UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB

AUTORIZAÇÃO N.º 9293/86 – RECONHECIMENTO: PORTARIA N.º 909/95,DOU 01.08.95

GABINETE DA REITORIA GESTÃO DOS PROJETOS E ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA
RESOLUÇÃO Nº 709/09 – DOE de 21/07/09

Curso: Componente curricular: Docente: Discentes: Discentes: Discentes: Tutor a Distância:

Licenciatura em Química

Laboratório de Comunicação e Interação Pedagógica
Semestre: Atos E. Santos Brito Sara Ruan (nome) Grupo: G11 2012.7 Carga horária: 60 h

A utilização de programas televisão como recurso didático em aulas de química

Nas aulas de química. se eles conseguiram aprender os conceitos ali trabalhados. A mudança proporciona a criação de atividades mais atraentes e com uma maior atuação dos alunos. Mas. prédefinidos por ele. o mesmo vídeo pode ser aproveitado em uma situação educativa em sala de aula. cabe ao professor saber como melhor utilizar o recurso visual para atingir os objetivos. Porém. estético e cultural. favorecendo o sensacionalismo e ao conteúdo de baixo nível ético.DOU 01. especificamente televisão.º 9293/86 – RECONHECIMENTO: PORTARIA N. os recursos audiovisuais são importantes ferramentas para transmitir ou recriar contecimentos muitas vezes impossíveis de trazer para sala de aula. que o professor que se disponibiliza a utilizar o vídeo como recurso didático deve ter cuidado durante a exibição dos mesmos. as aulas de química são vistas pelos alunos como algo a serem decoradas ou vivenciadas apenas pelos conceitos apresentados nos livros. com uma boa organização metodológica. Um canal de televisão pode apresentar vídeos que. ao chegar a seus lares se entreguem a programação transmitida pela TV. devido à restrição de materiais. o que tornaria o telespectador um ser dependente e sem senso crítico. seja na parte de produção de materiais para uso em sala de aula.95 GABINETE DA REITORIA GESTÃO DOS PROJETOS E ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA RESOLUÇÃO Nº 709/09 – DOE de 21/07/09 De início. atribuindo a ele um caráter alienador. por exemplo. de um laboratório seguro para realização de práticas de riscos. neste caso o vídeo televisivo. a serem alcançados pelos alunos. podemos presenciar a química também em programas da televisão.º 909/95. os Parâmetros Curriculares Nacionais abordam a utilização de recursos tecnológicos. recursos audiovisuais e do cotidiano do alunado. Por fim. deve-se ter em mente. que o professor tendo sua metodologia bem construída conseguirá utilizar variados recursos. satisfazendo as curiosidades dos alunos e necessidades reais ou imaginárias dos mesmos. quais impactos (positivos ou negativos) são criados nos alunos e o objetivo principal. é muito comum que os alunos. É importante lembrar. visando que seja complementar a proposta pedagógica realizada por ele.UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB AUTORIZAÇÃO N. ou pelo menos uma mobilização deles para trabalhar estes conceitos em atividades posteriores. é importante percebemos que apesar de alguns professores condenarem o vídeo como recurso didático. Partindo do pressuposto da contextualização dos conteúdos vivenciados em sala de aula com o cotidiano do aluno.08. O professor que utiliza em sua prática metodológica. ajude a mudar sua rotina de sala de aula. A interação que os alunos possam ter com o recurso vai depender de como a aula será continuada após a exibição do mesmo. permite que haja o incentivo a problematização de conceitos. e os próprios professores. esperam que o vídeo. Geralmente. por mais didáticos que sejam não estejam inseridos numa proposta formal de ensino. seja na apresentação de situações vivenciadas fora do âmbito escolar. na tentativa de reproduzir algo a mais que o quadro e os livros não apresentam. no processo de ensino aprendizagem: . observamos que os professores que fazem uso deste recurso. Sendo assim. Por outro lado.

Sendo necessária. analisar e relacionar acontecimentos dados. pode ser utilizada como fonte de informação para problematizar os conteúdos das áreas do currículo.08. por meio de situações em que o veículo pode ser um instrumento que permite observar. Acreditamos. entretanto. saibam que é possível a utilização de programas da televisão em sala de aula. ou trecho dele. p. durante o processo de ensino aprendizagem. uma boa escolha do programa. identificar. para que os alunos compreendam a importância do mesmo durante o seu processo de aprendizagem.UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB AUTORIZAÇÃO N.º 9293/86 – RECONHECIMENTO: PORTARIA N.] Propostas desse tipo favorecem o desenvolvimento de habilidades relacionadas à linguagem oral e escrita. cenários.95 GABINETE DA REITORIA GESTÃO DOS PROJETOS E ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA RESOLUÇÃO Nº 709/09 – DOE de 21/07/09 A programação convencional de televisão..DOU 01. desenhos. (BRASIL.. comparar. modos de vida etc. uma cautela na construção da aula que utiliza o vídeo como recurso.º 909/95. a inclusão de programas da televisão na sala de aula pode facilitar a compreensão dos conteúdos de química. seriados [. e a elaboração de uma boa estratégia didática. . é importante que os professores de química. Por exemplo. 143) Neste sentido. 1997. bem como das demais ciências. que permita o estabelecimento de relações entre o recurso audiovisual e outras atividades. é necessário uma leitura integra do conteúdo a ser explorado. Portanto. é possível propor estudos comparativos de personagens e ambientes de novelas. em especial de programas de televisão. que para um adequado uso de vídeos. que em princípio não tem finalidade educativa. bem como o cuidado em não tornar o uso do vídeo um processo banal. finalizando assim a aula. e de uma atitude mais crítica diante da televisão como veículo de informação e comunicação.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful