saudável. uma lição difícil de aprender. Para pensar a velhice do futuro. É preciso substituir os papéis sociais que vão se perdendo por outros. Fica claro. e não pelo que é. adequados ao próprio estado de vida. Colégio Politécnico Boock – www. simultaneamente se afasta daquilo que dá sentido e prestígio nessa sociedade: o processo de produção. Daí a necessidade de estratégias de socialização dos idosos que. ao invés de ser respeitado e valorizado. Valorizando a capacidade que ainda possuem e estimulando seus dons. PERIGOS DA VELHICE A velhice. que uma das preocupações em relação aos idosos e à socieda de que envelhecerão deve ser a valorização dos talentos da terceira idade. Trata-se de uma verdadeira conspiração silenciosa contra a velhice. uma idéia terrível. para não se cair na frustração. tendo assim uma participação importante. Quem envelhece não deseja que sua vida sofra uma contração. para muitos. Não há nada que justifique a exclusão dos velhos. e não vivam envelhecendo‖. encontramos os papéis inversos: os idosos são honrados por causa de sua rica experiência. apesar das perdas.politecnicoboock. como todas as etapas do desenvolvimento humano traz consigo uma situação de crise existencial.

mas aquela atitude e dignidade que vem da consciência esclarecida do processo natural da vida. ter velhos amigos. refletir. Autocompreensão: é fundamental aceitar a própria realidade. quando necessitado. A fé e a esperança nos ensinam a olhar para a frente.com. Otimismo e realismo: Encarar a realidade com clareza e coragem. com trabalho e sem salário. ESPIRITUALIDADE DA TERCEIRA IDADE Esta é uma das áreas mais esquecidas no campo do envelhecimento: uma espiritualidade para os mais anciãos. podemos destacar: A assistência religiosa: Cultivar a religiosidade do idoso é ajudá-lo a descobrir os valores humanoreligiosos de sua idade e a viver esse tempo de sua existência na serenidade e na paz que só Deus sabe dar. Basta observar as portas das escolas infantis e das creches. Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock. da filosofia ou da ética. Fonte: Texto-Base 2003 Mauri Heerdt 23. o mesmo não se pode dizer da teologia. Aceitação que não significa resignação.br Página 103 . Isso tudo pode se tornar motivo de festa e celebração.Os exemplos não faltam. Se houve grandes progressos na medicina. lamentavelmente. Quem leva as crianças e quem vai buscá-las? Quem as alimenta e cuida delas quando os pais trabalham? Quem vai à feira e ao supermercado? Quem põe seu lar à disposição dos filhos que não têm casa? Mas. ver os filhos se realizarem. infelizmente e injustamente é considerado um peso. Contemplação: uma espiritualidade mais plena exige a abertura para a contemplação: saber parar. tais como chegar às bodas de ouro. Entre as principais características para uma espiritualidade da Terceira Idade. encontrar a Deus na oração e na prática da caridade. esse ser disponível. tanto para quem sofre como para os outros. É ajudá-lo a descobrir que mesmo os sofrimentos podem ser ocasião de crescimento interior. nutrição. transporte e outros fatores ligados aos idosos. Celebrar: esta idade pode trazer grandes alegrias. para a estrada que ainda temos que percorrer. É preciso explorar melhor as dimensões mais profundas do envelhecimento e oferecer-lhe uma espiritualidade que dê sentido à vida humana neste momento mais difícil.

Senhor! Não estou cansado de viver! Quero viver com alegria! Colégio Politécnico Boock – www. com a tua força e a proteção de Maria. Que eu sirva somente de estímulo para todos os que de mim se aproximarem. PARA OS AMIGOS DOS ANCIÃOS Já faz muitos anos que nasci. O amor é o critério último para o discernimento de toda autêntica espiritualidade. mas tudo aceito como dom precioso de tuas mãos. Senhor. porque tu. vizinhos. com os filhos e netos e também no interior da sociedade mais ampla: amigos. Se nada posso fazer que exija força. és meu Pastor e nada me falta. Quero só o que tu queres.com. que possa ver com os olhos da fé. já experiente na vida. desejas para mim. mas.politecnicoboock. porque é amor.. trabalho social e político. o dom da vida. intelectual. e que eu saiba oferecer-lhes os meus. Que eu seja. que eu seja peregrino e missionário no exercício do amor. possam sentir e descobrir que vale a pena viver. Conviver é contribuir: Para que a velhice não seja vazia e monótona. que eu tenha plena confiança na tua bondade. e só desejo o que tu. Que tenha a consciência da minha missão de ser fermento. Que os jovens. Se os meus pés não podem mais andar. Muitas coisas boas e ruins aconteceram na minha vida. atitudes e hábitos pode ocorrer em qualquer idade. Senhor! Não sei quanto tempo tenho ainda para viver. mas não estou cansado de viver! A vida nunca cansa. e o amor não cansa e nem se cansa de amar. Senhor! Se não posso enxergar com os olhos do corpo. um idoso experiente e alegre. em qualquer idade. Ser um eterno aprendiz: a assimilação de novos conhecimentos. com amor radical. Senhor! Dai-me a alegria de ver os jovens realizarem seus ideais.. não tenho medo e nem quero ter.. Nada de amargura e raiva esteja em mim.br Página 104 . Senhor. é preciso continuar a perseguir ideais que dêem sentido à vida: dedicação a instituições. de tudo isto.Relacionar-se: A felicidade dos idosos depende muito do entrelaçamento de relações estabelecidas com o cônjuge.. Senhor! Dai-me a força da esperança para crer no amanhã. olhando para mim. Senhor! Às vezes sinto que o meu corpo está cada vez mais frágil. sal e luz.

Quem vai primeiro se beneficiar com o nosso trabalho será os familiares. Dessa sucessão aos herdeiros cuida o Direito das Sucessões. com a morte. Colégio Politécnico Boock – www. Só o amor é capaz de superar os conflitos de idade e de mentalidade PARA REFLETIR 1 ..br Página 105 .com. No relacionamento das pessoas entre si para celebrar contratos (Dir das Obrigações) e do relacionamento das pessoas com as coisas para adquirir propriedade (Direito Real). formamos um patrimônio. Propriedade e herança são dois direitos que estimulam a capacidade produtiva das pessoas. Não permita que eles ―chorem‖ hoje. Art. por isso. Se viver neste mundo é tão bom.Que lugar ocupam os idosos em nossa família? 2 . para que amanhã você venha a amargar um futuro sem sentido.Quando e como Tu quiseres. ela pode ser tanto inter vivos..por disposição de última vontade. como mortis causa. A sucessão inter vivos interessa ao direito obrigacional/contratual. 1786 do CC – A sucessão ―mortis causa‖ se dá 1º . A sucessão por lei é a sucessão legal. TESTAMENTO e INVENTÁRIO Se nos relacionamos com pessoas e coisas ao longo de nossa vida para formar um patrimônio. A expressão sucessão em direito.Atendemos as necessidades dos idosos? 24. sem dúvida será bem melhor viver contigo por toda eternidade. quero partir deste mundo. em decorrência da morte. esse patrimônio será transferido aos nossos herdeiros.Admitimos e respeitamos o presente dos idosos? 4 . Amém! Frei Patrício Sciadini A família é o lugar onde os idosos têm o direito de se sentirem em casa. em benefício direto da família e indireto da sociedade como um todo.por lei ou 2º . A sucessão que nos interessa agora é a sucessão ―mortis causa‖. ou seja. o Direito Civil é conhecido como o ―direito dos ricos‖.politecnicoboock.Nós escutamos o passado dos idosos? 3 .

Na sucessão legal. porque tanto recebe os créditos como os débitos. o legatário não vai receber seu colar de diamantes. O herdeiro assume a posse logo.com. ressalto que herdeiro só paga as dívidas do falecido dentro dos limites da herança. os nossos bens vão para nossos filhos. a lei vai limitar essa liberdade de testar para resguardar os familiares mais próximos que são os filhos e o cônjuge. Uma coisa é deixar seus bens para os filhos. De acordo com a Nova Lei 11. Por que a sucessão testamentária é rara? 1°) a gente nunca acha que vai morrer. etc. Art.A sucessão por disposição de última vontade é a sucessão testamentária. está testando a título universal. legatário não responde pelas dívidas do falecido. mas poderemos encontrar legatários. especialmente nos casamentos desgastados. Já a sucessão testamentária é exceção em nosso costume. porque agora.P. despesa em cartório. mas se deixa coisas individualizadas. possibilitando a realização de inventário por via administrativa.. especificadas: casa na praia. teremos sempre a figura dos herdeiros que são aqueles que sucedem a título universal. colar de diamantes.C. outra coisa é deixar para os cônjuges em condições de igualdade com os filhos. Abaixo a Lei na íntegra: Colégio Politécnico Boock – www. mesmo havendo testamento. se dá por disposição de última vontade = testamento. O tempo irá dizer se agora as pessoas mal casadas vão ter a preocupação de testar para beneficiar os filhos mais do que o cônjuge. Parágrafo 1° art. Na sucessão testamentária. Esses 3(três) argumentos nos levam a desprezar o testamento. está testando a título singular. o cônjuge herda em igualdade com nossos filhos. em compensação só entra na posse após se verificar que a herança é solvível. deveremos encontrar herdeiros sucedendo a título universal. 1784 do CC – Destaca-se: a herança transfere-se logo aos herdeiros. até o limite da herança. Toda sucessão ou é decorrente da lei ou do testamento. É vantagem ser legatário porque não responde pelas dívidas da herança. Mas há um novo artigo do CC de 2002 que pode aumentar os testamentos. 1923 do CC – depende da herança ser solvível.869/73 do C. ou seja. Na sucessão por lei quem determina para quem vão os bens é a lei: 95% das sucessões em nosso país são legais. porque estes sucedem a título singular.politecnicoboock. Com base na cláusula testamentária. não há testamento ou ele foi anulado. a quem mais queremos bem. altera alguns dispositivos da Lei 5.441/2007. afinal ninguém herda só dívida. o legado não se transfere logo. pode pagar as dívidas do falecido.br Página 106 . então não precisamos testar. já o legatário não assume. Se a herança não pagar as dívidas. Todavia. ou 10% deste patrimônio para alguém. se o testador deixa a exemplo 1 do seu patrimônio. ou então decorrente dos dois. 3°) Pela burocracia. só assume no final do processo de inventário. 2°) Se a gente morre sem testamento. quando se verificar que a herança é solvível. ou seja.

. A separação consensual e o divórcio consensual.. passam a vigorar com a seguinte redação: "Art..com. nos termos do art......035 desta Lei... cuja qualificação e assinatura constarão do ato notarial. a qual constituirá título hábil para o registro imobiliário. § 1º A escritura não depende de homologação judicial e constitui título hábil para o registro civil e o registro de imóveis. cuja qualificação e assinatura constarão do ato notarial.. 186º da Independência e 119º da República. será homologada de plano pelo juiz.. de 11 de janeiro de 1973 ..Código de Processo Civil.869. 1..Código Civil.... de 11 de janeiro de 1973 ..124-A.Código de Processo Civil. possibilitando a realização de inventário... § 2º O tabelião somente lavrará a escritura se os contratantes estiverem assistidos por advogado comum ou advogados de cada um deles.869. passa a vigorar acrescida do seguinte art.. 5º Revoga-se o parágrafo único do art. 983. OPRESIDENTEDAREPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art.. Art. . Havendo testamento ou interessado incapaz... de 11 de janeiro de 1973 ..869. DE 4 DE JANEIRO DE 2007 Altera dispositivos da Lei nº 5....032 a 1. de 1973 ..015 da Lei n o 10..031...Código de Processo Civil." (NR) "Art... ainda. 983 da Lei nº 5.. mediante a prova da quitação dos tributos relativos aos bens do espólio e às suas rendas. ao acordo quanto à retomada pelo cônjuge de seu nome de solteiro ou à manutenção do nome adotado quando se deu o casamento. Art. 3º..869. Brasília. de 10 de janeiro de 2002 ...br Página 107 ..... Parágrafo único.. § 3º A escritura e demais atos notariais serão gratuitos àqueles que se declararem pobres sob as penas da lei...441..869..LEI Nº 11.. de ofício ou a requerimento de parte.. 1.. com observância dos arts. ―O tabelião somente lavrará a escritura pública se todas as partes interessadas estiverem assistidas por advogado comum ou advogados de cada uma delas.. 1.. se todos forem capazes e concordes.. poderá fazer-se o inventário e a partilha por escritura pública.. passa a vigorar com a seguinte redação: "Art... proceder-se-á ao inventário judicial... LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Márcio Thomaz Bastos Colégio Politécnico Boock – www.. da qual constarão as disposições relativas à descrição e à partilha dos bens comuns e à pensão alimentícia e....‖ (NR) Art..124-A: "Art...Código de Processo Civil.. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Parágrafo único... partilha... 982 e 983 da Lei nº 5. 1. A Lei nº 5.. (NR) Art....politecnicoboock. O processo de inventário e partilha deve ser aberto dentro de 60 (sessenta) dias a contar da abertura da sucessão. A partilha amigável. podendo o juiz prorrogar tais prazos..... 1.. celebrada entre partes capazes. 1º Os arts.. não havendo filhos menores ou incapazes do casal e observados os requisitos legais quanto aos prazos... ultimando-se nos 12 (doze) meses subseqüentes... separação consensual e divórcio consensual por via administrativa.. 982..Código de Processo Civil.... 2.406.031 da Lei nº 5. de 1973 .. 4 de janeiro de 2007.. poderão ser realizados por escritura pública.. 2º O art... (Revogado).

