You are on page 1of 8

Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros - Ciências - ...

1 de 8
Cartão Crédito Barclaycard, crédito até 50 dias sem juros. Adira!

ÍPSILON | GUIA DO LAZER | CINECARTAZ | INIMIGO PÚBLICO | PESO E MEDIDA |

Siga-nos em:

Estudo

Neurologia

O álcool, a droga "mais perigosa", afecta 500 mil portugueses

Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros | LOJA | ASSINATURAS

JORNAL DO DIA | PDF | VÍDEOS | MULTIMÉDIA | INFOGRAFIAS | BLOGUES | DOSSIERS |

MUNDO POLÍTICA ECONOMIA DESPORTO SOCIEDADE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS ECOSFERA CULTURA

Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros
02.11.2010 - 17:31 Por Clara Barata
Votar | 10 votos 3 de 4 notícias em Ciências « anterior seguinte

É só mais uma desculpa para não ler ou é para levar a sério? A Internet está a mudarnos o cérebro, isso é certo, mas estará a interferir com a nossa capacidade de ler? O grande problema, diz um neurologista português, é que as pessoas não têm consciência das transformações que se estão a viver.

A Internet está a mudar-nos o cérebro. Esta frase tem saltado para títulos de jornais e para tema de discussões na própria Internet - por vezes, em tom de alarme (DR)

5 Tweet 78 Share
ESTATÍSTICAS

Maryanne Wolf tem na sua lista de livros preferidos O Jogo das Contas de Vidro, de Herman Hesse, uma elaborada biografia ficcionada do mestre de uma austera ordem de intelectuais que se treina para jogar um jogo sofisticadíssimo que é uma síntese de todas as artes e de todo o conhecimento. Não é um romance fácil - mas esta cientista norte-americana que estuda a forma como o cérebro se adapta para aprender a ler também não é uma leitora qualquer. No entanto, ela teve uma enorme surpresa, quando resolveu voltar a lê-lo: "Não conseguia! A minha necessidade de velocidade, fomentada nos últimos anos pela Internet, tornava-me impossível desacelerar e concentrar-me!", confessou. A Internet está a mudar-nos o cérebro. Esta frase tem saltado para títulos de jornais e para tema de discussões na própria Internet - por vezes, em tom de alarme. Convenhamos que, dito assim, a seco, parece algo assustador - "Oh não, mais uma coisa moderna que está a dar-nos cabo da vida!" Mas esta mudança na intimidade do órgão que nos permite pensar não é algo anormal: se
Twitter Facebook RSS

8730 leitores 3 comentários

SIGA-NOS

está a ler estas linhas, o seu cérebro já mudou irreversivelmente, e de forma única: aprendeu a ler, algo para o qual os seus genes nunca o prepararam. A verdade é que todas as nossas experiências nos modificam o cérebro, redesenham-nos os circuitos, como se fosse um computador - mas estes chips cerebrais são feitos de axónios e dentrites, as extensões através das quais os neurónios comunicam, por impulsos eléctricos e sinais químicos, dando forma a ideias e a memórias.

FUNCIONALIDADES
Diminuir Aumentar

http://www.publico.pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a... 03-11-2010

