You are on page 1of 11

FAU USP banca TFG 2, junho de 2011 Eduardo Jorge Canella, orientado por Milton Liebentritt de Almeida Braga

<escola . x = escola> <x = escola / escola> <x = 1>

encabeçada pelo ensi. associado. de súbito. ocorreu. Lagash.) Em 2011 as diplomas. Kish..). entre outros fatos. que “configurou o primeiro padrão de transmissão de ensinamento”5. aprender sem ser ensinado passou a ser subversivo. Foi a criação factual e claramente consciente (isto pode ser afirmado com total certeza) da mente e ciência de uma nova ordem de humanidade que jamais havia surgido na história da espécie humana: o profissional de tempo integral.000 a.. cujo vicejar na Mesopotâmia. Terence & SHELDRAKE. já há bem mais de 5 minutos é apenas um cárcere. há 6000 anos. O ensinamento e sua transmissão. “como um imperativo para reproduzir seu próprio ensinamento. Gwendolyn (2001): Mesopotâmia: a invenção da cidade. para que fique bem claro quem é que manda em quem. 1994. Ralph. seu próprio estamento”6. sem maiores questões.. Samuel (1956). E não podemos atribuir esse evento a qualquer conquista da mentalidade de simples camponeses. Joseph (1959). pelas planícies lodosas da Mesopotâmia ribeirinha. 2003 5 FRANCO. Caos. o que pode ter sido um dispositivo civilizatório por um breve intervalo histórico... economicamente determinados.. quando “um importante desenvolvimento. A história começa na Suméria. Rio de Janeiro: Imago. [por volta] (de 4. também conhecido como lugal ou patesi. Esse é o período em que a misteriosa raça dos sumérios apareceu pela primeira vez em cena.ensino contra aprendizagem.. surge naquela pequena região lodosa suméria – como se as flores de suas minúsculas cidades subitamente vicejassem – toda a síndrome cultural que a partir de então constituiu a unidade germinal de todas as civilizações avançadas do mundo. repleto de significado e promessas para a história da humanidade nas civilizações por vir. criatividade e o retorno do sagrado: triálogos nas fronteiras do Ocidente. Rupert (1992). E então.. “A história começa na Suméria”1. Tampouco foi a conseqüência mecânica de um mero acúmulo de artefatos materiais. para estabelecer-se nos terrenos das planícies tórridas do delta do Tigre e do Eufrates. 1977 2 CAMPBELL.. segue sendo tema impreciso e controverso. que se tornariam em breve as cidades reais de Ur. Lisboa: Europa-América. Shuruppak. “As Máscaras de Deus” 3 ABRAHAM. aparecem em contraposição ao livre aprendizado humano na rede social distribuída. Sipar. Eridu. (. sacerdote de templo”2 O ‘precedente sumeriano’3. quando algumas aldeias camponesas começaram a assumir o tamanho e a função de cidades mercantis e houve uma expansão da área cultural. mas entre as convergências que as pesquisas apontam está a formação da burocracia estatal-sacerdotal. e como. segundo padrões hierárquicos. à escolha de sua língua para ser vertida em escrita. universidades detém o monopólio da distribuição dos 1 KRAMER. McKENNA. Augusto 6 idem . iniciado e estritamente arregimentado. Nipur e Erech. 4 LEICK. São Paulo: Cultrix. C. talvez por terem assumido o controle dos centros de formação de escribas nas primeiras cidades4..