Em pouco mais de quatro décadas.br Página 108 . estima-se que em 2050 o número de idosos no Brasil será igual ao número de jovens: as pessoas com mais de 60 anos.500 calorias diárias. mesma porcentagem dos que terão entre zero e 14 anos. diabetes. foi considerada a maior responsável pelas carências nutricionais. doenças crônicas não transmissíveis como as cardiovasculares.Vida Saudável Dicas relacionadas à nutrição para a sua saúde 30.com. que hoje representam cerca de 5% da população. divulgado em outubro de 2005.7 milhões. magnésio. Os resultados mostraram que dois terços das pessoas não se alimentavam adequadamente e que havia um consumo insuficiente de cálcio. consomem grandes quantidade de gorduras e açúcares e não praticam nenhuma atividade física. o que gerava queixas freqüentes de problemas intestinais. Glaucia Maria Navarro de Abreu Ruga avaliou os hábitos alimentares de 94 pessoas com idade entre 55 e 83 anos. Esses números mostram que o país precisará investir em políticas públicas tanto para criar condições de oferecer atendimento médico adequado a essa população como para divulgar a importância dos hábitos saudáveis para a obtenção de uma qualidade de vida superior. vitamina B6 e ferro. estima-se que no nosso país existam cerca de 1. Segundo dados da Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição (PNSN).politecnicoboock. com o mínimo de limitações físicas e mentais Um estudo desenvolvido na Unicamp confirmou que os idosos não estão se alimentando como deveriam.3 milhões de idosos com baixo peso. Alimentação equilibrada é fundamental para que as pessoas envelheçam bem. sendo que a desnutrição representa. De acordo com o relatório "Preventing Chronic Disease : a vital investment" da Organização Mundial de Saúde. câncer. o número de pessoas com 80 anos ou mais chegará a aproximadamente 13. As conseqüências de todo esse desequilíbrio alimentar (falta ou excesso de nutrientes) tem causado um avanço assustador de doenças que debilitam e matam anualmente milhares de brasileiros. são responsáveis por 72% de todas as mortes no Brasil. quando o valor recomendado para essa faixa etária é cerca de 1. O estudo mostrou também que o consumo de fibras era muito baixo. resultado da tese da Dra. exageram no consumo de calorias diárias. mais fáceis de preparar. Mais idosos De acordo com dados do IBGE. mais de 35% nos registros de mortes de idosos nas regiões metropolitanas. serão 18%. atualmente. A quantidade média de calorias por dia era de apenas 900. com boa capacidade de gerir sua própria vida de forma autônoma. zinco. entre outras. Isso equivale a 928 mil mortes/ano Colégio Politécnico Boock – www. Dieta para envelhecer bem e com saúde por Jocelem Salgado Quando falamos em nutrição de idosos no Brasil temos um cenário desanimador. Principalmente porque em outro espectro encontramos também idosos obesos. A preferência dos idosos por alimentos industrializados prontos. que ao contrário daqueles avaliados pelo estudo da Unicamp. dieta digna de top model. A pesquisa.

Elas ajudam a manter a musculatura e reforçam o sistema imunológico. . Em quantidades adequadas formam hormônios.os idosos têm mais dificuldade que os jovens em se livrar delas. enzimas. facilitam a deposição do colesterol nas artérias.Água: A necessidade de água aumenta com a idade. Consuma com moderação gorduras saudáveis como aquelas presentes no azeite de oliva. modificações nos hábitos alimentares e a prática de exercícios físicos podem trazer também grandes benefícios mesmo para as pessoas que já chegaram à meia-idade e nunca tiveram um estilo de vida saudável. enquanto que a gema é indicada apenas 3 vezes por semana. grão de bico. A menos que haja alguma restrição médica. e leguminosas como feijão. até porque os rins nem sempre funcionam tão bem. Contudo.de um total de 1. massas. castanhas. dê preferência aos carboidratos presentes em grãos integrais como trigo integral. como doces. aveia. Assim. e leguminosas como a soja e o feijão. centeio.com. Recomenda-se pelo menos quatro porções de verduras e legumes e três de frutas todos os dias. Procure diminuir o consumo de alimentos energéticos e pouco nutritivos. Viver melhor Bons alimentos ajudam a envelhecer melhor. aves sem pele. Colégio Politécnico Boock – www. ervilhas e lentilhas são as melhores fontes de proteínas para as pessoas de meia idade. soja.8 a 1. laticínios desnatados.Carboidratos: Não exagere. . uma proteína que já está disponível no mercado e que promete repor parte do colágeno corporal perdido com o avançar da idade.Proteínas: Você não pode deixar faltar proteínas em sua alimentação.0g de proteína por quilo de peso ao dia.Calorias: a partir dos 55 anos o metabolismo torna-se mais lento e com isso o risco de se perder massa magra (músculos) e ganhar gordura corporal é maior. uma pessoa que pesa 60 kg. refrigerantes. causando obstrução e aumentando o risco de infartos. é importante ter uma alimentação equilibrada e saudável desde criança para chegar em plena forma à maturidade. pode-se comer esses alimentos à vontade. uma novidade fica por conta do colágeno hidrolisado. . e o que é pior. frituras. A clara do ovo pode ser consumida todos os dias. Sempre há tempo para tentar reverter a situação. No quesito proteínas. . por exemplo. deve consumir algo em torno de 60g de proteínas ao dia. variando ao longo da semana de forma que vários tipos de vitaminas e minerais possam ser consumidos. Em excesso acumulam-se nos tecidos adiposos aumentando o peso.Gorduras: Muito cuidado com elas . A necessidade de calorias diminui para homens (cerca de 600 calorias/dia a menos) e mulheres (cerca de 300 calorias/dia a menos).br Página 109 . Veja algumas dicas para quem quer envelhecer bem e com saúde: . . carnes magras. O ideal é consumir cerca de 0. Peixes.politecnicoboock. etc. O ideal é que os idosos consumam quatro porções diárias: pão integral no café da manhã e no lanche e arroz integral com feijão no almoço e na jantar.289 milhões de mortes e representa um prejuízo anual de US$ 3 bilhões ao nosso país. mas em quantidades excepcionais nas hortaliças e frutas. Por isso.Vitaminas e minerais: Encontrados em todos os alimentos. alimentos gordurosos. milho e girassol. canola. abacate e óleos de peixes marinhos.

v.br "Categoria 1.Não descuide das fibras na alimentação: a ausência delas colabora com a prisão de ventre. Informações podem ser obtidas no site http://www. M. A partir das informações obtidas junto aos colaboradores deste estudo percebemos que o grau de parentesco tem influência decisiva na escolha de quem irá cuidar. tanto de esposo como de esposa. conforme o parentesco. . conforme descrito na literatura. com o mínimo de limitações físicas e mentais. 02.Lembre-se: A alimentação equilibrada é fundamental para que as pessoas envelheçam bem. com boa capacidade de gerir sua própria vida de forma independente e autônoma. 06. Atribuem esta responsabilidade ao acordo firmado perante Deus. GIRARDON-PERLINI. Disponível em www. na maioria das vezes. ou seja. Um perigo para quem tem pressão alta.. e isso pode fazer com que as pessoas utilizem mais sal na comida do que devem. n. necessita reorganizar-se e negociar possibilidades. nem substitua refeições por chá com torradas ou sanduíches.Cuidar do idoso doente no domicílio na voz de cuidadores familiares. além de estarem juntos na saúde e na doença.br Página 110 . quem poderá assumir essa tarefa. EXTRATO NA ÍNTEGRA DE ARTIGO CIENTÍFICO CATTANI. que é freqüente nessa idade.org. pois uma vez casados constitui-se em dever um cuidar do outro até o fim da vida.Não fique sem comer. . a disponibilidade de tempo e o desejo pessoal. Trocar o pão e o arroz brancos por suas versões integrais. R. mais chances tem esta pessoa de vir a ser a responsável pelo cuidado do idoso. 2004.ufg.Tome de sete a oito copos por dia. são jeitos fáceis de aumentar a quantidade de fibras na alimentação. . O ideal é fazer cinco ou seis pequenas refeições equilibradas por dia. Você ainda se beneficia com a melhora na digestão e evita prisão de ventre. 31. Revista Eletrônica de Enfermagem.hcanc. O. por ocasião do matrimônio. . Alguns entrevistados referiram que assumiram o cuidado do idoso doente porque entendem ser uma obrigação matrimonial. . quanto mais próxima for a relação familiar. B. ou fazer um belo prato de mamão com aveia no café da manhã. A dica é caprichar nas ervas e condimentos naturais.Cuidado com o sal. conforme pode ser evidenciado nas seguintes manifestações: Colégio Politécnico Boock – www. Com o passar da idade. N. em que se comprometeram a partilhar alegrias e tristezas.html.politecnicoboock. Ser cuidador familiar: uma opção ou uma obrigação? Definir quem será o cuidador familiar de um idoso doente no domicílio constitui-se numa situação em que a família. que acentuam o sabor em vez de salgar demais. que incluem identificar. existe uma menor percepção do sabor salgado.br/dmeds/psiq/psic2.fen.com.

podemos considerar que este está se referindo a uma obrigação moral determinada. estando relacionado ao projeto de vida do casal. é meu esposo. e a concepção popular de amar remete a essa forma de compromisso com o outro. a gente cuida nem que não seja esposa. Não há como um porque. Assim. mais que uma obrigação. para cuidadoras esposas. aquilo a que se está obrigado por lei. os direitos. preceito. Este compromisso associa-se a valores como responsabilidade e obrigação e o dever como um sentimento natural e subjetivo.” (He-man) Esta obrigação também é mencionada por aqueles que tem uma vida em comum. (Shenna) Em investigação realizada por SILVA (1995) na qual buscou conhecer as relações de gênero e poder entre cuidadoras – mulheres e pacientes acometidos por Acidente Vascular Cerebral (AVC) e que perderam sua independência. que mesmo não tendo formalizado a sua união de acordo com um ritual religioso ou num contrato civil. de gostar do outro. pela moral. a gente tem que estar sempre junto. a partir do compromisso assumido e selado desde o momento do matrimônio. Assim. tratar de assistir‖. serviço. terá que se arrumar uma pessoa mais”. podemos depreender que o componente afetivo apresenta-se como um fator importante e influencia na escolha do cuidador. Na língua portuguesa cuidar denota ―aplicar a atenção. (Sherra) O cuidar se apresenta como uma manifestação de afeto. que seja mãe. evidencia-se que também existe um componente afetivo que conduz essa atuação e contribui para que um cônjuge cuide do outro: o sentimento de carinho. tem que ser. p. 1999. dentre outros sinônimos (FERREIRA. não há uma obrigação eu acho. que nesse caso é o cuidar. Dever é definido como se ter obrigação ou necessidade de. deveres e obrigações dos membros da família. Cuidar do companheiro. incumbência ou obrigação. imposição. compromisso. o pensamento. porque estou junto com ele. expressa em uma regra de ação.. Associado ao fato de cuidar como uma função inerente ao casamento. quando não der mais. pra cuidar. e sim gostar da pessoa. pois como diria o poeta. 1999). tarefa necessária. o ato de cuidar está embutido no seu papel de mulher casada. casado. então tenho que cuidar”. fez aquele juramento pra Deus e as coisas assim.br Página 111 . constatou que para algumas cuidadoras a ―opção‖ de cuidar é vista como uma obrigação que está embutida no seu papel de esposa.com. Culturalmente. que eu tenho que cuidar dele. o que eu vou fazer. a gente cuida. “Penso assim que. Colégio Politécnico Boock – www. a sociedade espera essa atitude dos casais e. nas horas boas e nas horas ruins.politecnicoboock.“A senhora sabe que antigamente a gente. evidencia-se que cuidar de seu esposo também é um dever. um cuidar do outro. ter cuidado com os outros e consigo mesmo. ―quem ama. 589). pelos costumes. sendo que obrigação é definida como dever. tendo. é uma pessoa que a gente quer bem. ser devedor de. podendo se notar o expressivo traço cultural. porém este estará acompanhado de valores impostos pela cultura familiar.. segundo KARSCH (1998). cuida. cuida‖. Eu acho que. ou seja.(FERREIRA. Embora a cuidadora refira-se ao afeto como motivação para cuidar. no qual sendo esposo. motivo de reconhecimento. favor. É meu companheiro. já que o casamento se constitui em um projeto de vida comum que inclui a questão do cuidado pelo outro. tem que ficar junto e dedicar-se na realização dos cuidados. quando o cuidador se refere a seu dever ou a sua obrigação. como pode ser percebido nesta fala: “Mas porque. que mais que obrigação é um dever que a gente tem. abandonar não dá”. eu tenho que cuidar. sentem-se com o mesmo tipo de responsabilidade.

