You are on page 1of 6

hulk_2 Boca: Parede anterior: lábios que separam a nível de suas comissuras o orifício bucal.

Paredes laterais: bochechas e vestíbulo por dentro. Antero-Lateral: dentes, gengivas e processos alveolares Parede superior: Palato duro e mole. Parede inferior (assoalho): Língua e região sublingual. Parede posterior: cavidade bucal propriamente dita, orofaringe, istmo das fauces e úvula (parte terminal do palato mole). Tonsilas palatinas ou amígdalas: Face interna: plana e convexa com escavações em forma de criptas. Face externa: relação com a faringe e com o espaço maxilofarígeo. Borda anterior: músculo palatoglosso. Borda posterior: músculos palatofaríngeo. Extremidade superior: separada do véu pela fosseta supraamigdalina. Extremidade inferior: relaciona-se com a língua por um grupo de glândulas foliculares, cujo conjunto constitue a amígdala lingual. Istmo das fauces: ou fossa tonsilar é uma depressão triangular lateral em que a base é alargada e o vértice, no palato mole, mostra-se convergente. Seu assoalho é formado pelos fascículos do constritor superior e seu conteúdo é a amígdala palatina.Fica limitado superiormente pela úvula, lateralmente pelos arcos palatoglossos e inferiormente pelo dorso da língua. Fossa tonsilar é a denominação do local em que se encontra a tonsila palatina ou seja, inferiormente à prega semilunar, anteriormente ao arco palatofaríngeo e posteriormente ao arco palatoglosso. Língua: Ápice, dorso (formado por sulco terminal, forame cego, sulco mediano e papilas linguais), face Inferior (formado por frênulo lingual, septo lingual e carúncula sublingual) e raiz. Múculos: extrísecos (genioglosso, hioglosso, estiloglosso e palatoglosso) e intrínsecos (longitudinal superior, longitudinal inferior, transverso e vertical). Dentes são estruturas rijas e esbranquiçadas contendo a polpa que, fica recoberta pela dentina que em parte fica protegida pelo cemento que na parte inferior (protegida pela membrana periodental) e superior pelo esmalte do dente que se implanta nas cavidades da maxila e mandíbula denominadas alvéolos dentários. São compostos de 3 partes: raiz implantada no alvéolo, o colo circundado pela gengiva superior a raiz e coroa no ápice do dente. O homem adulto possui 32 dentes, sendo 8 incisivos, 8 pré-molares e 12 molares. Os incisivos possuem coroa em bisel com margem cortante e uma única raiz. Os caninos possuem coroa cônica terminando em ponta e raiz única. Os pré-molares possuem coroa com dois tubérculos e raiz única ou bífida. Os molares possuem coroa com 3 a 5 tubérculos e duas ou três raízes. A primeira dentição ou "dente de leite" possui 20 dentes sendo 8 incisivos 4 caninos e 8 molares que começam a aparecer após os 6 meses de idade. Os dentes permanentes possuem um total de 32 dentes sendo: 8 incisivos, 4 caninos, 8 pré-molares e 12 molares que começam a substituir todos os dentes de leite entre 6 e 7 anos, podendo se estender até os 25 anos de idade para nascimento dos últimos molares. Glândulas salivares são consideradas anexos do sistema digestório, responsáveis pela secreção da saliva. As mais importantes são as extraparietais que compreendem 3 pares de glândulas. As glândulas parótidas, estão situadas lateralmente a face e anteriormente ao ouvido externo. Seu canal excretor o ducto parotídico, abre se no vestíbulo da boca ao 2º molar superior. A glândula submandibular localiza-se anteriormente e inferiormente a parótida se protegendo com o corpo da mandíbula. Seu ducto canal o ducto submandibular abre-se no assoalho da boca próximo ao plano mediano abaixo da língua. A glândula sublingual sendo a menor das três, fica situada lateral inferiormente à língua sob a mucosa que reveste o assoalho da boca, e sua secreção é lançada na cavidade bucal sob a porção mais anterior da língua por canais que se estendem por uma série de orifícios no assoalho da cavidade bucal. Faringe: A Nasofarínge se comunica com a cavidade nasal através das coanas e bucal através da cavidade bucal propriamente dita ou seja, pela abertura denominada de istmo da garganta ou das fauces. Na parede lateral nasal da faringe, apresenta-se o óstio faríngico da tuba auditiva. A orofaringe estende-se do palato mole até um plano que passa pela inserção das pregas faringo-epiglóticas. Localizada em nível dos corpos das segunda e terceira vértebras cervicais, comunica-se anteriormente com a cavidade oral, através do istmo bucofaríngeo. Esse istmo é delimitado pela base do palato mole, pelo dorso da língua e, a cada lado, pela prega gerada pelo revestimento mucoso do músculo palatoglosso. A cada lado da orofaringe, vê-se a borda ântero medial do músculo palatofaríngeo revestido pela mucosa faríngea constituindo o arco palatofaríngeo Esse arco desenha contorno que se estende das margens póstero laterais do palato mole e vão até as bordas laterais da base da extremidade livre da epiglote. Esse contorno corresponde ao limite posterior do istmo das fauces com a tonsila palatina, região que tem como limite anterior o arco palatoglosso.