Ele explica o problema nas primeiras páginas. a escrever assim. desta capacidade permanente de se alterar.sem passar pela aprendizagem à mão -. e passava horas a passear por longas caminhadas de prosa. É por isso. mais intenso será esse efeito de plasticidade do cérebro.. feita na década de 1990. "Isso que está a fazer. explica. alguns com 42 anos de experiência de trabalho nas ruas da capital britânica. Hoje é raro fazer isso. têm andado nas discussões online. Os cérebros dos atletas são mais volumosos nas zonas responsáveis por controlar a coordenação entre os olhos e as mãos. perco o fio à meada. do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica de Lisboa. Agora a minha concentração começa a vaguear passada uma página ou duas. quase um reflexo . que não fossem taxistas com décadas de experiência e um verdadeiro mapa das ruas da cidade de Londres na cabeça. O que não se aprendia em pequenino dificilmente se aprenderia em adulto. Rápidos e estúpidos? Estas coisas da Internet e da maleabilidade do cérebro para se adaptar à civilização criada pela democratização da leitura durante os últimos 500 anos.Ciências . quanto mais repetitivas e praticadas forem as nossas acções. que ficou assente apenas na década de 1990. Os músicos profissionais têm mais matéria cinzenta nas áreas cerebrais relacionadas com o planeamento dos movimentos dos dedos. e as diferenças que apresentam em relação ao daquelas que foram alfabetizadas...enfim. diz Castro Caldas. para ver como lhe parece correcto. Numa experiência célebre. mais tarde ou mais cedo.publico. desde que Gutenberg inventou a imprensa e os livros. sobretudo este Verão. Começo a mexer-me. Se alguém aprender a escrever no teclado do computador . E nos livros também.pt/1464014 COMENTÁRIO + VOTADO Evidente! Há coisas que necessitam de estudos para ser comprovadas. à mão". começo a URL DESTA NOTÍCIA http://publico. vá desaparecer. Vendo bem. "Não tenho andado a pensar como costumava pensar.. Mas o mais certo. é que esse gesto ainda hoje corrente. porém a realidade que é . a sequência em que são activadas para que completemos uma determinada tarefa. cientistas britânicos espreitaram para dentro do cérebro de taxistas londrinos. Anónimo 03. diz o neurologista Alexandre Castro Caldas. com a publicação de The Shallows (Os Superficiais). Mas tanto a arquitectura do cérebro como as próprias células que o compõem vão mudando bastante ao longo de toda a vida. era muito maior do que em pessoas normais . uma área cerebral onde são armazenadas representações espaciais da área que nos rodeia. Até então. 2 de 8 Comentar Enviar Feedback Imprimir Corrigir Partilhar E.. mesmo quando está a escrever no computador". o que se aceitava era algo que a sabedoria popular traduzia no provérbio "de pequenino se torce o pepino": o cérebro não mudava grande coisa desde a infância. que estudou o cérebro das pessoas que nunca aprenderam a ler. pelo jornalista de tecnologia norte-americano Nicholas Carr. parece óbvio que o cérebro vá mudando à medida que aprendemos coisas novas.tirar notas à mão -. "é-lhe possível porque existe uma pequena área no seu cérebro que guardou memória gráfica das palavras".. e descobriram que o seu hipocampo posterior. O que é redesenhado são as ligações entre os neurónios.. como se a mão soubesse mais de ortografia do que o cérebro onde ficam guardadas as memórias e o que aprendemos. "que às vezes escreve uma palavra à mão. Mas a descoberta desta plasticidade do cérebro.2010 19:21 http://www. a comunicação entre as várias áreas do cérebro.. 03-11-2010 .pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a. não vai ter a necessidade de pegar em papel e caneta para tirar dúvidas. Sinto-o sobretudo quando estou a ler. Costumava achar fácil mergulhar num livro ou num artigo longo. é algo recente. notando como a Pública tira notas da conversa. A minha mente deixava-se apanhar nas voltas da narrativa ou nas reviravoltas dos argumentos. Do dia-a-dia e do espacinho que ocupa no nosso cérebro.. começaram a ser produzidos por máquinas e não copiados pacientemente à mão.Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros .11.

Uma criança aprende a falar sem instrução. com um título muito curioso . A leitura aprofundada que antes me vinha naturalmente tornou-se agora numa luta. "A leitura e a escrita são uma invenção e cada cérebro tem um circuito próprio. 03-11-2010 . "Esse circuito é diferente consoante a qualidade da aprendizagem. transformamo nos em meros descodificadores . em 2008.pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a. cientistas. único. chinês. desde logo pelo título provocador: O Google está a tornar-nos estúpidos? Google. ou que sejam usados. Se esse é o seu dia típico. "O livro de Carr começa a partir do fim do meu". que é diferente consoante seja hebreu. subentendia-se que em causa estava a Internet. para Carr e para Wolf. a partir da Universidade de Tufts. "Deixa de se fazer uma análise aprofundada do texto." Mas ler e escrever "não são actos naturais". http://www. faz uma pesquisa.Proust and the Squid(Proust e a Lula: a História e a Ciência do Cérebro Leitor)-. vê as notícias. de forma bastante mais acelerada do que aconteceria se estivesse simplesmente a escrever um texto à mão.. 3 de 8 procurar outra coisa qualquer para fazer.Ciências . É por si .mas será que isso nos tornava mais inteligentes ou apenas nos dava a ilusão de que podíamos ter acesso a todo o conhecimento muito mais facilmente e isso apenas nos tornava bem mais impacientes e talvez mais desleixados. vê um vídeo no YouTube. um sistema de interrupções. perceberá talvez o que Carr quer dizer quando chama à Internet. Todas utilizadoras intensivas de Internet. que punha ao alcance de uns poucos cliques uma enorme quantidade de informação .. que é especialista em dislexia. ao não permitir que se formem. como escreve Carr: "A linguagem não é uma tecnologia. a qualidade da leitura é afectada. diz Carr. Em causa não está o uso da linguagem. num meio tão cheio de distracções como a Internet. Se muita da leitura é feita online.ou por crianças que são treinadas. Esta é a área de trabalho de Wolf. Os nossos cérebros e corpos evoluíram para falar e para ouvir palavras."Se passa grande parte do seu dia a trabalhar na Internet. explica Maryanne Wolf ao telefone. Em causa." O receio é que a rede. não era apenas o motor de pesquisa. coreano ou inglês". responder às mensagens que lhe vão chegando na sua caixa de correio electrónico. Carr foi o autor de muito badalado ensaio na revista The Atlantic. Sinto que tenho de estar sempre a arrastar o meu cérebro indisciplinado de volta ao texto. É natural que os circuitos do seu cérebro se redesenhem de forma a conseguir dar resposta tantas solicitações a exigir a sua atenção ..Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros . está precisamente o efeito que a Internet tem sobre a nossa capacidade para ler e escrever.. que deu brado.a Internet pode ser contraproducente. a dar resposta a este ritmo frenético que Maryanne Wolf teme. desde cedo. tornou-se cada vez mais comum. foi publicado há dois anos e é sobre as neurociências da leitura.. um processo deliberado para dar uma determinada forma ao cérebro". neste caso. a responder às solicitações típicas do online: refrescar o Twitter para seguir as actualizações das pessoas e sites que se acompanham." O problema. pelo menos entre algumas pessoas cita muitas. no Massachusetts.. exigem "ensino e prática.normalmente ao mesmo tempo.. uma máquina que funciona à base de dividir a atenção" de quem a utiliza. pessoas que inesperadamente começaram a ter problemas em concentrar-se para ler. a transformar-nos em "leitores superficiais". explica ao telefone Maryanne Wolf. É algo inato da nossa espécie. enquanto escreve um texto. os processos de leitura profunda. esteja. que traz até nós todo o conhecimento humano que pode ser posto online. a grande rede das redes. afinal.publico. como um passarinho aprende a voar. jornalistas. comunicar com os seus amigos no Facebook. inventado pela linguagem em que essa pessoa lê. "por concepção. intelectuais. O livro dela.