relata que com o passar do tempo. Quando o cônjuge não pode desempenhar esse papel ou já é falecido. A neta. tem uma representação para os cuidadores. tenho carinho por ela. o que os possibilita cuidar‖. e pelos laços de afeto que os une. porém. procurando aceitar seus defeitos. cuidar de seu companheiro(a) é tido como uma etapa normal e esperada no processo de envelhecer o que. No aspecto social os ganhos relacionaram-se à valorização social. por aquilo que faz. Estas por sua vez. sentindo-se responsável por ela. é cuidar”. muitas vezes. embora não seja filha. à satisfação pelo cumprimento de normas sociais e benefícios às relações familiares. conhecida como ―obrigação filial‖ (Bleiszner. a responsabilidade pelos cuidados passa a ser uma obrigação filial. Ser cuidador da própria mãe (ou pai) transcende o ato em si. De certo modo. senso de significado e senso de reciprocidade. é minha mãe. porque isso tem que fazer. senso de auto-realização. o amor. os filhos adultos costumam assumir o papel de cuidadores. pois ―mãe é mãe‖. no sentido de ser valorizado e reconhecido pelas outras pessoas. (Super-homem) Quando os idosos precisam de ajuda. (Superhomem) Mesmo que esta obrigação seja vista como um fator inerente à condição de filhos. passou a cuidá-la diariamente. entretanto. pois estão cumprindo com suas obrigações.br Página 112 . faz. sente-se como tal e. de certa forma. Ao residir com a avó. à gente se não fosse ela. Os filhos referem que cuidam porque não há outra alternativa.enquanto puder. por terem um vínculo afetivo e uma responsabilidade culturalmente definida. as desavenças do cotidiano e possibilita a retribuição de valores. principalmente. por motivos familiares. tudo. imbui-se da mesma obrigação filial.politecnicoboock. que por sua vez também pode ter restrições em sua saúde. estão inscritas num conjunto de crenças e valores compartilhados entre membros de uma sociedade. introjeção e manutenção dos valores. com que ―o cuidador de um idoso doente e dependente seja outro idoso. ela é minha mãe. do carinho e da atenção da avó a considera como a própria mãe. visto que muitos cuidadores não se viam como tais e. como diz MENDES (1995). Colégio Politécnico Boock – www. o fato de existirem. enquanto tiver forças. o que eu vou fazer. O sentimento para com o idoso é fortuito.com. pois resgata o carinho. SOMMERHALDER & NERI (2001) em uma investigação com 15 mulheres cuidadoras principais de idosos de alta dependência identificaram que os benefícios relatados por estas estavam relacionados a crescimento pessoal. os idosos. 2001). (Mulher Maravilha) “É eu cuido. Além disso. outras figuras se apresentam neste estudo como cuidadoras. Para os casais. a partir do momento que necessitam desempenhar tal papel. cuidam pelo amor que sentem pelo genitor.. o assumem como uma exigência decorrente do viver em família. Também MENDES (1995) reforça a idéia de que os cuidadores entendem a atividade de cuidar como um dever moral decorrente das relações pessoais e familiares inscritas na esfera doméstica. Nesse sentido. há um heroísmo que os torna respeitados perante a sua comunidade. “Olha eu. tem que fazer igual e (. apud PAVARINI et al. portanto. sendo que a família é o lugar da transmissão. É o que eu posso fazer hoje por ela. encontra-se em melhores condições. refere-se a ações impostas por normas sociais. eu faço. de cuidados e também. “Eu (filha) tenho amor por ela. separada dos pais..) suportar o que a mãe é”. a gente não estava no mundo”. O dever..

o carinho que a minha mãe não teve por mim ela teve”. como cuidadora identifica-se à nora. Ambos residem no mesmo domicílio e. Lewis & Meredith (1988) apud MENDES (1995). 1998). o cuidado dificilmente é transferível. quanto mais o cuidador se envolve. aí então como surgiu eu cuidar dela. geralmente. A aceitação de ser cuidador se dá. Por isso que enquanto eu puder e tiver saúde eu cuido dela. em princípio. que os possibilitem resistir ao cotidiano. porém ainda fala que os outros filhos se desvencilharam do cuidado. quero bem e tudo e os outros não querem. Tornar-se cuidador de um familiar idoso e dependente no domicílio implica em alguns fatores que levam o cuidador a assumir-se como tal. Refere também que realiza um sistema de rodízio com uma das filhas da idosa. a nora o realiza. os não .cuidadores deslizassem cada vez mais para fora dela‖ (KARSCH. na esfera familiar. daí as filhas vão ter que assumir ela daí. por exemplo. eu aceitei. alguém tem de executar. a pessoa. ser o familiar mais próximo e do fato dos outros se desvencilharem do cuidado. Considerando que o cuidado é culturalmente desempenhado pela figura feminina.br Página 113 . Categoria 2 : Sendo cuidador familiar de idoso doente no domicílio Sentimentos do cuidador: da gratidão a resignação Desempenhar a tarefa de cuidar do idoso doente e dependente no domicílio deflagra diferentes sentimentos que são vivenciados pelos cuidadores diariamente. 1998. Assim percebemos que.com. O assumir o fato de ser o responsável pelo cuidado não é uma opção. Também ficou na minha responsabilidade e eu fiquei aqui então. num processo que pode ser explicado como uma forma de ―impulso‖ inicial e ou de slipping into it (escorregar para dentro) conforme Ungerson (1987). Por enquanto sou eu que estou assumindo e vou assumir até enquanto der. no meu ver. assumiu esta tarefa. como. então eu vim cuidar. Daí fosse uma escolha assim. que cuida da mãe de seu esposo. porque em geral. pois o filho precisa trabalhar e considera esta uma tarefa a ser desempenhada pela mulher. vai assumindo pequenos cuidados e quando percebe já é o cuidador principal. sua mensagem deixa transparecer que na sua concepção esta função compete às filhas. “Vou cuidar dela até quando ela precisar de mim. E eu tenho um carinho de mãe com ela. ―É como se de um lado o cuidador escorregasse cada vez mais para dentro da situação e. enquanto eu puder.138). então alguém tem que cuidar”. mais os não-cuidadores se desvencilham do cuidado (KARSCH. p. pra cuidar dela. o cuidador não toma a decisão de cuidar. fez com que o cotidiano fosse moldando a relação familiar e a realização dos cuidados para com a idosa doente. mas esta se define na indisponibilidade de outros possíveis cuidadores para cuidar e. Gosto dela. Têm que se Colégio Politécnico Boock – www. Também. devido às contingências. (Mulher Gato) A colaboradora explicita que enquanto puder desenvolver os cuidados à sogra irá fazê-los. estando completamente comprometido. (Bat girl) A responsabilidade que lhe foi imposta frente às circunstâncias familiares sem possibilidade de optar ou não por tal tarefa. Ou seja. num ato espontâneo e impulsivo assume o cuidar ou. em que alguém necessita de cuidados no âmbito familiar.“Se eu fosse escolher eu não ia escolher cuidar dela.politecnicoboock. mas surgiu a oportunidade. Alguns entrevistados relatam que para ser cuidador é imprescindível ter algumas qualidades. como nestas ocasiões. enfatiza que as filhas é que deverão assumir os cuidados. quando uma ou outra precisa viajar. não tem muita vontade de cuidar. então alguém precisa realizá-los. e não a ela. a nora. de outro. eu cuido. De certa forma. sem perceber. uma vez assumindo. agora o dia que eu não puder mais. entretanto quando isto não for possível. antes eu não ia querer cuidar de uma pessoa idosa doente.

às vezes tem umas resmunguinhas ou outra. (Shenna) [. Conforme KARSCH (1998). Sentindo-se inexperiente frente à demanda de cuidados O exercício de cuidar do idoso doente no domicílio é um aprendizado constante. estou junto. Paciência. e daí?”(Sherra) Outra colaboradora ainda expressa a ―raiva” como um sentimento passageiro. nem a situação do idoso doente. especialmente no período em que dependiam dos pais para a sua manutenção.r tenho que agüentar”.. A fala abaixo expressa esse sentimento. não cuida e nem muda a situação. (Bat girl) O cotidiano do cuidado favorece o surgimento de sentimentos de insatisfação por parte do cuidador e a manifestação do seu descontentamento. (Bat girl) Sentimentos de gratidão são perceptíveis.. Considerando as motivações que permeiam a tarefa de cuidar. principalmente. Muitas vezes torna-se incomodada pela condição de ser cuidadora. nas relações em que os filhos são cuidadores dos pais. tenho que cuidar. SILVA (1995) em sua pesquisa com cuidadoras de adultos dependentes.. o cuidador não pode ficar pensando nos problemas de relacionamento que poderão surgir no decorrer do cuidado. tenho que cuida. qualquer atitude. Na maioria das vezes se torna difícil. analisando a relação mães-filhas. ao ficar preocupado.conformar. efêmero e que com o passar do tempo. pois este continuará dependente e possivelmente não haja outra pessoa para assumir o cuidado. Assim. acabam sentindo-se impotentes diante da situação e a aceitam como imutável. tudo volta ao ―normal‖. ―agüentar” cuidar do idoso. (Tempestade) “Bem. Ao cuidador o sentimento de compaixão pela dependência do idoso e de desagrado pelas limitações que lhe impõe a condição de cuidador.br Página 114 . E se não tem paciência. ela me deu amor. assim”. pois não há o que fazer. resignando-se às circunstâncias. Então agora tenho que cuidar dela.com. não mudará a situação de ser cuidador. entre outros motivos. retribuir pra ela”. mas ela não aceita. porque. a indignação pela dependência e o reconhecimento pela ajuda recebida. Colégio Politécnico Boock – www.)”. (Batman) “Eu tenho carinho por ela.] Ele está doente. mas depois que a raiva passava. de ter que cuidar de alguém doente. baseado nas necessidades físicas e biológicas e de acordo com o nível de dependência do idoso. mas este deve fazer o que tem que ser feito. entretanto.politecnicoboock. não podendo abdicar de tais responsabilidades. conclui que as filhas ao assumirem os cuidados querem retribuir o que a mãe fez ao longo de suas vidas. Refletir sobre estes desencontros desencadeia sentimentos ambíguos para ambos os lados. como abandonar a função. evidencia-se no cuidado uma forma de agradecimento pelas experiências vividas e pelos cuidados e atenção recebidos no passado. “Me dava raiva assim. às vezes a gente briga por causa de remédio dela e outras coisas. mas é coisinha. Ao familiar que está sendo cuidado. “Então eu acho que chegou a vez de eu retribuir o que ela fez por mim”. fazer o quê. brigar com o idoso e os outros familiares. “Em cuidar eu me sinto bem. na medida do possível.. pode produzir situações de conflito entre ele e o familiar. mas que se faz presente frente ao cuidar. pela inexperiência do cuidador. afirma que o sentimento é temporário. É como se fosse uma espécie de ―retribuição‖ pelos esforços realizados pela mãe ao criá-las. Segundo eles. daí (. atender as demandas que vão surgindo no transcorrer do processo do cuidar e que necessitam ser aprendidas no enfrentamento do cotidiano.

como ajudar no vestir-se ou a servir de apoio para andar na rua. adequando-os às necessidades do idoso que. pelo compromisso de administrar medicamentos nos horários corretos e pela repetição de tarefas. é uma atividade absorvente que preenche o dia. com tudo. eu tive que ir fazendo as coisas pra ele.br Página 115 . diferenciada. GIRARDON-PERLINI (2001. tratar de esquentar uma água”. principalmente. à noite da pessoa que assume cuidar deste familiar. até chegar um ponto assim. tem que colocar fralda. porém.politecnicoboock. “Daí.. tendo que se adaptar a elas. identificou que a maioria dos cuidadores referiu ter ―aprendido a cuidar na prática do dia – a – dia . a dependência do mesmo foi aumentando e a sobrecarga de cuidados também. (Sherra) Outros colaboradores mencionaram que iniciaram os cuidados conforme as necessidades que o idoso doente apresentava. pra ir lá atender ele. (Batman) “Eu tive que aprender a lidar com o oxigênio. estabelecimento de uma rotina para exercícios e Colégio Politécnico Boock – www. conforme as necessidades dele e cada vez mais. ir se complexificando e exigindo do cuidador conhecimento e habilidades para o exercício do cuidar de acordo com as necessidades físicas do idoso. (Sherra) Com isso. tem de ser executada pelo cuidador. nesse sentido. tudo eu tive que aprender”. com reformulação de horários. se tornam árduas para quem nunca precisou enfrentá-las. eu tive que aprender como dar banho nela em cima da cama. fazendo. relacionadas a re-acomodação das atividades. com o avanço da patologia. vai se apresentando no transcurso da evolução de sua doença. preparação de uma alimentação.). muitas vezes. como um autodidata. gradativamente. eu tive que aprender como trocar de roupa nela. conforme a dependência.. para quem já as desenvolve. o cuidar. Assim. errando e acertando e. administração de medicamentos. Os cuidadores descrevem que tiveram que incorporar e desenvolver a cada dia uma nova gama de cuidados. dar um remédio (.. observando e auxiliando a enfermagem durante a internação. em segundo lugar. e às vezes. o que torna o cotidiano cansativo e repetitivo. também. pois o cotidiano é o espaço do imediato em que os indivíduos devem operar as atividades através do saber prático. realizadas por eles próprios. praticamente. geradas pela preocupação em saber se o idoso está bem. aprendendo a lidar com as necessidades do idoso doente e muitas vezes..)”.).com. o que reflete também um aprender por si mesmo‖. os cuidados que tinha que ter pra não dar aquelas feridas no corpo dela.. às vezes nem na cadeira não dá pra ir. que agora eu que dou banho. durmo um sono e me acordo.. Desde as pequenas coisas”. posto às exigências da evolução da doença. Acordar. tapado. ver se tá coberto.Atividades que parecem ser simples. Referem que as noites são mal dormidas. ―Em casa tenho que cuidar de noite e dia. com o passar do tempo. o processo de tornar-se cuidador é gerado no enfrentamento diário. eu que tenho que ajudar ele a pôr na cadeira. como refere MENDES (1995). Percebemos que os cuidadores sentem-se sobrecarregados pela demanda de cuidados e. então. no âmbito doméstico. p. e (. E é isso (. segundo Mendes (1995). podem. Também. como tomar banho e ir ao banheiro e que agora. As mudanças que se instalam na nova dinâmica de vida do cuidador estão. Ser cuidador de um idoso doente e dependente seja ele parcial ou total. levantar. (Shena) “Eu fui cuidando ele.118) em um estudo com cuidadores familiares principais de pessoas incapacitadas em decorrência de AVC que cuidam no domicílio. que inicialmente abrange atividades simples que se limitam a ajudar na realização de atividades da vida diária. por terem que realizar tarefas que até então eram atividades pessoais do idoso.