ou desenhada em escala reduzida em outras dimensões num pedaço de papel. cheios de potência. em suas diversas possibilidades. sempre se desdobrando no espaço mental pequenas células espaciais que propiciem a experimentação com modelos. a escuta. independentes dos monopólios e das estruturas hierárquicas de poder. interativas no ambiente. 8 Arnaldo Antunes.7 interações. dos espaços. Martinho e pelos altos da Graça. o olhar. sensoriais. processos de apreensão. adultos em alguma fruição dos espaços. jovens e adultos experimentem suas capacidades sensíveis. um sem fim de olhares se sucedem ao mesmo tempo em que a vontade de agir se manifesta já agindo e saudavelmente contradizendo o saber recém despertado. todos tenham mais um meio de reflexão sobre as diversas maneiras de interagir entre crianças. montagens e construções em progressão. me saía mais direto e breve rodear pelo bairro de S. jovens. representação e interação ambiental e a elaboração de um projeto arquitetônico para nenhum projeto pedagógico para que crianças. enquanto o olhar e a voz. assim aparece a voz que trama as relações entre indivíduos e coletivos que falam-escutam e o mundo continua sendo alterado por suas forças intrínsecas e por músculos comandados pela vontade de comandar músculos. o toque etc. tranqüilos mas vigorosamente. expressivas. para subir da porta do Hotel Universal à porta da Casa Havanesa. nos espaços para que todos que aprendem. se eu achasse que. declararia logo à secular geometria – que ‘a distância mais curta entre dois pontos é uma curva vadia e delirante”.“Apesar de trinta séculos de geometria me afirmarem que a ‘linha reta é a mais curta distância entre dois pontos’. brincam arquitetura é uma linguagem que pode ser construída em suas próprias dimensões na verdadeira grandeza. 2 ou mais corpos no mesmo espaço . para a transformação dos ambientes entre sujeitos que criam estruturas autônomas. e para que desfrutem as dinâmicas de aprendizado em colaboração para que em auto gestão se possa melhor viabilizar as necessidades de alteração e de manutenção das relações. dos objetos. Correspondência de Fradique Mendes. 7 Eça de Queiroz. “o seu olhar melhora o meu”8 se há contradição há som. das construções o processo para o estabelecimento de uma política dos espaços se inicia com o despertar dos sentidos e expressões básicos.

às vezes em aparente dormência. e mais. mas não estamos longe de uma realidade sócio ambiental que possa tornar algo assim necessário. um esforço concentrado para reforçar o terreno. o que tornaria escassa a vista. a fornecer materiais e serviços. O terreno tem 8 metros de desnível em aproximadamente 50 metros numa das direções. sabendo que a avenida Sumaré está aproximadamente 25 metros abaixo da parte alta do terreno. cada um de nós pode. A profundidade razoável do vazio não é difícil de imaginar. ensaios e brincadeiras. reflexão. prensado e curado no próprio canteiro. precisa ter o volume aproximado do espaço interno que se necessita. diante do terreno ainda aparentemente baldio. sejam rochas de uma chaminé vulcânica. há espaço de sobra. eu posso. que a transformação começará pelos interesses dos que passarem a freqüentar seu espaço. (Sobre quatro apoios uma caixa de aço. misturado segundo traço apropriado.). os que puderem contribuir participando de alguma das atividades. os que vierem a trabalhar na obra.espaços. o que será que acontece ali?) Dos blocos fabricados parte será usada no revestimento interno das paredes. e em ausência. as atividades políticas. imaginando um pouco demais. A escavação é um ritual de trabalho e o material retirado não deve sair do canteiro in natura. mas já imaginado. um posto avançado de observação. os que viverem por perto. uma forma genérica para então começarmos a pensar a ocupação do espaço. 1000 metros quadrados. Curvas para uma planta circular. a ser desaterrada para voltar à atividade. o que talvez a princípio faça sentido apenas no campo simbólico. pois um vazio precisa ser descoberto.. lúdicas que logo se iniciarão. chaminé vulcânica parcialmente preenchida.. será nesse pequeno abrigo. na e da caixa de aço e vidro. (Enquanto isso. fertilizarão a terra que há em nossos organismos. uma trama de catenárias e círculos para um vazio interior de 35 metros de diâmetro. a terra não precisa ser fértil. senão já processado como material de construção. talvez paredes diafragmas.) Estacas serão cravadas para viabilizarem o corte e o desaterro (você já viu a vista dali? Não vamos construir mais uma barreira visual para quem passa pela rua. a elaborar os projetos. fabulações e maquinações continuam a fermentar e a emanar. madeira e vidro. que se imagine que as fundações previamente construídas. Para que? Podemos dizer que já sabemos para que espaço. talvez. nem sempre diretamente comprometidas com o objetivo claro da construção do abrigo para um número maior de pessoas. Não seria prematuro tirar a questão do seu processo? .

os devires etc. . de múltiplo uso e centro de leitura. do emocionante e úmido. coordenação pedagógica. do quieto. do veloz. depurar milhões de palavras escritas em ordens e desordens inusitadas ou muito familiares e morais (acrescente-se mais umas X linhas nesse tom). A depuração do seco e do molhado. ainda (ou já) o primitivo. da sombra. e disso ainda se engendrará o programa de funções. do como poder lavar e recomeçar. do cruel. secretaria. os estudos dos diversos ambientes genéricos e específicos. almoxarifado.84 metros quadrados. Socorro!!! Algo mais simples. sala de reforço. os fluxogramas. do quente e fedido.Algo como salas de aula de 51.

