You are on page 1of 38

ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS

MECÂNICA QUÂNTICA E OS ORBITAIS ATÔMICOS
1926 – Físico austríaco Erwin Schrödinger

Equação de onda de Schrödinger Incorpora tanto o comportamento ondulatório como o de partícula do elétron.

Mecânica quântica ou mecânica ondulatória.

Resolução da equação de Schrödinger

Funções de onda - ψ

localização de um elétron quando ele está está em estado de energia permitido.  Probabilidade de o elétron ser encontrado em certa região do espaço em determinado instante.

ψ2: fornece informações importantes sobre a

ψ2: densidade de probabilidade

Distribuição da densidade eletrônica no estado fundamental do átomo de hidrogênio.

ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS
 Solução da equação de Schrödinger para o átomo de hidrogênio.  Produz um conjunto de funções de onda e energias correspondentes.

ORBITAIS
 Cada orbital descreve uma distribuição específica de densidade eletrônica no espaço.

MODELO DE BOHR

Um único número quântico, n, para descrever certa órbita.

MODELO DA MECÂNICA QUÂNTICA

 n  l  ml

Número Quântico Principal (n)

 Valores inteiros de 1, 2, 3, e assim por diante.

n aumenta: o orbital torna-se maior, e o elétron passa mais tempo mais distante do núcleo.

Número Quântico Azimutal (l)
 Pode ter valores inteiros de 0 a n-1 para cada valor de n.  Define o formato do orbital. Valor de l Letra usada 0 s 1 p 2 d 3 f

Número Quântico Magnético (ml)

 Valores inteiros entre l e –l, inclusive zero.

 Descreve a orientação do orbital no espaço.

n

Valores Designação do Valores possíveis possíveis de l subnível de ml 0 0 1 1s 2s 2p 3s 3p 3d 4s 4p 4d 4f 0 0 1, 0, -1 0 1, 0, -1 2, 1, 0, -1, -2 0 1, 0, -1 2, 1, 0, -1, -2 3, 2, 1, 0, -1, -2, -3

Número de orbitais no subnível 1 1 3 1 3 5 1 3 5 7

Número total de orbitais no nível 1

1 2

4

3

0 1 2

9

4

0 1 2 3

16

Níveis de energia dos orbitais para o átomo de hidrogênio. Cada quadrícula representa um orbital. Todos os orbitais com o mesmo valor para o número quântico principal, n, têm a mesma energia. Isso se aplica apenas a sistemas de um elétron.

REPRESENTAÇÕES DE ORBITAIS

FUNÇÃO DE ONDA

Fornece informações sobre a localização do elétron no espaço quando ele está em um estado específico de energia permitido.

ORBITAIS s
 Orbital de mais baixa energia.  O orbital s é esférico.

Os raios das esferas correspondem à probabilidade de 90 % de se encontrar o elétron dentro de cada esfera.

ORBITAIS s

ORBITAIS p

a) Distribuição de densidade eletrônica de um orbital 2p. b) Representações dos três orbitais p.

ORBITAIS d e f Orbitais d
 Quando n é igual ou maior que 3.  Os diferentes orbitais d em determinado nível têm diferentes formatos e orientações no espaço.

Orbitais f
 Quando n é igual ou maior que 3.  Existem sete orbitais f equivalentes.

ÁTOMOS POLIELETRÔNICOS
ORBITAIS E SUAS ENERGIAS

Repulsão elétron-elétron faz com que os diferentes subníveis estejam em diferentes níveis de energia.

Orbitais em diferentes subníveis diferem em energia.

SPIN ELETRÔNICO

Número quântico magnético de spin: ms ms
+1/2 -1/2

O PRINCÍPIO DA EXCLUSÃO DE PAULI

 Dois elétrons em um átomo não podem ter o conjunto de quatro números quânticos n, l, ml e ms iguais.

 Um orbital pode receber o máximo de dois elétrons, e eles devem ter spins opostos.

CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS

A maneira na qual os elétrons são distribuídos entre os vários orbitais de um átomo.

ESTADO FUNDAMENTAL A mais estável configuração eletrônica: os elétrons estão nos estados mais baixos possíveis de energia.

PROPRIEDADE PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

O DESENVOLVIMENTO DA TABELA PERIÓDICA
1869: Dmitri Mendeleev, na Rússia, e Lothar Meyer, na Alemanha

Esquemas de classificação praticamente idênticos.

As similaridades das propriedades físicas e químicas tornam a se repetir periodicamente quando os elementos são distribuídos em ordem crescente de massa atômica.

Propriedade
Massa atômica Densidade (g/cm3) Calor específico (J/g.K) Ponto de fusão (oC) Cor Fórmula do óxido Densidade do óxido (g/cm3) Fórmula do cloreto Ponto de ebulição do cloreto (oC)

Previsões de Mendelev para o eka-silício (1871)
72 5,5 0,305 Alto Cinza-escuro XO2 4,7 XCl4 Um pouco abaixo de 100

Propriedades observadas para o germânio (1886)
72,59 5,35 0,309 947 Branco-acinzentado GeO2 4,70 GeCl4 84

1913: Henry Moseley

Conceito de números atômicos.

Identificou corretamente o número atômico como o número de prótons no núcleo do átomo e o número de elétrons no átomo.

CARGA NUCLEAR EFETIVA
 Intensidade da força de atração entre o núcleo e os átomos mais externos.  Da mesma maneira que um elétron é atraído pelo núcleo, cada elétron é repelido pelos outros elétrons presentes.  Os elétrons mais externos estão menos fortemente ligados ao núcleo.

 Cada elétron está blindado em relação à atração total do núcleo, pelos outros elétrons no átomo.

Blindagem: reduz a atração do núcleo sobre um elétron. Carga Nuclear Efetiva (Zef):é a carga nuclear que um
certo elétron percebe em um átomo multieletrônico, influenciada pela presença dos outros elétrons.

 A medida que nos movemos em um mesmo período da tabela periódica a carga nuclear efetiva aumenta.

 A medida que nos movemos em um mesma família da tabela periódica a carga nuclear efetiva aumenta, porém menos do que varia ao longo do período.

TAMANHO DE ÁTOMOS
 Em cada coluna (grupo) a medida que descemos os elétrons mais externos passam mais tempo afastados do núcleo, fazendo com que o átomo aumente de tamanho.  Em cada período o raio atômico tende a diminuir quando vamos da esquerda para a direita (aumento da carga efetiva).

TAMANHO DE ÍONS
CÁTIONS: são menores que os átomos que lhe dão origem. ÂNIONS: são maiores que os átomos que lhe dão origem.  Para íons de mesma carga, o tamanho aumenta à medida que descemos no grupo na tabela periódica.

ENERGIA DE IONIZAÇÃO

É a energia necessária para remover um elétron de um átomo ou íon gasoso isolado no seu estado fundamental.

Na (g)

Na

+

(g)

+

e

-

PRIMEIRA ENERGIA DE IONIZAÇÃO (I1): é a energia necessária para remover o primeiro elétron de um átomo neutro.

SEGUNDA ENERGIA DE IONIZAÇÃO (I2): é a energia necessária para remover o segundo elétron de um átomo neutro. Quanto maior a energia a energia de ionização, mais difícil a remoção de um elétron.

 Em cada período, I1, geralmente aumenta com o aumento do número atômico.

 Em cada grupo a energia de ionização geralmente diminui com o aumento do número atômico.

AFINIDADE ELETRÔNICA
 É a variação de energia que ocorre quando um elétron é adicionado a um átomo gasoso.  Mede a atração, ou afinidade, de um átomo pelo elétron adicionado.  A afinidade eletrônica aumenta à proporção que caminhamos em direção aos halogênios.