dentre os entrevistados. É a mesma coisa que a senhora tivesse cansada demais. Além das atividades que envolvem o cuidado ao idoso doente no domicílio.. estar atento à execução de determinados procedimentos que exigem concentração e planejamento antecipado do que será feito. conforme o que o idoso doente apresenta. essa amoaceira. mas eu tenho que lavar roupa. tendo. Sentindo cansaço físico e emocional Associado ao aprendizado constante do cuidar. que envolvem a prática do cuidar. “Que. ao cuidador familiar é apresentada a necessidade de incorporar a nova realidade ao seu cotidiano. a cabeça da gente é muita coisa né. agregado a repetição das mesmas (FERREIRA. referindo-se ao cansaço emocional causado pelo estresse da responsabilidade de cuidar diariamente do idoso doente. estou cansada mesmo. 1998). manifestações relacionados a cansaço físico e emocional. 1995. entre outras (MENDES. as noites tornam-se mal dormidas e o acúmulo de preocupações. deitar. a senhora não dorme direito e essa canseira na cabeça da gente que vem de certo.atividades de conforto que incluem efetuar a higiene pessoal. fazer a comida (. bem cansada. os colaboradores deste estudo demonstraram que cuidar de um idoso doente no domicílio é uma tarefa cansativa. assim como dos recursos emocionais. fadiga e esgotamento emocional. O cuidar diariamente de alguém que apresenta dependência pode significar o desenvolvimento de atividades que envolvem esforço físico para a prestação de alguns cuidados e. locomover de um lugar para outro.( He-man) Como pode ser observado. pois lhes ocupa muito tempo. KARSCH. fazem com que o cuidador fique ―amoado‖ e sentindo-se ―fraco mentalmente‖. cortar as unhas.politecnicoboock. muitas vezes. sentar. aliam-se a estes os afazeres domésticos que consomem outra parte do tempo.br Página 116 .com. A filha dele diz que está cansada e vai descansar. fazer a toalete. estão inscritas nas necessidades de tarefas a serem desenvolvidas pelos cuidadores no dia-a-dia. sendo que isto imputa a eles uma jornada de trabalho que. Já o cansaço físico pode ser entendido como fraqueza causada por exercício ou doença e ainda por atividades que exige esforço físico. pentear o cabelo. afim da obtenção de resultados satisfatórios no cuidado que tem de ser realizado. posto o enfrentamento do cotidiano e a repetição de cuidados para com o idoso doente e dependente no âmbito domiciliar. surge. É uma experiência de desgaste psicológico ocasionado pela assistência cotidiana prestada a usuários que demandam ajuda. e conviver com ela. como aponta KARSCH (1998). com isso. mas Deus o livre. Trata-se de uma diminuição da energia vital.. Assim. limpar a casa. levantar. escovar os dentes. o desgaste físico e emocional dos cuidadores.)”. conforme FREITAS et al. muitas vezes árdua e desgastante. (2002). (Shena) As atividades relacionadas ao lar. que organizar as ações de modo a conseguir dar conta da demanda de todos os trabalhos. subir escadas. essa canseira e a gente fica assim’’. “Canso. Postos às exigências do cuidar. Com o tempo vão surgindo características estressantes da atividade de cuidar. 1999). Cansaço emocional. despir. vestir. se caracteriza pela perda progressiva de energia. também. estende-se ao longo do dia e para a qual não contam com ajuda de outras Colégio Politécnico Boock – www. Reflete a situação em que os trabalhadores não podem dar de si no âmbito afetivo.

SILVA (1995) constatou que a maioria das cuidadoras admite que sua vida mudou radicalmente após assumir esse papel. chega a se questionar se o familiar realmente não consegue cooperar nos cuidados. surgindo dai um certo conflito interno e de culpa por estar em dúvida quanto a dependência do outro. das dificuldades financeiras para a manutenção da própria família. porém como o idoso não pode se autocuidar nem. Diante da impossibilidade de suprir todas as necessidades que o familiar necessita e que a doença exige. em virtude de uma variedade de processos que ocorrem na vida do cuidador. Percebe-se que em certas ocasiões os cuidadores se sentem esgotados. que é difícil. (Tempestade) Colégio Politécnico Boock – www. Outro fator a contribuir no desgaste emocional dos cuidadores está relacionado às dificuldades financeiras.. assim. Prestar cuidados a um idoso muitas vezes leva o cuidador a reestruturar sua vida.politecnicoboock.com. na sua maioria. e nos casos em que o paciente tinha incontinência urinária e/ou de fezes. da ausência de suporte formal por parte do Estado. às vezes não tem”. tais como aprender a desempenhar as tarefas. de acordo com FREITAS et al. alterando costumes.br Página 117 . como é que a gente diz. parecem ser mais fortes no início de cada nova atividade. não podia se ajudar um pouco”. muitas vezes. FREITAS et al. só alimentação é muito cara e. a evolução da doença pode ocasionar mudanças no curso das exigências. é uma doença que requer muito. que gera a dependência física e emocional. era somente a cuidadora que lidava com a troca de roupas. superando as próprias dificuldades e limitações. (Sherra) Para SILVA (1995) o esgotamento físico e emocional relatado pelas cuidadoras. Além disso. o idoso normalmente precisa ser auxiliado nos cuidados pessoais. quando eu não posso alcançar o que ele precisa. atendimento domiciliar médico. nessas condições. Além das tarefas dos cuidados. como por exemplo.pessoas. Diante do desgaste pessoal e da dependência do outro. “É. pois além das tarefas caseiras aumentarem. reorganizar-se de acordo com suas disponibilidade e com as demandas ou estabelecer novos níveis de adaptação para comportamentos e estados psicológicos. com muita vontade de fazer isso. Também se referindo aos afazeres dos cuidadores. e de qualquer maneira. (2002) de que cuidar não é uma situação linear em que são vivenciados sempre os mesmos sentimentos e por isso existem conflitos e ambivalências. que se expressa em cansaço. tanto financeiro como . porém o senso de sobrecarga pode se estabilizar ou diminuir ao longo do tempo. Mais o financeiro. O cansaço foi o sentimento mais comum entre as cuidadoras. se sentem impotentes e tristes. de fisioterapia e medicamentos. porque ele. Conciliar as atividades domésticas com os cuidados pessoais e os cuidados ao idoso dependente exige habilidade na organização do tempo e da execução dos mesmos. A gente diz que também não está. rotinas. está associado a múltiplos fatores. às vezes tu tem dinheiro. da falta de ajuda de outros familiares. Analisando cuidadoras – mulheres de adultos acometidos por AVC. Isso cansa.. sem condições para cuidar. eu só me sinto triste às vezes. será que ele está tanto assim que. de enfermagem. sofrem pressão cotidiana decorrentes do próprio estado de saúde do doente. fico nervosa e até a gente não devia ficar. hábitos e até mesmo a natureza de sua relação com o idoso (NERI. (2002). essa situação era mais aguda. que nem sempre eu posso fazer o que ele precisa. colaborar nos cuidados. Esta constatação pode ser reforçada com a afirmação de FREITAS et al. o cuidador tem de fazer as atividades. As exigências no cuidar . (2002) menciona que estes percebem o cuidar como um trabalho solitário e gerador de sobrecarga. principalmente de natureza física. insônia e problemas de saúde. 1993). porque ele também não tem culpa. pois. mas a gente pensa.

a única fonte de manutenção e sobrevivência. as coisas financeiras e tal. Assim. na maioria das vezes. primeiramente. a senhora pensa.politecnicoboock. pois. é pouca coisa. Um dos maiores obstáculos apontados enquanto vivenciam o processo de cuidar é a impossibilidade de sair de casa. dentro dos limites dessa nova relação pessoal. Gente doente em casa é uma coisa ou outra. antes de se tornarem cuidadores familiares. aquilo e a gente ganha pouco. Cuidar sentindo a perda de liberdade e sendo solitário Os cuidadores deste estudo além de mencionar o cansaço físico e emocional como fatores desgastantes desencadeados durante o processo de cuidar referem. assim passear. explicar bem pra ela o que eu vou fazer”. dinheiro de aposentado já viu. já tinha que estar em casa de volta. ter que negligenciar sua própria vida ou parte dela. “Não tenho liberdade. pra comprar um remédio. mais o cuidador tende a ficar ―isolado‖ no domicílio para cuidar deste. já que a possibilidade de sair de casa é cada vez mais escassa e as visitas são mais esporádicas. aquela coisa. realizar o que ele necessita abdicando de suas próprias vontades. existe uma dinâmica no processo de cuidar que é uma relação tensionada onde os sujeitos envolvidos. Este afastamento das pessoas faz com que as cuidadoras busquem Colégio Politécnico Boock – www. (Heman) “Minha vida é sofrida. suprir as necessidades do idoso. de forma geral ficam atrelados à responsabilidade e a preocupação diária com a doença e cuidado do idoso. os cuidadores também apontam que a perda da liberdade se desencadeia pelo vínculo e pela dependência que o idoso manifesta. paga isso. pois o mais difícil é dar conta dos custos que a doença exige para suprir todas as carências do idoso. aquela aflição parece dentro da gente”. faz anos que eu já não tenho mais a liberdade pra sair. é insuficiente para atender as necessidades básicas do idoso doente e dependente. (Mulher Maravilha) Como diz MENDES (1995). ponderam que cuidar não é tão oneroso. Para cuidadoras de um estudo realizado por SILVA (1995). capaz. (He-man) Quando comparam o ato de cuidar com os gastos para atender as necessidades dos idosos. se eu vou sair eu tenho que falar bem com ela. diante das limitações financeiras. constroem seus espaços respectivos. bá. também. a gente vai indo”. por exemplo. pois os gastos com a doença são ordem prioritária sendo que os gastos domésticos e pessoais podem ser deixados em segundo plano. neste momento. o sentir-se privado do contato nas relações com amigos e parentes é bastante visível. chega uma pessoa a gente sempre com aquele cuidado. referem que o valor recebido pelos benefícios. tem que ficar em casa isolada e se eu saio um pouquinho ela está chamando. ela está procurando. quanto mais o doente necessita de cuidados ou se sente sozinho. A pouca realização de atividades de lazer no cotidiano e a limitadas possibilidades de conversar com outras pessoas contribuem para o sentimento de solidão e de perda da liberdade. então tudo isso vai acumulando. buscam. passear. duzentos e poucos pila.“Quê.com. ou seja. Desse modo. a necessidade de ―abrir mão‖ de atividades que eram praticadas habitualmente. pior são as dificuldades que a gente tem. é cuidar de seu familiar doente. Como maioria dos participantes do estudo dependem dos valores recebidos como aposentados da previdência social. cuidador e idoso dependente. duzentos pila.br Página 118 . porque a gente fica assim sem poder sair. saía ali. A prioridade. às vezes. Ser cuidador de um idoso doente na esfera domiciliar é. cuidar não é nada vizinha.

não tem nem quem abra a porta. às vezes”. (re)estabilizar uma vida cotidiana nos moldes anteriores. é meio difícil.br Página 119 . muitas vezes. mas não posso. ela não pode caminhar muito. ir lá almoçar..). o idoso acaba por ficar sozinho no domicílio. às vezes eu tenho vontade de sair. mas não posso fazer o que quero. os cuidadores principais ainda enfrentam dificuldades. “E agora eu também então estou indo na ginástica ali. ―cobra‖ a presença do cuidador e nem sempre reage favoravelmente às ausências. enquanto realiza atividades fora de casa. pois na ausência de cuidadores secundários. ―a falta de liberdade e os momentos solitários vivenciados pelos cuidadores fazem com que o cuidador e o idoso se lancem numa relação de busca. a atenção precisa estar constantemente voltada a este. mas mantém-se articuladas pela história de cada um (MENDES. rezar ou isolar-se. ela pode ficar um pouco mais sozinha. mas (. por sua vez. porque ele melhorou. mesmo com a preocupação de cuidar do idoso doente e isto ser um fator gerador de dificuldades no enfrentamento pessoal. Os colaboradores manifestaram. (Sherra) “Agora eu estou mais assim. (re)fazer. Independente do fato do cuidador ser uma pessoa jovem ou idosa. Em meio à solidão de ficar inserida somente no meio domiciliar e não ter liberdade para realizar o que gosta. ainda. (Shena) Diante da tentativa de readequação de suas vidas.)”. Às vezes quero sair à noite e não dá. sendo comum à busca de valores religiosos como suporte para a aceitação deste cotidiano e dos sentimentos que afloram. ele melhorou. só que daí eu tenho que deixar ele fechado. de quarta e sexta. novos personagens. assim mais feliz. o que já não é mais possível pela demanda dos cuidados e pela dependência do idoso para com o cuidador‖. O indivíduo que necessita dos cuidados. daí ficam batendo. O processo de reconstrução da vida do cuidador é conflitante. que as condições do idoso são fatores preponderantes na realização de atividades extra-domiciliares. num domingo. querendo (re)montar. caso contrário.. exige tempo para desenhar um novo cotidiano. ele fica sozinho. Muitas vezes. É tão pertinho.alternativas para o seu próprio suporte emocional que substituem o diálogo com as pessoas. além de úteis. suas atividades de recreação e convívio social acabam sendo alteradas e dando a este a sensação de não ter autonomia para gerenciar a própria vida e ter de viver em torno do outro. como sair à noite. ir numa tia minha. MENDES (1995) considera que fatores psico-sociais interferem na forma dos sentimentos dos cuidadores serem objetivados no cotidiano do cuidador e do idoso. posso sair. é às duas horas e demora uma hora só. Tudo depende de como ela está”. Se está bem. felizes consigo mesmo. novas identidades que nascem de uma descontinuidade.com. situação esta que gera preocupação ao cuidador. e agora dá pra eu ir. porque tenho que pensar nela. os participantes deste estudo apontaram que. ou visitar amigos. assim. novas articulações..politecnicoboock. há necessidade do idoso estar bem. e o cuidador tem que readequar seus planos. como ela levanta. vou no baile dos velhos. Nesse sentido. então eu fico e é assim”. 1995). Tudo depende de como ela está no dia. então (. para desenvolverem ações voltadas ao lazer. Como bem explicita MENDES (1995). “Às vezes eu não realizo tudo que quero realizar. Colégio Politécnico Boock – www. (Mulher gato) Cuidar de uma pessoa dependente faz com que o estilo de vida do cuidador seja modificado em função das necessidades do outro. às vezes chega gente. tenho que ficar cuidando da “vó”.. eu já tava com as pernas meio duras de não treinar as pernas. (Bat girl) “Então eu digo. tais como: chorar. senão não dá pra deixar. procuram reorganizar suas atividades de rotina e de vida para se sentirem.