Autor: Marcello Weynes

1

Laringofaringe estende-se da borda superior da epiglote (inserção do estilofaringeo) até um plano tangente à borda inferior da cartilagem cricóide, onde se continua com o esôfago. Posteriormente, relaciona-se com a coluna cervical desde a parte inferior da terceira até a sexta vértebra cervical, também em seu terço inferior. A relação anterior com a laringe se faz com o ádito laríngeo, superiormente, e a seguir, com a face dorsal das cartilagens aritenóides e com a face posterior da cartilagem cricóide. Estruturas da faringe: Nasofaringe: tonsila faríngea, palato mole e úvula, óstio faríngeo da tuba auditiva, toro tubário, toro do levantador, prega salpingofaríngea, prega salpingopalatina e recesso faríngeo. Orofaringe: tonsilas linguais, prega glossoepiglóticas laterais, valéculas epiglóticas, tonsilas palatinas, seio tonsilar, arco palatoglosso e arco palatofaríngeo. Laringofaringe: recesso piriforme e prega ariepiglótica. Esôfago: Inicia borda inferior da cartilagem cricóide. Limites: Superior: Borda superior de C6. Inferiormente: Orifício circular da cárdia que corresponde T11 ou T12. Divide-se em 4 porções topográficas: Cervical: C6 a T2. Anteriormente: traquéia e nervo recorrente laringeo esquerdo. Posteriormente: coluna vertebral e m. Longo do pescoço. Lateralmente: lobo da glândula da tireóide, recorrente laringeo direito, tronco inicial da a. Tireoidea e arteria carótida comum. Torácico: T2 – 77 ou T8. Estende-se da fúrcula esternal ao diafragma. Divide-se em parte retrotraqueal e retrocardíaca. Diafragmática: Corresponde ao anel esofágico do diafragma. Anterior: vago esquerdo. Posterior: vago direito. Abdominal: Corresponde a parte do esôfago abaixo do diafragma se estendendo até o estômago (T8 a T12). Anterior: vago esquerdo e porção posterior do lobo esquerdo do fígado. Posterior: vago direito, pilar esquerdo do diafragma, a. Diafragmática esquerda e a. Suprarrenal superior. Contricções do esôfago: Superior: cricoideo, origem do esôfago. Médio: aórticobronquial, aorta e brônquio esquerdo. Inferior: diafragmática, corresponde ao anel diafragmático. Dilatações do esôfago: Superior: cricoaórtica. Média: broncodiafragmática, entre brônquio esquerdo e o diafragma. Inferior: subdiafragmática, entre o diafragma e o cárdia. Estômago: Parte mais dilatada do tubo digestivo. Ocupa as porções epigástrica, hipocôndrio esquerdo e região umbilical. Divisão: antro cárdico e gástrico, fundo e corpo. Óstio cárdico: Esôfago-estômago. Situado à esquerda da linha mediana, a altura de T11. Óstio pilórico: Estômago-duodeno. Situado à direita da linha mediana, a nível inferior de L1. Externamente está marcada por um sulco circular denominado constrição ou esfíncter pilórico. Curvaturas: Pequena curvatura: bordo direito do estômago. Apresenta-se côncavo e se estende do óstio cardíaco em continuidade a margem direita do esôfago. Toma um trajeto caudal até o piloro. Próximo a este, forma uma angulação denominada de incisura angular que representa o ponto de demarcação entre o antro e o corpo do estômago. Esta curvatura dá inserção ao omento menor. Vascularização: a. Gástrica esquerda e a. Gástrica direita Grande curvatura: Inicia no óstio cardíaco em continuidade a margem esquerda do esôfago. Inicialmente toma direção cefálica formando um ângulo agudo com o esôfago. Descreve um arco cujo ponto mais alto atinge o 5º espaço intercostal. Em seguida curva-se para a esquerda e para baixo formando uma convexidade voltada para o lado esquerdo indo terminar no piloro. Em situação oposta a incisura angular, a curvatura maior apresenta uma dilatação que corresponde a extremidade do antro. A grande curvatura dá inserção ao omento maior. Vascularização: a. Gastro-epiplóica esquerda e direita. Divisão do estômago: Antro cárdico: é a primeira parte abaixo da junção com o esôfago. Fundo: é a parte do estômago situada acima do nível da entrada do esôfago no estômago. Separado por um plano horizontal que passa através do óstio-cárdico. Corpo gástrico: Situado entre o fundo e o antro pillórico. Antro gástrico: Situada entre a incisura angular e o piloro. Dividido por uma constricção denominada de sulco intermédio em duas porções: antro-pilórico e canal pilórico. Pode ser dividido em: vestíbulo pilórico e antro-pilórico. Relações do estômago: Face anterior e superior: diafragma, parede anterior do abdome, fígado lobo quadrado e esquerdo. Face posterior e inferior: diafragma, porção superior da face anterior da supra-renal esquerda e do rim esquerdo, face anterior do corpo do pâncreas, artéria esplênica, mesocólon transverso, porção gástrica da face visceral do baço e flexura cólica esquerda. A flexura duodenal-jejunal é separável do estômago pelo mesocólon transverso. Instestino delgado: Tubo contorcido que se estende do piloro a válvula iliocecal onde se une. Seu diâmetro diminui gradativamente de cima para baixo. O intestino delgado se comunica além do piloro e óstio íleo-cecal com o duto colédoco responsável pelo recebimento das secreções do fígado e pelo duto pancreático responsável pelo recebimento das secreções do pâncreas. Acha-se situado na parte central e inferior do abdome, dentro dos limites dos cólons. Divisão: Duodeno: Porção inicial desprovida de mesentério. Jejuno: Corresponde ao 2/5 proximal. Porção longa e tortuosa presa a parede posterior pelo mesentério. Íleo: Corresponde ao 3/5 distal.