É aí que está o cerne das suas preocupações. esgotado. Uns são melhores que os outros? Os "nativos" perdem algo porque não cultivam a leitura como os "imigrantes" foram habituados a cultivar. A Internet pode ser uma forma de exercício para a mente. que tiveram de entrar neste novo mundo da Internet já adultos ou a caminho disso.navegamos.. do que as que não tinham experiência.como o proverbial copo que se encheu demasiado e começa a transbordar -. e das de Carr.à exigência de rapidez na tomada de decisões. Os primeiros são melhores a tomar decisões rapidamente. http://www. Estamos num momento de transição e certamente haverá perdas. que são todos os outros. saltitando de informação em informação. Isso acaba por ser contraproducente". aborrecidos. sem guardar nenhuma. mostram que as pessoas com experiência de uso diário da Internet tinham duas vezes mais actividade cerebral em áreas relacionadas com a tomada de decisões e raciocínios complexos.ou não. são mais voltados para o contacto social e cumprem uma tarefa de cada vez. 03-11-2010 . de um abismo entre os "nativos digitais". conseguiriam fazer os malabarismos necessários para desempenhar múltiplas tarefas ao mesmo tempo. e das dos que sentem que a Internet está a devorar o espaço de tranquilidade das suas vidas..Ciências . de conseguir fazer ligações entre os dados que já guardámos na nossa memória de longo de prazo. Transformamo-nos nas criaturas superficiais. quando andavam na escola? "Não sei que sentido ainda faz as crianças mais jovens lerem livros". deixamos de conseguir manter-nos atentos e focados.. Isto. diz. como quando andamos pela Internet à procura de uma novidade que nos entretenha. como demonstrou Gary Small num estudo em que foi analisando. "A evolução programou-nos para corrermos sempre de um estímulo para o próximo. Mais do que exercitado. reflectir sobre ele . através de exames de imagem.. em teoria. quando estavam a fazer a pesquisa online. neurologista da Universidade da Califórnia em Irvine (Estados Unidos). O uso da Internet pode ter benefícios. 4 de 8 "Nativos" e "imigrantes" Gary Small.pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a. "Não fico tão perturbado se desaparecer a leitura como forma de aquisição de conhecimentos. todo o tipo de solicitações a que está sujeito o nosso sistema cognitivo se torna demasiado . "Estimulei isso na minha família. diz Maryanne Wolf. sem relacionar as coisas entre si . Os resultados. como se fosse obrigado a correr a maratona saltando barreiras. numa entrevista à revista brasileira Veja.Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros . as pessoas que nasceram na década de 1980 em diante. enquanto faziam pesquisas na Internet ou liam uma página de texto.Mas o excesso de exposição à Internet . Foi uma experiência da natureza. a constante possibilidade de saltar de um site para outro . diz Small. os que têm mais de 30 anos." A leitura como forma privilegiada de comunicação. mas não sei se faz mesmo sentido. tiveram uma forma diferente de socialização. o cérebro fica fatigado. o que se passava no cérebro de 24 pessoas. diz. segundo um comunicado de imprensa da Universidade da Califórnia.publico. A nossa capacidade de compreensão torna-se superficial. e os "imigrantes digitais". a aparente abundância de material para escolher. deixamos de conseguir reter informação.pode criar problemas. fala de um brain gap. se calhar está a ser inflacionada. o tempo que lhes permitia ler um livro. para querermos sempre mais. são mais metódicos. São aqueles que. com idades entre os 55 e os 76 anos. A mudança não nos deve meter medo".. na Internet e nos media. Os segundos. mostra que usar a Internet activa mais áreas do cérebro do que simplesmente ler. publicados na revista American Journal of Geriatric Psychiatry. diz Castro Caldas. Quando a quantidade de informação. ou pelo menos a prezar. o número de decisões que temos de tomar. a ordenar e a classificar a avalanche de estímulos sensoriais que constantemente nos bombardeia.