o cuidador pode redefinir e redesenhar seu papel em relação às tarefas do cotidiano e do cuidado. muitas vezes. (2001). no novo. porque próprios da humanidade. que mesmo sendo conturbado.br/artigo. de dedicar um tempo a si. esquecem da sua própria vida.politecnicoboock. Esta necessidade está relacionada ao mal . Os Direitos Humanos. meu velho rapaz‖ (Gilberto Gil. A busca responsável pelo equilíbrio entre tutela e autonomia.gov. vento repentino. no qual são contemplados e sacralizados apenas necessidades e interesses constantes – ainda que historicamente expansíveis –. no caso dos cuidadores que. com o passar do tempo. novas atividades. são a referência legítima à limitação do Poder. para que possa manter sua saúde física e mental. refere-se já em seu primeiro artigo à meta de promover o desenvolvimento de uma sociedade para todas as idades e. foi apontado por PAVARINI et al. O Mar e o Lago. mostrou em sua pesquisa que o diaa-dia do cuidador é radicalmente modificado pela doença. além de social e ético. Para melhor enquadrar a questão. tanto de rotina como de vida e relações psico – sociais são introduzidas no seu cotidiano. in Quanta). MENDES (1995). A Razão dos Direitos Humanos da Pessoa Idosa Fonte: http://www. a doença põe em suspensão a vida cotidiana da família. ondas no lago sereno. Em uma reflexão mais abrangente e mais profunda. Colégio Politécnico Boock – www. envolvidos no cuidado. prerrogativas e privilégios.com. geometricamente. a ONU divulgou as projeções de uma revolução demográfica: o número de pessoas com mais de 60 anos aumentaria de 600 milhões em 2000 para 2 bilhões em 2050.asp?id=76 Núcleo de Informação do Idoso Governo Popular de Mato Grosso do Sul ―Rugas no rosto moreno.br Página 120 .ms. apreendidos como verdadeiro movimento de globalização íntima. Durante a Segunda Assembléia Sobre Envelhecimento. luas e luas e luas. repentina paz. permite a ele vislumbrar opções de lazer e descontração. que não está doente e precisa continuar a sua vida da melhor forma possível. é importante que o cuidador perceba que está vivo. isto é dizer que em cada década de vida (0-9. quando o idoso melhora seu estado clínico. em oposição à anterior e clássica forma piramidal. acontece. 2002). Para não adoecer. Nos países em desenvolvimento. naturalmente. inclusive em plano internacional. espera-se a quadruplicação de idosos no mesmo período. e de certa forma. Fugas de brigas de rua. ares de menino. 1996. juventude e senilidade. A Declaração Política da ONU sobre o envelhecimento. produzida a partir daquele recente encontro em Madri. em Madri. a fim de se distraírem. A necessidade de mostrar ao cuidador a importância do desenvolvimento de atividades físicas e de lazer. como retangular. a contribuição das legislações para a formação de um novo paradigma de convivialidade. diante desta nova ordem demográfica. mais facilmente. De acordo com esta pesquisadora. de debilidade e dependência. e se prestam a nortear condutas neste diálogo intercultural e intergeracional. na relação de cuidar e ser cuidado. não pode ser desprezada. 10-19 e assim por diante) há número equivalente de pessoas (Stuart-Hamilton. velhas relações pessoais são redefinidas. Por outro lado. direitos e deveres é um desafio jurídico. os cuidadores referem que a reorganização das atividades.Podemos deduzir que.idoso. entendidos através de seu caráter universalizante." 32. mister conceber a sociedade moderna.estar e a frustração gerada pelas dificuldades para auto-cuidado. geralmente por falta de tempo. Uma nova vida cotidiana se instala aos poucos reitroduzindo algo do velho cotidiano.

Assim estabelecidos os direitos. direito. assim. ainda calorosos debates acerca. dificuldades quanto ao mercado de trabalho ou opção por uma segunda carreira. O direito. universal. fora os casos patológicos. para que finalmente seja ultrapassada a era de direitos noctifloros. especialmente sob um sistema coercitivo de aposentadoria e subemprego. aos velhos. quando Simone de Beauvoir escreveu seu famoso ensaio sobre a velhice. mas ao apresentar a condição diferenciada. não havia ainda. impõe-se a nobilitação também do direito ao envelhecer. tanto quanto a infância ou o nascimento. profundas modificações familiares (com a ausência dos próprios pais. à liberdade (inclusive procriativa. privilégios. à inteligência e à integridade. dessa forma. mulheres ou trabalhadores) ulteriormente a certas mudanças que ensejaram o aparecimento destas categorias. neste aspecto. Não há.daí o mapeamento de suas necessidades especiais precisar observar tais dessemelhanças para ser efetivo – recordando. publicações. Do ciclo vital nascimento-crescimento-reprodução-morte derivam todos eles. do aborto. que surgem e desaparecem em um único período porque não lhes foram asseverados sobrevivência e respeito no corpo social. programas de tevê e de rádio destinados às crianças e aos adolescentes.). este é um assunto que a todos interessa.Tais Direitos básicos nascem dos fins humanos. ameaça à sexualidade. que exigem ações – e não omissões – do Poder. 1992. p. Além do homem em abstrato. portanto.br Página 121 . Uma vez que os seres humanos precisam envelhecer. junto a todos outros direitos chamados de ―segunda geração‖. diferenciado quer por sua idade. batalha contínua contra doenças crônicas e debilidades orgânicas. à alimentação. a liberdade religiosa. a liberdade de expressão e demais direitos de liberdade negativa e igualdade. e o surgimento de novas famílias constituídas pelos filhos). a todo tempo. deve-se justificar estes valores na demonstração de que ―são apoiados no consenso. p. etc. (BEAUVOIR. Neste raciocínio – de que reconhecimento e eventual proteção de direitos estão intimamente relacionados a um contexto social determinado –. no entanto. Em 1970. Pacificamente admitidos os direitos à vida.9). ganha então espaço o homem específico. existem livros.27). não. sobretudo daqueles de maior significação. quiçá do cônjuge. o processo de envelhecimento é uma das poucas coisas que nos unifica e nos define. ―de primeira geração‖. O Código Civil não faz qualquer distinção entre um centenário e um quadragenário. proximidade da morte. é antes social que natural. 1995. quer por seu sexo ou sua posição na cadeia de trabalho. Os juristas consideram que.23). a responsabilidade penal dos idosos é tão integral quanto a dos jovens. crê-se que só foi possível cogitar Direitos de categorias (idosos. portanto. Os velhos não são considerados uma categoria á parte e. está catalogado como direito social. homogeneidade entre os idosos . à igualdade. Entretanto. espetáculos. por outro lado. tal categoria de cidadãos seniores: Em política.politecnicoboock. discriminada. Nós todos estamos envelhecendo e devemos celebrar este processo natural. Isto equivale dizer que fundamentação e justificativa estão na imposição da realidade – envelhecida. (FRAIMAN. autorizado está a exigir do Estado políticas igualmente especiais que lhe concedam inclusive prerrogativas. 1990.com. Obviamente. a velhice difere de outras categorias etárias basicamente no que se refere a inúmeras perdas de relacionamentos afetivos (por afastamento ou por morte). De acordo com a Organização Mundial de Saúde: Em nosso mundo de diversidade e de constantes mudanças. senhor dos direitos humanos de liberdade – os quais se consagraram como de ―primeira geração‖ –. por exemplo. assim entendida. isto não lhes agradaria. a render. o indivíduo conserva durante toda sua vida os mesmos direitos e deveres. O envelhecimento é. O Direito do Idoso. o que significa que um valor tanto é mais fundado quanto mais é aceito‖ (BOBBIO. são também direitos seus – à medida que não perde a humanidade genérica quando envelhece – a vida. da seleção gênica. p. poder-se-ia pensar que o direito da pessoa idosa corresponde ao homem em abstrato. de idoso. contudo. embora com variações aduzidas pelo tempo e pelo espaço. que pecados podem ser omissivos ou Colégio Politécnico Boock – www. Em nossa sociedade.

comissivos e ambos podem ser intencionais; a desatenção às necessidades do idoso, igualando-o ao homem adulto em direitos e deveres, ou supondo que a garantia de um caixa preferencial no supermercado é elemento bastante a aplacar qualquer sofrimento, é o mesmo que enterrá-lo vivo, como faziam os dinkas do Sudão (BEAUVOIR, 1990, p.53).

33. A Aids na Terceira Idade na Perspectiva dos Idosos, Cuidadores e Profissionais de saúde
Autor(es) : Ana Alayde Werba Saldanha Co-autor(es) : Ludgleydson Fernandes de Araújo http://www.aidscongress.net/article.php?id_comunicacao=294

Para os Idosos da população em geral, as representações acerca da Aids na terceira idade são: Ancoradas em aspectos fisiológicos e psico-afetivos (externos) Prevenção é concebida como informação aos grupos de risco Risco de Contrair é associado à libertinagem, coragem de ter contato sexual sem prevenção e uso de drogas. Doença de jovem: a pessoa jovem tem a jovialidade (1) falta de cuidado, sobretudo a juventude (1) o adulto é mais aventureiro (5) a moçada quando encontra o rapaz primeira coisa que faz é se entregar a ele (1) é muito preocupante pra os adolescentes (10) o jovem é mais cheio de muitas fantasias (2) essa libertinagem que eles tem (1) é preciso alertar os jovens sobre o sexo (5) Impossibilidade: que as pessoas idosas que saem aos encontros com outras pessoas acho que aquela pessoa é tão... tem tanta coragem (1) o idoso é mais precavido (2) O idoso por si já é um homem retraído (1) é muito difícil a gente achar na terceira idade (13) é tão difícil uma pessoa idosa ter relações sexuais completas (1) idoso não tem ligação com aidético, convivência, não tem sexo, nessa idade eu não quero nem saber (2) Observa-se, portanto, uma subestimação do potencial da infecção nas pessoas idosas e, 11consequentemente, uma vulnerabilidade não percebida, o que constitui em um desafio para uma mudança de concepção da doença para os idosos, que enxergam a contaminação como algo de grande dimensão, mas distante da sua faixa etária por ser o sexo a maior causa de transmissão. Para os Idosos Soropositivos a Aids é representada: - A Aids é vivenciada com constrangimento e associada com a promiscuidade. -O enfrentamento é dado pela religião. - Risco é associado ao sangue, beijo e usuários de droga, prostituição

Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br

Página 122

- A Aids é concebida como uma doença contagiosa e fatal, ainda associada às minorias, prevalecendo a crença de que as pessoas são responsáveis pela própria enfermidade. ―Eu me senti até abestalhado. Aí eu falei: ―como é que diabos eu fui buscar essa doença, onde? mas que diabo foi que eu fiz pra merecer isso?!‖... Já fazia 12 ou 13 anos que eu tive relação com mulher de fora, sabe. Eu estava com essa doença sem saber. Cheguei aqui e foi descoberto essa doença... Sabia nada, sabia nada que diabo era isso não‖ (Suj6);―Eu disse: não, eu não acredito. Eu não acredito porque eu não saio com ninguém.‖ ―Ave maria, é muito difícil. Porque o povo rejeita,né. Rejeita porque fala assim: um homem daquela idade com Aids.‖ (Suj 13) Na convivência com a Aids destacam-se os seguintes conteúdos: estigma e outras dificuldades decorrentes do contágio, referindo às questões de ordem particular e manifesto de desagrado frente às dificuldades materiais, sociais ou afetivas do dia-a-dia; incapacidade para o trabalho devido aos sintomas e seqüelas de doenças atribuídas à Aids; dificuldades de reintegração social, na comunidade em geral e nos círculos mais íntimos e na família em particular; baixa auto-estima e a culpabilidade; conformismo diante da doença e da morte, decorrente da idade avançada, de crenças religiosas e da transferência do foco da preocupação com a morte para as questões mais concretas da sobrevivência. Em relação aos Cuidadores Domésticos foi observado: - Pouca participação da família na sobrevida do idoso soropositivo - Curta rede de apoio social - O medo do preconceito por parte dos entes queridos - A religião assume o papel confortador, que, diferentemente do esperado, não é atribuído à família. ―...eu mesma assim pessoalmente num era pra ta cuidando dele não, porque ele é ex-marido meu. Nós somos separado há dez anos, mas ninguém quis cuidar, só eu mesmo assim...‖ (Sujeito 1). Acho que depois de ―véi‖ se pegar essa doença é pra morrer, porque existe muitos problemas, doença, né? (Suj. 4) ―É porque assim a família dele fica muito distante. E ele nem tem contato com outras pessoas porque tem gente que não gosta de fazer favor pra ninguém, só gosta de fazer favor por dinheiro, né isso? Enfim, a gente se dá muito bem...‖ (Suj. 3). A difícil tarefa de encontrar a amostra revela um indício da pouca participação da família na sobrevida do idoso soropositivo corroborado pelos discursos dos próprios pacientes que acabam por levantar questões como a curta rede de apoio social, visto que muitos optam por não contar à família seu estado de soropositividade; o enfrentamento dos pacientes através da religião, sendo a ―fé‖ e ―Deus‖ termos freqüentes nos discursos analisados; e finalmente o medo do preconceito por parte dos entes queridos. Tais resultados sugerem que a religião assume o papel confortador, que, diferentemente do esperado, não é atribuído à família.

Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br

Página 123

No discurso dos Profissionais de Saúde destacou-se: - Associação a temáticas negativas, como decepção, preconceito e dificuldades - Via de infecção: procedimentos médicos, tais como transfusões de sangue, e práticas sexuais promíscuas. - Solicitação do teste anti-HIV é solicitado somente mediante sintomatologia característica da doença Aids: ―Se os dias deles já estariam contados, imagina tendo AIDS‖ (Odontóloga 1, 24 anos). ―Eu vejo como um terror (...) é uma decepção‖ (Médica, geriatra, 55 anos). ―Eu vejo muito complicado‖ (Enfermeira 1, 65 anos). Risco:―...promiscuidade, de mudança de parceiro, de infidelidade‖ (Médica, geriatra, 55 anos). ―...através de alguma relação ilícita‖ (Odontóloga 4, 58 anos). ―...procura na rua o que não tem dentro de casa‖ (Odontóloga 2, 51 anos). ―(...) drogas é um negócio tão distante deles‖ (Fisioterapeuta 6, gerontólogo, 29 anos). ―A maior probabilidade de o idoso se contaminar com a aids, seria meio de internamentos em hospitais, através de transfusões, porque ele não corre tanto risco como os jovens, que está exposto as drogas, a toda variedade de sexualidade que ele pratica, só isso mesmo‖ (Odontólogo 5, 57 anos). Solicitação Exame: ―Eu não solicito porque, não sei. Eu nunca solicitei. A não ser algumas vezes que ela desconfia de alguma coisa do companheiro e me pede para eu solicitar. Porque eu sou muito assim a favor do que o Ministério da Saúde preconiza né. Então ele nunca me orientou a solicitar na rotina‖ (Médica, geriatra, 55 anos). Evidenciam-se nestes discursos, concepções associadas a estigmas e preconceitos, igualando o conhecimento científico ao senso comum, podendo interferir em suas práticas de atendimento. Entre as representações dos Coordenadores dos Grupos de Convivência destacam-se: - Aids:as mais jovens associam a Aids à necessidade de cuidado,enquanto as mais velhas ao sofrimento e grupo de risco. - A prevenção é colocada como responsabilidade da Saúde Pública. ―...muitos idosos que estão agora indo em busca de amores...o número em homens é maior...‖ (Assistente Social, 53 anos) ―o idoso que gosta de sair, procurar pra sair e satisfazer seus desejos não usam uma prevenção, não conhece a parceira e traz essa doença pra sua própria esposa‖... (Psicóloga, 48 anos) ―a maior vulnerabilidade é com relação ao parceiro...se confia plenamente, acredita que ele jamais vai pular a cerca...de repente pega e transmite para sua companheiro‖... (Professora, 38 anos) ―Eu não tenho bem assim aquele conhecimento como é que você pode, eu acho que o risco é no beijo, no assento, no toalete, no exame‖... (Educadora física, 47 anos;―a falta de informação, o pior é isso‖... (Professora aposentada, 67 anos). ―é por transfusão de sangue...(Assistente social, 53 anos), ―eu acho que é na intervenção cirúrgica e na transfusão de sangue‖... (Professora aposentada, 72 anos),(―é através de alguma injeção sabe‖...(Psicóloga, 49 anos)

Colégio Politécnico Boock – www.politecnicoboock.com.br

Página 124

Se por um lado. observam-se um distanciamento em relação à Aids. BANHEIRO Colégio Politécnico Boock – www. Com a imunidade enfraquecida.br Página 125 . evitar corredores atravancados ajuda a mobilidade de pessoas com visão periférica comprometida Cadeiras.2. O medo da discriminação é tão grande que. 34.1. 34. MOBÍLIA Obstruir passagem arrumar os móveis de forma que os caminhos não fiquem obstruídos. dos vizinhos. há satisfação no desenvolvimento de sua atividade. AUMENTANDO O GRAU DE SEGURANÇA NO AMBIENTE DA PESSOA IDOSA Juliana V. escondendo o diagnóstico da família. Estes resultados demonstram que os idosos que se deparam com a doença tendem ao isolamento. O diagnóstico tardio é uma das principais razões de morte precoce e as interações do coquetel com outros medicamentos já utilizados pelos idosos produzem reações indesejáveis. 34. consertar pernas frouxas cadeiras resistentes e estáveis não escorregam durante a transferência.3. chegando a negação da doença junto à população da terceira idade. o preconceito brota de dentro para fora e os impede de dividir suas angústias. mesas instáveis precisam ser suficientemente estáveis para suportar o peso da pessoa apoiada sobre as bordas de mesa ou encosto e braços das cadeiras. Instalar prateleiras e armários a uma altura acessível reduz o risco de cair por causa de tentar alcançar ou subir em escadas ou cadeiras instáveis.politecnicoboock. no ambiente de trabalho. Pernas de cadeira mau estado Evitar cadeiras com rodas. dificuldade de lidar com o assunto junto aos idosos e também no âmbito pessoal. Mesa Bambas. S Zinni Flávia Aparecida Pussi VII Congresso Internacional da UNICASTELO 31 de Outubro de 2003 Profa Dra Kelly Rafael Ribeiro Coqueiro 34. podem morrer em decorrência de qualquer resfriado banal. pessoas com comprometimento de equilíbrio usam a mobília como apoio. Registro de gás botão difícil de ver. assinalar claramente as posições ―ligado‖ e ―desligado‖ nos botões. instáveis Instalar mesa com pernas resistentes de boa altura. evitar mesa sobre tripés ou pedestais Pessoas com comprometimento da marcha freqüentemente usam a mesa como apoio. Não dispõem de grupos de auto-ajuda ou ambulatórios especializados em lidar com a complexa situação de envelhecer com Aids.com. COZINHA Gabinetes Prateleiras muito altas manter os itens usados freqüentemente ao nível da cintura. por outro lado. muitas vezes.

seca e propensa para a formação de hematomas e soluções de continuidade. como prevenção de lesões. Aspectos clínicos da demência senil em instituições asilares Milton Luiz Gorzoni. especialmente para pessoas com comprometimento de visão ou da percepção 35.. notadamente em antebraços e mãos. evita escorregar na banheira molhada Suporte de toalha e topo da pia instáveis para uso como suporte ao transferir do vaso sanitário. 1989. 2002. Boockvar et al.Banheira com fundo escorregadio Instalar faixas antiderrapantes ou capacho de borracha. fixar grades de apoio em pinos na parede próximo ao vaso sanitário ajuda a transferência para os vaso sanitário e dele para outro local Assento sanitário muito baixo Usar acento sanitário elevado ajuda a transferência para o vaso sanitário e para fora dele Drogas rotuladas inadequadamente Rotular todas as drogas de acordo com a necessidade de uso interno ou externo. Dementados apresentam. que a torna mais fina. institucionalizados estão propensos a apresentar infecções. muitas vezes de forma profilática. Infecções Idosos asilados freqüentemente são hospitalizados. luzes noturnas ou faixas adesivas coloridas podem ser usadas para assinalar claramente os degraus Define a localização dos degraus. Bentley et al.br Página 126 .1. Essas lesões devem ser avaliadas e. Sueli Luciano Pires Aspectos clínicos do dementado asilado 35. como sistêmico. que muitas vezes são interpretadas por familiares como sinais de abuso e maus tratos. O envelhecimento da pele provoca alterações. para melhor caracterização da flora bacteriana intra-asilar ou criar procedimentos semelhantes aos das comissões de controle de infecção intra-hospitalar. trato urinário e aparelho respiratório.politecnicoboock.. 2005). usar chinelos para chuveiro ou cadeiras para banho. principalmente no tegumento cutâneo. receberem não apenas tratamento local. com freqüência. Colégio Politécnico Boock – www. 2004. Yoshikawa. Aconselha-se a promoção de cuidados preventivos para infecções nesses três locais (Yoshikawa.. principalmente em áreas expostas à radiação solar. se necessário. Villas-Boas e Ruiz. manter uma lupa dentro ou próximo ao gabinete Porta / Fechadura Evitar fechaduras nas portas do banheiro ou usar apenas as que podem ser abertas dos dois lados da parta Permite o acesso de outras pessoas no caso de ocorrer uma queda 34. Essas circunstâncias exigem cuidados locais e o uso de antibioticoterapia sistêmica. Recomenda-se o uso regular de sabonetes e cremes hidratantes nesses locais. deve-se colher culturas.com. Devido à gravidade das doenças existentes e do grau de dependência física e mental em que se encontram. Igualmente é comum o encontro de doenças coadjuvantes à demência senil que provoquem estase e/ou lesões venosas em membros inferiores e favoreçam a formação de erisipelas ou de tromboflebites associadas. com antibiograma. Ramroth et al. Diante disso. ILUMINAÇÃO Instalar iluminação adequada no topo e na base da escada. 2001. 2005. favorecendo contato com flora bacteriana intrahospitalar resistente a antibióticos. quadros comportamentais que podem gerar traumas e lesões cutâneas com infecções secundárias. O ambiente confinado das instituições asilares facilita a disseminação desse tipo de bactérias a outros internados.4.

como ausência de auxílio para oferecer as refeições. muitas vezes multirresistente a antibióticos usuais. 2001. 2001. em muitos asilados. 1998... 2000. Revisão da necessidade de fármacos. particularmente na doença de Alzheimer. em muitos casos. ocorrem entre 30% a 80% dos idosos asilados. 35. Isso favorece a formação ou o encontro à admissão asilar de úlceras de pressão. 2004. Avaliações odontológicas. como no corpo de funcionários do local. O agente causador é. descritas acima. Sullivan. Colégio Politécnico Boock – www. assim. A perda de peso aumenta com a gravidade e a progressão da demência senil. Cuidados locais com as preexistentes ou medidas como mudança periódica de posições viciosas que as favoreçam. Strausbaugh et al. nem sempre de fácil diagnóstico quando associados à demência senil.. Pode-se minimizar esse risco com o emprego regular de vacinas antipneumocócicas e antiinfluenzas. O mesmo ocorre em dementados com outros distúrbios comportamentais. como agitação e irritabilidade. Desnutrição Deficiências nutricionais. Alibhai et al. Janssens.. Boockvar et al. 1989. 1998.Constante é a observação da ocorrência de posições semifetais em estágios avançados da demência senil.. Forlenza. como antiinflamatórios não-hormonais e digitálicos soluciona ou minimiza. citadas anteriormente..br Página 127 . 2003). dieta de consistência ruim para a deglutição ou monótona ao paladar.. Yoshikawa. 2003. 2000. Bentley et al. enquanto idosos sem demência senil apresentem incidência de aproximadamente 90% de sobrevida após 180 dias da hospitalização por pneumonia. Ijaz et al. Theodosa. 2002. 2003. 2005). 2000. White et al. Laube. devido ao fato de que as lesões tegumentares. a flora bacteriana mista (agentes Gram-negativos. Van der Steen et al. 2004. tem-se observado aumento no número de casos nessa faixa etária e maior mortalidade devido ao percentual de casos diagnosticados em estágios mais avançados da doença (Chaimowicz. White et al. serem potenciais portas de entrada para o Clostridium tetani (Yoshikawa. podem. Geram-se. 2005). Indica-se o uso de sondas enterais. Períodos de perambulação e/ou de extrema atividade física associam aumento do consumo energético à baixa oferta calórica nessas alterações comportamentais. provocadas por elas mesmas ou devido a medicamentos e por barreiras à alimentação. Porém. podem impedir circunstâncias de sofrimento e reduzir o risco de bacteremias e sepse. justificar baixa ingesta alimentar. Strausbaugh et al. Furman et al. Bardenheier et al...com. Deve-se ainda observar que o diagnóstico de tuberculose em idosos. Estima-se que. quadros de anorexia. nesses asilados. habitualmente.. 2002.2. Recomenda-se ainda a vacinação antitetânica. Quadros depressivos. permanente ou transitoriamente.. Freqüente em comunidades fechadas como asilos. 2000. Essa relação decorre de quadros de imobilismo crônico e do uso de sondas e cateteres. Yoshikawa. 2004).politecnicoboock. 2001. Webster. 2004. Doenças crônicas e/ou graves alteram as necessidades orgânicas de proteínas e de calorias e podem estar acompanhadas de inapetência. 2004). Strausbaugh et al. dementados em estado avançado têm a sobrevida reduzida para algo em torno de 50% após o mesmo período (Morrison e Siu.. 2002.. 2005.. como as instituições asilares. quando outras medidas. servindo como preditora de mortalidade para esses casos (Berkhout et al. que demências em estágio final associam-se constantemente a broncopneumonias aspirativas recorrentes. circunstâncias propícias à sepse e à morte desses dementados. fonoaudiológicas e nutricionais periódicas contribuem para a prevenção da desnutrição. falta de dentes. é pouco lembrado. Infecções respiratórias disseminam-se facilmente em comunidades fechadas. não forem eficazes ou o paciente não apresente condições de ser alimentado por via oral e esteja desenvolvendo quadro de desnutrição progressiva (Kamel et al. 2002. dementados ou não. anaeróbios e estafilococos). Ocorre. tanto em asilados.