Autor: Marcello Weynes

2

Duodeno: Porção superior: do piloro até flexura duodenal superior; cavidade peritonial; omento hepatoduodenal (parte do omento menor). Anterior: vesícula biliar, lobo quadrado do fígado. Posterior e Superior: forame epiplóico, pedículo hepático. Posterior e Inferior: cólo e cabeça do pâncreas. Vasculatura: a. hepática própria e a. gastro-duodenal (aa. supra e retro duodenais). Porção descendente: da flexura duodenal superior até flexura duodenal inferior; espaço retroperitonial. Anterior: lobo direito do fígado, mesocolo transverso, cólon transverso, vesícula biliar e jejuno. Posterior: rim direito, pedículo renal direito, v. cava inferior. Medial: cabeça do pâncreas, desembocadura das vias biliares e pancreática. Lateral: flexura cólica direita. Papila maior: desemboca o ducto colédoco e o ducto pancreática principal. Papila menor: desemboca o ducto pancreático acessório. Porção horizontal: da flexura duodenal inferior até cruzamento dos vasos mesentéricos superiores; espaço retroperitonial. Anterior: vasos mesentéricos superiores, raiz do mesentério. Posterior: ureter direito, m, psoas maior direito, vasos testiculares direitos, v. cava inferior, a aorta. Superior: cabeça e corpo do pâncreas. Porção ascendente : do cruzamento dos vasos mesentéricos superiores até a flexura duodeno-jejunal; espaço retroperitonial. Posterior: tronco simpático esquerdo, m. psoas maior esquerdo, pedículo renal esquerdo, v. mesentérica inferior. Anterior: cólon transverso, mesocólon transverso. Lateral: Raiz do mesentério (direita), rim esquerdo e ureter esquerdo (esquerda) Jejuno e íleo: Constitui os dois últimos segmentos do intestino delgado. Inicia na flexura duodenojejunal e se estende até a válvula ileocecal na junção do ceco com o cólon ascendente. Morfologia externa do Intestino grosso: Apresenta-se em forma sacular com haustrações. Há formações saculares de gordura na superfície denominadas apêndices epiplóicos. Possui fibras musculares longitudinais em número de três denominadas de tênias do cólon. Descreve um arco em torno das alças do intestino delgado. Começa no ceco no hipôndrio direito, volta-se para esquerda indo formar a flexura cólica direita. Dirige-se pela região epigástrica e umbilical até o hipocôndrio esquerdo onde irá formar a flexura cólica esquerda. Desce pela região lombar esquerda e ilíaca esquerda em direção à pelve menor onde forma o cólon sigmóide. Daí continua na parede posterior até o ânus. Ceco (IG): Início do IG. Situado a nível e abaixo da junção do íleo com o cólon ascendente. Ocupa a fossa ilíaca direita. Posterior: m. Psoas maior e ilíaco e nervo cutâneo lateral da coxa. Anterior: parede anterior do abdome e omento maior. Apêndice vermiforme ou cecal: Relaciona-se com as paredes e vísceras vizinhas. A base do apêndice encontra-se na convergência das três tênias. Cólon: Ascendente: Inicia-se no ceco dando continuidade a este corresponde a penetração do íleo. Toma um trajeto ascendente em direção ao logo direito do fígado onde irá alojar-se numa depressão cólica rasa. Em seguida curva-se para frente e para à esquerda formando a flexura cólica direita. Anterior: Revestido por peritônio e parede anterior do abdome, íleo e extremidade direita do omento maior. Posterior: Maioria sem peritônio. M. Ilíaco, ligamento ilio-lombar, quadrado lombar, origem aponeurótica do m. Transverso e fáscia perirrenal do rim direito. Flexura cólica direita: Posterior: Sem peritônio e em contato com a fáscia perirrenal do rim direito. Ântero-lateral: lobo direito do fígado. Ântero-medial: Parte descendente do duodeno e com fundo da vesícula biliar. Cólon transverso: Inicia-se na flexura cólica direita situado na região hipôndrica direita e segue até a flexura cólica esquerda. Anterior: lâmina posterior do omento maior e parede anterior do abdome. Face superior: impressão cólica do fígado, corpo da vesícula biliar, grande curvatura do estômago e extremidade lateral ou anterior do baço. Face inferior: intestino delgado. Face posterior: 2ª do duodeno, cabeça do pâncreas, extremidade superior do mesentério e alças de delgado. Flexura cólica esquerda: Porção terminal do cólon transverso e início do cólon descendente. Situa-se no hipocôndrio esquerdo e preso ao diafragma pelo ligamento frenocólico. Acima: extremidade caudal do baço. Medialmente: face anterior do rim esquerdo. Cólon descendente: Inicia na flexura cólica esquerda, toma um trajeto descendente através do hipôndrio esquerdo indo terminar na pelve menor. Anterior: alças do intestino delgado e parede anterior do abdome. Posterior: Aponeurose do transverso, m. Quadrado lombar e m. Ilíaco. Cólon sigmóide: Inicia-se na abertura da pelve menor em continuidade ao cólon descendente e termina a nível da 3ª vértebra sacral onde se continua com o reto. Relações peritoneais do Reto: Peritônio reveste 2/3 superior do reto nas suas faces anterior e laterais, porém mais abaixo reveste somente a face anterior, indo refletir-se lateralmente para formar as fossas para-retais. Desce revestindo a face anterior da porçãoinferior do reto, indo refletir-se sobre a bexiga no homem. Na mulher na porção superior da parede posterior da vagina para formar a escavação retouterina.

