You are on page 1of 16

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

PROPOSIÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DO DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS NA UFRN

Área temática: Avaliação de Desempenho, Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas

Autores: Ângela Lobo Costa Telma Elita da Silva

RESUMO O trabalho trata da implantação de ferramentas para a gestão do desempenho por competências para os servidores que desenvolvem atividades técnico-administrativas e de gestão na UFRN, tomando por base o Mapeamento das Competências realizado visando a proposição de um Sistema de Gestão por Competências (SGC) para a UFRN. A partir de um sistema de avaliação de desempenho em funcionamento por meio eletrônico desde 2006, foram incorporadas melhorias que tem como referência o modelo de gestão por competências. O desenvolvimento dos descritores das competências mapeadas, definição da escala e aplicação por ambientes organizacionais levou à elaboração de novos formulários, embora tenha sido possível aproveitar o método de avaliação do sistema anterior, que era uma ferramenta avançada, alinhada às diretrizes legais do Decreto nº 5.825, de 29 de junho de 2006. PALAVRAS-CHAVES: Gestão do desempenho; gestão por competências; instituições federais de ensino superior; políticas de pessoal; gestão de pessoas. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO A Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - origina-se da Universidade do Rio Grande do Norte, criada pela Lei Estadual nº 2.307/1958 e federalizada pela Lei nº 3.849, de 18 de dezembro de 1960. A UFRN é composta por sete campi, sendo dois na capital e cinco no interior; quatro hospitais universitários, sendo um no interior; um Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos – NUPLAM; dois Museus; uma Agência de Comunicação, Televisão Universitária do Rio Grande do Norte (TVU), Rádio FM Universitária e Editora Universitária (EDUFRN); Biblioteca Central e 19 bibliotecas setoriais, que formam o Sistema de Bibliotecas. Ensino: número de alunos e cursos em 2010 Nível Ensino Infantil e Médio Graduação Pós-Graduação Total
Fonte: Relatório de Gestão UFRN 2010

Nº de alunos 1.945 27.204 6.784 35.933

Nº de cursos 18 120 132 270

Em relação às áreas de pesquisa e de pós-graduação, a UFRN coordena o maior grupo de projetos de pesquisa do Estado. A universidade atua em 62 municípios com ações de extensão universitária e em vinte pólos presenciais de apoio à educação a distância, destacando-se pelas parcerias realizadas com os sistemas estadual e municipais de educação.

No campo administrativo, UFRN desenvolveu e mantém sistemas integrados de informação de última geração, para atender às áreas acadêmica, administrativa e de recursos humanos – Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA), Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos (SIPAC) e Sistema Integrado de Gestão, Planejamento e de Recursos Humanos (SIGPRH). A instituição administra um orçamento de custeio e investimento da ordem de R$51.848.789. Ao final de 2010, a UFRN contava com 5.416 servidores efetivos, dos quais 2.052 são docentes de ensino superior, sendo 1.305 doutores; 185 docentes de ensino básico, técnico e tecnológico e 3.179 são servidores técnicoadministrativos em educação. Hoje, a UFRN coordena três importantes Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia: INCT de Comunicações Sem Fio (INCT-CSF), INCT Interfaces Cérebro Máquina (INCEMAQ), em parceria com a Associação Alberto Santos Dumont para Apoio à Pesquisa (AASDAP) e o INCT INEspaço em parceria com o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA). É importante também destacar a internacionalização da Instituição, que mantém acordos de cooperação com universidades de diversos países como: Chile, Cuba, Espanha, Canadá, Estados Unidos, França, Hungria. Reconhecida como uma Instituição de referência no Estado, a Universidade registrou avanços na avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, como a segunda melhor instituição de ensino superior do Norte/Nordeste e foi classificada em 21º lugar entre 109 universidades brasileiras, segundo o índice SIR – Scimago Institutions Rankings (www.scimagoir.com). JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO PROJETO A Administração Pública Federal, como um todo, vem buscando soluções eficazes para modernizar a gestão, de forma a garantir a efetividade dos serviços que oferece à sociedade. Considerando-se a obrigatoriedade legal da aplicação da avaliação de desempenho, em virtude da vigência da Lei nº 11.091, de 12 de janeiro de 2005, que institui o Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação e suas formas de desenvolvimento, sendo a progressão por mérito profissional uma delas, toma-se o sistema, em princípio, como uma ferramenta administrativa auxiliar para o gerenciamento organizacional em seus diversos níveis: estratégico, tático e operacional. Neste contexto, procuramos colaborar com a gestão rediscutindo a proposta para implantação de um sistema de gestão do desempenho por competências na UFRN em substituição ao sistema de avaliação já existente, Gestão do Desempenho Humano – GDH, numa concepção respaldada pela Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas, exarada no Decreto nº 5.707, de fevereiro de 2006. Na concepção proposta, a gestão do desempenho não apenas deve atender às disposições legais,