a quem a história de Maryanne Wolf com O Jogo das Contas de Vidro (ed." O declínio. Na segunda semana. quando a capacidade de empatia se manteve estável. desde 1979. port. diz o neurologista. quando saiu a nova tradução. que também não é propriamente fácil. "Um estudo da Universidade do Michigan chegou a uma conclusão bastante preocupante: a empatia. que também avança com a explicação tecnológica como uma provável resposta a este fenómeno. "Não está analisado. e agora estou a ler o Aquilino Ribeiro. utiliza até palavras que não usamos normalmente. A revista Newsweek dedicou um amplo trabalho ao tema em Julho]. Notas não sobem E será certo. "A Internet é um produto do pensamento humano. num artigo sobre a investigação de Konrath. na forma como nos relacionamos com os outros". "Há dois anos li o Proust. incentivar o uso de computadores pelas crianças . longitudinais.. À Procura do Tempo Perdido.e o que está em causa pode bem ser o programa político dos candidatos numas eleições.. em que a imaginação está a diminuir [os índices Torrance. diz o neurologista. e ninguém está a dar conta!" "Se a nossa atenção é constantemente distraída. Wolf. quando lhe traçam este cenário de pesadelo da Internet devoradora de tempo e de espaço das nossas vidas. E o pensamento superficial não nos leva a uma vida virtuosa. que reconhece não existirem muitos estudos que provem ou desmintam as suas preocupações. adaptada ao pensamento humano. sublinha. Mas é importante que se dê o alerta. percebi que já tinha recuperado o ritmo de antigamente". e como noutros países se faz com outros programas? Alguns estudos têm mostrado que não é particularmente benéfico para o aproveitamento escolar das crianças facilitar-lhes o acesso aos computadores. conta que ficou "chocada" quando percebeu que já não conseguia concentrar-se para ler Herman Hesse. pergunta Castro Caldas.. deixamos de conseguir analisar profundamente o que lemos". Os estudantes que deixaram de conseguir imaginar como é que outra pessoa se deve estar a sentir face a uma determinada situação. começou nos últimos dez anos. compreender as diversas camadas de significado dos assuntos ." Maryanne Wolf está atenta à produção científica. começaram a cair. Há indícios que ela considera serem de alerta. por exemplo. "Tive de me treinar. a maneira de ler está a mudar sob os nossos dedos. Isto está a passar-se com a geração do Facebook e do Twitter. como se faz em Portugal.Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros . 5 de 8 Produto do pensamento "Acha?". isso influencia a profundidade da leitura. diz Maryanne Wolf. durante uma semana. a capacidade de entender uma situação a partir do ponto de vista do outro. então. Obriguei-me a ler durante 20 minutos todas as noites. deliberadamente. Mas isto fê-la perceber: "Meu Deus.publico.pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a. terão nascido na década de 1980 e chegaram à universidade já com computadores portáteis e telemóveis . por seu lado. diminuiu cerca de 40 por cento entre os estudantes universitários norteamericanos durante os últimos 30 anos.logo na escola primária. "Basta parar". como concluiu http://www. Claro podemos sempre discutir os riscos da utilização inadequada das tecnologias como a Internet. mas acho que depende muito da situação". "A leitura superficial não conduz a uma forma de pensar profunda. E utilizo bastante a Internet". diz Wolf. de facto. Não conseguimos interpretar. revela a análise a vários outros estudos feita pela equipa de Sarah Konrath. não temos de pensar apenas em literatura. Era necessário haver estudos rigorosos. em vários estudos. Percebo o que se pode querer dizer com isso.Ciências . com o Magalhães. ao que sai nos media. numa altura em que as competências dos alunos do secundário estão a decrescer. que medem a criatividade. 03-11-2010 . estiveram numa tendência crescente até 1990..são os "jovens pioneiros da era digital". Dom Quixote) pareceu "ficção". a partir daí. recordou.. como dizia o jornal Boston Globe.

