Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia Mecânica Disciplina: Laboratório de Fenômenos de Transporte (EME 215) Aluno: Rodrigo Bhering

Trindade Nº 21339 Turma: P1 Professor: Rubenildo Vieira Andrade Ensaio Nº 3 – Medida de Temperatura 1. Introdução 1.1. Objetivo O experimento realizado tinha como objetivo apresentar a escala absoluta de temperatura e relacionar experimentalmente o comportamento dos gases perfeitos com a escala kelvin através da obtenção do zero absoluto. 1.2. Resumo Teórico A temperatura é a medida do grau de agitação das moléculas, temos que quanto maior for o grau de agitação das moléculas maior será a temperatura. Algumas propriedades físicas utilizadas para medir a temperatura são: expansão ou dilatação térmicas de sólidos, líquidos e gases; resistência elétrica, alteração do potencial elétrico de metais diferentes, ponto de fusão e vaporização, entre outros. Existem três escalas termométricas oficiais, que são a escala absoluta Kelvin, e as escalas relativas Celsius e Fahrenheit.  Escala absoluta: Foi estudado pelo físico Willian Thomson (1824-1907), conhecido por Lord Kelvin, ele foi quem estabeleceu pela primeira vez a existência teórica de uma situação na qual as partículas da matéria estariam totalmente desprovidas de energia e, portanto, estariam paradas. A essa situação teórica, que se sabe atualmente ser inalcançável na prática, se deu o nome de zero absoluto e associou a ela a temperatura igual à zero. O símbolo utilizado para Kelvin é o [K], sendo que o ponto de fusão do gelo é 273[K] e o ponto de ebulição da água é 373[K].  Escala relativa Celsius: A escala Celsius, é a mais utilizada na prática, tem como símbolo [ºC], ou seja, o grau Celsius. Nessa escala adota-se a temperatura de 0[ºC], como sendo a temperatura de fusão do gelo e 100[ºC] a temperatura de ebulição da água.  Escala relativa Fahrenheit: Esta escala é muito utilizada em países de língua inglesa, sendo o seu símbolo [ºF], ou seja, grau Fahrenheit.O ponto de fusão e ebulição nesta escala é respectivamente, 32[ºF] e 212[ºF]. Existe uma relação entre as escalas, que é:

Onde:

= Temperatura em [ºF] = Temperatura em [ºC] = Temperatura em [K]

A Lei de Charles e Gay-Lussac diz que a volume constante, a pressão de uma massa fixa de um gás varia linearmente com a temperatura do gás em graus Celsius, e com pressão constante, o volume de uma massa fixa de um gás varia linearmente com a temperatura do gás em graus Celsius. Com a introdução da escala absoluta, as leis de Charles e Gay-Lussac foram assim enunciadas:   A volume constante, a pressão de uma massa fixa de gás é diretamente proporcional à temperatura absoluta do gás. A pressão constante, o volume de uma massa fixa de gás é diretamente proporcional à temperatura absoluta do gás.

2. .03 15 288.09 92908.15 119 1166.45 93853.45 19 292.Foi colocada uma mistura de água com gelo em um isopor.39x + 88736 R² = 0. Pabs x T y = 277.9859 Series1 Linear (Series1) Pabs [Pa] Equação do Gráfico 1. -O procedimento foi realizado até a temperatura de 20[ºC].15 189 1853.88 94186. . um P abs [Pa] x T[ºC] e outro P abs [Pa] x T[K]. -Utilizando os dados obtidos foi plotado dois gráficos.2.15 152 1490.15 204 2000.61 93490.89[ºC].61 18 291. Materiais e Métodos 2. -Começou a medir a temperatura a partir de 14[ºC].A cada variação de 1ºC foi medido a pressão. 30 Temperatura [ºC] . Resultados obtidos P m => Pressão Manométrica [Pa] Patm => Pressão Atmosférica = 92000 [Pa] P abs => Pressão Absoluta P abs = Patm + P m Tabela 1. É a reta: y = 277. 3. -Registrador de Temperatura.55 94000. Métodos . O valor de x quando y=0 é -319. Relação de Temperatura e Pressão T[ºC] T[K] P m[mmH2O] P m[Pa] Pabs[Pa] 14 287.6 908. 2. -Termopar tipo K.09 16 289. .99 17 290.Mergulhou-se o kitasato na mistura.15 56. e anotado na Tabela 1. Materiais .55 20 293.15 223 2186.Manômetro digital.99 93166.Foi usado um registrador de temperatura para analisar a variação de temperatura na mistura. -Mistura de água e gelo.88 94400 94200 94000 93800 93600 93400 93200 93000 92800 92600 92400 10 20 Gráfico 1.Kitasato.6 555.39x + 88736 Para achar o zero absoluto foi necessário fazer y=0. . .1.15 92.03 92555.E o manômetro digital foi instalado na extremidade do kitasato para medir a variação de pressão neste. e a pressão nesta temperatura.

74[K]. devido a sua proximidade com o valor teórico.74. 7.9859 Equação do Gráfico 2. e erros causados devido à limitação do equipamento.html http://www. Analisando os dois gráficos podemos observar que no gráfico 1 corta o eixo x no ponto -319.74 unidades do valor teórico.fisica. O valor de x quando y=0 é -46.ufpr. Análise de Resultados Os resultados obtidos estão próximos ao observado na teoria. leitura errada dos observadores.net/quimica/resumo17. Anexos Gráficos feitos no Microsoft Excel. Outro fator observado é que os gráficos deram uma relação linear. 6.com. ou seja. 5.br/grimm/aposmeteo/cap3/cap3-2.39x + 12967 Para achar o zero absoluto foi necessário fazer y = 0.Gráfico 2 . Conclusão Por fim. Bibliografia http://www.0). como a teoria tinha proposto.0) e o gráfico 2 deveria cortar o ponto (0. pois como visto em sala o gráfico 1 deveria cortar o ponto (-273.mundoeducacao. Além dos erros que são provenientes do próprio aparelho de medição. que os dados obtidos estão distantes de 46. 295 4. É a reta: y = 277. o valor de 273[K].html http://fisica. Pabs x T 94400 94200 94000 93800 93600 93400 93200 93000 92800 92600 92400 285 290 Temperatura [K] Pabs [Pa] Series1 y = 277. Análise de incertezas Os erros encontrados nesse experimento podem ser devido à má calibração dos intrumentos de medição. .39x + 12967 R² = 0.br/fisica/a-temperatura-suas-escalas. isso significa. foi concluído que os resultados obtidos são satisfatórios. pois é extremamente difícil conseguir um valor com uma diferença mínima do teórico devido aos instrumentos utilizados e os erros presentes nestes.htm 8.89 e no gráfico 2 corta o eixo x no ponto -46.