garantindo base para as progressões por mérito profissional, como, principalmente, os resultados são aproveitados em diferentes áreas administrativas da estrutura organizacional, para tomada de decisão sobre pessoas em nível estratégico, tático e operacional. A conversão de uma ferramenta de avaliação de desempenho em um sistema de gestão do desempenho por competências parte da necessidade de desdobramento de cada competência em descritores que expressem os comportamentos observáveis que permitem aferir a expressão da competência e a determinação da escala de avaliação a ser utilizada; o desenvolvimento dos formulários de avaliação de desempenho, aliado à adequação do sistema eletrônico, em parceria com a Superintendência de Informática; a regulamentação do sistema de gestão do desempenho por competências no âmbito da UFRN, mediante proposição de resolução ao Conselho de Administração; o treinamento dos multiplicadores (agentes de avaliação), que apoiarão a estratégia de descentralização da implantação. OBJETIVOS: GERAL Propor um sistema integrado de gestão do desempenho por competências, que contemple as atividades técnicas, administrativas e de gestão da UFRN, a partir de um modelo referencial adequado para as instituições federais de ensino superior - IFES. ESPECÍFICOS:     Validar as diretrizes para a dimensão Avaliação descritas no Relatório Técnico de Mapeamento das Competências; Validar as competências individuais por ambientes organizacionais; Definir descritores para as competências dos ambientes organizacionais; Elaborar os formulários e definir o método de avaliação a ser aplicado.

METODOLOGIA Consoante a premissa da participação coletiva na gestão da universidade, utilizou-se a formação de grupos de estudos e de discussão sobre avaliação de desempenho, envolvendo os gestores de diversas unidades internas da Pró-reitoria de Recursos Humanos (PRH); agentes de recursos humanos de outras unidades e docentes no Departamento de Psicologia, que possibilitaram a apropriação das referências teóricas sobre o tema e da legislação pertinente aplicada à administração pública federal e às instituições de ensino superior. O alinhamento foi realizado através da revisão do Relatório Técnico do Mapeamento das Competências e Diretrizes para a Implantação de um Sistema de Gestão por Competências,

elaborado em agosto de 2008, sob a consultoria técnica do Prof. Dr. Anielson Barbosa da Silva, em observação a mecanismos legais, como a Lei nº 11.091/2005 e os Decretos nºs 5.707/2006, 5.824/2006 e 5.825/2006, e da concepção de melhoria contínua de processos, propondo o aproveitamento do sistema eletrônico vigente, no que fosse possível. A discussão e a formulação dos descritores das competências contaram também com a supervisão do consultor. Foram programadas oficinas para validação das competências dos ambientes organizacionais. Após a discussão com a equipe técnica, os elementos formadores da proposta de gestão do desempenho por competências passaram a ser discutido com a equipe de informática, para posterior implementação das melhorias no sistema.

