You are on page 1of 5

FACULDADE INTEGRADA COC

Licenciatura em Letras Português e Espanhol

LEVANTAMENTO DE METODOLOGIAS APLICADAS EM SALA DE AULA

Adriana Chiarantano Lavorato
Trabalho de Práticas Integradas, exigido como parte das atividades a serem cumpridas no curso de graduação em Licenciatura em Letras Português – Espanhol.

Maceió 2010 Introdução:
O Objeto desta Pesquisa foi uma sala de aula de uma Escola Estadual, no Município de Maceió, Estado de Alagoas. A sala escolhida para observação e elaboração da pesquisa foi o 9º ano C do Ensino Fundamental do período vespertino. A escolha da série baseou-se no fato de ser o 9º ano o marco final do Ciclo do Ensino Fundamental, momento de transição entre o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. O objetivo deste trabalho é verificar em locus como o docente desenvolve suas atividades e conduz o aprendizado de seus alunos, qual ou quais abordagens e métodos o professor aplica e se este conduz suas aulas através do fio condutor de tais métodos, definidos ou não pela própria instituição, e quais as dificuldades enfrentadas pelo docente para a realização de seu trabalho como mediador do aprendizado. A metodologia escolhida para este trabalho foi além da entrevista direta e pessoal com a professora, baseada no Questionário Individual, a observação em sala do desenvolvimento das aulas, e paralelamente, a realização de uma pesquisa acerca das metodologias e abordagem adotados pela docente para a realização de seu trabalho na instituição. A professora observada é formada em Letras com Licenciatura em Língua Portuguesa e Inglês, Mestre em Educação Brasileira pela UFAL, com pesquisa voltada para área de Linguagem, leciona em salas no Ensino Fundamental II e Nível Médio, atuando como professora de Língua Portuguesa há 22 anos. 1 1.1 Desenvolvimento: Abordagem e Metodologias adotadas:

A docente concebe a língua como heterogênea e plural, procurado sempre levar em conta o contexto social em que o aluno está inserido. Esta visão de língua heterogênea contrapõe-se à visão estruturalista reforçada pelas gramáticas normativas. A professora possui uma visão menos conservadora do ensino da língua portuguesa adotando alguns aspectos da sociolingüística em sua abordagem. Reconhece e menciona em suas aulas as variedades da linguagem culta e da linguagem coloquial, usa como
2

estratégia a fala dos alunos, ou sua própria fala para destacar que em momentos de informalidade é mais comum o uso da variedade coloquial enquanto que no ambiente escolar e, em outros ambientes formais é necessário empregar-se a variedade culta, procurando sempre enfatizar a adequação do uso de cada variedade apropriada ao seu contexto social, a professora busca capacitar seu aluno no domínio da linguagem, trabalha com a visão de que a linguagem do aluno faz parte de sua identidade, não devendo ser desprezada, mas, o aluno deve ser orientado a reconhecer, conhecer e usar a variedade padrão da língua. Neste sentido a abordagem usada em sala de aula e as metodologias aplicadas são compatíveis com sua visão e língua heterogênea e plural, considerando o contexto social como elemento importante na formação do aluno como individuo. Nas aulas procura desenvolver atividades que estimulem a participação dos alunos e garantir que estes façam parte do próprio processo de aprendizado. Apesar de ser uma turma bastante dispersa devido a heterogeneidade e o desinteresse por parte de alguns alunos a professora consegue exercer um controle razoável da turma. Entre as atividades participativas costuma desenvolver um bingo ortográfico com os alunos com gradações na nota correspondentes aos acertos obtidos. Além dos exercícios do livro didático costuma aplicar atividades que desenvolve em casa como análises textuais e exercícios diversos. Para estimular a atenção dos alunos costuma efetuar a correção dos exercícios propostos junto com a classe premiando àqueles que acertarem as respostas, evitando desta forma que as conversas paralelas se propaguem. Apesar de tal posição acredita que, em alguns aspectos, o ensino da língua portuguesa é mais produtivo quando abordado de forma mais tradicional, baseado na gramática normativa, principalmente no que concerne a análise sintática e morfológica. O ensino da variedade culta da língua é, para ela, importante no desenvolvimento do aluno como cidadão, pois irá contribuir para que ao adquirir domínio linguístico o aluno conquiste novos espaços. Tal visão vem ao encontro do que determinam os PCNs:
“O domínio da língua tem estreita relação com a possibilidade de plena participação social, pois é por meio dela que o homem se comunica, tem acesso à informação, expressa e defende pontos de vista, partilha ou constrói visões de mundo, produz conhecimento. Assim, um projeto educativo comprometido com a democratização social e cultural atribui à escola a função e a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos saberes lingüísticos necessários para o exercício da cidadania, direito inalienável de todos.”