2002.. com boas chances de sucesso. hematúria.politecnicoboock. 2003. 2002. Durrant e Snape. podem.. reduzir sua freqüência e impedir quadros decorrentes. são passíveis de tratamento e/ou processos de reabilitação miccional (Fowler. 1990. Deve-se considerar essa opção pela necessidade de mais estudos controlados sobre o uso de psicofármacos em distúrbios comportamentais em dementados (Gorzoni. medicamentos tipo diuréticos ou hipnóticos. MacDonald et al. lesões cutâneas. Cummings. em torno de 43% nas mulheres e de 24% nos homens. situações que. em muitos casos.br Página 128 . Circunstâncias que provocam dor. Embora não se relacione ao enfoque principal do presente artigo. Toulotte et al. para que sejam retirados obstáculos que dificultem sua ida com facilidade ao sanitário. adequadamente motivadas e treinadas para a detecção de quadros de imobilidade. 2004). Sthothers e Fenster. 2003). como úlceras de pressão e eventos tromboembólicos (MacLennae et al. Durrant e Snape. atrofia vulvar. mesmo em idosos vivendo em comunidade e com graus graves de incontinência urinária. Carvalho e Coutinho. Imobilidade Quadros demenciais em estágios mais avançados e psicofármacos são causas significativas de imobilidade em asilados. O percentual aproxima-se a 84% quando são analisados apenas octogenários asilados.. seqüelas de acidentes vasculares cerebrais ou demências vasculares e hidrocefalia de pressão liquórica normal ou intermitente. assim. Incontinência urinária pode provocar ou agravar insuficiência renal. Nem sempre irreversível. 1999.. Tamai. aos 85 anos de idade. Equipes de reabilitação e de enfermagem. Estima-se que esta prevalência chegue. 2003). Distúrbios do comportamento Percentuais entre 40% e 90% de dementados asilados apresentam períodos de depressão.5 anos de evolução do quadro (Hellstorm et al. agressividade ou delírio. incontinência urinária. com as reações adversas e complicações inerentes ao seu uso.com. comum a prescrição de psicofármacos. 1995. apresenta significativa associação com quadros demenciais. é de mais de 50% em aproximadamente 3. Sthothers e Fenster. Incontinência urinária Causa freqüente de asilamento e de alta prevalência em idosos institucionalizados. 2002. 35... Aconselha-se também a avaliação do local onde se encontra o idoso incontinente. 35.. Campbell et al. Observa-se ainda e com freqüência incontinência urinária associada a quadros como parkinsonismo ou demência com corpúsculos difusos de Lewy. fecaloma e diabetes melito.35. psicose.. 1999.3.4. 2003). ? ca a referência a que esses distúrbios são passíveis de tratamento não necessariamente medicamentoso. 2002. quedas e fraturas. Berkout et al. 2000. Nakanishi et al.5. deve-se estar atento a fatores controláveis como delírio. A mortalidade. distúrbios da força muscular. infecções urinárias. Colégio Politécnico Boock – www. Gordon et al. 1987. Durrant e Snape. Forlenza. 1999. Torna-se. litíase renal. alterações do equilíbrio e rigidez articular contribuem para sua instalação e progressão. 1990. 2002. 1998.

com. Cartilha do Idoso APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO PAPEL DO ESTADO.politecnicoboock.36. Esporte e Lazer Obrigações da área Financeira Colégio Politécnico Boock – www.br Página 129 . DA SOCIEDADE E DA FAMÍLIA EM RELAÇÃO AO IDOSO Papel do Estado Na área da Assistência Social Na área da Saúde Na área da Educação Nas áreas de Trabalho e Previdência Nas áreas de Habitação e Urbanismo Nas áreas da Justiça e da Segurança Pública Nas áreas de Cultura.

defendendo sua dignidade. bem-estar e o direito à vida" (Lei 8. ressaltar a responsabilidade do Poder Público. É fundamental que se criem mecanismos para uma saudável convivência com a velhice. sobretudo.Promotoria de Justiça de Defesa do Idoso e do Portador de Deficiência. A tendência é que. da família e da sociedade em geral no cumprimento das diretrizes da Política Nacional do Idoso. garantindo a dignidade como um bem legitimamente reconhecido a qualquer ser humano e o respeito aos seus direitos não como algo próprio de minoria a ser protegida. a sociedade e o Estado têm o dever de assegurar ao idoso todos os direitos da cidadania. oferece ao público a presente Cartilha do Idoso que tem como objetivo divulgar os direitos da pessoa idosa e. O progresso da medicina e o avanço tecnológico trouxeram para a sociedade moderna a possibilidade de maior expectativa de vida. governo. Os idosos já representam cerca de 9% de nossa população.. mais de 100 mil pessoas.com. órgão integrante do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. a população brasileira está ficando mais velha.842/94 . na esperança de alcançarmos sua eficácia. sociedade e família precisam promover uma ampla conscientização e priorizar a instalação de políticas de reeducação social em relação à pessoa idosa. Diante dessa realidade. o avanço da medicina alterou a realidade nacional. Isso significa dizer que.. associado ao fato de que o índice de natalidade brasileiro vem se reduzindo. em futuro próximo. PAPEL DA FAMÍLIA PAPEL DO IDOSO A quem denunciar abusos O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO "A família. que há poucas décadas convivia com uma média de expectativa de vida de até 40 anos. garantindo sua participação na comunidade. Para o brasileiro.Na área de Transportes PAPEL DA SOCIEDADE Como devem agir as empresas Dicas úteis para melhor atendimento do idoso As entidades que desenvolvem programas de asilo deverão adotar os seguintes princípios. artigo 3º. Colégio Politécnico Boock – www.br Página 130 . No Distrito Federal representam 5% da população. inciso I) A PRODIDE . ou seja.politecnicoboock.Política Nacional do Idoso. o número de idosos seja equivalente ao de jovens. mas como verdadeira regra de convívio de gerações. . elevando essa média para 70 anos.

Implementação de sistema de informações que permita a divulgação da política. dentre as atribuições vinculadas ao Estado. . ou seja.na efetivação das garantias previstas na legislação. de 1994.Integração do idoso com os mais jovens. O Ministério Público criou a PRODIDE Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos do Idoso e Portadores de Deficiência. .842. bem-estar e o direito à vida. O Estado. Daí a iniciativa desta cartilha destinada a divulgar as leis direcionadas aos idosos e mostrar o papel de cada um agente . em detrimento do atendimento asilar. Atente-se para os seguintes princípios. . sociedade. diretrizes e obrigações do Estado tratados pela Política Nacional do Idoso: . dos planos. com o propósito de cuidar dos direitos coletivos e individuais indisponíveis da pessoa idosa.Priorização do atendimento ao idoso por meio de sua própria família.politecnicoboock. à exceção dos idosos sem condições que garantam sua própria sobrevivência. devendo ser objeto de conhecimento e informação para todos. .Garantia de atendimento prioritário ao idoso nos órgãos públicos e privados prestadores de serviços à população.Capacitação e reciclagem dos recursos humanos nas áreas de geriatria e gerontologia e na prestação de serviços. especialmente na Lei n° 8. planos. programas e projetos em cada nível de governo. .Não discriminação de qualquer natureza ao idoso. que instituiu a Política Nacional do Idoso. todos os órgãos públicos da União. do Distrito Federal e dos Municípios têm a obrigação de assegurar ao idoso todos os direitos da cidadania. programas e projetos a serem desenvolvidos.Estabelecimento de mecanismos que favoreçam a divulgação de informações de caráter educativo sobre os aspectos biopsicossociais do envelhecimento. .governo.Na implementação dessa política. . Colégio Politécnico Boock – www. família e o próprio idoso . pois o processo de envelhecimento diz respeito à sociedade em geral.com. .br Página 131 . defendendo sua dignidade. o Ministério Público possui a missão constitucional de garantir os direitos da pessoa idosa.Vedação da permanência de portadores de doenças que necessitem de assistência médica ou de enfermagem permanente em instituições asilares de caráter social. implementação e avaliação das políticas. garantindo sua participação na comunidade.Participação do idoso na formulação. dos Estados. dos serviços oferecidos.

abandonado ou sem condições de prover a própria subsistência.locais destinados à permanência diurna do idoso dependente ou que possua deficiência temporária e necessite de assistência médica ou de assistência multiprofissional.com. culturais. .br Página 132 . a fim de suprir as suas necessidades da vida diária. .Criação de Oficinas Abrigadas de Trabalho: locais destinados ao desenvolvimento de atividades produtivas para o idoso.Criação de Casas-Lares: residências. Constitui obrigação do Estado fazer com que os idosos caminhem com as próprias forças.Prestação de serviços e desenvolvimento de ações voltadas para o atendimento das necessidades básicas do idoso. em regime de internato asilar. garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à Colégio Politécnico Boock – www.Pagamento do benefício de prestação continuada de um salário-mínimo mensal ao idoso.Criação de Centros de Convivência: locais destinados à permanência diurna do idoso. mediante a participação da família. mediante os seguintes princípios: . onde são desenvolvidas atividades físicas. que não tenha condições de se manter ou de ser mantido pela família. associativas e de educação para a cidadania.Criação de Centros de Cuidados Diurno: Hospital-Dia e Centro-Dia . Saúde não é apenas a ausência de doenças. em sistema participativo. ao idoso sem vínculo familiar. recreativas. e sim o estado de completo bem-estar físico. alimentação.Atendimento domiciliar: serviço prestado ao idoso que vive só e seja dependente. . laborativas. sem que estas precisem contribuir financeiramente para receber os benefícios. "A saúde é um direito de todos e dever do Estado. proporcionando-lhe oportunidade de elevar sua renda.Prestação de atendimento. da sociedade e de entidades governamentais e nãogovernamentais. cedidas por instituições públicas ou privadas. . de modo a satisfazer as suas necessidades de moradia. . . sendo regidas por normas específicas.Assistência Social é o amparo às pessoas necessitadas. . Esse serviço é prestado em seu próprio lar por profissionais da área de saúde ou por pessoas da própria comunidade. mental e espiritual do homem. destinadas a idosos detentores de renda insuficiente para sua manutenção e sem família.politecnicoboock. saúde e convivência social. com idade igual ou superior a 67 anos.

de Unidades de Cuidados Diurnos (Hospital-Dia.Inserir nos currículos mínimos. . São obrigações dos órgãos de saúde: . para efeito de concursos públicos federais.politecnicoboock. . . .Incluir a Gerontologia e a Geriatria como disciplinas curriculares nos cursos superiores. A educação é direito de todos e dever do Estado.Estimular a permanência do idoso na comunidade.Garantir ao idoso a assistência à saúde. de atendimento domiciliar e outros serviços alternativos para o idoso. . estaduais. metodologias e material didático aos programas educacionais destinados ao idoso. cartão facilitador de saúde para o idoso.Desenvolver programas que adotem modalidades de ensino a distância. . conteúdos voltados para o processo de envelhecimento. além de prioridade no atendimento. com o objetivo de tornar mais fácil o atendimento na rede do SUS.Estimular a criação.com. proteção e recuperação" . Colégio Politécnico Boock – www.Fornecer medicamentos. com a autonomia e independência que lhe for própria. . mediante programas e medidas profiláticas.redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a sua promoção. desempenhando papel social ativo. adequados às condições do idoso. na rede de serviços do Sistema Único de Saúde. especialmente nos meios de comunicação. . .Estimular a participação do idoso nas diversas instâncias de controle social do Sistema Único de Saúde. . o qual deve se encarregar de adequar currículos. junto à família. órteses e próteses necessários à recuperação e reabilitação da saúde do idoso. e do Distrito Federal.Garantir.Desenvolver programas educativos.br Página 133 . Veja algumas obrigações da área de educação: .Incluir a Geriatria como especialidade clínica. a fim de informar a população sobre o processo de envelhecimento. nos diversos níveis do Sistema Único de Saúde.artigo 196 da Constituição Federal.Desenvolver política de prevenção para que a população envelheça mantendo um bom estado de saúde. municipais. nos diversos níveis do ensino formal. Centro-Dia). de forma a eliminar preconceitos e a produzir conhecimentos sobre o assunto. no Distrito Federal.