EXECUÇÃO: 1. Foram realizadas leituras e discussões sobre a legislação e a teoria sobre competências com ênfase no conceito de competências descrito no inciso II, do Art. 2º do Decreto nº 5.707/2006 que define gestão por competências como “gestão da capacitação orientada para o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias ao desempenho das funções dos servidores, visando ao alcance dos objetivos da instituição” de forma que proporcionasse ao grupo a compreensão dos mecanismos legais e a teoria envolvendo o Sistema de Gestão por competências. 2. O grupo de discussão, tomando por base o Relatório Técnico do Mapeamento das Competências e Diretrizes para a Implantação de um Sistema de Gestão por Competências, revisou o documento, apropriando-se das definições de competências institucionais, por ambientes organizacionais comportamentais. 3. Com uma visão integrada dos processos de Capacitação, Dimensionamento e Avaliação e da necessidade do desenvolvimento de competências que atendam ao contexto e as especificidades institucionais, o grupo realizou oficinas com representantes dos Ambientes Organizacionais, descritos no anexo II do Decreto nº 5.824/2006 para validar as competências instituídas como requeridas aos servidores técnico-administrativos da UFRN para o desenvolvimento da melhoria dos processos de trabalho nas suas unidades de lotação. 4. Com base nesse entendimento foram organizados três grupos de trabalho, que analisaram e reestruturaram as diretrizes envolvendo as dimensões: Capacitação, Dimensionamento e Avaliação para a integração do Sistema de Gestão por Competências, validando-as no grande grupo. Logo depois, com uma visão integrada desses processos que atendam ao

contexto e as especificidades institucionais, cada grupo passou a trabalhar no desdobramento das diretrizes. 5. O grupo de trabalho sobre Avaliação desenvolveu os descritores de todas as competências e propôs modelos de formulários a serem inseridos no sistema informacional institucional, além de haver revisado a metodologia do processo de avaliação em utilização, indicando alterações.

RESULTADOS Os resultados obtidos partiram da análise do Relatório Técnico para realizar a revisão das diretrizes para a avaliação, validar as competências dos ambientes, elaborar os descritores das competências e propor formulários para um sistema de gestão do desempenho por competências, conforme segue: I - DIRETRIZES DA AVALIAÇÃO 1. Gestão do desempenho como instrumento gerencial, articulado ao planejamento estratégico. 2. Processo pedagógico e sistemático de análise do desempenho das atividades técnicas e administrativas, alinhado às competências institucionais e aos ambientes organizacionais. 3. Relevância à integração dos níveis de atuação organizacional, a partir das metas institucionais e setoriais que norteiam o planejamento individual de trabalho. 4. Foco na coleta de dados qualitativos e quantitativos sobre o desempenho dos indivíduos e grupos, a fim de subsidiar as políticas de gestão de pessoas na UFRN. II – OFICINAS PARA VALIDAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS DOS AMBIENTES

ORGANIZACIONAIS Foram realizadas oficinas com representantes dos ambientes da Informação; Saúde; Artes, Comunicação e Difusão; Ciências Exatas e da Natureza. Para os demais ambientes, houve necessidade de reprogramar as oficinas, devido ao recesso acadêmico, o que dificultou a freqüência dos representantes. III – DESCRITORES DAS COMPETÊNCIAS DOS AMBIENTES ORGANIZACIONAIS E COMPORTAMENTAIS 1.2. Descritores das Competências do Ambiente Administrativo 1.2.1. Planejamento 1.2.1.1. Planeja e organiza suas atividades, de acordo com a demanda, demonstrando conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados .

1.2.2. Gestão de Processos 1.2.2.1. Utiliza os processos de trabalho no gerenciamento das suas atividades, por meio da análise, identificação, e reformulação dos fluxos de trabalho e utilização efetiva de sistemas de informações de forma integrada e sistêmica. 1.2.2.2. Emite documentos com agilidade e correção, utilizando adequadamente a redação oficial e efetuando os registros pertinentes 1.2.2.3. Encaminha documentos com agilidade e correção, efetuando os registros pertinentes 1.2.2.4. Recebe documentos com agilidade e correção, efetuando os registros pertinentes 1.2.2.5. Distribui documentos com agilidade e correção, efetuando os registros pertinentes. 1.2.2.6. Atende às pessoas, com presteza e cordialidade, respondendo às situações demandadas com informações precisas. 1.2.3. Legalidade 1.2.3.1. Utiliza a legislação na realização do seu trabalho de forma pertinente, com ética e responsabilidade para garantir a transparência nas ações e a efetividade dos processos administrativos. 1.2.4. Gestão de Pessoas 1.2.4.1. Estabelece um clima de cooperação e participação, com disponibilidade e