3

(PCNs) pg. 21

Por outro lado o próprio documento aponta a necessidade da reconstrução do ensino da Língua Portuguesa como forma de combater o fracasso escolar e aponta críticas ao ensino tradicional da gramática normativa:
“No que se refere à linguagem oral, algo similar acontece: o avanço no conhecimento das áreas afins torna possível a compreensão do papel da escola no desenvolvimento de uma aprendizagem que tem lugar fora dela. Não se trata de ensinar a falar ou a fala “correta”, mas sim as falas adequadas ao contexto de uso.” (PCN pg.20)

1.2

A Escola

A escola possui um Projeto Político Pedagógico, porém procura deixar os docentes mais livres tanto no planejamento quanto na aplicação dos conteúdos a serem abordados em sala de aula. O planejamento elaborado baseia-se nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), e segue o direcionamento do PPP da instituição, além do livro didático adotado pelo MEC. Cada professor possui liberdade para trabalhar com suas turmas de acordo com seu próprio planejamento, desenvolvendo suas metodologias através da abordagem adotada. 1.3 Dificuldades na Prática em sala de aula

Durante o período de observação para a realização desta pesquisa foi possível constatar algumas dificuldades enfrentadas na prática docente, algumas inerentes ao ensino publico, outras comuns às instituições publicas e privadas, como as expressas abaixo: Problemas estruturais nas instalações do prédio. Algumas salas de aula ficam localizadas próximo à quadra de esportes e são profundamente prejudicadas pelo barulho produzido pelos alunos envolvidos em suas práticas esportivas, como é o caso do 9º ano C. • A evasão escolar, que apesar do esforço da instituição pela permanência do aluno na escola o índice de desistência ainda é muito alto. Na sala observada, no inicio do ano letivo existiam cerca de 50 alunos, já no inicio do 2º semestre são cerca de 30 alunos que freqüentam as aulas.
• 4

• A dispersão do aluno em sala de aula seja, talvez, o maior desafio a ser enfrentado pelo professor dentro das salas. Devido às conversas paralelas o rendimento da turma como um todo acaba sendo muito prejudicado, gerando o desgaste do professor que acaba elevando seu tom de voz para se fazer ouvir e interromper a aula para silenciar conversas paralelas. Os alunos do 9ºC compõem uma turma bastante heterogênea, alguns alunos apresentam um interesse um pouco maior pelos conteúdos ministrados, outros, apesarem de participarem das atividades são bastante dispersos e conversam muito durante as aulas. Mesmo diante das dificuldades enfrentadas a professora busca manter um clima de camaradagem com os alunos, sempre buscando manter um canal de comunicação aberto com eles, estimulando a participação dos alunos através de diálogos e das atividades desenvolvidas. 2 Conclusão:

As metodologias e a abordagem aplicadas em sala de aula correspondem à visão da professora de uma língua heterogênea e plural, voltadas para a sociolinguística educacional, que concebe a linguagem do individuo como parte de seu sujeito e por isso não deve ser menosprezada. Tal abordagem é baseada em estudos de diversos sociolinguístas, que apontam para o fato da linguagem constituir um fator social e possuir grande importância dentro da sociedade. Apesar das dificuldades encontradas a professora consegue conduzir as aulas transmitindo algum conhecimento aos alunos. A escola desempenha um papel importante, pois mesmo sendo uma instituição pública e atrelada às diretrizes impostas pela Secretária Estadual de Educação procura de alguma forma colaborar com os professores através das coordenadoras de ensino e da própria direção. Quanto aos problemas estruturais da instituição a escola fica completamente refém do Governo Estadual, pois depende deste economicamente para quaisquer benfeitorias nem suas instalações.

Bibliografia: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf acessado em 21/10/2010

5