desenvolveu-se sempre por convicções.pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a. Texto publicado na edição da Pública de 31. divulgado este Verão. "A escola anda desorientada. diz Maryanne Wolf.que tal pegar num livro lento? Sobretudo. da Universidade de Chicago.10. "O grande problema é que as pessoas não têm consciência das transformações que se estão a viver. 03-11-2010 . Agora.publico. da Universidade de Columbia. usam-no assim [põe o telemóvel nas duas mãos. concluíram os investigadores. todos se estão a agarrar ao cérebro como última grande ideia. sem que nos apercebamos disso. melhoraram as suas notas nos testes de índices cognitivos. Aliás. diz Castro Caldas. não partilham dessa percepção". Do tipo. em Nova Iorque. ou são bons a ler e a lidar com livros.Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros . Chamar-se-á Letters to the Good Readers: Deep Reading in a Digital Time (Carta aos Bons Leitores: Leitura Profunda Num Tempo Digital)." O cérebro adapta-se rapidamente: "As minhas filhas. As notas das crianças desfavorecidas que receberam computadores para levar para casa em Matemática e Romeno até pioraram um pouco. "A questão é quando o deve fazer e quanto. alerta Wolf. Estes assuntos não são muito discutidos". ficam os alertas. que sairá para o ano. Como devem ser ensinadas as crianças. era o tipo de acompanhamento que os pais lhe davam. se participavam.. talvez vá a tempo de parar para pensar se não será melhor desacelerar de vez em quando . têm de desenvolver competências de leitura.. "Os adultos podem pensar nos computadores antes de mais como uma ferramenta de produtividade." Entre a visão pessimista de Maryanne Wolf e a mais optimista de Castro Caldas sobre um futuro que está já aqui e está já a influenciar a nossa cultura e a nossa sociedade ." É verdade que estamos a viver um momento de transição.Ciências . diz um comunicado de imprensa sobre o estudo. com os dedos em posição para poder escrever mensagens de SMS]. e Cristina Pop-Eleches. e não é fácil fazer experimentação com escolas. em geral. Maryanne Wolf não desiste: está a trabalhar num novo livro. Percebe-se que será um alerta sobre a forma como está a alterar-se a nossa capacidade de ler. Estes resultados foram confirmados por outro estudo feito com crianças nos EUA. Em compensação. Fundamental para o sucesso escolar das crianças que receberam computadores. Se resistiu a ler estas linhas no papel sem sucumbir aos chamamentos sempre renovados da Internet. "A actual geração tem de desenvolver as capacidades de trabalhar com os computadores". mas os miúdos.2011 Corrigir Provedor do Leitor Feedback Diminuir Aumentar Blogue sobre este artigo http://www. por Jacob Vigdor e Helen Ladd. ao mesmo tempo.até a nossa biologia. Não devemos cair numa situação binária".. se impunham regras. antes da explosão do fenómeno Facebook e Twitter. na Carolina do Norte.mas não sabemos como fazer isso. Isso é coisa do passado. para os anos de 2000-2005. de um programa na Roménia.. quando brincavam com o telefone. "Dar um computador a cada criança é a resposta? Acho que não."Temos de ensinar as crianças a ser alfabetizadas tanto na leitura e na escrita como na utilização dos computadores . ou são bons nos computadores e na Internet. diz Castro Caldas. não se deixe distrair.. considerando que. 6 de 8 uma avaliação feita por Ofer Malamud. reconhece. as minhas netas. Estamos a avançar antes de sabermos". às neurociências da educação. levavam-no à orelha.