comprometimento, melhorando o desempenho do ambiente organizacional. 2. Infra-Estrutura 2.2. Descritores das Competências do Ambiente Infra-Estrutura 2.2.1. Planejamento 2.2.1.1. Planeja e organiza suas atividades, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 2.2.2. Gestão de Projetos 2.2.2.1. Planeja projetos técnicos pautados em estudos de viabilidade econômica e social, dentro das normas de segurança, com responsabilidade e profissionalismo, (sugiro rever a última parte que está sublinhada, pois ela pode gerar dúvidas em função das palavras considerando e possibilidades. por isso, que eu gosto de trabalhar com os três aspectos, contexto, ação e resultado. As competências indicadas acima têm essa configuração.) 2.2.2.2. Coordena o trabalho de implantação dos projetos, com controle e eficiência, cumprindo as etapas e os prazos estabelecidos. 2.2.2.3. Executa atividades designadas a partir do plano de trabalho, de acordo com sua área de atuação, com qualidade e economia, utilizando os recursos disponíveis no ambiente de trabalho 2.2.3. Gestão de Processos

2.2.3.1. Realiza os processos de trabalho relativos às suas atividades, de forma integrada e sistêmica, utilizando racionalmente os equipamentos e instrumentos de trabalho, em prol da melhoria do desempenho e alcance dos objetivos institucionais. 2.2.4. Legalidade 2.2.4.1. Aplica a legislação na realização do seu trabalho de forma pertinente, com ética e responsabilidade, para garantir a transparência nas ações e a efetividade dos processos de trabalho. 2.2.4.2. Respeita as normas de trânsito na condução de veículos automotores, com atenção e responsabilidade, zelando pelo patrimônio público e garantindo a integridade dos passageiros e dos cidadãos. 2.2.4.3. Investiga e registra anormalidades, tais como sinistros, desvios, furtos, roubos e invasões, com profissionalismo e competência, respeitando as normas de segurança e saúde ocupacional. 3. Ciências Humanas, Jurídicas e Econômicas 3.2. Descritores das Competências do Ambiente Ciências Humanas, Jurídicas e Econômicas 3.2.1. Planejamento 3.2.1.1. Planeja e organiza atividades de apoio ao ensino, pesquisa e extensão, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 3.2.1.2. Planeja e organiza atividades técnicas que favorecem a produção e a transmissão do conhecimento na área das Ciências Humanas, Jurídicas e Econômicas, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 3.2.2. Organização 3.2.2.1. Executa suas responsabilidades de forma clara e objetiva, oferecendo apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão, com eficiência e eficácia 3.2.2.2. Executa as suas atribuições técnicas de forma clara e objetiva, favorecendo a produção e a transmissão do conhecimento 3.2.3. Legalidade 3.2.3.1. Utiliza a legislação na realização do seu trabalho de forma pertinente, com ética e responsabilidade para garantir a transparência nas ações e a efetividade de atividades de assessoria técnica, fiscalização, perícia, avaliação, arbitramento, elaboração de laudo e parecer técnico, suporte a projetos ou atividades administrativas. 3.2.4. Gestão da Informação

