You are on page 1of 13

“São sinais clínicos que indicam o funcionamento do organismo, ou seja, são indicadores de vida”

• Deve ser verificado sempre que avaliar uma vítima. • Sua verificação é simultânea com a história e o exame físico.

1

• Sistema de condução elétrico 2 . • Condições pessoais. ANATOMOFISIOLOGIA CORAÇÃO ESTRUTURAS DO CORAÇÃO • Paredes: pericárdio. • Condições do examinador. pulmonares e coronárias. • Condições do equipamento.a. pulmonar e aórtica. mitral. Conceito: • “ É a pressão exercida pelo sangue na parede das artérias. • Vasos de condução: a.LEMBREM-SE: “ALGUMAS CONDIÇÕES PODEM INTERFERIR NOS SSVV. veias pulmonares. PRESSÃO ARTERIAL (PA) 1. endocárdio • Câmaras superiores: átrios direito e esquerdo • Câmaras inferiores: ventrículos direito e esquerdo • Válvulas internas: tricúspide. miocárdio.” • Condições ambientais.

• Pressão excessiva do diafragma sobre a artéria. sistólico RP = resistência periférica PA sistólica inferior a 100 entre 100 e 140 entre 140 e 160 entre 160 e 180 superior a 180 PAS diastólica inferior a 60 entre 60 e 90 entre 90 e 100 entre 100 e 110 superior a 110 FATORES QUE AFETAM A PA OBSERVADOR INDIVÍDUO FATORES QUE AFETAM A PA OBSERVADOR • Posicionamento inadequado do manguito. • Mãos e equipamentos frios. frios. manguito. artéria. • Deflação manguito. manguito. equivale a contração do coração • PRESSÃO DIASTÓLICA: – É a pressão mínima. equivale a dilatação do coração Nível Hipotensão Valores normais Hipertensão limite Hipertensão moderada Hipertensão grave PRESSÃO ARTERIAL (PA) FATORES DETERMINANTES PA = DC X RP PA = pressão arterial DC = FC x Vol. manguito.PRESSÃO ARTERIAL (PA) • PRESSÃO SISTÓLICA: – É a pressão máxima. muito rápida do 3 . AMBIENTE INSTRUMENTO • Inflação excessiva do manguito.

(genética). Emoções.FATORES QUE AFETAM A PA Indivíduo Variações Fisiológicas: Fisiológicas: • Idade FATORES QUE AFETAM A PA AMBIENTE • CALMO • Sono • Emoções. PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL • Tubos de borrachas e pêra ( integridade). • TEMPERATURA AGRADÁVEL • Uso de medicamentos. 4 . medicamentos. • Observar periodicamente sistemas de válvulas (vazamentos). • Hereditário (genética). FATORES QUE AFETAM A PA INSTRUMENTOS: • Instrumentos descalibrados. • Mudança de posição. posição. físicos. • Exercícios físicos.

• Libere o ar do manguito até ausculta o primeiro som da pulsação e. VERIFICAÇÃO DA PA • Coloque o esteto na parte interna do cotovelo e. Conceito: “É a onda ritmada provocada pela pressão do sangue em toda parede arterial. coloque-o envolta do braço forma que o mesmo fique centralizado.VERIFICAÇÃO DA PA • Reúna o equipamento necessário em local de fácil visualização. • Bombeie ar no manguito apertando a pêra. • Após realizar o procedimento. retire o manguito do braço da vítima e guarde-o novamente com cuidado. sem apertá-lo demais. abra lentamente a válvula com o polegar e o indicador. • Explique o procedimento á vitima e ajude-a a adota uma posição confortável. • Certifique se de que o manguito esteja sem ar e coloque o Certifique-se e. • Feche a válvula perto da pêra e localize a artéria braquial do lado interno do cotovelo. evidenciada quando se comprime moderadamente a artéria contra uma estrutura rígida. • Jamais reencha o manguito de ar sem que tenha retirado todo o ar do mesmo. Quando para de ouvir a pulsação. • Anote a PA e a hora da verificação na ficha de atendimento da vítima FREQUÊNCIA CARDÍACA (FC) 1. colocando a palma da mão para cima. • Ajuste o manguito de forma que fique firme e uniforme. • Continue auscultando enquanto termina de liberar o ar do q manguito. veja em qual valor ele foi realizado (PRESSÃO SITÓLICA). até que não possa mais sentir o pulso.” 5 . verifique em qual valor foi realizado (PRESSÃO DIASTÓLICA). • Exponha o membro superior para colocação do manguito.