tarde. atulhada de mesas. grafismos. trapézios. inquisição. o nano. As confissões. esferas. relações. 13 Machado de Assis. onde invejáveis escreventes dividiram entre si o bom senso do mundo. intensidades. retângulos..) /matemática) larguras. Mas as linhas geométricas não são a imagem das que meus olhos carnais me revelaram. 15 Raduan Nassar.14 “Nesta sala. paralelepípedos. eppur si muove. ceres.. prismas. n-edros. alturas. Para reconhecê-las não há necessidade alguma de se pensar em um corpo qualquer. solstícios. volumes. cortes. 14 Raduan Nassar. tetraedros. mas fora dessa ciência é em vão querer obtê-los”. J. profundidades. . linhas. pois é no espírito que as reconhecemos”. triângulos. romances. inverno. a sala era pequena. equinócios. multiplicações. ano.12 “A Casa Verde foi o nome dado ao asilo. círculos. 11 Lima Barreto. anda pela casa em silêncio.. o cúbito. Diário: como melhorar o mundo (você só tornará as coisas piores) 1965 10 Santo Agostinho. não se atreve a entrar no quarto da mãe. por alusão à cor das janelas. amor poemas. amon. Deixa a casa e vai para a rua. em vez de interações (espaço/ (aqui o esquema de um ensaio para evidenciar o que do processo é construção do conhecimento ordinário. manhã. bojos. corpos. frações. o pé. pi /geometria) quadrados. proporções. o centímetro. planos. o palmo. cern. O alienista. nurbs. limites. eclipses. espessuras. silêncio. “A casa ficava no morro de Santa Tereza. angústia. máquinas e papéis. contos. cubos. corpos. stonehenge. o quadrado em geometria.9 gente consegue. sol.13 “A menina sai do banheiro. diálogos. a braça. o passo. outono.11 /astronomia) lua. integrais. dia.“Indo a diferentes direções. bibliotecas. Vida e morte de M. somas. verão. losangos. brincar com as crianças da vizinha da frente”. imprecisões. “Vi linhas traçadas por arquitetos tão finas como fio de aranha. elipses. perspectivas. que pela primeira vez apareciam verdes em Itaguaí”. elevações. radiação. o metro. descrições. blomps.. primavera.”15 9 John Cage. frases. Menina a caminho. carunchos no bambu /literatura) narrativas. pescarias. um sentido de espaço”. 12 Machado de Assis. O espelho. cuja luz fundia-se misteriosamente com o luar que vinha de fora”.10 “Compreende-se a esfera. Aí pelas três da tarde. noite. plantas. a separação. vãos. Gonzaga de Sá. o milímetro. conjuntos. júpiter. o cubo. poliedros. alumiada a velas. aplicando-se em idéias claras apesar do ruído e do mormaço. épuras.

minérios. música. cores. oceanos. happening. música. tecidos. umbuzeiro. 2 ou mais corpos no mesmo espaço Augusto de Campos e Julio Plaza. Algo que não requer que você espere secar enquanto você está fazendo? Algo no papel? O diretor do museu disse. silêncio. ousadia. escultura. fossas. subsolo. quedas. /circo) leveza. transportes. escultura. plataformas. platéia. escultura. ferrovia /movimento. palco.18 16 17 Arnaldo Antunes. “abre amazul vermrelo fechaentre azulvermelho entrevetreabre azulfechvermelho reentreazulamarelo vermelhofechazul entreabrefecha vermelreabre entrefecha amarelho azulre abre”17 /escultura) /desenho) “O que é um desenho? Ninguém mais sabe. absorção. ampliador. pintura./física) corpos. encanto. luz. música. happening. palco. escalas. happening. predações. sons. bacias. video “foco o oco foco do foco do foco até o proto-foco – que nenhum brometo de prata traduz em tato – zigoto da luz”16 /pintura) mural. platéia. quedas. ilhas. palco. planícies. velocidades. escultura. ritmos. performance. pintura. dança. escultura. planaltos. pressões. performance. vibrações. ponderosa /biologia) posições relativas. mares. palco. ilusão. avignon /som. amor /geografia) planeta. fixador. economia. temperaturas. sociologia. happening. massas. poros. música. teatro. tempos. performance. córtex. voz. saltos. terra. antropologia. reproduções. fall after Newton. /fotografia) sombra. teatro. decisões /teatro) cenografia. pitoresco. platéia. sub-bacias. água. dança. água. obturador. pintura. angry birds. peso. dança. happening. micro-bacias. luminosidades. pintura. performance. ‘É uma questão de ênfase”. teatro. ventilações. teatro. dança. grotesco. dissoluções. música. platéia. cordilheiras. dança) posições relativas. Poemóbiles . continentes. cuestas. revelador. serras. memória. dropbox. vozes membranas. alegria. porosidades. reverberação. música) tempo. leitos. inércias. espirais. performance. saltos.

teatro. som. 18 John Cage. velocidades. silêncio. plantas. absorção. vibração. espessuras. cortes. pressão. platéia.larguras. música. o passo. temperatura. elevações. planos. relações. inércia. épura. frações. o cúbito. Diário: como melhorar o mundo (você só tornará as coisas piores) 1965 . a braça. escultura. cor. narrativas. descrições. diálogos. ventilação. porosidade. palco. cubos. o pé. luminosidade. linhas. posições relativas. dança. alturas. o palmo. pintura. volumes. prismas. cenografia. proporções. cônicas. profundidades. peso. mural. paralelepípedos. happening. conjuntos. vãos. ritmos. reverberação. performance. perspectivas isométricas.

0. +1. os móveis. o cúbito. +1. o passo. o palmo.0 medições.0 fabricação do modelo em escala. de um mundo que.n+1 projetos para oficinas lúdicas. “O geômetra vê exatamente a mesma coisa em duas figuras semelhantes desenhadas em escalas diferentes”.19 +1.1 desenhar observando os espaços. +2.4 medir todos os ambientes. todos os móveis. 19 20 21 Guimarães Rosa. primeiros de encontros recorrentes. +3.0 desenhos base para levantamento. os objetos. os móveis. os espaços. os objetos no espaço.2 +2. O pormenor de uma coisa pode ser o signo de um mundo novo. “assim o minúsculo. p157 Gaston Bachelard. janelas. Corpo de Baile Gaston Bachelard. conversas. medir degraus. anotações.0 medições. o braço. abre um mundo.21 +5. móveis com pés e ou palmos. o uso dos objetos. adultos.1 preliminares a esmo. +2.tempos -1.20 +3.3 medir as unidades do próprio corpo. A poética do espaço.0 preliminares com crianças. anotações. como todos os mundos. “Botou mais um palmo de numeração. políticas. os objetos. +4. desenhando -1. +2. A poética do espaço. as pessoas que usam os objetos. porta estreita por excelência. o pé.n desenho técnico. as pessoas. em escala. +1. das fotos.n desenho técnico. ligeiro.0 projeto do modelo em escala. ensaios para um olhar sobre o campo de ação a apontar algumas direções. contêm os atributos da grandeza. tomar nota. desenhos. todos os objetos pelo sistema métrico decimal. p164 . +1. +2. Podemos dizer que essas casas em miniatura são objetos falsos providos de uma objetividade psicológica verdadeira”.2 medir as áreas abertas e as salas com os próprios passos. fundamentalmente as pessoas. ligeiro”. adaptado do levantamento cadastral. jovens.0 desenho segundo as dimensões verdadeiras.1 desenhar observando as pessoas.

o dia mais longo.ast +8. fotografia pintura escultura desenho +8.tea +8.pai +8.arq +8.fís +8. no salão de jogos.0 intersecções transdisciplinares. e da mesma forma. desenhá-la e dar um nome a ela.+6.0 projetos dos objetos a serem modelados.mús +8. +8.des “Somos livres como pássaros. olhares de transeuntes. Conferência sobre o compromisso . astronomia anotação com estacas no chão da posição das sombras ao longo dos dias – rotação e inclinação do eixo da terra – solstício de verão. na sala de artes fria ou quente e escura.geom arquitetura paisagismo matemática geometria o desafio de encontrar triângulos no espaço. n. +7. literatura física geografia dança teatro circo música experimentação coral em diversos ambientes. vozes longas. a noite mais curta.pin +8.cir +8. Só que os pássaros não são livres. encontrar esferas e desenhá-las.”22 22 John Cage.geog +8.esc +8.lit +8.dan +8.0 fabricação dos modelos dos objetos. encontrar uma forma que não existe. Estamos tão comprometidos como pássaros. desenhá-los.fot +8. +8. à luz de velas. junto à rua ruído de carros.mat +8. n. n.

2 ou mais corpos no mesmo espaço .“the and”23 23 Arnaldo Antunes.