You are on page 1of 13

Ficha Informativa – BIOLOGIA 12º

18-10-2011

Métodos Contraceptivos

Métodos Contraceptivos Naturais:
1. Abstinência Total de Relações Sexuais
Definição A pessoa não tem qualquer tipo de relação sexual, que permita o encontro do oócito com o espermatozóide.

2. Abstinência periódica / Autocontrolo da fertilidade
Definição A abstinência periódica resulta do auto-controlo dos níveis de fertilidade do ciclo menstrual da mulher. A eficácia deste método depende do envolvimento e disciplina do casal e do conhecimento rigoroso do funcionamento do corpo da mulher e do seu período fértil. Existem 3 métodos de controlo da fertilidade: Método do calendário O método de calendário (Ogino) permite calcular os períodos férteis através de uma contagem dos dias de duração de um ciclo menstrual.

Método das temperaturas basais O período fértil é calculado pela medição da temperatura, determinando o aumento de temperatura pós-ovulatório e, deve ser sempre medida com o mesmo instrumento no mesmo local do corpo e à mesma hora, preferencialmente, ao acordar.

Método do muco cervical As características do muco cervical mudam consoante o grau de fertilidade. Mais fluído no período ovulatório e mais viscoso nos outros dias.

Nível de eficácia O grau de eficácia depende da consistência e continuidade da aplicação do método. 2 a 20 gravidezes em 100 mulheres / ano

Biologia-12

1/13

Nível de eficácia Se tomada de correctamente. a pílula apresenta as seguintes vantagens:    Não interfere na relação sexual Pode regularizar os ciclos menstruais Melhora a tensão pré-menstrual e a dismenorreia Biologia-12 2/13 . Combinado (COC): 0. A mulher deverá ser acompanhada periodicamente por um médico. Métodos Químicos Pílula O que é e como funciona? A pílula contraceptiva é um método que. A pílula deve ser prescrita nos casos em que se pretende um método contraceptivo eficaz e se pretenda obter outros efeitos benéficos para a saúde que se encontram indicados como vantagens.15 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Vantagens Contraceptivos orais combinados (COC) Para além do elevado grau de segurança na prevenção da gravidez.1-1 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Progestativo (POC)1.Vantagens     Não tem efeitos secundários Proporciona uma partilha de responsabilidade na contracepção Uma vez correctamente utilizado é um método que não necessita supervisão médica É imediatamente reversível Desvantagens      Necessita de um compromisso mútuo O seu grau de eficácia pode ser limitado É necessário um acompanhamento rigoroso dos ciclos menstruais da mulher Pode requerer períodos de abstinência longos Não protege contra as IST Métodos Contraceptivos Artificiais: 1. Existem ainda pílulas que contêm só progestagéneo (POC). Existem as pílulas de tipo combinado (COC) que contêm estrogéneo e progestagéneo. a pílula apresenta um elevado grau de eficácia. inibe a ovulação evitando a gravidez. através da acção hormonal. que devem ser receitadas caso o estrogéneo não seja recomendável.

se a mulher:     Sofrer de diabetes mellitus Sofrer de hipertensão ou hiperlipidémia Sofrer de depressão grave. A solução vai-se introduzindo lentamente na corrente sanguínea e.    Não afecta a fertilidade Diminui o risco de Doença Inflamatória Pélvica (DIP) Reduz em 50% o risco de cancro do ovário e do endométrio Diminui a incidência de quistos funcionais do ovário e a doença poliquística Contraceptivos orais progestativos (POC) Desvantagens    Algumas mulheres têm dificuldade em fazer a toma diária e regular da pílula Não protege contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) Contra-indicações A pílula está contra indicada em situações de:        Gravidez Neoplasia hormonodependente Hemorragia genital anormal sem diagnóstico conclusivo Tumor hepático ou doença hepática crónica Icterícia colestática na gravidez Riscos de AVC. Cada injecção tem um efeito até 3 meses (12 semanas). trata-se de um método contraceptivo que consiste numa injecção intramuscular profunda de uma solução aquosa contendo acetato de medroprogesterona (DMPA). doença arterial cerebral ou coronária Mulheres como mais de 35 anos e fumadoras São consideradas contra-indicações relativas. cefaleia grave Tiver varizes acentuadas Efeitos secundários (de ambos)       Náuseas e vómitos Alteração de peso Mastodínia – alteração da tensão e sensibilidade mamária Alteração do fluxo menstrual Spotting – perdas de sangue ao longo dos primeiros ciclos de utilização da pílula Depressão Contracepção hormonal injectável O que é e como funciona? Tal com a designação indica. previne a ovulação. Biologia-12 3/13 . à semelhança da pílula. epilepsia.