POPLÍTEA A. FEMORAL A.FREQUÊNCIA CARDÍACA (FC) CARACTERISTICAS DO PULSO: VERIFICAÇÃO DA FC A. TEMPORAL A. 2ª infância e adolescência . RADIAL • • • • A. Lactente 100 a 120 bpm. PEDIOSA VERIFICAÇÃO DA FC VERIFICAÇÃO DA FC 6 . Valores normais: Recém-nascido .120 a 160 bpm. BRAQUIAL A.60 a 100 bpm.80 a 100 bpm. CARÓTIDA Freqüência • Varia de acordo com a idade e o sexo. A. Adulto .

regular e cheio. 7 . faça uma leve pressão sobre o ponto até sentir a força da pulsação nos mesmos. FREQUÊNCIA VOLUME 3 – Após posicionar os dedos. 4 – Conte por 1 minuto e observe o ritmo e o volume do pulso. 5 – Após 1 minuto. anote a freqüência. o ritmo e as características do volume do pulso.VERIFICAÇÃO DA FC VERIFICAÇÃO DA FC FREQUÊNCIA CARDÍACA (FC) FREQUÊNCIA CARDÍACA (FC) 1 – Explique a vítima o que irá realizar. RITMO Ex: Pulso de 80bpm. 2 – Posicione-se do lado da vítima e coloque o dedo indicador e o médio em dos pontos de verificação.

Conceito: “ Corresponde ao processo de entrada de O2 no organismo durante a inspiração e eliminação de CO2 pela expiração.AVALIAÇÃO • FREQUÊNCIA (RPM) • AMPLITUDE (superficial ou profunda) • RITMO (regular ou irregular) 8 .FREQUÊNCIA CARDÍACA (FC) RESPIRAÇÃO 1.” RESPIRAÇÃO .

9 . • Adultos: 12 -20 rpm.RESPIRAÇÃO .RESPIRAÇÃO Não deixe a vítima perceber que está verificando a respiração VALORES DE REFERÊNCIA • Recém Nascidos: 30 – 60 rpm. 2 – Conte os movimentos respiratórios durante 1min. • Sons respiratórios anormais. e ao mesmo tempo observe a sua profundidade e ritmo. RESPIRAÇÃO 1 – Aproxime-se vítima e de forma discreta volte seu olhar para o tórax da mesma (VOS). 3 – Anote a freqüência respiratória. a profundidade. Verifique sempre os sinais e sintomas: • Cianose.AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO . o ritmo e a hora que foi verificado. • Inquietação. • Crianças: 20 -30 rpm. • Dispnéia.

ºC). em graus TERMORREGULAÇÃO • O valor normal pode sofrer variações: • Variação ambiental.7-36.Conceito: “ É um sinal vital que reflete o grau de calor mantido pelo corpo. Registro e Mensuração: • É mensurada centígrados (ºC).2º C • Temperatura oral 36-37.6º C • Temperatura axilar 35. FATORES QUE ALTERAM A TEMPERATURA CORPORAL Atividade Metabólica • SONO E REPOUSO • IDADE • EXERCÍCIOS • EMOÇÕES • FATOR HORMONAL • AGASALHOS • FATOR ALIMENTAR 10 .3-38. • As crianças apresentam a temperatura pouco mais alta do que a dos adultos.” TEMPERATURA 2.3 a 0. • Atividade metabólica TEMPERATURA VALORES DE REFERENCIA: • Temperatura retal 36.TEMPERATURA 1.9º C OBS: OBS: Podem ser encontradas variações dentro da normalidade para a mesma pessoa (0.6ºC).

• Termômetro clínico. Bulbo. • Algodão seco ou papel toalha. Haste. TEMPERATURA . • Recorrente ou recidivante: episódios de febre separados por intervalos de temperatura normal. p • Intermitente: há uma elevação com retorno da Intermitente: temperatura ao normal diariamente. • Remitente: oscilação diária maior que 2ºC sem Remitente: retornar a temperatura normal.TEMPERATURA CORPORAL ALTERAÇÕES PATOLÓGICAS TEMPERATURA .Padrões de Febre • Contínua ou persistente: elevação persistente. com persistente: pouca variação. 11 .Verificação • Material necessário – Cuba rim contendo: • Algodão com álcool.TERMÔMETRO FEBRE INFECÇÃO TRAUMA CONVULSÕES TEMPERATURA .

Verificação • Preparar psicologicamente o cliente • Limpar o termômetro dentro dos princípios de microbiologia. 12 . Antes de colocar no cliente TEMPERATURA .Verificação • Após 5 minutos.TEMPERATURA . atendimento. do meio menos contaminado para o mais contaminado. TEMPERATURA .Verificação • Balance o termômetro até o mercúrio •chegar no valor de 35º C • Coloque o termômetro em uma das regiões citadas. retire o termômetro e realize a leitura do mesmo mesmo. • Anote o valor encontrado e o horário na ficha de atendimento. Após retirar do cliente de forma que o bulbo fique em contato direto com a pele da vítima por 5min no mínimo.

13 .