Autor: Marcello Weynes

3

Relações anteriores do reto: Homem: Acima da reflexão peritoneal: escavação retovesical com alças do intestino. Abaixo da reflexão peritoneal: término dos ureteres, porção inferior da base da bexiga, ampolas dos ductos deferentes, porções inferiores das vesículas seminais e face posterior da próstata. Mulher: Acima da reflexão peritoneal: escavação retouterina com alças intestinais, ceco e apêndice. Abaixo da reflexão peritoneal: porção média da parede posterior da vagina. Relações posteriores e laterais do reto: Posterior: três últimas vértebras sacrais e coccix, gânglio ímpar, vasos sacrais medianos e ramos dos vasos retais superiors. Laterais: Acima da reflexão peritoneal: fossas para-retais com alças intestinais e cólon sigmóide. Abaixo da reflexão peritoneal: m. Coccígeo e elevador do ânus, plexo sacral e seus ramos, n. Coccígeo, tronco simpático, vasos sacrais laterais e a. Retal média. Fossas pararretais: duas depressões situadas lateralmente ao reto formadas pelo peritônio quando este se reflete às paredes laterais da pelve. Relações do canal anal: Anterior: Homem: uretra membranosa e bulbo do pênis, separado pelo centro tendíneo do períneo. Mulher: porção inferior da vagina, sendo separada desta pelo centro tendíneo. Posterior: extremidade do cóccix, sendo separado deste pelo ligamento anococcígeo e m. Elevador do ânus. Laterais: fossas isquioretais. Pâncreas: Situado no retroperitônio. Divide-se em cabeça, colo, corpo e cauda. Situado transversalmente no abdome ocupando o epigástrio e hipocôndrio esquerdo. Em contato com a parede posterior do abdome entre duodeno e o baço e dorsalmente ao estômago. Cabeça: Extremidade direita encaixada na curvatura do duodeno. Borda superior: acha-se recoberto da porção superior do duodeno. Borda direita e inferior: apresenta um sulco onde aloja as porções descendentes e horizontal do duodeno. Margem esquerda: continua-se com o cólo do pâncreas, marcado adiante pelo sulco da artéria gastroduodenal e pancreáticoduodenal. Dorsalmente marcado por um sulco profundo onde origina a veia porta. Face anterior: recoberto por peritônio e em contato com o cólo transverso e alças do delgado. Face posterior: Relacionado com o colédoco, veia renal, veia cava inferior, pilar direito do diafragma e aorta abdominal. Processo uncinado: Parte inferior da margem esquerda da cabeça do pâncreas há um prolongamento de tecido pancreático que se estende para a esquerda e para cima dorsalmente aos vasos mesentéricos superiores. Colo: Face anterior: revestido por peritônio e em relação com o piloro. Face posterior: Veias mesentéricas superior e início da veia porta.Corpo: Face