3.2.4.1. Processa e distribui informações com responsabilidade e precisão, utilizando os sistemas institucionais (SIPAC, SIGAA, SIGPRH), de modo a favorecer sua utilização para a tomada de decisão nos diversos níveis de gestão. 3.2.4.2. Aplica metodologias, normas e regulamentos internos relativos às atividades acadêmicas, com conhecimento e profissionalismo, oferecendo suporte administrativo eficiente e ágil. 4. Ciências Biológicas 4.2. Descritores das Competências do Ambiente Ciências Biológicas 4.2.1. Planejamento 4.2.1.1. Planeja e organiza atividades de apoio ao ensino, pesquisa e extensão de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 4.2.1.2. Planeja e organiza atividades técnicas que contribuam para a produção e a transmissão do conhecimento na área das Ciências Biológicas, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 4.2.2. Organização 4.2.2.1. Executa suas responsabilidades de forma clara e objetiva, oferecendo apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão com eficiência e eficácia 4.2.3. Gestão de Riscos 4.2.3.1. Realiza experimentos de acordo com as especificações técnicas, com ética e respeito às normas de segurança e o princípio do respeito e da valorização da vida, com o uso de EPIs e outras medidas de segurança.4.2.3.2. Utiliza procedimentos e equipamentos de acordo com as especificações técnicas, com ética e respeito as normas de segurança e o princípio do respeito e da valorização da vida, com o uso de EPIs e outras medidas de segurança. 4.2.3.3. Executa suas atividades, com concentração, profissionalismo e responsabilidade, considerando a relevância e confiabilidade dos resultados dos experimentos. 4.2.4. Biotecnologia 4.2.4.1. Aplica processos biológicos para oferecer apoio técnico nas ações acadêmicas com precisão e rigor científico, favorecendo a produção e transmissão do conhecimento. 5. Ciências Exatas e da Natureza 5.2. Descritores das Competências do Ambiente Ciências Exatas e da Natureza 5.2.1. Planejamento

5.2.1.1. Planeja e organiza atividades de apoio ao ensino, pesquisa e extensão, de acordo com a demanda, com responsabilidade e conhecimento, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 5.2.1.2. Planeja e organiza atividades técnicas que contribuam para a produção e a transmissão do conhecimento na área das Ciências Exatas e da Natureza, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 5.2.2. Organização 5.2.2.1. Executa suas responsabilidades de forma clara e objetiva, oferecendo apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão com eficiência e eficácia. 5.2.3. Gestão de Riscos 5.2.3.1. Realiza experimentos e utiliza procedimentos e equipamentos de acordo com as especificações técnicas, de forma ética, respeitando as normas de segurança e o princípio do respeito e da valorização da vida, com o uso de EPI’s e outras medidas de segurança. 5.2.3.2. Executa suas atividades, com profissionalismo e responsabilidade, considerando a relevância e confiabilidade dos resultados dos experimentos. 5.2.4. Análise de Experimentos 5.2.4.1. Aplica métodos físicos, químicos, físico-químicos e bioquímicos para oferecer apoio técnico nas ações acadêmicas com precisão e rigor científico, favorecendo a produção e transmissão do conhecimento. 6. Ciências da Saúde 6.2. Descritores das Competências do Ambiente Ciências da Saúde 6.2.1. Planejamento 6.2.1.1. Planeja atividades de apoio ao ensino, pesquisa e extensão, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 6.2.1.2. Planeja atividades técnicas na área das Ciências da Saúde, de acordo com a demanda, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 6.2.2. Gestão de Processos 6.2.2.1. Coordena os processos de trabalho de forma integrada e sistêmica, utilizando racionalmente os equipamentos e instrumentos de trabalho para a melhoria do desempenho e alcance dos objetivos institucionais.

6.2.2.2. Aplica adequadamente indicadores, métodos, técnicas, normas internas e orientações, para a melhoria do desempenho e alcance dos objetivos institucionais. 6.2.2.2. Executa suas responsabilidades de forma clara e objetiva, oferecendo apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão com eficiência e eficácia. 6.2.3. Biossegurança 6.2.3.1. Utiliza procedimentos e equipamentos de acordo com as especificações técnicas, de forma ética, respeitando as normas de segurança e o princípio do respeito e da valorização da vida, com o uso de EPI’s e outras medidas de segurança. (Ver sugestão para essa competência no ambiente Ciências Biológicas) 6.2.3.2. Mantém a atenção concentrada na execução de suas atividades, com profissionalismo e responsabilidade, considerando a prevenção de danos físicos e morais a pacientes, a si próprio e aos demais profissionais da equipe durante a assistência à saúde. 6.2.4. Humanização 6.2.4.1. Relaciona-se com os demais profissionais de saúde com sensibilidade e respeito, para a promoção da saúde individual e coletiva da equipe de trabalho. 6.2.4.2. Atende pacientes e familiares com respeito e ética profissional, objetivando a assistência integral e a promoção da saúde. 7. Agropecuária 7.2. Descritores das Competências do Ambiente Ciências Agropecuárias 7.2.1. Gestão Ambiental 7.2.1.1. Promove ações voltadas para a exploração, manutenção e conservação dos recursos naturais e do meio ambiente com responsabilidade social e racionalidade, possibilitando uma ação educativa para o uso sustentável, a formação de uma atitude ecológica das pessoas. 7.2.2. Planejamento 7.2.2.1. Planeja e organiza atividades de apoio ao ensino, pesquisa e extensão, de acordo com a demanda, com responsabilidade e conhecimento, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 7.2.2.2. Planeja e organiza atividades técnicas que contribuam para a produção e a transmissão do conhecimento na área das Ciências Agropecuárias, de acordo com a demanda, com responsabilidade e conhecimento, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 7.2.3. Gestão de Processos

