Meios de Prova

A função da prova dentro de um processo é de suma importância uma vez que as conseqüências jurídicas estão associadas às afirmações sobre fatos. Dessa forma, a parte que deseja obter no processo um efeito jurídico deve primeiro afirmar algo sobre certo fato e, a seguir, comprovar a veracidade dessa afirmação. As dúvidas quanto à veracidade das afirmações feitas pelas partes (questões de fato), dada a sua contradição, devem ser dirimidas pela atividade probatória.Tal atividade é de fundamental importância. Para que as afirmações feitas pelas partes sejam levadas em considerações pelo juiz no momento de julgar, imperiosa é a demonstração de sua veracidade. A prova, nesse caso, é a verdade extraída pelo juiz (resultado) dos elementos probatórios produzidos pelas partes (atividade), através do desenvolvimento do seu trabalho intelectual de avaliação. Pode-se afirmar, portanto, que a função da prova é a de formar a convicção do julgador, a fim de que este faça incidir a norma jurídica ao fato.

Tipos de Prova:
Prova Documental: A expressão "prova documental" abrange os instrumentos e os documentos, que se diferenciam, principalmente, em razão de serem constituídos com a finalidade de servir de prova; estes, ao contrário, poderão ser utilizados como prova, mas não são confeccionados com essa finalidade. Os documentos podem ser públicos ou privados: a) Documento público: é o formado perante e por autoridade pública no exercício de suas atribuições legais e que tenha aptidão para lhe conferir fé pública, isto é, presunção de veracidade e autenticidade. Essa presunção de veracidade dos documentos públicos é relativa, visto que pode ser afastada por prova contrária. Para que a presunção de veracidade dos documentos públicos alcance o fato em si, é necessário que tenha ocorrido na presença do funcionário público. Se o funcionário público se limita a documentar declaração de particular, a presunção de veracidade do documento público se resume ao fato de ter sido efetivamente prestada para fins probatórios o legislador

aqueles que referem-se a fatos ocorridos posteriormente à fase inicial ou. no silêncio. Neste caso. no prazo do art. Prova Pericial: No processo civil um dos momentos mais delicados na formação do arcabouço probatório é a realização da perícia. O autor poderá contrapor com prova documental as preliminares opostas pelo réu. A declaração contida em documento particular. apenas. o documento não poderá ser substituído por qualquer outro meio de prova. a declaração de ciência. o documento provará. b) Documento Privado: é aquele para cuja formação não contribuiu qualquer agente público exercendo função pública.equipara ao documento público original a cópia autenticada. subscrito pelas partes. Essa regra não pode ser confundida com o incidente de falsidade. sob pena de. se essa declaração referir-se à ciência de um fato. ainda. O documento particular terá presunção de autenticidade. se for assinado perante um tabelião que reconheça a firma do signatário. e não. pois versa apenas sobre a forma de impugnação da autenticidade da assinatura e a veracidade do contexto. que não pode ser confundida com veracidade. a certidão e traslados fornecidos pelo escrivão ou por oficial público. A parte contra quem foi produzido um documento particular poderá. A prova pericial consiste em . for elaborado por oficial público incompetente ou sem a observância das formalidades legais. CPC impugnar a autenticidade da assinatura e a veracidade do contexto. desde que assinado pelo declarante. pois milita a presunção de veracidade em favor do autor do documento. 390. as partes poderão juntar documentos novos. dispensa qualquer outro meio probatório. Quanto à produção da prova documental. No entanto. O documento público terá o mesmo valor probatório que o documento particular se. a fim de provar a sua existência. Por vezes o legislador impõe a forma pública como requisito de validade do negócio jurídico. a veracidade do fato. admite-se a juntada de documentos para contrapor os documentos novos juntados. Assim como ocorre nos documentos públicos a presunção de veracidade é relativa. Depois. a lei prevê que os documentos indispensáveis a propositura da ação e à defesa devem acompanhar a petição inicial e a contestação. ser presumido autêntico e verdadeiro.

Testemunhas referidas: testemunhas descobertas por meio de depoimento de alguma testemunha. A lei permite também a presença de assistentes técnicos da confiança das partes para acompanhar a perícia e realizar pareceres. . se entender necessários. Sua nomeação independe de qualquer compromisso formal das atribuições a ele destinadas. As testemunhas classificam-se em: . além dos crimes próprios de funcionário público. Prova Testemunhal: A prova testemunhal consiste em uma reprodução oral do que se encontra na memória daqueles que. pois sua responsabilidade decorre de lei. O exame visa à análise do estado em que se encontra um bem móvel. caso entenda suficientes pareceres técnicos ou documentos os autos. cuja função é auxiliar o juiz sobre determinado fato. . não sendo parte. . O exame visa à análise do estado em que se encontra um bem móvel. A vistoria destina-se a analisar o estado de um bem imóvel.exame. vistoria ou avaliação. semovente ou pessoas. Por exercer função pública o perito também se submete às recusas decorrentes de impedimento ou suspeição.Testemunhas instrumentárias: testemunhas que presenciam a assinatura de um ato jurídico (exemplo testemunhas presenciam um contrato e o assinam junto com as partes contratantes). . . A parte que dispensar a intimação da testemunha sob o compromisso de apresentá-la na data da audiência corre o risco de perder a prova se a testemunha não comparecer.Testemunhas judiciárias: testemunhas que depõem em juízo sobre o fato litigioso. A avaliação visa atribuir um valor monetário a alguma coisa ou obrigação.Testemunhas de referência: testemunhas que souberam do fato litigioso através de terceiros. presenciaram ou tiveram notícia dos fatos da demanda.Testemunhas presenciais: testemunhas que assistiram o fato controvertido pessoalmente. O perito é a pessoa dotada de conhecimentos técnicos sobre determinada área. Pode o juiz dispensar a perícia.

os parentes das partes etc. impedimento ou suspeição. Cumpre lembrar que. A confissão pode ser judicial ou extrajudicial. Não podem depor como testemunhas as pessoas incapazes (os menores de 16 anos. de forma que uma não tome conhecimento do teor do depoimento da outra. As testemunhas não são obrigadas a depor quando os fatos possam lhe trazer graves danos. o confitente deve possuir plena capacidade para tanto e não estar submetido a qualquer tipo de coação ou violência. as pessoas que tiverem interesse no resultado da demanda os amigos íntimos e os inimigos das partes). 329. Confissão: A confissão é diferente do reconhecimento da procedência do pedido. I do CPC (resolve o mérito). para a confissão ter valia. O juiz ouve as testemunhas separadamente. as pessoas impedidas (o tutor no caso de demanda que envolva o menor. O reconhecimento da procedência do pedido. 269.) ou suspeitas (as pessoas que já foram condenadas por falso testemunho. ou quando devam guardar sigilo dos fatos em face de sua profissão. Por sua vez. pois o juiz julga conforme o estado do processo ( art. oralmente ou na forma escrita. os cônjuges. . (Art. ou ao seu cônjuge e seus parentes em linha reta ou colateral até o 2º grau. antecipa a solução do litígio.A testemunha antes de depor é advertida pelo juiz de que poderá responder a um processo criminal se fizer afirmação falsa. a confissão extrajudicial é a feita fora do processo. Na confissão. 405. calar ou ocultar a verdade. frente a parte contrária ou terceiros. por sua vez. o confitente apenas reconhece a existência de fatos contrários ao seu interesse e o juiz profere a sentença com base no art. CPC) As partes poderão contraditar a testemunha (pedir que não seja ouvida) quando verificar sua incapacidade. os portadores de doença mental etc). CPC). A confissão judicial (feita nos autos do processo) pode ser espontânea (por iniciativa própria a parte comparece em juízo e confessa) ou provocada (a parte adversa requer a confissão da parte).

br/v2/cursoonline.org.webartigos.com/artigos/a-prova-no-processocivil/44894/#ixzz24DgP36nC http://www.asp? id_curso=442&id_titulo=5564&pagina=10 .Referências: http://www.com/artigos/a-prova-no-processocivil/44894/#ixzz24DfzCbwc http://www.webartigos.jurisway.