anterior: relaciona-se com o estômago separado pela bolsa omental. Face posterior: desprovido de peritônio e em relação com a aorta. Face inferior: recoberto por peritônio e em relação com a flexura duodenojejunal e na extremidade esquerda apoia-se na flexura cólica esquerda. Cauda: extremidade esquerda do pâncreas e recoberta por peritônio que corresponde ao ligamento lienorrenal. Em contato com a porção inferior da porção gástrica do baço e repousa sobre a flexura cólica esquerda. Vasculatura: artérias pancreáticas e pancreáticoduodenal superior e inferior. Veias mesentérica superior e lienal (tributárias da veia porta). Nervos: esplâncnicos, celíaco e vago. Baço: Situado no hipocôndrio esquerdo, sendo que a extremidade cranial ocupa o epigástrio situado entre o fundo do estômago e o diafragma. Face diafragmática: face inferior do diafragma e arcos costais 9º, 10º e 11º, pleura e pulmão. Face visceral: Porções gástrica, renal e cólica. Gástrica: face posterior do estômago e mais inferiormente com a cauda do pâncreas. Hilo do baço. Renal: Compreendida entre o bordo intermédio e o bordo posterior do baço. Porção superior da face anterior do rim esquerdo e supra-renal esquerda. Cólica: Corresponde a extremidade anterior ou inferior do baço. Descansa sobre a flexura cóica esquerda e o ligamento frenocólico. Bordo anterior: Separa a face diafragmática da face visceral na sua porção gástrica. Chanfraduras. Bordo posterior: Separa a face diafragmática da visceral na porção renal. Situado entre o diafragma e o rim esquerdo que corresponde ao bordo inferior da 11ª costela. Bordo intermédio: Corresponde a uma crista que separa na face visceral as porções gástricas e renal. Bordo inferior: Separa a face diafragmática da face visceral em sua porção cólica. Extremidade posterior: Grossa e arredondada, voltada para a coluna vertebral a nível de T11. Extremidade anterior: Flexura cólica. Ligamentos do baço: frênico-lienal, lienorrenal e gastrolienal. Vasculatura: artéria e veias lienais. Fígado: Situado na parte superior do abdome, ocupando quase a totalidade do hipocôndrio direito e grande parte do epigástrio. Face diafragmática: lisa e convexa, quase todo revestido por peritônio, exceto na área nua. Há lobos direito e esquerdo são separados por uma prega do peritônio, o ligamento falsiforme. Face visceral: Côncava, ampla e irregular. Em contato com as vísceras. Revestido por peritônio exceto no hilo e na inserção da vesícula biliar. Há 4 lobos: direito, esquerdo, quadrado e caudado. Vasculatura: artéria hepática e veia porta. Pedículo hepático ou tríade: veia porta, artéria hepática, ducto colédoco , nervos e vasos linfáticos.