pode conduzir a hemorragias contínuas Pode causar em certas mulheres: dores de cabeça. Em situações raras.3 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Vantagens Este método é bastante discreto e prático na sua utilização. Nível de eficácia Elevado nível de eficácia 0. não é recomendado o uso da contracepção oral (pílula) ou o Dispositivo Intrauterino (DIU). aumento de peso Contra-indicações Está contra-indicado em situações de:       Gravidez Neoplasias hormonodependentes Hipertensão grave Diabetes mellitus com lesões vasculares Antecedentes de acidente cardiovascular tromboembólico Doença hepática em actividade Não é aconselhável :    Caso se verifique hemorragia vaginal de causa não esclarecida Para mulheres que desejam engravidar imediatamente após a suspensão do método Para mulheres que não aceitam irregularidade do ciclo Biologia-12 4/13 .A utilização da contracepção hormonal injectável deve ser indicada quando é necessário um método de elevada eficácia e.    Pode melhorar a qualidade do aleitamento Os riscos de desenvolver a Doença Inflamatória Pélvica. a gravidez ectópica ou o carcinoma do endométrio.0 a 1. são menores Reduz as perdas de sangue Desvantagens    O método de contracepção hormonal injectável pode \provocar irregularidades no ciclo menstrual O retorno aos níveis de fertilidade é mais lento Não protege contra as infecções sexualmente transmissíveis Efeitos secundários   Irregularidade no ciclo menstrual. perda de cabelo. por razões médicas. uma vez que não interfere na relação sexual e não obriga à toma diária. como sucede com os métodos de contracepção orais.

náuseas e variações de humor ADESIVO O que é e como funciona Trata-se de um adesivo fino. mas ainda não tomaram a decisão final. A inserção do implante é feita no antebraço por um profissional especializado. O implante liberta progestagéneo que impede a ovulação.Implante O que é e como funciona Trata-se de um método contraceptivo de longa duração. confortável e fácil de aplicar. Em Portugal apenas é comercializada a marca Implanon. O efeito de um implante pode prolongar-se de 3 a 5 anos e a sua remoção deve ser feita também por um médico. Trata-se de um procedimento simples em que apenas é necessário o uso de uma anestesia local. Não interfere com o aleitamento. quadrado. O adesivo transfere uma dose diária de hormonas. prevenindo a gravidez. É recomendável para as mulheres que estejam a ponderar a esterilização. Desvantagens   É um método dispendioso Não protege contra as infecções sexualmente transmissíveis Efeitos secundários   Instabilidade no ciclo menstrual Pode causar em determinadas mulheres dores de cabeça. através da pele para a corrente sanguínea. Nível de eficácia O nível de eficácia dos implantes é muito elevado. 0 a 0. Biologia-12 5/13 . Não interfere com a relação sexual e não requer a toma diária.8%) Vantagens    O implante é o método adequado para quem pretende um efeito de longa duração e de elevada eficácia. Estas hormonas são similares às produzidas pelos ovários e usadas também nas pílulas contraceptivas.07 gravidezes por ano em cada 100 mulheres (ou 99. o estrogéneo e progestagéneo.

a mulher faz a sua "semana de descanso"."dia de mudança". . O adesivo pode ser mudado a qualquer hora do dia. Não é necessário um método contraceptivo adicional. . é necessário que se proteja durante sete dias com um método contraceptivo não hormonal. . mais curtas e menos dolorosas. .A mulher não tem que pensar todos os dias em contracepção.Torna mais espesso o muco do colo do útero. o preservativo ou espermicidas. como por exemplo. duche. O novo adesivo é aplicado no 8º dia.É fácil de usar. Vantagens . as hormonas não necessitam de ser absorvidas pelo aparelho digestivo.Após três semanas. o primeiro adesivo é retirado e substituído por outro . dificultando a entrada dos espermatozóides no útero. Forma de utilização Cada adesivo é colocado uma vez por semana. . Esta mudança ocorrerá no 8º e 15º dia do seu ciclo. seguidas de uma semana de descanso: . Se a mulher aplicar o adesivo num dia qualquer à sua escolha e não no 1º dia da menstruação (1º dia do ciclo). exercício físico. O adesivo oferece uma excelente aderência. A mulher pode continuar a realizar as suas actividades diárias como o banho. estima-se que a taxa de eficácia se aproxime dos 98%.Normalmente torna as hemorragias regulares. apenas tem que se lembrar de mudar uma vez por semana o adesivo.É um método reversível. . durante 3 semanas consecutivas.Após sete dias.Ao contrário da pílula.O adesivo funciona de duas formas: . permitindo que a eficácia deste método não seja posta em causa.O primeiro adesivo é aplicado no 1º dia da menstruação. durante a qual pode aparecer uma hemorragia (hemorragia de privação). idas à piscina. em caso de vómitos ou diarreia. Nível de eficácia Apesar de não haver ainda muita informação.Impede a ovulação (libertação do oócito) .Um novo ciclo recomeça após um período de sete dias sem o adesivo. o "dia de início". Biologia-12 6/13 . sem nenhuma medida especial de precaução. .

Os seus efeitos secundários são similares aos observados com a pílula combinada. Assim. mulheres que têm contra-indicações para o uso da pílula. têm propensão para períodos mais curtos e regulares Retorno rápido aos níveis de fertilidade anteriores à utilização do anel Pode ter outros efeitos benéficos para a saúde. não podem utilizar este método contraceptivo. parando durante 1 semana (ciclo de uso).4 a 1. o anel vaginal oferece um elevado grau de eficácia 0. Nível de eficácia Quando usado correctamente. à semelhança da pílula.2 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Vantagens       Não interfere no acto sexual É um método reversível As mulheres que usam o anel vaginal. como a protecção contra os cancros dos ovários ou do colo do útero Previne também o aparecimento de quistos nos ovários Desvantagens    Não previne contra as IST Pode haver perda ou aumento de peso Podem provocar irritação vaginal Efeitos secundários Os efeitos secundários são similares aos da pílula e decorrentes da acção do estrogéneo e progestagéneo. Biologia-12 7/13 . Efeitos secundários Existem situações nas quais é desaconselhada a utilização do adesivo contraceptivo. transparente e flexível. Anel vaginal O que é e como funciona O anel vaginal é um método contraceptivo hormonal feito de plástico.Não protege contras as infecções sexualmente transmissíveis. hormonas que ao entrar na corrente sanguínea inibem a ovulação. infecção ou irritação. É colocado pela própria mulher na vagina e deve ser mantido durante 3 semanas.Desvantagens . período durante o qual vai libertando estrogéneo e progestagéneo. Em determinadas situações podem ocorrer efeitos secundários como corrimento vaginal.

A inserção é feita numa consulta médica. O DIU está indicado para quem:      Pretende um método de longa duração. Métodos Físicos (Mecânicos) DISPOSITIVOS INTRA-UTERINOS (DIU E SIU) DIU . O espermicida deve ser introduzido na vagina até 1 hora antes da relação sexual. quer no homem quer na mulher O grau de eficácia do espermicida é baixo Pode interferir no acto sexual 2. nomeadamente fluxos menstruais mais abundantes e prolongados Pretende uma rápida recuperação dos níveis de fertilidade Biologia-12 8/13 . A sua acção pode ser melhorada e potenciada se utilizado com outro método contraceptivo.Dispositivo intra-uterino O DIU é um pequeno dispositivo de plástico revestido com fio de cobre que é inserido no útero. gel. Nível de eficácia A eficácia do espermicida é limitada.Espermicidas Definição Os espermicidas são compostos por substâncias que eliminam a mobilidade dos espermatozóides. Podem apresentar-se sob a forma de creme. Vantagens      É de fácil aplicação Não necessita receita médica É um método controlado pela mulher Pode ajudar a prevenir as IST Sem efeitos sistémicos ou secundários graves Desvantagens e efeitos secundários    Ocasionalmente podem desencadear reacções alérgicas ou irritações. reversível e que não interfira na relação sexual Tem um relacionamento estável e não há risco de relações com outros parceiros Tem um ou mais filhos ou acabou de ter Para quem tolera alterações na menstruação. espuma ou comprimidos vaginais. podendo permanecer no útero durante vários anos. O DIU impede a gravidez através da alteração das condições uterinas e funcionando também como uma barreira aos espermatozóides.

Biologia-12 9/13 . 0. Trata-se de uma forma de contracepção que envolve o homem.Nível de eficácia O nível de eficácia do DIU é muito elevado e aumenta com o tempo de utilização. Ao contrário do DIU.1. para além de ajudar a prevenir a gravidez. dificultando a entrada dos espermatozóides e prejudicando a sua mobilidade. o Sistema intra-uterino não aumenta o fluxo menstrual.a 2 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Vantagens Para além do seu grau de eficácia. A maioria dos preservativos são feitos de latex. é um método que diminui o risco de contrair IST. Quando usado correctamente. é um método reversível e de longa duração Desvantagens   Não protege contra as IST A colocação do DIU tem de ser feita por um profissional de saúde Efeitos secundários    Aumento do fluxo menstrual ( para o caso dos DIU não hormonais) Dor pélvica Corrimento vaginal São contra-indicações:       Quando há suspeita de gravidez Nas situações de DIP (doença inflamatória pélvica) Existem infecções sexualmente transmissíveis Em situações de anomalias ou neoplasias uterinas Quando existe alergia ao cobre Quando as mulheres nunca tiveram filhos (nulíparas) SIU Sistema intra-uterino A diferença do SIU (face ao DIU) reside no facto de ser um dispositivo que liberta uma hormona que torna mais espessa a parede do útero. Preservativo masculino Definição O preservativo constitui uma barreira à passagem do esperma para a vagina durante o coito.

Estima-se que possam ocorrer 10 gravidezes por cada ano em 100 mulheres (Fonte: DGS) Vantagens     Previne contra as infecções sexualmente transmissíveis Ausência de efeitos secundários ou contra-indicações graves Não necessita a supervisão médica É um método cuja utilização depende da mulher Acesso O preservativo feminino é ainda de difícil acesso para aquisição em Portugal. evitando a gravidez. O preservativo feminino protege contra as IST e deve ser indicado em situações de ejaculação precoce. 5 a 10 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Vantagens     Não necessita de acompanhamento médico Previne as IST Pode contribuir para minorar situações de ejaculação precoce Ausência de efeitos secundários graves ou contra-indicações Desvantagens Podem surgir reacções alérgicas Preservativo feminino Como funciona O preservativo feminino tem a forma de um tubo feito à base de silicone com um anel na extremidade. Mas está disponível em delegações da APF. Depois da ejaculação. Deve ser introduzido na vagina antes da relação sexual.Nível de eficácia A eficácia deste método depende da sua utilização correcta e sistemática. é um método seguro. através da Coordenação Nacional para a Infecção VIH/SIDA e organismos do sistema Nacional de Saúde (Ver circular DGS). Biologia-12 10/13 . o preservativo retém o esperma prevenindo o contacto com colo do útero. Nível de eficácia Se usado correctamente.