Atender prioritariamente o idoso em via de aposentadoria e prestar-lhe esclarecimentos sobre os seus direitos previdenciários.politecnicoboock.Encaminhar ao Programa de Reabilitação do INSS o idoso aposentado. exceto por invalidez. da população idosa e suas necessidades habitacionais. preferencial nas áreas da arrecadação e fiscalização. inscrição de beneficiários. . . .com. bem como estimular e apoiar a admissão do idoso na universidade. visando à prestação de informações e ao cálculo de contribuições individuais. propiciando a integração intergeracional. por meio de assessoramento às entidades de classes. que retornar ao trabalho nas atividades abrangidas pelo Regime Geral de Previdência Social. .Prestar atendimento. visando à habilitação e à manutenção dos benefícios. exame médico pericial. quando acidentado no trabalho. Colégio Politécnico Boock – www. . empresas e órgãos públicos. . como meio de universalizar o acesso às diferentes formas do saber.Prestar atendimento preferencial nas áreas do Seguro Social. Nos programas habitacionais devem ser observados os seguintes critérios: .. manter programas de preparação para aposentadorias. instituições de natureza social. bem como os meios de exercê-los.Criar universidade aberta para a terceira idade.Garantir mecanismos que impeçam a discriminação do idoso quanto à sua participação no mercado de trabalho.Previsão de equipamentos urbanos de uso público que atendam às necessidades da população idosa. por intermédio das suas respectivas unidades de recursos humanos.Criar e manter programas de preparação para aposentadorias. serviço social e setores de informações.br Página 134 .Alternativas habitacionais adequadas à população idosa identificada.Identificação. na população-alvo destes programas. . .

junto à moradia da família do idoso.. junto: . especialmente nas delegacias de polícia. . de cômodo que lhe sirva de habitação independente. em equipamentos urbanos de uso público. no Distrito Federal.Às entidades de crédito habitacional. Viabilizar linhas de crédito visando ao acesso a moradias para o idoso. . ocupados por maiores de 65 anos que ganhem até dois salários-mínimos.Garantir atendimento prioritário e especializado nos órgãos de segurança pública.Garantia. de isenção de IPTU e TLP para imóveis de até 120 m2. .Estabelecimento de diretrizes para que os projetos eliminem barreiras arquitetônicas e urbanas e utilizem tipologias habitacionais adequadas à população idosa identificada. . . . Colégio Politécnico Boock – www. no Distrito Federal.com. .Criar mecanismos que induzam à eliminação de barreiras arquitetônicas para o idoso.Garantir tramitação prioritária de processos judiciais que envolvam idosos com idade igual ou superior a 65 anos.Aos Governos Estaduais e do Distrito Federal.Garantia.politecnicoboock. .Comunicar às autoridades competentes qualquer abuso contra idoso de que se tenha conhecimento em qualquer atuação profissional. .A outras entidades públicas ou privadas relacionadas com os investimentos habitacionais.br Página 135 .Zelar pela aplicação das normas sobre o idoso determinando ações para evitar abusos e lesões a seus direitos. de fornecimento de recursos para a construção.

.Tratar com respeito o idoso vítima de crimes. reelaboração e fruição dos bens culturais. unidades em regime de comodato ao idoso. diminuir barreiras arquitetônicas e urbanas. Fazer incluir nos orçamentos da União. como meio de garantir a continuidade e a identidade cultural. do Distrito Federal e Municípios recursos financeiros necessários à implantação das ações previstas na Política Nacional do Idoso.Incentivar os movimentos de idosos a desenvolver atividades culturais. dando imediata atenção a seus reclamos e apurando com rigor os delitos ainda que sejam considerados de menor potencial ofensivo ou praticados no seio familiar. mediante preços reduzidos.É garantido. considerando seu estado físico e sua independência de locomoção. . lazer e atividades culturais. nos programas habitacionais.Elaborar critérios que garantam o acesso da pessoa idosa à habitação popular. . no Distrito Federal.Incluir nos programas de assistência ao idoso formas de melhoria de condições de habitabilidade e adaptação de moradia. onde a violência é corriqueira e dissimulada.politecnicoboock. dos Estados.. . Colégio Politécnico Boock – www. .Valorizar o registro da memória e a transmissão de informações e habilidades do idoso aos mais jovens. garantindo a sua integração social. que vamos proporcionar melhor qualidade de vida ao idoso.Propiciar ao idoso o acesso aos locais e eventos culturais. São obrigações dessas áreas: .Garantir ao idoso a participação no processo de produção. . ―TODO CIDADÃO TEM O DEVER DE DENUNCIAR À AUTORIDADE COMPETENTE QUALQUER FORMA DE NEGLIGÊNCIA OU DESRESPEITO AO IDOSO.br Página 136 ." É incentivando e criando programas de esportes.com. destinar. ao idoso com mais de 60 anos acesso gratuito no Jardim Botânico e Parques Públicos. na modalidade de casas-lares.

fundamental para os interesses das empresas. A qualquer evidência de abusos contra idosos. É só requerer.com.politecnicoboock. bastando a sua carteira de identidade para usufruir esse benefício. A sociedade também é responsável pela eficácia da Política Nacional do Idoso. for proprietário e condutor do veículo. cada um de nós deve cobrar dos responsáveis.477/99 que garante a reserva de vagas para idosos nos estacionamentos públicos e privados. Assim. O idoso tem direito à reserva de assentos nos veículos de transporte coletivo. aquele que tiver mais de 65 anos. independentemente das ações do Governo. antes de mero cumprimento da lei. Colégio Politécnico Boock – www. pode estacionar nas vagas reservadas. Não pode haver nenhum embaraço para que o idoso usufrua o direito de gratuidade no transporte.A Lei Distrital nº 2. imediatas providências para evitá-los ou coibir sua ocorrência. Qualquer discriminação será punida criminalmente e pode gerar indenização por danos morais.br Página 137 . se estiver portando o selo do DETRAN. É necessário que a sociedade não se acomode. o selo é distribuído gratuitamente pelo DETRAN. O idoso é um cliente como qualquer outro cidadão. particulares ou agentes públicos. Assim. As pessoas devem respeitar os direitos do idoso. oferecer ao idoso o tratamento adequado à sua condição é. A Constituição Federal determina a gratuidade dos transportes coletivos urbanos aos maiores de 65 anos. um consumidor que gera lucro para a empresa. já foi devidamente regulamentada.

. . . de modo a não causar-lhe nenhuma forma de constrangimento. . de caráter interno e externo. Colégio Politécnico Boock – www. abrir contas-correntes ou fazer financiamentos. com a devida publicidade.Para o bom atendimento. . Atendimento preferencial não significa necessariamente a criação de guichês exclusivos.Observância dos direitos e garantias dos idosos.Prestar contas. . no ato de adquirir mercadorias. .Motoristas e cobradores de transportes coletivos devem atender os idosos com a urbanidade e o respeito devidos a qualquer cidadão e não discriminá-los em função da gratuidade a que têm direito.Manutenção do idoso na mesma instituição. as pessoas que lidam com o público devem ser devidamente treinadas e orientadas a respeito dos direitos do idoso..Preservação dos vínculos familiares.politecnicoboock.O idoso não pode ser discriminado.Participação do idoso nas atividades comunitárias. mas atendimento mais rápido e oferta de condições de conforto. salvo em caso de força maior.Preservação da identidade e oferecimento de ambiente de respeito ao idoso. até porque um dia eles também serão idosos e poderão necessitar dos serviços de transportes. . dos recursos públicos e privados recebidos pela entidade.com.Atendimento personalizado e em pequenos grupos.O idoso tem direito ao atendimento preferencial. tais como existência de assentos para eventual espera e facilidade de acesso aos prédios e banheiros. qualquer que seja sua idade.br Página 138 . . .

psicológicos. .Providenciar a obtenção dos documentos necessários ao exercício da cidadania àqueles que não os possuírem.Comunicar às autoridades competentes a ocorrência de moléstias infecto-contagiosas. Esse acordo é referendado pelo Ministério Público e tem o Colégio Politécnico Boock – www. principalmente quando se despojaram de bens em favor da prole. com a obrigação irrenunciável de assisti-los e alimentá-los até o final de suas vidas". ao Ministério Público.br Página 139 . nome do idoso. . carência ou enfermidade. . . sem perda de tempo e até em caráter provisional. aos filhos maiores e capazes. ficaram sem condições de prover seu próprio sustento. o dever de ajudá-los e ampará-los.politecnicoboock. na velhice.Comunicar às autoridades competentes qualquer abuso contra idoso. A atribuição de fiscalizar as entidades asilares cabe ao Conselho do Idoso. responsável. . a órgãos de saúde pública e a outros previstos em lei. . A pessoa idosa que necessite dos alimentos deve requerê-los na Justiça. culturais e de lazer. respeitando a vontade deste em relação aos seus pertences. em seu parágrafo único: "No caso de pais que. . cabe. .Manter arquivo de anotações onde constem data e circunstâncias do atendimento.Dever de assistência: Os filhos também são obrigados a ajudar na manutenção dos pais necessitados.Fornecer vestuário e alimentação suficientes aos idosos atendidos.com.Oferecer acomodações apropriadas para visitas. parentes.Propiciar assistência religiosa àqueles que desejarem.Promover atividades educacionais. relação de seus pertences e demais dados que possibilitem sua identificação e a individualização do atendimento.Fornecer comprovante de depósito dos pertences dos idosos. I . . de acordo com suas crenças. esportivas. odontológicos e farmacêuticos.. especialmente o abandono por parte de familiares. . endereços. por meio de advogado ou da Defensoria Pública.Zelar pela preservação dos bens do idoso. Outra forma que a pessoa idosa dispõe é procurar a PRODIDE para um possível acordo com os filhos a fim de que estes cumpram sua obrigação de prestar assistência aos pais.Proporcionar cuidados médicos. cidade. conforme o previsto no artigo 399 do Código Civil.

br Página 140 . pelos parentes. Sempre que sofrer abusos e sentir que seus direitos não estão sendo respeitados. fixada ou majorada. mesmo que se encontre abrigada em qualquer instituição. de socorrer descendente ou ascendente gravemente enfermo: Pena . 244 do Código Penal). a partir de 21 (vinte um anos). pessoalmente. Trata-se do crime de Abandono Material (art. a interdição será promovida pelo Ministério Público por meio das Promotorias de Justiça de Família. o Juiz nomeará curador especial exclusivamente com essa função. desses bens. o Juiz nomeará curador que será inteiramente responsável pela pessoa interditada.Incapacidade. Quando se verificar que a pessoa. Nunca deve sentir-se inferior ou incapaz diante das pessoas mais jovens. não tem condições de manifestar a sua vontade por qualquer razão física ou mental. tem o direito de administrar seus próprios bens enquanto não for interditada judicialmente. Quando não houver parentes ou estes forem incapazes ou não se interessarem. ou de filho menor de 18 anos ou inapto para o trabalho. indevidamente. é necessário que se promova a interdição. Muitos parentes. Considerando que prestar alimentos aos ascendentes é um dever. Não fornecer cartão bancário ou senhas para ninguém. deve escolher com bastante critério e exigir que a pessoa escolhida preste contas periodicamente. por meio de advogado. deixar. A pessoa é completamente capaz para os atos da vida civil. Nos casos de comprovada incapacidade do idoso apenas para gerir seus bens. existentes em todas as cidades do Distrito Federal. não importando a idade. Ao final do processo. A pessoa idosa. Isso não é correto e pode gerar prejuízos para o idoso e sérios transtornos penais e civis para o procurador.com. O idoso. sem justa causa. Participação e defesa de direitos.Administração de bens. Neste caso. Quem administrar bens de pessoa idosa. sem limite de idade. sem justa causa. deve estar ciente de que é crime apropriar-se. A interdição deve ser requerida ao Juiz. o idoso continua com capacidade plena para os demais atos da vida civil. II . não lhes proporcionando os recursos necessários ou faltando ao pagamento de pensão alimentícia judicialmente acordada. basta procurar o cartório onde a procuração foi passada e revogá-la. deve levar o problema às autoridades competentes mesmo que o desrespeito seja praticado por familiares.politecnicoboock. há pena para quem: "Deixar. total ou parcialmente. III . Quando sentir necessidade de passar procuração para alguém cuidar de seus interesses. principalmente idosa. Em qualquer circunstância. de prover a subsistência do cônjuge. mesmo diante da incapacidade do idoso. nunca Colégio Politécnico Boock – www. continuam a administrar seus bens por procuração. ou por meio de associações. deve impor sua presença dentro da sociedade.mesmo valor de uma decisão judicial.detenção de 1 a 4 anos e multa". ou de ascendente inválido ou valetudinário. Se o procurador ou procuradora não estiver cumprindo corretamente sua missão. a pedido desta.

o Ministério Público atua investigando qualquer notícia de desrespeito ou violação dos direitos do idoso. Quando o direito reclamado pelo idoso é individual e disponível. a PRODIDE não pode atuar. ou se trate de direitos individuais indisponíveis. na Praça do Buriti.com. Para tanto basta procurar a secretaria da PRODIDE. por exemplo. como é o caso do INSS. por meio da PRODIDE. a Defensoria Pública ou outros órgãos responsáveis pelo direito reclamado.permitir que o cartão bancário seja retido por outra pessoa em garantia de pagamento de dívidas ou de contribuição para a entidade em que estiver abrigado. Nas situações individuais. quando se tratar de abusos contra o consumidor. quando ele pode abrir mão desse direito. Nesses casos. que funciona no 1º andar do Edifício Sede do MPDFT. o Conselho do Idoso. pode-se reclamar diretamente na Justiça do Trabalho ou nas Delegacias Regionais do Trabalho. o direito de preferência no atendimento.br Página 141 . como o direito a alimentos. ou seja. Na hipótese de reclamações envolvendo direito coletivo do trabalho. Todo cidadão tem o dever de denunciar qualquer forma de negligência ou desrespeito ao idoso. se for direito coletivo ou individual indisponível deve procurar o Ministério Público Federal. Colégio Politécnico Boock – www. No Distrito Federal. as Delegacias de Polícia e mesmo o PROCON. e fazer a reclamação mesmo que verbalmente.politecnicoboock. devendo a pessoa interessada procurar um advogado. dentre as quais o Ministério Público. No caso de reclamação contra órgão federal. desde que se trate de direitos coletivos como. O idoso ou qualquer pessoa deve denunciar abusos aos orgãos competentes. o órgão que pode atuar é o Ministério Público do Trabalho. a PRODIDE não pode atuar. Instrumentos de atuação Cabe ao Ministério Público velar pelos direitos da pessoa idosa.