Autor: Marcello Weynes

4

Bordo inferior do fígado: separa as faces diafragmática e visceral. Constitui a margem inferior das porções direita e anterior do fígado. Acidentes anatômicos do bordo inferior: Apresenta da direita para a esquerda uma pequena incisura onde aloja o fundo da vesícula biliar. Incisura do ligamento redondo: acha-se situado à esquerda da incisura do fundo da vesícula biliar e à direita da linha mediana. Aloja o ligamento redondo do fígado. Face diafragmática do fígado: Porção anterior: recoberta por peritônio, exceto no ponto de inserção do ligamento falciforme. Relações: diafragma, arcos costais, processo xifóide e parede anterior do abdome. Acidentes: ligamento falciforme (constitui duas pregas de peritônio que se estende do umbigo, parede anterior do abdome e face diafragmática do fígado). Porção superior: Quase todo recoberto por peritônio exceto na área nua do fígado. Relacionase com o diafragma. Acidentes: Impressão cardíaca e folheto superior do ligamento coronário. Porção posterior: Em grande parte desprovido de peritônio. Aderido ao diafragma por tecido aureolar frouxo. Área nua do fígado: Área de forma triangular limitado pelos folhetos superior e inferior do ligamento coronário. Acidentes: Concavidade para a coluna vertebral e pilares ; sulco da veia cava inferior ; impressão da supra-renal ; sulco do ligamento venoso e sulco esofágico. Porção direita: revestido por peritônio, relaciona-se com o diafragma e arcos costais, que deixam impressões. Segmentos do fígado: Segmento I: Parte posterior do fígado, segmento posterior, lobo caudado. Segmento II: Parte esquerda do fígado, segmento lateral, área superior lateral. Segmento III: Parte esquerda do fígado, segmento anterior lateral esquerdo, Área lateral inferior. Segmento IV: Lobo quadrado, Parte esquerda do fígado, segmento medial esquerdo, área superior medial. Segmento V: Parte direita do fígado, segmento anterior medial, área anterior inferior. Segmento VI: Parte direita do fígado, segmento anterior lateral direito, área posterior inferior. Segmento VII: Parte direita do fígado, segmento posterior lateral, área posterior superior. Segmento VIII: Parte direita do fígado, segmento posterior lateral, área anterior superior. Acidentes da face visceral do fígado: Fissura longitudinal (divide o fígado nos lobos direito e esquerdo), sulco sargital (fissura do ligamento redondo e do ligamento venoso), fissura transversa ou porta hepática (encontra-se o hilo hepático) e fossa da veícula biliar. Porções da face visceral: Lobo quadrado: Recoberto por peritônio. Ventral: bordo inferior do fígado. Dorsal: fissura transversa ou porta hepática. Lateral direita: sulco ou fossa da vesícula biliar. Lateral esquerda: fissura do ligamento redondo. Lobo caudado: Recoberto por peritônio. Inferior: porta hepática. Lateral direita: sulco da veia cava. Lateral esquerda: fissura do ligamento venoso. Acima: contínuo com a face posterior. Processo caudado: Separa a porta do fígado do sulco da veia cava. Forma o teto do forame epiplóico. Lobo direito: impressão da flexura cólica direita, renal direita e duodenal. Lobo esquerdo: impressão gástrica e tuberosidade omental (curvatura menor do estômago e omento menor). H Hepático: Haste esquerda: sulco sargital (fissura do ligamento redondo e do ligamento venoso). Haste direita: sulco para vesícula biliar e sulco para a veia cava. Haste transversal: Porta hepática. Entre a o lobo direito e o lobo quadrado se situa a vesícula biliar; Entre o lobo direito e os labo caudado há um sulco que aloja a veia cava inferior; Entre os lobos quadrado e cuadado há uma fenda transversal, a porta do fígado, por onde passam os elementos a que constituem o pedículo hepático. Ligamentos do fígado (meios de fixação): ligamento falciforme, ligamento redondo (resquício da veia umbilical), ligamento venoso (resquício fibroso do ducto venoso), ligamento coronário (tem duas lâminas superior e inferior, que se reflete da face superior do fígado para o diafragma, delimitando a área nua do fígado), ligamento triangular esquerdo e direito (junção lateral das lâminas anterior e posterior do ligamento coronário nas extremidades direita e esquerda), apêndice fibroso (junto ao ligamento triangular esquerdo) e omento menor. Ducto hepático comum: Formado pelos ductos hepáticos direito e esquerdo. Deixa o fígado pela extremidade da porta hepática. Toma direção para baixo entre os folhetos do omento menor em seu bordo livre (lig. Hepatoduodenal). Após a junção com o ducto cístico toma a denominação de colédoco. Esquerda: a. Hepática. Posterior: veia porta.