03. É paradoxal. infelizmente já cheio de sono. escreva pior do que há 10 anos quando andava no secundário. Também eu já dei por mim. os leitores possam no mesmo período de tempo. a internet é um excelente instrumento de difusão de informação. a pensar que tinha de fazer um plano de leitura diário no sentido de me disciplinar a esse nivel. multimédia e multilíngua. Portugal. cada vez mais popular.publico. alimenta algum tipo de hiper-foco para a informação que lá está exposta. Mas é de facto na leitura que eu noto a maior diferença.Ciências .11.É um facto que a minha apetência para ler livros "tradicionais" terminou há muito tempo. 03. com 38 anos desde os 15 com ligações online (desde as muito antigas BBS's) o meu cérebro habituou se de tal forma ao hyperlink e à informação segmentada.Contudo. permite que hoje.Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros . Os livros vão-se acumulando nas prateleiras à espera de ser lidos.. caótica mas ordenada. Porto. onde se vê um princípio.11.11. Hoje.2010 12:08 Responder a este comentário Denunciar este comentário Dá que pensar! Este artigo é-me extremamente familiar. porém a realidade que é descrita neste artigo é por demais evidente e basta qualquer um fazer uma auto-análise para se aperceber disso. o link aparecerá aqui.O formato. 7 anos com acesso diário à internet noto com bastante nitidez que escrevo pior e tenho menos capacidade de concentração para ler... e em rigor. em detrimento de artigos longos e pesados. mas a internet parece roubar-me boa parte do tempo que poderia dedicar à leitura. mais uma achega relativamente ao mesmo assunto:(.. do que há 10 anos atrás.. não só com a desinformação.Já agora. é ridiculo. menos detalhados certamente.) Este comentário tem 0 respostas Responder a este comentário Denunciar este comentário Pedro Bettencourt de Figueiredo . Este comentário tem 0 respostas Kropotkine .2010 19:21 Evidente! Há coisas que necessitam de estudos para ser comprovadas.. Anarquia. Benfica. 7 de 8 Se comentar este artigo no seu blogue... Portugal. licenciado. mas é ainda um espaço em que a informação util anda de mãos dadas. Comentários 1 a 3 de 3 Escrever Comentário Anónimo . que o preferimos involuntariamente a qualquer tipo de outro meio.. de oferecer conteúdos mais curtos. Efectue o ping do seu blogue no Twingly para nós o encontrarmos.pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a. especialmente no que toca à escrita que hoje.. 03.Acredito também que a própria luz e formato dos LCD's é algo que atrai a nossa atenção e que. nunca fui . E que são lidos na sua totalidade. meio e fim. de alguma forma. ter à sua disposição um leque cada vez mais amplo de conhecimentos. Em suma. mas concerteza mais variados. Tenho 27 anos e desde muito novo comecei a nutrir grande apreço pela leitura e aventurando-me amiude pala escrita. significa a democratização quase plena do acesso à informação. 03-11-2010 . Hoje. gerando satisfação vs frustração por "ter deixado o livro a meio".2010 15:22 Meio vs Informação Concordo em larga escala com o ponto central do artigo. depois de 6.. mas também com o acessório e superfluo!! Este comentário tem 1 respostas Responder a este comentário Escrever Comentário Denunciar este comentário Comentários Login 1 a 3 de 3 Nome de Utilizador Entrar Registo / Recuperar Login Twitter Login Facebook Comentar Título critérios para publicação de comentários dos leitores Restam 1200 caracteres http://www. que me é MESMO muito difícl pegar num livro "tradicional" e não o largar passado meia hora. muito recentemente.

.pt: Sérgio B. O seu não será divulgado. Atraia 75% Mais Mulheres Saiba como conquistar a mulher dos seus sonhos com feromonas www. não submeta o seu comentário mais de uma vez..publico. 03-11-2010 .. Redes.staples.90 mês tens tudo à Borla. Voi www.Webmaster: Paulo Almeida .pt Atlanticomp .atlanticomp. 8 de 8 Texto Nome Localidade. Gomes Coordenador-geral: Pedro Ferreira .Página Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros .Webdesign http://www. Quaisquer comentários inadequados deverão ser reportados utilizando o botão “Denunciar este comentário” próximo da cada um.Ciências . pelo que pedimos que respeite os nossos Critérios de Publicação.Coordenador editorial do Publico.com Compre já um portátil Hp Portátil Hp .pt/Ciências/como-a-rapida-internet-esta-a-conquistar-o-cerebro-a.Publicidade . mas ficará registado na nossa base de dados..pt Adere ao moche tmn Por apenas €9. País Email Anónimo ENVIAR Os comentários deste site são publicados sem edição prévia.apaixonante.Directora: Bárbara Reis ..tmn. apenas por 599€ só na Staple www.Lisboa Informatica casa escritorio Computadores. Chamada já! www. Por favor.pt Política mais Mundo mais Desporto Educação mais Sociedade mais Ecosfera Local mais Cultura mais Tecnologia © 2010 PÚBLICO Comunicação Social SA .