ou de carácter permanente. Quando correctamente introduzido previne o contacto do esperma com o colo do útero. estão indicados apenas para quem está seguro da decisão de não querer ter mais filhos. são responsáveis pelo contacto entre o esperma e o oócito potenciando a ocorrência de uma gravidez. funcionando como meio eficaz de contracepção. no homem ou na mulher. Como se trata de métodos. potencialmente. Contra-indicações O Diafragma está contra-indicado quando:     Existam fístulas.Diafragma O que é e como funciona O diafragma é um dispositivo de borracha com um aro flexível que se introduz na vagina. lacerações ou anomalias vaginais Se verifica a alergia à borracha e sensibilidade a espermicidas Existe elevado risco de infecção por VIH É evidente a incapacidade de manusear e utilizar correctamente 3. irreversíveis. 15 gravidezes em cada 100 mulheres / ano Vantagens    Não interfere com o acto sexual Sem efeitos secundários significativos Diminui a ocorrência da Doença Inflamatória Pélvica Desvantagens Dificuldade na utilização Efeitos secundários Os efeitos secundários do diafragma são muito pouco frequentes. Nível de eficácia O diafragma oferece um nível de eficácia relativamente alto. Métodos cirúrgicos Os métodos cirúrgicos ou de esterilização voluntária visam bloquear os canais que. De acordo Biologia-12 11/13 .

com a legislação portuguesa. Nível de eficácia Trata-se de um método contraceptivo de elevada eficácia. 0. 0. a esterilização voluntária só pode ser feita por maiores de 25 anos.5 a 1.5 de gravidezes por cada 100 homens / ano Vantagens   Não afecta o desempenho sexual do homem Sem efeitos secundários relevantes Biologia-12 12/13 . Laqueação de trompas ou tubária Definição A laqueação de trompas é um procedimento cirúrgico que consiste na oclusão bilateral (ver) das trompas de Falópio. Nível de eficácia O grau de eficácia é muito elevado. impedindo assim que os espermatozóides entrem em contacto com óvulo. há um risco mais elevado de gravidez ectópica (fora do útero – nas trompas de Falópio) Vasectomia Definição A vasectomia é uma operação simples que consiste no corte ou ressecção dos canais deferentes responsáveis pelo transporte dos espermatozóides que são expelidos durante a ejaculação.8 gravidezes por ano em cada 100 mulheres Vantagens     Trata-se de um método seguro e eficaz É um método contraceptivo permanente Não interfere com o acto sexual Não interfere com a amamentação Sem efeitos secundários relevantes Desvantagens    Não protege contra as infecções sexualmente transmissíveis É muito difícil e dispendioso reverter o método Em situações raras.

A CE pode prevenir 3 em cada 4 gravidezes e é a única forma de evitar uma gravidez após a relação sexual não protegida. Efeitos secundários Os efeitos secundários mais comuns da contracepção de emergência podem ser:     Náuseas Vómitos Hemorragia irregular Tensão mamária. houve erro no cálculo do período fértil).4. Como funciona    Pode inibir ou adiar a ovulação (a saída do óvulo do ovário) Pode impedir a fertilização (o encontro do espermatozóide com o óvulo) Pode impedir a nidação (implantação do ovo na parede do útero) Tipos de contracepção de emergência  Hormonal – Pílula de emergência (conhecida como “pílula do dia seguinte”). o DIU deslocou-se. consoante a altura do ciclo menstrual em que é tomada. cansaço Mensagens importantes sobre a Contracepção de Emergência        Não protege contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis Não é um método contraceptivo de uso regular Não é abortiva Não afecta a fertilidade Pode ser adquirida gratuitamente nos centros de saúde e hospitais Existem marcas de venda livre nas farmácias É recomendável que se procure aconselhamento técnico antes ou após a utilização da CE Biologia-12 13/13 . Pode actuar de várias formas para prevenir a gravidez. Pode ser tomada até 120 horas após a relação sexual não protegida DIU – Dispositivo intra-uterino com cobre – neste caso. mas nunca interrompe uma gravidez em curso. A contracepção de emergência não é abortiva. dores de cabeça. Contracepção de Emergência A contracepção de emergência (CE) refere-se aos métodos que podem ser utilizados depois de uma relação sexual não protegida ou nos casos em que há falha do método contraceptivo utilizado (ex: o preservativo rompeu. sendo este um motivo para não ser um método de utilização frequente. a CE é menos eficaz que os métodos contraceptivos de uso regular.  Eficácia De uma forma geral. a sua colocação tem de ser feita por um técnico de saúde especializado até 5 dias após a relação sexual. houve falha na toma da pílula. saiu ou ficou retido na vagina. reduzindo o recurso ao aborto.