7.2.3.1. Coordena os processos de trabalho relativos às suas atividades técnicas, de forma integrada e sistêmica, utilizando racionalmente os equipamentos e instrumentos de trabalho, em prol da melhoria do desempenho. 7.2.3.2. Executa suas responsabilidades de forma clara e objetiva, oferecendo apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão com eficiência e eficácia. 7.2.4. Gestão de Projetos 7.2.4.1. Planeja projetos técnicos pautados em estudos de impacto ambiental, nas áreas de recursos hídricos, sistemas de irrigação e drenagem, beneficiamento de produtos animais e vegetais, coleta seletiva de resíduos e outras, com atitude consciente e responsabilidade social, visando à conservação do meio ambiente. 7.2.4.2. Coordena o trabalho de implantação de projetos, com controle e eficiência, cumprindo as etapas e os prazos estabelecidos. 7.2.4.3. Executa atividades designadas a partir do plano de trabalho, de acordo com sua área de atuação, com qualidade e economia, utilizando os recursos disponíveis no ambiente de trabalho. 8. Informação 8.2. Descritores das Competências do Ambiente Informação 8.2.1. Planejamento 8.2.1.1. Planeja e organiza atividades ligadas ao gerenciamento de sistemas de informações institucionais e o dimensionamento de equipamentos, recursos humanos e layout das unidades administrativas em resposta às demandas organizacionais, com conhecimento e

responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 8.2.1.2. Planeja e organiza atividades técnicas nas áreas de comunicação, biblioteconomia, museologia ou arquivologia, respeitando normas técnicas e aplicando o conhecimento científico, com profissionalismo e eficiência. 8.2.2. Segurança da Informação 8.2.2.1. Preserva os atributos fundamentais da informação conferidos pelo tratamento de segurança, princípios da confidencialidade, integridade e disponibilidade da informação, para o armazenamento e transposição da mídia segura, considerando os objetivos institucionais. 8.2.3. Tecnologia da informação 8.2.3.1. Demonstra proatividade e iniciativa para o autodesenvolvimento, em relação à evolução das tecnologias que fazem parte ou geram tratamento da informação, para manter o desempenho eficaz das atribuições em seu ambiente organizacional. 8.2.3.2. Utiliza métodos e técnicas no desenvolvimento e no gerenciamento de sistemas de informação bibliográficos e não bibliográficos e avaliação da performance dos sistemas inerentes ao

processamento da informação, com qualidade e profissionalismo, facilitando e agilizando o processo decisório em sua área de atuação. 8.2.3.3. Produz conteúdos para publicação virtual ou não a partir do processamento de dados coletados nos sistemas de informação, com responsabilidade e discernimento, para possibilitar o acesso democrático ao conhecimento. 8.2.4. Gestão de Processos 8.2.4.1. Coordena os processos de trabalho referentes às suas atividades técnicas, de forma sequenciada e integrada, utilizando racionalmente os equipamentos e instrumentos de trabalho, para atender e, preferencialmente, suplantar, com minimização dos conflitos interpessoais, as necessidades e expectativas dos servidores e dos usuários do serviço. 8.2.4.2. Oferece suporte técnico na instalação e administração de sistemas operacionais e aplicativos, com profissionalismo e competência, visando mantê-los em funcionamento regular para que os processos de trabalho sejam operacionalizados de forma adequada. 8.2.4.3. Implanta e mantém preventiva e corretivamente os equipamentos e serviços de rede, com profissionalismo e competência, visando mantê-los em funcionamento regular para que os processos de trabalho sejam operacionalizados de forma adequada. 9. Artes, Comunicação e Difusão 9.2. Descritores das Competências do Ambiente Artes, Comunicação e Difusão 9.2.1. Planejamento 9.2.1.1. Planeja e organiza atividades de pesquisa e extensão ou de apoio ao ensino em sala de aula, nos laboratórios, oficinas, teatros, galerias, museus, cinemas, editoras, gráficas, campos de experimento ou outras formas e espaços onde ocorram a produção e a transmissão do conhecimento, com conhecimento e responsabilidade, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados. 9.2.1.2. Planeja e organiza atividades técnicas relativas às áreas de Artes, Comunicação e Difusão contribuindo para a produção e a transmissão do conhecimento, de acordo com a demanda, assumindo compromissos e cumprindo-os nos prazos determinados, com

profissionalismo e credibilidade. 9.2.2. Organização 9.2.2.1. Define com clareza e objetividade as atribuições e responsabilidades e os recursos necessários à execução de atividades técnicas pertinentes aos processos de produção e tratamento de imagens fotográficas, filmes, programas de rádio e televisão, peças de teatro, espetáculos musicais e de dança, exibições cinematográficas, exposição e mostra de artes, contribuindo para a produção e transmissão do conhecimento.

9.2.2.2. Executa suas responsabilidades de forma clara e objetiva, oferecendo apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão com eficiência e eficácia. 9.2.3. Comunicação 9.2.3.1. Implementa políticas de comunicação social e visual, com responsabilidade e profissionalismo, contribuindo para a valorização institucional e o acesso democrático à informação.9.2.3.2. Utiliza técnicas de comunicação para o atendimento de necessidades pedagógicas, como apoio às atividades vinculadas ao ensino, à pesquisa e à extensão com eficiência e eficácia. 9.2.4. Gestão de Processos 9.2.4.1. Coordena os processos de trabalho referentes às suas atividades técnicas de forma sequenciada e integrada, utilizando racionalmente os equipamentos e instrumentos de trabalho, com a finalidade de atender e, preferencialmente, suplantar, com minimização dos conflitos interpessoais, as necessidades e expectativas dos servidores e dos usuários do serviço. 9.2.4.2. Coordena os processos de trabalho no gerenciamento das suas atividades, por meio da análise, identificação, e reformulação dos fluxos de trabalho e utilização efetiva de sistemas de informações de forma integrada e sistêmica. 2.1. Competências Comportamentais 2.1.1. Trabalho em Equipe 2.1.1.1. Realiza atividades em equipe com eficiência e produtividade, mantendo a orientação para o alcance dos objetivos e metas do setor. 2.1.1.2. Estabelece um clima harmonioso entre as pessoas, promovendo a participação, cooperação, comprometimento, interesse e bem-estar, utilizando a comunicação como elemento integrador para a atuação bem sucedida da equipe. 2.1.2. Visão Sistêmica 2.1.2.1. Conhece as políticas institucionais e atua como elo para a integração dos ambientes organizacionais, vislumbrando a UFRN como um sistema unificado e integrado . 2.1.2.2. Reconhece o impacto de seu trabalho nos resultados da unidade administrativa e da instituição, com coerência e assertividade, identificando em suas atividades os aspectos que compõem o objetivo da instituição. 2.1.3. Foco no resultado 2.1.3.1. Qualidade do atendimento, o gerenciamento dos processos de trabalho e o planejamento das atividades inerentes a sua área de atuação 2.1.4. Iniciativa