Autor: Marcello Weynes

5

Vesícula biliar: Face visceral do lobo direito do fígado. Fundo: Dilatado e revestido por peritônio. Dirigido para baixo onde se projeta além do bordo inferior do fígado. Anterior: parede anterior do abdome. Posterior: início do colo transverso. Corpo: Revestido por peritônio na face lateral e inferior. Superiormente adere-se ao fígado que corresponde a fossa da vesícula biliar. Inferior: cólo transverso e 1ª e 2ª porção do duodeno. Cólo: Estreitamente recoberta por peritônio e continua-se com o ducto cístico. Ducto colédoco: Trajeto descendente passando entre os folhetos do omento menos em seu bordo direito. Dirige-se por trás da 1ª porão do duodeno. Desce num sulco situado na parte superior e lateral da face posterior da cabeça do pâncreas. Em sua porção terminal associa-se ao ducto pancreático desembocando na papila maior. Formações peritoneais: Mesos: pregas de peritônio que se fixam a uma víscera estendendo-se a parede posterior do abdome. Mesentério, mesocolo transverso, meso-apêndice e mesosigmóide. Ligamentos: pregas de peritônio que une uma víscera a parede abdominal ou uma víscera a outra. Omento: prega de peritônio que ligam uma víscera a outra da cavidade abdominal, contendo no seu interior um pedículo vasculo-nervoso. Omento maior e menor. Bolsa omental: Anterior: lobo caudado do fígado, omento menor e parede posterior do estômago. Dosalmente: tapetizado pelo peritônio. Lateral: limitado pelos ligamentos gastrolienal, lienorrenal e gastrofrênico fundo do estômago e diafragma. Forame epiplóico: Anterior: extremidade direita do omento menor. Posterior: face ventral da veia cava inferior. Acima: processo caudado do lobo caudado do fígado. Abaixo: porção superior da 1ª porção do duodeno. Recessos possíveis para a formação de hérnias: Duodenal inferior (situado do lado esquerdo da porção ascendente do duodeno inferiormente), duodenal superior (situado do lado esquerdo da porção ascendente do duodeno superiormente), retroduodenal (situado posterior a junção duodeno-jejunal) e recessos cecais (íleo-cecal superior e inferior, retrocecal e intersigmóide). Espaço subfrênico supra-hepático direito: Superior: face inferior do diafragma. Inferior: face diafragmática do lobo direito do fígado. À esquerda: ligamento falciforme. Posterior: folheto superior do ligamento coronário e folheto anterior do ligamento triangular direito. Espaço subfrênico supra-hepático esquerdo: Superior: face inferior do m. Diafragma. Inferior: face diafragmática do lobo esquerdo do fígado, parede anterior do estômago e face diafragmática do baço. À direita: ligamento falciforme do fígado. Posterior: lâmina anterior do ligamento triangular esquerdo e lâmina anterior do ligamento coronário. Espaço subfrênico subhepático direito: Acima e adiante: face visceral do lobo direito do fígado e vesícula biliar. Abaixo e atrás: porção superior da face anterior do rim direito, face anterior da 2ª porção do duodeno, porção superior da face anterior da cabeça do pâncreas, cólo transverso e mesocólo transverso. Acima e atrás: recesso se estende entre a face anterior do rim direito e a face visceral do fígado até o folheto inferior do lig. Coronário e lig. Triangular direito. Goteiras parietocólicas: Divide-se em direita e esquerda. É o espaço situado de cada lado dos cólos ascendentes e descendentes e as paredes abdominais. Espaço subfrênico supra-hepático esquerdo: Superior: face inferior Cavidade Peritonial – estômago, fígado, intestino delgado. Espaço retroperitonial – rins, glândulas supra-renais, a. aorta, v. cava inferior. Espaço pré peritonial – aa. Umbilicais, úraco e ligamento redondo. Espaço subperitonial – próstata, vesículas seminais, colo uterino, vagina

Autor: Marcello Weynes

6