2.1.4.1. Resolve os problemas por meio da busca de informações de forma pró-ativa, utilizando os recursos disponíveis no ambiente de trabalho para melhorar a qualidade dos serviços prestados a sociedade. 2.1.5. Comportamento Ético 2.1.5.1. Age de acordo com um padrão de conduta pautado no compromisso moral com o usuário, os colegas de trabalho, a instituição e a sociedade, respeitando os princípios da administração pública, as normas institucionais e o código de ética do servidor. 2.1.6. Autodesenvolvimento 2.1.6.1. Acompanha a evolução dos conhecimentos na sua área de atuação, por meio da busca, disseminação e aplicação de conhecimentos, para aperfeiçoar os processos de trabalho e/ou desenvolver novos conhecimentos. VI - MÉTODO: O sistema de gestão do desempenho por competências é desenvolvido em quatro etapas: a) Plano Individual de Trabalho – descrição do processo de trabalho do setor; descrição das metas do setor; descrição das atribuições e responsabilidades assumidas pelo servidor, onde constem as metas/contribuições individuais/resultados esperados acordados para o período bem como as competências do ambiente organizacional, de conteúdo técnico, e as competências comportamentais requeridas pra o desempenho de suas atividades. b) Acompanhamento do Desempenho – processo gerencial e autônomo de análise contínua do desempenho, durante o período de efetivo exercício. c) Registro da Avaliação – discussão sobre os resultados do desempenho, a partir do planejamento das atividades, tomando por base as competências e os resultados esperados, registro no sistema e emissão de relatórios. d) Validação – análise dos resultados individuais e grupais que foram apurados e elaboração de um plano de melhorias. A avaliação de desempenho utilizará as modalidades de auto-avaliação, avaliação dos pares, avaliação dos subordinados e avaliação dos superiores, num modelo de avaliação em 360º, a partir da caracterização dos níveis de atuação organizacional dos servidores envolvidos nas atividades administrativas e técnicas: O período de análise do desempenho é de 12 (doze) meses e tem como base o ano civil. Na etapa de validação, devem ser registradas as orientações para a melhoria do desempenho do servidor, onde poderão ser indicadas ações de treinamento, movimentação, acompanhamento psicossocial, avaliação de saúde ocupacional, entre outros e atualizado o Plano Individual de Trabalho para o próximo período. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esta proposta foi constituída numa concepção de aprendizagem permanente e compartilhada como mecanismo de capacitação em serviço, na qual os sujeitos aprendentes interagem com o conhecimento já sistematizado pela instituição e por teóricos da área de conhecimento da gestão de pessoas e com os colegas de trabalho, tornando o aprendizado significativo e produtivo por meio da realização dos processos de forma integrada. O desempenho humano ou organizacional representa, em última instância, uma expressão da competência de indivíduos, grupos ou organizações. O processo de gestão de competências deve considerar o caráter de complementaridade e interdependência entre a competência e o desempenho, integrando as atividades de planejamento, acompanhamento e avaliação de desempenho, a partir de diagnóstico das competências essenciais à organização, desde o nível corporativo até o individual. REFERENCIAL TÉORICO 1. AMARAL, Helena Kerr. Desenvolvimento de competências de servidores na administração pública brasileira. Revista do Serviço Público Brasília 57 (4): 549-563 Out/Dez 2006. 2. BARONI, Margareth; OLIVEIRA, José Mendes. Desenvolvimento profissional e mobilização de competências no setor público. XI Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Ciudad de Guatemala, 7 - 10 Nov. 2006 3. BRANDÃO, H. P.; BAHRY, C.P. Gestão por Competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 56, n. 2, p. 179-194, Abr/Jun 2005. 4. BRASIL, Decreto No. 5.707, de 23 de Fevereiro de 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. 5. GUIMARÃES, T. A. A nova administração pública e a abordagem da competência. Revista de Administração Pública, v. 34, n. 3, maio/jun. 2000. 6. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. A democratização das relações de trabalho: um novo olhar sobre a política de gestão de pessoas na Administração Pública Federal. Texto-base da I Conferência Nacional de Recursos Humano na Administração Pública Federal (Brasília, julho de 2009). 7. SILVA, A. B. Relatório Técnico do Mapeamento das Competências e Diretrizes para a Implantação de um Sistema de Gestão por Competências (SGC) na UFRN. Agosto, 2008. 8. PIRES, K; et al. Gestão por competências em organizações do Governo: mesa redonda de pesquisa-ação. Brasília: ENAP, 2005.